Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais"

Transcrição

1 Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos dos usuários. É desejável que o SO forneça mecanismos de acesso simples para os processos, escondendo o máximo possível da complexidade da manipulação dos dispositivos de hardware. Na aula anterior, foram discutidos os aspectos de hardware das operações de entrada e saída. Foram vistos tipos de dispositivos de E/S, modos de endereçamento destes dispositivos e modos de transferência dos dados entre o processador e os dispositivos. No entanto, nos exemplos de código apresentados até então, o acesso aos dispositivos passava pela manipulação de registradores de controladores ou dos próprios dispositivos. Este tipo de manipulação requer que o programador tenha um conhecimento perfeito da arquitetura do dispositivo de E/S, incluindo detalhes de implementação específica de certos fabricantes. Este método de acesso aos dispositivos de E/S já foi uma realidade. Em sistemas computacionais antigos, o programador era obrigado a incluir em seu código todas as rotinas de manipulação dos dispositivos de E/S, no nível de manipulação de registradores. Os programadores precisavam ler manuais extensos que detalhavam sequências de passos para a execução de cada tarefa desejada do dispositivo de E/S. Isso tornava os programas grandes, difíceis de desenvolver e mais propícios a erros. Ainda hoje existem sistemas que necessitam deste tipo de manipulação de baixo nível, na manipulação de dispositivos de E/S. Alguns sistemas embarcados, baseados em microcontroladores simples, requerem que o programador inclua em seu código todo o tratamento do acesso aos dispositivos. No entanto, em sistemas mais comuns, o Sistema Operacional passou a prover mecanismos simplificados de acesso os dispositivos de Entrada e Saída. O SO fornece uma ou mais camadas de abstração de software, cada uma provendo um conjunto de serviços que facilitam ou melhoram o desempenho das operações de E/S. Existem vários requisitos desejáveis para estas camadas de abstração do Sistema Operacional. Em primeiro lugar, assim como em todos os outros aspectos de um SO, é desejável que estas camadas permitam um uso eficiente dos dispositivos de E/S. Em outras palavras, a facilidade de uso dos dispositivos não pode ser obtida em detrimento do desempenho no acesso aos mesmos. No caso dos dispositivos de E/S, isso é fundamental porque operações de entrada e saída são intrinsecamente lentas. Qualquer ineficiência no uso dos dispositivos de E/S acaba se refletindo de maneira muito clara no desempenho do sistema. Outro requisito importante é a simplificação do acesso aos dispositivos. Detalhes como registradores e modos de transferência de dados devem ser escondidos do usuário. Se não

2 há simplificação no acesso aos dispositivos, não faz sentido utilizar camadas de abstração do Sistema Operacional. É desejável também que o acesso aos diferentes dispositivos seja o mais padronizado possível. Ou seja, deseja-se que, do ponto de vista do programador, a maneira de manipular ou acessar os vários dispositivos do sistema seja similar. Por exemplo, na maior parte dos sistemas operacionais, para ler dados de um arquivo, utiliza-se uma função do tipo read. No entanto, esta mesma função (em geral) pode ser utilizada para receber dados através de uma conexão de rede. Isso é possível justamente porque os sistemas operacionais implementam uma camada de abstração que torna o acesso a estes dois dispositivos (o disco rígido e a placa de rede, no caso) homogêneo. A este conjunto de camadas de abstração provido pelo Sistema Operacional para acesso aos dispositivos de E/S, dá-se o nome de Subsistema de Entrada e Saída. Geralmente, o subsistema de entrada e saída é composto por 4 camadas. Na camada mais baixa está o hardware em si. Ou seja, os próprios dispositivos de E/S, com seus registradores e especificidades. Detalhes como o modo de transferência de dados e o tipo de mapeamento de endereços utilizados estão presentes nesta camada. Uma camada acima encontram-se os chamados Device Drivers, ou Drivers de Dispositivo. Esta camada é responsável por implementar as operações básicas de manipulação de cada dispositivo do sistema. Na prática, os drivers são os programas responsáveis pela interação com os dispositivos de E/S. A próxima camada é chamada de E/S Independente do Dispositivo. Esta camada prôve serviços que são comuns a todos os dispositivos de E/S, independentemente do seu tipo. Por exemplo, esta camada é responsável pela nomeação dos dispositivos. Cada dispositivo precisa de um identificador dentro do sistema, para que este possa ser requisitado pelos processos dos usuários. Esta camada se encarrega de atribuir tais identificadores. Por fim, a última camada do subsistema é chamada de E/S no Nível do Usuário. A função desta camada é fornecer ao usuário uma visão dos dispositivos de E/S. Ou seja, esta camada fornece ao programador funções e estruturas da dados que manipulam e representam os dispositivos de E/S dentro do código de um programa. É importante notar que, das quatro camadas citadas, apenas duas (os device drivers e o E/S independente do dispositivo) são de fato parte do Sistema Operacional. A camada de hardware obviamente é independente do SO, já que ela não é composta por software. Já a camada de E/S no nível do usuário é geralmente fornecida por bibliotecas ou linguagens de programação. Tais bibliotecas realizam o intermédio entre o programa do usuário e as chamadas de sistema fornecidas pelo SO que dão acesso a camada de E/S independente do dispositivo. Por exemplo, a função printf() é fornecida pela biblioteca padrão da linguagem C. Quando esta função é chamada em um programa, a biblioteca de encarrega de formatar os dados do usuário para impressão na tela e de realizar a chamada de sistema do SO que realiza

3 a operação de E/S necessária para que aqueles dados sejam efetivamente mostrados. Vale ressaltar ainda que este modelo em camadas discutido aqui é apenas uma visão genérica. Há diversos dispositivos de E/S que apresentam mais camadas de abstração implementadas pelo SO. Um exemplo importante é a placa de rede. Embora seja possível utilizar a placa de rede diretamente, passando apenas pelas 4 camadas descritas anteriormente, grande parte dos sistemas operacionais implementam o chamado modelo de Sockets. Neste modelo, o SO apresenta algumas outras camadas de software responsáveis pela implementação dos protocolos de rede básicos, como os protocolos de rede (e.g., protocolo IP) e protocolos de transporte (e.g., TCP, UDP e ICMP). Quando em um programa utilizamos a abstração de Sockets, as chamadas de sistema fazem a ligação entre os processos dos usuários e os módulos do SO que implementam tais protocolos. Eventualmente, um pacote será construído para transmissão através da interface de rede. Somente então, as camadas de E/S independente do dispositivo e dos drivers de dispositivo serão utilizadas. 2. Drivers de Dispositivo Os drivers de dispositivo são pedaços de software que implementam as funcionalidades de acesso aos dispositivos de E/S em um sistema operacional. Estes drivers, em geral, são desenvolvidos pelos próprios fabricantes de cada dispositivo, já que eles precisam conter detalhes de muito baixo nível sobre o acesso aos dispositivos. São estes drivers os responsáveis por manipular os registradores de controle dos dispositivos de E/S, de forma que este dispositivo possa ser manipulado. Os drivers também são responsáveis por fornecer tratadores de interrupção específicos para seu dispositivo. Quando ocorre uma interrupção no sistema, o SO identifica qual dispositivo a disparou e passa então o controle da execução para o tratador de interrupção do driver. Drivers de dispositivo fazem parte do SO e por isso são executados em Modo Supervisor. Eles necessitam de privilégios de execução, pois as instruções do processador que realizam a comunicação com os dispositovos de E/S são privilegiadas (instruções IN e OUT, ou mesmo instruções MOV, quando o endereço especificado é de um dispositivo de E/S mapeado em espaço de memória). Geralmente (nos sistemas operacionais modernos, pelo menos), drivers podem ser carregados dinamicamente. Isso é um característica interessante, pois cada dispositivo necessita de um driver específico. De fato, mesmo dispositivos do mesmo tipo (como duas placas de vídeo) de modelos ou fabricantes diferentes requerem drivers distintos. Isso ocorre porque, mesmo sendo de um mesmo tipo, cada placa pode ter conjuntos de registradores de controle diferentes, com semânticas de manipulação distintas. Dada a enorme variedade de marcas, modelos e dispositivos existentes hoje no mercado, a possibilidade de carregamento dinâmico de drivers pelo SO evita problemas graves como o crescimento excessivo do código do SO. Embora os drivers de dispositivo implementem funções de muito baixo nível, se comunicando

4 diretamente com os dispositivos de E/S, a portabilidade destes drivers para sistemas operacionais diferentes (migração do código de um SO para outro) tende a não ser trivial. Isso ocorre porque cada SO estabelece uma interface padrão para os drivers. Esta interface determina quais funções e informações o driver deve disponibilizar para o Sistema Operacional. Por exemplo, é razoável que todos os drivers de dispositivos que permitam saída de dados forneçam uma função de escrita de dados no dispositivo. Quando um processo do usuário deseja escrever dados em um dispositivo, eventualmente o SO chamará esta função do driver do dispositivo desejado. A interface padrão define exatamente quais funções precisam ser disponibilizadas pelo driver, bem como quais argumentos devem ser recebidos e quais os valores de retorno esperados. 3. E/S Independente do Dispositivo Esta camada implementa os serviços do SO que são comuns a qualquer tipo de dispositivo de E/S. Alguns exemplos de serviços providos por esta camada são: escalonamento de E/S; denominação; buferização; cache; alocação; permissões; e tratamento de erros. Assim como o processador, o uso dos dispositivos de E/S geralmente precisa ser escalonado. Boa parte dos dispositivos de E/S podem receber múltiplas requisições simultâneas e é tarefa desta camada implementar mecanismos de escalonamento que decidam a ordem de acesso dos vários processos. Assim como ocorre com o processador, a política de escalonamento dos dispositivos de E/S pode ter impacto fundamental no desempenho. No caso de alguns dispositivos, como o disco rígido, o escalonamento das requisições tem um impacto ainda maior no desempenho que o escalonamento do processador. A denominação dos dispositivos é outro serviço importante desta camada. Dispositivos precisam ser acessados no sistema através de algum identificador. Esta camada se encarrega de atribuir identificadores únicos a cada dispositivo. No Unix, por exemplo, cada dispositivo é identificado por dois números, chamados de minor e major. O major é um número que identifica o tipo do dispositivo (e.g., se é um dispositivo de rede, de armazenamento em massa), enquanto o minor identifica o dispositivo entre os vários pertencentes àquele tipo. A buferização é outro serviço com grande impacto no desempenho. Em geral, dispositivos de E/S tem um tamanho ideal de bloco para leitura ou escrita. Por exemplo, um disco rígido em geral é acessado para leitura ou escrita em blocos de alguns kbytes. Quando escrevemos um programa, no entanto, é comum que queiramos ler apenas um byte por vez. Embora seja possível fazer a leitura de um único byte por vez do disco rígido, isso é muito ineficiente (quando estudarmos o escalonamento deste dispositivo de E/S, isso ficará evidente). Logo, a

5 cada requisição de leitura do disco rígido, o SO lê ao menos um bloco completo. Os bytes a mais lidos do dispositivo são armazenados em um buffer interno do SO para posterior uso (se estes bytes forem eventualmente requisitados pelo usuário). O serviço de cache tem por objetivo armazenar em memória principal informações lidas dos dispositivos de entrada e saída que são frequentemente requisitadas. Por exemplo, suponha que haja um arquivo no sistema que seja requisitado para leitura por várias aplicações constantemente. Um exemplo disso, é um sistema servidor de banco de dados. Várias processos podem constantemente fazer consultas à base de dados que, por sua vez, armazena seus dados em um pequeno conjunto de arquivos. Neste caso, estes arquivos serão comumente requisitados, forçando o SO a fazer sucessivas requisições ao disco rígido para leitura dos mesmos dados. Como a operação de leitura do disco rígido é muito mais lenta que a leitura de dados da memória principal, o SO pode implementar uma política que reserve uma parte desta para cache de arquivos. Assim, após a primeira requisição de leitura de um determinado arquivo, este pode ser colocado em cache. Nas próximas requisições, o disco rígido não precisa ser acessado, pois os bytes já estarão disponíveis em memória. O serviço de cache é um dos grandes motivos pelos quais a quantidade de memória RAM tem uma influência tão grande no desempenho dos computadores modernos. Quanto mais memória RAM em um computador, mais informações o SO é capaz de armazenar em cache, reduzindo assim o tempo de acesso em operações de E/S. É claro que a manipulação deste serviço de cache tem uma série de complicações. Em primeiro lugar, a quantidade de memória principal disponível para esta cache é limitada. Logo, é preciso existir uma política para a entrada e saída de arquivos da cache. Além disso, o SO precisa ter cuidado com escritas no arquivo. Se um processo requisita uma escrita em um arquivo que está em cache, o SO precisa remover a cache ou atualizá-la com o novo estado do arquivo. O estudo destes mecanismos tem grande impacto no desempenho do SO, porém eles estão muito além do escopo desta disciplina. Existem dispositivos que não permitem múltiplos acessos ao mesmo tempo. Por exemplo, uma impressora pode atender a apenas uma requisição por vez. Neste caso, o SO deve gerenciar o acesso a estes recursos. Uma das técnicas para a realização deste controle é a spooling. Esta técnica consiste na utilização de uma fila (chamada de spool) que armazena os pedidos de operações de E/S. Há um processo especial no SO que acessa este spool e realiza a requisição de E/S. Como um único processo remove as requisições do spool e realiza as operações de E/S, a utilização do dispositivo se torna sequencial. Um exemplo clássico deste método são os spools de impressão. Esta camada do subsistema de entrada e saída associa a cada dispositivo um conjunto de permissões. Estas permissões determinam quais usuários do sistema podem realizar quais tipos de acesso a cada dispositivo. Cada vez que um processo de um usuário tenta realizar uma determinada operação sobre um dispositivo de E/S, as permissões são verificadas e o acesso é permitido ou não.

6 Finalmente, esta camada provê também um serviço de aviso sobre condições de erro. Por exemplo, se o dispositivo de E/S reporta um erro ao tentar atender a uma requisição de um usuário, esta camada deve, de alguma forma, avisar ao processo que fez a requisição que esta falhou. Idealmente, o processo deve ainda ser avisado dos motivos da falha. Existem falhas que são irrecuperáveis, como um erro físico no dispositivo, que parou de responder. Outras falhas são chhamadas de transientes, porque são apenas momentâneas. Por exemplo, o dispositivo está ocupado naquele momento e não pode atender à requisição realizada. Neste caso, o processo pode fazer novas tentativas, até que a requisição tenha sucesso. 4. E/S no Nível do Usuário Para o usuário (ou para um programador), o SO deve fornecer um conjunto de rotinas que permitam acesso aos dispositivos de E/S. Todas as operações suportadas por um dispositivo devem estar disponíveis ao usuário através do SO. Do ponto de vista do SO, esta disponibilização é feita através de chamadas do sistema. Quando um processo deseja realizar uma operação de E/S, ele deve realizar a chamada de sistema correspondente. Isso dispara uma interrupção de software que, por sua vez, aciona o SO. O SO lê os parâmetros da chamada de sistema, que especificam o dispositivo de E/S desejado e as informações relevantes à operação de entrada e saída. No entanto, quando escrevemos um programa é comum não utilizarmos diretamente as chamadas de sistema. Ao invés disso, utiliza-se um conjunto de funções e estruturas de dados providas por uma biblioteca ou pela própria linguagem de programação. O compilador da linguagem ou a biblioteca em questão se encarregam de fazer a tradução destas funções e estruturas para as chamadas de sistema correspondentes. Isso simplifica bastante a execução de requisições de E/S, além de auxiliar em muitos casos na portabilidade do código de um SO para outro (linguagens como Java e Python, por exemplo, permitem que o mesmo código seja utilizado em várias plataformas sem qualquer alteração). Do ponto de vista do programador, existem alguns métodos diferentes para a realização de uma operação de E/S. O método mais comum é a operação bloqueante. Em uma operação de E/S bloqueante, o processo é bloqueado enquanto a requisição de entrada e saída não é atendida. Por exemplo, se um processo requisita a leitura de dados a partir da placa de rede utilizando o método bloqueante, este será bloqueado até que os dados sejam recebidos pela interface de rede. Por outro lado, é possível requisitar ao SO que as operações de E/S sejam não bloqueantes. No caso de uma leitura não bloqueante, por exemplo, sempre que o processo requisita uma operação de E/S, o SO verifica quais dados estão disponíveis naquele momento e os retorna imediatamente para o processo. No exemplo anterior, da leitura de dados a partir da placa de rede, se o dado requisitado pelo processo ainda não tiver sido recebido pela placa, o SO avisará imediatamente ao processo que não há informações a serem recebidas e este prosseguirá com a sua execução. Eventualmente, o processo pode realizar uma nova requisição.

7 Há ainda um terceiro modo de operação chamado de assíncrono. O modo assíncrono é similar ao modo não bloqueante, no sentido de que ambos fazem com que o processo continue em execução, mesmo que a requisição de E/S não esteja imediatamente pronta. A diferença do modo assíncrono é que o SO avisa ao processo quando sua requisição foi concluída (ou seja, o processo não tem que repetir sua requisição, como no modo não bloqueante). Este aviso pode ser implementado de várias formas, como através de interrupções (o SO interrompe a execução normal do processo e passa a execução para uma função especial do programa chamada de Tratador de Sinal) ou através de polling (o processo de tempos em tempos pergunta ao SO se a sua requisição está completa).

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Software Sistema de Entrada/Saída Princípios de Software Tratadores (Manipuladores) de Interrupções Acionadores de Dispositivos (Device Drivers)

Leia mais

Notas da Aula 4 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 4 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 4 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Threads Threads são linhas de execução dentro de um processo. Quando um processo é criado, ele tem uma única linha de execução, ou thread. Esta

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Hardware Sistema de Entrada/Saída Visão Geral Princípios de Hardware Dispositivos de E/S Estrutura Típica do Barramento de um PC Interrupções

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 2-1. PRINCÍPIOS DE SOFTWARE DE ENTRADA E SAÍDA (E/S) As metas gerais do software de entrada e saída é organizar o software como uma série de camadas, com as mais baixas preocupadas em esconder as

Leia mais

Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos

Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul UEMS Curso de Licenciatura em Computação Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos Prof. José Gonçalves Dias Neto profneto_ti@hotmail.com Introdução A gerência

Leia mais

SW DE E/S INDEPENDENTE DE DISPOSITIVO

SW DE E/S INDEPENDENTE DE DISPOSITIVO SOFTWARE AO NÍVEL DO USUÁRIO SOFTWARE INDEPENDENTE DE DISPOSITIVOS ACIONADORES DE DISPOSITIVOS (DRIVERS) TRATAMENTO DE INTERRUPÇÕES HARDWARE FUNÇÕES: INTERFACE UNIFORME PARA OS DRIVERS USO DE BUFFERS INFORMAÇÃO

Leia mais

Sistemas Operacionais Entrada / Saída. Carlos Ferraz (cagf@cin.ufpe.br) Jorge Cavalcanti Fonsêca (jcbf@cin.ufpe.br)

Sistemas Operacionais Entrada / Saída. Carlos Ferraz (cagf@cin.ufpe.br) Jorge Cavalcanti Fonsêca (jcbf@cin.ufpe.br) Sistemas Operacionais Entrada / Saída Carlos Ferraz (cagf@cin.ufpe.br) Jorge Cavalcanti Fonsêca (jcbf@cin.ufpe.br) Tópicos Princípios do hardware de E/S Princípios do software de E/S Camadas do software

Leia mais

Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger

Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger O controle da entrada e saída (E/S ou I/O, input/output) de dados dos dispositivos é uma das funções principais de um sistema operacional.

Leia mais

E/S PROGRAMADA E/S PROGRAMADA E/S USANDO INTERRUPÇÃO

E/S PROGRAMADA E/S PROGRAMADA E/S USANDO INTERRUPÇÃO E/S PROGRAMADA QUANDO A CPU FAZ TODO O TRABALHO RELACIONADO A UMA OPERAÇÃO DE E/S, NO CASO DO PROCESSO QUERER IMPRIMIR (NA IMPRESSORA) ABCDEFGH : ESTES CARACTERES SÃO COLOCADOS EM UMA ÁREA DE MEMÓRIA DO

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA

SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA 1. INTRODUÇÃO O conceito de concorrência é o princípio básico para o projeto e a implementação dos sistemas operacionais multiprogramáveis. O sistemas multiprogramáveis

Leia mais

Gerenciador de Entrada/Saída

Gerenciador de Entrada/Saída Universidade Federal do ABC BC 1518 - Sistemas Operacionais (SO) Gerenciador de Entrada/Saída (aula 11) Prof. Marcelo Zanchetta do Nascimento Roteiro Princípios básicos de hardware de E/S; Operações dos

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Módulo 4 - ENTRADAS E SAIDAS Uma das principais funções dos sistemas operacionais é controlar os dispositivos de entrada e saída (E/S ou I/O). O Sistema Operacional deve ser capaz de enviar comandos

Leia mais

ESTUDO DE CASO WINDOWS VISTA

ESTUDO DE CASO WINDOWS VISTA ESTUDO DE CASO WINDOWS VISTA História Os sistemas operacionais da Microsoft para PCs desktop e portáteis e para servidores podem ser divididos em 3 famílias: MS-DOS Windows baseado em MS-DOS Windows baseado

Leia mais

Gerência de Entrada/Saída

Gerência de Entrada/Saída Gerência de Entrada/Saída Prof Clodoaldo Ap Moraes Lima 1 Princípios básicos de hardware Periférico é um dispositivo conectado a um computador de forma a possibilitar sua interação com o mundo externo

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 6 Estrutura de Sistemas Operacionais Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Baseado no material disponibilizado por: SO - Prof. Edilberto Silva Prof. José Juan Espantoso

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com OBJETIVOS Descrever os serviços que um sistema operacional oferece aos usuários e outros sistemas

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Gerenciamento de Memória: Introdução O gerenciamento de memória é provavelmente a tarefa mais complexa de um sistema operacional multiprogramado.

Leia mais

Notas da Aula 6 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 6 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Monitores Notas da Aula 6 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Embora os semáforos sejam uma boa solução para o problema da exclusão mútua, sua utilização não é trivial. O programador é obrigado a

Leia mais

2. Introdução aos Sistemas Operacionais

2. Introdução aos Sistemas Operacionais 2. Introdução aos Sistemas Operacionais O que é um Sistema Operacional? 1 Compilador 2 Editor de texto 3 Browser Aplicativos... Sistema Operacional (infraestrutura) Hardware n Quake No passado, a eficiência

Leia mais

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Sistemas Operacionais 2014 Introdução Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Roteiro Sistemas Operacionais Histórico Estrutura de SO Principais Funções do SO Interrupções Chamadas de Sistema

Leia mais

CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA

CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA 8 CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA A porta paralela, também conhecida por printer port ou Centronics e a porta serial (RS-232) são interfaces bastante comuns que, apesar de estarem praticamente

Leia mais

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional O conteúdo deste documento tem por objetivo apresentar uma visão geral

Leia mais

Programação Concorrente Processos e Threads

Programação Concorrente Processos e Threads Programação Concorrente Processos e Threads Prof. Eduardo Alchieri Processos O conceito mais central em qualquer sistema operacional é o processo Uma abstração de um programa em execução Um programa por

Leia mais

Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO

Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Conceitos básicos e serviços do Sistema Operacional Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Tipos de serviço do S.O. O S.O.

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES 01001111 01110010 01100111 01100001 01101110 01101001 01111010 01100001 11100111 11100011 01101111 00100000 01100100 01100101 00100000 01000011 01101111 01101101 01110000 01110101 01110100 01100001 01100100

Leia mais

Desenvolvimento para Sistemas Embarcados (CEA 513) Conceitos Gerais

Desenvolvimento para Sistemas Embarcados (CEA 513) Conceitos Gerais Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Computação e Sistemas - DECSI Desenvolvimento para Sistemas Embarcados (CEA 513) Conceitos Gerais Vicente Amorim vicente.amorim.ufop@gmail.com Sumário

Leia mais

Introdução aos Sistemas

Introdução aos Sistemas Introdução Introdução aos Sistemas Operacionais 1 2 3... n Ambientes Operacionais Prof. Simão Sirineo Toscani stoscani@inf.pucrs.br www.inf.pucrs.br/~stoscani Compilador Editor de texto Browser Programas

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores

Organização e Arquitetura de Computadores Organização e Arquitetura de Computadores Entrada e saída Alexandre Amory Edson Moreno Nas Aulas Anteriores Foco na Arquitetura e Organização internas da Cleo Modelo Von Neuman Circuito combinacional Circuito

Leia mais

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Aula passada Threads Threads em SDs Processos Clientes Processos Servidores Aula de hoje Clusters de Servidores Migração de Código Comunicação (Cap. 4) Fundamentos

Leia mais

BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EaD UAB/UFSCar Sistemas de Informação - prof. Dr. Hélio Crestana Guardia

BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EaD UAB/UFSCar Sistemas de Informação - prof. Dr. Hélio Crestana Guardia O Sistema Operacional que você usa é multitasking? Por multitasking, entende-se a capacidade do SO de ter mais de um processos em execução ao mesmo tempo. É claro que, num dado instante, o número de processos

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO INSTITUTO POLITÉCNICO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas Operacionais Notas de Aulas: Tópicos 7 e 8 Estrutura do Sistema Operacional São Paulo 2009 1 Sumário

Leia mais

discos impressora CPU memória AULA 04 - Estruturas de Sistemas Computacionais Operação dos sistemas de computação Controlador de disco

discos impressora CPU memória AULA 04 - Estruturas de Sistemas Computacionais Operação dos sistemas de computação Controlador de disco AULA 04 - Estruturas Sistemas Computacionais Nosso objetivo é apenas revisar conceitos relacionados a estrutura geral um sistema computacional para pois explicarmos os talhes operação do sistema e como

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Projeto de Arquitetura Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 11 Slide 1 Objetivos Apresentar projeto de arquitetura e discutir sua importância Explicar as decisões de projeto

Leia mais

Entrada e Saída. Interface entre periféricos, processador e memória. Fonte: Minho - Portugal 1

Entrada e Saída. Interface entre periféricos, processador e memória. Fonte: Minho - Portugal 1 Entrada e Saída Interface entre periféricos, processador e memória Fonte: Minho - Portugal 1 Ligação Processador/Memória - Periférico Processador Memória Controlo Dados Controlador Fonte: Minho - Portugal

Leia mais

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Sistemas Distribuídos Ciência da Computação Prof. Jesus José de Oliveira Neto Comunicação Inter-Processos Sockets e Portas Introdução Sistemas distribuídos consistem da comunicação entre processos

Leia mais

Comunicação em Sistemas Distribuídos. Conceitos: Paradigma C/S. Conceitos: Paradigma C/S. Paradigma Cliente/Servidor

Comunicação em Sistemas Distribuídos. Conceitos: Paradigma C/S. Conceitos: Paradigma C/S. Paradigma Cliente/Servidor Comunicação em Sistemas Distribuídos Paradigma / Os processos em um SD estão lógica e fisicamente separados. Precisam se comunicar para que possam interagir O desempenho de um SD depende criticamente do

Leia mais

Entrada e Saída. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Entrada e Saída. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Entrada e Saída Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Dispositivos Externos; E/S Programada; E/S Dirigida por Interrupção; Acesso Direto à Memória; Bibliografia. Prof. Leonardo Barreto Campos

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 1. Cursos de Computação

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 1. Cursos de Computação Cursos de Computação Sistemas Operacionais Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 1 Referência: MACHADO, F.B. ; MAIA, L.P. Arquitetura de Sistemas Operacionais. 4.ed. LTC,

Leia mais

Considerações no Projeto de Sistemas Cliente/Servidor

Considerações no Projeto de Sistemas Cliente/Servidor Cliente/Servidor Desenvolvimento de Sistemas Graça Bressan Graça Bressan/LARC 2000 1 Desenvolvimento de Sistemas Cliente/Servidor As metodologias clássicas, tradicional ou orientada a objeto, são aplicáveis

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN SISTEMAS OPERACIONAIS Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN 1.0 O Sistema Operacional como uma Máquina Virtual A arquitetura (conjunto de instruções, organização de memória, E/S e estrutura

Leia mais

1º Estudo Dirigido. Capítulo 1 Introdução aos Sistemas Operacionais

1º Estudo Dirigido. Capítulo 1 Introdução aos Sistemas Operacionais 1º Estudo Dirigido Capítulo 1 Introdução aos Sistemas Operacionais 1. Defina um sistema operacional de uma forma conceitual correta, através de suas palavras. R: Sistemas Operacionais são programas de

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Questões Em uma rede de sobreposição (overlay), mensagens são roteadas de acordo com a topologia da sobreposição. Qual uma importante desvantagem

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 5 Estrutura de Sistemas de Computação Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Baseado no material disponibilizado por: SO - Prof. Edilberto Silva Prof. José Juan Espantoso

Leia mais

Sistemas Operacionais. Roteiro. Hardware. Marcos Laureano

Sistemas Operacionais. Roteiro. Hardware. Marcos Laureano Sistemas Operacionais Marcos Laureano 1/25 Roteiro Estrutura de um sistema operacional Interrupções Proteção do núcleo Níveis de privilégio Chamadas de sistema 2/25 Mono-processadores atuais seguem um

Leia mais

Organização de Computadores 1

Organização de Computadores 1 Organização de Computadores 1 4 SUPORTE AO SISTEMA OPERACIONAL Prof. Luiz Gustavo A. Martins Sistema Operacional (S.O.) Programa responsável por: Gerenciar os recursos do computador. Controlar a execução

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Processos- Clientes, Servidores, Migração Capítulo 3 Agenda Clientes Interfaces de usuário em rede Sistema X Window Software do lado cliente para

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 04 - Concorrência. Cursos de Computação

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 04 - Concorrência. Cursos de Computação Cursos de Computação Sistemas Operacionais Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira Aula 04 - Concorrência Referência: MACHADO, F.B. ; MAIA, L.P. Arquitetura de Sistemas Operacionais. 4.ed. LTC, 2007. Mono x Multiprogramação

Leia mais

IFPE. Disciplina: Sistemas Operacionais. Prof. Anderson Luiz Moreira

IFPE. Disciplina: Sistemas Operacionais. Prof. Anderson Luiz Moreira IFPE Disciplina: Sistemas Operacionais Prof. Anderson Luiz Moreira SERVIÇOS OFERECIDOS PELOS SOS 1 Introdução O SO é formado por um conjunto de rotinas (procedimentos) que oferecem serviços aos usuários

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Entrada e Saída Drivers e s Norton Trevisan Roman Marcelo Morandini Jó Ueyama Apostila baseada nos trabalhos de Kalinka Castelo Branco, Antônio Carlos Sementille, Luciana A. F. Martimiano

Leia mais

Prof.: Roberto Franciscatto. Capítulo 1.1 Introdução

Prof.: Roberto Franciscatto. Capítulo 1.1 Introdução Sistemas Operacionais Prof.: Roberto Franciscatto Capítulo 1.1 Introdução Tipos de Sistemas Operacionais Sistemas Monoprogramáveis / Monotarefa Voltados tipicamente para a execução de um único programa.

Leia mais

Processos e Threads (partes I e II)

Processos e Threads (partes I e II) Processos e Threads (partes I e II) 1) O que é um processo? É qualquer aplicação executada no processador. Exe: Bloco de notas, ler um dado de um disco, mostrar um texto na tela. Um processo é um programa

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 5 PROCESSOS 1. INTRODUÇÃO Em sistemas distribuídos é importante examinar os diferentes tipos de processos e como eles desempenham seu papel. O conceito de um processo é originário do campo de sistemas

Leia mais

TABELA DE EQUIVALÊNCIA FECOMP Curso de Engenharia de Computação

TABELA DE EQUIVALÊNCIA FECOMP Curso de Engenharia de Computação TABELA DE EQUIVALÊNCIA FECOMP Curso de Engenharia de Computação Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 66303 ESTRUTURA DE DADOS I 68/0 ENG. DE

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS 2007

SISTEMAS OPERACIONAIS 2007 SISTEMAS OPERACIONAIS 2007 VISÃO GERAL Sumário Conceito Máquina de Níveis Conceituação de SO Componentes do SO Visões do SO Conceito de Sistemas O que se espera de um sistema de computação? Execução de

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Operacionais Machado/Maia. Arquitetura de Sistemas

Arquitetura de Sistemas Operacionais Machado/Maia. Arquitetura de Sistemas Arquitetura de Sistemas Operacionais Capítulo 4 Estrutura do Sistema Operacional Cap. 4 Estrutura do Sistema 1 Sistemas Operacionais Pitágoras Fadom Divinópolis Material Utilizado na disciplina Sistemas

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais

Fundamentos de Sistemas Operacionais Fundamentos de Sistemas Operacionais Aula 16: Entrada e Saída: Estudo de Caso Diego Passos Última Aula Software de Entrada e Saída. Subsistema de E/S. Conjunto de camadas de abstração para realização de

Leia mais

Estudo de Caso 2: Windows Vista

Estudo de Caso 2: Windows Vista Faculdades Integradas de Mineiros Curso de Sistemas de Informação Sistemas Operacionais II Estudo de Caso 2: Windows Vista Grupo 4 Helder / Wagner / Frantyeis Junho/2010 O Windows usa uma estratégia Just-In-Time

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores Introdução aos Sistemas Operacionais O que é um Sistema Operacional? Programa que atua como um intermediário entre um usuário do computador ou um programa e o hardware. Os 4

Leia mais

Arquitetura dos Sistemas Operacionais

Arquitetura dos Sistemas Operacionais Arquitetura dos Sistemas Operacionais Arquitetura de um Sistema Operacional Basicamente dividido em shell é a interface entre o usuário e o sistema operacional é um interpretador de comandos possui embutido

Leia mais

Figura 01 Kernel de um Sistema Operacional

Figura 01 Kernel de um Sistema Operacional 01 INTRODUÇÃO 1.5 ESTRUTURA DOS SISTEMAS OPERACIONAIS O Sistema Operacional é formado por um Conjunto de rotinas (denominado de núcleo do sistema ou kernel) que oferece serviços aos usuários e suas aplicações

Leia mais

AULA 13 - Gerência de Memória

AULA 13 - Gerência de Memória AULA 13 - Gerência de Memória omo sabemos, os computadores utilizam uma hierarquia de memória em sua organização, combinando memórias voláteis e não-voláteis, tais como: memória cache, memória principal

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 4 Tipos de SO Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br SO - Prof. Edilberto Silva Os Sistemas Operacionais podem ser assim classificados: SO - Prof. Edilberto Silva

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Gerência de processos Controle e descrição de processos Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Sumário Representação e controle de processos pelo SO Estrutura

Leia mais

Visão Geral de Sistemas Operacionais

Visão Geral de Sistemas Operacionais Visão Geral de Sistemas Operacionais Sumário Um sistema operacional é um intermediário entre usuários e o hardware do computador. Desta forma, o usuário pode executar programas de forma conveniente e eficiente.

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS II ESPECIFICAÇÃO CAMADA INDEPENDENTE

SISTEMAS OPERACIONAIS II ESPECIFICAÇÃO CAMADA INDEPENDENTE ANDRÉ LUCHESI CESAR HENRIQUE KÁLLAS SISTEMAS OPERACIONAIS II ESPECIFICAÇÃO CAMADA INDEPENDENTE Pontifícia Universidade Católica de Campinas Faculdade de Engenharia de Computação Turma III Grupo 9 Agosto

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Computacionais Introdução

Fundamentos de Sistemas Computacionais Introdução Fundamentos de Sistemas Computacionais Introdução Prof. Eduardo Alchieri Sistema Computacional Hardware Software Usuários Um ou mais processadores, memória, discos, impressoras, teclado, mouse, monitor,

Leia mais

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade IV Sistema de arquivos. Prof. Valeria M. Bastos Prof. Antonio Carlos Gay Thomé 13/06/2012 1

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade IV Sistema de arquivos. Prof. Valeria M. Bastos Prof. Antonio Carlos Gay Thomé 13/06/2012 1 UFRJ IM - DCC Sistemas Operacionais I Unidade IV Sistema de arquivos Prof. Valeria M. Bastos Prof. Antonio Carlos Gay Thomé 13/06/2012 1 ORGANIZAÇÃO DA UNIDADE Sistema de Arquivos Gerenciamento de E/S

Leia mais

Sistemas Operacionais I Parte III Estrutura dos SOs. Prof. Gregorio Perez gregorio@uninove.br 2007. Roteiro. Componentes do Sistema

Sistemas Operacionais I Parte III Estrutura dos SOs. Prof. Gregorio Perez gregorio@uninove.br 2007. Roteiro. Componentes do Sistema Sistemas Operacionais I Parte III Estrutura dos SOs Prof. Gregorio Perez gregorio@uninove.br 2007 Roteiro Serviços Estrutura dos Sistemas Operacionais Funções do Sistema Operacional Chamadas do Sistema

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Sistemas Operacionais IV

Arquitetura de Computadores. Sistemas Operacionais IV Arquitetura de Computadores Sistemas Operacionais IV Introdução Multiprogramação implica em manter-se vários processos na memória. Memória necessita ser alocada de forma eficiente para permitir o máximo

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Tipos de Instruções

Arquitetura de Computadores. Tipos de Instruções Arquitetura de Computadores Tipos de Instruções Tipos de instruções Instruções de movimento de dados Operações diádicas Operações monádicas Instruções de comparação e desvio condicional Instruções de chamada

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 13 Gerência de Memória Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Baseado no material disponibilizado por: SO - Prof. Edilberto Silva Prof. José Juan Espantoso Sumário

Leia mais

Mecanismo de Interrupção

Mecanismo de Interrupção Mecanismo de Interrupção Paralelismo de Operação Num sistema multiprogramado a CPU está sempre apta a compartilhar o seu tempo entre os vários programas e os diferentes dispositivos periféricos que necessitam

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS

SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMAS OPERACIONAIS Arquitetura Sistemas Operacionais Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br Plano de Aula Sistemas monolíticos Sistemas em camadas Sistemas micro-núcleo Modelo Cliente-Servidor Máquinas

Leia mais

Infraestrutura de Hardware. Entrada/Saída: Comunicação Processador, Memória e E/S

Infraestrutura de Hardware. Entrada/Saída: Comunicação Processador, Memória e E/S Infraestrutura de Hardware Entrada/Saída: Comunicação Processador, Memória e E/S Perguntas que Devem ser Respondidas ao Final do Curso Como um programa escrito em uma linguagem de alto nível é entendido

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Prof. Jó Ueyama Apresentação baseada nos slides da Profa. Dra. Kalinka Castelo Branco, do Prof. Dr. Antônio Carlos Sementille, da Profa. Dra. Luciana A. F. Martimiano e nas transparências

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais SISTEMAS DE ARQUIVOS MACHADO/MAIA: CAPÍTULO 11 Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional SISTEMAS DE ARQUIVOS - INTRODUÇÃO O armazenamento e a recuperação de informações é

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Aula 4 Msc. Daniele Carvalho Oliveira Doutoranda em Ciência da Computação - UFU Mestre em Ciência da Computação UFU Bacharel em Ciência da Computação - UFJF Migração de Código Em

Leia mais

1.2 Tipos de Sistemas Operacionais

1.2 Tipos de Sistemas Operacionais 1.2 Tipos de Operacionais Tipos de Operacionais Monoprogramáveis/ Monotarefa Multiprogramáveis/ Multitarefa Com Múltiplos Processadores 1.2.1 Monoprogramáveis/Monotarefa Os primeiros sistemas operacionais

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores

Organização e Arquitetura de Computadores Organização e Arquitetura de Computadores MemóriaVirtual Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Gerência de memória convencional Divide um programa em unidades menores Partes

Leia mais

Tópicos em Sistemas Distribuídos. Modelos de Comunicação

Tópicos em Sistemas Distribuídos. Modelos de Comunicação Tópicos em Sistemas Distribuídos Modelos de Comunicação Comunicação em SD Comunicação entre processos Sockets UDP/TCP Comunicação em grupo Broadcast Multicast Comunicação entre processos Conceitos básicos

Leia mais

Infraestrutura de Hardware. Memória Virtual

Infraestrutura de Hardware. Memória Virtual Infraestrutura de Hardware Memória Virtual Perguntas que Devem ser Respondidas ao Final do Curso Como um programa escrito em uma linguagem de alto nível é entendido e executado pelo HW? Qual é a interface

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 01 - Introdução Edirlei Soares de Lima O que é um sistema operacional? Um computador moderno consiste em: Um ou mais processadores; Memória principal;

Leia mais

28/9/2010. Unidade de Controle Funcionamento e Implementação

28/9/2010. Unidade de Controle Funcionamento e Implementação Arquitetura de Computadores Unidade de Controle Funcionamento e Implementação Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense P.U.R.O. Operação da Unidade de Controle Unidade de controle: parte do

Leia mais

Arquitetura de Computadores para. Sistemas Operacionais. Sistemas Operacionais. Sumário

Arquitetura de Computadores para. Sistemas Operacionais. Sistemas Operacionais. Sumário Arquitetura de Computadores para Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores para Sistemas Operacionais Tecnologias em Informática 2o Semestre Sistemas Operacionais Prof. Cid R Andrade Sumário Conhecer

Leia mais

Integração de Sistemas Embebidos MECom :: 5º ano

Integração de Sistemas Embebidos MECom :: 5º ano Integração de Sistemas Embebidos MECom :: 5º ano Device Drivers em Linux - Introdução António Joaquim Esteves www.di.uminho.pt/~aje Bibliografia: capítulo 1, LDD 3ed, O Reilly DEP. DE INFORMÁTICA ESCOLA

Leia mais

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Threads e Migração de Processos

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Threads e Migração de Processos Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Threads e Migração de Processos Francisco José da Silva e Silva Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD) Departamento de Informática / UFMA http://www.lsd.deinf.ufma.br

Leia mais

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP Arquitetura TCP/IP Arquitetura TCP/IP INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP gatewa y internet internet REDE REDE REDE REDE Arquitetura TCP/IP (Resumo) É útil conhecer os dois modelos de rede TCP/IP e OSI. Cada

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 02: Introdução (Cont.), Visão Geral Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com O QUE É UM SISTEMA OPERACIONAL? Um programa que atua como um intermediário entre

Leia mais

Capítulo 8 Arquitetura de Computadores Paralelos

Capítulo 8 Arquitetura de Computadores Paralelos Capítulo 8 Arquitetura de Computadores Paralelos Necessidade de máquinas com alta capacidade de computação Aumento do clock => alta dissipação de calor Velocidade limitada dos circuitos => velocidade da

Leia mais

Estruturas do Sistema de Computação

Estruturas do Sistema de Computação Estruturas do Sistema de Computação Prof. Dr. José Luís Zem Prof. Dr. Renato Kraide Soffner Prof. Ms. Rossano Pablo Pinto Faculdade de Tecnologia de Americana Centro Paula Souza Estruturas do Sistema de

Leia mais