Política de Gerenciamento de Risco de Crédito Outubro 2015

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Política de Gerenciamento de Risco de Crédito Outubro 2015"

Transcrição

1 Política de Gerenciamento de Risco de Crédito Outubro 2015 Elaboração: Risco Aprovação: Comex Classificação do Documento: Público

2 ÍNDICE 1. OBJETIVO ABRANGÊNCIA DEFINIÇÕES RESPONSABILIDADES Do Comitê Executivo (COMEX) Do Chief Risk Officer ( CRO ) Da Unidade de Gerenciamento de Risco de Crédito (Análise de Crédito, Risco e Comitê de Crédito) DIRETRIZES Carteira de Crédito Metodologias APROVAÇÃO E REVISÃO

3 1. OBJETIVO Esta política tem por objetivo estabelecer os fundamentos associados ao processo de gerenciamento de risco de crédito em conformidade com a Resolução CMN 3.721, de 30 de abril de 2009, observando a natureza das suas operações, a complexidade dos produtos e serviços oferecidos proporcional à dimensão da exposição a risco de crédito, as melhores práticas, normas e demais regulamentações aplicáveis. 2. ABRANGÊNCIA Instituições do conglomerado Brasil Plural. 3. DEFINIÇÕES Para efeitos desta política, define-se risco de crédito como a possibilidade de ocorrência de perdas associadas ao não cumprimento, pelo tomador ou contraparte, de suas respectivas obrigações financeiras nos termos pactuados, à desvalorização de contrato de crédito decorrente da deterioração na classificação de risco do tomador, à redução de ganhos ou remunerações, às vantagens concedidas na negociação e aos custos de recuperação. A definição de risco de crédito compreende também (i) o risco de crédito de contraparte, entendido como a possibilidade de não cumprimento, por determinada contraparte, de obrigações relativas à liquidação de operações que envolvam a negociação de ativos financeiros, incluindo aquelas relativas à liquidação de instrumentos financeiros derivativos, (ii) o risco país, entendido como a possibilidade de perdas associadas ao não cumprimento de obrigações financeiras nos termos pactuados por tomador ou contraparte localizada fora do país, em decorrência de ações realizadas pelo governo do país onde localizado o tomador ou contraparte, e o risco de transferência entendido como a possibilidade de ocorrência de entraves na conversão cambial dos valores recebidos, (iii) a possibilidade de ocorrência de desembolsos para honrar avais, fianças, coobrigações, compromissos de crédito ou outras operações de natureza semelhante e (iv) a possibilidade de perdas associadas ao não cumprimento de obrigações financeiras nos termos pactuados por parte intermediadora ou convenente de operações de crédito. Define-se o gerenciamento de risco de crédito como o processo contínuo de identificação, avaliação, mensuração, controle e mitigação dos riscos associados a cada instituição individualmente e ao conglomerado prudencial Brasil Plural, bem como identificar e acompanhar os riscos associados às demais empresas controladas por integrantes do conglomerado prudencial. 4. RESPONSABILIDADES Em linha com o escopo desta política, seguem abaixo transcritas as responsabilidades detalhadas e segmentadas. 3

4 4.1. Do Comitê Executivo (COMEX) Acompanhar tempestivamente o nível de risco de crédito assumido no âmbito do conglomerado Brasil Plural; Indicar o diretor responsável pela Unidade de Gerenciamento de Risco de Crédito; Garantir que o diretor responsável pela Unidade de Gerenciamento de Risco de Mercado não desempenhe funções relativas à administração de recursos de terceiros, operações de tesouraria e operações sujeitas ao risco de crédito; Manter a segregação da Unidade de Gerenciamento de Risco de Crédito das unidades de negociação e da área de Auditoria Interna; Aprovar e revisar a Política de Gerenciamento de Risco de Crédito anualmente, a fim de determinar sua compatibilidade com os objetivos da instituição e com as condições de mercado; Garantir que o conglomerado Brasil Plural mantenha a quantidade suficiente de profissionais tecnicamente qualificados nas áreas de concessão de crédito e intermediação de títulos, valores mobiliários e derivativos; Garantir que a estrutura remuneratória adotada não incentive comportamentos incompatíveis com um nível de risco considerado prudente nas políticas e estratégias de longo prazo adotadas no conglomerado Brasil Plural; Fazer constar a descrição da estrutura de gerenciamento de risco de crédito em relatório de acesso público divulgado com periodicidade mínima anual; Fazer constar a descrição da estrutura de gerenciamento de risco de mercado nas publicações das demonstrações contábeis semestrais Do Chief Risk Officer ( CRO ) Dirigir a Unidade de Gerenciamento de Risco de Crédito com o objetivo de garantir que os processos sejam aderentes aos controles de risco de crédito do conglomerado Brasil Plural; Desenvolver, aprimorar, testar e implantar as metodologias, modelos, procedimentos e estratégias utilizados na Unidade de Gerenciamento de Risco de Crédito; Solicitar aos gestores a adequação das exposições a risco de crédito incorridas em suas estratégias aos limites estabelecidos em regulamentos, normas e no conglomerado Brasil Plural; Informar ao COMEX os eventos perda efetiva decorrentes de risco de crédito; Manter a conformidade da Unidade de Gerenciamento de Risco de Crédito com a estrutura prevista na regulação vigente. 4

5 4.3. Da Unidade de Gerenciamento de Risco de Crédito As responsabilidades pela execução atividades da Unidade de Gerenciamento de Risco de Crédito na Brasil Plural estão divididas nas áreas de Análise de Crédito, Risco e Comitê de Crédito. Análise de Crédito: Estabelecer critérios e procedimentos claramente definidos e documentados, acessíveis aos envolvidos no processo de concessão e gestão de crédito, para: a) Análise prévia, realização e repactuação de operações sujeitas ao risco de crédito; b) Coleta e documentação das informações necessárias para a completa compreensão do risco de crédito envolvido nas operações; c) Avaliação periódica do grau de suficiência das garantias; d) Detecção de indícios e prevenção da deterioração da qualidade de operações, com base no risco de crédito; e) Tratamento das exceções aos limites estabelecidos para a realização de operações sujeitas ao risco de crédito; Classificar as operações sujeitas ao risco de crédito em categorias, com base em critérios consistentes e passíveis de verificação, segundo os seguintes aspectos: a) Situação econômico-financeira, bem como outras informações cadastrais atualizadas do tomador ou contraparte; b) Utilização de instrumentos que proporcionem efetiva mitigação do risco de crédito associado à operação; c) Período de atraso no cumprimento das obrigações financeiras nos termos pactuados; Registrar os procedimentos adotados para recuperação de créditos no Comitê de Crédito. Risco: Elaborar e documentar as políticas e estratégias para o gerenciamento do risco de crédito que estabeleçam limites operacionais, mecanismos de mitigação de risco e procedimentos destinados a manter a exposição ao risco de crédito em níveis considerados aceitáveis no âmbito do conglomerado Brasil Plural; Validar sistemas, modelos e procedimentos internos utilizados para gestão de risco de crédito; Estimar, segundo critérios consistentes e prudentes, as perdas associadas ao risco de crédito, bem como comparação dos valores estimados com perdas efetivamente observadas; Utilizar sistemas, rotinas e procedimentos para identificar, mensurar, controlar e mitigar a exposição ao risco de crédito, tanto em nível individual quanto em nível 5

6 agregado de operações com características semelhantes, os quais devem abranger, no mínimo, as fontes relevantes de risco de crédito, a identificação do tomador ou contraparte, a concentração do risco e a forma de agregação das operações; Reportar tempestivamente ao COMEX a exposição ao risco de crédito (RWAcpad) do conglomerado Brasil Plural; Avaliar adequadamente a retenção de riscos em operações de venda ou de transferência de ativos financeiros; Mensurar adequadamente o risco de crédito de contraparte advindo de instrumentos financeiros derivativos e demais instrumentos financeiros complexos; Avaliar previamente as novas modalidades de operação com respeito ao risco de crédito e verificar a adequação dos procedimentos e controles adotados no conglomerado Brasil Plural; Realizar simulações de condições extremas (Stress Test), englobando ciclos econômicos, alteração das condições de mercado e de liquidez, inclusive da quebra de premissas, cujos resultados devem ser considerados quando do estabelecimento ou revisão das políticas e limites; Emitir relatórios gerenciais periódicos para o COMEX, acerca do desempenho do gerenciamento do risco em decorrência das políticas e estratégias adotadas; Registrar as exceções à política de crédito nos relatórios de crédito e aprova-las no Comitê de Crédito com a presença de pelo menos três membros do COMEX; Documentar e armazenar as informações referentes às perdas associadas ao risco de crédito, inclusive aquelas relacionadas à recuperação de crédito; Garantir que os sistemas e modelos utilizados no gerenciamento do risco de crédito sejam adequadamente compreendidos pelos integrantes da Unidade de Gerenciamento de Risco de Crédito, mesmo que desenvolvidos por terceiros. Comitê de Crédito: Aprovar provisões compatíveis com o risco de crédito assumido no conglomerado Brasil Plural; Avaliar as operações sujeitas ao risco de crédito, que levem em conta as condições de mercado, as perspectivas macroeconômicas, as mudanças em mercados e produtos e os efeitos de concentração setorial e geográfica, entre outros; Estabelecer limites para a realização de operações sujeitas ao risco de crédito, tanto em nível individual quanto em nível agregado de grupo com interesse econômico comum e de tomadores ou contrapartes com características semelhantes. 6

7 4.4. Da Auditoria Interna Verificar o cumprimento desta política e dos procedimentos utilizados no gerenciamento de risco de crédito com o objetivo de verificar a aderência aos fundamentos estabelecidos nesta política. 5. DIRETRIZES A estrutura de gerenciamento de risco de crédito segue as diretrizes abaixo descritas na execução de suas atividades Carteira de Crédito Fica estabelecido que a estrutura de gerenciamento de risco de crédito deve possibilitar o gerenciamento contínuo e integrado tanto das operações classificadas na carteira de negociação, de que trata a Resolução 3.464, de 26 de junho de 2007, quanto das operações não classificadas na carteira de negociação; As operações detidas com intenção de negociação são aquelas destinadas a: (i) revenda; (ii) obtenção de benefício dos movimentos de preços, efetivos ou esperados; ou (iii) realização de arbitragem Metodologias A parcela de risco de crédito (RWAcpad) do conglomerado Brasil Plural é calculada utilizando o modelo padronizado definido pelo Banco Central do Brasil; A metodologia utilizada no gerenciamento de risco de crédito está descrita no Manual de Crédito do grupo Brasil Plural. 6. APROVAÇÃO E REVISÃO Esta política será aprovada e revisada no mínimo anualmente pelo COMEX. 7

8

Política de Gerenciamento de Capital Outubro Elaboração: Risco Aprovação: COMEX Classificação do Documento: Público

Política de Gerenciamento de Capital Outubro Elaboração: Risco Aprovação: COMEX Classificação do Documento: Público Política de Gerenciamento de Capital Outubro 2015 Elaboração: Risco Aprovação: COMEX Classificação do Documento: Público ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. ABRANGÊNCIA... 3 3. DEFINIÇÕES... 3 4. RESPONSABILIDADES...

Leia mais

POLÍTICA DE RISCO DE CRÉDITO

POLÍTICA DE RISCO DE CRÉDITO POLÍTICA DE RISCO DE CRÉDITO Gerência de Riscos e Compliance Página 1 Índice 1. Objetivo... 3 2. Abrangência... 3 3. Vigência... 3 4. Conceito... 3 5. Estrutura da Área... 4 6. Análise de Risco de Crédito...

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Resolução 3.988/2011. Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Resolução 3.988/2011. Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital Sumário RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL... 3 1. INTRODUÇÃO... 3

Leia mais

ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A.

ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. CNPJ 60.872.504/0001-23 Companhia Aberta NIRE 35300010230 RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO GESTÃO INTEGRADA DE RISCO OPERACIONAL, CONTROLES INTERNOS E COMPLIANCE Objetivo Este documento

Leia mais

Política de Gestão de Riscos Junho 2016

Política de Gestão de Riscos Junho 2016 Política de Gestão de Riscos Junho 2016 Elaboração: Risco Aprovação: Comex Classificação do Documento: Público ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. ABRANGÊNCIA... 3 3. IDENTIFICAÇÃO E DESCRIÇÃO DOS RISCOS... 3 4.

Leia mais

POLÍTICA DE RISCO DE LIQUIDEZ

POLÍTICA DE RISCO DE LIQUIDEZ POLÍTICA DE RISCO DE LIQUIDEZ Gerência de Riscos e Compliance Página 1 Sumário 1. Objetivo... 3 2. Organograma... 3 3. Vigência... 4 4. Abrangência... 4 5. Conceito... 5 5.1 Risco de liquidez do fluxo

Leia mais

Morgan Stanley. Estrutura de Gerenciamento do Risco de Liquidez

Morgan Stanley. Estrutura de Gerenciamento do Risco de Liquidez Morgan Stanley Estrutura de Gerenciamento do Risco de Liquidez Título Estrutura de Gerenciamento do Risco de Liquidez Data de Vigência: 2015 Proprietário Tesouraria Corporativa Aprovação Diretor Financeiro

Leia mais

BONSUCESSO ASSET ADMINISTRADORA DE RECURSOS LTDA

BONSUCESSO ASSET ADMINISTRADORA DE RECURSOS LTDA ELABORAÇÃO: APROVAÇÃO: GERÊNCIA DE RISCOS JULIANA PENTAGNA GUIMARÃES Diretoria da Sociedade LEANDRO SALIBA Diretoria da Sociedade INDICE 1. OBJETIVO... 2 2. REFERÊNCIAS... 2 3. CONCEITO... 2 4. ABRANGÊNCIA...

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS E CONTROLES INTERNOS - ORIGINAL ASSET MANAGEMENT

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS E CONTROLES INTERNOS - ORIGINAL ASSET MANAGEMENT POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS E CONTROLES INTERNOS - ORIGINAL ASSET MANAGEMENT Índice A) OBJETIVOS 3 B) APROVAÇÃO 3 C) ABRANGÊNCIA 3 D) DISPOSIÇÕES GERAIS 3 1. DEFINIÇÕES 3 2. ESTRUTURA DE CONTROLE E DIRETRIZES

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL A Um Investimentos S/A CTVM atendendo às disposições da Resolução CMN 3.380/06 demonstra através deste relatório a sua estrutura do gerenciamento de risco

Leia mais

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO NORTE INVESTIMENTOS ADMINISTRADORA DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL Versão 1.0 Vigência Agosto / 2016 Classificação das Informações [ X ] Uso Interno [ ] Uso Público Conteúdo

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO Este material foi elaborado pela Gestão de Recursos Ltda. ( ), e não pode ser copiado, reproduzido ou distribuído sem sua prévia e expressa concordância. Página 1 de 6 Ficha

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatório de Gerenciamento de Riscos 1º Semestre de 2016 1 Sumário 1. Introdução... 3 2. Gerenciamento de Riscos... 3 2.1. Organograma... 4 3. Risco de Crédito... 4 3.1. Definição... 4 3.2. Gerenciamento...

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS Junho/2016 Sócios / Administração 1 / 7 Índice 1. Objetivo... 3 2. Estrutura... 3 a. Comitê de Risco... 3 3. Risco de Preço... 4 4. Risco de Liquidez e Concentração... 4 5.

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCOS BANCO ABN AMRO S.A. Setembro de 2013

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCOS BANCO ABN AMRO S.A. Setembro de 2013 RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCOS BANCO ABN AMRO S.A. Setembro de 2013 SP Rua Leopoldo Couto de Magalhães Júnior, 700, 4º andar Itaim Bibi São Paulo SP CEP: 04542000 Tel: (11) 30737400 Fax: (11) 30737404

Leia mais

Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016

Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016 Política de Controles Internos Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016 OBJETIVO Garantir a aplicação dos princípios e boas práticas da Governança Corporativa, e que

Leia mais

Relatório Anual Gerenciamento de Risco Operacional

Relatório Anual Gerenciamento de Risco Operacional Relatório Anual 2015 Gerenciamento de Risco Operacional Sumário Introdução Estrutura de Risco Operacional Responsabilidades Metodologia de Gerenciamento Aprovação e Divulgação Conclusão 1 Introdução Em

Leia mais

Manual de Compliance e Controles Internos Compliance

Manual de Compliance e Controles Internos Compliance Manual de Compliance e Controles Internos Compliance Junho de 2016 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. APLICABILIDADE... 2 3. RESPONSABILIDADES... 2 3.1. ÁREAS INTERNAS 2 3.2. COMPLIANCE 2 3.3. DIRETORIA 2 3.4.

Leia mais

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL DOS FUNDOS E CARTEIRAS GERIDOS PELO SICREDI

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL DOS FUNDOS E CARTEIRAS GERIDOS PELO SICREDI POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL DOS FUNDOS E CARTEIRAS GERIDOS PELO SICREDI Versão: outubro/2016 1. OBJETIVO Em concordância com as diretrizes da Política de Gerenciamento de Riscos dos Fundos e Carteiras

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL I. INTRODUÇÃO: O Risco Operacional pode ser entendido como a possibilidade de ocorrência de perdas resultantes de falhas, deficiência ou inadequação de processos

Leia mais

Política de Controles Internos

Política de Controles Internos Política de Controles Internos Introdução Esta política tem por objetivo estabelecer regras, procedimentos e descrição dos controles internos a serem observados para o fortalecimento e funcionamento dos

Leia mais

Relatório da Estrutura de Gerenciamento Centralizado de Riscos e de Capital do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob)

Relatório da Estrutura de Gerenciamento Centralizado de Riscos e de Capital do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Relatório da Estrutura de Gerenciamento Centralizado de Riscos e de Capital do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Relatório da Estrutura de Gerenciamento Centralizado de Riscos e de

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS INTRODUÇÃO PERFIL DO BANCO GERENCIAMENTO DE RISCOS ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS INTRODUÇÃO PERFIL DO BANCO GERENCIAMENTO DE RISCOS ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS 2º TRIMESTRE 2014 INTRODUÇÃO O presente Relatório tem por objetivo apresentar as informações do Banco Rodobens para atendimento aos requerimentos do Banco Central do Brasil, através da Circular 3.678,

Leia mais

MÓDULO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. Política de Controles Internos

MÓDULO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. Política de Controles Internos MÓDULO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. Política de Controles Internos Junho de 2016 ÍNDICE POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS... 2 (A) Objetivo... 2 (B) Abrangência... 2 (C) Princípios Gerais... 2 (D) Diretrizes...

Leia mais

POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS

POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS JUNHO / 2016 SUMÁRIO POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS... Erro! Indicador não definido. 1.1. Objetivo...1 1.2. Abrangência...2 1.3. Princípios...2 1.4. Diretrizes...2 1.5. Responsabilidades...3

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.640, DE 4 DE MARÇO DE 2013

CIRCULAR Nº 3.640, DE 4 DE MARÇO DE 2013 CIRCULAR Nº.640, DE 4 DE MARÇO DE 201 Estabelece os procedimentos para o cálculo da parcela dos ativos ponderados pelo risco (RWA), relativa ao cálculo do capital requerido para o risco operacional mediante

Leia mais

Política de Controles Internos

Política de Controles Internos Política de Controles Internos Junho/2016 Edge Brasil Gestão de Ativos Ltda. 1. Objetivo Esta política tem por objetivo estabelecer regras, procedimentos e descrição dos controles a serem observados para

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental Página 1 de 7 SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. ABRANGÊNCIA... 3 2.1 BASE LEGAL... 3 2.2 DEFINIÇÕES... 3 2.3 ESCOPO DE AVALIAÇÃO... 4 2.4 GOVERNANÇA... 4 2.5 GERENCIAMENTO

Leia mais

Em sua estrutura de gerenciamento de risco, o Banco Ford atende aos requerimentos da Resolução 3.988/2012, com:

Em sua estrutura de gerenciamento de risco, o Banco Ford atende aos requerimentos da Resolução 3.988/2012, com: POLÍTICA DE GESTÃO DE CAPITAL 1 - Conceito O gerenciamento de capital é definido pela Resolução CMN nº 3.988, de 30 de junho de 2011 como o processo contínuo de: I- monitoramento e controle do capital

Leia mais

Manual de Regras, Procedimentos e Controles Internos Instrução CVM 558

Manual de Regras, Procedimentos e Controles Internos Instrução CVM 558 1. Objetivo A administração de carteiras de valores mobiliários é o exercício profissional de atividades relacionadas, direta ou indiretamente, ao funcionamento, à manutenção e à gestão de uma carteira

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Introdução Com o objetivo de incentivar o gerenciamento de riscos e aproximar os conceitos de capital regulatório e econômico, o Comitê da Basiléia finalizou, em 2004, uma nova versão do acordo de capital,

Leia mais

Composição do Comitê Gestor de Riscos. Estrutura.

Composição do Comitê Gestor de Riscos. Estrutura. Composição do Comitê Gestor de Riscos. Estrutura. Diretor Presidente:Josiane Greca Schmuck Conselho de administração: Amadeu Greca Auditoria: Bazzaneze Auditores Independentes S/S Diretor de Risco Operacional:

Leia mais

A BAF aplica as seguintes metodologias para a gestão suas atividades:

A BAF aplica as seguintes metodologias para a gestão suas atividades: POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS A BAF Investimentos Ltda. ("BAF") tem como filosofia ser conservadora em sua atuação, visando à gestão eficiente dos riscos intrínsecos as suas atividades. Nesse sentido, os

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos (Pilar lll)

Relatório de Gerenciamento de Riscos (Pilar lll) Relatório de Gerenciamento de Riscos (Pilar lll) Índice Introdução... 3 Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 3 Informações Qualitativas... 3 Risco de Crédito... 3 Risco de Mercado... 5 Risco de Liquidez...

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional

Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional 2008 INSTITUCIONAL GESTÃO DE RISCOS Com as constantes mudanças no cenário financeiro mundial mercado globalizado, diversidade de produtos e serviços financeiros

Leia mais

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO DELIBERAÇÃO Nº 65

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO DELIBERAÇÃO Nº 65 CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO DELIBERAÇÃO Nº 65 O Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Fundos de Investimento, no exercício das atribuições a ele conferidas

Leia mais

Relatório de Gestão de Riscos 2015

Relatório de Gestão de Riscos 2015 Relatório de Gestão de Riscos 2015 2/16 Sumário 1. Introdução... 3 2. Perfil da Instituição... 3 3. Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 4 3.1 Gestão de Risco de Mercado... 5 3.1.1 Instrumentos de monitoramento

Leia mais

GESTÃO DE RISCOS E CONTROLES CVM 558 SETEMBRO / 2016

GESTÃO DE RISCOS E CONTROLES CVM 558 SETEMBRO / 2016 GESTÃO DE RISCOS E CONTROLES CVM 558 SETEMBRO / 2016 GOVERNANÇA CORPORATIVA Definição do Instituto Brasileiro de Governança Corporativa - IBGC Sistema pelo qual as empresas...são dirigidas e incentivadas

Leia mais

Política Institucional de Responsabilidade Socioambiental Mercantil do Brasil

Política Institucional de Responsabilidade Socioambiental Mercantil do Brasil Política Institucional de Responsabilidade Socioambiental Mercantil do Brasil versão 1.0 Belo Horizonte Julho - 2015 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 2 2. ABRANGÊNCIA... 3 3. ESTRUTURA DE GOVERNANÇA CORPORATIVA...

Leia mais

Abc BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) STANDARD BANK INTERNATIONAL HOLDINGS S.A. ( SIH ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

Abc BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) STANDARD BANK INTERNATIONAL HOLDINGS S.A. ( SIH ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO Abc BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) STANDARD BANK INTERNATIONAL HOLDINGS S.A. ( SIH ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO ÚLTIMA VERSÃO Março 2011 APROVAÇÃO Conselho de Administração

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO DA HAMILTON LANE INVESTIMENTOS LTDA. Rio de Janeiro, Junho de SP v1

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO DA HAMILTON LANE INVESTIMENTOS LTDA. Rio de Janeiro, Junho de SP v1 POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO DA HAMILTON LANE INVESTIMENTOS LTDA. Rio de Janeiro, Junho de 2016 POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS 1.1. Introdução O objetivo desta política é descrever as normas e os procedimentos

Leia mais

PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS

PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS Curso de Auto-aprendizagem PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS Gerenciamento de risco Químico Edson Haddad CETESB Gerenciamento de risco Propósito do PGR Programa de Gerenciamento

Leia mais

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES ICVM 555 MODAL LION FUNDO DE INVESTIMENTOS MULTIMERCADO CREDITO PRIVADO CNPJ n.º / ( FUNDO )

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES ICVM 555 MODAL LION FUNDO DE INVESTIMENTOS MULTIMERCADO CREDITO PRIVADO CNPJ n.º / ( FUNDO ) FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES ICVM 555 MODAL LION FUNDO DE INVESTIMENTOS MULTIMERCADO CREDITO PRIVADO CNPJ n.º 06.893.041/0001-30 ( FUNDO ) Emissão: 24/06/2016 Periodicidade mínima de divulgação

Leia mais

Política de Hedge Financeiro da Eletrobras

Política de Hedge Financeiro da Eletrobras Política de Hedge Financeiro da Eletrobras outubro 2009 Política de Hedge Financeiro da Eletrobras Sumário 1. Escopo e Objetivos 2. Premissas 3. Diretrizes 4. Atribuições 5. Considerações Finais 7 8 8

Leia mais

POLÍTICA DE FISCALIZAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇOS

POLÍTICA DE FISCALIZAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇOS POLÍTICA DE FISCALIZAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇOS Versão 2016.1 Editada em abril de 2016 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 2. DA POLÍTICA... 2 2.1. Dos prestadores de serviços... 2 2.2. Atribuições e responsabilidades...

Leia mais

RESOLUÇÃO N Parágrafo 2º São de responsabilidade da diretoria da instituição:

RESOLUÇÃO N Parágrafo 2º São de responsabilidade da diretoria da instituição: RESOLUÇÃO N 2554 Dispõe sobre a implantação e implemenação de sistema de controles internos. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31.12.64, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL CREDITÁ S.A. Crédito, Financiamento e Investimento

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL CREDITÁ S.A. Crédito, Financiamento e Investimento POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL CREDITÁ S.A. Crédito, Financiamento e Investimento SUMÁRIO 1. Propósito 2. Abrangência 3. Política 3.1 Princípios Fundamentais 3.2 Diretrizes Socioambientais

Leia mais

Descrição da Estrutura de Gerenciamento Risco Operacional -

Descrição da Estrutura de Gerenciamento Risco Operacional - Descrição da Estrutura de Gerenciamento 2016 - Risco Operacional - Sumário: 1. Introdução:... 3 2. Objetivo:... 3 3. Diretrizes e Gestão:... 4 3.1 Qualitativo:... 4 3.2 Quantitativo:... 6 4. Atribuições

Leia mais

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL Informação Pública 13/5/2016 ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 REFERÊNCIA... 3 4 CONCEITOS... 3 5 DIRETRIZES... 4 6 RESPONSABILIDADES... 7 7 INFORMAÇÕES DE CONTROLE... 10 13/5/2016 Informação

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS Dezembro de 2015 1 ÍNDICE I. INTRODUÇÃO p.3 II. METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO p.4 III. METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ p.6 IV. METODOLOGIA

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental - (PRSA) Política de Responsabilidade Socioambiental (PRSA).

Política de Responsabilidade Socioambiental - (PRSA) Política de Responsabilidade Socioambiental (PRSA). Política de Responsabilidade Socioambiental (PRSA). Versão 2.0 Fevereiro/2016 1 Histórico de Alterações Versão Data Responsável Alterações/Observações 1.0 Julho/15 2.0 Fevereiro/16 Jeniffer Caroline Rugik

Leia mais

#pública. Risco Operacional

#pública. Risco Operacional #pública Risco Operacional Estrutura de Gerenciamento 2015 SUMÁRIO 1. Objetivo 3 2. Estrutura Organizacional 3 3. Governança para a Gestão do Risco Operacional 4 3.1 Conselho de Administração 4 3.2 Diretoria

Leia mais

Banco Safra S.A. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ

Banco Safra S.A. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ Banco Safra S.A. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ 1/8 1. OBJETIVO Apresentar o modelo de gerenciamento de Risco de Liquidez no Banco Safra e os princípios, as diretrizes e instrumentos de

Leia mais

W-CAPITAL GESTÃO DE INVESTIMENTOS LTDA.

W-CAPITAL GESTÃO DE INVESTIMENTOS LTDA. W-CAPITAL GESTÃO DE INVESTIMENTOS LTDA. MANUAL DE GESTÃO DE RISCO v1.0 Data de elaboração: 15 de julho de 2015. ÍNDICE 1.1 Introdução... 3 1.2 Objetivo... 3 1.3 Políticas de Gestão de Riscos... 3 1.4 Escopo

Leia mais

GERENCIAMENTO DE CAPITAL

GERENCIAMENTO DE CAPITAL GERENCIAMENTO DE CAPITAL Estrutura e Política Institucional de Gerenciamento de Capital Mercantil do Brasil Belo Horizonte Junho de 2016 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL

Leia mais

REGRAS, PROCEDIMENTOS E CONTROLES INTERNOS

REGRAS, PROCEDIMENTOS E CONTROLES INTERNOS REGRAS, PROCEDIMENTOS E CONTROLES INTERNOS Banco Sumitomo Mitsui Brasileiro S.A 1 1. SUMÁRIO Em atendimento a Instrução CVM nº 558, o Banco Sumitomo Mitsui Brasileiro S.A. (doravante denominado simplesmente

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO Junho/2016 Esta Política de Gestão de Risco foi elaborada de acordo com as políticas internas da EXPLORA INVESTIMENTOS GESTÃO DE RECURSOS LTDA., inclusive o Código de Ética

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCOS E CONTROLE INTERNO

MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCOS E CONTROLE INTERNO MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCOS E CONTROLE INTERNO Agosto / 2015 SUMÁRIO I) INTRODUÇÃO... 2 II) METODOLOGIA PARA DISTRIBUIÇÃO DE ORDENS... 2 III) METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO... 3

Leia mais

Metodologia de gestão de Risco de Mercado

Metodologia de gestão de Risco de Mercado Metodologia de gestão de Risco de Mercado Data Criação: Ago/11 Data última revisão: Jun/13 1 Sumário 1. Introdução... 3 2. Risco de mercado... 3 3. Métodos de gerenciamento de risco... 3 4. Controle de

Leia mais

Formulário de Informações Complementares

Formulário de Informações Complementares Formulário de Informações Complementares BTG PACTUAL ABSOLUTO FIQ FIA 09.120.774/0001-20 Outubro 2015 A PRESENTE INSTITUIÇÃO ADERIU AO CÓDIGO ANBIMA DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS PARA OS FUNDOS DE INVESTIMENTO.

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS CORPORATIVOS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS CORPORATIVOS Informação Pública 13/5/2016 ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 REFERÊNCIA... 3 4 CONCEITOS... 3 5 DIRETRIZES... 5 6 RESPONSABILIDADES... 7 7 INFORMAÇÕES DE CONTROLE...11 13/5/2016 Informação

Leia mais

1. Esta Política Institucional de Comunicação e Marketing do Sicoob:

1. Esta Política Institucional de Comunicação e Marketing do Sicoob: 1. Esta Política Institucional de Comunicação e Marketing do Sicoob: a) visa estabelecer diretrizes sistêmicas aplicáveis à execução do Planejamento Estratégico em vigência, no que se refere às ações de

Leia mais

Manual de Gerenciamento de Risco de Liquidez

Manual de Gerenciamento de Risco de Liquidez Manual de Gerenciamento de Risco de Liquidez Novembro 2015 1. Introdução Este manual de gerenciamento de risco de liquidez foi criado pela equipe da Spectra Investimentos e visa atender os requerimentos

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional Base: Setembro/2015

Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional Base: Setembro/2015 Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional Base: Setembro/2015 ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL DEFINIÇÃO O BMB entende que uma gestão apropriada do risco operacional é importante,

Leia mais

Rabobank International Brazil

Rabobank International Brazil Rabobank International Brazil Política de Gerenciamento de Capital Resolução 3.988/2011 Conteúdo 1. Introdução... 3 Patrimônio de Referência Exigido (PRE)... 3 2. Princípios... 4 3. Papéis e Responsabilidades...

Leia mais

ASIA ASSET GESTORA DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS

ASIA ASSET GESTORA DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS ASIA ASSET GESTORA DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS 1. OBJETIVO 1.1. A presente Política de Gestão de Riscos ( Política ) tem como objetivo estabelecer os fundamentos associados ao processo

Leia mais

Divisão de Controles Internos e Compliance 19/08/2016

Divisão de Controles Internos e Compliance 19/08/2016 1 Área responsável pelo assunto 1.1 Diretoria de Governança, Risco e Compliance. 2 Abrangência 2.1 Esta Política aplica-se à BB Seguridade Participações S.A. ( BB Seguridade ou Companhia ) e suas subsidiárias

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FI IMA-B 5 TOP RENDA FIXA LONGO PRAZO / Informações referentes a Dezembro de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FI IMA-B 5 TOP RENDA FIXA LONGO PRAZO / Informações referentes a Dezembro de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FI IMA-B 5 TOP RENDA FIXA LONGO PRAZO 18.599.673/0001-75 Informações referentes a Dezembro de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais

Leia mais

Políticas Organizacionais

Políticas Organizacionais Políticas Organizacionais Versão 1.4 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 11/10/2012 1.0 Revisão das políticas EPG 26/11/2012 1.1 Revisão do Item de customização EPG 24/10/2013 1.2 Revisão

Leia mais

Regimento Interno da Auditoria Interna Regimento Interno

Regimento Interno da Auditoria Interna Regimento Interno da Auditoria Interna da Auditoria Interna Versão 1.0 Data de criação 08/06/2015 Data de modificação N/A Tipo de documento Índice 1. Objetivo... 4 2. Atuação... 4 3. Missão da Auditoria Interna... 4 4.

Leia mais

Política de Partes Relacionadas

Política de Partes Relacionadas Política de Partes Relacionadas SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 A QUEM SE APLICA... 3 3 DEFINIÇÃO DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS... 3 4 DEFINIÇÃO DE PARTES RELACIONADAS... 4 5 DEFINIÇÃO DE SITUAÇÕES

Leia mais

DAYCOVAL ASSET MANAGEMENT ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS JUNHO/2016

DAYCOVAL ASSET MANAGEMENT ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS JUNHO/2016 DAYCOVAL ASSET MANAGEMENT ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS JUNHO/2016 1. OBJETO 1.1. A área de risco da DAYCOVAL ASSET MANAGEMENT ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS LTDA. ( Daycoval

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.567, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2011

CIRCULAR Nº 3.567, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2011 CIRCULAR Nº 3.567, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2011 Dispõe sobre o fornecimento de informações relativas a operações de crédito ao Sistema de Informações de Créditos (SCR), de que trata a Resolução nº 3.658,

Leia mais

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DO BANRISUL PREVIDÊNCIA MUNICIPAL IV FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA LONGO PRAZO CNPJ/MF 15.

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DO BANRISUL PREVIDÊNCIA MUNICIPAL IV FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA LONGO PRAZO CNPJ/MF 15. FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DO BANRISUL PREVIDÊNCIA MUNICIPAL IV FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA LONGO PRAZO CNPJ/MF 15.283.593/0001-18 ESTE FORMULÁRIO FOI PREPARADO COM AS INFORMAÇÕES

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito Risco de Crédito Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito Conforme a resolução 3.721 do Banco Central do Brasil, define-se risco de crédito como a possibilidade de ocorrência de perdas associadas

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DE RISCOS

MANUAL DE GESTÃO DE RISCOS MANUAL DE GESTÃO DE RISCOS DA JUNHO 2016 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1. Objetivo... 3 2. POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 2.1. Diretrizes... 3 3. RISCO DE MERCADO... 4 4. RISCO DE LIQUIDEZ... 5 4.1. Introdução...

Leia mais

Política de Gestão de Riscos. Junho/2016 Edge Brasil Gestão de Ativos Ltda

Política de Gestão de Riscos. Junho/2016 Edge Brasil Gestão de Ativos Ltda Política de Gestão de Riscos Junho/2016 Edge Brasil Gestão de Ativos Ltda 1 ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS 1.1 Introdução A presente Política de Risco tem por objetivo descrever a estrutura e metodologia

Leia mais

", em que: RWA CAM F EXP. Exp 1 CIRCULAR Nº 3.641, DE 4 DE MARÇO DE 2013

, em que: RWA CAM F EXP. Exp 1 CIRCULAR Nº 3.641, DE 4 DE MARÇO DE 2013 CIRCULAR Nº 3.641, DE 4 DE MARÇO DE 2013 Estabelece os procedimentos para o cálculo da parcela dos ativos ponderados pelo risco (RWA) referente às exposições em ouro, em moeda estrangeira e em ativos sujeitos

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS 3ª REVISÃO INÍCIO DA VIGÊNCIA. 15/junho/2016

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS 3ª REVISÃO INÍCIO DA VIGÊNCIA. 15/junho/2016 POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS 3ª REVISÃO INÍCIO DA VIGÊNCIA 15/junho/2016 Pg 1 de 6 I. OBJETIVO E ESCOPO 1. O objetivo do Gerenciamento de Riscos da Capitânia é preservar a aderência dos fundos por ela

Leia mais

Antes de investir, compare o fundo com outros da mesma classificação.

Antes de investir, compare o fundo com outros da mesma classificação. LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER LIQUIDEZ SIMPLES RENDA FIXA CURTO PRAZO 05.211.884/0001-47 Informações referentes a Dezembro de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais

Leia mais

Darby Administração de Investimentos Ltda. CNPJ/MF: / POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS. Junho de 2016

Darby Administração de Investimentos Ltda. CNPJ/MF: / POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS. Junho de 2016 Darby Administração de Investimentos Ltda. CNPJ/MF: 05.977.098/0001-55 POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS Junho de 2016 Esta Política de Gestão de Riscos ( Política ) é de propriedade exclusiva de Darby Administração

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FIC FI PRIORITY REFERENCIADO DI / Informações referentes a Maio de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FIC FI PRIORITY REFERENCIADO DI / Informações referentes a Maio de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FIC FI PRIORITY REFERENCIADO DI 00.856.755/0001-92 Informações referentes a Maio de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER ÍNDICE BOVESPA AÇÕES / Informações referentes a Dezembro de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER ÍNDICE BOVESPA AÇÕES / Informações referentes a Dezembro de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER ÍNDICE BOVESPA AÇÕES 06.084.858/0001-68 Informações referentes a Dezembro de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o SANTANDER

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Dezembro/2010 DATA: 22/03/11 REV.: 01 PAG.: 2 ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 3 2. Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 3 3. Políticas de Gerenciamento de Riscos...

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER SMALL CAP AÇÕES / Informações referentes a Novembro de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER SMALL CAP AÇÕES / Informações referentes a Novembro de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER SMALL CAP AÇÕES 08.537.792/0001-40 Informações referentes a Novembro de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o SANTANDER

Leia mais

Questões sobre a IS014001

Questões sobre a IS014001 Professor: Carlos William Curso/ Disciplina/Período: Administração/ Gestão Ambiental/ 2º ano Aluno: Lázaro Santos da Silva Questões sobre a IS014001 1. A NBR ISO 14001:2004 foi concebida para estabelecer

Leia mais

CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO GESTÃO DE RISCOS PORTO ALEGRE-RS

CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO GESTÃO DE RISCOS PORTO ALEGRE-RS CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO GESTÃO DE RISCOS PORTO ALEGRE-RS GESTÃO DE RISCOS DEFINIÇÃO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS OPERACIONAIS, DE CRÉDITO E DE MERCADO Em atendimento conjunto às

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER MACRO MULTIMERCADO / Informações referentes a Dezembro de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER MACRO MULTIMERCADO / Informações referentes a Dezembro de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER MACRO MULTIMERCADO 11.714.716/0001-77 Informações referentes a Dezembro de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o SANTANDER

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER ABSOLUTO TOP RENDA FIXA / Informações referentes a Dezembro de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER ABSOLUTO TOP RENDA FIXA / Informações referentes a Dezembro de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER ABSOLUTO TOP RENDA FIXA 10.618.964/0001-51 Informações referentes a Dezembro de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o SANTANDER

Leia mais

MANUAL DE LIQUIDEZ FUNDOS DE INVESTIMENTO. Brainvest Consultoria Financeira LTDA

MANUAL DE LIQUIDEZ FUNDOS DE INVESTIMENTO. Brainvest Consultoria Financeira LTDA MANUAL DE LIQUIDEZ FUNDOS DE INVESTIMENTO Brainvest Consultoria Financeira LTDA ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 3 2. POLÍTICAS DO GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ 3 3. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL 6 4. RESPONSABILIDADE

Leia mais

Política de Compra e Venda de Valores Mobiliários

Política de Compra e Venda de Valores Mobiliários Política de Compra e Venda de Valores Mobiliários Em atendimento à instrução nº 558 da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), de 26 de março de 2015, a presente política visa apresentar as diretrizes de

Leia mais

CARTA CIRCULAR Nº 3.685, DE 19 DE DEZEMBRO DE Lucio Rodrigues Capelletto

CARTA CIRCULAR Nº 3.685, DE 19 DE DEZEMBRO DE Lucio Rodrigues Capelletto CARTA CIRCULAR Nº 3.685, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2014 Divulga o modelo de relatório do Processo Interno de Avaliação da Adequação de Capital (Icaap) de que trata a Circular nº 3.547, de 7 de julho de 2011.

Leia mais

Manual de Gerenciamento do Risco Operacional

Manual de Gerenciamento do Risco Operacional #pública Manual de Gerenciamento do Risco Operacional Aprovado pela Diretoria Executiva em 25/10/2016 Criação: 29/09/2016 Versão: 1.1 SUMÁRIO 1. CONTEXTO, FUNÇÕES E RESPONSABILIDADES 3 1.1 CONTEXTO 3 1.2

Leia mais

Política de Gestão de Risco Citibank DTVM S.A

Política de Gestão de Risco Citibank DTVM S.A Política de Gestão de Risco Citibank DTVM S.A VERSÃO JUNHO 2016 Vigência a partir de: 01/07/2016 ALL RIGHTS RESERVED ÍNDICE 1. Objetivo... 3 2. Abrangência... 3 3. Estrutura de Gestão de Riscos... 3 3.1.

Leia mais

NORMA DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO E COMBATE AO FINANCIAMENTO DO TERRORISMO NA GESTÃO DE RECURSOS DE TERCEIROS

NORMA DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO E COMBATE AO FINANCIAMENTO DO TERRORISMO NA GESTÃO DE RECURSOS DE TERCEIROS NORMA DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO E COMBATE AO FINANCIAMENTO DO TERRORISMO NA GESTÃO DE RECURSOS DE TERCEIROS Versão: setembro/2016 1. OBJETIVO Em conformidade com as diretrizes de Prevenção à Lavagem

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FI DIVIDENDOS TOP ACOES / Informações referentes a Agosto de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FI DIVIDENDOS TOP ACOES / Informações referentes a Agosto de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FI DIVIDENDOS TOP ACOES 13.455.136/0001-38 Informações referentes a Agosto de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o SANTANDER

Leia mais

RESOLUÇÃO IBA Nº 11/2016

RESOLUÇÃO IBA Nº 11/2016 Página1 RESOLUÇÃO IBA Nº 11/2016 Dispõe sobre a criação do Pronunciamento Atuarial CPA 007 MATERIALIDADE - AUDITORIA ATUARIAL INDEPENDENTE - SUPERVISIONADAS SUSEP O INSTITUTO BRASILEIRO DE ATUÁRIA - IBA,

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER RECOMPENSA PREMIUM RENDA FIXA / Informações referentes a Dezembro de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER RECOMPENSA PREMIUM RENDA FIXA / Informações referentes a Dezembro de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER RECOMPENSA PREMIUM RENDA FIXA 09.300.166/0001-06 Informações referentes a Dezembro de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre

Leia mais

Antes de investir, compare o fundo com outros da mesma classificação.

Antes de investir, compare o fundo com outros da mesma classificação. LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FIC FI INTELIGENTE RENDA FIXA CURTO PRAZO 02.908.347/0001-62 Informações referentes a Agosto de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais

Leia mais

Política de Gestão de Risco

Política de Gestão de Risco Junho de 2016 fgifts Política de Gestão de Risco 1. INTRODUÇÃO E OBJETIVO Esta política tem como objetivo, nos termos da Instrução CVM nº 558 e do Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para os

Leia mais