Serviço Público Federal Conselho Regional de Corretores de Imóveis Estado de São Paulo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Serviço Público Federal Conselho Regional de Corretores de Imóveis Estado de São Paulo"

Transcrição

1 PORTARIA Nº 4.478/2013 Altera o NORMATIVO DE PESSOAL para readequar o PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS - PCS do CRECI/SP. O Presidente do da 2ª Região, no exercício regular de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO o que estabelece o art. 25, do Regimento do Conselho Regional de Corretores de Imóveis da 2ª Região, homologado pela Resolução COFECI nº 1.178, de 28 de maio de 2010; CONSIDERANDO a necessidade de alterar o instrumento normativo do Plano de Cargos e Salários PCS, para readequar as atribuições dos cargos de Profissional de Suporte Técnico PSTE objetivando-se simplificar as ações e procedimentos de gestão de pessoas; CONSIDERANDO, por fim, o que foi decidido na Sessão do Plenário deste Conselho, realizada no dia 29 de maio de 2013, RESOLVE: Art. 1º - Alterar o Plano de Cargos e Salários PCS, readequando as áreas de atuação do Profissional de Suporte Técnico PSTE, nelas incluindo a dos Serviços de Imprensa, mediante desdobramento das áreas dos Serviços de Audiovisual e Relações Públicas. Art. 2º - O texto do Normativo de Pessoal PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS terá sua redação conforme anexos que integram a presente Portaria. Art. 3º - Esta Portaria entra em vigor nesta data e revoga disposições em contrário, notadamente a Portaria n 4.069/2011. São Paulo, 12 de junho de José Augusto Viana Neto Presidente

2 PORTARIA N 4.478/2013 FLS. 01 PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS PCS CONSELHO REGIONAL DE CORRETORES DE IMÓVEIS DA 2ª REGIÃO - CRECI/SP

3 PORTARIA N 4.478/2013 FLS. 02 PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS - PCS Anexo I SUMÁRIO SUMÁRIO ITENS FOLHAS Anexo I - SUMÁRIO Anexo II - NOÇÕES PRELIMINARES 1. Apresentação Justificativa Em relação aos cargos Em relação a progressão funcional Objetivos Metodologia aplicada Avaliação dos cargos Estrutura conceitual do Plano de Cargos e Salários Estrutura Salarial Divisão da estrutura salarial Tabela de fixação dos valores salariais Descrições e especificações dos cargos Descrição do cargo Especificação do cargo Desenvolvimento dos empregados Considerações finais Anexo III MANUAL DE AVALIAÇÃO DE CARGOS 1. Apresentação Fatores Escolaridade Experiência Complexidade das tarefas Responsabilidade por contatos Responsabilidade por dados confidenciais Definição do intervalo de classe salarial Resumo demonstrativo das avaliações Anexo IV PROCESSO SELETIVO PÚBLICO SIMPLIFICADO 1. Apresentação Objetivo Critérios para preenchimento de vaga Operacionalização Disposições gerais /02

4 PORTARIA N 4.478/2013 FLS. 03 Anexo I SUMÁRIO Anexo V DESCRIÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DOS CARGOS 1. Profissional de suporte administrativo - PSAD Especificação do cargo Progressão funcional na tabela salarial Profissional de suporte técnico - PSTE Serviços Técnico Administrativos Serviços de Audiovisual Serviços de Tecnologia da Informação Serviços de Relações Públicas Serviços Jurídicos Especificação do cargo Progressão funcional na tabela salarial Profissional de fiscalização - PFIS Especificação do cargo Progressão funcional na tabela salarial Anexo VI PROGRESSÃO FUNCIONAL 1. Apresentação Promoção horizontal por merecimento e por antiguidade Progressão vertical Avaliação específica de capacitação profissional Efetivação da progressão vertical Considerações gerais Anexo VII GLOSSÁRIO Anexo VIII FORMULÁRIOS FORMULÁRIO 1 Solicitação de Processos Seletivo Público Simplificado FORMULÁRIO 2 Quadro resumo de promoção horizontal FORMULÁRIO 3 Solicitação de Processo de Progressão Vertical FORMULÁRIO 4 Inscrição para Progressão Vertical Anexo IX RESPONSABILIDADE TÉCNICA /02

5 PORTARIA N 4.478/2013 FLS. 04 PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS - PCS Anexo I I - NOÇÕES PRELIMINARES 1. APRESENTAÇÃO 1.1. O da 2ª. Região CRECI/SP, constituído como autarquia federal, nos termos da Lei nº 6.530, de 12/05/78, com alterações introduzidas pela Lei nº , de 5/12/03, com a finalidade de disciplinar e fiscalizar o exercício da profissão de Corretor de Imóveis, estrutura neste documento o Plano de Cargos e Salários PCS O PCS caracteriza-se como um instrumento de organização e normatização das relações de trabalho entre a autarquia e seus empregados, além de contribuir para a política de recursos humanos Sustentado, teoricamente, em premissas modernas de gestão, o PCS contempla uma série de alternativas que permitem ao gestor administrar os recursos humanos de forma estimulante e competitiva, valorizando o conhecimento, a competência e o desempenho da força de trabalho. 2. JUSTIFICATIVA 2.1. Um plano de cargos e salários constitui-se em instrumento relevante de gestão e deve contemplar princípios fundamentais, como flexibilidade, mobilidade funcional, motivação profissional, racionalidade administrativa etc., que promovam o estímulo ao desenvolvimento pessoal e profissional, propiciem oportunidades de progressão funcional com possibilidade de desempenho de atividades em diversas áreas operativas, atendendo a níveis de proficiência técnica requeridos pela organização A autarquia, como organização dotada de personalidade jurídica de direito público, necessita de ferramentas consistentes para gerir seus recursos humanos, não só voltadas ao atendimento dos requisitos legais, mas, fundamentalmente, para integrar suas atividades e ampliar a produtividade, dentro de uma visão de prestação de serviço de interesse público, tornando o processo decisório mais eficaz Neste sentido, tornou-se necessário analisar a aplicação que vem sendo feita na autarquia a partir da implementação do Plano de Cargos e Salários - PCS e normativos de pessoal decorrente, com as seguintes características: 2.1. EM RELAÇÃO AOS CARGOS Cargos amplos delineados a partir de atividades características de subsistemas e processos típicos da autarquia, englobando grande número de funções afins, estruturadas em carreiras, segundo a maturidade e competências necessárias Descrições e Especificações componentes do cargo com o objetivo de definir as relações de competência, de atribuições e de requisitos necessários para o desempenho das atividades da autarquia. 01/07

6 PORTARIA N 4.478/2013 FLS. 05 Anexo I I - NOÇÕES PRELIMINARES 2.2. EM RELAÇÃO À PROGRESSÃO FUNCIONAL Conjunto de procedimentos que tem por objetivo regulamentar e disciplinar o processo de progressão funcional, contemplando: I - promoção horizontal decorrente de merecimento e do tempo de serviço do empregado na autarquia, de forma sequencial, padrão a padrão, até atingir o limite do nível em que está enquadrado. II - progressão vertical decorrente da capacitação profissional do empregado, no cargo em que está enquadrado, progredindo de um nível para outro. 3. OBJETIVOS 3.1. São objetivos do PCS: I - prever, qualitativa e quantitativamente, os recursos humanos; II - delimitar atribuições, deveres e responsabilidades inerentes a cada cargo; III - definir especificações de cargos; IV - estabelecer uma estrutura salarial; V - oferecer oportunidades de remuneração capazes de produzir continuada estimulação nos empregados, elevando seus padrões de produtividade. 4. METODOLOGIA APLICADA 4.1. Para a readequação do PCS da autarquia foi realizada análise na operacionalização dos procedimentos que envolvem o processo seletivo público simplificado e a progressão funcional com foco nos critérios aprovados para promoção horizontal e progressão vertical, objetivando programar/realizar de forma imediata e continuada os benefícios contemplados no PCS Neste sentido, estruturar em um só Normativo a composição de cargos em carreiras e as definições de ingresso e de progressão funcional facilitará as ações de gestão do corpo diretivo e permitirá ao empregado programar o seu crescimento funcional no quadro efetivo da autarquia. 5. AVALIAÇÃO DOS CARGOS 5.1. A avaliação dos cargos é a determinação do valor relativo dos cargos na autarquia, segundo fatores pré-determinados com pontuação definida. Neste sentido, foi utilizado o Sistema Analítico de Pontos para disciplinar as relações entre os valores atribuídos, compensar financeiramente de forma eqüitativa e, principalmente, oferecer parâmetros uniformes para necessidades futuras de valoração de novos cargos Os fatores utilizados para a avaliação e valoração dos cargos do PCS atendem às seguintes condições básicas: I - ADEQUABILIDADE: estar em conformidade com o tipo de cargo a ser avaliado e ainda coerente com as atividades da autarquia; II - OBJETIVIDADE: estar relacionados com os cargos e não com seus ocupantes; 02/07

7 PORTARIA N 4.478/2013 FLS. 06 Anexo I I - NOÇÕES PRELIMINARES III - GRADAÇÃO: ocorrer nos cargos em graus de intensidade diferente e variável; IV - DEFINIÇÃO: ser susceptíveis de definição clara e objetiva e graus de intensidade com as mesmas características Para os cargos do PCS, mostrou-se suficiente a elaboração de um único Sistema de Avaliação de Cargos, mediante a utilização do conceito de cargos amplos aliados à prefixação de graus de complexidade nos níveis da Tabela Salarial (Operacional, Especializado, Pleno e Sênior) Para a avaliação dos cargos foram escolhidos os fatores constantes do Quadro a seguir e atribuídos percentuais proporcionais a capacidade de remuneração expressa pelo valor da correlação, e assim distribuídos os pontos aos graus de cada fator, conforme detalhado no MANUAL DE AVALIAÇÃO DE CARGOS - Anexo III. Quadro 4: FATORES DE AVALIAÇÃO FATOR % 1. Escolaridade Experiência Complexidade das tarefas Responsabilidade por contatos Responsabilidade por dados confidenciais 20 TOTAL Estes fatores são utilizados também na DESCRIÇÃO E ESPECIFICAÇÕES DOS CARGOS - Anexo V. 6. ESTRUTURA CONCEITUAL DO PCS 6.1 A estrutura de cargos e salários contidos no PCS da autarquia é formada por quatro cargos, quatro níveis e cinqüenta e seis padrões como mostrado a seguir: PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS - PCS CARGO Profissional de Suporte Administrativo - PSAD - CARGO Profissional de Suporte Técnico - PSTE - CARGO Profissional de Fiscalização - PFIS - Operacional: O/1 a O/16 Especializado: E/17 a E/32 Pleno: P/33 a P/44 Sênior: S/45 a S/56 NÍVEL - PADRÃO Especializado: E/17 a E/32 Pleno: P/33 a P/44 Sênior: S/45 a S/56 NÍVEL - PADRÃO Pleno: P/33 a P/44 Sênior: S/45 a S/56 NÍVEL - PADRÃO 03/07

8 PORTARIA N 4.478/2013 FLS. 07 Anexo I I - NOÇÕES PRELIMINARES Cargo é o conjunto de atividades de natureza semelhante e graus de complexidade diferenciados para suprir as necessidades de serviços em: I - Atividades Administrativas: Profissional de Suporte Administrativo - PSAD; II - Atividades Técnico-Administrativas: Profissional de Suporte Técnico - PSTE; e III - Atividades Finalísticas: Profissional de Fiscalização PFIS Nível é o patamar de escalonamento da Tabela Salarial do cargo em função de exigência de escolaridade e realização de atividades com grau de complexidade crescente conforme descrito a seguir: I - Operacional - ensino médio completo. Conhecimentos técnicos e específicos na execução de tarefas sob supervisão, com grau relativo de autonomia; II - Especializado - ensino médio completo. Conhecimentos especializados na execução de tarefas com autonomia; III - Pleno - preferencialmente curso superior completo. Conhecimentos genéricos, especializados e/ou de gestão, exceto quando em progressão funcional nos cargos PSAD e PSTE e IV - Sênior preferencialmente curso superior completo. Conhecimentos altamente especializados, cultura geral e de gestão Padrão é a representação alfa-numérica relativa a um valor em moeda corrente na tabela salarial seqüencial e crescente, com internível de 4%, para remunerar adequadamente a execução de atividades com relativo grau de complexidade definida nos níveis e padrões da Tabela Salarial conforme é mostrado a seguir: I - Operacional = O/1 a O/16; II - Especializado = E/17 a E/32 III - Pleno = P/33 a P/44; IV - Sênior = S/45 a S/ ESTRUTURA SALARIAL 7.1. Os objetivos da estrutura salarial são: a) compor um esquema de remuneração, distribuído no nível da Tabela Salarial capaz de atrair e manter pessoal qualificado e estimulado para as diversas posições de trabalho na autarquia, além de oferecer, ao empregado, perspectivas de progressão funcional em concordância com o seu desempenho, sua capacidade e habilidade profissional; b) evitar, internamente, disfunções organizacionais advindas de desequilíbrios e desigualdades salariais; e c) concorrer nos diversos segmentos do mercado de trabalho nas áreas inerentes à sua atuação, de forma a absorver os melhores profissionais disponíveis Os objetivos acima fixados exigem a compatibilização da estrutura salarial com a de cargos, pois os mesmos são interdependentes e indissociáveis, visto que determinam a progressão do empregado dentro da autarquia. 04/07

9 PORTARIA N 4.478/2013 FLS. 08 Anexo I I - NOÇÕES PRELIMINARES 7.1. DIVISÃO DA ESTRUTURA SALARIAL O PCS prevê a distribuição dos cargos nos níveis: operacional, especializado, pleno e sênior conforme demonstrado a seguir: Quadro 1. ESTRUTURA SALARIAL VERSUS CARGO ESTRUTURA SALARIAL CARGO NÍVEL PADRÃO PSAD PSTE PFIS O/1 O/2 O/3 O/4 O/5 O/6 O/7 O/8 OPERACIONAL O/9 O/10 O/11 O/12 O/13 O/14 O/15 O/16 E/17 E/18 E/19 E/20 E/21 E/22 E/23 E/24 ESPECIALIZADO E/25 E/26 E/27 E/28 E/29 E/30 E/31 E/32 P/33 P/34 P/35 P/36 PLENO P/37 P/38 P/39 P/40 P/41 P/42 P/43 P/44 S/45 S/46 S/47 S/48 SÊNIOR S/49 S/50 S/51 S/52 S/53 S/54 S/55 S/ Para o cargo PSAD estão contemplados os níveis operacional, especializado, pleno e Sênior; para o cargo PSTE, os níveis especializado, pleno e sênior; e para o cargo PFIS, os níveis pleno e sênior, com os padrões indicados no Quadro 1 acima O quadro 2, a seguir, mostra as possibilidades de preenchimento de vagas por processo seletivo público e/ou progressão vertical: Quadro 2. FORMA DE INGRESSO NOS NÍVEIS DA TABELA SALARIAL CARGO NÍVEL PSAD PSTE PFIS Operacional Seleção Pública - Especializado Progressão Vertical Seleção Pública Pleno Progressão Vertical Progressão Vertical Seleção Pública Sênior Progressão Vertical Progressão Vertical Progressão Vertical Na designação de cargo amplo, quando considerado do Nível/Padrão inicial até o Nível/Padrão final da Tabela Salarial, é contemplada a possibilidade de desenvolvimento do empregado em promoções horizontais e conseqüentes progressões verticais, que segundo os mais conceituados autores, têm-se constituído, no principal fator de motivação para o trabalho. 05/07

10 PORTARIA N 4.478/2013 FLS. 09 Anexo I I - NOÇÕES PRELIMINARES 7.2. TABELA DE FIXAÇÃO DE VALORES SALARIAIS A Tabela Salarial está estruturada em um percentual de 4%, do menor até o maior valor, conforme demonstrado a seguir: Quadro 2 TABELA SALARIAL (Internível = 4,0 %)( PD = Padrão) NIVEL PD VALOR PD VALOR PD VALOR PD VALOR O/1 867,89 O/2 902,61 O/3 938,71 O/4 976,26 OPERACIONAL O/ ,31 O/ ,92 O/ ,16 O/ ,08 O/ ,77 O/ ,28 O/ ,69 O/ ,08 O/ ,52 O/ ,10 O/ ,90 O/ ,02 E/ ,54 E/ ,56 E/ ,19 E/ ,51 ESPECIALIZADO E/ ,65 E/ ,72 E/ ,83 E/ ,10 E/ ,67 E/ ,65 E/ ,20 E/ ,45 E/ ,54 E/ ,65 E/ ,91 E/ ,51 P/ ,61 P/ ,39 P/ ,05 P/ ,77 PLENO P/ ,76 P/ ,23 P/ ,40 P/ ,50 P/ ,76 P/ ,43 P/ ,77 P/ ,04 S/ ,52 S/ ,50 S/ ,28 S/ ,17 SÊNIOR S/ ,50 S/ ,60 S/ ,82 S/ ,53 S/ ,11 S/ ,96 S/ ,48 S/ ,10 8. DESCRIÇÕES E ESPECIFICAÇÕES DOS CARGOS 8.1. As descrições e as especificações dos cargos da autarquia constituem-se no registro formal das principais tarefas e dos requisitos físico, mental e comportamental que lhes são inerentes e estão assim apresentadas: 8.1. DESCRIÇÃO DO CARGO Identificação: exibe o título do cargo e a perspectiva de progressão funcional definida na Tabela Salarial do PCS; Descrição sumária: sintetiza o trabalho, definindo as principais atividades do cargo; e Principais atribuições: descrição das principais tarefas, deveres e responsabilidades mais usuais inerentes ao cargo ESPECIFICAÇÃO DO CARGO Atributos: estabelecem os principais requisitos físicos, mentais e comportamentais, necessários ao pleno desempenho das atribuições cometidas ao cargo. 9. DESENVOLVIMENTO DOS EMPREGADOS 9.1. A Promoção Horizontal (Merecimento / Antiguidade) do empregado da autarquia ocorrerá a cada dois anos em decorrência do desempenho/comportamento no exercício do cargo conforme é mostrado na tabela a seguir: 06/07

11 PORTARIA N 4.478/2013 FLS. 10 Anexo I I - NOÇÕES PRELIMINARES CARGO PSAD PSTE PFIS NÍVEL/PADRÃO EXPECTATIVA INGRESSO CRESCIMENTO NÍVEL PADRAO FINAL Operacional O/1 30 anos Operacional O/16 Especializado E/17 30 anos Especializado E/32 Pleno P/35 22 anos Pleno P/44 Sênior S/45 22 anos Sênior S/56 Especializado E/17 30 anos Especializado E/32 Pleno P/35 22 anos Pleno P/44 Sênior S/45 22 anos Sênior S/56 Pleno P/35 22 anos Pleno P/44 Sênior S/45 22 anos Sênior S/56 OBSERVAÇÃO Condicionado a apuração dos registros do desempenho/comportamento do empregado no exercício do cargo, medido a cada dois anos da data da contratação A Progressão Vertical se dará em decorrência das necessidades de serviço da autarquia, por capacitação profissional do empregado e por decisão do Presidente/Diretoria. (Ver detalhes do processo de Progressão Funcional -Anexo VI). 10. CONSIDERAÇÕES FINAIS A autarquia é uma entidade sem fins lucrativos. Por esse motivo é necessário incrementar a capacidade de resposta rápida e eficiente tanto à conjuntura externa quanto à contingência interna, não havendo espaço para engessamento ou restrições de operação, diante de qualquer situação Como a atividade finalística da autarquia é a disciplina e a fiscalização da profissão do Corretor de Imóveis, quanto maior a proficiência e utilidade do serviço prestado pelo empregado, maior será o interesse e a necessidade da entidade em mantê-lo em seu corpo funcional O PCS pretende ser a resposta eficaz ao pleno emprego e satisfação profissional do corpo funcional. As expectativas de progressão e de reconhecimento de mérito dos empregados estão expressas neste instrumento e nos normativos de pessoal decorrentes. 07/07

12 PORTARIA N 4.478/2013 FLS. 11 PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS - PCS Anexo III - MANUAL DE AVALIAÇÃO DE CARGOS 1. APRESENTAÇÃO 1.1. Avaliar cargos significa compará-los entre si, segundo um mesmo critério, de modo a diferenciá-los quanto ao resultado econômico da realização das tarefas, aperfeiçoando a coerência interna Este manual de avaliação tem como objetivo: a) Estabelecer o valor relativo dos cargos, em função das responsabilidades, exigências e condições envolvidas no trabalho (equilíbrio interno); b) Permitir o estabelecimento de uma estrutura salarial adequada e compatível com o mercado de trabalho (equilíbrio externo); c) Salvaguardar os interesses da instituição, não pagando mais nem menos a determinado cargo que o seu valor efetivo; d) Ressalvar o interesse dos empregados, pagando salário justo O método utilizado é o da AVALIAÇÃO POR PONTOS por ser o mais preciso e objetivo e, principalmente, pelo fato de permitir avaliar qualquer tipo de cargo e de ser aplicável quando os cargos são amplos e enriquecidos. 2. FATORES 2.1. Com base nas características das atividades desenvolvidas pela autarquia foram selecionados os seguintes fatores de avaliação: ESCOLARIDADE Este fator se destina a avaliar o cargo em função da instrução básica necessária ao pleno desempenho das tarefas inerentes ao cargo. Não se observará rigorosamente, a forma de aquisição desses conhecimentos, excetuada as hipóteses de exigências legais. GRAU DEFINIÇÃO PONTOS 1 O pleno desempenho das tarefas do cargo exige do ocupante, conhecimentos equivalentes ao ensino fundamental ou médio completo O pleno desempenho das tarefas do cargo exige do ocupante, conhecimentos equivalentes ao ensino médio completo, mais habilitação técnica específica O pleno desempenho das tarefas do cargo exige do ocupante, conhecimentos equivalentes ao curso superior completo EXPERIÊNCIA Este fator se destina a avaliar os cargos em função da vivência anterior necessária ao pleno exercício de atribuições, deveres, tarefas e responsabilidade do cargo, composto de 4 (quatro) graus: 01/04

13 PORTARIA N 4.478/ FLS. 12 Anexo III - MANUAL DE AVALIAÇÃO DE CARGOS GRAU DEFINIÇÃO PONTOS 1 Para o exercício do cargo é necessário até 1 (um) ano de experiência Para o exercício do cargo são necessários 2 (dois) anos de experiência Para o exercício do cargo são necessários 3 (três) anos de experiência Para o exercício do cargo são necessários 5 (cinco) anos de experiência COMPLEXIDADE DAS TAREFAS Este fator se destina a avaliar o grau de dificuldade no desempenho das tarefas inerentes ao cargo, levando em consideração o grau de fadiga mental produzido no ocupante ao final da jornada de trabalho, pelo uso de aptidões, tais como: coordenação motora, fluência verbal, habilidade numérica, memória, assimilação, capacidade de raciocínio, senso de organização, adaptabilidade e capacidade de planejar aptidões complexas e habilidades especiais A atribuição de grau será obtida pela intercessão dos parâmetros correspondentes ao uso das aptidões e da freqüência do esforço mental aplicado sendo composto por: I - FREQÜÊNCIA/INTENSIDADE: a) OCASIONAL: A execução das tarefas que exigem esforço mental consome uma parte reduzida da jornada de trabalho e em intervalos de tempo não regulares (máximo 15%); b) MÉDIA: A execução das tarefas que exigem esforço mental consome uma parte da jornada de trabalho, porém, em intervalos de tempo regulares (máximo 30%); c) CONSTANTE: A execução das tarefas que exigem esforço mental consome a maior parte da jornada de trabalho; II - USO DAS APTIDÕES a) BÁSICAS: A execução das tarefas exige a combinação de aptidões de baixa complexidade, geralmente simples e natural a maioria das pessoas; b) QUALIFICADAS: A execução das tarefas pressupõe o uso de aptidões de média complexidade, apreendidas ou desenvolvidas pelo emprego de habilidade cognitiva e/ou através da vivência no trabalho; c) ESPECÍFICAS: A execução das tarefas pressupõe o uso de aptidões de alta complexidade e habilidades especiais, desenvolvidas ou vivenciadas de forma cumulativa O quadro a seguir mostra o total de pontos relacionados aos nove graus de ocorrência. FREQUÊNCIA/INTENSIDADE USO DAS APTIDÕES Ocasional Média Constante Grau Pontos Grau Pontos Grau Pontos BÁSICAS QUALIFICADAS ESPECÍFICAS /04

14 PORTARIA N 4.478/ FLS. 13 Anexo III - MANUAL DE AVALIAÇÃO DE CARGOS RESPONSABILIDADE POR CONTATOS Este fator tem por objetivo mensurar os cargos em função da natureza e freqüência dos contatos, internos e externos, mantidos por seus ocupantes, bem como indicar o tipo e a gravidade de prejuízos que os contatos mal sucedidos poderão ocasionar Este fator possui 12 graus relacionando natureza dos contatos e freqüência/intensidade com as seguintes distribuições em pontos: NATUREZA DOS CONTATOS Contatos restritos à simples troca de informações, internas e externas, se mal sucedidos podem acarretar pouca repercussão. Contatos restritos à simples troca de informações, internas e externas, se mal sucedidos podem acarretar reclamações ou constrangimentos simples. Contatos internos e externos, destinados à troca de informações e esclarecimentos, se mal sucedidos podem acarretar atrasos/ transtornos em tarefas de natureza técnico-administrativa. Contatos internos ou externos de natureza diversa e complexa, se mal sucedidos podem acarretar sérias repercussões ao prestígio e/ou às atividades do Conselho. FREQUÊNCIA/INTENSIDADE Esporádicos Freqüentes Constantes Grau Pontos Grau Pontos Grau Pontos RESPONSABILIDADE POR DADOS CONFIDENCIAIS Este fator tem por objetivo avaliar os cargos em função do acesso a dados confidenciais e aos eventuais prejuízos causados a autarquia em caso de divulgação ou vazamento de informações; os cargos serão avaliados pela freqüência de acesso e grau de confidência dos dados e informações manipuladas. GRAU DEFINIÇÃO PONTOS 1 Acesso restrito a dados e informações, internas e externas, que se divulgados podem 20 acarretar pouca repercussão. 2 Acesso a dados e informações sigilosos, internos e externos, que se divulgados podem 110 acarretar reclamações ou constrangimentos. 3 Acesso a dados e informações confidenciais, internos e externos, que se divulgados podem afetar o prestígio e/ou as atividades do Conselho DEFINIÇÃO DO INTERVALO DE CLASSE SALARIAL 3.1. Para a definição do intervalo de níveis, com as respectivas faixas salariais, foi utilizada a fórmula de intervalo geométrico de classe, a partir da qual se obteve o intervalo de pontos relativos aos níveis de complexidade dos cargos. 03/04

15 PORTARIA N 4.478/ FLS. 14 Anexo III - MANUAL DE AVALIAÇÃO DE CARGOS 3.2. Assim, o Manual de Avaliação por Pontos prevê o intervalo global compreendido entre 100 e 1000 pontos e a fórmula utilizada está demonstrada a seguir: f = n a a n 1 = = 4 10 = 1, Onde: n = Número de níveis an = Σ do máximo de pontos obtido nos fatores do Manual de Avaliação a1 = Σ do mínimo de pontos obtido nos fatores do Manual de Avaliação f = fator geométrico para determinação dos intervalos de freqüência (pontos) 3.3. Portanto, o intervalo de freqüência utilizado para a definição dos níveis dos cargos a seguir, obteve-se multiplicando o fator geométrico encontrado pelo menor número de pontos de cada nível, sucessivamente. NÍVEL INTERVALO DE FREQÜÊNCIA Operacional De 100 a 177 Especializado De 178 a 316 Pleno De 317 a 562 Sênior De 563 a RESUMO DEMONSTRATIVO DAS AVALIAÇÕES 4.1.O Quadro a seguir mostra o resumo das avaliações dos cargos. CARGO PSAD PSTE PFIS NÍVEL FATOR 2.1 FATOR 2.2 FATOR 2.3 FATOR 2.4 FATOR 2.5 TOTAL Grau Pontos Grau Pontos Grau Pontos Grau Pontos Grau Pontos PONTOS OPERACIONAL ESPECIALIZADO PLENO SÊNIOR ESPECIALIZADO PLENO SÊNIOR PLENO SÊNIOR /04

16 PORTARIA N 4.478/ FLS. 15 PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS - PCS Anexo IV PROCESSO SELETIVO PÚBLICO SIMPLIFICADO 1. APRESENTAÇÃO 1.1. A admissão de empregado ao quadro da autarquia será precedida de Processo Seletivo Público Simplificado obedecendo aos princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade e publicidade Os requisitos de admissão compreendem o grau de instrução, conhecimento técnico, proficiência e experiência que serão exigidos do candidato a empregado da autarquia nos cargos, conforme mostra o quadro a seguir: CARGO NÍVEL DE PADRÃO DE INGRESSO INGRESSO REQUISITOS RECOMENDADOS Ensino médio completo. (Por necessidade do serviço, poderá ser solicitada PSAD OPERACIONAL O/1 carteira nacional de habilitação e/ou curso profissionalizante). PSTE ESPECIALIZADO P/17 Ensino médio completo e/ou habilitação técnica específica com registro em Conselho de Fiscalização do exercício profissional, quando houver. PFIS PLENO P/33 Ensino médio completo e/ou habilitação técnica específica. 2. OBJETIVO 2.1. O objetivo do processo seletivo público simplificado é identificar e atrair profissionais com potencial e capacitação para ocupar as vagas definidas no quadro de pessoal efetivo da autarquia, decorrentes do Plano de Cargos e Salários - PCS. 3. CRITÉRIOS PARA PREENCHIMENTO DE VAGA 3.1. Os critérios para o preenchimento de vaga do PCS na autarquia são: I - definição de perfil profissiográfico, tendo por base a descrição e especificação do cargo a ser ocupado; II - definição do universo para divulgação (âmbito local ou regional), o direcionamento (fontes) e os meios (veiculação: diário oficial, jornais, internet e outros) e a necessidade ou não de assessoramento de organização ou profissional especializado para realização do processo de seleção; III - estabelecimento de prazo(s) e local(is) para apresentação dos candidatos; IV - definição de procedimento a ser adotado para comprovação (pelos candidatos) do cumprimento dos requisitos necessários para concorrer ao processo seletivo público simplificado; e V - indicação das condições, vantagens e benefícios oferecidos pela autarquia; 01/03

17 PORTARIA N 4.478/ FLS. 16 Anexo IV PROCESSO SELETIVO PÚBLICO SIMPLIFICADO 3.3. O Processo Seletivo Público Simplificado deverá ser realizado mediante contratação de Empresa profissional especializada ou diretamente pela autarquia, se houver estrutura adequada para tal Será responsabilidade da autarquia o provimento das informações profissiográficas e das exigências do cargo, para que o Processo Seletivo Público possa ser estruturado, visando o alcance dos resultados esperados Deverão ser identificados os instrumentos de seleção (provas ou provas de títulos) que serão aplicados, tendo por base o estudo profissiográfico Caberá ao Presidente da autarquia autorizar os procedimentos para realização do Processo Seletivo Público. 4. OPERACIONALIZAÇÃO 4.1. Os procedimentos para a realização de Processo Seletivo Público Simplificado estão condicionados a existência de vaga decorrente do PCS, no Quadro de Pessoal do CRECI/SP Para dar início aos procedimentos, a(s) unidade(s) organizacional(is) detentora(s) da(s) vaga(s), deverá(ão) preencher a SOLICITAÇÃO DE PREENCHIMENTO DE VAGA (Formulário 1 do Anexo VIII) O formulário, assinado pelo chefe da unidade organizacional, deverá ser encaminhado ao Departamento de Pessoal, e este por sua vez o encaminhará à Gerência Funcional, complementado com as competências definidas para a unidade organizacional, número de vagas, descrição das principais atribuições, nível, padrão e valor salarial de ingresso no cargo requerido De posse dessas informações a Gerência Funcional/Presidente/Diretoria poderá, ad referendum do Plenário, determinar a realização de Processo Seletivo Público Simplificado O resultado do processo será submetido à Gerência Funcional/Presidente/Diretoria, que decidirá pela contratação do(s) candidato(s) melhor(es) classificado(s) O(s) candidato(s) selecionado(s) será(ao) encaminhado(s) ao Departamento de Pessoal para procedimentos relativos a sua contratação pela autarquia. 5. DISPOSIÇÕES GERAIS 5.1. O Processo Seletivo Público deverá ser acompanhado por uma Comissão especialmente designada, com a finalidade de se preservar a legalidade das ações da autarquia. 02/03

18 PORTARIA N 4.478/ FLS. 17 Anexo IV PROCESSO SELETIVO PÚBLICO SIMPLIFICADO 5.2. O empregado admitido na autarquia receberá na vigência do contrato de experiência (até 90 dias) 80% do valor estabelecido para o cargo do PCS Os casos não previstos neste Anexo serão resolvidos pela Gerência Funcional/Presidente/Diretoria, em conformidade com a legislação vigente. 03/03

19 PORTARIA N / FLS. 18 PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS - PCS Anexo V DESCRIÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DOS CARGOS 1. PROFISSIONAL DE SUPORTE ADMINISTRATIVO PSAD 1.1. Ao Profissional de Suporte Administrativo - PSAD, em atendimento as atividades finalísticas da autarquia, compete desempenhar as seguintes atribuições: 1) Executar serviços bancários, ordens de pagamento e/ou ordens de crédito, serviços externos de despache ou retirada de encomendas, seguindo a orientação do responsável da área; 2) Entregar correspondências, documentos e/ou volumes, recolhendo-os em locais preestabelecidos e distribuindo-os aos destinatários; 3) Auxiliar na realização de atividades de apoio administrativo, tais como fazer ligações telefônicas, enviar e receber fax, anotar recados e arquivar documentos em geral; 4) Realizar o controle da entrada e saída de pessoas, na recepção da autarquia, registrando, quando necessário, dados pessoais, horários e outras informações sobre os visitantes; 5) Prestar informações solicitadas pelos visitantes, na recepção, orientando-os para acesso aos locais desejados; 6) Completar ligações telefônicas locais e interurbanas, atendendo e anotando pedidos de usuários, manipulando mesas de ligações e efetuando as conexões e registros necessários, a fim de estabelecer a comunicação desejada; 7) Controlar a realização de ligações locais e interurbanas, preparando relatórios estatísticos, a fim de subsidiar os usuários e dirigentes da autarquia; 8) Orientar e prestar informações a empregados e ao público em geral sobre o número de telefones e/ou ramais, códigos de serviços, consultando relações, cadastros e outras fontes apropriadas; 9) Realizar eventual entrega de documentos e recebimentos de materiais e malotes; 10) Digitar correspondências, memorandos, ofícios, relatórios e outros documentos administrativos; 11) Auxiliar em levantamentos de dados referentes a assuntos administrativos; 12) Organizar e classificar toda documentação realizando a numeração e cadastro de ofícios, memorandos e materiais expedidos; 13) Arquivar documentos, obedecendo a uma ordem numérica, alfabética, por assunto ou cronológica, a fim de manter o controle e facilitar sua localização; 14) Realizar as atividades burocráticas de abrir e montar processos, cadastrando-os para posterior análise; 15) Conferir os materiais a serem transportados, verificando quantidade e espécie, para evitar erros no carregamento e descarregamento dos mesmos; 16) Retirar mercadorias em fornecedores; 17) Levar mercadorias para despacho junto a transportadoras; 18) Informar qualquer irregularidade observada nos materiais transportados; 19) Auxiliar no controle de estoque de material da unidade administrativa, anotando os dados em formulário apropriado, bem como preparar as requisições para solicitar novas remessas; 20) Auxiliar e/ou executar serviços de copa e cozinha, preparando e servindo café, água, chá e outros alimentos, comprando lanches quando necessário, bem como realizar a limpeza de todo o material utilizado; 01/19

20 PORTARIA N 4.478/ FLS. 19 Anexo V DESCRIÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DOS CARGOS 21) Prestar atendimento ao público em geral, caso seja necessário, encaminhando-os às unidades organizacionais e/ou pessoas solicitadas; 22) Realizar trabalhos de reprografia, tais como: operar máquinas e equipamentos reprográficos, encadernando, catalogando, alceando e grampeando material trabalhado, controlando o número de cópias solicitadas durante o mês, através de formulários próprios, prestando contas ao chefe imediato; 23) Conduzir veículos da autarquia, desde que habilitado para tal e sempre que solicitado pela Diretoria ou pela chefia imediata, no Município de São Paulo ou fora dele, levando ou trazendo pessoas e entregando ou buscando documentos e encomendas, em destinos previamente agendados; 24) Preencher o relatório de utilização do veículo e ficha de controle da quilometragem, locais percorridos, horários de saída e retorno às dependências, bem como o registro de qualquer anormalidade no seu funcionamento e necessidade de reparos, com a finalidade de fornecer dados para cálculos dos custos e apreciação de irregularidades; 25) Responsabilizar-se pela conservação do veículo, mantendo-o em condições de uso, substituindo pneumáticos e peças simples em caso de emergência, controlando sua manutenção; 26) Preparar relatórios de viagem, fazendo as anotações relativas a destino, objetivo da viagem, horário de saída e chegada, conforme procedimentos estabelecidos; 27) Proceder a inventários de materiais e de bens móveis permanentes; 28) Realizar as atividades de apoio administrativo, tais como: efetuar ligações telefônicas, enviar e receber fax, anotar recados e arquivar documentos em geral; 29) Realizar levantamentos de dados referentes a assuntos administrativos, a fim de serem utilizados pelos órgãos competentes; 30) Conferir correspondências, memorandos, ofícios, relatórios e outros trabalhos administrativos; 31) Organizar atividades de protocolo e despacho de documentos e volumes, a fim de garantir o controle e encaminhamento aos interessados; 32) Organizar o processo de arquivos de documentos de acordo com a ordem numérica, alfabética, por assunto ou cronológica, a fim de manter o controle e facilitar sua localização; 33) Organizar e controlar as publicações expedidas, as publicações em estoque e o arquivo inativo da autarquia; 34) Realizar o controle de estoque de material, anotando os dados em formulário apropriado, bem como preparar requisições para solicitar novas remessas; 35) Redigir documentos diversos; 36) Pesquisar informações bibliográficas e documentais, manuseando bibliografias e índices e extraindo informações que possibilitem a localização de determinado assunto, com o objetivo de fornecer referências que abordem a matéria procurada; 37) Supervisionar e orientar os serviços de atendimento interno, como telefonia, recepção, vigilância, portaria e copa, visando assegurar a qualidade e presteza nesses serviços; 38) Supervisionar os serviços de copa, reprografia, limpeza, visando o adequado atendimento das necessidades das áreas usuárias desses serviços; 02/19

21 PORTARIA N 4.478/ FLS. 20 Anexo V DESCRIÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DOS CARGOS 39) Efetuar ou solicitar a compra de materiais necessários à manutenção da autarquia; 40) Controlar o processo de arquivos de documentos de acordo com a ordem numérica, alfabética, por assunto ou cronológica; 41) Orientar a realização do controle de estoque de material da autarquia, anotando os dados em formulário apropriado, bem como preparar as requisições para solicitar novas remessas; 42) Coordenar a execução de tarefas relativas à anotação, redação, digitação e outros serviços administrativos, de forma a assegurar e agilizar o fluxo de trabalho da autarquia; 43) Atender, receber, orientar e pesquisar o usuário e os ambientes que se relacionam com o CRECI/SP; 44) Controlar e supervisionar o andamento e os métodos dos serviços administrativos, bem como a qualidade e a produtividade do trabalho; 45) Organizar a execução dos serviços de copa e cozinha, bem como a limpeza de todo o material utilizado; 46) Analisar correspondências recebidas, examinando o seu conteúdo, efetuando a triagem de acordo com as prioridades; 47) Redigir correspondências e elaborar documentos com a finalidade de obter e/ou prestar informações e subsidiar a tomada de decisão superior; 48) Coordenar a preparação de materiais necessários às reuniões, exposições, seminários e outros eventos providenciando transporte e acomodações quando necessário, a fim de fornecer o devido apoio às referidas atividades; 49) Organizar e acompanhar reuniões e Sessões Plenárias, prestando apoio técnicoadministrativo necessário à realização; 50) Organizar processo licitatório com base em diretrizes superiores, para aquisição de materiais, equipamentos e serviços; 51) Orientar e controlar a elaboração de contratos, ofícios e atas pertinentes ao processo licitatório; 52) Administrar, sistematizar, organizar e controlar os contratos firmados pela autarquia; 53) Analisar cotação de preços de bens e serviços para negociação e posterior aquisição; 54) Controlar o suprimento de fundos, talões de cheques, disponibilidade financeira, contas bancárias, cronogramas de despesas e demais atividades afetas a área de atuação; e 55) Executar outras atividades correlatas ESPECIFICAÇÃO DO CARGO Escolaridade: ensino médio completo Experiência: 1 (um) ano de experiência Complexidade das tarefas: execução das tarefas exige a combinação de aptidões de baixa complexidade, geralmente simples e natural a maioria das pessoas Responsabilidade por contatos: contatos restritos à simples troca de informações, internas e externas, se mal sucedidos podem acarretar pouca repercussão Responsabilidade por dados confidenciais: acesso restrito a dados e informações, internas e externas, que se divulgados podem acarretar pouca repercussão. 03/19

22 PORTARIA N 4.478/ FLS. 21 Anexo V DESCRIÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DOS CARGOS 1.3. PROGRESSÃO FUNCIONAL NA TABELA SALARIAL INGRESSO Nível: OPERACIONAL; Padrão: O/1 PROMOÇÃO HORIZONTAL (Merecimento e Antiguidade) Nível: OPERACIONAL; Padrões: O/2 a O/16 Nível: ESPECIALIZADO; Padrões: E/18 a E/32 Nível: PLENO; Padrões: P/34 a P/43 Nível: SÊNIOR; Padrões: S/46 a S/56 PROGRESSÃO VERTICAL Nível: ESPECIALIZADO; Padrão: E/17 Nível: PLENO; Padrão: P/33 Nível: SÊNIOR; Padrão: S/45 04/19

23 PORTARIA N 4.478/ FLS. 22 Anexo V DESCRIÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DOS CARGOS 2. PROFISSIONAL DE SUPORTE TÉCNICO PSTE 2.1. As atribuições do Profissional de Suporte Técnico, em atendimento as atividades finalísticas da autarquia, serão desempenhadas de acordo com a respectiva área de atuação, a saber: a) Serviços Técnico Administrativos; b) Serviços de Audiovisual; c) Serviços de Tecnologia da Informação; d) Serviços de Relações Públicas; e) Serviços Jurídicos; e f) Serviços de Imprensa SERVIÇOS TÉCNICO ADMINISTRATIVOS 1) Organizar o arquivo de documentos, cartas, ofícios, memorandos, entre outros utilizados na área de atuação; 2) Coletar dados para a elaboração de documentos e relatórios das atividades da autarquia; 3) Redigir correspondências e elaborar documentos com a finalidade de obter e/ou prestar informações e subsidiar a tomada de decisões superiores; 4) Preparar relatórios diversos dos serviços realizados, coletando informações em arquivos e outras fontes; 5) Elaborar tabelas e gráficos ilustrativos; 6) Analisar correspondências recebidas, examinando o seu conteúdo, efetuando a triagem de acordo com as prioridades e registrando em livro apropriado, os dados necessários a sua tramitação; 7) Prestar informações sobre assuntos de serviços administrativos de natureza simples. 8) Levantar situações profissionais de qualquer natureza quando constar de processos em trâmite na autarquia; 9) Preparar materiais necessários às reuniões, exposições, seminários e outros eventos providenciando transporte e acomodações quando necessário, a fim de fornecer o devido apoio às referidas atividades; 10) Organizar processos, verificando os documentos necessários à sua composição e efetuando o registro; 11) Acompanhar reuniões e Sessões Plenárias, prestando apoio técnico-administrativo necessário à realização; 12) Organizar procedimentos para a realização de Sessões Plenárias, audiências públicas e outras; 13) Requisitar serviços gerais de manutenção de móveis, equipamentos, máquinas e/ou instalações; 14) Organizar processo licitatório com base em diretrizes superiores, para aquisição de materiais, equipamentos e serviços; 15) Providenciar, junto às agências de viagem emissão e reservas de passagens; 16) Atender aos fornecedores para realizar pagamentos de serviços prestados a autarquia; 17) Preparar pagamento de diárias e outros itens necessários ao atendimento de viagem; 05/19

24 PORTARIA N 4.478/ FLS. 23 Anexo V DESCRIÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DOS CARGOS 18) Executar tarefas de pagamentos, recebimentos e cobranças, cálculos de multas, juros e outros; 19) Conferir saldo de contas, confrontando-as com o saldo do razão geral e recalculando em caso de divergências, a fim de verificar a compatibilização dos valores; 20) Classificar documentos a serem contabilizados, verificando a exatidão das informações, sua procedência e natureza, identificando o número da conta onde devem ser lançados, a fim de possibilitar seus registros; 21) Revisar contas contábeis e balancetes, verificando e comparando os dados com a documentação originária e analisando a classificação contábil, a fim de promover reconciliação de saldos entre os controles contábeis sintético e analíticos; 22) Controlar cota-parte, baseando-se em relatórios dos bancos conveniados e distribuindo os respectivos valores em mapa demonstrativo; 23) Executar serviços relacionados à autorização e/ou à solicitação de pagamentos e de recebimentos de materiais/prestação de serviços, de acordo com a documentação apresentada; 24) Elaborar demonstrações contábeis mensais e de encerramento de exercício; 25) Calcular impostos em geral; 26) Acompanhar a execução de contratos e convênios sujeitos ao controle contábil e financeiro, examinando processos de pagamento, conferindo seus valores, cláusulas contratuais, cronogramas de desembolso, emitindo comprovantes e contas para liberação de garantia e correção; 27) Elaborar relatórios sobre as atividades contábeis e financeiras do CRECI/SP fornecendoos aos órgãos competentes, inclusive aos órgãos externos; 28) Participar da implantação de serviços e da elaboração de normas contábeis; 29) Contatar corretores de imóveis, imobiliárias e sociedade em geral, através de , telefonia ou correio, levando informações úteis, tanto para o exercício da profissão, bem como sobre a atividade profissional; 30) Realizar de forma continuada pesquisas para avaliar a satisfação, tanto dos corretores de imóveis e das imobiliárias, como da sociedade em geral, em relação ao atendimento pelo CRECI/SP de suas atividades finalísticas, divulgando a importância cada vez maior da Internet, não só como meio de responder, mas, também, de esclarecer dúvidas e questionamentos e atender às eventuais queixas formuladas; 31) Controlar o estoque de material de expediente da área de atuação; 32) Controlar assuntos pendentes, solicitando aos setores e órgãos envolvidos, a documentação pertinente, a fim de atender ao cumprimento de prazos estabelecidos para os trabalhos; 33) Orientar procedimentos para aquisições de materiais e equipamentos, em processo licitatório e/ou adiantamento de numerário, com base em diretrizes superiores; 34) Orientar na elaboração de documentos referentes a processos como: atas, propostas, súmulas, decisões e informações; 35) Controlar a formação de processos, analisando os documentos necessários; 06/19

25 PORTARIA N 4.478/ FLS. 24 Anexo V DESCRIÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DOS CARGOS 36) Preparar material administrativo para realização de reuniões; 37) Conferir serviços datilografados e/ou digitados verificando sua exatidão e apontando as correções necessárias, visando assegurar a qualidade dos trabalhos; 38) Orientar e/ou acompanhar o protocolo e despacho de volumes e documentos, a fim de evitar o extravio e possibilitar o encaminhamento aos interessados; 39) Redigir correspondências, declarações, atos administrativos, contratos, convênios e outros documentos; 40) Controlar a documentação técnica, legal e administrativa para subsidiar decisões superiores; 41) Orientar e controlar a elaboração de contratos, ofícios e atas pertinentes ao processo licitatório; 42) Elaborar balancetes e relatórios periódicos com os dados contábeis da autarquia; 43) Controlar balancetes da autarquia, conferindo e providenciando respostas de acordo com as normas internas; 44) Controlar e orientar o processamento de contas a pagar e a receber; 45) Orientar os serviços de apropriação, apuração e rateio de custos; 46) Controlar a movimentação bancária da autarquia, acompanhando a emissão de cheques, ordens de pagamentos, débitos, créditos e saldos; 47) Elaborar relatórios sobre a situação patrimonial, econômica e financeira apresentando dados estatísticos e pareceres técnicos, para fornecer elementos necessários ao relatório global; 48) Coordenar o inventário físico dos bens patrimoniais, emitindo relatórios, com o objetivo de manter compatíveis os registros contábeis com o controle físico dos bens, de acordo com legislação; 49) Controlar saldos bancários, visando negociar melhores taxas para aplicação de recursos disponíveis; 50) Efetuar aplicações financeiras autorizadas, calculando sua rentabilidade e emitindo o relatório apropriado; 51) Manter o controle de operações financeiras realizadas ou não, tomando as medidas necessárias a cada situação; 52) Efetuar atividades internas e externas de cobrança de valores a receber, elaborando relatórios e controles; 53) Pesquisar a legislação contábil para atendimento de consultas quanto à alterações no plano de contas, segundo exigências legais e administrativas; 54) Realizar atividades referentes à folha de pagamento, encargos sociais, recolhimentos, registros de empregados, controle e concessão de benefícios, contratos de trabalhos, rescisões contratuais, férias, afastamentos, entre outros; 55) Preparar ou conferir guias de recolhimento, referentes a FGTS, imposto sindical, imposto de renda, seguros, INSS, compilando dados constantes de recibos, folha de pagamento e rescisões de contratos; 56) Elaborar a programação do fluxo de caixa de curto prazo; 07/19

26 PORTARIA N 4.478/ FLS. 25 Anexo V DESCRIÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DOS CARGOS 57) Elaborar relação de empregados e as respectivas remunerações, calculando impostos e tributos de acordo com os percentuais pré-estabelecidos, emitindo as guias de acordo com os dados apurados; 58) Acompanhar, permanentemente, as modificações ocorridas na legislação fiscal e tributária; 59) Elaborar folha de pagamento, conferindo as informações constantes em listagens, realizando o levantamento das despesas com pagamento de empregados, encargos sociais, seguros e outros; 60) Prestar atendimento aos empregados no que se refere a informações sobre a folha de pagamento e outros assuntos relacionados com o vínculo empregatício; 61) Controlar o suprimento de fundos, talões de cheques, disponibilidade financeira, contas bancárias, cronogramas de despesas e demais atividades afetas a área de atuação; 62) Orientar e controlar os documentos a serem contabilizados, verificando a exatidão das informações contidas nos mesmos, procedência, natureza e identificando o número da conta onde devem ser lançados, a fim de possibilitar seus registros; 63) Exercer o controle da entrada e saída de documentos contábeis analisando sua validade, distribuição e arquivamento; 64) Preencher formulários específicos da área, consultando documentos, listagens e relatórios, discriminando dados e efetuando cálculos, para fins de contabilização; 65) Controlar a implantação de normas contábeis; 66) Organizar e controlar a escrituração contábil e levantamento de balancetes, balanços e apuração de resultados, verificando a exatidão dos saldos e a correta classificação das contas; 67) Controlar e orientar o processamento de contas a pagar e a receber, tendo em vista sua regularidade quanto às exigências fiscais e as normas estabelecidas pela autarquia; 68) Analisar serviços técnico-administrativos executados, confrontando dados, e efetuando cálculos, a fim de verificar a exatidão e correção; 69) Controlar e supervisionar o processamento de contas a pagar e a receber, tendo em vista sua regularidade quanto às exigências fiscais e às normas estabelecidas pela autarquia; 70) Revisar contas contábeis e balancetes, verificando e comparando os dados com a documentação originária e analisando a classificação contábil, a fim de promover reconciliação de saldos entre os controles contábeis, sintético e analítico; 71) Conferir saldo de contas, confrontando-os com o saldo do razão geral e recalculando em caso de divergências, a fim de verificar a compatibilizarão dos valores; 72) Controlar contas de rateio e outras, baseando-se em guias de lançamentos, borderôs, formulários e outros, calculando e distribuindo os valores de cada conta em mapas demonstrativos, a fim de informar o rateio contábil e apurar custos; 73) Elaborar serviços e normas contábeis; 74) Analisar balanços, balancetes e relatórios, bem como a origem e a exatidão dos lançamentos, verificando a segurança dos bens e valores existentes; 08/19

Serviço Público Federal Conselho Regional de Corretores de Imóveis Estado de São Paulo

Serviço Público Federal Conselho Regional de Corretores de Imóveis Estado de São Paulo PORTARIA Nº 3.564/2008 Institui o Normativo de Pessoal PROCESSO SELETIVO PÚBLICO que disciplina os procedimentos para a contratação de empregados para o CRECI/SP. O Presidente do da 2a. Região, no exercício

Leia mais

I - DA FINALIDADE II DOS OBJETIVOS

I - DA FINALIDADE II DOS OBJETIVOS I - DA FINALIDADE 1. Este Normativo de Pessoal tem por finalidade estruturar o Plano de Cargos e Salários - PCS do Conselho Regional de Economia da 19ª. Região Rio Grande do Norte. II DOS OBJETIVOS 2.

Leia mais

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS - PCS -

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS - PCS - PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS - PCS - Brasília-DF, julho de 2006. NOÇÕES PRELIMINARES SUMÁRIO SUMÁRIO PARTE I NOÇÕES PRELIMINARES 3 Página 1. APRESENTAÇÃO 2. JUSTIFICATIVA 3. OBJETIVOS 4. METODOLOGIA APLICADA

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA - CFM Secretaria-Geral SEGER / Setor de Pessoal - SEPES PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS - P C S - (ATUALIZADO)

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA - CFM Secretaria-Geral SEGER / Setor de Pessoal - SEPES PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS - P C S - (ATUALIZADO) CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA - CFM Secretaria-Geral SEGER / Setor de Pessoal - SEPES PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS - P C S - (ATUALIZADO) Novembro / 2005 PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS - PCS S U M Á R I O S U

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO RIO GRANDE DO NORTE

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO RIO GRANDE DO NORTE ATO NORMATIVO Nº 01, DE 28 DE MARÇO DE 2012. Institui o Normativo de Pessoal EMPREGO DE LIVRE PROVIMENTO E DEMISSÃO DE NÍVEL SUPERIOR, EMPREGOS TEMPORÁRIOS DE NÍVEL SUPERIOR E EMPREGOS TEMPORÁRIOS DE NÍVEL

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 075, DE 11 DE JUNHO DE 2012

ATO NORMATIVO Nº 075, DE 11 DE JUNHO DE 2012 ATO NORMATIVO Nº 075, DE 11 DE JUNHO DE 2012 Institui o Plano de Cargos e Salários PCS do CRECI-SC. O Presidente do Conselho Regional de Corretores de Imóveis da 11ª Região CRECI-SC, no exercício regular

Leia mais

ATO NORMATIVO N.º 36, DE 28 DE SETEMBRO DE 2010

ATO NORMATIVO N.º 36, DE 28 DE SETEMBRO DE 2010 ATO NORMATIVO N.º 36, DE 28 DE SETEMBRO DE 2010 Institui o Plano de Cargos e Salários PCS do Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia do Rio Grande do Norte - Crea- RN. O Presidente do

Leia mais

ANEXO III ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS.

ANEXO III ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS. ANEXO III ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS. 01. ADVOGADO Assessorar os vereadores na elaboração de proposições complexas que exijam conhecimentos especializados de técnica legislativa, nos projetos de lei, decreto

Leia mais

REGIMENTO INTERNO AUDITORIA INTERNA DA UNIFEI. CAPÍTULO I Disposições Preliminares

REGIMENTO INTERNO AUDITORIA INTERNA DA UNIFEI. CAPÍTULO I Disposições Preliminares REGIMENTO INTERNO DA UNIFEI CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art. 1º. A Auditoria Interna da Universidade Federal de Itajubá é um órgão técnico de assessoramento da gestão, vinculada ao Conselho de

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SACRAMENTO-MG

PREFEITURA MUNICIPAL DE SACRAMENTO-MG LEI Nº 1.189, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2010 CRIA O EMPREGO PÚBLICO DE COORDENADOR DE RECURSOS HUMANOS; O SETOR DE TESOURARIA; ALTERA OS ANEXOS I, III, V, VII E VIII, DA LEI MUNICIPAL Nº. 947, DE 17 DE JUNHO

Leia mais

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM DECRETO nº 1098, de 12 de fevereiro de 2009 Dispõe sobre alocação, denominação e atribuições dos órgãos que compõem a estrutura organizacional do Gabinete da Prefeita e dá outras providências. A PREFEITA

Leia mais

LEI N 2163/2015 DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

LEI N 2163/2015 DISPOSIÇÕES PRELIMINARES LEI N 2163/2015 Reformula o Plano de Cargos, Carreiras e Salários dos Servidores da Caixa de Assistência, Previdência e Pensões dos Servidores Públicos Municipais de Porciúncula CAPREM e estabelece normas

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014 Versão: 01 Data de aprovação: 7 de outubro de 2014. Ato de aprovação: Resolução n.º 112 /2014 Unidade

Leia mais

ANEXO III ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS.

ANEXO III ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS. ANEXO III ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS. 01. SERVENTE Descrição Sintética: compreende os cargos que se destinam a executar, sob supervisão, serviços de limpeza como varrer, lavar, desinfetar e arrumar as dependências

Leia mais

ANEXO ÚNICO RESOLUÇÃO CRM-SC N 166, DE 16/8/2015 DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES E REQUISITOS PARA A OCUPAÇÃO DO CARGO DE CONTADOR

ANEXO ÚNICO RESOLUÇÃO CRM-SC N 166, DE 16/8/2015 DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES E REQUISITOS PARA A OCUPAÇÃO DO CARGO DE CONTADOR RESOLUÇÃO CRM-SC Nº 166/2015 Institui na estrutura administrativa de pessoal do CRM-SC o cargo de contador e dá outras providências. O Conselho Regional de Medicina do Estado de Santa Catarina, instituição

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 016, de 1º de junho de 2009. (Modificada pela Res. 019/2010)

RESOLUÇÃO N o 016, de 1º de junho de 2009. (Modificada pela Res. 019/2010) RESOLUÇÃO N o 016, de 1º de junho de 2009. (Modificada pela Res. 019/2010) Aprova Regimento Interno da Pró-Reitoria de Administração PROAD. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

Art. 1º Aprovar o Regimento Interno da Pró-Reitoria de Gestão e Desenvolvimento de Pessoas da Universidade Federal de São João del-rei PROGP- UFSJ.

Art. 1º Aprovar o Regimento Interno da Pró-Reitoria de Gestão e Desenvolvimento de Pessoas da Universidade Federal de São João del-rei PROGP- UFSJ. RESOLUÇÃO N o 017, de 7 de maio de 2007. Aprova Regimento Interno da Pró-Reitoria de Gestão e Desenvolvimento de Pessoas PROGP. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SERROLÂNDIA BAHIA CNPJ 14.196.703/0001 41

PREFEITURA MUNICIPAL DE SERROLÂNDIA BAHIA CNPJ 14.196.703/0001 41 LEI Nº 549/2014 O PREFEITO MUNICIPAL DE SERROLÂNDIA, ESTADO DA BAHIA, no gozo de suas atribuições legais, em conformidade com o Art. 87, inciso V, da Lei Orgânica Municipal, FAZ SABER que a Câmara Municipal

Leia mais

TABELA DE CARGOS CARGOS DE NÍVEL MÉDIO VENCIMENTO BASE CARGA HORÁRIA SINTESE DAS ATIVIDADES TOTAL DE VAGAS REQUISITO

TABELA DE CARGOS CARGOS DE NÍVEL MÉDIO VENCIMENTO BASE CARGA HORÁRIA SINTESE DAS ATIVIDADES TOTAL DE VAGAS REQUISITO TABELA DE CARGOS CARGOS DE NÍVEL MÉDIO CARGO Assistente Operacional Assistente Administrativo PRÉ- REQUISITO completo completo TOTAL DE VAGAS VENCIMENTO BASE CARGA HORÁRIA 01 R$ 1.813,45 40 horas 02 R$

Leia mais

Art. 1º Nomear o (a) empregado (a) público (a) LUIS FILIPE DA CUNHA FRANCO para o cargo de ASSESSOR DE DIRETORIA do CONRERP RS/SC 4ª Região.

Art. 1º Nomear o (a) empregado (a) público (a) LUIS FILIPE DA CUNHA FRANCO para o cargo de ASSESSOR DE DIRETORIA do CONRERP RS/SC 4ª Região. PORTARIA Nº 005/2014 Nomeia Empregado Público aprovado no Processo Seletivo Público 001/13, para preenchimento da vaga de ASSESSOR DE DIRETORIA. O CONSELHO REGIONAL DE PROFISSIONAIS DE RELAÇÕES PÚBLICAS

Leia mais

Brasileira (UNILAB).

Brasileira (UNILAB). RESOLUÇÃO N 029/2013, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2013. Aprova o Regimento da Unidade de Auditoria Interna da Brasileira (UNILAB). Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro- O VICE-REITOR, PRO

Leia mais

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS PROJETO BARUERI

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS PROJETO BARUERI PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS PROJETO BARUERI O Plano de Cargos e Salários aqui apresentado é resultado do entendimento e alinhamento dos direcionadores do Modelo de Organização e Gestão e das Políticas e

Leia mais

ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DA SECRETARIA DO MERCOSUL

ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DA SECRETARIA DO MERCOSUL MERCOSUL/GMC/RES. N 01/03 ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DA SECRETARIA DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, as Decisões Nº 04/96, 24/00, 1/02, 16/02 e 30/02 do Conselho

Leia mais

PCCS - MANUAL DE DESCRIÇÃO DE CARGOS

PCCS - MANUAL DE DESCRIÇÃO DE CARGOS PCCS - MANUAL DE DESCRIÇÃO DE CARGOS Anexo I - Descrição dos Cargos CARGO: AUXILIAR ADMINISTRATIVO C. HORÁRIA: 40 hs semanais CÓDIGO: 006 SETOR: COORD. ADMINISTRATIVA / SECRETARIA REQUISITOS MÍNIMOS ESCOLARIDADE:

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 15/2010, DE 12 DE ABRIL DE 2010

RESOLUÇÃO Nº 15/2010, DE 12 DE ABRIL DE 2010 RESOLUÇÃO Nº 15/2010, DE 12 DE ABRIL DE 2010 Aprova o Regulamento de Estágio Supervisionado de Iniciação Profissional do Curso de Ciências Contábeis, na forma do Anexo. O Reitor da Universidade Regional

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Roberto Simonsen

Faculdade de Tecnologia SENAI Roberto Simonsen 1 SUMÁRIO Conteúdo 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. O CURSO... 3 3. PERFIL DO TECNÓLOGO EM MANUTENÇÃO INDUSTRIAL... 3 4. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 3 5. CONDIÇÕES GERAIS DO ESTÁGIO... 5 6. MATRÍCULA...

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO Art. 1º A Diretoria Executiva, subordinada ao Presidente da Fundação, é responsável pelas atividades

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 A PRESIDENTE EM EXERCÍCIO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA, no uso de suas atribuições legais e CONSIDERANDO que as entidades da Administração Pública Federal indireta

Leia mais

PORTARIA TRT 18ª GP/DG nº 045/2013 (Republicada por força do art. 2 da Portaria TRT 18ª GP/DG nº 505/2014) Dispõe sobre a competência, a estrutura e

PORTARIA TRT 18ª GP/DG nº 045/2013 (Republicada por força do art. 2 da Portaria TRT 18ª GP/DG nº 505/2014) Dispõe sobre a competência, a estrutura e PORTARIA TRT 18ª GP/DG nº 045/2013 (Republicada por força do art. 2 da Portaria TRT 18ª GP/DG nº 505/2014) Dispõe sobre a competência, a estrutura e a atuação da Secretaria de Controle Interno e dá outras

Leia mais

ANEXO I - EDITAL Nº 9/2013

ANEXO I - EDITAL Nº 9/2013 Página 1 de 5 ANEXO I - EDITAL Nº 9/2013 O SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO SESC/RN, representado por sua Administração Regional no Estado do Rio Grande do Norte, torna público, para o conhecimento de quantos

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO APRESENTAÇÃO Dispõe sobre as normas para realização de Estágio Supervisionado pelos acadêmicos da Faculdade de Belém FABEL. O presente regulamento normatiza o Estágio

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA DECRETO N.º 2356/2013 Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993, e dá outras providências. Rosane Minetto Selig, Prefeita Municipal de Ouro

Leia mais

Serviço Público Municipal Prefeitura Municipal de Ubatã Estado da Bahia CNPJ: 14.235.253/0001-59 PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015.

Serviço Público Municipal Prefeitura Municipal de Ubatã Estado da Bahia CNPJ: 14.235.253/0001-59 PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015. PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015. Estabelece os procedimentos e as normas a serem adotados pelos órgãos e entidades da administração pública estadual direta e indireta, para o encerramento anual

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA Nº 847/2008 (atualizada até a Resolução de Mesa nº 951, de 3 de novembro de 2009) Regulamenta a

Leia mais

BOAS PRÁTICAS NA APLICAÇÃO, FISCALIZAÇÃO E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE RECURSOS PÚBLICOS DE CONVÊNIOS

BOAS PRÁTICAS NA APLICAÇÃO, FISCALIZAÇÃO E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE RECURSOS PÚBLICOS DE CONVÊNIOS GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO AUDITORIA GERAL DO ESTADO BOAS PRÁTICAS NA APLICAÇÃO, FISCALIZAÇÃO E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE RECURSOS PÚBLICOS DE CONVÊNIOS APLICAÇÃO DE RECURSOS PÚBLICOS DE CONVÊNIOS

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Fundo fixo. Estabelecer critérios e procedimentos para utilização de fundo fixo na COPASA MG.

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Fundo fixo. Estabelecer critérios e procedimentos para utilização de fundo fixo na COPASA MG. Pág. 1/5 1 Objetivo Estabelecer critérios e procedimentos para utilização de fundo fixo na COPASA MG. 2 Definições Para melhor entendimento desta norma, aplicam-se as seguintes definições: a) fundo fixo

Leia mais

BOLETIM ADMINISTRATIVO Nº 020 DE 12 a 16/05/14

BOLETIM ADMINISTRATIVO Nº 020 DE 12 a 16/05/14 Leia-se:...Art. 1º DELEGAR COMPETÊNCIA e as responsabilidades decorrentes ao Superintendente Regional do DNIT nos estados de Goiás e Distrito Federal para Lavrar o Termo Aditivo de Prorrogação de prazo,

Leia mais

REGULAMENTO DA DISCIPLINA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS SUPERIORESDE GRADUAÇÃO DO CEFET-PR. Capítulo I DO ESTÁGIO E SUAS FINALIDADES

REGULAMENTO DA DISCIPLINA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS SUPERIORESDE GRADUAÇÃO DO CEFET-PR. Capítulo I DO ESTÁGIO E SUAS FINALIDADES REGULAMENTO DA DISCIPLINA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS SUPERIORESDE GRADUAÇÃO DO CEFET-PR Capítulo I DO ESTÁGIO E SUAS FINALIDADES Art. 1º - O Estágio Curricular, baseado na lei nº 6.494,

Leia mais

CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

CAPÍTULO I DAS FINALIDADES PORTARIA INSTITUCIONAL Nº 08 A Direção Geral da Faculdades SPEI, no uso das suas atribuições, ouvido o Conselho Superior e aprovado pela Mantenedora, conforme Regimento Interno, RESOLVE: Estabelecer o

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE INTEGRADA BRASIL AMAZÔNIA FIBRA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE INTEGRADA BRASIL AMAZÔNIA FIBRA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE INTEGRADA BRASIL AMAZÔNIA FIBRA Regula o funcionamento do Núcleo de Prática Jurídica NPJ do curso de Direito Bacharelado da Fibra. CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E FINANÇAS - PROPLAN

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E FINANÇAS - PROPLAN UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E FINANÇAS - PROPLAN ROTINAS ADMINISTRATIVAS PROPLAN SETOR: Pró-Reitoria CARGO: Docente / TNS FUNÇÃO: Pró-Reitor

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1 REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este regulamento normatiza as atividades relacionadas ao Estágio Curricular do Curso de Administração

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE COLEGIADO PLENO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE COLEGIADO PLENO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE COLEGIADO PLENO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 13/2010 Aprova o Regimento Interno do Núcleo de Inovação e Transferência de Tecnologia

Leia mais

Aqui seus Resultados Aparecem

Aqui seus Resultados Aparecem Aqui seus Resultados Aparecem 2 Evolution Folha de Pagamento Cálculo automático de INSS, IRRF, FGTS, Controle de período aquisitivo de férias e faltas não insalubridade, periculosidade, pensão alimentícia,

Leia mais

INVENTÁRIO ANUAL. Exercício 2011. Orientações e Procedimentos para Comissões Inventariantes

INVENTÁRIO ANUAL. Exercício 2011. Orientações e Procedimentos para Comissões Inventariantes INVENTÁRIO ANUAL Exercício 2011 Orientações e Procedimentos para Comissões Inventariantes Elaboração: Fernando de Souza Guimarães : 3409-4674 / 3409-4675 : dimat@dsg.ufmg.br Belo Horizonte, 2011 SUMÁRIO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS)

REGIMENTO INTERNO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS) REGIMENTO INTERNO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º A Unidade de Auditoria

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI Nº 13.421, DE 05 DE ABRIL DE 2010. (publicada no DOE nº 062, de 05 de abril de 2010 2ª edição) Institui a Carreira

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 Aprova a NBC T 11.8 Supervisão e Controle de Qualidade. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS

POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS I. Introdução Este Manual de Gestão de Cargos e Salários contempla todas as Áreas e Equipamentos da POIESIS e visa a orientar todos os níveis de gestão, quanto às

Leia mais

LEI N.º 3.590 de 2 de maio de 2006.

LEI N.º 3.590 de 2 de maio de 2006. LEI N.º 3.590 de 2 de maio de 2006. O PREFEITO MUNICIPAL DE URUGUAIANA: Dispõe sobre a Estrutura Administrativa e institui organograma da Câmara Municipal de Uruguaiana e dá outras providências. Faço saber,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCI Nº. 003

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCI Nº. 003 INSTRUÇÃO NORMATIVA SCI Nº. 003 UCCI Unidade Central de Controle Interno SCI Sistema de Controle Interno Versão: 1.0 Aprovada em: 31/10/2011 Unidade Responsável: Unidade Central de Controle Interno I -

Leia mais

DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013. Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências.

DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013. Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências. DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013 Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências. (Publicado no DOE de 10 de abril de 2013) O GOVERNADOR DO ESTADO

Leia mais

Serviço Público Federal Conselho Regional de Corretores de Imóveis Estado de São Paulo

Serviço Público Federal Conselho Regional de Corretores de Imóveis Estado de São Paulo PORTARIA Nº 3.563/2008 Institui o Normativo de Pessoal que define e regulamenta o processo de avaliação de desempenho do empregado do CRECI/SP em contrato de experiência. O Presidente do da 2a. Região,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM LOGÍSTICA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 014/2006.

ATO NORMATIVO Nº 014/2006. ATO NORMATIVO Nº 014/2006. Dispõe sobre a organização da Superintendência de Gestão Administrativa do Ministério Público do Estado da Bahia e dá outras providências. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO

Leia mais

Anexo D Divisão de Análises Clínicas HU/UFSC. Versão 01. Atribuições dos Cargos

Anexo D Divisão de Análises Clínicas HU/UFSC. Versão 01. Atribuições dos Cargos DOC MQB -02 MQB.pdf 1/5 Cargo: Assistente de Laboratório 1. Planejar o trabalho de apoio do laboratório: Interpretar ordens de serviços programadas, programar o suprimento de materiais, as etapas de trabalho,

Leia mais

CAERN. Descrição de Perfis

CAERN. Descrição de Perfis 8 Nível: Médio Reporte: Coordenador Sumário Executar atividades administrativas de apoio às diversas áreas da empresa. Atividades Arquivar documentos Arquivar documentos, classificando-os em pastas específicas,

Leia mais

ESTRUTURA E MANUAL DE CARGOS E FUNÇÕES DA SECRETARIA ADMINISTRATIVA DO MERCOSUL

ESTRUTURA E MANUAL DE CARGOS E FUNÇÕES DA SECRETARIA ADMINISTRATIVA DO MERCOSUL MERCOSUL/GMC/RES. Nº 15/02 ESTRUTURA E MANUAL DE CARGOS E FUNÇÕES DA SECRETARIA ADMINISTRATIVA DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, a Decisão Nº 24/00 do Conselho

Leia mais

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. Regulamenta as atribuições da Secretaria de Controle Interno do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região e dá outras providências. A PRESIDENTE DO, no uso de

Leia mais

EDITAL Nº 124/2012(*) SELEÇÃO DE AUXILIAR DE APOIO ADMINISTRATIVO FINANCEIRO DO PROGRAMA TOPA 2012 - ETAPA V

EDITAL Nº 124/2012(*) SELEÇÃO DE AUXILIAR DE APOIO ADMINISTRATIVO FINANCEIRO DO PROGRAMA TOPA 2012 - ETAPA V UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS-PROEX PROGRAMA TODOS PELA ALFABETIZAÇÃO - TOPA 2012- ETAPA V EDITAL Nº 124/2012(*) SELEÇÃO DE AUXILIAR DE

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 06/2006, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2006

RESOLUÇÃO Nº 06/2006, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2006 RESOLUÇÃO Nº 06/2006, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2006 Altera o Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso - TCC do Curso de Direito, na forma do Anexo. O VICE-REITOR, NO EXERCÍCIO DA REITORIA DA UNIVERSIDADE

Leia mais

INSTITUTO ELO CONVOCAÇÃO 73/2010 SELEÇÃO DE ASSISTENTE DE COMPRAS PARA ATUAR NA SEDE DO INSTITUTO ELO

INSTITUTO ELO CONVOCAÇÃO 73/2010 SELEÇÃO DE ASSISTENTE DE COMPRAS PARA ATUAR NA SEDE DO INSTITUTO ELO INSTITUTO ELO CONVOCAÇÃO 73/2010 SELEÇÃO DE ASSISTENTE DE COMPRAS PARA ATUAR NA SEDE DO INSTITUTO ELO OBJETO O Instituto Elo, associação privada sem fins lucrativos qualificada como Organização da Sociedade

Leia mais

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA Cachoeira, março de 2011 REGULAMENTO DE MONITORIA ACADÊMICA DO CURSO DE PEDAGOGIA Capítulo I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 14 da Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004, resolve:

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 14 da Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004, resolve: >PORTARIA Nº 2.051, DE 9 DE JULHO DE 2004 Regulamenta os procedimentos de avaliação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES), instituído na Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004.

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 311. DE 25 DE JUNHO DE 1997 (Alterada pela Resolução nº 375/02 e Revogada pela Resolução nº 464/07)

RESOLUÇÃO Nº 311. DE 25 DE JUNHO DE 1997 (Alterada pela Resolução nº 375/02 e Revogada pela Resolução nº 464/07) RESOLUÇÃO Nº 311 DE 25 DE JUNHO DE 1997 (Alterada pela Resolução nº 375/02 e Revogada pela Resolução nº 464/07) 758 Ementa: Dispõe sobre a Inscrição, Averbação e Âmbito Profissional do Auxiliar Técnico

Leia mais

FACULDADE 7 DE SETEMBRO LABORATÓRIO DE PESQUISA DE OPINIÃO E MERCADO

FACULDADE 7 DE SETEMBRO LABORATÓRIO DE PESQUISA DE OPINIÃO E MERCADO FACULDADE 7 DE SETEMBRO LABORATÓRIO DE PESQUISA DE OPINIÃO E MERCADO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO, FINS E OBJETIVOS Art. 1º As presentes normas visam regulamentar e disciplinar, em termos de sua administração,

Leia mais

CAERN. Descrição de Perfis

CAERN. Descrição de Perfis Assistente - Laboratorista 09 Nível: Médio Reporte: Coordenador Sumário Realizar análises físico-químicas e bacteriológicas em amostras de águas e efluentes, determinando os elementos químicos existentes,

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE PIRANGUINHO

CÂMARA MUNICIPAL DE PIRANGUINHO RESOLUÇÃO N 57 /2013 Altera a Resolução 015, de 05 de outubro de 2004, cria cargo de provimento efetivo no quadro de pessoal do Poder Legislativo de Piranguinho (MG) e dá outras providencias. A Câmara

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO I V S E M I N Á R I O D E E X E C U Ç Ã O F I N A N C E I R A D E P R O J E T O S F I N A N C I A D O S C O M R E C U R S O S E X T E R N O S MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE

Leia mais

PROJETO NOVA ASEEL INSTRUÇÃO NORMATIVA 001 DE FINANÇAS E CONTABILIDADE REVISÃO 005 JUNHO 2008 APROVADA NA ATA DE REUNIÃO 352/2008

PROJETO NOVA ASEEL INSTRUÇÃO NORMATIVA 001 DE FINANÇAS E CONTABILIDADE REVISÃO 005 JUNHO 2008 APROVADA NA ATA DE REUNIÃO 352/2008 PROJETO NOVA ASEEL INSTRUÇÃO NORMATIVA 001 DE FINANÇAS E CONTABILIDADE REVISÃO 005 JUNHO 2008 APROVADA NA ATA DE REUNIÃO 352/2008 1/6 ÍNDICE 1. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 2. OBJETIVOS 3. ABRANGÊNCIA E VIGÊNCIA

Leia mais

RESOLUÇÃO CRP-16 N.º 002 de 18 de Fevereiro de 2006

RESOLUÇÃO CRP-16 N.º 002 de 18 de Fevereiro de 2006 RESOLUÇÃO CRP-16 N.º 002 de 18 de Fevereiro de 2006 Altera o quadro organizacional do CRP-16, acrescentando cargo de livre provimento ao grupo VII. O Conselho Regional de Psicologia da 16.ª Região (ES)

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES imprensa FESSERGS Novo esboço de Plano de Carreira do Quadro-Geral(para substituir no MURAL) July 19, 2012 2:32 PM Projeto de Lei nº00/2012 Poder Executivo Reorganiza o Quadro

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 54, DE 4 DE OUTUBRO DE 2011.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 54, DE 4 DE OUTUBRO DE 2011. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 54, DE 4 DE OUTUBRO DE 2011. Estabelece os valores da hora trabalhada e os critérios para o pagamento da Gratificação por Encargo de Curso ou Concurso no âmbito da Agência Nacional

Leia mais

Tribunal de Contas do Estado do Piauí

Tribunal de Contas do Estado do Piauí Tribunal de Contas do Estado do Piauí P R O C E D I M E N T O S A S E R E M O B S E R V A D O S Q U A N T O A O C O N T R O L E I N T E R N O M A R I A V A L É R I A S A N T O S L E A L A U D I T O R A

Leia mais

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica.

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica. Classificação: RESOLUÇÃO Código: RP.2007.077 Data de Emissão: 01/08/2007 O DIRETOR PRESIDENTE da Companhia de Processamento de Dados do Estado da Bahia - PRODEB, no uso de suas atribuições e considerando

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA N 06/2013 de 16 DE DEZEMBRO de 2013

PORTARIA NORMATIVA N 06/2013 de 16 DE DEZEMBRO de 2013 PORTARIA NORMATIVA N 06/2013 de 16 DE DEZEMBRO de 2013 Dispõe sobre a concessão, aplicação e prestação de contas de suprimento de fundos no âmbito do Conselho de Arquitetura e Urbanismo de Santa Catarina

Leia mais

Diretoria de Gestão de Pessoas

Diretoria de Gestão de Pessoas Apresentamos o Plano de Cargos, Carreiras e Salários da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares EBSERH, criada pela Lei n. 12.550, de 15 de dezembro de 2011. A referência para instruir o presente plano

Leia mais

G E S T Ã O D E C O M P R A S P O R R E G I S T R O D E P R E Ç O S. VALDIR AUGUSTO DA SILVA Gestão Estratégica de Compras Portal de Compras

G E S T Ã O D E C O M P R A S P O R R E G I S T R O D E P R E Ç O S. VALDIR AUGUSTO DA SILVA Gestão Estratégica de Compras Portal de Compras G E S T Ã O D E C O M P R A S P O R R E G I S T R O D E P R E Ç O S VALDIR AUGUSTO DA SILVA Gestão Estratégica de Compras Portal de Compras SUMÁRIO O Sistema de Registro de Preços do Governo do Estado

Leia mais

ROTEIRO DE AUDITORIA/PESSOAL ESTATUTÁRIO

ROTEIRO DE AUDITORIA/PESSOAL ESTATUTÁRIO ROTEIRO DE AUDITORIA/PESSOAL ESTATUTÁRIO 1 - OBJETIVO A auditoria de pessoal tem por objetivo certificar-se da regularidade dos atos praticados pela administração, relativos a nomeação, classificação,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 019/2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 019/2014 Salvador, Bahia Sexta-Feira 21 de novembro de 2014 Ano XCIX N o 21.577 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 019/2014 Orienta os órgãos e entidades da Administração Pública do Poder Executivo Estadual, sobre a realização

Leia mais

DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015.

DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015. DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015. EMENTA: Regulamenta o Sistema de Registro de Preços SRP previsto no art. 15 da Lei nº 8.666/93, no âmbito do Município de Central Bahia. O PREFEITO DO MUNICÍPIO

Leia mais

ASSUNTO. Estrutura da Auditoria Interna (AUDIN) TÍTULO ΙΙ DISPOSIÇÕES GERAIS

ASSUNTO. Estrutura da Auditoria Interna (AUDIN) TÍTULO ΙΙ DISPOSIÇÕES GERAIS AE-008-REITORIA /06 TÍTULO Ι DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º - Este Ato Executivo dispõe sobre a estrutura da Auditoria Interna, com a finalidade de disciplinar seu funcionamento. Art 2º - A AUDIN desempenhará

Leia mais

Diretoria de Gestão de Pessoas

Diretoria de Gestão de Pessoas Diretoria de Gestão de Pessoas APRESENTAÇÃO Apresentamos o Plano de Cargos, Carreiras e Salários da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares EBSERH, criada pela Lei n. 12.550, de 15 de dezembro de 2011.

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA UEPB PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROEX PROGRAMA DE APOIO A PROJETOS DE EXTENSÃO PROAPEX.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA UEPB PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROEX PROGRAMA DE APOIO A PROJETOS DE EXTENSÃO PROAPEX. UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA UEPB PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROEX PROGRAMA DE APOIO A PROJETOS DE EXTENSÃO PROAPEX. EDITAL Nº 005/2015/UEPB/PROEX/PROAPEX PROCESSO SELETIVO DO PROAPEX COTA 2015-2016

Leia mais

RESOLUÇÃO nº 12 DE 22 DE OUTUBRO DE 2009

RESOLUÇÃO nº 12 DE 22 DE OUTUBRO DE 2009 Resolução nº 12/2009 fls. 1 RESOLUÇÃO nº 12 DE 22 DE OUTUBRO DE 2009 Altera a Resolução 06/2007 que trata do Regimento do Restaurante Escola da UFPel. O Presidente do Conselho Coordenador do Ensino, da

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ÁGUAS FRIAS CONCURSO PÚBLICO EDITAL Nº 001/2015 ANEXO I ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS

PREFEITURA MUNICIPAL DE ÁGUAS FRIAS CONCURSO PÚBLICO EDITAL Nº 001/2015 ANEXO I ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS ANEXO I ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS ASSITENTE SOCIAL: Planejar, coordenar, controlar e avaliar programas e projetos na área do Serviço Social aplicados a indivíduos, grupos e comunidades. Elaborar e /ou participar

Leia mais

Guia Básico de Processos Corporativos do Sistema Indústria. 1ª Versão

Guia Básico de Processos Corporativos do Sistema Indústria. 1ª Versão Guia Básico de Processos Corporativos do Sistema Indústria 1ª Versão 1 Guia Básico de Processos Corporativos do Sistema Indústria PROCESSO DE CONTAS A PAGAR 1ª Versão 2 ÍNDICE 1 - INTRODUÇÃO 2 - VISÃO

Leia mais

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art. 1º A Auditoria Interna do IF Sudeste de Minas Gerais, está vinculada ao Conselho Superior,

Leia mais

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação s Possíveis Achados 1 As características da unidade de controle interno atendem aos preceitos normativos e jurisprudenciais? Ato que criou

Leia mais

Portaria nº 962/2011 Florianópolis, 11 de julho de 2011.

Portaria nº 962/2011 Florianópolis, 11 de julho de 2011. Portaria nº 962/2011 Florianópolis, 11 de julho de 2011. O Reitor pro tempore do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela

Leia mais

POLÍTICA CARGOS E SALÁRIOS

POLÍTICA CARGOS E SALÁRIOS 1. OBJETIVO Estabelecer critérios de remuneração, baseados na legislação brasileira vigente e nas regras definidas pela Secretaria Executiva e Conselho Curador, com o objetivo de constituir uma estrutura

Leia mais

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PÚBLICO SIMPLIFICADO Nº 01/2012

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PÚBLICO SIMPLIFICADO Nº 01/2012 CONSELHO REGIONAL DE CORRETORES DE IMÓVEIS EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PÚBLICO SIMPLIFICADO Nº 01/2012 PROCESSO SELETIVO PÚBLICO SIMPLIFICADO PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS DE EMPREGO PARA O CARGO DE PROFISSIONAL

Leia mais

PORTARIA CAU/SP Nº 063, DE 31 DE AGOSTO DE 2015.

PORTARIA CAU/SP Nº 063, DE 31 DE AGOSTO DE 2015. PORTARIA CAU/SP Nº 063, DE 31 DE AGOSTO DE 2015. Aprova a Instrução Normativa nº 06, de 31 de agosto de 2015, que regulamenta os trâmites administrativos dos Contratos no âmbito do Conselho de Arquitetura

Leia mais

Instrução Normativa xx de... 2014.

Instrução Normativa xx de... 2014. REGULAMENTO PARA AFASTAMENTO DE SERVIDORES DOCENTES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL PARA CAPACITAÇÃO EM PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU E PÓS-DOUTORADO

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul EDITAL Nº 031/2015 PROCESSO CLASSIFICATÓRIO DE AFASTAMENTO DE SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DA UNIDADE ORGANIZACIONAL CAMPUS BENTO GONÇALVES DO IFRS O Diretor-Geral da Unidade Organizacional

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 91, inciso III, da Constituição Estadual,

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 91, inciso III, da Constituição Estadual, DECRETO N.º 2299 R, DE 15 DE JULHO DE 2009. (Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial de 16/07/2009) Regulamenta o estágio estudantil no âmbito do Poder Executivo Estadual e dá outras providências.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO CUNI Nº 024, DE 8 DE MAIO DE 2012 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS, no uso de suas atribuições

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO R E S O L U Ç Ã O :

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO R E S O L U Ç Ã O : SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 662, DE 31 DE MARÇO DE 2009 Aprova o Regimento dos Órgãos Executivos da Administração Superior. O REITOR DA UNIVERSIDADE

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Art. 1º - A Diretoria de Tecnologia de Informação e Comunicação DTIC da Universidade FEDERAL DO ESTADO DO RIO

Leia mais