Reestruturar a Empresa para os Novos Desafios

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Reestruturar a Empresa para os Novos Desafios"

Transcrição

1

2 Reestruturar a Empresa para os Novos Desafios Mecanismos e Instrumentos Disponíveis Leiria, 20 de Maio de 2014

3 O CONTEXTO DA EMPRESA

4 Palavras-chave IDENTIFICAR AVALIAR INTERVIR

5 ESTADO Recuperação de Créditos Fiscais Execução Fiscal Reversão Fiscal Crimes Fiscais

6 BANCOS GRANDES PARCEIROS DE NEGÓCIO

7 Outros Credores TRABALHADORES FORNECEDORES

8 Responsabilidades Pessoais PATRIMÓNIO PESSOAL FATOR DESTABILIZADOR

9 PORQUÊ? FALTA DE IDENTIFICAÇÃO ATEMPADA

10 INDICADORES ECONÓMICOS DE ALERTA NO CONTEXTO EMPRESARIAL Quebra no volume de negócios; Atraso nos recebimentos e pagamentos; Liquidez;

11 Quebra no Volume de Negócios FATURAÇÃO RENDIMENTOS MEIOS FINANCEIROS LÍQUIDOS INCUMPRIMENTOS INSOLVÊNCIA

12 Quebra no Volume de Negócios TENDÊNCIA Adiar cumprimento de compromissos financeiros de curto prazo; ADIAR É AGRAVAR; AVALIAÇÃO DA ESTRUTURA DE GASTOS;

13 Atraso nos recebimentos e pagamentos CASH FLOW AUMENTO DO SERVIÇO DA DÍVIDA DERRAPAGEM INSOLVÊNCIA

14 Atraso nos Recebimentos e Pagamentos AVALIAR: ESTRATÉGIA DE RECUPERAÇÃO DE CRÉDITO ALIENAÇÃO DE ATIVOS

15 Liquidez Transversal; Capacidade de solver passivo corrente; Quebras contínuas; Incumprimento generalizado; Insolvência

16 AVALIAÇÃO DA EMPRESA NAS DIVERSAS VERTENTES DUE DILIGENCE Financeira Laboral Tributária

17 STAKEHOLDERS Partes interessados num determinado processo de reestruturação; Informação e Envolvimento; Interesses e Receios; QUEM SÃO?

18 STAKEHOLDERS ESTADO CRÉDITOS E MINORAR IMPACTOS SOCIAIS; CREDORES CRÉDITOS E PRESERVAÇÃO DE GARANTIAS; TRABALHADORES CRÉDITOS E POSTO DE TRABALHO; FORNECEDORES CRÉDITOS, MANUTENÇÃO CLIENTE;

19 PALAVRAS-CHAVE IDENTIFICAR AVALIAR INTERVIR

20 Todas as Empresas no MUNDO terão que se reestruturar. JACK WELSH CEO da empresa General Electric durante 20 anos.

21 REESTRUTURAR E REVITALIZAR

22 Mecanismos de Obtenção de Liquidez Imediata como Forma de Restruturar a Empresa

23

24 Recuperação de Crédito Extrajudicial Judicial

25 Recuperação de Crédito Extrajudicial Meios: Contacto telefónico e/ou pessoal com os devedores com vista à regularização da dívida; Carta de interpelação interna para pagamento; Suspensão de fornecimentos; Carta de interpelação externa para pagamento, através de Advogado.

26 Recuperação de Crédito Judicial Meios: Ação judicial / Injunção para cobrança de dívida (caso não exista título executivo). Ação Executiva (caso exista título executivo). Providências cautelares de arresto de bens. Ações de insolvências (apenas em casos específicos).

27 Recuperação de Crédito Extrajudicial Linhas de orientação: Abordagem pacífica, civilizada e orientada ao objetivo: Acordo de Pagamento. Vantagens? Definição clara do timing para pagamento para o devedor e para a empresa.

28 Recuperação de Crédito Judicial Linhas de orientação: Via judicial = custos. Cuidada análise às probabilidades de sucesso. Suspensão apenas: Pagamento/Acordo de Pagamento da Dívida ou Inexistência de Bens. Qualquer acordo está sujeito ao pagamento de uma entrada que garanta os custos com a ação judicial.

29 Alargamento de Prazos de Pagamento Principal efeito diminuição do montante da prestação a pagar. Desvantagem? Encarecimento da dívida e aumento dos encargos não correntes com o serviço da dívida. Outras vantagens? - Impedir o vencimento imediato da dívida e transformação de um passivo não corrente em corrente. - Impedir a comunicação do incumprimento ao Banco de Portugal.

30 Alienação dos Ativos A alienação de ativos = capitalização rápida. Nos casos em que o ativo tenha sido objeto de uma considerável ou total depreciação, a sua venda valorizará sempre a empresa. Valorização = Melhor saúde financeira Crédito ou melhores taxas de juro. A escolha tem de ser ponderada para não colocar em causa os fatores de produção.

31 Renegociação de Passivos Bancários Existem diversas formas de renegociar um passivo bancário, a saber: Consolidação de créditos; Novos financiamentos com vista à liquidação de responsabilidades vencidas; Prorrogação dos prazos de pagamento; Negociação de períodos de carência quanto a capital e juros. O objetivo é sempre diminuir o passivo corrente, por contraposição ao passivo não corrente.

32 Contexto Laboral na Reestruturação Os Recursos Humanos representam uma fatia importante nos custos de uma empresa, podendo ser adotadas as seguintes vias para a sua diminuição: Subcontratação de serviços jurídicos, fiscais, marketing, publicidade, etc.; Lay-off; Rescisões amigáveis;

33 Contexto Laboral na Reestruturação Despedimento coletivo ou extinção de postos de trabalho, com enfoque para os novos critérios de escolha no âmbito da extinção: 1. pior avaliação de desempenho, com parâmetros previamente conhecidos pelo trabalhador; 2. menores habilitações académicas e profissionais; 3. maior onerosidade pela manutenção do vínculo laboral do trabalhador para a empresa; 4. menor experiência na função e; 5. menor antiguidade na empresa.

34 Refinanciamento Perante uma situação de subcapitalização, o refinanciamento faz-se através: Sócios Empréstimos à sociedade ou aumentos de capital. Terceiros: Mútuo; Conta corrente; Desconto bancário; Locação financeira (Leasing); Locação financeira restitutiva (Leaseback) Factoring; Business Angels.

35 Procedimento Extrajudicial Pré-Executivo PEPEX

36 Enquadramento: Procedimento Extrajudicial Pré-Executivo PEPEX Medida imposta pela Troika com vista à diminuição das pendências judiciais. Vantagem: RX da saúde financeira dos devedores

37 Procedimento Extrajudicial Pré-Executivo PEPEX Procedimento: Acesso através de plataforma informática do Ministério da Justiça; Escolha aleatória de Agente de Execução; Requisitos de acesso.

38 Bases de Dados passíveis de consulta: Procedimento Extrajudicial Pré-Executivo PEPEX

39 Procedimento Extrajudicial Pré-Executivo PEPEX São dadas duas opções que, em 30 dias, a Empresa pode tomar:

40 Custos Procedimento Extrajudicial Pré-Executivo PEPEX PEPEX = 76,50 (+ IVA): 25,50 (+ IVA) para remuneração das entidades envolvidas na manutenção e gestão do SISAAE ; 51,00 (+ IVA) para pagamento dos honorários do AE pela análise do Título Executivo, pela realização das consultas e elaboração do relatório; Se o Requerente optar pela conversão do PEPEX em Execução, este custo reverterá para a ação executiva no que respeita ao custo devido para a Primeira Fase do AE. Se não fizer essa opção, o valor não pode ser recuperado. Por cada RENOVAÇÃO de consultas nos três anos posteriores -> 25,50 (+ IVA)

41 Processo Especial de Revitalização PER

42 PROGRAMA REVITALIZAR Enquadramento Processo Especial de Revitalização (PER) e o Sistema de Recuperação da Empresas por via Extrajudicial (SIREVE).

43 Procedimento Em que consiste? O processo especial de revitalização (PER) destina-se a permitir ao devedor estabelecer negociações com os respetivos credores de modo a concluir com estes um acordo conducente à sua revitalização.

44 Procedimento Quem pode recorrer? Devedor; Situação económica difícil - falta de liquidez e crédito; Insolvência meramente iminente; Susceptibilidade de recuperação.

45 Due diligence Financeira Tributária Laboral +

46 Procedimento Como se requer? Manifestação de vontade do devedor e de, pelo menos, um dos seus credores, por meio de declaração escrita, datada e assinada por todos os declarantes, acompanhada com alguns documentos: Relação de todos os Credores Ações a Favor e Contra Bens e Direitos ART. 24.º CIRE Mapa de Pessoal Contas anuais dos 3 últimos exercícios

47 Despacho de nomeação de Administrador Judicial Provisório (AJP) Quem é? Qual o papel do AJP no PER? Papel moderado e muito limitado; Acompanha todo o processo negocial; Recebe as reclamações de créditos e elabora a lista provisória de credores; Decisão sobre os actos de especial relevo.

48 O despacho de nomeação do AJP é notificado ao devedor e publicado no portal Citius O devedor comunica, por meio de carta registada, a todos os seus credores que deu início ao PER, convidando-os a participarem nas negociações; Através da publicidade inicia-se a contagem para apresentação das reclamações de créditos.

49 Reclamação e Verificação de Créditos 20 dias para reclamar créditos; Remetida ao AJP; O AJP tem 5 dias para elaborar a lista provisória de credores; Os Credores têm 5 dias para impugnar a lista provisória VS converção em definitiva; Juiz decide, no prazo de 5 dias, sobre as impugnações.

50 Plano de recuperação As negociações

51 Negociações Quem pode participar nas negociações? Qualquer credor, em qualquer altura e até ao fim do prazo. Como se processam? Termos convencionados entre devedor e credores ou, na falta de acordo, pelas regras definidas pelo AJP; O devedor deve prestar toda a informação aos credores e ao AJP; Responsabilidade do devedor e dos seus gestores.

52 Papel privilegiado dos Stakeholders Autoridade Tributária e Segurança Social Pagamento das contribuições mensais desde a data de apresentação do PER; Exigibilidade de garantia idónea redução da taxa de juro; Amortização da dívida em 150 prestações, no máximo; As ações executivas em curso não se extinguem em caso de aprovação do PER, mas ficam suspensas.

53 Garantias do devedor período de Stand Still ; Qual o prazo para conclusão? Deverão ser concluídas no prazo de 2 meses (prorrogável por mais 1 mês, mediante acordo prévio e escrito entre o AJP e o devedor).

54 Aprovação do Plano de Recuperação: unanimidade de votos; Conclusão do PER ou interrupção do processo negocial? maioria qualificada de votos - 2/3 = /> 1/3 do total dos créditos com direito de voto Juiz homologa o plano; A homologação vincula os credores mesmo que não tenham participado nas negociações e é notificada, publicitada.

55 Pela votação/falta de acordo; Não aprovação do Plano de Recuperação Pelo decurso do prazo para conclusão do PER (2 meses + 1 mês); Pela desistência do devedor; Impede o devedor de recorrer ao PER pelo prazo de 2 anos. O AJP comunica ao tribunal e se o devedor: - não insolvência extinção dos efeitos; - insolvência - Parecer do AJP - insolvência do devedor;

56 E se o devedor tiver previamente um acordo extrajudicial de recuperação? Apresentação pelo devedor de acordo extrajudicial de recuperação, assinado pelo devedor e credores que representem 2/3 do passivo, juntamente com os documentos referidos; O AJP não tem qualquer tipo de intervenção sobre o Plano e não lhe cabe nenhum poder de controlo.

57 Sistema de Recuperação de Empresas por Via Extrajudicial SIREVE

58 SIREVE IAPMEI Instituto de Apoio às Pequenas e Medias Empresas e Inovação, I.P

59 SIREVE Como se requer? Preenchimento de um requerimento eletrónico disponível para o efeito (requerimento SIREVE)

60 SIREVE Como se requer? fundamentos; identificação das partes; identificação do (s) credor (s) que represente (m) mais de 50 % das dívidas da empresa; conteúdo do acordo que se pretende obter; plano de negócios; cópia, em suporte digital, dos documentos (artigo 24.º do CIRE); pagamento de taxa de utilização.

61 SIREVE Microempresa PME Grande Empresa ; Plano de negócios - aprovado quando o acordo for subscrito pelo devedor, pelo IAPMEI e por credores que representem mais de 50% das dívidas apuradas; Conclusão negocial até 4 meses (3+1); Stand still relativo vinculação apenas dos credores que participem no processo negocial do SIREVE; A extinção do procedimento obsta a novo recurso ao SIREVE no prazo de 1 ano.

62 DESTAQUE ESTATÍSTICO TRIMESTRAL (4º Trimestre de 2013) 551 PER 422 encerrados 49,7% acordo Fonte:

63 DESTAQUE ESTATÍSTICO (Agosto de 2012 a 31 Março 2014) 373 EMPRESAS 71 (40%) encerrados por acordo; 105 (60%) encerrados s/ acordo. Fonte:http://www.iapmei.pt/resources/download/SinteseInformativaSIREVE_ pdf

64 Casos de SUCESSO Aprovado por mais de 80% dos votos. FONTE: Jornal de Negócios, 6/11/13 Foi aprovado por uma maioria superior a 93% do valor dos respetivos créditos. De um valor reclamado no processo de cerca de 65 milhões de euros, houve uma redução para cerca de 32 milhões de euros. FONTE: Dir. do Boavista Futebol Clube, 4/9/13 SIREVE salva Vitória de Guimarães em 2012, vindo a vencer a Taça de Portugal em 2013 e a participar nas competições euorpeias no mesmo ano. FONTE: Lusa, 17/05/13 Trabalhadores ,97 Ex-trabalhadores: ,35 Fisco: ,06 Segurança Social: ,26 Fornecedores: ,51 FONTE: Lista de Credores do PER

65 REDIMENSIONAR E CRESCER

66 FUSÕES & AQUISIÇÕES

67 FUSÕES & AQUISIÇÕES Duas perguntas chave: Porquê fundir / adquirir? Quais as consequências da fusão / aquisição?

68 FUSÕES & AQUISIÇÕES Vantagens competitivas Num mundo competitivo como o nosso, com a agravante da crise económico-financeira, a união faz a força.

69 FUSÕES & AQUISIÇÕES Vantagens competitivas Diminuição de Custos com o Factor Trabalho através da diminuição da estrutura administrativa/gestora e da estrutura produtiva. Economias de Escala através da centralização das compras, que permite maiores volumes de encomendas que por consequência resultam na diminuição do seu preço.

70 FUSÕES & AQUISIÇÕES Vantagens competitivas Know-How, Métodos de Produção e Eficiência mediante o confronto entre as melhores práticas entre as empresas e o expurgo das piores por conflito com as melhores. Quota de mercado Decorrente das economias da escala, mas que permite o aumento da quota de mercada do conjunto das empresas, por comparação com a soma das quotas de mercado individuais.

71 FUSÕES & AQUISIÇÕES Regime Fiscal Neutralidade Fiscal Isto significa que a transmissão de elementos patrimoniais no decorrer de uma fusão não concorre para a determinação do lucro tributável, ou seja, em termos fiscais, é como se não tivesse existido. No entanto, a sociedade beneficiária terá de manter, para efeitos fiscais, os elementos patrimoniais pelos mesmos valores que foram transferidos.

72 FUSÕES & AQUISIÇÕES Regime Fiscal Transmissibilidade de Prejuízos Fiscais e Dedutibilidade de Gastos de Financiamento É permitida a transmissão de prejuízos fiscais e dedutibilidade de gastos de financiamento, sendo que com a reforma do IRC deixou de ser necessária autorização do Ministério das Finanças para a transmissão dos prejuízos.

73 FUSÕES & AQUISIÇÕES Regime Fiscal Benefícios Fiscais A Lei do Orçamento do Estado para 2014 alterou o EBF e agilizou os requisitos de admissibilidade da concessão dos benefícios fiscais em sede de fusão. Com efeito, caso a operação não restrinja a concorrência e tenha efeitos positivos ao nível da eficiência ou melhoramento do produto haverá lugar a isenção de IMT, IS e Emolumentos.

74 FUSÕES & AQUISIÇÕES Impacto Laboral Neutralidade Laboral Às fusões aplica-se o regime da transmissão de estabelecimento. Quer isto dizer que os trabalhadores serão transferidos para a empresa beneficiária, mas manterão todos os deveres, direitos e regalias e a empresa beneficiária herdará igualmente todas as obrigações e direitos.

75 FUSÕES & AQUISIÇÕES Caso de Sucesso Fusão entre duas Instituições de Crédito ao Consumo Uma das IC s desenvolvia maioritariamente crédito automóvel, a outra crédito pessoal. Actividades diferentes, mas com um objecto em comum, o crédito ao consumo.

76 FUSÕES & AQUISIÇÕES Caso de Sucesso Assim, e apesar de os produtos serem diferentes, a verdade é que na sua grande maioria, os procedimentos, custos, organização, logística e até regime legal, era semelhante. No ano anterior à fusão, a incorporada apresentou um resultado positivo de cerca de 800 mil euros e a incorporante cerca de 10 milhões de euros.

77 FUSÕES & AQUISIÇÕES Caso de Sucesso Assim, a incorporante, apesar do enorme esforço financeiro que fez para a aquisição da incorporada (cerca de 65 milhões de euros), apresentou um resultado positivo no ano seguinte de cerca de 15 milhões de euros. A tendência manteve-se, isto apesar da crise económicofinanceira em que vivemos, sendo que em 2013, a empresa incorporante apresentou resultados positivos na ordem dos 15 milhões de euros e já este ano irá distribuir aos accionistas ,00.

78 FUSÕES & AQUISIÇÕES Em suma A Fusão / Aquisição permite ganhos de eficiência; Em termos fiscais a operação é neutra; Em termos laborais também; É aquilo que se chama de uma situação win-win:

79 OBRIGADO

Reestruturar a Empresa para os Novos Desafios

Reestruturar a Empresa para os Novos Desafios Reestruturar a Empresa para os Novos Desafios Mecanismos e Instrumentos Disponíveis Lisboa, 5 de Dezembro de 2013 O CONTEXTO DA EMPRESA Palavras-chave IDENTIFICAR AVALIAR INTERVIR ESTADO Recuperação de

Leia mais

SIREVE Sistema de Recuperação de Empresas por Via Extrajudicial

SIREVE Sistema de Recuperação de Empresas por Via Extrajudicial SIREVE Sistema de Recuperação de Empresas por Via Extrajudicial Tortosendo, DEZEMBRO de 2012 Pág. 1 / 28 Pág. 2 / 28 MOU celebrado entre o Governo Português, FMI, BCE e Comissão Europeia, Capítulo 2; Resolução

Leia mais

Curso Intensivo sobre Processo Especial de Revitalização

Curso Intensivo sobre Processo Especial de Revitalização Curso Intensivo sobre Processo Especial de Revitalização Finalidade e Natureza do PER António Raposo Subtil ENQUADRAMENTO ANTECEDENTES Memorando assinado com a Troika; Resolução do Conselho de Ministros

Leia mais

Recuperação e Revitalização Extrajudicial de Empresas. Paulo Valério

Recuperação e Revitalização Extrajudicial de Empresas. Paulo Valério Recuperação e Revitalização Extrajudicial de Empresas Paulo Valério ENQUADRAMENTO ANTECEDENTES Memorando assinado com a Troika; Resolução do Conselho de Ministros nº43/2011; Resolução do Conselho de Ministros

Leia mais

SIREVE (SISTEMA DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS POR VIA EXTRAJUDICIAL)

SIREVE (SISTEMA DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS POR VIA EXTRAJUDICIAL) SIREVE (SISTEMA DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS POR VIA EXTRAJUDICIAL) Condições de Acesso (Decreto Lei n.º 178/2012 de 3 de Agosto) 0 SIREVE (SISTEMA DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS POR VIA EXTRAJUDICIAL) Entrada

Leia mais

PLANO/ ACORDO DE RECUPERAÇÃO

PLANO/ ACORDO DE RECUPERAÇÃO CONFERÊNCIA PLANO/ ACORDO DE RECUPERAÇÃO A. Raposo Subtil FINALIDADE DOS PLANOS/ ACORDOS PROCESSO DE INSOLVÊNCIA Art. 1º, do CIRE - Lei nº 16/2012, de 20-04 ( ) satisfação dos credores pela forma prevista

Leia mais

A. Código do Imposto sobre o Valor Acrescentado (CIVA)

A. Código do Imposto sobre o Valor Acrescentado (CIVA) Informação n.º 2/2013_Revista 22/novembro/2013 CRÉDITOS INCOBRÁVEIS E EM MORA IVA e IRC A. Código do Imposto sobre o Valor Acrescentado (CIVA) Regularização do IVA 1. Créditos vencidos até 31/12/2012 e

Leia mais

CONFERÊNCIA REESTRUTURAÇÃO DE CRÉDITOS

CONFERÊNCIA REESTRUTURAÇÃO DE CRÉDITOS CONFERÊNCIA REESTRUTURAÇÃO DE CRÉDITOS Cristina Bogado Menezes REESTRUTURAÇÃO DE CRÉDITOS [ ] a insolvência é resultado, e não causa, que tem por génese graves dificuldades económico-financeiras verificadas

Leia mais

Sistema de Recuperação de Empresas por Via Extrajudicial PERGUNTAS FREQUENTES

Sistema de Recuperação de Empresas por Via Extrajudicial PERGUNTAS FREQUENTES Sistema de Recuperação de Empresas por Via Extrajudicial PERGUNTAS FREQUENTES Agosto 2012 INTRODUÇÃO No âmbito do Programa de Assistência Económica e Financeira a Portugal, acordado com a União Europeia,

Leia mais

O incumprimento por parte dos compradores, consequências e soluções, a perda de habitação e das poupança das famílias

O incumprimento por parte dos compradores, consequências e soluções, a perda de habitação e das poupança das famílias O incumprimento por parte dos compradores, consequências e soluções, a perda de habitação e das poupança das famílias Natália Nunes Gabinete de Apoio ao Sobre-endividado CONFERÊNCIA HABITAÇÃO, ARRENDAMENTO

Leia mais

Processo Especial de Revitalização (PER) Guia Rápido

Processo Especial de Revitalização (PER) Guia Rápido Processo Especial de Revitalização (PER) Guia Rápido Maio 2012 Nota prévia No presente Guia procura dar-se resposta a um conjunto de questões sobre o novo Processo Especial de Revitalização (PER), instrumento

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO 4082 Diário da República, 1.ª série N.º 150 3 de agosto de 2012 2 Os serviços dependentes agrupados nas subalíneas ii) e iv) da alínea a) e nas subalíneas ii) e iii) da alínea b) do número anterior são

Leia mais

Apresentação 8 de Fevereiro de 2012

Apresentação 8 de Fevereiro de 2012 Apresentação 8 de Fevereiro de 2012 Programa REVITALIZAR Apresentação Pública Lisboa, Ministério da Economia e do Emprego 8 Fevereiro 2012 O Programa REVITALIZAR é uma iniciativa do Governo que tem por

Leia mais

Instrumentos de Apoio à Atividade Produtiva em Tempo de Crise

Instrumentos de Apoio à Atividade Produtiva em Tempo de Crise Instrumentos de Apoio à Atividade Produtiva em Tempo de Crise andre.marco@niapmei.pt Faro, 2 de Agosto de 2012 O Programa REVITALIZAR Contribuir para dar novo fôlego a projetos empresariais operacionalmente

Leia mais

Alterações ao Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas

Alterações ao Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas Alterações ao Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas O Governo divulgou recentemente um conjunto de medidas de revisão e aperfeiçoamento do atual Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas,

Leia mais

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas PME Investe VI Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas Objectivos Esta Linha de Crédito visa facilitar o acesso ao crédito por parte das micro e pequenas empresas de todos os sectores de actividade,

Leia mais

Novas regras para insolvência avançam em Maio, mas falta regular actividade dos gestores.

Novas regras para insolvência avançam em Maio, mas falta regular actividade dos gestores. Administradores de insolvência ainda sem estatuto Novas regras para insolvência avançam em Maio, mas falta regular actividade dos gestores. Económico, 23-04-12 As novas regras para o processo de insolvência

Leia mais

IMPARIDADE DE ACTIVOS FINANCEIROS

IMPARIDADE DE ACTIVOS FINANCEIROS BOLETIM INFORMATIVO N.º 3/2010 IMPARIDADE DE ACTIVOS FINANCEIROS ASPECTOS CONTABILÍSTICOS E FISCAIS (Esta informação contém apenas informação geral, não se destina a prestar qualquer serviço de auditoria,

Leia mais

Alterações ao SIREVE e PER e ao regime das ações preferenciais e das obrigações

Alterações ao SIREVE e PER e ao regime das ações preferenciais e das obrigações 9 de fevereiro de 2015 Foi publicado no passado dia 6 de fevereiro o Decreto-Lei n.º 26/2015, que introduz alter ao Sistema de Recuperação de Empresas por via Extrajudicial (SIREVE), ao Código da Insolvência

Leia mais

Linha de apoio à reestruturação de dívida bancária das empresas dos Açores- Condições e Procedimentos

Linha de apoio à reestruturação de dívida bancária das empresas dos Açores- Condições e Procedimentos Linha de apoio à reestruturação de dívida bancária das empresas dos Açores- Condições e Procedimentos 1. Beneficiários Empresas com sede na Região Autónoma dos Açores que não tenham como actividade principal

Leia mais

PME Investe III Sector do Turismo

PME Investe III Sector do Turismo PME Investe III Sector do Turismo Linha de Apoio à Tesouraria Beneficiários Poderão beneficiar desta linha as empresas que: Tenham um volume de facturação anual inferior a 150 milhões de euros Desenvolvam

Leia mais

LIDERANÇA E NEGOCIAÇÃO NO IMOBILIÁRIO PLANO ESPECIAL DE REVITALIZAÇÃO

LIDERANÇA E NEGOCIAÇÃO NO IMOBILIÁRIO PLANO ESPECIAL DE REVITALIZAÇÃO PLANO ESPECIAL DE REVITALIZAÇÃO DE QUE SE TRATA AFINAL? 1. É um Processo Extrajudicial de Negociação? Processo Negocial conduzido no quadro de um Processo Judicial? 2. É uma Negociação Compulsiva? 3. É

Leia mais

Conciliação para empresas em dificuldades

Conciliação para empresas em dificuldades Conciliação para empresas em dificuldades Em vez de recorrer aos tribunais, uma empresa com dificuldades em cumprir as suas obrigações pode recorrer ao procedimento extrajudicial de conciliação, através

Leia mais

Republicação do Despacho Normativo n. 18 -A/2010, de 1 de julho CAPÍTULO I. Disposições comuns. Artigo 1. Objeto. Artigo 2.

Republicação do Despacho Normativo n. 18 -A/2010, de 1 de julho CAPÍTULO I. Disposições comuns. Artigo 1. Objeto. Artigo 2. Republicação do Despacho Normativo n. 18 -A/2010, de 1 de julho CAPÍTULO I Disposições comuns Artigo 1. Objeto O presente despacho normativo regulamenta os pedidos de reembolso de imposto sobre o valor

Leia mais

PME Investe III Sector do Turismo

PME Investe III Sector do Turismo PME Investe III Sector do Turismo Linha Turismo de Habitação e Turismo em Espaço Rural Objectivos Esta Linha de Crédito, criada no âmbito da Linha Específica PME Investe III do Sector do Turismo, visa

Leia mais

REESTRUTURAÇÃO FINANCEIRA REVITALIZAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS 11 JULHO de 2013. h o m e

REESTRUTURAÇÃO FINANCEIRA REVITALIZAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS 11 JULHO de 2013. h o m e REESTRUTURAÇÃO FINANCEIRA REVITALIZAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS 11 JULHO de 2013 h o m e b a c k n e x t REESTRUTURAÇÃO DE CRÉDITOS h o m e b a c k n e x t DRA. CRISTINA BOGADO MENEZES CONFERÊNCIA REESTRUTURAÇÃO

Leia mais

NEWS TCC SROC Julho 2014

NEWS TCC SROC Julho 2014 Novidades Portal das Finanças - Certificação de Software Foi divulgado pelo despacho n.º 247/2014 de 30 Junho de 2014, a prorrogação para 1 de outubro de 2014 a obrigação de certificação de software de

Leia mais

UM ESPECIALISTA AO SEU LADO. www.doutorfinancas.pt

UM ESPECIALISTA AO SEU LADO. www.doutorfinancas.pt UM ESPECIALISTA AO SEU LADO www.doutorfinancas.pt Programa Principais sintomas de doença financeira Principais Ferramentas de Gestão de Finanças Pessoais Orçamento familiar O Negócio Bancário Mecanismos

Leia mais

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 1 Identificação da entidade 1.1 Designação da entidade APOTEC Associação Portuguesa de Técnicos de Contabilidade 1.2 Sede Rua Rodrigues Sampaio, 50-3º-Esq. 1169-029

Leia mais

9 de Junho 2014 Contencioso de Cobrança

9 de Junho 2014 Contencioso de Cobrança PROCEDIMENTO EXTRAJUDICIAL PRÉ-EXECUTIVO A Lei n.º 32/2014, de 30 de Maio, aprovou o procedimento extrajudicial pré-executivo (PEPEX), que visa a identificação de bens penhoráveis antes de ser instaurada

Leia mais

Financiamento das PME. Evolução fiscal e regulatória. Carlos Loureiro. 28 de Novembro de 2014. 2014 Deloitte

Financiamento das PME. Evolução fiscal e regulatória. Carlos Loureiro. 28 de Novembro de 2014. 2014 Deloitte Financiamento das PME Evolução fiscal e regulatória Carlos Loureiro 28 de Novembro de 2014 1 Temas a discutir Abordagem da temática Financiamento bancário: Panaceia ou factor de restrição? As alternativas

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 96/2013 de 3 de Outubro de 2013

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 96/2013 de 3 de Outubro de 2013 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 96/2013 de 3 de Outubro de 2013 Considerando a necessidade do Governo dos Açores continuar a potenciar a competitividade e crescimento sustentado

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO 1 Sumário: Conceito e Objectivos Estrutura do PN o Apresentação da Empresa o Análise do Produto / Serviço o Análise de Mercado o Estratégia de Marketing o

Leia mais

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO CVGARANTE SOCIEDADE DE GARANTIA MÚTUA PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO 14 de Outubro de 2010 O que é a Garantia Mútua? É um sistema privado e de cariz mutualista de apoio às empresas,

Leia mais

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Exercício de 2011 Notas às Demonstrações Financeiras 31 De Dezembro de 2011 e 2010 1. Identificação da entidade Accendo, Lda, inscrita na conservatória

Leia mais

Linha Específica para o Sector do Turismo

Linha Específica para o Sector do Turismo Linha de Crédito PME Investe III Linha Específica para o Sector do Turismo Objectivos Esta Linha de Crédito, criada no âmbito da Linha PME Investe III, visa facilitar o acesso ao crédito por parte das

Leia mais

FESETE FEDERAÇÃO DOS SINDICATOS DOS TRABALHADORES TÊXTEIS, LANIFÍCIOS, VESTUÁRIO, CALÇADO E PELES DE PORTUGAL

FESETE FEDERAÇÃO DOS SINDICATOS DOS TRABALHADORES TÊXTEIS, LANIFÍCIOS, VESTUÁRIO, CALÇADO E PELES DE PORTUGAL Exposição e Propostas da FESETE à Reunião com o Senhor Ministro do Trabalho no dia 19 de Dezembro de 2008 1. Nota Introdutória: As ITVC, em resultado do seu enquadramento num mercado global, desregulado

Leia mais

FINANCIAMENTO DA ATIVIDADE TURÍSTICA. Oliveira do Hospital, 25 > Março > 2014 Miguel Mendes

FINANCIAMENTO DA ATIVIDADE TURÍSTICA. Oliveira do Hospital, 25 > Março > 2014 Miguel Mendes FINANCIAMENTO DA ATIVIDADE TURÍSTICA Oliveira do Hospital, 25 > Março > 2014 Miguel Mendes LINHA DE APOIO à QUALIFICAÇÃO DA OFERTA e ao EMPREENDEDORISMO NO TURISMO VALORIZAR E DIVERSIFICAR O PRODUTO TURÍSTICO

Leia mais

O que devo exigir do meu contabilista? O que devo analisar no Balancete, Balanço e Demonstração de Resultados? Devo renunciar à isenção do IVA?

O que devo exigir do meu contabilista? O que devo analisar no Balancete, Balanço e Demonstração de Resultados? Devo renunciar à isenção do IVA? 18 de junho de 2014 O que devo exigir do meu contabilista? O que devo analisar no Balancete, Balanço e Demonstração de Resultados? Devo renunciar à isenção do IVA? IVA como gasto ou crédito fiscal? Afinal

Leia mais

Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas

Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas Linha de Crédito PME Investe III Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas Objectivos Esta Linha de Crédito, criada no âmbito da Linha PME Investe III, visa facilitar o acesso ao crédito por parte

Leia mais

"RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS" Francisco Duarte Administrador de Insolvência

RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS Francisco Duarte Administrador de Insolvência "RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS" Francisco Duarte Administrador de Insolvência PROCESSO DE INSOLVÊNCIA FINALIDADE: Liquidação do património de um devedor insolvente, e repartição do respectivo produto, resultante

Leia mais

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS - GABINETE DO SECRETÁRIO DE ESTADO DOS ASSUNTOS FISCAIS. Despacho normativo n.º 17/2014, de 26 de dezembro

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS - GABINETE DO SECRETÁRIO DE ESTADO DOS ASSUNTOS FISCAIS. Despacho normativo n.º 17/2014, de 26 de dezembro Legislação Diploma Despacho normativo n.º 17/2014, de 26 de dezembro Estado: vigente Resumo: Despacho Normativo que altera o Despacho Normativo nº 18-A/2010, de 1 de julho. Publicação: Diário da República

Leia mais

LIQUIDAÇÃO JUDICIAL MEIOS DISPONÍVEIS PARA SUA EFECTIVAÇÃO - Execução vs Insolvência

LIQUIDAÇÃO JUDICIAL MEIOS DISPONÍVEIS PARA SUA EFECTIVAÇÃO - Execução vs Insolvência CONFERÊNCIA LIQUIDAÇÃO JUDICIAL MEIOS DISPONÍVEIS PARA SUA EFECTIVAÇÃO - Execução vs Insolvência 1. Indicação da Modalidade de Venda 2. Venda por propostas em carta fechada 3. Adjudicação e seus efeitos

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

Novo Regime do Fundo de Garantia Salarial

Novo Regime do Fundo de Garantia Salarial Novo Regime do Fundo de Garantia Salarial Foi aprovado pelo Decreto-Lei nº 59/2015, de 21 de abril, o novo regime do Fundo de Garantia Salarial, que entra em vigor a 4 de maio de 2015. Principais novidades:

Leia mais

Pessoas Jurídicas também adoecem

Pessoas Jurídicas também adoecem Pessoas Jurídicas também adoecem a importância da prevenção CICLO DE VIDA DE UMA EMPRESA Acompanhamento médico Internação UTI SINTOMAS DE PROBLEMAS PARA EMPRESAS GERENCIAIS OPERACIONAIS FINANCEIROS (REFLEXOS)

Leia mais

IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício.

IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício. Anexo à Instrução nº 4/96 IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício. 80 - JUROS E PROVEITOS EQUIPARADOS Proveitos

Leia mais

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014 Exercício 2014 Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual em 5 Demonstração dos Resultados Individuais em 6 Demonstração dos Fluxos de Caixa Individuais em...7

Leia mais

FUNDOS DE CAPITAL DE RISCO REVITALIZAR EMPRESAS BENEFICIÁRIAS E OPERAÇÕES ELEGÍVEIS EMPRESAS BENEFICIÁRIAS

FUNDOS DE CAPITAL DE RISCO REVITALIZAR EMPRESAS BENEFICIÁRIAS E OPERAÇÕES ELEGÍVEIS EMPRESAS BENEFICIÁRIAS FUNDOS DE CAPITAL DE RISCO REVITALIZAR EMPRESAS BENEFICIÁRIAS E OPERAÇÕES ELEGÍVEIS EMPRESAS BENEFICIÁRIAS 1. São entidades beneficiárias (empresas destinatárias), as sociedades comerciais, de qualquer

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado. Batalha, 8 Julho de 2010

Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado. Batalha, 8 Julho de 2010 Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado Batalha, 8 Julho de 2010 As vossas necessidades... O apoio aos Empreendedores e às PME s

Leia mais

Regimes de Custas desde 15/09/2003

Regimes de Custas desde 15/09/2003 JORNADAS DE ESTUDO CONTA E ENCERRAMENTO DO PROCESSO Armando A Oliveira - Solicitador Regimes de Custas desde 15/09/2003 15 de Setembro de 2003 Reforma da acção executiva Foi reduzido o valor da taxa de

Leia mais

Preçário BANCO BNP PARIBAS PERSONAL FINANCE, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BANCO BNP PARIBAS PERSONAL FINANCE, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BANCO BNP PARIBAS PERSONAL FINANCE, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 08jun2015 O Preçário completo do Banco BNP

Leia mais

REGIME DE CONTABILIDADE DE CAIXA EM SEDE DE IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO (REGIME DE IVA DE CAIXA)

REGIME DE CONTABILIDADE DE CAIXA EM SEDE DE IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO (REGIME DE IVA DE CAIXA) REGIME DE CONTABILIDADE DE CAIXA EM SEDE DE IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO (REGIME DE IVA DE CAIXA) APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 71/2013, DE 30 DE MAIO ALTERADO PELOS SEGUINTES DIPLOMAS: - LEI N.º

Leia mais

Programa Operacional Competitividade e Internacionalização

Programa Operacional Competitividade e Internacionalização Programa Operacional Competitividade e Internacionalização Vale Inovação PSZ CONSULTING Maio 2015 Índice 1 O que é?... 2 1.1 Enquadramento... 2 1.2 Objetivos Específicos... 2 1.3 Âmbito Setorial... 2 1.4

Leia mais

PME Investe III Sector do Turismo

PME Investe III Sector do Turismo PME Investe III Sector do Turismo Linha Turismo de Habitação e Turismo em Espaço Rural Beneficiários Poderão beneficiar desta linha as empresas que: Comprovem ser Micro e Pequenas Empresas através da certificação

Leia mais

O S I S T E M A D E R E C U P E R A Ç Ã O D E E M P R E S A S P O R V I A E X T R A J U D I C I A L

O S I S T E M A D E R E C U P E R A Ç Ã O D E E M P R E S A S P O R V I A E X T R A J U D I C I A L R E E S T R U T U R A Ç Ã O E R E C U P E R A Ç Ã O D E E M P R E S A S I. I N T R O D U Ç Ã O No Programa de Assistência Económica e Financeira a Portugal, encontra-se prevista a adopção de um conjunto

Leia mais

Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto *

Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto * Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto * Nos termos da Resolução do Conselho de Ministros n.º 103/2002, de 26 de Julho, que aprovou o Programa para a Produtividade e o Crescimento da Economia, foi delineado

Leia mais

O FINANCIAMENTO DA ATIVIDADE TURÍSTICA

O FINANCIAMENTO DA ATIVIDADE TURÍSTICA O FINANCIAMENTO DA ATIVIDADE TURÍSTICA FIGUEIRA DA FOZ, 9 DE JULHO DE 2014 LUÍS COITO LINHAS DE APOIO FINANCEIRO Longo Prazo Curto / Médio Prazo Curto Prazo LINHA DE APOIO À QUALIFICAÇÃO DA OFERTA LINHA

Leia mais

INSOLVÊNCIA: Dificuldades e Oportunidades. Nuno Albuquerque Paulo Ribeiro Barbosa Luís Paulo Silva

INSOLVÊNCIA: Dificuldades e Oportunidades. Nuno Albuquerque Paulo Ribeiro Barbosa Luís Paulo Silva INSOLVÊNCIA: Dificuldades e Oportunidades 24 de Fevereiro Salão Nobre da Câmara Municipal de Amares Nuno Albuquerque Paulo Ribeiro Barbosa Luís Paulo Silva 24-02-2012 1 DIAGNÓSTICO PRINCIPAIS PROBLEMAS

Leia mais

Extinção da empresa por vontade dos sócios

Extinção da empresa por vontade dos sócios Extinção da empresa por vontade dos sócios A dissolução de uma sociedade por deliberação dos sócios pode fazer-se de várias formas, designadamente de forma imediata, com liquidação simultânea, com partilha,

Leia mais

Comissão para a Reforma do IRC - 2013. Uma Reforma orientada para a Competitividade, o Crescimento e o Emprego

Comissão para a Reforma do IRC - 2013. Uma Reforma orientada para a Competitividade, o Crescimento e o Emprego Uma Reforma orientada para a Competitividade, o Crescimento e o Emprego Principais medidas da Reforma 2 I. Redução da taxa do IRC - A redução das taxas de IRC é fundamental para a atração de investimento

Leia mais

5º Workshop da Plataforma do Empreendedor

5º Workshop da Plataforma do Empreendedor 5º Workshop da Plataforma do Empreendedor Lisboa, AIP-CE 27 de Maio de 2010 EMPREENDEDORISMO Da ideia à actividade. O Montepio apoia a criação de negócios independentemente da sua dimensão e está disponível

Leia mais

NEWSLETTER Dezembro 2013. Dedutibilidade do imposto de. créditos considerados incobráveis e dedutibilidade do imposto de créditos de cobrança duvidosa

NEWSLETTER Dezembro 2013. Dedutibilidade do imposto de. créditos considerados incobráveis e dedutibilidade do imposto de créditos de cobrança duvidosa NEWSLETTER Dezembro 2013 Dedutibilidade do imposto de créditos considerados incobráveis e dedutibilidade do imposto de créditos de cobrança duvidosa 2 Dedutibilidade imposto de créditos de cobrança duvidosa

Leia mais

Anexo à Instrução 11/96

Anexo à Instrução 11/96 Anexo à Instrução 11/96 SOCIEDADES CORRETORAS Sociedade... SITUAÇÃO ANALÍTICA EM / / SALDOS DEVEDORES 10 - CAIXA VALORES (em contos) 11 - DEPÓSITOS À ORDEM NO BANCO DE PORTUGAL 12 - DISPONIBILIDADES SOBRE

Leia mais

OFERTA COBRANÇAS E RECUPERAÇÃO EXTRA-JUDICIAL DE INCOBRÁVEIS

OFERTA COBRANÇAS E RECUPERAÇÃO EXTRA-JUDICIAL DE INCOBRÁVEIS COBRANÇAS E RECUPERAÇÃO EXTRA-JUDICIAL DE INCOBRÁVEIS Directores financeiros, Directores Comerciais responsáveis de controlo de crédito, membros de equipas de cobranças, credit managers. Prevenir a cobrança

Leia mais

CÓDIGO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO

CÓDIGO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO Artigo 77.º Serviço de finanças competente 1 - Para efeitos do cumprimento das obrigações do presente diploma, considera-se serviço de finanças competente o da área fiscal onde o sujeito passivo tiver

Leia mais

INFORMAÇÃO PARA ACESSO À LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN

INFORMAÇÃO PARA ACESSO À LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN INFORMAÇÃO PARA ACESSO À LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN A. BENEFICIÁRIOS Entidades beneficiárias dos Sistemas de Incentivos do QREN (SI QREN) e entidades beneficiárias do Sistema de Apoio a Ações Coletivas

Leia mais

Responsabilidades no crédito II

Responsabilidades no crédito II Responsabilidades no crédito II PUBLICADO NA EDIÇÃO IMPRESSA SEGUNDA-FEIRA, 26 DE MARÇO DE 2012 POR JM A Central de Responsabilidades de Crédito do Banco de Portugal tem como principal objectivo apoiar

Leia mais

PARCELAMENTO DE TRIBUTOS FEDERAIS REFIS DA COPA

PARCELAMENTO DE TRIBUTOS FEDERAIS REFIS DA COPA PARCELAMENTO DE TRIBUTOS FEDERAIS REFIS DA COPA INTRODUÇÃO Após a mobilização de vários setores da economia juntamente com as proposições formuladas pelo Congresso Nacional, foi publicada a Lei 12.996/2014,

Leia mais

As autarquias locais devem dispor de recursos financeiros adequados ao exercício das suas atribuições.

As autarquias locais devem dispor de recursos financeiros adequados ao exercício das suas atribuições. 12. FINANÇAS LOCAIS 12.1 A LEI DAS FINANÇAS LOCAIS O regime financeiro das freguesias está previsto na Lei n.º 2/2007, de 15 de Janeiro Lei das Finanças Locais (LFL). Este regime, cuja primeira lei data

Leia mais

Manual da Garantia Mútua

Manual da Garantia Mútua Março de 2007 Manual da Garantia Mútua O que é a Garantia Mútua? É um sistema privado e de cariz mutualista de apoio às pequenas, médias e micro empresas (PME), que se traduz fundamentalmente na prestação

Leia mais

Publicado na revista TOC. Fiscalidade no imobiliário Contrato de locação financeira imobiliária Enquadramento fiscal

Publicado na revista TOC. Fiscalidade no imobiliário Contrato de locação financeira imobiliária Enquadramento fiscal Publicado na revista TOC Fiscalidade no imobiliário Contrato de locação financeira imobiliária Enquadramento fiscal O regime jurídico do contrato de locação financeira, vem consagrado no DL nº 149/95,

Leia mais

ACÇÃO EXECUTIVA VERSUS INSOLVÊNCIA CONFERÊNCIA

ACÇÃO EXECUTIVA VERSUS INSOLVÊNCIA CONFERÊNCIA CONFERÊNCIA ACÇÃO EXECUTIVA VERSUS INSOLVÊNCIA 1. Concessão de Crédito 2. Reestruturação de Crédito 3. Recuperação de Crédito 3.1. Acção executiva 3.2. Insolvência BANCO CONCESSÃO DE CRÉDITO RELAÇÃO COMERCIAL

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. ii) Cessação de atividade para efeitos de IVA, nos termos do art.º 33.º do CIVA;

FICHA DOUTRINÁRIA. ii) Cessação de atividade para efeitos de IVA, nos termos do art.º 33.º do CIVA; FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: CIRC Artigo: 36.º e 41.º Assunto: Créditos incobráveis não abrangidos pelo art.º 41.º - consequências fiscais do seu desreconhecimento, Despacho de 2014-01-28, do Diretor-Geral

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

Sessão de Esclarecimento Balanço das Medidas Anti-Cíclicas

Sessão de Esclarecimento Balanço das Medidas Anti-Cíclicas Sessão de Esclarecimento Balanço das Medidas Anti-Cíclicas Açores Investe Linha de apoio à reestruturação de dívida bancária das empresas dos Açores Proposta de decreto legislativo regional que altera

Leia mais

Abrangência: Esse programa abrange:

Abrangência: Esse programa abrange: Condições a serem observadas para adesão ao programa de recuperação fiscal que concede condições especiais para o pagamento à vista e o parcelamento de débitos de qualquer natureza (Portaria Conjunta PGFN/RFB

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 125/2014 de 4 de Agosto de 2014

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 125/2014 de 4 de Agosto de 2014 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 125/2014 de 4 de Agosto de 2014 Através da Resolução do Conselho de Governo n.º 97/2013, de 3 de outubro, foi criada a Linha de Apoio à Reabilitação

Leia mais

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS CIRCULAR Nº 1/2014 Com a aprovação do orçamento do estado para o ano de 2014 publicado pela lei nº 83-C/2013 de 31/12, o governo introduziu várias alterações legislativas significativas em matérias fiscais

Leia mais

Módulos de Formação 2013

Módulos de Formação 2013 Módulos de Formação 2013 Documento de trabalho Editores Banco de Portugal Comissão do Mercado de Valores Mobiliários Instituto de Seguros de Portugal Design, impressão e acabamento Banco de Portugal Departamento

Leia mais

INFORMAÇÃO PARA ACESSO À LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN

INFORMAÇÃO PARA ACESSO À LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN INFORMAÇÃO PARA ACESSO À LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN A. BENEFICIÁRIOS Entidades beneficiárias dos Sistemas de Incentivos do QREN (SI QREN) e do Sistema de Apoio a Ações Coletivas (SIAC) que: 1. Tenham

Leia mais

Linha PME Investe V. Millennium bcp. Maio 2010

Linha PME Investe V. Millennium bcp. Maio 2010 Linha PME Investe V Millennium bcp Maio 2010 Protocolo celebrado entre o Millennium bcp, a PME Investimentos, o IAPMEI, as Sociedades de Garantia Mútua (Norgarante, Garval, Lisgarante e Agrogarante). Disponibiliza

Leia mais

FUNDO REVITALIZAR SUL

FUNDO REVITALIZAR SUL FUNDO REVITALIZAR SUL www.capitalcriativo.com O FUNDO REVITALIZAR SUL CAPITAL TIPO DE EMPRESAS 60m - 30m subscritos pelo FINOVA (fundo de fundos público) e 30m subscritos por 7 instituições de crédito

Leia mais

LEI Nº 13.979, DE 25 DE SETEMBRO DE 2007

LEI Nº 13.979, DE 25 DE SETEMBRO DE 2007 ESTADO DO CEARÁ LEI Nº 13.979, DE 25 DE SETEMBRO DE 2007 DISPÕE SOBRE A RENEGOCIAÇÃO DAS DÍVIDAS DECORRENTES DE EMPRÉSTIMOS CONCEDIDOS PELO EXTINTO BANCO DO ESTADO DO CEARÁ S/A BEC, POR PARTE DO ESTADO

Leia mais

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS.

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS. CATEGORIA E RENDIMENTOS DE CAPITAIS Definem-se rendimentos de capitais, todos os frutos e demais vantagens económicas, qualquer que seja a sua natureza ou denominação, pecuniários ou em espécie, procedentes,

Leia mais

CURRICULUM VITAE ELEMENTOS PESSOAIS HABILITAÇÕES LITERÁRIAS

CURRICULUM VITAE ELEMENTOS PESSOAIS HABILITAÇÕES LITERÁRIAS CURRICULUM VITAE ELEMENTOS PESSOAIS Nome: André Filipe Antunes de Sousa Tavares HABILITAÇÕES LITERÁRIAS o Licenciatura em Gestão pela Cooperativa de Ensino Universidade Lusíada do Porto, finalizada a 27

Leia mais

GAI GABINETE APOIO AO INVESTIDOR PME INVESTE VI LINHA ESPECÍFICA MICROS E PEQUENAS EMPRESAS INFORMAÇÃO SINTETIZADA 1

GAI GABINETE APOIO AO INVESTIDOR PME INVESTE VI LINHA ESPECÍFICA MICROS E PEQUENAS EMPRESAS INFORMAÇÃO SINTETIZADA 1 PME INVESTE VI LINHA ESPECÍFICA MICROS E PEQUENAS EMPRESAS INFORMAÇÃO SINTETIZADA 1 OBJECTO Facilitar o acesso ao crédito por parte das PME, nomeadamente através da bonificação de taxas de juro e da minimização

Leia mais

O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE.

O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE. Procº de insolvência n.º 697/11.6 TYVNG 2º Juízo Insolvente: AV POWER REPARAÇÃO DE AUDIOVISUAIS, LIMITADA Tribunal do Comércio de Vila Nova de Gaia RELATÓRIO O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

Análise Financeira 2º semestre

Análise Financeira 2º semestre ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO Análise Financeira 2º semestre Caderno de exercícios CAP II Luís Fernandes Rodrigues António Manuel F Almeida CAPITULO II 2011 2012 Página

Leia mais

Financiamento. Financiamento

Financiamento. Financiamento É preciso ter em conta o valor de: Imobilizações corpóreas Imobilizações incorpóreas Juros durante a fase de investimento Capital circulante permanente 1 O capital circulante tem que financiar o ciclo

Leia mais

INSTRUÇÃO N.º 44/2012 - (BO N.º 12, 17.12.2012) SUPERVISÃO Supervisão Comportamental

INSTRUÇÃO N.º 44/2012 - (BO N.º 12, 17.12.2012) SUPERVISÃO Supervisão Comportamental INSTRUÇÃO N.º 44/2012 - (BO N.º 12, 17.12.2012) Temas SUPERVISÃO Supervisão Comportamental ASSUNTO: Comunicação de informação relativa a contratos de crédito abrangidos pelos procedimentos previstos no

Leia mais

www.pwc.com/pt empresarial Jorge Figueiredo

www.pwc.com/pt empresarial Jorge Figueiredo www.pwc.com/pt Fiscalidade pessoal e empresarial Jorge Figueiredo 18 de Fevereiro de 2011 Agenda 1. IRS 1.1 Alterações das taxas 1.2 Outros rendimentos 1.3 Dedução específica Categoria A 1.4 Reporte de

Leia mais

Cremos ser de extrema importância a vossa presença e participação.

Cremos ser de extrema importância a vossa presença e participação. Exmos. Associados e parceiros, Chamamos a vossa atenção para o convite abaixo. Cremos ser de extrema importância a vossa presença e participação. Inscrevam-se! Convite No seguimento dos contactos mantidos

Leia mais

Apoios às s Empresas do Sector do Turismo. Portugal

Apoios às s Empresas do Sector do Turismo. Portugal Apoios às s Empresas do Sector do Turismo ÍNDICE 2 Linha de apoio à qualificação da oferta Linha de apoio à tesouraria Carência de capital Linhas PME CRESCIMENTO 2013 MECANISMOS DE APOIO AO SECTOR DO TURISMO

Leia mais

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS. Decreto-Lei n.º 215/89, de 1 de Julho (Revisto pelo Decreto-Lei n.º 198/2001, de 3 de Julho)

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS. Decreto-Lei n.º 215/89, de 1 de Julho (Revisto pelo Decreto-Lei n.º 198/2001, de 3 de Julho) ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS Decreto-Lei n.º 215/89, de 1 de Julho (Revisto pelo Decreto-Lei n.º 198/2001, de 3 de Julho) Artigo 2.º Conceito de benefício fiscal e de despesa fiscal e respectivo controlo

Leia mais

10. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (OUTROS CLIENTES) - FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS 10.1. Linhas de Crédito e Contas Correntes

10. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (OUTROS CLIENTES) - FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS 10.1. Linhas de Crédito e Contas Correntes 10. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (OUTROS CLIENTES) - FOLHETO DE COMSÕES E DESPESAS 10.1. Linhas de Crédito e Contas Correntes Crédito de Curto Prazo em Conta Corrente Iniciais Euros (min/máx) Valor Anual Acresce

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais