APLICAÇÃO CORRETA: EFICIÊNCIA, PRODUTIVIDADE E BAIXO CUSTO EM CULTURAS AGRÍCOLAS. José Maria Fernandes dos Santos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APLICAÇÃO CORRETA: EFICIÊNCIA, PRODUTIVIDADE E BAIXO CUSTO EM CULTURAS AGRÍCOLAS. José Maria Fernandes dos Santos"

Transcrição

1 APLICAÇÃO CORRETA: EFICIÊNCIA, PRODUTIVIDADE E BAIXO CUSTO EM CULTURAS AGRÍCOLAS. José Maria Fernandes dos Santos Instituto Biológico, Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Sanidade Vegetal. Av. Cons. Rodrigues Alves, 1252, CEP , São Paulo, SP, Brasil. Fone: (11) , Introdução O uso de produtos agroquímicos e sua efetividade sobre o alvo desejado, principalmente os agrotóxicos, está condicionado a uma série de fatores, os quais deverão ser equilibrados tanto no aspecto do planejamento de uso como operacional. O aspecto de uso se concentra mais nas características do produto a ser empregado como: formulação, modo de ação e toxicologia. Já no aspecto operacional, podemos considerar: manipulação e diluição do mesmo, uso de misturas com outros produtos, tipo e ajuste do equipamento de aplicação, condições da cultura e ambiente para sua utilização, dose a ser usada e monitoramento desde a escolha do produto até sua utilização. Nas culturas de cana de açúcar e milho a competição das plantas invasoras durante a fase de desenvolvimento daquelas culturas, se torna bastante crítica, reduzindo de maneira bastante acentuada a produtividade final. Por este motivo o uso de herbicidas tanto de pré emergência como de pós emergência se apresenta em valores bastante altos, favorecido pela extensão ou dimensões das áreas implantadas com aquelas duas culturas. Por outro lado, o uso dos mais diversos equipamentos como: pulverizadores costais, tratorizados e aeronaves agrícolas se torna imprescindível e realmente necessário. Conceitos, preconceitos e paradigmas, entretanto, na grande maioria dos casos concorrem para que muitos erros e frustrações se tornem freqüentes em algumas regiões, principalmente nos minifúndios ou áreas novas de plantio no que tange principalmente à cultura do milho e em muito menor escala nos plantios ou áreas de cana de açúcar já que nestes, contam com um corpo técnico bastante especializado e atuante. Por outro lado, conceituações e porque não afirmar, paradigmas e comportamentos tradicionais, concorrem para que o produtor ou usuário dos defensivos agrícolas venham a obter cada vez mais insucessos ou maus resultados nos seus intentos e pulverizações, definindo estes resultados como conseqüência da ineficiência ou qualidade do produto aplicado, esquecendo com isto, que a falta de contato ou deposição do produto com o alvo desejado, é função direta do tamanho e densidade das gotas. Acreditando que um aumento cada vez maior no volume aplicado, ou uso de pressões excessivas, facilitam ou favorecem a eficiência dos produtos 41

2 aplicados, esquece ou não quer ver o desperdício resultante pelo escorrimento do excesso de líquido ou evaporação das gotas finas geradas por estes erros. As conceituações ou efeitos acima ocasionam: Escorrimento excessivo do produto a ser aplicado e retido pelas partes vegetais da cultura; Uso de doses do produto cada vez maiores, como compensação das perdas; Aumento do número de pulverizações, com maior deslocamentos de máquinas e pessoas pela lavoura, concorrendo para a maior disseminação dos agentes fitopatológicos; Baixo rendimento dos equipamentos com desgaste maior e prematuro dos componentes dos pulverizadores; Controle dos problemas (insetos, ácaros, doenças e plantas invasoras) ineficientes; Custos de produção mais altos; De todo o exposto acima, podemos assegurar que o fator causal fundamental se resume na falta de conhecimentos básicos e fundamentais da Tecnologia de Aplicação e do funcionamento dos equipamentos de pulverização, por parte dos técnicos, produtores e usuários, associada a uma inércia na exigência pelos consumidores de responsabilidades técnicas e de resultados, por parte das empresas de pulverizadores, em treinamentos e capacitação de operadores em benefício dos usuários. Aspectos físicos da deposição das gotas As gotas de pulverização, são geradas e liberadas pelos bicos de pulverização. Este processo resulta da explosão rápida e violenta de um fluxo líquido sob pressão através de um orifício calibrado, gerando uma grande quantidade gotas de diâmetros variados, pesos diferenciados e trajetórias e velocidades diferentes entre si, sob maior ou menor influência das condições meteorológicos ambientais, refletindo-se em uma maior ou menor coleta das gotas pelo alvo a ser atingido. Por outro lado, a situação, dimensões ou posição deste mesmo alvo, poderá ou não facilitar a deposição das gotas em superfícies imediatamente abaixo do ponto de geração ou serem desviadas a grandes distâncias ou desaparecerem completamente. No processo final é desejado que as gotas se depositem em qualidade e quantidade pré definidas e eficientes. Entretanto, como tem comportamento diferente e sob as condições climáticas e de comportamento aerodinâmicos, se depositarão em camadas principalmente no interior das plantas, como explicaremos a seguir baseados na Figura 1. Correntes de ar circulando por entre os componentes vegetais das plantas, apresentarão direcionamentos e intensidades diferentes do topo até a base das plantas. Saturando-se através da pulverização, estas correntes de vento, com uma quantidade muito grande de gotas de diferentes diâmetros e pesos, poderemos observar que: 42

3 As gotas grossas, com maior peso e inércia, não terão condições de se desviarem das superfícies de impacto (folhas mais externas das plantas) e acompanharem o desvio das correntes de ar, depositando-se por isto, sobre aquelas superfícies ou externamente às plantas. Fig. 1 Representação gráfica do direcionamento e deposição das gotas de pulverização sobre um alvo. De outro modo, as gotas médias e finas, com menor peso e inércia, acompanharão os desvios das correntes de ar, contornando as bordas das superfícies de impacto. À medida que as correntes de ar perdem velocidade e intensidade ao se chocarem e se desviarem das folhas, ramos e frutos das plantas, as gotas arrastadas, apresentam maior dificuldade de arraste, tendendo a se depositarem sobre as novas superfícies de impacto. As gotas mais leves, continuarão o processo até o momento em que seu peso e velocidade sejam maiores que a força de arraste das correntes de ar e se depositem nas superfícies próximas. Todo este processo serve para que se entender que a deposição das gotas sobre as superfícies vegetais é uma conseqüência do processo denominado em Tecnologia de Aplicação de deposição por sedimentação, na qual as gotas maiores e mais pesadas se depositarão no topo e próximo a este. A medida que as gotas tornem-se mais leves, se depositarão sucessivamente nas camadas mais abaixo, podendo atingir o solo. O impacto balístico direto, como tradicionalmente ou conceitualmente é considerado se mostra ineficiente, inadequado e prejudicial à deposição adequada das gotas. Quanto maior é a velocidade de deslocamento das gotas, deposições inadequadas e maiores perdas são obtidas, já que uma gota pesada e com grande velocidade de impacto tende a ricochetear sobre uma superfície, se dividir e se perder parcialmente. No caso de gotas grossas o risco de perdas é maior já que estas se juntarão e causarão escorrimentos sobre as folhas. Efeitos para que a velocidade terminal ou direcionamento das gotas sejam aceleradas, como o uso de fluxos ou correntes de ar, com equipamentos terrestres, ou vôos muito baixos, próximo à cultura ou solo, com aeronaves agrícolas, ao contrario de melhorar a penetração ou deposição das gotas internamente às plantas, produz o efeito inverso, pois estas gotas, chocandose com os obstáculos naturais da cultura (folhas, ramos, flores e frutos) e mesmo o solo, serão fracionadas em gotas menores e direcionadas em diferentes sentidos, prejudicando grandemente a sua uniformidade de deposição homogênea e adequada. O processo acima descrito é contínuo e constante para todo tipo de pulverização ou aplicação de partículas sólidas ou líquidas. Sendo fácil 43

4 através disto, obtermos a deposição de qualquer agroquímico, dentro ou nas partes mais internas de uma planta ou cultura, bem como: determinar quanto tempo poderemos manter as gotas de pulverização em suspensão ou carregadas pelas correntes de ar (deriva); avaliar adequadamente o tipo de bico ou ponta de pulverização, que nos produzirá o tamanho de gota definido em função das dimensões, posições e forma do alvo a ser atingido; local adequado para a deposição e densidade de gotas desejados mais internamente à cultura. Para se obter a melhor deposição e atingir adequadamente um alvo como insetos, ácaros e doenças ou plantas que se localizem internamente à cultura ou plantas invasoras e infestantes de diferentes alturas, é necessário que se produzam através dos bicos do equipamento de pulverização uma quantidade bastante alta de gotas finas e homogêneas, que apresentem uma flutuabilidade (deriva) adequada às condições climáticas locais. NOTA: A denominação aqui referenciada de gotas finas, relaciona-se ao diâmetro da gota obtido sobre o alvo de deposição e não da gota gerada à saída do orifício do bico de pulverização utilizado no pulverizador. No Quadro I, temos os diferentes parâmetros práticos que deverão ser observados para aplicação dos mais diferentes tipos de defensivos. Considerar sempre de maior importância, o número de gotas obtidas uniformemente e adequadas para o controle dos alvos biológicos sobre as superfícies aplicadas. Quadro 1 - Parâmetros práticos recomendados para a aplicação com defensivos. Produto Herbicidas Recomendação Pré-emergência Pós-emergência Plantio direto Aplicação Gotas grossas: for- Gotas finas a mé- Gotas grossas. mar uma espécie dias: produzir uma de filme prote- população muitor sobre o solo to densa de gotas visando o envolvimento da cultura. Diâmetro da DMV µ DMV µ DMV µ gota Número de Mínimo de 20 gotas Ação de contato: 40 Mínimo de 20 gotas gotas/cm 2-70 gotas Ação sistêmica: gotas Bico Jato plano (leque) Bico jato cônico vazio. Jato plano (leque) recomendado com ângulo de 80 Restrições ao uso de com ângulo de 80. Não utilizar bicos bicos rotativos. Não utilizar bicos de de jato cônico. jato cônicos ou ro- Não utilizar bicos rotativos rotativos 44

5 Volume de aplicação (c) terrestres: 150 a 300 L/ha 100 a 200 L/ha 100 a 200 L/ha aeronaves: L/ha L/ha L/ha frutíferas: 150 a 300 L/ha 100 a 200 L/ha 100 a 200 L/ha Pressão de (c, d) trabalho terrestres: 15 a 45 psi 60 a 100 psi 15 a 30 psi (100 a 300 kpa) (a) (400 a 666 kpa) (100/200 kpa) aeronaves: 15 a 30 psi (100 a 200 kpa) frutíferas: 15 a 45 psi 60 a 100 psi (100 a 300 kpa)5 (400 a 666 kpa) Produto Inseticidas Fungicidas (B) Recomendação Contato/Ingestão Sistêmico Protetivo Sistêmico Aplicação Gotas finas a médias. Obter uma Gotas finas a médias. Obter deposição e densidade de gotas a uma deposição e densidade mais uniforme possível nas par- de gotas a mais uniforme tes vegetais ativas das plantas 45 possível nas partes vegetais ativas das plantas Diâmetro da gota DMV µ DMV DMV µ 120 µ Número de gotas gotas gotas gotas /cm 2 Bico recomendado Bicos de jato cônico vazio, com ponta e difusor adequados Bicos rotativos podem ser utilizados desde que o volume aplicado não ocasione saturação do equipamento (b) Não são recomendados o uso de bicos de jato plano (leque) Volume de aplicação (c) terrestre: 60 a 200 L/ha 80 a 200 L/ha aeronaves: L/ha L/ha frutíferas: 400 a 800 L/ha 400 a 800 L/ha Pressão de trabalho terrestre: aeronaves: frutíferas: ( c, d) 80 a 100 psi (533 a 666 kpa) (a) psi ( kpa) 80 a 100 psi (533 a 666 kpa) Autor: Eng.º Agr.º José Maria Fernandes dos Santos a - kpa (quilo Pascal). 100 kpa = 15 psi = 1 bar = 1 kg/cm 2. b - Observar o tipo de translocação ou sistemia do produto a fim de adaptar o modo e local da aplicação, deposição e diâmetro das gotas. Posição e tipo do alvo, densidade da copa e área a ser atingida pelo produto, devem ser consideradas localmente. c - Deverão ser obedecidas as recomendações indicadas de acordo com a ponta de pulverização a ser usada. d - Os valores referidos são funções diretas: do orifício do bico, pressão,

6 volume de aplicação, viscosidade e densidade da formulação, bem como às observações e coletas efetuadas no alvo a ser atingido e não ao diâmetro da gota liberado pelo bico de pulverização. Nota: Os valores aqui referenciados dizem respeito as recomendações gerais, sendo necessário seus ajustes para cada tipo ou formulação de produtos, já que os volumes, densidade e viscosidade dos mesmos não são idênticos para todos os defensivos agrícolas. Sem a correção adequada das gotas, para permanecerem o mínimo possível em suspensão no ar até atingir o alvo desejado e em pulverizações efetuadas sob condições de calmaria total, ocorrerão na pratica perdas totais ou parciais das gotas e da pulverização, insuficiência nos efeitos do produto, implicando reaplicações e aumento do número de pulverizações. Por outro lado, uma população de gotas muito grossas, apesar de caírem imediatamente, com pouca ou nenhuma perda por deriva, irá ocasionar uma deposição de saturação nas superfícies das plantas, causando perdas por escorrimentos baixa ou nenhuma deposição sobre alvos situados internamente às plantas (exceto aplicações de agroquímicos sobre o solo limpo). Quaisquer das condições acima expostas às conseqüências negativas finais serão: perdas de produto, tempo, dinheiro e riscos graves de poluição ambiental ou contaminações de pessoas e animais. Normalmente as gotas mais finas, são conseqüência de aplicações com bicos de orifícios finos e volumes de aplicação reduzidos, sob pressões altas. Inversamente, bicos de orifícios maiores, volumes altos e pressões baixas, têm a tendência de gerarem gotas maiores. Aspectos críticos na aplicação de defensivos agrícolas O desenvolvimento das formulações de defensivos agrícolas mais sofisticados, aliado às recomendações baixas doses por unidade área, exige cada vez mais conhecimentos da Tecnologia de Aplicação, essenciais para que sejam alcançados os efeitos desejados, sem riscos ao meio ambiente. À luz dos conceitos, preconceitos e paradigmas que regem o modo como os defensivos agrícolas são pulverizados e aplicados, resultando em controles insuficientes e até mesmo fracassos, as novas formulações e doses comprovadamente eficientes, são imediatamente interpretadas freqüentemente como ineficientes ou uma tolerância e resistência biológicas dos alvos visados, aos resultados observados destes mesmos produtos, após a pulverização. Em muitas destas situações, efetuando-se calibrações e ajustes adequados dos parâmetros de aplicação, compatíveis às condições climáticas locais da cultura, posição do alvo, volumes de aplicação, pressão de trabalho e tipo de bico, de maneira genérica, temos respostas de eficiência no controle em mais de 95 % das situações de campo. 46

7 O sucesso ou fracasso de uma aplicação de agroquímicos é centrada de modo geral na ponta utilizada no bico de pulverização do equipamento. Tecnicamente, qualquer que seja o bico de pulverização, deverá atender adequadamente a três condições: Definir corretamente o volume a ser aplicado; Gerar as gotas de maneira mais homogênea e uniforme; Distribuir as gotas uniformemente sobre o alvo desejado. Do mesmo modo a Tecnologia de Aplicação faz a distinção entre bico e ponta de pulverização: Bico: conjunto completo composto de corpo, capa, filtro, ponta ou ponta e difusor, fixado ou em uso em qualquer que seja o equipamento de pulverização utilizado ou referenciado. Ponta: componente simples ou composto do bico de pulverização, os quais definirão o volume, padrão e distribuição das gotas de pulverização geradas. Neste trabalho de maneira geral estaremos sempre citando o termo bico de pulverização como o conjunto completo, considerando-se a utilização dos bicos hidráulicos ou aqueles em que a geração e distribuição das gotas são resultantes da pressão hidráulica produzida por uma bomba, impulsionando um fluxo líquido através de um orifício específico e calibrado. Ao referenciarmos o termo ponta, estamos considerando apenas o componente final do bico e responsável direto pela transformação de um volume líquido definido, em um jato ou gotas. Para o estudo e compreensão disto, sob o ponto de vista didático, classificaremos a população de gotas geradas pelos bicos de pulverização em: gotas grossas: possuem maior pêso e inércia, sofrendo menores desvios em sua trajetória. Se depositarão rapidamente na superfície do solo ou nas partes mais externas das plantas. Ideais para as aplicações de herbicidas de préemergência onde a formação de um filme contínuo do produto é necessário ou produtos com alto grau de volatilidade; gotas médias e finas: com menor peso e inércia do que as gotas grossas, têm possibilidades de acompanharem por mais tempo as correntes de ar circundante às partes das plantas, inclusive posteriormente às faces das folhas, ramos, galhos, tronco e frutos. São adequadas para aplicações onde a penetração e envolvimento das plantas é desejado e necessário, como nas aplicações de herbicidas de pós emergência, inseticidas, fungicidas, maturadores, fitorreguladores e nutrientes foliares; gotas extra finas: com pouco peso e inércia podem permanecer mais tempo em suspensão e arrastadas pelas correntes aéreas circundantes às partes das plantas, sendo ideais para as mesmas condições das gotas médias, mas principalmente onde se deseje obter uma penetração mais profunda ou em plantas com maior densidade de folhas ou alvos mais escondidos. De maneira geral e sob o ponto de vista técnico, devemos sempre considerar que uma aplicação é ideal, quando conseguimos obter sobre o alvo de deposição desejado, uma população de gotas finas bastante densa e bem distribuída. 47

8 Considerando-se os alvos sobre os quais deverão ser depositadas as gotas geradas por um pulverizador, a Tecnologia de Aplicação, analisa e classifica o processo de pulverização de duas maneiras: Aplicação em pré-emergência; Aplicação em pós-emergência. Aplicação de pré-emergência: deposição das gotas em uma superfície plana, na qual o objetivo é distribuir a dose de agroquímicos específicos nesta superfície, como uma película uniforme e o mais contínua possível, visando o controle de alvos biológicos indesejados. Ex.: herbicidas em pré emergência e defensivos líquidos ou sólidos em sulcos ou sobre o solo; Aplicação de pós-emergência: distribuição da dose de agroquímicos específicos, em qualidade e quantidade de gotas, visando a sua deposição internamente e sobre as plantas, para o controle de alvos biológicos indesejados. Ex.: herbicidas de pós emergência, inseticidas, fungicidas, fertilizantes líquidos, fitoreguladores e dessecantes. Os parâmetros críticos, responsáveis diretos pelos sucessos ou fracassos na aplicação de agroquímicos são: Tipos/qualidade dos bicos de pulverização; Volume de calda de aplicação; Altura distância das barras/bicos do alvo de deposição; Velocidade de aplicação; Faixa de deposição; Condições climáticas. Tipos e qualidade dos bicos de pulverização Qualquer que seja o pulverizador a ser utilizado, independente deste ser antigo ou moderno, simples ou sofisticados, transportados ou acionados manualmente, ou por animais, trator e aeronaves, o bico de pulverização é a sua parte mais importante e em contrapartida a mais negligenciada e poucas vezes corretamente avaliado em relação à quantidade aplicada por área ou por minuto, distribuição homogênea e adequada das gotas produzidas sobre o alvo desejado e as condições climáticas locais. A grande variedade de bicos e pontas de pulverização, disponíveis no mercado em relação ao tipo e diâmetro dos orifícios, permite a pulverização e a aplicação de diferentes volumes e padrões de gotas. Entretanto, o pouco conhecimento dos fundamentos da Tecnologia de Aplicação moderna e eficiente e a grande influência de conceitos tradicionais e arraigados entre usuários e técnicos, são responsáveis na grande maioria dos casos pelos insucessos, ou baixa eficiência dos defensivos agrícolas, nos mais diferentes tipos de cultivos, regiões agrícolas e do alvo desejado. Classificam-se os bicos para as aplicações de defensivos agrícolas, de acordo com a forma do jato produzido e o padrão das gotas, em: bicos de jato plano (leque); bicos de jato cônico vazio. 48

9 NOTA: Bicos de jato cônico cheio, não serão considerados neste trabalho, pois, as suas características não satisfazem os princípios básicos da geração, distribuição e deposição de gotas, concorrendo para desperdícios, baixa penetração de gotas na folhagem das culturas e custos finais mais elevados, quando comparados aos bicos descritos a seguir. Pontas de jato plano possuem a maior quantidade e variedade de tipos do que pontas de jato cônico vazio. A diversidade das pontas de jato plano baseia-se na amplitude do ângulo e da faixa de deposição do bico, possibilitando que aquelas possam operar mais próximo do solo. Nas pulverizações dos defensivos agrícolas, deverão ser utilizados bicos de pulverização com pontas que produzam gotas as mais homogêneas possíveis e apresentem quando em operação uma distribuição uniforme e precisa do volume escolhido ou desejado. Bicos de pulverização com pontas desgastadas, irregulares ou inadequadas, são responsáveis por perdas de produto e da pulverização em até mais de 50 %, ocasionando gastos em reaplicações, descrédito do produto, falsos conceitos ou conclusões de resistência das plantas ao produto além da poluição e agressões ao meio ambiente. Aplicações em pré emergência Bicos de jato plano (leque) A deposição das gotas sobre uma superfície plana como o solo, de maneira a se distribuir o defensivo formando uma espécie de filme protetor, sem interferência ou bloqueio (efeito guarda chuva ) por partes de plantas, caracteriza as aplicações dos herbicidas de pré-emergência. Para estes tipos de aplicações, são desejáveis a geração de gotas maiores e bicos de pulverização que apresentem uma faixa de deposição mais larga e a projeção das gotas em forma de cortina ou jato plano. Classificam-se neste segmento os bicos ou pontas de pulverização denominados de jato plano, anteriormente conhecidos como jato leque. Esses tipos de bicos, devido a forma do orifício de saída e ter uma ponta mecanicamente simples, produzirão gotas mais grossas e em menor quantidade do que as produzidas pelos bicos de jato cônico vazio. A deposição das gotas sobre uma superfície plana como o solo, de maneira a se distribuir o defensivo formando uma espécie de filme protetor, sem interferência ou bloqueio (efeito guarda chuva ) por partes de plantas, caracteriza as aplicações dos herbicidas de pré-emergência. Para estes tipos de aplicações, são desejáveis a geração de gotas maiores e bicos de pulverização que apresentem uma faixa de deposição mais larga e a projeção das gotas em forma de cortina ou jato plano. Classificam-se neste segmento os bicos ou pontas de pulverização denominados de jato plano, anteriormente conhecidos como jato leque. 49

10 A codificação e conhecimento das características de uma ponta de jato plano poderão ser efetuadas através de código de cores ou associação de números, que podem indicar tanto o ângulo do jato como a vazão do bico, para uma determinada e específica pressão de trabalho. As pontas de jato plano são especialmente recomendadas para as aplicações, que exigem gotas grossas e pesadas. Com estas características, as aplicações com qualquer tipo de bico de jato plano, apresentarão baixa ou nenhuma penetração, deposição ou envolvimento pelas gotas geradas, os componentes essenciais de uma cultura (folhas, ramos, galhos, brotos ou frutos). Bicos de pulverização tipo AI (de indução de ar) que produzem gotas muito grossas não são recomendados nem adequados a pulverizações de pos emergências. Pelas características estas gotas serão depositadas somente na parte externa da copa ou das folhas mais expostas. Aplicações em pós-emergência Bicos de jato cônico vazio Neste segmento situam-se todas as aplicações onde o defensivo agrícola deverá ser direcionado e aplicado internamente ou principalmente dentro de uma massa foliar, envolvendo a planta em seu todo ou parcialmente, mas de maneira que as gotas geradas se depositem mais internamente do que externamente às plantas, reduzindo consideravelmente o efeito guarda chuva. A deposição de gotas sobre e internamente as plantas já germinadas, visando o controle de agentes biológicos nocivos à cultura, é denominada de aplicação de pós-emergência. Para este tipo de aplicação é recomendável e imprescindível a utilização de gotas mais finas e em grande quantidade e que se mantenha em flutuação temporariamente no ar deslocando-se com as correntes aéreas por entre as partes vegetais da cultura até se depositarem como demonstrado através da Figura 1. Diferentemente dos bicos ou pontas de jato plano, os de jato cônico vazio, produzem um jato em forma de cone e suas gotas formam um circulo com menor quantidade de gotas na sua parte central. As gotas geradas são relativamente finas, com um espectro bem mais estreito e homogêneo. Para isto necessitam trabalhar nas pressões recomendadas entre 80 a 150 psi (533 a kpa), nos equipamentos terrestres. São recomendados para todas as aplicações, onde a penetração e deposição de gotas internamente as plantas são desejáveis, como: inseticidas a alto, baixo e ultrabaixo volume; fungicidas de contato, sistêmico ou de translocação; herbicidas em pós-emergência; nutrientes foliares, antecipadores de maturação, reguladores de crescimento e desfolhantes. Bicos de jato cônico vazio são inadequados e não devem ser recomendados para as aplicações de herbicidas ou produtos com ação de pré-emergência. 50

11 Como uma ponta de jato cônico vazio, possui duas peças e por isso denominada de uma ponta de pulverização composta, isto permite que possamos obter uma gama ou faixa de gotas muito ampla, para a mesma ponta. Exemplo: trabalhando-se em condições climáticas favoráveis, principalmente se a umidade relativa do ar for alta, e constante durante todo o período da pulverização, poderemos utilizar difusores de referência baixa que produzirão gotas finas. Se por outro lado, tivermos variação muito grande e rápida da umidade do ar num mesmo dia ou período, necessitaremos gerar gotas grossas, para compensarmos a perdas e acelerar sua queda, reduzindo a deriva, para isto poderemos usar a mesma ponta do primeiro caso, alterandose apenas o difusor para uma referência mais alta e aplicando-se praticamente com os mesmos volumes de pulverização. Genericamente em um bico de jato cônico vazio, podemos dizer que: A ponta de pulverização ou disco define basicamente o volume de aplicação; O difusor core, caracol ou espiral, define basicamente o padrão de gota. Entretanto, isto não quer dizer que cada unidade possa trabalhar sozinha. O conjunto delas é que permitirá a um bico de jato cônico vazio, produzir as características básicas e desejáveis para que possamos aplicar o defensivo e obter o sucesso desejado, a baixo custo e sem perdas ou agressões ao meio ambiente. No comércio, podemos encontrar as seguintes referências de difusores, todos produzindo um jato cônico vazio: 13, 23, 25, 45 e 46 (Spraying Systems), Figura 2. Referência das pontas e difusores (CORE): Spraying Systems: Pontas: D 1; 1.5; 2; 3; 4; 5; 6; 7; 8; 10; 12; 14 e 16. Difusores: (cone vazio): 13; 23; 25; 45 e 46; (cone cheio): 31; 33; 35 e 56. * * não recomendados. JACTO: Kematal ou cerâmica. D 4 D 3 D 2 D 1 Fig. 2 (A) Conjunto de ponta e difusores (cores) que produzem uma pulverização de jato conico vazio e (B) tipo de difusor que produz um jato cônico cheio Notar que este possui um orifício no centro da peça, diferente dos difusores que produzem um jato cônico vazio em (A). Pressão de trabalho Imprescindível em qualquer que seja o tipo ou modelo de pulverizador, o manômetro deverá estar montado junto ao regulador de pressão e funcionando corretamente. Freqüentemente, negligenciado, tanto no funcionamento como no seu ajuste, em muitos dos pulverizadores, passa a ser um acessório puramente decorativo, já que por mau uso ou acidentes, não é substituído. Nestas situações, a pressão de trabalho é estimada pelo 33 51

12 aplicador, causando distorções altamente prejudiciais à formação e distribuição das gotas. Tradicionalmente e conceitualmente produtores, técnicos e operadores acreditam que o uso de pressões elevadas (acima de 200c psi ou kpa) melhoram e facilitam a condução e penetração das gotas de pulverização para dentro da copa das plantas. Na prática, ocorre justamente o inverso, facilitando sim, o escorrimento e perda da calda de pulverização pelo escorrimento exagerado sobre as folhas, deposição muito pobre ou quase nenhuma nas partes internas das plantas, além da geração elevada de gotas muito finas que se perdem pela evaporação, antes de atingirem o alvo desejado. Os melhores e mais eficientes resultados, principalmente no controle de doenças fúngicas e alvos internos às plantas, são obtidos com a utilização de pontas de jato cônico vazio, vazões baixas e pressão de trabalho entre 80 a 120 psi (533 a 800 kpa). Nas aplicações em pós-emergência é recomendável não utilizar pressões acima de 120 psi e bicos com pontas de jato plano (ex leque). Altura distância das barras/bicos do alvo de deposição As pontas de jato plano, devido ao processo de formação do jato e geração das gotas, podem apresentar diferentes tipos de ângulos do jato, sendo fabricados com ângulos de 65, 80, 95, 110 e 150. Para aplicações em préemergência, recomenda-se utilizar as pontas com ângulo de 110, mantendo a altura das barras de pulverização em toda a sua extensão, paralelas ao solo entre 40 a 50 cm do solo de maneira a se obter um cruzamento de 15 a 30% nas extremidades das faixas de deposição de cada bico e garantindo-se desta forma uma melhor deposição e cobertura do alvo desejado. Nas aplicações de agroquímicos com ação de pós-emergência, as barras de pulverização e bicos deverão estar paralelos ao topo da cultura ou do ponto mais externo à cultura e distanciados no mínimo a 50 cm, para que a formação, turbulência e dispersão das gotas seja a mais uniforme, permitindo uma deposição homogênea e adequada em todas as superfícies das plantas e inclusive internamente à cultura. Velocidade de aplicação Tecnicamente e na pratica não há restrições quanto a velocidade de aplicação de um pulverizador. Entretanto, esta será definida pelas condições do solo, onde superfícies irregulares limitarão a velocidade, de modo a não permitir oscilações acentuadas e inadequadas das barras de pulverização, principalmente suas extremidades, cujas oscilações prejudicarão a formação e deposição adequada das gotas nas plantas. Observar sempre que o procedimento correto de escolha e ajuste dos bicos de pulverização em um equipamento, levará sempre em conta a velocidade de operação obtida sobre a área a ser aplicada. 52

13 Durante toda a aplicação manter a rotação do motor do trator na faixa definida pelo fabricante, de modo a se manter constante as 540 rpm da tomada de força. Faixa de deposição Qualquer que seja o número e tipo de bicos dispostos nas barras de pulverização, considerar e obter sempre uma deposição uniforme na faixa de deposição, sem picos de excesso ou deficiência de deposição. Caso isto ocorra, falhas ou faixas irregulares indicarão o problema e principalmente, pontos ou áreas de reinfestação ou não controle dos alvos biológicos, serão visíveis. Condições climáticas No processo de pulverização e aplicação de defensivos agrícolas, as condições climáticas devido a sua variação contínua durante todo o dia, têm importantes influências, as quais se não forem observadas e ajustados os parâmetros de aplicação, poderão ocasionar prejuízos consideráveis ao meio ambiente ou no controle do alvo biológico desejado. Os fatores meteorológicos mais importantes são: umidade relativa do ar; temperatura ambiente; velocidade de vento. Umidade relativa do ar Ao contrario do que é considerado na pratica o fator climático mais importante para o sucesso ou fracasso na deposição das gotas, é a umidade relativa do ar, principalmente, quando trabalhamos com formulações diluídas em água. A maior ou menor variação de umidade no ar, a velocidade de evaporação de uma gota aquosa, será reduzida ou aumentada respectivamente, sendo o parâmetro de determinará o início ou final de uma aplicação. Uma gota de determinado diâmetro ao ser liberada pelo processo de pulverização, perderá líquido por evaporação resultando em menor peso. Desta maneira, sendo mais leves, serão arrastadas ou desviadas de sua trajetória inicial prevista. Este desvio se acentuará até o ponto em que esta gota secará completamente sem atingir o alvo. Uma correção adequada das gotas às variações climáticas locais, durante uma aplicação, possibilitará a permanência das gotas em suspensão no ar atingindo corretamente o alvo desejado, caso contrario ocorrerão perdas. Gotas muito grossas caem mais rapidamente, com pouca ou nenhuma perda por deriva. Entretanto, a deposição sobre as superfícies das plantas, saturando-a, o excesso escorrerá para fora do alvo desejado (exceto aplicações de herbicidas em pré-emergência ou sobre o solo), perdendo-se neste caso também o produto, tempo e dinheiro. Causando perdas e riscos ao meio ambiente e animais ou pessoas, a pulverização inadequada, concorrerá para uma aplicação mal feita. 53

14 A maior ou menor distância percorrida pelas gotas de uma pulverização, afastando-se do alvo, é denominada de deriva, sendo controlada pela escolha e ajuste do bico adequado e das gotas produzidas ou geradas por este. DERIVA: Trajetórias características específicas e definidas das gotas ou partículas geradas pelo processo de pulverização e responsáveis pelo sucesso ou fracasso dos resultados da aplicação dos agroquímicos líquidos A presença do orvalho nas aplicações com aviões, nos quais são utilizados volumes relativamente baixos e principalmente no caso de herbicidas em pré ou pós-emergência, fungicidas e inseticidas diluídos em água ou ultrabaixo volume, não há restrições de se efetuar as aplicações restrições desde que os bicos e gotas geradas estejam adequadas às condições do alvo e lavoura. Em aplicações terrestres não é recomendável, devido aos volumes muito altos, utilizados, favorecendo deste modo ao escorrimento e perda parcial dos produtos, exceto é claro para as aplicações em pré-emergência. Velocidade e direção dos ventos Este é o maior fator de preocupação, inclusive limitador de parada de uma pulverização pela grande maioria de técnicos e aplicadores ou usuários da aviação agrícola. Pelo exposto no item umidade relativa do ar, a influência negativa dos ventos está diretamente e de maneira secundária relacionada com a velocidade com que uma gota aquosa perde peso ou permanece mais tempo em suspensão no ar, a umidade relativa deverá ser sempre considerada e avaliada com mais precisão ou freqüência. Ventos com velocidades abaixo de 0,5 m/seg., determinam condições para a ocorrência do fenômeno chamado inversão térmica, que causará a flutuação muito longa das gotas sobre as áreas pulverizadas e conseqüente desvios ou deposições em áreas indesejadas e danos a outras lavouras, pessoas, animais e ao meio ambiente. Em uma ocorrência de inversão térmica, nota-se que as partículas de fumaça, poeira e mesmo da pulverização, se mantêm em suspensão durante muito tempo no ar. No caso das pulverizações a perda e prejuízos são consideráveis, pois, as partículas não conseguem se depositar em quantidade e no local escolhido, reduzindo ou tornando ineficiente a ação dos agroquímicos e contribuindo para riscos de danos ao ambiente ou em alvos não desejados. Portanto, aplicações sem vento, são tão prejudiciais como aquelas, efetuadas com velocidades de ventos acima de 10 km/hora. ATENÇÃO: Evitar efetuar pulverizações, em condições de calmaria total dos ventos, ou quando a velocidade dos mesmos for inferior a 2 km/hora (0,5 m/seg). Haverá sérios riscos de perda da aplicação e de contaminação do meio ambiente. 54

15 Temperaturas muito altas associadas a uma evaporação de umidade (das plantas e do solo principalmente) muito rápida, causam a formação de correntes térmicas ascendentes (correntes de convecção), prejudicando também uma deposição adequada das gotas, as quais serão freadas em sua queda e mantidas em suspensão durante muito tempo, ou arrastadas pelos ventos e correntes, antes de atingirem o alvo, devido a formação de bolsões ou almofadas térmicas. Desgaste e substituição das pontas de pulverização Uma ponta de pulverização independente do tipo de material de sua fabricação, não tem durabilidade infinita com referência a desgastes ou trocas. As pontas de pulverização fabricadas por Empresas criteriosas e responsáveis, apresentam um alto grau de precisão, qualidade e confiabilidade. Não trocar as pontas de pulverização por tempo de relógio, mas sim quando estas apresentarem um desvio acima de 10% de sua vazão quando comparada com uma nova. Materiais mais abrasivos e pressões muito elevadas aceleram e influenciam significativamente o desgaste das pontas. Recomenda-se, aferir periodicamente a vazão de todos os bicos da barra de pulverização e não por amostragem. Na ocorrência e observação de variações, substituir imediatamente por outra ponta similar, nova e idêntica as demais. Pontas de pulverização novas, porém, danificadas por uso indevido de ferramentas ou desobstrução por acessórios metálicos, necessitam de sua substituição imediata. Dinâmica de vôo com aviões agrícolas Diferente de qualquer equipamento de aplicação terrestre, um avião agrícola, possui características próprias e específicas, principalmente turbulências aerodinâmicas, geradas pela estrutura e componentes de um avião (asas, fuselagem, hélice e equipamento de aplicação) quando em vôo, que serão de grande utilidade na geração, dispersão e deposição das gotas de pulverização, sobre o alvo desejado. A maior influência sobre as gotas de pulverização é produzida pelas asas. Estas possuem a forma de um plano horizontal, com um perfil denominado de aerofólio (Fig. 3). Os efeitos aerodinâmicos descritos determinam um diferencial bastante grande e característico entre os resultados da pulverização com os equipamentos terrestres e as aeronaves agrícolas. Nos pulverizadores terrestres, podemos utilizar a variação de sua velocidade como pequenas compensações no volume desejado por área, enquanto que nos aviões isto não pode ser efetuado, já que sua velocidade deverá se manter constante e necessária para a sua sustentação em vôo. A elevação e sustentação em vôo de um avião é originada e resultante da velocidade com que o mesmo se desloca. Assim, no momento que o avião 55

16 inicia seu deslocamento, os filetes de ar, passam a ser direcionados, passando por cima e por baixo do aerofólio ou perfil das asas. Devido a forma especial do aerofólio, os filetes que contornam a superfície superior (normalmente mais curva que a parte inferior) desenvolvem uma velocidade maior do que os filetes que contornam a parte inferior. A força resultante obrigará o aerofólio a se elevar. (Fig. 3). Os filetes de ar, após percorrerem as superfícies do aerofólio e perderem a aderência destas, tendem a se encontrarem na parte posterior das asas, produzindo uma turbulência característica. Esta turbulência, sob o peso da camada atmosférica é direcionada para o solo, arrastando consigo as gotas de pulverização, quando o avião estiver em operação de pulverização e voando paralelo ao solo. Devido à diferença de pressões e direcionamento dos filetes, temos um efeito de dobramento da esteira de vento provocada Fig. 3 Representação dos efeitos aerodinâmicos, produzidos pelo perfil das asas (aerofólio) em vôo. Filetes de ar sobre as asas Filetes de ar por baixo das asas _ Fig. 4 - Representação esquemática do direcionamento dos filetes de ar, em uma asa em vôo. pelo avião e denominada de vórtices de pontas de asas, intrínseco ao vôo do avião e que poderá influir grandemente na distribuição, perda e deposição das gotas na faixa de deposição e do alvo desejado (Fig. 4). Este efeito deverá ser aproveitado, para obtermos uma faixa de deposição mais larga, boa uniformidade de distribuição e deposição adequada das gotas sobre o alvo de deposição desejado ou dentro da cultura. Durante o escoamento dos filetes sobre as superfícies do aerofólio e a perda da aderência ao final destas superfícies, formam correntes de turbulência atrás das asas, denominadas de esteira de turbulência que serão as responsáveis pela distribuição e condução das gotas geradas pelos bicos de pulverização até a faixa de deposição ou alvo desejado (Fig. 6). Como os vórtices de pontas de asas, são efeitos produzidos pelo avião em vôo, deveremos sempre evitar que as gotas de uma pulverização sejam sugadas ou arrastadas por este efeito. O fechamento ou redução do número de bicos e da extensão das barras de pulverização, naquela região evitará o arrasto e perdas das gotas de 56

17 pulverização, pelo efeito dos vórtices. Entretanto, como muito gente pensa, esta redução de bicos ou da barra, não influenciará no aumento ou redução da faixa de deposição (exceto para aplicações destinadas ao controle de vetores) do avião, pelo contrario se deixará de perder produto, evitando-se também riscos de poluição ambiental, que se traduzirá em economia, eficiência e segurança. Fig. 6 Representação gráfica da formação e direcionamento dos vórtices gerados pelas pontas das asas de um avião em vôo. Sob o ponto de vista técnico e pratico, é descartada a possibilidade da eliminação dos vórtices gerados nas pontas das asas em um avião agrícola, porém, podemos reduzir sua influência nas perdas das gotas de pulverização, através de artifícios técnicos e operacionais, com o intuito de se evitar a perda ou desvio incontrolável das gotas de pulverização, principalmente com a utilização de produtos diluídos em água. Entretanto, especificamente nas pulverizações denominadas de espaciais, para o controle de vetores e insetos em vôo, o efeito dos vórtices de pontas de asas são favoráveis e usados para a dispersão das gotas. O efeito final das turbulências produzidas pelo vôo, incluindo-se os vórtices de pontas das asas, e comumente denominado de esteira, é que determinará em realidade a amplitude da faixa de deposição para um avião agrícola. Como os vórtices de pontas de asas, são efeitos produzidos pelo avião em vôo, deveremos sempre evitar que as gotas de uma pulverização sejam sugadas ou arrastadas por este efeito. O fechamento ou redução do número de bicos e da extensão das barras de pulverização, naquela região evitará o arrasto e perdas das gotas de pulverização, pelo efeito dos vórtices. Entretanto, como muitos usuários e operadores pensam, esta redução de bicos ou da barra, não influenciará no aumento ou redução da faixa de deposição (exceto para aplicações destinadas ao controle de vetores) do avião, pelo contrario se deixará de perder produto, evitando-se também riscos de poluição ambiental, que se traduzirá em economia, eficiência e segurança. Após a passagem de um avião em vôo agrícola, a esteira de turbulência gerada pelo avião é pressionada e direcionada para o solo. Dependendo da altura do vôo, esta esteira, poderá ter uma dissipação suave, normal e uniforme, sem choques violentos sobre o solo ou a cultura ou bastante turbulenta e com péssima ou irregularmente distribuída, se o vôo for muito próximo ou colado à cultura ou ao solo (Fig. 7). 57

18 Fig. 7 Efeitos sobre a esteira de turbulência e sua dissipação sobre o solo, como consequência de um vôo muito próximo (colado) ao solo ou à cultura. O efeito acima descrito é o responsável pelo arraste e dispersão das gotas de pulverização liberadas pelo equipamento de aplicação montado no avião. Como explicado anteriormente, esta esteira aerodinâmica ao ser empurrada para baixo poderá apresentar dispersões e dissipações variáveis em função da altura de vôo. Normalmente em condições de ventos mais fortes, muitos pilotos, técnicos e principalmente os usuários, acreditam que para a redução ou eliminação dos efeitos negativos da deriva, o avião deverá voar bem mais próximo do solo. Como a distribuição de gotas e a largura da faixa de deposição estão diretamente relacionadas com a altura de vôo, esta atitude resultará sempre danosa e ineficiente aos resultados esperados de um agroquímico. O vôo muito baixo do avião ocasionará sobre as gotas liberadas uma deriva vertical muito violenta causada justamente pela compressão momentânea da camada de ar entre a superfície inferior das asas e o solo ou cultura e a descompressão rápida desta mesma camada após a passagem do avião, resultando no arrasto das gotas para cima. Com isto as gotas permanecem mais tempo no ar e se evaporarão antes de atingir o alvo, reduzindo o efeito do produto e causando faixas com número reduzido, ou mesmo sem quantidade suficiente de gotas. Por outro lado um vôo muito alto sem correção do padrão de tamanho das gotas e volume de aplicação, causará também a perda das gotas por evaporação, devido ao longo percurso rumo ao alvo desejado. O ponto ideal é aquele em que se consegue conciliar uma faixa de deposição a mais aproveitável possível, utilizando-se volumes de aplicação tão reduzidos e tecnicamente efetivos e que resultem em uma deposição sobre o alvo desejado com a quantidade de gotas/cm² recomendada para cada tipo ou modalidade de aplicação mostradas no Quadro I. Para o caso do nosso avião Ipanema, qualquer que seja seu modelo, a altura adequada e recomendada é de 4 a 5 m em relação ao alvo desejado. Para outros modelos ou tipos de aviões, recomenda-se o mínimo de 3 a 4 m, tendo-se sempre como referência o alvo desejado. Lembrar que a altura de vôo agrícola influencia o melhor aproveitamento da deposição dos agroquímicos, sendo uma característica especifica ou parâmetro básico para cada modelo 58

19 ou marca do avião que estamos operando. Este parâmetro deverá ser avaliado préviamente e, uma vez definido, o valor deverá ser mantido em todas as aplicações similares com o mesmo avião. Com a utilização de aviões agrícolas para a pulverização de produtos agroquímicos, teremos de maneira muito simples, duas situações de vôo que podem ocorrer durante a atividade: Avião voando contra ou a favor do vento local; Avião voando de través ou cortando em ângulo o sentido do vento local. Avião voando contra ou a favor do vento local São poucas as ocasiões em que há necessidade de se efetuar pulverizações com o avião voando contra ou favor do vento local. Esta situação é característica, quando a área a ser pulverizada tem seu maior comprimento direcionada no mesmo sentido do vento e por uma questão de melhoria da produtividade do equipamento e ganho de tempo operacional, temos que voar desta maneira. Entretanto, é fundamental lembrar que alguns problemas podem ocorrer e que na prática não há como evitá-los. Os fatores de risco que podem ocorrer na situação acima são: (Fig. 8). Faixa de deposição mais estreita; Irregularidade de vazão por área, para mais ou para menos, dependendo do vôo contra ou a favor do vento; Densidade de gotas/cm² muito grande principalmente sob a àrea correspondente à barriga do avião; Custo maior para o usuário; Rendimento operacional menor; Controle mais fácil da deriva das gotas. Fig. 8 Representação característica gráfica de uma faixa de deposição, produzida por um avião agrícola voando contra ou a favor da direção do vento local. Pelas características citadas, este tipo de aplicação não é recomendada. Entretanto, poderá ocorrer a necessidade de sua utilização em campo, devido as condições existentes como: extensão de tiro mais longa, para maior rendimento e menor custo operacional, porém, considerar sempre que os resultados esperados do produto e da pulverização poderão resultar em fracassos e frustrações. Tecnicamente denominamos este tipo de faixa de deposição, como: faixa de deposição real. Avião em vôo de través ou em ângulo com o sentido do vento local O vôo de través de um avião agrícola nos permitirá ter uma faixa de deposição muito mais ampla, pois, estaremos utilizando a direção e a força dos ventos locais para se obter este resultado (Fig. 9). 59

20 As características mais importantes de uma faixa de deposição resultante desta operação considerando-se que os bicos e altura de vôo do avião estejam corretos, serão: faixa de deposição economicamente e tecnicamente mais larga; melhor distribuição das gotas; densidade de gotas mais uniformes; custo operacional menor para o usuário; menor risco de contaminação para o piloto; execução mais rápida do serviço; Fig. 9 Representação característica gráfica da faixa de deposição e distribuição das gotas, produzidas por um avião agrícola, voando com vento de través (em ângulo com a linha de vôo) melhor rendimento operacional com o equipamento. Qualquer que seja o defensivo ou produto aplicado por um avião agrícola é imprescindível e importante que para o sucesso dos resultados, tenhamos sempre uma faixa de deposição com boa uniformidade de distribuição, densidade (quantidade) de gotas por área tecnicamente adequadas ao controle do alvo problema desejado e requeridas pelo modo de ação do produto em uso. A eficiência de um agroquímico, é obtida através da quantidade de gotas depositadas por unidade de superfície, representada pelo n de gotas/cm², que logicamente carrega uma determinada proporção do ingrediente ativo ou da formulação e que se mostra ativa, permitindo o controle eficiente do alvo desejado. Equipamentos de pulverização de um avião agrícola Sob a ótica da Tecnologia de Aplicação dos agroquímicos, um avião agrícola, é considerado como uma máquina ou plataforma de pulverização para produtos sólidos ou líquidos, com características próprias, específicas e diferenciações profundas se comparado com outras máquinas de aplicação. Um avião agrícola deverá possuir uma estrutura planejada para trabalhar em condições especiais (pistas de pouso e decolagem provisórias em terra ou pastos), vôos a baixa altura e sobre obstáculos (árvores, casas, postes de alta e baixa tensão e telefones). Sua cabine é construída de maneira a deformar-se progressivamente em caso de acidente, sem ocasionar danos mais graves ao piloto. De maneira geral o tanque de agroquímicos, está situado sobre o centro de gravidade do avião e à frente do piloto, diferente de aviões adaptados, onde o tanque de produtos pode ser montado atrás do piloto ou sob a fuselagem ou barriga do avião. 60

UM PULVERIZADOR BEM REGULADO E CALIBRADO É A CERTEZA DE UMA APLICAÇÃO EFICIENTE E SEGURA!!

UM PULVERIZADOR BEM REGULADO E CALIBRADO É A CERTEZA DE UMA APLICAÇÃO EFICIENTE E SEGURA!! DE PULVERIZADORES AGRÍCOLAS Este material faz parte da apostila do Curso de Tecnologia de Aplicação da Comam Ltda Carlos Alberto Magalhães Cordeiro Paulo Otavio Coutinho Fabiano de Matino Motta Engs Agrônomos

Leia mais

DERIVA EM APLICAÇÕES AÉREAS DE PRODUTOS LÍQUIDOS Perguntas mais freqüentes

DERIVA EM APLICAÇÕES AÉREAS DE PRODUTOS LÍQUIDOS Perguntas mais freqüentes DERIVA EM APLICAÇÕES AÉREAS DE PRODUTOS LÍQUIDOS Perguntas mais freqüentes 1. O que é DERIVA? DERIVA é o deslocamento horizontal que sofrem as gotas desde o seu ponto de lançamento até atingirem o seu

Leia mais

Eng.º Agr.º José Maria Fernandes dos Santos

Eng.º Agr.º José Maria Fernandes dos Santos PONTOS CRÍTICOS NA APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS Eng.º Agr.º José Maria Fernandes dos Santos Pesquisador Científico Laboratório de Proteção e Clínica Vegetal E-mail: santosjmf@biologico.sp.gov.br Fone/Fax: (11)

Leia mais

APLICAÇÃO AÉREA E TERRESTRE: VANTAGENS E LIMITAÇÕES COMPARATIVAS.

APLICAÇÃO AÉREA E TERRESTRE: VANTAGENS E LIMITAÇÕES COMPARATIVAS. 1 APLICAÇÃO AÉREA E TERRESTRE: VANTAGENS E LIMITAÇÕES COMPARATIVAS. Introdução: José Maria F. dos Santos Eng.º Agr.º Pesq. Científico, Instituto Biológico, São Paulo-SP santosjmf@biologico.sp.gov.br O

Leia mais

AVIAÇÃO AGRÍCOLA E O MEIO AMBIENTE

AVIAÇÃO AGRÍCOLA E O MEIO AMBIENTE AVIAÇÃO AGRÍCOLA E O MEIO AMBIENTE. INTRODUÇÃO Eng. Agr. Eduardo C. de Araújo As discussões relacionadas à proteção ao meio ambiente, em que pese sua inquestionável importância, são, infelizmente, frequentemente

Leia mais

Calibração Pulverizador Pomares

Calibração Pulverizador Pomares INÍCIO ANALISAR pulverizador e corrigir Medir a VELOCIDADE do tractor Medir DÉBITO dos BICOS Usar apenas água na calibração do pulverizador PULVERIZAR Preparar a CALDA Ajustar pulverizador à CULTURA Calcular

Leia mais

HERBICIDA DE TRANSLOCAÇÃO E TÉCNICAS DE APLICAÇÃO LUCIANO BICALIO FONSECA DANIEL CAMPOSILVAN

HERBICIDA DE TRANSLOCAÇÃO E TÉCNICAS DE APLICAÇÃO LUCIANO BICALIO FONSECA DANIEL CAMPOSILVAN HERBICIDA DE TRANSLOCAÇÃO E TÉCNICAS DE APLICAÇÃO LUCIANO BICALIO FONSECA DANIEL CAMPOSILVAN INDÚSTRIAS MONSANTO S/A RUA PAES LEME, 524 05424 - SÃO PAULO-SP 1. HERBICIDA DE TRANSLOCAÇÃO O Glyphosate [N

Leia mais

PROTEÇÃO DE CULTIVOS. Manejo de plantas daninhas IMPORTÂNCIA DA CORRETA APLICAÇÃO DO GLIFOSATO PARA O DESENVOLVIMENTO E A PRODUTIVIDADE DAS CULTURAS

PROTEÇÃO DE CULTIVOS. Manejo de plantas daninhas IMPORTÂNCIA DA CORRETA APLICAÇÃO DO GLIFOSATO PARA O DESENVOLVIMENTO E A PRODUTIVIDADE DAS CULTURAS Observar os corretos parâmetros para uma boa pulverização (utilizar pontas, filtros e volumes de calda e DMV de gota adequados para cada situação). A utilização do glifosato, desde a implantação das culturas

Leia mais

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL INFORMATIVO Nº 113. Este informativo não representa o endosso da AMPASUL para nenhum produto ou marca.

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL INFORMATIVO Nº 113. Este informativo não representa o endosso da AMPASUL para nenhum produto ou marca. PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO DE 18 A 31 DE MAIO DE 2015 INFORMATIVO Nº 113 1 A utilização de tecnologias de aplicação como gotas oleosas, como UBV (Ultra Baixo Volume) e BVO

Leia mais

Dist. da linha saída à 1ª barreira

Dist. da linha saída à 1ª barreira TÉCNICA DAS CORRIDAS COM BARREIRAS Antes de mais nada podemos dizer que as corridas com barreiras são provas de velocidade rasa porque, muito embora o barreiristas se depare com uma série de barreiras

Leia mais

Tecnologia de aplicação de Agrotóxicos

Tecnologia de aplicação de Agrotóxicos Tecnologia de aplicação de Agrotóxicos Engº. Agrº. M. Sc. Aldemir Chaim Laboratório de Tecnologia de Aplicação de Agrotóxicos Embrapa Meio Ambiente História da aplicação de defensivos Equipamento de aplicação

Leia mais

Bicos Pulverizadores. Análise da Pulverização. Fabricação da Pulverização. Controle da Pulverização. Sistema de Lubrificação Spraying Systems

Bicos Pulverizadores. Análise da Pulverização. Fabricação da Pulverização. Controle da Pulverização. Sistema de Lubrificação Spraying Systems Bicos Pulverizadores Controle da Análise da Fabricação da Sistema de Lubrificação Spraying Systems Sistemas de Lubrificação Spray Os Sistemas de Lubrificação Spray fornecem um método altamente eficiente

Leia mais

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP Autores: Eng.º Agr.º José Alberto Ávila Pires Eng.º Agr.º Wilson José Rosa Departamento Técnico da EMATER-MG Trabalho baseado em: Técnicas

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS Eng Agr MS.c. Henrique B N Campos Consultor Sabri em Tecnologia de Aplicação ADVERTÊNCIA Todas as opiniões e recomendações presentes neste material são

Leia mais

FOGÃO ELÉTRICO. Manual de Instruções SIEMSEN. (0xx) 47 255 2000 LINHA DIRETA

FOGÃO ELÉTRICO. Manual de Instruções SIEMSEN. (0xx) 47 255 2000 LINHA DIRETA Manual de Instruções METALÚRGICA SIEMSEN LTDA. Fone: +55 (0 )47 255 2000 - Fax: +55 (0 )47 255 2020 Rua: Anita Garibaldi, nº 262 - Bairro: São Luiz - CP: 52 CEP: 88351-410 - Brusque - Santa Catarina -

Leia mais

PERDAS DE CANA E IMPUREZAS VEGETAIS E MINERAIS NA COLHEITA MECANIZADA

PERDAS DE CANA E IMPUREZAS VEGETAIS E MINERAIS NA COLHEITA MECANIZADA PERDAS DE CANA E IMPUREZAS VEGETAIS E MINERAIS NA COLHEITA MECANIZADA Mauro Sampaio Benedini Gerente Regional de Produto CTC Fernando Pedro Reis Brod Pesquisador Engª Agrícola CTC José Guilherme Perticarrari

Leia mais

INSTALAÇÃO, LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO DAS CORRENTES TRANSPORTADORAS PROCEDIMENTO DE INSTALAÇÃO DA CORRENTE

INSTALAÇÃO, LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO DAS CORRENTES TRANSPORTADORAS PROCEDIMENTO DE INSTALAÇÃO DA CORRENTE UNP-130408 1 de 6 INSTALAÇÃO, LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO DAS CORRENTES TRANSPORTADORAS A vida útil das correntes transportadoras e elevadoras está diretamente ligada aos cuidados com a instalação, lubrificação

Leia mais

N-(1-ethypropyl)-2,6-dinitro-3,4-xylidine (PENDIMETALINA)...500 g/l (50% m/v) Ingredientes inertes...500 g/l (50% m/v)

N-(1-ethypropyl)-2,6-dinitro-3,4-xylidine (PENDIMETALINA)...500 g/l (50% m/v) Ingredientes inertes...500 g/l (50% m/v) Composição N-(1-ethypropyl)-2,6-dinitro-3,4-xylidine (PENDIMETALINA)...500 g/l (50% m/v) Ingredientes inertes...500 g/l (50% m/v) Classe Herbicida seletivo, de ação não sistêmica do grupo químico das dinitroanilinas.

Leia mais

PRINCIPAIS DEFICIÊNCIAS EM CIRCUITOS HIDRÁULICOS QUE OCASIONAM FALHAS EM BOMBAS HIDRÁULICAS

PRINCIPAIS DEFICIÊNCIAS EM CIRCUITOS HIDRÁULICOS QUE OCASIONAM FALHAS EM BOMBAS HIDRÁULICAS INFORMATIVO TÉCNICO N 019/09 INFORMATIVO TÉCNICO PRINCIPAIS DEFICIÊNCIAS EM CIRCUITOS HIDRÁULICOS QUE OCASIONAM FALHAS EM BOMBAS HIDRÁULICAS 1/21 INFORMATIVO TÉCNICO N 019/09 O PRINCIPAL COMPONENTE DE

Leia mais

Índice. Classificação. Mais leve do que o ar. Curso n 4 Aeronaves

Índice. Classificação. Mais leve do que o ar. Curso n 4 Aeronaves Curso n 4 Aeronaves Aeronaves são quaisquer máquinas capazes de sustentar vôo, e a grande maioria deles também são capazes de alçar vôo por meios próprios. Índice 1 Classificação o Mais leve do que o ar

Leia mais

NPT 015 CONTROLE DE FUMAÇA PARTE 8 18 ASPECTOS DE SEGURANÇA DO PROJETO DE SISTEMA DE CONTROLE DE FUMAÇA

NPT 015 CONTROLE DE FUMAÇA PARTE 8 18 ASPECTOS DE SEGURANÇA DO PROJETO DE SISTEMA DE CONTROLE DE FUMAÇA Janeiro 2012 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 015 Controle de fumaça Parte 8 Aspectos de segurança CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 02 Norma de Procedimento Técnico 6 páginas SUMÁRIO 18 Aspectos de segurança

Leia mais

300 a 500 Cana-deaçúcar Diatraea saccharalis Broca-da-cana 100 a 150-300. - 50 Maçã. da-folha

300 a 500 Cana-deaçúcar Diatraea saccharalis Broca-da-cana 100 a 150-300. - 50 Maçã. da-folha COMPOSIÇÃO: Novalurom 100 g/l CLASSE: Inseticida GRUPO QUÍMICO: Benzoilureia TIPO DE FORMULAÇÃO: Concentrado Emulsionável (EC) CLASSIFICAÇÃO TOXICOLÓGICA I - EXTREMAMENTE TÓXICO INSTRUÇÕES DE USO: O RIMON

Leia mais

QUALIDADE EM TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS

QUALIDADE EM TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS 1 QUALIDADE EM TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS Prof. Dr. Ulisses Rocha Antuniassi FCA/UNESP Caixa Postal 237-18603-970 - Botucatu/SP - Fone: (14) 96711604 ulisses@fca.unesp.br 1. Conceitos básicos

Leia mais

Catálogo 51-PT. www.teejet.com

Catálogo 51-PT. www.teejet.com Catálogo 51-PT Líderes em componentes de aplicação de precisão, tecnologia de sistemas de controle e gerenciamento de dados de aplicação. www.teejet.com Índice Guia de Seleção Guia de Seleção de Bicos

Leia mais

Energia Hidráulica. Líquido é pressionado contra pequeno orifício (ponta) e é pulverizado e transportado. Concorrentes em termos de energia

Energia Hidráulica. Líquido é pressionado contra pequeno orifício (ponta) e é pulverizado e transportado. Concorrentes em termos de energia PONTAS HIDRÁULICAS Energia Hidráulica Líquido é pressionado contra pequeno orifício (ponta) e é pulverizado e transportado Pulverização e transporte Concorrentes em termos de energia Maior energia = menor

Leia mais

IRRIGAÇÃO DO ALGODOEIRO NO CERRADO BAIANO. (ALGODÃO IRRIGADO NO CERRADO BAIANO) (ALGODÃO COM IRRIGAÇÃO COMPLEMENTAR NO CERRADO BAIANO) Pedro Brugnera*

IRRIGAÇÃO DO ALGODOEIRO NO CERRADO BAIANO. (ALGODÃO IRRIGADO NO CERRADO BAIANO) (ALGODÃO COM IRRIGAÇÃO COMPLEMENTAR NO CERRADO BAIANO) Pedro Brugnera* IRRIGAÇÃO DO ALGODOEIRO NO CERRADO BAIANO (ALGODÃO IRRIGADO NO CERRADO BAIANO) (ALGODÃO COM IRRIGAÇÃO COMPLEMENTAR NO CERRADO BAIANO) Pedro Brugnera* A história do algodão tecnificado no oeste da Bahia,

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Manual de Operação e Instalação Transmissor de nível Cod: 073AA-005-122M Rev. A Série LT-200 Fevereiro / 2004 S/A. Rua João Serrano, 250 Bairro do Limão São Paulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

Utilização do óleo vegetal em motores diesel

Utilização do óleo vegetal em motores diesel 30 3 Utilização do óleo vegetal em motores diesel O óleo vegetal é uma alternativa de combustível para a substituição do óleo diesel na utilização de motores veiculares e também estacionários. Como é um

Leia mais

Misturadores a jato e sistemas de mistura em tanques

Misturadores a jato e sistemas de mistura em tanques Misturadores a jato e sistemas de mistura em tanques Misturadores a jato Os misturadores a jato da Koerting são os principais componentes de sistemas de mistura especiais, podendo ser utilizados em operações

Leia mais

NEW HOLLAND BB9OOO BB9O8O

NEW HOLLAND BB9OOO BB9O8O NEW HOLLAND BB9OOO BB9O8O 2 3 LIDERANÇA MUNDIAL NÃO É MERA COINCIDÊNCIA. Com parceiros do setor, a New Holland foi responsável por algumas das principais inovações e lançamentos que garantiram a ela a

Leia mais

Herbicida 1. Acanthospermum hispidum Acanthospermum australe. Carrapicho-de-carneiro

Herbicida 1. Acanthospermum hispidum Acanthospermum australe. Carrapicho-de-carneiro COMPOSIÇÃO: Diurom 800 g/kg CLASSE: Herbicida GRUPO QUÍMICO: Ureia TIPO DE FORMULAÇÃO: Granulado Dispersível (WG) CLASSIFICAÇÃO TOXICOLÓGICA III - MEDIANAMENTE TÓXICO INSTRUÇÕES DE USO DO PRODUTO: CULTURAS:

Leia mais

EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO

EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO 1. Um agricultor relata que não está tendo controle satisfatório na aplicação de um herbicida. Afirma estar aplicando conforme recomendação do fabricante do produto (x litros p.c./ha

Leia mais

Introdução à pneumática

Introdução à pneumática Introdução à pneumática Introdução: A palavra pneumática tem origem grega Pneuma que significa respiração, sopro e é definido como a parte da física que se ocupa dos fenômenos relacionados com os gases

Leia mais

Manual de Operação setembro / 2010

Manual de Operação setembro / 2010 Hid atec Manual de Operação setembro / 2010 Anotações Assistência Técnica 02 Anotações Assistência Técnica Índice PARTIDA 1. Material necessário 2. Descrição das atividades 3. Ações no caso de anormalidade

Leia mais

Diretrizes para determinação de intervalos de comprovação para equipamentos de medição.

Diretrizes para determinação de intervalos de comprovação para equipamentos de medição. Diretrizes para determinação de intervalos de comprovação para equipamentos de medição. De acordo com a Norma NBR 1001, um grande número de fatores influência a freqüência de calibração. Os mais importantes,

Leia mais

ü Não é permitido utilizar a tubulação da rede elétrica para passagem dos

ü Não é permitido utilizar a tubulação da rede elétrica para passagem dos VÍDEO PORTEIRO COLORIDO VIP COLOR 7 Manual de Instalação 1) APRESENTAÇÃO DO PRODUTO A Amelco, oferece cada vez mais soluções em segurança eletrônica para seus clientes e apresenta o Vídeo Porteiro com

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO SOPRADORES TIPO ROOTS DOSITEC SÉRIE Cutes - CR

MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO SOPRADORES TIPO ROOTS DOSITEC SÉRIE Cutes - CR MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO SOPRADORES TIPO ROOTS DOSITEC SÉRIE Cutes - CR Parabéns por adquirir sopradores roots Dositec, série Cutes - CR, os quais são o resultado de avançado projeto

Leia mais

REFERÊNCIA RÁPIDA PARA MANUTENÇÃO

REFERÊNCIA RÁPIDA PARA MANUTENÇÃO REFERÊNCIA RÁPIDA PARA MANUTENÇÃO AERONAVE EMB-202A IPANEMA Principais Cuidados com a Aeronave ASSISTÊNCIA TÉCNICA 2009 EMBRAER / NEIVA ATENÇÃO ESTE GUIA NÃO É UMA PUBLICAÇÃO TÉCNICA E, PORTANTO, NÃO CONSTITUI

Leia mais

Soluções avançadas para cana

Soluções avançadas para cana Soluções avançadas para cana Sistema de mecanização de cana-de-açúcar Case IH AFS SOLUÇÕES COMPLETAS CASE IH PARA CANA-DE-AÇÚCAR. TRATOS CULTURAIS Com o objetivo de sempre oferecer soluções agrícolas eficientes,

Leia mais

Lareira a lenha Tipo Gota

Lareira a lenha Tipo Gota Lareira a lenha Tipo Gota Manual de instalação, uso e manutenção. ÍNDICE APRESENTAÇÃO CONSIDERAÇÕES INICIAIS EQUIPAMENTO - LAREIRA A LENHA GOTA CUIDADOS INSTALAÇÃO DA LAREIRA DESENHOS TÉCNICOS SISTEMA

Leia mais

MULTISPRAY 2000 RECOMENDAÇÕES CUIDADOS NO MANUSEIO DE PRODUTOS QUÍMICOS

MULTISPRAY 2000 RECOMENDAÇÕES CUIDADOS NO MANUSEIO DE PRODUTOS QUÍMICOS RECOMENDAÇÕES CUIDADOS NO MANUSEIO DE PRODUTOS QUÍMICOS Os defensivos agrícolas são classificados de acordo com a sua classe toxicológica. Para cada uma das classes existe uma recomendação especial em

Leia mais

Energia para pulverização

Energia para pulverização BICOS DE PULVERIZAÇÃO ALTO VOLUME GOTAS PEQUENAS Energia para pulverização Diferentes Tipos de Bicos Classificação em função da energia gerada para pulverização a) Centrífuga b) Pneumática c) Eletrostática

Leia mais

Figura 2.1 Localização de uma APU em aeronave e seu sistema pneumático

Figura 2.1 Localização de uma APU em aeronave e seu sistema pneumático 1 Capítulo 2 - Seleção do local para a APU Os passos que devem ser dados desde a concepção de uma aeronave são: 1) No Planejamento: Admitir que a seleção e a instalação da APU são tão importantes quanto

Leia mais

1 ATUADORES HIDRÁULICOS

1 ATUADORES HIDRÁULICOS 1 ATUADORES HIDRÁULICOS Danniela Rosa Sua função é aplicar ou fazer atuar energia mecânica sobre uma máquina, levando-a a realizar um determinado trabalho. Aliás, o motor elétrico também é um tipo de atuador.

Leia mais

BOMBEAMENTO DE ÁGUA COM ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA

BOMBEAMENTO DE ÁGUA COM ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA BOMBEAMENTO DE ÁGUA COM ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA Eng. Carlos Alberto Alvarenga Solenerg Engenharia e Comércio Ltda. Rua dos Inconfidentes, 1075/ 502 Funcionários - CEP: 30.140-120 - Belo Horizonte -

Leia mais

ALISADOR DE CONCRETO MANUAL DO USUÁRIO NAC2. Por favor, leia este Manual com atenção pára uso do equipamento.

ALISADOR DE CONCRETO MANUAL DO USUÁRIO NAC2. Por favor, leia este Manual com atenção pára uso do equipamento. ALISADOR DE CONCRETO MANUAL DO USUÁRIO NAC2 Por favor, leia este Manual com atenção pára uso do equipamento. Aviso Importante Certifique-se de verificar o nível de óleo como é descrito a seguir: 1. Nível

Leia mais

Sistemas de Lubrificação AutoJet

Sistemas de Lubrificação AutoJet Sistemas de Lubrificação AutoJet Sistemas de lubrificação AutoJet Sistemas de lubrificação oferece-lhe um método eficiente na aplicação de lubrificantes e líquidos anti-corrosivos. Em adição, moldes, estampagem,

Leia mais

Controle II. Estudo e sintonia de controladores industriais

Controle II. Estudo e sintonia de controladores industriais Controle II Estudo e sintonia de controladores industriais Introdução A introdução de controladores visa modificar o comportamento de um dado sistema, o objetivo é, normalmente, fazer com que a resposta

Leia mais

Climatizador de Ar Fresh Plus PCL703

Climatizador de Ar Fresh Plus PCL703 Climatizador de Ar Fresh Plus PCL703 Agradecemos sua preferencia por um produto da linha Lenoxx, um produto de alta tecnologia, seguro e eficiente. É muito importante ler atentamente este manual de instruções,

Leia mais

PRESERVANDO NASCENTES E MANANCIAIS

PRESERVANDO NASCENTES E MANANCIAIS PRESERVANDO NASCENTES E MANANCIAIS A água é um recurso natural insubstituível para a manutenção da vida saudável e bem estar do homem, além de garantir auto-suficiência econômica da propriedade rural.

Leia mais

Minirrotatória. Um projeto simples e eficiente para redução de acidentes

Minirrotatória. Um projeto simples e eficiente para redução de acidentes Minirrotatória Um projeto simples e eficiente para redução de acidentes Introdução A minirrotatória é um dispositivo de segurança utilizado em cruzamento não muito movimentado, para organizar a circulação

Leia mais

Tecnologia de aplicação

Tecnologia de aplicação O que é tecnologia afinal?? O que é tecnologia afinal? 1. Chip numa vaca para armazenar dados de rastreabilidade 2. Automação das operações de ordenha 3. Uso de adjuvantes siliconados na formulação de

Leia mais

Prof. Daniel Hasse. Robótica Industrial

Prof. Daniel Hasse. Robótica Industrial Prof. Daniel Hasse Robótica Industrial Aula 02 - Robôs e seus Periféricos Tipos de Sistemas de Controle Volume de Trabalho Dinâmica e Precisão dos Movimentos Sistemas de Acionamentos Garras Tipos de Sistemas

Leia mais

Evolução Constante MANUAL DE INSTRUÇÕES E CATÁLOGO DE PEÇAS PENETRÔMETRO

Evolução Constante MANUAL DE INSTRUÇÕES E CATÁLOGO DE PEÇAS PENETRÔMETRO Evolução Constante MANUAL DE INSTRUÇÕES E CATÁLOGO DE PEÇAS PENETRÔMETRO ÍNDICE APRESENTAÇÃO...01 1 - PARTES COMPONENTES...02 2 - MEDIDAS DE SEGURANÇA...02 3 - RECOMENDAÇÕES DE USO DO PENETRÔMETRO...03

Leia mais

CAPÍTULO 8 - SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO (MOTORES OTTO) CARBURAÇÃO INJEÇÃO INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 8 - SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO (MOTORES OTTO) CARBURAÇÃO INJEÇÃO INTRODUÇÃO CAPÍTULO 8 - SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO (MOTORES OTTO) CARBURAÇÃO INJEÇÃO INTRODUÇÃO Requisitos de mistura. Em geral, a ótima razão ar/combustível com determinada velocidade do motor consiste naquela em que

Leia mais

Caminhões para longas distâncias

Caminhões para longas distâncias Caminhões para longas distâncias 2 SCANIA CAMINHÕES PARA LONGAS DISTÂNCIAS Veículos Rodoviários Scania, incomparáveis em todos os sentidos. Um caminhão Scania é, em muitos aspectos, o sonho de qualquer

Leia mais

Tipos de Sistema de Produção

Tipos de Sistema de Produção Tipos de Sistema de Produção Os sistemas de cultura dominantes conjunto de plantas cultivadas, forma como estas se associam e técnicas utilizadas no seu cultivo apresentam grandes contrastes entre o Norte

Leia mais

Universidade Paulista Unip

Universidade Paulista Unip Elementos de Produção de Ar Comprimido Compressores Definição Universidade Paulista Unip Compressores são máquinas destinadas a elevar a pressão de um certo volume de ar, admitido nas condições atmosféricas,

Leia mais

Fundação de Estudos e Pesquisas Agrícolas e Florestais

Fundação de Estudos e Pesquisas Agrícolas e Florestais Fone (14) 3811-7127 - Tel/Fax: (14) 3882-6300 e-mail: fepaf@fca.unesp.br 1 PROTOCOLO DE PESQUISA APLICAÇÃO AÉREA PARA CONTROLE DE FERRUGEM DA SOJA NO MATO GROSSO FCA/UNESP - BOTUCATU/SP FUNDAÇÃO MATO GROSSO

Leia mais

Gerencie adequadamente os custos da sua frota

Gerencie adequadamente os custos da sua frota Gerencie adequadamente os custos da sua frota O que é gestão de Frota? De acordo com definição encontrada no livro Gerenciamento de Transporte e Frota, o termo gestão de frota representa a atividade de

Leia mais

controlar para crescer NUTRIENTE IDEAL PARA FLORAÇÃO, FRUTIFICAÇÃO E FORMAÇÃO DE SEMENTES FLORAÇÃO

controlar para crescer NUTRIENTE IDEAL PARA FLORAÇÃO, FRUTIFICAÇÃO E FORMAÇÃO DE SEMENTES FLORAÇÃO controlar para crescer NUTRIENTE IDEAL PARA FLORAÇÃO, FRUTIFICAÇÃO E FORMAÇÃO DE SEMENTES FLORAÇÃO F1 DESCRIÇÃO DO PRODUTO USO EM SOLO NATURAL No solo natural o Photogenesis F1 irá complementar os nutrientes

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. DESUMIDIFICADOR Modelo: KDP 250

MANUAL DO USUÁRIO. DESUMIDIFICADOR Modelo: KDP 250 MANUAL DO USUÁRIO DESUMIDIFICADOR Modelo: KDP 250 INTRODUÇÃO Parabéns por adquirir o Desumidificador Air Life KOMECO, desenvolvido para oferecer maior conforto e bem-estar com muito mais economia de energia.

Leia mais

Um especialista em manutenção preditiva

Um especialista em manutenção preditiva Análise de vibrações A UU L AL A Um especialista em manutenção preditiva foi chamado para monitorar uma máquina em uma empresa. Ele colocou sensores em pontos estratégicos da máquina e coletou, em um registrador,

Leia mais

Aspectos técnicos da Pulverização aérea

Aspectos técnicos da Pulverização aérea Aspectos técnicos da Pulverização aérea a Semana da Citricultura 06 a 10 de junho de 2011. Eng. Agr. Yasuzo Ozeki Celular > (11) 9629-919 Telef.Fixo > (11) 021-415 E-mail > yasuzo@uol.com.br Princípios

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DA APTIDÃO AGRÍCOLA

CLASSIFICAÇÃO DA APTIDÃO AGRÍCOLA 3 CASSIICAÇÃO DA APTIDÃO AGRÍCOA O enquadramento das terras em classes de aptidão resulta da interação de suas condições agrícolas, do nível de manejo considerado e das exigências dos diversos tipos de

Leia mais

Manual de Operação 1

Manual de Operação 1 Manual de Operação 1 Termo de Garantia A Midea do Brasil, garante este produto contra defeito de fabricação pelo prazo de um ano a contar da data da emissão da nota fiscal de compra para o consumidor final.

Leia mais

KIT 6 em 1. (Aparadores de Pêlos) Modelo: RD1000 MANUAL DE INSTRUÇÕES

KIT 6 em 1. (Aparadores de Pêlos) Modelo: RD1000 MANUAL DE INSTRUÇÕES KIT 6 em 1 (Aparadores de Pêlos) Modelo: RD1000 MANUAL DE INSTRUÇÕES Leia atentamente este Manual, antes de usar seu KIT 6 EM 1. Guarde-o em local seguro, para futuras consultas. WWW.LIZZ.COM.BR SAC: (11)

Leia mais

FCA/UNESP - Botucatu/SP ulisses@fca.unesp.br

FCA/UNESP - Botucatu/SP ulisses@fca.unesp.br Tecnologia de aplicação de defensivos Ulisses Rocha Antuniassi FCA/UNESP - Botucatu/SP ulisses@fca.unesp.br Qualidade e manutenção de pulverizadores PROJETO IPP: resultados no MT Projeto IPP/Cerrado 37

Leia mais

Parâmetros de rugosidade

Parâmetros de rugosidade Parâmetros de rugosidade A UU L AL A A superfície de peças apresenta perfis bastante diferentes entre si. As saliências e reentrâncias (rugosidade) são irregulares. Para dar acabamento adequado às superfícies

Leia mais

IMPERADOR 3100 e IMPERADOR CA 3100 O primeiro e único pulverizador do mundo com barras centrais

IMPERADOR 3100 e IMPERADOR CA 3100 O primeiro e único pulverizador do mundo com barras centrais IMPERADOR 3100 e IMPERADOR CA 3100 O primeiro e único pulverizador do mundo com barras centrais IMPERADOR 3100 Características O Imperador 3100 é o primeiro e único pulverizador autopropelido do mundo

Leia mais

SR Cutter Scotch-Brite Industrial Dados Técnicos Fevereiro / 2004

SR Cutter Scotch-Brite Industrial Dados Técnicos Fevereiro / 2004 3 SR Cutter Scotch-Brite Industrial Dados Técnicos Fevereiro / 2004 Substitui Fevereiro / 2003 Página 1 de 6 Introdução: O SR Cutter é uma ferramenta plástica (não-abrasiva) cortante com mandril metálico

Leia mais

Treinamento. Arbus 400 Golden

Treinamento. Arbus 400 Golden Arbus 400 Golden Treinamento Arbus 400 Golden Prof. Brandão - Operação - Manutenção - Regulagem da pulverização Arbus 400 Golden Arbus 400 Maçã 33 Apresentação da máquina Tanque de Defensivos Aplicação

Leia mais

Manual Técnico. Transformadores de Potência. Versão: 5

Manual Técnico. Transformadores de Potência. Versão: 5 Manual Técnico Transformadores de Potência Versão: 5 Índice 2 8 Página 1 1 INTRODUÇÃO Este manual fornece instruções referentes ao recebimento, instalação e manutenção dos transformadores de potência a

Leia mais

Sensor de Umidade para Concreto - Série 3000

Sensor de Umidade para Concreto - Série 3000 Sensor de Umidade para Concreto - Série 3000 Recomendações para Correta Instalação e Operação do Equipamento Tecnologia Brasileira Este documento contém informações confidenciais. Seu conteúdo é de uso

Leia mais

Confederação Nacional da Indústria. - Manual de Sobrevivência na Crise -

Confederação Nacional da Indústria. - Manual de Sobrevivência na Crise - RECOMENDAÇÕES PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Manual de Sobrevivência na Crise - Janeiro de 1998 RECOMENDAÇÕES PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Manual de Sobrevivência na Crise - As empresas, principalmente

Leia mais

DESSO CARPETES EM PLACAS / EM ROLO LIMPEZA E MANUTENÇÃO

DESSO CARPETES EM PLACAS / EM ROLO LIMPEZA E MANUTENÇÃO DESSO CARPETES EM PLACAS / EM ROLO LIMPEZA E MANUTENÇÃO 1. ANTES DA INSTALAÇÃO 1.1 Tratamento anti-manchas Um tratamento anti-manchas é um tratamento protetor resistente a manchas adicionado nas fibras

Leia mais

PK 100002. Lifetime excellence. geometria perfeita de movimentos E

PK 100002. Lifetime excellence. geometria perfeita de movimentos E PK 100002 Lifetime excellence geometria perfeita de movimentos E PRECISÃO EM GRANDES ALTURAS. O GUINDASTE QUE ESTABELECEU UM NOVO PADRÃO EM SUA CATEGORIA 1 lifetime excellence OS GUINDASTES ARTICULADOS

Leia mais

Apresentação. Conceito

Apresentação. Conceito Apresentação Apresentamos um novo conceito de Mercado para a Distribuição e Venda Direta de Produtos e Serviços para o Setor da Construção Civil; Com Ênfase em atender principalmente, construtoras, lojas

Leia mais

8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A

8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A 8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A Adriane Hartman Fábio Gomes da Silva Dálcio Roberto dos Reis Luciano Scandelari 1 INTRODUÇÃO Este artigo pretende mostrar

Leia mais

PORTUGUÊS CÂMARA DE CALÇADA MANUAL DE INSTRUÇÕES

PORTUGUÊS CÂMARA DE CALÇADA MANUAL DE INSTRUÇÕES PORTUGUÊS CÂMARA DE CALÇADA MANUAL DE INSTRUÇÕES Câmara de Calçada ÍNDICE PREFÁCIO... 5 ABREVIATURAS UTILIZADAS... 5 SÍMBOLOS UTILIZADOS... 6 INTRODUÇÃO... 7 TRANSPORTE, ARMAZENAMENTO E RECEBIMENTO...

Leia mais

MÁQUINAS AGRÍCOLAS PROF. ELISEU FIGUEIREDO NETO

MÁQUINAS AGRÍCOLAS PROF. ELISEU FIGUEIREDO NETO MÁQUINAS AGRÍCOLAS PROF. ELISEU FIGUEIREDO NETO COLHEITA NA AUSTRALIA Hoje nós temos que preocupar não só em aprimorar as MÁQUINAS, mas também os OPERADORES que com elas trabalham. PARTES CONSTITUINTES

Leia mais

by d Avila, 2004 versão 1.0

by d Avila, 2004 versão 1.0 Versão 1.0 2 by d Avila, 2004 versão 1.0 O autor e o Grupo CB Brasil acreditam que todas as informações aqui apresentadas estão corretas e podem ser utilizadas para qualquer fim legal. Entretanto, não

Leia mais

NOVIDADES NA IRRIGAÇÃO E FERTIRRIGAÇÃO

NOVIDADES NA IRRIGAÇÃO E FERTIRRIGAÇÃO NOVIDADES NA IRRIGAÇÃO E FERTIRRIGAÇÃO Fredy Moreinos Netafim Brasil Sist. Equips. Irrigação Ltda Rua Salvador Scaglione, 135 14066-446 Ribeirão Preto SP 55 16 2111.8000 netafim@netafim.com.br O Brasil

Leia mais

BENEFICIAMENTO DE SEMENTES. Silvio Moure Cicero. 1. Importância

BENEFICIAMENTO DE SEMENTES. Silvio Moure Cicero. 1. Importância 16 BENEFICIAMENTO DE SEMENTES 1. Importância Silvio Moure Cicero Em programas de produção de sementes, o processamento representa a etapa final pela o qual o lote poderá adquirir a qualidade que possibilite

Leia mais

Instruções de Operação. Instruções importantes e avisos de advertência estão retratados na máquina por meio de símbolos:

Instruções de Operação. Instruções importantes e avisos de advertência estão retratados na máquina por meio de símbolos: 1 Instruções de Operação Instruções importantes e avisos de advertência estão retratados na máquina por meio de símbolos: Antes de começar a trabalhar, leia o manual de instruções da máquina. Trabalhe

Leia mais

AQUECEDOR CADENCE DILLETA AQC 412 LIGADO

AQUECEDOR CADENCE DILLETA AQC 412 LIGADO AQUECEDOR CADENCE DILLETA AQC 412 LIGADO Obrigado por adquirir o Aquecedor Cadence Dilleta, um produto de alta tecnologia, seguro e eficiente. É muito importante ler atentamente este manual de instruções,

Leia mais

Compostagem. Gersina N. da R. Carmo Junior

Compostagem. Gersina N. da R. Carmo Junior Compostagem Gersina N. da R. Carmo Junior Compostagem É um processo de transformação da matéria orgânica do lixo em um composto orgânico (húmus). Composto orgânico Produto final da compostagem Compostagem

Leia mais

Rebitador de Rosca DR7-0312 Manual de Operações www.ldr2.com.br

Rebitador de Rosca DR7-0312 Manual de Operações www.ldr2.com.br Rebitador de Rosca DR7-0312 Manual de Operações www.ldr2.com.br 1. DADOS TÉCNICOS Modelo Medida de bicos para rebite de rosca Força de tração Velocidade Pressão de trabalho Peso líquido DR7-0312 M3 M4

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DE TERRENOS PARA IRRIGAÇÃO

SISTEMATIZAÇÃO DE TERRENOS PARA IRRIGAÇÃO Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Agrícola Disciplina: Topografia Básica Facilitadores: Nonato, Julien, Fabrício e Rogério SISTEMATIZAÇÃO DE TERRENOS

Leia mais

Manual de Operação. Balança UR10000 LIGHT 300/100

Manual de Operação. Balança UR10000 LIGHT 300/100 Manual de Operação Balança UR10000 LIGHT 300/100 1 - INTRODUÇÃO Este equipamento foi projetado para atender aos mais rigorosos requisitos de precisão em pesagem, possuindo componentes de altíssima qualidade,

Leia mais

MÁQUINAS DE CORTE E AFIAÇÃO. Luciano dos Santos 1. TIPOS DE MÁQUINAS DE CORTE. As principais máquinas de corte utilizadas nos gramados atualmente são:

MÁQUINAS DE CORTE E AFIAÇÃO. Luciano dos Santos 1. TIPOS DE MÁQUINAS DE CORTE. As principais máquinas de corte utilizadas nos gramados atualmente são: MÁQUINAS DE CORTE E AFIAÇÃO Luciano dos Santos Engenheiro mecânico do Grupo Acme, Alameda dos Nhambiquaras, 239 Moema SãoPaulo SP, CEP 04090-010 luciano@grupoacme.com.br. 1. TIPOS DE MÁQUINAS DE CORTE

Leia mais

CORTE DOS METAIS. Prof.Valmir Gonçalves Carriço Página 1

CORTE DOS METAIS. Prof.Valmir Gonçalves Carriço Página 1 CORTE DOS METAIS INTRODUÇÃO: Na indústria de conformação de chapas, a palavra cortar não é usada para descrever processos, exceto para cortes brutos ou envolvendo cortes de chapas sobrepostas. Mas, mesmo

Leia mais

9.356-019.0 09/02 Ind. c

9.356-019.0 09/02 Ind. c 9.356-019.0 09/02 Ind. c 1. Esquema da máquina 13 2. Elementos de comando 1 - Mangueira de alta pressão 2 - Pistola 3 - Tubeira 4 - Bicos 5 - Trava de Segurança 6 - Gatilho 7 - Saída de alta pressão 8

Leia mais

ENG 337 MECÂNICA E MECANIZAÇÃO FLORESTAL

ENG 337 MECÂNICA E MECANIZAÇÃO FLORESTAL COLHEITA FLORESTAL ENG 337 MECÂNICA E MECANIZAÇÃO FLORESTAL Prof. Haroldo C. Fernandes DEA/UFV O caminho para o atendimento das necessidades crescentes por produtos florestais se dá por meio de uma produção

Leia mais

Foco. ALLROUNDER verticais. Injetoras para a sobreinjeção ergonômica de insertos. www.arburg.com

Foco. ALLROUNDER verticais. Injetoras para a sobreinjeção ergonômica de insertos. www.arburg.com Foco ALLROUNDER verticais Injetoras para a sobreinjeção ergonômica de insertos www.arburg.com Sinopse Ergonomia: sistema vertical de espaço livre com placa de fixação imóvel presa na parte de baixo, proporcionando

Leia mais

Impresso. ZARGES GmbH Zargesstraße 7 82362 Weilheim, Germany

Impresso. ZARGES GmbH Zargesstraße 7 82362 Weilheim, Germany N TP-TG-PT pt Elevador de serviço ZARGES com guincho de tração e dispositivo de retenção da TRACTEL Greifzug Plano de verificação diário com protocolo de verificação Impresso ZARGES GmbH Zargesstraße 7

Leia mais

Bicos Automação Análise Técnica. Sistemas. Guia de Tecnologia de Pulverização para Processos Farmacêuticos

Bicos Automação Análise Técnica. Sistemas. Guia de Tecnologia de Pulverização para Processos Farmacêuticos Bicos Automação Análise Técnica Sistemas Guia de Tecnologia de Pulverização para Processos Farmacêuticos Revestimento de Comprimidos com Baixa Manutenção Os maiores desafios no revestimento de comprimidos

Leia mais

CIRCULAR TÉCNICA N o 159 JUNHO 1988 PREPARO DE SOLOS EM ÁREAS ACIDENTADAS

CIRCULAR TÉCNICA N o 159 JUNHO 1988 PREPARO DE SOLOS EM ÁREAS ACIDENTADAS IPEF: FILOSOFIA DE TRABALHO DE UMA ELITE DE EMPRESAS FLORESTAIS BRASILEIRAS ISSN 0100-3453 CIRCULAR TÉCNICA N o 159 JUNHO 1988 INTRODUÇÃO PREPARO DE SOLOS EM ÁREAS ACIDENTADAS Deuseles João Firme * João

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO RAMPA PNEUMÁTICA RP 045 REVISÃO 00

MANUAL DE OPERAÇÃO RAMPA PNEUMÁTICA RP 045 REVISÃO 00 MANUAL DE OPERAÇÃO RAMPA PNEUMÁTICA RP 045 REVISÃO 00 B12-084 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. INFORMAÇÕES GERAIS... 3 2.1. DIMENSÕES... 3 2.2. DADOS TÉCNICOS... 3 2.3. ACESSÓRIOS... 3 2.4. OPERAÇÃO... 4

Leia mais