VJM^M^VCA. mm DA OHIAO DE H\lfô DA U)MBA. ouru. vufa mm 1 '-- Ho mià tt\c%'t \ 1 ^

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VJM^M^VCA. mm DA OHIAO DE H\lfô DA U)MBA. ouru. vufa mm 1 '-- Ho mià tt\c%'t \ 1 ^"

Transcrição

1 VJM^M^VCA '-- mm DA OHIAO DE H\lfô DA U)MBA vufa mm 1 HH ouru ' Ho mià tt\c%'t \ ^^ r 1 ^

2 -- r ' EDITORIAL."A Voz ca Lomba" está sur- gindo como órgão de informação, de encaminhamento e de divulga- ção das lutas da União de Vilas Ja Loraba do Pinheiro. Primeiramente, temos que dizer algo sobre a União de Vi- las. A União de Vilas da Lomba não surgiu por acaso ou por ca- pricho de alguém. Ela existe hi muito tempo, na pratica. Talvez não tivesse nome. Mas, ha mais de dois anos, associações comu- nitarias e comissões de morado- res das mais diversas vilas' da Lomba do Pinheiro vem batalhan- do, unidos para resolver proble- mas comuns a todos. Ha muito tempo, cuando era mais fácil pe_ dir ura ''Biartel inho" do que um copo de água nos botecos da Lom ba, gente de todis as vilas se reunia Dora lutar pela água en- canada que, em parte, ja se tor nou realidade, graças, ao espihi_.c de luta dessas pessoas. Há : u-ulto tempo s os moradores, vit^, mas da ganância e da falta de ' honestidade de loteadores clan--., ' destinos, se reuniam para pro- testar e reivindicar seus direi tos. Ha muito tempo, vem se lu- tando, na Lomba do Pinheiro, pe Ia melhoria do transporte colé- : tivo - por mais ônibus,, bancos I limpos e tarifa mais barata. Neste momento, estamos lu- tando pelos seguintes objetivos, ' considerados por todos como prj_ orifades da Lomba: melhoria e barateamento do transporte,água, iluminação pública, colégio de 29 Grau, telefone, asfalto, re- gularização dos loteamentcs clandestinos. As dificuldades de encami- nhamento destas lutas e, phnci palmehte, de um encarainhaméntc unitário, fizeram-nos sentir a necessidade de nos comunicarmos com todos os companheiros mais diferentes rincões da Loa- ba. Como atingir isso? Foi a : í que surgiu a idéia de um órgac informativo ou jornal zinho., que resolvemos chamar de "A Voz Lomba", porque e através dele- que os moradores das vilas Loraba do Pinheiro poderão faze ouvir sua voz. ; Estão participando da Uni- ão de Vilas da Lomba oc Pinhei- ro as Associações de Moradores das seguintes Vilas: Vila São Francisco do Boqueirão, Vila Es meralda. Vila São Pedro. Vil.; Viçosa, Vila Pinhal, Vila Santa Catarina e, ainda. Comissões :. Moradores das Vilas Mapa, Chaca ra das Peras e Santa Helena. A União de Vilas da Lomba do Pinheiro não tem uma direto- ria constituída nem estatuto. Além de evitar burocracia ; desne cessaria, isso evita lutas in- ternas pelo poder, com o conse- qüente enfraquecimento da unide^ de. Na União de Vilas da Lombí do Pinheiro ^hão existe lugar ra aqueles^qííe visaro pr(

3 mm pessoal ou para aproveitadores; nela são bem-vindos todos aqueles que têm como prioridade a melhoria das condições de vida dos moradores- As reuniões da União de Vj^ Ias da Lomba do Pinheiro obedecem a utn e?quema de rodízio: ca da reunião e feita em vila difje rente, com coordenador diferen-. te, de preferência» da vila onde se realiza a reunião. Ao final de cada reunião i escolhido o local s o coordenador e a pauta da reunião seguinte. A União de Vilas esti aber ta a todos os moradores da Lomba do Pinheiro que desejarem participar das nossas lutas coraundtarias. Da mesma forroa s o Informativo esta aberto a todos os moradores da Lomba 4 desde que se integrem ao trabalho da üniao de Vilas, seja através das Associações ou Comissões de Moradores, seja individualmente. 3 > A Voz da Lomba, repetimos, e o ^ órgão de informação, de encarei" ( nharnento e de divulgação dessas? lutas. v { A Voz da Lomba, enfim, e um jornal de operário para ape-" rário. A Voz da Lomba não se I preocupa com a linguagem rebusl cada e difícil,, que atinge apa- \ nas a uma minoria dos trabalhai } dores. Na Voz da Lomba querafas _ Ia e o povo, com seu falar gos- 1 toso, que é a língua certa, a itngua verdadeira do Brasil- Na Voz da Lomba o povo va : mostrar que, mesmo sem "falar a linguagem dos gramáticos, sabe expres sar suas ideiâs. E que estas. Idéias são, inclusive, superiores as idéias fabricadas em gabinete, porque elas nascem dos sofrimentos e das alegrias, das lutas e das vitoriasi^elas nascem da prática diária'do povo. : jornal ferio - 1 i

4 JÈL".--^ ' Cada vib, dá seo re r»%' r êt \ m m íarifa Voei sabe como e quando co, raeçou.a luta pela tarifa.social: Pois esta luta começou porque em 1980 os moradores da Lomba do Pinheiro ja pagavam Cr$17,00 pela passagem de ônibus. Então reuniram-se diversas entidades da Lomba do Pinheiro e resolve- mos exigir que fosse aplicada a Lei que estabelece 3% do salá- rio vigente no Pais,para as nos sas despesas com transporte co- letivo, E no dia 25 de janeiro de 1980 entregamos um abaixo-as sinado na prefeitura municipal de Porto Alegre, reivindicando tarifa social para a Lomba do Pinheiro, a exemplo do zona sul que era beneficiada com uma ta-, rifa mais barata. Mas passou seis meses e as respostas eram sempre negativas. AT decidimos organizar uma co- missão e ir a prefeitura e pe- dir contas daquelas assi- naturas, que reivindicavam a tan'fa social. Foi composta uma comissão de diversas entidades que são as seguintes: Associação da Vila São Pedro ( parada 13), Associação da Vila Viçosa {parada 13 A), Associação da Vj_ Ia Panorama (parada 16), Comissão da Vila Pinhal (parada 13A), Comissão da Vila Santa Helena (parada 12), Comissão da Parada 10, Comissão da Vila Mapa (para da 4), Comissão da Vila Santa Catarina, Circulo de Pais e Mes três da Escola Municipal São dro (parada 13), Círculo de Pais e Mestres da Escola Estadual Rafaela Remião (parada 6). No dia 24 de setembro de 1980, ãs 16 horas, fomos a sala de reuniões do Sr. Prefeito e pressionamos ele; para se defen der, ele jogou a res^onsabilida de sobre os vereadores que,rsegundo ele, estariam impedindo a implantação da tarifa^ social. Fomos imediatamente S Câmara d; Vereadores; lã tivemos a aflrisn tiva dossrs. vereadores de que o assunto era da inteira competência do prefeito. Na verdade, o que o prefei to queria era o apoio das entidades para satisfazer os interesses das empresas de Ônibus. Como exigíamos o cumprimento ca lei dos 3%, então as coisas ficaram difíceis de resolver, por que esta lei sõ e apluadc quar^ do dos nossos reajustes salariais, os quais são calculados com 3% para as nossas despesas em transporte. BMR

5 iliniaiiwwhi IHIIIIIM nrimrrni r"'iiii iau!ii«iiíuabat», ssai.js3s:i»is,tif«i3 "nam^ar- ai agubhm^bs^... assis ríisso a3s'-m 3 ufâa sébaná'depois, ale conseguiu reunir algumas da_ :;ue1as socíaçõss que el^s mes^ :í50s colccaffl nss vilas para serem-seus rspresentantes; e por ela' 5 foi apoísdo e decretou a unificação das tarifas em Porto Alegre, sem respeitar a lei dos 3%. Ha verdade, sle^ em v?": de baixar as pi ssa^ns, a(*'n^n- ufas. Primeiro,'purque na divisão das tarifas, as passagens deveriam eu?rar Cri 9,30. enquanto sle uriificou-as em tr$ C. S5 at ale jã aumentou Cr$ 0.70 po ' pa a q e í:i. A í mais: com a sfas o número ;'e lísuários pje passaram a pa- 'ar mais caro a passagem e mul- to maior qya aquele que foi oe- r. e f 1 c i a d n. u ruraro da passageiros transportído por dia erõ cerca Devido aos problemas existentes na Vila Santa Catarina, nor os moradores começamos ^cs reuair s trocar idéias s íobre todas essas problemáticas que todos conhecem que existe em quase tcaas as VVSJ.S da nossa grande Porto Alegre. Foi assim que nos sentipos 9 necessidade de um Órgão qua pudesse ter representação. E to dos uríanínieísente tiveram a mes üia idéia LI fundar"ufsiâ Assccia- aor p jsagefii, ao ai eie conse- nuiu ^r^?70.uuu } ü0 a J^&IS por dia para os erapresarios. Tydo isto a auata de qaa«? 5 Custa do trabalhador, daquele ^ue mo- "cm nas vilas e que são coriga- dias. ^ -n^a,- o onioa: todos os. O - c nter^aj dei e f i cou ^tn caructorizadíi parque 90 dias í pes a uni fie í das ta^i^ ^as ele jr qveri;-.provar u?'i a_ü ^ento d- 60%. i^sdl at v;ente ^nos v ; zemos um manife^tp protestando contra estn aumento absurdo d tn.. cima ' :e manifesto, desencadeou-sí. tedo.ate :avikienxo po r Uina wc r a ífis 7 s p s t a a Q u e hoje se ^.. Uí- ; u Í A o as i n tuito da reivindicar e ao mesmo tempo exigir os nossos direitos cue, como todos sabems, nao são respeitados. us moradores aa vila S3 T: ~ Catarina ficaram surpresos quan do nos fizemos a primeira reunj^ ao e aplaudiram intensamente aquela idéia de fundar uma Asso ciação porque até então não havia nenhuma organização qje pu~ J esse ixigi, ars orgaos executi vos > legislativos, que sã s RiUi to omisso nos nossos direitos. Associação Comunitari Santa Catarina Rua Rio :leg w o s no Si'. to "... :á ":a!jssfh%ls-si3s^; f jsi i y^msmi. á-si!míís^^^'msms, mi^smsií&ti

6 m*» 6 JARDIM VIÇOSA A UM fílo URBID JtMOWR O Jardim Viçosa e uma área de 118 lotes, localizada na Lom ba do Pinheiro, parada 13-A, na Est a-d^j4síío-- te- Oliveira Remi ao, onde moravam 40 famílias que compraram terrenos ao preço de Cr$ 30 mil cruzeiros, através da Imobl1iaria União dos Morado res das Vilas Populares, em Assinaram contrato para pa 'gamento de prestações mensais de Cr$ 270,00 por mes, no prazo de oito anos. Durante quase dois anos pa gavamos am dia nossas prestações, quando um dia apareceu na Vila, Rafael Antônio Filho, pro prietãrio das terras, que tinha vendido para a imobiliária; comunicou aos moradores que hão havia recebido nada de pagamento. Então, a conselho do prõ- prio- íu^a-e^,-o-s moradores pararam de pagar as prestações. Em maio de 1977, Rafael Aii tônio entrou na justiça com pedido de reintegração de posse das terras. Comunicou aos moradores que não queria continuar com o plano de loteamento e que não fizessem nada, pois ele os considerava como filhos e não. ia tirar suas propriedades. Depois de alguns dias, apareceu na vila João Alberto Nogueira, dizendo ser o novo comprador das terras. João Alberto deu em sins] de compra a Rafael Cr$ 50 mi prometeu um apartamento no v lor de Cr$ 500 mil e Rafael lhe passou um recibo de Arras. João Alberto não cumpriu o acordo com o proprietário e logo t a tou de vender quatro terrenos para outros desinformados e direito legal de fazê-lo. Ação da desmio Em junho de 1977 receberam os moradores uma ação ae despejo, verbalmente, ütraves de M oficial de justiça, por exígr;- cia do proprietário Rafael 'U* Silva Filho. Em seu pedido alagava que os moradores es-tavam ocupando as terras clandestina mente e, caso estivessem Interessados em comprar as terra exigia a importância de Crí?' Ihão e duzentos mil pelos 11S terrenos. Essa atituda judicial foi tomada diante da recuss os moradores fizeram a que prometeu urbanização paíâ o Jardim Viçosa se os moradorôí. mudassem o nome do lugar Jardim Rafael, em homenagem a seu avo. Confusos, sem entender. sa atitude, os raoradorfes resolveram se unir; procuraram o advogado Luiz Fernando Schiavon para defender suas causas e este os orientou, e reuniram todos os moradores e fundaram a Associação dos Moradores da Vila cosa. issrwsbta»

7 .. r. ApÕs a retomada de posse, i i o Jardim Viçosa estava correndo 1 perigo de desapropriação; então í os moradores começaram a se reu nir, procurando comprar todos juntos os seis hectares de terras ; Começou então um grande m vimento para conseguirem o di- nheiro da entrada. Com muito es. forço e luta conseguiram um poju co de cada um e o restante arru maram emprestado. A 6 de fevereiro de 1978 deram o sinal de Cr$ 250 mil a Rafael, e se comprometeram por meio de promissórias a pagar o restante em 20 'isstaçoçs de 60 rnil cruzeiros. Mas, quando o advogado Schiavon, que defendia os mora- dores, foi ao Cartório no dia 7 de fevereiro para registrar o contrato, a área ja havia sido registrada no dia anterior em nome de João Nogueira. 0 novo dono do terreno que comprou com um sinal de Cr$ 50 mil e não cumpriu o que prometeu, queria agora passar a escritura para os moradores, 12 terreno.s quita_ dos e ainda Cr$ 350 mil. Tudo isso era troca de Cr$ 50 mil que dera em outubro dp ano anterior. Meses depois a Assocjação dos Moradores entra na justiça com um pedido de manutenção de posse das terras^ por intermé- dio de seu. advogado, sendo lhes concedida causa ganha. Imediatamente os moradores suspenderam os pagamentos basea dos jias cláusulas do contrato firmado na compra da proprieda- de para que João Alberto e Rafa ei entrassem em acordo. ApÕs um ano e meio de es pi ra, João Alberto e Rafael, ven- do que a Associação nao se Bianj^ festava, entraram em acordo en- tre eles.'joão Alberto acabou levando Cr$ 600 mil de Rafael em troca de Cr$ 50 mil que ha- via dado e que, na verdade s sa- iu da venda ilegal dos 4 terrenos. DaT em diante, a negocia- ção passou a ser entre Rafael e Associação dos Moradore^s da Vi- la Viçosa; deu-se prosseguimen- to normal aos pagamentos, de acordo com o contrato,: 5 porem sem nenhuma cobrança' de juros- pela paralisação que não foi culpa dos moradores. Em julho de 1981 a Associa ção da Vila Viçosa pagou sua új_ tima promissória, tornando-se proprietária de todo o loteamen to, correspondendo a 118 terrenos. 0 objetivo desta histariu não e mostrar a gloria nem e:a tar lutas, mas mostrar ao opera rio, aos moradores das vilas, que como nos são vitimas de pi- caretas e mal-intencionados nos lesar. Queremos mostrar sititações como esta podem. vencidas através da unisoj : f a força e da coragem de lutar por aquilo que pertence a nos. em ç, e s. r BaawBSK -iseseii&v,.

8 llll, III II I UMIHIWI V«tura dos terrenos e melhoria das estradas, pois uma das P ridades da Associação 5 trazer o fim de linha de todos os õn ; bus do Rincão até a Vila S.Frari cisco. * i No dia 6 tíe maio' de 1981 foi furada a Associação dos Mc radores de Vila São Francisco do Boque = r^o, Essa vila, fa? di-. visa com o Rincão, Pedreiras, Vila íao Francisco e Vila Mapa. No dia 17.C5.31 houve reunião da As^enbíira G^r? 1. para discus_ são dos Estatutos 3' eleição da Diretoria, Estivaram presentes e reunião mais da 100 pessoas. Conforme Jt. EstatJtos aprovados s são sócios todo;; os moradores' da \íil?: sen -1 distinção de idade, cor, sexo, raça, crença religi ^a, profissão ou situação socj^ 'T - desde que roponham a participar das atividades da As^ sociação. A Associação da Vila São Francisco do B-iqjeirio tem uma Diretoria composta de 7 pes_ soas,... do Presidente o sr. Moisés Soares eos Santos; um Conselho Doliberativo de 11 Riem bros cujo Presidente e o sr, Se tembrino Martins da Silveira, nais conhecido por "ets"; e urr Conselho Fiscal com :res memjros, sendo Presidente o sr Gil_.lar Augusto Esiir.iel. A Associação dos Moradores." a Vila São Francisco do Boquej_ rãu ei ; 'da toccs os woradores, a co 1 a> " areni pare conseguir mjs Ihorias para a V" : la. A Associação pretende c< í^ir iluminação publica, teítífone, s^ua en~ canada, rede ds esgotos, ascri- A Comunidade Cate- 1 i :e Vila Mapa e arredores.,. dapoi* de muita luta e muitas ^cies DEMHAB, conseguiu um terrenc - ra construir uma igreja e um sa lão paroquial. Varias vezes foi doado terreno em ipdca de elei- ções; mas, passadas as eleições, o terreno vo;tava a-posse : do DFMHAB, oorque a Comuildade não tinha documento da doação. Ago- ra, de novo o terreno foi dode. verbalmente, pelo Diretor DEMHAB, sr. Artur Zanella. En- tão o pessoal da Comunidade Ca- tólica, escaldado das outras ve zes, resolveu tomar posse imeaj atamente, roçando e cercando terreno. A próxima etapa será a terreplenagem, para depois, regime' de mutirão^ ser consci da a igreja., di foi eleita Diretoria, da qual estão parti cipando elementos muito dinâmicos e que estão fazendo um ben trabalho, sob a liderança do Presidenta, sr. Adolfo Baoinski. Quem quiser participar sos mutj rões, esta convidado tomar parte quando ini-ciar à. constru- ção. H di s

9 ; I ^nconodo A luta pela água teve in-l espaço para todos nos no cab cio em 1977, mas durante 2 anos te e que aqueles falariam a Associação e os moradores fi- todos. Mas, a turma estava a : caram a espera de que as autorj_ posta e disse que também dades cumprissem cora as promes- gente, sabiam falar e eriívá> : ;: sas feitas de colocação desse de qualquer jeito. AT foi ab.eí líquido tão preci&so e indispen^ ta a porta e quii não foi a savel para todos nós. sa surpresa: no gabiisete cabi Visto a e «ra ter sido irnítíl, a Associação da Vila S, Pedro, corn a colaboração das As_ sociaçoes Panorama e Jardim Vi- çosa e comissões da Vila Santa Helene. a Parada 10, em , realizou uma grande assembléia para- a qual foram convidados e compareceram as seguintes auto- ridades: representantes do DMAE e da CORSAN, representantes da Prefeitura de Viamão e de Porto Alegre e a imprensa, com a pre- sença de uns 500 moradores. AT foi falado sobre o Convênio DMAE-CORSAN e exigida a coloca- ção da rede de água em nossas ^ilas ou seja em toda a Lomba do Pinheiro. Ao fira de Ubro de 1980, ja cansados e uecepcionadoí s mas com grande espirito QS luta e força de vontade, DS fepresen_ tantes das Vilas, paradas e as- sociaç^s da Lomba se reuniram em asscsã&léia e decidiram for- mar uma grande comissão de mora_ dores a ir ã CORSAN. Assim fize, ram s lã chegando umas 60 pesso- as com cartazes e faixas-. Eles tentaram enrolar o pessoal todo e receber no gabinete so 2 re- presentantes, alegando não ter três vezes que ali estava, o número de gente Vê cemo ^; * tentam nos enrolar; até qua reivindicamos algo a que direito! Então, lã diante de Di tor da CORSAN e outros que a estavam e os repórteres, couss guimos, depois de muita discus- são, a promessa de termos áyi-^ ate primeiros dias.de dezerabro do mesmo ano, ou seja, Foi instalada a rede dt; ãgua nas vilas Panorama, San;.a Catarina, Santa Filomena a Pedro. Mas, faltou para as ri- as L, A e I da Vila Santa Ca ri na os quais com o apoio Associação da Vila São Ps-d: - formaram uma comisss: e foram â CORSAN exigir a. :ação d rede em suas ruas. ü mesmo e\-. pio seguiram os moradores da Vila Santa Helena que tambe. haviam sido esquecidos pela CORSAN. Aos dez dias do mis de Fe- vereiro de 1981 realizou-se grande reunião, na Parada 10 s ; ganizada pelas Associações cia Vila Pinhal, Viçosa, São Fedro, Panorama e comissões da Vila Francisco do Boqueirão. Santa S i

10 t Helena e da Escola D. Rafaela» com a presença do Diretor do DMAE o qual havia prometido co- locar água em casas do Ij* do de Porto Alegre, mas devido a pressão feita pelos moradores, resolveu e prometeu colocar em casas. Mas, até agora foi colocada em poucas casas na fai_ xa; a rede não entrou nem nas transversais nem nas vilas do lado de Porto Alegre., Vê, minha gente:* quando,um dos nossos,, bataiüador como nós, quer mostrar a verdade"para que abram os olh-os e não so aplau- dam e se iludam com promessas feitas pelos grandes, ele e va- iado e criticado. Criticado. E agora que esta chegando o verão e que os poucos poços começam a secar, o que seri dessa pobre gente que tam que andar quadras e quadras, para conseguir um bal_ da d 1 ãgua. Haverá mais doenças ainda, por falta d'ãgua, alem das que ja existem pela falta de alimentos e pela miséria. VILA i e por moradores da Vila Triângu- " 'ilo, que é vizinha. Durante dois l'^ anos os moradores da Esmeralda..,.' tf^lrtit *ÍfL_ AO permaneceram na ignorância, sando que a ASC0TE represent se os posseiros da Estner Mas, no dia 4/10/81 foi es I cido tudo na presença de ;ais de 100 pessoas, em as sen; geral para eleição da nova toria. Os moradores da Vila 1! angulo, sob a influência dos : ; í 1 gãos municipais, dèclararam que ' a Vila Esmeralda não fundou i. ". ~ Associação e o presidente Ass. i Fraga da SllVâ, v ndo a gri iria do povo< exlgino,, eleição, : f -.*! t decretou que nao: fferia e^eiça* ÍA sra. Mara, fil^a do Sr. As; disse: "Se quiserem eleição, çam, mas não da ASC0TE; vocês que a fundaraml" moradores nlo se eonfoi exigiam uma Associação, 0 sr..'i sis declarou encerrada o re ao, retirando-se a c c ;do.s moradores- da Vil :. [ :.,._ n;tao o sr.. Rober ' de Souza, que encabeça! chapa, tomou a palavra, í : do que se fundasse ur so da Vila Esmeralda. Todos? caram feii zes e d : ; n assembléia geral para o d de outubro de 1981, quando fu daram a União dos M ires Vila Esmeralda, senc eleil.presidente o sr. Roberto de Souza; Vice-Presidente Ja havia uma Associação, a ma Fortes Vieira; Secretários ASC0TE : íuciação Comunitária Oorge Ceghobya e Américo Basto; da Vila Triângulo e smeralda) 5 tde Melo; Tesoureiros: Al! embora não fosse fundada p^los.- ; " Borges ç Norma Pacheco, j inoradores e sim pela prefeitura" \ eleitos também 4 membros j-vps do Conselho FISCí; 1 suplentes e a Relações Públicas i Mjia Isabel Alves Godói, l*â T

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009 FGV 010/1-13.1.009 VESTIBULAR FGV 010 DEZEMBRO 009 MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A PROVA DE MATEMÁTICA QUESTÃO 1 (Prova: Tipo B Resposta E; Tipo C Resposta C; Tipo D Resposta A) O gráfico abaio fornece o

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to.

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. GASTRONOMIA Instruções Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. Res pe i te mar gens e en tra das de pa rá gra fo. Use as in for ma ções

Leia mais

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

Vamos Subir Nova Voz

Vamos Subir Nova Voz c c Vamos Subir Nova Voz 2 Letra e Música: Lucas Pimentel Arr: Henoch Thomas 2 5 2 to Eu-pos tem - po te-nho ou vi - do a pro- 2 g g 8 mes - sa de que vi - rás pra res -ga -tar os fi-lhos Teus Nem sem-pre

Leia mais

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO 1. RESULTADOS QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO 1.1- QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO: AMOSTRA REFERENTE AS

Leia mais

REFORMA POLÍTICA. Capítulo VI

REFORMA POLÍTICA. Capítulo VI REFORMA POLÍTICA Capítulo VI REFORMA QUE O GOVERNO LULA E O CONGRESSO NACIONAL DEVEM PRIORIZAR [espontânea e única, em %] Pe so 1 0 0 % Re fe rê ncia s a re form a s Re form a Agrá ria 7 Re form a Tra

Leia mais

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades PNV 289 Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades Orides Bernardino São Leopoldo/RS 2012 Centro de Estudos Bíblicos Rua João Batista de Freitas, 558 B. Scharlau Caixa Postal 1051 93121-970

Leia mais

KEITH CAMERON SMITH. As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média

KEITH CAMERON SMITH. As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média KEITH CAMERON SMITH As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média Prefácio Por que es cre vi es te livro? Três mo ti vos me le va ram a es cre ver es te li vro. O pri - meiro foi a

Leia mais

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009 MATEMÁTICA 1. O transporte de carga ao porto de Santos é feito por meio de rodovias, ferrovias e dutovias. A tabela abaixo for ne ce al guns da dos re la ti vos ao trans por te ao por to no pri me i ro

Leia mais

n o m urd ne Hel e n o mis

n o m urd ne Hel e n o mis Em nosso cotidiano existem infinitas tarefas que uma criança autista não é capaz de realizar sozinha, mas irá torna-se capaz de realizar qualquer atividade, se alguém lhe der instruções, fizer uma demonstração

Leia mais

MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS

MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS João Pedro Cordeiro Resumo O presente artigo versa sobre as práticas de gestão de recursos humanos pelas empresas, e mais especificamente

Leia mais

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 D A T A D E A B E R T U R A : 2 9 d e d e z e m b r o d e 2 0 1 0 H O R Á R I O : 9:0 0 h o r a s L O C A L D A S E S S Ã O P Ú B L I C A: S a l a d a C P L/

Leia mais

ABRI AS PORTAS A CRISTO (Hino ao Beato João Paulo II)

ABRI AS PORTAS A CRISTO (Hino ao Beato João Paulo II) Órg. 6 11 q = 60 me mf ortas a ris to! Não te mais, não te nhais do: 'scanca rai o vosso cora ção ao mor de Deus. RI POR RIO (Hino ao eato João Paulo II) ortas a ris to! Não te mais não te nhais me do;

Leia mais

w w w. v o c e s a. c o m. b r SEFAZ BAHIA

w w w. v o c e s a. c o m. b r SEFAZ BAHIA sumário executivo w w w. v o c e s a. c o m. b r w w w. e x a m e. c o m. b r melhores empresas para você trabalhar São Pau lo, setembro de 2010. Pre za do(a) Sr(a)., SEFAZ BAHIA Em pri mei ro lu gar,

Leia mais

Fa la de Ben to Ser ras, co bra dor de bi lhe tes, nas ci do e mo ra dor em Amo rins:

Fa la de Ben to Ser ras, co bra dor de bi lhe tes, nas ci do e mo ra dor em Amo rins: Fa la de Ben to Ser ras, co bra dor de bi lhe tes, nas ci do e mo ra dor em Amo rins: «Diz que quer con tar tu do dos prin cí pios? Dos prin cí pios a gen te nun ca sa be. Quan do é o ca so de se lhe pôr

Leia mais

SETEMBRO 197^ CURITíBÂ, PARANÁ. *^r^&-*iís wêfâp. CífllM ii Paslsfai \mm BIBLIOTECA

SETEMBRO 197^ CURITíBÂ, PARANÁ. *^r^&-*iís wêfâp. CífllM ii Paslsfai \mm BIBLIOTECA , SETEMBRO 197^ CURITíBÂ, PARANÁ \ *^r^&-*iís wêfâp a CífllM ii Paslsfai \mm N. 0 BIBLIOTECA e: & O POVO DOS BAIRROS SE HSXS / Viia S,Paulo - Vila Uaue^r E^/5

Leia mais

UNICAMP 2012 (2ª Fase)

UNICAMP 2012 (2ª Fase) 1. Re so lu ção (se rá con si de ra do ape nas o que es ti ver den tro des te es pa ço). a)...in te res se do pú bli co (L1): Tra ta-se de um subs tan ti vo pos to que de ter mi na do pe lo ar ti go o,

Leia mais

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário Capítulo 10 Controle Orçamentário Essa etapa acon te ce após a exe cu ção das tran sa ções dos even tos eco nô mi cos pre vis - tos no plano orça men tá rio. Não se con ce be um plano orça men tá rio sem

Leia mais

HABERMAS E A ESFERA PÚBLICA: RECONSTRUINDO A HISTÓRIA DE UMA IDEIA

HABERMAS E A ESFERA PÚBLICA: RECONSTRUINDO A HISTÓRIA DE UMA IDEIA HABERMAS E A ESFERA PÚBLICA: RECONSTRUINDO A HISTÓRIA DE UMA IDEIA Filipe Carreira da Silva Resumo Este artigo tem por objectivo discutir a noção de esfera pública proposta por Jürgen Habermas. Para tanto,

Leia mais

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Geografia feita pelo Intergraus. 12.01.2010

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Geografia feita pelo Intergraus. 12.01.2010 UNICAMP 2010 - GEOGRAFIA 13. Ob serve o gráfico abaixo e responda às questões: a) Indi que a(s) re gião(ões) do glo bo com ta xa de es pe ran ça de vi da ao nas cer in fe ri or à mé dia mun di al, nos

Leia mais

VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009

VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009 VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009 Comentário da Redação Nes te ano, a pro va de Re da ção da Uni camp foi ex ce len te. Em pri me i ro lu gar, pelo res pe i to ao for ma to tra di ci o nal

Leia mais

PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA

PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA Rosário Mauritti Resumo Este artigo começa por analisar a influência das origens sociais nas trajectórias de

Leia mais

Marcos Leôncio suka02@uol.com.br 1 VOTO VENDIDO, CONSCIÊNCIA PERDIDA. Escrita por: Marcos Leôncio. Elenco: Olga Barroso. Renato Beserra dos Reis

Marcos Leôncio suka02@uol.com.br 1 VOTO VENDIDO, CONSCIÊNCIA PERDIDA. Escrita por: Marcos Leôncio. Elenco: Olga Barroso. Renato Beserra dos Reis VOTO VENDIDO, CONSCIÊNCIA PERDIDA. Escrita por: Marcos Leôncio Elenco: Olga Barroso Renato Beserra dos Reis Zilânia Filgueiras Sérgio Francatti Dodi Reis Preparação de Atores e Direção: Dodi Reis Coordenação

Leia mais

DÁ NOVA ESTRUTURA AO QUADRO FUNCIONAL DA CÂMARA MUNICIPAL DE TUBARÃO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

DÁ NOVA ESTRUTURA AO QUADRO FUNCIONAL DA CÂMARA MUNICIPAL DE TUBARÃO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI COMPLEMENTAR Nº 5, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2005. DÁ NOVA ESTRUTURA AO QUADRO FUNCIONAL DA CÂMARA MUNICIPAL DE TUBARÃO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. PREFEITO MUNICIPAL DE TUBARÃO, SC: FAÇO saber que a Câmara

Leia mais

Ata da terceira sessão extraordinária. Aos doze dias do mês de abril do ano de dois mil e treze, às dez horas, no Plenário Rui Afonso de Almeida da

Ata da terceira sessão extraordinária. Aos doze dias do mês de abril do ano de dois mil e treze, às dez horas, no Plenário Rui Afonso de Almeida da Ata da terceira sessão extraordinária. Aos doze dias do mês de abril do ano de dois mil e treze, às dez horas, no Plenário Rui Afonso de Almeida da Câmara Municipal de Perdizes, Estado de Minas Gerais

Leia mais

p rofissional em foco por Carolina Vilela De olho no

p rofissional em foco por Carolina Vilela De olho no por Carolina Vilela De olho no O economista Ricardo Amorim fala das boas perspectivas para o Brasil nos próximos anos e comenta a reviravolta social e de classes que acontece no país. fu Na semana em que

Leia mais

Manual de Convenção. Um ano antes da Convenção Data limite de filiação para ser eleito delegado.

Manual de Convenção. Um ano antes da Convenção Data limite de filiação para ser eleito delegado. Manual de Convenção Um ano antes da Convenção Data limite de filiação para ser eleito delegado. Seis meses antes da Convenção Data limite de filiação para votar e ser votado nas Convenções Municipais.

Leia mais

RELAÇÕES ENTRE MUNDO RURAL E MUNDO URBANO Evolução histórica, situação actual e pistas para o futuro

RELAÇÕES ENTRE MUNDO RURAL E MUNDO URBANO Evolução histórica, situação actual e pistas para o futuro RELAÇÕES ENTRE MUNDO RURAL E MUNDO URBANO Evolução histórica, situação actual e pistas para o futuro João Ferrão Resumo As visões recentes sobre o mundo rural revelam grande permeabilidade à ideia de património

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM No u s o d a c o mp e t ê n c i a p r e v i s t a al í n e a v ) d o n. º 1 d o ar t i g o 64º d o De c r e t o -Le i n. º 1

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher Palácio do Planalto, 12 de março de 2003 Minha cara ministra Emília Fernandes, Minha cara companheira Benedita da

Leia mais

INFORMATIVO COMISSÃO de TRANSPORTES do M.A.B.

INFORMATIVO COMISSÃO de TRANSPORTES do M.A.B. /im.imtf- m^{p({- e to4ft.paslii[al VEifiiifiiía. IMHJÍTIMBiBufrlc. INFORMATIVO COMISSÃO de TRANSPORTES do M.A.B. ano I fevereiro 1984 número 1 I > /7\ "- T _ ''' i^ A ^to "contra o aumento das passagona

Leia mais

I maior, do povo e da população, não somente nos nossos governos, mas den- 1 tro dos nossos processos de discussão. NÓS temos procurado que este prg

I maior, do povo e da população, não somente nos nossos governos, mas den- 1 tro dos nossos processos de discussão. NÓS temos procurado que este prg Rádio: u Discurso do Presidente Nacional do PSDB, TASSO JERESSAT, no lançamen- to dos candidatos Assis Neto, a prefeito de Fortaleza e Adolfo Marinhota vice-prefeito, pelo PSDB, em 8 de junho de 1992,

Leia mais

PLANOS DIRETORES REGIONAIS PLANEJAR UMA BH MELHOR PARA TODOS

PLANOS DIRETORES REGIONAIS PLANEJAR UMA BH MELHOR PARA TODOS PLANOS DIRETORES REGIONAIS PLANEJAR UMA BH MELHOR PARA TODOS Realização Secretaria Municipal de Governo Secretaria Municipal Adjunta de Gestão Compartilhada Secretaria Municipal de Desenvolvimento Secretaria

Leia mais

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Física feita pelo Intergraus. 12.01.2010

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Física feita pelo Intergraus. 12.01.2010 da Unicamp 010 ª fase - Física 1.01.010 UNICAMP 010 - FÍSICA Esta prova aborda fenômenos físicos em situações do cotidiano, em experimentos científicos e em avanços tecnológicos da humanidade. Em algumas

Leia mais

Uni ver si da de lan ça gri fe com a mar ca PUC Mi nas

Uni ver si da de lan ça gri fe com a mar ca PUC Mi nas Informativo mensal da unidade Contagem da PUC Minas nº 78 Agosto de 2008 Uni ver si da de lan ça gri fe com a mar ca PUC Mi nas Com três li nhas de pro du tos bá si ca, es cri tó rio e es por ti va, a

Leia mais

Ainda há Tempo, Volta

Ainda há Tempo, Volta Ainda há empo, Volta Letra e Música: Diogo Marques oprano ontralto Intro Envolvente (q = 60) enor aixo Piano Ó Œ. R.. F m7 2 A b 2 E b.. 2 Ó Œ É 2 Ó Œ F m7 2.. 2 2 A b 2 2 Ainda há empo, Volta Estrofe

Leia mais

Câmara Municipal de Tijucas do Sul

Câmara Municipal de Tijucas do Sul ATA DA 16 a SESSÃO ORDINÁRIA DO PRIMEIRO PERÍODO ORDINÁRIO DA PRIMEIRA SESSÃO LEGISLATIVA DA 15 a LEGISLATURA EM 26/05/2014. Aos vinte e seis dias do mês de maio do ano de dois mil e quatorze, nesta cidade

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 37 Discurso na cerimónia de retomada

Leia mais

botika búfalo Bufalo v7.indd 3 17/09/10 17:22

botika búfalo Bufalo v7.indd 3 17/09/10 17:22 botika búfalo Bufalo v7.indd 3 17/09/10 17:22 sumário Introdução... 17 Gua ra ná Porrada... 25 Muletas... 39 Exó ti cas gan gues... 47 Um mons tro e um pinguim... 55 Si ga o cão... 61 Dia de campeão...

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE PAMPILHOSA DA SERRA ACTA Nº 10

CÂMARA MUNICIPAL DE PAMPILHOSA DA SERRA ACTA Nº 10 DE PAMPILHOSA DA SERRA ACTA Nº 10 DA REUNIÃO ORDINÁRIA REALIZADA NO DIA 03/05/2002 (Contém folhas) Estiveram presentes os seguintes membros: Presidente: Hermano Manuel Gonçalves Nunes de Almeida (PSD)

Leia mais

A Gonçalves no México I N F O R M A

A Gonçalves no México I N F O R M A I N F O R M A Novembro de 2007 Depois de atuar por quase três anos no México com um escritório comercial, a Gonçalves investe em uma unidade industrial no país, que entrará em operação no início de 2008.

Leia mais

RESOLUÇÃO Matemática APLICADA FGV Administração - 24.10.10

RESOLUÇÃO Matemática APLICADA FGV Administração - 24.10.10 VESTIBULAR FGV 2011 OUTUBRO/2010 RESOLUÇÃO DAS 10 QUESTÕES DE MATEMÁTICA APLICADA QUESTÃO 1 O gráfico no plano cartesiano expressa a alta dos preços médios de televisores de tela plana e alta definição,

Leia mais

andréa del fuego os malaquias

andréa del fuego os malaquias andréa del fuego os malaquias 1 Serra Morena é ín gre me, úmi da e fértil. Aos pés de la vi vem os Malaquias, ja ne la com ta manho de porta, porta com autoridade de madeira escura. Corre, Adolfo! Donana

Leia mais

Cadastro Territorial Multifinalitário no planejamento e gestão territorial urbana

Cadastro Territorial Multifinalitário no planejamento e gestão territorial urbana Mundo Geo Connect Seminário Geotecnologia na Gestão Municipal Sessão Desafios para as Prefeituras: o CTM como instrumento de política fiscal e urbana São Paulo, 16 de junho de 2011 Cadastro Territorial

Leia mais

Benefícios aos associados da ABQV

Benefícios aos associados da ABQV Faça a diferença na sua empresa. Junte-se a nós. Associe-se à ABQV. O bene fício é mútuo. Mais qualidade de vida para os seus co laboradores. Maior produtividade para a sua empresa. Empresa Mantenedora

Leia mais

Ata de Reunião do Conselho Gestor de Paraisópolis. Por: DESCRIÇÃO REFERÊNCIA AUTOR Informativo dos objetivos da reunião:

Ata de Reunião do Conselho Gestor de Paraisópolis. Por: DESCRIÇÃO REFERÊNCIA AUTOR Informativo dos objetivos da reunião: Ata de Reunião do Conselho Gestor de Paraisópolis Local: Auditório do Albert Einstein Data: 10/07/2014 Pauta: 1. Apresentação Complexo Paraisopolis 2006 a 2014. 2. Organização do Conselho Gestor. Horário:

Leia mais

SÊNECA Sobre os enganos do mundo

SÊNECA Sobre os enganos do mundo coleção idealizada e coordenada por Gustavo Piqueira SÊNECA Sobre os enganos do mundo fotos Olegario Schmitt 3 são paulo 2011 Quem se la men ta de que al guém te nha mor ri do se la men ta de ter nas

Leia mais

ESTATUTO DO GRÊMIO DA ESCOLA NOSSA SENHORA DAS GRAÇAS

ESTATUTO DO GRÊMIO DA ESCOLA NOSSA SENHORA DAS GRAÇAS CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Fins e Duração Artigo 1 O Grêmio Estudantil é o Grêmio geral da Escola Nossa Senhora das Graças, fundado no dia 07 de abril de 1992, com sede no estabelecimento e de duração

Leia mais

CenlíD áe Pasloral kmm. BiBLiOTECA. FRATERNIDADE NO MUNDO DO TRABALHO - n2 2 BLJ _. ^Ca&.IA^PoP^-i:^^- TRABALHO E JUSTIÇA PARA TODOS

CenlíD áe Pasloral kmm. BiBLiOTECA. FRATERNIDADE NO MUNDO DO TRABALHO - n2 2 BLJ _. ^Ca&.IA^PoP^-i:^^- TRABALHO E JUSTIÇA PARA TODOS CenlíD áe Pasloral kmm N. 0 _ BiBLiOTECA. ^^ FRATERNIDADE NO MUNDO DO TRABALHO - n2 2 BLJ _ ^Ca&.IA^PoP^-i:^^- "C y TRABALHO E JUSTIÇA PARA TODOS QUERO OUVIR A VOZ DO POVO Eu quero, quero, quero ouvir

Leia mais

TEXTO: Texto Warley di Brito A TURMA DA ZICA. (Esta é uma versão adaptada, da turma do zico)

TEXTO: Texto Warley di Brito A TURMA DA ZICA. (Esta é uma versão adaptada, da turma do zico) TEXTO: Texto Warley di Brito A TURMA DA ZICA (Esta é uma versão adaptada, da turma do zico) Januária setembro/2011 CENÁRIO: Livre, aberto, porém, deve se haver por opção uma cadeira, uma toalha e uma escova

Leia mais

FORMAÇÃO, TENDÊNCIAS RECENTES E PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO DA SOCIOLOGIA EM PORTUGAL José Madureira Pinto

FORMAÇÃO, TENDÊNCIAS RECENTES E PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO DA SOCIOLOGIA EM PORTUGAL José Madureira Pinto FORMAÇÃO, TENDÊNCIAS RECENTES E PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO DA SOCIOLOGIA EM PORTUGAL José Madureira Pinto Primórdios Afir mar que a so ci o lo gia por tu gue sa só co me çou ver da de i ra men te

Leia mais

BOLETIM INFOMATIVO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DO BAIRRO COSTA DE CARVALHO

BOLETIM INFOMATIVO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DO BAIRRO COSTA DE CARVALHO UH BOLETIM INFOMATIVO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DO BAIRRO COSTA DE CARVALHO ANO l-n'4-setembro JUIZ DE FORA-MG Aproveitamos o espaço, desta ediçio, para publicarmos o EstattT to da Associação dos Moradores

Leia mais

CONHECIMENTOS TRADICIONAIS E PROPRIEDADE INTELECTUAL

CONHECIMENTOS TRADICIONAIS E PROPRIEDADE INTELECTUAL CONHECIMENTOS TRADICIONAIS E PROPRIEDADE INTELECTUAL Miguel Correia Pinto e Manuel Mira Godinho Resumo Com os avanços nos domínios da biotecnologia registados nas décadas mais recentes, os conhecimentos

Leia mais

ATA Nº 2.072 DA 17 LEGISLATURA SESSÃO ORDINÁRIA DO DIA 03 DE JUNHO DE 2.014.

ATA Nº 2.072 DA 17 LEGISLATURA SESSÃO ORDINÁRIA DO DIA 03 DE JUNHO DE 2.014. ATA Nº 2.072 DA 17 LEGISLATURA SESSÃO ORDINÁRIA DO DIA 03 DE JUNHO DE 2.014. Aos três dias do mês de junho de dois mil e quatorze, às 18:00hrs reuniram-se os Senhores Vereadores na Sala de Sessões da Câmara

Leia mais

COMPANHEtRO DIOCESE DE ILHÉUS *A UNIÃO FAZ A FORÇA * ENTRE PARA O SINDICATO * PARTICIPE DAS REUNIÕES &" ^^ &

COMPANHEtRO DIOCESE DE ILHÉUS *A UNIÃO FAZ A FORÇA * ENTRE PARA O SINDICATO * PARTICIPE DAS REUNIÕES & ^^ & TM &" ^^ & O 6 JUN 1990 COMPANHEtRO SF r O» "M SUPLEMENTO DO BOLETIM DO TRABALHADOR RURAL DIOCESE DE ILHÉUS *A UNIÃO FAZ A FORÇA * ENTRE PARA O SINDICATO * PARTICIPE DAS REUNIÕES CARTEIRA ASSINADA GARANTIA

Leia mais

COASTAL TOURISM, ENVIRONMENT, AND SUSTAINABLE LOCAL DEVELOPMENT

COASTAL TOURISM, ENVIRONMENT, AND SUSTAINABLE LOCAL DEVELOPMENT RECENSÃO COASTAL TOURISM, ENVIRONMENT, AND SUSTAINABLE LOCAL DEVELOPMENT [Lígia Noronha, Nelson Lourenço, João Paulo Lobo-Ferreira, Anna Lleopart, Enrico Feoli, Kalidas Sawkar, e A. G. Chachadi (2003),

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na visita ao Assentamento Lulão

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na visita ao Assentamento Lulão , Luiz Inácio Lula da Silva, na visita ao Assentamento Lulão Santa Cruz de Cabrália-BA, 28 de setembro de 2005 Meu caro governador Paulo Souto, governador do estado da Bahia, Meu querido companheiro Miguel

Leia mais

ORDEM DO DIA PROJETO DE LEI Nº 031/2005, conforme emendado VEREADOR MARCO ANTÔNIO GRILLO

ORDEM DO DIA PROJETO DE LEI Nº 031/2005, conforme emendado VEREADOR MARCO ANTÔNIO GRILLO ATA DA QUADRAGÉSIMA SÉTIMA SESSÃO, EXTRAORDINÁRIA, DA 1ª SESSÃO LEGISLATIVA, DA 5ª LEGISLATURA DA CÂMARA MUNICIPAL DE VENDA NOVA DO IMIGRANTE, ESTADO DO ESPÍRITO SANTO... Aos vinte e sete dias do mês de

Leia mais

ASSEMBLEIA DE FREGUESIA DE S. MARTINHO DA GÂNDARA QUADRIÉNIO 2013/2017 Ata da reunião nº 6

ASSEMBLEIA DE FREGUESIA DE S. MARTINHO DA GÂNDARA QUADRIÉNIO 2013/2017 Ata da reunião nº 6 ASSEMBLEIA DE FREGUESIA DE S. MARTINHO DA GÂNDARA QUADRIÉNIO 2013/2017 Ata da reunião nº 6 --------- Aos doze dias do mês de dezembro de dois mil e catorze pelas dezanove horas reuniu, no edifício sede

Leia mais

IMPLICAÇÕES DEMOCRÁTICAS DAS ASSOCIAÇÕES VOLUNTÁRIAS O caso português numa perspectiva comparativa europeia

IMPLICAÇÕES DEMOCRÁTICAS DAS ASSOCIAÇÕES VOLUNTÁRIAS O caso português numa perspectiva comparativa europeia IMPLICAÇÕES DEMOCRÁTICAS DAS ASSOCIAÇÕES VOLUNTÁRIAS O caso português numa perspectiva comparativa europeia José Manuel Leite Viegas Introdução Na úl ti ma dé ca da do sé cu lo pas sa do as sis tiu-se

Leia mais

MODELO DA FUNDAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO DE SURDOS

MODELO DA FUNDAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO DE SURDOS MODELO DA FUNDAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO DE SURDOS A Associação de Surdos representa importante espaço de articulação e encontro da Comunidade Surda. Importantes movimentos se originaram e ainda se resultam das

Leia mais

======================== ˆ_ ˆ«

======================== ˆ_ ˆ« Noss fest com Mri (Miss pr os simpes e pequenos, inspirdo em Jo 2,112) ( Liturgi I Puus) 1) eebremos n egri (bertur) Rgtime & c m m.. _ m m.. _ e e bre mos n_ e gri, nos s fes t com M ri : & _.. _ º....

Leia mais

ACTA Nº 24 Acta da Sessão extraordinária do dia 18 de Março de 2005 -------- Aos dezoito dias do mês de Março de dois mil e cinco, pelas vinte horas

ACTA Nº 24 Acta da Sessão extraordinária do dia 18 de Março de 2005 -------- Aos dezoito dias do mês de Março de dois mil e cinco, pelas vinte horas ACTA Nº 24 Acta da Sessão extraordinária do dia 18 de Março de 2005 -------- Aos dezoito dias do mês de Março de dois mil e cinco, pelas vinte horas e cinquenta e cinco minutos, no Edifício dos Paços do

Leia mais

ESPECIAL: MORADIA SETEMBRO 2015. o problema da. Pedro Carrano

ESPECIAL: MORADIA SETEMBRO 2015. o problema da. Pedro Carrano I N F O R M A T I V O EITO IR D M U É R A P U C O QUANDO A I D A R MO Mais de 60 mil famílias vivem em áreas irregulares na capital do Paraná, mais de 30 mil pessoas apenas no bairro Cidade Industrial

Leia mais

Prefeito de São Bernardo do Campo: Hoje tem um show no Cedesc, às 18 horas (incompreensível).

Prefeito de São Bernardo do Campo: Hoje tem um show no Cedesc, às 18 horas (incompreensível). , Luiz Inácio Lula da Silva, durante a inauguração da República Terapêutica e do Consultório de Rua para Dependentes Químicos e outras ações relacionadas ao Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack São

Leia mais

Datas das próximas viagens da UFMG. Visitas às casas dos moradores de Lagedo e Riacho

Datas das próximas viagens da UFMG. Visitas às casas dos moradores de Lagedo e Riacho Ano 2 Lagedo, Domingo, 25 de janeiro de 2015 N o 8 Datas das próximas viagens da UFMG Data Casa 8 23 a 25 de janeiro de 2015 Lúcia 9 27 de fevereiro a 1 de março de 2015 Irene/Paulo 10 27 de março a 29

Leia mais

16 CARLOS RODRIGUES BRANDÃO

16 CARLOS RODRIGUES BRANDÃO 16 CARLOS RODRIGUES BRANDÃO 1 a Começa assim Este jogo começa com todos os participantes procurando as PA LAVRAS SEMENTES. E isso não é nada difícil! Basta as pessoas que vão jogar o jogo saírem conversando

Leia mais

COMUNIDADE DA VILA IGREJA PRESBITERIANA. Som da Vila. Cifras e Fichas Técnicas

COMUNIDADE DA VILA IGREJA PRESBITERIANA. Som da Vila. Cifras e Fichas Técnicas COMUNIDADE DA VILA IGREJA PRESBITERIANA Som da Vila Cifras e Fichas Técnicas Músicas 1. Nosso Louvor... 3 2. És... 4 3. Toda Honra, Glória e Louvor... 5 4. Agora e Sempre... 6 5. Àquele que pode... 7 6.

Leia mais

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem Quadro de conteúdos Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano Língua Portuguesa Matemática História Geografia Ciências Naturais Arte Inglês ABC da passarinhada O alfabeto Quantidade A ideia de quantidade Eu, criança

Leia mais

Caros ouvintes vos peço. Atenção uma vez mais. Para fazer uma análise. Creio interessa demais. O tema é muito importante. Me escutem por um instante

Caros ouvintes vos peço. Atenção uma vez mais. Para fazer uma análise. Creio interessa demais. O tema é muito importante. Me escutem por um instante A POLÍTICA E A POLITICAGEM Literatura de cordel Autor: PAULO TARCISO Caros ouvintes vos peço Atenção uma vez mais Para fazer uma análise Creio interessa demais O tema é muito importante Me escutem por

Leia mais

ATA DA TRIGÉSIMA REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÁMARA MUNICIPAL DE PIRANGUÇU, NA SUA SEGUNDA SESSÃO LEGISLATIVA DA DÉCIMA SEGUNDA LEGISLATURA.

ATA DA TRIGÉSIMA REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÁMARA MUNICIPAL DE PIRANGUÇU, NA SUA SEGUNDA SESSÃO LEGISLATIVA DA DÉCIMA SEGUNDA LEGISLATURA. ATA DA TRIGÉSIMA REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÁMARA MUNICIPAL DE PIRANGUÇU, NA SUA SEGUNDA SESSÃO LEGISLATIVA DA DÉCIMA SEGUNDA LEGISLATURA. Aos vinte e três dias do mês de fevereiro de dois mil e dez, às dezenove

Leia mais

REGULAÇÃO POLÍTICA DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

REGULAÇÃO POLÍTICA DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGULAÇÃO POLÍTICA DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL José Nuno Lacerda Fonseca Resumo Analisando vários indícios da existência de efeitos anti-sociais da actividade dos meios de comunicação social, reflecte-se

Leia mais

DO PROCESSO DE EMANCIPAÇÃO A PRIMEIRA ELEIÇÃO MUNICIPAL

DO PROCESSO DE EMANCIPAÇÃO A PRIMEIRA ELEIÇÃO MUNICIPAL DO PROCESSO DE EMANCIPAÇÃO A PRIMEIRA ELEIÇÃO MUNICIPAL O processo de emancipação e a primeira eleição municipal de São João da Ponta ocorreram com muitas dificuldades. Para entendermos um pouco mais como

Leia mais

In for má ti ca, ar qui vos, me mó ria, in ter net.

In for má ti ca, ar qui vos, me mó ria, in ter net. UMA MEMÓRIA PARA A TECNOLOGIA Fa us to Co lom bo Re su mo O tema da me mó ria, quan do as so ci a do ao das no vas tec no lo gi as, pro duz in te res san tes cor re la ções na me di da em que a in for

Leia mais

Câmara Municipal de Carnaubal

Câmara Municipal de Carnaubal Câmara Municipal de Carnaubal ATA DA 2º ( SEGUNDDA) SESSÃO ORDINÁRIA DO 1º PRIMEIRO PERÍODO LEGISLATIVO ANO 2015 Ata da Sessão Ordinária da Câmara Municipal de Carnaubal CE; realizada no dia 24 ( VINTE

Leia mais

Projeto Decreto Legislativo N 569/15

Projeto Decreto Legislativo N 569/15 CAMARÁ DE VEREADORES Projeto Decreto Legislativo N 569/15 Concede a Comenda Anita Garibaldi Sra. Clair Domingucs Ricardo Soares O Presidente da Câmara Municipal de Capão do Leão, Estado do Rio grande do

Leia mais

Vem pra urna! Justiça Eleitoral. Cartório Eleitoral - ES. Cartilha educativa da. Justiça Eleitoral. sobreo poder do voto.

Vem pra urna! Justiça Eleitoral. Cartório Eleitoral - ES. Cartilha educativa da. Justiça Eleitoral. sobreo poder do voto. Vem pra urna! Justiça Eleitoral Cartório Eleitoral - ES www.tre-es.jus.br. #vempraurna Cartilha educativa da Justiça Eleitoral sobreo poder do voto. Material desenvolvido pelo Tribunal Regional Eleitoral

Leia mais

White Paper. Boas Práticas de E-mail Marketing

White Paper. Boas Práticas de E-mail Marketing White Paper Boas Práticas de E-mail Marketing Saiba como alguns cuidados simples podem melhorar os resultados de suas campanhas de e-mail marketing Para garantir a qualidade no mix de comunicação atual,

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

LIVRO DO DESASSOSSEGO

LIVRO DO DESASSOSSEGO Fernando Pessoa LIVRO DO DESASSOSSEGO composto por Bernardo Soares, ajudante de guarda-livros na cidade de Lisboa organizaçã0 Richard Zenith 3 a edição Copyright 2011 by Assírio & Alvim e Richard Zenith

Leia mais

O surgimento de associações de agricultores ocorre em função de três movimentos sociais importante:

O surgimento de associações de agricultores ocorre em função de três movimentos sociais importante: 1. ASSOCIATIVISMO 1.1. Introdução As formas associativas de trabalho no campo já eram encontradas há muito tempo atrás entre os primitivos povos indígenas da América. As grandes culturas précolombianas

Leia mais

ETEC Prof. Horácio Augusto da ESTATUTO DO GRÊMIO ESTUDANTIL DA ETEC HORÁCIO

ETEC Prof. Horácio Augusto da ESTATUTO DO GRÊMIO ESTUDANTIL DA ETEC HORÁCIO Page 1 of 10 ETEC Prof. Horácio Augusto da Silveira ESTATUTO DO GRÊMIO ESTUDANTIL DA ETEC HORÁCIO CÁPITULO I Da Denominação, Sede, Fins e Duração Art. 1º - O Grêmio Estudantil da Escola Técnica Estadual

Leia mais

GLOSSÁRIO PREV PEPSICO

GLOSSÁRIO PREV PEPSICO GLOSSÁRIO PREV PEPSICO A T A A ABRAPP Aã Aã I Aí I R ANAPAR A A M A A A Lí Aá S C é ç í ê çõ 13ª í ã. Açã B E F Pê P. Cí ê, ã ê. V Cê Aã P ( á). N í, - I R P Fí (IRPF), S R F, à í á, ( 11.053 2004), çã.

Leia mais

A SEGMENTAÇÃO DO ESPAÇO DE INOVAÇÃO NA INDÚSTRIA PORTUGUESA

A SEGMENTAÇÃO DO ESPAÇO DE INOVAÇÃO NA INDÚSTRIA PORTUGUESA A SEGMENTAÇÃO DO ESPAÇO DE INOVAÇÃO NA INDÚSTRIA PORTUGUESA Luísa Oliveira e Helena Carvalho Resumo A inovação tecnológica como força motriz de um novo padrão de competitividade coloca, como questão central,

Leia mais

Entendendo o que é Gênero

Entendendo o que é Gênero Entendendo o que é Gênero Sandra Unbehaum 1 Vila de Nossa Senhora da Piedade, 03 de outubro de 2002 2. Cara Professora, Hoje acordei decidida a escrever-lhe esta carta, para pedir-lhe ajuda e trocar umas

Leia mais

2015 O ANO DE COLHER MAIO - 1 COMO SERÁ A CIDADE?

2015 O ANO DE COLHER MAIO - 1 COMO SERÁ A CIDADE? MAIO - 1 COMO SERÁ A CIDADE? Texto: Apocalipse 21:1-2 Então vi um novo céu e uma nova terra, pois o primeiro céu e a primeira terra tinham passado; e o mar já não existia. Vi a cidade santa, a nova Jerusalém,

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 207, DE 2015

PROJETO DE LEI Nº 207, DE 2015 PROJETO DE LEI Nº 207, DE 2015 Autoriza o Poder Executivo a desapropriar, para fins ambientais e culturais, terreno para criação do "Parque dos Búfalos", na Capital do Estado. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA

Leia mais

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 Estratégico III Seminário de Planejamento Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 G es tão Em pre sa rial O rie nta ção pa ra om erc ado Ino vaç ão et

Leia mais

UM MODELO DE ANÁLISE DA DRAMATIZAÇÃO NA IMPRENSA ESCRITA

UM MODELO DE ANÁLISE DA DRAMATIZAÇÃO NA IMPRENSA ESCRITA UM MODELO DE ANÁLISE DA DRAMATIZAÇÃO NA IMPRENSA ESCRITA Pedro Diniz de Sousa Resumo Parte-se de uma definição do conceito de dramatização e da identificação das funções que o discurso dramático pode desempenhar

Leia mais

1111E111E1111 APROVADO. Câmara de Vereadores de Pindamonhangaba Estado de São Paulo 3 1 AGO. 2015. Vereador Felipe César Presidente

1111E111E1111 APROVADO. Câmara de Vereadores de Pindamonhangaba Estado de São Paulo 3 1 AGO. 2015. Vereador Felipe César Presidente Câmara de Vereadores de Pindamonhangaba Estado de São Paulo REQUERIMENTO EMENTA: Ao Sr. Prefeito Municipal, com cópia para conhecimento do Ministério Público, solicitando informar em que termos vem sendo

Leia mais

Região Quantidade % Norte 339.270 19,39% Nordeste 1.039.640 59,41% Sudeste 179.511 10,26% Sul 113.678 6,50% Centro-Oeste 77.952 4,45% Total Brasil 1.750.051 100,00% Fundação João Pinheiro, 2007. BENEFICIÁRIOS:

Leia mais

ROTEIRO PARA CRIAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO

ROTEIRO PARA CRIAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO ROTEIRO PARA CRIAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO 1ª ETAPA A criação de uma entidade de caráter social, como é o caso de uma associação, tem origem no entusiasmo de uma, duas ou mais pessoas que não se conformando com

Leia mais

Rio de Janeiro-RJ, 07 de março de 2007

Rio de Janeiro-RJ, 07 de março de 2007 Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de inauguração dos condomínios do Programa de Arrendamento Residencial em Santa Cruz Rio de Janeiro-RJ, 07 de março de 2007

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO Escola Judiciária Eleitoral

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO Escola Judiciária Eleitoral TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO Escola Judiciária Eleitoral Abril 2013 TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Presidente Desembargadora Letícia De Faria Sardas Corregedor

Leia mais

Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos

Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos Pesqui Odontol Bras 2003;17(Supl 1):33-41 Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos Conselho Nacional de Saúde - Resolução 196/96 Pes qui sa Qu a li fi ca ção do pesquisador

Leia mais

Questionário aplicado

Questionário aplicado Questionário aplicado Leôncio Martins Rodrigues SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros RODRIGUES, LM. Questionário aplicado. In: Industrialização e atitudes operárias: estudo de um grupo de trabalhadores

Leia mais

12/02/2010. Presidência da República Secretaria de Imprensa Discurso do Presidente da República

12/02/2010. Presidência da República Secretaria de Imprensa Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de inauguração da Escola Municipal Jornalista Jaime Câmara e alusiva à visita às unidades habitacionais do PAC - Pró-Moradia no Jardim do Cerrado e Jardim Mundo

Leia mais