MECANISMOS FINANCEIROS PARA FONTES DE ENERGIA RENOVÁVEIS.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MECANISMOS FINANCEIROS PARA FONTES DE ENERGIA RENOVÁVEIS."

Transcrição

1 MECANISMOS FINANCEIROS PARA FONTES DE ENERGIA RENOVÁVEIS. Resumo *Francisco David Moya Chaves *Doutorando em Planejamento de Sistemas Energéticos, UNICAMP. Neste trabalho pretende-se apresentar três diferentes mecanismos financeiros existentes no mundo como opções de investimento de geração de eletricidade a partir de fontes renováveis de energia. Apresenta-se uma descrição dos seguintes modelos implementados no mundo: pagamento por capacidade, custos sociais da energia, e mercados de certificações de energias renováveis. Finamente, faz-se uma recomendação sobre a melhor opção que poderia ser implementada no Brasil. Dada a importância da utilização das energias renováveis na geração de energia elétrica, a maioria dos sistemas elétricos no mundo tem criado mecanismos para incentivar a utilização de fontes renováveis de energia. Com o pagamento por capacidade, as usinas que utilizam fontes renováveis de energia podem receber um pagamento como retribuição do seu investimento inicial. Uma das maneiras, poderia ser estabelecendo um imposto ou taxa sobre o consumo de eletricidade que utilizam combustíveis fosseis com o qual, poder-se-ia financiar as fontes renováveis de energia. Um mercado de energias renováveis através de certificados comerciais obriga os agentes compradores no mercado elétrico terem uma porcentagem do total de suas compras como produto de compra de energia sobre tecnologias a partir de fontes renováveis, dessa maneira, a compra obrigatória de energia elétrica de usinas que utilizam fontes renováveis de energia, permitindo assim a expansão destas tecnologias. Abstract This work presents three different financier mechanisms in the world as choices in the electricity generation investment from alternative energy sources. It shows a description of the following methods developed in the world: Payment capacity, social costs of energy, and markets that trade renewable energies certificates. Finally, a recommendation about the best choice that could be implemented in Brazil is suggested. Given the importance in the use of the renewable energy of generation electric energy, most of the electric systems in the world have developed mechanisms to encourage the use of alternative energies in the world. With the capacity payment the power plants that employ alternative sources, can receive extra payment as benefits for their initial investment. A possibility could be fixing taxes for the generation of electricity with fossil fuel that could finance the renewable energy sources. A renewable energy market dealing with tradeable certificates, forces the electricity purchasers to have a percentage from alternative energies of the totally energy acquired. In this way the forced purchasing of energy from power plants which use energy certificates allows the expansion of these technologies. Palavras-Chave Fontes de Energia Renováveis, Pagamentos por Capacidade, Certificados de Energia Renovável, Custo Social da energia. 1 Introdução As energias renováveis ajudam a diversificar a matriz energética. Estudos evidenciam que no mundo existe um grande potencial de energia que pode ser extraída de recursos renováveis, temse um potencial energético latente, que nas condições atuais não pode ser aproveitado, convertêla em eletricidade utilizável pelos sistemas elétricos atuais, é um desafio.

2 O pagamento por capacidade dado às geradoras que utilizam energias renováveis é considerado não como um subsídio, mas como uma forma de internalizar o efeito que tem sobre o meio ambiente e sobre o bem-estar em geral (Oren, 2000). Ou seja, tem-se tomado consciência do impacto ambiental das energias convencionais, os riscos da energia nuclear e a dependência de combustíveis fósseis. O apoio do governo tem sido essencial para o desenvolvimento das tecnologias e os investimentos. O pagamento justo às energias renováveis implica em reconhecer o aporte que elas podem fazer no contexto energético atual e futuro. O pagamento por capacidade pode ser uma alternativa de pagamento às energias renováveis para fazer mais sustentável os investimentos nessas tecnologias no decorrer do tempo. O custo social também é uma variável a estudar pelos impactos sobre o ecossistema. Os consumidores não pagam diretamente as repercussões ambientais, sociais e de segurança de suas opções energéticas, as externalidades representam custos não compensados que a sociedade em geral tem que assumir (Worldwatch, 2004). Uma das maneiras poderia ser o estabelecimento de um imposto ou taxa sobre o consumo de eletricidade negra (geração de eletricidade utilizando combustíveis fosseis), com o qual poder-se-ia financiar as Fontes de Energia Renováveis (FER). Segundo o anterior, pode-se tomar o custo social como um custo para as geradoras com Fontes de Energia Convencionais (FEC), isso ajustado ao princípio de quem contamina paga (visto também que os combustíveis fósseis incluam nos seus preços os danos causados ao meio ambiente)(soliño, 2005). As FER podem também, receber subvenções por danos evitados. O anterior, deve-se ter em conta na normativa para o pagamento a energias renováveis. Os custos externos produzidos na geração de eletricidade podem criar mais de 200 impactos ambientais como: contaminação atmosférica, ruído, aquecimento global, efeitos sobre a água, etc. Além desses custos, pode-se considerar os efeitos positivos (tanto ambientais como sociais) da substituição de energias FEC por energias FER. O terceiro mecanismo financeiro apresentado neste trabalho, consiste na criação de um Mercado de Energias Renováveis (MER) através de certificados comerciais. Este mecanismo obriga os agentes compradores no mercado elétrico a terem uma porcentagem do total de suas compras como produto de compra de energia sobre tecnologias a partir de FER. Este mecanismo funciona através da criação de um mercado no qual se comercializam Certificados de Energia Renováveis (CER) os quais são gerados pela certificação de sistemas que utilizem FER. A compra obrigatória de energia elétrica de usinas que utilizam FER permite a expansão destas tecnologias e diversificação da matriz energética. A Austrália é pioneira na implantação deste tipo de mercado (Gwen, 2001). 2 Pagamento Por Capacidade Como Mecanismo Financeiro No Incentivo De Investimento Na Geração O pagamento por capacidade é definido como um pagamento feito às usinas geradoras, correspondente ao pagamento pelo aporte da usina à suficiência do sistema (Oren2000). O pagamento por capacidade corresponde a um incentivo do investimento, porque é um valor calculado segundo a capacidade de cada usina e entregue a elas por ter uma capacidade de respaldo (que pode não ser necessariamente utilizada). Seria feito então um pagamento por capacidade de geração declarada pela quantidade que exceder a demanda programada. Se uma usina de geração é construída e não consegue vender a possível eletricidade a fornecer pela competitividade de outros sistemas mais baratos, então nunca pode ter a retribuição de seus investimentos, mesmo assim, essa usina é importante para o sistema elétrico já que representa um nível de respaldo que pode ser utilizado em casos de contingências. Este pagamento, por exemplo, tem que ser feito aos geradores diesel já que eles têm que recuperar o investimento feito, dado que são fundamentais para o sistema, porém não são comumente despachados. Segundo o que foi dito anteriormente, o termo pagamento por capacidade é um conceito remunerador orientado à consecução de uma garantia no longo prazo, especialmente em países onde se tem uma forte componente hidráulica como o caso Brasileiro. Nesses sistemas, a geração de tipo não hídrica, enfrenta uma volatilidade dos ingressos no mercado que somente pode combater com contratos de energia de longo prazo, e desse jeito, recuperar pelo menos, seu investimento inicial.

3 No mundo, a maioria dos sistemas elétricos incluem uma remuneração por capacidade (Cargo por Confiabilidade) com objetivos diversos, utilizando distintos tipos de mecanismos (Moyano2002). Embora, o objetivo primordial, seja identificar o investimento na geração. Em alguns dos países do mundo, já se tem implantado esse tipo de pagamento aos geradores, tanto de forma direta (existe um item de pagamento chamado pagamento por capacidade ) ou na forma indireta, onde é incluído o pagamento por capacidade dentro do pagamento da energia. 2.1 Pagamento Por Capacidade À Geração Com Energias Renováveis Especificamente relacionado com o pagamento por capacidade a geradores renováveis, a Alemanha tem grande experiência (Morth2005). É o país com maior capacidade de geração eólica dentro de seu parque de geração. O pagamento por capacidade se efetua segundo o aporte que realiza a geração eólica à comunidade em geral, devido a sua condição de energia limpa, que no prejudica o meio ambiente. O pagamento por capacidade dado às geradoras que utilizam energias renováveis é considerado não como um subsídio, mas como uma forma de internalizar o efeito que tem sobre o meio ambiente e sobre o bem-estar em geral. Ou seja, tem-se tomado consciência do impacto ambiental das energias convencionais, os riscos da energia nuclear e a dependência de combustíveis fósseis. O apoio do governo tem sido primordial para o desenvolvimento das tecnologias e os investimentos. No final da década dos oitenta, o governo alemão, iniciou o programa 100 MW de vento. Depois em 1991 uma lei obrigava às empresas elétricas a comprar às empresas que geravam com usinas eólicas ao menos ao 90% do preço ao qual vendiam essa energia. Agora com uma nova lei, as turbinas que se instalem a partir do 2005, terão um pagamento de ao menos 0,0853Є/kW durante cinco anos. Se elas são instaladas alta mar, então esse pagamento se estende durante doze anos. Outro recurso importante tem sido apoiado, é a energia solar, com o programa tetos. Com esse programa se criaram más de sistemas PV (celdas fotovoltaicas) com uma capacidade instalada de 342MW. O programa foi num principio incentivado por oferecimentos de empréstimos a dez anos sem juros, e se enfocava sobre sistemas que se instalavam em moradias. Recentemente se faz um pagamento base de 0,457Є/kWh para a energia extraída de centrais com sistemas PV. Há um pagamento extra dependendo do sistema, por exemplo, se é instalado em paredes em vez de tetos. Na atualidade, Alemã tem mais capacidade eólica instalada que qualquer país no mundo. Além disso, para o final do ano 2004, Alemã foi o segundo produtor de PV e primeiro instalador no mundo. Dado que nos sistemas atuais desregulados, no se tem incluído especificamente a maneira de calcular o pagamento por capacidade às energias renováveis, a inclusão desse tipo de equipamentos, teria novos problemas à aplicação do pago por capacidade. O pagamento por capacidade de usinas com energias renováveis, corresponde a um tema com distintas dificuldades. O ideal, seria quantificar todos os efeitos que tem os diferentes tipos de energia no sistema de geração e na sociedade. 2.2 Encargos De Capacidade No Brasil Embora no Brasil o pagamento por capacidade não tenha sido ainda implementado, um dos mecanismos utilizados mais próximos a este conceito foi a criação dos encargos de capacidade e aquisição de energia elétrica emergencial feitos pela Comercializadora Brasileira de Energia Emergencial (CBEE). Entidade criada no ano 2001 para a viabilização do aumento da capacidade de geração e da oferta de energia elétrica de qualquer fonte em curto prazo e à superação da crise de energia elétrica e ao reequilíbrio de oferta e demanda de energia elétrica. Está planejada sua extinção em junho de 2006 (CBEE, 2006). No ano 2001 foram feitos contratos pela CBEE para a construção de 54 usinas representando um aumento de 1827 MW na capacidade instalada total do Brasil. Todas as usinas entraram em

4 operação no ano de Desta maneira, o ECE contribuiu ao investimento em novas usinas térmicas e no aumento na capacidade de reserva. A usinas termelétricas contratadas receberam um monto econômico pela disponibilização de potência ( aluguel ) e pela geração de energia para atendimento ao sistema brasileiro. O pagamento pela potência contratada foi custeado via o Encargo de Capacidade Emergencial (ECE, também conhecido como seguro apagão ), pago por todos os consumidores de energia elétrica, exceto os pertencentes à Subclasse Residencial Baixa Renda (fixado em R$ 0,0085/kWh). O pago ECE, foi extinto por meio da Resolução Normativa da ANEEL n 204, de 22 de dezembro de As usinas emergenciais entram em operação quando ocorre o risco de falta de energia para o suprimento do país. Sempre que elas são chamadas a operar, é acionado outro encargo, o Encargo de Aquisição de Energia Elétrica Emergencial (EAE, definido pela ANEEL em R$ 0,004681/kWh, com vigência no período de 1 a 31 de janeiro de 2004), pago por todos os consumidores de energia elétrica, exceto os residenciais com consumo mensal abaixo de 350 kwh e os rurais com consumo mensal inferior a 700 kwh. Após o pagamento pelos consumidores, as distribuidoras repassaram os montantes arrecadados à CBEE para que esta realizara os pagamentos do aluguel e da geração de energia às usinas contratadas pelo programa emergencial. 3 Custo Social Da Eletricidade Os custos sociais da geração de eletricidade, podem dividir-se em custos privados e custos externos como são apresentados na Figura 1. Os custos externos se decompõem em custos meio ambientais e não meio ambientais. Nos primeiros se incluem os danos pela contaminação atmosférica, mudança climática, sobre a paisagem, o meio natural, etc. Os custos não meio ambientais são os custos ou benefícios de natureza socioeconômica, como por exemplo: a insegurança de preços, a dependência energética, ou sobre o emprego, desenvolvimento rural, etc. Nesses casos, trata-se de impactos que não têm preço de mercado, também chamados externalidades. Os custos privados se originam do processo de obtenção da eletricidade como: custos de investimentos, compra de fonte energética primária, custos de infra-estrutura, etc. Figura 1 Custos sociais da energia. Fonte (Soliño, 2005) No sistema de retribuição da eletricidade procedente das FER na Espanha, o preço de venda da eletricidade verde (sem utilizar combustíveis fosseis) não sempre compensa os custos privados dos produtores.

5 A intervenção pública sobre o mercado de eletricidade, através de um sistema de pagamentos à produção de energia utilizando FER (derivadas de um fundo dotado de cargos sobre todos os consumos de eletricidade) tem favorecido a expansão da geração eólica. Os custos privados das tecnologias em regime ordinário, (quer dizer geradores tradicionais e novos ciclos combinados) ascende a 3,74 c /kwh, dos quais 3,13 c /kwh corresponde a custos de produção, 0,48 c /kwh a pagamentos por capacidade e 0,12 c /kwh a pagamentos por serviços complementares. Os custos privados das tecnologias em regime especial (renováveis e cogeração) são de 6,22 c /kwh, quer dizer, 66,57% superiores às tecnologias tradicionais. Os consumidores não pagam diretamente as repercussões ambientais, sociais e de segurança de suas opções energéticas. As externalidades representam custos não compensados que a sociedade em geral tem que assumir (Worldwatch, 2004). Estabelece-se então a necessidade de fazer uma fiscalização na produção de energia elétrica, com o objetivo de valorar os custos externos e criar medidas para contribuir com o desenvolvimento das FER. Poderia se estudar que as energias rentáveis financiassem o desenvolvimento das energias renováveis, que não tem benefícios como as energias convencionais de apoios sistemáticos. As ajudas que facilitem maior participação das FER nos mercados, são consideradas ajudas para a melhora do meio ambiente. Esses apoios reduzirão a diferença entre os custos privados da geração de energia das FER e os preços de mercado. Podese então, fundamentar os apoios nos custos externos de todas as energias alternativas. Uma das maneiras, poderia ser o estabelecimento de um imposto ou taxa sobre o consumo de eletricidade negra com o qual, poder-se-ia financiar as FER. Isso ajustado ao principio de quem contamina paga, visto também como os combustíveis fosseis incluam nos seus preços, os danos causados e que as FER, recebam subvenções por danos evitados. Esse sistema já está funcionando na Espanha, onde os ingressos dos produtores de eletricidade verde, derivam-se da suma do preço de mercado mais um subsídio fixado pelo governo anualmente. Na fatura elétrica dos consumidores, inclui-se atualmente um cargo energéticoambiental sobre todo o consumo elétrico, destinado a criar um fundo destinado aos subsídios para a produção de eletricidade em regime especial (Soliño, 2005). A comissão da Europa, mediante o projeto ExternE (European Commission, 2003), estimou os custos externos produzidos na geração de eletricidade com oito (8) tipos de fontes de energia diferentes (carvão, lignitos, petróleo, gás natural, nuclear, biomassa, hidráulica e eólica). Determinou-se mais de 200 impactos ambientais agrupados assim: i) contaminação atmosférica, ii) acidentes e saúde laboral, iii) ruído, iv) aquecimento global, v) efeitos sobre a água, vi) efeitos sobre o meio ambiente marinho. A Figura 2 apresenta os custos calculados no projeto ExternE mediante uma função de danos de baixo para cima ao longo das etapas do ciclo de vida combustível-eletricidade. Figura 2 Custos externos de FEC vs FER Fonte (Soliño, 2005)

6 Alem desses custos, pode-se considerar os efeitos positivos (tanto ambientais como sociais) da substituição de energias FEC por energias FER. Esses efeitos podem ser contabilizados dentro de dois conceitos como: custos externos evitados (por exemplo, os custos sociais de importar hidrocarburos) e benefícios externos criados (por exemplo, a criação de empregos na zona rural no caso da biomassa). 4 Mercado De Certificados Comerciais De Energias Renováveis A Austrália é o primeiro país no mundo a criar um mercado de energias renováveis (MER) através de certificados comerciais. Por lei, os agentes compradores no mercado elétrico, estão obrigados a terem uma porcentagem do total de suas compras, como produto de compra de energia sobre tecnologias a partir de fontes renováveis (Gwen, 2001). Este mecanismo funciona através da criação de um MER no qual se comercializam Certificados de Energia Renováveis (CER) que são gerados pela certificação de sistemas que utilizam FER. Esse mercado também é chamado Mercado de Eletricidade Verde (GEM, Green Electricity Market). Em novembro de 1997, imediatamente após a assinatura do protocolo de Quioto, o governo Australiano estabeleceu como meta para o ano 2010, a introdução das FERs na sua matriz energética em 12,5%. Com o objetivo de atingir essa meta, foi criado o MER. 4.1 Marco regulatório A legislação no MER inclui dois decretos principais: o decreto de energia renovável que estabelece o marco regulador para a medição de metas, e o decreto de cargo por energia renovável, o qual estabelece a taxa da penalidade por não atingir essas metas. O objetivo do primeiro decreto é a redução das emissões poluentes através da geração de energia elétrica com FER e a construção de usinas ecologicamente sustentáveis. Esse decreto, tem como meta, o incremento no fornecimento da eletricidade em 9500 GWh/ano para o ano 2010 através das FER. A legislação criou um órgão chamado Regulador de Energias Renováveis (RER), autoridade que certifica às usinas de geração, valida certificados, fiscaliza participantes e impõe penalidades. 4.2 Certificados de Energia Renováveis (CER) Os CERs são criados pela certificação de novas usinas geradoras de energia elétrica que utilizam FER. Um CER é equivalente a um megawatt hora de uma nova usina com FER. A fontes para criação de CERs contemplam todas as tecnologias, e também podem ser criados a partir da instalação de um certo número de aquecedores de água solares baseados na quantidade de energia elétrica evitada. Para que uma usina possa ser certificada, tem que ser cadastrada ante o RER, o qual confirma a nova energia adicionada ao sistema. O processo da certificação é apresentado na forma geral na Figura 2. Os agentes compradores no mercado elétrico, estão obrigados a comprar energia elétrica gerada através das FRE numa porcentagem de sua compra total de energia. Essa energia pode ser comprada no mercado elétrico ou diretamente de um gerador. A porcentagem de compra obrigada, é estabelecida para cada ano (com o fim de atingir a meta para o ano 2010) e é utilizado para determinar as metas e as penalidades.

7 A medição das metas e imposição das penalidades são feitas cada ano por parte do RER. Se um agente comprador não atendeu sua meta, ele é penalizado e tem que atingir essa meta num programa estabelecido para os seguintes três anos. Os preços das CERs, são estabelecidos pelo mesmo mercado, sendo as empresas instaladoras de aquecedores de água solares as que têm imposto o preço base para sua venda. Este mercado foi criado no ano 2001 e ainda está em processo de estabilização. 5 Processo De Análise Para O Brasil A implantação dos mecanismos financeiros no Brasil (além dos já existentes) apresentados anteriormente, precisa de uma extensa análise na procura da melhor opção. Precisa-se fazer um plano de trabalho com todos os entes do setor com o fim de estabelecer a melhor metodologia. Por exemplo, as dificuldades principais ao desenvolver um pagamento por capacidade são: a determinação da quantidade total de remuneração que o pagamento terá em conta e a definição do método com o qual será feita a repartição entre as diferentes unidades geradoras (Rivier2000). Nesse tema, o Brasil pode utilizar a experiência internacional para fazer os estudos necessários. Uma das experiências a ser levada em conta, é o estudo atual realizado na Colômbia para fazer uma re-valoração sobre o pagamento por capacidade estabelecido desde o ano 1996 e que deve ser redefinido para o ano 2007 (CREG, 2005). Para acrescentar os níveis atuais de investimento nas FER no Brasil, poder-se-ia estabelecer uma combinação dos mecanismos apresentados. O atual modelo elétrico, pode dar um pagamento extra aos geradores como retribuição a seus investimentos inicias, em especial para usinas que utilizem FER. Pode-se implantar uma taxa aos tipos de geração negra criando um fundo que possa financiar a construção de novas usinas que utilizem FER. Alem disso, pode-se exigir as concessionárias, certificados que garantam a compra de energia de tipo FER. Com o objetivo de redefinir do melhor modo um mecanismo financeiro para incentivar o uso das FER adicionais aos já existentes no Brasil, necessita-se procurar uma metodologia de trabalho para o desenvolvimento do novo mecanismo. Essa metodologia também pode levar em conta a participação da indústria como orientadora. Alguns dos princípios que devem estar presentes nos mecanismos de financiamento, são os seguintes: Eficácia: construir um sinal de longo prazo para incentivar a permanência dos investimentos existentes na construção de novas capacidades com FER. Simplicidade: metodologia de fácil compreensão e implementação. Reciprocidade: correspondência mútua, entre o que se paga como subsídio ou retribuição, e o que se deve exigir como contraprestação. Transparência: metodologia clara e sem ambiguidades. Predictibilidade: Possibilitar que qualquer agente do mercado possa estimar a evolução futura de sua remuneração, com um nível de probabilidade aceitável. Capacidade de trazer investimento direto: esquema competitivo no mercado internacional. 6 Conclusões Nas atuais condições do sistema elétrico do Brasil, onde não se tem clareza sobre os novos investimentos para a expansão desse setor, a necessidade de criar mecanismos que estimulem os investimentos no longo e mediano prazo nos sistemas elétricos, se torna de importância indiscutível. O pagamento por capacidade justificaria o investimento no setor gerador como elemento de recuperação do capital, mais ainda para as tecnologias FER, as quais têm custos de operação maiores que os das tecnologias com FEC. O pagamento por capacidade dado às geradoras que utilizam energias renováveis, é considerada não como um subsídio, mas como uma forma de internalizar o efeito que tem sobre o meio ambiente e sobre o bem-estar em geral. O pagamento

8 justo às energias renováveis, implica reconhecer o aporte que elas podem fazer no contexto energético atual e futuro. É importante que a legislação contemple o pagamento por capacidade de todo tipo de tecnologias como aquelas que utilizam FER, dado que isso representa um incentivo para os investidores. Além disso, o fato de contar com uma maior quantidade de atores na parte de geração do sistema, permite criar maior competição, diversificando assim a matriz energética. Os consumidores poderiam pagar diretamente as repercussões ambientais, sociais e de segurança de suas opções energéticas. Poderia ser estabelecido um imposto ou taxa sobre o consumo de eletricidade negra (com o qual poder-se-ia financiar as FER), tomar o custo social como um custo para as geradoras de tipo FEC. Isso ajustado ao principio de quem contamina paga tendo em conta que os custos externos produzidos na geração de eletricidade podem criar mais de 200 impactos ambientais. Além disso, pode-se considerar os efeitos positivos (tanto ambientais como sociais) da substituição de energias FEC por energias FER. A compra obrigatória de energia elétrica de usinas que utilizam FER, permite a expansão destas tecnologias e diversificação da matriz energética. Essa compra obrigatória pode ser feita implementando mercados de certificados comerciais de energias renováveis, onde os agentes compradores do mercado elétrico, devem ter uma porcentagem do total de suas compras, como produto de compra de energia sobre tecnologias a partir de FER. 7 Referências [1] WorldWatch Institute. La situación del Mundo. Fuhem-Icaria. Barcelona, [2] Oren, Shmuel S. Capacity Payments and Supply Adequacy in Competitive Electricity Markets. VII Simpósio para especialistas em planejamento da operação e expansão elétrica. Curitiba, Brasil, [3] Soliño Mario, Prada Albino. Costes Sociales de la Electricidad Verde e Intervención Pública: Aplicación al caso de la Biomasa Foretal. VII Jornadas de Política Economica. Vigo, Espanha. Novembro de [4] Gwen Andrews. Market Based Instruments: Australia s Experience with Trading Renewable Energy Certificates. Workshop on Goog Practices in Policies and Measures. Copenhagen, Austrália. October [5] Moyano Pérez Francisco J. Pagamento por capacidade Considerando Disponibilidade de Centrais Elétricas. Tese de Graduação Pontifica Universidade Católica de Chile, [6] Morth R. Ricardo, Lira Francisco. Pagamento por capacidade a Geração com Energias Renováveis. Trabalho de Mercados Elétricos Pontifica Universidade Católica de Chile, [7] Comercializadora Brasileira de Energia Emergencial. Informação Geral. [8] European Commission. External Cost. Research Results on Sócio-Environmental Damages Due to Electricity and Transport. Office for Official Publications of the European Communities, Luzembourg [9] Rivier Michel, Pérez A. José I. Estúdio cargo por capacidade em Colômbia. Pontifica Universidade de Comillas, Madrid Espana,2000. [10] CREG, Comisión de Regulación de Energía y Gas. Presentación Documento CREG- 072 de 2005 Cargo por Capacidad. Bogotá Colômbia, 2005.

FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO ADMINISTRADOS PELA ELETROBRÁS 2009

FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO ADMINISTRADOS PELA ELETROBRÁS 2009 4.7 - FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO A Centrais Elétricas Brasileiras S.A. - Eletrobrás é a responsável pela gestão de recursos setoriais que atendem às diversas áreas do Setor Elétrico, representados pelos

Leia mais

Desafios para a energia eólica e outras fontes alternativas. Deputado Federal Paulo Teixeira

Desafios para a energia eólica e outras fontes alternativas. Deputado Federal Paulo Teixeira Desafios para a energia eólica e outras fontes alternativas Deputado Federal Paulo Teixeira Energias renováveis no Brasil e no mundo Fonte: Coordenação-Geral de Fontes Alternativas do Ministério de Minas

Leia mais

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica Apresentação CEI Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica A CEI é produtora independente de energia em MG, com 9 usinas em operação, 15 empreendimentos hidrelétricos em desenvolvimento (130MW) e

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 Índice Conceito de Energia Renovável Energias Renováveis no Brasil Aspectos Gerais de Projetos Eólicos, a Biomassa e PCHs Outorga de Autorização de Projetos Incentivos

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Fabio Faria)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Fabio Faria) PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Fabio Faria) Institui o Programa de Incentivo à Geração Distribuída de Energia Elétrica a partir de Fonte Solar - PIGDES e altera a Lei nº 10.438, de 26 de abril de 2002.

Leia mais

Geração Elétrica Total. Cenário de Referência (2007)

Geração Elétrica Total. Cenário de Referência (2007) Geração Elétrica Total Cenário de Referência (2007) Greenpeace Brasil Somos uma organização global e independente que atua para defender o meio ambiente e promover a paz, inspirando as pessoas a mudarem

Leia mais

O desenvolvimento de recursos energéticos renováveis e alternativos: o papel do comissário Jeff Davis Comissário Comissão de Serviços Públicos do Missouri 1 Recursos energéticos renováveis e alternativos:

Leia mais

Energia Solar Fotovoltaica: Oportunidades e Desafios

Energia Solar Fotovoltaica: Oportunidades e Desafios Energia Solar Fotovoltaica: Oportunidades e Desafios Prof. Dr. Luciano Schuch Schuch.prof@gmail.com Sumário Potencial energético Previsões Sistemas fotovoltaicos Cenário Nacional Legislação ANEEL Projeto

Leia mais

Conceito Geral. Produção de eletricidade em pequena escala por intermédio de instalações de pequena potência.

Conceito Geral. Produção de eletricidade em pequena escala por intermédio de instalações de pequena potência. Microgeração Conceito Geral Produção de eletricidade em pequena escala por intermédio de instalações de pequena potência. Meio para produção de energia através de instalações de pequena escala, utilizando

Leia mais

O conceito de eficiência energética está ligado à minimização de perdas na conversão de energia primária em energia útil.

O conceito de eficiência energética está ligado à minimização de perdas na conversão de energia primária em energia útil. Eficiência Energética e a Nova Regulamentação do PEE ANEEL O conceito de eficiência energética está ligado à minimização de perdas na conversão de energia primária em energia útil. EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

Leia mais

Mercado de Energia: O Futuro dos Ambientes de Contratação Livre e Regulado Rui Altieri Presidente do Conselho de Administração da CCEE

Mercado de Energia: O Futuro dos Ambientes de Contratação Livre e Regulado Rui Altieri Presidente do Conselho de Administração da CCEE Richard Lee Hochstetler Instituto Acende Brasil Mercado de Energia: O Futuro dos Ambientes de Contratação Livre e Regulado Rui Altieri Presidente do Conselho de Administração da CCEE MERCADO DE ENERGIA:

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS DE CURITIBA CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA RENATO HIDEO FUSANO

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS DE CURITIBA CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA RENATO HIDEO FUSANO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS DE CURITIBA CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA RENATO HIDEO FUSANO ANÁLISE DOS ÍNDICES DE MÉRITO DO SISTEMA FOTOVOLTÁICO CONECTADO À REDE DO ESCRITÓRIO VERDE

Leia mais

Agenda Elétrica Sustentável 2020

Agenda Elétrica Sustentável 2020 Congresso Eficiência Energética Casa Alemã A Casa Ecoeficiente São Paulo, 14 de Abril de 2010 Agenda Elétrica Sustentável 2020 Estudo de Cenários para um Setor Elétrico Brasileiro Eficiente, Seguro e Competitivo

Leia mais

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo O Mercado de Energia Eólica E no Brasil e no Mundo Audiência Pública P - Senado Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle Brasília/DF 19 de junho de 2008 Energia: importância

Leia mais

ETENE. Energias Renováveis

ETENE. Energias Renováveis Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste ETENE Fonte: http://www.noticiasagronegocios.com.br/portal/outros/1390-america-latina-reforca-lideranca-mundial-em-energias-renovaveis- 1. Conceito

Leia mais

CONDIÇÕES DE MERCADO, REGULAÇÃO E OPERAÇÃO DE USINAS SOLARES

CONDIÇÕES DE MERCADO, REGULAÇÃO E OPERAÇÃO DE USINAS SOLARES CONDIÇÕES DE MERCADO, REGULAÇÃO E OPERAÇÃO DE USINAS SOLARES Fábio Sales Dias São Paulo, 14 de agosto de 2012 RESUMO Aspectos Regulatórios e Institucionais Aspectos de Mercado Competitividade Aspectos

Leia mais

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA PÓS - GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AGRÍCOLA ADP8088 - SEMINÁRIOS EM ENGENHARIA AGRÍCOLA II USO DO GÁS NATURAL DE

Leia mais

VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética

VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética Copel Distribuição S.A Vlademir Daleffe 25/03/2015 1 VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH 1. Composição tarifária

Leia mais

4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER

4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER 4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER Painel II BIOMASSA: Disponibilidade Energética para uma Civilização Sustentável Departamento de Desenvolvimento Energético

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DO FÓRUM DAS ASSOCIAÇÕES EMPRESARIAIS PRÓ- DESENVOLVIMENTO DO MERCADO DE GÁS NATURAL CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 005/2014

CONTRIBUIÇÃO DO FÓRUM DAS ASSOCIAÇÕES EMPRESARIAIS PRÓ- DESENVOLVIMENTO DO MERCADO DE GÁS NATURAL CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 005/2014 CONTRIBUIÇÃO DO FÓRUM DAS ASSOCIAÇÕES EMPRESARIAIS PRÓ- DESENVOLVIMENTO DO MERCADO DE GÁS NATURAL CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 005/2014 Descrição: Obter subsídios para identificar a necessidade de criação

Leia mais

Instituto Tecnológico de Aeronáutica Divisão de Engenharia Civil

Instituto Tecnológico de Aeronáutica Divisão de Engenharia Civil Instituto Tecnológico de Aeronáutica Divisão de Engenharia Civil O Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Infraestrutura do ITA (PG-EIA) é um dos pioneiros do país em sua área e lançou as bases para

Leia mais

Águas de Minas e Energia a Contribuição de Minas para o Sistema Elétrico Importância dos Reservatórios de Cabeceira.

Águas de Minas e Energia a Contribuição de Minas para o Sistema Elétrico Importância dos Reservatórios de Cabeceira. Águas de Minas e Energia a Contribuição de Minas para o Sistema Elétrico Importância dos Reservatórios de Cabeceira. 1 Sumário Produção de Energia Elétrica no Brasil e o no Mundo Características de Usinas

Leia mais

Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema

Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema Duas importantes medidas foram anunciadas no fim de março pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para tornar mais

Leia mais

Leilões de Energia Elétrica Mercado Regulado Brasileiro Visão Panorâmica

Leilões de Energia Elétrica Mercado Regulado Brasileiro Visão Panorâmica Leilões de Energia Elétrica Mercado Regulado Brasileiro Visão Panorâmica Reunião Técnica da ABINEE Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica 19 de novembrode 2013 Alexandre Viana Gerência

Leia mais

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO Luiz Eduardo Barata Secretário-Executivo CÂMARA DOS DEPUTADOS Brasília, 22 de setembro de 2015 Energia

Leia mais

Células de combustível

Células de combustível Células de combustível A procura de energia no Mundo está a aumentar a um ritmo alarmante. A organização WETO (World Energy Technology and Climate Policy Outlook) prevê um crescimento anual de 1,8 % do

Leia mais

MATERIAL DIDÁTICO SOBRE GERAÇÃO EÓLICA

MATERIAL DIDÁTICO SOBRE GERAÇÃO EÓLICA MATERIAL DIDÁTICO SOBRE GERAÇÃO EÓLICA Paulo C. M. Carvalho carvalho@dee.ufc.br Departamento de Engenharia Elétrica, Universidade Federal do Ceará Campus do Pici Caixa Postal 6001 CEP 60455-760 Fortaleza

Leia mais

COGERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E REGULATÓRIOS

COGERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E REGULATÓRIOS COGERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E REGULATÓRIOS Compreenda a regulamentação referente à cogeração de energia e discuta possíveis mudanças as no setor Gabriel Barja São Paulo, outubro de 2006 Viabilidade Viabilidade

Leia mais

Enfrentar a crise climática vai ajudar a resolver a crise financeira a perspectiva do Greenpeace

Enfrentar a crise climática vai ajudar a resolver a crise financeira a perspectiva do Greenpeace Enfrentar a crise climática vai ajudar a resolver a crise financeira a perspectiva do Greenpeace Manaus Av. Joaquim Nabuco, 2367, Centro CEP: 69020-031 Tel.: +55 92 4009-8000 Fax: +55 92 4009-8004 São

Leia mais

As PCHs no contexto energético futuro no Brasil

As PCHs no contexto energético futuro no Brasil As PCHs no contexto energético futuro no Brasil Campinas, 29 de Outubro de 2013. Charles Lenzi Agenda de Hoje Conjuntura Atual Desafios da Competitividade Nossas propostas Conclusões A ABRAGEL Associação

Leia mais

COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA. PROJETO DE LEI N o 3.986, DE 2008 I - RELATÓRIO

COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA. PROJETO DE LEI N o 3.986, DE 2008 I - RELATÓRIO COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA PROJETO DE LEI N o 3.986, DE 2008 Altera dispositivos da Lei nº 9.427, de 26 de dezembro de 1996, e da Lei nº 10.848, de 15 de março de 2004, para promover a geração e o consumo

Leia mais

Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira

Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira AULA Fundação 4 MATRIZ Universidade ELÉTRICA Federal de Mato Grosso do Sul 1 Matriz Energética Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira Prof. Márcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul FAENG /

Leia mais

POLÍTICA DE ESTADO PARA O CARVÃO MINERAL

POLÍTICA DE ESTADO PARA O CARVÃO MINERAL POLÍTICA DE ESTADO PARA O CARVÃO MINERAL Política energética sustentável: objetivos Segurança de suprimentos Compatibilidade ambiental Mix energético balanceado Eficiência econômica Carvão mineral no mundo

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO Nº 71, DE 7 DE FEVEREIRO DE 2002.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO Nº 71, DE 7 DE FEVEREIRO DE 2002. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO Nº 71, DE 7 DE FEVEREIRO DE 2002. Estabelece critérios e procedimentos para a definição de encargos tarifários relativos à aquisição de energia elétrica

Leia mais

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA SUPERINTENDÊNCIA DE PROJETOS DE GERAÇÃO (SPG) CHESF 1 TEMAS ABORDADOS PERFIL DA CHESF MATRIZ ENERGÉTICA FONTES DE ENERGIA RENOVÁVEIS & NUCLEAR ASPECTOS ECONÔMICOS

Leia mais

&RQWUDWRVGH&RPSUDH9HQGDGH(QHUJLD

&RQWUDWRVGH&RPSUDH9HQGDGH(QHUJLD Contratos de Compra e Venda de Energia 36 &RQWUDWRVGH&RPSUDH9HQGDGH(QHUJLD Como visto no capítulo anterior a receita de um agente gerador no mercado de curto prazo é extremamente volátil. Essa incerteza

Leia mais

A inserção das fontes de energia renováveis no processo de desenvolvimento da matriz energética do país: A participação da Energia Eólica

A inserção das fontes de energia renováveis no processo de desenvolvimento da matriz energética do país: A participação da Energia Eólica A inserção das fontes de energia renováveis no processo de desenvolvimento da matriz energética do país: A participação da Energia Eólica Elbia Melo 1 No ano de 2012, o Brasil figurou no cenário internacional

Leia mais

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia Disciplina: Fontes Alternativas de Parte 1 Fontes Renováveis de 1 Cronograma 1. Fontes renováveis 2. Fontes limpas 3. Fontes alternativas de energia 4. Exemplos de fontes renováveis 1. hidrelétrica 2.

Leia mais

Energia Solar Fotovoltaica

Energia Solar Fotovoltaica Energia Solar Fotovoltaica Dr. Rodrigo Lopes Sauaia Diretor Executivo São Paulo 12/05/2015 Energia Solar Fotovoltaica 2 Quem Somos Reúne empresas nacionais e internacionais de toda a cadeia produtiva do

Leia mais

ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO

ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO 1. APRESENTAÇÃO O Grupo Genergia, em total sinergia com o pensamento mundial, aliando

Leia mais

GERAÇÃO DISTRIBUÍDA: VANTAGENS E DESVANTAGENS

GERAÇÃO DISTRIBUÍDA: VANTAGENS E DESVANTAGENS GERAÇÃO DISTRIBUÍDA: VANTAGENS E DESVANTAGENS Wilson Pereira BARBOSA Filho 1 (wilson.filho@meioambiente.mg.gov.br) Abílio César Soares de AZEVEDO 2 1 Mestre em Gestão Ambiental. Fundação Estadual do meio

Leia mais

O PASSO A PASSO DA MATRIZ DE IMPACTO DO USO DE ENERGIA

O PASSO A PASSO DA MATRIZ DE IMPACTO DO USO DE ENERGIA O Instituto LIFE disponibiliza a Série Temática de Cadernos Técnicos sendo um deles Energia e Biodiversidade. A energia consumida por uma empresa pode derivar de diferentes fontes energéticas. O uso de

Leia mais

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL GESEL / SINERGIA / EDF A OPÇÃO NUCLEAR PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO N 233, DE 29 DE JULHO DE 1999

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO N 233, DE 29 DE JULHO DE 1999 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO N 233, DE 29 DE JULHO DE 1999 Estabelece os Valores Normativos que limitam o repasse, para as tarifas de fornecimento, dos preços livremente negociados

Leia mais

PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL

PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL SENADO FEDERAL COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL AGENDA RUMOS DA POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA 2011-2012 PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL Prof. Dr. Rex Nazaré Alves 19 de setembro de 2011

Leia mais

Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente

Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente Ipea Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada Gesmar Rosa dos Santos Antenor Lopes Conteúdo Características gerais da Oferta Interna

Leia mais

Tarifas de Fornecimento de Energia Elétrica

Tarifas de Fornecimento de Energia Elétrica Tarifas de Fornecimento de Energia Elétrica Conceitos Básicos: Os consumidores de energia elétrica pagam um valor correspondente à quantidade de energia elétrica consumida, no mês anterior, estabelecida

Leia mais

Inserção da Geração Solar na Matriz Elétrica Brasileira. Palestrante: Eng. Marcelo Vinicius

Inserção da Geração Solar na Matriz Elétrica Brasileira. Palestrante: Eng. Marcelo Vinicius Inserção da Geração Solar na Matriz Elétrica Brasileira Palestrante: Eng. Marcelo Vinicius Temas a serem abordados: 1. Matriz de energia elétrica 2. Distintas tecnologias 3. Combustível solar 4. Motivação

Leia mais

Energia, investimento e desenvolvimento económico

Energia, investimento e desenvolvimento económico Energia, investimento e desenvolvimento económico Aníbal Fernandes ENEOP Eólicas de Portugal Mesa Redonda Energia Eólica ERSE, 10 Fevereiro 2010 Prioridades de política energética e benefícios económicos

Leia mais

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo. Brasil: vento, energia e investimento. São Paulo/SP 23 de novembro de 2007

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo. Brasil: vento, energia e investimento. São Paulo/SP 23 de novembro de 2007 O Mercado de Energia Eólica E no Brasil e no Mundo Brasil: vento, energia e investimento São Paulo/SP 23 de novembro de 2007 Energia: importância e impactos A energia é um dos principais insumos da indústria

Leia mais

Economia da Energia I

Economia da Energia I Economia da Energia I Aluno: José Henrique Souza Campos Gabetta RA: 065679 Tema: Os impactos econômicos, ambientais e sociais da microgeração conectada à rede de distribuição. Introdução Desde o domínio

Leia mais

XVII ENERJ. A Importância da Termoeletricidade na Matriz Elétrica Brasileira para os próximos 5 e 10 anos. Cenário de uso reduzido de reservatórios

XVII ENERJ. A Importância da Termoeletricidade na Matriz Elétrica Brasileira para os próximos 5 e 10 anos. Cenário de uso reduzido de reservatórios XVII ENERJ A Importância da Termoeletricidade na Matriz Elétrica Brasileira para os próximos 5 e 10 anos. Cenário de uso reduzido de reservatórios 27 de novembro de 2015 1 Considerações Iniciais Cenário

Leia mais

Parte A - Questões Múltipla Escolha

Parte A - Questões Múltipla Escolha Matriz Energética Professor: Marcio Luiz Magri Kimpara Parte A - Questões Múltipla Escolha LISTA DE EXERCÍCIOS 1 1) Uso de fontes renováveis de energia no mundo. Fonte: Rio de Janeiro: IBGE, 21 O uso de

Leia mais

1.2. Estado da arte.

1.2. Estado da arte. 1. Introdução A história recente do Sistema Elétrico Brasileiro é interessante. Depois de um longo período de monopólio estatal, o setor passou por profundas mudanças legais para tentar aumentar a eficiência

Leia mais

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares Ciências Militares no Século XXI Situação Atual e Desafios Futuros Geopolítica dos Recursos Naturais Fontes Alternativas

Leia mais

Painel Energias Limpas

Painel Energias Limpas Painel Energias Limpas Délio Malheiros Secretário Municipal de Meio Ambiente Vice Prefeito Prefeitura de Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil Santa Fé, 11 a 13 de setembro de 2013. 1 Energia Solar no

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. Penna) Dispõe sobre a criação do Plano de Desenvolvimento Energético Integrado e do Fundo de Energia Alternativa. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Ficam instituídos

Leia mais

Fontes Alternativas de Energia (3 créditos/45 aulas) Ementa

Fontes Alternativas de Energia (3 créditos/45 aulas) Ementa Prof. Augusto C. Pavão Fontes Alternativas de Energia (3 créditos/45 aulas) Ementa O problema energético global. Aproveitamento das energias solar, eólica, hidráulica e da biomassa. Energia solar e as

Leia mais

A Estrutura do Mercado de Energia Elétrica

A Estrutura do Mercado de Energia Elétrica 2º Encontro de Negócios de Energia Promoção: FIESP/CIESP A Estrutura do Mercado de Energia Elétrica 05 de setembro de 2001 São Paulo-SP José Mário Miranda Abdo Diretor-Geral Sumário I - Aspectos Institucionais

Leia mais

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável Gilberto Hollauer Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético Abril de 2015 1 Sumário Política Energética

Leia mais

Energias Alternativas e as atividades do Ideal. Mauro Passos Sustentabilidade Palmas Solar

Energias Alternativas e as atividades do Ideal. Mauro Passos Sustentabilidade Palmas Solar Energias Alternativas e as atividades do Ideal Mauro Passos Sustentabilidade Palmas Solar Contexto Internacional Crescimento de investimento em renovável no mundo (Frankfurt School- UNEP Centre/BNEF) 17%

Leia mais

Sustentabilidade. Vanda Nunes - SGS

Sustentabilidade. Vanda Nunes - SGS Novas Tendências de Certificação de Sustentabilidade Vanda Nunes - SGS A HISTÓRIA DA SGS Maior empresa do mundo na área de testes, auditorias, inspeções e certificações. Fundada em 1878, na cidade de Rouen,

Leia mais

Conceito e Evolução da utilização da Energia

Conceito e Evolução da utilização da Energia Energia Limpa Agenda O que é energia limpa? Tipos de energia limpa Energia Hídrica Energia Eólica Energia Geotérmica Biomassa Energia Solar Energia do Mar O Brasil neste cenário Protocolo de Kyoto Conceito

Leia mais

WWW.RENOVAVEIS.TECNOPT.COM

WWW.RENOVAVEIS.TECNOPT.COM A Utilização da Energia Eólica e o Desenvolvimento Energético da Sociedade Rio de Janeiro, 2 de outubro de 2002 Substituição da força motriz humana e animal nas atividades agrícolas China 2000 A.C. A Evolução

Leia mais

Mercado de energia elétrica: condições atuais de atendimento à carga e tendências para 2015. Manoel Arlindo Zaroni Torres

Mercado de energia elétrica: condições atuais de atendimento à carga e tendências para 2015. Manoel Arlindo Zaroni Torres Mercado de energia elétrica: condições atuais de atendimento à carga e tendências para 2015 Manoel Arlindo Zaroni Torres São Paulo, 1 de outubro de 2014 Aviso importante Este material pode incluir declarações

Leia mais

ERSE. Inserção da energia eólica na matriz elétrica brasileira

ERSE. Inserção da energia eólica na matriz elétrica brasileira ERSE Mesa Redonda Energia Eólica Inserção da energia eólica na matriz elétrica brasileira Prof. Nivalde J. de Castro Roberto Brandão 1 Sumário 1. Matriz de geração brasileira: perfil e tendências. 2. O

Leia mais

Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida

Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida Secretário de Infraestrutura Energia Renovável em Pernambuco Desenvolvimento Técnico,

Leia mais

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos:

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Conceito são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Renováveis renovação em um curto período de tempo; Não renováveis

Leia mais

Feed-in Tariffs: Experiência Internacional

Feed-in Tariffs: Experiência Internacional Feed-in Tariffs: Experiência Internacional Rodrigo Sousa Coordenação regulatória internacional Geração Distribuída e Tarifas Feed-In Universidade de Brasília 04/07/2013 Sistemas de apoio para a promoção

Leia mais

Bandeiras Tarifárias DEZEMBRO 2014

Bandeiras Tarifárias DEZEMBRO 2014 DEZEMBRO 2014 Sumário Bandeiras Tarifárias... 2 O sistema hidrotérmico brasileiro... 2 A tarifa de energia no Brasil... 3 Por que bandeiras tarifárias?... 6 PERGUNTAS E RESPOSTAS... 7 1. Como funcionarão

Leia mais

Em resumo, tarifa de energia elétrica dos consumidores cativos é, de forma um pouco mais detalhada, constituída por:

Em resumo, tarifa de energia elétrica dos consumidores cativos é, de forma um pouco mais detalhada, constituída por: A Tarifa de Energia O que é a tarifa de energia? Simplificadamente, a tarifa de energia é o preço cobrado por unidade de energia (R$/kWh). Em essência, é de se esperar que o preço da energia elétrica seja

Leia mais

Energia Elétrica: A importância de um operador de mercado eficiente

Energia Elétrica: A importância de um operador de mercado eficiente Energia Elétrica: A importância de um operador de mercado eficiente Simpósio Brasileiro para Gestão de Estratégias de Comercialização de Energia e Eficiência Energética PUC-RJ Alexandre Viana Gerência

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA SISTEMA ELÉTRICO DE POTÊNCIA - SEP PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA SISTEMA ELÉTRICO DE POTÊNCIA Visão global de um sistema

Leia mais

A geração distribuída no contexto das mudanças climáticas

A geração distribuída no contexto das mudanças climáticas A geração distribuída no contexto das mudanças climáticas Ricardo J. Fujii Programa de Mudanças Climáticas e Energia WWF-Brasil Natal, 03 de Outubro de 2015 Contexto atual Produção nacional de eletricidade

Leia mais

Painel Geração Renovável Energia Solar Fotovoltaica

Painel Geração Renovável Energia Solar Fotovoltaica Painel Geração Renovável Energia Solar Fotovoltaica Nelson Colaferro Presidente do Conselho de Administração Brasília 28/05/2015 Energia Solar Fotovoltaica 2 Quem Somos Reúne empresas nacionais e internacionais

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução Normativa nº 482/2012

Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução Normativa nº 482/2012 Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução Normativa nº 482/2012 Este documento é apenas explicativo e não tem força normativa. 1 O que é o Sistema de Compensação de Energia Elétrica?...1 2 Quanto

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL GE Distributed Power Jose Renato Bruzadin Sales Manager Brazil T +55 11 2504-8829 M+55 11 99196-4809 Jose.bruzadini@ge.com São Paulo, 11 de Julho de 2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: GE Distributed Power AGÊNCIA

Leia mais

Mercados Energéticos: Los Desafíos del Nuevo Milenio. Extensión NEA

Mercados Energéticos: Los Desafíos del Nuevo Milenio. Extensión NEA Mercados Energéticos: Los Desafíos del Nuevo Milenio. Extensión NEA INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA NA AMÉRICA LATINA Norberto Medeiros dxcb-cme,brasil Agosto / 2002 Para discutir os recursos energéticos e a integração

Leia mais

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear.

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Tipos de Energia Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Primaria fontes que quando empregadas diretamente num trabalho ou geração de calor. Lenha, para produzir

Leia mais

Papel do setor sucroenergético na mitigação das mudanças climáticas

Papel do setor sucroenergético na mitigação das mudanças climáticas Ethanol Summit Painel: Biocombustíveis e a Mitigação das Mudanças Climáticas Papel do setor sucroenergético na mitigação das mudanças climáticas Géraldine Kutas International Advisor, Brazilian Sugarcane

Leia mais

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa MME Secretaria de Planejamento Energético Brasília Março de 2010 Roteiro 1. Cenário da Expansão 2. Características 3. Políticas Energéticas 4. Leilões

Leia mais

Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil. V Conferência Anual da RELOP

Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil. V Conferência Anual da RELOP Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil V Conferência Anual da RELOP Lisboa, 01.Jun.2012 Agenda O Acionista Grupo Galvão 03 A Empresa Galvão Energia 04 A evolução das fontes

Leia mais

Desafios Técnicos e Socioeconômicos da Oferta de Energia

Desafios Técnicos e Socioeconômicos da Oferta de Energia Desafios Técnicos e Socioeconômicos da Oferta de Energia Nelson Leite Presidente da ABRADEE 1 Porto Alegre, 18 de junho de 2015 1 Agenda 1 - Panorama do setor de distribuição de E. Elétrica 2 - Perspectivas

Leia mais

CENBIO Centro Nacional de Referência em Biomassa

CENBIO Centro Nacional de Referência em Biomassa NOTA TECNICA I COMPARAÇÃO DA ELETRICIDADE GERADA EM CICLOS COMBINADOS A GÁS NATURAL E A PARTIR DE BIOMASSA No Decreto No. 3371 do MME (24/2/2000) foi instituído o Programa Prioritário de Termeletricidade

Leia mais

SOL Maior fonte de energia da Terra. A Cadeia de Valor para a Geração Fotovoltaica no Brasil Newton Duarte Vice Presidente Executivo da COGEN

SOL Maior fonte de energia da Terra. A Cadeia de Valor para a Geração Fotovoltaica no Brasil Newton Duarte Vice Presidente Executivo da COGEN termosolar fotovoltaica SOL Maior fonte de energia da Terra A Cadeia de Valor para a Geração Fotovoltaica no Brasil Newton Duarte Vice Presidente Executivo da COGEN 17/09/2014 Relatório GT COGEN SOLAR

Leia mais

Inserção da energia eólica na

Inserção da energia eólica na Inserção da energia eólica na matriz de geração brasileira Prof. Nivalde J. de Castro Roberto Brandão 1 Sumário 1. Matriz de geração brasileira: perfil e tendências. 2. O papel das energias renováveis

Leia mais

Eficiência e Inovação no sector da energia. Jorge Cruz Morais

Eficiência e Inovação no sector da energia. Jorge Cruz Morais Eficiência e Inovação no sector da energia Jorge Cruz Morais Paradigma do século XX Energia abundante Energia barata factores da alteração Preço dos combustíveis fósseis Aumento da Procura Emissões de

Leia mais

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios Português Resumo Executivo Esta é a segunda edição revista e ampliada da publicação: O Setor Elétrico Brasileiro e

Leia mais

A Lei Alemã de Fontes Renováveis de Energia em Confronto com a Resolução Normativa nº 482/2012 da Aneel

A Lei Alemã de Fontes Renováveis de Energia em Confronto com a Resolução Normativa nº 482/2012 da Aneel 128 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 17 A Lei Alemã de Fontes Renováveis de Energia em Confronto com a Resolução Normativa nº 482/2012 da Aneel Victor Silva dos Passos Miranda 1 INTRODUÇÃO Segundo

Leia mais

Perspectivas para a Energia Solar Fotovoltaica no Brasil. Câmara de Tecnologia FIESC 29 de agosto de 2013 Paula Scheidt Manoel

Perspectivas para a Energia Solar Fotovoltaica no Brasil. Câmara de Tecnologia FIESC 29 de agosto de 2013 Paula Scheidt Manoel Perspectivas para a Energia Solar Fotovoltaica no Brasil Câmara de Tecnologia FIESC 29 de agosto de 2013 Paula Scheidt Manoel Instituto Ideal Criado em fevereiro de 2007, com sede em Florianópolis tem

Leia mais

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Anexo III da Resolução n o 1 da CIMGC Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução A atividade de projeto do Projeto de MDL das Usinas Eólicas Seabra, Novo Horizonte

Leia mais

Energias Renováveis Tecnologias Integradas com o Sistema Nacional

Energias Renováveis Tecnologias Integradas com o Sistema Nacional Energias Renováveis Tecnologias Integradas com o Sistema Nacional Fimai/Simai/ Câmara Ítalo - Brasileira Elaborada por: Eng. Marcio Takata Novembro/ 2010 Contexto Fonte: Apresentação Solvis Energia - Tendências

Leia mais

Uma visão geral do sector das energias renováveis na Roménia

Uma visão geral do sector das energias renováveis na Roménia Uma visão geral do sector das energias renováveis na Roménia A Roménia localiza-se geograficamente no centro da Europa (parte sudeste da Europa Central). O país tem,5 milhões de habitantes e abrange uma

Leia mais

Projeto Provedor de Informações Econômico-Financeiro do Setor de Energia Elétrica

Projeto Provedor de Informações Econômico-Financeiro do Setor de Energia Elétrica Projeto Provedor de Informações Econômico-Financeiro do Setor de Energia Elétrica Relatório Quadrimestral de Acompanhamento dos Indicadores do Setor Elétrico Mundial Maio a Agosto de 2012 Eduardo Mattos

Leia mais

Estado de Mato Grosso Assembleia Legislativa

Estado de Mato Grosso Assembleia Legislativa Projeto de lei - 1o15299h Estado de Mato Grosso Assembleia Legislativa Despacho NP: 1o15299h SECRETARIA DE SERVIÇOS LEGISLATIVOS 17/10/2013 Projeto de lei nº 372/2013 Protocolo nº 6443/2013 Processo nº

Leia mais

Bioeletricidade no Setor Sucroenergético: uma pauta para o desenvolvimento de seu potencial

Bioeletricidade no Setor Sucroenergético: uma pauta para o desenvolvimento de seu potencial Bioeletricidade no Setor Sucroenergético: uma pauta para o desenvolvimento de seu potencial Zilmar José de Souza, Assessor em Bioeletricidade, UNICA, SP, Brasil Agenda - Situação atual da bioeletricidade

Leia mais

O Novo Modelo do Setor Elétrico, a ANEEL e a Geração Distribuída

O Novo Modelo do Setor Elétrico, a ANEEL e a Geração Distribuída Geração Distribuída 2002 INEE O Novo Modelo do Setor Elétrico, a ANEEL e a Geração Distribuída Junho de 2002 - São Paulo - SP Paulo Pedrosa Diretor Ouvidor Sumário I II III o modelo competitivo o papel

Leia mais

Panorama do Mercado Livre de Energia Elétrica

Panorama do Mercado Livre de Energia Elétrica Panorama do Mercado Livre de Energia Elétrica Aspectos Regulatórios Luiz Fernando Leone Vianna 08.08.2011 A Apine Perfil dos Sócios geradores privados de energia elétrica concessionárias de geração estaduais

Leia mais

Matriz de referência de Ciências da Natureza e suas Tecnologias

Matriz de referência de Ciências da Natureza e suas Tecnologias Matriz de referência de Ciências da Natureza e suas Tecnologias Competência de área 1 Compreender as ciências naturais e as tecnologias a elas associadas como construções humanas, percebendo seus papéis

Leia mais

Diário do Nordeste 23/01/2015 Consumidor parte para gerar a própria energia

Diário do Nordeste 23/01/2015 Consumidor parte para gerar a própria energia Diário do Nordeste 23/01/2015 Consumidor parte para gerar a própria energia http://diariodonordeste.verdesmares.com.br/cadernos/negocios/consumidor-parte-para-gerar-apropria-energia-1.1203880 Em um ano

Leia mais