Avaliação das condições de conforto ambiental e eficiência energética dos edifícios e suas inter-relações

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Avaliação das condições de conforto ambiental e eficiência energética dos edifícios e suas inter-relações"

Transcrição

1 Avaliação das condições de conforto ambiental e eficiência energética dos edifícios e suas inter-relações Prof. Dr. Fernando Cremonesi, Profa. Dra. Roberta Kronka, Prof. Dr. Leonardo M. Monteiro, Prof. Dr. Walter Galvão

2 Questão Ambiental Edifício e Cidade: Materiais Água Energia Adequação da arquitetura ao clima Relação Conforto Ambiental x Eficiência Energética

3 Clima Frio Vernacular Clima Temperado Clima Quente e Úmido Clima Quente e Seco

4 Contemporâneo Centre Pompidou, Paris , Rogers & Piano Menil Collection, Houston , Renzo Piano Train Plataform, Waterloo-London 1993, Grimshaw and Partners Tokyo International Forum , Rafael Vinoly London City Hall , Norman Foster 30 St Mary Axe, London , Norman Foster

5 CIDADE E EDIFÍCIO AMBIENTE EXTERNO x AMBIENTE INTERNO OBJETIVO: QUALIDADE AMBIENTAL CONFORTO AMBIENTAL E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

6 Conforto Ambiental x Eficiência Energética Fatores fundamentais de projeto e gerenciamento 1. AUTOMAÇÃO DOS SISTEMAS 2. CONTROLE PELOS USUÁRIOS eficiência energética e maior vida útil dos sistemas satisfação do usuário

7 Consumo de energia No Brasil: 40-50% da energia elétrica -> OPERAÇÃO DE EDIFÍCIOS

8 Conforto Térmico Variáveis Ambientais Temperatura do ar Umidade Velocidade do ar Temperatura radiante Variáveis Pessoais Atividade Vestimentas

9 Índices de conforto Índices de Conforto: tendam englobar em um único fator todas as variáveis. Primeiros estudos: Comissão Americana de Ventilação em 1916 com objetivo de avaliar o rendimento do operário na indústria. Índice de conforto de Fanger: ISO 7730 (2005); ASHRAE 55 (2010); NBR Parte2 (2008) Modelo adaptativo: BS (2007); ASHRAE 55 (2010)

10 ESCALA DE CONFORTO DE FANGER

11 NBR Parte2 (2008) Verão (roupa típica 0,5 clo) Temperatura operativa e umidade relativa dentro da zona delimitada por: 22,5 C a 25,5 C e 65 %; 23,0 C a 26,0 C e 35 %. A velocidade média do ar (não direcional) na zona de ocupação não deve ultrapassar: 0,20 m/s para distribuição de ar convencional (grau de turbulência 30 % a 50 %); 0,25 m/s para distribuição de ar por sistema de fluxo de deslocamento (grau de turbulência inferior a 10 %). Inverno (roupa típica 0,9 clo) Temperatura operativa e umidade relativa dentro da zona delimitada por: 21,0 C a 23,5 C e 60 %; 21,5 C a 24,0 C e 30 %. A velocidade média do ar (não direcional) na zona de ocupação não deve ultrapassar: 0,15 m/s para distribuição de ar convencional (grau de turbulência 30 % a 50 %); 0,20 m/s para distribuição de ar por sistema de fluxo de deslocamento (grau de turbulência inferior a 10 %).

12 MODELO ADAPTATIVO

13 Conforto Luminoso Critérios para boa iluminação 1. Níveis Mínimos de Iluminância (Lux) dados pela Norma NBR Boa distribuição destes níveis pelo ambiente (boa uniformidade). 3. Não ofuscamento. 4. Boa reprodução de cor. 5. Boa aparência de cor.

14 Níveis de Iluminância Para atividade de leitura e escrita a norma brasileira NBR 5413 estipula: - no mínimo 300 lux - no máximo 750 lux O nível de iluminância vai depender: da idade dos usuários da necessidade de acuidade visual da refletância de fundo

15 Iluminação natural (NBR-15215) Eficiência energética e conforto visual. Conforto visual e bem-estar dos ocupantes. Luz natural: variabilidade e qualidades mais agradáveis e apreciadas relacionamento com o ambiente maior no qual estamos inseridos Aberturas: em geral, proporcionam contato visual com o mundo exterior e relaxamento do sistema visual.

16 CONFORTO quanto maior for o esforço de adaptação maior será sua sensação de desconforto

17 Interação entre processo projetual e avaliação das condições de conforto ambiental e eficiência energética dos edifícios e suas inter-relações

18 CENPES II da Petrobrás, Rio de Janeiro Arq. Zigbert Zanettini Projeto: 2005, Obra:

19

20 CENPES II: 1 Prédio Central 2 Laboratórios 3 Centro de Convenções 4 Realidade Virtual 5 Empreiterópolis 6 Oficinas 7 Orquidário 8 Planta Piloto 9 Restaurante 10 CENPES I

21 premissas de projeto 1. orientação solar adequada 2. forma arquitetônica: adequada aos condicionantes climáticos locais e padrão de uso para a minimização da carga térmica interna 3. material construtivo das superfícies opacas e transparentes: termicamente eficiente 4. superfícies envidraçadas: taxa de WWR (window wall ratio) adequada às condições de conforto térmico e luminoso internos 5. proteções Solares Externas: Adequadas às fachadas 6. ventilação Natural: Aproveitamento adequado dos ventos para resfriamento e renovação do ar interno 7. aproveitamento da Luz Natural 8. uso da vegetação 9. sistemas para uso racional de água e reuso 10. materiais de baixo impacto ambiental: dentro do conceito de desenvolvimento sustentável

22 fases de desenvolvimento do projeto de eco-eficiência fase 1 concurso 1.1ntegração das exigências de eco-eficiência ao partido arquitetônico: fase 2 consolidação das principais estratégias de projeto 2.1 efinição das condições ambientais de exposição ao clima: térmica e iluminação fase 3 avaliação do desempenho ambiental de edifícios e espaços abertos 3.1 edifícios: conforto térmico, luminoso e os impactos no consumo de energia 3.2 espaços abertos: conforto térmico fase 4 otimização do desempenho ambiental dos edifícios 4.1 estudo de alternativas para o projeto arquitetônico: 4.2 layout de ambientes, detalhamento e especificações

23 integrando arquitetura e estratégias para a eco-eficiência fase 1

24 diagnóstico climático preliminar e diretrizes de projeto J F M A M J J A S O N D Zona de conforto Ventilação Massa térmica Resfriamento ativo proteção solar 2. ventilação natural 3. cores claras 4. baixa inércia térmica

25 orientação e forma proteção solar, materiais, aberturas, vegetação e espaços abertos, energia

26 Ensaios preliminares de insolação do conjunto e da unidade dos laboratórios

27 ensaios preliminares de ventilação do conjunto Ensaios preliminares de ventos

28 consolidação das principais estratégias de projeto condições ambientais de exposição: clima, insolação, ventos, iluminação natural fase 2

29 40,0 35,0 50% N Temperatura do ar (ºC) 30,0 25,0 20,0 15,0 10,0 W N W 40% 30% 20% 10% 0% N E E 5,0 0, hora s a o longo do a no S W S E 1200 S Radiação Global (W/m2) hora s a o lo ng o do a n o ano típico dados provenientes da estação meteorológica do Galeão dados cedidos pelo Laboratório Master, IAG/USP.

30 45, 00 40, 00 35, 00 Temperatura d o ar (ºC) 30, 00 25, 00 20, 00 15, 00 10, 00 5, 00 0, hora s do m ê s de fe ve re iro de 2003 mês mais quente: fevereiro de Um idad e relativa (% ) hora s do m ê s de fe ve re iro de 2003

31 estudos de insolação do conjunto solstícios de inverno e de verão e equinócios

32 estudos de ventos no conjunto simulação de vento a 10 metros de altura simulação de vento no nível do pedestre

33 estudos de pressão e velocidade do vento nas envoltórias dos edifícios

34 avaliação do desempenho ambiental espaços abertos: conforto térmico edifícios: conforto térmico, luminoso e consumo de energia fase3

35 Espaços externos com toda radiação solar incidente e metade da ventilação natural (rv*) Espaços externos com metade da radiação solar incidente e metade da ventilação natural (r*v*) Espaços externos com toda radiação solar incidente e sem ventilação natural (r)

36 4 Paisagismo: Benedito Abbud

37 terraços do prédio central pátio do centro de convenções pátios dos laboratórios

38 zona de conforto para ambientes naturalmente ventilados Limites de Temperaturas Operativa Efetivas de para Conforto (t c ) - Rio RJ de Janeiro 32 Temperatura Operativa ( o C) Temperatura Efetiva ( C) Hora do ano Tc Temperatura de Conforto 90% Limite Superior sup. p/ 90% de satisfeitos 80% Limite Superior sup. p/ 80% de satisfeitos 90% Limite Inferior inf. p/ 90% de satisfeitos Limite inf. p/ 80% Inferior 80% de satisfeitos

39 avaliação preliminar do potencial de ventilação natural e aplicação da estratégia de modo misto laboratórios e ambientes de trabalho

40 Ta 24 o C UR 50% Ta 24 o C UR 60% UR:-10% = 7% 24% Ta:-2 o C = 20% Ta: -2 o C = 17% Ta 26 o C UR 50% Ta 26 o C UR 60% UR:-10% = 4%

41 Proteção solar edifício central

42 simulação da iluminação natural do prédio central, antes da definição do layout

43 otimização do desempenho ambiental dos edifícios estudo de alternativas para o projeto arquitetônico: layout, detalhamento e especificações fase4

44 Prédio central

45

46 prédio central pavimento 3 área de escritórios

47

48 Prédio central

49

50

51

52

53 Laboratórios

54

55 laboratórios - otimização da penetração da iluminação natural

56 simulação da iluminação natural nos laboratórios

57 Laboratórios

58

59

60

61 Empreiterópolis

62 empreiterópolis ambientes simulados

63

64 Empreiterópolis

65

66 Avaliação de conforto e energia 1) Objetivo da simulação 2) Seleção dos dados de entrada 3) Escala da simulação / Critérios de Avaliação 4) Interpretação dos dados de saída 5) Interação com o processo de projeto

67 Considerações Finais 1) Revisar os critérios de conforto 2) Reduzir a demanda por energia por meio do projeto arquitetônico 3) Utilização de sistemas tecnológicos mais eficientes 4) Introdução de geração de energia renovável para suprir a demanda 5) Conscientização de usuários e adequada operação do edifício

68 Referências ASHRAE-55:2010. Thermal Environmental Conditions for Human Occupancy. ABNT NBR :2005. Iluminação natural Parte 1: Conceitos básicos e definições ABNT NBR :2005. Iluminação natural Parte 2: Procedimentos de cálculo para a estimativa da disponibilidade de luz natural ABNT NBR :2005. Versão Corrigida:2007 Iluminação natural Parte 3: Procedimento de cálculo para a determinação da iluminação natural em ambientes internos ABNT NBR :2005. Iluminação natural Part 4: Verificação experimental das condições de iluminação interna de edificações - Método de medição ABNT NBR 5461:1991. Iluminação ABNT NBR 5382:1985. Verificação de iluminância de interiores ABNT NBR 5413:1992. Versão Corrigida: Iluminância de interiores DIN 12464:2003. Light and lighting - Lighting of work places (replaces DIN 5035:1990) ISO 7726:1998. Ergonomics of the thermal environment: instruments for measuring physical quantities. ISO 7730:2005. Ergonomics of the thermal environment: analytical determination and interpretation of thermal comfort using calculation of the PMV and PPD indices and local thermal comfort criteria.

Desempenho Térmico de Edificações: Parte 1: Definições, Símbolos e

Desempenho Térmico de Edificações: Parte 1: Definições, Símbolos e Janeiro 2003 Projeto 02:135.07-001 Desempenho térmico de edificações Parte 1: Definições, Símbolos e Unidades. Origem: 02:135.07-001:1998 CB-02- Comitê Brasileiro de Construçãivil CE-02:135.07 - Comissão

Leia mais

Desempenho Ambiental no Projeto de Arquitetura

Desempenho Ambiental no Projeto de Arquitetura Desempenho Ambiental no Projeto de Arquitetura SABESP 7ª Audiência de Sustentabilidade Construções Sustentáveis Profa. ROBERTA CONSENTINO KRONKA MÜLFARTH rkronka@usp.br LABAUT - Laboratório de Conforto

Leia mais

ANÁLISE DO CONFORTO TÉRMICO PARA O PERÍODO DE INVERNO NO HOSPITAL ESCOLA DE SÃO CARLOS

ANÁLISE DO CONFORTO TÉRMICO PARA O PERÍODO DE INVERNO NO HOSPITAL ESCOLA DE SÃO CARLOS ANÁLISE DO CONFORTO TÉRMICO PARA O PERÍODO DE INVERNO NO HOSPITAL ESCOLA DE SÃO CARLOS Marieli Azoia Lukiantchuki (1); Monica Faria de Almeida Prado (2); Rosana Maria Caram (3) (1) Departamento de Arquitetura

Leia mais

AUT 270 AULA 2 DESEMPENHO AMBIENTAL DA COBERTURA DA FAUUSP: CONFORTO TÉRMICO E ILUMINAÇÃO NATURAL

AUT 270 AULA 2 DESEMPENHO AMBIENTAL DA COBERTURA DA FAUUSP: CONFORTO TÉRMICO E ILUMINAÇÃO NATURAL AUT 270 AULA 2 DESEMPENHO AMBIENTAL DA COBERTURA DA FAUUSP: Professora Roberta Kronka Mulfarth Professora Joana Carla Soares Goncalves Arq. Johnny Klemke (Mestrando da FAUUSP) 1. COLOCAÇÃO DO PROBLEMA

Leia mais

ANÁLISE DO AMBIENTE TÉRMICO DA CANTINA DO BANCO DO BRASIL - AGÊNCIA TRINDADE

ANÁLISE DO AMBIENTE TÉRMICO DA CANTINA DO BANCO DO BRASIL - AGÊNCIA TRINDADE ANÁLISE DO AMBIENTE TÉRMICO DA CANTINA DO BANCO DO BRASIL - AGÊNCIA TRINDADE Chrystianne Goulart Mestranda do Dept. de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, Centro Tecnológico, Universidade Federal

Leia mais

Desempenho Térmico de edificações Aula 2: Conforto Térmico

Desempenho Térmico de edificações Aula 2: Conforto Térmico Desempenho Térmico de edificações PROFESSOR Roberto Lamberts ECV 5161 UFSC FLORIANÓPOLIS + humanas + ambientais + outras + balanço ter. + adaptativo + standard 55 estrutura variáveis cálculo 2 definição

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO E DO NÍVEL DE CO 2 EM EDIFÍCIOS DE ESCRITÓRIO COM CLIMATIZAÇÃO ARTIFICIAL NA CIDADE DE SÃO PAULO

AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO E DO NÍVEL DE CO 2 EM EDIFÍCIOS DE ESCRITÓRIO COM CLIMATIZAÇÃO ARTIFICIAL NA CIDADE DE SÃO PAULO AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO E DO NÍVEL DE CO 2 EM EDIFÍCIOS DE ESCRITÓRIO COM CLIMATIZAÇÃO ARTIFICIAL NA CIDADE DE SÃO PAULO Eliane H. Suzuki (1); Racine T. A. Prado (2) (1) Departamento de Engenharia

Leia mais

O USO DA VEGETAÇÃO COMO COBERTURA EM ESPAÇOS URBANOS ABERTOS: VERIFICAÇÃO COMPARATIVA EXPERIMENTAL DE CONFORTO TÉRMICO

O USO DA VEGETAÇÃO COMO COBERTURA EM ESPAÇOS URBANOS ABERTOS: VERIFICAÇÃO COMPARATIVA EXPERIMENTAL DE CONFORTO TÉRMICO RESUMO O USO DA VEGETAÇÃO COMO COBERTURA EM ESPAÇOS URBANOS ABERTOS: VERIFICAÇÃO COMPARATIVA EXPERIMENTAL DE CONFORTO TÉRMICO Leonardo Marques Monteiro (1); Marcia Peinado Alucci (2) (1) Departamento de

Leia mais

ESTUDO DO CONFORTO TÉRMICO EM RELAÇÃO ÀS POSSÍVEIS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO MUNICÍPIO DE OURINHOS

ESTUDO DO CONFORTO TÉRMICO EM RELAÇÃO ÀS POSSÍVEIS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO MUNICÍPIO DE OURINHOS ESTUDO DO CONFORTO TÉRMICO EM RELAÇÃO ÀS POSSÍVEIS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO MUNICÍPIO DE OURINHOS Débora Moreira de Souza 1, Jonas Teixeira Nery 1,2, Ana Cláudia Carfan 2 1 UNICAMP Campinas/São Paulo deborablosson@yahoo.com.br

Leia mais

cidades verdes OUTUBRO 2014

cidades verdes OUTUBRO 2014 cidades verdes ESPAÇOS DE QUALIDADE OUTUBRO 2014 Edifício Cidade Nova Universidade Petrobras 1987 Ano de Fundação Parque Madureira Rio+20 1999 2007 2010 Alinhamento com Agenda 21 1 o LEED NC Core & Shell

Leia mais

Eder Ricardo Voltani edervoltani@usp.br Eder Ricardo Voltani edervoltani@usp.br

Eder Ricardo Voltani edervoltani@usp.br Eder Ricardo Voltani edervoltani@usp.br AUT 190 AR CONDICIONADO PARA ARQUITETURA Eder Ricardo Voltani edervoltani@usp.br Eder Ricardo Voltani edervoltani@usp.br Sumário 1. INTRODUÇÃO 2. CARGA TÉRMICA 3. CICLO DE REFRIGERAÇÃO 4. EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

Leia mais

Fachadas para Alto Desempenho Ambiental

Fachadas para Alto Desempenho Ambiental Fachadas para Alto Desempenho Ambiental Contexto de Projeto e Aplicação Mônica Pereira Marcondes Arquiteta e Urbanista pela FAUUSP Mestre em Environment & Energy Studies, Architectural Association Graduate

Leia mais

ESTRUTURA DO CURSO 08:00-10:00 RTQ-R

ESTRUTURA DO CURSO 08:00-10:00 RTQ-R Método de Simulação Edifícios residenciais Roberto Lamberts, PhD Veridiana A. Scalco, Dra Gabriel Iwamoto Rogério Versage, MSc Apoio: Márcio Sorgato, Carolina Carvalho e Mariana G. Bottamedi Rio de Janeiro,

Leia mais

O conforto térmico como um processo de adaptação ambiental: repensando os padrões da habitação em São Paulo Joana Carla Soares Gonçalves

O conforto térmico como um processo de adaptação ambiental: repensando os padrões da habitação em São Paulo Joana Carla Soares Gonçalves O conforto térmico como um processo de adaptação ambiental: repensando os padrões da habitação em São Paulo Joana Carla Soares Gonçalves O conceito mais atual de conforto térmico é aquele que relaciona

Leia mais

USO DE VIDRO DUPLO E VIDRO LAMINADO NO BRASIL: AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ENERGÉTICO E CONFORTO TÉRMICO POR MEIO DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL

USO DE VIDRO DUPLO E VIDRO LAMINADO NO BRASIL: AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ENERGÉTICO E CONFORTO TÉRMICO POR MEIO DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL USO DE VIDRO DUPLO E VIDRO LAMINADO NO BRASIL: AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ENERGÉTICO E CONFORTO TÉRMICO POR MEIO DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL Priscila Besen (1) ; Fernando Simon Westphal (2) (1) Universidade

Leia mais

DETERMINAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE OPERAÇÃO DE UM SISTEMA DE CLIMATIZAÇÃO COM DISTRIBUIÇÃO DE AR PELO PISO PARA A MELHOR EFETIVIDADE DA VENTILAÇÃO

DETERMINAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE OPERAÇÃO DE UM SISTEMA DE CLIMATIZAÇÃO COM DISTRIBUIÇÃO DE AR PELO PISO PARA A MELHOR EFETIVIDADE DA VENTILAÇÃO DETERMINAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE OPERAÇÃO DE UM SISTEMA DE CLIMATIZAÇÃO COM DISTRIBUIÇÃO DE AR PELO PISO PARA A MELHOR EFETIVIDADE DA VENTILAÇÃO Renata Maria Marè (1); Brenda Chaves Coelho Leite (2) (1) Departamento

Leia mais

Realização: Parceiro:

Realização: Parceiro: Realização: Parceiro: Tecnologia de sistemas prediais disponível no Brasil atendendo requisitos de sustentabilidade. Eduardo Yamada Eng. Civil, Mestre em Engenharia, Gerente de Sistemas Prediais e Energia

Leia mais

CONFORTO TÉRMICO NA ESCOLA PÚBLICA EM CUIABÁ-MT: ESTUDO DE CASO

CONFORTO TÉRMICO NA ESCOLA PÚBLICA EM CUIABÁ-MT: ESTUDO DE CASO Volume 14, janeiro a junho de 2005. CONFORTO TÉRMICO NA ESCOLA PÚBLICA EM CUIABÁ-MT: ESTUDO DE CASO MARTA CRISTINA DE JESUS ALBUQUERQUE NOGUEIRA Depto. de Arquitetura e Urbanismo/FAET/UFMT E-mail: mcjan@terra.com.br

Leia mais

FIGUEIREDO, (1); FROTA,

FIGUEIREDO, (1); FROTA, 149 - Ventilação Natural para Conforto Térmico em Edifícios de Escritórios Avaliação com Modelos Adaptativos Natural Ventilation For Thermal Control In Office Buildings - Evaluation With Adaptive Models.

Leia mais

CONFORTO E STRESS TÉRMICO

CONFORTO E STRESS TÉRMICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO - DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL CONFORTO E STRESS TÉRMICO Professor Roberto Lamberts, PhD Atualizações: Prof. Antonio Augusto Xavier Prof. Solange

Leia mais

ANÁLISE PROJETUAL DA RESIDÊNCIA SMALL HOUSE TÓQUIO, JAPÃO.

ANÁLISE PROJETUAL DA RESIDÊNCIA SMALL HOUSE TÓQUIO, JAPÃO. UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO E DESIGN DISCIPLINA: CONFORTO AMBIENTAL 1 ANÁLISE PROJETUAL DA RESIDÊNCIA SMALL HOUSE TÓQUIO, JAPÃO. ARQUITETOS: KAZUYO SEJIMA E

Leia mais

CONFORTO TÉRMICO e STRESS TÉRMICO

CONFORTO TÉRMICO e STRESS TÉRMICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO. DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Laboratório de Eficiência Energética em Edificações CONFORTO TÉRMICO e STRESS TÉRMICO Elaborado por: Prof. Roberto

Leia mais

Avaliação do Conforto Térmico de Trabalhadores de uma Indústria Têxtil

Avaliação do Conforto Térmico de Trabalhadores de uma Indústria Têxtil Avaliação do Conforto Térmico de Trabalhadores de uma Indústria Têxtil Jonas Pedro Fabris (UFSC) jpfabris@hotmail.com.br R. Lamberts (UFSC) lamberts@ecv.ufsc.br Maria Emilia Camargo(UNISC) kamargo@terra.com.br

Leia mais

EFEITOS DA TEMPERATURA OPERATIVA E DO NÍVEL DE CO 2 NO CONSUMO DE ENERGIA EM AMBIENTES ARTIFICIALMENTE CLIMATIZADOS

EFEITOS DA TEMPERATURA OPERATIVA E DO NÍVEL DE CO 2 NO CONSUMO DE ENERGIA EM AMBIENTES ARTIFICIALMENTE CLIMATIZADOS EFEITOS DA TEMPERATURA OPERATIVA E DO NÍVEL DE CO 2 NO CONSUMO DE ENERGIA EM AMBIENTES ARTIFICIALMENTE CLIMATIZADOS Elaine G Ferreira (1) ; Eliane H Suzuki (2) ; Racine T A Prado (3) (1) Escola Politécnica

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE CONFORTO TÉRMICO EM EDIFÍCIOS DE HABITAÇÃO

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE CONFORTO TÉRMICO EM EDIFÍCIOS DE HABITAÇÃO CONSELHO DIRECTIVO Projecto Especial de Edificação Sustentável Proc. 5101/14/16598 AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE CONFORTO TÉRMICO EM EDIFÍCIOS DE HABITAÇÃO (lisboa e leiria) Verão de 2010 Projecto FCT n.º

Leia mais

Autor(es) ROSIMARY COUTO PAIXÃO. Orientador(es) ADRIANA PETITO DE ALMEIDA SILVA CASTRO. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1.

Autor(es) ROSIMARY COUTO PAIXÃO. Orientador(es) ADRIANA PETITO DE ALMEIDA SILVA CASTRO. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1. 19 Congresso de Iniciação Científica AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO DE COBERTURAS DE POLICARBONATO E ACRÍLICO: ESTUDO DE CASO NO CAMPUS DA UNIMEP EM SANTA BÁRBARA DOESTE Autor(es) ROSIMARY COUTO PAIXÃO

Leia mais

CONFORTO TÉRMICO UFMS CCET DEC. Curso de Arquitetura e Urbanismo

CONFORTO TÉRMICO UFMS CCET DEC. Curso de Arquitetura e Urbanismo CONFORTO TÉRMICO 01 / 46 UFMS CCET DEC Curso de Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Conforto Ambiental Profs: Ana Paula da Silva Milani, José Alberto Ventura Couto e Wagner Augusto Andreasi IMPORTÂNCIA

Leia mais

CREA SP GT ENGENHARIA E ARQUITETURA SUSTENTÁVEL NA AUTO CONSTRUÇÃO

CREA SP GT ENGENHARIA E ARQUITETURA SUSTENTÁVEL NA AUTO CONSTRUÇÃO RIO 92 CREA SP GT ENGENHARIA E ARQUITETURA SUSTENTÁVEL NA AUTO CONSTRUÇÃO O QUE É SUSTENTABILIDADE? TRATA-SE DE UM NOVO MODELO DE DESENVOLVIMENTO, QUE BUSCA COMPATIBILIZAR O ATENDIMENTO DAS NECESSIDADES

Leia mais

MAPEANDO AS CONDIÇÕES DE ADOR

MAPEANDO AS CONDIÇÕES DE ADOR MAPEANDO AS CONDIÇÕES DE CONFORTO O TÉRMICO EM SALVADOR ADOR Tereza Moura (1) Jussana Nery (1) (1; 2) Telma Andrade Lutz Katzschner (3) INTRODUÇÃO Salvador possui 2.7 milhões de habitantes distribuídos

Leia mais

COMPLEMENTAÇÃO DE LAUDO TÉCNICO NOVO PAVILHÃO DO PEA - CAD. 590

COMPLEMENTAÇÃO DE LAUDO TÉCNICO NOVO PAVILHÃO DO PEA - CAD. 590 COMPLEMENTAÇÃO DE LAUDO TÉCNICO NOVO PAVILHÃO DO PEA - CAD. 590 QUESITOS PROPOSTOS PELA PROMOTORIA: 1) O que é Tbu Tbs TG UR e var fl. 6 Tbu temperatura de bulbo úmido Tbs temperatura de bulbo seco TG

Leia mais

Estudo comparativo do comportamento térmico de quatro sistemas de cobertura. Um estudo experimental para a reação frente ao calor.

Estudo comparativo do comportamento térmico de quatro sistemas de cobertura. Um estudo experimental para a reação frente ao calor. Estudo comparativo do comportamento térmico de quatro sistemas de cobertura. Um estudo experimental para a reação frente ao calor. Francisco Vecchia Departamento de Hidráulica e Saneamento Escola de Engenharia

Leia mais

www.osram.pt Legislação e recomendações na iluminação

www.osram.pt Legislação e recomendações na iluminação www.osram.pt Legislação e recomendações na iluminação Paulo Dinis p.dinis@osram.pt novembro 2014 Introdução Elementos do projecto de iluminação Legislativa Normas & Leis Ecológica Ambiente & Consciencialização

Leia mais

PROJETO DE AMPLIAÇÃO DO CENPES Centro de Pesquisa da Petrobras. Autor: Siegbert Zanettini Co-autor: José Wagner Garcia

PROJETO DE AMPLIAÇÃO DO CENPES Centro de Pesquisa da Petrobras. Autor: Siegbert Zanettini Co-autor: José Wagner Garcia PROJETO DE AMPLIAÇÃO DO CENPES Centro de Pesquisa da Petrobras Autor: Siegbert Zanettini Co-autor: José Wagner Garcia PARTIDO ARQUITETÔNICO DIRETRIZES GERAIS O edital do concurso aliado ao interesse por

Leia mais

Insolvência de Edigaia - Imobiliária, S.A. Tribunal do Comércio de Vila Nova de Gaia - 2.º Juízo. Processo 635/10.3TYVNG

Insolvência de Edigaia - Imobiliária, S.A. Tribunal do Comércio de Vila Nova de Gaia - 2.º Juízo. Processo 635/10.3TYVNG . Tribunal do Comércio de Vila Nova de Gaia - 2.º Juízo Processo 635/10.3TYVNG Relatório de Análise / Avaliação dos Activos Imobiliários 1 Identificação do Cliente Massa Insolvente de Edigaia - Imobiliária,

Leia mais

É PERMITIDO O USO DE CALCULADORA PADRÃO NÃO MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA (CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NO CORPO

É PERMITIDO O USO DE CALCULADORA PADRÃO NÃO MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA (CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NO CORPO MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA (CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NO CORPO DE ENGENHEIROS DA MARINHA / CPCEM/2013) É PERMITIDO O USO DE CALCULADORA PADRÃO NÃO CIENTÍFICA E RÉGUA ESCALÍMETRO

Leia mais

Fundamentos de Engenharia Solar. Racine T. A. Prado

Fundamentos de Engenharia Solar. Racine T. A. Prado Fundamentos de Engenharia Solar Racine T. A. Prado Coletores Solares Um coletor solar é um tipo específico de trocador de calor que transforma energia solar radiante em calor. Duffie; Beckman Equação básica

Leia mais

2.1. A variável clima 23 2.1.1. Normais climatológicos 24

2.1. A variável clima 23 2.1.1. Normais climatológicos 24 Índice Índice de figuras e tabelas 11 Siglas, abreviaturas e unidades 15 Prefácio 17 Capítulo 1 Introdução 19 Capítulo 2 Enquadramento teórico 23 2.1. A variável clima 23 2.1.1. Normais climatológicos

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO DA QUADRA MULTIFUNCIONAL DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ, BRASIL.

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO DA QUADRA MULTIFUNCIONAL DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ, BRASIL. AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO DA QUADRA MULTIFUNCIONAL DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ, BRASIL. Adeildo Cabral da Silva, Professor-Pesquisador, Construção Civil, Centro Federal de

Leia mais

CONFORTO TÉRMICO. Módulo da Disciplina de Mestrado Métodos Instrumentais em Energia e Ambiente. Miguel P. N. Águas 2000/01

CONFORTO TÉRMICO. Módulo da Disciplina de Mestrado Métodos Instrumentais em Energia e Ambiente. Miguel P. N. Águas 2000/01 CONFORTO TÉRMICO Módulo da Disciplina de Mestrado Métodos Instrumentais em Energia e Ambiente Miguel P. N. Águas 2000/01 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 2 2. POLÍTICA ENERGÉTICA EM EDIFÍCIOS... 3 2.1 ANÁLISE DA

Leia mais

RISCOS ESTRATÉGIA ÃO: : COMO? 1. Descrição sucinta da situação de trabalho. separadamente e sucessivamente sobre. temperatura

RISCOS ESTRATÉGIA ÃO: : COMO? 1. Descrição sucinta da situação de trabalho. separadamente e sucessivamente sobre. temperatura ESTRATÉGIA DE PREVENÇÃ DS RISCS AMBIENTES TÉRMICS T DE TRABALH Professeur J. Malchaire ESTRATÉGIA Quando? Como? Custo? Nivel 2 BSERVAÇÃ todos os casos observações qualitativas baixo Nivel 3 ANÁLISE casos

Leia mais

Fachadas Bioclimáticas

Fachadas Bioclimáticas Fachadas Bioclimáticas Automatização para maior conforto ambiental e economia de energia Edifício tradicional da rede combate as cargas para garantir o conforto! Natural da rede Interna Cargas Consequências

Leia mais

Dimensionamento de Solar T. para aquecimento de Piscinas

Dimensionamento de Solar T. para aquecimento de Piscinas Dimensionamento de Solar T. para aquecimento de Piscinas Pedro Miranda Soares Dimensionamento de Sistemas Solares Térmicos para aquecimento de Piscinas No dimensionamento de colectores solares para aquecimento

Leia mais

Profa. Cláudia Naves David Amorim

Profa. Cláudia Naves David Amorim ABDEH -Associação Brasileira para o Desenvolvimento do Edifício Hospitalar Curso: Projeto de Hospitais Sustentáveis - 17 e 18 de abril -São Paulo Profa. Cláudia Naves David Amorim LACAM Laboratório de

Leia mais

Conforto térmico no ambiente de trabalho: avaliação das variáveis subjetivas da percepção do calor

Conforto térmico no ambiente de trabalho: avaliação das variáveis subjetivas da percepção do calor Conforto térmico no ambiente de trabalho: avaliação das variáveis subjetivas da percepção do calor Graciela Santos Joana Ferreira de Oliveira gra_joana@yahoo.com.br Marluce Teixeira Andrade Queiroz - marluce.queiroz@yahoo.com.br

Leia mais

Apresentação dos Requisitos Do Edital Inmetro nº 01/2011

Apresentação dos Requisitos Do Edital Inmetro nº 01/2011 Apresentação dos Requisitos Do Edital Inmetro nº 01/2011 Anexo B Especificações do simulador Eduardo Lopes Pesquisador-Tecnologista em Metrologia e Qualidade Objetivos Apresentar o simulador de pista com

Leia mais

RESUMO ABSTRACT. Palavras-chave: conforto térmico, ar condicionado, comparação entre sistemas de condicionamento de ar.

RESUMO ABSTRACT. Palavras-chave: conforto térmico, ar condicionado, comparação entre sistemas de condicionamento de ar. AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE CONFORTO TÉRMICO E DESCONFORTO LOCAL PARA DIFERENTES SISTEMAS DE CONDICIONAMENTO DE AR EM AMBIENTES DE ESCRITÓRIO UTILIZANDO MANEQUIM Victor B. Felix (1); Marcelo L. Pereira

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO EM HABITAÇÕES DE INTERESSE SOCIAL EM MADEIRA

AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO EM HABITAÇÕES DE INTERESSE SOCIAL EM MADEIRA AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO EM HABITAÇÕES DE INTERESSE SOCIAL EM MADEIRA Ricardo Dias Silva (1); Admir Basso () (1) DAU/UEL, e-mail: rdsilva@uel.br () EESC/USP, e-mail: admbasso@sc.usp.br RESUMO Este

Leia mais

CONTEÚDO 1. A BAC. 2. A Metodologia de trabalho. 3. Novas disciplinas / técnicas de construção nas estruturas e seus benefícios no projeto

CONTEÚDO 1. A BAC. 2. A Metodologia de trabalho. 3. Novas disciplinas / técnicas de construção nas estruturas e seus benefícios no projeto CONTEÚDO 1. A BAC 2. A Metodologia de trabalho 3. Novas disciplinas / técnicas de construção nas estruturas e seus benefícios no projeto 4. O uso do BIM 1. APRESENTAÇÃO DA BAC Empresa Catalana com 40 anos

Leia mais

OS REQUISITOS DE DESEMPENHO TÉRMICO DA NBR 15575 E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DO PROCEL SOB O PONTO DE VISTA DO PROJETO DE ARQUITETURA

OS REQUISITOS DE DESEMPENHO TÉRMICO DA NBR 15575 E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DO PROCEL SOB O PONTO DE VISTA DO PROJETO DE ARQUITETURA OS REQUISITOS DE DESEMPENHO TÉRMICO DA NBR 15575 E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DO PROCEL SOB O PONTO DE VISTA DO PROJETO DE ARQUITETURA Prof. ENEDIR GHISI UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Departamento

Leia mais

AVALIAÇÕES DE ESTRATÉGIAS BIOCLIMÁTICAS PRESENTES NA ARQUITETURA HABITACIONAL UNIFAMILIAR DO TRÓPICO ÚMIDO: A CASA ALDEIA VERDE EM MACEIÓ AL.

AVALIAÇÕES DE ESTRATÉGIAS BIOCLIMÁTICAS PRESENTES NA ARQUITETURA HABITACIONAL UNIFAMILIAR DO TRÓPICO ÚMIDO: A CASA ALDEIA VERDE EM MACEIÓ AL. AVALIAÇÕES DE ESTRATÉGIAS BIOCLIMÁTICAS PRESENTES NA ARQUITETURA HABITACIONAL UNIFAMILIAR DO TRÓPICO ÚMIDO: A CASA ALDEIA VERDE EM MACEIÓ AL. Wevila F. B. Correia (1); Gianna M. Barbirato (2) (1) DEHA

Leia mais

CONFORTO TÉRMICO PARA A CIDADE DE CURITIBA: FAIXA DE TEMPERATURAS DE CONFORTO ADAPTATIVO

CONFORTO TÉRMICO PARA A CIDADE DE CURITIBA: FAIXA DE TEMPERATURAS DE CONFORTO ADAPTATIVO CONFORTO TÉRMICO PARA A CIDADE DE CURITIBA: FAIXA DE TEMPERATURAS DE CONFORTO ADAPTATIVO THERMAL COMFORT TO CURITIBA CITY: ADAPTIVE COMFORT RANGE TEMPERATURES Helena Fernanda Graf (1) ; Sergio Fernando

Leia mais

AVALIAÇÃO NUMÉRICA DO DESEMPENHO TÉRMICO DO PRÉDIO SEDE DA PREFEITURA MUNICIPAL DE MARIANA - MG

AVALIAÇÃO NUMÉRICA DO DESEMPENHO TÉRMICO DO PRÉDIO SEDE DA PREFEITURA MUNICIPAL DE MARIANA - MG AVALIAÇÃO NUMÉRICA DO DESEMPENHO TÉRMICO DO PRÉDIO SEDE DA PREFEITURA MUNICIPAL DE MARIANA - MG Élen Silva Ataíde(1); Henor Artur de Souza(2) (1)Arquiteta, MSc. - Universidade Federal de Ouro Preto, DECAT/EM,

Leia mais

ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DE PRATELEIRAS DE LUZ EM EDIFÍCIO DE PESQUISAS DA UFAL, MACEIÓ-AL

ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DE PRATELEIRAS DE LUZ EM EDIFÍCIO DE PESQUISAS DA UFAL, MACEIÓ-AL ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DE PRATELEIRAS DE LUZ EM EDIFÍCIO DE PESQUISAS DA UFAL, MACEIÓ-AL Christhina Cândido (1); Simone Torres (2); Ricardo Cabús (3) (1) Bolsista CAPES, Mestrado em Dinâmicas do Espaço

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONFORTO E STRESS TÉRMICO EM UMA LAVANDERIA HOSPITALAR

AVALIAÇÃO DO CONFORTO E STRESS TÉRMICO EM UMA LAVANDERIA HOSPITALAR AVALIAÇÃO DO CONFORTO E STRESS TÉRMICO EM UMA LAVANDERIA HOSPITALAR João Batista Flesch e-mail: jbflesch@sinos.net Artigo elaborado a partir da disseratação de mestrado apresentada para obtenção do título

Leia mais

ILUMINAÇÃO NATURAL E SAÚDE EM SALAS DE AULA: A MELHORIA DO DESEMPENHO AMBIENTAL ATRAVÉS DO CONTROLE DA RADIAÇÃO SOLAR DIRETA NO IFSP-SP

ILUMINAÇÃO NATURAL E SAÚDE EM SALAS DE AULA: A MELHORIA DO DESEMPENHO AMBIENTAL ATRAVÉS DO CONTROLE DA RADIAÇÃO SOLAR DIRETA NO IFSP-SP ILUMINAÇÃO NATURAL E SAÚDE EM SALAS DE AULA: A MELHORIA DO DESEMPENHO AMBIENTAL ATRAVÉS DO CONTROLE DA RADIAÇÃO SOLAR DIRETA NO IFSP-SP Merielen Almeida 1 Erickson de Oliveira Ruiz 2 Valéria Azzi Collet

Leia mais

TELA DE APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA RADLITE VERSÃO 2.0

TELA DE APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA RADLITE VERSÃO 2.0 LOCALIZAÇÃO, PAVIMENTO TIPO, PLANTA BAIXA E CORTES DO APARTAMENTO A SER ANALISADO ORIENTAÇÃO: TELA DE APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA RADLITE VERSÃO 2.0 CLICANDO NA OPÇÃO (Info), APARECERÁ A TELA COM A SEGUINTE

Leia mais

Anand Subramanian Universidade Federal da Paraíba (UFPB). E-mail: anandsubraman@hotmail.com

Anand Subramanian Universidade Federal da Paraíba (UFPB). E-mail: anandsubraman@hotmail.com AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES TERMOAMBIENTAIS EM UMA FÁBRICA DE CERÂMICAS Anand Subramanian Universidade Federal da Paraíba (UFPB). E-mail: anandsubraman@hotmail.com Antonio Souto Coutinho Universidade Federal

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE CONFORTO AMBIENTAL EM AMBIENTES DE ESCRITÓRIO EM BLUMENAU SC

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE CONFORTO AMBIENTAL EM AMBIENTES DE ESCRITÓRIO EM BLUMENAU SC AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE CONFORTO AMBIENTAL EM AMBIENTES DE ESCRITÓRIO EM BLUMENAU SC Amilcar J. Bogo, Arquiteto e Urbanista, Dr., Professor Kátia V. Cañellas, Arquiteta e Urbanista, M.Sc., Professor

Leia mais

TRABALHO 1 - ANÁLISE PROJETUAL

TRABALHO 1 - ANÁLISE PROJETUAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA CONFORTO AMBIENTAL I PROFª RITA SARAMAGO TRABALHO 1 - ANÁLISE PROJETUAL PROJETO: SUGAWARADAISUKE ARCHITECTS LOANY GONZAGA.LUIZA DALVI.MÁRCIA MICHELLE.THAÍS MARA 1.ANÁLISE

Leia mais

Passive Houses na região de Aveiro

Passive Houses na região de Aveiro João Gavião www.homegrid.pt jgavias@gmail.com Índice Introdução As primeiras Passive Houses certificadas em Portugal O desempenho da primeira Passive House certificada As próximas Passive Houses Solar

Leia mais

Etiquetagem Energética de Produtos Apresentação sumária

Etiquetagem Energética de Produtos Apresentação sumária Etiquetagem Energética de Produtos Apresentação sumária Junho 2014 Índice 1. A etiquetagem energética no contexto Europeu 2. Sistema de Etiquetagem Energética de Produtos (SEEP) 3. Produtos Etiquetados

Leia mais

O conceito do conforto. térmico humano

O conceito do conforto. térmico humano O conceito do conforto 1 térmico humano Projeto FEUP 2014/2015 MIEQ Equipa Q1FQI04_1 Supervisor: José Inácio Martins Monitor: Helder Xavier Nunes 2 1.INTRODUÇÃO Como ocorre a regulação da temperatura corporal

Leia mais

CTE EQUIPE DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE PONTA. empreendimentos já certificados LEED NC e CS

CTE EQUIPE DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE PONTA. empreendimentos já certificados LEED NC e CS CTE EQUIPE DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE PONTA ü Mais de empreendimentos já certificados LEED NC e CS ü Todos com simulação termo-energética realizada por equipe especializada interna ü Atualmente temos

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL CREDITÁ S.A. Crédito, Financiamento e Investimento

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL CREDITÁ S.A. Crédito, Financiamento e Investimento POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL CREDITÁ S.A. Crédito, Financiamento e Investimento SUMÁRIO 1. Propósito 2. Abrangência 3. Política 3.1 Princípios Fundamentais 3.2 Diretrizes Socioambientais

Leia mais

Investigações Geotécnicas Parte 1

Investigações Geotécnicas Parte 1 Investigações Geotécnicas Parte 1 FUNDAÇÕES AULA 03 Prof. MSc. Douglas M. A. Bittencourt prof.douglas.pucgo@gmail.com INVESTIGAÇÕES GEOTÉCNICAS Reconhecimento do subsolo Investigação preliminar Verificação

Leia mais

SUSHI ENERGIA. Arq. María Andrea Triana LABEEE/UFSC CBCS

SUSHI ENERGIA. Arq. María Andrea Triana LABEEE/UFSC CBCS SUSHI ENERGIA Arq. María Andrea Triana LABEEE/UFSC CBCS 1 SUMÁRIO Importância de uso racional de energia em HIS Barreiras na implementação de tecnologias Agenda proposta para HIS com mapeamento de tecnologias

Leia mais

LINHA DOUBLE WAY MONOFÁSICA

LINHA DOUBLE WAY MONOFÁSICA Especificação Técnica LINHA DOUBLE WAY MONOFÁSICA 3 / 6 / 8 / 10 / 12 / 15 / 20 kva Engetron Engenharia Eletrônica Ind. e Com. Ltda Atendimento ao consumidor: (31) 3359-5800 Web: www.engetron.com.br Link:

Leia mais

UNIVERSIDADE POSITIVO - BIBLIOTECA BIBLIOTECA. NBR 5101 Iluminação pública Arquitetura e Urbanismo / Engenharia Elétrica

UNIVERSIDADE POSITIVO - BIBLIOTECA BIBLIOTECA. NBR 5101 Iluminação pública Arquitetura e Urbanismo / Engenharia Elétrica UNIVERSIDADE POSITIVO - BIBLIOTECA BIBLIOTECA UNIDADE CÓDIGO ABNT TÍTULO Arquitetura e Urbanismo NBR 5461 Iluminação Arquitetura e Urbanismo NBR 5626 Instalação predial de água fria Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA VENTILAÇÃO NATURAL PARA A PROMOÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO EM UM BLOCO EDUCACIONAL PÚBLICO

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA VENTILAÇÃO NATURAL PARA A PROMOÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO EM UM BLOCO EDUCACIONAL PÚBLICO ISSN 1984-9354 AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA VENTILAÇÃO NATURAL PARA A PROMOÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO EM UM BLOCO EDUCACIONAL PÚBLICO daniel augusto de moura pereira (UFCG) João Pereira Leite (UFCG) Robson

Leia mais

LINHA DOUBLE WAY TRIFÁSICO

LINHA DOUBLE WAY TRIFÁSICO Especificação Técnica LINHA DOUBLE WAY TRIFÁSICO 10 / 15 / 20 / 25 / 30 / 40 / 50 / 60 / 80 / 120 / 150 / 160 / 180/ 250kVA Engetron Engenharia Eletrônica Ind. e Com. Ltda Atendimento ao consumidor: (31)

Leia mais

Eletrobrás/Procel/FUFMS. 1 Professor M.Engª.da UFMS, Laboratório de Análise e Desenvolvimento de Edificações, Departamento de

Eletrobrás/Procel/FUFMS. 1 Professor M.Engª.da UFMS, Laboratório de Análise e Desenvolvimento de Edificações, Departamento de A VENTILAÇÃO NATURAL COMO ESTRATÉGIA VISANDO PROPORCIONAR CONFORTO TÉRMICO E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO AMBIENTE INTERNO. Wagner Augusto Andreasi 1 & Rogério de Souza Versage 2. 1 Professor M.Engª.da UFMS,

Leia mais

VENTILAÇÃO NATURAL EM GALPÕES UTILIZANDO LANTERNINS

VENTILAÇÃO NATURAL EM GALPÕES UTILIZANDO LANTERNINS UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO ESCOLA DE MINAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL VENTILAÇÃO NATURAL EM GALPÕES UTILIZANDO LANTERNINS Ouro Preto, setembro

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO DOS APARTAMENTOS DO BNH CASTELO BRANCO DA CIDADE DE SANTOS-SP.

AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO DOS APARTAMENTOS DO BNH CASTELO BRANCO DA CIDADE DE SANTOS-SP. AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO DOS APARTAMENTOS DO BNH CASTELO BRANCO DA CIDADE DE SANTOS-SP. GARCIA, Thiago dos Santos (1); PRADO, Racine Tadeu Araujo (2) (1) ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERISIDADE DE SÃO

Leia mais

Cursos 2016. 06 de Setembro 2016 13 de Outubro 2016. Inscreva-se aqui

Cursos 2016. 06 de Setembro 2016 13 de Outubro 2016. Inscreva-se aqui Cursos 2016 06 de Setembro 2016 13 de Outubro 2016 Inscreva-se aqui FORMAÇÃO UPONOR CURSO: Curso em Montagem do Sistema de Autofixação por Chão Radiante Curso específico baseado no Sistema de Autofixação

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AVENIDA RIO DE JANEIRO, 38, 3º ESQ. Localidade LISBOA. Freguesia ALVALADE

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AVENIDA RIO DE JANEIRO, 38, 3º ESQ. Localidade LISBOA. Freguesia ALVALADE Válido até 15/10/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada AVENIDA RIO DE JANEIRO, 38, 3º ESQ. Localidade LISBOA Freguesia ALVALADE Concelho LISBOA GPS 38.754048, -9.138450 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL Conservatória

Leia mais

O efeito da utilização de ventiladores de teto no conforto térmico em salas de aulas com condicionamento híbrido em um local de clima quente e úmido

O efeito da utilização de ventiladores de teto no conforto térmico em salas de aulas com condicionamento híbrido em um local de clima quente e úmido O efeito da utilização de ventiladores de teto no conforto térmico em salas de aulas com condicionamento híbrido em um local de clima quente e úmido The impact of using ceiling fans on thermal comfort

Leia mais

Experimento de medição da intensidade sonora em campo ON/OFF para ligar ou desligar o aparelho. DECIBELÍMETRO Microfone Escala: 35 a 130 db em 3 faixas Precisão: ± 5 db Resolução: 0.1 db C/A Seleciona

Leia mais

94 - Conforto Térmico Urbano: o Caso do Bairro Austin, em Nova Iguaçu - RJ. Urban Thermal Confort: the Case of Austin Neighbourhood, Nova Iguaçu, - Rj

94 - Conforto Térmico Urbano: o Caso do Bairro Austin, em Nova Iguaçu - RJ. Urban Thermal Confort: the Case of Austin Neighbourhood, Nova Iguaçu, - Rj 94 - Conforto Térmico Urbano: o Caso do Bairro Austin, em Nova Iguaçu - RJ Urban Thermal Confort: the Case of Austin Neighbourhood, Nova Iguaçu, - Rj MONTEIRO, Leonardo Marques (1); GONÇALVES, Joana (2);

Leia mais

CONFORTO TÉRMICO EM APARTAMENTOS DE UM CONJUNTO HABITACIONAL EM MACEIÓ/AL

CONFORTO TÉRMICO EM APARTAMENTOS DE UM CONJUNTO HABITACIONAL EM MACEIÓ/AL CONFORTO TÉRMICO EM APARTAMENTOS DE UM CONJUNTO HABITACIONAL EM MACEIÓ/AL José Eduardo Castro de Almeida (1); Ricardo C. Cabús (2) (1) Universidade Federal de Alagoas, Rua José de Alencar, 318 Farol Maceió/AL,

Leia mais

PRINCÍPIOS BIOCLIMÁTICOS PARA O PROJETO DE EDIFICAÇÕES EM OURO PRETO / MG

PRINCÍPIOS BIOCLIMÁTICOS PARA O PROJETO DE EDIFICAÇÕES EM OURO PRETO / MG PRINCÍPIOS BIOCLIMÁTICOS PARA O PROJETO DE EDIFICAÇÕES EM OURO PRETO / MG ROCHA, Jozielle Marques da 1 GOMES, Adriano P. 2 INTRODUÇÃO Um projeto arquitetônico deve se adaptar às características do meio

Leia mais

REABILITAÇÃO AMBIENTAL DE EDIFÍCIO PÚBLICO MODERNO: O CASO DO PALÁCIO ITAMARATY

REABILITAÇÃO AMBIENTAL DE EDIFÍCIO PÚBLICO MODERNO: O CASO DO PALÁCIO ITAMARATY Universidade de Brasília Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Programa de Pesquisa e Pós-graduação da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo REABILITAÇÃO AMBIENTAL DE EDIFÍCIO PÚBLICO MODERNO: O CASO DO

Leia mais

Gestão da Qualidade. Aula 13. Prof. Pablo

Gestão da Qualidade. Aula 13. Prof. Pablo Gestão da Qualidade Aula 13 Prof. Pablo Proposito da Aula 1. Conhecer as normas da família ISO 9000. Família da norma ISO 9000 Família ISO 9000 As normas ISO da família 9000 formam um conjunto genérico

Leia mais

Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água

Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água Giorgia Francine Cortinovis (EPUSP) Tah Wun Song (EPUSP) 1) Introdução Em muitos processos, há necessidade de remover carga térmica de um dado sistema

Leia mais

FORMAS DE TRANSFERÊNCIA DE CALOR ENTRE HOMEM E MEIO AMBIENTE

FORMAS DE TRANSFERÊNCIA DE CALOR ENTRE HOMEM E MEIO AMBIENTE AMBIENTE TÉRMICO O ambiente térmico pode ser definido como o conjunto das variáveis térmicas do posto de trabalho que influenciam o organismo do trabalhador, sendo assim um fator importante que intervém,

Leia mais

7 VENTILAÇÃO E ILUMINAÇÃO

7 VENTILAÇÃO E ILUMINAÇÃO V Prognóstico Ambiental 7 VENTILAÇÃO E ILUMINAÇÃO 7.1 INTRODUÇÃO E OBJETIVOS Este estudo visa avaliar as condições de Ventilação e Iluminação na região contida no perímetro da Operação Urbana do Porto

Leia mais

ARQUITETANDO O FUTURO

ARQUITETANDO O FUTURO ARQUITETANDO O FUTURO Arq. Emílio Ambasz T J D F T ASSESSORIA DA SECRETARIA GERAL DA PRESIDÊNCIA Objetivos do TJDFT Cumprir o mandamento constitucional de defesa e preservação do meio ambiente para as

Leia mais

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PROJETO E SELEÇÃO DE UM EQUIPAMENTO DE AR CONDICIONADO PARA UM VAGÃO DE PASSAGEIROS DE TREM

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PROJETO E SELEÇÃO DE UM EQUIPAMENTO DE AR CONDICIONADO PARA UM VAGÃO DE PASSAGEIROS DE TREM ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DANIEL CADARIO DE AZEVEDO CENTINI PROJETO E SELEÇÃO DE UM EQUIPAMENTO DE AR CONDICIONADO PARA UM VAGÃO DE PASSAGEIROS DE TREM SÃO PAULO 2011 DANIEL CADARIO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO TECNOLÓGICO MESTRADO PROFISSIONAL DE SISTEMA DE GESTÃO DIMAS BARBOSA TEIXEIRA

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO TECNOLÓGICO MESTRADO PROFISSIONAL DE SISTEMA DE GESTÃO DIMAS BARBOSA TEIXEIRA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO TECNOLÓGICO MESTRADO PROFISSIONAL DE SISTEMA DE GESTÃO DIMAS BARBOSA TEIXEIRA AVALIAÇÃO CRÍTICA DA CONFORTABILIDADE TÉRMICA E LUMÍNICA EM LABORATÓRIO DE QUÍMICA Niterói

Leia mais

Dirceu Medeiros de Morais (UFRR) dirceu@engcivil.ufrr.br

Dirceu Medeiros de Morais (UFRR) dirceu@engcivil.ufrr.br ANÁLISE DO CONFORTO TÉRMICO EM PROTÓTIPOS DE HABITAÇÕES PARA USUÁRIOS DE BAIXA RENDA, COM ISOLAMENTO TÉRMICO REUTILIZANDO EMBALAGENS TETRA PAK: ETAPA 1 Dirceu Medeiros de Morais (UFRR) dirceu@engcivil.ufrr.br

Leia mais

Renovação e filtragem do ar são determinantes em salas de aulas Bom projeto e manutenção periódica têm impacto direto sobre o rendimento

Renovação e filtragem do ar são determinantes em salas de aulas Bom projeto e manutenção periódica têm impacto direto sobre o rendimento Renovação e filtragem do ar são determinantes em salas de aulas Bom projeto e manutenção periódica têm impacto direto sobre o rendimento As pessoas passam, em média, 80% do seu tempo em ambientes internos,

Leia mais

CONFORTO HIGROTÉRMICO EM RUAS DO BAIRRO DE SÃO CRISTÓVÃO, RIO DE JANEIRO/ BRASIL. M. L. A. Niemeyer

CONFORTO HIGROTÉRMICO EM RUAS DO BAIRRO DE SÃO CRISTÓVÃO, RIO DE JANEIRO/ BRASIL. M. L. A. Niemeyer CONFORTO HIGROTÉRMICO EM RUAS DO BAIRRO DE SÃO CRISTÓVÃO, RIO DE JANEIRO/ BRASIL M. L. A. Niemeyer RESUMO Em função da crescente inquietação com questões relacionadas ao meio ambiente, o planejamento ambiental,

Leia mais

PLANOS DE CONTINGÊNCIA, PROGRAMA DE ALERTA E PREPARAÇÃO DE COMUNIDADES PARA EMERGÊNCIAS LOCAIS

PLANOS DE CONTINGÊNCIA, PROGRAMA DE ALERTA E PREPARAÇÃO DE COMUNIDADES PARA EMERGÊNCIAS LOCAIS PLANOS DE CONTINGÊNCIA, PROGRAMA DE ALERTA E PREPARAÇÃO DE COMUNIDADES PARA EMERGÊNCIAS LOCAIS Eduardo Lucena C. de Amorim 1 - INTRODUÇÃO IMPACTOS AMBIENTAIS O impacto ambiental é um desequilíbrio provocado

Leia mais

Sustentabilidade e conforto ambiental em edificações

Sustentabilidade e conforto ambiental em edificações Sustentabilidade e conforto ambiental em edificações Atualmente, a maior parte da população humana vive em centros urbanos e passa período de tempo significativo no interior de edificações, trabalhando,

Leia mais

SIGNIFICADO AMBIENTAL AL-ENERGÉTICO DA ARBORIZAÇÃO URBANA

SIGNIFICADO AMBIENTAL AL-ENERGÉTICO DA ARBORIZAÇÃO URBANA SIGNIFICADO AMBIENTAL AL-ENERGÉTICO DA ARBORIZAÇÃO URBANA Juan José Mascaró Plantar árvores é uma estratégia atrativa tanto para a poupanca de dinheiro, através da eficiência energética,como para melhorar

Leia mais

CONFORTO TÉRMICO NOS AMBIENTES DE TRABALHO

CONFORTO TÉRMICO NOS AMBIENTES DE TRABALHO CONFORTO TÉRMICO NOS AMBIENTES DE TRABALHO PRESIDENTE DA REPÚBLICA Fernando Henrique Cardoso MINISTRO DO TRABALHO E EMPREGO Francisco Dornelle FUNDACENTRO PRESIDÊNCIA Humberto Carlos Parro DIRETORIA EXECUTIVA

Leia mais

UNEMAT Universidade do Estado de Mato Grosso. INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS Professora: Engª Civil Silvia Romfim

UNEMAT Universidade do Estado de Mato Grosso. INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS Professora: Engª Civil Silvia Romfim UNEMAT Universidade do Estado de Mato Grosso INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS Professora: Engª Civil Silvia Romfim INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA QUENTE 2 Instalações de água quente Generalidades As instalações

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS LIMITES DAS PROPRIEDADES TÉRMICAS DOS FECHAMENTOS OPACOS DA NBR 15220-3, PARA HABITAÇÕES DE INTERESSE SOCIAL, DA ZONA BIOCLIMÁTICA

AVALIAÇÃO DOS LIMITES DAS PROPRIEDADES TÉRMICAS DOS FECHAMENTOS OPACOS DA NBR 15220-3, PARA HABITAÇÕES DE INTERESSE SOCIAL, DA ZONA BIOCLIMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO QUALIDADE E TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO DISSERTAÇÃO AVALIAÇÃO DOS LIMITES

Leia mais

Análise bioclimática numa escola estadual na cidade de Macapá-Amapá.

Análise bioclimática numa escola estadual na cidade de Macapá-Amapá. Análise bioclimática numa escola estadual na cidade de Macapá-Amapá. Jânio de Aragão (1); Adailson Bartolomeu (2); João Bosco Botelho (3) Alexandre Rocha (4) (1) Arquiteto, janio.aragao@eln.gov.br (2)

Leia mais

CONDIÇÕES DE CONFORTO TÉRMICO PARA ESTUDANTES DE 2º GRAU NA REGIÃO DE FLORIANÓPOLIS

CONDIÇÕES DE CONFORTO TÉRMICO PARA ESTUDANTES DE 2º GRAU NA REGIÃO DE FLORIANÓPOLIS CONDIÇÕES DE CONFORTO TÉRMICO PARA ESTUDANTES DE 2º GRAU NA REGIÃO DE FLORIANÓPOLIS ANTONIO AUGUSTO DE PAULA XAVIER Dissertação apresentada ao Curso de Pós-Graduação em Engenharia Civil da Universidade

Leia mais

Procedimentos de cálculo para dimensionamento da ventilação natural das edificações

Procedimentos de cálculo para dimensionamento da ventilação natural das edificações Procedimentos de cálculo para dimensionamento da ventilação natural das edificações Professores: Marcia Alucci, Fernando Cremonesi, Denise Duarte, Gil Andrade, Roberta Kronka, Antonio Carlos Mingrone,

Leia mais