A APLICABILIDADE DO PRINCÍPIO DA FUNÇÃO SOCIAL DO CONTRATO E SEUS REFLEXOS NA LIBERDADE DE CONTRATAR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A APLICABILIDADE DO PRINCÍPIO DA FUNÇÃO SOCIAL DO CONTRATO E SEUS REFLEXOS NA LIBERDADE DE CONTRATAR"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROJETO DE PESQUISA DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Direito A APLICABILIDADE DO PRINCÍPIO DA FUNÇÃO SOCIAL DO CONTRATO E SEUS REFLEXOS NA LIBERDADE DE CONTRATAR Autora: Fabíola Ferraz Machado Orientador: Prof. Esp. Edmar Ramiro Correia BRASÍLIA 2008

2 2 FABÍOLA FERRAZ MACHADO A APLICABILIDADE DO PRINCÍPIO DA FUNÇÃO SOCIAL DO CONTRATO E SEUS REFLEXOS NA LIBERDADE DE CONTRATAR Trabalho apresentado ao curso de graduação em Direito da Universidade Católica de Brasília como requisito parcial para obtenção do Título de Bacharel em Direito. Orientador: Esp. Edmar Ramiro Correia Brasília 2008

3 3 Trabalho de autoria de Fabíola Ferraz Machado, intitulado A Aplicabilidade do Princípio da Função Social do Contrato e seus Reflexos na Liberdade de Contratar, requisito parcial para a obtenção do grau de Bacharel em Direito, defendida e aprovada em / /, pela banca examinadora constituída por: Esp. Edmar Ramiro Correia Orientador Integrante da Banca Integrante da Banca Brasília 2008

4 Dedico o presente trabalho à minha amada mãe Gilbene, que me conduziu no caminho da dignidade, proporcionando-me todo o seu carinho e grande parte de seu tempo. Às queridas irmãs Emmanuelle e Tatiane, que desde o berço nunca deixaram de ser minhas maiores companheiras. A todos os meus familiares e aos verdadeiros amigos que me incentivaram e contribuíram para a minha formação. 4

5 Agradeço a Deus por me conceder o milagre da vida, sem o qual nada seria possível. A minha família pelo amor e compreensão que me devotam e pelos incentivos constantes. Ao Professor Edmar Ramiro pelos momentos de orientação, pela paciência, simpatia, presteza e atenção dispensada, ajudandome a aperfeiçoar este trabalho. A todos os professores que colaboraram com a formação do conhecimento adquirido ao longo do curso. Aos colegas pela alegria, espontaneidade, amizade e solidariedade. 5

6 6 Se o direito tem dupla finalidade de garantir tanto a justiça quanto a segurança, é preciso encontrar o justo equilíbrio entre as duas aspirações, sob pena de criar um mundo justo, mas inviável, ou uma sociedade eficiente, mas injusta, quando é preciso conciliar justiça e a eficiência. Não devem prevalecer nem o excesso de conservadorismo, que impede o desenvolvimento da sociedade, nem o radicalismo destruidor, que não assegura a continuidade das instituições. O momento é de reflexão e construção para o jurista, que abandonando o absolutismo passado, deve relativizar as soluções, tendo em conta tanto os valores éticos, quanto as realidades econômicas e sociais. Arnold Wald

7 7 RESUMO MACHADO, Fabíola Ferraz. A aplicabilidade do princípio da função social do contrato e seus reflexos na liberdade de contratar. 73f. Monografia (Graduação em Direito). Universidade Católica de Brasília, Brasília, Trata-se de abordagem sobre as mudanças trazidas ao Direito Civil pelo fenômeno da socialização do sistema contratual, com ênfase no princípio da função social do contrato. Ocorre que na concepção clássica, em que o instituto contratual consolidouse, o contrato tinha como fundamento principal a doutrina da autonomia da vontade, a qual se desdobrava nos princípios da liberdade contratual, na obrigatoriedade das convenções e na eficácia relativa dos contratos. Com o aparecimento do Estado Social, a nova realidade social exigiu uma releitura da teoria tradicional dos contratos, resultando no surgimento de novos princípios, dentre eles o da função social do contrato. Este defende a prevalência do interesse social em face do particular, e possui respaldo constitucional no princípio da solidariedade e da dignidade da pessoa humana. Sua previsão no ordenamento jurídico brasileiro ocorreu em 2002, com o advento do atual Código Civil, que o impôs como limite do exercício da liberdade de contratar. Sua aplicação depende do juiz, visto que se constitui numa norma aberta, denominada cláusula geral, para a qual o julgador tem liberdade de definir o alcance. Palavras-chave: Direito contratual. Liberdade de contratar. Função social do contrato.

8 8 ABSTRACT MACHADO, Fabíola Ferraz. The applicability of the principle of the social function of the contract and its consequences in the freedom to contract. 73f. Monograph (Graduation in Legal Science). University Catholic of Brasilia, Brasilia, One is about boarding on the changes brought to the Civil law for the phenomenon of the socialization of the contractual system, with emphasis in the principle of the social function of the contract. It occurs that in the classic conception, which the contractual institute was consolidated, the contract had as main bedding the doctrine of the autonomy of the will, which if unfolded in the principles of the contractual freedom, in the obligatoriness of the conventions and the relative effectiveness of contracts. With the appearance of the Social State, the new social reality demanded a new reading of the traditional theory of contracts, resulting in the sprouting of new principles, amongst them of the social function of the contract. This defends the prevalence of the social interest in face of the particular one, and possess constitutional endorsement in the principle of the solidarity and of the dignity of the person human. Its forecast in the Brazilian legal system occurred in 2002, with the advent of the current Civil Code, imposed that it as limit of the exercise of the freedom to contract. Its application depends on the judge, therefore it consists in an opened norm, called general clause, for which the judge has freedom to define the reach. Keywords: Contract law. Freedom of contract. Function of the social contract.

9 9 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ABREVIATURAS art. artigo Coord. Coordenação Ibid ibidem loc. cit. local citado nº número op. cit. obra citada p. página SIGLAS ACJ Apelação Cível no Juizado Especial ADI-QO Questão de Ordem na Ação Direta de Inconstitucionalidade APC Apelação Cível CCB Código Civil Brasileiro CF/88 Constituição da República Federativa do Brasil de LICC Lei de Introdução ao Código Civil RESP Recurso Especial

10 10 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 11 CAPÍTULO 1 13 A CONCEPÇÃO TRADICIONAL DO CONTRATO Origens O Direito Canônico A Teoria do Direito Natural Teorias de Ordem Política e Revolução Francesa Teorias Econômicas e o Liberalismo Reflexos da Teoria Contratual e do Dogma da Autonomia da Vontade A Liberdade Contratual A Força Obrigatória dos Contratos A Relatividade dos Contratos 21 CAPÍTULO 2 23 A NOVA REALIDADE CONTRATUAL Socialização da Teoria Contratual Intervencionismo Estatal nas Relações Jurídico-Privadas O Contrato como Ponto de Encontro de Direitos Fundamentais Limitação da Liberdade Contratual Relativização da Força Obrigatória dos Contratos Os Novos Princípios do Contrato 32 CAPÍTULO 3 38 A FUNÇÃO SOCIAL DO CONTRATO Noções Gerais Evolução Histórica O Princípio da Função Social no Direito Brasileiro Origens Constituição Federal Código de Defesa do Consumidor Código Civil de CAPÍTULO 4 55 OS EFEITOS DA APLICAÇÃO DO PRINCÍPIO DA FUNÇÃO SOCIAL DO CONTRATO A função social do contrato enquanto cláusula geral O tratamento dado pelos tribunais a esse princípio A oponibilidade do contrato perante terceiros 64 CONCLUSÃO 68 REFERÊNCIAS 71

11 11 INTRODUÇÃO O contrato representa um instituto jurídico de extrema importância para a vida humana, hoje em dia tornou-se difícil desempenhar alguma atividade da qual não seja necessária a presença desse instrumento. Além disso, consiste no principal elemento de movimentação de recursos da sociedade contemporânea e, por conseqüência, tem papel decisivo no desenvolvimento da economia. Diante desta relevância do contrato, que não é recente, o Direito há muito tempo tem se preocupado em estabelecer diretrizes para regê-lo. Desde a era dos romanos, o sistema contratual vem sendo aprimorado. Porém, o momento mais marcante para o instituto, em que se enalteceu sobremaneira o campo das relações privadas, foi o período do Liberalismo. Nesta época, formulou-se a teoria tradicional do contrato baseada nos princípios da autonomia da vontade, da liberdade contratual, da obrigatoriedade das convenções e da eficácia relativa dos contratos. O ponto central da referida teoria estava fundado na vontade, a qual era tão importante que nem mesmo a lei podia contrariá-la. Entretanto, esse período foi superado com o advento do Estado Social, o qual substituiu o foco individualista e patrimonialista característicos do Estado Liberal, para se ater a questões relativas ao bem comum e à valorização da pessoa humana. A presente pesquisa baseia-se exatamente nessa mudança de paradigma trazida pelo Estado Social, buscando relacionar quais as conseqüências que a mesma ocasionou para o Direito e, em especial, para o campo contratual. Todavia, o cerne do trabalho encontra-se no surgimento do princípio da função social do contrato, originário dessa nova ótica social. A função social do contrato ainda é um assunto que carece de melhores esclarecimentos por parte da doutrina e da própria legislação, não obstante, constitui-se em um instituto que merece especial atenção, principalmente por ter ganhado

12 12 significativo alcance no atual Código Civil brasileiro, que o previu como condicionante e razão de ser da liberdade de contratar. Diante disso, sem a pretensão de esgotar o assunto, mas apenas de contribuir para uma melhor compreensão do tema, o presente trabalho procura responder alguns questionamentos, como qual o conteúdo da função social do contrato, qual o seu alcance, como compatibilizar os interesses individuais do contrato com a função social, de que forma se dá a concreção de tal princípio e quais os efeitos de sua aplicação. A pesquisa é desenvolvida com o método dedutivo, pois parte de verdades gerais até chegar a uma específica. Divide-se em quatro capítulos, sendo o primeiro uma noção da concepção tradicional do contrato, o segundo apresenta a nova realidade contratual baseada nas mudanças trazidas pela socialização da teoria do contrato, o terceiro faz-se uma análise acerca da função social do contrato e, por último, são apresentados os efeitos da aplicação do referido princípio.

13 13 Capítulo 1 A CONCEPÇÃO TRADICIONAL DO CONTRATO 1.1. Origens A origem do contrato é tão remota que se confunde com o surgimento do próprio Direito. Sua implantação se deu logo após a superação do período primitivo, no qual os bens eram apropriados de forma forçada ou violenta, estando presente desde a época em que os homens passaram a conviver de maneira pacífica, em relação à busca dos bens necessários a sua sobrevivência e desenvolvimento. 1 Na medida em que as sociedades foram evoluindo, o contrato também experimentou grandes transformações, desenvolvendo-se das maneiras mais diversas, de acordo com a renovação sucessiva dos valores. 2 Pode-se dizer que o contrato nasceu da realidade social e sua concepção vem sendo aperfeiçoada desde a era dos romanos, com o ideal sempre fundado em aspectos morais, econômicos e nas práticas sociais de cada período histórico. 3 A estruturação do contrato ocorreu no Direito Romano, que o definiu como sendo um acordo de vontades, acerca de um mesmo fim. Em princípio, os romanos entendiam ser essencial a vinculação do contrato a um ato solene, sem o qual não haveria obrigação nem tampouco direito. 4 A visão romana foi sendo moldada com o tempo e aquele formalismo rigoroso abrandou-se de forma gradativa, até chegar a uma aproximação da concepção clássica THEODORO JÚNIOR, Humberto. O contrato e seus princípios. Rio de Janeiro: Aide, 1993, p. 11. BRAVO, Maria Celina; SOUZA, Mário Jorge Uchoa. O contrato do terceiro milênio. Jus Navigandi, Teresina, ano 6, n. 52, nov Disponível em:<http://jus2.uol.com.br/doutrina/texto.asp?id=2365>. Acesso em: 01 nov MARQUES, Cláudia Lima. Contratos no Código de Defesa do Consumidor: o novo regime das relações contratuais. 4ª ed. rev. atual. e ampl. São Paulo: Revista Tribunais, 2002, p. 37. PEREIRA, Caio Mário da Silva. Instituições de Direito Civil: fonte das obrigações. Volume 3. Rio de Janeiro: Forense, 2002, p. 3.

14 14 do contrato, concebendo-o como a livre manifestação de vontade que obriga os indivíduos. 5 O conceito tradicional do contrato, ligado principalmente a idéia de autonomia da vontade, formou-se em conseqüência de algumas correntes de pensamento 6, dentre as quais se destacam: O Direito Canônico A contribuição dos canonistas foi decisiva para a formulação da doutrina da autonomia da vontade. Essa corrente atribuía grande relevância ao consenso e à manifestação da palavra. 7 Para o direito canônico, o próprio ato de vontade levava ao surgimento da obrigação jurídica, sendo necessária apenas uma declaração para a sua criação. 8 Afastando-se do excessivo formalismo ostentado pelo direito romano ao sistema contratual, os canonistas defendiam que uma simples palavra proferida com consciência era suficiente para originar uma obrigação de natureza moral e jurídica aos indivíduos. 9 A valorização da palavra preconizada pelo direito canônico trazia a necessidade de que as partes envolvidas na relação contratual cumprissem as obrigações assumidas, qualquer que fosse sua natureza, sendo imprescindível a adoção de algumas regras para a garantia dessa obrigatoriedade, mesmo que a convenção procedesse do simples consenso dos contraentes BRAVO, Maria Celina; SOUZA, Mário Jorge Uchoa. op. cit. MARQUES, Cláudia Lima. op. cit., p. 43. GOMES, Orlando. Contratos. 25ª ed. Rio de Janeiro: Forense, 2002, p. 5. Ibid., p. 5. Ibid., loc. cit. Ibid., loc. cit.

15 A Teoria do Direito Natural A teoria jusnaturalista também influenciou de forma significativa a concepção clássica do contrato, principalmente por defender a idéia de que o fundamento racional do nascimento das obrigações se encontrava na vontade livre dos contratantes. 11 Foi baseada nessa teoria, que se construiu a doutrina tradicional do contrato fundada no dogma da autonomia da vontade e, sobretudo, da liberdade contratual. 12 Para os adeptos da teoria jusnaturalista, a liberdade contratual era uma liberdade natural do homem, podendo ser limitada apenas pela própria vontade humana Teorias de Ordem Política e Revolução Francesa No campo político, a teoria do contrato social de Jean Jacques Rousseau, destacou-se por defender o ponto de vista de que o contrato constitui-se base do Estado. 14 A referida teoria também se apoiava no dogma da livre vontade humana, a qual era capaz de gerar obrigações, bem como de conferir autoridade entre os homens. 15 Com o advento da Revolução Francesa e por conseqüência a ascensão do liberalismo político e econômico, ocorreu a cristalização da liberdade de contratar como um princípio basilar do direito contratual GOMES, Orlando. op. cit., p. 5. MARQUES, Cláudia Lima. op. cit., p. 44. Ibid., loc. cit. Ibid., p. 45. Ibid., p FONSECA, Rodrigo Garcia da. A função social do contrato e o alcance do artigo 421 do Código Civil. Rio de Janeiro: Renovar, 2007, p. 96.

16 16 O Direito Civil ainda teve, nessa época revolucionária, o seu grande marco histórico com a criação do Código Civil francês de 1804, o qual atribuiu valor supremo ao sistema contratual fundado na autonomia da vontade, influenciando grande parte dos ordenamentos jurídicos espalhados pelo mundo Teorias Econômicas e o Liberalismo No século XVIII, destacaram-se algumas teorias econômicas, as quais se manifestaram em favor da liberdade como a solução do universo, face às limitações impostas pelo catolicismo. 18 Segundo essa corrente, o contrato é um instituto jurídico que proporciona a circulação de riquezas, além do equilíbrio social e econômico, porém para que essa finalidade se concretize, faz-se necessário a existência da liberdade para contratar. 19 No período de apogeu do Liberalismo do século XIX, consolidou-se a concepção tradicional do contrato, com ênfase no dogma da autonomia da vontade e na liberdade adaptada ao individualismo econômico característico da época. 20 Os liberais defendiam a não intervenção estatal nas relações contratuais privadas, conforme explica Rodrigo Garcia da Fonseca: Na concepção liberal, não deve o Estado interferir na relação interna entre os contratantes. As pessoas são livres para contratar, o pacto deve ser respeitado. Cada um sabe o que é melhor para si, e se todos são iguais, não caberia ao Estado tutelar as relações entre os particulares a ponto de influir naquilo que resolveram pactuar. O papel do Estado se limita a verificar se a vontade foi livremente manifestada, e a partir daí, a garantir que as partes cumpram o que foi combinado, seja qual for o conteúdo da contratação MARQUES, Cláudia Lima. op. cit., p. 46. Ibid., p. 47. Ibid., loc. cit. Ibid., loc. cit. FONSECA, Rodrigo Garcia. op. cit., p. 99.

17 1.2. Reflexos da teoria contratual e do dogma da autonomia da vontade 17 O princípio da autonomia da vontade, consagrado pela teoria tradicional do contrato, consiste na faculdade conferida aos particulares para estabelecerem todas as formas e condições de suas convenções, inclusive decidir o seu conteúdo e alcance, de acordo com seus interesses. 22 Para o referido princípio, a vontade dos contraentes é considerada a única fonte da obrigação contratual. E ainda, a vontade humana representa o ponto central, capaz de gerar e legitimar a relação jurídica contratual. 23 Desse modo, o papel da lei limita-se a fornecer às partes dispositivos que garantam o cumprimento das avenças e também serve de suplemento, quando o contrato for omisso em algum assunto. 24 Esse dogma da autonomia da vontade trouxe expressivas conseqüências para o mundo jurídico, influenciou a liberdade de contratar, além de ocasionar outros reflexos para o campo contratual 25, conforme se verá a seguir: A Liberdade de Contratar O princípio da liberdade contratual é um dos desdobramentos da doutrina clássica da autonomia da vontade, 26 podendo ser definido como o poder atribuído aos particulares de auto-reger seus interesses, com livre discussão das condições em que o THEODORO JÚNIOR, Humberto. O contrato e seus princípios. op. cit., p. 15. MARQUES, Cláudia Lima. op. cit., p. 48. Ibid., loc. cit. Ibid., loc. cit. RODRIGUES, Sílvio. Direito Civil. Volume 3. São Paulo: Ed. Saraiva, 2003., p. 16

18 18 negócio será submetido e também com livre escolha do tipo de contrato mais apropriado aos participantes. 27 A liberdade de contratar se manifesta em quatro etapas distintas, indispensáveis para a existência dos contratos. 28 A primeira diz respeito ao momento da decisão, que consiste na faculdade assegurada aos indivíduos de contratar ou não, conforme seus interesses e conveniência. 29 Por conseguinte, a liberdade contratual encontra-se presente no momento da escolha da parte que vai compor a relação e do tipo de contrato que vai ser utilizado. Essa liberdade não é absoluta, visto que pode haver divergência entre os contratantes quanto à opção do tipo, prevalecendo o consenso entre os envolvidos. 30 A terceira etapa consiste no livre arbítrio dos contratantes de fixarem as cláusulas em que o contrato será regido de acordo com o que lhes for mais oportuno. As partes têm a sua disposição as modalidades de contrato estabelecidas em lei, com suas respectivas regras, todavia podem optar por adotar ou não esses modelos legais. 31 Por último, o contrato estando concluso passa a ser considerado fonte formal de direito, pela qual os contratantes tornam-se aptos a mobilizar o Estado, para fazer com que o negócio seja respeitado da mesma forma em que foi firmado, garantindo inclusive a sua perfeita execução. 32 A liberdade contratual na concepção tradicional tinha apenas duas restrições, conforme ensina Humberto Theodoro Júnior: Duas limitações, porém, sempre foram opostas ao princípio da liberdade de contratar, que são regras legais de ordem pública e os bons costumes. Isto quer dizer que a vontade pode amplamente determinar o aparecimento do contrato e definir o seu conteúdo, mas não pode fazê-lo contrariando aquilo que o legislador disciplinou como matéria de ordem pública, por reconhecer, nas GOMES, Orlando. op. cit., p. 22. PEREIRA, Caio Mário da Silva. op. cit., p. 9. Ibid., p Ibid., p. 10. Ibid., loc. cit. Ibid., loc. cit.

19 19 circunstâncias, a ocorrência de interesse público em nível superior ao interesse privado dos contratantes. 33 No entanto, essas restrições impostas aos indivíduos eram raras e existiam principalmente para proteger a livre vontade dos participantes das relações contratuais A força obrigatória dos contratos No modelo tradicional, a vontade representava elemento fundamental para o direito contratual, além disso, era considerada a fonte que tornava legítima a relação negocial. A livre manifestação volitiva de aceitar apenas as obrigações criadas pela vontade deixava evidente a presença da idéia de superioridade da vontade em detrimento da lei, ou seja, ao invés da vontade se submeter às normas legais, eram estas que deveriam se amoldar à vontade. 35 O princípio da força obrigatória dos contratos também decorre da doutrina da autonomia da vontade 36, o qual significa que uma vez concluído o contrato, este liga os participantes, de forma a estabelecer um vínculo de obrigações entre eles, das quais os envolvidos só podem se eximir quando houver consenso de todos os interessados. 37 À luz desse princípio, o contrato é um instrumento que vincula as partes, independente de quais forem as circunstâncias pelas quais ele tenha que ser cumprido. As cláusulas contratuais devem ser observadas pelos contratantes, como se fossem dispositivos legais imperativos. 38 A força obrigatória faz com que o vínculo criado pelo contrato não permita nenhuma revogação ou modificação de seu conteúdo de forma unilateral, exceto THEODORO JÚNIOR, Humberto. O contrato e seus princípios. op. cit., p. 17. MARQUES, Cláudia Lima. op. cit., p. 49. Ibid., p. 50. THEODORO JÚNIOR, Humberto. O contrato e seus princípios. op. cit., p. 25. RODRIGUES, Sílvio. op. cit., p. 13. GOMES, Orlando. op. cit., p. 36.

20 20 quando essas questões se submeterem a um novo acordo de vontades. Nem mesmo com uma argumentação fundada na equidade, demonstrando que a execução do negócio ocasionaria prejuízos não mensurados no momento da celebração, são capazes de justificar o desligamento de uma das partes sem que haja consenso. 39 No trecho colecionado a seguir, Caio Mário da Silva Pereira explica com propriedade sobre o tema, demonstrando a amplitude desse princípio na concepção clássica: O princípio da força obrigatória do contrato contém ínsita uma idéia que reflete o máximo de subjetivismo que a ordem legal oferece: a palavra individual, enunciada na conformidade da lei, encerra uma centelha de criação, tão forte e tão profunda, que não comporta retratação, e tão imperiosa que, depois de adquirir vida, nem o Estado mesmo, a não ser excepcionalmente, pode intervir, com o propósito de mudar o curso de seus efeitos. 40 A força obrigatória também impossibilitava a revisão do contrato pelo juiz, inclusive impedia o desligamento de uma das partes por ato judicial. 41 Não importava o motivo invocado por um dos contratantes, o conteúdo do contrato não era passível de alterações por via judicial. Somente quando ocorressem fatos que justificassem a intervenção judicial, que esta se realizava, todavia o juiz podia apenas decretar a nulidade ou resolver o contrato, de maneira nenhuma modificar as suas cláusulas. 42 Esse princípio reforçava a teoria da intangibilidade do conteúdo dos contratos, pela qual não se admitia a intervenção estatal, por meio de seu órgão judiciário, nem mesmo para restabelecer o equilíbrio contratual rompido pela superveniência de acontecimentos que levaram uma das partes a estar em condições extremamente desfavoráveis em relação às outras. 43 O argumento defendido para justificar essa impossibilidade era fundado na premissa de que, uma vez que o contratante manifestou livremente sua vontade, assumindo todas as cláusulas contratuais, presumia-se que estava também aceitando GOMES, Orlando. op. cit., p. 36. PEREIRA, Caio Mário da Silva. op. cit., p. 6. GOMES, Orlando. op. cit., p. 36. Ibid., loc. cit. Ibid., loc. cit.

21 21 os prejuízos provenientes do contrato, logo não podia socorrer-se da autoridade judicial com intuito de amenizar as regras da convenção ou de se libertar da mesma A relatividade dos contratos A relatividade contratual representa um dos princípios mais importantes da concepção clássica do contrato, constitui um dos principais marcos da teoria da autonomia da vontade 45, e pode ser entendido pela idéia de que os efeitos produzidos pelo acordo de vontades só se manifestam entre os contratantes, não atingindo terceiros, nem para beneficiar e tampouco para prejudicar. 46 Esse princípio estava expressamente previsto no Código Civil francês de 1804 e refletia a forte tendência individualista da época. 47 Segundo essa concepção, apesar do contrato possuir força de lei, sua eficácia restringe-se às partes. Porém, a existência do pacto não pode ser completamente ignorada por outras pessoas estranhas à relação, pois o contrato, além de ocasionar efeitos internos entre as partes, pode do mesmo modo produzir conseqüências externas, oponíveis a terceiros. 48 Não obstante, a regra geral é que o contrato só pode gerar efeitos sobre aquilo que foi convencionado e apenas entre os participantes da relação, pois com base na visão tradicional, que atribui valor supremo à vontade, uma pessoa não poderia figurar como credora ou devedora em um negócio, sem que primeiro houvesse a manifestação livre de sua vontade para tal GOMES, Orlando. op. cit., p. 36. NEGREIROS, Teresa. Teoria do contrato: novos paradigmas. 2ª ed. Rio de Janeiro: Renovar, 2006., p RODRIGUES. Sílvio. op. cit., p. 17. NEGREIROS, Teresa. op. cit., p THEODORO JÚNIOR, Humberto. O contrato e seus princípios. op. cit., p. 35. GOMES. Orlando. op. cit., p.43.

22 22 Para uma melhor compreensão dessa teoria da eficácia relativa das convenções, importante distinguir o conceito de parte e terceiro. A primeira denota a pessoa cuja vontade originou o vínculo, se estendendo também aos seus sucessores, enquanto que o segundo trata-se do indivíduo estranho à relação contratual, o qual não anuiu para a formação do vínculo. 50 A relatividade contratual não é aplicável apenas aos sujeitos, abrangendo também o objeto da convenção, o que significa que os efeitos contratuais não podem ultrapassar a matéria ajustada pelo acordo de vontades. 51 Enfim, o cenário acima exposto que caracterizou a teoria tradicional do contrato, vigorou por muito tempo, e trouxe grande influência ao direito contratual. Entretanto, conforme se demonstrará adiante, essa concepção vai sofrer profunda transformação no transcorrer do século XX, ocasião em que se dará lugar a novas preocupações, em conseqüência, os princípios básicos do contrato perderão parte de seu prestígio NEGREIROS, Teresa. op. cit., p GOMES. Orlando. op. cit., p. 44. RODRIGUES, Sílvio. op. cit., p. 18.

23 23 Capítulo 2 A NOVA REALIDADE CONTRATUAL 2.1. A Socialização da Teoria Contratual O regime contratual, durante muitos séculos, preservou-se alheio à modificação de seus princípios. 53 Todavia, no transcorrer do século XX, percebeu-se que a igualdade entre os indivíduos estava sendo comprometida e a evolução do Direito passou, então, a seguir em direção flagrantemente contrária às idéias individualistas traçadas pelo modelo clássico, dando lugar a uma nova perspectiva voltada essencialmente ao caráter social. 54 O auge desta nova tendência deu-se após a ocorrência das duas grandes guerras mundiais, bem como da Revolução Industrial, fatos que levaram o Direito a assumir outras posturas, cada vez mais vinculadas à ética, ao equilíbrio das relações jurídicas, valorizando não mais somente o interesse individual, mas principalmente o interesse da coletividade. 55 Na ótica social, o fator de maior relevância concernente a um contrato, não se tratava mais apenas da manifestação da vontade, porém, em especial, dos efeitos que o contrato produziria na sociedade, assim como a condição social e econômica dos contratantes envolvidos. 56 Uma das teses defendidas no referido modelo contratual consiste na idéia de que o contrato deve ser cumprido não exclusivamente em benefício do credor, mas deve também favorecer a sociedade VENOSA, Sílvio de Salvo. Direito Civil: teoria geral das obrigações e teoria geral dos contratos. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2007., p MARQUES, Cláudia Lima. op. cit., p BRAVO, Maria Celina; SOUZA, Mário Jorge Uchoa. op. cit. MARQUES, Cláudia Lima. op. cit., p VENOSA, Sílvio de Salvo. op. cit., p. 337.

24 24 Essa moderna concepção do contrato, conforme explica o jurista Sílvio de Salvo Venosa, não veio para colocar em crise o mencionado instituto, nem tampouco para abalar o próprio direito privado, mas trata-se de uma resposta à falta de harmonia do sistema contratual nos moldes da doutrina tradicional, diante da evolução das transformações sociais. 58 O contrato passou a representar, neste cenário, um elemento fundamental para o mundo negocial, além de se tornar um importante instrumento de geração de riquezas e estímulo da economia. No entanto, as regras que o regiam precisavam se adaptar aos novos desafios da sociedade, tendo em vista que diversos interesses interpessoais relevantes, oriundos da relação contratual, não estavam sendo levados em conta como deveriam. 59 Em conseqüência a esta mudança de paradigma, as normas deixaram de ser apenas conceituais, passando a ter maior funcionalidade e concretude, tornando-se mais eficazes na busca de solução aos diferentes problemas trazidos pela nova realidade social Intervencionismo estatal nas relações jurídico-privadas A doutrina de intervenção mínima do Estado nas relações privadas foi fruto do liberalismo individualista herdado pela Revolução Francesa, como reação ao Estado absolutista e limitador da época medieval. 61 Foi justamente neste contexto liberal que a concepção clássica do contrato consolidou-se, atribuindo exclusividade quase absoluta VENOSA, Sílvio de Salvo. op. cit., p Ibid., p. 337 e 349. MARQUES, Cláudia Lima. op. cit., p SAMPAIO, Laerte Marrone e Castro apud SILVA, Vitor Borges da. A função social do contrato e a intervenção do Estado nas relações jurídicas privadas. Panóptica, Vitória, ano 1, mar abr., p Disponível em: <http://www.panoptica.org/marco_abril07pdf/ano1_n%5b1%5d.7_mar.- abr.2007_38-53.pdf >. Acesso em: 22 fev

PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO DIREITO CONTRATUAL 1. Angélica Santana NPI FAC SÃO ROQUE

PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO DIREITO CONTRATUAL 1. Angélica Santana NPI FAC SÃO ROQUE PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO DIREITO CONTRATUAL 1 Angélica Santana NPI FAC SÃO ROQUE INTRODUÇÃO Para o Direito existem alguns princípios pelo qual, podemos destacar como base fundamental para estabelecer

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Direito agrário: função social da propriedade; sua evolução e história Paula Baptista Oberto A Emenda Constitucional Nº. 10 de 10/11/64 foi o grande marco desta recente ciência jurídica

Leia mais

Algumas Considerações sobre Assistência à Saúde

Algumas Considerações sobre Assistência à Saúde 254 Algumas Considerações sobre Assistência à Saúde Luiz Eduardo de Castro Neves 1 Nos dias atuais, em que há cada vez mais interesse em bens de consumo, é, sem dúvida, nos momentos em que as pessoas se

Leia mais

Os Reajustes por Mudança de Faixa Etária nos Planos de Saúde

Os Reajustes por Mudança de Faixa Etária nos Planos de Saúde 1 Os Reajustes por Mudança de Faixa Etária nos Planos de Saúde Publicado em Revista de Direito do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro /Cont. de/ RJRJ, Rio de Janeiro, n.80, p. 95-99, jul./set.

Leia mais

Os Reajustes por Mudança de Faixa Etária nos Planos de Saúde

Os Reajustes por Mudança de Faixa Etária nos Planos de Saúde Os Reajustes por Mudança de Faixa Etária nos Planos de Saúde Luciana de Oliveira Leal Halbritter Juíza de Direito do TJ RJ Mestre em Justiça e Cidadania pela UGF Sumário: 1. Introdução; 2. Aspectos Gerais;

Leia mais

FACULDADE LA SALLE DE LUCAS DO RIO VERDE - MT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO

FACULDADE LA SALLE DE LUCAS DO RIO VERDE - MT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO FACULDADE LA SALLE DE LUCAS DO RIO VERDE - MT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO A FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE JOCEANE CRISTIANE OLDERS VIDAL Lucas do Rio Verde MT Setembro 2008 FACULDADE

Leia mais

desafia, não te transforma Semestre 2015.2

desafia, não te transforma Semestre 2015.2 O que não te 1 desafia, não te transforma Semestre 2015.2 1 Nossos encontros www.admvital.com 2 2 Nossos encontros www.admvital.com 3 AULÃO 3 4 Materiais da aula www.admvital.com/aulas 4 5 Critérios AV

Leia mais

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico:

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: 1 Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: Uma breve aproximação Clodoveo Ghidolin 1 Um tema de constante debate na história do direito é a caracterização e distinção entre jusnaturalismo e positivismo

Leia mais

A SÚMULA N. 297 DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA: APLICAÇÃO DO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR ÀS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS

A SÚMULA N. 297 DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA: APLICAÇÃO DO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR ÀS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS A SÚMULA N. 297 DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA: APLICAÇÃO DO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR ÀS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS THALES PINTO GONTIJO 1 Recentemente, o Superior Tribunal de Justiça, por meio da

Leia mais

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL THOMAS HOBBES LEVIATÃ ou MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL Thomas Hobbes é um contratualista teoria do contrato social; O homem natural / em estado de natureza para Hobbes não é

Leia mais

OS PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E A DEFESA DOS INTERESSES DA UNIÃO

OS PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E A DEFESA DOS INTERESSES DA UNIÃO OS PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E A DEFESA DOS INTERESSES DA UNIÃO Artigo jurídico apresentado por MARCELO THIMOTI DA SILVA, professor, especialista em Direito Administrativo, Constitucional

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA. Faculdade de Direito de Campos. Direito Civil. Contratos. Fiança no Contrato de Locação Urbana

PROJETO DE PESQUISA. Faculdade de Direito de Campos. Direito Civil. Contratos. Fiança no Contrato de Locação Urbana PROJETO DE PESQUISA Faculdade de Direito de Campos Direito Civil Contratos Fiança no Contrato de Locação Urbana Ana Luiza P. Machado Bárbara Tavares Caldas Fábia Santos Pereira Campos, 2006 ASSUNTO: Direito

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br O direito à saúde na Constituição Federal de 1988: caracterização e efetividade Alexandre Gonçalves Lippel* 1. Caracterização do direito à saúde O direito à saúde emerge no constitucionalismo

Leia mais

Mecanismo revisional nos contratos internacionais: cláusula hardship

Mecanismo revisional nos contratos internacionais: cláusula hardship Mecanismo revisional nos contratos internacionais: cláusula hardship Por Bruno Dias Carvalho, coordenador do núcleo Contratos do Marcelo Tostes Advogados O progressivo desenvolvimento da economia mundial

Leia mais

Código Florestal e Pacto Federativo 11/02/2011. Reginaldo Minaré

Código Florestal e Pacto Federativo 11/02/2011. Reginaldo Minaré Código Florestal e Pacto Federativo 11/02/2011 Reginaldo Minaré Diferente do Estado unitário, que se caracteriza pela existência de um poder central que é o núcleo do poder político, o Estado federal é

Leia mais

O contrato de seguro no Novo Código Civil. Uma breve abordagem. 1. Noção geral sobre os contratos

O contrato de seguro no Novo Código Civil. Uma breve abordagem. 1. Noção geral sobre os contratos O contrato de seguro no Novo Código Civil Uma breve abordagem 1. Noção geral sobre os contratos 1.1 O Contrato como negócio jurídico Dentre as definições doutrinárias de contrato, damos início a este trabalho

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO 1 - RESPOSTAS. 1.1. Quais as funções dos Princípios? RESPOSTA: Os princípios apresentam uma tríplice função:

ESTUDO DIRIGIDO 1 - RESPOSTAS. 1.1. Quais as funções dos Princípios? RESPOSTA: Os princípios apresentam uma tríplice função: ESTUDO DIRIGIDO 1 - RESPOSTAS 1. Princípios do Direito do Trabalho 1.1. Quais as funções dos Princípios? RESPOSTA: Os princípios apresentam uma tríplice função: a) Função informativa/inspiradora: informam

Leia mais

UMA PROPOSTA DE CLASSIFICAÇÃO PARA AS FORMAS DE EXTINÇÃO DOS CONTRATOS

UMA PROPOSTA DE CLASSIFICAÇÃO PARA AS FORMAS DE EXTINÇÃO DOS CONTRATOS UMA PROPOSTA DE CLASSIFICAÇÃO PARA AS FORMAS DE EXTINÇÃO DOS CONTRATOS Elaborado em 06.2007. Bruna Lyra Duque Advogada e consultora jurídica em Vitória (ES), mestre em Direitos e Garantias Constitucionais

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ UNIDADE V CIÊNCIAS CONTÁBEIS TEMA: TEORIA GERAL DAS SOCIEDADES COMERCIAIS PROFª: PAOLA JULIEN O.

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ UNIDADE V CIÊNCIAS CONTÁBEIS TEMA: TEORIA GERAL DAS SOCIEDADES COMERCIAIS PROFª: PAOLA JULIEN O. UNIDADE V CIÊNCIAS CONTÁBEIS TEMA: TEORIA GERAL DAS SOCIEDADES COMERCIAIS PROFª: PAOLA JULIEN O. SANTOS TEORIA GERAL DAS SOCIEDADES COMERCIAIS CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ 1. CONCEITO DE SOCIEDADE

Leia mais

DIREITOS FUNDAMENTAIS. Exame - 16.06.2015. Turma: Dia. Responda, sucintamente, às seguintes questões:

DIREITOS FUNDAMENTAIS. Exame - 16.06.2015. Turma: Dia. Responda, sucintamente, às seguintes questões: DIREITOS FUNDAMENTAIS Exame - 16.06.2015 Turma: Dia I Responda, sucintamente, às seguintes questões: 1. Explicite o sentido, mas também as consequências práticas, em termos de densidade do controlo judicial,

Leia mais

Saúde Suplementar. Adriana Costa dos Santos 1

Saúde Suplementar. Adriana Costa dos Santos 1 Saúde Suplementar 13 Adriana Costa dos Santos 1 As leis sempre retratam ou pelo menos, buscam retratar a realidade da sociedade. Assistimos a muitas alterações legislativas, ao longo dos anos, buscando,

Leia mais

garante: respeito/consideração implica: direitos/deveres

garante: respeito/consideração implica: direitos/deveres 1 UNIDADE II PRINCÍPIOS DO DIREITO CONTRATUAL P R I N C Í P I O S 1) PRINCÍPIO DA DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA 2) PRINCÍPIO DA AUTONOMIA DA VONTADE 3) PRINCÍPIO DO CONSENSUALISMO 4) PRINCÍPIO OBRIGATORIEDADE

Leia mais

Subordinação ao direito público é:

Subordinação ao direito público é: A Administração e o direito público Subordinação ao direito público é: 1. Subordinação ao direito constitucional: não só porque é o vértice da pirâmide da ordem jurídica, mas também porque tem normas materialmente

Leia mais

JUIZ DO TRABALHO TRT DA 8ª REGIÃO

JUIZ DO TRABALHO TRT DA 8ª REGIÃO DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO I. Direito Processual do Trabalho... II. Organização da Justiça do Trabalho e o Ministério Público do Trabalho... III. Competência da Justiça do Trabalho... IV. Partes e

Leia mais

Diálogo das fontes e eficácia dos direitos fundamentais: síntese para uma nova hermenêutica das relações de trabalho

Diálogo das fontes e eficácia dos direitos fundamentais: síntese para uma nova hermenêutica das relações de trabalho 1 Diálogo das fontes e eficácia dos direitos fundamentais: síntese para uma nova hermenêutica das relações de trabalho Renato Rua de Almeida, advogado trabalhista, doutor em direito pela Faculdade de Direito

Leia mais

BREVES APONTAMENTOS ACERCA DA FUNÇÃO SOCIAL DOS ALIMENTOS NO CÓDIGO CIVIL DE 2002

BREVES APONTAMENTOS ACERCA DA FUNÇÃO SOCIAL DOS ALIMENTOS NO CÓDIGO CIVIL DE 2002 1 BREVES APONTAMENTOS ACERCA DA FUNÇÃO SOCIAL DOS ALIMENTOS NO CÓDIGO CIVIL DE 2002 Noeli Manini Remonti 1 A lei, ao criar o instituto dos alimentos, estipulou a obrigação alimentar para garantir a subsistência

Leia mais

A PROMULGAÇÃO DE LEI DECORRENTE DE SANÇÃO TÁCITA

A PROMULGAÇÃO DE LEI DECORRENTE DE SANÇÃO TÁCITA A PROMULGAÇÃO DE LEI DECORRENTE DE SANÇÃO TÁCITA Antônio José Calhau de Resende Consultor da Assembléia Legislativa Lei decorrente de sanção tácita. Ausência de promulgação pelo Chefe do Poder Executivo

Leia mais

POSSIBILIDADE DE INCLUSÃO DE SÓCIO COM QUOTAS DE SERVIÇO EM SOCIEDADE DE ADVOGADOS. Palavras-chaves: Sociedade de Advogados, quotas de serviço, OAB.

POSSIBILIDADE DE INCLUSÃO DE SÓCIO COM QUOTAS DE SERVIÇO EM SOCIEDADE DE ADVOGADOS. Palavras-chaves: Sociedade de Advogados, quotas de serviço, OAB. POSSIBILIDADE DE INCLUSÃO DE SÓCIO COM QUOTAS DE SERVIÇO EM SOCIEDADE DE ADVOGADOS Diogo Dória Pinto 1 RESUMO A previsão do art.2º, XIII do provimento nº 112/06 do Conselho Federal da Ordem dos Advogados

Leia mais

Proteção Contratual. Contratos no CDC Princípios dos contratos Cláusulas Abusivas Garantia contratual

Proteção Contratual. Contratos no CDC Princípios dos contratos Cláusulas Abusivas Garantia contratual Proteção Contratual Contratos no CDC Princípios dos contratos Cláusulas Abusivas Garantia contratual Contratos de adesão Nas últimas décadas, a produção em massa e a comercialização em grande escala geraram

Leia mais

CONTRATOS ATÍPICOS Limites legais e dogmáticos para criação uma nova perspectiva a partir do Código Civil.

CONTRATOS ATÍPICOS Limites legais e dogmáticos para criação uma nova perspectiva a partir do Código Civil. CONTRATOS ATÍPICOS Limites legais e dogmáticos para criação uma nova perspectiva a partir do Código Civil. Adalgiza Paula O. Mauro Advogada no Paraná, pós-graduada em Direito Civil e Direito Processual

Leia mais

AULA 10: CONTRATOS ADMINISTRATIVOS. Professor Thiago Gomes

AULA 10: CONTRATOS ADMINISTRATIVOS. Professor Thiago Gomes AULA 10: CONTRATOS ADMINISTRATIVOS Professor Thiago Gomes 1. NOS CAPÍTULOS ANTERIORES... 2. CONTEXTUALIZAÇÃO O QUE VEM NA MENTE QUANDO OUVIMOS A PALAVRA CONTRATOS ADMINISTRATIVOS? 1. CONCEITO - CONTRATOS

Leia mais

CONTRATO DE CONVIVÊNCIA E SUAS REPERCUSSÕES NO DIREITO SUCESSÓRIO

CONTRATO DE CONVIVÊNCIA E SUAS REPERCUSSÕES NO DIREITO SUCESSÓRIO CONTRATO DE CONVIVÊNCIA E SUAS REPERCUSSÕES NO DIREITO SUCESSÓRIO Edgard Borba Fróes Neto 1 Resumo A possibilidade dos companheiros livremente estipularem regras de cunho patrimonial, mediante celebração

Leia mais

A partir desta posição compromissória da Constituição de 1988, a efetividade dos direitos sociais fica submetida a uma miríade de obstáculos, a saber:

A partir desta posição compromissória da Constituição de 1988, a efetividade dos direitos sociais fica submetida a uma miríade de obstáculos, a saber: Posição Compromissória da CRFB e a Doutrina da Efetividade A partir desta posição compromissória da Constituição de 1988, a efetividade dos direitos sociais fica submetida a uma miríade de obstáculos,

Leia mais

RELAÇÕES DE TRABALHO DICIONÁRIO

RELAÇÕES DE TRABALHO DICIONÁRIO RELAÇÕES DE TRABALHO Conjunto de normas e princípios que regem a relação entre aquele que detém o poder de contratar outro para desenvolver determinada atividade e aquele que mobilizado para tal executa

Leia mais

A LEI 9.656/98 E O CDC

A LEI 9.656/98 E O CDC A LEI 9.656/98 E O CDC Daniela Maria Paludo 1 A Lei 9656/98 foi elaborada a partir de inúmeras discussões entre entidades de defesa do consumidor, representantes dos planos de seguro saúde, corporações

Leia mais

FACULDADE DE PARÁ DE MINAS Reconhecida pelo Decreto 79.090 de 04/01/1970

FACULDADE DE PARÁ DE MINAS Reconhecida pelo Decreto 79.090 de 04/01/1970 CURSO DE DIREITO 2º SEMESTRE 2013 PERÍODO: 4º DISCIPLINA: Direito Civil III - Teoria Geral dos Contratos e Responsabilidade Civil CARGA HORÁRIA TOTAL: 80 h/a. CRÉDITOS: 04 PROFESSORA: MÁRCIA PEREIRA COSTA

Leia mais

LEASING E PRISÃO CIVIL

LEASING E PRISÃO CIVIL MARIANA RIBEIRO SANTIAGO (ADVOGADA FORMADA PELA FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA-UFBA; ESPECIALISTA EM CONTRATOS PELA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC/ SP; E MESTRANDA

Leia mais

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO EURÍPEDES DE MARÍLIA AUTOR(ES): GIOVANE MORAES PORTO

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO EURÍPEDES DE MARÍLIA AUTOR(ES): GIOVANE MORAES PORTO TÍTULO: IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA DOS PRECEDENTES VINCULANTES NO ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO E A DELIMITAÇÃO DO QUADRO SEMÂNTICO DOS TEXTOS NORMATIVOS. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br O objeto social e os limite da atuação do administrador da sociedade empresarial. A teoria do ato ultra vires Amanda Alves Moreira* 1. INTRODUÇÃO As sociedades comerciais, na situação

Leia mais

OS CONTRATOS CATIVO DE LONGA DURAÇÃO NO DIREITO DO CONSUMIDOR

OS CONTRATOS CATIVO DE LONGA DURAÇÃO NO DIREITO DO CONSUMIDOR 2651 X Salão de Iniciação Científica PUCRS OS CONTRATOS CATIVO DE LONGA DURAÇÃO NO DIREITO DO CONSUMIDOR Colaborador: Vicente Maboni Guzinski Orientadora: Profa. Dra. Cláudia Lima Marques Faculdade de

Leia mais

EFICÁCIA E APLICAÇÃO DAS NORMAS CONSTITUCIONAIS

EFICÁCIA E APLICAÇÃO DAS NORMAS CONSTITUCIONAIS EFICÁCIA E APLICAÇÃO DAS NORMAS CONSTITUCIONAIS 1 Eficácia é o poder que tem as normas e os atos jurídicos para a conseqüente produção de seus efeitos jurídicos próprios. No sábio entendimento do mestre

Leia mais

Os Embargos Arbitrais e a Revitalização da Sentença Arbitral

Os Embargos Arbitrais e a Revitalização da Sentença Arbitral Os Embargos Arbitrais e a Revitalização da Sentença Arbitral Prevê a Lei de Arbitragem (Lei n. 9.307/96) período de tempo no qual, após a sentença arbitral proferida, ainda será possível ao árbitro ou

Leia mais

FUNDAMENTAÇÃO DO DIREITO INTERNACIONAL RESUMO

FUNDAMENTAÇÃO DO DIREITO INTERNACIONAL RESUMO 1 FUNDAMENTAÇÃO DO DIREITO INTERNACIONAL Lucas Hage Chahine Assumpção 1 RESUMO Esse trabalho foi elaborado a partir de uma problemática levantada no livro Curso de Direito Internacional Público, de autoria

Leia mais

Natanael Gomes Bittencourt Acadêmico do 10º semestre de Direito das Faculdades Jorge Amado

Natanael Gomes Bittencourt Acadêmico do 10º semestre de Direito das Faculdades Jorge Amado ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Natanael Gomes Bittencourt Acadêmico do 10º semestre de Direito das Faculdades Jorge Amado Resumo: A Administração Pública se liga ao interesse público e às necessidades sociais,

Leia mais

DA INCONSTITUCIONALIDADE DA PRISÃO DO DEPOSITÁRIO INFIEL

DA INCONSTITUCIONALIDADE DA PRISÃO DO DEPOSITÁRIO INFIEL 1 DA INCONSTITUCIONALIDADE DA PRISÃO DO DEPOSITÁRIO INFIEL Edson Ribeiro De acordo com a Convenção de Viena (1969), os tratados internacionais são acordos internacionais firmados entre Estados, na forma

Leia mais

Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos

Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos DESAFIOS E PERSPECTIVAS PARA O DIÁLOGO SOCIAL NO BRASIL: O MODELO SINDICAL BRASILEIRO E A REFORMA SINDICAL Zilmara Davi de Alencar * Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR DIREITOS FUNDAMENTAIS BRUNO PRISINZANO PEREIRA CREADO: Advogado trabalhista e Membro do Conselho Nacional de Pesquisa e Pós- Graduação em Direito. Mestre em direitos sociais e trabalhistas. Graduado em

Leia mais

Instituições do Direito Público e Privado

Instituições do Direito Público e Privado Instituições do Direito Público e Privado Professora conteudista: Cristiane Nagai Sumário Instituições do Direito Público e Privado Unidade I 1 INTRODUÇÃO AO DIREITO...1 1.1 Conceitos gerais de direito...2

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO CIVIL

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO CIVIL PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO CIVIL P á g i n a 1 QUESTÃO 1 - Como se resolve, à luz do Direito Civil brasileiro contemporâneo, e do ponto de vista de uma racionalidade tópicosistemática, o

Leia mais

3. Características do Direito Internacional Público

3. Características do Direito Internacional Público 18 Paulo Henrique Gonçalves Portela regular as relações entre os Estados soberanos e delimitar suas competências nas relações internacionais; regular as relações internacionais naquilo que envolvam não

Leia mais

5º Seminário: Construindo caminhos para o Desenvolvimento Sustentável das Autogestões

5º Seminário: Construindo caminhos para o Desenvolvimento Sustentável das Autogestões 5º Seminário: Construindo caminhos para o Desenvolvimento Sustentável das Autogestões A crise do princípio da legalidade: a Lei nº 9.656/98 está vigindo? Os juízes podem deixar de observá-la, com fundamento

Leia mais

A FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA

A FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA A FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA Giovanna Filomena Silveira Teles Advogada. Pós-graduanda em Direito Civil pela Faculdade de Direito Milton Campos 1. BREVE HISTÓRICO DO DIREITO EMPRESARIAL Para melhor compreendermos

Leia mais

O SILÊNCIO DA LEI NA ESFERA ADMINISTRATIVA

O SILÊNCIO DA LEI NA ESFERA ADMINISTRATIVA 71 O SILÊNCIO DA LEI NA ESFERA ADMINISTRATIVA Camilla Mendonça Martins Acadêmica do 2º ano do curso de Direito das FITL AEMS Mariana Ineah Fernandes Acadêmica do 2º ano do curso de Direito das FITL AEMS

Leia mais

23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares

23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares 23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando estabelecer disposições comuns para regulamentar o

Leia mais

RESULTADOS DA TEORIA DA DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA

RESULTADOS DA TEORIA DA DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 RESULTADOS DA TEORIA DA DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA Josyane Mansano 1 ; Marcos

Leia mais

Considerações sobre Saúde Suplementar no Brasil e a incidência da Lei 9.656/98 diante dos princípios do Código de Defesa do Consumidor

Considerações sobre Saúde Suplementar no Brasil e a incidência da Lei 9.656/98 diante dos princípios do Código de Defesa do Consumidor 111 Considerações sobre Saúde Suplementar no Brasil e a incidência da Lei 9.656/98 diante dos princípios do Código de Defesa do Consumidor Daniella Alvarez Prado 1 INTRODUÇÃO A Constituição, como corpo

Leia mais

Direito Administrativo 4º semestre Professora Ilza Facundes. Introdução ao. Direito Administrativo

Direito Administrativo 4º semestre Professora Ilza Facundes. Introdução ao. Direito Administrativo 4º semestre Professora Ilza Facundes Introdução ao Direito Administrativo NOÇÕES GERAIS O estudo do Direito Administrativo, no Brasil, torna- se um pouco penoso pela falta de um código, uma legislação

Leia mais

Dr.Januário Montone D.D. Diretor Presidente da ANS Agência Nacional de Saúde Suplementar

Dr.Januário Montone D.D. Diretor Presidente da ANS Agência Nacional de Saúde Suplementar São Paulo, 06 outubro de 2003 Aos Ilmos. Srs. Dr.Fausto Pereira dos Santos DD. Diretor do Departamento de Controle e Avaliação de Sistemas do Ministério da Saúde e Coordenador Geral do Fórum de Saúde Suplementar

Leia mais

A PRIVATIZAÇÃO DAS RELAÇÕES DE TRABALHO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DIREITOS ADQUIRIDOS OU ARBÍTRIO LEGISLATIVO?

A PRIVATIZAÇÃO DAS RELAÇÕES DE TRABALHO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DIREITOS ADQUIRIDOS OU ARBÍTRIO LEGISLATIVO? A PRIVATIZAÇÃO DAS RELAÇÕES DE TRABALHO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DIREITOS ADQUIRIDOS OU ARBÍTRIO LEGISLATIVO? Intervenção de Lino José Baptista Rodrigues Ribeiro Juiz Desembargador do Tribunal Central

Leia mais

CONFEDERAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES COMERCIAIS E EMPRESARIAIS DO BRASIL - CACB

CONFEDERAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES COMERCIAIS E EMPRESARIAIS DO BRASIL - CACB CONFEDERAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES COMERCIAIS E EMPRESARIAIS DO BRASIL - CACB OS LIMITES DA AUTONOMIA DA VONTADE KÉLVIN WESLER SANTANA BAUER Primavera do Leste/MT 2014/1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 04 2 SOCIEDADE,

Leia mais

A dignidade da pessoa humana e os valores da liberdade, da igualdade e da solidariedade

A dignidade da pessoa humana e os valores da liberdade, da igualdade e da solidariedade Direitos humanos: considerações gerais Camila Bressanelli * A dignidade da pessoa humana e os valores da liberdade, da igualdade e da solidariedade Análise contextual: Para o estudo dos direitos humanos

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE DIREITO

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE DIREITO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO Projeto de Pesquisa Individual Prof. FREDERICO VIEGAS DIREITO CIVIL- CONSTITUCIONAL

Leia mais

INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade.

INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade. INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade. Jaileno Miranda Conceição¹ RESUMO O Direito Administrativo é um ramo do Direito Público composto por órgãos, agentes, e pessoas jurídicas administrativas,

Leia mais

I Notas básicas para compreensão da questão Vamos a algumas premissas históricas, básicas e óbvias para a compreensão do problema:

I Notas básicas para compreensão da questão Vamos a algumas premissas históricas, básicas e óbvias para a compreensão do problema: OPINIÃO Estatuto da Pessoa com Deficiência causa perplexidade (Parte I) 6 de agosto de 2015, 19h02 Por José Fernando Simão Em 6 de julho de 2015, foi publicada a Lei Ordinária 13.146, que institui a Inclusão

Leia mais

Discente do curso de Ciências Contábeis do Centro Universitário Internacional (UNINTER). E-mail: lsgustavo92@ig.com.br.

Discente do curso de Ciências Contábeis do Centro Universitário Internacional (UNINTER). E-mail: lsgustavo92@ig.com.br. 559 ASPECTOS GERAIS SOBRE OS PRINCÍPIOS GERAIS DA CONTABILIDADE E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E O PAPEL PREPONDERANTE DA CONTABILIDADE PÚBLICA NA PROBIDADE ADMINISTRATIVA Luis Gustavo Esse Discente do curso

Leia mais

CONCEITO E EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO DIREITO ECONÔMICO CONCEITO DE DIREITO ECONÔMICO SUJEITO - OBJETO

CONCEITO E EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO DIREITO ECONÔMICO CONCEITO DE DIREITO ECONÔMICO SUJEITO - OBJETO CONCEITO E EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO DIREITO ECONÔMICO CONCEITO DE DIREITO ECONÔMICO SUJEITO - OBJETO CONCEITO DIREITO ECONÔMICO É O RAMO DO DIREITO QUE TEM POR OBJETO A JURIDICIZAÇÃO, OU SEJA, O TRATAMENTO

Leia mais

CONSTITUCIONALIZAÇÃO DO DIREITO CIVIL

CONSTITUCIONALIZAÇÃO DO DIREITO CIVIL 1 CONSTITUCIONALIZAÇÃO DO DIREITO CIVIL Flavio Meirelles Vettori 1 RESUMO: Neste artigo, apresentam-se aspectos gerais do direito civil, de forma sintética e introdutiva para, na seqüência, tratar da constitucionalização

Leia mais

CONTRATOS DE TRABALHO DE ADESÃO

CONTRATOS DE TRABALHO DE ADESÃO compilações doutrinais VERBOJURIDICO CONTRATOS DE TRABALHO DE ADESÃO SENTIDO DA APLICAÇÃO DO DIPLOMA DAS CLAUSULAS CONTRATUAIS GERAIS AOS CONTRATOS DE TRABALHO VÍTOR PACHECO ADVOGADO ESTAGIÁRIO verbojuridico

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

Contratos de Planos de Saúde: Princípios Básicos da Atividade

Contratos de Planos de Saúde: Princípios Básicos da Atividade Contratos de Planos de Saúde: Princípios Básicos da Atividade 305 Márcio Olmo Cardoso 1 O contrato é um acordo de vontade que gera obrigações (efeitos jurídicos) de natureza jurídica bilateral; ou seja,

Leia mais

Cuida das relações coletivas de trabalho, onde os interesses cuidados são os de um grupo social. São instituições do direito coletivo do trabalho:

Cuida das relações coletivas de trabalho, onde os interesses cuidados são os de um grupo social. São instituições do direito coletivo do trabalho: Legislação Social Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 38 DIREITO COLETIVO DO TRABALHO Cuida das relações coletivas de trabalho, onde os interesses cuidados são os de um grupo social. São instituições

Leia mais

EXERCÍCIO 1. EXERCÍCIO 1 Continuação

EXERCÍCIO 1. EXERCÍCIO 1 Continuação Direito Civil Contratos Aula 1 Exercícios Professora Consuelo Huebra EXERCÍCIO 1 Assinale a opção correta com relação aos contratos. a) O contrato preliminar gera uma obrigação de fazer, no entanto não

Leia mais

Direito do Consumidor: Importante Instrumento de Regulação do Mercado. Anotações para o debate interno sobre Regulação e Direito do Consumidor.

Direito do Consumidor: Importante Instrumento de Regulação do Mercado. Anotações para o debate interno sobre Regulação e Direito do Consumidor. NOTA TÉCNICA n 3 Direito do Consumidor: Importante Instrumento de Regulação do Mercado. Anotações para o debate interno sobre Regulação e Direito do Consumidor. Alayde Avelar Freire Sant Anna Ouvidora/ANAC

Leia mais

Site Jurídico S.O.S Estagiários (www.sosestagiarios.com) Trabalhos Prontos Gratuitos LEI DE ARBITRAGEM EVOLUÇÃO HISTÓRICA

Site Jurídico S.O.S Estagiários (www.sosestagiarios.com) Trabalhos Prontos Gratuitos LEI DE ARBITRAGEM EVOLUÇÃO HISTÓRICA LEI DE ARBITRAGEM EVOLUÇÃO HISTÓRICA Nos primórdios da sociedade romana, surgiu o instituto da arbitragem como forma de resolver conflitos oriundos da convivência em comunidade, como função pacificadora

Leia mais

DISCIPLINA: DIREITO CIVIL

DISCIPLINA: DIREITO CIVIL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO DISCIPLINA: DIREITO CIVIL QUESTÃO Nº 01 Protocolo: 11914006624-8 Postula o recorrente a majoração da nota atribuída à questão n. 1, sustentando

Leia mais

FAMÍLIA NO DIREITO CIVIL BRASILEIRO 1. Keith Diana da Silva

FAMÍLIA NO DIREITO CIVIL BRASILEIRO 1. Keith Diana da Silva FAMÍLIA NO DIREITO CIVIL BRASILEIRO 1 Keith Diana da Silva keith.diana@hotmail.com FAC São Roque NPI: Núcleo de Pesquisa Interdisciplinar Introdução A família foi gradativamente se evoluindo, sofrendo

Leia mais

Márcio Ronaldo de Assis 1

Márcio Ronaldo de Assis 1 1 A JUSTIÇA COMO COMPLETUDE DA VIRTUDE Márcio Ronaldo de Assis 1 Orientação: Prof. Dr. Juscelino Silva As virtudes éticas derivam em nós do hábito: pela natureza, somos potencialmente capazes de formá-los

Leia mais

UMA LEITURA DO PAPEL JURISDICIONAL A PARTIR DO NOVO CÓDIGO CIVIL

UMA LEITURA DO PAPEL JURISDICIONAL A PARTIR DO NOVO CÓDIGO CIVIL Série Aperfeiçoamento de Magistrados 13 10 Anos do Código Civil - Aplicação, Acertos, Desacertos e Novos Rumos Volume I 89 UMA LEITURA DO PAPEL JURISDICIONAL A PARTIR DO NOVO CÓDIGO CIVIL CRISTIANE TOMAZ

Leia mais

A CONCILIAÇÃO: DEVER ÉTICO DO ADVOGADO

A CONCILIAÇÃO: DEVER ÉTICO DO ADVOGADO A CONCILIAÇÃO: DEVER ÉTICO DO ADVOGADO EM BUSCA DA PAZ E DA JUSTIÇA Maria Avelina Imbiriba Hesketh 1 1. Introdução A prestação jurisdicional efetiva é uma questão de Justiça Social. Antes de entrar no

Leia mais

A LEI nº 12.441/2011 E A POSSIBILIDADE DE CONSTITUIÇÃO DE EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA

A LEI nº 12.441/2011 E A POSSIBILIDADE DE CONSTITUIÇÃO DE EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA A LEI nº 12.441/2011 E A POSSIBILIDADE DE CONSTITUIÇÃO DE EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA 1- INTRODUÇÃO Com o advento da lei nº 12.441 de 11 de julho de 2011, que altera o Código Civil,

Leia mais

LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL: REQUISITOS PARA CONCESSÃO DE INCENTIVOS TRIBUTÁRIOS

LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL: REQUISITOS PARA CONCESSÃO DE INCENTIVOS TRIBUTÁRIOS LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL: REQUISITOS PARA CONCESSÃO DE INCENTIVOS TRIBUTÁRIOS Kiyoshi Harada SUMÁRIO: 1 Introdução. 2 Requisitos para Concessão de Incentivos Tributários. 3 Diversas Modalidades de

Leia mais

DA ILEGALIDADE NO CONTROLE, PELO EMPREGADOR, DO ENDEREÇO ELETRÔNICO ( E-MAIL ) FORNECIDO EM DECORRÊNCIA DA RELAÇÃO DE TRABALHO

DA ILEGALIDADE NO CONTROLE, PELO EMPREGADOR, DO ENDEREÇO ELETRÔNICO ( E-MAIL ) FORNECIDO EM DECORRÊNCIA DA RELAÇÃO DE TRABALHO DA ILEGALIDADE NO CONTROLE, PELO EMPREGADOR, DO ENDEREÇO ELETRÔNICO ( E-MAIL ) FORNECIDO EM DECORRÊNCIA DA RELAÇÃO DE TRABALHO Palavras-chaves: Controle. E-mail. Empregado. Matheus Diego do NASCIMENTO

Leia mais

NOTA TÉCNICA JURÍDICA

NOTA TÉCNICA JURÍDICA 1 NOTA TÉCNICA JURÍDICA Obrigatoriedade de dispensa motivada. Decisão STF RE 589998 Repercussão geral. Aplicação para as sociedades de economia mista e empresas Públicas. Caso do BANCO DO BRASIL e CAIXA

Leia mais

Educação e Desenvolvimento Social

Educação e Desenvolvimento Social Educação e Desenvolvimento Social Luiz Antonio Cunha Os Princípios Gerais do Liberalismo O liberalismo é um sistema de crenças e convicções, isto é, uma ideologia. Todo sistema de convicções tem como base

Leia mais

Repercussões do novo CPC para o Direito Contratual

Repercussões do novo CPC para o Direito Contratual Repercussões do novo CPC para o Direito Contratual O NOVO CPC E O DIREITO CONTRATUAL. PRINCIPIOLOGIA CONSTITUCIONAL. REPERCUSSÕES PARA OS CONTRATOS. Art. 1 o O processo civil será ordenado, disciplinado

Leia mais

ENUNCIADOS DAS I, III E IV JORNADAS DE DIREITO CIVIL DIREITO DE FAMÍLIA E SUCESSÕES

ENUNCIADOS DAS I, III E IV JORNADAS DE DIREITO CIVIL DIREITO DE FAMÍLIA E SUCESSÕES As Jornadas de Direito Civil são uma realização do Conselho da Justiça Federal - CJF e do Centro de Estudos Jurídicos do CJF. Nestas jornadas, compostas por especialistas e convidados do mais notório saber

Leia mais

Comentários e Sugestões Acerca do Anteprojeto sobre Proteção de Dados Pessoais

Comentários e Sugestões Acerca do Anteprojeto sobre Proteção de Dados Pessoais Comentários e Sugestões Acerca do Anteprojeto sobre Proteção de Dados Pessoais Equifax do Brasil Ltda., empresa com mais de 100 anos de existência e presente em mais de 15 países, tendo iniciado suas atividades

Leia mais

JURIDICIDADE DO AUMENTO DA JORNADA DE TRABALHO DE SERVIDORES PÚBLICOS

JURIDICIDADE DO AUMENTO DA JORNADA DE TRABALHO DE SERVIDORES PÚBLICOS ESTUDO JURIDICIDADE DO AUMENTO DA JORNADA DE TRABALHO DE SERVIDORES PÚBLICOS Leonardo Costa Schuler Consultor Legislativo da Área VIII Administração Pública ESTUDO MARÇO/2007 Câmara dos Deputados Praça

Leia mais

Do contrato social ou Princípios do direito político

Do contrato social ou Princípios do direito político Jean-Jacques Rousseau Do contrato social ou Princípios do direito político Publicada em 1762, a obra Do contrato social, de Jean-Jacques Rousseau, tornou-se um texto fundamental para qualquer estudo sociológico,

Leia mais

A DEFESA DO DEVEDOR NO MICROSSISTEMA PROCESSUAL DO JUI- ZADO ESPECIAL CÍVEL E A LEI N 11.232/05

A DEFESA DO DEVEDOR NO MICROSSISTEMA PROCESSUAL DO JUI- ZADO ESPECIAL CÍVEL E A LEI N 11.232/05 A DEFESA DO DEVEDOR NO MICROSSISTEMA PROCESSUAL DO JUI- ZADO ESPECIAL CÍVEL E A LEI N 11.232/05 MARCO AURÉLIO MARTINS ROCHA ADVOGADO, ESPECIALISTA EM DIREITOS REAIS, JUIZ LEIGO A existência de título executivo

Leia mais

SEMINÁRIO - O PODER JUDICIÁRIO E O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL ENUNCIADOS APROVADOS

SEMINÁRIO - O PODER JUDICIÁRIO E O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL ENUNCIADOS APROVADOS 1) Entende-se por fundamento referido no art. 10 do CPC/2015 o substrato fático que orienta o pedido, e não o enquadramento jurídico atribuído pelas partes. 2) Não ofende a regra do contraditório do art.

Leia mais

14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial

14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial 14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial Os Estados signatários da presente Convenção, desejando criar os meios

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO 1. Na teoria contratualista, o surgimento do Estado e a noção de contrato social supõem que os indivíduos abrem mão de direitos (naturais)

Leia mais

ATUAÇÃO DA ANS E CONTRATOS COLETIVOS

ATUAÇÃO DA ANS E CONTRATOS COLETIVOS ATUAÇÃO DA ANS E CONTRATOS COLETIVOS O que é contrato coletivo? ou coletivo. No que diz respeito à modalidade de contratação, o plano de saúde pode ser individual, familiar, Os planos de saúde individuais

Leia mais

Contrato de Prestação de Serviços. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Contrato de Prestação de Serviços. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Contrato de Prestação de Serviços Contrato de Prestação de Serviços Visão Geral dos Contratos: Formação dos Contratos;e Inadimplemento Contratual. Formação dos Contratos Validade do Negócio Jurídico: Agente

Leia mais

EVOLUÇÃO DA APLICAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS SOCIAIS NO ORDENAMENTO JURIDICO BRASILEIRO.

EVOLUÇÃO DA APLICAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS SOCIAIS NO ORDENAMENTO JURIDICO BRASILEIRO. 1 EVOLUÇÃO DA APLICAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS SOCIAIS NO ORDENAMENTO JURIDICO BRASILEIRO. Clarissa Felipe Cid 1 Sumário:1. Introdução. 2. A distinção entre direitos humanos e fundamentais. 3. Como são aplicadas

Leia mais

DO REGISTRO DA COMPRA E VENDA CONDICIONAL

DO REGISTRO DA COMPRA E VENDA CONDICIONAL DO REGISTRO DA COMPRA E VENDA CONDICIONAL João Pedro Lamana Paiva 1 Resumo: este artigo faz uma abordagem acerca do registro do contrato de compra e venda de imóvel que contenha cláusula que condicione

Leia mais

INTERVENÇÃO DO ESTADO NO DOMÍNIO ECONÔMICO

INTERVENÇÃO DO ESTADO NO DOMÍNIO ECONÔMICO INTERVENÇÃO DO ESTADO NO DOMÍNIO ECONÔMICO O ESTADO VEIO TENDO, NO DECORRER DO SÉCULO XX, ACENTUADO PAPEL NO RELACIONAMENTO ENTRE DOMÍNIO JURÍDICO E O ECONÔMICO. HOJE, TAL RELAÇÃO JÁ SOFRERA PROFUNDAS

Leia mais

O PRINCÍPIO DA IRRENUNCIABILIDADE DOS DIREITOS TRABALHISTAS

O PRINCÍPIO DA IRRENUNCIABILIDADE DOS DIREITOS TRABALHISTAS O PRINCÍPIO DA IRRENUNCIABILIDADE DOS DIREITOS TRABALHISTAS SAMIRA MARQUES HENRIQUES 1 RESUMO: O presente trabalho tem a pretensão de contribuir para a discussão a cerca do Princípio específico do Direito

Leia mais

ESTADO DO PIAUÍ CÂMARA MUNICIPAL DE TERESINA Assessoria Jurídica Legislativa

ESTADO DO PIAUÍ CÂMARA MUNICIPAL DE TERESINA Assessoria Jurídica Legislativa PARECER AJL/CMT Nº 031/2015. Teresina (PI), 04 de março de 2015. Assunto: Projeto de Lei nº 029/2015 Autor: Vereadora Teresa Britto Ementa: Dispõe sobre a obrigatoriedade, no âmbito do Município de Teresina,

Leia mais