CAPÍTULO 12 CONCLUSÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CAPÍTULO 12 CONCLUSÃO"

Transcrição

1 CAPÍTULO 12 CONCLUSÃO Existe somente um avanço. A hora mais escura da noite é o prenúncio do alvorecer. Nos dias sombrios de inverno, prosseguem incessantemente os preparativos para a primavera. Tudo que parece dificuldade é, na verdade, valioso trampolim para um grande saldo. (Do livro Inochi Hikidasun Rensukai- Seicho Tanuguchi). Este trabalho de pesquisa concentrou-se em apresentar uma arquitetura que pode ser aplicada ao software de controle de satélites do INPE, com a finalidade de suprir as limitações das versões atuais que foram elucidadas no final do Capítulo 5, bem como agregar novas funcionalidades. Como foi apresentado nos capítulos anteriores, esta arquitetura engloba os objetos da aplicação propriamente ditos (telemetrias, telecomandos etc.), bem como os serviços propostos, os quais são os responsáveis por disponibilizar uma infra-estrutura flexível e dinâmica para os objetos da aplicação. O serviço de balanceamento proporciona a disponibilidade de serviços, uma vez que sua atuação consiste em replicar ou migrar objetos que estejam sendo muito solicitados. A predisposição de mais de um objeto, que presta o mesmo serviço, garante a continuidade das operações de controle de um satélite, mesmo em falhas em um dos objetos ou no nó onde ele se encontra instanciado. O serviço de balanceamento sustenta as características de flexibilidade e dinamismo anunciadas na arquitetura. A primeira provém da capacidade de adaptabilidade da arquitetura proposta, em face das situações a que expõe um aplicativo de controle de satélites durante a sua existência. A fase de lançamento talvez seja a mais crítica, quando um número variável de usuários (projetistas, controladores, engenheiros) desejam obter as primeiras informações do satélite. Nesse estágio, o software para controle de satélite deve ser robusto, flexível e capaz de disponibilizar os serviços de acordo com a demanda. Ao término dessa fase, o satélite entra em operação de rotina e, nesse caso, a operação se restringe 205

2 aos usuários controladores de satélites. Novamente aflora a característica de flexibilidade do sistema, já que nessa fase o serviço de balanceamento atua no sentido de eliminar o excesso de objetos que foram criados para atender à primeira fase e agora se encontram ociosos. Entretanto, o período crítico não se restringe apenas ao lançamento. A demanda pela utilização do aplicativo de controle de satélite aumenta nos períodos de manobra. As operações de manobra ocorrem mensalmente e objetivam mudar a atitude de um satélite; portanto, envolve usuários de dinâmica orbital, usuários responsáveis pelos painéis solares etc. Novamente, a atuação do serviço de balanceamento garante a disponibilidade do software para controle de satélites nesses períodos de picos. A capacidade de os objetos migrarem de uma máquina para outra, conforme as solicitações de serviços dos usuários e a disponibilidade de CPU do nó onde o objeto está instanciado, confere à arquitetura um caráter dinâmico. Um ambiente distribuído flexível e dinâmico difere de um ambiente distribuído estático, pela capacidade de o primeiro se ajustar à demanda por solicitações de serviços. O aumento da demanda propicia a criação de novas réplicas do objeto que atendam a essa solicitação. Em contrapartida, a queda na demanda pode disparar o processo de destruição dos objetos ociosos no sistema. O balanceamento de carga ainda são técnicas caras e difíceis de ser implementadas. A maioria dos aplicativos que implementam a especificação CORBA propala uma distribuição seqüencial de carga. Ou seja, se o sistema distribuído contém mais de um objeto, para atender a uma mesma solicitação de um usuário, a conexão é estabelecida de forma seqüencial. Primeiro, com o objeto 1, depois com o objeto 2 etc. Ao alcançar o último objeto, retorna-se para o primeiro. O balanceamento de carga proposto nesse trabalho difere do proposto pela especificação CORBA em importantes aspectos: A tentativa de balancear a carga do sistema acontece desde o processo de atendimento da solicitação de serviço de um usuário. Ou seja, o processo de atendimento das solicitações de serviços dos usuários é sustentado por um 206

3 algoritmo capaz de localizar qual o objeto está mais apto para atender a essa solicitação. A capacidade do serviço de balanceamento em migrar ou replicar objetos de máquinas saturadas para máquinas ociosas. Talvez a imaturidade, até o momento, dos banco de dados orientados a objetos, proporcione uma instabilidade tecnológica no desenvolvimento dos serviços de persistência. O reflexo deste quadro pode ser observado ao analisar o histórico dos serviços de persistência propostos pela especificação CORBA. A primeira versão, Persistent Object Service-POS, foi cancelada e a Segunda, Persistent Sate Service (PSS), até o momento ainda não foi implementada pela maioria dos ORBs. O serviço de persistência proposto incrementa o PSS proposto na especificação CORBA, à medida que elimina a necessidade do desenvolvedor de software construir os arquivos PSDLs. O desenvolvedor concentra esforços na especificação dos objetos de negócio. Cada objeto de negócio contém métodos de acesso ao sistema de armazenamento de dados. O código interno desses métodos simplesmente aciona o serviço de persistência proposto. A grande contribuição do serviço de persistência proposto talvez esteja na capacidade deste serviço explorar os recursos já existentes no repositório de interfaces. A partir das informações geridas pelo repositório de interfaces, o serviço de persistência tem a capacidade de acessar os dados de um objeto, em tempo de execução, montar a SQL de conformidade com os atributos e seus respectivos tipos e, finalmente, armazená-los em um banco de dados. O ganho de explorar o conteúdo do repositório de interfaces reside no fato de que as alterações nos atributos de um objeto são imediatamente refletidas no repositório de interfaces e automaticamente visíveis para o serviço de persistência. Ou seja, não é necessária a compilação do serviço de persistência. Entretanto, mudanças nos atributos de um objeto, utilizando o serviço de persistência CORBA, necessita da compilação e geração de códigos para realmente refletir as alterações realizadas. A união da utilização do conceito de distribuição com o conceito de agentes permitiu 207

4 construir uma aplicação dinâmica e flexível, capaz de se adaptar às necessidades do usuário. Se a demanda por determinado serviço aumenta, os agentes supervisores são capazes de detectar o objeto que atenda esse serviço, bem como o número de usuários solicitantes. Esta informação é repassa para os agentes mensageiros responsáveis por disseminá-la para os outros nós, dentro do domínio de rede, que o sistema está carregado. O objeto que atenda a esta demanda poderá migrar ou ser replicado. Desta forma, o sistema se auto-ajusta para atender às solicitações de seus usuários. A tecnologia de agentes poderia ter sido substituída por programas ou qualquer outro recurso computacional que implementassem as mesmas funcionalidades, como por exemplo, os agentes móveis poderiam ter sido substituídos por banco de dados distribuídos. Ou até mesmo utilizar o recurso de troca de mensagens entre os agentes supervisores para substituir os agentes mensageiros. A utilização das funcionalidades dos agentes foi com intuito de explorar esta tecnologia, já que pelas próprias características intrínsecas, os agentes, se apresentam melhor adaptado para monitoração de aplicações distribuídas. Dentre as contribuições preponderantes deste trabalho, para o grupo de desenvolvimento de software de controle de satélites do INPE, deve-se ressaltar: - A arquitetura proposta, sustentada pela atuação do serviço de balanceamento, permite a continuidade do controle de um satélite, mesmo em situações de contingências, como por exemplo falha em um servidor, falha em um objeto etc. Isto em função da disponibilidade de serviços proporcionada pelas réplicas dos objetos. - A disponibilidade de serviços pode trazer, como consequência imediata, um incremento no desempenho, já que a arquitetura proposta tem cópias de um mesmo objeto distribuído em máquinas distintas para atender às solicitações dos usuários. Atualmente, as versões do SICS estão centradas na arquitetura cliente-servidor. Desta forma, o aumento do número de clientes compromete o desempenho do servidor. - Flexibilidade para atender à dinâmica dos programas espaciais (satélites a serem controlados poderão aumentar e até diminuir ao longo do tempo).atualmente, a cada 208

5 nova missão é necessário criar um ambiente dedicado para controle do satélite (um servidor e um conjunto de clientes). Além dos custos envolvidos, existem serviços semelhantes em cada novo ambiente. A idéia é ter um conjunto de servidores para controlar um conjunto de satélites, sem ter a rigidez na alocação dos serviços de controle e servidor dedicado a um dado satélite. Alguns resultados deste trabalho de pesquisa já foram publicados no SPACE OPS jun/2000 (Ferreira,2000) e outros serão publicados no 19th AIAA International Communications Satellite Systems Conference (Ferreira, 2001), ambos na França. Além dos trabalhos já publicados, a contribuição deste trabalho de pesquisa não se restringiu apenas à tese de doutorado aqui apresentada, pois foram originados pelo menos três vertentes de pesquisa. O serviço dos agentes foi a motivação do primeiro trabalho de pesquisa, tendo sido tema da dissertação de Silva (Silva,2000). O serviço de persistência será explorado em mais detalhes em uma futura dissertação de mestrado. Acredita-se que um ambiente flexível e dinâmico exija, do serviço de segurança, facilidades que até o momento não estão implementadas em nenhum ORB; portanto, uma análise mais criteriosa neste serviço pode ser tema de tese de outros trabalhos de pesquisa. Enfim, os serviços agregados (persistência, segurança, agentes e balanceamento) ao aplicativo para controle de satélites tornaram-se fatores preponderantes e proporcionaram a criação de um ambiente capaz de se adaptar dinamicamente às solicitações dos controladores e demais usuários do sistema, melhorando um conjunto de características, como desempenho, flexibilidade, confiabilidade e utilização dos recursos computacionais disponíveis. 209

6 210

1 http://www.google.com

1 http://www.google.com 1 Introdução A computação em grade se caracteriza pelo uso de recursos computacionais distribuídos em várias redes. Os diversos nós contribuem com capacidade de processamento, armazenamento de dados ou

Leia mais

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO... 27 CAPÍTULO 2 - SISTEMAS DISTRIBUÍDOS BASEADOS EM OBJETOS... 33

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO... 27 CAPÍTULO 2 - SISTEMAS DISTRIBUÍDOS BASEADOS EM OBJETOS... 33 SUMÁRIO Pág. LISTA DE FIGURAS LISTA DE TABELAS LISTA DE SÍMBOLOS CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO... 27 CAPÍTULO 2 - SISTEMAS DISTRIBUÍDOS BASEADOS EM OBJETOS... 33 CAPÍTULO 3 - SUPORTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE

Leia mais

CAPÍTULO 7 O SERVIÇO DOS AGENTES

CAPÍTULO 7 O SERVIÇO DOS AGENTES CAPÍTULO 7 O SERVIÇO DOS AGENTES A inteligência... é a capacidade de criar objetos artificiais, especialmente ferramentas para fazer ferramentas. ( Henri Bergson) O serviço dos agentes surge como uma prestação

Leia mais

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO 19 CAPÍTULO 2 - CONCEITOS 25

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO 19 CAPÍTULO 2 - CONCEITOS 25 SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS LISTA DE TABELAS LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS Pág. CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO 19 CAPÍTULO 2 - CONCEITOS 25 2.1 A tecnologia de orientação a objetos 25 2.1.1 Projeto de software

Leia mais

CAPÍTULO 5 EVOLUÇÃO DO SISTEMA PARA CONTROLE DE SATÉLITES. Propostas genéricas não decidem casos concretos. (Oliver Wendell Holmes)

CAPÍTULO 5 EVOLUÇÃO DO SISTEMA PARA CONTROLE DE SATÉLITES. Propostas genéricas não decidem casos concretos. (Oliver Wendell Holmes) CAPÍTULO 5 EVOLUÇÃO DO SISTEMA PARA CONTROLE DE SATÉLITES Propostas genéricas não decidem casos concretos. (Oliver Wendell Holmes) A grande extensão do País e a existência de imensas áreas com baixa densidade

Leia mais

5 Mecanismo de seleção de componentes

5 Mecanismo de seleção de componentes Mecanismo de seleção de componentes 50 5 Mecanismo de seleção de componentes O Kaluana Original, apresentado em detalhes no capítulo 3 deste trabalho, é um middleware que facilita a construção de aplicações

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral 9.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) O Processo Unificado (RUP) Processo Unificado: Visão Geral 9.2 Encaixa-se na definição geral de processo:

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Projeto de Arquitetura Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 11 Slide 1 Objetivos Apresentar projeto de arquitetura e discutir sua importância Explicar as decisões de projeto

Leia mais

ARQUITETURA TRADICIONAL

ARQUITETURA TRADICIONAL INTRODUÇÃO Atualmente no universo corporativo, a necessidade constante de gestores de tomar decisões cruciais para os bons negócios das empresas, faz da informação seu bem mais precioso. Nos dias de hoje,

Leia mais

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio 32 3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio Este capítulo apresenta o framework orientado a aspectos para monitoramento e análise de processos de negócio

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 1 Conceitos da Computação em Nuvem A computação em nuvem ou cloud computing

Leia mais

MANUAL DE IMPLANTAÇÃO SISTEMA DE INVENTÁRIO CACIC GOVERNO FEDERAL SOFTWARE PÚBLICO

MANUAL DE IMPLANTAÇÃO SISTEMA DE INVENTÁRIO CACIC GOVERNO FEDERAL SOFTWARE PÚBLICO MANUAL DE IMPLANTAÇÃO SISTEMA DE INVENTÁRIO CACIC Configurador Automático e Coletor de Informações Computacionais GOVERNO FEDERAL SOFTWARE PÚBLICO software livre desenvolvido pela Dataprev Sistema de Administração

Leia mais

Ferramenta de apoio a gerência de configuração de software. Aluno: Rodrigo Furlaneto Orientador: Everaldo Artur Grahl

Ferramenta de apoio a gerência de configuração de software. Aluno: Rodrigo Furlaneto Orientador: Everaldo Artur Grahl Ferramenta de apoio a gerência de configuração de software Aluno: Rodrigo Furlaneto Orientador: Everaldo Artur Grahl Roteiro de apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Gerência de Configuração

Leia mais

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Quando se projeta um sistema cuja utilização é destinada a ser feita em ambientes do mundo real, projeções devem ser feitas para que o sistema possa

Leia mais

Avaliação do sistema de armazenamento EMC CLARiiON AX4

Avaliação do sistema de armazenamento EMC CLARiiON AX4 Avaliação do sistema de armazenamento EMC CLARiiON AX4 Relatório elaborado sob contrato com a EMC Corporation Introdução A EMC Corporation contratou a Demartek para realizar uma avaliação prática do novo

Leia mais

Fundamentos de Banco de Dados

Fundamentos de Banco de Dados Fundamentos de Banco de Dados SISTEMAS BASEADOS NO PROCESSAMENTO DE ARQUIVOS Sistema A Funcionário Pagamento Cargo Sistema B Funcionário Projeto SISTEMAS GERENCIADORES DE BANCO DE DADOS (SGBD) Sistema

Leia mais

3 SCS: Sistema de Componentes de Software

3 SCS: Sistema de Componentes de Software 3 SCS: Sistema de Componentes de Software O mecanismo para acompanhamento das chamadas remotas se baseia em informações coletadas durante a execução da aplicação. Para a coleta dessas informações é necessário

Leia mais

FERRAMENTAS PARA DESENVOLVIMENTO EM C#

FERRAMENTAS PARA DESENVOLVIMENTO EM C# FERRAMENTAS PARA DESENVOLVIMENTO EM C# Camila Sanches Navarro 1,2, Wyllian Fressatti 2 ¹Universidade paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil sanchesnavarro@gmail.com wyllian@unipar.br Resumo. Este artigo

Leia mais

MÓDULO 11 ELEMENTOS QUE FAZEM PARTE DO PROJETO DO SISTEMA

MÓDULO 11 ELEMENTOS QUE FAZEM PARTE DO PROJETO DO SISTEMA MÓDULO 11 ELEMENTOS QUE FAZEM PARTE DO PROJETO DO SISTEMA Através dos elementos que fazem parte do projeto do sistema é que podemos determinar quais as partes do sistema que serão atribuídas às quais tipos

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid)

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

guia prático 2a Edição Gilleanes T.A. Guedes Novatec

guia prático 2a Edição Gilleanes T.A. Guedes Novatec guia prático 2a Edição Gilleanes T.A. Guedes Novatec Copyright 2007, 2014 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta

Leia mais

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Histórico Uso de Metodologias Histórico Uso de Metodologias Era da Pré-Metodologia 1960-1970 Era da Metodologia

Leia mais

Metas de um Sistema Distribuído

Metas de um Sistema Distribuído Metas de um Sistema Distribuído Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do

Leia mais

ARQUITETURA DE SISTEMAS. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com)

ARQUITETURA DE SISTEMAS. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) ARQUITETURA DE SISTEMAS Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) Roteiro Definição Documento de arquitetura Modelos de representação da arquitetura Estilos arquiteturais Arquitetura de sistemas web Arquitetura

Leia mais

Etc & Tal. Volume 2 - Número 1 - Abril 2009 SBC HORIZONTES 44

Etc & Tal. Volume 2 - Número 1 - Abril 2009 SBC HORIZONTES 44 Armazenando Dados em Aplicações Java Parte 2 de 3: Apresentando as opções Hua Lin Chang Costa, hualin@cos.ufrj.br, COPPE/UFRJ. Leonardo Gresta Paulino Murta, leomurta@ic.uff.br, IC/UFF. Vanessa Braganholo,

Leia mais

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC RESUMO EXECUTIVO O PowerVault DL2000, baseado na tecnologia Symantec Backup Exec, oferece a única solução de backup em

Leia mais

Sistemas Operacionais Carlos Eduardo Portela Serra de Castro

Sistemas Operacionais Carlos Eduardo Portela Serra de Castro Introdução Sistemas Operacionais 1 Sistema Operacional: Um conjunto de programas, executado pelo computador como os outros programas. Função: Controlar o funcionamento do computador, disponibilizando seus

Leia mais

CORBA Common Object Request Broker Architecture. Carolina de Oliveira Cunha Lenita Martins Ambrosio Victor da Fonseca Santos

CORBA Common Object Request Broker Architecture. Carolina de Oliveira Cunha Lenita Martins Ambrosio Victor da Fonseca Santos CORBA Common Object Request Broker Architecture Carolina de Oliveira Cunha Lenita Martins Ambrosio Victor da Fonseca Santos Introdução OMG (Object Management Group): uma organização formada por empresas

Leia mais

4 Java Objet Circuits Architecture

4 Java Objet Circuits Architecture 4 Java Objet Circuits Architecture Java Object Circuits Architecture (JOCA) é uma implementação de circuitos de objetos utilizando a linguagem de programação Java (Arnold, 1996). Ela provê um ambiente

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos Introdução a Sistemas Distribuídos Definição: "Um sistema distribuído é uma coleção de computadores autônomos conectados por uma rede e equipados com um sistema de software distribuído." "Um sistema distribuído

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 5 Servidores de Aplicação

Leia mais

CORBA. Common Object Request Broker Architecture. Unicamp. Centro de Computação Rubens Queiroz de Almeida queiroz@unicamp.br

CORBA. Common Object Request Broker Architecture. Unicamp. Centro de Computação Rubens Queiroz de Almeida queiroz@unicamp.br CORBA Common Object Request Broker Architecture Unicamp Centro de Computação Rubens Queiroz de Almeida queiroz@unicamp.br Objetivos Apresentação Tecnologia CORBA Conceitos Básicos e Terminologia Considerações

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Modelo Cliente-Servidor: Introdução aos tipos de servidores e clientes Prof. MSc. Hugo Souza Iniciando o módulo 03 da primeira unidade, iremos abordar sobre o Modelo Cliente-Servidor

Leia mais

Clientes gerentes Usuarios finais do sistema Clientes engenheiros Gerentes contratantes Arquitetos do sistema. Definicao de requisitos

Clientes gerentes Usuarios finais do sistema Clientes engenheiros Gerentes contratantes Arquitetos do sistema. Definicao de requisitos А А А А Definicao de de do software Clientes gerentes Usuarios finais Clientes engenheiros Gerentes contratantes Arquitetos Usuarios finais Clientes engenheiros Arquitetos Desenvolvedores de software Clientes

Leia mais

Guia de Especificação de Caso de Uso Metodologia CELEPAR

Guia de Especificação de Caso de Uso Metodologia CELEPAR Guia de Especificação de Caso de Uso Metodologia CELEPAR Agosto 2009 Sumário de Informações do Documento Documento: guiaespecificacaocasouso.odt Número de páginas: 10 Versão Data Mudanças Autor 1.0 09/10/2007

Leia mais

UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI

UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI Dr. George SILVA; Dr. Gilbert SILVA; Gabriel GUIMARÃES; Rodrigo MEDEIROS; Tiago ROSSINI; Centro Federal de Educação Tecnológica do Rio Grande do

Leia mais

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML 2ª edição Eduardo Bezerra Editora Campus/Elsevier Capítulo 11 Arquitetura do sistema Nada que é visto, é visto de uma vez e por completo. --EUCLIDES

Leia mais

Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor

Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor Desenvolvimento de Sistemas Cliente Servidor Prof. Esp. MBA Heuber G. F. Lima Aula 1 Ciclo de Vida Clássico Aonde estamos? Page 2 Análise O que fizemos

Leia mais

Sistema IBM PureApplication

Sistema IBM PureApplication Sistema IBM PureApplication Sistema IBM PureApplication Sistemas de plataforma de aplicativos com conhecimento integrado 2 Sistema IBM PureApplication A TI está vindo para o centro estratégico dos negócios

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO INSTITUTO POLITÉCNICO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas Operacionais Notas de Aulas: Tópicos 7 e 8 Estrutura do Sistema Operacional São Paulo 2009 1 Sumário

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Processos- Clientes, Servidores, Migração Capítulo 3 Agenda Clientes Interfaces de usuário em rede Sistema X Window Software do lado cliente para

Leia mais

BDI BANCO DE DADOS DE IMAGENS DE SATÉLITE. José Roberto Motta Garcia *, 1 José Luiz Moreira *, 2

BDI BANCO DE DADOS DE IMAGENS DE SATÉLITE. José Roberto Motta Garcia *, 1 José Luiz Moreira *, 2 BDI BANCO DE DE IMAGENS DE SATÉLITE José Roberto Motta Garcia *, 1 José Luiz Moreira *, 2 RESUMO: O Banco de Dados de Imagens de Satélite é um banco de dados idealizado para que os usuários possam recuperar

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN SISTEMAS OPERACIONAIS Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN 1.0 O Sistema Operacional como uma Máquina Virtual A arquitetura (conjunto de instruções, organização de memória, E/S e estrutura

Leia mais

BRAlarmExpert. Software para Gerenciamento de Alarmes. BENEFÍCIOS obtidos com a utilização do BRAlarmExpert:

BRAlarmExpert. Software para Gerenciamento de Alarmes. BENEFÍCIOS obtidos com a utilização do BRAlarmExpert: BRAlarmExpert Software para Gerenciamento de Alarmes A TriSolutions conta com um produto diferenciado para gerenciamento de alarmes que é totalmente flexível e amigável. O software BRAlarmExpert é uma

Leia mais

Unified Modeling Language UML - Notações

Unified Modeling Language UML - Notações Unified Modeling Language UML - Notações Prof. Ms. Elvio Gilberto da Silva elvio@fmr.edu.br UML Ponto de Vista É gerada com propósito geral de uma linguagem de modelagem visual usada para especificar,

Leia mais

Estrutura de Dados e Regras de Negócio Configuráveis pelo Usuário Final

Estrutura de Dados e Regras de Negócio Configuráveis pelo Usuário Final Estrutura de Dados e Regras de Negócio Configuráveis pelo Usuário Final Paulo Eduardo Cardoso Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais paulinho@dss.inpe.br Mauricio Gonçalves Vieira Ferreira Instituto

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Basedos na Web Capítulo 12 Agenda Arquitetura Processos Comunicação Nomeação Sincronização Consistência e Replicação Introdução

Leia mais

Soluções para controle industrial Sistema avançado de controle de traço térmico NGC-40

Soluções para controle industrial Sistema avançado de controle de traço térmico NGC-40 Soluções para controle industrial Sistema avançado de controle de traço térmico NGC-40 SOLUÇÕES PARA GERENCIAMENTO TÉRMICO WWW.THERMAL.PENTAIR.COM DIGITRACE NGC-40 O NGC-40 é um avançado sistema modular

Leia mais

Roteiro. Sistemas Distribuídos. Sistemas de Arquivos Distribuídos. Sistema de arquivos distribuídos

Roteiro. Sistemas Distribuídos. Sistemas de Arquivos Distribuídos. Sistema de arquivos distribuídos Sistemas Distribuídos Sistemas de Arquivos Distribuídos Roteiro Sistema de arquivos distribuídos Requisitos Arquivos e diretórios Compartilhamento Cache Replicação Estudo de caso: NFS e AFS Sistemas Distribuídos

Leia mais

Características Básicas de Sistemas Distribuídos

Características Básicas de Sistemas Distribuídos Motivação Crescente dependência dos usuários aos sistemas: necessidade de partilhar dados e recursos entre utilizadores; porque os recursos estão naturalmente em máquinas diferentes. Demanda computacional

Leia mais

2 Atualidade de uma base de dados

2 Atualidade de uma base de dados 2 Atualidade de uma base de dados Manter a atualidade de uma base de dados é um problema que pode ser abordado de diferentes maneiras. Cho e Garcia-Molina [CHO] definem esse problema da seguinte forma:

Leia mais

COMPUTAÇÃO EM GRID COM BANCO DE DADOS ORACLE 10g

COMPUTAÇÃO EM GRID COM BANCO DE DADOS ORACLE 10g COMPUTAÇÃO EM GRID COM BANCO DE DADOS ORACLE 10g Daniel Murara Barcia Especialista em Sistemas de Informação Universidade Federal do Rio Grande do Sul daniel@guaiba.ulbra.tche.br Resumo. Esse artigo aborda

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Cluster, Grid e computação em nuvem Slide 8 Nielsen C. Damasceno Introdução Inicialmente, os ambientes distribuídos eram formados através de um cluster. Com o avanço das tecnologias

Leia mais

Balanceamento de carga: A evolução para os Application Delivery Controller

Balanceamento de carga: A evolução para os Application Delivery Controller Balanceamento de carga: A evolução para os Application Delivery Controller Introdução Um dos efeitos infelizes da evolução contínua do Balanceador de carga nos Application Delivery Controller (ADC) de

Leia mais

Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.

Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4. Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5 Por: Fabio Pozzebon Soares Página 1 de 11 Sistema ProJuris é um conjunto de componentes 100% Web, nativamente integrados, e que possuem interface com vários idiomas,

Leia mais

4 Um Exemplo de Implementação

4 Um Exemplo de Implementação 4 Um Exemplo de Implementação Neste capítulo será discutida uma implementação baseada na arquitetura proposta. Para tanto, será explicado como a arquitetura proposta se casa com as necessidades da aplicação

Leia mais

Introdução. Definição de um Sistema Distribuído (1) Definição de um Sistema Distribuído(2) Metas de Sistemas Distribuídos (2)

Introdução. Definição de um Sistema Distribuído (1) Definição de um Sistema Distribuído(2) Metas de Sistemas Distribuídos (2) Definição de um Sistema Distribuído (1) Introdução Um sistema distribuído é: Uma coleção de computadores independentes que aparecem para o usuário como um único sistema coerente. Definição de um Sistema

Leia mais

MÓDULO 8 ARQUITETURA DOS SISTEMAS DE BANCO DE DADOS

MÓDULO 8 ARQUITETURA DOS SISTEMAS DE BANCO DE DADOS MÓDULO 8 ARQUITETURA DOS SISTEMAS DE BANCO DE DADOS Quando falamos em arquitetura, normalmente utilizamos esse termo para referenciar a forma como os aplicativos computacionais são estruturados e os hardwares

Leia mais

A Figura... mostra a arquitetura técnica de serviços na Web

A Figura... mostra a arquitetura técnica de serviços na Web Este capítulo proporciona uma visão técnica simplificada de um sistema UDDI. A arquitetura técnica de UDDI consiste de três partes: O Modelo de Informação UDDI Um esquema XML para descrever negócios e

Leia mais

1º Estudo Dirigido. Capítulo 1 Introdução aos Sistemas Operacionais

1º Estudo Dirigido. Capítulo 1 Introdução aos Sistemas Operacionais 1º Estudo Dirigido Capítulo 1 Introdução aos Sistemas Operacionais 1. Defina um sistema operacional de uma forma conceitual correta, através de suas palavras. R: Sistemas Operacionais são programas de

Leia mais

Virtualização: VMWare e Xen

Virtualização: VMWare e Xen Virtualização: VMWare e Xen Diogo Menezes Ferrazani Mattos Professor: Otto Carlos Disciplina: Redes I Universidade Federal do Rio de Janeiro POLI/COPPE 1 Introdução Virtualização Divisão da máquina física

Leia mais

Conjunto de conceitos que podem ser usados para descrever a estrutura de um banco de dados

Conjunto de conceitos que podem ser usados para descrever a estrutura de um banco de dados CONCEITOS Modelo de Dados Conjunto de conceitos que podem ser usados para descrever a estrutura de um banco de dados Tipos de dados, relacionamentos e restrições Operações dinâmicas alto nível: ou modelo

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Arquiteturas www.pearson.com.br capítulo 2 slide 1 2.1 Estilos Arquitetônicos Formado em termos de componentes, do modo como esses componentes estão conectados uns aos outros, dos dados trocados entre

Leia mais

Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software SISPA FACULDADE SENAC

Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software SISPA FACULDADE SENAC 1 Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software SISPA FACULDADE SENAC Edilberto Silva 1, André Luiz (1012545), Andreia Pereira da Silva (1012547) Carlos Alberto (1012206), Humberto César de Carvalho

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores. Capítulo 0 - Introdução

Arquitetura e Organização de Computadores. Capítulo 0 - Introdução Arquitetura e Organização de Computadores Capítulo 0 - Introdução POR QUE ESTUDAR ARQUITETURA DE COMPUTADORES? 2 https://www.cis.upenn.edu/~milom/cis501-fall12/ Entender para onde os computadores estão

Leia mais

Utilização do SGBD PostgreSQL no Metrô São Paulo

Utilização do SGBD PostgreSQL no Metrô São Paulo Utilização do SGBD PostgreSQL no Metrô São Paulo Versão 2 Novembro /2006 1 Elaborado por: Gerência de Informática e Tecnologia da Informação Gustavo Celso de Queiroz Mazzariol - gqueiroz@metrosp.com.br

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Operacionais Machado/Maia. Arquitetura de Sistemas

Arquitetura de Sistemas Operacionais Machado/Maia. Arquitetura de Sistemas Arquitetura de Sistemas Operacionais Capítulo 4 Estrutura do Sistema Operacional Cap. 4 Estrutura do Sistema 1 Sistemas Operacionais Pitágoras Fadom Divinópolis Material Utilizado na disciplina Sistemas

Leia mais

Arquitetura de Software e Atributos de Qualidade

Arquitetura de Software e Atributos de Qualidade Arquitetura de Software e Atributos de Qualidade Jair C Leite Requisitos e atributos de qualidade Requisitos Características, atributos, propriedades e restrições associadas ao software. Requisitos funcionais

Leia mais

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil José Monteiro Lysandro Junior Light Serviços de Eletricidade S/A jose.monteiro@light.com.br

Leia mais

1.264 Lição 16. Legado Middleware

1.264 Lição 16. Legado Middleware 1.264 Lição 16 Legado Middleware O que é o legado middleware? Cliente (interface do usuário, aplicativo local). Cliente (interface do usuário, aplicativo local). Como conectamos clientes e servidores?

Leia mais

A consolidação de servidores traz uma séria de vantagens, como por exemplo:

A consolidação de servidores traz uma séria de vantagens, como por exemplo: INFRAESTRUTURA Para que as empresas alcancem os seus objetivos de negócio, torna-se cada vez mais preponderante o papel da área de tecnologia da informação (TI). Desempenho e disponibilidade são importantes

Leia mais

RELAÇÕES ENTRE COMPUTADORES EM DOMÍNIOS WINDOWS NT

RELAÇÕES ENTRE COMPUTADORES EM DOMÍNIOS WINDOWS NT RELAÇÕES ENTRE COMPUTADORES EM DOMÍNIOS WINDOWS NT Resumo Durante o período compreendido entre 1997 e 1998 houve, no CBPF, um aumento significativo do número de ambientes computacionais do tipo grupo de

Leia mais

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia.

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia. 1 Introdução aos Sistemas de Informação 2002 Aula 4 - Desenvolvimento de software e seus paradigmas Paradigmas de Desenvolvimento de Software Pode-se considerar 3 tipos de paradigmas que norteiam a atividade

Leia mais

Linha de Produto de Software

Linha de Produto de Software Linha de Produto de Software Jair C Leite DIMAp/UFRN O que é linha de produto de software? Técnica de produção baseada em outras engenharias fábricas que desenvolvem uma mesma família de produtos com partes

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES. Trabalho de Graduação

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES. Trabalho de Graduação DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES Trabalho de Graduação Orientando: Vinicius Stein Dani vsdani@inf.ufsm.br Orientadora: Giliane

Leia mais

BANCO POSTAL - Plataforma Tecnológica

BANCO POSTAL - Plataforma Tecnológica BANCO POSTAL - Plataforma Tecnológica 1. Arquitetura da Aplicação 1.1. O Banco Postal utiliza uma arquitetura cliente/servidor WEB em n camadas: 1.1.1. Camada de Apresentação estações de atendimento, nas

Leia mais

2 Auto-sintonia de Bancos de Dados e Agentes de Software

2 Auto-sintonia de Bancos de Dados e Agentes de Software 2 Auto-sintonia de Bancos de Dados e Agentes de Software A uso da abordagem de agentes de software 1 pode trazer benefícios a áreas de aplicação em que é necessário construir sistemas autônomos, ou seja,

Leia mais

Introdução. O que é Serviços de Terminal

Introdução. O que é Serviços de Terminal Introdução Microsoft Terminal Services e Citrix MetaFrame tornaram-se a indústria padrões para fornecer acesso de cliente thin para rede de área local (LAN), com base aplicações. Com o lançamento do MAS

Leia mais

Prevayler. Perola. André Luís Sales de Moraes Juliana Keiko Yamaguchi Tatiana Yuka Takaki

Prevayler. Perola. André Luís Sales de Moraes Juliana Keiko Yamaguchi Tatiana Yuka Takaki Prevayler Perola André Luís Sales de Moraes Juliana Keiko Yamaguchi Tatiana Yuka Takaki Prevayler Prevayler é a implementação em Java do conceito de Prevalência. É um framework que prega uma JVM invulnerável

Leia mais

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Identificar as principais características de uma Aplicação Internet Rica.

Leia mais

Guia. PDA e SmartPhones. Windows Mobile, Pocket PC e CE.

Guia. PDA e SmartPhones. Windows Mobile, Pocket PC e CE. Guia PDA e SmartPhones Windows Mobile, Pocket PC e CE. Referência completa para o integrador do sistema Module. Aborda os recursos necessários para a itulização, instalação do software e importação das

Leia mais

Desenvolvimento Cliente-Servidor 1

Desenvolvimento Cliente-Servidor 1 Desenvolvimento Cliente- 1 Ambiienttes de Desenvollviimentto Avançados Engenharia Informática Instituto Superior de Engenharia do Porto Alexandre Bragança 1998/99 Ambientes de Desenvolvimento Avançados

Leia mais

Componentes em Esquema de Tolerância a Faltas Adaptativa

Componentes em Esquema de Tolerância a Faltas Adaptativa Grupo de Pesquisa Área de Informática Componentes em Esquema de Tolerância a Faltas Adaptativa Prof. Dr. Fábio Favarim favarim@utfpr.edu.br Roteiro da Apresentação Introdução Tolerância a Faltas (TF) Tolerância

Leia mais

Alinhando a infra-estrutura de aplicações com os negócios através de Application Delivery orientado a serviços

Alinhando a infra-estrutura de aplicações com os negócios através de Application Delivery orientado a serviços Alinhando a infra-estrutura de aplicações com os negócios através de Application Delivery orientado a serviços Visão Geral Desafio Solução Uma implementação SOA (Service Oriented Architecture) bem-sucedida

Leia mais

Análise da Arquitetura de Software

Análise da Arquitetura de Software Análise da Arquitetura de Software Essencial para Arquitetura de Software De que se trata o artigo? Apresenta o uso de requisitos arquiteturais na análise da arquitetura de software e a destaca no desenvolvimento

Leia mais

Framework utilizando reflexão e aspectos para persistência de objetos em java

Framework utilizando reflexão e aspectos para persistência de objetos em java Framework utilizando reflexão e aspectos para persistência de objetos em java Antonio Carlos Rolloff (UNIPAR) acrolloff@gmail.com Arthur Cattaneo Zavadski (UNIPAR) arthur@datacoper.com.br Maria Aparecida

Leia mais

Como posso gerenciar melhor os meus ativos de software e reduzir o risco de auditorias de conformidade?

Como posso gerenciar melhor os meus ativos de software e reduzir o risco de auditorias de conformidade? RESUMO DA SOLUÇÃO CA SERVICE MANAGEMENT - GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Como posso gerenciar melhor os meus ativos de software e reduzir o risco de auditorias de conformidade? O CA Service Management

Leia mais

3 Arquitetura do Sistema

3 Arquitetura do Sistema 3 Arquitetura do Sistema Este capítulo irá descrever a arquitetura geral do sistema, justificando as decisões de implementação tomadas. Na primeira seção iremos considerar um conjunto de nós interagindo

Leia mais

POLÍTICA DE PARCERIA

POLÍTICA DE PARCERIA POLÍTICA DE PARCERIA VISÃO GERAL A modernização tributária se tornou realidade para a iniciativa privada. Cada vez mais documentos fiscais (nota fiscal eletrônica, conhecimento de transporte eletrônico,

Leia mais

Cliente/Servidor. Conceitos Gerais. Graça Bressan. Graça Bressan/LARC 2000 1

Cliente/Servidor. Conceitos Gerais. Graça Bressan. Graça Bressan/LARC 2000 1 Cliente/Servidor Conceitos Gerais Graça Bressan Graça Bressan/LARC 2000 1 Forças de marketing que conduzem à arquitetura cliente/servidor "Cliente/Servidor é um movimento irresistível que está reformulando

Leia mais

UML 2. Guia Prático. Gilleanes T.A. Guedes. Novatec. Obra revisada e ampliada a partir do título Guia de Consulta Rápida UML 2

UML 2. Guia Prático. Gilleanes T.A. Guedes. Novatec. Obra revisada e ampliada a partir do título Guia de Consulta Rápida UML 2 UML 2 Guia Prático Gilleanes T.A. Guedes Obra revisada e ampliada a partir do título Guia de Consulta Rápida UML 2 Novatec capítulo 1 Introdução à UML A UML (Unified Modeling Language ou Linguagem de Modelagem

Leia mais

Monitoramento de Rede de Nuvens Privadas

Monitoramento de Rede de Nuvens Privadas Monitoramento de Rede de Nuvens Privadas White Paper Autores: Dirk Paessler, CEO da Paessler AG Dorte Winkler, Redatora Técnica na Paessler AG Primeira Publicação: Maio de 2011 Edição: Fevereiro de 2013

Leia mais

Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados

Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados Orivaldo V. Santana Jr A partir de slides elaborados por Ivan G. Costa Filho Fernando Fonseca & Robson Fidalgo 1 Sistemas de Arquivos Sistemas de arquivos Principal

Leia mais

Arquiteturas de Aplicações Distribuídas

Arquiteturas de Aplicações Distribuídas Arquiteturas de Aplicações Distribuídas Fernando Albuquerque 061-2733589 fernando@cic.unb.br www.cic.unb.br/docentes/fernando Tópicos Introdução. HTTP / CGI. API sockets. JDBC. Remote Method Invocation.

Leia mais

COMPUTAÇÃO EM NUVEM: TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS RELATÓRIO EXECUTIVO DE NEGÓCIOS

COMPUTAÇÃO EM NUVEM: TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS RELATÓRIO EXECUTIVO DE NEGÓCIOS COMPUTAÇÃO EM NUVEM: TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS TM RELATÓRIO EXECUTIVO DE NEGÓCIOS A visão da computação em nuvem por Aad van Schetsen, vicepresidente da Compuware Uniface, que mostra por que

Leia mais

Sistema centralizado de backup utilizando Bacula

Sistema centralizado de backup utilizando Bacula Sistema centralizado de backup utilizando 1. Introdução Clever de Oliveira Júnior¹, Paulo E. M. Almeida¹ ¹Departamento de Recursos em Informática Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais

Leia mais

GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS II

GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS II GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS II Servidores Definição Servidores História Servidores Tipos Servidores Hardware Servidores Software Evolução do Windows Server Windows Server 2003 Introdução Windows Server

Leia mais