PLANO DE GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO DE GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS"

Transcrição

1 2015 PLANO DE GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS Município de Castelo de Vide Gabinete Técnico Florestal Setembro de 2015

2 INDICE 1. Introdução Enquadramento geográfico e populacional Plano Estratégico para a Gestão dos Resíduos Sólidos Urbanos - PERSU Gestão de Resíduos sólidos urbanos no Município de Castelo de Vide Distribuição de contentores e ecopontos Produção de Resíduos Sólidos Urbanos Ações de sensibilização e educação ambiental Perspetivas futuras e ações de melhoria... 8 Plano de Gestão de Resíduos Sólidos Urbanos

3 1. Introdução A gestão dos resíduos produzidos diariamente, aos quais chamamos vulgarmente de lixo, é um tema cada vez mais emergente e por isso tem vindo a merecer cada vez mais destaque no que diz respeito à elaboração de políticas ambientais. Com o desenvolvimento da tecnologia e o aumento do consumo, verifica-se obrigatoriamente um aumento da quantidade de resíduos produzidos diariamente, e o destino a dar a cada tipo de resíduos produzidos é cada vez mais uma preocupação global. Uma gestão adequada dos resíduos contribui para a preservação dos recursos naturais, quer ao nível da prevenção, quer através da reciclagem e valorização. Neste sentido, um Plano de Gestão de Resíduos Sólidos Urbanos, aplicado a nível municipal, pode representar uma mais-valia, na medida em que além de constituir uma análise mais detalhada da forma como é feita a gestão dos resíduos, contém ainda medidas de melhoria que podem ser implementadas, a fim de garantir uma melhoria continua no sistema de gestão. Atualmente a política de gestão de resíduos, aplicada na União Europeia baseia-se numa hierarquia (Fig. 1), ou seja, deve optar-se sempre que possível pela prevenção e redução de produção, e, nos casos em que a produção não possa ser evitada, os resíduos devem ser reutilizados, reciclados ou valorizados sempre que possível, sendo a sua eliminação em aterro evitada ao máximo. A eliminação dos resíduos através da sua deposição em aterro é considerada a pior opção para o meio ambiente, uma vez que esta opção pode transformar-se num grande problema ambiental para as gerações futuras. Eliminação Valorização Reciclagem Reutilização Prevenção Fig. 1 Hierarquia da gestão de resíduos Plano de Gestão de Resíduos Sólidos Urbanos

4 1.1. Enquadramento geográfico e populacional O Município de Castelo de Vide pertence ao distrito de Portalegre e é uma sub-região do Alto Alentejo, ocupa uma área de cerca de 264,91 km 2 do território nacional e é constituído por 4 freguesias, tal como mostra a figura 2. Fig. 2 Freguesias de Castelo de Vide Em 2011 (data dos últimos censos) contabilizaram-se 3407 habitantes e de acordo com o gráfico 1 verifica-se um decréscimo populacional entre 1991 e Evolução da população em Castelo de Vide Série1 Gráfico. 1 Evolução da população em Castelo de Vide (fonte: INE) Plano de Gestão de Resíduos Sólidos Urbanos

5 1.2. Plano Estratégico para a Gestão dos Resíduos Sólidos Urbanos - PERSU O Plano Estratégico para a Gestão dos Resíduos Sólidos Urbanos (PERSU), aprovado pelo Instituto Nacional de Resíduos, em 1997, tinha como meta temporal o período entre , neste período determinou-se a organização e regulamentação do setor dos resíduos urbanos em Portugal, permitindo assim a elaboração de diversas medidas de sustentabilidade, que claramente se verificaram eficazes aquando da sua aplicação. Identificam-se as seguintes medidas com balanço positivo: O encerramento das lixeiras clandestinas, que representavam o destino de cerca73% dos resíduos produzidos até 1995; A criação de sistemas multimunicipais e intermunicipais de gestão de RU (sistemas plurimunicipais); A construção de novas infraestruturas de valorização e eliminação; A criação de sistemas de recolha seletiva multimaterial; A definição das linhas de orientação geral para a criação de sistemas de gestão de fluxos específicos de resíduos. Contudo, em 2006 verificou-se uma necessidade de efetuar uma revisão a este plano, tendo sido então elaborado o PERSU II, constituindo assim o novo referencial do setor dos Resíduos Urbanos e alargando a meta temporal para o período de Este novo plano veio estabelecer prioridades, metas a atingir, ações a implementar e regras orientadoras dos planos multimunicipais, intermunicipais e municipais. O PERSU II estabeleceu as seguintes linhas orientadoras para a gestão de resíduos urbanos: Reduzir, reutilizar, reciclar; Separar na origem; Minimizar a deposição em aterro; A valorização energética da fração não reciclável; O Protocolo de Quioto como compromisso determinante na política de resíduos; A sustentabilidade dos sistemas de gestão de RU. A implementação do PERSU II contribuiu para que no período compreendido entre 2007 e 2012 tenham ocorrido alterações significativas no setor de gestão de resíduos sólidos urbanos. Plano de Gestão de Resíduos Sólidos Urbanos

6 2. Gestão de Resíduos sólidos urbanos no Município de Castelo de Vide O Município de Castelo de Vide é responsável pela recolha e transporte dos Resíduos Sólidos Urbanos (RSU), em articulação com a VALNOR Valorização e Tratamento de Resíduos Sólidos S.A., sendo esta constituída em 2001 pelo Decreto Lei nº 11/2001 de 23 de Janeiro. O seu principal objetivo é a exploração e gestão do Sistema Multimunicipal de Valorização e Tratamento de Resíduos Sólidos Urbanos, empresa responsável pela recolha, triagem, valorização e tratamento de resíduos sólidos produzidos em 25 Municípios da sua área de abrangência Distribuição de contentores e ecopontos Os serviços municipais são responsáveis pela recolha e pelo transporte dos RSU s, sendo também estes os responsáveis pela gestão dos contentores de resíduos indiferenciados que se encontram distribuídos pelo concelho, bem como pela sua manutenção e limpeza. O gráfico 2 mostra o número de contentores que se encontram em cada uma das freguesias do concelho, perfazendo um total de 372 contentores para deposição de resíduos indiferenciados. Esta distribuição tem em conta o número de habitantes em cada uma das freguesias. Distribuição de contentores por freguesia Nossa Senhora da Graça - Póvoa e Meadas Santa Maria da Devesa Santiago Maior São João Batista Gráfico. 2- Distribuição de contentores por freguesia Plano de Gestão de Resíduos Sólidos Urbanos

7 No caso dos ecopontos dispersos pelo concelho, estes são da responsabilidade da entidade gestora, Valnor, bem como a recolha e transporte dos resíduos seletivos. O gráfico 3 mostra a distribuição dos ecopontos pelas várias freguesias do concelho, podemos verificar que o maior número se encontra na freguesia de Santa Maria da Devesa, uma vez que representa a freguesia com maior número de habitantes. Distribuição de ecopontos por freguesia Santa Maria da Devesa 6 São João Batista 1 10 Santiago Maior 8 Nossa Senhora da Graça - Póvoa e Meadas Gráfico. 3- Distribuição de ecopontos por freguesia Relativamente aos oleões, a tabela 1 mostra a quantidade de oleoes presentes no concelho, os quais também são da responsabilidade da Valnor. Tabela 1. Quantidade de oleões no Concelho de Castelo de Vide Localização Castelo de Vide Póvoa e Meadas Quantidade de oleões 10 2 Relativamente às viaturas de recolha de resíduos, existem 3 veículos destinados a esse fim, com uma capacidade total de recolha de 21m 3. Plano de Gestão de Resíduos Sólidos Urbanos

8 2.2. Produção de Resíduos Sólidos Urbanos Tal como foi referido anteriormente o aumento da tecnologia e do consumo proporciona paralelamente o aumento de resíduos produzidos. A tabela 1 mostra os valores relativos á produção de resíduos nos últimos 3 anos, no Concelho de Castelo de Vide, podendo-se verificar um aumento gradual ao longo deste período. Tabela 2- Produção de resíduos entre 2012 e 2014 Tipo de resíduo Ano de referência Resíduos indiferenciados 1337(t) 1340(t) 1380(t) Papel/cartão 74(t) 76(t) 93(t) Vidro 73(t) 63(t) 63(t) Embalagens 43(t) 44(t) 47(t) REEE 7(t) 11(t) 13(t) Resíduos volumosos 49(t) 53(t) 68(t) Óleos alimentares usados 6 (t) 6(t) 4(t) TOTAL 1591(t) 1593(t) Ações de sensibilização e educação ambiental No sentido de incutir boas práticas ambientais, mais concretamente na área dos resíduos, o Município de Castelo de Vide promove ações de sensibilização ambiental no Agrupamento de Escolas, de forma a sensibilizar a comunidade escolar para as questões relacionadas com a preservação do meio ambiente. Entre algumas ações de sensibilização, podemos destacar algumas, tais como: As visitas à Valnor, dando a conhecer aos jovens o processo de tratamento dos vários tipos de resíduos; A distribuição de compostores para a prática da compostagem e desta forma valorizar os resíduos verdes produzidos; Ações de sensibilização em sala através de apresentações em PowerPoint e atividades práticas que transmitam aos alunos os conceitos fundamentais no que diz respeito á redução, reutilização e reciclagem de materiais, poe exemplo a construção de carteiras a partir de pacotes de leite; Realização de workshops de construção de instrumentos musicais com materiais usados, no contexto do festival Andanças; Parcerias com a valnor na realização de atividades e jogos didácticos. Este tipo de ações promovem o conhecimento em matéria de ambiente e pretendem transmitir hábitos de sustentabilidade. Plano de Gestão de Resíduos Sólidos Urbanos

9 4. Perspetivas futuras e ações de melhoria Castelo de Vide tem uma forte responsabilidade turística, e isso implica receber com qualidade. Por outro lado, ao promover anualmente várias dezenas de eventos, verificase a necessidade excecional de aplicar medidas que reduzam a acumulação de lixo em vários pontos da Vila, para que não se favoreça o aparecimento de focos de poluição que são sempre prejudiciais à saúde pública. Neste sentido devem ser elaboradas e aplicadas algumas medidas que possam vir a colmatar as necessidades de resposta no que diz respeito à gestão de resíduos sólidos urbanos. Algumas das medidas a aplicar podem ser as seguintes: 1. Reforço na recolha de resíduos Sempre que se justifique, deve haver um reforço na recolha do lixo, por exemplo, na época da Páscoa, durante a época estival (julho, agosto e setembro) e na época natalícia, uma vez que, nestes períodos festivos verifica-se um aumento da população e o consequente aumento de resíduos produzidos, quer a nível doméstico, quer a nível da hotelaria e restauração. 2. Construção de ilhas ecológicas no centro histórico Esta medida pode incentivar a separação seletiva dos vários tipos de resíduos e desta forma reduzir a quantidade de lixo comum acumulado nos contentores de resíduos indiferenciados, o que, por consequência pode permitir optimizar os circuitos de recolha e limpeza. 3. Aumento da quantidade de ecopontos no Município Por vezes verifica-se uma grande afluência aos ecopontos, o que provoca uma acumulação de resíduos seletivos e a errada deposição dos mesmos, por isso seria interessante não só aumentar a quantidade dos mesmos, mas também reavaliar a sua localização, de forma a evitar aglomerados de resíduos no espaço envolvente aos ecopontos. Plano de Gestão de Resíduos Sólidos Urbanos

TRATOLIXO BREVE SÍNTESE DA EVOLUÇÃO DA GESTÃO DE RESÍDUOS EM PORTUGAL. Workshop Valorização Energética de Resíduos Verdes Herbáceos

TRATOLIXO BREVE SÍNTESE DA EVOLUÇÃO DA GESTÃO DE RESÍDUOS EM PORTUGAL. Workshop Valorização Energética de Resíduos Verdes Herbáceos Workshop Valorização Energética de Resíduos Verdes Herbáceos Lisboa (LNEG) TRATOLIXO BREVE SÍNTESE DA EVOLUÇÃO DA GESTÃO DE RESÍDUOS EM PORTUGAL IEE/12/046/SI2,645700 2013-2016 2 Gestão de resíduos Na

Leia mais

Qualidade Ambiental - Contexto LIPOR -

Qualidade Ambiental - Contexto LIPOR - Qualidade Ambiental - Contexto LIPOR - Inês Inácio LIPOR 27 de maio de 2016 LIPOR - Serviço Intermunicipalizado de Gestão de Resíduos do Grande Porto LIPOR sobre nós A LIPOR é uma Associação de Municípios

Leia mais

Governo Regional dos Açores Secretaria Regional da Agricultura e Ambiente Direção Regional do Ambiente

Governo Regional dos Açores Secretaria Regional da Agricultura e Ambiente Direção Regional do Ambiente Governo Regional dos Açores Secretaria Regional da Agricultura e Ambiente Direção Regional do Ambiente Data de elaboração: Maio de 2016 Relatório Resíduos Urbanos Ilha de Santa Maria 2015 1. ENQUADRAMENTO

Leia mais

Plano de Gestão de. Resíduos Sólidos Urbanos

Plano de Gestão de. Resíduos Sólidos Urbanos Plano de Gestão de Resíduos Sólidos Urbanos I. INTRODUÇÃO Até meados do século passado, o lixo doméstico, praticamente, não constituía problema. A maioria dos materiais utilizados continha componentes

Leia mais

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO Setor dos Resíduos: Importância Estratégica para Portugal 2020 17 de outubro de 2014 / Luís Marinheiro

Leia mais

Município de Alcoutim. Plano de Ação de Resíduos Sólidos Urbanos (PAPERSU)

Município de Alcoutim. Plano de Ação de Resíduos Sólidos Urbanos (PAPERSU) Município de Alcoutim Plano de Ação de Resíduos Sólidos Urbanos (PAPERSU) Abril de 2015 1 1. Introdução e enquadramento histórico O concelho de Alcoutim, predominantemente rural, apresenta um rico património

Leia mais

ATIVIDADES CENTRO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Pré-Escolar e 1º Ciclo

ATIVIDADES CENTRO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Pré-Escolar e 1º Ciclo GUIA DE ATIVIDADES de educação ambiental ATIVIDADES CENTRO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Pré-Escolar e 1º Ciclo Centro de Educação Ambiental de Albufeira Localização: Quinta da Palmeira - R. dos Bombeiros Voluntários

Leia mais

Recolha Selectiva Multimaterial -Que Soluções?

Recolha Selectiva Multimaterial -Que Soluções? Recolha Selectiva Multimaterial -Que Soluções? Concelho de Valongo Câmara Municipal de Valongo Departamento de Ambiente e Qualidade de Vida Divisão de Qualidade Ambiental Sector de Higiene Urbana Caracterização

Leia mais

Boas Práticas Ambientais na Gestão de Resíduos Município de Cantanhede. Maria João Aires Dias de Mariz

Boas Práticas Ambientais na Gestão de Resíduos Município de Cantanhede. Maria João Aires Dias de Mariz Boas Práticas Ambientais na Gestão de Resíduos Município de Cantanhede Maria João Aires Dias de Mariz 19 de setembro de 2014 A Inova Empresa de Desenvolvimento Económico e Social de Cantanhede, E.M.-S.A.,

Leia mais

METAS DO PERSU 2020: PONTO DE SITUAÇÃO E PERSPECTIVAS FUTURAS. Nuno Lacasta Presidente do Conselho Diretivo

METAS DO PERSU 2020: PONTO DE SITUAÇÃO E PERSPECTIVAS FUTURAS. Nuno Lacasta Presidente do Conselho Diretivo METAS DO PERSU 2020: PONTO DE SITUAÇÃO E PERSPECTIVAS FUTURAS Nuno Lacasta Presidente do Conselho Diretivo 1. APA: FACTOS E NÚMEROS A APA foi criada em 2012, em resultado da fusão de 9 organismos distintos.

Leia mais

Plano Municipal de Gestão de Resíduos do Município de Lisboa

Plano Municipal de Gestão de Resíduos do Município de Lisboa Plano Municipal de Gestão de Resíduos do Município de Lisboa [2015-2020] 4ª Comissão Ambiente e Qualidade de Vida Primeiro Plano Municipal de Resíduos na cidade de Lisboa O Caminho [Lisboa Limpa] Melhorar

Leia mais

Posição da APESB - Associação Portuguesa de Engenharia Sanitária e Ambiental sobre os Biorresíduos e a revisitação urgente do PERSU 2020

Posição da APESB - Associação Portuguesa de Engenharia Sanitária e Ambiental sobre os Biorresíduos e a revisitação urgente do PERSU 2020 f Posição da APESB - Associação Portuguesa de Engenharia Sanitária e Ambiental sobre os Biorresíduos e a revisitação urgente do PERSU 2020 março de 2017 www.apesb.org/pt 1 Enquadramento O PERSU 2020, no

Leia mais

Boas práticas para o Desenvolvimento Sustentável O contributo do Município de Mafra

Boas práticas para o Desenvolvimento Sustentável O contributo do Município de Mafra Seminário Eco-EscolasEscolas 2017 Boas práticas para o Desenvolvimento O contributo do Município de Mafra Câmara Municipal de Mafra Ílhavo - 20, 21 e 22 de janeiro de 2017 Seminário Eco-EscolasEscolas

Leia mais

TECNOSISTEMAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS

TECNOSISTEMAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS TECNOSISTEMAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS O que é um resíduo (DL 178/2006)? Qualquer substância ou objecto que o detentor se desfaz ou tem a intenção ou a obrigação de se desfazer, nomeadamente os identificados

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS

PLANO MUNICIPAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS PLANO MUNICIPAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS 2015 1. Introdução O hábito do consumo exponencial, os avanços tecnológicos, entre outros, são indutores da produção de grandes quantidades de resíduos sólidos

Leia mais

Agrupamento de Escolas Terras de Larus Escola Básica 2,3 da Cruz de Pau Ciências Naturais 8º Ano Ficha de Avaliação

Agrupamento de Escolas Terras de Larus Escola Básica 2,3 da Cruz de Pau Ciências Naturais 8º Ano Ficha de Avaliação Agrupamento de Escolas Terras de Larus Escola Básica 2,3 da Cruz de Pau Ciências Naturais 8º Ano Ficha de Avaliação Nome: n.º Turma: Data: Classificação: Prof: Enc. Edu. 1. As figuras seguintes ilustram

Leia mais

LIPOR A Sustentabilidade na Gestão dos Resíduos Urbanos

LIPOR A Sustentabilidade na Gestão dos Resíduos Urbanos SEMINÁRIO RESÍDUOS E SAÚDE LIPOR A Sustentabilidade na Gestão dos Resíduos Urbanos Susana Lopes Departamento Produção e Logística 29 de maio de 2013 1 Tópicos Sistema Integrado Gestão de Resíduos o caso

Leia mais

A ECONOMIA CIRCULAR E O SETOR DOS RESÍDUOS URBANOS

A ECONOMIA CIRCULAR E O SETOR DOS RESÍDUOS URBANOS Paulo Praça Presidente da Direção Montalegre, 24 de setembro de 2016 BREVE APRESENTAÇÃO DA BREVE APRESENTAÇÃO DA ESGRA A ESGRA foi constituída em 2009, com o objetivo de assegurar a defesa dos interesses

Leia mais

PLANO DE COMUNICAÇÃO E IMAGEM 2011/2012 RESINORTE, S. A.

PLANO DE COMUNICAÇÃO E IMAGEM 2011/2012 RESINORTE, S. A. PLANO DE COMUNICAÇÃO E IMAGEM 2011/2012 RESINORTE, S. A. COMUNICAÇÃO AMBIENTAL I. Eco-aulas, palestras e workshops Ações de formação e sensibilização sobre a temática dos resíduos nas escolas que as solicitem.

Leia mais

Ecocentro Recolha e Centro de Triagem Resiaçores Recolha SMAH Compostagem - TERAMB Incineração - TERAMB Aterro Sanitário - TERAMB

Ecocentro Recolha e Centro de Triagem Resiaçores Recolha SMAH Compostagem - TERAMB Incineração - TERAMB Aterro Sanitário - TERAMB Ecocentro Recolha e Centro de Triagem Resiaçores Recolha SMAH Compostagem - TERAMB Incineração - TERAMB Aterro Sanitário - TERAMB SMAH Recolha, transporte de resíduos urbanos e limpeza pública Resiaçores

Leia mais

04/02/16 INDICE ESTRATÉGIAS DE RECOLHA SELETIVA RUMO AO CUMPRIMENTO DAS METAS. Histórico da RS no grupo EGF. Histórico da RS no grupo EGF - Ecopontos

04/02/16 INDICE ESTRATÉGIAS DE RECOLHA SELETIVA RUMO AO CUMPRIMENTO DAS METAS. Histórico da RS no grupo EGF. Histórico da RS no grupo EGF - Ecopontos 04/02/16 ESTRATÉGIAS DE RECOLHA SELETIVA RUMO AO CUMPRIMENTO DAS METAS Celes=na Barros EGF, SA INDICE Histórico da Recolha Sele=va no Grupo Metas de retomas Recolha Sele=va Valorização Orgânica Digestão

Leia mais

Geramos valor para a Natureza. MUSAMI Operações Municipais do Ambiente, EIM, SA

Geramos valor para a Natureza. MUSAMI Operações Municipais do Ambiente, EIM, SA Geramos valor para a Natureza MUSAMI Operações Municipais do Ambiente, EIM, SA A MUSAMI Gerar Valor para a Natureza é a nossa missão. Como? Promovendo a valorização crescente dos resíduos, desenvolvendo

Leia mais

VALNOR participou no Seminário "Eficiência Energética e Boas Práticas Ambientais nas Empresas - Oportunidades para a Redução de Consumos e Custos"

VALNOR participou no Seminário Eficiência Energética e Boas Práticas Ambientais nas Empresas - Oportunidades para a Redução de Consumos e Custos VALNOR comemorou Dia da Árvore LUPA Laboratório Urbano pela Arte, visita VALNOR REUTILIZAR com e pela ARTE VALNOR participou no Seminário "Eficiência Energética e Boas Práticas Ambientais nas Empresas

Leia mais

A recolha de 55 toneladas de óleos alimentares usados resultou na produção de litros de

A recolha de 55 toneladas de óleos alimentares usados resultou na produção de litros de Economia circular 1 Economia circular Em Portugal, entende-se por resíduo urbano, o resíduo proveniente de habitações, bem como outro resíduo que, pela sua natureza ou composição, seja semelhante ao resíduo

Leia mais

População Aprox habitantes. Área Aprox. 650 Km 2. Obras Licenciadas 2007 Grande Porto Edificação Demolição

População Aprox habitantes. Área Aprox. 650 Km 2. Obras Licenciadas 2007 Grande Porto Edificação Demolição População Aprox. 969.036 habitantes Área Aprox. 650 Km 2 Obras Licenciadas 2007 Grande Porto 2354 2189 Edificação 165 - Demolição Obras Concluídas2007 Grande Porto 1853 1794 Edificação 59 - Demolição Resíduos

Leia mais

Panorâmica. Introdução. ObjeWvos 04/02/16 GESTÃO DOS RESÍDUOS DE UMA BASE AÉREA NA ÓTICA DA VALORIZAÇÃO. Classificação de Resíduos. 1.

Panorâmica. Introdução. ObjeWvos 04/02/16 GESTÃO DOS RESÍDUOS DE UMA BASE AÉREA NA ÓTICA DA VALORIZAÇÃO. Classificação de Resíduos. 1. Panorâmica GESTÃO DOS RESÍDUOS DE UMA BASE AÉREA NA ÓTICA DA VALORIZAÇÃO 1. Introdução 2. Legislação e compromissos nacionais 3. Caraterização do sistema de gestão de resíduos IVO JORGE RODRIGUES DUARTE

Leia mais

PLANO MUNICIPAL PARA A PREVENÇÃO DE RESÍDUOS TODOS GANHAM... O impacto ambiental provocado por uma má gestão dos resíduos é

PLANO MUNICIPAL PARA A PREVENÇÃO DE RESÍDUOS TODOS GANHAM... O impacto ambiental provocado por uma má gestão dos resíduos é PLANO MUNICIPAL PARA A PREVENÇÃO DE RESÍDUOS TODOS GANHAM... Considerando que: O impacto ambiental provocado por uma má gestão dos resíduos é enorme; Não se verifica um aproveitamento eficiente dos resíduos

Leia mais

PAPERSU DO MUNICÍPIO DE MATOSINHOS

PAPERSU DO MUNICÍPIO DE MATOSINHOS PAPERSU DO MUNICÍPIO DE MATOSINHOS abril 2015 INDICE 1. INTRODUÇÃO E ENQUADRAMENTO HISTÓRICO... 3 2. CARACTERIZAÇÃO E MODELO TÉCNICO ATUAL... 3 2.1. Características do município... 3 2.2. Recolha de resíduos...

Leia mais

PAPERSU TORRES VEDRAS. Abril 2015_CMTV DGAU

PAPERSU TORRES VEDRAS. Abril 2015_CMTV DGAU Abril 2015_CMTV DGAU Índice 1.Introdução 4 1.1. Enquadramento territorial 4 2.O Sistema 6 2.1. Caracterização geral 6 Gabinete de Valorização de Resíduos 9 Sensibilização Ambiental 9 2.2. Produção de Resíduos

Leia mais

RARU 13 ANEXO II Metodologia e Pressupostos

RARU 13 ANEXO II Metodologia e Pressupostos O Decreto-Lei nº 178/2006, de 5 de setembro, com a nova redação do Decreto-Lei n.º 73/2011, de 17 de junho, veio criar um Sistema Integrado de Registo Eletrónico de Resíduos (SIRER), suportado pelo Sistema

Leia mais

PAPERSU DO MUNICÍPIO DE PAREDES

PAPERSU DO MUNICÍPIO DE PAREDES PAPERSU DO MUNICÍPIO DE PAREDES ABRIL 2015 INDICE 1. INTRODUÇÃO E ENQUADRAMENTO HISTÓRICO... 2 2. CARACTERIZAÇÃO E MODELO TÉCNICO ATUAL... 2 2.1. CARACTERÍSTICAS DO MUNICÍPIO... 2 2.2. PRODUÇÃO DE RESÍDUOS...

Leia mais

2009. Julho.14 Iva Rodrigues Ferreira. Câmara Municipal de Gondomar Departamento de Ambiente

2009. Julho.14 Iva Rodrigues Ferreira. Câmara Municipal de Gondomar Departamento de Ambiente Reciclagem Multimaterial no Município de Gondomar 2009. Julho.14 Iva Rodrigues Ferreira Câmara Municipal de Gondomar Departamento de Ambiente O Município de Gondomar 164.090 habitantes (segundo os censos

Leia mais

Paulo Rodrigues I

Paulo Rodrigues I Paulo Rodrigues I paulo.rodrigues@lipor.pt UNIVERSOLIPOR População 969.036 habitantes 10.3% da população de Portugal em 650 km 2 (0.8% do território nacional) Produção Anual de RSU (ano 2009) 505.665 toneladas

Leia mais

Paulo Rodrigues I

Paulo Rodrigues I Paulo Rodrigues I paulo.rodrigues@lipor.pt ProduçãoResíduosLipor População: 969.036 habitantes 10.3% da população de Portugal em 650 km 2 (0.8% do território nacional) Produção anual de RSU (ano 2008)

Leia mais

Experiências de Portugal na Geração de Energia a partir de Resíduos

Experiências de Portugal na Geração de Energia a partir de Resíduos PAINEL 2 - Geração de Energia a partir de Lodo e Biomassa Experiências de Portugal na Geração de Energia a partir de Resíduos Mário Russo Prof. Coordenador Instituto Politécnico de Viana do Castelo Vice-Presidente

Leia mais

ARQUITETURA E MATERIAIS RECICLADOS.

ARQUITETURA E MATERIAIS RECICLADOS. ARQUITETURA E MATERIAIS RECICLADOS. Porquê? Utilizar materiais reciclados na Arquitetura? Fluxo dos materiais Ciclo de vida Fim de vida útil: Demolição > Alteração de uso obsolescência física (estrutural

Leia mais

Legislação temática Resíduos

Legislação temática Resíduos Diploma Resumo Data Alterações, revogações e normas complementares Portaria nº 1028/92 Estabelece normas de segurança e identificação para o transporte dos óleos usados 05-11-1992 Decreto-Lei nº 138/96

Leia mais

Gestão de Óleos Alimentares Usados (OAU) Rede de Recolha Seletiva Municipal

Gestão de Óleos Alimentares Usados (OAU) Rede de Recolha Seletiva Municipal Gestão de Óleos Alimentares Usados (OAU) Rede de Recolha Seletiva Municipal 214-215 Índice 1. Enquadramento legal. 3 2. Pontos de recolha seletiva municipal. 3 3- Acordos Voluntários Erro! Marcador não

Leia mais

30 Anos com história

30 Anos com história 30 Anos com história janeiro: janeiro de 1985 Adesão do Município de Vila do Conde à Lipor fevereiro: março: fevereiro de 1999 Adesão do Município da Póvoa de Varzim à Lipor fevereiro de 2000 Início da

Leia mais

Como Comunicar Projectos de Prevenção

Como Comunicar Projectos de Prevenção A Prevenção [redução] na Produção de Resíduos Como Comunicar Projectos de Prevenção Porto, 28 de Novembro de 2008 A Sair da Casca Quem somos Criada em 1994, a Sair da Casca é a primeira empresa de consultoria

Leia mais

PAPERSU DO MUNICÍPIO DE GONDOMAR

PAPERSU DO MUNICÍPIO DE GONDOMAR PAPERSU DO MUNICÍPIO DE GONDOMAR abril 2015 INDICE 1. INTRODUÇÃO E ENQUADRAMENTO HISTÓRICO... 2 2. CARACTERIZAÇÃO E MODELO TÉCNICO ATUAL... 2 2.1. CARACTERÍSTICAS DO MUNICÍPIO...2 2.2. RECOLHA DE RESÍDUOS...3

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES DE 2015/2016

PLANO DE ATIVIDADES DE 2015/2016 PLANO DE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL 2015/2016 EDUCAÇÃO AMBIENTAL INSCRIÇÕES DIVISÃO DE OBRAS MUNICIPAIS E AMBIENTE SETOR DE GESTÃO AMBIENTAL DO TERRITÓRIO W AMBIENTE@MUN-TROFA.PT T 252 409 850 M

Leia mais

DESAFIOS NA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS

DESAFIOS NA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS MINISTÉRIO PARA A COORDENAÇÃO DA ACÇÃO AMBIENTAL DIRECÇÃO NACIONAL DE GESTÃO AMBIENTAL DESAFIOS NA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS Apresentado por: Julia Ussy Félix Maputo, Fevereiro de 2014 SEQUÊNCIA

Leia mais

A compostagem como estratégia de gestão de resíduos verdes e de resíduos hortícolas

A compostagem como estratégia de gestão de resíduos verdes e de resíduos hortícolas A compostagem como estratégia de gestão de resíduos verdes e de resíduos hortícolas Esposende o concelho Distrito Braga N.º de freguesias - 15 Área - Cerca de 96 Km 2 População - Cerca de 34.000 hab. Orla

Leia mais

GERAÇÃO DE RESÍDUOS. Planejamento e Gestão de Resíduos

GERAÇÃO DE RESÍDUOS. Planejamento e Gestão de Resíduos GERAÇÃO DE RESÍDUOS Planejamento e Gestão de Resíduos FONTES GERADORAS ORIGEM DE ACORDO COM A CLASSIFICAÇÃO Domiciliar Comercial Institucional Serviços Públicos (limpeza pública) Serviços de saúde Indústria

Leia mais

Apoio à Economia Circular no Portugal 2020. O caso do PO SEUR. Helena Pinheiro de Azevedo

Apoio à Economia Circular no Portugal 2020. O caso do PO SEUR. Helena Pinheiro de Azevedo Apoio à Economia Circular no Portugal 2020 O caso do PO SEUR Helena Pinheiro de Azevedo ECONOMIA CIRCULAR o que é É uma sociedade que privilegia a Eficiência no Uso de Recursos Naturais Evita o uso e desperdício

Leia mais

Ecoparque da Ilha de São Miguel

Ecoparque da Ilha de São Miguel Ecoparque da Ilha de São Miguel Distância ao Continente = 1.500 Km Ligações marítimas = frequência semanal com duração de dois dias + 2 dias de operações portuárias Dispersão por 600 Km (mais do que

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO CONCURSO ESCOLAS VERDES

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO CONCURSO ESCOLAS VERDES RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO CONCURSO ESCOLAS VERDES Fe RESÍDUOS DO NORDESTE, EIM, S.A. Julho de 2014 INTRODUÇÃO A Empresa Intermunicipal Resíduos do Nordeste, EIM, S.A (adiante designada por Resíduos do

Leia mais

BENCHMARKING INTERNACIONAL RESÍDUOS SÓLIDOS PORTUGAL 3ª Edição

BENCHMARKING INTERNACIONAL RESÍDUOS SÓLIDOS PORTUGAL 3ª Edição 3ª Edição WORKSHOP E VISITAS TÉCNICAS A INFRAESTRUTURAS DE GESTÃO E VALORIZAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM PORTUGAL De 14 a 19/05/2017 APRESENTAÇÃO LAVORO Consulting promove a criação de uma ponte de interação

Leia mais

Melhoria da eficácia da triagem de resíduos

Melhoria da eficácia da triagem de resíduos 1966-2011 45 anos Melhoria da eficácia da triagem de resíduos hospitalares ao nível do produtor Fátima Gonçalves 15 de Abril de 2011 1 SUCH Associação de natureza privada sem fins lucrativos Mais de 40

Leia mais

mandamentos mandamentos do produtor de lixo

mandamentos mandamentos do produtor de lixo 10 mandamentos mandamentos do produtor de lixo 1 Reduzo o lixo que produzo Quando vou às compras, levo sacos reutilizáveis. Prefiro produtos concentrados, com pouca embalagem. Entrego os bens que já não

Leia mais

Metodologia utilizada para determinação das metas intercalares

Metodologia utilizada para determinação das metas intercalares Metodologia utilizada para determinação das metas intercalares 1. Introdução O Plano Estratégico para os Resíduos Urbanos, PERSU 2020, define três metas vinculativas e específicas por Sistema de Gestão

Leia mais

Programa Semana da Terra 2015 S. João da Madeira (20 a 26 de abril)

Programa Semana da Terra 2015 S. João da Madeira (20 a 26 de abril) Programa Semana da Terra 2015 S. João da Madeira (20 a 26 de abril) Dia 20 (segunda-feira) 10h00 Abertura Semana da Terra Hastear da Bandeira Praça 25 de Abril Largada de pombos Centro Columbófilo 14h30

Leia mais

O Papel da ERSAR na gestão dos resíduos de embalagem

O Papel da ERSAR na gestão dos resíduos de embalagem O Papel da ERSAR na gestão dos resíduos de embalagem Filomena Rodrigues Lobo 6-Mar-14 1 Estrutura da Apresentação 1. A ERSAR e a sua Missão 2. O Modelo Regulatório 3. Contributo específico para o fluxo

Leia mais

Índice. 2 BoPS Esposende

Índice. 2 BoPS Esposende 1 BoPS Esposende Índice Índice... 2 Esposende... 5 Compromissos... 6 Governança... 6 Pacto de autarcas... 6 Referências de excelência... 7 Requalificação da frente ribeirinha de esposende... 9 Investimento...

Leia mais

Apresentação. Julho Resíduos?

Apresentação. Julho Resíduos? Apresentação Julho 2012 Resíduos? 1 Reflexão Os problemas Causados pelos resíduos são tão velhos quanto a humanidade Nos nossos dias 2 Resíduos Resíduos Assiste-se a uma verdadeira explosão na produção

Leia mais

O uso de recursos da natureza. Profª. Ms. Fabiana Chinalia FACULDADES COC 10 e 11 de novembro

O uso de recursos da natureza. Profª. Ms. Fabiana Chinalia FACULDADES COC 10 e 11 de novembro O uso de recursos da natureza Profª. Ms. Fabiana Chinalia FACULDADES COC 10 e 11 de novembro IMPACTO E REFLEXOS DO LIXO Na sociedade má qualidade de vida e saúde perdas materiais e humanas ; atrai insetos

Leia mais

PAPERSU DO MUNICÍPIO DE ESPINHO

PAPERSU DO MUNICÍPIO DE ESPINHO PAPERSU DO MUNICÍPIO DE ESPINHO abril 2015 INDICE 1. INTRODUÇÃO E ENQUADRAMENTO HISTÓRICO... 2 2. CARACTERIZAÇÃO E MODELO TÉCNICO ATUAL... 2 2.1. CARACTERÍSTICAS DO MUNICÍPIO... 2 2.2. RECOLHA DE RESÍDUOS...

Leia mais

O consumidor e as embalagens

O consumidor e as embalagens O consumidor e as embalagens Luísa Schmidt e Susana Valente Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa 12-Mar-14 1 O Papel do Consumidor 1. Separar: motivações e desmotivações 2. Diferentes

Leia mais

SOLUÇÃO MILLENNIUM 2020

SOLUÇÃO MILLENNIUM 2020 PERSU 2020 PO SEUR 2020 SOLUÇÃO MILLENNIUM 2020 Cascais PERSU 2020 14 julho 2016 Gonçalo Regalado Direção de Marketing Empresas ENQUADRAMENTO Reforço dos Instrumentos Económico- Financeiros Incentivar

Leia mais

No caminho da Sustentabilidade. Óbidos Carbono Social

No caminho da Sustentabilidade. Óbidos Carbono Social No caminho da Sustentabilidade Óbidos Carbono Social Objectivos Implementação de medidas que visam a redução das emissões de CO 2 Execução de soluções de sequestração de CO 2 no Concelho Projectos de Mitigação

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DE CIÊNCIAS NATURAIS - 8º ANO -Sustentabilidade na Terra-

PLANIFICAÇÃO DE CIÊNCIAS NATURAIS - 8º ANO -Sustentabilidade na Terra- PLANIFICAÇÃO DE CIÊNCIAS NATURAIS - 8º ANO -Sustentabilidade na Terra- Tema / Capítulos Competências/Objectivos Estratégias / Actividades Recursos/ Materiais Avaliação Aulas previstas (45 min) Tema I Ecossistemas

Leia mais

RECOLHA SELECTIVA ECOPONTOS

RECOLHA SELECTIVA ECOPONTOS RECOLHA SELECTIVA ECOPONTOS O QUE É UM ECOPONTO? Ecoponto é uma bateria de contentores individuais destinados a receber separadamente os diversos materiais para reciclagem. Os ecopontos de Oliveira de

Leia mais

UNIVERSO EGF CAMINHO COM FUTURO

UNIVERSO EGF CAMINHO COM FUTURO UNIVERSO EGF A EGF DISTINGUE-SE PELA EXCELÊNCIA DO SERVIÇO PRESTADO COM QUALIDADE, COMPETÊNCIA TÉCNICA, INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE. Mais do que valorizar resíduos, a EGF valoriza a qualidade de vida das

Leia mais

NOME DO CURSO FORMAÇÃO CONTINUA DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS DATA INICIO/DATA FIM 15/06/2015 APRESENTAÇÃO

NOME DO CURSO FORMAÇÃO CONTINUA DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS DATA INICIO/DATA FIM 15/06/2015 APRESENTAÇÃO NOME DO CURSO FORMAÇÃO CONTINUA DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS DATA INICIO/DATA FIM 15/06/2015 APRESENTAÇÃO O principal objetivo deste curso consiste em fornecer aos alunos os conceitos fundamentais sobre

Leia mais

BENCHMARKING INTERNACIONAL GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

BENCHMARKING INTERNACIONAL GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS WORKSHOP E VISITAS TÉCNICAS A INFRA ESTRUTURAS DE GESTÃO E VALORIZAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM PORTUGAL 1ª Edição: 05/12 a 09/12/2016 2ª Edição: 06/02 a 10/02/2017 APRESENTAÇÃO

Leia mais

Novas Licenças do SIGRE e Valores de Contrapartida Implicações para o Sector Cátia Borges, Vice-Presidente da Direção da ESGRA Associação para a

Novas Licenças do SIGRE e Valores de Contrapartida Implicações para o Sector Cátia Borges, Vice-Presidente da Direção da ESGRA Associação para a Contrapartida Implicações para o Sector Cátia Borges, Vice-Presidente da Direção da ESGRA Associação para a Gestão de Resíduos e Diretora-Geral da Gesamb A ESGRA tem como missão a promoção dos interesses

Leia mais

Alteração ao Regulamento do Projecto Pago em Lixo

Alteração ao Regulamento do Projecto Pago em Lixo Alteração ao Regulamento do Projecto Pago em Lixo Considerandos: 1- A Junta de Freguesia de Campolide encontra-se a desenvolver um projecto com o intuito de envolver toda a Freguesia. 2- Sendo a preservação

Leia mais

A Certificação de Sistemas Integrados Caso LIPOR

A Certificação de Sistemas Integrados Caso LIPOR A Certificação de Sistemas Integrados Caso LIPOR Ciclo de Seminários Técnicos T Eficiência na Gestão de Resíduos duos Constituída por oito Municípios pertencentes à Área Metropolitana do Porto População

Leia mais

A recolha selectiva porta a porta na área geográfica de intervenção dos Serviços Municipalizados de Loures

A recolha selectiva porta a porta na área geográfica de intervenção dos Serviços Municipalizados de Loures A recolha selectiva porta a porta na área geográfica de intervenção dos Serviços Municipalizados de Loures Localização 1 Localização 142 hab/km 2 População 332.907 hab. Loures 1185 hab/km 2 Loures Odivelas

Leia mais

Taxa de gestão de resíduos

Taxa de gestão de resíduos Taxa de gestão de resíduos Inês Diogo Vogal do Conselho Diretivo da Agência Portuguesa do Ambiente, I.P. 30 de abril de 2013 Resumo 1. Enquadramento 2. Objetivo 3. Aplicação 4. Valores 5. Evolução 6. Destino

Leia mais

ÍNDICE ÍNDICE... 2 ÍNDICE DE FIGURAS... 3 MATOSINHOS... 4 COMPROMISSOS... 5 INSTALAÇÃO DE COLETORES SOLARES TÉRMICOS... 7

ÍNDICE ÍNDICE... 2 ÍNDICE DE FIGURAS... 3 MATOSINHOS... 4 COMPROMISSOS... 5 INSTALAÇÃO DE COLETORES SOLARES TÉRMICOS... 7 1 BoPS Matosinhos ÍNDICE ÍNDICE... 2 ÍNDICE DE FIGURAS... 3 MATOSINHOS... 4 COMPROMISSOS... 5 Governância... 5 Pacto de Autarcas... 5 Referências de Excelência... 6 INSTALAÇÃO DE COLETORES SOLARES TÉRMICOS...

Leia mais

Planos de Gestão de Resíduos Hospitalares em UPCS

Planos de Gestão de Resíduos Hospitalares em UPCS Anabela Santiago Paulo Diegues Dezembro de 2007 Enquadramento Legislativo Principal Legislação aplicável aos Resíduos Hospitalares Despacho nº 242/96, de 13 de Agosto Portaria nº 174/97, de 10 de Março

Leia mais

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa 1º Trimestre de 2016 Versão 1.2 ÍNDICE 1. MATERIAL RECEBIDO... 3 1.1. PLÁSTICOS... 3 1.2. PAPEL... 4 1.3. VIDRO... 5 1.4. SUCATA... 6 1.5. RESÍDUOS DE

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE VILA FRANCA DE XIRA. Normas de Participação na 8ª Edição Projeto de Recolha Seletiva de Embalagens - Brigada do Amarelo

CÂMARA MUNICIPAL DE VILA FRANCA DE XIRA. Normas de Participação na 8ª Edição Projeto de Recolha Seletiva de Embalagens - Brigada do Amarelo Normas de Participação na 8ª Edição Projeto de Recolha Seletiva de Embalagens - Brigada do Amarelo Preâmbulo A Câmara Municipal de Vila Franca de Xira, em parceria com a Valorsul, SA, promove durante o

Leia mais

764,16 km 2, maior município da região do Algarve; habitantes cerca de 15% população algarvia; Duas cidades: Loulé e Quarteira; 11 Freguesias

764,16 km 2, maior município da região do Algarve; habitantes cerca de 15% população algarvia; Duas cidades: Loulé e Quarteira; 11 Freguesias 30 de Novembro de 2012 ENQUADRAMENTO NQUADRAMENTO / C / CARACTERIZAÇÃO DO CONCELHO DE LOULÉ CONCELHO DE LOULÉ 764,16 km 2, maior município da região do Algarve; 70 260 habitantes cerca de 15% população

Leia mais

Recolha seletiva. Bases para um balanço de energia e recursos face à dispersão geográfica estudo de caso na Figueira da Foz

Recolha seletiva. Bases para um balanço de energia e recursos face à dispersão geográfica estudo de caso na Figueira da Foz Recolha seletiva. Bases para um balanço de energia e recursos face à dispersão geográfica estudo de caso na Figueira da Foz Susana Paixão 1, António Rochette Cordeiro 2, Lúcio Cunha 3, Armando Silva Afonso

Leia mais

TRATOLIXO E.I.M., S.A.

TRATOLIXO E.I.M., S.A. PORTFOLIO 2 TRATOLIXO E.I.M., S.A. 3 4 APRESENTAÇÃO DA TRATOLIXO APRESENTAÇÃO DA TRATOLIXO A empresa encontra-se certificada segundo a norma NP EN ISO 9001:2008 DATA DE CONSTITUIÇÃO 26 Julho de1989 (26

Leia mais

nº 09/2017 PMAS - Pense no Meio Ambiente SIRTEC Tema: GESTÃO DE RESÍDUOS RECICLÁVEIS

nº 09/2017 PMAS - Pense no Meio Ambiente SIRTEC Tema: GESTÃO DE RESÍDUOS RECICLÁVEIS nº 09/2017 PMAS - Pense no Meio Ambiente SIRTEC Tema: GESTÃO DE RESÍDUOS RECICLÁVEIS POLÍTICA INTEGRADA DE SEGURANÇA, SAÚDE E MEIO AMBIENTE POLÍTICA INTEGRADA Disponíveis nos murais e no site da empresa

Leia mais

VALNOR recebeu a visita do Ministro e do Secretário de Estado do Ambiente e apresentou os novos projetos da empresa

VALNOR recebeu a visita do Ministro e do Secretário de Estado do Ambiente e apresentou os novos projetos da empresa VALNOR recebeu a visita do Ministro e do Secretário de Estado do Ambiente e apresentou os novos projetos da empresa O Ministro do Ambiente, Ordenamento do Território e Energia, Jorge Moreira da Silva,

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS RESÍDUOS SÓLIDOS: UM PROBLEMA DE CARÁTER SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO 1. CARACTERÍSTICAS NACIONAIS Brasil - um país de dimensões continentais

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE VILA FRANCA DE XIRA PAPERSU. Plano de Ação do Município de Vila Franca de Xira para o cumprimento do PERSU 2020

CÂMARA MUNICIPAL DE VILA FRANCA DE XIRA PAPERSU. Plano de Ação do Município de Vila Franca de Xira para o cumprimento do PERSU 2020 PAPERSU Plano de Ação do Município de Vila Franca de Xira para o cumprimento do PERSU 2020 Maio de 2015 ÍNDICE NOMENCLATURA. 2 SUMÁRIO.. 3 1. INTRODUÇÃO E ENQUADRAMENTO HISTÓRICO.... 5 2. O MUNICÍPIO Caracterização

Leia mais

PLANO DE AÇÃO PERSU MUNICÍPIO DA AMADORA. Câmara Municipal da Amadoraa

PLANO DE AÇÃO PERSU MUNICÍPIO DA AMADORA. Câmara Municipal da Amadoraa PLANO DE AÇÃO PERSU 20200 MUNICÍPIO DA AMADORA Câmara Municipal da Amadoraa 2015 1 1. INTRODUÇÃO O presente documento constitui a estratégia do município da Amadora para a gestão dos resíduos urbanos tendo

Leia mais

Residência: Local de trabalho/estudo: Habilitações académicas: Profissão:

Residência: Local de trabalho/estudo: Habilitações académicas: Profissão: Inquérito O Plano de Ação para a Energia Sustentável do Concelho de Setúbal (PAESS) é um instrumento fundamental para assegurar o cumprimento, a nível local, do compromisso de atingir e ultrapassar o objetivo

Leia mais

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa 3º Trimestre de 2015 ÍNDICE 1. MATERIAL RECEBIDO... 3 1.1. PLÁSTICOS... 3 1.2. PAPEL... 4 1.3. VIDRO... 5 1.4. SUCATA... 6 1.5. RESÍDUOS DE EQUIPAMENTOS

Leia mais

Reciclagem e reutilização de materiais recicláveis. Mafalda Mota MATERIAIS RECICLADOS EM SEMINÁRIO QUERCUS, 30/03/2017

Reciclagem e reutilização de materiais recicláveis. Mafalda Mota MATERIAIS RECICLADOS EM SEMINÁRIO QUERCUS, 30/03/2017 Reciclagem e reutilização de materiais recicláveis Mafalda Mota MATERIAIS RECICLADOS EM SEMINÁRIO QUERCUS, 30/03/2017 ÍNDICE APA: Factos e números Enquadramento legal Especificações técnicas Incorporação

Leia mais

PROGRAMA DE FORMAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA SEMANA EUROPEIA DA PREVENÇÃO DE RESÍDUOS

PROGRAMA DE FORMAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA SEMANA EUROPEIA DA PREVENÇÃO DE RESÍDUOS PROGRAMA DE FORMAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA SEMANA EUROPEIA DA PREVENÇÃO DE RESÍDUOS PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RESÍDUOS URBANOS LIPOR, 17-18 de Junho de 2010 Agência Portuguesa do Ambiente Lurdes Carreira

Leia mais

MODELO DE PROTOCOLO. Entre a Quercus e o Município

MODELO DE PROTOCOLO. Entre a Quercus e o Município MODELO DE PROTOCOLO Entre a Quercus e o Município Entre a Quercus e o Município ENTRE QUERCUS ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE CONSERVAÇÃO DA NATUREZA pessoa colectiva nº 501736492, com sede no Centro Associativo

Leia mais

Em 2014, a reciclagem de REEE s foi acima da média legal

Em 2014, a reciclagem de REEE s foi acima da média legal Em 2014 a reciclagem de REEE s foi acima da média legal Em 2014, a reciclagem de REEE s foi acima da média legal Dia Nacional de Prevenção e Segurança no Trabalho 10º SEMINÁRIO: Engenharia das Energias

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE ACÇÃO DE RESÍDUOS URBANOS DE SANTA CRUZ DAS FLORES

PLANO MUNICIPAL DE ACÇÃO DE RESÍDUOS URBANOS DE SANTA CRUZ DAS FLORES PLANO MUNICIPAL DE ACÇÃO DE RESÍDUOS URBANOS DE SANTA CRUZ DAS FLORES ÍNDICE 1. Enquadramento legislativo 2. Diagnóstico da situação actual 3. Prospectiva da situação futura 4. Objectivos estratégicos

Leia mais

Plano para instalação de Ilhas Ecológicas

Plano para instalação de Ilhas Ecológicas P.JSP. 000.01 Data 11/05/2009 Pagina 1/53 Plano para instalação de Ilhas Ecológicas no Concelho de Cascais Plano para instalação de Ilhas Ecológicas São Domingos de Rana 1 Pagina 2/53 1. Sumário... 3 2.

Leia mais

A Valorização de CDR s, uma Oportunidade

A Valorização de CDR s, uma Oportunidade A Valorização de CDR s, uma Oportunidade Gestão e Comunicação na Área dos Resíduos EMAC Empresa de Ambiente de Cascais Estoril, 22 de Setembro de 2009 A LIPOR 8 Municípios Área - 648 km 2 População - 1

Leia mais

a 27 abril

a 27 abril 2013 22 a 27 abril Dia 22 abril 10h30 Abertura Semana da Terra CERCI Sessão de Teatro dinamizada pelos utentes da CERCI Largada de pombos Centro Columbófilo Inauguração da exposição Recipientes para deposição

Leia mais

MODELO DE PROTOCOLO. Entre a Quercus e Empresa Intermunicipal de Recolha Selectiva de Resíduos

MODELO DE PROTOCOLO. Entre a Quercus e Empresa Intermunicipal de Recolha Selectiva de Resíduos MODELO DE PROTOCOLO Entre a Quercus e Empresa Intermunicipal de Recolha Selectiva de Resíduos ENTRE QUERCUS ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE CONSERVAÇÃO DA NATUREZA pessoa colectiva nº 501736492, com sede no Centro

Leia mais

Projecto. Produzir menos 100 kg/habitante/ano na Região do Porto. Seminário A Prevenção na Produção de Resíduos Lipor 06 Julho 2006

Projecto. Produzir menos 100 kg/habitante/ano na Região do Porto. Seminário A Prevenção na Produção de Resíduos Lipor 06 Julho 2006 Projecto Produzir menos 100 kg/habitante/ano na Região do Porto Seminário A Prevenção na Produção de Resíduos Lipor 06 Julho 2006 A produção de resíduos na Área Metropolitana do Porto tem vindo a aumentar

Leia mais

Programa Semana da Terra 2013 (22 a 27 de abril)

Programa Semana da Terra 2013 (22 a 27 de abril) Programa Semana da Terra 2013 (22 a 27 de abril) Dia 22 10h30 Abertura Semana da Terra CERCI Sessão de Teatro dinamizada pelos utentes da CERCI Largada de pombos Centro Columbófilo Inauguração da exposição

Leia mais

Planeamento e Gestão de Resíduos de Construção e Demolição (RCD)

Planeamento e Gestão de Resíduos de Construção e Demolição (RCD) Planeamento e Gestão de Resíduos de Construção e Demolição (RCD) Rita Teixeira d Azevedo O planeamento e a gestão de resíduos de construção e demolição pretende identificar e implementar os elementos necessários

Leia mais

Sabias que as pilhas demoram cerca de 100 a 500 anos a decompor-se? Deposita-as no pilhão! TAR 3ºD

Sabias que as pilhas demoram cerca de 100 a 500 anos a decompor-se? Deposita-as no pilhão! TAR 3ºD Sabias que as pilhas demoram cerca de 100 a 500 anos a decompor-se? Deposita-as no pilhão! TAR 3ºD Reduz a poluição nas ruas, não deites lixo para o chão Enche os ecopontos e não o chão. TAR 3ºD O tempo

Leia mais

Mapa de Registo de Resíduos de Entidades Gestoras de Resíduos Urbanos na RAA

Mapa de Registo de Resíduos de Entidades Gestoras de Resíduos Urbanos na RAA Governo dos Açores Secretaria Regional dos Recursos Naturais Mapa de Registo de Resíduos de Entidades Gestoras de Resíduos Urbanos na RAA Identificação da Entidade Gestora de Resíduos Urbanos Ano: 2013

Leia mais