VI Simpósio Ítalo Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VI Simpósio Ítalo Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental"

Transcrição

1 IV AVALIAÇÃO DA DEMANDA DE ÁGUA X DISPONIBILIDADE HÍDRICA DOS MANANCIAIS SUPERFICIAIS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DO NORTE DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Ricardo Augusto Pereira Rezende (1) Engenheiro Agrônomo pela Universidade Federal de Lavras, MG. Mestre em Engenharia Ambiental pela Universidade Federal do Espírito Santo. Consultor da Assessoria de Meio Ambiente da CESAN. Maria Alice Mochel Piccolo Engenharia Química pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Assessora de Meio Ambiente da CESAN Jair Casagrande Engenheiro Civil pela Universidade Federal do Espírito Santo. Mestre em Engenharia Ambiental pela Universidade Federal do Espírito Santo. Engenheiro da Assessoria de Meio Ambiente da CESAN. Professor da Universidade Federal do Espírito Santo UFES, nas disciplinas de Saneamento Básico e Meio Ambiente. Fabrício Saleme de Sá Licenciado em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Espírito Santo. Especialista em Ecologia e Recursos Naturais pela Universidade Federal do Espírito Santo. Consultor da Assessoria de Meio Ambiente da CESAN. Endereço (1) : Rua Afonso Cláudio, 76/203, Praia do Canto, Vitória, ES, CEP , Vitória, ES, Brasil. Tel: (0xx27) , RESUMO A maior parte da água captada para abastecimento público na Região Norte do Estado do Espírito Santo é proveniente de mananciais superficiais com pequenas áreas de drenagem, susceptíveis as grandes reduções de vazões em período de estiagem. Diante desse quadro, o presente trabalho visa identificar os mananciais em estado mais crítico nos períodos de seca, para priorização de intervenções, tais como: construção de barragens, reflorestamento da mata ciliar, esgotamento sanitário, educação ambiental, entre outras. Para tanto, foi desenvolvido um balanço da demanda de água para abastecimento público x disponibilidade hídrica, comparando as vazões de captação dos Sistemas de Abastecimento de Água (SAA s) com a vazão mínima (Q 7,10 ), em conjunto com informações da situação do sistema, como barragem de acumulação, poços existentes e conflitos com outros usos da água, possibilitando identificar e priorizar os sistemas mais críticos quanto à disponibilidade de água. PALAVRAS-CHAVE: Disponibilidade Hídrica, Conflitos de Uso pela Água, Sistemas de Abastecimento Público, Vazão Mínima. INTRODUÇÃO A Companhia Espírito Santense de Saneamento (CESAN), possui concessão dos serviços de saneamento básico em 25 (vinte e cinco) dos 38 (trinta e oito) municípios das Bacias Hidrográficas do rio Itaúnas, São Mateus e Doce, localizadas na região Norte do Estado do Espírito Santo, apresentadas na figura 1. Desses 25 municípios, 23 possuem mananciais superficiais nas referidas bacias, totalizando 41 captações em 39 Sistemas de Abastecimento de Água (SAA). A maior parte da água captada para abastecimento público na região é proveniente de mananciais superficiais com pequenas áreas de drenagem, susceptíveis as grandes reduções de vazões em período de estiagem. O presente trabalho apresenta informações das demandas de água, bem como, das disponibilidades hídricas dos mananciais superficiais, barragens de nível e de acumulação, poços e conflitos de usos pela água existentes na área de influência dos supracitados SAA s. Para o desenvolvimento desse trabalho houve o apoio, por meio da disponibilização de informações, e participação de técnicos da Companhia Espírito Santense de Saneamento (CESAN). ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 1

2 Figura 1: Bacias Hidrográficas do Estado do Espírito Santo. ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 2

3 MATERIAIS E MÉTODOS Para identificação dos sistemas críticos quanto à disponibilidade hídrica, foram estabelecidos indicadores do percentual da vazão mínima (Q 7,10 ) que é captada para cada manancial (Indicador = (Vazão captada / Q 7,10 ) x 100). A análise dos indicadores do percentual da vazão mínima captada, em conjunto, com informações da situação do sistema, como barragem de acumulação, poços existentes e conflitos com outros usos da água, possibilitou identificar e priorizar os sistemas mais críticos quanto à disponibilidade de água. A resolução n o 05 de junho de 1988 do Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA), também foi utilizada como referência para priorização dos SAA s, pois estabelece que os Sistemas de Abastecimento de Água cuja vazão de captação seja acima de 20% (vinte por cento) da vazão mínima do manancial, ficam sujeitos ao licenciamento ambiental. As vazões mínimas dos mananciais foram obtidas no trabalho intitulado Estudo Hidrológico de cursos d água nos Pontos de Captação da Cesan no Espírito Santo que consistiu na regionalização das vazões características dos mananciais superficiais. Para cada região homogênea foram estabelecidas as equações de regionalização de vazão mínima Q 7,10, de vazão máxima para períodos de retorno de 50 e 100 anos (Qmáx 50 e 100) e, de vazão média anual de longo período. Os dados de vazões das captações dos SAA s foram obtidos no Relatório Operacional do Sistema de Informações do Controle Operacional da CESAN, calculando a média anual das vazões mensais das Estações de Tratamento de Água. RESULTADOS A tabela 1 apresenta a relação dos 39 Sistemas de Abastecimento de Água dos 23 municípios inseridos nas Bacias Hidrográficas dos rios Itaúnas, São Mateus e Rio Doce, com respectivos mananciais, área de drenagem, vazões mínimas, vazões de captação, indicador do percentual de vazão mínima captada e observações (características) dos Sistemas. ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 3

4 Tabela 1: Informações dos Sistemas de Abastecimento de Água. Município Nome da Manancial Área Bacia Q 7,10 Vazão % da q7,10 Obs. localidade (km2) hidrográfica (m3/s) Captação Captada Afonso Serra Pelada Córrego das Flores 7,8 Rio Doce 0,057 0,0023 4,04 A Cláudio Afonso Afonso Rio do Peixe 262,68 Rio Doce 0,934 0,0463 4,96 Cláudio Cláudio - Água Doce do Água Doce do Rio Bom Jesus 96,66 São Mateus 0,065 0,009 13,85 A Norte Norte - Água Doce do Santo Córrego São 28,38 São Mateus 0,021 0, ,57 A Norte Agostinho Pedro Águia Branca Águia Branca - Rio São José 534,1 Rio Doce 0,651 0,0087 1,34 Alto Rio Novo Alto Rio Novo Córrego Rio Novo 19,41 Rio Doce 0,068 0, ,07 A,E,G - Alto Rio Novo Alto Rio Novo Córrego 2,94 Rio Doce 0,019 0, ,07 A,E,G - Desengano Barra de São Barra de São Córrego Itaúnas 126,12 São Mateus 0,067 0, ,97 A,G Francisco Francisco Barra de São Paulista Córrego do Baiano 10,68 São Mateus 0,009 0, ,78 A,D,G Francisco Boa Esperança Boa Esperança Córrego Perlete 22,28 Itaúnas 0,028 0, ,00 A,G - Brejetuba Brejetuba - Rio Brejetubinha 85,3 Rio Doce 0,382 0,0057 1,49 Conceição da Conceição da Rio Cricaré São Mateus 4,391 0,0675 1,54 Barra Barra / Conceição da Braço do Rio Rio Preto do Norte 588,96 Itaúnas 0,38 0,0245 6,45 F Barra Conceição da Braço do Rio Córrego do 33,85 Itaúnas 0,008 0, ,25 A, C Barra Macaco (6l/s) Ecoporanga Cotaxé Rio do Norte 4870,15 São Mateus 0,684 0,0045 0,66 Ecoporanga Imburana Córrego do Facão 13,12 São Mateus 0,003 0, ,67 A Ecoporanga Prata dos Córrego da Prata 20,9 São Mateus 0,005 0, ,00 A Baianos Ecoporanga Ecoporanga - Rio 2 de Setembro 25,31 São Mateus 0,006 0, ,00 A Laranja da Laranja da Rio Guandu 1356,67 Rio Doce 4,016 0,0082 0,20 Terra Terra - Mantenópolis Sta. Luzia de Córrego Sta. Luzia 1,85 São Mateus 0,002 0, ,00 A Mantenópolis Mantenópolis Mantenópolis - Rio Manteninha 10,76 São Mateus 0,009 0, ,44 A Montanha Vinhático Córrego Caboclo 61,91 Itaúnas 0,01550, ,87 A Montanha Montanha - Córrego Caboclo / 29,05 Itaúnas 0,00730, ,99 B Salvação Mucurici Itabaiana Córrego do 3,89 Itaúnas 0,001 0, ,00 A,D Tenente Mucurici Mucurici - Córrego Capixaba 2,34 Itaúnas 0,00060, ,00 A,D Nova Venécia Nova Venécia - Rio Cricaré 4217,75 São Mateus 2,044 0,0742 3,63 Pancas Pancas Rio Panquinhas 72,27 Rio Doce 0,167 0, ,84 A Pancas Vila Verde Rio São José 454,85 Rio Doce 0,584 0,0063 1,08 ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 4

5 Município Nome da Manancial Área Bacia Q 7,10 Vazão % da q7,10 Obs. localidade (km2) hidrográfica (m3/s) Captação Captada Pedro Canário Cristal Rio Itaúnas 1268,4 Itaúnas 0,47 0,0144 3,06 D Pedro Canário Floresta do Sul Nascente do Córr. 12,38 Itaúnas 0,00310, ,32 A,D Seco Pedro Canário Pedro Canário Rio Itaúnas 2759,49 Itaúnas 0,584 0,0359 6,15 - Pinheiros Pinheiros - Rio Itauninhas 374,98 São Mateus 0,335 0, ,46 A,G Pinheiros São João do Rio do Sobrado 5,3 São Mateus 0,00130, ,08 A,D Sobrado Ponto Belo Itamira Córrego Itamira 6,19 Itaúnas 0,00150, ,33 A,G Ponto Belo Ponto Belo - Córrego Itaúnas 4,81 Itaúnas 0,00120, ,00 B Santa Teresa Santo Antônio Rio 05 de 86 Rio Doce 0,188 0,0056 2,98 A do Canaã Novembro Santa Teresa Várzea Alegre Rio Santa Maria 71,6 Rio Doce 0,018 0,004 22,22 A do Rio Doce São Gabriel da São Gabriel da Rio São José 1003,73 Rio Doce 0,913 0,0509 5,58 Palha Palha - São Roque do São Roque - Rio Santa Maria 311,33 Rio Doce 0,076 0, ,92 Canaã do Rio Doce Vila Pavão Vila Pavão Córrego Socorro 31,54 São Mateus 0,023 0, ,78 A,G Vila Valério Vila Valério - Córrego Valério 15,73 Rio Doce 0,059 0, ,90 A,G Observações A: Barragem de nível B: Barragem de acumulação C: Poço D:Poço desativado E: Duas captações para um único sistema (Vazões mínimas somadas) F: Captação utilizada quando a outra seca G: Conflitos de uso da água com irrigantes Em vermelho: sistemas críticos (intervenções prioritárias) Analisando as informações apresentadas, descrevemos, a seguir, a situação de cada Sistema.de Abastecimento de Água: Afonso Cláudio Serra Pelada A CESAN capta 2,3 l/s de água no córrego das Flores, afluente do Rio Doce, onde possui uma barragem de nível. Essa captação representa 4,04 % da vazão mínima do manancial. Esse Sistema não possui, atualmente, problemas quanto à quantidade de água disponível. Afonso Cláudio O manancial desse Sistema é o rio do Peixe, afluente do Rio Doce, sendo a captação do tipo tomada direta, com vazão de 46,3 l/s, representando apenas 4,96 % da vazão mínima do manancial. Desta forma, hoje em dia, está garantido o abastecimento da população da sede do município de Afonso Cláudio caso não ocorra deterioração da qualidade das águas do manancial. ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 5

6 Água Doce do Norte A captação desse Sistema possui uma barragem de nível, localizada no rio Bom Jesus, afluente do rio São Mateus, com vazão de 9 l/s, representando 13,85% da vazão mínima do manancial, não possuindo, atualmente, problemas quanto à disponibilidade hídrica. Água Doce do Norte Santo Agostinho O manancial desse Sistema é o córrego São Pedro, afluente do rio São Mateus, onde possui uma barragem de nível, para captação de 3,9 l/s, representando 18,57 % da vazão mínima do manancial. Esse sistema não possui, atualmente, problemas quanto à quantidade de água disponível. Águia Branca - A captação desse Sistema possui uma tomada de água direta no rio São José, afluente do Rio Doce, que fornece uma vazão de 8,7 l/s, representando 1,34 % da vazão mínima do manancial. Atualmente, esse sistema não possui problemas quanto à disponibilidade hídrica. Alto Rio Novo Esse SAA possui dois mananciais, córrego Desengano e Rio Novo, os quais, conjuntamente, fornecem uma vazão de 10,5 l/s, representando 12,07% da soma das vazões mínimas dos mananciais, atualmente não possuindo graves problemas quanto à água disponível. Contudo, em anos de secas severas, ocorrem paralisações no sistema decorrentes de conflitos com irrigantes, localizados a montante das captações, pois não liberam uma vazão residual das suas barragens, exigindo que a CESAN solicite a liberação de água dessas barragens. Barra de São Francisco O manancial desse Sistema é o córrego Itaúnas, afluente do rio São Mateus, onde possui uma barragem de nível para captação de 77,7 l/s, representando 115,97 % da vazão mínima do manancial. Esse indicador demonstra que essa captação está no limite da sua disponibilidade hídrica. Existem conflitos pela água com irrigantes, que demandam por parte da CESAN solicitação para liberação de água das barragens de irrigação. Barra de São Francisco Paulista A CESAN capta 6,1 l/s de água no córrego do Baiano, afluente do rio São Mateus, onde possui uma barragem de nível. Essa captação representa 67,78% da vazão mínima do manancial, indicando que, em breve, o sistema apresentará colapso no abastecimento. Esse Sistema possui um poço que hoje está desativado, que no caso de seca extrema será utilizado. Existem conflitos de uso da água com os irrigantes. Boa Esperança O manancial desse Sistema é o córrego Perlete, afluente do rio Itaúnas, onde possui uma barragem de nível para captação de 30,8 l/s, representando 110 % da vazão mínima do manancial. Esse indicador demonstra que essa captação está no limite da sua disponibilidade hídrica. Existem conflitos pela água com irrigantes. Brejetuba - A captação desse Sistema possui uma tomada de água direta no rio Brejetubinha, contribuinte do Rio Doce, que fornece uma vazão de 5,7 l/s, representando 1,49 % da vazão mínima do manancial. Atualmente, esse sistema não possui problemas quanto à disponibilidade hídrica. Conceição da Barra O manancial desse SAA é o rio Cricaré (São Mateus), sendo a captação do tipo tomada direta no leito do rio, com vazão de captação de 67,5 l/s, representando apenas 1,54 % da vazão mínima do manancial. Desta forma, ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 6

7 hoje em dia, está garantido o abastecimento da população da sede do município de Conceição da Barra caso não ocorra deterioração da qualidade das águas do manancial. Conceição da Barra Braço do Rio Esse Sistema possui dois mananciais superficiais, córrego do Macaco e Rio Preto do Norte, além de um poço profundo (6 l/s), ambos inseridos na bacia hidrográfica do rio Itaúnas. Atualmente, estão em funcionamento o poço e a captação no córrego do Macaco, que possui uma barragem de nível. Essas captações estão em funcionamento devido à proximidade com a localidade de Braço do Rio. Em caso de estiagem é utilizada a outra captação. A vazão captada é de 24,5 l/s, representando 231,25% e 6,45% da vazão mínima do Córrego do Macaco e Rio Preto do Norte, respectivamente. Hoje em dia não possui graves problemas quanto à água disponível. Contudo, em anos de secas severas, ocorrem paralisações no sistema. Ecoporanga Cotaxé A captação desse SAA possui uma tomada de água direta no Rio do Norte, contribuinte do rio São Mateus, que fornece uma vazão de 4,5 l/s, representando 0,66 % da vazão mínima do manancial. Atualmente, esse sistema não possui problemas quanto à disponibilidade hídrica. Ecoporanga Imburana O manancial desse Sistema é o córrego Facão, afluente do rio São Mateus, onde possui uma barragem de nível para captação de 4,4 l/s, representando 146, 67 % da vazão mínima do manancial. Esse indicador demonstra que essa captação está no limite da sua disponibilidade hídrica, ou seja, a cada 10 anos ou menos, poderão ocorrer paralisações no Sistema durante uma semana. Ecoporanga Prata dos Baianos A CESAN capta 3,8 l/s de água no Córrego da Prata, afluente do rio São Mateus, onde possui uma barragem de nível. Essa captação representa 76% da vazão mínima do manancial, indicando que, em breve, o sistema apresentará colapso no abastecimento. Ecoporanga - O manancial desse SAA é o rio Dois de Setembro, afluente do rio São Mateus, onde possui uma barragem de nível para captação de 35,4 l/s, representando 590% da vazão mínima do manancial. Esse indicador demonstra que essa captação está no limite da sua disponibilidade hídrica, ou seja, a cada 10 anos ou menos, poderão ocorrer paralisações no Sistema durante uma semana. Laranja da Terra O manancial desse Sistema é o rio Guandu, afluente do Rio Doce, sendo a captação do tipo tomada direta, com vazão de 8,2 l/s, representando apenas 0,20 % da vazão mínima do manancial. Desta forma, hoje em dia, está garantido o abastecimento da população da sede do município de Laranja da Terra, caso não ocorra deterioração da qualidade das águas do manancial. Mantenópolis Santa Luzia de Mantenópolis A CESAN capta 4,3 l/s de água no córrego Santa Luzia, afluente do rio São Mateus, onde possui uma barragem de nível. Essa captação representa 215% da vazão mínima do manancial, indicando que essa captação está no limite da sua disponibilidade hídrica, ou seja, a cada 10 anos ou menos, poderão ocorrer paralisações no Sistema durante um dia ou mais. ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 7

8 Mantenópolis O manancial desse Sistema é o rio Manteninha, afluente do rio São Mateus, onde possui uma barragem de nível para captação de 29,2 l/s, representando 324,44% da vazão mínima do manancial. Esse indicador demonstra que essa captação está no limite da sua disponibilidade hídrica. Montanha Vinhático A CESAN capta 6,8 l/s de água no Córrego Caboclo, afluente do rio Itaúnas, onde possui uma barragem de nível. Essa captação representa 43,87% da vazão mínima do manancial, indicando que, em breve, dependendo da taxa de crescimento populacional e econômico do município, esse SAA poderá entrar em colapso. Montanha Esse SAA possui uma barragem de acumulação ( m 3 ) no córrego Salvação, próximo da confluência com córrego Caboclo, ambos afluentes do rio Itaúnas. A captação é de 39,2 l/s, nesses dois córregos, representando 536,99% da vazão mínima dos mananciais. Contudo a barragem propicia uma autonomia de 3 meses no abastecimento em casos de estiagem prolongada. Mucurici - Itabaiana Esse Sistema apresenta um manancial superficial que possui uma barragem de nível, córrego do Tenente, afluente do rio Itaúnas, e um poço profundo que está desativado. A vazão captada é de 3,8 l/s, representando 380% da vazão mínima do manancial. Nos anos de secas severas, ocorrem paralisações no sistema. Mucurici - O manancial desse SAA é o córrego Capixaba, afluente do rio Itaúnas, onde possui uma barragem de acumulação para captação de 7,2 l/s, representando 1200% da vazão mínima do manancial. O abastecimento é racionado em anos de estiagem prolongada devido à pequena capacidade de acumulação da barragem. Existe projeto de mudança da captação para a barragem construída pela prefeitura que possui uma maior capacidade de acumulação. Nova Venécia O manancial desse Sistema é o rio Cricaré (São Mateus), sendo a captação do tipo tomada direta, com vazão de 74,2 l/s, representando apenas 3,63 % da vazão mínima do manancial. Desta forma, hoje em dia, está garantido o abastecimento da população da sede do município de Nova Venécia caso não ocorra deterioração da qualidade das águas do manancial. Pancas A CESAN capta 29,8 l/s de água no Rio Panquinhas, afluente do rio Doce, onde possui uma barragem de nível. Essa captação representa 17,84% da vazão mínima do manancial. Esse SAA não possui, atualmente, problemas quanto à quantidade de água disponível. Pancas Vila Verde A captação desse SAA possui uma tomada de água direta no rio São José, contribuinte do rio Doce, que fornece uma vazão de 6,3 l/s, representando 1,08% da vazão mínima do manancial. Atualmente, esse sistema não possui problemas quanto à disponibilidade hídrica. Pedro Canário Cristal Esse sistema possui um poço desativado e um manancial superficial, rio Itaúnas, sendo a captação do tipo tomada direta, com vazão de 14,4 l/s, representando 3,06 % da vazão mínima do manancial. Desta forma, hoje em dia, está garantido o abastecimento da população de Cristal caso não ocorra deterioração da qualidade das águas do manancial. ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 8

9 Pedro Canário Floresta do Sul Esse Sistema apresenta um manancial superficial que possui uma barragem de nível, Córrego Seco, afluente do rio Itaúnas, e um poço profundo que está desativado. A vazão captada é de 2,8 l/s, representando 90,32% da vazão mínima do manancial, indicando que, em breve, o sistema apresentará colapso no abastecimento. Pedro Canário O manancial desse Sistema é o rio Itaúnas, sendo a captação do tipo tomada direta, com vazão de 35,9 l/s, representando 6,15 % da vazão mínima do manancial. Desta forma, hoje em dia, está garantido o abastecimento da população da sede do município de Pedro Canário caso não ocorra deterioração da qualidade das águas do manancial. A Prefeitura Municipal iniciou as obras de construção de uma grande barragem para usos múltiplos, a jusante da captação da CESAN, que a beneficiará esse SAA. Pinheiros O manancial desse SAA é o rio Itauninhas, afluente do rio São Mateus, onde possui uma barragem de nível para captação de 51,8 l/s, representando 15,46% da vazão mínima do manancial. Contudo o abastecimento é racionado em anos de estiagem prolongada devido aos conflitos com irrigantes. A CESAN possui projeto para construção de uma barragem de acumulação. Pinheiros São João do Sobrado Esse Sistema apresenta um manancial superficial que possui uma barragem de nível, Rio do Sobrado, afluente do rio São Mateus, e um poço profundo que está desativado. A vazão captada é de 6,8 l/s, representando 523,8% da vazão mínima do manancial. Esse indicador demonstra que essa captação está no limite da sua disponibilidade hídrica. Ponto Belo Itamira O manancial desse Sistema é o córrego Itamira, afluente do rio Itaúnas, onde possui uma barragem de nível para captação de 3,5 l/s, representando 233,33% da vazão mínima do manancial. Esse indicador demonstra que essa captação está no limite da sua disponibilidade hídrica. Ponto Belo A CESAN capta 15,3 l/s de água no córrego Itaúnas, afluente do rio Itaúnas, onde possui uma barragem de acumulação. Essa captação representa 1275% da vazão mínima do manancial. Apesar da barragem de acumulação existente, nesse SAA ocorre racionamento no abastecimento de água nos períodos de estiagem prolongada, devido a conflitos pelo uso d água. Santa Teresa São Roque do Canaã O manancial desse SAA é o Rio Cinco de Novembro, afluente do Rio Doce, onde possui uma barragem de nível para captação de 5,6 l/s, representando 2,98% da vazão mínima do manancial. Atualmente, esse sistema não possui problemas quanto à disponibilidade hídrica. Santa Teresa Várzea Alegre Esse Sistema apresenta um manancial superficial que possui uma barragem de nível, rio Santa Maria do Rio Doce, afluente do Rio Doce. A vazão captada é de 4 l/s, representando 22,22% da vazão mínima do manancial. Esse SAA não possui, atualmente, problemas quanto à quantidade de água disponível. ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 9

10 São Gabriel da Palha - O manancial desse Sistema é o rio São José, sendo a captação do tipo tomada direta, com vazão de 50,9 l/s, representando apenas 5,58% da vazão mínima do manancial. Desta forma, hoje em dia, está garantido o abastecimento da população da sede do município de São Gabriel da Palha caso não ocorra deterioração da qualidade das águas do manancial. São Roque do Canaã A captação desse SAA possui uma tomada de água direta no rio Santa Maria do Rio Doce, contribuinte do rio Doce, que fornece uma vazão de 15,9 l/s, representando 20,92% da vazão mínima do manancial. Atualmente, esse sistema não possui problemas quanto à disponibilidade hídrica. Vila Pavão - Esse SAA apresenta um manancial superficial que possui uma barragem de nível, Córrego Socorro, afluente do rio São Mateus. A vazão captada é de 10,3 l/s, representando 44,78% da vazão mínima do manancial, indicando que, em breve, o sistema apresentará colapso no abastecimento. Em anos de secas severas ocorrem paralisações no abastecimento, provocadas por conflitos com os irrigantes. Vila Valério - O manancial desse Sistema é o córrego Valério, afluente do Rio Doce, onde possui uma barragem de nível para captação de 14,1 l/s, representando 23,90% da vazão mínima do manancial. Contudo o abastecimento é racionado em anos de estiagem prolongada devido aos conflitos com irrigantes. A CESAN tem projeto para reativar a captação antiga no Rio São José. CONCLUSÕES Analisando as informações apresentadas concluímos que os Sistemas de Abastecimento de Água que se apresentam em situação mais crítica, quanto à disponibilidade hídrica dos seus mananciais, em ordem decrescente do indicador do percentual da vazão mínima captada, são: 1) Ponto Belo ; 2) Mucurici ; 3) Ecoporanga ; 4) Pinheiros São João do Sobrado; 5) Mucurici Itabaiana; 6) Mantenópolis ; 7) Ponto Belo Itamira; 8) Conceição da Barra Braço do Rio; 9) Mantenópolis Santa Luzia de Mantenópolis; 10) Ecoporanga Imburana; 11) Barra de São Francisco ; 12) Boa Esperança -. Outros Sistemas foram identificados como críticos devido aos problemas de conflitos de usos da água com irrigantes à montante da captação e/ou, por estarem na eminência de entrarem em colapso no abastecimento, e/ou devido à exigência legal de licenciamento ambiental, conforme Resolução CONAMA 05/88, entre eles: Alto Rio Novo ; Barra de São Francisco Paulista; Ecoporanga Prata dos Baianos; Montanha e Vinhático; Pedro Canário Floresta do Sul; Pinheiros ; Santa Teresa Várzea Alegre; São Roque ; Vila Pavão - ; Vila Valério. Desta maneira, foram priorizados 23 dos 39 SAA s das Bacias Hidrográficas do Norte do Estado do Espírito Santo, representando um percentual de 59% dos Sistemas operados pela CESAN nas referidas Bacias. A CESAN contemplou no Plano de Investimento do ano de 2002 os seguintes SAA s com as respectivas intervenções nos seus mananciais: Mucurici (Elaboração de projeto de nova captação na barragem de acumulação construída pela Prefeitura Municipal); Ecoporanga (Melhoria da barragem existente); Mantenópolis (Melhoria da captação); Barra de São Francisco (Reflorestamento da Mata Ciliar e Esgotamento Sanitário na área de influência da captação); Barra de São Francisco - Paulista (Melhoria da captação); Montanha (Reflorestamento da Mata Ciliar na área de entorno da barragem de acumulação). Contudo para uma adequada priorização das ações de intervenções visando garantir o abastecimento de água, devemos levar em consideração as demandas para os demais usos d água, bem como, o levantamento do uso e ocupação do solo das bacias de contribuição e os aspectos de qualidade d água, utilizando outros indicadores como Índice de Qualidade de Água (IQA), taxa de erosão (t/ha/ano) na bacia de contribuição, entre outros. Para tanto, faz-se necessário à implementação da Política Estadual de Recursos Hídricos e seus instrumentos. ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 10

11 Apenas ações estruturais, como construção de barragens, não irão resolver os problemas das secas no Norte do Estado do Espírito Santo. Para obter soluções definitivas deve se trabalhar no sentido da gestão descentralizada e participativa dos recursos hídricos, visando propiciar a proteção dos mananciais de abastecimento público, garantindo água em quantidade e qualidade para toda a população. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. AQUACONSULT. Estudo Hidrológico de cursos d água nos Pontos de Captação da CESAN no Espírito Santo. Vitória, ES, CESAN. Relatório do Sistema de Informações do Controle Operacional, Vitória, ES, CONAMA. Resolução CONAMA número 05 de 15 de junho de 1988, Diário Oficial, Brasília, 16 de novembro de 1988, Seção I, pág PELISSARI, V. B. Vazão Ecológica a ser considerada no Licenciamento Ambiental dos Sistemas de Abastecimento de Água, 21 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental, Anais, João Pessoa, Paraíba, ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 11

ORIGEM: AFONSO CLAUDIO

ORIGEM: AFONSO CLAUDIO ORIGEM: AFONSO CLAUDIO AFONSO CLÁUDIO 0 ÁGUA DOCE NORTE 453 ÁGUIA BRANCA 379 ALEGRE 157 ALFREDO CHAVES 116 ALTO RIO NOVO 389 ANCHIETA 148 APIACÁ 218 ARACRUZ 227 ATÍLIO VIVACQUA 137 BAIXO GUANDU 304 BARRA

Leia mais

Ensino Médio TEMPO INTEGRAL (3)

Ensino Médio TEMPO INTEGRAL (3) MATRÍCULAS DA EDUCAÇÃO DA BÁSICA DE 2006, CONSIDERADAS NO FUNDEB EM, COEFICIENTES DE DISTRIBUIÇÃO DOS RECURSOS E ESTIMATIVA DA RECEITA ANUAL DO FUNDO, POR ENTE GOVERNAMENTAL - - ESPÍRITO SANTO Integral

Leia mais

ÓBITOS 10 49 ANOS MULHER (SIM)

ÓBITOS 10 49 ANOS MULHER (SIM) MUNICIPPIOSS I I I AVALIAÇÃO I DO INDICADOR I I DE IINVESSTIGAÇÂO I DE ÒBIITOSS 22000088 (**)( ) ÓBITOS EM MENOR 1 ANO ÓBITOS 10 49 ANOS MULHER OBITOS MATERNOS ÓBBITTOSS I INVEESSTTIGADOSS I I (Reelatóri(

Leia mais

Governo do Estado lança o projeto Espírito Santo sem Lixão

Governo do Estado lança o projeto Espírito Santo sem Lixão Governo do Estado lança o projeto Espírito Santo sem Lixão Com o objetivo de destinar corretamente 100% do lixo gerado e exterminar do território capixaba todos os lixões existentes, o Governo do Estado,

Leia mais

CICLOS DE NEGÓCIOS E ASPECTOS CONJUNTURAIS DA ECONOMIA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

CICLOS DE NEGÓCIOS E ASPECTOS CONJUNTURAIS DA ECONOMIA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CICLOS DE NEGÓCIOS E ASPECTOS CONJUNTURAIS DA ECONOMIA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Matheus Albergaria de Magalhães Fevereiro de 2011 Objetivos Traçar breve panorama conjuntural da economia do estado do

Leia mais

Alegre-ES, CEP.: 29.500-000, Caixa Postal 16, edreis@cca.ufes.br

Alegre-ES, CEP.: 29.500-000, Caixa Postal 16, edreis@cca.ufes.br ANÁLISE ESTATÍSTICA PARA DETERMINAÇÃO DA NA BACIA DO RIO SÃO MATEUS-ES Eduardo Morgan Uliana 1, Camila Aparecida da Silva Martins 1, José Geraldo Ferreira da Silva 2, Edvaldo Fialho dos Reis 3 1 Universidade

Leia mais

VI-018 SISTEMA DE CONTROLE DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL PARA EMPREENDIMENTOS DESCENTRALIZADOS. O CASO DE UMA EMPRESA DE SANEAMENTO

VI-018 SISTEMA DE CONTROLE DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL PARA EMPREENDIMENTOS DESCENTRALIZADOS. O CASO DE UMA EMPRESA DE SANEAMENTO VI-018 SISTEMA DE CONTROLE DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL PARA EMPREENDIMENTOS DESCENTRALIZADOS. O CASO DE UMA EMPRESA DE SANEAMENTO Jair Casagrande (1) Engenheiro Civil com ênfase em Engenharia Ambiental.

Leia mais

Hierarquia Urbana no Espírito Santo

Hierarquia Urbana no Espírito Santo Hierarquia Urbana no Espírito Santo Matheus Albergaria de Magalhães Victor Nunes Toscano Rede de Estudos Macroeconômicos (MACRO) Instituto Jones dos Santos Neves (IJSN) 03 de Setembro de 2010 Motivação

Leia mais

Vitória (ES), Quarta-feira, 06 de Agosto de 2014.

Vitória (ES), Quarta-feira, 06 de Agosto de 2014. SOCIAL Edital de Intimação SUBSER nº 003/2014, de 03/07/2014. Afonso Claudio Agua Doce do Norte Águia Branca Alegre Alfredo Chaves Alto Rio Novo Anchieta RESORT Apiaca Aracruz COSTA 11 DE SA CHAGAS 12

Leia mais

Breve Histórico do Saneamento Básico no Brasil

Breve Histórico do Saneamento Básico no Brasil Breve Histórico do Saneamento Básico no Brasil Historicamente o abastecimento de água e o tratamento de esgotos eram atribuições municipais; Na década de 60 foram criadas as cias estaduais, dentre elas

Leia mais

Concepção de instalações para o abastecimento de água

Concepção de instalações para o abastecimento de água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Concepção de instalações para o abastecimento de água Prof. Aníbal da Fonseca Santiago Universidade

Leia mais

RELAÇÃO DE PRAZOS DE ENTREGA ESPIRITO SANTO

RELAÇÃO DE PRAZOS DE ENTREGA ESPIRITO SANTO CIDADE RELAÇÃO DE PRAZOS DE ENTREGA ESPIRITO SANTO ACIOLI AFONSO CLAUDIO AGHA AGUA DOCE DO NORTE AGUIA BRANCA AIRITUBA ALEGRE ALFREDO CHAVES ALTO CALCADO ALTO CALDEIRAO ALTO CASTELINHO ALTO MUTUM PRETO

Leia mais

Capítulo 141-Regionalização hidrográfica

Capítulo 141-Regionalização hidrográfica Capítulo 141-Regionalização hidrográfica 141-1 Capítulo 141-Regionalização hidrográfica 141.1 Introdução O mundo passa por grandes transformações e os recursos hídricos deverão no séeculo XXI ser analisado

Leia mais

SOLUÇÕES PARA O SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA PARA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM PA

SOLUÇÕES PARA O SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA PARA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM PA SOLUÇÕES PARA O SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA PARA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM PA Jaqueline Maria Soares (1) Engenheira Sanitarista pela Universidade Federal do Pará - UFPA. Mestre em Engenharia Civil

Leia mais

MUNICIPALIZAÇÃO DO LICENCIMENTO AMBIENTAL MUNICIPAL NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

MUNICIPALIZAÇÃO DO LICENCIMENTO AMBIENTAL MUNICIPAL NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO I CONGRESSO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL MUNICIPALIZAÇÃO DO LICENCIMENTO AMBIENTAL MUNICIPAL NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Karla Casagrande Lorencini Bacharel em Ciências Biológicas (UFES). Mestranda

Leia mais

DOSSIÊ Sistema Rio Grande

DOSSIÊ Sistema Rio Grande Espaço das Águas Fundação Patrimônio Histórico da Energia e Saneamento Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo Sabesp DOSSIÊ Sistema Rio Grande Fevereiro 2009 1. Histórico do Sistema Rio

Leia mais

Informativo Eletrônico do Comitê das Bacias Hidrográficas dos Rios Guandu, da Guarda e Guandu-Mirim

Informativo Eletrônico do Comitê das Bacias Hidrográficas dos Rios Guandu, da Guarda e Guandu-Mirim BOLETIM DIGITAL Edição 5 - Julho 2014 Informativo Eletrônico do Comitê das Bacias Hidrográficas dos Rios Guandu, da Guarda e Guandu-Mirim Estresse hídrico na Bacia do Paraíba do Sul preocupa Comitê Foto:

Leia mais

TECNOLOGIAS APROPRIADAS À REVITALIZAÇÃO DA CAPACIDADE DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE MANANCIAIS

TECNOLOGIAS APROPRIADAS À REVITALIZAÇÃO DA CAPACIDADE DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE MANANCIAIS TECNOLOGIAS APROPRIADAS À REVITALIZAÇÃO DA CAPACIDADE DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE MANANCIAIS AUTORES: Marcos Antonio Gomes - Engenheiro Florestal; Coordenador Técnico do Programa de Gestão de Recursos Hídricos

Leia mais

Elaboração de croqui de dominialidade e georreferenciado em formato shape para CAR

Elaboração de croqui de dominialidade e georreferenciado em formato shape para CAR Coordenador Geral Coordenador de Campo I Coordenador de Campo II Coordenador de Campo III Nome Helder Paulo Carnielli Geraldo Antônio Ferreguetti Horlandezan Belirdes Nippes Bragança Geanna Gonçalves de

Leia mais

Uma Parceria do Governo do Estado do ES com o Governo Federal e Municípios Capixabas

Uma Parceria do Governo do Estado do ES com o Governo Federal e Municípios Capixabas Uma Parceria do Governo do Estado do ES com o Governo Federal e Municípios Capixabas O maior Programa Habitacional da História do Espírito Santo Mais de R$ 800 Milhões de Investimentos em Habitação Os

Leia mais

Outorgas e Licenças de Obras Hidraúlicas no Estado do Rio Grande do Norte

Outorgas e Licenças de Obras Hidraúlicas no Estado do Rio Grande do Norte Outorgas e Licenças de Obras Hidraúlicas no Estado do Rio Grande do Norte IGARN Natal maio/2014 BASE LEGAL PARA A GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS Art. 1º Fundamentos: LEI 9.433/1997 a água é bem de domínio

Leia mais

Avançando na gestão das águas do DF

Avançando na gestão das águas do DF Avançando na gestão das águas do DF O Conselho de Recursos Hídricos do Distrito Federal (CRH DF) 1 emitiu no ano de 2014 duas resoluções tratando do enquadramento dos corpos d água superficiais do Distrito

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Saneamento Básico, Diagnóstico Ambiental, Infraestrutura.

PALAVRAS-CHAVE: Saneamento Básico, Diagnóstico Ambiental, Infraestrutura. VI-039 - SANEAMENTO BÁSICO: UMA ANÁLISE ESTRUTURAL DO BAIRRO PEDRA DO LORDE EM JUAZEIRO-BA, COMO AÇÃO DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL PET CONEXÕES DE SABERES - SANEAMENTO AMBIENTAL. Roberta Daniela da

Leia mais

ÁGUA DE QUALIDADE PARA TODOS, HOJE E SEMPRE. Saiba o que é a cobrança. pelo uso de recursos hídricos.

ÁGUA DE QUALIDADE PARA TODOS, HOJE E SEMPRE. Saiba o que é a cobrança. pelo uso de recursos hídricos. ÁGUA DE QUALIDADE PARA TODOS, HOJE E SEMPRE. Saiba o que é a cobrança pelo uso de recursos hídricos. Os seres vivos e as atividades humanas dependem da água, mas o uso inadequado e o desperdício desse

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA FLORESTAL RAONI LUDOVINO DE SÁ

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA FLORESTAL RAONI LUDOVINO DE SÁ UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA FLORESTAL RAONI LUDOVINO DE SÁ INVENTÁRIO DE DADOS FLUVIOMÉTRICOS DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO JERÔNIMO MONTEIRO

Leia mais

Aula 2 - Concepção de Sistemas de Abastecimento

Aula 2 - Concepção de Sistemas de Abastecimento Aula 2 - Concepção de Sistemas de Abastecimento 2.1 - Definição e Objetivos Objetivo principal de um Sistema de Abastecimento de água: fornecer ao usuário uma água de boa qualidade para seu uso, em quantidade

Leia mais

EDITAL DE INSCRIÇÃO E PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PROGRAMA BOLSA ESTÁGIO FORMAÇÃO DOCENTE EDITAL SEDU Nº 016/2015

EDITAL DE INSCRIÇÃO E PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PROGRAMA BOLSA ESTÁGIO FORMAÇÃO DOCENTE EDITAL SEDU Nº 016/2015 EDITAL DE INSCRIÇÃO E PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PROGRAMA BOLSA ESTÁGIO FORMAÇÃO DOCENTE EDITAL SEDU Nº 016/2015 A SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO CONVIDA OS ESTUDANTES DOS CURSOS DE LICENCIATURA

Leia mais

A REALIZAÇÃO DE REUNIÕES PÚBLICAS NO ÂMBITO DO PROGRAMA DE REVITALIZAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO. Laysa Deiró de Lima Izis de Oliveira Alves

A REALIZAÇÃO DE REUNIÕES PÚBLICAS NO ÂMBITO DO PROGRAMA DE REVITALIZAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO. Laysa Deiró de Lima Izis de Oliveira Alves A REALIZAÇÃO DE REUNIÕES PÚBLICAS NO ÂMBITO DO PROGRAMA DE REVITALIZAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO Laysa Deiró de Lima Izis de Oliveira Alves Programa de Revitalização da Bacia Hidrográfica do São Francisco

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DA QUALIDADE DA ÁGUA 2013

RELATÓRIO ANUAL DA QUALIDADE DA ÁGUA 2013 RELATÓRIO ANUAL DA QUALIDADE DA ÁGUA 2013 A Companhia de Saneamento Ambiental de Atibaia - SAAE, com sede na Praça Roberto Gomes Pedrosa, 11 - Centro - Atibaia - SP, Telefone 4414-3500 e atendimento ao

Leia mais

CICLO DE PALESTRAS E DEBATES

CICLO DE PALESTRAS E DEBATES CICLO DE PALESTRAS E DEBATES PLC PROGRAMA Nº 30/11 NOVO PRODUTOR CÓDIGO FLORESTAL DE ÁGUA Ã NO GUARIROBA Á COMISSÃO DE AGRICULTURA E REFORMA AGRÁRIA DO SENADO FEDERAL Devanir Garcia dos Santos Gerente

Leia mais

Relatório da Situação Atual e Previsão Hidrológica para o Sistema Cantareira

Relatório da Situação Atual e Previsão Hidrológica para o Sistema Cantareira São José dos Campos, 15 de abril de 2015 Relatório da Situação Atual e Previsão Hidrológica para o Sistema Cantareira SUMÁRIO A precipitação média espacial, acumulada no mês, até 15 de abril de 2015, baseada

Leia mais

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: O sistema conta com dois mananciais, ambos com captações superficiais:

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: O sistema conta com dois mananciais, ambos com captações superficiais: 3.8 SÃO JOÃO NEPOMUCENO Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul A Companhia de Saneamento de Minas Gerais - COPASA, é o órgão responsável pela operação e manutenção

Leia mais

Gestão Integrada de Águas Urbanas

Gestão Integrada de Águas Urbanas Recursos Hídricos na Região Sudeste: Segurança Hídrica, Riscos, Impactos e Soluções São Paulo, 20-21 de novembro de 2014 Gestão Integrada de Águas Urbanas Prof. Carlos E. M. Tucci Rhama Consultoria Ambiental

Leia mais

- SEMINÁRIO SEGURANÇA HÍDRICA - CENÁRIO DO ESTADO DE MINAS GERAIS

- SEMINÁRIO SEGURANÇA HÍDRICA - CENÁRIO DO ESTADO DE MINAS GERAIS - SEMINÁRIO SEGURANÇA HÍDRICA - CENÁRIO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Eng. Mário Cicareli Pinheiro POTAMOS Engenharia e Hidrologia Ltda. mario.cicareli@potamos.com.br Belo Horizonte, 27 de março de 2014 SUMÁRIO

Leia mais

Crise de água e segurança hídrica no Estado do Rio de Janeiro

Crise de água e segurança hídrica no Estado do Rio de Janeiro Audiência Pública sobre Crise Hídrica Câmara dos Deputados Brasília-DF 12 de agosto de 2015 Crise de água e segurança hídrica no Estado do Rio de Janeiro Rosa Formiga Superintendente de Segurança Hídrica

Leia mais

1. Resultados Gerais do MapaSAN 2014 no estado do ESPÍRITO SANTO

1. Resultados Gerais do MapaSAN 2014 no estado do ESPÍRITO SANTO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME CÂMARA INTERMINISTERIAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL - SECRETARIA EXECUTIVA SECRETARIA NACIONAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL SECRETARIA

Leia mais

SOFTWARES DA ELIPSE SÃO UTILIZADOS NOS PROCESSOS DE REDUÇÃO DE PERDAS DE ÁGUA E EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA DA ÁGUAS GUARIROBA

SOFTWARES DA ELIPSE SÃO UTILIZADOS NOS PROCESSOS DE REDUÇÃO DE PERDAS DE ÁGUA E EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA DA ÁGUAS GUARIROBA SOFTWARES DA ELIPSE SÃO UTILIZADOS NOS PROCESSOS DE REDUÇÃO DE PERDAS DE ÁGUA E EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA DA ÁGUAS GUARIROBA Soluções E3 e Elipse Mobile são utilizadas pela concessionária Águas Guariroba

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PRESERVAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO MACHADO

EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PRESERVAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO MACHADO EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PRESERVAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO MACHADO FÁBIO VIEIRA MARTINS Pós-graduando em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP fabio.vieirageo@hotmail.com

Leia mais

O REGISTRO MERCANTIL NA ERA DIGITAL

O REGISTRO MERCANTIL NA ERA DIGITAL O REGISTRO MERCANTIL NA ERA DIGITAL JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Check-list da Apresentação REGIN Registro Mercantil Integrado A REDESIM e o Integrador Estadual dos órgãos relacionados ao

Leia mais

Instrução Normativa SEMARH nº 11 de 12/12/2011

Instrução Normativa SEMARH nº 11 de 12/12/2011 Instrução Normativa SEMARH nº 11 de 12/12/2011 Dispõe sobre o licenciamento dos sistemas de abastecimento de água e dos sistemas de esgotamento sanitário, no Estado de Goiás. O Secretário de Estado do

Leia mais

DADOS SOBRE ESTE RECURSO EM ZONA RURAL

DADOS SOBRE ESTE RECURSO EM ZONA RURAL 1 1 AS NASCENTES E OS NOSSOS RIOS: IMPORTÂNCIA DE LEVANTAR DADOS SOBRE ESTE RECURSO EM ZONA RURAL Neuma Rubia Figueiredo Santana Email: rubia.aguas@gmail.com Ana Karina Santana Martins Email: bionarika@yahoo.com.br

Leia mais

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO Autarquia Municipal Lei de criação Nº792 de 30-03-1967 CNPJ: 27.998.368/0001-47 TERMO DE REFERÊNCIA

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO Autarquia Municipal Lei de criação Nº792 de 30-03-1967 CNPJ: 27.998.368/0001-47 TERMO DE REFERÊNCIA 01. Objeto TERMO DE REFERÊNCIA O presente PMI visa orientar a apresentação de interessados na estruturação de Projetos de Implantação, Expansão, Restauração e Operação do Sistema de Abastecimento de Água

Leia mais

Água. Restauração Florestal para Gestão da Água. Mata Atlântica e Serviços Ambientais

Água. Restauração Florestal para Gestão da Água. Mata Atlântica e Serviços Ambientais Água Mata Atlântica e Serviços Ambientais Restauração Florestal para Gestão da Água Malu Ribeir Coordenadora da Rede das Água Fundação SOS Mata Atlântic Dia Mundial da Água Instituído por resolução da

Leia mais

V-019 - ESTUDO TEMPORAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO GUAMÁ. BELÉM-PA.

V-019 - ESTUDO TEMPORAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO GUAMÁ. BELÉM-PA. V-019 - ESTUDO TEMPORAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO GUAMÁ. BELÉM-PA. Vera Nobre Braz (1) Química Industrial. Mestre em Geoquímica pelo Centro de Geociências da UFPA. Coordenadora do Curso de Ciências Ambientais

Leia mais

Condições das ETAS da região Serrana

Condições das ETAS da região Serrana Condições das ETAS da região Serrana ETAS Possui banheiro masc e feminino Possui refeitório Possui ar condicionado As condições de conservação da ETA está adequada AFONSO CLÁUDIO Não Não Não Sim ALTO RIO

Leia mais

A1.2 Águas subterrâneas. A1.2.0 Introdução 1

A1.2 Águas subterrâneas. A1.2.0 Introdução 1 A1.2 Águas subterrâneas Os objetivos desta seção consistem em avaliar o potencial e as disponibilidades das águas subterrâneas, bem como determinar suas principais limitações e áreas mais favoráveis à

Leia mais

Palavras chaves: Bacteriologia, Monitoramento, Qualidade de água e Águas superficiais.

Palavras chaves: Bacteriologia, Monitoramento, Qualidade de água e Águas superficiais. ESTUDO BACTERIOLÓGICO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO TOCANTINS, NO TRECHO COMPREENDIDO ENTE OS MUNÍCIPIOS DE CORONEL VALENTE E RETIRO (TO), A JUSANTE DA UHE SERRA DA MESA-GO. Ricardo H. P. B. Peixoto* Mestre

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA NO BRASIL

PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA NO BRASIL Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA

Leia mais

USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA

USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA ASGAM Assessoria de Gestão Ambiental Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos COGERH USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA Marcos Dantas Gestão Ambiental Pós-graduando em Biodiversidade e Sustentabilidade

Leia mais

Crise da água: Desafios e Soluções

Crise da água: Desafios e Soluções Núcleo PCJ-Campinas/Piracicaba Crise da água: Desafios e Soluções São Paulo, 3 de junho de 2014. Regramento Legal do Sistema Hídrico Lei Estadual nº 7.663, de 30 de dezembro de 1991 (Política Estadual

Leia mais

CONVÊNIO SERLA - COPPE/UFRJ FINANCIAMENTO CEF/BIRD 2975-BR PROJETO PNUD BRA/93/022

CONVÊNIO SERLA - COPPE/UFRJ FINANCIAMENTO CEF/BIRD 2975-BR PROJETO PNUD BRA/93/022 GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE E PROJETOS ESPECIAIS FUNDAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA ESTADUAL DE RIOS E LAGOAS - SERLA CONVÊNIO SERLA - COPPE/UFRJ FINANCIAMENTO CEF/BIRD

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2007.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2007. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2007. Dispõe sobre a emissão de outorga de direito de uso dos recursos hídricos de domínio do Estado da Bahia, assim como a sua renovação, ampliação, alteração,

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO ELABORAÇÃO EQUIPE TÉCNICA USHI: Ely Carlos de Alvarenga Josete de Fátima de Sá Márcia Regina Chella Nicolás Lopardo 1 MANANCIAIS 1.1 Introdução 1.1.1 Definição Este estudo contempla as diretrizes para

Leia mais

Atividades de redução dos efeitos da seca no Espírito Santo

Atividades de redução dos efeitos da seca no Espírito Santo Atividades de redução dos efeitos da seca no Espírito Santo Janil Ferreira da Fonseca Engenheiro Agrônomo Coordenador de Projetos Vitória-ES 02 de setembro de 2016 Considerações Iniciais O Espírito Santo

Leia mais

5.1 Potencialidade, Disponibilidade e Capacidade de Armazenamento Potencial

5.1 Potencialidade, Disponibilidade e Capacidade de Armazenamento Potencial 5.1 Potencialidade, Disponibilidade e Capacidade de Armazenamento Potencial Define-se potencial fluvial como a vazão natural anual média de um rio ou aqüífero, medida ou gerada, em sua foz ou embocadura,

Leia mais

A análise descritiva dos resultados foi levada a efeito utilizando a planilha Excel 98.

A análise descritiva dos resultados foi levada a efeito utilizando a planilha Excel 98. XII-18 ESTUDO DA VAZÃO HORÁRIA AFLUENTE DA LAGOA ANAERÓBIA PROFUNDA DA PEDREIRA Nº 7 DO PÓLO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DA BACIA DO RIO PARAÍBA NA GRANDE JOÃO PESSOA (ESTUDO DE CASO) Carolina Baracuhy Amorim

Leia mais

INDICAÇÃO Nº, DE (Do Sr. Deputado Renato Casagrande) Excelentíssimo Senhor Ministro de Estado da Educação:

INDICAÇÃO Nº, DE (Do Sr. Deputado Renato Casagrande) Excelentíssimo Senhor Ministro de Estado da Educação: INDICAÇÃO Nº, DE (Do Sr. ) Sugere ao Excelentíssimo Senhor Ministro de Estado da Educação a construção de uma Unidade de Ensino Descentralizada do CEFETES na Região Noroeste do Estado do Espírito Santo.

Leia mais

Artigo 2º - Esta Deliberação entra em vigor na data de sua aprovação pelo CBH-AP.

Artigo 2º - Esta Deliberação entra em vigor na data de sua aprovação pelo CBH-AP. Deliberação CBH-AP 022/2000 de 04/02/00. Aprova critérios para fins de hierarquização e seleção dos investimentos a serem indicados ao FEHIDRO. O Comitê das Bacias Hidrográficas dos Rios Aguapeí e Peixe,

Leia mais

Goiaba. Para a Indústria no Espírito Santo. Pólo de

Goiaba. Para a Indústria no Espírito Santo. Pólo de Goiaba Para a Indústria no Espírito Santo Pólo de Pólo de Goiaba para a Indústria no Espírito Santo A Secretaria de Estado da Agricultura, Abastecimento, Aqüicultura e Pesca (Seag), preocupada em alavancar,

Leia mais

UF: ES. 12101 - Justiça Federal de Primeiro Grau. 14108 - Tribunal Regional Eleitoral do Espírito Santo

UF: ES. 12101 - Justiça Federal de Primeiro Grau. 14108 - Tribunal Regional Eleitoral do Espírito Santo ORÇAMENTO DA UNIÃO PARA 2010 - INVESTIMENTOS POR UF UF: ES 12101 - Justiça Federal de Primeiro Grau 02.122.0569.1834.0101 - Construção do Edifício-Sede da Seção Judiciária em Vitória - ES No Município

Leia mais

EDITAL SEDU Nº 078/2013

EDITAL SEDU Nº 078/2013 EDITAL SEDU Nº 078/2013 Considerando as fortes chuvas que assolaram o Estado do Espírito Santo, O SECRETÁRIO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe foi conferida pela Lei 3.043/75, torna público:

Leia mais

Considerando a necessidade de conferir maior agilidade na implantação das obras de saneamento básico, visando a melhoria da qualidade de vida;

Considerando a necessidade de conferir maior agilidade na implantação das obras de saneamento básico, visando a melhoria da qualidade de vida; 1 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02/2010 Dispõe sobre licenciamento de sistemas de abastecimento de água e sistemas esgotamento sanitário, no Estado de Goiás. O Secretário da Secretaria do Meio Ambiente e dos

Leia mais

Tabela 1. Tema Dado Atributo Fonte

Tabela 1. Tema Dado Atributo Fonte Tabela 1 Tema Dado Atributo Fonte 1. Base Cartográfica Básica a. Limites municipais b. Limites Distritais c. Localidades d. Rodovias e Ferrovias d. Rodovias e Ferrovias e. Linhas de Transmissão f. Estações

Leia mais

Comparação dos sistemas de gestão e legislações de saneamento na França, Estados Unidos e Brasil

Comparação dos sistemas de gestão e legislações de saneamento na França, Estados Unidos e Brasil VIII Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí I Seminário dos Estudantes de Pós Graduação Comparação dos sistemas de gestão e legislações de saneamento na França, Estados Unidos e Brasil 1

Leia mais

ÍNDICE 32. PROGRAMA DE APOIO AO SANEAMENTO BÁSICO... 2. 32.1. Introdução... 2. 32.2. Justificativa... 11. 32.3. Objetivos do Programa...

ÍNDICE 32. PROGRAMA DE APOIO AO SANEAMENTO BÁSICO... 2. 32.1. Introdução... 2. 32.2. Justificativa... 11. 32.3. Objetivos do Programa... ÍNDICE 32.... 2 32.1. Introdução... 2 32.2. Justificativa... 11 32.3. Objetivos do Programa... 11 32.3.1 Objetivo geral... 11 32.3.2 Objetivos Específicos... 11 32.4. Metas... 12 32.5. Indicadores Ambientais...

Leia mais

Gestão Integrada de Águas Urbanas

Gestão Integrada de Águas Urbanas Gestão Integrada de Águas Urbanas Prof. Carlos E. M. Tucci Consultor do Banco Mundial São Paulo 4 a 6 de dezembro de 2012 1 Impactos Aumento da magnitude das vazões e da frequência de inundações; Aumento

Leia mais

Programa Produtor de Água Pagamento por Serviços Ambientais

Programa Produtor de Água Pagamento por Serviços Ambientais Programa Produtor de Água Pagamento por Serviços Ambientais Comitê Médio M Paraíba do Sul AGEVAP Jan/2013 Os serviços dos ecossistemas são os benefícios que as pessoas obtêm dos ecossistemas. Serviços

Leia mais

Reuso para uso Urbano não Potável

Reuso para uso Urbano não Potável 6 Seminário sobre Tecnologias Limpas Porto Alegre, 10 de Junho de 2015 Painel :Alternativas Práticas de Reuso Reuso para uso Urbano não Potável Eng. Américo de Oliveira Sampaio Coordenador de Saneamento

Leia mais

- RJ O Gerenciamento dos Recursos HídricosH nas grandes Cidades. Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp

- RJ O Gerenciamento dos Recursos HídricosH nas grandes Cidades. Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp III Pré-ENCOB - RJ O Gerenciamento dos Recursos HídricosH nas grandes Cidades Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo - Sabesp 5ª Maior

Leia mais

VIII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO

VIII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO ASSEMAE VIII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO Título do trabalho O SEMASA E O TRATAMENTO DE ESGOTO NA CIDADE DE SANTO ANDRÉ Nome do Autor ISABEL CRISTINA ALEIXO DIAS CURRÍCULO DO AUTOR

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS COMITÊS DE BACIAS HIDROGRÁFICAS NO DESENVOLVIMENTO DO SANEAMENTO E DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO MUNICÍPIO DE ARARAQUARA

A IMPORTÂNCIA DOS COMITÊS DE BACIAS HIDROGRÁFICAS NO DESENVOLVIMENTO DO SANEAMENTO E DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO MUNICÍPIO DE ARARAQUARA A IMPORTÂNCIA DOS COMITÊS DE BACIAS HIDROGRÁFICAS NO DESENVOLVIMENTO DO SANEAMENTO E DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO MUNICÍPIO DE ARARAQUARA TEMA VII: Organização e Gestão dos Serviços de Saneamento AUTORES Políticas

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO.

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. Patrícia Pinheiro da Cunha 1, Magda Beatriz de Almeida Matteucci

Leia mais

Water resources management and metering regulation A gestão de recursos hídricos e a regulação da medição de água Gisela Forattini

Water resources management and metering regulation A gestão de recursos hídricos e a regulação da medição de água Gisela Forattini Water resources management and metering regulation A gestão de recursos hídricos e a regulação da medição de água Gisela Forattini A Gestão de Recursos Hídricos H e a Regulação da Medição de Água Situação

Leia mais

Estiagem é tema de edição especial deste mês Instituições contam as medidas adotadas para atravessar o período de crise

Estiagem é tema de edição especial deste mês Instituições contam as medidas adotadas para atravessar o período de crise Estiagem é tema de edição especial deste mês Instituições contam as medidas adotadas para atravessar o período de crise O forte período de estiagem que assola a região é o tema desta edição especial do

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL MUNICIPAL: INSTRUMENTOS UTILIZADOS PELA SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE VIANA ES

GESTÃO AMBIENTAL MUNICIPAL: INSTRUMENTOS UTILIZADOS PELA SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE VIANA ES I CONGRESSO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL GESTÃO AMBIENTAL MUNICIPAL: INSTRUMENTOS UTILIZADOS PELA SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE VIANA ES Karla Casagrande Lorencini Bacharel em Ciências

Leia mais

O retrato da água no Brasil na visão da Sociedade

O retrato da água no Brasil na visão da Sociedade O retrato da água no Brasil na visão da Sociedade Enfrentando a escassez da água O Dia da Água, instituído por resolução da assembleia das ONU em 22 de março de 1992, chama atenção da sociedade para a

Leia mais

Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional

Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional Semi-árido Brasileiro - População Eixo Norte PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO SEMI-ÁRIDO E DA BACIA

Leia mais

II-149 TRATAMENTO CONJUNTO DO LIQUIDO LIXIVIADO DE ATERRO SANITÁRIO E ESGOTO DOMESTICO NO PROCESSO DE LODOS ATIVADOS CONVENCIONAL

II-149 TRATAMENTO CONJUNTO DO LIQUIDO LIXIVIADO DE ATERRO SANITÁRIO E ESGOTO DOMESTICO NO PROCESSO DE LODOS ATIVADOS CONVENCIONAL II-149 TRATAMENTO CONJUNTO DO LIQUIDO LIXIVIADO DE ATERRO SANITÁRIO E ESGOTO DOMESTICO NO PROCESSO DE LODOS ATIVADOS CONVENCIONAL Ernane Vitor Marques (1) Especialista em Engenharia Sanitária e Meio Ambiente

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 96 DE 25 DE FEVEREIRIO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 96 DE 25 DE FEVEREIRIO DE 2014 SALVADOR, BAHIA - QUARTA-FEIRA 12 DE MARÇO DE 2014 ANO - XCVIII - N O 21,375 RESOLUÇÃO Nº 96 DE 25 DE FEVEREIRIO DE 2014 Estabelece diretrizes e critérios gerais para a outorga do direito de uso dos recursos

Leia mais

Sistema de Informações Geográficas Avaliação da Qualidade de Água por meio do IQA utilizando um Sistema de Informação Geográfica (SIG)

Sistema de Informações Geográficas Avaliação da Qualidade de Água por meio do IQA utilizando um Sistema de Informação Geográfica (SIG) Universidade Federal do Espírito Santo Programa de Pós-graduação em Engenharia Ambiental Sistema de Informações Geográficas Aplicado à Recursos Hídricos Sistema de Informações Geográficas Avaliação da

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA DE CONSULTORIA

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA DE CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GESTÃO PARA REMEDIAÇÃO E PROTEÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS DA SUB-BACIA ATIBAIA COM ENFASE NO RESERVATÓRIO DE SALTO GRANDE AMERICANA SP TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

1. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

1. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CAMPUS VITÓRIA Avenida Vitória, 1729 Bairro Jucutuquara 29040-780 Vitória ES 27 3331-2110 EDITAL PARA SELEÇÃO DE PARTICIPANTES DO CURSO DE CAPACITAÇÃO

Leia mais

Sistema de Produção e Escoamento de Gás e Condensado no Campo de Mexilhão, Bacia de Santos

Sistema de Produção e Escoamento de Gás e Condensado no Campo de Mexilhão, Bacia de Santos Sistema de Produção e Escoamento de Gás e Condensado no Campo de Mexilhão, Bacia de Santos (Unidade de Tratamento e Processamento de Gás Monteiro Lobato UTGCA) 3º Relatório Semestral Programa de Monitoramento

Leia mais

Painel: Manejo da Paisagem para a Produção de Água: Conceitos e Aplicações

Painel: Manejo da Paisagem para a Produção de Água: Conceitos e Aplicações UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA FLORESTAL LABORATÓRIO DE HIDROLOGIA FLORESTAL Painel: Manejo da Paisagem para a Produção de Água: Conceitos e Aplicações

Leia mais

I-036 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE DE UBATUBA, ESTADO DE SÃO PAULO

I-036 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE DE UBATUBA, ESTADO DE SÃO PAULO I-036 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE DE UBATUBA, ESTADO DE SÃO PAULO Milton Tomoyuki Tsutiya (1) Engenheiro Civil pela Escola Politécnica da USP (1975). Mestre em Engenharia

Leia mais

ÁGUA FLORESTAS E CLIMA: RUMO À COP 21

ÁGUA FLORESTAS E CLIMA: RUMO À COP 21 ÁGUA FLORESTAS E CLIMA: RUMO À COP 21 Cuidar da Água: Desafio para sociedade Combater: Desmatamento Poluição Desperdício Investir Refloretamento Saneamento Tecnologia e Gestão Integrada 8,5 145 72 70 20

Leia mais

Rio São Francisco ERROS DA TRANSPOSIÇÃO

Rio São Francisco ERROS DA TRANSPOSIÇÃO Rio São Francisco ERROS DA TRANSPOSIÇÃO Bacia do São Francisco Irrigação na bacia do rio Potencial irrigável cerca de 1 milhão de hectares Efetivamente irrigados cerca de 340 mil hectares e em constante

Leia mais

As Lições da Crise Hídrica na Região Metropolitana de São Paulo João Alberto Viol

As Lições da Crise Hídrica na Região Metropolitana de São Paulo João Alberto Viol As Lições da Crise Hídrica na Região Metropolitana de São Paulo João Alberto Viol Vice Presidente de Gestão e Assuntos Institucionais Resumo Planejamento das atividades de Infraestrutura de Saneamento

Leia mais

VI-006 - PERFIS DE OXIGÊNIO DISSOLVIDO NOS LAGOS BOLONHA E ÁGUA PRETA, UTINGA. BELÉM-PA

VI-006 - PERFIS DE OXIGÊNIO DISSOLVIDO NOS LAGOS BOLONHA E ÁGUA PRETA, UTINGA. BELÉM-PA VI- - PERFIS DE OXIGÊNIO DISSOLVIDO NOS LAGOS BOLONHA E ÁGUA PRETA, UTINGA. BELÉM-PA Lúcia Beckmann de Castro Menezes () Professora Adjunto IV do Departamento de Engenharia Química da Universidade Federal

Leia mais

COMITÊ DE BACIAS PCJ SISTEMA CANTAREIRA CONDICIONANTES DE 2004 CONDICIONANTES PARA 2014 BARRAGENS DE PEDREIRA E DUAS PONTES TRANSPOSIÇÃO DO RIO

COMITÊ DE BACIAS PCJ SISTEMA CANTAREIRA CONDICIONANTES DE 2004 CONDICIONANTES PARA 2014 BARRAGENS DE PEDREIRA E DUAS PONTES TRANSPOSIÇÃO DO RIO COMITÊ DE BACIAS PCJ SISTEMA CANTAREIRA CONDICIONANTES DE 2004 CONDICIONANTES PARA 2014 BARRAGENS DE PEDREIRA E DUAS PONTES TRANSPOSIÇÃO DO RIO PARAÍBA DO SUL ADENSAMENTO POPULACIONAL DA RMC COMITÊ DE

Leia mais

INÍCIO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA: A primeira etapa entrou em operação em 1975 e a segunda, em 1982.

INÍCIO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA: A primeira etapa entrou em operação em 1975 e a segunda, em 1982. SISTEMA TAPACURÁ INÍCIO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA: A primeira etapa entrou em operação em 1975 e a segunda, em 1982. UNIVERSO DE ATENDIMENTO: Produz, aproximadamente, 36% do volume distribuído na Região Metropolitana

Leia mais

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais:

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: A elevatória apresenta três conjuntos moto-bombas (Foto 3), dos quais dois operam em paralelo, ficando um de reserva, cada um associado a um motor elétrico de 150 cv de potência e recalcando uma vazão

Leia mais

NOTA TÉCNICA MANUTENÇÃO DA PRODUÇÃO DO SISTEMA CANTAREIRA PARA A POPULAÇÃO DA RMSP

NOTA TÉCNICA MANUTENÇÃO DA PRODUÇÃO DO SISTEMA CANTAREIRA PARA A POPULAÇÃO DA RMSP NOTA TÉCNICA MANUTENÇÃO DA PRODUÇÃO DO SISTEMA CANTAREIRA PARA A POPULAÇÃO DA RMSP O abastecimento da RMSP foi concebido para atuação integrada entre seus sistemas produtores, buscando sempre a sinergia

Leia mais

ENQUADRAMENTO DOS RECURSOS HÍDRICOS SUPERFICIAIS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO SANTA MARIA

ENQUADRAMENTO DOS RECURSOS HÍDRICOS SUPERFICIAIS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO SANTA MARIA ENQUADRAMENTO DOS RECURSOS HÍDRICOS SUPERFICIAIS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO SANTA MARIA NOVEMBRO, 2001 SUMÁRIO 1. Introdução 2. Metodologia 3. Usos dos recursos naturais 3.1. Padrão de uso do solo e

Leia mais

Carta Regional dos Municípios de Itaguaí, Mangaratiba, Seropédica e Rio de Janeiro.

Carta Regional dos Municípios de Itaguaí, Mangaratiba, Seropédica e Rio de Janeiro. Carta Regional dos Municípios de Itaguaí, Mangaratiba, Seropédica e Rio de Janeiro. Nós, membros do poder público, usuários e sociedade civil organizada, estudantes e profissionais da educação, reunidos

Leia mais

IV-048 - A GESTÃO PARTICIPATIVA DA ÁGUA NA BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL DURANTE A ESTIAGEM 2003/04

IV-048 - A GESTÃO PARTICIPATIVA DA ÁGUA NA BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL DURANTE A ESTIAGEM 2003/04 IV-048 - A GESTÃO PARTICIPATIVA DA ÁGUA NA BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL DURANTE A ESTIAGEM 2003/04 André Pinhel Soares (1) M.Sc. Formado em Engenharia Sanitária pela UERJ, em 1998, concluiu, em 2003, o

Leia mais

ESTADO DOS CADASTROS DE USUÁRIOS NAS BACIAS PCJ NO ANO DE 2013

ESTADO DOS CADASTROS DE USUÁRIOS NAS BACIAS PCJ NO ANO DE 2013 Primeiro Termo Aditivo Contrato nº 003/ANA/2011 INDICADOR 4 OPERACIONALIZAÇÃO DA COBRANÇA Indicador 4B Cadastro de Usuários ESTADO DOS CADASTROS DE USUÁRIOS NAS BACIAS PCJ NO ANO DE 2013 4B - Cadastro

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO DE CONTROLE

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 5, de 10/11/2011

INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 5, de 10/11/2011 INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 5, de 10/11/2011 1. Objeto. 2. Referências. OUTORGA DE APROVEITAMENTOS HIDRELÉTRICOS UHE / PCH / CGH 3. Obtenção de outorgas junto ao. 4. Fluxograma dos procedimentos para uso

Leia mais

A OUTORGA DE DIREITO DE USO DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAPIBARIBE, PERNAMBUCO- BRASIL.

A OUTORGA DE DIREITO DE USO DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAPIBARIBE, PERNAMBUCO- BRASIL. XII Simpósio de Recursos Hídricos do Nordeste A OUTORGA DE DIREITO DE USO DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAPIBARIBE, PERNAMBUCO- BRASIL. Marcos Antonio Barbosa da Silva Junior (UPE)

Leia mais