Eder Ricardo Voltani Eder Ricardo Voltani

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Eder Ricardo Voltani edervoltani@usp.br Eder Ricardo Voltani edervoltani@usp.br"

Transcrição

1 AUT 190 AR CONDICIONADO PARA ARQUITETURA Eder Ricardo Voltani Eder Ricardo Voltani

2 Sumário 1. INTRODUÇÃO 2. CARGA TÉRMICA 3. CICLO DE REFRIGERAÇÃO 4. EFICIÊNCIA ENERGÉTICA 5. TIPOS DE SISTEMAS 6. EQUIPAMENTOS 7. DISTRIBUIÇÃO DE AR 8. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

3 1 Introdução Princípios básicos de refrigeração foram desenvolvidos por Carnot, em Em 1897, Joseph McCreaty criou e patenteou o primeiro equipamento que pode ser considerado como sendo de ar condicionado e consistia em um sistema de resfriamento baseado no borrifamento de água. Em 1902, Willys Carrier inventou e fez o primeiro exemplo de condicionamento de ar por um processo mecânico para controlar a umidade de sala de impressão. Primeiro grande mercado foi industria têxtil, que logo passou a ser usado em diversos prédios e instalações de industrias de papel, produtos farmacêuticos, tabaco e estabelecimentos comerciais.

4 2 Carga Térmica A carga térmica é o primeiro e mais importante passo no processo de projeto de uma instalação de ar condicionado. Os demais elementos deverão ser desenvolvidos visando o suprimento da carga térmica. O condicionamento de ar efetua o controle da temperatura e umidade para satisfazer as necessidades do espaço, devendo ainda controlar o fluxo e a qualidade do ar. Condições de Projeto: (internas e externas) Internas: Temperatura e umidade (condições de conforto); ISO 7730: Ergonomics of the thermal environment Analytical determination and interpretation of thermal comfort using calculation of the PMV and PPD indices and local thermal comfort criteria. ASHRAE 55:2004 Thermal environmental conditions for human occupancy. NBR 16401: Instalações centrais de ar condicionado Sistemas centrais e unitários: Parte 1- Projeto das instalações; 2- Parâmetros de conforto térmico e 3 - Qualidade do ar interior.

5 2 Carga Térmica Condições de conforto térmico (NBR 16401, 2008); Verão (CLO = 0,5) Inverno (CLO = 0,9)

6 2 Carga Térmica Condições Internas: Renovação de ar (salubridade); ASHRAE 62.1:2010 Ventilation for Acceptable Indoor Air Quality prevê valores de renovação do ar em função do tipo de ambiente, ocupação e volume do ambiente. A Portaria do Ministério da Saúde, 1998, prevê valores de ar de renovação para diferentes ambientes (27 m3/h/pessoa para escritórios), enquanto a ASHRAE 62.1:2004 prevê valores de renovação do ar em função do tipo de ambiente, ocupação e volume do ambiente. NBR 16401:2008 Parte 3 prevê valores de renovação do ar em função do tipo de ambiente, ocupação e volume do ambiente.

7 2 Carga Térmica Condições Externas: São fixadas em função do dia típico, que corresponde às condições em que 10% dos dias de verão podem ter temperatura do ar superior (para resfriamento) aquela adotada no projeto (temperatura de bulbo seco, temperatura de bulbo úmido ou umidade relativa, nebulosidade ou radiação solar, direção e velocidade do vento). NBR 16401:2008 Prevê 32 C para frequência de 0,4%, 31 C para frequência de 1% e 30 C para frequência de 2%.

8 2 Carga Térmica Cargas térmicas: (taxa de calor que deve ser removida, em W) As cargas térmicas do ambiente e no equipamento são divididas em sensível e latente.

9 2 Carga Térmica Carga térmica do ambiente: Métodos de cálculos: Simplificado; Detalhado; Intermediário. Simplificado: Cálculos em regime permanente; Determinação apenas do valor máximo diário da carga térmica. CTcondução devido a transferência de calor por elementos opacos será: U: coeficiente global de troca de calor entre o ambiente interno e o meio externo, função dos coeficientes de película que englobam tanto os efeitos de convecção como de radiação A: área do elemento de vedação Tint: temperatura de bulbo seco de projeto do ar interior TAr-Sol: temperatura Ar-Sol. Temperatura fictícia determinada por:

10 2 Carga Térmica Text: temperatura de bulbo de projeto do ar exterior α: absortância à radiação solar da face externa do elemento de vedação I: radiação solar incidente no elemento he: coeficiente de troca de calor combinado convecção+radiação, na face externa do elemento de vedação. CTsolar Carga térmica devido a radiação solar direta: ID = radiação direta incidente sobre o vidro: τd = transmissividade do vidro à incidência solar direta: AV = área do vidro sujeito à radiação solar direta.

11 2 Carga Térmica CTinterna Carga térmica gerada internamente: CTpessoas = taxa de calor dissipado * número de pessoas ASHRAE (2009))

12 2 Carga Térmica CTequipamentos + CTiluminação CTequipamentos = taxa de calor dissipado * número de equipamentos CTiluminação = taxa de calor dissipado * número de lâmpadas ASHRAE (2009)

13 2 Carga Térmica CTRENOVAÇÃO mren = vazão de ar de renovação (kg/s) cp = calor especifico do ar (kj/kg C) Texterna = temperatura externa do ar externo de renovação ( C) Tinterna = temperatura interna de conforto térmico ( C) hlv = entalpia líquido-vapor (kj/kg) wexterna = umidade absoluta do ar externo de renovação(kg/kg ar seco) winterna = umidade absoluta do ar interno de conforto térmico (kg/kg ar seco)

14 2 Carga Térmica

15 2 Carga Térmica Q = vazão volumétrica de ar insuflado Δp= diferença de pressão = rendimento do ventilar Para determinar a vazão: Q = vazão volumétrica de ar insuflado (m3/s) = massa específica do ar (kg/m3) cp = calor específico do ar (kj/kg( C) CTEQUIPAMENTO soma algébrica da carga do ambiente, renovação e ventilador:

16 2 Carga Térmica Divide o valor total da carga térmica por 3520 W para obter o valor da carga em TR = tonelada de refrigeração (energia necessária para que 1000 kg (1tonelada) de água a 0 C passa de água para gelo em 24 horas. 1TR = Btu/h (British Thermal Unit). Detalhado: Necessário programas de simulação do comportamento térmico da edificação, tais como: NBSLD (Kusuda, 1976), BLAST (Pedersen et al., 1993), ESP-r (Clarke, 1993), DOE (birdsall, et al., (1994). EnergyPlus é o mais utilizado. Intermediário: Utilizam fatores que tentam reproduzir o efeito do armazenamento térmico dos componentes radiante dos ganhos de calor e da natureza transitória da condução de calor nos elementos de vedação. Método das CLTD/CLF:

17 2 Carga Térmica CLTD = diferença de temperatura equivalente entre o ambiente interno e externo, na qual está embutido o efeito de condução de calor e sua conversão em carga térmica. CLF = fator de ponderação para conversão da componente radiante dos ganho de calor em carga térmica, especifico para cada fonte de energia radiante. Comparação dos métodos: (Hernandez Neto et al. 1999)

18 3 Ciclo de Refrigeração Componentes do ciclo de refrigeração:

19 3 Ciclo de Refrigeração Processos do ciclo de refrigeração Evaporação: Etapa onde o fluido refrigerante entra na serpentina como uma mistura predominantemente líquida, com baixa pressão e temperatura, e absorverá calor (carga térmica) do ar forçado pelo ventilador que passa entre os tubos. Ao receber calor, o fluido vaporizase. Compressão: O fluido refrigerante em forma de vapor é comprimido por meio de um compressor elevando a pressão e a temperatura (calor de compressão). Condensação: Etapa onde ocorre a rejeição de calor do ciclo. No condensador o vapor perde calor para o meio condensante (ar ou água) e sai do condensador na forma líquida. Expansão: Etapa onde ocorre uma perda de pressão brusca, porém controlada, que vai reduzir a pressão do fluido

20 4 Eficiência Energética Dada pelo coeficiente de desempenho (COP) que a relação entre o calor trocado no evaporador, QL, (carga térmica do equipamento) e a energia gasta no compressor, W, isto é: COP de chiller a água é da ordem de 4,5 a 5 (sem bomba e torre), 3 a 3,5 com bomba e torre de resfriamento. COP de chiller a ar 2,5 a 3,5

21 5 Tipos de Sistemas Expansão direta; Ar condicionado de janela (ACJ) 0,6 a 3 TR Vantagens: custo baixo, controle individual,não necessita de área de piso. Desvantagens: elevado consumo de energia, vida útil reduzida, elevado nível de ruído, impacto na fachada, distribuição de ar ineficiente, baixa qualidade de filtragem, não permite a renovação de ar com controle. Aplicações: residências, salas comerciais, etc.

22 5 Tipos de Sistemas Expansão direta; Split system 0,6 a 5 TR Vantagens:funcionamento e controle individualizado, não necessita de área de piso, baixo nível de ruído. Desvantagens: idem o aparelho de janela. Aplicações:residências, hotéis, pequenos prédios comercias, escolas, lojas e restaurantes.

23 5 Tipos de Sistemas Expansão direta; Self containeds com condensador remoto (5 a 40 TR) Vantagens: independência de operação, tecnologia simples. Desvantagens: consumo de energia, nível de ruído, controle de temperatura on-off por zona, condições psicrométricas pré-definidas. Aplicações: agências bancárias, pequenos escritórios, lojas, restaurantes.

24 5 Tipos de Sistemas Fluxo de refrigerante variável (VRV ou VRF); Vantagens; controle de temperatura e funcionamento individualizado, diversos modelos de evaporadoras Desvantagens: custo elevado, condições psicrométrica pré-definidas, tecnologia importada. Aplicações: residências de alto padrão, hotéis.

25 5 Tipos de Sistemas Expansão indireta (água gelada) Principais características ; CAG; Casa de máquina; Fancoil; Rede de dutos; Vantagens: Alta eficiência energética, manutenção centralizada, longa vida útil, menor nível de ruído interno, permite o dimensionamento em função das características psicrométricas do local. Desvantagens: Custo inicial elevado, área de piso. Principais aplicações; Edifícios comerciais de grande porte, shopping, hospitais, indústrias, etc. CHILLER FANCOIL

26 6 Equipamentos

27 6 Equipamentos

28 6 Equipamentos

29 6 Equipamentos Geotermia: (Fonte: G.E.O., 2011, adaptado).

30 6 Equipamentos

31 7 Distribuição de ar Pelo teto: - Volume de ar constante (VAC) - Volume de ar variável (VAV)

32 Pelo piso: 7 Distribuição de ar

33 7 Distribuição de ar

34 8 Referências bibliográficas ASHRAE. Handbook of Fundamentals, American Society of Heating, Refrigerating and Air Conditioning Engineers, Inc., Atlanta, ASHRAE 55. Thermal environmental conditions for human occupancy, American Society of Heating, Refrigerating and Air Conditioning Engineers, Inc., Atlanta, Hernandez Neto, A.; Tribess, A.; Vittorino, F. Análise comparativa de cálculos de carga térmica, XV Congresso Brasileiro de Engenharia Mecânica, Águas de Lindóia, SP GEOTHERMAL EXCHANGE ORGANIZATION. (2011). Apresentação: Geothermal Heat Pumps: Harnessing On-Site Renewable Energy to Meet Energy-Efficiency and Climate Change Goals. Recuperado em 8 de julho, 2011, de ategory&id=15:igshpa-conference-presentations&itemid=182.

35 8 Referências bibliográficas ISO Ergonomics of the thermal environment Analytical determination and interpretation of thermal comfort using calculation of the PMV and PPD indices na local thermal criteria. International Organization for Standardization, Geneva, NBR (2008) Instalações centrais de ar condicionado Sistemas centrais e unitários: Parte 1 Projeto das instalações, Parte 2 Parâmetros de conforto térmico, Parte 3 Qualidade do ar interior. NBR 16401: Associação Brasileira de Normas técnicas, Rio de Janeiro.

36 Muito Obrigado!

Condicionamento de Ar

Condicionamento de Ar Condicionamento de Ar Instituto Federal de Brasília Sumário Introdução Tipos de Condicionadores de ar Vantagens e desvantagens Introdução Refrigeração por Compressão de Vapor Introdução Refrigeração por

Leia mais

CURSOS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL CALENDÁRIO 2013

CURSOS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL CALENDÁRIO 2013 S DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL CALENDÁRIO 2013 1 - Curso de Simulação de Edificações com o EnergyPlus (Edição 1) 8 e 9 de março 15 e 16 de março 5 e 6 de abril 19 e 20 de abril 2 - Curso de Psicrometria

Leia mais

4 SISTEMAS E EQUIPAMENTOS DE CLIMATIZAÇÃO

4 SISTEMAS E EQUIPAMENTOS DE CLIMATIZAÇÃO 35 4 SISTEMAS E EQUIPAMENTOS DE CLIMATIZAÇÃO Em uma instalação de ar condicionado quando o circuito de refrigeração estiver desligado, teremos uma instalação de ventilação simples, onde são controlados

Leia mais

Circulação do Ar remove o calor Interno... Ciclo Frigorífico

Circulação do Ar remove o calor Interno... Ciclo Frigorífico Circulação do Ar remove o calor Interno... Ciclo Frigorífico Tipos de Expansão : Ciclo Frigorífico * Expansão Direta: O Refrigerante Troca Calor Diretamente com o Ar a ser condicionado. Expansão Direta

Leia mais

AR CONDICIONADO E CO-GERAÇÃO DE ENERGIA

AR CONDICIONADO E CO-GERAÇÃO DE ENERGIA 1 SEMINÁRIO DE ENGENHARIA DE ENERGIA PUC-MINAS - 20 de Abril de 2007 AR CONDICIONADO E CO-GERAÇÃO DE ENERGIA Marco Tulio Starling de Vasconcellos marcotulio@tuma.com.br - Tel: (31) 2111-0053 www.tuma.com.br

Leia mais

ANÁLISE DO CONFORTO TÉRMICO PARA O PERÍODO DE INVERNO NO HOSPITAL ESCOLA DE SÃO CARLOS

ANÁLISE DO CONFORTO TÉRMICO PARA O PERÍODO DE INVERNO NO HOSPITAL ESCOLA DE SÃO CARLOS ANÁLISE DO CONFORTO TÉRMICO PARA O PERÍODO DE INVERNO NO HOSPITAL ESCOLA DE SÃO CARLOS Marieli Azoia Lukiantchuki (1); Monica Faria de Almeida Prado (2); Rosana Maria Caram (3) (1) Departamento de Arquitetura

Leia mais

DETERMINAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE OPERAÇÃO DE UM SISTEMA DE CLIMATIZAÇÃO COM DISTRIBUIÇÃO DE AR PELO PISO PARA A MELHOR EFETIVIDADE DA VENTILAÇÃO

DETERMINAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE OPERAÇÃO DE UM SISTEMA DE CLIMATIZAÇÃO COM DISTRIBUIÇÃO DE AR PELO PISO PARA A MELHOR EFETIVIDADE DA VENTILAÇÃO DETERMINAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE OPERAÇÃO DE UM SISTEMA DE CLIMATIZAÇÃO COM DISTRIBUIÇÃO DE AR PELO PISO PARA A MELHOR EFETIVIDADE DA VENTILAÇÃO Renata Maria Marè (1); Brenda Chaves Coelho Leite (2) (1) Departamento

Leia mais

Climatização eficiente com termoacumulação para produção abaixo de 10 TR. Por Carlos de Holanda, Fábio Cezar Beneduce, Rubens Herbster e Thiago Neves*

Climatização eficiente com termoacumulação para produção abaixo de 10 TR. Por Carlos de Holanda, Fábio Cezar Beneduce, Rubens Herbster e Thiago Neves* 46 Capítulo XII Climatização eficiente com termoacumulação para produção abaixo de 10 TR Por Carlos de Holanda, Fábio Cezar Beneduce, Rubens Herbster e Thiago Neves* Atualmente, o custo da energia elétrica

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO E DO NÍVEL DE CO 2 EM EDIFÍCIOS DE ESCRITÓRIO COM CLIMATIZAÇÃO ARTIFICIAL NA CIDADE DE SÃO PAULO

AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO E DO NÍVEL DE CO 2 EM EDIFÍCIOS DE ESCRITÓRIO COM CLIMATIZAÇÃO ARTIFICIAL NA CIDADE DE SÃO PAULO AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO E DO NÍVEL DE CO 2 EM EDIFÍCIOS DE ESCRITÓRIO COM CLIMATIZAÇÃO ARTIFICIAL NA CIDADE DE SÃO PAULO Eliane H. Suzuki (1); Racine T. A. Prado (2) (1) Departamento de Engenharia

Leia mais

AR CONDICIONADO SOLAR

AR CONDICIONADO SOLAR ISO 9001 : 2008 Engenharia do Ar Condicionado De 08/04/2013 a 12/04/2013 Capítulo Especial sobre AR CONDICIONADO SOLAR Local: Hotel Windsor Guanabara Av. Presidente Vargas, 392 Centro Rio de Janeiro RJ

Leia mais

23/06/2010. Eficiência Energética: Regulamentação, Classificação e Conformidade Técnica. Roberto Lamberts

23/06/2010. Eficiência Energética: Regulamentação, Classificação e Conformidade Técnica. Roberto Lamberts Eficiência Energética: Regulamentação, Classificação e Conformidade Técnica Roberto Lamberts Oficina 09 junho de 2010 1 ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES Publicação: junho de 2009. EDIFÍCIOS ETIQUETADOS CETRAGUA

Leia mais

Sistemas de Climatização

Sistemas de Climatização Sistemas de Climatização PROFESSOR: FÁBIO FERRAZ 1 SISTEMAS DE CLIMATIZAÇÃO Climatizar ambientes - processo de tratamento de ar em recintos fechados, de modo a controlar simultaneamente a sua temperatura,

Leia mais

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 Caderno de Provas REFRIGERAÇÃO E CLIMATIZAÇÃO Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Use apenas caneta esferográfica azul ou preta. Escreva o seu nome

Leia mais

A psicrometria é a parte da termodinâmica que tem por objetivo o estudo das propriedade do ar úmido.

A psicrometria é a parte da termodinâmica que tem por objetivo o estudo das propriedade do ar úmido. 16 3 PSICROMETRIA A psicrometria é a parte da termodinâmica que tem por objetivo o estudo das propriedade do ar úmido. 3.1 CARTA PSICROMÉTRICA É um ábaco que permite representar graficamente as evoluções

Leia mais

Ar Condicionado e Refrigeração Carga Térmica

Ar Condicionado e Refrigeração Carga Térmica CARGA TÉRMICA Representa a quantidade de calor (sensível e/ou latente) a ser extraída do ar de um ambiente (no caso de verão) ou a ser fornecida ao ar de um ambiente (no caso de inverno) para que sejam

Leia mais

USO DE VIDRO DUPLO E VIDRO LAMINADO NO BRASIL: AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ENERGÉTICO E CONFORTO TÉRMICO POR MEIO DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL

USO DE VIDRO DUPLO E VIDRO LAMINADO NO BRASIL: AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ENERGÉTICO E CONFORTO TÉRMICO POR MEIO DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL USO DE VIDRO DUPLO E VIDRO LAMINADO NO BRASIL: AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ENERGÉTICO E CONFORTO TÉRMICO POR MEIO DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL Priscila Besen (1) ; Fernando Simon Westphal (2) (1) Universidade

Leia mais

EFEITOS DA TEMPERATURA OPERATIVA E DO NÍVEL DE CO 2 NO CONSUMO DE ENERGIA EM AMBIENTES ARTIFICIALMENTE CLIMATIZADOS

EFEITOS DA TEMPERATURA OPERATIVA E DO NÍVEL DE CO 2 NO CONSUMO DE ENERGIA EM AMBIENTES ARTIFICIALMENTE CLIMATIZADOS EFEITOS DA TEMPERATURA OPERATIVA E DO NÍVEL DE CO 2 NO CONSUMO DE ENERGIA EM AMBIENTES ARTIFICIALMENTE CLIMATIZADOS Elaine G Ferreira (1) ; Eliane H Suzuki (2) ; Racine T A Prado (3) (1) Escola Politécnica

Leia mais

MERCOFRIO 2000 CONGRESSO DE AR CONDICIONADO, REFRIGERAÇÃO, AQUECIMENTO E VENTILAÇÃO DO MERCOSUL

MERCOFRIO 2000 CONGRESSO DE AR CONDICIONADO, REFRIGERAÇÃO, AQUECIMENTO E VENTILAÇÃO DO MERCOSUL MERCOFRIO 2000 CONGRESSO DE AR CONDICIONADO, REFRIGERAÇÃO, AQUECIMENTO E VENTILAÇÃO DO MERCOSUL ANÁLISE COMPARATIVA DAS TAXAS TRANSFERÊNCIA DE CALOR EM SISTEMAS DE CLIMATIZAÇÃO DO TIPO VOLUME DE AR CONSTANTE

Leia mais

O conceito do conforto. térmico humano

O conceito do conforto. térmico humano O conceito do conforto 1 térmico humano Projeto FEUP 2014/2015 MIEQ Equipa Q1FQI04_1 Supervisor: José Inácio Martins Monitor: Helder Xavier Nunes 2 1.INTRODUÇÃO Como ocorre a regulação da temperatura corporal

Leia mais

Dando continuidade à serie de matérias sobre as especificações

Dando continuidade à serie de matérias sobre as especificações Técnica Especificações Técnicas de edifícios comerciais: Ar condicionado Dando continuidade à serie de matérias sobre as especificações técnicas, falaremos sobre o tema Ar condicionado. Outros temas desta

Leia mais

Desempenho Térmico de edificações Aula 2: Conforto Térmico

Desempenho Térmico de edificações Aula 2: Conforto Térmico Desempenho Térmico de edificações PROFESSOR Roberto Lamberts ECV 5161 UFSC FLORIANÓPOLIS + humanas + ambientais + outras + balanço ter. + adaptativo + standard 55 estrutura variáveis cálculo 2 definição

Leia mais

Inversores de Freqüência na Refrigeração Industrial

Inversores de Freqüência na Refrigeração Industrial ersores de Freqüência na Refrigeração Industrial Os inversores de freqüência possuem um vasto campo de aplicações dentro da área de refrigeração industrial. São utilizados nas bombas de pressurização,

Leia mais

Palavras-chave: Simulação, Climatização, Ar condicionado, Edificações, Energia.

Palavras-chave: Simulação, Climatização, Ar condicionado, Edificações, Energia. ANÁLISE COMPARATIVA DE SISTEMAS DE CLIMATIZAÇÃO TIPO VOLUME DE AR CONSTANTE (CAV) E VOLUME DE AR VARIÁVEL (VAV) MULTIZONAS OPERANDO EM CLIMA QUENTE E ÚMIDO César Augusto Gomes dos Santos Jorge Emanuel

Leia mais

FENÔMENOS DE TRANSPORTE 2 CONDICIONAMENTO DE AR E PSICOMETRIA

FENÔMENOS DE TRANSPORTE 2 CONDICIONAMENTO DE AR E PSICOMETRIA FENÔMENOS DE TRANSPORTE 2 CONDICIONAMENTO DE AR E PSICOMETRIA DEFINIÇÃO "Ar condicionado é um processo de tratamento de ar, que visa controlar simultaneamente a temperatura, a umidade, a pureza e a distribuição

Leia mais

Desempenho Térmico de Edificações: Parte 1: Definições, Símbolos e

Desempenho Térmico de Edificações: Parte 1: Definições, Símbolos e Janeiro 2003 Projeto 02:135.07-001 Desempenho térmico de edificações Parte 1: Definições, Símbolos e Unidades. Origem: 02:135.07-001:1998 CB-02- Comitê Brasileiro de Construçãivil CE-02:135.07 - Comissão

Leia mais

ISSN 1981-4232. Aquecimento Ventilação Ar Condicionado Automação Refrigeração ea. engenharia arquitetura R$ 6,00 PÁTIO MALZONI BUSCA O LEED GOLD

ISSN 1981-4232. Aquecimento Ventilação Ar Condicionado Automação Refrigeração ea. engenharia arquitetura R$ 6,00 PÁTIO MALZONI BUSCA O LEED GOLD + ISSN 1981-4232 Aquecimento Ventilação Ar Condicionado Automação Refrigeração ea engenharia arquitetura R$ 6,00 C lim atização & Refrigeração Ano XI Nº 140 abril de 2012 PÁTIO MALZONI BUSCA O LEED GOLD

Leia mais

Ar Condicionado Central VRF Ar de Confiança

Ar Condicionado Central VRF Ar de Confiança Impression TM Ar Condicionado Central VRF Ar de Confiança Impression Ar condicionado Central VRF Perfil do Produto A linha de produtos Impression é um novo conceito de condicionador de ar inteligente VRF

Leia mais

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Caderno de Provas REFRIGERAÇÃO E CLIMATIZAÇÃO Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Use apenas caneta esferográfica azul ou preta. Escreva o seu nome completo

Leia mais

Carlos Roberto Ferrari Junior. Análise do Sistema Atual e Projeto de um Sistema Central de Ar Condicionado para o Palácio dos Bandeirantes

Carlos Roberto Ferrari Junior. Análise do Sistema Atual e Projeto de um Sistema Central de Ar Condicionado para o Palácio dos Bandeirantes Carlos Roberto Ferrari Junior Análise do Sistema Atual e Projeto de um Sistema Central de Ar Condicionado para o Palácio dos Bandeirantes Trabalho de conclusão do curso de graduação do Departamento de

Leia mais

Eficiência na transferência de calor de processos industriais

Eficiência na transferência de calor de processos industriais 58 Capítulo V Eficiência na transferência de calor de processos industriais Por Oswaldo de Siqueira Bueno* Nas edições anteriores, foram abordadas as perspectivas de economia de energia com a eficiência

Leia mais

Dutos para condução de ar

Dutos para condução de ar Dutos para condução de ar 1 1) Q = VA considerações 2) H 2 p V = h+ + γ 2g (energia total) 3) 2 2 pa V a pb V b Ja b = ha + + hb + + γ 2g γ 2g J a b p p V V = + γ 2g 2 2 a b a b Perda de carga para dutos

Leia mais

Tecnologia de Sistemas Prediais de Ar Condicionado e a Conservação de Energia

Tecnologia de Sistemas Prediais de Ar Condicionado e a Conservação de Energia Assuntos: 1 Sustentabilidade segundo ASHRAE 90.1 2 Impactos em Arquitetura Prédio Altos 3 Aspectos para Definir Tipo de Sistema de Ar Condicionado TEKNIKA Projetos e Consultoria Ltda Por: Raul José de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Departamento de Engenharia Mecânica DEM / POLI / UFRJ. Bruno Werner De Almeida Corrêa

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Departamento de Engenharia Mecânica DEM / POLI / UFRJ. Bruno Werner De Almeida Corrêa UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Departamento de Engenharia Mecânica DEM / POLI / UFRJ ANÁLISE DA VIABILIDADE TÉCNICA DE INSTALAÇÃO DE UM SISTEMA DE CONDICIONAMENTO DE AR COM VARIAÇÃO DE FLUXO DE

Leia mais

Resfriamento evaporativo: poupando a energia e o meio ambiente

Resfriamento evaporativo: poupando a energia e o meio ambiente Resfriamento evaporativo: poupando a energia e o meio ambiente EVAPORATIVE COOLING AIR CONDITIONING SYSTEM: SAVING ENERGY AND THE ENVIRONMENT José Rui Camargo Departamento de Engenharia Mecânica Universidade

Leia mais

MERCOFRIO 2006 - V CONGRESSO DE AR CONDICIONADO, REFRIGERAÇÃO, AQUECIMENTO E VENTILAÇÃO DO MERCOSUL

MERCOFRIO 2006 - V CONGRESSO DE AR CONDICIONADO, REFRIGERAÇÃO, AQUECIMENTO E VENTILAÇÃO DO MERCOSUL MERCOFRIO 2006 - V CONGRESSO DE AR CONDICIONADO, REFRIGERAÇÃO, AQUECIMENTO E VENTILAÇÃO DO MERCOSUL ANÁLISE COMPARATIVA DA EFICIÊNCIA DE SISTEMAS DE CONDICIONAMENTO DE AR ATRAVÉS DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL.

Leia mais

SIMULAÇÃO E ANÁLISE DE UM SISTEMA INOVADOR DE CONDICIONAMENTO DE AR USANDO MEIO DESSECANTE

SIMULAÇÃO E ANÁLISE DE UM SISTEMA INOVADOR DE CONDICIONAMENTO DE AR USANDO MEIO DESSECANTE 16º POSMEC Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Mecânica SIMULAÇÃO E ANÁLISE DE UM SISTEMA INOVADOR DE CONDICIONAMENTO DE AR USANDO MEIO DESSECANTE Thomaz Smith Reis thomasmithr@yahoo.com.br

Leia mais

Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água

Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água Giorgia Francine Cortinovis (EPUSP) Tah Wun Song (EPUSP) 1) Introdução Em muitos processos, há necessidade de remover carga térmica de um dado sistema

Leia mais

ASHRAE Annual Conference 2011

ASHRAE Annual Conference 2011 ASHRAE Annual Conference 2011 Definição A ASHRAE Annual Conference é um evento criado pela American Society of Heating, Refrigerating and Air-Conditioning Engineers (sociedade americana dos engenheiros

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL ATRAVÉS DA CERTIFICAÇÃO Leticia Neves

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL ATRAVÉS DA CERTIFICAÇÃO Leticia Neves EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL ATRAVÉS DA CERTIFICAÇÃO Leticia Neves CTE CONSULTORIA EM GREEN BUILDING DOS 203 EMPREENDIMENTOS CERTIFICADOS LEED, O CTE PRESTOU CONSULTORIA PARA 95

Leia mais

Condensação. Ciclo de refrigeração

Condensação. Ciclo de refrigeração Condensação Ciclo de refrigeração Condensação Três fases: Fase 1 Dessuperaquecimento Redução da temperatura até a temp. de condensação Fase 2 Condensação Mudança de fase Fase 3 - Subresfriamento Redução

Leia mais

Ar Condicionado. Linha Mini Split. Linha Completa para o Conforto Térmico. piso teto

Ar Condicionado. Linha Mini Split. Linha Completa para o Conforto Térmico. piso teto Ar Condicionado Linha Mini Split VOCÊ CRIA O AMBIENTE, NÓS CRIAMOS O CLIMA. CASSETE piso teto Linha Completa para o Conforto Térmico Cassete Apresentação Os aparelhos Cassete são discretos tanto por seu

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA CULTURA DO ESTADO DE SÃO PAULO

SECRETARIA DE ESTADO DA CULTURA DO ESTADO DE SÃO PAULO FL.: 1/8 SECRETARIA DE ESTADO DA CULTURA DO ESTADO DE SÃO PAULO SISTEMA DO AR CONDICIONADO CENTRO DE CULTURA, MEMÓRIA E ESTUDOS DA DIVERSIDADE SEXUAL DO ESTADO DE SÃO PAULO. LOJAS 515 e 518 - METRÔ REPÚBLICA

Leia mais

ANÁLISE DO SISTEMA ATUAL E PROJETO DE UM SISTEMA CENTRAL DE AR CONDICIONADO PARA O PALÁCIO DOS BANDEIRANTES

ANÁLISE DO SISTEMA ATUAL E PROJETO DE UM SISTEMA CENTRAL DE AR CONDICIONADO PARA O PALÁCIO DOS BANDEIRANTES ANÁLISE DO SISTEMA ATUAL E PROJETO DE UM SISTEMA CENTRAL DE AR CONDICIONADO PARA O PALÁCIO DOS BANDEIRANTES Carlos Roberto Ferrari Junior cferrari@uol.com.br Resumo. O Palácio dos Bandeirantes é a residência

Leia mais

BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15

BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15 BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15 Este boletim de engenharia busca apresentar informações importantes para conhecimento de SISTEMAS de RECUPERAÇÃO de ENERGIA TÉRMICA - ENERGY RECOVERY aplicados a CENTRAIS

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE CONDICIONADOR DE AR E VERIFICAÇÃO DO USO DE SEU CALOR REJEITADO PARA AQUECIMENTO DE PISCINA

DIMENSIONAMENTO DE CONDICIONADOR DE AR E VERIFICAÇÃO DO USO DE SEU CALOR REJEITADO PARA AQUECIMENTO DE PISCINA DIMENSIONAMENTO DE CONDICIONADOR DE AR E VERIFICAÇÃO DO USO DE SEU CALOR REJEITADO PARA AQUECIMENTO DE PISCINA Eduardo Gus Brofman eduardobrofman@hotmail.com Paulo Otto Beyer paulo.beyer@ufrgs.br Universidade

Leia mais

TORRE DE. Engenharia mecânica. Adriano Beraldo Daniel Alves Danilo Di Lazzaro Diogenes Fernandes Paulo Berbel

TORRE DE. Engenharia mecânica. Adriano Beraldo Daniel Alves Danilo Di Lazzaro Diogenes Fernandes Paulo Berbel TORRE DE RESFRIAMENTO Engenharia mecânica Adriano Beraldo Daniel Alves Danilo Di Lazzaro Diogenes Fernandes Paulo Berbel FIGURA 01: Introdução São equipamentos utilizados para o resfriamento e reaproveitamento

Leia mais

Ventilação Aplicada à Engenharia de Segurança do Trabalho

Ventilação Aplicada à Engenharia de Segurança do Trabalho UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO ESPECIALIZAÇÃO em ENGENHARIA de SEGURANÇA do TRABALHO Ventilação Aplicada à Engenharia de Segurança do Trabalho (3ª Aula) Prof. Alex Maurício Araújo Recife - 2009 VGD

Leia mais

CPAS Climatizador Self Contained de Precisão

CPAS Climatizador Self Contained de Precisão CPAS Climatizador Self Contained de Precisão O Climatizador Self Contained de Precisão é uma unidade evaporadora que incorpora compressor, evaporador, ventilador e instrumentação de proteção e controle.

Leia mais

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 9

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 9 TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS CONFORTO AMBIENTAL Aula 9 São estratégias de projeto que devem ser adotadas quando não se consegue tirar partido dos recursos naturais. Geralmente são indispensáveis

Leia mais

Evaporadores. Ciclo de refrigeração

Evaporadores. Ciclo de refrigeração Evaporadores Ciclo de refrigeração Evaporadores Função Extrair calor do meio a ser resfriado (ar, água ou outra substância). Processo Mudança de estado do gás refrigerante, da fase líquida para a fase

Leia mais

Sistema típico de ar condicionado do tipo água gelada

Sistema típico de ar condicionado do tipo água gelada Sistema típico de ar condicionado do tipo água gelada Válvula de controle Ambiente 2 Sumidouro de calor Bomba d água Ambiente 1 Sistema de ar condicionado do tipo água gelada Classificação: Sistema multi-zona

Leia mais

EDISON DOMINGUES JR. RAYMOND KHOE LUIZ ROBERTO SOARES

EDISON DOMINGUES JR. RAYMOND KHOE LUIZ ROBERTO SOARES PROJETOS DE HOSPITAIS SUSTENTÁVEIS EDISON DOMINGUES JR. RAYMOND KHOE LUIZ ROBERTO SOARES É importante destacar os benefícios de um edifício sustentável. Os green buildings podem ser definidos pelas seguintes

Leia mais

2.1. A variável clima 23 2.1.1. Normais climatológicos 24

2.1. A variável clima 23 2.1.1. Normais climatológicos 24 Índice Índice de figuras e tabelas 11 Siglas, abreviaturas e unidades 15 Prefácio 17 Capítulo 1 Introdução 19 Capítulo 2 Enquadramento teórico 23 2.1. A variável clima 23 2.1.1. Normais climatológicos

Leia mais

O Armazenamento de Energia Térmica para aquecimento por Calor Latente (P.C.M,s) (Materiais com Mudança de Fase)

O Armazenamento de Energia Térmica para aquecimento por Calor Latente (P.C.M,s) (Materiais com Mudança de Fase) O Armazenamento de Energia Térmica para aquecimento por Calor Latente (P.C.M,s) (Materiais com Mudança de Fase) Por: Alfredo Costa Pereira* Os materiais que mudam de fase (P.C.M,s) armazenam energia mantendo

Leia mais

1º SIACS SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE ARQUITETURA & CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL AR CONDICIONADO E GESTÃO ENERGÉTICA

1º SIACS SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE ARQUITETURA & CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL AR CONDICIONADO E GESTÃO ENERGÉTICA 1º SIACS SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE ARQUITETURA & CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL AR CONDICIONADO E GESTÃO ENERGÉTICA PALESTRANTE Eng. Tulio Marcus Carneiro de Vasconcellos Formado em Engenharia Mecânica pela UFMG

Leia mais

A composição padrão do ar atmosférico seco ao nível do mar é definida

A composição padrão do ar atmosférico seco ao nível do mar é definida Tecnologia do Calor Prof. Nisio C. Brum I- INTRODUÇÃO Atualmente por Condicionamento de Ar entende-se o processo de climatização artificial do ar interno a ambientes de uso público, coletivo ou destinado

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE RESULTADOS COMPUTACIONAIS E EXPERIMENTAIS DO COMPORTAMENTO TÉRMICO DE UM AMBIENTE

COMPARAÇÃO ENTRE RESULTADOS COMPUTACIONAIS E EXPERIMENTAIS DO COMPORTAMENTO TÉRMICO DE UM AMBIENTE COMPARAÇÃO ENTRE RESULTADOS COMPUTACIONAIS E EXPERIMENTAIS DO COMPORTAMENTO TÉRMICO DE UM AMBIENTE Edi Terezinha de Oliveira Grings e-mail: editog@terra.com.br Artigo elaborado a partir da dissertação

Leia mais

AR CONDICIONADO. Componentes

AR CONDICIONADO. Componentes AR CONDICIONADO AR CONDICIONADO Basicamente, a exemplo do que ocorre com um refrigerador (geladeira), a finalidade do ar condicionado é extrair o calor de uma fonte quente, transferindo-o para uma fonte

Leia mais

Sistemas de Agua Gelada de Alta Performance

Sistemas de Agua Gelada de Alta Performance Sistemas de Agua Gelada de Alta Performance Manoel L.S.Gameiro Trane Brasil Date 09/06/2010 Agenda -Quem é a Ingersoll Rand -Nossa missão -Sistema de Água Gelada de Alta Performance visão geral 2 1 Quem

Leia mais

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil Gabriela Ferreira da Silva Companhia Paulista de Força e Luz gabrielaf@cpfl.com.br Eficiência

Leia mais

ANÁLISE E REDIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE CLIMATIZAÇÃO EM UMA INDÚSTRIA DE EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS

ANÁLISE E REDIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE CLIMATIZAÇÃO EM UMA INDÚSTRIA DE EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS 0 UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ Nilton de Paula da Silva ANÁLISE E REDIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE CLIMATIZAÇÃO EM UMA INDÚSTRIA DE EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS Taubaté - SP 2007 1 UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ Nilton

Leia mais

Simulado ENEM. a) 75 C b) 65 C c) 55 C d) 45 C e) 35 C

Simulado ENEM. a) 75 C b) 65 C c) 55 C d) 45 C e) 35 C 1. Um trocador de calor consiste em uma serpentina, pela qual circulam 18 litros de água por minuto. A água entra na serpentina à temperatura ambiente (20 C) e sai mais quente. Com isso, resfria-se o líquido

Leia mais

Customers. The core of our innovation. Alimentação & Transporte Secagem Dosagem Controle de Temperatura Refrigeração. Granulação

Customers. The core of our innovation. Alimentação & Transporte Secagem Dosagem Controle de Temperatura Refrigeração. Granulação PT Customers. The core of our innovation Alimentação & Transporte Secagem Dosagem Controle de Temperatura Refrigeração Granulação Tecnologias Piovan para Refrigeração: Chillers com compressores scroll

Leia mais

Controle Térmico de Ambientes

Controle Térmico de Ambientes Prof. MsC. Osvaldo Guilen Lopes Santos / SP Plano de Ensino Os participantes terão informações sobre sistemas de ar condicionado / refrigeração e ventilação industrial, ficando capacitados à execução de

Leia mais

Saiba mais sobre Condicionadores de AR.

Saiba mais sobre Condicionadores de AR. Saiba mais sobre Condicionadores de AR. O ar-condicionado está na vida das pessoas: em casa, no carro e no trabalho. Apesar de ser um alívio contra o calor, este equipamento pode ser um meio de disseminação

Leia mais

Tecnologias de Micro-Geração e Sistemas Periféricos PARTE II Tecnologias de Aproveitamento de Calor -

Tecnologias de Micro-Geração e Sistemas Periféricos PARTE II Tecnologias de Aproveitamento de Calor - Tecnologias de Micro-Geração e Sistemas Periféricos PARTE II Tecnologias de Aproveitamento de Calor - 53 7 - Chillers de Absorção 54 7.1 Descrição da tecnologia Um chiller de água é uma máquina que tem

Leia mais

Equipamentos primários. L. Roriz

Equipamentos primários. L. Roriz Equipamentos primários L. Roriz Unidades de Arrefecimento Unidades de Arrefecimento de Ar Unidades Produtoras de Água Refrigerada Sistemas de compressão de vapor Sistemas de expansão directa Sistemas utilizando

Leia mais

Ar Condicionado e Refrigeração Ciclos de Refrigeração

Ar Condicionado e Refrigeração Ciclos de Refrigeração CICLOS DE REFRIGERAÇÃO Os ciclos mais usados, na seqüência, são: Ciclo de refrigeração por compressão de vapor Ciclo de refrigeração por absorção O ciclo é constituído dos seguintes processos sucessivos:

Leia mais

Fundamentos de Engenharia Solar. Racine T. A. Prado

Fundamentos de Engenharia Solar. Racine T. A. Prado Fundamentos de Engenharia Solar Racine T. A. Prado Coletores Solares Um coletor solar é um tipo específico de trocador de calor que transforma energia solar radiante em calor. Duffie; Beckman Equação básica

Leia mais

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PROJETO E SELEÇÃO DE UM EQUIPAMENTO DE AR CONDICIONADO PARA UM VAGÃO DE PASSAGEIROS DE TREM

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PROJETO E SELEÇÃO DE UM EQUIPAMENTO DE AR CONDICIONADO PARA UM VAGÃO DE PASSAGEIROS DE TREM ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DANIEL CADARIO DE AZEVEDO CENTINI PROJETO E SELEÇÃO DE UM EQUIPAMENTO DE AR CONDICIONADO PARA UM VAGÃO DE PASSAGEIROS DE TREM SÃO PAULO 2011 DANIEL CADARIO

Leia mais

Módulo VII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Princípio de Conservação da Massa. Regime Permanente.

Módulo VII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Princípio de Conservação da Massa. Regime Permanente. Módulo VII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Princípio de Conservação da Massa. Regime Permanente. Conservação da Massa A massa, assim como a energia, é uma propriedade que se conserva,

Leia mais

LEANDRO FLORES NESS ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DE PROTEÇÃO EXTERNA E INTERNA NA CARGA TÉRMICA E CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA EM UMA EDIFICAÇÃO

LEANDRO FLORES NESS ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DE PROTEÇÃO EXTERNA E INTERNA NA CARGA TÉRMICA E CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA EM UMA EDIFICAÇÃO LEANDRO FLORES NESS ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DE PROTEÇÃO EXTERNA E INTERNA NA CARGA TÉRMICA E CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA EM UMA EDIFICAÇÃO Monografia apresentada ao Departamento de Engenharia Mecânica da

Leia mais

OS REQUISITOS DE DESEMPENHO TÉRMICO DA NBR 15575 E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DO PROCEL SOB O PONTO DE VISTA DO PROJETO DE ARQUITETURA

OS REQUISITOS DE DESEMPENHO TÉRMICO DA NBR 15575 E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DO PROCEL SOB O PONTO DE VISTA DO PROJETO DE ARQUITETURA OS REQUISITOS DE DESEMPENHO TÉRMICO DA NBR 15575 E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DO PROCEL SOB O PONTO DE VISTA DO PROJETO DE ARQUITETURA Prof. ENEDIR GHISI UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Departamento

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DOS SISTEMAS DE CLIMATIZAÇÃO E REFRIGERAÇÃO INDUSTRIAL EM SUPERMERCADOS

OTIMIZAÇÃO DOS SISTEMAS DE CLIMATIZAÇÃO E REFRIGERAÇÃO INDUSTRIAL EM SUPERMERCADOS OTIMIZAÇÃO DOS SISTEMAS DE CLIMATIZAÇÃO E REFRIGERAÇÃO INDUSTRIAL EM SUPERMERCADOS Alexandre Lee ale.lee2@gmail.com Resumo. A constante necessidade de racionamento de energia durante o período do apagão

Leia mais

Afinal de contas, as decisões mais importantes de Minas Gerais merecem ser tomadas no melhor clima.

Afinal de contas, as decisões mais importantes de Minas Gerais merecem ser tomadas no melhor clima. A TUMA Desde 1971 no segmento de engenharia térmica e ar condicionado, a TUMA desenvolve projetos com alto nível técnico, visando atender as particularidades de cada cliente e atingir um elevado nível

Leia mais

ANÁLISE PROJETUAL DA RESIDÊNCIA SMALL HOUSE TÓQUIO, JAPÃO.

ANÁLISE PROJETUAL DA RESIDÊNCIA SMALL HOUSE TÓQUIO, JAPÃO. UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO E DESIGN DISCIPLINA: CONFORTO AMBIENTAL 1 ANÁLISE PROJETUAL DA RESIDÊNCIA SMALL HOUSE TÓQUIO, JAPÃO. ARQUITETOS: KAZUYO SEJIMA E

Leia mais

Armazenamento de energia

Armazenamento de energia Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica 3 º. trimestre, 2015 A energia solar é uma fonte de energia dependente do tempo. As necessidades de energia

Leia mais

ÁREA DO CONHECIMENTO: (x) EXATAS ( )HUMANAS ( )VIDA

ÁREA DO CONHECIMENTO: (x) EXATAS ( )HUMANAS ( )VIDA 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA ÁREA DO CONHECIMENTO: (x) EATAS ( )HUMANAS ( )VIDA PROGRAMA: () PIBIC ( ) PIVIC Título

Leia mais

- ENGº MECÂNICO GEORGE RAULINO

- ENGº MECÂNICO GEORGE RAULINO ABRAVA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE REFRIGERAÇÃO, AR CONDICIONADO, VENTILAÇÃO E AQUECIMENTO - APRESENTAÇÃO DA ABRAVA - APRESENTAÇÃO DE CASE - ENGº MECÂNICO GEORGE RAULINO - ENGENHARIA DE SISTEMAS TÉRMICOS

Leia mais

Módulo I Segunda Lei da Termodinâmica e Ciclos

Módulo I Segunda Lei da Termodinâmica e Ciclos Módulo I Segunda Lei da Termodinâmica e Ciclos Limites da Primeira Lei No estudo da termodinâmica básica vimos que a energia deve ser conservar e que a Primeira Lei enuncia essa conservação. Porém, o cumprimento

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA EFICIÊNCIA DE SISTEMAS DE AR CONDICIONADO EM UM PRÉDIO RESIDENCIAL por Jorge Cláiton de Souza Grass

Leia mais

Guia de Aquisição e Instalação de Condicionadores de Ar Como escolher o equipamento, garantir a instalação correta e fazer o melhor uso.

Guia de Aquisição e Instalação de Condicionadores de Ar Como escolher o equipamento, garantir a instalação correta e fazer o melhor uso. Guia de Aquisição e Instalação de Condicionadores de Ar Como escolher o equipamento, garantir a instalação correta e fazer o melhor uso. Projeto e desenvolvimento: Diretoria ASBRAV Versão /01 WWW.ASBRAV.ORG.BR

Leia mais

Ciclos de Potência a vapor. Ciclo Rankine

Ciclos de Potência a vapor. Ciclo Rankine Ciclos de Potência a vapor Ciclo Rankine BOILER q in 3 TURBINE w out 2 4 CONDENSER w in 1 PUMP q out Ciclo de Carnot T T H 2 3 T H < T C Compressor e turbina trabalham na região bifásica! 1 T L 4 s Ciclo

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE PROCESSOS DE CONTROLE AVANÇADOS PARA SISTEMAS DE TRATAMENTO DE AR. Eng. Mauricio de Barros mbarros@consultar.eng.

ESPECIFICAÇÃO DE PROCESSOS DE CONTROLE AVANÇADOS PARA SISTEMAS DE TRATAMENTO DE AR. Eng. Mauricio de Barros mbarros@consultar.eng. ESPECIFICAÇÃO DE PROCESSOS DE CONTROLE AVANÇADOS PARA SISTEMAS DE TRATAMENTO DE AR Eng. Mauricio de Barros mbarros@consultar.eng.br XV Encontro Nacional de Projetistas e Consultores da ABRAVA 23/09/2015

Leia mais

AVALIAÇÃO ENERGÉTICA DE UM SISTEMA HÍBRIDO RADIANTE-CONVECTIVO A DOIS-TUBOS, VENTILOCONVECTORES E PAREDES RADIANTES

AVALIAÇÃO ENERGÉTICA DE UM SISTEMA HÍBRIDO RADIANTE-CONVECTIVO A DOIS-TUBOS, VENTILOCONVECTORES E PAREDES RADIANTES AVALIAÇÃO ENERGÉTICA DE UM SISTEMA HÍBRIDO RADIANTE-CONVECTIVO A DOIS-TUBOS, VENTILOCONVECTORES E PAREDES RADIANTES L. Roriz R. Duarte M. Gamboa Instituto Superior Técnico DEM/ICIST Av. Rovisco Pais, 1

Leia mais

1 INTRODUÇÃO 1.1 DESENVOLVIMENTO DA CLIMATIZAÇÃO

1 INTRODUÇÃO 1.1 DESENVOLVIMENTO DA CLIMATIZAÇÃO 1 1 INTRODUÇÃO 1.1 DESENVOLVIMENTO DA CLIMATIZAÇÃO Os métodos para se conseguir o frio artificial e aplicá-lo aos processos produtivos, estocagem e conforto evoluíram, transformaram-se, foram abandonados

Leia mais

Sistemas de Ar Condicionado

Sistemas de Ar Condicionado Sistemas de Ar Condicionado Eng. Dr. Fúlvio Vittorino IPT - Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo Objetivo Processos e equipamentos mecânicos para: Resfriar ou Aquecer; Desumidificar

Leia mais

Sustentabilidade e Facilites. Prepared for: O ar condicionado de alto. desempenho em edifícios. comerciais CAPÍTULO. Metodologia

Sustentabilidade e Facilites. Prepared for: O ar condicionado de alto. desempenho em edifícios. comerciais CAPÍTULO. Metodologia II Seminário de Sustentabilidade e Facilites 2010 Prepared for: O ar condicionado de alto desempenho em edifícios comerciais CAPÍTULO 1 Metodologia Capítulo 1 Eficiência Correspondência ou adequação de

Leia mais

U.O. ADMINISTRAÇÃO GERAL PROJETOS E OBRAS

U.O. ADMINISTRAÇÃO GERAL PROJETOS E OBRAS INSTALAÇÃO DE SISTEMA DE AR CONDICIONADO NO E.R. GUARULHOS 1. OBJETO O presente memorial refere-se ao fornecimento e instalação de conjuntos de ar condicionado, a serem instalados no E.R. Guarulhos, localizado

Leia mais

ISO 9001 : 2008. De 22/10/2012 a 26/10/2012. Local: Hotel a definir Rio de Janeiro. Carga Horária: 40 horas. Horário: das 8h30min às 17h30min

ISO 9001 : 2008. De 22/10/2012 a 26/10/2012. Local: Hotel a definir Rio de Janeiro. Carga Horária: 40 horas. Horário: das 8h30min às 17h30min ISO 9001 : 2008 Modernização (Retrofit) de Sistemas de Ar Condicionado De 22/10/2012 a 26/10/2012 Local: Hotel a definir Rio de Janeiro Carga Horária: 40 horas Horário: das 8h30min às 17h30min Objetivo:

Leia mais

Higienização de Sistemas e em Redes de Dutos de Ar Condicionado

Higienização de Sistemas e em Redes de Dutos de Ar Condicionado Higienização de Sistemas e em Redes de Dutos de Ar Condicionado Eng. Leonardo Cozac Splits Aparelhos de Janela Centrais: self contained ou fancoil 2 3 Limpeza do Sistema Renovação do Ar Filtragem do Ar

Leia mais

Autor do Proj. / Resp. Técnico CREA /UF ENG DARCIO BENJAMIN REIS 425 D/PE. Coordenador Adjunto do Contrato CREA/UF. Sítio

Autor do Proj. / Resp. Técnico CREA /UF ENG DARCIO BENJAMIN REIS 425 D/PE. Coordenador Adjunto do Contrato CREA/UF. Sítio 02 REVISÃO CONF. COMENTÁRIOS 28/02/2011 DÁRCIO REIS CLÁUDIO JOSÉ L. V. LAGHI 01 REVISÃO GERAL 12/01/2011 DÁRCIO REIS CLÁUDIO JOSÉ L. V. LAGHI 00 EMISSÃO INICIAL 30/08/2010 DÁRCIO REIS CLÁUDIO JOSÉ L. V.

Leia mais

Sustentabilidade e conforto ambiental em edificações

Sustentabilidade e conforto ambiental em edificações Sustentabilidade e conforto ambiental em edificações Atualmente, a maior parte da população humana vive em centros urbanos e passa período de tempo significativo no interior de edificações, trabalhando,

Leia mais

Processos de produzir calor utilizando a energia eléctrica:

Processos de produzir calor utilizando a energia eléctrica: A V A C Aquecimento Ventilação Ar Condicionado Aquecimento eléctrico Processos de produzir calor utilizando a energia eléctrica: Aquecimento por resistência eléctrica. Aquecimento por indução electromagnética.

Leia mais

MDV4+W VRF COM CONDENSAÇÃO A ÁGUA. Alta eficiência, com máxima economia e flexibilidade. Um produto

MDV4+W VRF COM CONDENSAÇÃO A ÁGUA. Alta eficiência, com máxima economia e flexibilidade. Um produto MDV4+W VRF COM CONDENSAÇÃO A ÁGUA Alta eficiência, com máxima economia e flexibilidade Um produto COMPRESSOR DC INVERTER Os compressores inverter do MDV4+ água possuem eficiência até 25% superior comparado

Leia mais

Guia de declaração para equipamentos de AVAC&R. (Aplicação dos DL 230/2004 e 132/2010)

Guia de declaração para equipamentos de AVAC&R. (Aplicação dos DL 230/2004 e 132/2010) (Aplicação dos DL 230/2004 e 132/2010) ÍNDICE 1 Objectivo... 3 2 Porquê esta legislação?... 3 3 Quem está abrangido?... 3 4 Quais os equipamentos abrangidos?... 3 5 Dúvidas frequentes... 5 5.1 Equipamentos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Goiás Pró-Reitoria de Administração e Finanças

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Goiás Pró-Reitoria de Administração e Finanças MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Goiás Pró-Reitoria de Administração e Finanças Pregão Eletrônico Nº 00174/2013(SRP) VIGÊNCIA 26/12/2013 A 25/12/2014 RESULTADO POR FORNECEDOR 05.821.117/0001-50

Leia mais

Secador de Ar por Refrigeração CPX. Produtos de Alta Performance. Desenvolvidos para você!

Secador de Ar por Refrigeração CPX. Produtos de Alta Performance. Desenvolvidos para você! Secador de Ar por Refrigeração CPX 2011 Produtos de Alta Performance. Desenvolvidos para você! Secador de Ar CPX 2. Condensados O ar comprimido produzido pelos compressores contém vapor de água que poderá

Leia mais

PROCESSO N 020601.010253/15-70 CARIMBO CNPJ Nº

PROCESSO N 020601.010253/15-70 CARIMBO CNPJ Nº Ao Governo do Estado de Roraima Secretaria de Estado da Saúde SESAU Gerencia Especial de Cotação GEC MODELO DA PROPOSTA DE PREÇOS PROCESSO N 020601.010253/15-70 CARIMBO ANEXO I 01 Condicionadores de Ar

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS E INSTALAÇÕES

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS E INSTALAÇÕES EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS E INSTALAÇÕES PROF. RAMÓN SILVA Engenharia de Energia Dourados MS - 2013 2 Áreas de oportunidade para melhorar a eficiência na distribuição de frio Isolamento das tubulações

Leia mais