TRATOLIXO E.I.M., S.A.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TRATOLIXO E.I.M., S.A."

Transcrição

1 PORTFOLIO 2 TRATOLIXO E.I.M., S.A. 3 4 APRESENTAÇÃO DA TRATOLIXO APRESENTAÇÃO DA TRATOLIXO A empresa encontra-se certificada segundo a norma NP EN ISO 9001:2008 DATA DE CONSTITUIÇÃO 26 Julho de1989 (26 anos) ACCIONISTA AMTRES Associação de Municípios de Cascais, Mafra, Oeiras e Sintra para o Tratamento de Resíduos Sólidos (100% capital público) Área de Intervenção 753 Km 2 População habitantes, (aproximadamente 8% da população nacional) Sistema de Gestão da Qualidade e pela OHSAS / NP 4397:2008 Sistema de Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho e desde 2013, no caso da nova Central de Digestão Anaeróbia (CDA) da Abrunheira, encontra-se também certificada segundo a norma da NP EN ISO 14001:2004 Sistema de Gestão Ambiental. Central de Digestão Anaeróbia 5 6 ESTRUTURA DA GOVERNAÇÃO ESTRUTURA DA GOVERNAÇÃO ADMINISTRAÇÃO DIRECTOR GERAL SECRETARIADO GERAL TÉCNICO JURIDICO TEC. INF.E COM. EST. PRO. E GESTÃO DE OBRAS D. PLANEAMENTO, COORDENAÇÃO E RH D. INDUSTRIAL D. ADM. E FINANCEIRA SEG. E SAÚDE TRABALHO APOIO ADM. INOVAÇÃO SISTEMA INTEGRADO COMERCIAL LABORATÓRIO ECOPARQUE TRAJOUCE ECOPARQUE

2 7 8 RECEPÇÃO DE RESÍDUOS RECEPÇÃO DE RESÍDUOS Total de resíduos urbanos recolhidos no Sistema entre 2005 e % 90% 34% A TRATOLIXO recebeu em 2014 um total de t de resíduos urbanos e equiparados a urbanos provenientes dos municípios e de particulares. % O quadro abaixo demonstra a evolução da produção de resíduos urbanos ocorrida no Sistema desde % 10% 53% 2014 Variação TOTAL DE RESÍDUOS RECEBIDOS (t) ,3% CASCAIS ,5% MAFRA ,3% OEIRAS SINTRA ,7% ,4% PARTICULARES 40% 4% 32% 1,4% 24% 9 10 PRINCIPAIS INDICADORES DE GESTÃO DE (2014) RESPONSABILIDADE PELA GESTÃO DOS RU MUNICÍPIOS, GWh, ÁREA DE INTERVENÇÃO E INFRA-ESTRUTURAS GWh Cascais Mafra Oeiras Sintra Ecocentro da Ericeira Ecoparque da Abrunheira Central de Digestão Anaeróbia (CDA) Células de Confinamento Técnico (CCT) (em construção) Ecocentro (em construção) Estação de Tratamento de Águas Residuais e Industriais (ETARI) Ecoparque de Trajouce Central Industrial de Tratamento de Resíduos Sólidos (CITRS) Central de Triagem de Papel e Cartão Estação de Transferência de RSU e Resíduos de Embalagem Central de Valorização Energética de Biogás do Aterro de Trajouce (CVEBAT) Estação de Tratamento de Águas Lixiviantes (ETAL) TRAJOUCE (CASCAIS)

3 ECOPARQUE DE TRAJOUCE 13 INFRA-ESTRUTURAS EXISTENTES ECOPARQUE DE TRAJOUCE 14 O Ecoparque de Trajouce está localizado na freguesia de S. Domingos de Rana, concelho de Cascais, e tem uma área total de cerca de 42,6 ha. Este Ecoparque está situado junto à subestação de Trajouce, cujo ponto de ligação à Rede Eléctrica Nacional dista menos de 100 metros. Esta subestação abastece uma parte significativa dos consumos localizados na zona ocidental da Grande Lisboa, servindo os concelhos de Cascais, Oeiras e Sintra. Aterro Sanitário de Trajouce Está implantado numa área de cerca 7 ha, na qual foram depositados mais de t de resíduos entre 1997 e A monitorização desta infra-estrutura é efectuada em conformidade com o Decreto-Lei n.º 183/2009, de 10 de Agosto. CVEBAT A valorização energética do Biogás contribui para que se alcance as metas nacionais de produção de energia por fontes alternativas aos combustíveis fosseis comuns, nomeadamente carvão e gás natural. O Biogás do aterro, é extraído e usado como combustível, numa Central de produção de energia com uma potência eléctrica de 7 kw. Central de Valorização Energética de Biogás do Aterro de Trajouce INFRA-ESTRUTURAS EXISTENTES ECOPARQUE DE TRAJOUCE 15 INFRA-ESTRUTURAS EXISTENTES ECOPARQUE DE TRAJOUCE Central Industrial de Tratamento de Resíduos Sólidos (CITRS)TM de Trajouce (1990) em funcionamento desde 1990, a CITRS é uma unidade de tratamento mecânico (TM) com uma capacidade nominal de recepção de t/ano de resíduos indiferenciados e uma capacidade de tratamento de 500 t/dia. Nesta unidade são recuperados materiais recicláveis - plástico, cartão e metal e vidro sendo a fracção orgânica enviada para tratamento biológico na Central de Digestão Anaeróbia da Abrunheira. ; Ecocentro recebe, armazena e acondiciona temporariamente diversos tipos de resíduos com potencial de reciclagem mas cujas características os impedem de serem recolhidos através dos habituais esquemas de remoção, tais como monstros, resíduos verdes e resíduos de limpeza. Central de Triagem de Papel/Cartão para os resíduos oriundos da recolha selectiva. É composta por 2 linhas de triagem manual com capacidade de 2,5t/h. Estação de Tratamento de Águas Lixiviantes (ETAL) Inaugurada em Julho de 2012, trata as águas residuais lixiviantes do Ecoparque de Trajouce. O processo de tratamento baseia-se numa simbiose entre os processos de evaporação por vácuo e de evaporação forçada. ECOPARQUE DE TRAJOUCE PRAET Plano de Reabilitação Ambiental 17 PRAET ECOPARQUE DE TRAJOUCE O saneamento dos resíduos do Depósito de Resíduos de Natureza Diversa teve inicio em Setembro de 2012 com a remoção e encaminhamento para destino final adequado. 18 Estes trabalhos foram acompanhados pelas entidades oficiais (APA, CCDR-LVT, GEOTA).

4 19 PRAET LIXEIRAS DO SISTEMA AMTRES ECOPARQUE DE TRAJOUCE A alteração da metodologia (2012/2013) permitiu uma redução substancial dos custos relativamente aos valores Previstos na ordem dos 85% 20 Em 2013 foi testada uma nova solução técnica que assenta na triagem dos resíduos com vista à maximização dos materiais e da sua reutilização in situ. Do processo de triagem são obtidas três fracções distintas, criteriosamente analisadas do ponto de vista físico e químico, por laboratórios independentes, privilegiando-se sempre que possível a última solução no âmbito do interesse ambiental e da hierarquia dos resíduos. A TRATOLIXO enquanto entidade gestora do Sistema AMTRES assumiu em 2010 a responsabilidade pela monitorização das lixeiras existentes (encerradas entre 1993 e 1999 pela AMTRES) em linha com o que veio a ficar definido por intermédio do art.º65-a aditado ao RGGR pelo DL 73/ LIXEIRAS DO SISTEMA AMTRES 22 Ecocentro da Ericeira LIXEIRAS Lixeira de Trajouce - CM Cascais Lixeira da Abrunheira - CM Mafra Lixeira de Vila Fria - CM Oeiras Lixeira de Vale Mourão - CM Sintra (MAFRA) INFRA-ESTRUTURAS Central de Digestão Anaeróbia Células de Confinamento Técnico Estação de Tratamento de Águas Residuais e Industriais Ecocentro

5 25 26 Central de Digestão Anaeróbia CDA A CDA da Abrunheira é uma unidade de tratamento biológico de resíduos urbanos que recorre ao processo de digestão anaeróbia. A CDA foi objecto de comparticipação pelo Fundo de Coesão (QCA III) Permite tratar biologicamente os resíduos produzindo biogás, que é convertido em energia, e composto de elevada qualidade que pode ser utilizado na agricultura CDA CDA - EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO A exploração da capacidade total da CDA vai produzir um total de 24 GWh por ano de energia eléctrica, 33% acima da concepção do projecto RESÍDUOS INTRODUZIDOS NOS DIGESTORES ENERGIA ELÉCTRICA (MWh) COMPOSTO (tons) *Projecção de 2015 com base os resultados do 1º semestre Células de Confinamento Técnico 29 CÉLULAS DE CONFINAMENTO TÉCNICO Junto à CDA da Abrunheira estão a ser construídas as Com um volume total de cerca de m 3, as células células de confinamento técnico, de modo a receber a parte ocuparão uma área total de cerca de 11ha. dos refugos dos processos de tratamento e valorização de Estima-se o início da exploração desta infra-estrutura no 2º resíduos. semestre de

6 CÉLULAS DE CONFINAMENTO TÉCNICO Estação de Tratamento de Águas Residuais Industriais ETARI Esta infra-estrutura foi co-financiada pelo Fundo de Coesão Tem capacidade para tratar 323 m 3 por dia, com uma taxa de e destina-se a tratar as águas residuais que geradas na CDA entrada de mg/l de CBO, e até mg/l de CQO, o e nas CCT, juntamente com águas residuais provenientes de que corresponde a habitantes equivalentes. outras instalações de apoio ao Ecoparque de Abrunheira. A unidade tem tratamento terciário o que permite que a água tratada possa ser reutilizada no processo da CDA e para limpezas. 33 ETARI Tratamento Secundário Reactores Biológicos 34 ETARI Tratamento Secundário MBR (95% de remoção de sólidos nas membranas) 35 ETARI Tratamento Terciário Osmose Inversa (99% remoção de sais) 36

7 EVOLUÇÃO DA GESTÃO DE RESÍDUOS EM PORTUGAL 37 Gestão de resíduos na década de Na década de 90, os resíduos urbanos foram considerados como uma prioridade da política de ambiente nacional por força dos problemas ambientais originados pela gestão não adequada destes resíduos e pela constatação do atraso existente nos sistemas de gestão de resíduos em relação à maior parte dos Estados-Membros da UE. É neste contexto que, em 1996/97, surge o Plano Estratégico Sectorial de Gestão dos Resíduos Sólidos Urbanos (PERSU) Estado da arte em 1996 PERSU Em 1996, aquando da elaboração do PERSU I, encontravam-se constituídos: As principais directrizes para Portugal apontavam para: Sistemas de Gestão de Resíduos (11 sistemas multimunicipais e 29 sistemas municipais Erradicação das Lixeiras Existiam 5 centrais de compostagem 13 aterros sanitários 341 lixeiras (destino de 76% dos resíduos produzidos em 1996) 76% 9% 15% Compostagem Aterro Sanitário Lixeiras Erradicação das Lixeiras Com o encerramento de todos Infraestruturação do Sector os locais de deposição ilegais e respectiva recuperação ambiental Infraestruturação do Sector Desenvolvimento da recolha seletiva Construção das infra-estruturas para o tratamento, valorização e deposição controlada de Desenvolvimento da RSU recolha seletiva Title Goes Here Reforço acentuado da recolha selectiva e da reciclagem multimaterial Balanço da implementação do PERSU Balanço da implementação do PERSU O balanço da implementação do PERSU é claramente positivo: 01 Criação de Sistemas multimunicipais e intermunicipais de gestão de RSU ( em 2006 existiam 29 Sistemas de gestão de RSU em Portugal Continental (menos 11 que em 1997) No entanto, algumas metas estabelecidas ficaram aquém do estabelecido 02 Encerramento das lixeiras (as lixeiras foram todas erradicadas até 2002) 03 Construção de infra-estruturas de valorização e eliminação 04 Criação de sistemas de recolha selectiva multimaterial

8 43 44 PERSU II Balanço da implementação do PERSU A implementação do PERSU II contribuiu para que, no período , tenham ocorrido alterações importantes no sector de gestão de resíduos urbanos, nomeadamente: SGRU Infra-estruturas Hierarquia de Gestão de Resíduos Em 2006, o Plano Estratégico para a Gestão dos Resíduos Sólidos Urbanos foi revisto, tendo surgido um novo referencial do sector dos Resíduos Urbanos, o PERSU II, para o horizonte temporal de Modificações na configuração dos sistemas de gestão de resíduos urbanos e também das opções de gestão dos RU, alinhadas com a legislação comunitária entretanto transposta (passaram de 29 para os actuais 23 Sistemas de gestão de resíduos em alta); Aumento do número de unidades de tratamento mecânico e biológico (TMB) destinadas à valorização orgânica e material de RU e melhoria da rede de recolha selectiva, nomeadamente de ecopontos, ecocentros e circuitos de recolha porta-a-porta; Reforço de aplicação da hierarquia da gestão de resíduos, tendente a uma sociedade mais vocacionada para a reciclagem e a uma forte aposta na valorização orgânica de resíduos biodegradáveis. Representou um salto qualitativo importante, estabelecendo não apenas novos objectivos e metas mais exigentes, bem como de uma estratégia de investimento que lhe conferiu exequibilidade e sustentabilidade, envolvendo os vários agentes do sector. Não obstante os esforços realizados pelos vários agentes do sector, constatou-se que existe um desvio significativo das metas definidas, com a utilização predominante da deposição em aterro e capitações de recolha selectiva abaixo do proposto. Estes factores determinaram a revisão do PERSU II. Plano Estratégico para os Resíduos Sólidos Urbanos PERSU 2020 O PERSU 2020, aprovado a 17 de Setembro de 2014, estabelece assim a visão, os objectivos, as metas globais e as metas específicas por Sistema de Gestão de RU, as medidas a implementar no quadro dos resíduos urbanos no período 2014 a 2020, bem como a estratégia que suporta a sua execução, contribuindo para o cumprimento das metas nacionais e comunitárias nesta matéria. A sua implementação deverá permitir atingir níveis ambiciosos de reciclagem e preparação para a reutilização de resíduos em Portugal Continental. 46 PERSU 2020 PERSU PERSU Foram estabelecidas no PERSU 2020 as seguintes metas globais para 2020: i. Reduzir para 35 % a deposição, em aterro, dos resíduos urbanos biodegradáveis, relativamente ao ano de referência 1995; ii. Aumentar para 50 % a taxa de preparação de resíduos para reutilização e reciclagem; ii. Aumentar para 50 % a taxa de preparação de resíduos para reutilização e reciclagem; iii. Assegurar níveis de recolha selectiva de 47 kg/habitante/ ano. As metas estabelecidas, não são, no entanto, iguais para todos os Sistemas, havendo objectivações distintas para os 23 Sistemas existentes:

9 49 50 TRATOLIXO face às metas do PERSU 2020 TRATOLIXO face às metas do PERSU 2020 O compromisso com o PERSU 2020 foi estabelecido através de um Plano de Acção (PAPERSU), preparado pela TRATOLIXO em estreita colaboração com os seus Municípios tendo sido aprovado pela Tutela em 29/06/2015. Os Planos elaborados transmitiram os princípios que o Sistema TRATOLIXO e os Municípios, pretendem assumir. A aposta na qualidade do serviço público que desenvolve, nas parcerias sérias que pretende criar, desenvolvendo cadeias de valor, aliando a estratégia da operação de «recolha» com a do «tratamento e valorização» num reforço da cooperação e da criação de sinergias criativas e positivas, sem nunca descurar contudo, o desejado equilíbrio e sustentabilidade económica e financeira do Sistema. Deposição RUB em Aterro (%) Preparação Reutilização e Reciclagem (%) Retomas de Recolha Selectiva (Kg/habitante) 2013 Posição Actual 2015 a 2020 Metas POSICIONAMENTO DA TRATOLIXO Meta de deposição de RUB em aterro POSICIONAMENTO DA TRATOLIXO Meta de preparação para reutilização e reciclagem POSICIONAMENTO DA TRATOLIXO NA GESTÃO DOS RU 53 O PAPEL DA TAXA DE GESTÃO DE RESÍDUOS TGR 54 MELHORES INDICADORES Sistemas Nacionais e da Área Metropolitana de Lisboa Comparativamente com a média nacional e com os 0 100% outros Sistemas da Área Metropolitana de Lisboa, é 6 possível verificar 90% que a TRATOLIXO apresenta os melhores indicadores no que se refere a reciclagem, valorização orgânica e ao desvio de 80% resíduos de aterro. 70% 0 Aterro 6 60% A média Nacional para os RU enviados directamente para aterro é de 43%; A Tratolixo enviou apenas 6% 50% Incineraçâo 31 40% A média Nacional para os RU enviados para 6 35 incineração é de 22%; A Tratolixo enviou 35% ; 30% 14 Valorizaçâo orgânica (VO) A média Nacional para os RU enviados para VO é de 20% 43 2%; A Tratolixo enviou 14% ; 10% Recolha Selectiva para Reciclagem RSR) 0% A média Nacional para os RU enviados para RSR é Aterro Incineração Valorização Recolha Tratamento de 9%;. A Tratolixo enviou 15% Orgânica Selectiva para Mecânico Reciclagem Tratamento Mecânico (TM) Média Nacional TRATOLIXO Valorsul Amarsul A média Nacional para os RU enviados para TM é de 7%; ATratolixo enviou 31%. No entanto, é difícil afirmar que esta TGR tem efeito prático na FISCALIDADE VERDE hierarquia de gestão de resíduos, uma vez que não difere a tipologia de resíduos enviados para aterro. Refugos dos processos de Com a Lei 82D /2014, de 31 de Dezembro, também denominada tratamento mecânico pagam TGR idêntica aos resíduos enviados reforma da fiscalidade verde, foram alterados os valores e os para aterro sem qualquer tratamento. princípios associados à taxa de gestão de resíduos. Deveria existir uma atribuição de «prémios» por metas de O seu objectivo primordial é penalizar as actividades de maior preparação para reciclagem e retoma, em percentagem da receita impacte ambiental, como a deposição indiscriminada de resíduos obtida pela cobrança de TGR, de forma a premiar o esforço de em aterro ou as operações de eliminação por incineração. quem se aplica e é ambientalmente eficiente e procura as melhores práticas Ano 2020 Valor datgr ( /t) OPERAÇÃO % TGR a pagar da 100% D1 Deposição em aterro D10 Incineração 70% R1 Valorização Energética 25%

10 DECISÕES ESTRATÉGICAS DA NOVA ADMINISTRAÇÃO 55 PERSPECTIVAS 56 Liquidez conseguida por via do intenso controlo da dívida Em meses foi possível reduzir 54 % da dívida a fornecedores representando - 12,189,115 Redução nos custos de transporte e deposição Desenvolvimento dos Recursos Humanos Implementação e reconhecimento de mérito profissional, tais como avaliação de desempenho Inovação O Novo Modelo Técnico irá evoluir para soluções tecnológicas de futuro que contribuam para um processo completo e financeiramente mais sustentável mantendo uma atitude visionária e de constante inovação no que respeita à Gestão dos Resíduos Sólidos Urbanos; Estabelecer e implementar as acções necessárias para o cumprimento dos objectivos e metas definidos Garantindo a prestação de um serviço público de elevada qualidade, tornando-a uma entidade de referência na área da gestão dos resíduos, promovendo a economia circular (resíduos como matéria prima) e o crescimento sustentável. Responsabilidade Social Reestruturação do passivo financeiro Equilíbrio da Estrutura Financeira; Recuperação do Fundo de Maneio + 46M Renegociações e rescisões de contratos com fornecedores externos e a internalização de serviços Obtenção de todos os documentos necessários para a actividade Documentos legais, Licenças e Certificados Ser cada vez mais uma organização de referência no mercado, através da valorização de recursos, da responsabilidade social e da aplicação de boas práticas de conciliação de critérios de natureza tecnológica, económica, ambiental e social no exercício da sua actividade PICS PORTFOLIO Ecoparque da Abrunheira PICS PORTFOLIO Ecoparque de Trajouce 59 Obrigado João Carlos Dias Coelho

TRATOLIXO BREVE SÍNTESE DA EVOLUÇÃO DA GESTÃO DE RESÍDUOS EM PORTUGAL. Workshop Valorização Energética de Resíduos Verdes Herbáceos

TRATOLIXO BREVE SÍNTESE DA EVOLUÇÃO DA GESTÃO DE RESÍDUOS EM PORTUGAL. Workshop Valorização Energética de Resíduos Verdes Herbáceos Workshop Valorização Energética de Resíduos Verdes Herbáceos Lisboa (LNEG) TRATOLIXO BREVE SÍNTESE DA EVOLUÇÃO DA GESTÃO DE RESÍDUOS EM PORTUGAL IEE/12/046/SI2,645700 2013-2016 2 Gestão de resíduos Na

Leia mais

TRATOLIXO E.I.M., S.A.

TRATOLIXO E.I.M., S.A. MONITORIZAÇÃO DE ATERROS E LIXEIRAS O CASO PRÁTICO PRAET TRATOLIXO E.I.M., S.A. 21 de Janeiro 2016 PORTFOLIO 2 3 APRESENTAÇÃO DA TRATOLIXO DATA DE CONSTITUIÇÃO 26 Julho de1989 (26 anos) ACCIONISTA AMTRES

Leia mais

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO Setor dos Resíduos: Importância Estratégica para Portugal 2020 17 de outubro de 2014 / Luís Marinheiro

Leia mais

METAS DO PERSU 2020: PONTO DE SITUAÇÃO E PERSPECTIVAS FUTURAS. Nuno Lacasta Presidente do Conselho Diretivo

METAS DO PERSU 2020: PONTO DE SITUAÇÃO E PERSPECTIVAS FUTURAS. Nuno Lacasta Presidente do Conselho Diretivo METAS DO PERSU 2020: PONTO DE SITUAÇÃO E PERSPECTIVAS FUTURAS Nuno Lacasta Presidente do Conselho Diretivo 1. APA: FACTOS E NÚMEROS A APA foi criada em 2012, em resultado da fusão de 9 organismos distintos.

Leia mais

Geramos valor para a Natureza. MUSAMI Operações Municipais do Ambiente, EIM, SA

Geramos valor para a Natureza. MUSAMI Operações Municipais do Ambiente, EIM, SA Geramos valor para a Natureza MUSAMI Operações Municipais do Ambiente, EIM, SA A MUSAMI Gerar Valor para a Natureza é a nossa missão. Como? Promovendo a valorização crescente dos resíduos, desenvolvendo

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS

PLANO DE GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS 2015 PLANO DE GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS Município de Castelo de Vide Gabinete Técnico Florestal Setembro de 2015 INDICE 1. Introdução... 2 1.1. Enquadramento geográfico e populacional... 3 1.2.

Leia mais

A Certificação de Sistemas Integrados Caso LIPOR

A Certificação de Sistemas Integrados Caso LIPOR A Certificação de Sistemas Integrados Caso LIPOR Ciclo de Seminários Técnicos T Eficiência na Gestão de Resíduos duos Constituída por oito Municípios pertencentes à Área Metropolitana do Porto População

Leia mais

A Valorização de CDR s, uma Oportunidade

A Valorização de CDR s, uma Oportunidade A Valorização de CDR s, uma Oportunidade Gestão e Comunicação na Área dos Resíduos EMAC Empresa de Ambiente de Cascais Estoril, 22 de Setembro de 2009 A LIPOR 8 Municípios Área - 648 km 2 População - 1

Leia mais

RARU 13 ANEXO II Metodologia e Pressupostos

RARU 13 ANEXO II Metodologia e Pressupostos O Decreto-Lei nº 178/2006, de 5 de setembro, com a nova redação do Decreto-Lei n.º 73/2011, de 17 de junho, veio criar um Sistema Integrado de Registo Eletrónico de Resíduos (SIRER), suportado pelo Sistema

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO PERSU 2020 (PAPERSU) DA TRATOLIXO

PLANO DE ACÇÃO PERSU 2020 (PAPERSU) DA TRATOLIXO PLANO DE ACÇÃO PERSU 2020 (PAPERSU) DA TRATOLIXO Abril de 2015 1 TRATOLIXO 2 TRATOLIXO ÍNDICE 1. Introdução e enquadramento histórico... 5 2. O Sistema de Gestão de Resíduos Urbanos da TRATOLIXO... 6 2.1.

Leia mais

LIPOR A Sustentabilidade na Gestão dos Resíduos Urbanos

LIPOR A Sustentabilidade na Gestão dos Resíduos Urbanos SEMINÁRIO RESÍDUOS E SAÚDE LIPOR A Sustentabilidade na Gestão dos Resíduos Urbanos Susana Lopes Departamento Produção e Logística 29 de maio de 2013 1 Tópicos Sistema Integrado Gestão de Resíduos o caso

Leia mais

Ecocentro Recolha e Centro de Triagem Resiaçores Recolha SMAH Compostagem - TERAMB Incineração - TERAMB Aterro Sanitário - TERAMB

Ecocentro Recolha e Centro de Triagem Resiaçores Recolha SMAH Compostagem - TERAMB Incineração - TERAMB Aterro Sanitário - TERAMB Ecocentro Recolha e Centro de Triagem Resiaçores Recolha SMAH Compostagem - TERAMB Incineração - TERAMB Aterro Sanitário - TERAMB SMAH Recolha, transporte de resíduos urbanos e limpeza pública Resiaçores

Leia mais

25 ANOS RELATÓRIO E CONTAS RELATÓRIO E CONTAS 2015 TRATOLIXO

25 ANOS RELATÓRIO E CONTAS RELATÓRIO E CONTAS 2015 TRATOLIXO 25 ANOS RELATÓRIO E CONTAS 2015 RELATÓRIO E CONTAS 2015 TRATOLIXO 1 CASCAIS MAFRA OEIRAS SINTRA 4 Municípios 31 Freguesias 844.468 Habitantes 396.043t RU/Ano 2 RELATÓRIO E CONTAS 2015 TRATOLIXO ÍNDICE

Leia mais

O Papel da ERSAR na gestão dos resíduos de embalagem

O Papel da ERSAR na gestão dos resíduos de embalagem O Papel da ERSAR na gestão dos resíduos de embalagem Filomena Rodrigues Lobo 6-Mar-14 1 Estrutura da Apresentação 1. A ERSAR e a sua Missão 2. O Modelo Regulatório 3. Contributo específico para o fluxo

Leia mais

Apoio à Economia Circular no Portugal 2020. O caso do PO SEUR. Helena Pinheiro de Azevedo

Apoio à Economia Circular no Portugal 2020. O caso do PO SEUR. Helena Pinheiro de Azevedo Apoio à Economia Circular no Portugal 2020 O caso do PO SEUR Helena Pinheiro de Azevedo ECONOMIA CIRCULAR o que é É uma sociedade que privilegia a Eficiência no Uso de Recursos Naturais Evita o uso e desperdício

Leia mais

Joana Sabino Chefe da Divisão de Resíduos Sectoriais. GESTÃO DE RESÍDUOS VERDES Enquadramento na política de resíduos

Joana Sabino Chefe da Divisão de Resíduos Sectoriais. GESTÃO DE RESÍDUOS VERDES Enquadramento na política de resíduos Joana Sabino Chefe da Divisão de Resíduos Sectoriais GESTÃO DE RESÍDUOS VERDES Enquadramento na política de resíduos APA A APA foi criada em 2012, em resultado da fusão de 9 organismos distintos. É um

Leia mais

A CENTRAL DE VALORIZAÇÃO ORGÂNICA DA ALGAR

A CENTRAL DE VALORIZAÇÃO ORGÂNICA DA ALGAR Workshop Valorização Energética de Resíduos Verdes Herbáceos Hugo Costa Loulé A CENTRAL DE VALORIZAÇÃO ORGÂNICA DA ALGAR DIGESTÃO ANAERÓBIA DE RESIDUOS URBANOS IEE/12/046/SI2,645700 2013-2016 2 Estrutura

Leia mais

Recolha Selectiva Multimaterial -Que Soluções?

Recolha Selectiva Multimaterial -Que Soluções? Recolha Selectiva Multimaterial -Que Soluções? Concelho de Valongo Câmara Municipal de Valongo Departamento de Ambiente e Qualidade de Vida Divisão de Qualidade Ambiental Sector de Higiene Urbana Caracterização

Leia mais

População Aprox habitantes. Área Aprox. 650 Km 2. Obras Licenciadas 2007 Grande Porto Edificação Demolição

População Aprox habitantes. Área Aprox. 650 Km 2. Obras Licenciadas 2007 Grande Porto Edificação Demolição População Aprox. 969.036 habitantes Área Aprox. 650 Km 2 Obras Licenciadas 2007 Grande Porto 2354 2189 Edificação 165 - Demolição Obras Concluídas2007 Grande Porto 1853 1794 Edificação 59 - Demolição Resíduos

Leia mais

BENCHMARKING INTERNACIONAL GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

BENCHMARKING INTERNACIONAL GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS WORKSHOP E VISITAS TÉCNICAS A INFRA ESTRUTURAS DE GESTÃO E VALORIZAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM PORTUGAL 1ª Edição: 05/12 a 09/12/2016 2ª Edição: 06/02 a 10/02/2017 APRESENTAÇÃO

Leia mais

Contributos da Gestão de Resíduos Urbanos para o Desenvolvimento Socioeconómico e Ambiental de Portugal

Contributos da Gestão de Resíduos Urbanos para o Desenvolvimento Socioeconómico e Ambiental de Portugal Contributos da Gestão de Resíduos Urbanos para o Desenvolvimento Socioeconómico e Ambiental de Portugal Apresentação Pública 28 de maio de 2014 PARCEIROS: ESTUDO PROMOVIDO POR: 1. INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

Leia mais

NOME DO CURSO FORMAÇÃO CONTINUA DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS DATA INICIO/DATA FIM 15/06/2015 APRESENTAÇÃO

NOME DO CURSO FORMAÇÃO CONTINUA DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS DATA INICIO/DATA FIM 15/06/2015 APRESENTAÇÃO NOME DO CURSO FORMAÇÃO CONTINUA DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS DATA INICIO/DATA FIM 15/06/2015 APRESENTAÇÃO O principal objetivo deste curso consiste em fornecer aos alunos os conceitos fundamentais sobre

Leia mais

Novas Licenças do SIGRE e Valores de Contrapartida Implicações para o Sector Cátia Borges, Vice-Presidente da Direção da ESGRA Associação para a

Novas Licenças do SIGRE e Valores de Contrapartida Implicações para o Sector Cátia Borges, Vice-Presidente da Direção da ESGRA Associação para a Contrapartida Implicações para o Sector Cátia Borges, Vice-Presidente da Direção da ESGRA Associação para a Gestão de Resíduos e Diretora-Geral da Gesamb A ESGRA tem como missão a promoção dos interesses

Leia mais

Melhoria da eficácia da triagem de resíduos

Melhoria da eficácia da triagem de resíduos 1966-2011 45 anos Melhoria da eficácia da triagem de resíduos hospitalares ao nível do produtor Fátima Gonçalves 15 de Abril de 2011 1 SUCH Associação de natureza privada sem fins lucrativos Mais de 40

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DA INDÚSTRIA EXTRATIVA NA VALORIZAÇÃO DE RCD

CONTRIBUIÇÃO DA INDÚSTRIA EXTRATIVA NA VALORIZAÇÃO DE RCD CONTRIBUIÇÃO DA INDÚSTRIA EXTRATIVA NA VALORIZAÇÃO DE RCD ANA ALVES FERREIRA AGÊNCIA PORTUGUESA DO AMBIENTE 17 de Junho de 2015 Associação Nacional da Indústria Extrativa e Transformadora Representa os

Leia mais

Plano de Gestão de. Resíduos Sólidos Urbanos

Plano de Gestão de. Resíduos Sólidos Urbanos Plano de Gestão de Resíduos Sólidos Urbanos I. INTRODUÇÃO Até meados do século passado, o lixo doméstico, praticamente, não constituía problema. A maioria dos materiais utilizados continha componentes

Leia mais

Código Cliente Designação Conclusão

Código Cliente Designação Conclusão P17.007 * AMCAL Estudo da Delegação das Competências Municipais de Recolha de Resíduos 2.ª Fase 2017 P17.004 RESÍDUOS NORDESTE EVF da Operação de Valorização Energética de CDR e Biomassa Em curso P16.002

Leia mais

Taxa de gestão de resíduos

Taxa de gestão de resíduos Taxa de gestão de resíduos Inês Diogo Vogal do Conselho Diretivo da Agência Portuguesa do Ambiente, I.P. 30 de abril de 2013 Resumo 1. Enquadramento 2. Objetivo 3. Aplicação 4. Valores 5. Evolução 6. Destino

Leia mais

COMPOSTAGEM DE VERDES A EXPERIÊNCIA DA ALGAR

COMPOSTAGEM DE VERDES A EXPERIÊNCIA DA ALGAR COMPOSTAGEM DE VERDES A EXPERIÊNCIA DA ALGAR 19 de Maio de 2006 COMPOSTAGEM DE VERDES: A EXPERIÊNCIA DA ALGAR 1. ALGAR : sistema de gestão integrada de RSU 2. Compostagem de Resíduos Verdes Processo Qualidade

Leia mais

Legislação temática Resíduos

Legislação temática Resíduos Diploma Resumo Data Alterações, revogações e normas complementares Portaria nº 1028/92 Estabelece normas de segurança e identificação para o transporte dos óleos usados 05-11-1992 Decreto-Lei nº 138/96

Leia mais

36.ª Reunião. Comissão de Acompanhamento. do Fundo de Coesão II. 11 de Março de Hotel Sana, Lisboa. UNIÃO EUROPEIA Fundo de Coesão II

36.ª Reunião. Comissão de Acompanhamento. do Fundo de Coesão II. 11 de Março de Hotel Sana, Lisboa. UNIÃO EUROPEIA Fundo de Coesão II 36.ª Reunião Comissão de Acompanhamento do Fundo de Coesão II Hotel Sana, Lisboa 11 de Março de 2011 UNIÃO EUROPEIA Fundo de Coesão II Ordem de Trabalhos 1. Aprovação da Ordem de Trabalhos 2. Aprovação

Leia mais

Case study. Stakeholders internos MOBILIZAÇÃO PARA A SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL EMPRESA

Case study. Stakeholders internos MOBILIZAÇÃO PARA A SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL EMPRESA Case study 2010 Stakeholders internos MOBILIZAÇÃO PARA A SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL EMPRESA O grupo Águas de Portugal (AdP) actua nas áreas de abastecimento de água, saneamento de águas residuais e tratamento

Leia mais

GESTAO DE ÁGUAS URBANAS NO SECTOR TURÍSTICO

GESTAO DE ÁGUAS URBANAS NO SECTOR TURÍSTICO JAN 10 GESTAO DE ÁGUAS URBANAS NO SECTOR TURÍSTICO PROJECTO ÁGUAS DE PONTA PRETA Contributo das Infra-estruturas ao turismo sustentável 01 CONTEXTO URBANIZAÇÃO DE PONTA PRETA (Santa Maria - Ilha do Sal)

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES

PERGUNTAS FREQUENTES PERGUNTAS FREQUENTES Novo Regime Geral de Resíduos (RGR) Decreto-Lei n.º 178/2006, de 5 de Setembro, na redacção dada pelo Decreto-Lei n.º 73/2011, de 17 de Junho 1. Quando vai entrar em vigor e modo de

Leia mais

1. DEFINIÇÃO, ANTECEDENTES E VISÃO DO PNAC 2020/2030

1. DEFINIÇÃO, ANTECEDENTES E VISÃO DO PNAC 2020/2030 Programa Nacional para as Alterações Climáticas (PNAC2020/2030) Avaliação do âmbito de aplicação do Decreto-Lei n.º 232/2007, de 15 de junho 1. DEFINIÇÃO, ANTECEDENTES E VISÃO DO PNAC 2020/2030 O Programa

Leia mais

Resumo. Este estudo tem quatro grandes linhas de investigação: - optimização do processo de TMBV;

Resumo. Este estudo tem quatro grandes linhas de investigação: - optimização do processo de TMBV; Aplicação da ao Tratamento Mecânico e Biológico dos Resíduos Sólidos Urbanos com vista à Reciclagem de Embalagens de Plástico, de Vidro e de Metais Índice Resumo...2 1. Introdução...3 2. Objectivos...5

Leia mais

Planeamento e Gestão de Resíduos de Construção e Demolição (RCD)

Planeamento e Gestão de Resíduos de Construção e Demolição (RCD) Planeamento e Gestão de Resíduos de Construção e Demolição (RCD) Rita Teixeira d Azevedo O planeamento e a gestão de resíduos de construção e demolição pretende identificar e implementar os elementos necessários

Leia mais

A Evolução do Modelo Português Joaquim Poças Martins

A Evolução do Modelo Português Joaquim Poças Martins 21 de Junho de 2012 Viana do Castelo A Evolução do Modelo Português Joaquim Poças Martins Fonte: Aguadeiros História das Políticas Públicas de no Abastecimento chafariz e Saneamento de de Águas Dentro,

Leia mais

Alberto Mendes Ministério do Turismo, Indústria e Energia Cabo Verde

Alberto Mendes Ministério do Turismo, Indústria e Energia Cabo Verde Alberto Mendes Ministério do Turismo, Indústria e Energia Cabo Verde Rendimento per capita de 2008 foi de US$3.130, sendo que em 1975 era de US$190 Taxa de alfabetização: 83,8% para adultos e 97% para

Leia mais

SOLUÇÃO MILLENNIUM 2020

SOLUÇÃO MILLENNIUM 2020 PERSU 2020 PO SEUR 2020 SOLUÇÃO MILLENNIUM 2020 Cascais PERSU 2020 14 julho 2016 Gonçalo Regalado Direção de Marketing Empresas ENQUADRAMENTO Reforço dos Instrumentos Económico- Financeiros Incentivar

Leia mais

No caminho da Inovação

No caminho da Inovação 04/0/6 Apresentação 8 Municípios Área 648 km População 985.000 habitantes RU Rececionados (04) 499.7 t Capitação, kg/hab.dia 96. toneladas Coeq evitadas No caminho da Inovação Produção RU Área Geográfica

Leia mais

INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DO AMBIENTE

INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DO AMBIENTE INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DO AMBIENTE Gestão de Resíduos Imagens de Valorsul, 2007 Eng. Ambiente 1º Ciclo, 1º Ano, 1º Semestre Ano Lectivo 2006/2007 Definição de Resíduos DL nº 178/06, de 5 de Setembro RESÍDUOS

Leia mais

é tudo que resta Numa política orientada para um progresso sustentado, o que resta é reutilizável, reciclável, e apresentação

é tudo que resta Numa política orientada para um progresso sustentado, o que resta é reutilizável, reciclável, e apresentação resíduo é tudo que resta Numa política orientada para um progresso sustentado, o que resta é reutilizável, reciclável, e interminável, acima de tudo, um instrumento fundamental para a preservação dos recursos

Leia mais

Município de Alcoutim. Plano de Ação de Resíduos Sólidos Urbanos (PAPERSU)

Município de Alcoutim. Plano de Ação de Resíduos Sólidos Urbanos (PAPERSU) Município de Alcoutim Plano de Ação de Resíduos Sólidos Urbanos (PAPERSU) Abril de 2015 1 1. Introdução e enquadramento histórico O concelho de Alcoutim, predominantemente rural, apresenta um rico património

Leia mais

MITIGAÇÃO DAS MC EM MOÇAMBIQUE. Telma Manjta MICOA

MITIGAÇÃO DAS MC EM MOÇAMBIQUE. Telma Manjta MICOA MITIGAÇÃO DAS MC EM MOÇAMBIQUE Telma Manjta MICOA Conteúdo da Apresentação Enquadramento da mitigação dos GEE em Moçambique Prioridades de Mitigação identificadas na ENAMMC Emissões GEE em Moçambique Oportunidades

Leia mais

INSTALAÇÕES DE TRATAMENTO

INSTALAÇÕES DE TRATAMENTO INSTALAÇÕES DE TRATAMENTO ANO LECTIVO 2008/2009 (2º SEMESTRE) APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA PROFª ANA AMBRÓSIO DE SOUSA LISBOA, MARÇO DE 2009 INSTALAÇÕES DE TRATAMENTO ANO LECTIVO 2008/2009 2º SEMESTRE APRESENTAÇÃO

Leia mais

Boas Práticas Ambientais na Gestão de Resíduos Município de Cantanhede. Maria João Aires Dias de Mariz

Boas Práticas Ambientais na Gestão de Resíduos Município de Cantanhede. Maria João Aires Dias de Mariz Boas Práticas Ambientais na Gestão de Resíduos Município de Cantanhede Maria João Aires Dias de Mariz 19 de setembro de 2014 A Inova Empresa de Desenvolvimento Económico e Social de Cantanhede, E.M.-S.A.,

Leia mais

Modelação e Impacto dos PAYT na Produção de Resíduos

Modelação e Impacto dos PAYT na Produção de Resíduos Modelação e Impacto dos PAYT na Produção de Resíduos Critérios de Análise INFA / ECOGESTUS Impacto nos Custos Caracterização e Quantificação dos Resíduos Aspectos Legais Sustentabilidade do Sistema / Riscos

Leia mais

DESAFIOS NA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS

DESAFIOS NA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS MINISTÉRIO PARA A COORDENAÇÃO DA ACÇÃO AMBIENTAL DIRECÇÃO NACIONAL DE GESTÃO AMBIENTAL DESAFIOS NA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS Apresentado por: Julia Ussy Félix Maputo, Fevereiro de 2014 SEQUÊNCIA

Leia mais

Aproveitamento energético do biogás a partir de RSU: desafios tecnológicos e regulatórios

Aproveitamento energético do biogás a partir de RSU: desafios tecnológicos e regulatórios Aproveitamento energético do biogás a partir de RSU: desafios tecnológicos e regulatórios AGOSTO/2014 Aterro Sanitário: Aproveitamento do Biogás e Tratamento de Chorume. MAIO/2014 A CRVR tem como pilares

Leia mais

RECEPÇÃO DE CALOUROS COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS UFES Campus ALEGRE

RECEPÇÃO DE CALOUROS COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS UFES Campus ALEGRE RECEPÇÃO DE CALOUROS 2017-1 COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS UFES Campus ALEGRE RECEPÇÃO DE CALOUROS 2017-1 Dr. Anderson Lopes Peçanha Professor da Universidade Federal do Espírito Santo Departamento

Leia mais

Resíduos Urbanos Relatório Anual 2014

Resíduos Urbanos Relatório Anual 2014 Resíduos Urbanos Relatório Anual 2014 Amadora novembro, 2015 Resíduos Urbanos Relatório Anual 2014»3 Ficha técnica: Título: Autoria: Resíduos Urbanos Relatório Anual 2014 Agência Portuguesa do Ambiente,

Leia mais

Critérios de Mérito. Critério Sub critério Descrição e regras de avaliação Pontuação CRITÉRIOS QUALITATIVOS

Critérios de Mérito. Critério Sub critério Descrição e regras de avaliação Pontuação CRITÉRIOS QUALITATIVOS Critérios de Selecção A fim de assegurar um nível mínimo de qualidade das candidaturas, os candidatos seleccionados têm de pontuar pelo menos 30 pontos nos critérios qualitativos, sob pena de exclusão.

Leia mais

Sacolas Bioplásticas e a Coleta Seletiva da cidade de São Paulo

Sacolas Bioplásticas e a Coleta Seletiva da cidade de São Paulo Sacolas Bioplásticas e a Coleta Seletiva da cidade de São Paulo A Lei nº 15.374 de 2011 proíbe a disponibilização de sacolas plásticas descartáveis nos estabelecimentos comerciais do município de São Paulo.

Leia mais

O Fluxo dos Óleos Usados enquadramento nacional e comunitário

O Fluxo dos Óleos Usados enquadramento nacional e comunitário -Sumário O Fluxo dos Óleos Usados enquadramento nacional e comunitário 1.ª Convenção SOGILUB Porque o Óleo tem mais Vidas Enquadramento legal Comunitário nacional Mário Grácio 9 de Novembro de 2010 O sector

Leia mais

Indicadores de performance ambiental e a sua relação com factores económicos na implementação de MTD no sector têxtil LIFE 07 ENV/PT/000625

Indicadores de performance ambiental e a sua relação com factores económicos na implementação de MTD no sector têxtil LIFE 07 ENV/PT/000625 Indicadores de performance ambiental e a sua relação com factores económicos na implementação de MTD no sector têxtil LIFE 07 ENV/PT/000625 Layman s Report ÂMBITO E OBJECTIVO No sector têxtil não estão

Leia mais

BOLETIM ESTATÍSTICO DE PAPEL E CARTÃO

BOLETIM ESTATÍSTICO DE PAPEL E CARTÃO BOLETIM ESTATÍSTICO 2013 DE PAPEL E CARTÃO 0. ÍNDICE 2 1. INTRODUÇÃO.............................................................. 3 2. CONSUMO DE PAPEL PARA RECICLAR.......................................

Leia mais

Agrupamento de Escolas Terras de Larus Escola Básica 2,3 da Cruz de Pau Ciências Naturais 8º Ano Ficha de Avaliação

Agrupamento de Escolas Terras de Larus Escola Básica 2,3 da Cruz de Pau Ciências Naturais 8º Ano Ficha de Avaliação Agrupamento de Escolas Terras de Larus Escola Básica 2,3 da Cruz de Pau Ciências Naturais 8º Ano Ficha de Avaliação Nome: n.º Turma: Data: Classificação: Prof: Enc. Edu. 1. As figuras seguintes ilustram

Leia mais

Paulo Rodrigues I

Paulo Rodrigues I Paulo Rodrigues I paulo.rodrigues@lipor.pt UNIVERSOLIPOR População 969.036 habitantes 10.3% da população de Portugal em 650 km 2 (0.8% do território nacional) Produção Anual de RSU (ano 2009) 505.665 toneladas

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Marisa Brasil Engenheira de Alimentos MBA em Qualidade, Segurança, Meio Ambiente, Saúde e Responsabilidade Social Especialista em Engenharia Ambiental e Saneamento Básico

Leia mais

Introdução. Outros TBM. Orgânicos Rejeitados. Reciclagem. Emprego. Produtos. Conclusão. Introdução. Porta-a-porta Outros TBM

Introdução. Outros TBM. Orgânicos Rejeitados. Reciclagem. Emprego. Produtos. Conclusão. Introdução. Porta-a-porta Outros TBM : solução de reciclagem e tratamento para RSU pedrocarteiro@quercus.pt 144 836 (população máxima) http://residuos.quercus.pt A SPV simplificou a informação para o consumidor. 1 2 Fonte: SPV Dados reciclagem

Leia mais

CENTRAL DE DIGESTÃO ANAERÓBIA DO ECOPARQUE DA ABRUNHEIRA Ponto de situação e desafios

CENTRAL DE DIGESTÃO ANAERÓBIA DO ECOPARQUE DA ABRUNHEIRA Ponto de situação e desafios CENTRAL DE DIGESTÃO ANAERÓBIA DO ECOPARQUE DA ABRUNHEIRA Ponto de situação e desafios Domingos Saraiva Presidente do Conselho de Administração da TRATOLIXO, E.I.M., S.A. TRATOLIXO, EIM, SA. Criada em 1990

Leia mais

A Política Ambiental na Fiscalidade sobre os Resíduos. Cristina Caldeira Lipor, 22 de Julho de 2008

A Política Ambiental na Fiscalidade sobre os Resíduos. Cristina Caldeira Lipor, 22 de Julho de 2008 A Política Ambiental na Fiscalidade sobre os Resíduos Cristina Caldeira Lipor, 22 de Julho de 2008 Introdução Conceito Instrumento Descrição de instrumentos de mercado Instrumentos de mercado vs Instrumentos

Leia mais

Boletim Estatístico de Papel e Cartão 2012

Boletim Estatístico de Papel e Cartão 2012 2012 Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CONSUMO DE PAPEL PARA RECICLAR... 4 3. PRODUÇÃO DE PASTAS DE FIBRA RECUPERADA... 4 4. CONSUMO DE PASTAS PARA A PRODUÇÃO DE PAPEL... 5 5. PRODUÇÃO DE PAPEL E CARTÃO...

Leia mais

ATERRO SANITÁRIO INTERMUNICIPAL DA PÓVOA DE VARZIM FEVEREIRO 2008

ATERRO SANITÁRIO INTERMUNICIPAL DA PÓVOA DE VARZIM FEVEREIRO 2008 ATERRO SANITÁRIO INTERMUNICIPAL DA PÓVOA DE VARZIM FEVEREIRO 2008 O PROJECTO Localização Acessibilidades Infra-estruturas Gestão e operacionalidade Arranjo e integração paisagística existente a realizar

Leia mais

BOLETIM ESTATÍSTICO DE PAPEL E CARTÃO

BOLETIM ESTATÍSTICO DE PAPEL E CARTÃO BOLETIM ESTATÍSTICO DE PAPEL E CARTÃO 0. ÍNDICE 2 1. INTRODUÇÃO.............................................................. 3 2. CONSUMO DE PAPEL PARA RECICLAR.......................................

Leia mais

MÓDULO 2. Prof. Dr. Valdir Schalch

MÓDULO 2. Prof. Dr. Valdir Schalch RESÍDUOS SÓLIDOSS MÓDULO 2 Prof. Dr. Valdir Schalch RESÍDUOS SÓLIDOS S - DEFINIÇÃO... aqueles nos estados sólidos e semi-sólidos, que resultam de atividades da comunidade de origem: industrial, doméstica,

Leia mais

Definições e princípios patentes em diversa legislação que tem por objecto a questão dos resíduos.

Definições e princípios patentes em diversa legislação que tem por objecto a questão dos resíduos. Fontes: Proposta de Decreto-Lei sobre RC&D. Estrutura usual de um Regulamento Municipal. Definições e princípios patentes em diversa legislação que tem por objecto a questão dos resíduos. Contributos do

Leia mais

Compras Públicas Ecológicas: o papel do consumidor Estado. Paula Trindade LNEG

Compras Públicas Ecológicas: o papel do consumidor Estado. Paula Trindade LNEG Compras Públicas Ecológicas: o papel do consumidor Estado Paula Trindade LNEG Conferência Consumo Sustentável e Alterações Climáticas Alfragide, 26 Novembro 2009 Potencial das Compras Públicas Sustentáveis

Leia mais

Águas de Lindóia. Conferências Municipais de Resíduos Sólidos - Planejamento

Águas de Lindóia. Conferências Municipais de Resíduos Sólidos - Planejamento Águas de Lindóia Aspectos Gerais Águas de Lindóia Relação Águas de Lindóia x CISBRA 7% dos habitantes do CISBRA 7% da pop. urbana do CISBRA 0,3% da pop. rural do CISBRA CISBRA Área CISBRA 2.576,553 km²

Leia mais

PERSU II Plano Estratégico para os Resíduos Sólidos Urbanos Relatório de Acompanhamento 2009

PERSU II Plano Estratégico para os Resíduos Sólidos Urbanos Relatório de Acompanhamento 2009 Plano Estratégico para os Resíduos Sólidos Urbanos 2007-2016 JANEIRO de 2011 FICHA TÉCNICA Título: PERSU II:. Relatório de Acompanhamento 2009 Coordenação: Eng.º Jaime Melo Baptista (Presidente do Conselho

Leia mais

Desenvolvimento Industrial em. Moçambique. African Iron&Steel Conference, de 23 de Juhno de 2015, Hotel Avenida, Maputo, Moçambique

Desenvolvimento Industrial em. Moçambique. African Iron&Steel Conference, de 23 de Juhno de 2015, Hotel Avenida, Maputo, Moçambique República de Moçambique African Iron&Steel Conference, de 23 de Juhno de 2015, Hotel Avenida, Maputo, Moçambique Direcção Nacional da Industria Desenvolvimento Industrial em Moçambique Eng. Mateus Matusse

Leia mais

INTERVENÇÕES DA CCDR ALENTEJO NO DOMÍNIO DO AMBIENTE NA REGIÃO DE SINES O AMBIENTE NA ZILS - PLANOS, AÇÕES E RESULTADOS

INTERVENÇÕES DA CCDR ALENTEJO NO DOMÍNIO DO AMBIENTE NA REGIÃO DE SINES O AMBIENTE NA ZILS - PLANOS, AÇÕES E RESULTADOS INTERVENÇÕES DA CCDR ALENTEJO NO DOMÍNIO DO AMBIENTE NA REGIÃO DE SINES O AMBIENTE NA ZILS - PLANOS, AÇÕES E RESULTADOS 8-11 11-216 MISSÃO E ATRIBUIÇÕES DAS CCDR AVALIAÇÃO DE IMPACTE AMBIENTAL Decreto-Lei

Leia mais

Instruções para a redução, o tratamento e a separação de resíduos de materiais resultantes de convenções e exposições

Instruções para a redução, o tratamento e a separação de resíduos de materiais resultantes de convenções e exposições Instruções para a redução, o tratamento e a separação de resíduos de materiais resultantes de convenções e exposições Introdução: Para se articular com a política de tratamento de resíduos sólidos Reciclagem

Leia mais

LUSÁGUA LUSÁGUA - Serviços Ambientais, S.A. AQUAPOR MISSÃO

LUSÁGUA LUSÁGUA - Serviços Ambientais, S.A. AQUAPOR MISSÃO TÍTULO DO DOCUMENTO LUSÁGUA A LUSÁGUA - Serviços Ambientais, S.A. é a empresa do grupo AQUAPOR vocacionada para a prestação de serviços relacionados com a gestão integral do ciclo urbano da água, gestão

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DE CIÊNCIAS NATURAIS - 8º ANO -Sustentabilidade na Terra-

PLANIFICAÇÃO DE CIÊNCIAS NATURAIS - 8º ANO -Sustentabilidade na Terra- PLANIFICAÇÃO DE CIÊNCIAS NATURAIS - 8º ANO -Sustentabilidade na Terra- Tema / Capítulos Competências/Objectivos Estratégias / Actividades Recursos/ Materiais Avaliação Aulas previstas (45 min) Tema I Ecossistemas

Leia mais

Relatório do 9º Aniversário da Resíduos do Nordeste

Relatório do 9º Aniversário da Resíduos do Nordeste Relatório do 9º Aniversário da Resíduos do Nordeste Abril / 2012 Nota de Abertura No mês em que a Resíduos do Nordeste assinala o seu 9º aniversário de atividade, e em que cesso funções como Presidente

Leia mais

ATIVIDADES CENTRO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Pré-Escolar e 1º Ciclo

ATIVIDADES CENTRO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Pré-Escolar e 1º Ciclo GUIA DE ATIVIDADES de educação ambiental ATIVIDADES CENTRO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Pré-Escolar e 1º Ciclo Centro de Educação Ambiental de Albufeira Localização: Quinta da Palmeira - R. dos Bombeiros Voluntários

Leia mais

INTER RESÍDUOS AEP 28 JULHO 2012 APRESENTAÇÃO. 28/06/12 Elsa Nascimento

INTER RESÍDUOS AEP 28 JULHO 2012 APRESENTAÇÃO. 28/06/12 Elsa Nascimento INTER RESÍDUOS AEP 28 JULHO 2012 APRESENTAÇÃO Quem somos Somos uma empresa vocacionada para a Gestão Ambiental, sendo uma referência no mercado da gestão global de resíduos, sobretudo pela originalidade

Leia mais

HPEM Higiene Pública, E.M. Objectivos e vantagens. Descrição do projecto

HPEM Higiene Pública, E.M. Objectivos e vantagens. Descrição do projecto HPEM Higiene Pública, E.M. Porquê? Objectivos e vantagens Descrição do projecto Resultados Metas HPEM Higiene Pública, E.M. Número de funcionários: 276 Frota: 53 viaturas pesadas Actividade: Recolha de

Leia mais

Autores-Equipa. Conteúdo 04/02/16. Breve caracterização da recolha selegva em Portugal. 1. Breve caracterização da recolha selegva em Portugal

Autores-Equipa. Conteúdo 04/02/16. Breve caracterização da recolha selegva em Portugal. 1. Breve caracterização da recolha selegva em Portugal 04/02/16 Autores-Equipa MODELO DE PREVISÃO DE ENCHIMENTO DE CONTENTORES DA RECOLHA SELECTIVA Prof. Alexandre Magrinho; PhD Instituto Politécnico de Setúbal alexandre.magrinho@estsetubal.ips.pt Magrinho,

Leia mais

Tratamento de resíduos

Tratamento de resíduos Tratamento de resíduos Resíduo: Um resíduo é qualquer substância ou objecto de que o ser humano pretende desfazer-se por não lhe reconhecer utilidade. Prioridades a seguir no tratamento de resíduos sólidos:

Leia mais

Boas práticas para o Desenvolvimento Sustentável O contributo do Município de Mafra

Boas práticas para o Desenvolvimento Sustentável O contributo do Município de Mafra Seminário Eco-EscolasEscolas 2017 Boas práticas para o Desenvolvimento O contributo do Município de Mafra Câmara Municipal de Mafra Ílhavo - 20, 21 e 22 de janeiro de 2017 Seminário Eco-EscolasEscolas

Leia mais

AMBISOUSA, EIM PLANO DE AÇÃO DO SISTEMA DO VALE DO SOUSA PAPERSU

AMBISOUSA, EIM PLANO DE AÇÃO DO SISTEMA DO VALE DO SOUSA PAPERSU AMBISOUSA, EIM PLANO DE AÇÃO DO SISTEMA DO VALE DO SOUSA PAPERSU NOVEMBRO 2015 Índice 1 INTRODUÇÃO E ENQUADRAMENTO HISTÓRICO...1 2 O SISTEMA DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS...2 2.1 Caracterização geral...2

Leia mais

Eng. Marcos Helano Fernandes Montenegro Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do Distrito Federal - ADASA

Eng. Marcos Helano Fernandes Montenegro Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do Distrito Federal - ADASA Regulação dos serviços públicos de saneamento básico e aproveitamento energético do gás metano de aterros sanitários Eng. Marcos Helano Fernandes Montenegro Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento

Leia mais

III SEMINÁRIO ESTADUAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL

III SEMINÁRIO ESTADUAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL III SEMINÁRIO ESTADUAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL Painel II: Resíduos Sólidos Urbanos Política Nacional, Gestão e Gerenciamento de Resíduos Sólidos. José Valverde Machado Filho 20.04.2012 Cenários e Evolução

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS RESÍDUOS SÓLIDOS: UM PROBLEMA DE CARÁTER SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO 1. CARACTERÍSTICAS NACIONAIS Brasil - um país de dimensões continentais

Leia mais

Unhais da Serra, 9 10 NOV. 2016

Unhais da Serra, 9 10 NOV. 2016 Unhais da Serra, 9 10 NOV. 2016 Programa da Sessão 09:30 Receção dos Participantes 10:00 Sessão de Abertura Helder Pedro Gerente da Valorpneu Carlos Martins Secretário de Estado do Ambiente 10:30 Economia

Leia mais

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa 1º Trimestre de 2015 ÍNDICE 1. MATERIAL RECEBIDO... 3 1.1. PLÁSTICOS... 3 1.2. PAPEL... 4 1.3. VIDRO... 5 1.4. SUCATA... 6 1.5. RESÍDUOS DE EQUIPAMENTOS

Leia mais

Ecoparque da Abrunheira. Mafra O futuro é hoje

Ecoparque da Abrunheira. Mafra O futuro é hoje Ecoparque da Abrunheira Mafra O futuro é hoje Quem Somos A Tratolixo é uma empresa intermunicipal de capitais integralmente públicos, detida a 100% pela AMTRES - Associação de Municípios de Cascais, Mafra,

Leia mais

A REGULAÇÃO DE ATERROS SANITÁRIOS E O APROVEITAMENTO DO BIOGÁS Estado do Rio de Janeiro. Agosto

A REGULAÇÃO DE ATERROS SANITÁRIOS E O APROVEITAMENTO DO BIOGÁS Estado do Rio de Janeiro. Agosto A REGULAÇÃO DE ATERROS SANITÁRIOS E O APROVEITAMENTO DO BIOGÁS Estado do Rio de Janeiro ~ 16 milhões de habitantes - 92 municípios ~ 16 mil toneladas diárias SITUAÇÃO DO PROGRAMA LIXÃO ZERO MUNICÍPIOS

Leia mais

A nova TGR e o FIA, oportunidades

A nova TGR e o FIA, oportunidades SEMANA EUROPEIA DOS RESÍDUOS 2015 1º Encontro dos SGR do Alentejo A nova TGR e o FIA, oportunidades Pedro Santana DRES-DGIR 24 de novembro de 2015 Objetivo & âmbito Âmbito Taxa de Gestão de Resíduos Objetivos:

Leia mais

Proposta de Lei n.º 12/XIII/1ª. (Orçamento de Estado para 2016) PROPOSTA DE ADITAMENTO

Proposta de Lei n.º 12/XIII/1ª. (Orçamento de Estado para 2016) PROPOSTA DE ADITAMENTO Proposta de Lei n.º 12/XIII/1ª (Orçamento de Estado para 2016) PROPOSTA DE ADITAMENTO Objectivos: As embalagens plásticas e o plástico em geral assumem um peso significativo na produção total de resíduos

Leia mais

Energia a partir de resíduos provenientes de biomassa

Energia a partir de resíduos provenientes de biomassa Energia a partir de resíduos provenientes de biomassa Isabel Cabrita & Ana Marta Paz Divisão de Estudos Investigação e Renováveis DIREÇÃO GERAL DE ENERGIA E GEOLOGIA Workshop oportunidades de valorização

Leia mais

EMPRESA DE ÁGUAS E SANEAMENTO DE BENGUELA Rua Sacadura Cabral, N.º112 Telef: /89 Telefax: Website:

EMPRESA DE ÁGUAS E SANEAMENTO DE BENGUELA Rua Sacadura Cabral, N.º112 Telef: /89 Telefax: Website: EMPRESA DE ÁGUAS E SANEAMENTO DE BENGUELA Rua Sacadura Cabral, N.º112 Telef: 24427326/89 Telefax: 272233615 Website: WWW.easb.co. ao 1 MUNICÍPIOS DE BENGUELA E BAIA FARTA 2 Índice 1. Introdução 2. Empresa,

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO PERSU Município de Mafra

PLANO DE ACÇÃO PERSU Município de Mafra PLANO DE ACÇÃO PERSU 2020 Município de Mafra Abril 2015 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO E ENQUADRAMENTO HISTÓRICO... 3 2. O MUNICÍPIO - CARACTERIZAÇÃO E MODELO TÉCNICO ATUAL... 4 2.1. Enquadramento geográfico...

Leia mais

SEMINÁRIO SOBRE CONSÓRCIOS PÚBLICOS INTERMUNICIPAIS Castrolanda, 26 a 28 de outubro de 2011 ATERROS REGIONAIS

SEMINÁRIO SOBRE CONSÓRCIOS PÚBLICOS INTERMUNICIPAIS Castrolanda, 26 a 28 de outubro de 2011 ATERROS REGIONAIS SEMINÁRIO SOBRE CONSÓRCIOS PÚBLICOS INTERMUNICIPAIS Castrolanda, 26 a 28 de outubro de 2011 ATERROS REGIONAIS UMA SOLUÇÃO VIÁVEL PARA ERRADICAÇÃO DOS LIXÕES DO BRASIL Engo. ELEUSIS BRUDER DI CREDDO Conselheiro

Leia mais

PENSAAR Uma nova Estratégia para o Setor de Abastecimento de Água e Saneamento de Águas Residuais VOLUME 3

PENSAAR Uma nova Estratégia para o Setor de Abastecimento de Água e Saneamento de Águas Residuais VOLUME 3 PENSAAR 2020 Uma nova Estratégia para o Setor de Abastecimento de Água e Saneamento de Águas Residuais ÍNDICE DE FIGURAS VOLUME 3 Figura 1 Acessibilidade física dos serviços de AA e de SAR em Portugal

Leia mais

Regulamento específico Assistência Técnica FEDER

Regulamento específico Assistência Técnica FEDER Regulamento específico Assistência Técnica FEDER Capítulo I Âmbito Artigo 1.º Objecto O presente regulamento define o regime de acesso aos apoios concedidos pelo Programa Operacional de Assistência Técnica

Leia mais

Planos de Gestão de Resíduos Hospitalares em UPCS

Planos de Gestão de Resíduos Hospitalares em UPCS Anabela Santiago Paulo Diegues Dezembro de 2007 Enquadramento Legislativo Principal Legislação aplicável aos Resíduos Hospitalares Despacho nº 242/96, de 13 de Agosto Portaria nº 174/97, de 10 de Março

Leia mais