Sessão Pública Apresentação da Agenda Regional para a Energia. Resíduos do Nordeste, EIM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sessão Pública Apresentação da Agenda Regional para a Energia. Resíduos do Nordeste, EIM"

Transcrição

1 Sessão Pública Apresentação da Agenda Regional para a Energia Resíduos do Nordeste, EIM

2 Resíduos do Nordeste, EIM A actividade da empresa engloba a recolha e deposição de resíduos indiferenciados no aterro sanitário; a recolha selectiva e encaminhamento para valorização; a limpeza urbana; e a produção e venda de energia eléctrica proveniente do biogás gerado no aterro sanitário.

3 Resíduos do Nordeste, EIM O Sistema Unificado engloba 13 Municípios (12 do Distrito de Bragança e ainda o Município de Vila Nova de Foz Côa), a que corresponde uma população de habitantes, uma produção anual de RSU de Toneladas e uma área geográfica de aproximadamente Km 2. Recolha Indiferenciada - GLOBAL Recolha Selectiva - GLOBAL Quantidade Recolhida (Ton) , , , , ,5 Quantidade Recolhida (Ton) , , , ,8 3368, , , Ano Ano

4 Gestão de Resíduos Aterro Sanitário de Urjais; Estação de Tratamento de Águas Lixiviantes (ETAL); Central de Valorização Energética de Biogás (CVE); Futura Unidade de Tratamento Mecânico e Biológico por Digestão Anaeróbia (TMB); 4 Estações de Transferência; 14 Ecocentros e 580 Ecopontos.

5 Pegada Ecológica Fruto das suas actividades a Resíduos do Nordeste emitiu em 2009, tco2, resultado da prestação dos serviços que abrangem a gestão e tratamento de resíduos sólidos urbanos, dos 13 Municípios. A implementação de novos projectos, nomeadamente, o TMB, a CVE de biogás, promoção de medidas de eficiência energética e instalação de sistemas solares fotovoltaicos, vão contribuir para a redução de emissões dos gases de efeito de estufa em tco2

6 Matriz Energética

7 Usos da Energia

8 Emissões CO2

9 Fonte: CCDRN, Agenda Energia

10 Energia e Ambiente

11 Microprodução 4 sistemas fotovoltaicos com uma potência instalada de 3,68 kwp cada, (14,72 kwp no total); Produção média total anual de energia prevista de kwh; Redução das emissões de CO2 em 11,2 toneladas/ano. Painéis solares térmicos para aquecimento de água, promovendo igualmente o recurso à energia solar.

12 Valorização Energética do Biogás Licenciamento, DGGE, para kva; Motor de 716 kw de potência; Arranque em Maio de 2009; Produção em contínuo desde Outubro de 2009; Caudal total de aprox. 200 m³/h; Funcionamento a 50% da carga.

13 Potencial Energético Produção de Energia Produção (Maio/09 a Fevereiro/1o) : kwh Consumo equivalente a 650 habitações. Energia facturada EDP: , Produção de Calor Em fase de estudo o aproveitamento da energia Energia(kWh) Previsão da Energia a Injectar (kwh) térmica para a ETAL Anos

14 Energia e Ambiente Perfil energético transmontano mais eficiente, contribuindo para Estratégia Nacional para a Energia; Aumento dos proveitos e consequente redução da tarifa de tratamento de RSU; Redução de emissões dos gases de efeito de estufa, como o CH4 (21 vezes mais nocivo que CO2); Produção de energia através de uma fonte renovável; Redução da dependência externa de energia; Produção média prevista: kwh Consumo equivalente a habitações.; Redução média das emissões de CO2 em ton/ano; Poupança equivalente a 7.000barris de petróleo. CO2 evitado (ton) CO2 evitado (ton) Anos

15 Estação de Tratamento de Águas Lixiviantes Os lixiviados provenientes do Aterro Sanitário de Urjais são alvo de tratamento na Estação de Tratamento de Águas Lixiviantes do Aterro Sanitário (ETAL) O sistema de tratamento adoptado consiste na evaporação do lixiviado e posterior condensação. Utiliza como combustível caroço de azeitona (biomassa), um recurso abundante na região. Consumos 2009: ton Investimento: ,00,

16 Unidade de Tratamento Mecânico e Biológico Tratamento mecânico dos resíduos indiferenciados em três categorias: matéria orgânica, materiais recicláveis e rejeitados. Digestão anaeróbia (biogás para produção de energia renovável); Compostagem; Os materiais recicláveis (metais, vidro, cartão, plástico, pilhas) são enviados para reciclagem; Rejeitados encaminhados para aterro, ou como solução alternativa, a possibilidade de utilização como Combustível Derivado de Resíduos (CDR).

17 Potencial Energético Cogeração Produção de energia eléctrica prevista: kwh; Energia térmica para aquecimento das instalações. Combustível Derivado de Resíduos (CDR) Norma do CDR; Estratégia Nacional CDR; Utilização dos rejeitados como CDR; Biomassa Enorme potencial na região; Central fotovoltaica Em fase de estudo - potência de 500 kw.

18 Energia da Biomassa Enormes potencialidades da região; A região de Trás-os-Montes e Alto Douro possui uma densa área florestal; Um investimento em pequenas centrais termoeléctricas a biomassa para além da produção de energia eléctrica a partir de uma fonte não poluente de energia, iria diminuir a acumulação de matéria-prima nas florestas; Distrito de Bragança possui entre 10 a 20 ton/ha/ano de biomassa; Os custos associados à alimentação da central seriam reduzidos.

19

Relatório do 9º Aniversário da Resíduos do Nordeste

Relatório do 9º Aniversário da Resíduos do Nordeste Relatório do 9º Aniversário da Resíduos do Nordeste Abril / 2012 Nota de Abertura No mês em que a Resíduos do Nordeste assinala o seu 9º aniversário de atividade, e em que cesso funções como Presidente

Leia mais

A Certificação de Sistemas Integrados Caso LIPOR

A Certificação de Sistemas Integrados Caso LIPOR A Certificação de Sistemas Integrados Caso LIPOR Ciclo de Seminários Técnicos T Eficiência na Gestão de Resíduos duos Constituída por oito Municípios pertencentes à Área Metropolitana do Porto População

Leia mais

Geramos valor para a Natureza. MUSAMI Operações Municipais do Ambiente, EIM, SA

Geramos valor para a Natureza. MUSAMI Operações Municipais do Ambiente, EIM, SA Geramos valor para a Natureza MUSAMI Operações Municipais do Ambiente, EIM, SA A MUSAMI Gerar Valor para a Natureza é a nossa missão. Como? Promovendo a valorização crescente dos resíduos, desenvolvendo

Leia mais

10º ANO FÍSICA - Módulo Inicial Situação energética Mundial e degradação de energia

10º ANO FÍSICA - Módulo Inicial Situação energética Mundial e degradação de energia 10º ANO FÍSICA - Módulo Inicial Situação energética Mundial e degradação de energia PROBLEMAS ENERGÉTICOS DA ACTUALIDADE O avanço científico e tecnológico da nossa sociedade provocou o aumento acelerado

Leia mais

Alberto Mendes Ministério do Turismo, Indústria e Energia Cabo Verde

Alberto Mendes Ministério do Turismo, Indústria e Energia Cabo Verde Alberto Mendes Ministério do Turismo, Indústria e Energia Cabo Verde Rendimento per capita de 2008 foi de US$3.130, sendo que em 1975 era de US$190 Taxa de alfabetização: 83,8% para adultos e 97% para

Leia mais

LUSÁGUA LUSÁGUA - Serviços Ambientais, S.A. AQUAPOR MISSÃO

LUSÁGUA LUSÁGUA - Serviços Ambientais, S.A. AQUAPOR MISSÃO TÍTULO DO DOCUMENTO LUSÁGUA A LUSÁGUA - Serviços Ambientais, S.A. é a empresa do grupo AQUAPOR vocacionada para a prestação de serviços relacionados com a gestão integral do ciclo urbano da água, gestão

Leia mais

Energia e Ambiente. Desenvolvimento sustentável; Limitação e redução dos gases de efeito de estufa; Estímulo da eficiência energética;

Energia e Ambiente. Desenvolvimento sustentável; Limitação e redução dos gases de efeito de estufa; Estímulo da eficiência energética; Energia e Ambiente Desenvolvimento sustentável; Limitação e redução dos gases de efeito de estufa; Estímulo da eficiência energética; Investigação de formas novas e renováveis de energia; Potenciar as

Leia mais

O FUTURO ENERGÉTICO EM PORTUGAL EÓLICA E BIOMASSA

O FUTURO ENERGÉTICO EM PORTUGAL EÓLICA E BIOMASSA O FUTURO ENERGÉTICO EM PORTUGAL EÓLICA E BIOMASSA PROMOVIDO PELA: ORDEM DOS ENGENHEIROS ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PORTUGAL ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CONFEDERAÇÃO DA INDÚSTRIA PORTUGUESA CARLOS ALEGRIA

Leia mais

ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS ESCASSEZ DE ÁGUA E EFICIÊNCIAS

ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS ESCASSEZ DE ÁGUA E EFICIÊNCIAS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS ESCASSEZ DE ÁGUA E EFICIÊNCIAS ENERGÉTICA E HÍDRICA NO CICLO URBANO DA ÁGUA AQUAPOR MEDIDAS DE EFICIÊNCIA HÍDRICA E ENERGÉTICA Otimização Energética Grupo AQUAPOR Edifício do auditório

Leia mais

Energias Renováveis em São Tomé e Príncipe

Energias Renováveis em São Tomé e Príncipe MINISTERIO DE INFRAESTRUTURAS RECURSOS NATURAIS E ENERGIA Direção Geral dos Recursos Naturais e Energia Energias Renováveis em São Tomé e Príncipe Junho de 2015 Sumário Introdução : Energias renováveis

Leia mais

AUDITORIAS ENERGÉTICAS BENEFÍCIOS PARA A COMPETIVIDADE. CLÁUDIO CASIMIRO

AUDITORIAS ENERGÉTICAS BENEFÍCIOS PARA A COMPETIVIDADE. CLÁUDIO CASIMIRO AUDITORIAS ENERGÉTICAS BENEFÍCIOS PARA A COMPETIVIDADE CLÁUDIO CASIMIRO claudio.casimiro@ceeeta.pt A única coisa que sabemos sobre o futuro é que será diferente Peter Drucker Paradigma Actual - UE Nos

Leia mais

RARU 13 ANEXO II Metodologia e Pressupostos

RARU 13 ANEXO II Metodologia e Pressupostos O Decreto-Lei nº 178/2006, de 5 de setembro, com a nova redação do Decreto-Lei n.º 73/2011, de 17 de junho, veio criar um Sistema Integrado de Registo Eletrónico de Resíduos (SIRER), suportado pelo Sistema

Leia mais

O Mapeamento Setorial LCBA para Gestão de Resíduos Sólidos Demandas e Oportunidades

O Mapeamento Setorial LCBA para Gestão de Resíduos Sólidos Demandas e Oportunidades Low Carbon Business Action in Brazil A project funded by the European Union O Mapeamento Setorial LCBA para Gestão de Resíduos Sólidos Demandas e Oportunidades Adelino Ricardo J. Esparta Waste Expo Brasil

Leia mais

FONTE DE ENERGIA RENOVÁVEL. Prof.º: Carlos D Boa - geofísica

FONTE DE ENERGIA RENOVÁVEL. Prof.º: Carlos D Boa - geofísica FONTE DE ENERGIA RENOVÁVEL Prof.º: Carlos D Boa - geofísica Introdução Biocombustíveis (Biodiesel, Etanol e Hidrogênio) Biogás Biomassa Energia Eólica Energia das Marés Energia Hidrelétrica Energia Solar

Leia mais

MINERAIS HIDROGEOLÓGICOS ENERGÉTICOS. de acordo com a finalidade

MINERAIS HIDROGEOLÓGICOS ENERGÉTICOS. de acordo com a finalidade Materiais (sólidos, líquidos ou gasosos), ou suas propriedades (calor interno da Terra ou radioatividade), provenientes da Terra e que o Homem pode utilizar em seu benefício. de acordo com a finalidade

Leia mais

ESTATÍSTICAS AMBIENTAIS DO DISTRITO DE BRAGANÇA. Co-Financiamento:

ESTATÍSTICAS AMBIENTAIS DO DISTRITO DE BRAGANÇA. Co-Financiamento: ESTATÍSTICAS AMBIENTAIS DO DISTRITO DE BRAGANÇA Co-Financiamento: Índice 1. Introdução... 2 2. Registo de resíduos sólidos urbanos por municípios em 2008... 3 3. Quantidade de RSU recolhido por município

Leia mais

Ordem dos Engenheiros Encontro Nacional de Engenharia Civil

Ordem dos Engenheiros Encontro Nacional de Engenharia Civil 1 Ordem dos Engenheiros Encontro Nacional de Engenharia Civil Estratégia Nacional de Energia Barragens e Mini-Hídricas Luís Braga da Cruz (FEUP) PORTO 21 de Maio de 2011 2 Índice 1. Estratégia Nacional

Leia mais

Cultura do lixo. Premissas. Modelo Linear

Cultura do lixo. Premissas. Modelo Linear Premissas Ecossistemas naturais Produção de bens e serviços Sociedade: uso e descarte Modelo Linear O modelo de produção e gestão de resíduos pode ser definido como linear, onde extraímos os recursos naturais

Leia mais

Energias Renováveis em São Tomé e Príncipe

Energias Renováveis em São Tomé e Príncipe MINISTERIO DE INFRAESTRUTURAS RECURSOS NATURAIS E ENERGIA Direção Geral dos Recursos Naturais e Energia Energias Renováveis em São Tomé e Príncipe Junho de 2015 Sumário 1/3 I. Caracterização do setor energético

Leia mais

Instruções para a redução, o tratamento e a separação de resíduos de materiais resultantes de convenções e exposições

Instruções para a redução, o tratamento e a separação de resíduos de materiais resultantes de convenções e exposições Instruções para a redução, o tratamento e a separação de resíduos de materiais resultantes de convenções e exposições Introdução: Para se articular com a política de tratamento de resíduos sólidos Reciclagem

Leia mais

Iluminação Pública e Sistema de Gestão de Energia

Iluminação Pública e Sistema de Gestão de Energia Iluminação Pública e Sistema de Gestão de Energia 14 Março 2006 Auditório da Câmara Municipal de Mirandela Vítor Lopes EDV ENERGIA Agência de Energia do Entre o Douro e Vouga Região constituída por 5 municípios:

Leia mais

BENCHMARKING INTERNACIONAL GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

BENCHMARKING INTERNACIONAL GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS WORKSHOP E VISITAS TÉCNICAS A INFRA ESTRUTURAS DE GESTÃO E VALORIZAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM PORTUGAL 1ª Edição: 05/12 a 09/12/2016 2ª Edição: 06/02 a 10/02/2017 APRESENTAÇÃO

Leia mais

A NOSSA PRESENÇA MÉDIO ORIENTE - BRASIL - PENÍNSULA IBÉRICA

A NOSSA PRESENÇA MÉDIO ORIENTE - BRASIL - PENÍNSULA IBÉRICA A NOSSA PRESENÇA MÉDIO ORIENTE - BRASIL - PENÍNSULA IBÉRICA A NOSSA ATIVIDADE Prestação de serviços nas seguintes actividades: > Projecto, construção e manutenção de redes de distribuição de energia de

Leia mais

Cogeração em ambiente urbano

Cogeração em ambiente urbano Cogeração em ambiente urbano MAIO 2010 Miguel Gil Mata 1 Índice Cogeração Conceito Energia térmica vs energia eléctrica Estratégia energética Regulamentação nacional Externalidades Cogeração em ambiente

Leia mais

Apresentação da AMES

Apresentação da AMES Apresentação da AMES = Objectivos, Visão e Missão = Seminário Serviços Energéticos e contratos de Performance de Energia Guimarães, 14 de Fevereiro de 2011 AGÊNCIA MUNICIPAL DE ENERGIA DE SINTRA Associação

Leia mais

Unidade 5 Recursos naturais: utilização e consequências. Planeta Terra 8.º ano

Unidade 5 Recursos naturais: utilização e consequências. Planeta Terra 8.º ano Unidade 5 Recursos naturais: utilização e consequências O que são recursos naturais? Painéis solares. Pesca. Diamantes. Água. Plataforma petrolífera. O que são recursos naturais? Matéria ou energia presentes

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DE CIÊNCIAS NATURAIS - 8º ANO -Sustentabilidade na Terra-

PLANIFICAÇÃO DE CIÊNCIAS NATURAIS - 8º ANO -Sustentabilidade na Terra- PLANIFICAÇÃO DE CIÊNCIAS NATURAIS - 8º ANO -Sustentabilidade na Terra- Tema / Capítulos Competências/Objectivos Estratégias / Actividades Recursos/ Materiais Avaliação Aulas previstas (45 min) Tema I Ecossistemas

Leia mais

Berlenga Laboratório. rio de Sustentabilidade. Sandra Estanislau ISQ

Berlenga Laboratório. rio de Sustentabilidade. Sandra Estanislau ISQ Berlenga Laboratório rio de Sustentabilidade Sandra Estanislau ISQ Ilha da Berlenga - 5 de Julho 2007 Tópicos 1. Objectivos do Projecto 2. Parceria 3. Fases do Projecto Avaliação de Recursos Naturais Energia

Leia mais

BIOGÁS de ETE PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. CASE da ETE RIBEIRÃO PRETO

BIOGÁS de ETE PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. CASE da ETE RIBEIRÃO PRETO BIOGÁS de ETE PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CASE da ETE RIBEIRÃO PRETO Atuação do Grupo no Brasil Ribeirão Preto 1995 População Atendida 680.000 Mogi Mirim 2008 População Atendida: 130.000 Tratamento

Leia mais

- Estratégia LIPOR - 2M menos Resíduos, menos Carbono. Pelo Grupo Carbono Zero

- Estratégia LIPOR - 2M menos Resíduos, menos Carbono. Pelo Grupo Carbono Zero - Estratégia LIPOR - 2M menos Resíduos, menos Carbono Pelo Grupo Carbono Zero LIPOR 8 municípios Área de abrangência 648 km 2 População 1 milhão de habitantes Produção de RSU (2008) 500.000 ton Per capita

Leia mais

UM MODELO DE GESTÃO DE RESÍDUOS MUNICIPAIS PROF. DR. SABETAI CALDERONI INDUSTRIALIZAÇÃO SUSTENTÁVEL DE RESÍDUOS

UM MODELO DE GESTÃO DE RESÍDUOS MUNICIPAIS PROF. DR. SABETAI CALDERONI INDUSTRIALIZAÇÃO SUSTENTÁVEL DE RESÍDUOS UM MODELO DE GESTÃO DE RESÍDUOS MUNICIPAIS PROF. DR. SABETAI CALDERONI INDUSTRIALIZAÇÃO SUSTENTÁVEL DE RESÍDUOS SABETAI CALDERONI Presidente do Instituto Brasil Ambiente Consultor da Organização das Nações

Leia mais

Gestão de Energia e Incorporação de Soluções Eficientes em Residências de Estudantes

Gestão de Energia e Incorporação de Soluções Eficientes em Residências de Estudantes Gestão de Energia e Incorporação de Soluções Eficientes em Residências de Estudantes Bolsa de Integração à Investigação Bolseiro: Rui Rafael Braga Rodrigues Ribeiro Professor Coordenador: Prof. Doutor

Leia mais

ENERGIA. origem do grego érgon, que significa trabalho. Assim, en + érgon queria dizer, na Grécia Antiga, em trabalho, em atividade, em ação.

ENERGIA. origem do grego érgon, que significa trabalho. Assim, en + érgon queria dizer, na Grécia Antiga, em trabalho, em atividade, em ação. ENERGIA origem do grego érgon, que significa trabalho. Assim, en + érgon queria dizer, na Grécia Antiga, em trabalho, em atividade, em ação. A mais antiga forma de energia é a produzida pelos músculos

Leia mais

Agrupamento de Escolas Terras de Larus Escola Básica 2,3 da Cruz de Pau Ciências Naturais 8º Ano Ficha de Avaliação

Agrupamento de Escolas Terras de Larus Escola Básica 2,3 da Cruz de Pau Ciências Naturais 8º Ano Ficha de Avaliação Agrupamento de Escolas Terras de Larus Escola Básica 2,3 da Cruz de Pau Ciências Naturais 8º Ano Ficha de Avaliação Nome: n.º Turma: Data: Classificação: Prof: Enc. Edu. 1. As figuras seguintes ilustram

Leia mais

A Energia solar. Fontes alternativas de energia - aproveitamento da energia solar 1

A Energia solar. Fontes alternativas de energia - aproveitamento da energia solar 1 A Energia solar Fontes alternativas de energia - aproveitamento da energia solar 1 Forma de aproveitamento Quase todas as fontes de energia hidráulica, biomassa, eólica, combustíveis fósseis e energia

Leia mais

QUÍMICA ENSINO MÉDIO PROF.ª DARLINDA MONTEIRO 3 ANO PROF.ª YARA GRAÇA

QUÍMICA ENSINO MÉDIO PROF.ª DARLINDA MONTEIRO 3 ANO PROF.ª YARA GRAÇA QUÍMICA 3 ANO PROF.ª YARA GRAÇA ENSINO MÉDIO PROF.ª DARLINDA MONTEIRO CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade I Vida e ambiente 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula 6 Conteúdos Efeito estufa. Fontes de energia alternativa.

Leia mais

Fontes renováveis e não-renováveis de energia. Amanda Vieira dos Santos Giovanni Souza

Fontes renováveis e não-renováveis de energia. Amanda Vieira dos Santos Giovanni Souza Fontes renováveis e não-renováveis de energia Amanda Vieira dos Santos 8941710 Giovanni Souza - 9021003 Fontes renováveis e não-renováveis de energia Usos para a energia: Com o avanço tecnológico passamos

Leia mais

Solução no tratamento de resíduos sólidos urbanos

Solução no tratamento de resíduos sólidos urbanos Solução no tratamento de resíduos sólidos urbanos Grupo Küttner Matriz em Essen/Alemanha Fundado em 1949 600 funcionários a nível mundial Escritórios em 12 países Projetos nas áreas de siderurgia, fundição,

Leia mais

ENERGIA. Em busca da sustentabilidade

ENERGIA. Em busca da sustentabilidade ENERGIA Em busca da sustentabilidade Características de uma boa fonte de combustível i) Fornecer grande quantidade de energia por unidade de massa ou volume (Rendimento); ii) Facilmente disponível; iii)

Leia mais

Medidas de Eficiência Energética e Planos de Racionalização do Consumo de Energia

Medidas de Eficiência Energética e Planos de Racionalização do Consumo de Energia Medidas de Eficiência Energética e Planos de Racionalização do Consumo de Energia Fernando Cunha Sistemas de Energia CTCV 25 de fevereiro de 2014 1 Unidade de Sistemas de Energia SGCIE Revisão do D.L.

Leia mais

ELECTRICIDADE RENOVÁVEL Um protagonismo crescente. António Sá da Costa

ELECTRICIDADE RENOVÁVEL Um protagonismo crescente. António Sá da Costa ELECTRICIDADE RENOVÁVEL Um protagonismo crescente António Sá da Costa 2 EVOLUÇÃO 2000-2012 6.000 Evolução da potência renovável instalada em Portugal 5.000 4.000 MW 3.000 2.000 1.000 0 2000 2001 2002 2003

Leia mais

Seminário Brasil-Alemanha de Eficiência Energética. A escassez de água no Brasil e o impacto na geração de energia

Seminário Brasil-Alemanha de Eficiência Energética. A escassez de água no Brasil e o impacto na geração de energia Seminário Brasil-Alemanha de Eficiência Energética no Brasil e o impacto na geração Cilene Victor 1 Professora de Jornalismo e Relações Públicas e coordenadora do Centro Interdisciplinar de Pesquisa da

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL GESTÃO AMBIENTAL

GESTÃO AMBIENTAL GESTÃO AMBIENTAL GESTÃO AMBIENTAL GESTÃO AMBIENTAL 1 POLÍTICA AMBIENTAL A Direcção da Organização, ao seu mais alto nível, deve traçar o seu caminho ambiental, explicitando-o num documento escrito, através do qual demonstrará

Leia mais

Cogeração na indústria: os benefícios e os ganhos energéticos

Cogeração na indústria: os benefícios e os ganhos energéticos Cogeração na indústria: os benefícios e os ganhos energéticos Grupo Light Distribuição Geração Serviços de Energia Restrita a parte do estado do RJ (incluindo a Grande Rio) Light Energia Itaocara Paracambi

Leia mais

Contributos da Gestão de Resíduos Urbanos para o Desenvolvimento Socioeconómico e Ambiental de Portugal

Contributos da Gestão de Resíduos Urbanos para o Desenvolvimento Socioeconómico e Ambiental de Portugal Contributos da Gestão de Resíduos Urbanos para o Desenvolvimento Socioeconómico e Ambiental de Portugal Apresentação Pública 28 de maio de 2014 PARCEIROS: ESTUDO PROMOVIDO POR: 1. INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

Leia mais

Sustentabilidade GPA Thatiana Zukas

Sustentabilidade GPA Thatiana Zukas Sustentabilidade GPA Thatiana Zukas O GPA em números - Eleito uma das 10 empresas mais admiradas do Brasil e vencedor no setor Varejo Supermercados em estudo da revista Carta Capital. - Listada no ranking

Leia mais

O Edifício Solar XXI um exemplo de sustentabilidade na construção. João Mariz Graça, Arq.

O Edifício Solar XXI um exemplo de sustentabilidade na construção. João Mariz Graça, Arq. O Edifício Solar XXI um exemplo de sustentabilidade na construção João Mariz Graça, Arq. joao.mariz@lneg.pt Introdução conceito de sustentabilidade Bom desempenho Ambiental ciclo de vida do edifício; Fase

Leia mais

VALNOR recebeu a visita do Ministro e do Secretário de Estado do Ambiente e apresentou os novos projetos da empresa

VALNOR recebeu a visita do Ministro e do Secretário de Estado do Ambiente e apresentou os novos projetos da empresa VALNOR recebeu a visita do Ministro e do Secretário de Estado do Ambiente e apresentou os novos projetos da empresa O Ministro do Ambiente, Ordenamento do Território e Energia, Jorge Moreira da Silva,

Leia mais

Geração de energia a partir de RSU

Geração de energia a partir de RSU X AGRENER GD 2015 10º Congresso sobre Geração Distribuída e Energia no Meio Rural Geração de energia a partir de RSU Carlos Alberto Rodrigues da Silva Empresa Metropolitana de Águas e Energia Estado de

Leia mais

INVESTIGAÇÃO EM ECO SUSTENTABILIDADE DA HABITAÇÃO CONCEITO DE SUSTENTABILIDADE ECOLÓGICA PRINCÍPIOS DE EDIFICAÇÃO SUSTENTÁVEL

INVESTIGAÇÃO EM ECO SUSTENTABILIDADE DA HABITAÇÃO CONCEITO DE SUSTENTABILIDADE ECOLÓGICA PRINCÍPIOS DE EDIFICAÇÃO SUSTENTÁVEL INVESTIGAÇÃO EM ECO SUSTENTABILIDADE DA HABITAÇÃO CONCEITO DE SUSTENTABILIDADE ECOLÓGICA PRINCÍPIOS DE EDIFICAÇÃO SUSTENTÁVEL ESTRATÉGIAS DE ACTUAÇÃO Arq. Joana Mourão 28.11.2011 Solo Recursos Naturais

Leia mais

Belo Horizonte 17 de abril de 2014 Ruy de Goes Leite de Barros

Belo Horizonte 17 de abril de 2014 Ruy de Goes Leite de Barros Belo Horizonte 17 de abril de 2014 Ruy de Goes Leite de Barros LARCI/ICAL Latin American Regional Climate Initiative Alguns aspectos sobre a reciclagem de orgânicos no Brasil 1- Porque reciclar orgânicos

Leia mais

Plano de aula. ZOOTECNIA I (Suínos) 01/04/2016. Resíduos de origem animal. Produção Animal vs Impacto Ambiental. Dejetos. Problemas.

Plano de aula. ZOOTECNIA I (Suínos) 01/04/2016. Resíduos de origem animal. Produção Animal vs Impacto Ambiental. Dejetos. Problemas. UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Campus de Jaboticabal Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias 1 Plano de aula ZOOTECNIA I (Suínos) Resíduos Dejetos Msc. Fabrício Faleiros de

Leia mais

Cogeração de energia na cadeia do carvão vegetal

Cogeração de energia na cadeia do carvão vegetal Cogeração de energia na cadeia do carvão vegetal Dr. Electo Eduardo Silva Lora Eng. Mateus Henrique Rocha Fórum Nacional sobre Carvão Vegetal Belo Horizonte, 21 de outubro de 2008. Núcleo de Excelência

Leia mais

Solução para o tratamento de resíduos sólidos urbanos

Solução para o tratamento de resíduos sólidos urbanos Solução para o tratamento de resíduos sólidos urbanos Maio / 2013 Grupo Küttner Matriz em Essen/Alemanha Instituída em 1949 600 funcionários a nível mundial Escritórios em 12 países Projetos nas áreas

Leia mais

Apresentação AHK Comissão de Sustentabilidade Ecogerma. Eng. Francisco Tofanetto (Gerente de Engenharia) São Paulo, 01 de Outubro 2015

Apresentação AHK Comissão de Sustentabilidade Ecogerma. Eng. Francisco Tofanetto (Gerente de Engenharia) São Paulo, 01 de Outubro 2015 Apresentação AHK Comissão de Sustentabilidade Ecogerma Eng. Francisco Tofanetto (Gerente de Engenharia) São Paulo, 01 de Outubro 2015 LANXESS Porto Feliz Uma importante unidade da área de produção de IPG

Leia mais

Geração de Energia Elétrica - Hidrelétricas. SIE Sistemas de Energia Professora Camila Bastos Eletroeletrônica Módulo 8

Geração de Energia Elétrica - Hidrelétricas. SIE Sistemas de Energia Professora Camila Bastos Eletroeletrônica Módulo 8 Geração de Energia Elétrica - Hidrelétricas SIE Sistemas de Energia Professora Camila Bastos Eletroeletrônica Módulo 8 Introdução A energia elétrica é produzida através de outras formas de energia; O Atlas

Leia mais

Estratégia do Grupo SECIL no Combate às Alterações Climáticas

Estratégia do Grupo SECIL no Combate às Alterações Climáticas Estratégia do Grupo SECIL no Combate às Carlos Abreu 1 Apresentação feita por Carlos Abreu em no Congresso CLIMA 2010 II Congresso Nacional sobre na Exponor em Matosinhos organizado pela APEA na Sessão

Leia mais

Num mercado altamente competitivo, o factor de produção energia pode ser decisivo para subsistência das empresas

Num mercado altamente competitivo, o factor de produção energia pode ser decisivo para subsistência das empresas Impactos internos da aplicação do SGCIE Num mercado altamente competitivo, o factor de produção energia pode ser decisivo para subsistência das empresas Tipicamente o potencial de poupança energética nas

Leia mais

Experiência de Aproveitamento Energético do Biogás do Aterro Sanitário de Belo Horizonte

Experiência de Aproveitamento Energético do Biogás do Aterro Sanitário de Belo Horizonte Workshop Internacional Aproveitamento Energético de Biogás em Aterros Sanitários e Efluentes Experiência de Aproveitamento Energético do Biogás do Aterro Sanitário de Belo Horizonte Superintendência de

Leia mais

Departamento de Energia e Tecnologias Limpas DENE

Departamento de Energia e Tecnologias Limpas DENE Departamento de Energia e Tecnologias Limpas DENE A Finep A Finep é uma empresa pública vinculada ao MCTI (Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação) criada em 24 de julho de 1967. Seu objetivo é atuar

Leia mais

Biogás. Página 1 de 5

Biogás. Página 1 de 5 Biogás O atual sistema económico conduz à produção de grandes quantidades de resíduos agrícolas, industriais e domésticos, os quais, podem conter componentes importantes e valiosos, revelando-se ainda

Leia mais

Fundação Getúlio Vargas Instituto Brasileiro de Economia Centro de Estudos em Regulação e Infraestrutura

Fundação Getúlio Vargas Instituto Brasileiro de Economia Centro de Estudos em Regulação e Infraestrutura Rio de Janeiro, 04/julho/2013 Ministério de Fundação Getúlio Vargas Instituto Brasileiro de Economia Centro de Estudos em Regulação e Infraestrutura III Seminário sobre Matriz e Segurança Energética Brasileira

Leia mais

Instalações de Microprodução Procedimentos de Certificação

Instalações de Microprodução Procedimentos de Certificação 1 Siglas e Definições 2 Limite anual de potência de ligação registada 3 Evolução da tarifa 3.1 Regime bonificado 3.2 Regime geral 4 Cálculo do valor da tarifa de venda de energia 5 Como proceder para inscrever

Leia mais

DTEA Transportes, Energia e Ambiente 1

DTEA Transportes, Energia e Ambiente  1 DTEA - Transportes, Energia e Ambiente Grupo de Investigação em Energia e Desenvolvimento Sustentável Instituto Superior Técnico DTEA Transportes, Energia e Ambiente http://dtea.ist.utl.pt 1 Veículos e

Leia mais

Marvão - Caso Prático Construção Sustentável ReHabitar

Marvão - Caso Prático Construção Sustentável ReHabitar Marvão - Caso Prático Construção Sustentável ReHabitar Marvão, 29 th May A ECOCHOICE é uma empresa de consultoria de referência na área da construção sustentável em Portugal, satisfazendo as necessidades

Leia mais

Tecnologias para Valorização de Resíduos Agroindustriais e Sólidos Urbanos Foco: Compostagem Acelerada

Tecnologias para Valorização de Resíduos Agroindustriais e Sólidos Urbanos Foco: Compostagem Acelerada Tecnologias para Valorização de Resíduos Agroindustriais e Sólidos Urbanos Foco: Compostagem Acelerada Apresentação para o Departamento de Ambiente Urbano - DAU/SRHU/MMA Brasília 12/3/2015 Conceitos *

Leia mais

MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101

MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 HISTÓRICO: O desenvolvimento da tecnologia de cogeração

Leia mais

EFICIÊNCIA DAS PLACAS FOTOVOLTAICAS RELACIONADO A LIMPEZA

EFICIÊNCIA DAS PLACAS FOTOVOLTAICAS RELACIONADO A LIMPEZA EFICIÊNCIA DAS PLACAS FOTOVOLTAICAS RELACIONADO A LIMPEZA Marcos Henrique Campos Duarte marcosdetroit@hotmail.com Luciano Brandão luciano_brandao_@hotmail.com Vithor Lucas Machado Cardoso vithorml@gmail.com

Leia mais

A Política Nacional. de Resíduos Sólidos.

A Política Nacional. de Resíduos Sólidos. A Política Nacional de Resíduos Sólidos e seus reflexos sobre a gestão dos aterros sanitários e o aproveitamento energético do metano UM PROBLEMA DE CARÁTER SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO Média brasileira

Leia mais

O que são? Quais são?

O que são? Quais são? O que são? Quais são? Os recursos naturais são elementos da natureza que têm muita utilidade para o Homem. São eles que proporcionam ao Homem o desenvolvimento das suas civilizações e o conforto da sociedade

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2011 SAP Brasil Ltda Nome fantasia: SAP Brasil - CNPJ: 74.544.297/0001-92 Tipo da empresa: Matriz Setor econômico: J.

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa. Ano de referência do inventário: 2011

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa. Ano de referência do inventário: 2011 Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2011 CTR ITABORAÍ - CENTRO DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS DE ITABORAÍ LTDA Nome fantasia: CTR Itaboraí - CNPJ: 09.014.794/0001-17

Leia mais

1. SISTEMAS SOLARES TÉRMICOS

1. SISTEMAS SOLARES TÉRMICOS 35088-(36) Diário da República, 2.ª série N.º 234 3 de dezembro de 2013 Despacho (extrato) n.º 15793-H/2013 Nos termos e para os efeitos do Decreto -Lei n.º 118/2013, de 20 de agosto e respetiva regulamentação,

Leia mais

ATLANTIC EM AQS BOMBAS DE CALOR PARA AQS

ATLANTIC EM AQS BOMBAS DE CALOR PARA AQS ATLANTIC EM AQS BOMBAS DE CALOR PARA AQS SOLAR 21 BOMBAS DE CALOR PARA AQS AEROTERMIA E se apanhássemos o ar e o transformássemos em água quente? Um dos sistemas mais eficientes para regular a temperatura

Leia mais

CONTEÚDO PREVENÇÃO DA PRODUÇÃO DE RESÍDUOS NO CONTEXTO DE

CONTEÚDO PREVENÇÃO DA PRODUÇÃO DE RESÍDUOS NO CONTEXTO DE PREVENÇÃO DA PRODUÇÃO DE RESÍDUOS CONTEÚDO PREVENÇÃO DA PRODUÇÃO DE RESÍDUOS NO CONTEXTO DE INDÚSTRIA DE ÓLEOS LUBRIFICANTES SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DE ÓLEOS LUBRIFICANTES USADOS (SIGOU) PREVENÇÃO

Leia mais

Aplicação de um modelo PAYT no município da Maia: clientes empresariais. Luís s Fernandes

Aplicação de um modelo PAYT no município da Maia: clientes empresariais. Luís s Fernandes Aplicação de um modelo PAYT no município da Maia: clientes empresariais Luís s Fernandes - A Maiambiente EEM; - Princípios do PAYT - Poluidor-pagador; - Recolha em empresas; -A recolha na Maia; -Considerações

Leia mais

Fontes Alternativas para a Expansão do Sistema de Distribuição

Fontes Alternativas para a Expansão do Sistema de Distribuição Fontes Alternativas para a Expansão do istema de Distribuição Antonia ônia Alves Cardoso Diniz, Ph.D. uperintendência de Expansão e Mercado da Distribuição - ED Gerência Coordenação da Expansão da Distribuição

Leia mais

Energia Solar MIEEC03_1

Energia Solar MIEEC03_1 Energia Solar MIEEC03_1 Carlos Pinto - up201404204 Joana Catarino - up201406455 Manuel Correia - up201403773 Pedro Leite - up201405865 Sara Costa - up201402938 Supervisor: Nuno Fidalgo Monitor: Elsa Moura

Leia mais

Enquadramento. Estratégia Europa 2020: Seminário Energia e Ambiente - Empresas

Enquadramento. Estratégia Europa 2020: Seminário Energia e Ambiente - Empresas Seminário Energia e Ambiente - Empresas Enquadramento Estratégia Europa 2020: Reduzir as emissões de gases com efeito de estufa em pelo menos 20 % relativamente aos níveis 1990 Aumentar para 20 % a quota

Leia mais

Índice. Energia Solar Energia Solar Fotovoltaica PV Microgeração PV Minigeração PV Auto Consumo Energia Solar Térmica Solar Térmico

Índice. Energia Solar Energia Solar Fotovoltaica PV Microgeração PV Minigeração PV Auto Consumo Energia Solar Térmica Solar Térmico Energia Solar Índice Energia Solar Energia Solar Fotovoltaica PV Microgeração PV Minigeração PV Auto Consumo Energia Solar Térmica Solar Térmico 1 2 3 4 5 6-8 www.blastingfm.com Energia Solar Fotovoltaica

Leia mais

Mais do que um Barco, um Conceito

Mais do que um Barco, um Conceito Mais do que um Barco, um Conceito Breve apresentação da Estratégia de Sustentabilidade da Sun Concept Nuno Gaspar de Oliveira Marketing Estratégico Muitas vezes temos ilusões de ótica relativamente ao

Leia mais

VOCÊ SABE QUAIS SÃO AS MAIORES FONTES DE GASES DE EFEITO ESTUFA NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO?

VOCÊ SABE QUAIS SÃO AS MAIORES FONTES DE GASES DE EFEITO ESTUFA NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO? MEIO AMBIENTE MUDANÇA CLIMÁTICA VOCÊ SABE QUAIS SÃO AS MAIORES FONTES DE GASES DE EFEITO ESTUFA NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO? Comparação das Emissões Totais e por Habitante de São Paulo, em GWP (t CO2 eq)

Leia mais

Contributos para uma política energética municipal

Contributos para uma política energética municipal Contributos para uma política energética municipal Caldas da Rainha, 29 de Outubro de 2007 Divisão de Ambiente e Energia 1 Contributos para uma política energética municipal 2 1- Diagnóstico Geral 1.1

Leia mais

Sacolas Bioplásticas e a Coleta Seletiva da cidade de São Paulo

Sacolas Bioplásticas e a Coleta Seletiva da cidade de São Paulo Sacolas Bioplásticas e a Coleta Seletiva da cidade de São Paulo A Lei nº 15.374 de 2011 proíbe a disponibilização de sacolas plásticas descartáveis nos estabelecimentos comerciais do município de São Paulo.

Leia mais

COLÉGIO SANTA CRISTINA - DAMAS AULÃO. ENERGIA Do fogo a energia elétrica. Prof. Márcio Marinho

COLÉGIO SANTA CRISTINA - DAMAS AULÃO. ENERGIA Do fogo a energia elétrica. Prof. Márcio Marinho COLÉGIO SANTA CRISTINA - DAMAS AULÃO ENERGIA Do fogo a energia elétrica O fogo O fogo é a rápida oxidação de um material combustível liberando calor, luz e produtos de reação, tais como o dióxido de carbono

Leia mais

Energia Eólica. Elbia Melo. Presidente Executiva

Energia Eólica. Elbia Melo. Presidente Executiva Energia Eólica Elbia Melo Presidente Executiva 05/08/2013 Energia Eólica no Mundo Grande Porte 2 Ranking 1 China 75,56 2 EUA 60,01 3 Alemanha 31,33 4 Espanha 22,80 5 Índia 18,42 6 Reino Unido 8,45 7 Itália

Leia mais

COLÉGIO 7 DE SETEMBRO DISICIPLINA DE GEOGRAFIA PROF. RONALDO LOURENÇO 1º 1 PERCURSO 26 (PARTE 3) A PRODUÇÃO MUNDIAL DE ENERGIA

COLÉGIO 7 DE SETEMBRO DISICIPLINA DE GEOGRAFIA PROF. RONALDO LOURENÇO 1º 1 PERCURSO 26 (PARTE 3) A PRODUÇÃO MUNDIAL DE ENERGIA COLÉGIO 7 DE SETEMBRO DISICIPLINA DE GEOGRAFIA PROF. RONALDO LOURENÇO 1º 1 PERCURSO 26 (PARTE 3) A PRODUÇÃO MUNDIAL DE ENERGIA ENERGIA: EVOLUÇÃO HISTÓRICA E CONSTEXTO ATUAL ENERGIAS NÃO RENOVÁVEIS 1 PETRÓLEO

Leia mais

BOMBAS DE CALOR PARA A.Q.S. AQUAECO 2ª GERAÇÃO SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE

BOMBAS DE CALOR PARA A.Q.S. AQUAECO 2ª GERAÇÃO SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE BOMBAS DE CALOR PARA A.Q.S. AQUAECO 2ª GERAÇÃO SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE Índice Bombas de Calor para A.Q.S. Um novo grau de eficiência Sistema eficiente de aquecimento de águas 03 Serviços de Apoio ao Cliente

Leia mais

PEA 2200 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade

PEA 2200 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade PEA 2200 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade Aula 4 Eficiência Energética e Uso Racional de Energia slide 1 / 22 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA & USO RACIONAL DE ENERGIA DEFINIÇÕES: Uso racional da energia:

Leia mais

Recursos minerais explorados para a obtenção de um determinado elemento metálico que faz parte da sua constituição.

Recursos minerais explorados para a obtenção de um determinado elemento metálico que faz parte da sua constituição. Recursos minerais explorados para a obtenção de um determinado elemento metálico que faz parte da sua constituição. Ouro Prata Ferro Magnésio Manganês Cobre Exemplos: ouro, prata, cobre, alumínio, ferro,

Leia mais

Eficiência Energética e Sistemas de Produção de Energia

Eficiência Energética e Sistemas de Produção de Energia ENERGY FOR YOUR FUTURE Eficiência Energética e Sistemas de Produção de Energia Escola Secundária do Fundão Fevereiro 2015 Hélio Fazendeiro QUEM SOMOS A Starenergy é uma empresa especializada que presta

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2013 Wilson Sons de Administração e Comércio Ltda. Nome fantasia: Wilson Sons - CNPJ: 33.130.691/0001-05 Tipo da empresa:

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2016

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2016 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2016 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Atualmente, a fonte biomassa representa quase 9% da potência outorgada pela Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

em gás e 25 de clientes no na atualidade eletricidade 18 mil 15 GW GNL 30 BCMs da Espanha Quem somos 3ºoperador mundial de na Espanha

em gás e 25 de clientes no na atualidade eletricidade 18 mil 15 GW GNL 30 BCMs da Espanha Quem somos 3ºoperador mundial de na Espanha Quem somos na atualidade Mais de 20 M 25 de clientes no países mundo Maior companhia integrada em gás e eletricidade 18 mil funcionários Capacidade instalada 3ºoperador mundial de GNL 30 BCMs O Grupo tem

Leia mais

Gestão De D Resídu d os

Gestão De D Resídu d os Gestão De Resíduos COLETA SELETIVA Projeto Gestão de Resíduos EcoMalzoni Como funcionava a coleta de resíduos antes do Projeto de Gestão de Resíduos? - 85% dos sacos retirados eram pretos, com

Leia mais

ANÁLISE DO CONSUMO ENERGÉTICO E DA EMISSÃO CO 2 e DA VALLOUREC TUBOS DO BRASIL S.A NO PERÍODO DE 2008 À 2013

ANÁLISE DO CONSUMO ENERGÉTICO E DA EMISSÃO CO 2 e DA VALLOUREC TUBOS DO BRASIL S.A NO PERÍODO DE 2008 À 2013 ANÁLISE DO CONSUMO ENERGÉTICO E DA EMISSÃO CO 2 e DA VALLOUREC TUBOS DO BRASIL S.A NO PERÍODO DE 2008 À 2013 Autoras: Camila Quintão Moreira Fabiana Alves Thaíse de Oliveira Souza Porto Alegre 2016 INTRODUÇÃO

Leia mais

Apresentação do SGCIE Sistema de Gestão dos Consumos Intensivos de Energia

Apresentação do SGCIE Sistema de Gestão dos Consumos Intensivos de Energia Apresentação do SGCIE Sistema de Gestão dos Consumos Intensivos de Energia Sector Industrial Carlos Pimparel, DGEG Índice Enquadramento do SGCIE Objectivos e âmbito de aplicação do Sistema de Gestão Organização

Leia mais

Propostas da campanha nacional da Reforma Fiscal Ambiental

Propostas da campanha nacional da Reforma Fiscal Ambiental A Política Ambiental na Fiscalidade sobre os Resíduos Propostas da campanha nacional da Reforma Fiscal Ambiental Índice da apresentação - RFA Europeia - Objectivos, Paradigmas, Exemplos e comparação com

Leia mais

ATERRO SANITÁRIO DE RIO CLARO. Prof. Marcos Colégio Sta. Clara

ATERRO SANITÁRIO DE RIO CLARO. Prof. Marcos Colégio Sta. Clara ATERRO SANITÁRIO DE RIO CLARO Prof. Marcos Colégio Sta. Clara 1. CICLO DE VIDA DOS PRODUTOS - Observe um objeto perto de você. Você já parou para pensar do que ele é feito e quantas etapas foram necessárias

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE. Plano de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos

SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE. Plano de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE Plano de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos Curitiba Tem 317 anos Possui cerca de 1.851.215 hab. Área - 432,17 km2 VISTA AÉREA DE CURITIBA ORGANIZAÇÃO E RESPONSABILIDADE

Leia mais