POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ Junho de 2013

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ Junho de 2013"

Transcrição

1 POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ Junho de 2013 Elaboração: Gerencia de Riscos Revisão: Compliance Classificação do Documento: Público

2 ÍNDICE 1. OBJETIVO E ABRANGÊNCIA DEFINIÇÕES RESPONSABILIDADES Do COMEX Do Comitê de Risco Do Chief Risk Officer ( CRO ) responsável pelo Gerenciamento do Risco de Liquidez Da Unidade de Gerenciamento do Risco de Liquidez Dos Colaboradores Da Auditoria Interna/Externa AVALIAÇÃO DOS SISTEMAS ESTRUTURA OPERACIONAL METODOLOGIA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Relatórios de acesso restrito Relatórios de acesso público DOCUMENTAÇÃO E ARMAZENAMENTO EXCEÇÕES A POLITICA DIVULGAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DA POLÍTICA ATUALIZAÇÃO E REVISÃO PENALIDADES Politica Gerenciamento Risco Liquidez.docx 2

3 1. OBJETIVO E ABRANGÊNCIA Esta política possui por objetivo estabelecer o Gerenciamento do Risco de Liquidez das empresas que compõem o conglomerado econômico-financeiro Brasil Plural ( Plural ) de forma que os mesmos sejam assumidos, gerenciados e mensurados em concordância com os objetivos e normas estabelecidos pelo Comitê de Risco ( COMRISK ). A política se aplica a todas as empresas pertencentes ao conglomerado econômico-financeiro Brasil Plural. 2. DEFINIÇÕES Para fins desta política, define-se: Colaborador: para fins desta Política, são considerados associados todos os funcionários, estagiários, terceiros e prestadores de serviços que atuem na Plural. Risco: Medida numérica da probabilidade de um acontecimento, perigo ou oportunidade, e de suas conseqüências, positivas ou negativas, ocorrerem ou não, estimadas com base na experiência ou dados históricos; Risco de Liquidez: Ocorrência de desequilíbrios entre ativos negociáveis e passivos exigíveis - descasamentos entre pagamentos e recebimentos - que possam afetar a capacidade de pagamento da instituição, levando-se em consideração as diferentes moedas e prazos de liquidação de seus direitos e obrigações; Gerenciamento do Risco: Conjunto de práticas para prever, planejar e alertar sobre os riscos da Plural; 3. RESPONSABILIDADES Em linha com o escopo desta política, seguem abaixo transcritas as responsabilidades detalhadas e segmentadas. Politica Gerenciamento Risco Liquidez.docx 3

4 3.1. Do COMEX Indicar o diretor responsável pelo Gerenciamento do Risco de Liquidez; Garantir que o diretor indicado não desempenhe função relativa à administração de recursos de terceiros; Revisar e aprovar no mínimo anualmente a estrutura de Gerenciamento do Risco de Liquidez; Analisar e aprovar no mínimo anualmente a Política de Risco de Liquidez da Plural; Garantir que a estrutura de Gerenciamento do Risco de Liquidez esteja sujeita a uma efetiva auditoria interna realizada por pessoal operacionalmente independente e capacitado Do Comitê de Risco Analisar e aprovar a Política de Gerenciamento do Risco de Liquidez da Plural; Garantir que os objetivos do Gerenciamento do Risco de Liquidez, a tolerância a riscos e os limites estabelecidos estejam sendo considerados em toda a organização; Definir o nível de exposição aceitável dos riscos (tolerância/apetite ao risco); Definir as diretrizes para o Gerenciamento do Risco de Liquidez; Definir o perfil de riscos, apetites a riscos, faixas de tolerância a desvios em relação aos níveis de riscos determinados como aceitáveis; Implementar uma sólida estrutura de Gerenciamento do Risco de Liquidez e Controle; Participar ativamente no processo de Gerenciamento do Risco de Liquidez; Manifestar-se expressamente acerca das ações a serem implementadas para correção tempestiva das deficiências apontadas nos relatórios da unidade de Gerenciamento do Risco de Liquidez; Politica Gerenciamento Risco Liquidez.docx 4

5 Garantir a compatibilidade da estruturas de Gerenciamento do Risco de Liquidez com o grau de complexidade dos negócios da Plural; Suprir o COMEX com as informações necessárias para o devido Gerenciamento do Risco de Liquidez; Difundir a Política de Gerenciamento do Risco de Liquidez aos funcionários da Plural e aos prestadores de serviços terceirizados, envolvidos com o Gerenciamento do Risco de Liquidez, em seus diversos níveis, estabelecendo papéis e responsabilidades; Avaliar o risco de novos negócios, produtos e processos ou de mudanças materiais dos negócios, produtos e processos; Propor limites de tolerância à exposição aos riscos, cuidando para que os limites não sejam superavaliados, limitando assim o retorno das operações, ou subavaliados, de modo que a instituição esteja exposta a risco excessivo Do Chief Risk Officer ( CRO ) responsável pelo Gerenciamento do Risco de Liquidez Conduzir o Comitê de Riscos e dirigir a unidade de Gerenciamento do Risco de Liquidez; Garantir que a Plural tenha processos que aderem as expectativas de controle de risco dos acionistas e associados; Desenvolver e implementar a estratégia integrada de risco da Plural; Executar as responsabilidades delegadas pelo Comitê de Riscos; Inserir o Comitê de Riscos em discussões relacionadas a operações que possam expor a organização a perdas; Avaliar os riscos da organização de forma agregada e por unidade de negócio; Mensurar e reportar o grau de risco assumido pela organização; Desenvolver, recomendar e administrar processos da unidade de Gerenciamento do Risco de Liquidez. Politica Gerenciamento Risco Liquidez.docx 5

6 Pesquisar, desenvolver, testar e implementar metodologias e modelos de quantificação de riscos; Recomendar ao Comitê de Riscos limites consistentes com a tolerância a riscos da organização e com a Política de Gerenciamento do Risco de Liquidez; Avaliar novas operações e analisar alterações potenciais sobre a exposição a riscos da organização, obedecendo ao grau de tolerância a riscos e a Política de Gerenciamento do Risco de Liquidez; Reportar ao COMEX e ao Comitê de Riscos o grau de aderência a Política de Gerenciamento do Risco de Liquidez; Garantir a compatibilidade da estrutura de Gerenciamento do Risco de Liquidez com o grau de complexidade dos negócios da Plural; 3.4. Da Unidade de Gerenciamento do Risco de Liquidez Sugerir a Política de Gerenciamento do Risco de Liquidez, incluindo a definição de papéis e responsabilidades e participar da definição de metas para implementação; Implementar, administrar e garantir conformidade à Política de Gerenciamento do Risco de Liquidez; Desenvolver e revisar controles e sistemas de qualificação de Gerenciamento do Risco de Liquidez; Monitorar o grau de aderência da organização à Política de Gerenciamento do Risco de Liquidez; Desenvolver técnicas e ferramentas de Gerenciamento do Risco de Liquidez; Realizar avaliações voltadas à identificação de mecanismos e instrumentos que permitam a obtenção dos recursos necessários à reversão de posições que coloquem em risco a situação econômica financeira da instituição, englobando as alternativas de liquidez disponíveis nos mercados financeiros e de capitais; Politica Gerenciamento Risco Liquidez.docx 6

7 Estabelecer plano de contingência contendo estratégias da administração de situações de liquidez; Supervisionar o desenvolvimento de modelos e sua validação, de forma a garantir que o Risco de Liquidez seja adequadamente mensurado; Avaliar e recomendar a alocação dos recursos necessários para o Gerenciamento do Risco de Liquidez; Estabelecer uma linguagem de Gerenciamento do Risco de Liquidez comum, que inclui medidas comuns de probabilidade e impacto; Manter a diretoria informada sobre os riscos da Plural; Emitir parecer sobre o risco de novos negócios, produtos e processos ou de mudanças materiais dos negócios, produtos e processos; Implementar e divulgar processo estruturado de comunicação e informação do Risco de Liquidez; Realizar treinamento periódico dos colaboradores sobre Risco de Liquidez Dos Colaboradores Auxiliar na implementação de uma sólida estrutura de Gerenciamento do Risco de Liquidez e controles; Aplicar, regularmente, as metodologias de gestão de riscos; Informar todas as ocorrências e falhas de controle identificadas a Área de Risco de Liquidez Da Auditoria Interna/Externa Realizar, mediante pedido do Comitê de Risco, com periodicidade mínima anual, testes de avaliação dos sistemas de controle de Risco de Liquidez. Politica Gerenciamento Risco Liquidez.docx 7

8 4. AVALIAÇÃO DOS SISTEMAS A avaliação dos sistemas de controle do Risco de Liquidez deve ser realizada por pessoa capaz e independente a área de Risco de Liquidez. A avaliação deve garantir que: I. A metodologia foi devidamente implementada, e está funcionando de forma eficiente; II. III. A efetividade da metodologia, e sua consistência com as políticas e normas emanadas pelo COMEX; A metodologia utilizada mensura corretamente o Risco de Liquidez, e que este reflete o perfil de risco da Plural. 5. ESTRUTURA OPERACIONAL Comitê de Risco Chief Risk Officer CRO O Gerenciamento do Risco de Liquidez será realizado pela área de Gerenciamento do Risco de Liquidez, subordinada ao CRO, que por sua vez é subordinado ao Comitê de Risco e ao COMEX; O Comitê de Risco deve garantir que a estrutura da área de Gerenciamento do Risco de Liquidez: I. Seja compatível com a natureza e complexidade dos produtos, serviços, atividades, processos e sistemas da Plural; Gerente de Risco (BRA) Politica Gerenciamento Risco Liquidez.docx 8

9 II. III. IV. Seja capaz de identificar, avaliar, monitorar, controlar e mitigar os riscos associados a cada Instituição individualmente, pertencente a Plural, bem como identificar e acompanhar os riscos associados às demais empresas integrantes da Plural; Esteja capacitada a identificar e monitorar o Risco de Liquidez decorrente de serviços terceirizados relevantes para o funcionamento regular da Plural, prevendo os respectivos planos de contingências; Seja segregada da área executora da atividade de auditoria interna e de administração de recursos de terceiros; V. Possua estrutura compatível com o grau de complexidade dos negócios da Plural. 6. METODOLOGIA A metodologia é parte integrante desta política, e deve atender às necessidades da Plural, às exigências regulatórias, assim como às melhores práticas do Liquidez. Será composta, por no mínimo, pelos seguintes componentes: I. Identificação; II. III. IV. Avaliação; Monitoramento; Controle individual e consolidado. 7. INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO 7.1. Relatórios de acesso restrito Serão elaborados, com periodicidade mínima anual, relatórios que permitam a identificação e correção tempestiva das deficiências de controle e de Gerenciamento do Risco de Liquidez; Politica Gerenciamento Risco Liquidez.docx 9

10 Os relatórios citados no item anterior devem ser submetidos ao Comitê de Risco que deve manifestar-se expressamente acerca das ações a serem implementadas para correção tempestiva das deficiências apontadas; Eventuais deficiências devem compor os relatórios de avaliação da qualidade e adequação do sistema de controles internos, inclusive sistemas de processamento eletrônico de dados e de gerenciamento de riscos e de descumprimento de dispositivos legais e regulamentares, que tenham, ou possam vir a ter impactos relevantes nas demonstrações contábeis ou nas operações da entidade auditada, elaborados pela auditoria independente, conforme disposto na regulamentação vigente; 7.2. Relatórios de acesso público A estrutura de Gerenciamento do Risco de Liquidez deve ser evidenciada em relatório de acesso público, com periodicidade mínima anual; Deve constar neste relatório a responsabilidade do COMEX pelas informações divulgadas; Deve ser publicado em conjunto com as demonstrações contábeis semestrais, resumo da descrição da estrutura de Gerenciamento do Risco de Liquidez, indicando a localização do relatório citado. 8. DOCUMENTAÇÃO E ARMAZENAMENTO Toda informação referente à ao Gerenciamento do Risco de Liquidez deve ser devidamente documentada e armazenada; A documentação e armazenamento devem garantir a exatidão, veracidade e integridade da informação e suas respectivas evidências. Assim como acesso somente a pessoas devidamente autorizadas pelo Diretor responsável pelo Gerenciamento do Risco de Liquidez. Politica Gerenciamento Risco Liquidez.docx 10

11 9. EXCEÇÕES A POLITICA Qualquer exceção a esta política deve ser encaminhada pelo responsável pelo Gerenciamento do Risco para análise do COMEX, sendo este o responsável por definir formas e prazos de tratamento adequados. 10. DIVULGAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DA POLÍTICA Esta política deve ser divulgada pela área de Gerenciamento do Risco de Liquidez a todos os colaboradores da Plural, envolvidos no Gerenciamento do Risco de Liquidez, na data de sua publicação. 11. ATUALIZAÇÃO E REVISÃO Esta política será revisada e aprovada, no mínimo anualmente, pelo COMEX e pelo Comitê de Risco. 12. PENALIDADES O não cumprimento desta Política é passível de penalidades, de acordo com a sua gravidade. Caberá ao Comitê de Risco, juntamente com o Compliance a Recursos Humanos, avaliar os casos de não conformidade e apresentar seu parecer ao Comitê Disciplinar, conforme mencionado em nosso Código de Ética e Conduta. Politica Gerenciamento Risco Liquidez.docx 11

12

Política de Gerenciamento do Risco de Mercado Julho Elaboração: Risco Aprovação: Comex Classificação do Documento: Público

Política de Gerenciamento do Risco de Mercado Julho Elaboração: Risco Aprovação: Comex Classificação do Documento: Público Política de Gerenciamento do Risco de Mercado Julho 2013 Elaboração: Risco Aprovação: Comex Classificação do Documento: Público ÍNDICE 1. OBJETIVO E ABRANGÊNCIA... 3 2. DEFINIÇÕES... 3 3. RESPONSABILIDADES...

Leia mais

Política de Gerenciamento de Capital Outubro Elaboração: Risco Aprovação: COMEX Classificação do Documento: Público

Política de Gerenciamento de Capital Outubro Elaboração: Risco Aprovação: COMEX Classificação do Documento: Público Política de Gerenciamento de Capital Outubro 2015 Elaboração: Risco Aprovação: COMEX Classificação do Documento: Público ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. ABRANGÊNCIA... 3 3. DEFINIÇÕES... 3 4. RESPONSABILIDADES...

Leia mais

Política de Gerenciamento de Risco de Liquidez Maio 2018

Política de Gerenciamento de Risco de Liquidez Maio 2018 Política de Gerenciamento de Risco de Liquidez Maio 2018 Elaboração: Risco Aprovação: COMEX Classificação do Documento: Público ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. ABRANGÊNCIA... 3 3. DEFINIÇÕES... 3 4. RESPONSABILIDADES...

Leia mais

Política de Gerenciamento de Risco Operacional Maio 2018

Política de Gerenciamento de Risco Operacional Maio 2018 Política de Gerenciamento de Risco Operacional Maio 2018 Elaboração: Risco Aprovação: COMEX Classificação do Documento: Público ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. ABRANGÊNCIA... 3 3. DEFINIÇÕES... 3 4. RESPONSABILIDADES...

Leia mais

O Chief Risk Officer (CRO) responde diretamente ao Comitê de Risco, que é formado por executivos e sócios do Brasil Plural.

O Chief Risk Officer (CRO) responde diretamente ao Comitê de Risco, que é formado por executivos e sócios do Brasil Plural. POLÍTICA DE RISCOS Novembro de 2012 1. Risco O BRASIL PLURAL possui como filosofia ser conservador em sua atuação, preocupando se com a gestão eficiente dos riscos intrínsecos ao seu negócio. Para tanto,

Leia mais

Comitê de Risco CRO. Gerente de Risco (BRA)

Comitê de Risco CRO. Gerente de Risco (BRA) Risco A BRASIL PLURAL CORRETORA possui como filosofia ser conservadora em sua atuação, preocupando-se com a gestão eficiente dos riscos intrínsecos ao seu negócio. Para tanto, adota práticas e políticas

Leia mais

Política de Gerenciamento de Capital Setembro Elaboração: Risco Aprovação: COMEX Classificação do Documento: Público

Política de Gerenciamento de Capital Setembro Elaboração: Risco Aprovação: COMEX Classificação do Documento: Público Política de Gerenciamento de Capital Setembro 2014 Elaboração: Risco Aprovação: COMEX Classificação do Documento: Público Índice 1. OBJETIVO E ABRANGÊNCIA... 3 2. DEFINIÇÕES... 3 3. RESPONSABILIDADES...

Leia mais

Política de Gerenciamento de Risco de Crédito Outubro 2015

Política de Gerenciamento de Risco de Crédito Outubro 2015 Política de Gerenciamento de Risco de Crédito Outubro 2015 Elaboração: Risco Aprovação: Comex Classificação do Documento: Público ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. ABRANGÊNCIA... 3 3. DEFINIÇÕES... 3 4. RESPONSABILIDADES...

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL A Um Investimentos S.A. CTVM atendendo às disposições da Resolução CMN nº 4.557/17 demonstra através deste relatório a sua estrutura do gerenciamento de

Leia mais

DATA BASE: 31 de dezembro de (acesso público)

DATA BASE: 31 de dezembro de (acesso público) RELATÓRIO DE ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DE MERCADO, OPERACIONAL, DE CRÉDITO E DE LIQUIDEZ DATA BASE: 31 de dezembro de 2017 (acesso público) SUMÁRIO RISCO DE MERCADO... 4 Gerenciamento do Risco

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL A Um Investimentos S/A CTVM atendendo às disposições da Resolução CMN 3.380/06 demonstra através deste relatório a sua estrutura do gerenciamento de risco

Leia mais

Política de Gerenciamento de Risco de Mercado Maio 2017

Política de Gerenciamento de Risco de Mercado Maio 2017 Política de Gerenciamento de Risco de Mercado Maio 2017 Elaboração: Risco Aprovação: Comitê Executivo Classificação do Documento: Público ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. ABRANGÊNCIA... 3 3. DEFINIÇÕES... 3

Leia mais

Riscos e Controles Internos

Riscos e Controles Internos Riscos e Controles Internos Ouvidoria: 0800-724-4010 ouvidoria@spinelli.com.br 1 Índice 1. Introdução 3 2. Objetivo 3 3. Estrutura de gerenciamento do risco operacional 4 4. Agentes da Estrutura de GRO

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Resolução 3.988/2011. Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Resolução 3.988/2011. Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital Sumário RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL... 3 1. INTRODUÇÃO... 3

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Riscos FRAM Capital Gestão de Ativos Ltda

Estrutura de Gerenciamento de Riscos FRAM Capital Gestão de Ativos Ltda Estrutura de Gerenciamento de Riscos FRAM Capital Gestão de Ativos Ltda Este documento foi desenvolvido e é atualizado pela área de Compliance da FRAM Capital Gestão de Ativos Ltda. As informações aqui

Leia mais

Manual de Gerenciamento do Risco Operacional - MRO. Título: Aspectos conceituais 2 Seção: Estrutura de gerenciamento do risco operacional 2

Manual de Gerenciamento do Risco Operacional - MRO. Título: Aspectos conceituais 2 Seção: Estrutura de gerenciamento do risco operacional 2 ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL Sistema Sicoob A estrutura de gerenciamento do risco operacional das cooperativas do Sicoob é composta da seguinte forma: A adoção do modelo de estrutura

Leia mais

A estrutura de gerenciamento do risco operacional das cooperativas do Sicoob é composta da seguinte forma:

A estrutura de gerenciamento do risco operacional das cooperativas do Sicoob é composta da seguinte forma: 1. Sistema Sicoob A estrutura de gerenciamento do risco operacional das cooperativas do Sicoob é composta da seguinte forma: A adoção do modelo de estrutura de gerenciamento do risco operacional apresentada

Leia mais

Descrição da Estrutura de Gerenciamento Risco Operacional -

Descrição da Estrutura de Gerenciamento Risco Operacional - Descrição da Estrutura de Gerenciamento 2017 - Risco Operacional - Sumário: 1. Introdução... 3 2. Objetivo... 3 3. Diretrizes e Gestão... 4 3.1 Qualitativo:... 4 3.2 Quantitativo... 6 4. Atribuições e

Leia mais

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL 1/7 POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL 1. INTRODUÇÃO A Política de Risco Operacional e Controles Internos, do BANCO CÉDULA S.A tem como objetivo definir diretrizes para a implantação e disseminação

Leia mais

A estrutura de gerenciamento do risco operacional das cooperativas do Sicoob é composta da seguinte forma:

A estrutura de gerenciamento do risco operacional das cooperativas do Sicoob é composta da seguinte forma: 1. Sistema Sicoob A estrutura de gerenciamento do risco operacional das cooperativas do Sicoob é composta da seguinte forma: A adoção do modelo de estrutura de gerenciamento do risco operacional apresentada

Leia mais

ESTRUTURA COMPLETA DO GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL

ESTRUTURA COMPLETA DO GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL 1. Sistema Sicoob A estrutura de gerenciamento do risco operacional das cooperativas do Sicoob é composta da seguinte forma: A adoção do modelo de estrutura de gerenciamento do risco operacional apresentada

Leia mais

RELATÓRIO DA ESTRUTURA DO GERENCIAMENTO RISCO OPERACIONAL

RELATÓRIO DA ESTRUTURA DO GERENCIAMENTO RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO DA ESTRUTURA DO GERENCIAMENTO RISCO OPERACIONAL EXERCÍCIO 2015 A Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Empregados, Aposentados e Pensionistas da Companhia Estadual de Energia Elétrica e

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Capital

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Capital Estrutura de Gerenciamento de Risco de Capital BANCO CARGILL 1/7 O documento à seguir trata da estrutura de risco de capital, bem como seus principais processos e procedimentos. OBJETIVO O objetivo desta

Leia mais

Risco de Liquidez. Um Investimentos S/A CTVM. Fev/2010 Atualização Set/ 13 Atualização Fev/14. Resolução nº 4090/12

Risco de Liquidez. Um Investimentos S/A CTVM. Fev/2010 Atualização Set/ 13 Atualização Fev/14. Resolução nº 4090/12 Risco de Liquidez Resolução nº 4090/12 Fev/2010 Atualização Set/ 13 Atualização Fev/14 Um Investimentos S/A CTVM Objetivo Estabelecer as diretrizes para o gerenciamento dos riscos de liquidez a assegurar

Leia mais

POLÍTICA CORPORATIVA

POLÍTICA CORPORATIVA POLÍTICA CORPORATIVA POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL CÓDIGO: MINV-P-003 VERSÃO: 04 EMISSÃO: 03/2011 ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: 10/2017 INDICE OBJETIVO... 2 ALCANCE... 2 VIGÊNCIA... 2 ÁREA GESTORA... 2 ÁREAS INTERVENIENTES...

Leia mais

Cooperativa de Economia e Credito Mutuo dos Servidores do Poder Legislativo de Mato Grosso Sicoob Credlegis cep: Av: André Maggi Lote 06

Cooperativa de Economia e Credito Mutuo dos Servidores do Poder Legislativo de Mato Grosso Sicoob Credlegis cep: Av: André Maggi Lote 06 Página 1 de 11 RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL JUNHO DE 2008 SUMÁRIO 1. Responsabilidade... 3 2. Sistema Sicoob... 3 3. Principais competências dos membros que compõem

Leia mais

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS E GERENCIAMENTO DE CAPITAL

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS E GERENCIAMENTO DE CAPITAL POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS E GERENCIAMENTO DE CAPITAL Versão: 3 de setembro de 2018 SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 2 2. DIRETRIZES... 3 3. ABRANGÊNCIA... 3 4. DAS ESTRUTURAS DE GERENCIAMENTO DE RISCOS...

Leia mais

Avenida Presidente Wilson, andar Rio de Janeiro- RJ RELATÓRIO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL

Avenida Presidente Wilson, andar Rio de Janeiro- RJ RELATÓRIO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL RELATÓRIO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL 1 1. INTRODUÇÃO E OBJETIVO... 3 2. APLICABILIDADE E ESCOPO... 3 3. DEFINIÇÃO... 3 4. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL... 3 5. FUNÇÕES E RESPONSABILIDADES...

Leia mais

COOPERATIVAS DE CRÉDITO RURAL COM INTERAÇÃO SOLIDÁRIA SISTEMA CRESOL SICOPER

COOPERATIVAS DE CRÉDITO RURAL COM INTERAÇÃO SOLIDÁRIA SISTEMA CRESOL SICOPER COOPERATIVAS DE CRÉDITO RURAL COM INTERAÇÃO SOLIDÁRIA SISTEMA CRESOL SICOPER ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS SISTEMA CENTRAL CRESOL SICOPER Passo Fundo RS 2016 Versão 1.0 Cooperativa Central de Crédito

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental Março de Elaboração: Risco Aprovação: COMEX Classificação do Documento: Público

Política de Responsabilidade Socioambiental Março de Elaboração: Risco Aprovação: COMEX Classificação do Documento: Público Política de Responsabilidade Socioambiental Março de 2018 Elaboração: Risco Aprovação: COMEX Classificação do Documento: Público Índice 1. OBJETIVO... 3 2. ABRANGÊNCIA... 3 3. PARTES INTERESSADAS... 3

Leia mais

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS E GERENCIAMENTO DE CAPITAL

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS E GERENCIAMENTO DE CAPITAL POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS E GERENCIAMENTO DE CAPITAL Versão 1.0 Agosto/2018 SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. DIRETRIZES... 3 3. ABRANGÊNCIA... 3 4. DAS ESTRUTURAS DE GERENCIAMENTO DE RISCOS... 3 4.1.

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Capital

Estrutura de Gerenciamento de Capital Estrutura de Gerenciamento de Capital 1. DEFINIÇÃO DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL A Resolução nº 3.988/11 do Conselho Monetário Nacional, definiu o gerenciamento de capital como o processo contínuo de: I

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Capital

Estrutura de Gerenciamento de Capital Estrutura de Gerenciamento de Capital 1. DEFINIÇÃO DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL A Resolução nº 4.557 de fevereiro de 2017 do Conselho Monetário Nacional, define o gerenciamento de capital como o processo

Leia mais

Descrição da Estrutura de Gerenciamento Risco Operacional -

Descrição da Estrutura de Gerenciamento Risco Operacional - Descrição da Estrutura de Gerenciamento 2016 - Risco Operacional - Sumário: 1. Introdução:... 3 2. Objetivo:... 3 3. Diretrizes e Gestão:... 4 3.1 Qualitativo:... 4 3.2 Quantitativo:... 6 4. Atribuições

Leia mais

ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A.

ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. CNPJ 60.872.504/0001-23 Companhia Aberta NIRE 35300010230 RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO GESTÃO INTEGRADA DE RISCO OPERACIONAL, CONTROLES INTERNOS E COMPLIANCE Objetivo Este documento

Leia mais

GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RISCOS CORPORATIVOS, CONTROLES INTERNOS E COMPLIANCE. Histórico de Revisões. Elaboração do Documento.

GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RISCOS CORPORATIVOS, CONTROLES INTERNOS E COMPLIANCE. Histórico de Revisões. Elaboração do Documento. Histórico de Revisões Versão: 01 Data de Revisão: Histórico: Elaboração do Documento. Índice I. Objetivo... 1 II. Abrangência... 1 III. Documentação Complementar... 1 IV. Conceitos e Siglas... 2 V. Responsabilidades...

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº Dispõe sobre a implementação de estrutura de gerenciamento do risco de crédito.

RESOLUÇÃO Nº Dispõe sobre a implementação de estrutura de gerenciamento do risco de crédito. RESOLUÇÃO Nº 3.721 Dispõe sobre a implementação de estrutura de gerenciamento do risco de crédito. O Banco Central do Brasil, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964, torna público

Leia mais

Política de Conformidade (Compliance) do Sistema CECRED

Política de Conformidade (Compliance) do Sistema CECRED Aprovado por: Conselho de Administração Data aprovação reunião: 23/ SUMÁRIO Capítulo 1 Objetivo do documento... 2 Capítulo 2 Responsabilidades... 3 Capítulo 3 Glossário / Definições... 8 Capítulo 4 Regras...

Leia mais

Descrição da Estrutura de Gerenciamento Risco de Liquidez -

Descrição da Estrutura de Gerenciamento Risco de Liquidez - Descrição da Estrutura de Gerenciamento 2011 - Risco de Liquidez - Sumário: 1. Introdução:... 3 2. Objetivo:... 3 3. Diretrizes de Gestão:... 3 4. Responsabilidades:... 4 4.1. Conselho de Administração:...

Leia mais

GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO

GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO Projeto de Implementação da Gestão do Risco de Crédito Do Gerenciamento do Risco de Crédito Conforme dispõe o artigo 1º da Resolução nº 3.721 de 30 de abril de 2009 e,

Leia mais

Dezembro/2014. Limite Operacional Acordo de Basiléia

Dezembro/2014. Limite Operacional Acordo de Basiléia Dezembro/2014 Limite Operacional Acordo de Basiléia O Banco Central do Brasil (BACEN), através da Resolução nº 4.193/13, instituiu a apuração do Patrimônio de Referência Exigido (PRE), mínimo requerido

Leia mais

Dispõe sobre a política de conformidade (compliance) das administradoras de consórcio e das instituições de pagamento.

Dispõe sobre a política de conformidade (compliance) das administradoras de consórcio e das instituições de pagamento. CIRCULAR BACEN Nº 3.865, DE 07.12.2017 Dispõe sobre a política de conformidade (compliance) das administradoras de consórcio e das instituições de pagamento. A Diretoria Colegiada do Banco Central do Brasil,

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO, INTEGRIDADE, RISCOS E CONTROLES INTERNOS MGI MINAS GERAIS PARTICIPAÇÕES S.A.

POLÍTICA DE GESTÃO, INTEGRIDADE, RISCOS E CONTROLES INTERNOS MGI MINAS GERAIS PARTICIPAÇÕES S.A. POLÍTICA DE GESTÃO, INTEGRIDADE, RISCOS E CONTROLES INTERNOS MGI MINAS GERAIS PARTICIPAÇÕES S.A. 1 SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. ABRANGÊNCIA... 4 3. DEFINIÇÕES... 4 4. FUNDAMENTAÇÃO... 5 5. REVISÃO DESTA

Leia mais

GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO

GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO 2017 Projeto de Implementação da Gestão do Risco de Crédito Do Gerenciamento do Risco de Crédito Conforme dispõe o artigo 1º da Resolução nº 3.721 de 30 de abril de 2009

Leia mais

SUMÁRIO. 1. Objetivo Estrutura do Gerenciamento de Riscos...03

SUMÁRIO. 1. Objetivo Estrutura do Gerenciamento de Riscos...03 SUMÁRIO 1. Objetivo...02 2. Estrutura do Gerenciamento de Riscos...03 2.1 Gerenciamento do Risco de Crédito...05 2.2 Gerenciamento do Risco Operacional...06 2.3 Gerenciamento do Risco de Mercado...07 2.4

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Riscos FRAM Capital DTVM S.A.

Estrutura de Gerenciamento de Riscos FRAM Capital DTVM S.A. Estrutura de Gerenciamento de Riscos FRAM Capital DTVM S.A. Este Documento foi desenvolvido e é atualizado pela área de Compliance da FRAM Capital DTVM S.A.. As informações aqui contidas estão sujeitas

Leia mais

Relatório da Estrutura de Gerenciamento Centralizado de Riscos e de Capital do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) 2018

Relatório da Estrutura de Gerenciamento Centralizado de Riscos e de Capital do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) 2018 1/8 Relatório da Estrutura de Gerenciamento Centralizado de Riscos e de Capital do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) 2018 1. Apresentação 1.1 O Sicoob Confederação, por meio da Superintendência

Leia mais

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL 1. OBJETIVO A política de risco operacional, referida neste documento como POLÍTICA estabelece a estrutura de gerenciamento de risco operacional, por meio de diretrizes, papéis

Leia mais

GERENCIAMENTO RISCO OPERACIONAL

GERENCIAMENTO RISCO OPERACIONAL GERENCIAMENTO RISCO OPERACIONAL ÍNDICE 1. DEFINIÇÕES BÁSICAS... 3 2. RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA... 3 3. RESPONSABILIDADES GESTORES... 4 4. RESPONSABILIDADES COLABORADORES... 4 5. CONTROLES INTERNOS...

Leia mais

Política de Compliance

Política de Compliance Política de Compliance Capítulo 1 Objetivo do documento A Política de Conformidade (Compliance) da cooperativa estabelece princípios e diretrizes de conduta corporativa, para que todos os dirigentes, empregados

Leia mais

GERENCIAMENTO RISCO OPERACIONAL

GERENCIAMENTO RISCO OPERACIONAL GERENCIAMENTO RISCO OPERACIONAL ÍNDICE 1. DEFINIÇÕES BÁSICAS... 3 2. RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA... 3 3. RESPONSABILIDADES GESTORES... 4 4. RESPONSABILIDADES COLABORADORES... 4 5. CONTROLES INTERNOS...

Leia mais

Política de Gestão de Riscos Operacionais. 14 de fevereiro

Política de Gestão de Riscos Operacionais. 14 de fevereiro Política de Gestão de Riscos Operacionais 14 de fevereiro 2017 Define os objetivos, as responsabilidades e as diretrizes que orientam a Gestão de Riscos Operacionais na Cetip S.A. Versão da Política: 1ª

Leia mais

Política de Conformidade (Compliance)

Política de Conformidade (Compliance) Política de Conformidade (Compliance) Versão 1.0 Elaborado em outubro de 2017 SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. CONCEITO DE COMPLIANCE... 3 3. DIRETRIZES... 3 4. ATRIBUIÇÕES DOS ÓRGÃOS ESTATUTÁRIOS... 4 4.1

Leia mais

Composição do Comitê Gestor de Riscos. Estrutura.

Composição do Comitê Gestor de Riscos. Estrutura. Composição do Comitê Gestor de Riscos. Estrutura. Diretor Presidente:Josiane Greca Schmuck Conselho de administração: Amadeu Greca Auditoria: Bazzaneze Auditores Independentes S/S Diretor de Risco Operacional:

Leia mais

Política Estrutura de Gerenciamento de Capital Abril 2016

Política Estrutura de Gerenciamento de Capital Abril 2016 Estrutura de Abril 2016 Data de Criação: Janeiro 2014 Data de Revisão: 28/4/2016 Versão: 2/2016 Página 1 de 7 1 Conteúdo 1. OBJETIVO... 3 2. PÚBLICO-ALVO... 3 3. RESPONSABILIDADES... 3 4. DEFINIÇÕES...

Leia mais

Código: MINV-P-003 Versão: 03 Vigência: 03/2011 Última Atualização: 02/2016

Código: MINV-P-003 Versão: 03 Vigência: 03/2011 Última Atualização: 02/2016 POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL Gerência de Riscos e Compliance Página 1 Índice 1. Objetivo... 3 2. Abrangência... 3 3. Vigência... 3 4. Conceito... 3 5. Etapas da Gestão de Risco Operacional... 4 6. Estrutura

Leia mais

POLIÍTICA DE GERENCIAMENTO DO SISTEMA DE CONTROLES INTERNOS

POLIÍTICA DE GERENCIAMENTO DO SISTEMA DE CONTROLES INTERNOS Junho/2016. POLIÍTICA DE GERENCIAMENTO DO SISTEMA DE CONTROLES INTERNOS Versão: 01 Revisada: Compliance Aprovação: Mario Celso Coutinho de Souza Dias Presidente 30/06/2016 1 APRESENTAÇÃO O Banco Central

Leia mais

POLÍTICA INSTITUCIONAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL. Fevereiro de 2018

POLÍTICA INSTITUCIONAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL. Fevereiro de 2018 POLÍTICA INSTITUCIONAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL Fevereiro de 2018 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 2 2. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO... 2 2.1 Apetite de risco operacional... 3 2.2 Abrangência... 4 2.3

Leia mais

POLÍTICA INSTITUCIONAL DO SISTEMA DE CONTROLES INTERNOS

POLÍTICA INSTITUCIONAL DO SISTEMA DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICA INSTITUCIONAL DO SISTEMA DE CONTROLES INTERNOS 1. INTRODUÇÃO A Política Institucional do Sistema de Controles Internos do Conglomerado Mercantil do Brasil baseia-se nas diretrizes do Conselho

Leia mais

Relatório da Estrutura de Gerenciamento Centralizado de Riscos e de Capital do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Ano 2015

Relatório da Estrutura de Gerenciamento Centralizado de Riscos e de Capital do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Ano 2015 Relatório da Estrutura de Gerenciamento Centralizado de Riscos e de Capital do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Ano 2015 I Apresentação 1. Aprimorando a harmonização, a integração

Leia mais

Estrutura da Gestão de Risco Operacional

Estrutura da Gestão de Risco Operacional Conceito No Brasil a Resolução n.º 3380, emitida pelo BACEN em 29 de junho de 2006, seguindo as diretrizes estabelecidas pelo Conselho Monetário Nacional, definiu como: A possibilidade de ocorrência de

Leia mais

Políticas Corporativas

Políticas Corporativas 1 IDENTIFICAÇÃO Título: Restrições para Uso: POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS Acesso Controle Livre Reservado Confidencial Controlada Não Controlada Em Revisão 2 - RESPONSÁVEIS Etapa Área Responsável Cargo

Leia mais

POLÍTICA GESTÃO DE RISCOS CORPORATIVOS

POLÍTICA GESTÃO DE RISCOS CORPORATIVOS POLÍTICA GESTÃO DE RISCOS CORPORATIVOS Página 1 / 7 Revisão 00 Elaborado em: 14/03/2017 Válido até: 14/03/2018 1. OBJETIVO O processo de Gestão de Riscos Corporativos tem como objetivo garantir a identificação

Leia mais

Relatório da Estrutura de Gerenciamento Centralizado de Riscos e de Capital do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Ano 2017

Relatório da Estrutura de Gerenciamento Centralizado de Riscos e de Capital do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Ano 2017 1/9 Relatório da Estrutura de Gerenciamento Centralizado de Riscos e de Capital do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Ano 2017 I Apresentação 1. Aprimorando a harmonização, a integração

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Risco De Crédito

Estrutura de Gerenciamento de Risco De Crédito Estrutura de Gerenciamento de Risco De Crédito 1. DEFINIÇÃO E TIPOS DE RISCO DE CRÉDITO A Resolução nº 3.721/09, do Conselho Monetário Nacional, definiu Risco de Crédito como a possibilidade de ocorrência

Leia mais

Política de Gerenciamento de Riscos - CrediSIS

Política de Gerenciamento de Riscos - CrediSIS Política de Gerenciamento de Riscos - CrediSIS Versão 1.0 Elaborada em janeiro de 2018 SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. DIRETRIZES... 3 3. ABRANGÊNCIA... 3 4. DAS ESTRUTURAS DE GERENCIAMENTO DE RISCOS... 3

Leia mais

Linhas de Defesa nas Cooperativas Auditoria Cooperativa. Desuc/Gsuc1/Disep/Cosep-03 Álvaro Luiz

Linhas de Defesa nas Cooperativas Auditoria Cooperativa. Desuc/Gsuc1/Disep/Cosep-03 Álvaro Luiz Linhas de Defesa nas Cooperativas Auditoria Cooperativa Desuc/Gsuc1/Disep/Cosep-03 Álvaro Luiz Cooperativas Independentes Auditoria Interna Modelo Anterior Cooperativas Filiadas Supervisão Auxiliar Auditoria

Leia mais

Banco Safra S.A. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO CAPITAL

Banco Safra S.A. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO CAPITAL Banco Safra S.A. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO CAPITAL 1/6 1. OBJETIVO Determinar os princípios, regras e diretrizes para o gerenciamento do capital e do Processo Interno de Avaliação da Adequação de Capital

Leia mais

BM&FBOVESPA. Política de Controles Internos. Diretoria de Controles Internos, Compliance e Risco Corporativo. Última Revisão: março de 2013.

BM&FBOVESPA. Política de Controles Internos. Diretoria de Controles Internos, Compliance e Risco Corporativo. Última Revisão: março de 2013. BM&FBOVESPA Diretoria de Controles Internos, Compliance e Risco Corporativo Página 1 Última Revisão: março de 2013 Uso interno Índice 1. OBJETIVO... 3 2. ABRANGÊNCIA... 3 3. REFERÊNCIA... 3 4. CONCEITOS...

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Riscos e Gestão de Capital

Estrutura de Gerenciamento de Riscos e Gestão de Capital Estrutura de Gerenciamento de Riscos e Gestão de Capital Outubro 2018 br.ccb.com Informação Confidencial Propriedade do CCB Brasil 1 1. Introdução O presente relatório busca proporcionar às partes interessadas

Leia mais

ÍNDICE 1. OBJETIVO ABRANGÊNCIA DEFINIÇÕES GESTÃO DE RISCOS ETAPAS DA GESTÃO DE RISCOS E CONTROLES INTERNOS...

ÍNDICE 1. OBJETIVO ABRANGÊNCIA DEFINIÇÕES GESTÃO DE RISCOS ETAPAS DA GESTÃO DE RISCOS E CONTROLES INTERNOS... GESTÃO DE RISCOS Folha 1/10 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA... 2 3. DEFINIÇÕES... 2 4. GESTÃO DE RISCOS... 3 5. ETAPAS DA GESTÃO DE RISCOS E CONTROLES INTERNOS... 4 5.1. Identificação dos Riscos:...

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL I. INTRODUÇÃO: O Risco Operacional pode ser entendido como a possibilidade de ocorrência de perdas resultantes de falhas, deficiência ou inadequação de processos

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS OCCAM BRASIL GESTÃO DE RECURSOS LTDA.

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS OCCAM BRASIL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS OCCAM BRASIL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. Versão: setembro/2018 1. Objetivo: Esta Política tem por objetivo estabelecer os fundamentos associados ao processo de gestão de riscos

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Risco De Crédito

Estrutura de Gerenciamento de Risco De Crédito Estrutura de Gerenciamento de Risco De Crédito 1. DEFINIÇÃO E TIPOS DE RISCO DE CRÉDITO A Resolução nº 4.557 de fevereiro de 2017 do Conselho Monetário Nacional, define Risco de Crédito como a possibilidade

Leia mais

POLÍTICA INSTITUCIONAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO

POLÍTICA INSTITUCIONAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO POLÍTICA INSTITUCIONAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO 31 / 03 / 2016 Aplicabilidade: BNY Mellon Brasil Conglomerado Financeiro Versão 1.2 A. Introdução O Conglomerado financeiro do BNY Mellon ( Conglomerado

Leia mais

CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO GESTÃO DE RISCOS PORTO ALEGRE-RS

CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO GESTÃO DE RISCOS PORTO ALEGRE-RS CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO GESTÃO DE RISCOS PORTO ALEGRE-RS GESTÃO DE RISCOS DEFINIÇÃO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS OPERACIONAIS, DE CRÉDITO E DE MERCADO Em atendimento conjunto às

Leia mais

Relatório da Estrutura de Gerenciamento Centralizado de Riscos e de Capital do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Ano 2016

Relatório da Estrutura de Gerenciamento Centralizado de Riscos e de Capital do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Ano 2016 1/9 Relatório da Estrutura de Gerenciamento Centralizado de Riscos e de Capital do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Ano 2016 I Apresentação 1. Aprimorando a harmonização, a integração

Leia mais

REGRAS, PROCEDIMENTOS E CONTROLES INTERNOS

REGRAS, PROCEDIMENTOS E CONTROLES INTERNOS Junho/2016. REGRAS, PROCEDIMENTOS E CONTROLES INTERNOS Versão: 01 Revisada: Compliance Aprovação: Mario Celso Coutinho de Souza Dias Presidente 30/06/2016 Em atendimento ao disposto no art. 19 da ICVM

Leia mais

Banco Mercedes-Benz RISCO DE MERCADO E LIQUIDEZ Base: Janeiro 2017

Banco Mercedes-Benz RISCO DE MERCADO E LIQUIDEZ Base: Janeiro 2017 Banco Mercedes-Benz RISCO DE MERCADO E LIQUIDEZ Base: Janeiro 2017 INTRODUÇÃO O Banco Mercedes-Benz do Brasil considera a gestão de riscos como um dos pilares de sustentação de seus objetivos estratégicos.

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS E CONTROLES INTERNOS - ORIGINAL ASSET MANAGEMENT

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS E CONTROLES INTERNOS - ORIGINAL ASSET MANAGEMENT POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS E CONTROLES INTERNOS - ORIGINAL ASSET MANAGEMENT Índice A) OBJETIVOS 3 B) APROVAÇÃO 3 C) ABRANGÊNCIA 3 D) DISPOSIÇÕES GERAIS 3 1. DEFINIÇÕES 3 2. ESTRUTURA DE CONTROLE E DIRETRIZES

Leia mais

Relatório da Estrutura de Gerenciamento Centralizado de Riscos e de Capital do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob)

Relatório da Estrutura de Gerenciamento Centralizado de Riscos e de Capital do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Relatório da Estrutura de Gerenciamento Centralizado de Riscos e de Capital do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Relatório da Estrutura de Gerenciamento Centralizado de Riscos e de

Leia mais

MANUAL DO GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL

MANUAL DO GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL MANUAL DO GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL Introdução O Gerenciamento do Risco Operacional no Grupo Didier Levy, considerando as empresas BEXS Banco de Câmbio S/A e BEXS Corretora de Câmbio S/A está

Leia mais

AR BANK ASSET MANUAL DE GESTÃO DE RISCO

AR BANK ASSET MANUAL DE GESTÃO DE RISCO Comitê Executivo Manual de Gestão de Risco 30/04/2018 1/8 ASSET Management MANUAL DE GESTÃO DE RISCO Manual MN _ GR 01 Comitê Executivo Manual de Gestão de Risco 30/04/2018 2/8 Resumo Descritivo O Manual

Leia mais

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL DOS FUNDOS E CARTEIRAS GERIDOS PELO SICREDI

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL DOS FUNDOS E CARTEIRAS GERIDOS PELO SICREDI POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL DOS FUNDOS E CARTEIRAS GERIDOS PELO SICREDI Versão: outubro/2016 1. OBJETIVO Em concordância com as diretrizes da Política de Gerenciamento de Riscos dos Fundos e Carteiras

Leia mais

WESTERN UNION CORRETORA DE CÂMBIO S.A. E BANCO WESTERN UNION DO BRASIL S.A. ( WU BRASIL )

WESTERN UNION CORRETORA DE CÂMBIO S.A. E BANCO WESTERN UNION DO BRASIL S.A. ( WU BRASIL ) WESTERN UNION CORRETORA DE CÂMBIO S.A. E BANCO WESTERN UNION DO BRASIL S.A. ( WU BRASIL ) Relatório de Gerenciamento de Risco Operacional Data base 31/12/2018 WU Brasil Rua Tabapuã, 1227, 7º andar - Itaim

Leia mais

1. INTRODUÇÃO ESTRUTURA DO GERENCIAMENTO DE RISCOS ATIVIDADES...

1. INTRODUÇÃO ESTRUTURA DO GERENCIAMENTO DE RISCOS ATIVIDADES... ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 2 2. ESTRUTURA DO GERENCIAMENTO DE RISCOS... 2 3. ATIVIDADES... 3 Risco de Crédito... 4 Risco Operacional... 5 Risco de Mercado... 6 Risco de Liquidez... 6 Gestão de Capital...

Leia mais

Código: M031. Elaboração: Risco. Diretoria. Aprovação: Risco/

Código: M031. Elaboração: Risco. Diretoria. Aprovação: Risco/ Manual da Política de Gestão Integrada de Riscoss Elaboração: Risco Aprovação: Risco/ Diretoria Versão: 2 Código: M031 Vigente Desde: 09/2017 Última Versão: 03/2018 1 Sumário 1. ESTRUTURA E GOVERNANÇA...

Leia mais

MANUAL PARA GERENCIAMENTO DE RISCOS MANUAL PARA GERENCIAMENTO DE RISCOS AGOSTO

MANUAL PARA GERENCIAMENTO DE RISCOS MANUAL PARA GERENCIAMENTO DE RISCOS AGOSTO 1 MANUAL PARA GERENCIAMENTO DE RISCOS 2 1 - Objetivo... 3 2 - Identificação dos riscos... 3 I. Risco de Crédito.... 3 II. Risco de Mercado.... 3 III. Risco de Liquidez.... 3 IV. Risco Operacional.... 3

Leia mais

A estrutura de gerenciamento do risco de mercado das cooperativas do Sicoob é composta da seguinte forma:

A estrutura de gerenciamento do risco de mercado das cooperativas do Sicoob é composta da seguinte forma: 1. Sistema Sicoob A estrutura de gerenciamento do risco de mercado das cooperativas do Sicoob é composta da seguinte forma: A adoção do modelo de estrutura de gerenciamento do risco de mercado apresentada

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS ASPECTOS GERAIS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS ASPECTOS GERAIS 1. OBJETIVO Definir a Política de Gerenciamento do Capital - PGC para as empresas que compõem o conglomerado Fator, em cumprimento às disposições da Resolução do CMN Nº 3988/2011. 2. CANCELAMENTO / SUBSTITUIÇÃO

Leia mais