TECNOSISTEMAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TECNOSISTEMAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS"

Transcrição

1 TECNOSISTEMAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS

2 O que é um resíduo (DL 178/2006)? Qualquer substância ou objecto que o detentor se desfaz ou tem a intenção ou a obrigação de se desfazer, nomeadamente os identificados na Lista Europeia de Resíduos (LER) Resíduo urbano: O resíduo proveniente de habitações bem como outro resíduo que, pela sua natureza ou composição, seja semelhante ao resíduo proveniente de habitações. Reciclagem Qualquer operação de valorização através da qual os materiais constituintes dos resíduos são novamente transformados em produtos, materiais ou substâncias para o seu fim original ou para outros fins. Inclui o reprocessamento de materiais orgânicos, mas não inclui a valorização energética nem o reprocessamento em materiais que devam ser utilizados como combustível ou em operações de enchimento;

3 SISTEMAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS Operações de: Recolha; Transporte; Armazenagem; Valorização e eliminação de resíduos, incluindo a supervisão destas operações, a manutenção dos locais de eliminação após encerramento e as medidas tomadas na qualidade de comerciante ou corretor.

4 DEPOSIÇÃO DE RESÍDUOS - Conjunto de operações que envolvem a armazenagem de resíduos e a sua colocação em recipientes, em condições de serem removidos. - A escolha do sistema de deposição, depende de vários factores: Clima; Aspectos geográficos; Volume e tipo de resíduos a recolher; Tipo de urbanização e habitação; Densidade Populacional; Frequência e recolha; Distância e tipo de tratamento; Recursos. - Metodologias de deposição: sacos; contentores.

5 RECOLHA DE RESÍDUOS Operação de apanha de resíduos com vista ao seu transporte. O circuito obedece a um planeamento prévio (pontos de recolha, dias e horário). Recolha Indiferenciada Resulta da recolha dos resíduos urbanos que são colocados pelas populações no mesmo contentor, independentemente do seu tipo, e posteriormente estes são encaminhados para o Aterro Sanitário. Pode ser: porta a porta; colectiva; Quanto ao tipo de carregamento - contentores estacionários ou contentores transportáveis. Quanto ao horário - Recolha Diurna ou Nocturna.

6 RECOLHA DE RESÍDUOS Recolha Indiferenciada A Resíduos do Nordeste, EIM é a entidade responsável pela recolha indiferenciada nos Concelhos de Alfândega da Fé, Bragança, Carrazeda de Ansiães, Macedo de Cavaleiros, Miranda do Douro, Mirandela, Vila Flor, Vimioso e Vinhais. Nos Concelhos de Freixo de Espada à Cinta e de Vila Nova de Foz Côa as entidades responsáveis por esses serviços são as respectivas Câmaras Municipais, e em Mogadouro e Torre de Moncorvo a Associação de Municípios do Douro Superior. Os resíduos sólidos urbanos colocados nos contentores de recolha indiferenciada são encaminhados para o Aterro Sanitário de Urjais, destinado à deposição de resíduos não perigosos.

7 RECOLHA DE RESÍDUOS Recolha Selectiva Consiste no processo de recolha de resíduos colocados nos ecopontos e ecocentros, separados por tipo de material, de modo a que estes possam ser reciclados. Pode ser: Porta-a-porta; Recolha selectiva por transporte voluntário (sistemas de deposição colectivos que exigem a separação na fonte e o transporte para esses pontos de deposição).

8 RECOLHA DE RESÍDUOS Recolha Selectiva Ecocentros O Ecocentro é uma área vedada e vigiada destinada à recepção de resíduos para reciclagem com um volume superior aos ecopontos, e com eventual mecanização para preparação dos resíduos e encaminhamento para reciclagem. Depois de depositados selectivamente nos ecopontos e ecocentros os resíduos são encaminhados para a Estação de Triagem.

9 Recolha Selectiva Ecopontos RECOLHA DE RESÍDUOS O Ecoponto é um conjunto de contentores de cores diferenciadas (azul / verde / amarelo) para deposição selectiva de resíduos por tipo de material.

10 TRANSFERÊNCIA E TRANSPORTE DE RESÍDUOS O factor económico na recolha de RSU é o custo de Transporte. Transferência de resíduos: Permite optimizar os custos; Reduzir recursos humanos afectos à operação; Disciplinar o fluxo de viaturas nos eixos viários de acesso ao destino final; Ajustar a entrada e deposição dos RSU na unidade de tratamento, ou solução de destino final no período de funcionamento mais conveniente. Quando as distâncias de transporte são criticas é necessário fazer o transbordo de resíduos: Para veículos de maior capacidade; Estações de Transferência.

11 TRANSFERÊNCIA E TRANSPORTE DE RESÍDUOS Estação de Transferência de Resíduos É um local onde os resíduos são compactados dentro de grandes contentores fechados, antes de serem enviados para o Aterro Sanitário, permitindo um maior aproveitamento dos equipamentos.

12 ESTAÇÕES DE TRIAGEM São instalações onde os resíduos são separados, através de processos manuais ou mecânicos, em materiais constituintes destinados à valorização ou operações de gestão. - Estações de Triagem de RSU Indiferenciados seleccionar os componentes desejados dos resíduos urbanos, com vista a uma optimização do rendimento final do processo e a melhoria da qualidade do produto final (composto orgânico). Este equipamento exige um elevado investimento. - Estações de RSU provenientes da Recolha Selectiva Selecção de resíduos valorizáveis, após a recolha na fonte de produção de resíduos. Permitem uma selecção mais rigorosa. São dimensionadas tendo em conta os quantitativos de produção.

13 Ciclo de Vida Papel/Cartão ESTAÇÕES DE TRIAGEM RECOLHA SELECTIVA Consumidor Estação de Triagem Fabrico de papel/cartão Indústria papeleira Armazenamento em fardos

14 VALORIZAÇÃO Qualquer operação cujo resultado principal seja a transformação dos resíduos de modo a servirem um fim útil, substituindo outros materiais que, caso contrário, teriam sido utilizados para um fim específico, ou a preparação dos resíduos para esse fim, na instalação ou no conjunto da economia.

15 ELIMINAÇÃO Qualquer operação que não seja de valorização, mesmo que tenha como consequência secundária a recuperação de substâncias ou de energia. ATERROS Os aterros, são instalações de eliminação, utilizadas para a deposição controlada de resíduos, acima ou abaixo da superfície.

16 SISTEMAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS

17 CARACTERIZAÇÃO DO SISTEMA INTERMUNICIPAL Resíduos do Nordeste, EIM Concelhos: Alfândega da Fé, Bragança, Carrazeda de Ansiães, Macedo de Cavaleiros, Mirandela, Miranda do Douro, Mogadouro, Torre de Moncorvo, Freixo de Espada à Cinta, Vila Nova de Foz Côa, Vila Flor, Vimioso, e Vinhais. Área: Km2 População Residente (2001*): habitantes Produção RSU 2008: ,2 toneladas Capitação: 0,92 kg/hab.dia

18 MODELO TÉCNICO DE INTERVENÇÃO Aterro Sanitário localiza-se no lugar de Urjais, Freguesia de Frechas, Concelho de Mirandela. Terra Fria Quatro (4) Estações de Transferência nos municípios de Bragança, Torre de Moncorvo, Vimioso e Vinhais e catorze (14) Ecocentros construídos (Terra Quente, Terra Fria e Douro Superior). A Recolha selectiva é feita através de 523 ecopontos. A Recolha Indiferenciada é feita através de cerca de contentores. Terra Quente Douro Superior

ESTATÍSTICAS AMBIENTAIS DO DISTRITO DE BRAGANÇA. Co-Financiamento:

ESTATÍSTICAS AMBIENTAIS DO DISTRITO DE BRAGANÇA. Co-Financiamento: ESTATÍSTICAS AMBIENTAIS DO DISTRITO DE BRAGANÇA Co-Financiamento: Índice 1. Introdução... 2 2. Registo de resíduos sólidos urbanos por municípios em 2008... 3 3. Quantidade de RSU recolhido por município

Leia mais

é tudo que resta Numa política orientada para um progresso sustentado, o que resta é reutilizável, reciclável, e apresentação

é tudo que resta Numa política orientada para um progresso sustentado, o que resta é reutilizável, reciclável, e apresentação resíduo é tudo que resta Numa política orientada para um progresso sustentado, o que resta é reutilizável, reciclável, e interminável, acima de tudo, um instrumento fundamental para a preservação dos recursos

Leia mais

ANEXO III. Artigo 3º O concurso tem início no dia 1 de fevereiro de 2013 e termina no dia 30 de junho de Artigo 4º

ANEXO III. Artigo 3º O concurso tem início no dia 1 de fevereiro de 2013 e termina no dia 30 de junho de Artigo 4º ANEXO III CONCURSO DE RECOLHA SELETIVA DE PILHAS NAS ESCOLAS - 2013 A Empresa Intermunicipal, responsável pela gestão de resíduos sólidos urbanos na área geográfica dos concelhos de Alfândega da Fé, Bragança,

Leia mais

Artigo 1º O presente concurso é dirigido a todas as Escolas da área geográfica de atuação da Resíduos do Nordeste, EIM.

Artigo 1º O presente concurso é dirigido a todas as Escolas da área geográfica de atuação da Resíduos do Nordeste, EIM. ANEXO V REGULAMENTO CONCURSO DE RECOLHA DE ÓLEOS ALIMENTARES USADOS NAS ESCOLAS 2013 A Empresa Intermunicipal, responsável pela gestão de resíduos sólidos urbanos na área geográfica dos concelhos de Alfândega

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO CONCURSO RECOLHA DE ÓLEOS ALIMENTARES USADOS 2011

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO CONCURSO RECOLHA DE ÓLEOS ALIMENTARES USADOS 2011 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO CONCURSO RECOLHA DE ÓLEOS ALIMENTARES USADOS 2011 Fe RESÍDUOS DO NORDESTE, EIM Agosto de 2011 Resíduos do Nordeste, EIM 1. INTRODUÇÃO A Empresa Intermunicipal Resíduos do Nordeste,

Leia mais

Plano de Gestão de. Resíduos Sólidos Urbanos

Plano de Gestão de. Resíduos Sólidos Urbanos Plano de Gestão de Resíduos Sólidos Urbanos I. INTRODUÇÃO Até meados do século passado, o lixo doméstico, praticamente, não constituía problema. A maioria dos materiais utilizados continha componentes

Leia mais

TRATOLIXO BREVE SÍNTESE DA EVOLUÇÃO DA GESTÃO DE RESÍDUOS EM PORTUGAL. Workshop Valorização Energética de Resíduos Verdes Herbáceos

TRATOLIXO BREVE SÍNTESE DA EVOLUÇÃO DA GESTÃO DE RESÍDUOS EM PORTUGAL. Workshop Valorização Energética de Resíduos Verdes Herbáceos Workshop Valorização Energética de Resíduos Verdes Herbáceos Lisboa (LNEG) TRATOLIXO BREVE SÍNTESE DA EVOLUÇÃO DA GESTÃO DE RESÍDUOS EM PORTUGAL IEE/12/046/SI2,645700 2013-2016 2 Gestão de resíduos Na

Leia mais

A Certificação de Sistemas Integrados Caso LIPOR

A Certificação de Sistemas Integrados Caso LIPOR A Certificação de Sistemas Integrados Caso LIPOR Ciclo de Seminários Técnicos T Eficiência na Gestão de Resíduos duos Constituída por oito Municípios pertencentes à Área Metropolitana do Porto População

Leia mais

Recolha Selectiva Multimaterial -Que Soluções?

Recolha Selectiva Multimaterial -Que Soluções? Recolha Selectiva Multimaterial -Que Soluções? Concelho de Valongo Câmara Municipal de Valongo Departamento de Ambiente e Qualidade de Vida Divisão de Qualidade Ambiental Sector de Higiene Urbana Caracterização

Leia mais

Geramos valor para a Natureza. MUSAMI Operações Municipais do Ambiente, EIM, SA

Geramos valor para a Natureza. MUSAMI Operações Municipais do Ambiente, EIM, SA Geramos valor para a Natureza MUSAMI Operações Municipais do Ambiente, EIM, SA A MUSAMI Gerar Valor para a Natureza é a nossa missão. Como? Promovendo a valorização crescente dos resíduos, desenvolvendo

Leia mais

Procedimento NSHS 07/2011

Procedimento NSHS 07/2011 1. OBJECTIVO O presente procedimento tem como objectivo estabelecer regras para os aspectos de gestão dos resíduos produzidos nos campus do IST. 2. DESTINATÁRIOS Todos os trabalhadores e colaboradores

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL GESTÃO AMBIENTAL

GESTÃO AMBIENTAL GESTÃO AMBIENTAL GESTÃO AMBIENTAL GESTÃO AMBIENTAL 1 POLÍTICA AMBIENTAL A Direcção da Organização, ao seu mais alto nível, deve traçar o seu caminho ambiental, explicitando-o num documento escrito, através do qual demonstrará

Leia mais

Definições e princípios patentes em diversa legislação que tem por objecto a questão dos resíduos.

Definições e princípios patentes em diversa legislação que tem por objecto a questão dos resíduos. Fontes: Proposta de Decreto-Lei sobre RC&D. Estrutura usual de um Regulamento Municipal. Definições e princípios patentes em diversa legislação que tem por objecto a questão dos resíduos. Contributos do

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO CONCURSO RECOLHA DE ÓLEOS ALIMENTARES USADOS NAS ESCOLAS 2012

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO CONCURSO RECOLHA DE ÓLEOS ALIMENTARES USADOS NAS ESCOLAS 2012 Fe RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO CONCURSO RECOLHA DE ÓLEOS ALIMENTARES USADOS NAS ESCOLAS 2012 RESÍDUOS DO NORDESTE, EIM Agosto de 2012 1. INTRODUÇÃO A Empresa Intermunicipal Resíduos do Nordeste, EIM, responsável

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS

PLANO DE GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS 2015 PLANO DE GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS Município de Castelo de Vide Gabinete Técnico Florestal Setembro de 2015 INDICE 1. Introdução... 2 1.1. Enquadramento geográfico e populacional... 3 1.2.

Leia mais

Melhoria da eficácia da triagem de resíduos

Melhoria da eficácia da triagem de resíduos 1966-2011 45 anos Melhoria da eficácia da triagem de resíduos hospitalares ao nível do produtor Fátima Gonçalves 15 de Abril de 2011 1 SUCH Associação de natureza privada sem fins lucrativos Mais de 40

Leia mais

Plataformas Supraconcelhias Norte Atualizado em:

Plataformas Supraconcelhias Norte Atualizado em: SEGURANÇA SOCIAL Plataformas Supraconcelhias Norte Atualizado em: 17-11-2014 Plataformas Supraconcelhias As Plataformas Territoriais, como órgão da Rede Social, foram criadas com o objetivo de reforçar

Leia mais

RARU 13 ANEXO II Metodologia e Pressupostos

RARU 13 ANEXO II Metodologia e Pressupostos O Decreto-Lei nº 178/2006, de 5 de setembro, com a nova redação do Decreto-Lei n.º 73/2011, de 17 de junho, veio criar um Sistema Integrado de Registo Eletrónico de Resíduos (SIRER), suportado pelo Sistema

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS SIG NA OPTIMIZAÇÃO DA LOGÍSTICA DA RECOLHA SELECTIVA

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS SIG NA OPTIMIZAÇÃO DA LOGÍSTICA DA RECOLHA SELECTIVA SEMINÁRIO OPTIMIZAÇÃO DA LOGÍSTICA DE RECOLHA SELECTIVA DE RESÍDUOS (RESÍDUOS DE EMBALAGEM E RESÍDUOS ORGÂNICOS) 25 DE MAIO DE 2006 AUDITÓRIO DA CENTRAL DE VALORIZAÇÃO ORGÂNICA DA LIPOR BAGUIM DO MONTE

Leia mais

ÍNDICE DEFINIÇÕES... 3 VÍTIMAS EM Vítimas por mês Vítimas segundo a localização e o tipo de via... 5

ÍNDICE DEFINIÇÕES... 3 VÍTIMAS EM Vítimas por mês Vítimas segundo a localização e o tipo de via... 5 Distrito de BRAGANÇA 2010 ÍNDICE DEFINIÇÕES... 3 VÍTIMAS EM 2010... 4 1. Vítimas por mês... 4 2. Vítimas segundo a localização e o tipo de via... 5 3. Vítimas segundo a natureza do acidente... 6 4. Vítimas

Leia mais

Município de Alcoutim. Plano de Ação de Resíduos Sólidos Urbanos (PAPERSU)

Município de Alcoutim. Plano de Ação de Resíduos Sólidos Urbanos (PAPERSU) Município de Alcoutim Plano de Ação de Resíduos Sólidos Urbanos (PAPERSU) Abril de 2015 1 1. Introdução e enquadramento histórico O concelho de Alcoutim, predominantemente rural, apresenta um rico património

Leia mais

BOLETIM ESTATÍSTICO DE PAPEL E CARTÃO

BOLETIM ESTATÍSTICO DE PAPEL E CARTÃO BOLETIM ESTATÍSTICO 2013 DE PAPEL E CARTÃO 0. ÍNDICE 2 1. INTRODUÇÃO.............................................................. 3 2. CONSUMO DE PAPEL PARA RECICLAR.......................................

Leia mais

BOLETIM ESTATÍSTICO DE PAPEL E CARTÃO

BOLETIM ESTATÍSTICO DE PAPEL E CARTÃO BOLETIM ESTATÍSTICO DE PAPEL E CARTÃO 0. ÍNDICE 2 1. INTRODUÇÃO.............................................................. 3 2. CONSUMO DE PAPEL PARA RECICLAR.......................................

Leia mais

RECEPÇÃO DE CALOUROS COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS UFES Campus ALEGRE

RECEPÇÃO DE CALOUROS COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS UFES Campus ALEGRE RECEPÇÃO DE CALOUROS 2017-1 COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS UFES Campus ALEGRE RECEPÇÃO DE CALOUROS 2017-1 Dr. Anderson Lopes Peçanha Professor da Universidade Federal do Espírito Santo Departamento

Leia mais

RECOLHA SELECTIVA ECOPONTOS

RECOLHA SELECTIVA ECOPONTOS RECOLHA SELECTIVA ECOPONTOS O QUE É UM ECOPONTO? Ecoponto é uma bateria de contentores individuais destinados a receber separadamente os diversos materiais para reciclagem. Os ecopontos de Oliveira de

Leia mais

Em caso de impossibilidade de determinação do produtor do resíduo, a responsabilidade pela respectiva gestão recai sobre o seu detentor.

Em caso de impossibilidade de determinação do produtor do resíduo, a responsabilidade pela respectiva gestão recai sobre o seu detentor. Resíduos de construção e demolição O D.L. n.º 46/2008, de 12 de Março, alterado pelo D.L. n.º 73/2011, de 17 Junho, estabelece o regime das operações de gestão de resíduos resultantes de obras ou demolições

Leia mais

Aplicação de um modelo PAYT no município da Maia: clientes empresariais. Luís s Fernandes

Aplicação de um modelo PAYT no município da Maia: clientes empresariais. Luís s Fernandes Aplicação de um modelo PAYT no município da Maia: clientes empresariais Luís s Fernandes - A Maiambiente EEM; - Princípios do PAYT - Poluidor-pagador; - Recolha em empresas; -A recolha na Maia; -Considerações

Leia mais

Boletim Estatístico de Papel e Cartão 2012

Boletim Estatístico de Papel e Cartão 2012 2012 Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CONSUMO DE PAPEL PARA RECICLAR... 4 3. PRODUÇÃO DE PASTAS DE FIBRA RECUPERADA... 4 4. CONSUMO DE PASTAS PARA A PRODUÇÃO DE PAPEL... 5 5. PRODUÇÃO DE PAPEL E CARTÃO...

Leia mais

Outra vantagem apresentada, é por exemplo o facto dos gases ácidos e as partículas que ficam nos filtros e assim não contaminam a atmosfera.

Outra vantagem apresentada, é por exemplo o facto dos gases ácidos e as partículas que ficam nos filtros e assim não contaminam a atmosfera. CO-INCINERAÇÃO Pág 2 Co-Incineração A co-incineração baseia-se no aproveitamento dos fornos das cimenteiras que devido às suas altas temperaturas (entre 1450 e 2000 graus) são utilizados na queima dos

Leia mais

LIPOR A Sustentabilidade na Gestão dos Resíduos Urbanos

LIPOR A Sustentabilidade na Gestão dos Resíduos Urbanos SEMINÁRIO RESÍDUOS E SAÚDE LIPOR A Sustentabilidade na Gestão dos Resíduos Urbanos Susana Lopes Departamento Produção e Logística 29 de maio de 2013 1 Tópicos Sistema Integrado Gestão de Resíduos o caso

Leia mais

AGENDA 21 LOCAL DE MOGADOURO

AGENDA 21 LOCAL DE MOGADOURO AGENDA 21 LOCAL DE MOGADOURO Resultados da primeira reunião do Fórum Participativo Realizada no dia 2 de Junho de 2006 4 de Agosto de 2006 Versão para o Grupo Coordenador Equipa Técnica Na realização do

Leia mais

NOME DO CURSO FORMAÇÃO CONTINUA DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS DATA INICIO/DATA FIM 15/06/2015 APRESENTAÇÃO

NOME DO CURSO FORMAÇÃO CONTINUA DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS DATA INICIO/DATA FIM 15/06/2015 APRESENTAÇÃO NOME DO CURSO FORMAÇÃO CONTINUA DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS DATA INICIO/DATA FIM 15/06/2015 APRESENTAÇÃO O principal objetivo deste curso consiste em fornecer aos alunos os conceitos fundamentais sobre

Leia mais

Ecocentro Recolha e Centro de Triagem Resiaçores Recolha SMAH Compostagem - TERAMB Incineração - TERAMB Aterro Sanitário - TERAMB

Ecocentro Recolha e Centro de Triagem Resiaçores Recolha SMAH Compostagem - TERAMB Incineração - TERAMB Aterro Sanitário - TERAMB Ecocentro Recolha e Centro de Triagem Resiaçores Recolha SMAH Compostagem - TERAMB Incineração - TERAMB Aterro Sanitário - TERAMB SMAH Recolha, transporte de resíduos urbanos e limpeza pública Resiaçores

Leia mais

Regulamento do projeto piloto "Poluidor Pagador"

Regulamento do projeto piloto Poluidor Pagador Regulamento do projeto piloto "Poluidor Pagador" Preâmbulo O projeto Poluidor Pagador é um projeto piloto desenvolvido pela Divisão de Ambiente e Serviços Urbanos da Câmara Municipal de Ponta Delgada.

Leia mais

Agrupamento de Escolas Terras de Larus Escola Básica 2,3 da Cruz de Pau Ciências Naturais 8º Ano Ficha de Avaliação

Agrupamento de Escolas Terras de Larus Escola Básica 2,3 da Cruz de Pau Ciências Naturais 8º Ano Ficha de Avaliação Agrupamento de Escolas Terras de Larus Escola Básica 2,3 da Cruz de Pau Ciências Naturais 8º Ano Ficha de Avaliação Nome: n.º Turma: Data: Classificação: Prof: Enc. Edu. 1. As figuras seguintes ilustram

Leia mais

ATIVIDADES CENTRO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Pré-Escolar e 1º Ciclo

ATIVIDADES CENTRO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Pré-Escolar e 1º Ciclo GUIA DE ATIVIDADES de educação ambiental ATIVIDADES CENTRO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Pré-Escolar e 1º Ciclo Centro de Educação Ambiental de Albufeira Localização: Quinta da Palmeira - R. dos Bombeiros Voluntários

Leia mais

Plano de Gestão de Resíduos Urbanos do Município de Macedo de Cavaleiros

Plano de Gestão de Resíduos Urbanos do Município de Macedo de Cavaleiros Plano de Gestão de Resíduos Urbanos do Município de Macedo de Cavaleiros (Bandeira Azul) Janeiro 2016 0. Nota preliminar O presente documento pretende apresentar, de uma forma muito sintética, o modelo

Leia mais

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO Setor dos Resíduos: Importância Estratégica para Portugal 2020 17 de outubro de 2014 / Luís Marinheiro

Leia mais

AGENDA 21 LOCAL DE ALFÂNDEGA DA FÉ

AGENDA 21 LOCAL DE ALFÂNDEGA DA FÉ AGENDA 21 LOCAL DE ALFÂNDEGA DA FÉ Resultados da primeira reunião do Fórum Participativo Realizada no dia 5 de Junho de 2006 20 de Novembro de 2006 Versão para o Grupo Coordenador Equipa Técnica Na realização

Leia mais

COMUNIDADE INTERMUNICIPAL DAS TERRAS DE TRÁS-OS-MONTES CONCURSO LOGOMARCA CIM-TTM REGULAMENTO

COMUNIDADE INTERMUNICIPAL DAS TERRAS DE TRÁS-OS-MONTES CONCURSO LOGOMARCA CIM-TTM REGULAMENTO CONCURSO LOGOMARCA CIM-TTM REGULAMENTO I. Preâmbulo 1. A Comunidade Intermunicipal das Terras de Trás-os-Montes (adiante designada de CIM-TTM ) foi constituída em 2013, na sequência do previsto na Lei

Leia mais

Código Cliente Designação Conclusão

Código Cliente Designação Conclusão P17.007 * AMCAL Estudo da Delegação das Competências Municipais de Recolha de Resíduos 2.ª Fase 2017 P17.004 RESÍDUOS NORDESTE EVF da Operação de Valorização Energética de CDR e Biomassa Em curso P16.002

Leia mais

Produção e caracterização de resíduos da construção civil

Produção e caracterização de resíduos da construção civil 1 Produção e caracterização de resíduos da construção civil 2 Geração de resíduos RCC Brasil 230 a 760 kg/hab.ano RCC Europa 600 a 918 kg/hab.ano Resíduos domiciliares Europa 390 kg/hab.ano 3 Geração de

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUOS VERSÃO RESUMIDA DIAGNÓSTICO A21 JULHO 2005

GESTÃO DE RESÍDUOS VERSÃO RESUMIDA DIAGNÓSTICO A21 JULHO 2005 1 GESTÃO DE RESÍDUOS GESTÃO DE RESÍDUOS Gaia e Santa Maria da Feira, servindo uma população de 424.713 habitantes (em 2001) distribuídos por uma área de 384 km2. A Divisão de Salubridade Pública da Câmara

Leia mais

mandamentos mandamentos do produtor de lixo

mandamentos mandamentos do produtor de lixo 10 mandamentos mandamentos do produtor de lixo 1 Reduzo o lixo que produzo Quando vou às compras, levo sacos reutilizáveis. Prefiro produtos concentrados, com pouca embalagem. Entrego os bens que já não

Leia mais

Planejamento e Gestão de RSU ESTAÇÕES DE TRANSBORDO

Planejamento e Gestão de RSU ESTAÇÕES DE TRANSBORDO Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Engenharia - ESA Curso de Engenharia Ambiental e Sanitária Planejamento e Gestão de RSU ESTAÇÕES DE TRANSBORDO Artigo: Transbordo de Resíduos (Rodrigo

Leia mais

BENCHMARKING INTERNACIONAL GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

BENCHMARKING INTERNACIONAL GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS WORKSHOP E VISITAS TÉCNICAS A INFRA ESTRUTURAS DE GESTÃO E VALORIZAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM PORTUGAL 1ª Edição: 05/12 a 09/12/2016 2ª Edição: 06/02 a 10/02/2017 APRESENTAÇÃO

Leia mais

METAS DO PERSU 2020: PONTO DE SITUAÇÃO E PERSPECTIVAS FUTURAS. Nuno Lacasta Presidente do Conselho Diretivo

METAS DO PERSU 2020: PONTO DE SITUAÇÃO E PERSPECTIVAS FUTURAS. Nuno Lacasta Presidente do Conselho Diretivo METAS DO PERSU 2020: PONTO DE SITUAÇÃO E PERSPECTIVAS FUTURAS Nuno Lacasta Presidente do Conselho Diretivo 1. APA: FACTOS E NÚMEROS A APA foi criada em 2012, em resultado da fusão de 9 organismos distintos.

Leia mais

Planeamento e Gestão de Resíduos de Construção e Demolição (RCD)

Planeamento e Gestão de Resíduos de Construção e Demolição (RCD) Planeamento e Gestão de Resíduos de Construção e Demolição (RCD) Rita Teixeira d Azevedo O planeamento e a gestão de resíduos de construção e demolição pretende identificar e implementar os elementos necessários

Leia mais

SEDES DE FREGUESI A E LUGARES

SEDES DE FREGUESI A E LUGARES Concelho de Mirandela Cimo SEDES DE FREGUESI A E LUGARES de Vila Aguieir a Chairos Corriça Soutilha Vilar de Ouro Aguieiras Fonte Maria Gins Cas ario Pádua Fre ixo Ervid eira Fra dize la Fradizela Torre

Leia mais

Legislação temática Resíduos

Legislação temática Resíduos Diploma Resumo Data Alterações, revogações e normas complementares Portaria nº 1028/92 Estabelece normas de segurança e identificação para o transporte dos óleos usados 05-11-1992 Decreto-Lei nº 138/96

Leia mais

PROGRAMA HIDROPAS EXEMPLO DE MEMÓRIA DESCRITIVA

PROGRAMA HIDROPAS EXEMPLO DE MEMÓRIA DESCRITIVA Anexo D PROGRAMA HIDROPAS EXEMPLO DE MEMÓRIA DESCRITIVA 2 Programa HIDROPAS. Exemplo de memória descritiva ======================================== DIMENSIONAMENTO DE PASSAGENS HIDRÁULICAS ========================================

Leia mais

Águas de Lindóia. Conferências Municipais de Resíduos Sólidos - Planejamento

Águas de Lindóia. Conferências Municipais de Resíduos Sólidos - Planejamento Águas de Lindóia Aspectos Gerais Águas de Lindóia Relação Águas de Lindóia x CISBRA 7% dos habitantes do CISBRA 7% da pop. urbana do CISBRA 0,3% da pop. rural do CISBRA CISBRA Área CISBRA 2.576,553 km²

Leia mais

INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DO AMBIENTE

INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DO AMBIENTE INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DO AMBIENTE Gestão de Resíduos Imagens de Valorsul, 2007 Eng. Ambiente 1º Ciclo, 1º Ano, 1º Semestre Ano Lectivo 2006/2007 Definição de Resíduos DL nº 178/06, de 5 de Setembro RESÍDUOS

Leia mais

Joana Sabino Chefe da Divisão de Resíduos Sectoriais. GESTÃO DE RESÍDUOS VERDES Enquadramento na política de resíduos

Joana Sabino Chefe da Divisão de Resíduos Sectoriais. GESTÃO DE RESÍDUOS VERDES Enquadramento na política de resíduos Joana Sabino Chefe da Divisão de Resíduos Sectoriais GESTÃO DE RESÍDUOS VERDES Enquadramento na política de resíduos APA A APA foi criada em 2012, em resultado da fusão de 9 organismos distintos. É um

Leia mais

A Valorização de CDR s, uma Oportunidade

A Valorização de CDR s, uma Oportunidade A Valorização de CDR s, uma Oportunidade Gestão e Comunicação na Área dos Resíduos EMAC Empresa de Ambiente de Cascais Estoril, 22 de Setembro de 2009 A LIPOR 8 Municípios Área - 648 km 2 População - 1

Leia mais

A recolha selectiva porta a porta na área geográfica de intervenção dos Serviços Municipalizados de Loures

A recolha selectiva porta a porta na área geográfica de intervenção dos Serviços Municipalizados de Loures A recolha selectiva porta a porta na área geográfica de intervenção dos Serviços Municipalizados de Loures Localização 1 Localização 142 hab/km 2 População 332.907 hab. Loures 1185 hab/km 2 Loures Odivelas

Leia mais

REGULAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO MUNICÍPIO DE PENICHE

REGULAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO MUNICÍPIO DE PENICHE REGULAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO MUNICÍPIO DE PENICHE PREÂMBULO O disposto na alínea a) do número 2 do artigo 6º do Decreto-Lei nº 239/97, de 9 de Setembro, atribui aos municípios a responsabilidade

Leia mais

Serviços e Produtos. Palavras-Chave:

Serviços e Produtos. Palavras-Chave: Serviços e Produtos Recepção, Triagem e Valorização de RCD Reciclagem de RCD em obra Controlo de produção em obra de Agregados Reciclados (utilização em observância das normas técnicas aplicáveis) Acompanhamento

Leia mais

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa 2º Trimestre de 2014 ÍNDICE 1. MATERIAL RECEBIDO... 3 1.1. PLÁSTICOS... 3 1.2. PAPEL... 4 1.3. VIDRO... 5 1.4. SUCATA... 6 1.5. RESÍDUOS DE EQUIPAMENTOS

Leia mais

AGENDA 21 LOCAL DE MIRANDA DO DOURO

AGENDA 21 LOCAL DE MIRANDA DO DOURO AGENDA 21 LOCAL DE MIRANDA DO DOURO Resultados da primeira reunião do Fórum Participativo Realizada no dia 1 de Junho de 2006 16 de Novembro de 2006 Versão para o Grupo Coordenador Equipa Técnica Na realização

Leia mais

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa 3º Trimestre de 2015 ÍNDICE 1. MATERIAL RECEBIDO... 3 1.1. PLÁSTICOS... 3 1.2. PAPEL... 4 1.3. VIDRO... 5 1.4. SUCATA... 6 1.5. RESÍDUOS DE EQUIPAMENTOS

Leia mais

REGIÃO HIDROGRÁFICA DO DOURO (RH3)

REGIÃO HIDROGRÁFICA DO DOURO (RH3) REGIÃO HIDROGRÁFICA DO DOURO (RH3) Maio 2016 Índice Anexo III Fichas de massa de água subterrânea... 5 Código: PTA0x1RH3... 7 Código: PTA1... 13 Código: PTO01RH3... 19 Anexo III Fichas de massa de água

Leia mais

Vida Mais Longa para os Produtos Recuperação de Equipamentos Eléctricos e Electrónicos I Paulo Rodrigues

Vida Mais Longa para os Produtos Recuperação de Equipamentos Eléctricos e Electrónicos  I Paulo Rodrigues UNIVERSOUE Resíduos de Equipamentos Eléctrico e Electrónicos Os desperdícios electrónicos devem aumentar entre 2,5% a 2,7% todos os anos, passando das 10,3 milhões de toneladas de 2005 para as 12,3 milhões

Leia mais

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa 1º Trimestre de 2015 ÍNDICE 1. MATERIAL RECEBIDO... 3 1.1. PLÁSTICOS... 3 1.2. PAPEL... 4 1.3. VIDRO... 5 1.4. SUCATA... 6 1.5. RESÍDUOS DE EQUIPAMENTOS

Leia mais

Ambiente Cabo Verde: Novo Regime Jurídico da Gestão de Resíduos

Ambiente Cabo Verde: Novo Regime Jurídico da Gestão de Resíduos 4 de dezembro de 2015 capeverde@vda.pt da Gestão de Manuel Gouveia Pereira mgp@vda.pt O Governo de Cabo Verde aprovou o Decreto-Lei n.º 56/2015, de 17 de outubro, que estabelece o novo. Objeto > Estabelece

Leia mais

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa 4º Trimestre de 2014 ÍNDICE 1. MATERIAL RECEBIDO... 3 1.1. PLÁSTICOS... 3 1.2. PAPEL... 4 1.3. VIDRO... 5 1.4. SUCATA... 6 1.5. RESÍDUOS DE EQUIPAMENTOS

Leia mais

ACES com programação completa cobertura total ACES com programação parcial - cobertura ainda incompleta

ACES com programação completa cobertura total ACES com programação parcial - cobertura ainda incompleta ACES Início Conclusão 00 0 0 Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Nov Dez Alto Minho -0-00 -0-0 Alto Tâmega e Barroso 8-06-00-07-0 Aveiro Norte 0-09-00-0-0

Leia mais

RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE Resíduos do Nordeste

RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE Resíduos do Nordeste RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2012 Resíduos do Nordeste Abril de 2012 ÍNDICE NOTA DE ABERTURA 3 1. ENQUADRAMENTO DA ATIVIDADE NA SOCIEDADE 5 2. A RESÍDUOS DO NORDESTE, EIM 7 2.1. RESPONSABILIDADE SOCIAL

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2011 AMB3E

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2011 AMB3E RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2011 AMB3E www.amb3e.pt Entidade Atividade Licença Amb3E Associação Portuguesa de Gestão de Resíduos Gestão de um sistema integrado de Gestão de Resíduos de Equipamento Elétrico

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS RESÍDUOS SÓLIDOS: UM PROBLEMA DE CARÁTER SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO 1. CARACTERÍSTICAS NACIONAIS Brasil - um país de dimensões continentais

Leia mais

Ciclo de Seminários Agenda 21

Ciclo de Seminários Agenda 21 Ciclo de Seminários Agenda 21 Estratégia Integrada de Turismo Sustentável no Nordeste Escola Profissional de Ansiães Cursos na Área do Turismo Identidade e Princípios Gerais A está situada num concelho

Leia mais

BOLETIM MUNICIPAL CÂMARA MUNICIPAL DA AMADORA. Edição Especial 15 de Novembro de 2003

BOLETIM MUNICIPAL CÂMARA MUNICIPAL DA AMADORA. Edição Especial 15 de Novembro de 2003 Edição Especial 15 de Novembro de 2003 Regulamento Municipal de Utilização do Ecocentro de Carenque (Deliberação da CMA de 15 de Outubro de 2003) (Deliberação da AMA de 30 de Outubro de 2003) CÂMARA DA

Leia mais

AGENDA 21 LOCAL DE CARRAZEDA DE ANSIÃES

AGENDA 21 LOCAL DE CARRAZEDA DE ANSIÃES AGENDA 21 LOCAL DE CARRAZEDA DE ANSIÃES Resultados da primeira reunião do Fórum Participativo Realizada no dia 6 de Junho de 2006 16 de Novembro de 2006 Versão para o Grupo Coordenador Equipa Técnica Na

Leia mais

Boas práticas para o Desenvolvimento Sustentável O contributo do Município de Mafra

Boas práticas para o Desenvolvimento Sustentável O contributo do Município de Mafra Seminário Eco-EscolasEscolas 2017 Boas práticas para o Desenvolvimento O contributo do Município de Mafra Câmara Municipal de Mafra Ílhavo - 20, 21 e 22 de janeiro de 2017 Seminário Eco-EscolasEscolas

Leia mais

MÓDULO 2. Prof. Dr. Valdir Schalch

MÓDULO 2. Prof. Dr. Valdir Schalch RESÍDUOS SÓLIDOSS MÓDULO 2 Prof. Dr. Valdir Schalch RESÍDUOS SÓLIDOS S - DEFINIÇÃO... aqueles nos estados sólidos e semi-sólidos, que resultam de atividades da comunidade de origem: industrial, doméstica,

Leia mais

REGULAMENTO ECOCENTRO DE MAFRA

REGULAMENTO ECOCENTRO DE MAFRA REGULAMENTO DO ECOCENTRO Elaborado por: Verificado por: Aprovado por: Hélder Rocha (GC) Ana Malta Vacas (GQ) Andrade Gomes (ADM) Página: 1 / 10 DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º - Objecto O presente documento

Leia mais

Relatório do 9º Aniversário da Resíduos do Nordeste

Relatório do 9º Aniversário da Resíduos do Nordeste Relatório do 9º Aniversário da Resíduos do Nordeste Abril / 2012 Nota de Abertura No mês em que a Resíduos do Nordeste assinala o seu 9º aniversário de atividade, e em que cesso funções como Presidente

Leia mais

UNIDADES DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS PROCESSAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS RECUPERAÇÃO DE MATÉRIAS-PRIMAS SECUNDÁRIAS ENERGIAS RENOVÁVEIS E BIOMASSA

UNIDADES DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS PROCESSAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS RECUPERAÇÃO DE MATÉRIAS-PRIMAS SECUNDÁRIAS ENERGIAS RENOVÁVEIS E BIOMASSA WWW.MACPRESSE.COM UNIDADES DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS PROCESSAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS RECUPERAÇÃO DE MATÉRIAS-PRIMAS SECUNDÁRIAS ENERGIAS RENOVÁVEIS E BIOMASSA INDÚSTRIA DO PAPEL Copyright Macpresse

Leia mais

Resumo. Este estudo tem quatro grandes linhas de investigação: - optimização do processo de TMBV;

Resumo. Este estudo tem quatro grandes linhas de investigação: - optimização do processo de TMBV; Aplicação da ao Tratamento Mecânico e Biológico dos Resíduos Sólidos Urbanos com vista à Reciclagem de Embalagens de Plástico, de Vidro e de Metais Índice Resumo...2 1. Introdução...3 2. Objectivos...5

Leia mais

C E N T R O D E E M P R E G O E F O R M A Ç Ã O P R O F I S S I O N A L D E BRA G A N Ç A

C E N T R O D E E M P R E G O E F O R M A Ç Ã O P R O F I S S I O N A L D E BRA G A N Ç A CURSOS DE APRENDIZAGEM Formação Inicial com Certificação Escolar e Profissional Estes cursos preparam jovens e adultos para o desempenho de profissões qualificadas, de forma a favorecer a entrada na vida

Leia mais

GERAÇÃO DE RESÍDUOS. Planejamento e Gestão de Resíduos

GERAÇÃO DE RESÍDUOS. Planejamento e Gestão de Resíduos GERAÇÃO DE RESÍDUOS Planejamento e Gestão de Resíduos FONTES GERADORAS ORIGEM DE ACORDO COM A CLASSIFICAÇÃO Domiciliar Comercial Institucional Serviços Públicos (limpeza pública) Serviços de saúde Indústria

Leia mais

Modelação e Impacto dos PAYT na Produção de Resíduos

Modelação e Impacto dos PAYT na Produção de Resíduos Modelação e Impacto dos PAYT na Produção de Resíduos Critérios de Análise INFA / ECOGESTUS Impacto nos Custos Caracterização e Quantificação dos Resíduos Aspectos Legais Sustentabilidade do Sistema / Riscos

Leia mais

Regulamento. de Utilização do. Ecocentro de. Mafra

Regulamento. de Utilização do. Ecocentro de. Mafra Regulamento de Utilização do Ecocentro de Mafra Abril, 2015 REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO ECOCENTRO Artigo 1º - Objecto O presente documento estabelece as regras a que fica sujeita a entrega de resíduos

Leia mais

O caminho dos resíduos

O caminho dos resíduos ALGAR Olá! Eu sou o Eco-Herói e vou mostrar-te O caminho dos resíduos Esta página é tua, pinta-me! 1.º Ciclo O caminho dos resíduos O lixo que produzimos e que colocamos no contentor normal segue num camião

Leia mais

Situação e Arcabouço Conceitual da Disposição de RSU

Situação e Arcabouço Conceitual da Disposição de RSU Introdução A ABRELPE Treinamento para Operação de Aterros Sanitários Situação e Arcabouço Conceitual da Disposição de RSU ABRELPE: Associação Nacional, sem fins lucrativos, fundada em 1976 e desde 1996

Leia mais

Edificação e Urbanização na Região Norte

Edificação e Urbanização na Região Norte Edificação e Urbanização na Região Norte (Mapa da Situação Urbanística Existente - MSUE) Ficha de meta-informação Última actualização: 30-NOV-2011 1 - Características gerais do produto 1.1 - Título do

Leia mais

Artigo 1º. (Objeto) Incentivar a participação conjunta e organizada de toda a comunidade escolar na construção de uma escola verde;

Artigo 1º. (Objeto) Incentivar a participação conjunta e organizada de toda a comunidade escolar na construção de uma escola verde; ANEXO VI REGULAMENTO DO CONCURSO ESCOLAS VERDES - 2013 DISPOSIÇÕES GERAIS O Concurso Escolas Verdes destina-se a reconhecer e distinguir a participação das Escolas em projetos de índole ambiental promovidos

Leia mais

Introdução. Outros TBM. Orgânicos Rejeitados. Reciclagem. Emprego. Produtos. Conclusão. Introdução. Porta-a-porta Outros TBM

Introdução. Outros TBM. Orgânicos Rejeitados. Reciclagem. Emprego. Produtos. Conclusão. Introdução. Porta-a-porta Outros TBM : solução de reciclagem e tratamento para RSU pedrocarteiro@quercus.pt 144 836 (população máxima) http://residuos.quercus.pt A SPV simplificou a informação para o consumidor. 1 2 Fonte: SPV Dados reciclagem

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DA INDÚSTRIA EXTRATIVA NA VALORIZAÇÃO DE RCD

CONTRIBUIÇÃO DA INDÚSTRIA EXTRATIVA NA VALORIZAÇÃO DE RCD CONTRIBUIÇÃO DA INDÚSTRIA EXTRATIVA NA VALORIZAÇÃO DE RCD ANA ALVES FERREIRA AGÊNCIA PORTUGUESA DO AMBIENTE 17 de Junho de 2015 Associação Nacional da Indústria Extrativa e Transformadora Representa os

Leia mais

RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE Resíduos do Nordeste

RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE Resíduos do Nordeste RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2014 Resíduos do Nordeste Junho de 2015 ÍNDICE NOTA DE ABERTURA... 1 O RELATÓRIO... 3 1. ENQUADRAMENTO DA ATIVIDADE NA SOCIEDADE... 4 2. A RESÍDUOS DO NORDESTE, EIM... 6

Leia mais

DTEA - Transportes, Energia e Ambiente Grupo de Investigação em Energia e Desenvolvimento Sustentável Instituto Superior Técnico

DTEA - Transportes, Energia e Ambiente Grupo de Investigação em Energia e Desenvolvimento Sustentável Instituto Superior Técnico DTEA - Transportes, Energia e Ambiente Grupo de Investigação em Energia e Desenvolvimento Sustentável Instituto Superior Técnico Projecto Mobilidade Sustentável Tiago Farias 20 de Junho de 2007 DTEA Transportes,

Leia mais

Sistema Multimunicipal do Vale do Minho - VALORMINHO

Sistema Multimunicipal do Vale do Minho - VALORMINHO Sistema Multimunicipal do Vale do Minho - VALORMINHO Dados Gerais Constituição População (hab) Nº de Municípios Concelhos abrangidos Área abrangida (km 2 ) Contactos DL n.º 113/96, de 5 de Agosto 77.705

Leia mais

Instruções para a redução, o tratamento e a separação de resíduos de materiais resultantes de convenções e exposições

Instruções para a redução, o tratamento e a separação de resíduos de materiais resultantes de convenções e exposições Instruções para a redução, o tratamento e a separação de resíduos de materiais resultantes de convenções e exposições Introdução: Para se articular com a política de tratamento de resíduos sólidos Reciclagem

Leia mais

REGULAMENTO DE RESÍDUOS URBANOS E LIMPEZA PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA NOTA JUSTIFICATIVA

REGULAMENTO DE RESÍDUOS URBANOS E LIMPEZA PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA NOTA JUSTIFICATIVA NOTA JUSTIFICATIVA O Regulamento Municipal de Resíduos Sólidos Urbanos e Limpeza Pública do Município de Condeixa-a-Nova, atualmente em vigor tem por base o regime jurídico aprovado pelo Decreto-Lei n.º

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUOS CENTRAIS FOTOVOLTAICAS

GESTÃO DE RESÍDUOS CENTRAIS FOTOVOLTAICAS Página 1 de 6 0 CONTROLO DE REVISÕES... 2 1 OBJECTIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO... 2 2 REFERÊNCIAS... 2 3 DEFINIÇÕES... 2 4 ABREVIATURAS... 3 5 PROCEDIMENTO... 3 6 RESPONSIBILIDADES... 5 7 FORMULÁRIOS... 6

Leia mais

AGENDA 21 LOCAL DE VIMIOSO

AGENDA 21 LOCAL DE VIMIOSO AGENDA 21 LOCAL DE VIMIOSO Resultados da primeira reunião do Fórum Participativo Realizada no dia 1 de Junho de 2006 16 de Novembro de 2006 Versão para o Grupo Coordenador Equipa Técnica Na realização

Leia mais

Ficha Informativa + Segurança

Ficha Informativa + Segurança Ficha Informativa + Segurança Saúde no Trabalho Edição N.º 17 Problemática da Segurança e Saúde Com a introdução de novas tecnologias e processos na economia verde, quais serão as implicações para a Saúde

Leia mais

DRAP Norte Direção Regional de Agricultura e Pescas do Norte PDR Manuela Condado 29/01/2016

DRAP Norte Direção Regional de Agricultura e Pescas do Norte PDR Manuela Condado 29/01/2016 Oportunidades PDR 2020 FRUTOS SECOS Manuela Condado 29/01/2016 INSTRUMENTOS DE APOIO AOS FRUTOS SECOS PDR2020 DRAP Norte INSTRUMENTOS DE APOIO AOS FRUTOS SECOS PDR2020 APOIOS AO INVESTIMENTO APOIOS AGROAMBIENTAIS

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS:

RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS: RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS: O QUE SÃO? Resíduos qualquer substância ou objecto de que o detentor se desfaz ou tem intenção ou obrigação de se desfazer... (Alínea u) do artigo 3.º do D.L n.º178/2006, de 5

Leia mais

EDP Solidária Barragens 2010

EDP Solidária Barragens 2010 Menção Honrosa Entidade: LÉRIAS ASSOCIAÇÃO CULTURAL Escola de Música Tradicional a música que nos pertence formar 70 jovens em música tradicional do concelho de Miranda do Douro e divulgar as tradições

Leia mais