CRIAÇÃO E DINAMIZAÇÃO DE UM CLUBE DE BUSINESS ANGELS RECURSOS TÉCNICOS PARA O EMPREENDEDORISMO DE BASE TECNOLÓGICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CRIAÇÃO E DINAMIZAÇÃO DE UM CLUBE DE BUSINESS ANGELS RECURSOS TÉCNICOS PARA O EMPREENDEDORISMO DE BASE TECNOLÓGICO"

Transcrição

1

2

3 ÍNDICE INTRODUÇÃO Sobre o guia Utilizadores Beneficiários CONCEITOS CHAVE NOTAS METODOLÓGICAS E PRÉ-REQUISITOS A importância da actividade de business angels em Portugal Caracterização do financiamento através de Business Angels Processo de financiamento de uma empresa de base tecnológica Viabilidade para a criação de um clube de Business Angels Perfil do Business Angel Divulgação da iniciativa Acesso ao capital de risco por mulheres empresárias PROCESSO METODOLÓGICO a. Criação de um clube de Business Angels i. Identificação de potenciais investidores ii. A primeira abordagem aos potenciais investidores iii. Identificação dos potenciais investidores interessados iv. Envolvimento e esclarecimento dos investidores informais 1. A primeira reunião de trabalho conjunta v. Constituição formal do clube de Business Angels vi. A prática CAIE b. Dinamização de um clube de Business Angels i. Acção junto dos empreendedores 1. Comunicação externa Captação de novos projectos para investimento 2. Análise de projectos para apresentação ao clube 3. Preparação do empreendedor ii. A oferta e a procura 1. Identificação de investidores com interesse no projecto

4 2. Mediação da apresentação de novos projectos aos investidores iii. Acção junto dos investidores 1. Comunicação externa Captação de novos investidores 2. Promoção do trabalho em rede 3. Formação/Desenvolvimento de competências dos investidores 4. Apoio ao investimento iv. A prática CAIE BENIFICIOS/RESULTADOS CUSTOS DE IMPLEMENTAÇÃO FACTORES CRÍTICOS DE SUCESSO FERRAMENTAS

5 introdução Sobre o guia O guia Criação de um clube de Business Angels constitui um instrumento de apoio a todas as entidades interessadas na criação e dinamização de um clube de Business Angels, enquanto instrumento financeiro para a dinamização empresarial, captação de investimentos e desenvolvimento regional. Neste guia, encontrará o processo, passo-a-passo, para a criação e dinamização de um novo clube de Business Angels, desde a identificação e captação de potenciais investidores até à definição de uma estrutura de funcionamento e de animação do clube constituído, incluindo acompanhamento a empreendedores e investidores. Utilizadores O guia Criação e dinamização de um clube de Business Angels é dirigido a todas as entidades que manifestem interesse e reúnam as condições para a promover a criação de uma entidade desta natureza. Entre as potenciais entidades utilizadoras deste guia encontram-se: Incubadoras; Associações empresariais; Entidades vocacionadas para o apoio à criação e desenvolvimento de empresas de base tecnológica. Beneficiários Os beneficiários finais da implementação de um clube de Business Angels são: Empreendedores, que aqui encontram um novo instrumento financeiro para o apoio aos seus projectos; Potenciais investidores, que, através do clube, encontram novas oportunidades para rentabilizar 5

6 os seus capitais próprios e aplicar as suas competências empreendedoras e experiência empresarial. 6

7 conceitos chave Business Angels Investidores informais, normalmente empresários ou quadros de empresas, que investem, a titulo particular, o seu capital, conhecimentos e experiências em projectos liderados por empreendedores que se encontram em início de actividade. O objectivo deste investimento é a sua valorização a médio prazo, na expectativa de que posteriormente se possa alienar o capital investido a outros interessados. Capital de Risco - Forma de financiamento da actividade empresarial, através de capitais próprios, com um horizonte de médio e longo prazo, mediante a entrada de um sócio, normalmente minoritário, mas empenhado no sucesso da empresa que por isso acompanhará de forma activa, vocacionada para o apoio a empresas sem acesso ao mercado de capitais, com relevo para as PME. Venture Capitalists - Sociedades de capital de risco são sociedades em que o seu objectivo é a tomada de participações no capital de outras empresas, numa perspectiva de investimento de médio e longo prazo, onde irão obter mais tarde mais-valias com a alienação da participação adquirida. Estas sociedades para além dos meios financeiros que resultam do seu capital social, gerem diversos tipos de fundos especializados. Corporate Venturing - São investidores (normalmente sob a forma de empresa) que realizam investimentos em empresas jovens, normalmente nas áreas tecnológicas, que se enquadrem nas suas estratégias e que acabarão mais tarde por pertencer aos respectivos conglomerados. Ex: Virgin Group, Olivetti, Microsoft, etc. EBT s - Empresas de Base Tecnológica Acordo Parassocial - É um conjunto de normas que disciplinam a actuação futura dos accionistas da sociedade em que o business angels irá participar e que estabelece regras para a transmissão da participação do investidor, assim como o exercício da opção de compra pelo promotor do projecto investido, para além das estabelecidas nos estatutos da sociedade constituída. 7

8

9 notas metodológicas e pré requisitos A importância da actividade de Business Angels em Portugal A actividade de Business Angels tem vindo a ganhar particular relevância nos últimos anos. Esta relevância tem sido alcançada graças à consciencialização geral de que a figura dos Business Angels se assume como um interveniente indispensável em todo o processo de financiamento de novas iniciativas empresarias e, em particular, dado o crescente interesse por parte das entidades governamentais em fomentá-lo no mercado. O próprio Plano Tecnológico do Governo prevê a criação de enquadramento jurídico e fiscal favorável à actividade dos Business Angels com o objectivo de aumentar a segurança dos investidores, assim como o Programa Quadro INOFIN que reconhece, na sua visão de desenvolvimento de empresas, os Business Angels como actores essenciais dentro do sector informal do Capital de Risco. O acréscimo significativo dos montantes investidos via capital de risco em Portugal, registados pela Associação Portuguesa de Capital de Risco (APCRI), respeitantes a 2005, e em particular, o aumento dos investimentos nas fases Seed e Start-up, essencialmente via Sociedades de Capital de Risco compostas por capitais maioritariamente públicos, poderão indiciar uma mudança significativa nos meios de financiamento disponíveis para projectos empresariais de elevado risco. O efeito é não só visível do lado da oferta de capital, que dá um passo em frente ao entrar numa nova tipologia de investimento, como terá certamente consequências na procura graças ao efeito demonstração. Reconhecendo o facto de muitos dos actuais operadores não terem o seu negócio preparado para este tipo de investimento, mantém-se o problema da ausência de investidores adequados a estas fases de investimento. Esta lacuna do mercado pode - e deve - ser aproveitada por Business Angels, não só devido aos montantes geralmente envolvidos como também pela postura mais hands on dos investidores. 9

10 Caracterização do financiamento através de Business Angels Os Business Angels ou investidores informais são indivíduos que investem capital próprio em projectos empresariais com forte potencial de crescimento e rentabilidade. Ao investirem em novas empresas, estes investidores passam a ser sócios da mesma, detendo parte do capital. Mais do que um investidor, o business angel torna-se um parceiro de grande valor cujo principal interesse é o sucesso da empresa. Enquanto sócio da empresa participada, o seu investimento vai para além da entrada de capital na sociedade, traduzindo-se em: Investimento através de capitais próprios Investimento em tutoria: - Funcional Marketing, finanças, recursos humanos, etc.; - Sectorial Conhecimentos no sector onde a empresa vai actuar; Investimento em contactos: - Procura de novos clientes; - Credibilidade nas relações com a banca; - Procura de novos fornecedores; 10

11 - Procura de novos sócios e/ou parceiros - Abertura de mercados Proximidade do investidor informal o primeiro mercado da empresa é a sua área de actividade. O objectivo maior do business angel é transformar o novo projecto numa empresa de sucesso, valorizando assim a sua participação. No futuro, num prazo previamente acordado com o(s) investido(s), o business angel deverá vender a sua participação ganhando, para além do capital investido inicialmente, o valor correspondente à valorização da empresa. Processo de financiamento de uma EBT No início de vida de novas EBT s, o capital inicial surge, geralmente, por duas vias: capital próprio e 3 F s Family, Friends and Fools (família, amigos e loucos). Estas são as principais fontes de financiamento utilizadas na fase de criação da empresa. A tipologia de investidores que procede estas fontes de financiamento é o capital de risco, através das sociedades de capital de risco, que investem montantes mais elevados e que se vocacionam para a fase de desenvolvimento da empresa. Entre a criação e o desenvolvimento, existe uma fase da vida da empresa, fase start-up, onde o empreendedor irá necessitar de montantes de capital superiores à sua disponibilidade não detendo ainda dimensão para ser apelativo ao investimento pelas sociedades de capital de risco, faltando portanto nesta etapa uma fonte de financiamento que responda às suas necessidades. É nesta fase que surge o investimento pelos Business Angels. 11

12 Viabilidade para a criação de um clube de Business Angels Antes de avançar para a implementação de um processo de criação de um clube de Business Angels, é necessário fazer um diagnóstico que aponte ou não para a existência de factores favoráveis à implementação de uma entidade desta natureza. A análise da viabilidade de uma região, para a criação de um clube de business angels, pressupõe a resposta às seguintes questões: O tecido empresarial tem empresários com perfil de Business Angel? Existem mecanismos de captação de projectos para investimento? Existe dinâmica empreendedora? Existem entidades com competências para a dinamização de um clube de Business Angels? Dar resposta a estas questões passará por: Caracterizar o tecido empresarial e identificar um conjunto de indivíduos com perfil para se tornarem Business Angels; Questionar, directamente, os empresários sobre a sua disponibilidade para investir em jovens empresas com elevado potencial de crescimento; Fazer um levantamento das entidades que actuam na região, ao nível do apoio à criação de novas empresas; Identificar entidades e dinâmicas que potenciem a geração de novos empreendedores, como por exemplo, instituições de ensino superior. Perfil do Business Angel Considerando as especificidades da actividade de business angels, os investidores a envolver devem responder às seguintes características: Experiência na área empresarial; Empreendedores; Com meios de fortuna próprios; Predisposição para o risco; 12

13 Capacidade para lidar com a incerteza inerente a novos projectos, nomeadamente, projectos empresariais de base tecnológica; Predisposição para acompanhar os promotores de projectos, enquanto sócios; Visão de futuro; Disponibilidade para despender tempo no acompanhamento às iniciativas empresariais investidas. Divulgação da iniciativa Divulgar o conceito e a iniciativa torna-se uma prioridade para a angariação de Business Angels para um novo clube. Para fazer chegar a informação aos destinatários é imperioso identificar onde se encontram, quem são e como fazer chegar a informação. Para fazer circular esta informação podem ser implementadas as seguintes acções: Identificação de potenciais investidores e estabelecimento de contacto directo; Divulgação entre associados de associações empresariais; Organização de seminários e momentos de debate sobre a temática. Acesso ao Capital de Risco por mulheres empresárias De acordo com um estudo recente, realizado por Jeffrey Sohl, director do Center for Venture Research at the University of New Hampshire, publicado no Journal of Business Venturing com o titulo Do businesses have equal access to angel capital?, onde é debatida a questão do acesso igualitário ao capital de business angels, por mulheres empreendedoras, concluí-se que estas recebem menos capital pela via dos Business Angels que os empreendedores do sexo masculino. A explicação para este facto é procurada em dois factores principais: As mulheres têm tendência para procurar capital a uma taxa mais baixa; Há uma maior tendência para que os empreendedores procurem investidores do mesmo sexo. 13

14 Em resposta ao primeiro factor, o estudo indica que, ainda que procurem o acesso ao capital através de taxas mais baixas, as empreendedoras têm igual probabilidade de aceder e obter investimento pela via dos Business Angels. A resposta ao segundo factor relaciona o incentivo ao investimento por Business Angels em projectos de mulheres empreendedoras com o incentivo à participação nos clubes de Business Angels por mulheres investidoras. O aumento do número de Business Angels femininos propicia o aumento do fluxo de apresentação de projectos para investimento por mulheres, assim como o aumento da participação das mulheres em indústrias de elevado crescimento e rentabilidade, indústrias tipicamente financiadas por Business Angels. A principal razão apontada para o reduzido número de mulheres a participarem na actividade de Business Angels é a reduzida experiência e apetência das mulheres para este tipo de actividade. Por outro lado, o mesmo estudo indica que, ainda que Business Angels femininos encontrem barreiras à igual oportunidade de investimento, em comparação com Business Angels masculinos, estas poderão, ainda assim, participar no mercado do investimento informal, obtendo taxas de retorno substancialmente inferiores às alcançadas pelos homens. Estima-se ainda que a percentagem de participação das mulheres na actividade de business angels seja superior àquela apontada pelas estatísticas, considerando que estas participam na actividade de business angels mas fora das organizações de business angels. 14

15 processo metodológico a. Criação de um clube de Business Angels 15

16 i. Identificação de potenciais investidores A melhor forma de identificar potenciais investidores é o trabalho em cooperação com parceiros institucionais regionais ou sectoriais, que conhecem o território e os seus actores empresariais. O envolvimento de associações empresariais/sectoriais e outras entidades com actuação na Região são elementos fundamentais na identificação de potenciais investidores. Simultaneamente com as redes de contactos institucionais, a utilização de redes de contactos pessoais é outro dos meios, por excelência, para a identificação de potenciais investidores. Durante o processo de abordagem a potenciais investidores, outros contactos vão surgindo, num processo de identificação em cadeia. Os potenciais investidores contactados e envolvidos são, também eles, fonte de informação para a identificação de novos contactos, alimentando a rede de contactos pessoais. Assim, as ferramentas de excelência para a identificação de potenciais investidores são: Redes de contactos institucionais; Redes de contactos pessoais; Identificação em cadeia acesso a potenciais investidores a partir da rede de outros já contactados. ii. A primeira abordagem aos potenciais investidores Após a identificação dos potenciais investidores, deverão ser desenvolvidos contactos directos com os indivíduos identificados através de: Refeições de negócios, e/ou Reuniões pessoais, e/ou Reuniões conjuntas com potenciais investidores. 16

17 NOTA Antes dos encontros com cada potencial investidor, aquando do agendamento dos encontros, estes deverão ser informados do assunto e objectivos do mesmo. Estes encontros têm como principais objectivos: Esclarecer os potenciais investidores sobre os objectivos da criação do clube de Business Angels; Clarificar o conceito de Business Angels; Apresentar com maior detalhe o formato de funcionamento típico de um clube de Business Angels e processo de investimento; Auferir do real interesse de cada um dos potenciais investidores contactados. DICA Para o envolvimento de potenciais investidores devem ser tidas em consideração algumas acções e procedimentos que captem a sua atenção e a confiança nas entidades e no processo que se propõe desenvolver: Organização de sessões de apresentação, reunindo empreendedores e potenciais investidores - Refeições de trabalho, reuniões presenciais, debates; Envolvimento de entidades e agentes que os potenciais investidores identifiquem como entidades e agentes de confiança. Apresentação de informação sobre o estado da arte e documentação de suporte à informação apresentada. NOTA Nestes encontros é importante o esclarecimento de informação como: Enquadramento fiscal da actividade; Existência de fontes geradoras de projectos para investimento; Competências dos dinamizadores do clube de Business Angels; Processo de investimento, por Business Angels. 17

18 iii. Identificação dos potenciais investidores interessados Após a primeira abordagem aos potenciais investidores, a entidade dinamizadora está em condições identificar, de entre o grupo de investidores inicialmente encontrado, quais os indivíduos com real interesse em participar na criação do clube de Business Angels. A partir deste momento, mantendo as actividades de prospecção e captação de novos investidores, o grupo definido deverá será o grupo com o qual a entidade dinamizadora deverá avançar no processo de criação do clube. DICA Para identificar, de entre os indivíduos contactados, quais os que têm verdadeiro interesse em aderir ao clube de Business Angels proposto para constituição, dever-se-á tomar em atenção alguns comportamentos: Frequência de participação nos encontros agendados; Resposta aos contactos efectuados; Procura por mais informação acerca da matéria; Colocação de questões relativas à matéria, no decurso dos encontros presenciais (ou fora deles); Manifestação directa de interesse. O agendamento da primeira reunião de trabalho para o debate dos aspectos formais do futuro clube de Business Angels é o momento final de crivagem dos interessados. Para a identificação de cada potencial investidor deverá ser criada uma ficha de caracterização que permite às entidades dinamizadoras do clube identificar o perfil do investidor (identificação, área de actividade, idade, localização), tipologia de investidor (empreendedor, reformado da indústria, quadro de empresas, etc.), áreas de investimento preferenciais e montantes de investimento disponíveis. Para simplificação dos procedimentos, a tipologia do investidor deverá ser caracterizada pelas entidades dinamizadoras. NOTA A ficha de identificação dos investidores deverá ser enviada a cada um dos investidores interessados em fazer parte do clube de Business Angels, após a primeira reunião de trabalho, 18 CONTINUA

19 NOTA CONTINUAÇÃO caso o grupo que fará parte deste clube fique definido nesta reunião, ou no momento em que este seja identificado. A ficha poderá ser entregue em mão, em formato papel, ou enviada por , em formato digital. No capítulo Ferramentas poderá consultar o modelo da ficha do investidor, desenvolvida no âmbito do projecto CAIE. NOTA As principais motivações dos potenciais investidores para a adesão a um clube de Business Angels, passam por: Perspectiva de lucro num prazo de 3 a 6 anos, pelo investimento em novos projectos com elevado potencial de crescimento; Desafio do envolvimento na criação de novos negócios; Potenciar o desenvolvimento económico da região na qual o clube de Business Angels actua. iv. Envolvimento e esclarecimento dos investidores informais - Reuniões entre entidades dinamizadoras e potenciais investidores interessados Identificado o grupo de investidores informais interessados em constituir o clube de Business Angels, deverá iniciar-se um trabalho conjunto, entre entidades dinamizadoras da criação do clube e potenciais investidores identificados, com o objectivo de definir formas de organização do clube, dinâmicas de funcionamento e demais aspectos de relevo para o funcionamento do clube de business angels. 1. A primeira reunião de trabalho conjunta entre entidades dinamizadoras e investidores A primeira reunião conjunta é fundamental para o desenvolvimento da iniciativa. Os objectivos principais a atingir nesta reunião são: Apresentar informação detalhada e propostas de funcionamento do futuro clube de Business Angels; 19

20 Identificar os associados deste clube; Esclarecer dúvidas dos potenciais investidores; Iniciar um processo de debate de questões pertinentes para a constituição do clube. As entidades dinamizadoras deverão preparar um dossier, a enviar antecipadamente a cada um dos investidores identificados, com uma ou mais propostas e opções para a concretização do clube e sua dinamização. Deste dossier deverão constar: Proposta de esquema de funcionamento e organização da actividade do clube de Business Angels; Orçamento previsional para a dinamização do clube de Business Angels, de acordo com a proposta a apresentar; Código de conduta EBAN (European Business Angels Network); Proposta de Código de conduta do associado (de acordo com o código de conduta da EBAN); Proposta de Código de conduta do clube de Business Angels (de acordo com o código de conduta da EBAN); Check List de temas a discutir em plenário: - Enquadramento legal do clube; - Aplicação de um código de conduta e declarações de sigilo; - Local de funcionamento do clube de Business Angels; - Pagamento de quotas e co-financiamento; - Tipologia de investidores aceites como associados e escalões de associados; - Ficha de identificação do perfil dos investidores envolvidos; - Tipologia de projectos aceite para investimento; - Modelo de funcionamento a aplicar; - Proposta de actividades de captação de investidores e projectos; - Proposta de actividades de dinamização do clube; - Proposta de um modelo de comunicação interna; NOTA A proposta a apresentar deve ser devidamente preparada pelas entidades dinamizadoras, com enquadramento e justificação das opções propostas, mas deve ser sempre garantida a auscultação dos investidores e a definição do funcionamento do clube de Business Angels deve ser feita de acordo com as suas necessidades e decisões. 20

21 DICA O sucesso do envolvimento dos potenciais investidores angariados na constituição do clube de Business Angels proposto será tanto maior quanto maior for a confiança que estes depositem na actividade, isto é, quanto maior credibilidade tiver, quer a nível nacional quer a nível europeu e internacional, e melhores forem as perspectivas de crescimento e desenvolvimento, a nível nacional. Independentemente das competências e credibilidade que os potenciais investidores identifiquem na(s) entidade(s) dinamizadora(s), a participação de um perito externo, com larga experiência no mercado de investimentos por Business Angels (conhecimentos no sector e, preferencialmente, experiência enquanto Business Angel) contribuirá directamente para o esclarecimento de todas as dúvidas e, consequentemente, reforço da confiança na actividade. No capítulo Ferramentas poderá consultar o modelo de informação a disponibilizar no dossier, a apresentar aos potenciais investidores, desenvolvida no âmbito do projecto CAIE. As decisões a tomar quanto aos aspectos referidos serão tomadas ao longo de várias reuniões de trabalho conjunto. No entanto, evidencia-se, uma vez mais, a importância da primeira reunião de trabalho como forma de alcançar os seguintes objectivos: Reforço da confiança, dos potenciais investidores, no passo que vão tomar; Garantir um projecto sólido; Demonstrar competências e conhecimentos por parte das entidades dinamizadoras; Apresentação do enquadramento actual da actividade de Business Angels, perspectivas futuras e esclarecimento de dúvidas. DICA O agendamento de reuniões de trabalho com o grupo de investidores deverá ser discutido com o mesmo, de modo a encontrar um horário e dia da semana mais favorável à presença destes. A(s) entidade(s) dinamizadora(s) deverão demonstrar alguma flexibilidade para o agendamento de reuniões fora do horário de trabalho, para melhor servir as disponibilidades do grupo. No decurso das diversas reuniões de trabalho necessárias, é fundamental o debate de um conjunto de questões pertinentes à constituição e implementação de uma dinâmica do futuro 21

22 clube de Business Angels, como por exemplo: Anonimato dos investidores Os investidores deverão decidir acerca da divulgação dos seus nomes enquanto investidores do clube de Business Angels. Se, por um lado, a divulgação dos nomes dos investidores pode ser inevitável e de interesse para a captação de novos projectos para investimento, por outro lado, há uma tendência para a opção de manutenção do anonimato dos associados como forma de evitar contactos fora do âmbito do clube. No capítulo Factores Críticos de Implementação poderá consultar um conjunto de questões, com a evidência de opções e vantagens e desvantagens de cada uma, a debater com os potenciais investidores. ALERTA Deve haver o cuidado, por parte da(s) entidade(s) dinamizadora(s), em elaborarem actas ou relatórios das reuniões efectuadas e das decisões tomadas. No decurso das reuniões organizadas há o risco de se voltar ao debate sobre questões decididas em reuniões anteriores. Estes documentos servirão de suporte para evidenciar as decisões já tomadas e evitar o desgaste de tempo em novos debates das mesmas. Para evitar o constante debate de aspectos já decididos, para além do registo desta informação em documentos formais, as decisões devem ser tomadas e colocadas a votação. O resultado destas votações deve constar nos referidos documentos. DICA Identificado o grupo de potenciais investidores interessados em constituírem o clube de Business Angels, a(s) entidade(s) dinamizadora(s), deverão ir enviando, a cada um destes elementos, informação sobre as evoluções que se verifiquem quer ao nível dos instrumentos e propostas de actividades directamente relacionados com este clube quer ao nível de evoluções que se verifiquem no panorama nacional e internacional, relativamente às matérias do investimento informal, nomeadamente, alterações legislativas, novas práticas e instrumentos, eventos, novos clubes criados, entre outras. 22

23 RECOMENDAÇÃO No momento da passagem para a etapa de constituição formal do clube de Business Angels, ou no momento imediatamente após a constituição deste, cada investidor deverá enviar, à entidade coordenadora ou Direcção do clube, um exemplar do Código de Conduta aprovado, devidamente assinado, No capítulo Ferramentas poderá consultar o modelo de Código de Conduta do Associado, elaborado no âmbito do projecto CAIE: v. Constituição formal do Clube de Business Angels A constituição do clube de Business Angels sob o formato de uma associação pressupõe o preenchimento de alguns requisitos fundamentais, reflectidos nos Estatutos da Associação. Check List dos Estatutos: Denominação da entidade; Natureza e objecto; Categorias de Associados (caso se opte por uma diferenciação baseada na fase de entrada do associado, ou outra que se considere justa); Critérios e processo de admissão e rejeição de novos associados; Direitos e deveres dos associados; Forma de definição das fontes de financiamento; Critérios e processo para a perda de qualidade de associado; Critérios e processo para a aplicação de processos disciplinares; Sanções a aplicar e processo de aplicação; Definição e modo de exercício dos órgãos sociais: - Conselho de Administração; - Conselho Fiscal; - Direcção; Processo e competências para a convocação de reuniões e Assembleias-gerais; Definição de receitas e despesas; Processo para a dissolução e alteração de estatutos; Clarificação da legislação aplicável e processo para a resolução de litígios. 23

24 No capítulo Ferramentas, poderá consultar o modelo de estatutos de um clube de Business Angels, desenvolvido no âmbito do projecto CAIE. DICA No processo de definição da estrutura dos corpos sociais do clube, deverá ser contemplada a existência de uma figura dinamizadora que possa assumir as funções de organização de acções de dinamização do clube e interface entre o clube e seus associados e empreendedores. A existência desta figura, de acordo com as decisões tomadas pelos investidores, poderá ser assumida pela própria Direcção, por uma entidade subcontratada para o efeito, por um Secretariado Executivo composto pela(s) entidade(s) dinamizadora(s) da criação do clube ou outros membros do mesmo, ou outras opções que os associados considerem mais viáveis. No capítulo Factores Críticos de Implementação é detalhada, com maior pormenor, a função desta entidade. Seja qual for o modelo adoptado, é essencial a existência de uma figura que assuma as funções de interface entre o clube e os empreendedores. O passo final, na constituição do clube de Business Angels, é o registo notarial do clube. Este processo passa por: Passo 1 Elaboração de estatutos; Passo 2 Marcação de escritura, num cartório notarial; Passo 3 Confirmação da data de escritura, junto dos associados; Passo 4 Preparação de procurações, sempre que haja associados que não possam estar presentes no acto da escritura; Passo 5 Angariação da verba para o pagamento da escritura. 24

25 A prática CAIE A constituição de um clube de Business Angels, no âmbito do projecto CAIE, foi um processo potenciado por uma parceria rica em termos de rede de contactos mas que implicou tempo e dedicação para o alcance do objectivo proposto. A necessidade de dotar a região, face às dinâmicas empreendedoras verificadas e pretendidas para o território, de um novo instrumento financeiro que constituísse o suporte adequado às especificidades das empresas de base tecnológica, que constituem a aposta para o futuro desenvolvimento económico, foi o ponto de partida do processo. Aliado à necessidade, a existência de um contexto propicio à geração de dinâmicas empreendedoras e ao aparecimento de projectos com elevado potencial de rentabilidade, com a presença da Universidade da Beira Interior no território, entidades de apoio à promoção do empreendedorismo e criação de empresas de base tecnológica, como o Parkurbis, Parque de Ciência e Tecnologia da Covilhã, SA., assim como um tecido empresarial tradicionalmente empreendedor, foram indicadores da viabilidade para a criação de uma entidade com as características de um clube de Business Angels. Encontrar um conjunto de empresários e outros indivíduos, com meios de fortuna própria e com predisposição para o investimento em novos projectos empresariais, foi o primeiro passo dado pela parceria. Para além do perfil destes indivíduos, adoptou-se como estratégia de captação de investidores, a identificação com o território, quer fosse pela naturalidade quer fosse pela sede de actividade. Identificado o grupo, que abrangeu empresários e outros profissionais instalados na região e fora dela com ligação emocional (naturalidade, familiar e outras) a esta, estabeleceram-se os primeiros contactos. Via telefone ou contacto directo, foram agendadas reuniões, em alguns casos, individualmente, noutros casos, em grupo. Presencialmente, e numa primeira abordagem, foi feita uma exposição dos objectivos pretendidos com a criação do clube de Business Angels, o seu enquadramento com o território e as expectativas, baseadas na análise prévia, do impacto destes no desenvolvimento económico 25

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 A aposta no apoio à internacionalização tem sido um dos propósitos da AIDA que, ao longo dos anos, tem vindo a realizar diversas acções direccionadas para

Leia mais

PRODUTOS INOVADORES: O DESAFIO DO MERCADO RECURSOS TÉCNICOS PARA O EMPREENDEDORISMO DE BASE TECNOLÓGICO

PRODUTOS INOVADORES: O DESAFIO DO MERCADO RECURSOS TÉCNICOS PARA O EMPREENDEDORISMO DE BASE TECNOLÓGICO ÍNDICE INTRODUÇÃO Sobre o guia Utilizadores Beneficiários CONCEITOS CHAVE NOTAS METODOLÓGICAS E PRÉ-REQUISITOS PROCESSO METODOLÓGICO Parte I Referencial para o lançamento de produtos inovadores no mercado

Leia mais

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas GUIA DO VOLUNTÁRIO Sociedade Central de Cervejas ÍNDICE 1. A RESPONSABILIDADE SOCIAL NA SCC: O NOSSO COMPROMISSO... 3 2. O NOSSO COMPROMISSO COM O VOLUNTARIADO... 4 2.1 A ESTRUTURAÇÃO DO VOLUNTARIADO EMPRESARIAL...

Leia mais

ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO

ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO Como fazemos 1. Através do Serviço de Assistência Empresarial (SAE), constituído por visitas técnicas personalizadas às

Leia mais

BOLSA DE IDEIAS RECURSOS TÉCNICOS PARA O EMPREENDEDORISMO DE BASE TECNOLÓGICO

BOLSA DE IDEIAS RECURSOS TÉCNICOS PARA O EMPREENDEDORISMO DE BASE TECNOLÓGICO índice INTRODUÇÃO Conceito Objectivos Utilizadores Beneficiários NOTAS METODOLÓGICAS E PRÉ-REQUISITOS Público-alvo PROCESSO METODOLÓGICO Parte I Metodologia Bolsa de Ideias a. Formação para a elaboração

Leia mais

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como SISTEMA DE DIAGNÓSTICO E AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE DESENVOLVIMENTO DAS OPORTUNIDADES DE COOPERAÇÃO EM REDE Nota: documento elaborado pela INTELI Inteligência em Inovação, no âmbito da consultadoria prestada

Leia mais

Definição de Business Angel

Definição de Business Angel BUSINESS ANGELS CLUB ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE INVESTIDORES EM START-UPS CÓDIGO DE CONDUTA Definição de Business Angel Os Business Angels são investidores individuais que investem, directamente ou através

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

DA IDEIA À EMPRESA RECURSOS TÉCNICOS PARA O EMPREENDEDORISMO DE BASE TECNOLÓGICO

DA IDEIA À EMPRESA RECURSOS TÉCNICOS PARA O EMPREENDEDORISMO DE BASE TECNOLÓGICO ÍNDICE INTRODUÇÃO Objectivos Utilizadores Beneficiários CONCEITOS CHAVE NOTAS METODOLÓGICAS E PRÉ-REQUISITOS Divulgação da entidade de acompanhamento Constituição de um painel de peritos externos Perfil

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

REGULAMENTO BOLSA DE IDEIAS. Preâmbulo

REGULAMENTO BOLSA DE IDEIAS. Preâmbulo REGULAMENTO Preâmbulo A Bolsa de Ideias CAIE (BI) é uma iniciativa desenvolvida pelo Projecto CAIE Centro de Apoio à Inovação e ao Empreendedorismo, financiado pela Iniciativa Comunitária EQUAL. Esta iniciativa

Leia mais

Introdução 02. CRER Metodologia Integrada de Apoio ao Empreendedor 04. Passos para criação do CRER Centro de Recursos e Experimentação 05

Introdução 02. CRER Metodologia Integrada de Apoio ao Empreendedor 04. Passos para criação do CRER Centro de Recursos e Experimentação 05 criação de empresas em espaço rural guia metodológico para criação e apropriação 0 Introdução 02 O que é o CRER 03 CRER Centro de Recursos e Experimentação 03 CRER Metodologia Integrada de Apoio ao Empreendedor

Leia mais

3. PRINCIPAIS TEMÁTICAS E CARACTERÍSTICAS DE ORGANIZAÇÃO DOS OPEN DAYS 2008

3. PRINCIPAIS TEMÁTICAS E CARACTERÍSTICAS DE ORGANIZAÇÃO DOS OPEN DAYS 2008 1. INTRODUÇÃO Em apenas 5 anos os OPEN DAYS Semana Europeia das Regiões e Cidades tornaram-se um evento de grande importância para a demonstração da capacidade das regiões e das cidades na promoção do

Leia mais

A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco

A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco IP/98/305 Bruxelas, 31 de Março de 1998 A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco A Comissão Europeia lançou uma vasta iniciativa para promover o desenvolvimento de um importante mercado

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA

REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA PREÂMBULO Designa-se por rede social o conjunto das diferentes formas de entreajuda, praticadas por entidades particulares sem

Leia mais

QUEM SOMOS. O clube tem como objectivo apoiar projectos em todas as áreas de actividade, inclusive nas áreas mais tradicionais.

QUEM SOMOS. O clube tem como objectivo apoiar projectos em todas as áreas de actividade, inclusive nas áreas mais tradicionais. QUEM SOMOS O Business Angels Club de Lisboa é constituído por um grupo de pessoas ligadas há mais de 20 anos ao mundo empresarial e ao empreendedorismo com larga experiência no desenvolvimento e triagem

Leia mais

A Concepção da Ideia

A Concepção da Ideia A Concepção da Ideia Inov@emprego - Fórum do emprego, formação e empreendedorismo do litoral alentejano Tiago Santos Sines, 7 de Novembro de 2008 Sines Tecnopolo O Sines Tecnopolo é uma associação de direito

Leia mais

Regulamento. Preâmbulo

Regulamento. Preâmbulo Regulamento Preâmbulo As Empresas e os Empreendedores são a espinha dorsal de qualquer economia, em termos de inovação, de criação de emprego, de distribuição de riqueza e de coesão económica e social

Leia mais

Concurso de Ideias e Planos de Negócio «Start-Up Universitário!»

Concurso de Ideias e Planos de Negócio «Start-Up Universitário!» Concurso de Ideias e Planos de Negócio «Start-Up Universitário!» REGULAMENTO Preâmbulo A capacitação da força laboral com formação avançada e a criação de um sector privado forte, adequando-os aos desafios

Leia mais

FORMULÁRIO DE PROPOSTA DE PROJECTO

FORMULÁRIO DE PROPOSTA DE PROJECTO FORMULÁRIO DE PROPOSTA DE PROJECTO ESPAÇO RESERVADO AO TI: PROPOSTA Nº DATA DA ENTRADA: / / RECEBIDO POR: I. IDENTIFICAÇÃO DO PROMOTOR NOME: Nº DE SÓCIO: MORADA: CÓDIGO POSTAL - LOCALIDADE: CONCELHO: TELEFONE:

Leia mais

candidatura regras e regulamento artigo 1 objectivos

candidatura regras e regulamento artigo 1 objectivos candidatura regras e regulamento artigo 1 objectivos A candidatura é um processo de prospecção e avaliação de projectos inovadores e tem como objectivo promover a realização de investimentos através do

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL TIPOLOGIA DE INTERVENÇÃO 3.1.1 PROGRAMA DE FORMAÇÃO-ACÇÃO PARA PME REGULAMENTO DE CANDIDATURA PARA ENTIDADES

Leia mais

Conselho Local de Acção Social De Vila Nova de Cerveira

Conselho Local de Acção Social De Vila Nova de Cerveira Conselho Local de Acção Social De Vila Nova de Cerveira REGULAMENTO INTERNO INTRODUÇÃO A rede social é uma plataforma de articulação de diferentes parceiros públicos e privados que tem por objectivos combater

Leia mais

JumpStart FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA

JumpStart FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA JumpStart FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Tem entre 30 e 45 anos? A sua experiência profissional é superior a 5 anos? Encontra-se numa situação de desemprego há pelo menos 6 meses? Está

Leia mais

AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL -

AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL - AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL - Sónia Cardoso e Sérgio Machado dos Santos Gabinete de

Leia mais

REGULAMENTO DO VI CONCURSO DE IDEIAS DE NEGÓCIO DO CONCELHO DE CASCAIS REGULAMENTO DO CINC CASCAIS

REGULAMENTO DO VI CONCURSO DE IDEIAS DE NEGÓCIO DO CONCELHO DE CASCAIS REGULAMENTO DO CINC CASCAIS REGULAMENTO DO CINC CASCAIS VI CONCURSO DE IDEIAS DE NEGÓCIO DO CONCELHO DE CASCAIS Preâmbulo O CINC CASCAIS - VI Concurso de Ideias de Negócio do Concelho de Cascais é uma iniciativa de captação de ideias

Leia mais

CRIAR 2008 Regulamento. Capítulo I Disposições gerais

CRIAR 2008 Regulamento. Capítulo I Disposições gerais CRIAR 2008 Regulamento Capítulo I Disposições gerais Artigo 1.º Organização 1. O CRIAR 2008 é uma iniciativa da Liberty Seguros, S.A., com o objectivo de identificar e apoiar ideias de negócio inovadoras

Leia mais

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA.

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA. 1. Medida 3.4: Apoio ao desenvolvimento do Emprego e da Formação Profissional 2. Descrição: A Medida Apoio ao desenvolvimento do Emprego e Formação Profissional do PRODESA visa criar as condições para

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA. Departamento de Relações Públicas e Comunicação

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA. Departamento de Relações Públicas e Comunicação Departamento de Relações Públicas e Comunicação Regulamento 1. Do Departamento de Relações Públicas e Comunicação 1.1 Definição 1.2. Constituição 1.3. Articulação e procedimentos 1.4. Local de funcionamento

Leia mais

formação financiamento

formação financiamento INTERVENÇÃO DO PRESIDENTE DA AEP - ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PORTUGAL, JOSÉ ANTÓNIO BARROS, NA CONFERÊNCIA «EMPREENDEDORISMO UMA SOLUÇÃO PARA A CRISE», A VISÃO DO EMPREENDEDORISMO EM PORTUGAL, NO CENTRO

Leia mais

Introdução. O Júri seleccionará cinco organizações para cada uma das seguintes categorias:

Introdução. O Júri seleccionará cinco organizações para cada uma das seguintes categorias: REGULAMENTO Introdução O Prémio Healthy Workplaces - Locais de Trabalho Saudáveis pretende reconhecer e distinguir as organizações portuguesas com contributos notáveis e inovadores para a segurança, o

Leia mais

Programa de Empreendedorismo Tecnológico

Programa de Empreendedorismo Tecnológico PROGRAMA EIBTnet O QUE É? Programa de Empreendedorismo Tecnológico de apoio ao desenvolvimento, implementação, criação e consolidação de novas empresas inovadoras e de base tecnológica. 1 OBJECTIVOS Facilitar

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE Aprovado em 18 de Junho de 2015 REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE

Leia mais

Programa de Apoio ao Autoemprego

Programa de Apoio ao Autoemprego Programa de Apoio ao Autoemprego Relatório do Programa Operacional Agosto 2013 Promotor: Coordenação da Execução: Introdução Objectivo e enquadramento Este relatório foi redigido com base no estudo As

Leia mais

XII ENCONTRO GESVENTURE DISCURSO DE BOAS VINDAS

XII ENCONTRO GESVENTURE DISCURSO DE BOAS VINDAS XII ENCONTRO GESVENTURE DISCURSO DE BOAS VINDAS Exmo. Senhor Presidente do Grupo Caixa Geral de Depósitos, Engº Fernando Faria de Oliveira Exmo. Senhor Presidente do IAPMEI e da InovCapital, Dr. Luís Filipe

Leia mais

Regulamento da Raízes para o voluntariado

Regulamento da Raízes para o voluntariado Regulamento da Raízes para o voluntariado Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito de Aplicação O presente Regulamento visa definir as regras de actuação do voluntariado, nas actividades desenvolvidas

Leia mais

PRAIE PROGRAMA DE APOIO AO INVESTIMENTO EMPRESARIAL NO CONCELHO DE VIANA DO ALENTEJO ANEXO 1 - NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO ENQUADRAMENTO

PRAIE PROGRAMA DE APOIO AO INVESTIMENTO EMPRESARIAL NO CONCELHO DE VIANA DO ALENTEJO ANEXO 1 - NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO ENQUADRAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO INVESTIMENTO EMPRESARIAL NO CONCELHO DE VIANA DO ALENTEJO ANEXO 1 - NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO ENQUADRAMENTO 1) O Programa de Apoio ao Investimento Empresarial, adiante designado

Leia mais

ANTEPROJECTO DE COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO EXEMPLO DE DECLARAÇÃO RELACIONADA COM AS INFORMAÇÕES RELATIVAS

ANTEPROJECTO DE COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO EXEMPLO DE DECLARAÇÃO RELACIONADA COM AS INFORMAÇÕES RELATIVAS ANTEPROJECTO DE COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO EXEMPLO DE DECLARAÇÃO RELACIONADA COM AS INFORMAÇÕES RELATIVAS AO ESTATUTO DE PME DE UMA EMPRESA A presente comunicação tem por objectivo incentivar a aplicação

Leia mais

Prémio Inovação em Intervenção Psicológica

Prémio Inovação em Intervenção Psicológica Prémio Inovação em Intervenção Psicológica ABRIL 2015 Índice 03 05 11 1. Programa OPP Inovação em Intervenção Psicológica 1.1. Prémio Inovação em Intervenção Psicológica 1.2. Summer Camp - Inovação em

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2014

PLANO DE ACTIVIDADES 2014 PLANO DE ACTIVIDADES 2014 A - INTRODUÇÃO O ano de 2013 que agora termina, foi decisivo para a continuidade da Fundação do Desporto. O Governo, através do Sr. Ministro-Adjunto e dos Assuntos Parlamentares,

Leia mais

Relatório de Execução do Projeto MENTOR. Whatever Consulting Group Whatever it takes to grow a culture of innovation

Relatório de Execução do Projeto MENTOR. Whatever Consulting Group Whatever it takes to grow a culture of innovation Relatório de Execução do Projeto MENTOR Whatever Consulting Group Whatever it takes to grow a culture of innovation Junho de 2014 Índice Índice... 2 1. Enquadramento... 3 2. Objetivos... 4 3. Âmbito do

Leia mais

Enquadramento 02. Justificação 02. Metodologia de implementação 02. Destinatários 02. Sessões formativas 03

Enquadramento 02. Justificação 02. Metodologia de implementação 02. Destinatários 02. Sessões formativas 03 criação de empresas em espaço rural guia metodológico para criação e apropriação 0 Enquadramento 02 Justificação 02 de implementação 02 Destinatários 02 Sessões formativas 03 Módulos 03 1 e instrumentos

Leia mais

Missão Empresarial Banco Asiático de Desenvolvimento (BAsD) Sector: Energia

Missão Empresarial Banco Asiático de Desenvolvimento (BAsD) Sector: Energia Missão Empresarial Banco Asiático de Desenvolvimento (BAsD) Sector: Energia Manila, 18 a 22 de Março de 2013 1 Enquadramento: No âmbito do Acordo de Parceiros celebrado entre a AICEP e o GPEARI (Ministério

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO 1 Sumário: Conceito e Objectivos Estrutura do PN o Apresentação da Empresa o Análise do Produto / Serviço o Análise de Mercado o Estratégia de Marketing o

Leia mais

ADEI Agência para o Desenvolvimento Empresarial e Inovação PROJECTO

ADEI Agência para o Desenvolvimento Empresarial e Inovação PROJECTO MINISTÉRIO DA ECONOMIA, CRESCIMENTO E COMPETITIVIDADE Edificação / Reforço do Sector Privado ADEI Agência para o Desenvolvimento Empresarial e Inovação PROJECTO Conteúdo: 1. Enquadramento 2. Objectivos

Leia mais

CAPITAL DE RISCO EM MUDANÇA

CAPITAL DE RISCO EM MUDANÇA CAPITAL DE RISCO EM MUDANÇA Realizaram-se na passada semana dois acontecimentos que reputo de importância ímpar para a promoção do Empreendedorismo em Portugal O Dia Europeu do Empreendedor e o Encontro

Leia mais

O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO

O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO 10 O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO António Gonçalves REVISOR OFICIAL DE CONTAS 1. Introdução O presente artigo procura reflectir o entendimento

Leia mais

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org 1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org CONCEITO Realização do 1º Fórum União de Exportadores CPLP (UE-CPLP) que integra:

Leia mais

Regulamento Interno StartUp Lisboa Comércio

Regulamento Interno StartUp Lisboa Comércio Regulamento Interno StartUp Lisboa Comércio Lisboa, Junho de 2014 Artigo 1º Âmbito A Incubadora StartUp Lisboa Comércio resulta de uma parceria entre a Câmara Municipal de Lisboa, o Montepio Geral, o IAPMEI

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI)

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) Setembro de 2009/ Dezembro de 2010 Índice Introdução.. 3 Etapas de intervenção... 4 Âmbito de intervenção.. 5 Objectivos estratégicos..... 5 Metas.. 5 Equipa....

Leia mais

Projecto ApoiarMicro - REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO

Projecto ApoiarMicro - REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO Regulamento de Funcionamento Preâmbulo Tendo como principal objectivo fomentar o empreendedorismo na Região da Lezíria do Tejo, a NERSANT Associação Empresarial em parceria com a Comunidade Intermunicipal

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

Metodologia de Atuação da Rede de Mentores

Metodologia de Atuação da Rede de Mentores Metodologia de Atuação da Rede de Mentores (Projeto Mentor - Rede de Apoio ao Empreendedorismo) 1. Processo de Constituição da Rede de Mentores O Conselho Empresarial do Centro CEC/CCIC e a AIMinho, na

Leia mais

Business Angels Obter investimento por Business Angels.

Business Angels Obter investimento por Business Angels. Business Angels Obter investimento por Business Angels. Paulo Andrez Pres. Clube de Business Angels Cascais Membro da Direcção da Federação Nacional de Associações de Business Angels e da EBAN Coordenador

Leia mais

DISCURSO DE ABERTURA DA II SEMANA NACIONAL DE BUSINESS ANGELS (SESSÃO DO ESTORIL)

DISCURSO DE ABERTURA DA II SEMANA NACIONAL DE BUSINESS ANGELS (SESSÃO DO ESTORIL) DISCURSO DE ABERTURA DA II SEMANA NACIONAL DE BUSINESS ANGELS (SESSÃO DO ESTORIL) Exmo. Senhor Secretário de Estado Adjunto da Indústria e Inovação, Prof. Doutor António Castro Guerra Exmo. Senhor Vice-Presidente

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE FORMAÇÃO DA APEI - ASSOCIAÇÃO DE PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO DE INFÂNCIA

REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE FORMAÇÃO DA APEI - ASSOCIAÇÃO DE PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO DE INFÂNCIA REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE FORMAÇÃO DA APEI - ASSOCIAÇÃO DE PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO DE INFÂNCIA CAPITULO I DA CONSTITUIÇÃO, SEDE, PRÍNCIPIOS GERAIS, DURAÇÃO E FINS DO CENTRO DE FORMAÇÃO ARTIGO

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu. Guia de preenchimento do Formulário de Candidatura da Entidade Organizadora

UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu. Guia de preenchimento do Formulário de Candidatura da Entidade Organizadora UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Guia de preenchimento do Formulário de Candidatura da Entidade Organizadora ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1. Descrição... Erro! Marcador não definido. 2. Entidade Gestora...

Leia mais

APEL Associação Promotora do Ensino Livre REGRAS DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA ANEXO AO REGULAMENTO INTERNO

APEL Associação Promotora do Ensino Livre REGRAS DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA ANEXO AO REGULAMENTO INTERNO APEL Associação Promotora do Ensino Livre REGRAS DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA ANEXO AO REGULAMENTO INTERNO ÍNDICE 1. ENQUADRAMENTO 2. REQUISITOS DE ACESSO E FORMAS DE INSCRIÇÃO 3. CRITÉRIOS

Leia mais

EoL Empresa Online Manual de Utilização

EoL Empresa Online Manual de Utilização EoL Empresa Online Manual de Utilização Procedimentos da Empresa Online 1. Reservar o Nome da Empresa 2. Inserir informação da Empresa 3. Inserir informação da Empresa (Participantes da Sociedade) 4. Aderir

Leia mais

Regulamento Interno ABAC Aveiro Business Angels Club. Regulamento Interno PREÂMBULO

Regulamento Interno ABAC Aveiro Business Angels Club. Regulamento Interno PREÂMBULO Regulamento Interno PREÂMBULO Business Angels Os Business Angels são investidores privados e informais que investem, diretamente ou através de sociedades veículo, no capital de Startups (pequenas e médias

Leia mais

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Participamos num processo acelerado de transformações sociais, políticas e tecnológicas que alteram radicalmente o contexto e as

Leia mais

REGULAMENTO. Preâmbulo

REGULAMENTO. Preâmbulo REGULAMENTO Preâmbulo O espírito de iniciativa, a criatividade, a capacidade de detectar e aproveitar oportunidades, de assumir o risco e formar decisões, constituem premissas essenciais para o sucesso

Leia mais

PACTO SOCIAL DO MONTE DESENVOLVIMENTO ALENTEJO CENTRAL, A.C.E. CAPTULO PRIMEIRO DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO PRIMEIRO. (Denominação)

PACTO SOCIAL DO MONTE DESENVOLVIMENTO ALENTEJO CENTRAL, A.C.E. CAPTULO PRIMEIRO DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO PRIMEIRO. (Denominação) PACTO SOCIAL DO MONTE DESENVOLVIMENTO ALENTEJO CENTRAL, A.C.E. CAPTULO PRIMEIRO DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO PRIMEIRO (Denominação) O Agrupamento adopta a denominação de Monte - Desenvolvimento Alentejo Central,

Leia mais

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 Jaime Andrez Presidente do CD do IAPMEI 10 de Maio de 2006 Minhas Senhoras e meus Senhores, 1. Em nome do Senhor Secretário de Estado Adjunto, da Indústria

Leia mais

Concurso Inovação CVMóvel

Concurso Inovação CVMóvel Concurso Inovação CVMóvel REGULAMENTO Edição 204 REGULAMENTO Preâmbulo O Concurso Inovação CVMóvel é uma iniciativa promovida pela CVMóvel, implementada anualmente no âmbito do seu Plano de Contributos

Leia mais

Eixo I Projectos de Forte Conteúdo de Inovação Eixo II Negócio Emergentes de Pequena Escala Eixo III Iniciativas Empresarias de Interesse Regional

Eixo I Projectos de Forte Conteúdo de Inovação Eixo II Negócio Emergentes de Pequena Escala Eixo III Iniciativas Empresarias de Interesse Regional Programa FINICIA 02.02.2006 retirado de www.iapmei.pt Caracterização dos eixos de intervenção Eixo I Projectos de Forte Conteúdo de Inovação Eixo II Negócio Emergentes de Pequena Escala Eixo III Iniciativas

Leia mais

Financiamento às Empresas Portuguesas Visão de uma capital de risco. 14 de Novembro de 2014

Financiamento às Empresas Portuguesas Visão de uma capital de risco. 14 de Novembro de 2014 Financiamento às Empresas Portuguesas Visão de uma capital de risco 14 de Novembro de 2014 Gestão Independente A 2bpartner é uma sociedade gestora de fundos de venture capital, independente, constituída

Leia mais

Adenda aos Critérios de Selecção

Adenda aos Critérios de Selecção Adenda aos Critérios de Selecção... Critérios de Selecção SI Qualificação PME EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE

Leia mais

E2E - EMPRESARIADO PRÓ EMPREENDEDORISMO BOAS PRÁTICAS DE SOLIDARIEDADE ECONÓMICA E INCLUSÃO SOCIAL

E2E - EMPRESARIADO PRÓ EMPREENDEDORISMO BOAS PRÁTICAS DE SOLIDARIEDADE ECONÓMICA E INCLUSÃO SOCIAL E2E - EMPRESARIADO PRÓ EMPREENDEDORISMO BOAS PRÁTICAS DE SOLIDARIEDADE ECONÓMICA E INCLUSÃO SOCIAL E2E Empresariado Pró-Empreendedorismo Narrativa da Prática 1. CONTEXTO E CONCEITO... 3 2. PROBLEMAS QUE

Leia mais

ARTIGO 1º Âmbito O presente Regulamento define as condições de candidatura, avaliação e distinção dos

ARTIGO 1º Âmbito O presente Regulamento define as condições de candidatura, avaliação e distinção dos REGULAMENTO ENQUADRAMENTO O mais recente diploma legal que estabelece o regime jurídico da instalação, exploração e funcionamento dos empreendimentos turísticos - Decreto-Lei n.º 39/2008, de 7 de Março,

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A COMISSÃO PARA A CIDADANIA E IGUALDADE DE GÉNERO (CIG) E A COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A COMISSÃO PARA A CIDADANIA E IGUALDADE DE GÉNERO (CIG) E A COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Homologo. Homologo. Secretária de Estado da Igualdade /alter Lemos Secretário de Estado do Emprego e da Formação Profissional PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A COMISSÃO PARA A CIDADANIA E IGUALDADE DE GÉNERO

Leia mais

SISTEMA DE APOIO AO FINANCIAMENTO E PARTILHA DE RISCO DA INOVAÇÃO (SAFPRI)

SISTEMA DE APOIO AO FINANCIAMENTO E PARTILHA DE RISCO DA INOVAÇÃO (SAFPRI) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO Nº 03 / SAFPRI / 2009 SISTEMA DE APOIO AO FINANCIAMENTO E PARTILHA DE RISCO DA INOVAÇÃO (SAFPRI) CONSTITUIÇÃO OU REFORÇO DE FUNDOS DE CAPITAL DE RISCO (FCR) PROJECTOS FASE

Leia mais

GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES

GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES FICHA TÉCNICA Organização: Câmara Municipal da Amadora, Gabinete de Acção Social Equipa Técnica: Ana Costa, Rute Gonçalves e Sandra Pereira Design/Paginação: Estrelas

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS Artigos: 1º OBJECTIVOS São objectivos do Concurso : a) Estimular o empreendedorismo qualificado e inovador junto da comunidade empresarial e académica da região Norte, Centro

Leia mais

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução:

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução: EDIÇÃO 2011/2012 Introdução: O Programa Formação PME é um programa financiado pelo POPH (Programa Operacional Potencial Humano) tendo a AEP - Associação Empresarial de Portugal, como Organismo Intermédio,

Leia mais

INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA

INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA FACTORES CRÍTICOS DE SUCESSO DE UMA POLÍTICA DE INTENSIFICAÇÃO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO EMPRESARIAL EM PORTUGAL E POTENCIAÇÃO DOS SEUS RESULTADOS 0. EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

Leia mais

Regulamento da Rede de Mentores

Regulamento da Rede de Mentores Regulamento da Rede de Mentores 1. Enquadramento A Rede de Mentores é uma iniciativa do Conselho Empresarial do Centro (CEC) e da Associação Industrial do Minho (AIMinho) e está integrada no Projeto Mentor

Leia mais

COORDENAÇÃO DO CURSO CURSO DE EMPREENDEDORISMO E VALORIZAÇÃO DA INVESTIGAÇÃO. Prof. Doutora Maria José Silva

COORDENAÇÃO DO CURSO CURSO DE EMPREENDEDORISMO E VALORIZAÇÃO DA INVESTIGAÇÃO. Prof. Doutora Maria José Silva COORDENAÇÃO DO CURSO Prof. Doutora Maria José Silva PORQUÊ O CURSO DE EMPREENDEDORISMO E VALORIZAÇÃO DA INVESTIGAÇÃO? Numa realidade onde a transposição do conhecimento científico e tecnológico gerado

Leia mais

A Portugal Ventures está á procura de projetos com as seguintes características:

A Portugal Ventures está á procura de projetos com as seguintes características: 1. O que é o Candidatura ao FIAEA? Este programa de apoio ao empreendedorismo, é uma iniciativa liderada pela SDEA e pela Portugal Ventures, que visa fortalecer o ecossistema de empreendedorismo nas áreas

Leia mais

MLM Master in Law and Management

MLM Master in Law and Management MLM Master in Law and Management diploma CONJUNTO novaforum.pt MLM Master in Law and Management Os participantes que completem com aproveitamento a componente lectiva do Programa receberão um Diploma de

Leia mais

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO PREÂMBULO O projecto Estarreja COMpartilha surge da necessidade que se tem verificado, na sociedade actual, da falta de actividades e práticas de cidadania. Traduz-se numa relação solidária para com o

Leia mais

REGULAMENTO DO IV CONCURSO DE IDEIAS DE NEGÓCIO DO CONCELHO DE CASCAIS REGULAMENTO DO CINC CASCAIS

REGULAMENTO DO IV CONCURSO DE IDEIAS DE NEGÓCIO DO CONCELHO DE CASCAIS REGULAMENTO DO CINC CASCAIS REGULAMENTO DO CINC CASCAIS IV CONCURSO DE IDEIAS DE NEGÓCIO DO CONCELHO DE CASCAIS Preâmbulo O CINC CASCAIS - IV Concurso de Ideias de Negócio do Concelho de Cascais é uma iniciativa de captação de ideias

Leia mais

- CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE LAGOS - PREÂMBULO

- CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE LAGOS - PREÂMBULO PREÂMBULO A Lei de Bases do Sistema Educativo (Lei nº 46/86 de 14 de Outubro) consagrou a interacção com a comunidade educativa local como um pilar fundamental da política educativa. Por essa razão o nº

Leia mais

PRIME (PROGRAMA DE INCENTIVO ÀS MICRO-EMPRESAS) NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO ENQUADRAMENTO. Artigo 1.º (Objectivo e Filosofia)

PRIME (PROGRAMA DE INCENTIVO ÀS MICRO-EMPRESAS) NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO ENQUADRAMENTO. Artigo 1.º (Objectivo e Filosofia) PRIME (PROGRAMA DE INCENTIVO ÀS MICRO-EMPRESAS) NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO ENQUADRAMENTO 1) O Programa de Incentivo às Micro-empresas, adiante designado por PRIME, é gerido pela Câmara Municipal de Vidigueira

Leia mais

Programa Operacional de Potencial Humano EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL

Programa Operacional de Potencial Humano EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL Programa Operacional de Potencial Humano EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL TIPOLOGIA DE INTERVENÇÃO 3.1.1 PROGRAMA DE FORMAÇÃO-AÇÃO PARA PME REGULAMENTO DE CANDIDATURA PARA ENTIDADES

Leia mais

1. Âmbito. 2. Objetivo

1. Âmbito. 2. Objetivo Programa Tradições Locais e Regionais 2015 1. Âmbito 1.1. Este regulamento estabelece as normas de participação no Programa Tradições Locais e Regionais 2015, um programa anual promovido pela EDP Gestão

Leia mais

LET-In Laboratório de Empresas Tecnológicas. José Carlos Caldeira. 28 Fev 2008. Director jcc@inescporto.pt

LET-In Laboratório de Empresas Tecnológicas. José Carlos Caldeira. 28 Fev 2008. Director jcc@inescporto.pt 28 Fev 2008 LET-In Laboratório de Empresas Tecnológicas Campus da FEUP Rua Dr. Roberto Frias, 378 4200-465 Porto Portugal T +351 222 094 000 F +351 222 094 000 www@inescporto.pt www.inescporto.pt José

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

Como trazer um Business Angel para seu parceiro de negócio

Como trazer um Business Angel para seu parceiro de negócio INTRODUÇÃO Como trazer um Business Angel para seu parceiro de negócio Actuando na maioria das vezes na fase inicial de um projecto, a aproximação e a negociação com os B.A assumem por vezes contornos que

Leia mais

Banco Local de Voluntariado de Gondomar

Banco Local de Voluntariado de Gondomar Regulamento Interno do Banco Local de Voluntariado de Gondomar (Aprovado em reunião de Câmara de 12 de Fevereiro e Assembleia Municipal de 18 de Fevereiro de 2009) Preâmbulo Entende-se por voluntariado

Leia mais

KEY Centro de Formação, Lda. Regulamento de Funcionamento da Formação

KEY Centro de Formação, Lda. Regulamento de Funcionamento da Formação Regulamento de Funcionamento da Formação KEY Centro de Formação, Lda. Regulamento de Funcionamento da Formação Página 2 de 12 ÍNDICE 1. ENQUADRAMENTO... 3 2. REQUISITOS DE ACESSO E FORMAS DE INSCRIÇÃO...

Leia mais

PROGRAMA FINICIA IAPMEI IAPMEI IAPMEI IAPMEI POTENCIAR TALENTOS. Objectivos da Área de Negócio Financiamento Empresarial.

PROGRAMA FINICIA IAPMEI IAPMEI IAPMEI IAPMEI POTENCIAR TALENTOS. Objectivos da Área de Negócio Financiamento Empresarial. PROGRAMA FINICIA POTENCIAR TALENTOS O tem por missão promover a inovação e executar políticas de estímulo ao desenvolvimento empresarial, visando o reforço da competitividade e da produtividade das empresas,

Leia mais

Tradicionalmente como surgem? Existem ambientes mais propícios para o nascimento de ideias/projectos inovadores?

Tradicionalmente como surgem? Existem ambientes mais propícios para o nascimento de ideias/projectos inovadores? O que é uma start-up? As empresas que criam modelos de negócio altamente escaláveis, a baixos custos e a partir de ideias inovadoras são normalmente consideradas empresas startups. Concebidas para crescerem

Leia mais

Capítulo I Denominação, sede e objecto. Artigo 1º. (Firma e sede) Artigo 2º. (Agências, filiais, delegações e outras formas de representação)

Capítulo I Denominação, sede e objecto. Artigo 1º. (Firma e sede) Artigo 2º. (Agências, filiais, delegações e outras formas de representação) Capítulo I Denominação, sede e objecto Artigo 1º (Firma e sede) 1 - A sociedade adopta a firma de APOR - Agência para a Modernização do Porto, S.A. e tem a sua sede na Rua Justino Teixeira, nº 861, 4300-281

Leia mais

O presente documento constitui o Regulamento da 7ª edição do Prémio Boas Práticas no Sector Público.

O presente documento constitui o Regulamento da 7ª edição do Prémio Boas Práticas no Sector Público. 7ª edição Prémio Boas Práticas no Sector Público O presente documento constitui o Regulamento da 7ª edição do Prémio Boas Práticas no Sector Público. Aconselhamos a sua leitura antes de iniciar o processo

Leia mais

Programa FINICIA Financiamento de Start up inovadoras. Universidade de Évora, 13 de Dezembro de 2007

Programa FINICIA Financiamento de Start up inovadoras. Universidade de Évora, 13 de Dezembro de 2007 Programa FINICIA Financiamento de Start up inovadoras Universidade de Évora, 13 de Dezembro de 2007 O parceiro das PME 2 Missão Visão Produtos e Serviços Facilitar e assistir as PME nas suas estratégias

Leia mais

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO

REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO Artigo 1º Âmbito Ao abrigo do n.º 1 do artigo 8.º da Portaria n.º 370-A/2012, de 15 de novembro de 2012, o presente regulamento estabelece os procedimentos

Leia mais