Experiências de Portugal na Geração de Energia a partir de Resíduos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Experiências de Portugal na Geração de Energia a partir de Resíduos"

Transcrição

1 PAINEL 2 - Geração de Energia a partir de Lodo e Biomassa Experiências de Portugal na Geração de Energia a partir de Resíduos Mário Russo Prof. Coordenador Instituto Politécnico de Viana do Castelo Vice-Presidente da APESB

2 Sumário Antecedentes Enquadramento da gestão dos RSU em Portugal Entidades gestoras de RSU e infraestruturas existentes Aproveitamento do biogás de aterros Valorização energética dos resíduos

3 PLANO ESTRATÉGICO dos RSU (PERSU,1997) Objetivos Encerramento de todas as lixeiras (lixões) até 2000 Construção de novas infra-estruturas Reforço de recolha seletiva e reciclagem multimaterial 3

4 Diretiva Quadro dos Resíduos da UE 2008/98/CE, 19 novembro

5 Situação em Municípios 5 Centrais de Compostagem 13 aterros controlados 341 lixeiras (lixões) 5

6 PERSU: Balanço global Municípios 23 Empresas 5 Centrais de Compostagem 13 locais de disposição controlada 341 lixeiras 9 Centrais de Valorização Orgânica 2 Incineradoras 81 Estações de transferência 37 aterros Sanitários 0 lixeiras 6

7 Gestão de resíduos urbanos em Portugal 12 Empresas multimunicipais: 51% capital social do Estado e restante dos municípios 11 Empresas Intermunicipais: capital social integralmente dos municípios

8 Fonte: APA Infraestruturas de RU em Portugal (2010)

9 Sistemas Multimunicipais Universo EGF Empresas Multimunicipais (Grupo EGF) 12 empresas da EGF: 54% da área portuguesa 60% da população 173 municípios

10 Sistemas Multimunicipais Universo EGF Empresas Intermunicipais (EGSRA) Braval Lipor Ambisousa Resíduos do Noedeste Ecobeirão AM Raia pinhal Resitejo Tratolixo Gesamb Ambilital Resialentejo 11 empresas da EGSRA: 40% da área portuguesa 34 % da população

11 Caracterização dos RSU em Portugal Portugal: Embalagens nos RSU Papel e Cartão; 5.13% total; 16.54% Plástico; 3.44% Vidro; 6.63% Madeira; 0.26% Metais; 1.09% XV SILUBESA Belo Horizonte 11

12

13 Composição dos resíduos urbanos em aterro RUB 35.8 % Vão para aterro

14 Composição média do biogás Componente Intervalo Média Metano (CH 4 ) % 50% Dióxido de carbono (CO 2 ) % 45% Nitrogénio (N) 2,0 5,0 % 3,0% Hidrogénio (H) 0-0,2 % 1,0% Oxigénio (O) 0,1-1,0 % 0,50%

15 Potencial do biogás em Portugal por setor Ano aterro incineração VO Recolha Seletiva total Setor Produção (GWh) Potência (MW) tep RSU t/ano ETAR Agro-Alimentar Agro-Pecuária

16 Esquema do aproveitamento do biogás num Centro Eletroprodutor de um aterro

17 Centros Electroprodutores de Biogás Amarsul Valorlis

18 Centros Electroprodutores de Biogás Suldouro Valorminho Resiestrela Fonte: A. Cabeças

19 Centros eletroprodutores de aterros em Portugal Empresa Potência instalada (kw) Fonte: EGF, A. Cabeças, EGSRA e autor Entrada em Operação Energia injectada na rede (MWh/2010) Investimento ( ) VALORMINHO 537 1ºTri RESULIMA º Tri RESINORTE SULDOURO RESIESTRELA 800 Mar ERSUC VALORLIS VALORSUL AMARSUL VALNOR 800 4ºTri ALGAR Braval 2009 Ambisousa Resíduos do Noedeste Tratolixo

20 Zona Norte Fonte: EGF, A. Cabeças

21 Zona Centro Fonte: EGF, A. Cabeças

22 Centros Electroprodutores de Biogás Universo EGF Zona Sul Fonte: EGF, A. Cabeças

23 Mais energia dos resíduos Incineração CDR

24 O que é o CDR? Entende-se o CDR como um combustível sólido preparado a partir de resíduos não perigosos e que esteja de acordo com a classificação e especificações exigidas na norma - NP 4486:2008, norma esta que está, por seu turno, em conformidade com a norma do Comité Europeu de Normalização - CEN/TS15359:2006. Ou seja, é um produto com especificações apertadas. No entanto os CDR são classificados como resíduos, com o código Resíduos combustíveis (combustíveis derivados de resíduos), segundo a LER. Porém, a Diretiva nº 2008/98/CE, preconiza que determinados resíduos específicos possam deixar o estatuo de resíduo caso tenham sido submetidos a uma operação de valorização e satisfaçam um conjunto de requisitos.

25 Estratégia nacional para os CDR Eixo I Potenciar a valorização dos resíduos e utilização de recursos energéticos endógenos de modo a minimizar a quantidade de resíduos a depositar em aterro. Eixo II - Assegurar a harmonização na oferta e procura de CDR. Eixo III - Concretizar os princípios da auto-suficiência e da proximidade e Eixo IV - Desenvolver o conhecimento e a inovação tecnológica promovendo a competitividade e a qualificação dos intervenientes. Refere ainda.

26 Estratégia nacional para os CDR Refere ainda a Estratégia que o TMB permite a recuperação de materiais para reciclagem, a estabilização de materiais fermentáveis (através de digestão anaeróbia ou compostagem) e a produção de Combustível Derivado de Resíduos (CDR).

27 Levantamento do potencial de CDR em Portugal Produção estimada de refugos para CDR, provenientes dos TM e TMB: a) Região Norte: t/ano; b) Região Centro: t/ano; c) Região LVT: t/ano e, d) Região Alentejo e Sul: t/ano, ( representa cerca de 21% dos resíduos produzidos em Portugal )

28 Viagem às empresas 28

29 RESULIMA (Viana do Castelo) Um aterro sanitário; Dois ecocentros; Uma estação de triagem; Duas plataformas para receção de REEE; Uma estação de transferência; 912 ecopontos. 29

30 RESULIMA (Viana do Castelo) 30

31 RESULIMA (Viana do Castelo) 31

32 PORTO 32

33 LIPOR (PORTO) Integram os seguintes municípios: Espinho, Gondomar, Maia, Matosi nhos, Porto, Póvoa de Varzim, Valongo e Vila do Conde. População atendida: habitantes Produção anual de Resíduos Urbanos: ton (2010). Unidades tecnológicas: Central de Triagem para a reciclagem; Central de compostagem de resíduos orgânicos recolhidos seletivamente; Incineração com aproveitamento energético aterros sanitários; Ecocentros e ecopontos.

34 LIPOR (PORTO) Tratamento de resíduos: Compostagem - recolhas seletivas de resíduos orgânicos de grandes produtores e os verdes. Tratados anualmente ton de orgânicos e cerca de ton de verdes e produz cerca de ton de composto orgânico. Incineração resíduos indiferenciados processados cerca de ton por ano, com produção de Mwh de energia lançada na rede pública. Reciclagem Cerca de ton /ano para envio aos recicladores

35 LISBOA 35

36 LISBOA

37 Tratolixo 37

38 Tratolixo Trajouce (Cascais) A Tratolixo é uma empresa totalmente municipal, constituída pelo capital social dos municípios que integram a Associação de Municípios AMTRES. Possui instalações em 2 municípios (Cascais e Mafra). Em Cascais são recebidos os resíduos para tratamento mecânico e biológico. Resíduos indiferenciados: ton; Recolhas seletivas: ton; Verdes: ton; Resíduos de limpezas públicas: ton; Monstros e outros volumosos: ton.

39 TRATOLIXO (Mafra) Biogás de 3 biodigestores de 3700 m Edifício da Receção; 2- Edifício do Pré-Tratamento; 3- Edifício da Metanização (introdução, extração, desidratação da matéria); 4- Biodigestores; 5- Edifício da Triagem Secundária; 6- Edifício da Mistura; 7- Edifício de Exploração; 8- Edifício da Afinação; 9-Edifício da Maturação; 10- Edifício de Armazenamento 11- Túneis de Compostagem/Biofiltros 12 Oficina. 39

40 TRATOLIXO (Mafra) 40

41 TRATOLIXO (Mafra) Biogás de 3 biodigestores de 3700 m 3 alimentam 2 motogeradores

42 VALORSUL (LISBOA) 2 Centros de Triagem 8 Ecocentros 1 Central de Valorização Energética 1 Instalação de Tratamento e Valorização de Escórias 1 Estação de Tratamento e Valorização Orgânica 2 Aterros Sanitários 6 Estações de Transferência

43 AMARSUL (LISBOA) 7 Ecocentros (Almada, Alcochete, Barreiro, Moita, Montijo, Seixal e Sesimbra); 2 Estações de Triagem (Palmela e Seixal); 2 Aterros Sanitários (Palmela e Seixal); 1 Estação de Transferência (Sesimbra); 1 Central de Compostagem (Setúbal); 1 Sistema de Aproveitamento Energético de Biogás (Seixal);

44 AMARSUL (LISBOA)

45 OBRIGADO 45

Novas Licenças do SIGRE e Valores de Contrapartida Implicações para o Sector Cátia Borges, Vice-Presidente da Direção da ESGRA Associação para a

Novas Licenças do SIGRE e Valores de Contrapartida Implicações para o Sector Cátia Borges, Vice-Presidente da Direção da ESGRA Associação para a Contrapartida Implicações para o Sector Cátia Borges, Vice-Presidente da Direção da ESGRA Associação para a Gestão de Resíduos e Diretora-Geral da Gesamb A ESGRA tem como missão a promoção dos interesses

Leia mais

METAS DO PERSU 2020: PONTO DE SITUAÇÃO E PERSPECTIVAS FUTURAS. Nuno Lacasta Presidente do Conselho Diretivo

METAS DO PERSU 2020: PONTO DE SITUAÇÃO E PERSPECTIVAS FUTURAS. Nuno Lacasta Presidente do Conselho Diretivo METAS DO PERSU 2020: PONTO DE SITUAÇÃO E PERSPECTIVAS FUTURAS Nuno Lacasta Presidente do Conselho Diretivo 1. APA: FACTOS E NÚMEROS A APA foi criada em 2012, em resultado da fusão de 9 organismos distintos.

Leia mais

Caracterização da situação actual 2010/2011

Caracterização da situação actual 2010/2011 Caracterização da situação actual 2010/2011 Sistemas de Gestão de RU - Infra-estruturas e Equipamentos Um Sistema de Gestão de Resíduos Urbanos (SGRU) é uma estrutura de meios humanos, logísticos, equipamentos

Leia mais

04/02/16 INDICE ESTRATÉGIAS DE RECOLHA SELETIVA RUMO AO CUMPRIMENTO DAS METAS. Histórico da RS no grupo EGF. Histórico da RS no grupo EGF - Ecopontos

04/02/16 INDICE ESTRATÉGIAS DE RECOLHA SELETIVA RUMO AO CUMPRIMENTO DAS METAS. Histórico da RS no grupo EGF. Histórico da RS no grupo EGF - Ecopontos 04/02/16 ESTRATÉGIAS DE RECOLHA SELETIVA RUMO AO CUMPRIMENTO DAS METAS Celes=na Barros EGF, SA INDICE Histórico da Recolha Sele=va no Grupo Metas de retomas Recolha Sele=va Valorização Orgânica Digestão

Leia mais

TRATOLIXO BREVE SÍNTESE DA EVOLUÇÃO DA GESTÃO DE RESÍDUOS EM PORTUGAL. Workshop Valorização Energética de Resíduos Verdes Herbáceos

TRATOLIXO BREVE SÍNTESE DA EVOLUÇÃO DA GESTÃO DE RESÍDUOS EM PORTUGAL. Workshop Valorização Energética de Resíduos Verdes Herbáceos Workshop Valorização Energética de Resíduos Verdes Herbáceos Lisboa (LNEG) TRATOLIXO BREVE SÍNTESE DA EVOLUÇÃO DA GESTÃO DE RESÍDUOS EM PORTUGAL IEE/12/046/SI2,645700 2013-2016 2 Gestão de resíduos Na

Leia mais

Código Cliente Designação Conclusão

Código Cliente Designação Conclusão P17.007 * AMCAL Estudo da Delegação das Competências Municipais de Recolha de Resíduos 2.ª Fase 2017 P17.004 RESÍDUOS NORDESTE EVF da Operação de Valorização Energética de CDR e Biomassa Em curso P16.002

Leia mais

A Valorização de CDR s, uma Oportunidade

A Valorização de CDR s, uma Oportunidade A Valorização de CDR s, uma Oportunidade Gestão e Comunicação na Área dos Resíduos EMAC Empresa de Ambiente de Cascais Estoril, 22 de Setembro de 2009 A LIPOR 8 Municípios Área - 648 km 2 População - 1

Leia mais

RARU 13 ANEXO II Metodologia e Pressupostos

RARU 13 ANEXO II Metodologia e Pressupostos O Decreto-Lei nº 178/2006, de 5 de setembro, com a nova redação do Decreto-Lei n.º 73/2011, de 17 de junho, veio criar um Sistema Integrado de Registo Eletrónico de Resíduos (SIRER), suportado pelo Sistema

Leia mais

Resíduos Urbanos Relatório Anual 2014

Resíduos Urbanos Relatório Anual 2014 Resíduos Urbanos Relatório Anual 2014 Amadora novembro, 2015 Resíduos Urbanos Relatório Anual 2014»3 Ficha técnica: Título: Autoria: Resíduos Urbanos Relatório Anual 2014 Agência Portuguesa do Ambiente,

Leia mais

Composto e CDR, Resíduos ou Produtos?

Composto e CDR, Resíduos ou Produtos? SESSÃO: Resíduos ou Sub-Produtos SESIÓN: SESSION: Composto e CDR, Resíduos ou Produtos? Data: 24 de Outubro de 2008 Orador: João Pedro Rodrigues Composto e CDR, Resíduos ou Produtos? 1. Composto Índice

Leia mais

BENCHMARKING INTERNACIONAL GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

BENCHMARKING INTERNACIONAL GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS WORKSHOP E VISITAS TÉCNICAS A INFRA ESTRUTURAS DE GESTÃO E VALORIZAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM PORTUGAL 1ª Edição: 05/12 a 09/12/2016 2ª Edição: 06/02 a 10/02/2017 APRESENTAÇÃO

Leia mais

A CENTRAL DE VALORIZAÇÃO ORGÂNICA DA ALGAR

A CENTRAL DE VALORIZAÇÃO ORGÂNICA DA ALGAR Workshop Valorização Energética de Resíduos Verdes Herbáceos Hugo Costa Loulé A CENTRAL DE VALORIZAÇÃO ORGÂNICA DA ALGAR DIGESTÃO ANAERÓBIA DE RESIDUOS URBANOS IEE/12/046/SI2,645700 2013-2016 2 Estrutura

Leia mais

TRATOLIXO E.I.M., S.A.

TRATOLIXO E.I.M., S.A. PORTFOLIO 2 TRATOLIXO E.I.M., S.A. 3 4 APRESENTAÇÃO DA TRATOLIXO APRESENTAÇÃO DA TRATOLIXO A empresa encontra-se certificada segundo a norma NP EN ISO 9001:2008 DATA DE CONSTITUIÇÃO 26 Julho de1989 (26

Leia mais

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO Setor dos Resíduos: Importância Estratégica para Portugal 2020 17 de outubro de 2014 / Luís Marinheiro

Leia mais

LIPOR A Sustentabilidade na Gestão dos Resíduos Urbanos

LIPOR A Sustentabilidade na Gestão dos Resíduos Urbanos SEMINÁRIO RESÍDUOS E SAÚDE LIPOR A Sustentabilidade na Gestão dos Resíduos Urbanos Susana Lopes Departamento Produção e Logística 29 de maio de 2013 1 Tópicos Sistema Integrado Gestão de Resíduos o caso

Leia mais

NOME DO CURSO FORMAÇÃO CONTINUA DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS DATA INICIO/DATA FIM 15/06/2015 APRESENTAÇÃO

NOME DO CURSO FORMAÇÃO CONTINUA DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS DATA INICIO/DATA FIM 15/06/2015 APRESENTAÇÃO NOME DO CURSO FORMAÇÃO CONTINUA DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS DATA INICIO/DATA FIM 15/06/2015 APRESENTAÇÃO O principal objetivo deste curso consiste em fornecer aos alunos os conceitos fundamentais sobre

Leia mais

Governo Regional dos Açores Secretaria Regional da Agricultura e Ambiente Direção Regional do Ambiente

Governo Regional dos Açores Secretaria Regional da Agricultura e Ambiente Direção Regional do Ambiente Governo Regional dos Açores Secretaria Regional da Agricultura e Ambiente Direção Regional do Ambiente Data de elaboração: Maio de 2016 Relatório Resíduos Urbanos Ilha de Santa Maria 2015 1. ENQUADRAMENTO

Leia mais

Biogás. Página 1 de 5

Biogás. Página 1 de 5 Biogás O atual sistema económico conduz à produção de grandes quantidades de resíduos agrícolas, industriais e domésticos, os quais, podem conter componentes importantes e valiosos, revelando-se ainda

Leia mais

Plano de Gestão de. Resíduos Sólidos Urbanos

Plano de Gestão de. Resíduos Sólidos Urbanos Plano de Gestão de Resíduos Sólidos Urbanos I. INTRODUÇÃO Até meados do século passado, o lixo doméstico, praticamente, não constituía problema. A maioria dos materiais utilizados continha componentes

Leia mais

PERSU 2020 Plano Estratégico para os Resíduos Urbanos Relatório de Monitorização 2015

PERSU 2020 Plano Estratégico para os Resíduos Urbanos Relatório de Monitorização 2015 PERSU 2020 Plano Estratégico para os Resíduos Urbanos 2014 2020 Relatório de Monitorização 2015 fevereiro de 2017 1/57 FICHA TÉCNICA Título: PERSU 2020: Plano Estratégico para os Resíduos Sólidos Urbanos

Leia mais

Legislação temática Resíduos

Legislação temática Resíduos Diploma Resumo Data Alterações, revogações e normas complementares Portaria nº 1028/92 Estabelece normas de segurança e identificação para o transporte dos óleos usados 05-11-1992 Decreto-Lei nº 138/96

Leia mais

DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE RESÍDUOS

DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE RESÍDUOS ALGAR BARLAVENTO (Lagos) Local de Carga: Aterro Sanitário do Barlavento - Lagos Contacto: Luís Glória Tel.: 282 460 520 Fax: 282 460 529 Email: - ALGAR SOTAVENTO (Faro) Local de Carga: Estação de transferência

Leia mais

DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE RESÍDUOS

DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE RESÍDUOS ALGAR SOTAVENTO Local de Carga: Estação de transferência de Faro/Loulé/ Olhão (Sotavento) Contacto: Rui Oliveira Tel.: 289 897 920 Fax: 289 897 929 Email: - ALGAR BARLAVENTO Local de Carga: Aterro Sanitário

Leia mais

DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE RESÍDUOS.

DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE RESÍDUOS. ALGAR SOTAVENTO Local de Carga: Estação de transferência de Faro/Loulé/ Olhão (Sotavento) Contacto: Rui Oliveira Tel.: 289 897 920 Fax: 289 897 929 Email: - ALGAR BARLAVENTO Local de Carga: Aterro Sanitário

Leia mais

MÓDULO 2. Prof. Dr. Valdir Schalch

MÓDULO 2. Prof. Dr. Valdir Schalch RESÍDUOS SÓLIDOSS MÓDULO 2 Prof. Dr. Valdir Schalch RESÍDUOS SÓLIDOS S - DEFINIÇÃO... aqueles nos estados sólidos e semi-sólidos, que resultam de atividades da comunidade de origem: industrial, doméstica,

Leia mais

Metodologia utilizada para determinação das metas intercalares

Metodologia utilizada para determinação das metas intercalares Metodologia utilizada para determinação das metas intercalares 1. Introdução O Plano Estratégico para os Resíduos Urbanos, PERSU 2020, define três metas vinculativas e específicas por Sistema de Gestão

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS

PLANO DE GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS 2015 PLANO DE GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS Município de Castelo de Vide Gabinete Técnico Florestal Setembro de 2015 INDICE 1. Introdução... 2 1.1. Enquadramento geográfico e populacional... 3 1.2.

Leia mais

TECNOSISTEMAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS

TECNOSISTEMAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS TECNOSISTEMAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS O que é um resíduo (DL 178/2006)? Qualquer substância ou objecto que o detentor se desfaz ou tem a intenção ou a obrigação de se desfazer, nomeadamente os identificados

Leia mais

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa 3º Trimestre de 2015 ÍNDICE 1. MATERIAL RECEBIDO... 3 1.1. PLÁSTICOS... 3 1.2. PAPEL... 4 1.3. VIDRO... 5 1.4. SUCATA... 6 1.5. RESÍDUOS DE EQUIPAMENTOS

Leia mais

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa 1º Trimestre de 2015 ÍNDICE 1. MATERIAL RECEBIDO... 3 1.1. PLÁSTICOS... 3 1.2. PAPEL... 4 1.3. VIDRO... 5 1.4. SUCATA... 6 1.5. RESÍDUOS DE EQUIPAMENTOS

Leia mais

SISTEMA DE APROVEITAMENTO ENERGÉTICO DE BIOGÁS

SISTEMA DE APROVEITAMENTO ENERGÉTICO DE BIOGÁS SISTEMA DE APROVEITAMENTO ENERGÉTICO DE BIOGÁS Sistema multimunicipal de valorização e tratamento de resíduos sólidos urbanos da margem Sul do Tejo Vitor Pascoal Martins Objectivos Conhecer o sistema multimunicipal

Leia mais

Aproveitamento energético do biogás a partir de RSU: desafios tecnológicos e regulatórios

Aproveitamento energético do biogás a partir de RSU: desafios tecnológicos e regulatórios Aproveitamento energético do biogás a partir de RSU: desafios tecnológicos e regulatórios AGOSTO/2014 Aterro Sanitário: Aproveitamento do Biogás e Tratamento de Chorume. MAIO/2014 A CRVR tem como pilares

Leia mais

Contributos da Gestão de Resíduos Urbanos para o Desenvolvimento Socioeconómico e Ambiental de Portugal

Contributos da Gestão de Resíduos Urbanos para o Desenvolvimento Socioeconómico e Ambiental de Portugal Contributos da Gestão de Resíduos Urbanos para o Desenvolvimento Socioeconómico e Ambiental de Portugal Apresentação Pública 28 de maio de 2014 PARCEIROS: ESTUDO PROMOVIDO POR: 1. INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

Leia mais

LOCAIS DE RECEPÇÃO DE RESÍDUOS

LOCAIS DE RECEPÇÃO DE RESÍDUOS LOCAIS DE RECEPÇÃO DE RESÍDUOS - 2009 Fluxos Específicos de Resíduos No presente documento consta a contabilização e distribuição geográfica dos locais de recepção de resíduos de fluxos específicos, tais

Leia mais

A Certificação de Sistemas Integrados Caso LIPOR

A Certificação de Sistemas Integrados Caso LIPOR A Certificação de Sistemas Integrados Caso LIPOR Ciclo de Seminários Técnicos T Eficiência na Gestão de Resíduos duos Constituída por oito Municípios pertencentes à Área Metropolitana do Porto População

Leia mais

Energia a partir de resíduos provenientes de biomassa

Energia a partir de resíduos provenientes de biomassa Energia a partir de resíduos provenientes de biomassa Isabel Cabrita & Ana Marta Paz Divisão de Estudos Investigação e Renováveis DIREÇÃO GERAL DE ENERGIA E GEOLOGIA Workshop oportunidades de valorização

Leia mais

Joana Sabino Chefe da Divisão de Resíduos Sectoriais. GESTÃO DE RESÍDUOS VERDES Enquadramento na política de resíduos

Joana Sabino Chefe da Divisão de Resíduos Sectoriais. GESTÃO DE RESÍDUOS VERDES Enquadramento na política de resíduos Joana Sabino Chefe da Divisão de Resíduos Sectoriais GESTÃO DE RESÍDUOS VERDES Enquadramento na política de resíduos APA A APA foi criada em 2012, em resultado da fusão de 9 organismos distintos. É um

Leia mais

Gestão de Resíduos Solidos na Alemanha Estudo de caso estado Baden- Württemberg

Gestão de Resíduos Solidos na Alemanha Estudo de caso estado Baden- Württemberg Gestão de Resíduos Solidos na Alemanha Estudo de caso estado Baden- Württemberg Dr. Klaus Fischer, M.Sc. Luisa Ferolla Spyer Prates Institute for Sanitary Engineering, Water Quality and Solid Waste Management,

Leia mais

SISTEMA MULTIMUNICIPAL DE VALORIZAÇÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS URBANOS DO SUL DO TEJO PLANO DE AÇÃO DO PERSU PAPERSU 2020

SISTEMA MULTIMUNICIPAL DE VALORIZAÇÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS URBANOS DO SUL DO TEJO PLANO DE AÇÃO DO PERSU PAPERSU 2020 SISTEMA MULTIMUNICIPAL DE VALORIZAÇÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS URBANOS DO SUL DO TEJO PLANO DE AÇÃO DO PERSU 2020 - PAPERSU 2020 Abril, 2015 ÍNDICE 1. Introdução e Enquadramento Histórico... 2 2. O Sistema

Leia mais

Apoio à Economia Circular no Portugal 2020. O caso do PO SEUR. Helena Pinheiro de Azevedo

Apoio à Economia Circular no Portugal 2020. O caso do PO SEUR. Helena Pinheiro de Azevedo Apoio à Economia Circular no Portugal 2020 O caso do PO SEUR Helena Pinheiro de Azevedo ECONOMIA CIRCULAR o que é É uma sociedade que privilegia a Eficiência no Uso de Recursos Naturais Evita o uso e desperdício

Leia mais

SISTEMA MULTIMUNICIPAL DE VALORIZAÇÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA MARGEM SUL DO TEJO

SISTEMA MULTIMUNICIPAL DE VALORIZAÇÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA MARGEM SUL DO TEJO SISTEMA MULTIMUNICIPAL DE VALORIZAÇÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA MARGEM SUL DO TEJO REGULAMENTO DE SERVIÇO DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS ÍNDICE SUMÁRIO EXECUTIVO... 3 SISTEMA MULTIMUNICIPAL...

Leia mais

Desafios da gestão de resíduos sólidos urbanos em Portugal. Pedro Fonseca Santos pedrofs@esb.ucp.pt

Desafios da gestão de resíduos sólidos urbanos em Portugal. Pedro Fonseca Santos pedrofs@esb.ucp.pt Desafios da gestão de resíduos sólidos urbanos em Portugal Pedro Fonseca Santos pedrofs@esb.ucp.pt Evolução da gestão de resíduos na Europa Evolução da capitação de RSU vs. PIB em Portugal e na UE-, 1995-2000

Leia mais

Sistemas de Gestão Integrada de Resíduos Urbanos e Resíduos Especiais

Sistemas de Gestão Integrada de Resíduos Urbanos e Resíduos Especiais Sistemas de Gestão Integrada de Resíduos Urbanos e Resíduos Especiais Teresa Pires dos Reis António Garcia Nunes Lisboa, 20 de outubro, 2014 AGENDA 1. Gestão RU Pré-1990 2. Organização Setor Gestão RU

Leia mais

Técnica. Eng.Andrea Manetti

Técnica. Eng.Andrea Manetti Técnica Eng.Andrea Manetti Cuidado com.. soluções mágicas Quando ocorre um problema grave de disposição de resíduos, sempre há alguém que propõe uma solução mágica, sem custo e com benefícios substanciais

Leia mais

REVISÃO DO SISTEMA AQS SERVIÇO DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS

REVISÃO DO SISTEMA AQS SERVIÇO DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS REVISÃO DO SISTEMA AQS SERVIÇO DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS PROPOSTA DE ALTERAÇÃO RU01a - Acessibilidade física ao serviço(%) RU04a Lavagem de contentores de recolha seletiva RU04b Lavagem de contentores

Leia mais

SISTEMA MULTIMUNICIPAL DE VALORIZAÇÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS URBANOS DA COVA DA BEIRA PLANO DE AÇÃO DO PERSU PAPERSU 2020

SISTEMA MULTIMUNICIPAL DE VALORIZAÇÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS URBANOS DA COVA DA BEIRA PLANO DE AÇÃO DO PERSU PAPERSU 2020 SISTEMA MULTIMUNICIPAL DE VALORIZAÇÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS URBANOS DA COVA DA BEIRA PLANO DE AÇÃO DO PERSU 2020 - PAPERSU 2020 Revisão 1 - Julho, 2015 ÍNDICE 1. Introdução e Enquadramento Histórico...

Leia mais

Plano Municipal de Gestão de Resíduos do Município de Lisboa

Plano Municipal de Gestão de Resíduos do Município de Lisboa Plano Municipal de Gestão de Resíduos do Município de Lisboa [2015-2020] 4ª Comissão Ambiente e Qualidade de Vida Primeiro Plano Municipal de Resíduos na cidade de Lisboa O Caminho [Lisboa Limpa] Melhorar

Leia mais

ATERRO SANITÁRIO INTERMUNICIPAL DA PÓVOA DE VARZIM FEVEREIRO 2008

ATERRO SANITÁRIO INTERMUNICIPAL DA PÓVOA DE VARZIM FEVEREIRO 2008 ATERRO SANITÁRIO INTERMUNICIPAL DA PÓVOA DE VARZIM FEVEREIRO 2008 O PROJECTO Localização Acessibilidades Infra-estruturas Gestão e operacionalidade Arranjo e integração paisagística existente a realizar

Leia mais

COMPOSTAGEM DE VERDES A EXPERIÊNCIA DA ALGAR

COMPOSTAGEM DE VERDES A EXPERIÊNCIA DA ALGAR COMPOSTAGEM DE VERDES A EXPERIÊNCIA DA ALGAR 19 de Maio de 2006 COMPOSTAGEM DE VERDES: A EXPERIÊNCIA DA ALGAR 1. ALGAR : sistema de gestão integrada de RSU 2. Compostagem de Resíduos Verdes Processo Qualidade

Leia mais

SECIL - Inovar para Exportar Dia da Engenharia na Tektónica: A Engenharia Portuguesa no Mundo Internacionalização e Exportação

SECIL - Inovar para Exportar Dia da Engenharia na Tektónica: A Engenharia Portuguesa no Mundo Internacionalização e Exportação SECIL - Inovar para Exportar Dia da Engenharia na Tektónica: A Engenharia Portuguesa no Mundo Internacionalização e Exportação FIL - 11 de Maio 2012 1 Índice Estratégia de Internacionalização e de exportação

Leia mais

DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE RESÍDUOS LOCAIS DE CARGA E CONTACTOS DOS SMAUT

DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE RESÍDUOS LOCAIS DE CARGA E CONTACTOS DOS SMAUT RESIESTRELA Local de Carga: Centro de Tratamento de RSU Estrada de Peroviseu Quinta das Areias, Alçaria, Fundão Contacto: Eng. Ana Fidalgo Tel.: 275 779 331 Fax: 275 779 339 Email: ana.fidalgo@resiestrela.pt

Leia mais

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa 2º Trimestre de 2014 ÍNDICE 1. MATERIAL RECEBIDO... 3 1.1. PLÁSTICOS... 3 1.2. PAPEL... 4 1.3. VIDRO... 5 1.4. SUCATA... 6 1.5. RESÍDUOS DE EQUIPAMENTOS

Leia mais

Indústria Portuguesa: A Chave da Crise O caso da SECIL

Indústria Portuguesa: A Chave da Crise O caso da SECIL Indústria Portuguesa: A Chave da Crise O caso da SECIL JEEC/14 Jornadas de Engenharia Electrotécnica e Computadores do IST 2014.03.11 1 Índice A Crise para a SECIL: Enquadramento A estratégia da SECIL

Leia mais

Resíduos Urbanos Biodegradáveis (RUB) na Estratégia de Gestão de Resíduos Urbanos (RU)

Resíduos Urbanos Biodegradáveis (RUB) na Estratégia de Gestão de Resíduos Urbanos (RU) Resíduos Urbanos Biodegradáveis (RUB) na Estratégia de Gestão de Resíduos Urbanos (RU) Estoril, 22 de Setembro de 2009 Paula Santana Divisão de Resíduos Urbanos Departamento de Operações de Gestão de Resíduos

Leia mais

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa 4º Trimestre de 2014 ÍNDICE 1. MATERIAL RECEBIDO... 3 1.1. PLÁSTICOS... 3 1.2. PAPEL... 4 1.3. VIDRO... 5 1.4. SUCATA... 6 1.5. RESÍDUOS DE EQUIPAMENTOS

Leia mais

Geramos valor para a Natureza. MUSAMI Operações Municipais do Ambiente, EIM, SA

Geramos valor para a Natureza. MUSAMI Operações Municipais do Ambiente, EIM, SA Geramos valor para a Natureza MUSAMI Operações Municipais do Ambiente, EIM, SA A MUSAMI Gerar Valor para a Natureza é a nossa missão. Como? Promovendo a valorização crescente dos resíduos, desenvolvendo

Leia mais

SETOR PORTUGUÊS DA GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS

SETOR PORTUGUÊS DA GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SETOR PORTUGUÊS DA GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SETOR PORTUGUÊS DA GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS INTER-RESÍDUOS ÍNDICE 1. ENQUADRAMENTO 6 2. FICHA DO SETOR 7 3. A GESTÃO DE RESÍDUOS EM PORTUGAL 8 4. ORGANIZAÇÃO

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO Nº 62

BOLETIM INFORMATIVO Nº 62 Av. da República, 62 F, 5º 1050 197 LISBOA Tel: 21 780 80 60 Email: embopar@embopar.pt www.embopar.pt BOLETIM INFORMATIVO Nº 62 Junho de 2014 Notícias Sociedade Ponto Verde ainda sem Licença do Estado

Leia mais

Sistema Multimunicipal do Vale do Minho - VALORMINHO

Sistema Multimunicipal do Vale do Minho - VALORMINHO Sistema Multimunicipal do Vale do Minho - VALORMINHO Dados Gerais Constituição População (hab) Nº de Municípios Concelhos abrangidos Área abrangida (km 2 ) Contactos DL n.º 113/96, de 5 de Agosto 77.705

Leia mais

TRATOLIXO E.I.M., S.A.

TRATOLIXO E.I.M., S.A. MONITORIZAÇÃO DE ATERROS E LIXEIRAS O CASO PRÁTICO PRAET TRATOLIXO E.I.M., S.A. 21 de Janeiro 2016 PORTFOLIO 2 3 APRESENTAÇÃO DA TRATOLIXO DATA DE CONSTITUIÇÃO 26 Julho de1989 (26 anos) ACCIONISTA AMTRES

Leia mais

2009. Julho.14 Iva Rodrigues Ferreira. Câmara Municipal de Gondomar Departamento de Ambiente

2009. Julho.14 Iva Rodrigues Ferreira. Câmara Municipal de Gondomar Departamento de Ambiente Reciclagem Multimaterial no Município de Gondomar 2009. Julho.14 Iva Rodrigues Ferreira Câmara Municipal de Gondomar Departamento de Ambiente O Município de Gondomar 164.090 habitantes (segundo os censos

Leia mais

Introdução. Outros TBM. Orgânicos Rejeitados. Reciclagem. Emprego. Produtos. Conclusão. Introdução. Porta-a-porta Outros TBM

Introdução. Outros TBM. Orgânicos Rejeitados. Reciclagem. Emprego. Produtos. Conclusão. Introdução. Porta-a-porta Outros TBM : solução de reciclagem e tratamento para RSU pedrocarteiro@quercus.pt 144 836 (população máxima) http://residuos.quercus.pt A SPV simplificou a informação para o consumidor. 1 2 Fonte: SPV Dados reciclagem

Leia mais

Parte II Caso de Estudo

Parte II Caso de Estudo Parte II - CASO DE ESTUDO Nesta dissertação de mestrado, pretendeu-se efetuar uma análise do custo-benefício, dos AT face ao investimento em SST, em sistemas de gestão de resíduos. Inicialmente, começou-se

Leia mais

Ecocentro Recolha e Centro de Triagem Resiaçores Recolha SMAH Compostagem - TERAMB Incineração - TERAMB Aterro Sanitário - TERAMB

Ecocentro Recolha e Centro de Triagem Resiaçores Recolha SMAH Compostagem - TERAMB Incineração - TERAMB Aterro Sanitário - TERAMB Ecocentro Recolha e Centro de Triagem Resiaçores Recolha SMAH Compostagem - TERAMB Incineração - TERAMB Aterro Sanitário - TERAMB SMAH Recolha, transporte de resíduos urbanos e limpeza pública Resiaçores

Leia mais

II CONGRESSO NACIONAL GROQUIFAR. O Pacote da Economia Circular Estratégia da UE

II CONGRESSO NACIONAL GROQUIFAR. O Pacote da Economia Circular Estratégia da UE II CONGRESSO NACIONAL GROQUIFAR O Pacote da Economia Circular Estratégia da UE HOTEL TIVOLI ORIENTE (LISBOA), 27 de outubro de 2016 CARLA DE SOUSA PINTO Economia Linear vs Economia Circular Economia Linear

Leia mais

SISTEMA MULTIMUNICIPAL DE VALORIZAÇÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA ALTA ESTREMADURA PLANO DE AÇÃO DO PERSU PAPERSU 2020

SISTEMA MULTIMUNICIPAL DE VALORIZAÇÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA ALTA ESTREMADURA PLANO DE AÇÃO DO PERSU PAPERSU 2020 SISTEMA MULTIMUNICIPAL DE VALORIZAÇÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA ALTA ESTREMADURA PLANO DE AÇÃO DO PERSU 2020 - PAPERSU 2020 Abril, 2015 ÍNDICE 1. Introdução e Enquadramento Histórico...

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO Nº 57

BOLETIM INFORMATIVO Nº 57 Boletim Informativo Março de 2013 Av. da República, 62 F, 5º 1050 197 LISBOA Tel: 21 780 80 60 Email: embopar@embopar.pt www.embopar.pt BOLETIM INFORMATIVO Nº 57 Março de 2013 Notícias Comissão lança Livro

Leia mais

SECIL - Inovar para Exportar. Workshop CENI 5º Aniversário: Desenvolvimento Económico através da Actividade id d Produtiva Global le Competitiva

SECIL - Inovar para Exportar. Workshop CENI 5º Aniversário: Desenvolvimento Económico através da Actividade id d Produtiva Global le Competitiva SECIL - Inovar para Exportar Workshop CENI 5º Aniversário: Desenvolvimento Económico através da Actividade id d Produtiva Global le Competitiva 1 Índice Estratégia de Internacionalização e de exportação

Leia mais

Apresentação. Julho Resíduos?

Apresentação. Julho Resíduos? Apresentação Julho 2012 Resíduos? 1 Reflexão Os problemas Causados pelos resíduos são tão velhos quanto a humanidade Nos nossos dias 2 Resíduos Resíduos Assiste-se a uma verdadeira explosão na produção

Leia mais

Competência Elevada competência aplicada à gestão eficiente dos resíduos e à valorização da qualidade de vida.

Competência Elevada competência aplicada à gestão eficiente dos resíduos e à valorização da qualidade de vida. Apresentação A Empresa Geral do Fomento, S.A. (EGF) é a sub-holding do Grupo Águas de Portugal responsável por assegurar o tratamento e valorização de resíduos, de forma ambientalmente correta e economicamente

Leia mais

1.1. RESENHA HISTORICA DA TRATOLIXO, EIM UNIDADES DE TRATAMENTO E VALORIZAÇÃO PRODUÇÃO DE RESÍDUOS... 10

1.1. RESENHA HISTORICA DA TRATOLIXO, EIM UNIDADES DE TRATAMENTO E VALORIZAÇÃO PRODUÇÃO DE RESÍDUOS... 10 ÍNDICE PREFÁCIO... 3 1. CARACTERIZAÇÃO DO SISTEMA... 7 1.1. RESENHA HISTORICA DA TRATOLIXO, EIM... 7 1.2. UNIDADES DE TRATAMENTO E VALORIZAÇÃO... 10 1.3. PRODUÇÃO DE RESÍDUOS... 10 2. PRESSUPOSTOS DE BASE...

Leia mais

Lipor II- Valorização Energética de 1200 toneladas de Resíduos Sólidos Urbanos por dia, ao serviço do Desenvolvimento Sustentável

Lipor II- Valorização Energética de 1200 toneladas de Resíduos Sólidos Urbanos por dia, ao serviço do Desenvolvimento Sustentável Lipor II- Valorização Energética de 1200 toneladas de Resíduos Sólidos Urbanos por dia, ao serviço do Desenvolvimento Sustentável Proprietário da Instalação: LIPOR (Serviço Intermunicipalizado de Gestão

Leia mais

Recolha seletiva de resíduos em ambiente urbano: Eficácia dos sistemas de recolha porta a porta em estabelecimentos comerciais Joana Campos Mestrado

Recolha seletiva de resíduos em ambiente urbano: Eficácia dos sistemas de recolha porta a porta em estabelecimentos comerciais Joana Campos Mestrado Recolha seletiva de resíduos em ambiente urbano: Eficácia dos sistemas de recolha porta a porta em estabelecimentos comerciais Joana Campos Mestrado em Ciências e Tecnologia do Ambiente Área de Especialização

Leia mais

VALNOR recebeu a visita do Ministro e do Secretário de Estado do Ambiente e apresentou os novos projetos da empresa

VALNOR recebeu a visita do Ministro e do Secretário de Estado do Ambiente e apresentou os novos projetos da empresa VALNOR recebeu a visita do Ministro e do Secretário de Estado do Ambiente e apresentou os novos projetos da empresa O Ministro do Ambiente, Ordenamento do Território e Energia, Jorge Moreira da Silva,

Leia mais

Teramb, Empresa Municipal de Gestão e Valorização Ambiental, EEM

Teramb, Empresa Municipal de Gestão e Valorização Ambiental, EEM Governo dos Açores Direção Regional do Ambiente Operador de Gestão de Resíduos Teramb, Empresa Municipal de Gestão e Valorização Ambiental, EEM NIF 509620515 E-Mail teramb@gmail.com Instalação Aterro Intermunicipal

Leia mais

ATIVIDADES CENTRO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Pré-Escolar e 1º Ciclo

ATIVIDADES CENTRO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Pré-Escolar e 1º Ciclo GUIA DE ATIVIDADES de educação ambiental ATIVIDADES CENTRO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Pré-Escolar e 1º Ciclo Centro de Educação Ambiental de Albufeira Localização: Quinta da Palmeira - R. dos Bombeiros Voluntários

Leia mais

RECEPÇÃO DE CALOUROS COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS UFES Campus ALEGRE

RECEPÇÃO DE CALOUROS COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS UFES Campus ALEGRE RECEPÇÃO DE CALOUROS 2017-1 COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS UFES Campus ALEGRE RECEPÇÃO DE CALOUROS 2017-1 Dr. Anderson Lopes Peçanha Professor da Universidade Federal do Espírito Santo Departamento

Leia mais

SOLUÇÃO MILLENNIUM 2020

SOLUÇÃO MILLENNIUM 2020 PERSU 2020 PO SEUR 2020 SOLUÇÃO MILLENNIUM 2020 Cascais PERSU 2020 14 julho 2016 Gonçalo Regalado Direção de Marketing Empresas ENQUADRAMENTO Reforço dos Instrumentos Económico- Financeiros Incentivar

Leia mais

AMBISOUSA, EIM PLANO DE AÇÃO DO SISTEMA DO VALE DO SOUSA PAPERSU

AMBISOUSA, EIM PLANO DE AÇÃO DO SISTEMA DO VALE DO SOUSA PAPERSU AMBISOUSA, EIM PLANO DE AÇÃO DO SISTEMA DO VALE DO SOUSA PAPERSU NOVEMBRO 2015 Índice 1 INTRODUÇÃO E ENQUADRAMENTO HISTÓRICO...1 2 O SISTEMA DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS...2 2.1 Caracterização geral...2

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO Nº 67

BOLETIM INFORMATIVO Nº 67 Av. da República, 62 F, 5º 1050 197 LISBOA Tel: 21 780 80 60 Email: embopar@embopar.pt www.embopar.pt BOLETIM INFORMATIVO Nº 67 Setembro de 2015 Notícias SPV ainda sem Licença, luta para manter os VPV

Leia mais

Porque existe Amanhã, recolhemos e valorizamos 100% dos pneus usados em Portugal.

Porque existe Amanhã, recolhemos e valorizamos 100% dos pneus usados em Portugal. Porque existe Amanhã, recolhemos e valorizamos 100% dos pneus usados em Portugal. Porque existe amanhã, queremos defender o ambiente. Hoje. Um pneu abandonado hoje é uma ameaça para o ambiente amanhã.

Leia mais

Torrefacção de CDRs industriais: Aplicações energéticas e materiais

Torrefacção de CDRs industriais: Aplicações energéticas e materiais Torrefacção de CDRs industriais: Aplicações energéticas e materiais Catarina Nobre (1), Margarida Gonçalves (1), Cândida Vilarinho (2), Benilde Mendes (1) (1) METRICS, Departamento de Ciências e Tecnologia

Leia mais

SISTEMA MULTIMUNICIPAL DE VALORIZAÇÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DO SUL DO DOURO PLANO DE AÇÃO DO PERSU PAPERSU 2020

SISTEMA MULTIMUNICIPAL DE VALORIZAÇÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DO SUL DO DOURO PLANO DE AÇÃO DO PERSU PAPERSU 2020 SISTEMA MULTIMUNICIPAL DE VALORIZAÇÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DO SUL DO DOURO PLANO DE AÇÃO DO PERSU 2020 - PAPERSU 2020 Abril, 2015 ÍNDICE 1. Introdução e Enquadramento Histórico... 2

Leia mais

Resumo. Este estudo tem quatro grandes linhas de investigação: - optimização do processo de TMBV;

Resumo. Este estudo tem quatro grandes linhas de investigação: - optimização do processo de TMBV; Aplicação da ao Tratamento Mecânico e Biológico dos Resíduos Sólidos Urbanos com vista à Reciclagem de Embalagens de Plástico, de Vidro e de Metais Índice Resumo...2 1. Introdução...3 2. Objectivos...5

Leia mais

Porque existe Amanhã, fazemos mais e melhor. Sempre.

Porque existe Amanhã, fazemos mais e melhor. Sempre. Porque existe Amanhã, fazemos mais e melhor. Sempre. Porque existe amanhã, queremos defender o ambiente. Hoje. Um pneu abandonado hoje é uma ameaça para o ambiente amanhã. Foi por isso que nasceu a Valorpneu,

Leia mais

Outra vantagem apresentada, é por exemplo o facto dos gases ácidos e as partículas que ficam nos filtros e assim não contaminam a atmosfera.

Outra vantagem apresentada, é por exemplo o facto dos gases ácidos e as partículas que ficam nos filtros e assim não contaminam a atmosfera. CO-INCINERAÇÃO Pág 2 Co-Incineração A co-incineração baseia-se no aproveitamento dos fornos das cimenteiras que devido às suas altas temperaturas (entre 1450 e 2000 graus) são utilizados na queima dos

Leia mais

Conteúdo. Evolução da política de gestão de resíduos. Evolução da política de gestão de resíduos. Evolução da política de gestão de resíduos

Conteúdo. Evolução da política de gestão de resíduos. Evolução da política de gestão de resíduos. Evolução da política de gestão de resíduos Conteúdo NOVOS DESAFIOS PARA A GESTÃO DE RESÍDUOS Avaliação do Ciclo de Vida Avaliação do Ciclo de Vida (ACV) Utilização da ACV na gestão de 10 aplicações 1. Abril. 2008 Hotel Tivoli Tejo, Lisboa Susana

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES

PERGUNTAS FREQUENTES PERGUNTAS FREQUENTES Novo Regime Geral de Resíduos (RGR) Decreto-Lei n.º 178/2006, de 5 de Setembro, na redacção dada pelo Decreto-Lei n.º 73/2011, de 17 de Junho 1. Quando vai entrar em vigor e modo de

Leia mais

Localização de Instalações de Tratamento de Resíduos Sólidos Urbanos

Localização de Instalações de Tratamento de Resíduos Sólidos Urbanos Grupo de Disciplinas de Ecologia da Hidrosfera Localização de Instalações de Tratamento de Resíduos Sólidos Urbanos Aplicação à Área Metropolitana de Lisboa Por Joana Reis Vieira Henriques Simões Dissertação

Leia mais

Regulação do serviço de resíduos sólidos em Portugal

Regulação do serviço de resíduos sólidos em Portugal Regulação do serviço de resíduos sólidos em Portugal Regulation of solid waste services in Portugal Pedro Simões Doutor em Engenharia e Gestão pelo IST, CEG-IST, Universidade Técnica de Lisboa Lisboa,

Leia mais

UNIDADES DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS PROCESSAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS RECUPERAÇÃO DE MATÉRIAS-PRIMAS SECUNDÁRIAS ENERGIAS RENOVÁVEIS E BIOMASSA

UNIDADES DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS PROCESSAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS RECUPERAÇÃO DE MATÉRIAS-PRIMAS SECUNDÁRIAS ENERGIAS RENOVÁVEIS E BIOMASSA WWW.MACPRESSE.COM UNIDADES DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS PROCESSAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS RECUPERAÇÃO DE MATÉRIAS-PRIMAS SECUNDÁRIAS ENERGIAS RENOVÁVEIS E BIOMASSA INDÚSTRIA DO PAPEL Copyright Macpresse

Leia mais

Recolha Selectiva Multimaterial -Que Soluções?

Recolha Selectiva Multimaterial -Que Soluções? Recolha Selectiva Multimaterial -Que Soluções? Concelho de Valongo Câmara Municipal de Valongo Departamento de Ambiente e Qualidade de Vida Divisão de Qualidade Ambiental Sector de Higiene Urbana Caracterização

Leia mais

Reciclar, Transformar, Valorizar Lixo Urbano

Reciclar, Transformar, Valorizar Lixo Urbano Reciclar, Transformar, Valorizar Lixo Urbano 10-08-2009 Apresentação da Empresa O Grupo KÜTTNER se desenvolveu a partir de uma empresa de engenharia, fundada em Essen/Alemanha no ano de 1949 pelo Engenheiro

Leia mais

SISTEMA MULTIMUNICIPAL DE TRIAGEM, RECOLHA, VALORIZAÇÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DO NORTE CENTRAL

SISTEMA MULTIMUNICIPAL DE TRIAGEM, RECOLHA, VALORIZAÇÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DO NORTE CENTRAL SISTEMA MULTIMUNICIPAL DE TRIAGEM, RECOLHA, VALORIZAÇÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DO NORTE CENTRAL PLANO DE AÇÃO DO PERSU 2020 - PAPERSU 2020 Abril, 2015 Aprovado em reunião do Conselho

Leia mais

Nos termos do artigo 6.º do Despacho n.º 7110/2015, de 29 de junho, até à entrada em vigor dos requisitos de qualificação a que se refere o n.º 2 do artigo 2.º do referido despacho, os operadores de gestão

Leia mais

BIOGÁS de ETE PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. CASE da ETE RIBEIRÃO PRETO

BIOGÁS de ETE PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. CASE da ETE RIBEIRÃO PRETO BIOGÁS de ETE PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CASE da ETE RIBEIRÃO PRETO Atuação do Grupo no Brasil Ribeirão Preto 1995 População Atendida 680.000 Mogi Mirim 2008 População Atendida: 130.000 Tratamento

Leia mais

SECIL - Rio Conferência RIO + 20: Que Desafios e Oportunidades? ICC Portugal

SECIL - Rio Conferência RIO + 20: Que Desafios e Oportunidades? ICC Portugal SECIL - Rio + 20 Conferência RIO + 20: Que Desafios e Oportunidades? ICC Portugal ICC Portugal - 14 de Maio 2012 1 Conferência Rio + 20: Que Desafios e Oportunidades? Organizada pela ICC Portugal na Rua

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO Nº 60

BOLETIM INFORMATIVO Nº 60 Boletim Informativo _ Dezembro de 2013 Av. da República, 62 F, 5º 1050 197 LISBOA Tel: 21 780 80 60 Email: embopar@embopar.pt www.embopar.pt BOLETIM INFORMATIVO Nº 60 Dezembro de 2013 Notícias Comissão

Leia mais

Boas práticas para o Desenvolvimento Sustentável O contributo do Município de Mafra

Boas práticas para o Desenvolvimento Sustentável O contributo do Município de Mafra Seminário Eco-EscolasEscolas 2017 Boas práticas para o Desenvolvimento O contributo do Município de Mafra Câmara Municipal de Mafra Ílhavo - 20, 21 e 22 de janeiro de 2017 Seminário Eco-EscolasEscolas

Leia mais

Plano de Ação da ALGAR PERSU 2020

Plano de Ação da ALGAR PERSU 2020 1 INDICE GERAL 1. Introdução e Enquadramento Histórico... 3 2. O Sistema ALGAR... 4 2.1. Caraterização geral... 4 2.2. Caraterização do modelo técnico atual... 8 2.3. Pontos fortes e fracos do modelo instalado...

Leia mais