BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE HOSPEDAGEM AVALIAÇÃO DOS ASPECTOS SANITÁRIOS RELACIONADOS À VIGILANCIA SANITÁRIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE HOSPEDAGEM AVALIAÇÃO DOS ASPECTOS SANITÁRIOS RELACIONADOS À VIGILANCIA SANITÁRIA"

Transcrição

1 ALESSANDRA MONTEIRO ALFREDO CORNIALI ANA CAROLINA BRANDÃO ANA LÚCIA LEIRO CAROLINE PAGNAN FREDERICO DORTAS LEILA MEDEIROS MIRIAM SOUZA NEYLA BISPO SANDRA SOLLA SUZANE PEREIRA BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE HOSPEDAGEM AVALIAÇÃO DOS ASPECTOS SANITÁRIOS RELACIONADOS À VIGILANCIA SANITÁRIA SALVADOR 2014

2 ALESSANDRA MONTEIRO ALFREDO CORNIALI ANA CAROLINA BRANDÃO ANA LÚCIA LEIRO CAROLINE PAGNAN FREDERICO DORTAS LEILA MEDEIROS MIRIAM SOUZA NEYLA BISPO SANDRA SOLLA SUZANE PEREIRA BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE HOSPEDAGEM AVALIAÇÃO DOS ASPECTOS SANITÁRIOS RELACIONADOS À VIGILANCIA SANITÁRIA Projeto Aplicativo apresentado ao Instituto Sírio Libanês de Ensino e Pesquisa para certificação como especialistas em Gestão de Vigilância Sanitária. Orientadora: Dinalva Ramos de Santana. SALVADOR 2014

3 AGRADECIMENTOS Aos nossos familiares pelo apoio e paciência depreendidos em todo o percurso desta especialização. E a nossa orientadora que tanto nos incentivou para a realização deste projeto.

4 Não gosto da palavra influência: um líquido que flui para dentro. Prefiro com+fluência: dois regatos que se encontram e passam a fluir juntos. Rubem Alves

5 RESUMO A vigilância sanitária, sendo um órgão de promoção da saúde e prevenção de riscos, tem entre suas áreas de atuação, os meios de hospedagem. Em virtude da cidade de Salvador estar inserida na rede de importantes eventos de massa, incluindo jogos da Copa do Mundo FIFA 2014, cidade sede dos Jogos Olímpicos 2016 e a ausência de uma legislação especifica para o setor, existe a necessidade de uma ação mais efetiva por parte da vigilância sanitária municipal. O objetivo geral deste trabalho constitui-se em criar um instrumento específico de controle no intuito de minimizar os riscos sanitários nos meios de hospedagem, através da elaboração e aplicação de instrumento específico de controle em atendimento a legislação vigente. A metodologia proposta abrangeu a elaboração e aplicação de um instrumento específico de controle em 52 meios de hospedagem existentes na cidade de Salvador, de diversas categorias (albergues, pousadas, hotéis, motéis, apart hotéis) no período de out/2013 a maio/2014. No estado da arte atual os instrumentos aplicados encontram-se em fase de discussão dos resultados para implantar a etapa seguinte prevista. Espera-se que este instrumento seja sempre utilizado tanto para o monitoramento das ações de vigilância sanitária como também para auto avaliação por parte dos estabelecimentos com vistas às boas práticas sanitárias, contribuindo para melhorar a qualidade dos produtos e serviços ofertados pelo setor a fim de minimizar riscos para a população, trabalhadores e ambiente em geral.

6 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS MH SBClass CTClass PIB Sefaz Setur SMA Visamb CCZ Limpurb VISA DS FCS Meios de Hospedagem Sistema Brasileiro de Classificação de Meios de Hospedagem Conselho Técnico Nacional de Classificação de Meios de Hospedagem Produto Interno Bruto Secretaria da Fazenda do Município Secretaria de Turismo do Estado da Bahia Superintendência de Meio Ambiente Vigilância em Saúde Ambiental Centro de Controle de Zoonoses Empresa de Limpeza Urbana do Salvador Vigilância Sanitária Distrito sanitário Fiscal de Controle Sanitário

7 LISTA DE ILUSTRAÇÃO Figura 1 Aspectos Sanitários em Meios de Hospedagem...13

8 LISTA DE TABELA Tabela 1 Indicadores utilizados...19

9 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO Uma breve história do início dos Meios de Hospedagem 1.2 A atividade hoteleira no Brasil 1.3. Meios de Hospedagem 2. JUSTIFICATIVA OBJETIVOS Geral 3.2. Específicos 4 METODOLOGIA RECURSOS NECESSÁRIOS REFERENTES AO PROJETO INDICADORES DE AVALIAÇÃO RESULTADOS E DISCUSSÕES CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS ANEXO... 26

10 8 1. INTRODUÇÃO O SUS (Sistema Único de Saúde), criado pela Constituição Federal de 1988 e regulamentado pelas leis federais 8080 e 8142, ambas de 1990, tem uma abrangência muito superior a notada pela população brasileira. O sistema é amplo, e a parte que não é vista, constitui-se o maior percentual deste. Vigilância Sanitária (VISA) é um conjunto de ações capaz de eliminar, diminuir ou prevenir riscos à saúde e de intervir nos problemas sanitários decorrentes do meio ambiente, da produção e circulação de bens, além da prestação de serviços de interesse à saúde (art. 6º, inciso I, da Lei Orgânica da Saúde nº 8.080, de 19/09/90). As ações da vigilância sanitária são largas, embora a população não tenha conhecimento e mesmo grande parte dos profissionais da saúde. Essas ações estão completamente integradas ao SUS. O papel preventivo para promoção e proteção da saúde é a base da VISA. A invisibilidade da correlação com a prevenção de doenças remete a falta do conhecimento geral sobre o papel da VISA como agente da saúde pública. Pelo critério básico da universalidade do SUS, a VISA atende a todas as classes sociais, mesmo quando o cidadão imagina que não esteja inserido no sistema. Tratando-se de uma cidade de componentes históricos marcantes e, com consequente, fomento à indústria do turismo, Salvador apresenta-se com seus processos de otimização dos resultados nesse segmento ainda relativamente incipiente. Considerando que a oferta de serviços é ampla, pois há fornecimento de hospedagem, diversão, alimentação, segurança, dentre outros, identifica-se que a qualificação dos meios de hospedagem (MH) torna-se um elemento fundamental para promover a qualidade dos produtos e serviços ofertados e, consequentemente, a segurança sanitária da população usuária de acordo com a legislação vigente. Para isso, faz-se necessário dispor de instrumentos que apoiem a avaliação e monitoramento deste segmento. O tema proposto para realização deste projeto aplicativo exigiu um levantamento teórico da história da hospedagem no Brasil e no mundo para que fossem norteadas as ações e entendimentos do fluxo da evolução do setor. 1.1 Uma breve história do início dos Meios de Hospedagem Segundo Ribeiro (2011), a história revela que os meios de hospedagem surgem quando da construção do Ásylon ou asilo, que data da época dos Jogos Olímpicos gregos. Ásylon seria uma hospedaria de atletas durante os jogos Olímpicos e tinha por finalidade permitir o repouso, a proteção e a privacidade aos atletas convidados.

11 9 Ainda segundo Ribeiro (2011), com o crescimento e a expansão do Império Romano e do Cristianismo, os romanos foram responsáveis pela construção de outros tipos de hospedagens, como a estalagem para nobres e oficiais, e o estábulo que servia para proteger plebeus, o gado e os animais. Os romanos construíram também os balneários e as termas que ofereciam hospedaria para abrigar seus visitantes. A função principal era a utilização em festas comemorativas ou durante guerras. Entretanto, com a queda do Império Romano, segundo Pereira (2007), a vitória do Cristianismo e fixação dos germânicos em terras que anteriormente foram dos romanos, iniciava-se a idade média com marcante insegurança das estradas, mas que foi favorecida pelo primeiro guia de estradas de Charles Estiene em 1552 onde constava as instalações de hospedagem existentes. Segundo Andrade (2002), no final da Idade Média, na Europa, surgem as pousadas e as tabernas com cunho comercial; na medida em que o comércio aparecia e se consolidava nas cidades, as hospedagens eram instaladas e evoluíam de acordo com as necessidades de sua clientela. Nesse período também se registram mosteiros oferecendo hospedagem para os viajantes como forma de praticar a hospitalidade. De acordo com Pereira (2007), a década de 1980 foi, mundialmente, o período de maior incremento da hotelaria, já que houve criação diversificada dos tipos de hotéis, com início da profissionalização e desenvolvimento do setor, sendo o início do surgimento de estabelecimentos com fins também para convenções e eventos. 1.2 A atividade hoteleira no Brasil No Brasil, segundo Ribeiro (2011), o ato de hospedar pessoas remonta aos tempos da colônia, manifestado pela acolhida de viajantes por moradores locais. Nesse período, os viajantes se hospedavam nos casarões dos engenhos e fazendas, sendo muito comum famílias os receberem em suas casas, havendo, em muitas, o quarto de hóspede. Ainda nesse período, segundo a tradição cristã, os jesuítas e outras ordens religiosas recebiam pessoas nos conventos e mosteiros. No século XVII, também na cidade do Rio de Janeiro, começaram a surgir estalagens e casas de pasto que ofereciam refeições a preços fixos e quartos para dormir. Considera-se que esses empreendimentos foram embriões de futuros hotéis.

12 10 Em 1808, com a chegada da corte real portuguesa ao Rio de Janeiro e a abertura dos portos às nações amigas, houve um aumento do fluxo de pessoas e da demanda por alojamento, fazendo com que casas de pensão, hospedarias e tavernas abrissem suas portas aos viajantes e passassem a adotar a denominação de hotel. De acordo com a Confederação Nacional do Comércio (2005), com a aprovação da primeira lei de incentivos fiscais para construção de hotéis na cidade do Rio de Janeiro houve um grande incremento no setor. A partir de 1920 grandes construções de luxo na cidade do Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte, Porto Alegre e, logo a seguir, Salvador firmam-se com o surgimento de voos internacionais oriundos da Europa, América do Sul e Estados Unidos para o Brasil. Já na época atual, o governo, diante da necessidade de estruturação e controle da oferta de serviços destinada ao turismo, cria os dispositivos de lei e estabelece as condições de registro através do Decreto nº , de 15 de julho de 1980, que regulamenta dispositivos da Lei nº 6.505, de 13 de dezembro de 1977, referentes aos Meios de Hospedagem de Turismo, Restaurantes de Turismo e Acampamentos Turísticos ("Campings"). O decreto condiciona, em seu art. 5º, o registro das empresas ou entidades à comprovação de habilitação legal e condições técnico-operacionais, decorrentes da existência de recursos humanos e materiais adequados aos serviços a serem prestados. 1.3 Meios de Hospedagem De acordo com a redação do Art. 23 da Lei /2008 (Lei Geral do Turismo) que dispõe sobre a Política Nacional de Turismo, os meios de hospedagem são definidos como: (...) consideram-se meios de hospedagem os empreendimentos ou estabelecimentos, independentemente de sua forma de constituição, destinados a prestar serviços de alojamento temporário, ofertados em unidades de freqüência individual e de uso exclusivo do hóspede, bem como outros serviços necessários aos usuários, denominados de serviços de hospedagem, mediante adoção de instrumento contratual, tácito ou expresso, e cobrança de diária (BRASIL, 2008). A Portaria do Ministério do Turismo nº 100 de 16 de junho de 2011 que Institui o Sistema Brasileiro de Classificação de Meios de Hospedagem (SBClass) define no seu Art. 7º, Sessão III, os critérios de classificação dos meios de hospedagem, cria o Conselho Técnico Nacional de

13 11 Classificação de Meios de Hospedagem (CTClass) e dá outras providências. Tal portaria classifica os tipos de meios de hospedagem, com as respectivas características distintivas, a seguir: Hotel: estabelecimento com serviço de recepção, alojamento temporário, com ou sem alimentação, ofertados em unidades individuais e de uso exclusivo dos hóspedes, mediante cobrança de diária; Resort: hotel com infraestrutura de lazer e entretenimento que disponha de serviços de estética, atividades físicas, recreação e convívio com a natureza no próprio empreendimento; Hotel Fazenda: localizado em ambiente rural, dotado de exploração agropecuária, que ofereça entretenimento e vivência do campo; Cama e café: hospedagem em residência com no máximo três unidades habitacionais para uso turístico, com serviços de café da manhã e limpeza, na qual o possuidor do estabelecimento resida; Hotel histórico: instalado em edificação preservada em sua forma original ou restaurada, ou ainda que tenha sido palco de fatos histórico-culturais de importância reconhecida; Pousada: empreendimento de característica horizontal, composto de no máximo 30 unidades habitacionais e 90 leitos, com serviços de recepção, alimentação e alojamento temporário, podendo ser em um prédio único com até três pavimentos, ou contar com chalés ou bangalôs; Flat/Apart Hotel: constituído por unidades habitacionais que disponham de dormitório, banheiro, sala e cozinha equipada, em edifício com administração e comercialização integradas, que possua serviço de recepção, limpeza e arrumação. Com o crescimento do turismo no Brasil, houve um grande incremento na indústria da hotelaria no último século. De acordo com a Empresa Brasileira de Turismo (2014) com mostra dos dados do Conselho Mundial de Viagens e Turismo, o setor contribui com 9,2% do Produto Interno Bruto (PIB) no país, o que equivale a R$ 443,7 bilhões e coloca o país na sexta posição mundial. Na Bahia, o turismo destaca-se por esta ser um dos principais polos turísticos do país. Isto deve-se às suas praias, já que é o estado com o maior litoral do Brasil, com cerca de 932 quilômetros de costa atlântica, além de seus sítios históricos coloniais, suas belezas naturais e sua rica cultura. A capital do estado, Salvador, por sua vez, além das características acima relacionadas, ainda se destaca pelo carnaval local que atrai em torno de 2,7 milhões de foliões em cerca de

14 12 seis dias de festa. Dentre os seus pontos turísticos mais marcantes, podemos mencionar a Baía de Todos os Santos, o Farol da Barra, o Elevador Lacerda, o Mercado Modelo, o Pelourinho, entre outros. Para atender aos visitantes de todas as partes do mundo que chegam atraídos por toda essa diversidade cultural, segundo os dados da Secretaria de Turismo do Estado da Bahia (Setur), Salvador possui 406 meios de hospedagem oficialmente cadastrados. Dessa forma, a qualificação dos meios de hospedagem torna-se primordial para que possamos ter um segmento com a qualidade sanitária que atenda ao disposto nas legislações vigentes. Cabe então à vigilância sanitária desenvolver ações de promoção da saúde e prevenção de riscos e agravos nesse setor, seja através do trabalho fiscalizatório de controle sanitário de produtos e serviços de interesse da saúde, do gerenciamento de riscos e identificação de vulnerabilidades, de atividades de cunho educativo, além de promover a o trabalho integrado com outros órgãos e setores, tais como Superintendência de Meio Ambiente (SMA), Vigilância em Saúde Ambiental (Visamb), Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), Empresa de Limpeza Urbana do Salvador (Limpurb), além de empresas de turismo oficiais (município e estado). Assim, todas essas ações desenvolvidas visam, através da aplicação de instrumentos legais, avaliar e regularizar os meios de hospedagem da cidade de Salvador em relação aos aspectos sanitários (conforme Figura 1), abrangendo todos seus seguimentos e contribuindo para melhorar a qualidade dos produtos e serviços ofertados pelo setor a fim de minimizar riscos para a população, trabalhadores e ambiente em geral. Figura 1 - Aspectos Sanitários em Meios de Hospedagem Segurança do trabalho Segurança contra-incêndio Climatização Resíduos Segurança de estruturas e instalações Meios de Hospedagem Controle de pragas Roupari a Higienização Alimentação Água para consumo Água de piscina

15 13 A proposta deste trabalho visa desenvolver um instrumento para realizar a avaliação das condições higiênico-sanitárias, tanto de ordem estruturais quanto funcionais dos meios de hospedagem considerando o disposto nas legislações sanitárias vigentes. Silva (2007), resgata a reflexão de Milton Santos de que ao fazemos meras associações comparativas estamos passíveis de erros nas nossas análises. Reforçando principalmente sobre o erro que pode surgir quando despreza-se a história das relações e avalia-se somente o lugar, o estabelecimento físico instituído. O que poderíamos construir em um meio de hospedagem estruturalmente perfeito, onde as práticas são operadas por sujeitos que derivam as ações humanas e que, consequentemente, impactam no serviço oferecido? Dessa forma tem-se como claro que a sistematização dos procedimentos da VISA, atrelado à educação sanitária, constitui o núcleo central dessa proposta.

16 14 2. JUSTIFICATIVA Justifica-se a ação da VISA na regulação dos meios de hospedagem tendo em vista o caráter turístico da cidade, onde a incipiência da prestação de serviços do setor pode gerar riscos sanitários, tornando-se fontes de transmissão e desenvolvimento de doenças. A avaliação dos meios de hospedagem se apresenta como um instrumento para o processo de gerenciamento de riscos, considerando os princípios da promoção da saúde e prevenção de riscos e agravos nos quais é pautado o trabalho da VISA, que lhe conferem a responsabilidade de cuidar da saúde dos indivíduos que utilizam os serviços, dos trabalhadores dos estabelecimentos, do ambiente, infraestrutura e dos impactos externos gerados pela atividade como o caso de resíduos e impacto ambiental. Os benefícios pretendidos com esse projeto aplicativo junto ao setor hoteleiro envolvem a otimização do fluxo das inspeções realizadas pela VISA, já que o setor regulado terá previamente conhecimento do instrumento de controle constituído de uma lista de verificação. A utilização objetiva trará segurança aos pontos de maior risco de transmissão de doenças e consequentemente maior eficiência no tempo de inspeção, otimização do número de profissionais, insumos e recursos em geral levando a maior qualificação e quantidade das ações realizadas. Atrelando-se ao exposto pretende-se melhor entendimento do setor regulado quanto às suas reais responsabilidades na oferta de serviço seguro no âmbito sanitário.

17 15 3. OBJETIVOS 3.1. Geral Controlar e minimizar os riscos sanitários nos meios de hospedagem, através da criação e aplicação de instrumento específico de controle em atendimento à legislação vigente Específicos 1. Criar e aplicar um instrumento específico de controle através de uma lista de verificação, composta de um conjunto de condutas, capaz de promover o controle dos riscos através de verificação sistemática pelo próprio setor e por fiscais da VISA. 2. Sistematizar os procedimentos da VISA em meios de hospedagem. 3. Diagnosticar a situação sanitária dos meios de hospedagem. 4. Realizar ações educativas em vigilância sanitária nos meios de hospedagem.

18 16 4. METODOLOGIA O início da elaboração do projeto contou com uma visualização inicial da falta de legislação específica para meios de hospedagem na cidade do Salvador, além disso, identificou-se a total viabilidade da implantação do mesmo diante de uma cidade de grande intensidade turística. Diante disso a metodologia utilizada propõe situações acessíveis para manejo. O projeto será realizado no período previsto de dois anos. O cronograma das atividades a serem desenvolvidas encontra-se descrito no anexo 6. As etapas previstas para alcançar os objetivos mencionados são relatadas abaixo. 4.1 Caracterização do Estudo. Trata-se de estudo exploratório e descritivo a ser realizado pelos técnicos da vigilância sanitária da cidade do Salvador, com o segmento de meios de hospedagem, no período de dois anos, entre março/2014 a fevereiro/ Elaboração de um instrumento específico de controle para sistematização das inspeções sanitárias, bem como para uso em auto avaliação pelo setor regulado. O instrumento foi elaborado durante as atividades finais do Curso de Especialização, contemplando aspectos documentais, estrutura física, processo de trabalho, saúde do trabalhador. O documento tem encadeamento por área de atividade dentro do meio de hospedagem. 4.3 Levantamento numérico dos meios de hospedagem existentes na cidade do Salvador. O levantamento norteará o planejamento das atividades educativas, bem como das atividades de inspeção sanitária, visto que o conhecimento de número real dos meios de hospedagem alcançará um aumento da inserção das atividades da VISA neste segmento. As ações terão maior especificidade ao ter-se como agrupar estabelecimentos com portes e características diferentes. Os distritos sanitários (DS) envolvidos serão nessa etapa do projeto: Boca do Rio, Barra Rio Vermelho, Centro Histórico, Itapagipe, Itapuã e Liberdade. Serão realizados dois levantamentos distintos, a saber:

19 17 Realização do levantamento do número e tipos de meios de hospedagem através do banco de dados da VISA Salvador. Levantamento secundário de banco de dados da Sefaz dos estabelecimentos sem registros na VISA. 4.4 Realização de seminários de educação em boas práticas sanitárias em meios de hospedagem para capacitação do setor, envolvendo proprietários e profissionais da área, por distrito sanitário. Os seminários serão atividades de educação em VISA, onde serão discutidas as boas práticas sanitárias nos meios de hospedagem. A metodologia a ser desenvolvida será ativa, com culminância na exploração do instrumento a ser trabalhado nas inspeções pelos fiscais e na auto aplicação. A discussão e a troca dos saberes serão norteadores dos princípios para adesão e alcance dos objetivos. 4.5 Implantação do instrumento específico de controle nos meios de hospedagem durante as visitas técnicas da VISA. Implantação do instrumento durante as inspeções da VISA pelos fiscais de controle sanitário (FCS), com concomitante orientação do representante do setor regulado para preenchimento nos momentos de auto aplicação. 4.6 Monitoramento da implantação das boas práticas sanitárias através das ações da VISA realizadas nos meios de hospedagem. Será realizado acompanhamento através dos sistemas de informação instalados na VISA: SALUS e planilhas do excel para visualização rápida e extração de dados. Fará parte desse acompanhamento as atividades de inspeção realizadas pelos fiscais de controle sanitário. 4.7 Análise estatística dos dados e divulgação dos resultados.

20 18 Os dados serão tabulados após término de cada mês, com finalização com sessenta dias após a conclusão da data prevista, iniciando o processo de análise. A divulgação iniciará dentro de cada distrito sanitário, envolvendo os atores participantes dos meios de hospedagem, sendo à seguir encaminhado à sub coordenação em VISA.

21 19 5. RECURSOS NECESSÁRIOS REFERENTES AO PROJETO Serão necessários recursos humanos para desenvolvimento das atividades, tais como: fiscais de controle sanitário da VISA municipal, auxiliar administrativo. Além disso, para execução é necessária a aquisição de equipamentos de informática, materiais de expediente (consumo) e local dotado de equipamento para projeção (data show), sonorização e microfone. Os recursos encontram-se listados em anexos.

22 20 6. INDICADORES DE AVALIAÇÃO Rouquayrol (1993) define os indicadores de saúde como: Indicadores de saúde são parâmetros utilizados internacionalmente com o objetivo de avaliar, sob o ponto de vista sanitário, a higidez de agregados humanos, bem como fornecer subsídios aos planejamentos de saúde, permitindo o acompanhamento das flutuações e tendências históricas do padrão sanitário de diferentes coletividades consideradas à mesma época ou da mesma coletividade em diversos períodos de tempo (ROUQUAYROL, 1993). Tratando-se especificamente da VISA, observa-se a pouca utilização dos indicadores para permear as ações em seus planejamentos. Destaca-se a possibilidade de inúmeros elementos construtores de indicadores para o projeto aplicativo em meios de hospedagem. Como seguem: Tabela 1 - Indicadores utilizados Percentual dos tipos de meios de hospedagem (MH) em Salvador Nº de meios de hospedagem cadastrados x 100 Nº de tipo de MH (hotéis, motéis, albergues, pousadas, resorts, apart hotéis) Percentual dos MH que foram capacitados em boas práticas sanitárias pela VISA Nº de meios de hospedagem cadastrados x 100 Nº de MH participantes da capacitação Percentual dos MH com alvará sanitário regular perante a VISA anterior a capacitação Nº de meios de hospedagem cadastrados x 100 Nº de MH com alvará sanitário regular perante a VISA anterior a capacitação Percentual dos MH com alvará sanitário regular perante a VISA posterior a capacitação Nº de meios de hospedagem cadastrados x 100 Nº de MH com alvará sanitário regular perante a VISA posterior a capacitação Percentual dos MH que tiveram implantação de instrumento específico Nº de meios de hospedagem cadastrados x 100 Nº de MH que aceitaram a implantação do instrumento específico

23 21 Percentual dos MH com alvará sanitário regular perante a VISA com instrumento específico implantado Nº de meios de hospedagem cadastrados x 100 Nº de MH com alvará sanitário regular com instrumento específico implantado Percentual dos MH com alvará sanitário regular perante a VISA anterior a implantação do instrumento específico Nº de meios de hospedagem cadastrados x 100 Nº de MH com alvará sanitário regular perante a Visa anterior a implantação do instrumento Média do nº de irregularidades sanitárias (IS) notificadas nos MH anterior a implantação do instrumento Nº de IS notificadas anterior a implantação do instrumento Nº de MH Média do nº de irregularidades sanitárias (IS) notificadas nos MH um ano após a aplicação do instrumento Nº de IS notificadas nos MH anterior a implantação do instrumento Nº de MH A utilização dos indicadores propostos visa melhor entendimento e visualização das ações da VISA nos MH para otimização dos resultados na mudança do perfil sanitário nos meios de hospedagem da cidade do Salvador. Ajustar tempo, recurso material e humano tornase mais possível quando as análises podem ser parceiras.

24 22 7. RESULTADOS E DISCUSSÃO Durante o período de out/2013 a maio/2014 aplicou-se o instrumento específico de controle criado para nortear as condutas de inspeção em 52 meios de hospedagens de diversas categorias (albergues, pousadas, hotéis, motéis, apart hotel), nos distritos sanitários Barra Rio Vermelho, Boca do Rio, Centro Histórico, Itapagipe, Itapuã e Liberdade. Foram disponibilizados os instrumentos específicos de controle para os meios de hospedagem inspecionados após os mesmos acompanharem as inspeções realizadas com o uso do referido instrumento. Considerando-se o processo de expansão da indústria hoteleira, inclusive em áreas consideradas não turísticas, observa-se que os meios de hospedagem atendem a diferentes segmentos, desde turistas até à população da cidade, em áreas de periferia e centro, a exemplo de hotéis de alta rotatividade. Vale ressaltar que o segmento atende a outros propósitos, a saber: convenções, congressos, espetáculos e outros eventos. Com o projeto aplicativo proposto sugere-se a adequação dos meios de hospedagem às exigências legais. Espera-se a padronização da ação de fiscalização sistematicamente com uso de instrumento específico, inicialmente com os distritos sanitários relatados anteriormente e com expansão aos demais distritos da cidade do Salvador. Atualmente o projeto se encontra em fase de discussão dos resultados para implantar a etapa seguinte prevista, com posterior utilização do instrumento em todos os distritos sanitários com avaliação do resultado de minimização dos riscos. Como mediador desse processo tem-se o desenvolvimento de ações educativas em VISA, com oferta de informações e consequente monitoramento. À partir do estudo da quantidade e da qualidade sanitária dos meios de hospedagem do Salvador é possível transformar o perfil destes, objetivando uma capital turística onde o serviço hoteleiro seja especialmente seguro, especialmente com a prática da educação em vigilância sanitária, elemento desse projeto, com oferecimento de informações. E cabe a indagação, os meios de hospedagem exercem efeito positivo para incremento do turismo local ou vice versa? O certo é que percebe-se que eles favorecem o processo de alteração da sociedade com mudanças na economia, nas relações entre as pessoas e o ambiente, num movimento ondular que nada tem de imóvel.

25 23 8. CONSIDERAÇÕES FINAIS As atividades desenvolvidas durante a elaboração do projeto aplicativo em grupo mostrou-se intensa na descoberta de novos rumos. O grupo participante, heterogêneo em formação e atividades profissionais, balanceou-se no intuito de alcançar o objetivo proposto de controlar e minimizar os riscos sanitários nos meios de hospedagem, através de criação e aplicação de instrumento específico. A criação e aplicação do instrumento em seis distritos sanitários distintos fez com que os profissionais da VISA tivessem contato e propriedade do quão interessante é essa prática transformadora, com aplicação pelos fiscais da VISA e auto aplicação pelo próprio setor regulado. Tal prática, somente poderá ser alcançada, se as primícias desse projeto, a educação em vigilância sanitária, forem instituídas no segmento. Necessário se faz a uniformização das ações da VISA Salvador para alcance de resultados adequados ao padrão sanitário dos meios de hospedagem da cidade. Entretanto, cabe ainda ajustes no banco de dados da VISA para que a organização das etapas seguintes, previamente planejadas, sejam alcançadas, o que consta de etapa posterior do projeto aplicativo. Concluindo com o filósofo Theodor Adorno: Só o astucioso entrelaçamento de trabalho e felicidade deixa aberta, debaixo da pressão da sociedade, a possibilidade de uma experiência propriamente dita. Que os princípios básicos do SUS permeiem sempre as atividades da VISA, ora tranquila, ora sob pressão, mas com atendimento a todos os cidadãos.

26 24 REFERÊNCIAS ANDRADE, Nelson. Hotel: planejamento e projeto. São Paulo: Editora SENAC, BRASIL. Ministério do Turismo. Lei nº DE 17 DE SETEMBRO DE Dispõe sobre a Política Nacional de Turismo, define as atribuições do Governo Federal no planejamento, desenvolvimento e estímulo ao setor turístico; revoga a Lei n o 6.505, de 13 de dezembro de 1977, o Decreto-Lei n o 2.294, de 21 de novembro de 1986, e dispositivos da Lei n o 8.181, de 28 de março de 1991; e dá outras providências. BRASIL. Ministério da saúde. Lei 8080 de 19 de setembro de Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. BRASIL. ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária. RESOLUÇÃO RDC Nº 216 de 16 de setembro de Dispõe sobre regulamento técnico de Boas Práticas para serviços de alimentação. BRASIL. ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária. RESOLUÇÃO RDC Nº 52 de 22 de outubro de Dispõe sobre o funcionamento de empresas especializadas na prestação de serviço de controle de vetores e pragas urbanas e dá outras providências. BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 3.523/GM, de 28 de agosto de Aprova Regulamento Técnico contendo medidas básicas referentes aos procedimentos de verificação visual dos procedimentos de limpeza, remoção de sujidades por métodos físicos e manutenção do estado de integridade e eficiência de todos os componentes dos sistemas de climatização, para garantir a qualidade do ar interior e prevenção de riscos à saúde dos ocupantes de ambientes climatizados. BRASIL. Presidência da República. Decreto /80 de 15 de julho de Regulamenta dispositivos da Lei nº de 13 de dezembro de 1977, referentes aos Meios de Hospedagem de Turismo, Restaurantes de Turismo e Acampamentos Turísticos ("Campings"). BRASIL. Ministério do Turismo. Portaria número 100, de 16 de junho de Institui o Sistema Brasileiro de Classificação de Meios de Hospedagem (SBClass), estabelece o critério de classificação destes, cria um Conselho Técnico nacional de Classificação de Meios de Hospedagem (CTClass) e da outras providências. BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. LEI Nº , DE 2 DE AGOSTO DE Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei 9.605, de 12 de fevereiro de 1998 e dá outras providências. CONFEDERAÇÃO NACIONAL DO COMÉRCIO. Breve História do Turismo e da Hotelaria - Confederação Nacional do Comércio, Conselho de Turismo. Rio de Janeiro, OLIVEIRA, N.A., CAMARGO, L.O.L. Riscos em Meios de Hospedagem. Turydes Revista de Investigación em Turismo y Desarrollo Local. Vol. 04, nº 10. Disponível na internet Acessado em 29/04/2014

*RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009

*RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009 *RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009 O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor, e CONSIDERANDO o Decreto Municipal

Leia mais

Sistema Brasileiro de Classificação de Meios de Hospedagem (SBClass) MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL

Sistema Brasileiro de Classificação de Meios de Hospedagem (SBClass) MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL Sistema Brasileiro de Classificação de Meios de Hospedagem (SBClass) MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL Este manual tem por finalidade padronizar o uso da Marca de Classificação dos Meios de Hospedagem por estabelecimentos

Leia mais

O SISTEMA BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM E A HOTELARIA NO BRASIL

O SISTEMA BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM E A HOTELARIA NO BRASIL O SISTEMA BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM E A HOTELARIA NO BRASIL Anna Carolina do Carmo Castro Larissa Mongruel Martins de Lara RESUMO: O presente estudo tem por objetivo explicar a

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM HOTEIS E MOTEIS

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM HOTEIS E MOTEIS SUPERINTEDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERENCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL E SAÚDE DO TRABALHADOR COORDERNAÇÃO DE FISCALIZAÇÃO DE AMBIENTES E SAÚDE DO TRABALHADOR Av. Anhanguera, nº 5.195 Setor Coimbra

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS.

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS. RESOLUÇÃO.../SESA/PR O Secretário Estadual de Saúde, no uso de suas atribuições legais e: CONSIDERANDO a Portaria nº 326/1997/SVS/MS, a Resolução RDC nº275/2002, a Resolução RDC nº 216/2004, da ANVISA,

Leia mais

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO MINISTÉRIO DO TURISMO Ministro do Turismo Pedro Novais Lima Secretário Executivo Frederico Silva da Costa Secretário Nacional de Programas de Desenvolvimento do Turismo Colbert Martins da Silva Filho Secretária

Leia mais

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO. Coordenação Geral Rosiane Rockenbach

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO. Coordenação Geral Rosiane Rockenbach MINISTÉRIO DO TURISMO Ministro do Turismo Luiz Eduardo Barretto Filho Secretaria Executiva Secretaria Nacional de Programas de Desenvolvimento do Turismo Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Diretor

Leia mais

RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13)

RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13) RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13) O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE, usando da atribuição que lhe confere o Art. 45, Inciso XIV, da Lei Estadual nº 8.485

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013.

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013. SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013. BOAS PRÁTICAS PARA COMÉRCIO AMBULANTE DE ALIMENTOS A Secretaria do

Leia mais

adota a seguinte Resolução de Diretoria Colegiada e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação:

adota a seguinte Resolução de Diretoria Colegiada e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação: Resolução - RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002(*) Republicada no D.O.U de 06/11/2002 Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Procedimentos Operacionais Padronizados aplicados aos Estabelecimentos Produtores/Industrializadores

Leia mais

FARMÁCIAS E DROGARIAS

FARMÁCIAS E DROGARIAS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE FARMÁCIAS E DROGARIAS Nome Fantasia: Razão Social: Endereço: Responsável Técnico: CRF: Telefone: CNPJ: Secretaria Municipal de Saúde de Feira de Santana - Av. João Durval

Leia mais

Art. 1º - O artigo 104 do Decreto Estadual nº 31.455, de 20 de fevereiro de 1987, passa a vigorar com a seguinte redação:

Art. 1º - O artigo 104 do Decreto Estadual nº 31.455, de 20 de fevereiro de 1987, passa a vigorar com a seguinte redação: DECRETO Nº 2, DE 8 DE JANEIRO DE 2015. Altera e acresce dispositivos ao Decreto nº 31.455, de 1987, que regulamenta os arts. 30 e 31 da Lei nº 6.320, de 20 de dezembro de 1983, que dispõem sobre alimentos

Leia mais

DISTRIBUIDORA DE COSMÉTICOS

DISTRIBUIDORA DE COSMÉTICOS 1. Identificação do Estabelecimento Razão Social: Nome Fantasia: CNPJ: Endereço: Bairro: Município: CEP: Fone: Fax: E-mail: Responsável Legal: CPF: Responsável Técnico: CPF: CR : 2. Inspeção Data: Objetivo:

Leia mais

ROTEIRO PARA AUTO INSPEÇÃO

ROTEIRO PARA AUTO INSPEÇÃO Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Vigilância em Saúde Gerência de Produtos e Serviços de Interesse da Saúde Subgerência de Produtos Para a Saúde, Saneantes Domissanitários e Cosméticos Roteiro

Leia mais

FPI PROGRAMA DE FISCALIZAÇÃO PREVENTIVA INTEGRADA TERMO DE RESPONSABILIDADE E COMPROMISSO PROVIDÊNCIAS NECESSÁRIAS PARA REALIZAÇÃO DE EVENTOS

FPI PROGRAMA DE FISCALIZAÇÃO PREVENTIVA INTEGRADA TERMO DE RESPONSABILIDADE E COMPROMISSO PROVIDÊNCIAS NECESSÁRIAS PARA REALIZAÇÃO DE EVENTOS PROVIDÊNCIAS NECESSÁRIAS PARA REALIZAÇÃO DE EVENTOS Em atendimento à determinação da Juíza de Direito e Diretora do Foro do Juizado da Infância e Adolescência Portaria Nº005/2003/COORD/JIA, a equipe constituída

Leia mais

R E S O L V E: II - O Item 1.5 é revogado, uma vez que não haverá PROVA PRÁTICA, pois não há Lei Municipal que discipline a mesma.

R E S O L V E: II - O Item 1.5 é revogado, uma vez que não haverá PROVA PRÁTICA, pois não há Lei Municipal que discipline a mesma. CONCURSO PÚBLICO N 001/20 EDITAL COMPLEMENTAR Nº 02/20 DISPÕE SOBRE A RETIFICAÇÃO DO EDITAL DO CONCURSO PÚBLICO N 001/20, DE 11 DE MARÇO DE 20, ATRAVÉS DO EDITAL COMPLEMENTAR N 02/20, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

PROBLEMAS SANITÁRIOS NA PRÁTICA

PROBLEMAS SANITÁRIOS NA PRÁTICA PROBLEMAS SANITÁRIOS NA PRÁTICA Dr. Alessandro Vieira De Martino Farmacêutico Bioquímico CRF 33754 Formado no curso de Farmácia e Bioquímica pela Universidade Bandeirante de São Paulo UNIBAN Pós-Graduado

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO PUBLICADO NO DOMP Nº 578 DE: 1º/08/2012 PÁG: 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS DECRETO Nº 293, DE 31 DE JULHO DE 2012 Dispõe sobre as normas sanitárias para o funcionamento das lavanderias em geral, de

Leia mais

O ISS dos Serviços de Hospedagem

O ISS dos Serviços de Hospedagem O ISS dos Serviços de Hospedagem Definição de Hospedagem A Lei Federal n. 11.771/2008, que dispõe sobre a Política Nacional de Turismo, define como meios de hospedagem os empreendimentos ou estabelecimentos,

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO PARA AVALIAÇÃO DA ESTRUTURA FÍSICA DAS INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS

ROTEIRO DE INSPEÇÃO PARA AVALIAÇÃO DA ESTRUTURA FÍSICA DAS INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS I IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO Nome: Endereço: AP: Nome Fantasia: Inscrição Municipal: Nº do Processo: CNPJ: Tipo de Serviço: ( ) Municipal ( ) Filantrópico ( ) Conveniado SUS RJ ( ) Privado ( ) Estadual

Leia mais

GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 100, DE 16 DE JUNHO DE 2011

GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 100, DE 16 DE JUNHO DE 2011 GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 100, DE 16 DE JUNHO DE 2011 Institui o Sistema Brasileiro de Classificação de Meios de Hospedagem (SBClass), estabelece os critérios de classificação destes, cria o Conselho

Leia mais

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO. Coordenação Geral Rosiane Rockenbach

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO. Coordenação Geral Rosiane Rockenbach MINISTÉRIO DO TURISMO Ministro do Turismo Luiz Eduardo Barretto Filho Secretaria Executiva Secretaria Nacional de Programas de Desenvolvimento do Turismo Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Diretor

Leia mais

ROTEIRO PARA INSPEÇÃO SANITÁRIA EM COMUNIDADES TERAPÊUTICAS PARA DEPENDENTES DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS

ROTEIRO PARA INSPEÇÃO SANITÁRIA EM COMUNIDADES TERAPÊUTICAS PARA DEPENDENTES DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS ESPECIFICIDADES DO SERVIÇO Data de início das atividades: Cadastro em entidades associativas e/ou federativas Não Sim Especificar: Prestação de serviço Contrato Convênio Especificar: Outros financiamentos

Leia mais

WebSite da Vigilância Sanitária

WebSite da Vigilância Sanitária Página 1 de 5 SERVIÇOS MAIS ACESSADOS: Selecione um Serviço Página Principal Quem somos Regularize sua Empresa Roteiros Denúncias e Reclamações Vigilância e Fiscalização Sanitária em Indústrias de Alimentos

Leia mais

REDE CARIOCA DE ANFITRIÕES CARTA DE COMPROMISSO

REDE CARIOCA DE ANFITRIÕES CARTA DE COMPROMISSO REDE CARIOCA DE ANFITRIÕES CARTA DE COMPROMISSO Esta Carta de Compromisso expressa o propósito de seus signatários anfitriões cariocas e os agentes profissionais que os representam de oferecer hospedagem

Leia mais

A - IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA

A - IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA ANEXO II REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DEPARTAMENTO DE FISCALIZAÇÃO DE INSUMOS PECUÁRIOS ROTEIRO DE INSPEÇÃO DAS BOAS

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA- UNESP Prof. Msc. Francisco Nascimento Curso de Turismo 5º Semestre Disciplina Meios de Hospedagem.

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA- UNESP Prof. Msc. Francisco Nascimento Curso de Turismo 5º Semestre Disciplina Meios de Hospedagem. UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA- UNESP Prof. Msc. Francisco Nascimento Curso de Turismo 5º Semestre Disciplina Meios de Hospedagem 1º Semestre 2013 O Cadastur Registro Hotel, Hotel histórico, hotel de lazer/resort,

Leia mais

ANEXO 3 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES

ANEXO 3 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES ANEXO 3 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES Data da vistoria: / / A CADASTRO

Leia mais

Formalização do Funcionamento de. Nutrição. Profª. Mônica de Caldas Rosa dos Anjos

Formalização do Funcionamento de. Nutrição. Profª. Mônica de Caldas Rosa dos Anjos Formalização do Funcionamento de Unidades de Alimentação e Nutrição Profª. Mônica de Caldas Rosa dos Anjos A sobrevivência de agrupamentos humanos está diretamente relacionada à existência de objetivos

Leia mais

Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários.

Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários. Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários. Nº PROCESSO REQUERIMENTO RAZÃO SOCIAL IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO NOME DE FANTASIA NÚMERO DO CNPJ NÚMERO ÚLTIMO

Leia mais

NR 24 CONDIÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO

NR 24 CONDIÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO NR 24 CONDIÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO Cassius Marcellus Zomignani Departamento Sindical - DESIN NORMA REGULAMENTADORA 24 A Norma Regulamentadora 24 do Ministério do Trabalho e

Leia mais

TERMO DE RESPONSABILIDADE E COMPROMISSO

TERMO DE RESPONSABILIDADE E COMPROMISSO NOME DO EVENTO OU FESTA: LOCAL: DATA: TERMO DE RESPONSABILIDADE E COMPROMISSO RESPONSÁVEL PELA ORGANIZAÇÃO: ENDEREÇO PARA CORRESPONDÊNCIACIDADE: FONE: CPF: ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS A SEREM SEGUIDOS

Leia mais

Uma arte que deve andar lado a lado com a saúde. Secretaria de Saúde de Vila Velha Vigilância Sanitária

Uma arte que deve andar lado a lado com a saúde. Secretaria de Saúde de Vila Velha Vigilância Sanitária Uma arte que deve andar lado a lado com a saúde. Secretaria de Saúde de Vila Velha Vigilância Sanitária objetivo Este manual estabelece os critérios de higiene e de boas práticas operacionais para o controle

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM COZINHAS MILITARES E SERVIÇO DE APROVISIONAMENTO

LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM COZINHAS MILITARES E SERVIÇO DE APROVISIONAMENTO ANEXO II LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM COZINHAS MILITARES E SERVIÇO DE APROVISIONAMENTO A - IDENTIFICAÇÃO DA OM 1-NOME 2- TELEFONE: 3- ENDEREÇO : 4- E- MAIL: 5- BAIRRO : 6- CIDADE

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio!

BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio! BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio! Dra. Marlise Potrick Stefani, MSc Nutricionista Especialista e Mestre em Qualidade, Especialista em Alimentação Coletiva

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE IDENTIFICAÇÃO DAS PRINCIPAIS CONDIÇÕES DAS ÁREAS DE VIVÊNCIA DOS CANTEIROS DE OBRA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NO ESTADO DA BAHIA.

QUESTIONÁRIO DE IDENTIFICAÇÃO DAS PRINCIPAIS CONDIÇÕES DAS ÁREAS DE VIVÊNCIA DOS CANTEIROS DE OBRA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. QUESTIONÁRIO DE IDENTIFICAÇÃO DAS PRINCIPAIS CONDIÇÕES DAS ÁREAS DE VIVÊNCIA DOS CANTEIROS DE OBRA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. O presente trabalho é resultado de um consenso estabelecido

Leia mais

ANÁLISE DAS ADPTAÇÕES NA ACESSIBILIDADE NOS MEIOS DE HOSPEDAGENS DE FOZ DO IGUAÇU

ANÁLISE DAS ADPTAÇÕES NA ACESSIBILIDADE NOS MEIOS DE HOSPEDAGENS DE FOZ DO IGUAÇU ANÁLISE DAS ADPTAÇÕES NA ACESSIBILIDADE NOS MEIOS DE HOSPEDAGENS DE FOZ DO IGUAÇU Andriélle Pereira de Oliveira 1 RESUMO As normas de acessibilidade nos meios de hospedagens de Foz do Iguaçu são constituídas

Leia mais

O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais,

O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, DECRETO N.º 23915, DE 13 DE JANEIRO DE 2004 DISPÕE SOBRE O LICENCIAMENTO SANITÁRIO A QUE ESTÃO SUJEITOS OS SALÕES DE CABELEIREIROS, OS INSTITUTOS DE BELEZA, ESTÉTICA, PODOLOGIA E ESTABELECIMENTOS CONGÊNERES;

Leia mais

Instituto de Responsabilidade Social Sírio-Libanês AÇÕES SUSTENTÁVEIS DO HOSPITAL GERAL DO GRAJAÚ

Instituto de Responsabilidade Social Sírio-Libanês AÇÕES SUSTENTÁVEIS DO HOSPITAL GERAL DO GRAJAÚ Instituto de Responsabilidade Social Sírio-Libanês AÇÕES SUSTENTÁVEIS DO HOSPITAL GERAL DO GRAJAÚ Autores: Raphaella Rodrigues de Oliveira Gerente de Hotelaria; Rafael Saad Coordenador Administrativo.

Leia mais

1 Documentação 1.1 S N NA

1 Documentação 1.1 S N NA PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE COORDEDORIA GERAL DE VIGILÂNCIA DA SAÚDE EQUIPE DE CONTROLE E VIGILÂNCIA DE SERVIÇOS DE SAÚDE versão Maio/2011 ROTEIRO DE INSPEÇÃO PARA

Leia mais

MUNICÍPIO DE PENAMACOR REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL. Preâmbulo

MUNICÍPIO DE PENAMACOR REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL. Preâmbulo MUNICÍPIO DE PENAMACOR REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL Preâmbulo O novo Regime Jurídico de Instalação, Exploração e Funcionamento dos Empreendimentos Turísticos, aprovado

Leia mais

CARTILHA DE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS

CARTILHA DE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS CARTILHA DE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS Departamento de Vigilância Sanitária Setor de Fiscalização de Alimentos Introdução De acordo com a publicação da Organização Mundial da Saúde (OMS), mais de 60% dos

Leia mais

Atualizada.: 20/08/2013 BAIXA COMPLEXIDADE

Atualizada.: 20/08/2013 BAIXA COMPLEXIDADE BAIXA COMPLEXIDADE Atualizada.: 20/08/2013 OUTROS ANEXO 1 B Depósito de produtos não relacionados à saúde; Estação rodoviária; veículo de transporte coletivo interestadual com banheiro (ônibus); Academias

Leia mais

Resolução RDC nº 52/2009 - SERVIÇO CONTROLE DE PRAGAS (DEDETIZAÇÃO) - FUNCIONAMENTO - NOVAS REGRAS - ADEQUAÇÃO EM 180 DIAS

Resolução RDC nº 52/2009 - SERVIÇO CONTROLE DE PRAGAS (DEDETIZAÇÃO) - FUNCIONAMENTO - NOVAS REGRAS - ADEQUAÇÃO EM 180 DIAS Resolução RDC nº 52/2009 - SERVIÇO CONTROLE DE PRAGAS (DEDETIZAÇÃO) - FUNCIONAMENTO - NOVAS REGRAS - ADEQUAÇÃO EM 180 DIAS Resolução - RDC nº 52, de 22 de outubro de 2009 Dispõe sobre o funcionamento de

Leia mais

SÍNTESE: PESQUISA DE MEIOS DE HOSPEDAGEM IBGE

SÍNTESE: PESQUISA DE MEIOS DE HOSPEDAGEM IBGE SÍNTESE: PESQUISA DE MEIOS DE HOSPEDAGEM IBGE Divisão de Informações e Estudos Estratégicos do Turismo Secretaria do Turismo Governo do Estado do Rio Grande do Sul Agosto 2013 EQUIPE TÉCNICA Governador

Leia mais

Atualizada.: 19/04/2012 ANEXO 1 E

Atualizada.: 19/04/2012 ANEXO 1 E COORDENADORIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA E AMBIENTAL MEDIA COMPLEXIDADE ANEXO 1 E Ótica; Creches; Instituições de longa permanência para idosos; Instituições que prestem serviços de atenção a pessoas com

Leia mais

NR 24 - INSTALAÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO

NR 24 - INSTALAÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO NR 24 - INSTALAÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO 24.1 Instalações Sanitárias 24.1.1 Todo estabelecimento deve ser dotado de instalações sanitárias, constituídas por vasos sanitários,

Leia mais

BRASIL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE DOIS LAJEADOS LEI MUNICIPAL Nº 460/95

BRASIL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE DOIS LAJEADOS LEI MUNICIPAL Nº 460/95 BRASIL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE DOIS LAJEADOS LEI MUNICIPAL Nº 460/95 INSTITUI O PROGRAMA MUNICIPAL DE INCENTIVO A CONSTRUÇÃO OU AMPLIA- ÇÃO DE EDIFICAÇÃO COM FINALIDADE HOTELEIRA,

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE DISPENSAÇÃO PARA FARMÁCIA E DROGARIA RESOLUÇÃO Nº 328, DE 22 DE JULHO DE 1999

BOAS PRÁTICAS DE DISPENSAÇÃO PARA FARMÁCIA E DROGARIA RESOLUÇÃO Nº 328, DE 22 DE JULHO DE 1999 RESOLUÇÃO Nº 328, DE 22 DE JULHO DE 1999 Dispõe sobre requisitos exigidos para a dispensação de produtos de interesse à saúde em farmácias e drogarias. BOAS PRÁTICAS DE DISPENSAÇÃO PARA FARMÁCIA E DROGARIA

Leia mais

ASSUNTO: Vigilância Sanitária e Ambiental em Carro Pipa

ASSUNTO: Vigilância Sanitária e Ambiental em Carro Pipa NOTA TÉCNICA Nº 01/2014 ASSUNTO: Vigilância Sanitária e Ambiental em Carro Pipa O Carro-pipa é um veículo transportador que fornece água para consumo humano, classificado como uma solução alternativa coletiva

Leia mais

DIVISÃO DE INFORMAÇÕES E ESTUDOS ESTRATÉGICOS DO TURISMO

DIVISÃO DE INFORMAÇÕES E ESTUDOS ESTRATÉGICOS DO TURISMO DIVISÃO DE INFORMAÇÕES E ESTUDOS ESTRATÉGICOS DO TURISMO RELATÓRIO DIEE: GUIA MEIOS DE HOSPEDAGEM RS Porto Alegre Agosto, 2012 FICHA TÉCNICA Diretora do Departamento de Desenvolvimento do Turismo Maria

Leia mais

INSPEÇÃO EM CLINICAS E CONSULTÓRIOS MÉDICOS I- DADOS CADASTRAIS

INSPEÇÃO EM CLINICAS E CONSULTÓRIOS MÉDICOS I- DADOS CADASTRAIS Prefeitura Municipal do Salvador Secretaria Municipal da Saúde Coordenadoria de Saúde Ambiental Subcoordenadoria de Vigilância Sanitária INSPEÇÃO EM CLINICAS E CONSULTÓRIOS MÉDICOS Razão Social: CGC/CNPJ/CPF:

Leia mais

PUBLICADA NO DOC EM 26/JUN/2015 - Página 56

PUBLICADA NO DOC EM 26/JUN/2015 - Página 56 PUBLICADA NO DOC EM 26/JUN/2015 - Página 56 Aviso - Consulta Pública nº 002/2015 - COVISA São Paulo, 23 de junho de 2015. O Secretário Municipal de Saúde, no uso das atribuições que lhe são conferidas

Leia mais

Coleção Cadernos Práticos - 3 ALOJAMENTO LOCAL

Coleção Cadernos Práticos - 3 ALOJAMENTO LOCAL Coleção Cadernos Práticos - 3 ALOJAMENTO LOCAL Tudo o que Precisa Saber 1 Definição Enquadramento Requisitos 4 Legislação 5 Fiscalização Procedimentos Definição ALOJAMENTO LOCAL Denominações Consideram-se

Leia mais

VIGILÂNCIA SANITÁRIA AS EXIGÊNCIAS PARA ESTABELECIMENTOS QUE MANIPULAM ALIMENTOS

VIGILÂNCIA SANITÁRIA AS EXIGÊNCIAS PARA ESTABELECIMENTOS QUE MANIPULAM ALIMENTOS 1 VIGILÂNCIA SANITÁRIA AS EXIGÊNCIAS PARA ESTABELECIMENTOS QUE MANIPULAM ALIMENTOS O sr. Generoso é proprietário de um estabelecimento há mais de 15 anos que dentre outras atividades também manipula alimentos.

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO CRECHES, BERÇÁRIOS E SIMILARES.

ROTEIRO DE INSPEÇÃO CRECHES, BERÇÁRIOS E SIMILARES. SUPERINTEDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERENCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL E SAÚDE DO TRABALHADOR COORDERNAÇÃO DE FISCALIZAÇÃO DE AMBIENTES E SAÚDE DO TRABALHADOR Av. Anhanguera, nº 5.195 Setor Coimbra

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇÃO - Itens 1. IDENTIFICAÇÃO

LISTA DE VERIFICAÇÃO - Itens 1. IDENTIFICAÇÃO REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA ANEXO XIII LISTA DE VERIFICAÇÃO DE AUTO-INSPEÇÃO 1.1. Nome da embarcação: 1.2. IMO: 1.3. Nome e assinatura do

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 6, DE 30 DE JANEIRO DE 2012

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 6, DE 30 DE JANEIRO DE 2012 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 6, DE 30 DE JANEIRO DE

Leia mais

TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL

TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL Índice 1. Turismo no espaço rural: tipologias.2 2. Exploração e funcionamento.... 5 3. Legislação aplicável.17 Bibliografia. 18 1 1.Turismo no espaço rural: tipologias

Leia mais

ATUALIZAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TURISMO - PDTur. Prefeitura Municipal de Mairiporã

ATUALIZAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TURISMO - PDTur. Prefeitura Municipal de Mairiporã ATUALIZAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TURISMO - PDTur Prefeitura Municipal de Mairiporã Secretaria de Meio Ambiente e Turismo Departamento de Turismo - DeTur Apresentação Um Plano Diretor de Turismo é uma ferramenta

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE PROMOÇÃO A SAÚDE GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Orientações

SECRETARIA EXECUTIVA DE PROMOÇÃO A SAÚDE GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Orientações SECRETARIA EXECUTIVA DE PROMOÇÃO A SAÚDE GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Orientações 2014 Vigilância Sanitária Lei Federal 8.080 de 19 de setembro de 1990 1º Entende-se

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE COORDENADORIA GERAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE NORMA TÉCNICA 2/07

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE COORDENADORIA GERAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE NORMA TÉCNICA 2/07 PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE COORDENADORIA GERAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE NORMA TÉCNICA 2/07 Esta Norma dispõe sobre a Regulamentação e Controle das Condições Sanitárias

Leia mais

FORMULÁRIO DE AUTO-INSPEÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO

FORMULÁRIO DE AUTO-INSPEÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO FORMULÁRIO DE AUTO-INSPEÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO Neste formulário estão as exigências mínimas para a instalação e funcionamento de uma Cozinha Industrial. Devem ser observados demais critérios

Leia mais

Diário Oficial da União Seção 1 DOU 26 de julho de 1999

Diário Oficial da União Seção 1 DOU 26 de julho de 1999 *Este texto não substitui o publicado do Diário Oficial da União* Diário Oficial da União Seção 1 DOU 26 de julho de 1999 Resolução Nº 329, de 22 de julho de 1999 Institui o Roteiro de Inspeção para transportadoras

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2005

PROJETO DE LEI Nº, DE 2005 PROJETO DE LEI Nº, DE 2005 (Do Sr. Alex Canziani) Dispõe sobre a regulamentação do exercício da profissão de cozinheiro. Congresso Nacional decreta: Art. 1º Considera-se cozinheiro, para efeitos desta

Leia mais

Programa Nacional de Controle do Tabagismo AMBIENTE LIVRE DO TABACO

Programa Nacional de Controle do Tabagismo AMBIENTE LIVRE DO TABACO Programa Nacional de Controle do Tabagismo AMBIENTE LIVRE DO TABACO Coordenação de Vigilância em Saúde do Trabalhador Gerência de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador Superintendência de

Leia mais

Orientações para a construção e ampliação de Unidades Básicas de Saúde - UBS

Orientações para a construção e ampliação de Unidades Básicas de Saúde - UBS Orientações para a construção e ampliação de Unidades Básicas de Saúde - UBS Introdução A Secretaria de Estado da Saúde estabeleceu como ação estruturante para a implantação das redes de atenção no Paraná,

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR 2013

HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR 2013 HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR 2013 O Hospital realiza uma combinação complexa de atividades especializadas, onde o serviço de Higienização e Limpeza ocupam um lugar de grande importância. Ao se entrar em um

Leia mais

Desafíos y Gestión de la Hotelería Hospitalaria

Desafíos y Gestión de la Hotelería Hospitalaria Desafíos y Gestión de la Hotelería Hospitalaria Merielle Barbosa Lobo Pró-Saúde Hospital Materno Infantil Tia Dedé Tocantins Brasil merielle.hmitd@prosaude.org.br A ORIGEM DA ATIVIDADE HOTELEIRA O hotel

Leia mais

AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE NAS ILPI

AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE NAS ILPI AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE NAS ILPI Sylvia Elisabeth Sanner - Nutricionista PMSP SMS - CRSSul STS Santo Amaro/Cidade Ademar SUVIS Santo Amaro/Cidade Ademar Vigilância Sanitária VIGILÂNCIA SANITÁRIA Divide-se

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO. Coordenação Geral Rosiane Rockenbach

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO. Coordenação Geral Rosiane Rockenbach MINISTÉRIO DO TURISMO Ministro do Turismo Luiz Eduardo Barretto Filho Secretaria Executiva Secretaria Nacional de Programas de Desenvolvimento do Turismo Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Diretor

Leia mais

19 à 22 de outubro de 2014. Minascentro Belo Horizonte / MG. Resíduos de Serviços de Saúde, Ambiente e Saúde

19 à 22 de outubro de 2014. Minascentro Belo Horizonte / MG. Resíduos de Serviços de Saúde, Ambiente e Saúde 2º Simpósio Brasileiro Saúde e Ambiente Desenvolvimento, conflitos territoriais e saúde: ciência e movimentos sociais para a justiça ambiental na políticas públicas. 19 à 22 de outubro de 2014 Minascentro

Leia mais

PROGRAMA DE COLETA SELETIVA CODEBA

PROGRAMA DE COLETA SELETIVA CODEBA 1 PROGRAMA DE COLETA SELETIVA CODEBA SALVADOR BA FEVEREIRO - 2012 1. INTRODUÇÃO 2 O presente Programa de Coleta Seletiva trata dos resíduos gerados pela Companhia, tendo sua elaboração e implementação

Leia mais

ANVISA ABRE CONSULTA PUBLICA PARA NORMATIVA PARA CONTROLADORAS DE PRAGAS

ANVISA ABRE CONSULTA PUBLICA PARA NORMATIVA PARA CONTROLADORAS DE PRAGAS ANVISA ABRE CONSULTA PUBLICA PARA NORMATIVA PARA CONTROLADORAS DE PRAGAS A ANVISA (AGENCIA NACIONAL DE VIGILANCIA SANITARIA) ABRIU A CONSULTA PUBLICA N. 76, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2008, DOCUMENTO QUE SUBSTITUIRA

Leia mais

30/8/2010 BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO. BPF_ BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO Parte 1

30/8/2010 BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO. BPF_ BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO Parte 1 São conjunto de princípios e regras que ajudam a reduzir, prevenir e evitar os perigos dos alimentos. BPF_ BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO Parte 1 Condutas para o Controle Higiênico-Sanitário de Alimentos

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC N 216, DE 15 DE SETEMBRO DE 2004 REGULAMENTO TÉCNICO DE BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO

RESOLUÇÃO - RDC N 216, DE 15 DE SETEMBRO DE 2004 REGULAMENTO TÉCNICO DE BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO RESOLUÇÃO - RDC N 216, DE 15 DE SETEMBRO DE 2004 Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

Anais da 3ª Jornada Científica da UEMS/Naviraí

Anais da 3ª Jornada Científica da UEMS/Naviraí Anais da 3ª Jornada Científica da UEMS/Naviraí 22 a 26 de Outubro de 2013 Naviraí/MS - Brasil www.uems.br/navirai Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul - Unidade de Naviraí 97 Avaliação das Condições

Leia mais

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde A Portaria MS nº 2616/98 define a Infecção Hospitalar (IH) como sendo aquela adquirida após a admissão do paciente e que se manifesta durante

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS 1. JUSTIFICATIVA O presente Termo de Referência tem por fim orientar a elaboração do PGRS conforme previsto no

Leia mais

COMIDA DE RUA: SEGURANÇA ALIMENTAR E CRITÉRIOS DE FISCALIZAÇÃO SANITÁRIA

COMIDA DE RUA: SEGURANÇA ALIMENTAR E CRITÉRIOS DE FISCALIZAÇÃO SANITÁRIA Salvador, 07 de agosto de 2014 COMIDA DE RUA: SEGURANÇA ALIMENTAR E CRITÉRIOS DE FISCALIZAÇÃO SANITÁRIA Diretoria de Vigilância á Saúde Vigilância Sanitária SPEIS COMIDA DE RUA: linhas de ação Ambulantes;

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 10.462

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 10.462 Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 10.462 Regulamenta critérios para operação e manutenção de reservatórios de água potável superiores e inferiores (cisternas), de estabelecimentos

Leia mais

Desdobramentos do Programa de Monitoramento Estadual da Qualidade de Cosméticos 2006 Ações da GVMC/SVS/MG CATEC ANVISA/MS.

Desdobramentos do Programa de Monitoramento Estadual da Qualidade de Cosméticos 2006 Ações da GVMC/SVS/MG CATEC ANVISA/MS. Desdobramentos do Programa de Monitoramento Estadual da Qualidade de Cosméticos 2006 Ações da GVMC/SVS/MG CATEC ANVISA/MS Outubro/2006 Teresinha de Fátima Póvoa Diretora da GVMC/SVS/MG Programação Pactuada

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM CLUBES E PISCINAS

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM CLUBES E PISCINAS SUPERINTEDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERENCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL E SAÚDE DO TRABALHADOR COORDERNAÇÃO DE FISCALIZAÇÃO DE AMBIENTES E SAÚDE DO TRABALHADOR Av. Anhanguera, nº 5.195 Setor Coimbra

Leia mais

18.4. Áreas de vivência

18.4. Áreas de vivência 18.4. Áreas de vivência 18.4.1. Os canteiros de obras devem dispor de: a) instalações sanitárias; (118.015-0 / I4) b) vestiário; (118.016-9 / I4) c) alojamento; (118.017-7 / I4) d) local de refeições;

Leia mais

ANEXO 8 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE ESTABELECIMENTOS VETERINÁRIOS

ANEXO 8 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE ESTABELECIMENTOS VETERINÁRIOS ANEXO 8 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE ESTABELECIMENTOS VETERINÁRIOS PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE ESTABELECIMENTOS VETERINÁRIOS Data da vistoria: / / A CADASTRO

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DIVISÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Centro Estadual de Vigilância em Saúde Núcleo de Estabelecimento de Saúde PODOLOGIA

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DIVISÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Centro Estadual de Vigilância em Saúde Núcleo de Estabelecimento de Saúde PODOLOGIA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DIVISÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Centro Estadual de Vigilância em Saúde Núcleo de Estabelecimento de Saúde PODOLOGIA Ana Carolina Kraemer Enfermeira - Especialista em Saúde Portaria

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO DE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO DE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO DE 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do Projeto: Curso de Capacitação em Boas Práticas para Serviços de Alimentação. 1.2 Câmpus

Leia mais

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA DE CONTROLE DE VETORES NO AMBIENTE HOSPITALAR

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA DE CONTROLE DE VETORES NO AMBIENTE HOSPITALAR 1 COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA DE CONTROLE DE VETORES NO AMBIENTE HOSPITALAR Flávia Valério de Lima Gomes Enfermeira da CCIH / SCIH Jair

Leia mais

Resolução Estadual nº 08, de 11 de março de 1987

Resolução Estadual nº 08, de 11 de março de 1987 Resolução Estadual nº 08, de 11 de março de 1987 O Secretário de Estado da Saúde e do Bem-Estar Social, no uso de suas atribuições conferidas pelos artigos 45, letras A e P da Lei Estadual nº 6636/74,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002)

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. Correlações: Alterada pela Resolução nº 469/15

Leia mais

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO. Coordenação Geral Rosiane Rockenbach

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO. Coordenação Geral Rosiane Rockenbach MINISTÉRIO DO TURISMO Ministro do Turismo Luiz Eduardo Barretto Filho Secretaria Executiva Secretaria Nacional de Programas de Desenvolvimento do Turismo Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Diretor

Leia mais

Tatuagem e Colocação de Adornos

Tatuagem e Colocação de Adornos ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DIVISÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Centro Estadual de Vigilância em Saúde Núcleo de Estabelecimento de Saúde Tatuagem e Colocação de Adornos Ana Carolina Kraemer Enfermeira - Especialista

Leia mais

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO 18.4 Áreas de Vivência 18.4.1. Os canteiros de obras devem dispor de: a) instalações sanitárias; b) vestiário; c) alojamento; d)

Leia mais

ORIENTAÇÕES TÉCNICO-SANITÁRIAS EM EVENTOS NO MUNICÍPIO DO RJ

ORIENTAÇÕES TÉCNICO-SANITÁRIAS EM EVENTOS NO MUNICÍPIO DO RJ ORIENTAÇÕES TÉCNICO-SANITÁRIAS EM EVENTOS NO MUNICÍPIO DO RJ A Vigilância Sanitária Municipal é responsável pela fiscalização de todos os stands, espaços, barracas, postos e/ou pontos de venda da área

Leia mais

PROPOSTA DE TEXTO DE PORTARIA DEFINITIVA

PROPOSTA DE TEXTO DE PORTARIA DEFINITIVA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO PROPOSTA DE TEXTO DE PORTARIA DEFINITIVA O PRESIDENTE

Leia mais

REVISTA SAÚDE TRABALHAR COM TRABALHAR COM A POR ONDE COMEÇAR? 29/9/2010 SETEMBRO DE 2010 UFSM UFSM. PPHO na Indústria de Laticínios

REVISTA SAÚDE TRABALHAR COM TRABALHAR COM A POR ONDE COMEÇAR? 29/9/2010 SETEMBRO DE 2010 UFSM UFSM. PPHO na Indústria de Laticínios REVISTA SAÚDE SETEMBRO DE 2010 POR ONDE COMEÇAR? TRABALHAR COM ALIMENTOS É TRABALHAR COM A SAÚDE DAS PESSOAS 1 Para garantirmos a produção de alimentos seguros, precisamos traduzir a legislação e as normas

Leia mais

RECOMENDAÇÃO ADMINISTRATIVA nº 01/2012

RECOMENDAÇÃO ADMINISTRATIVA nº 01/2012 RECOMENDAÇÃO ADMINISTRATIVA nº 01/2012 CONSIDERANDO: 1. A existência do Procedimento Preparatório n. 0089.11.000011-7, cujo objeto é apurar eventual irregularidade em casa de abrigo para idosos na Rua

Leia mais

Reforma e Manutenção de Edificações ou Condomínios. Marcos Velletri

Reforma e Manutenção de Edificações ou Condomínios. Marcos Velletri Reforma e Manutenção de Edificações ou Condomínios Marcos Velletri Reforma e Manutenção de Edificações ou Condomínios É de extrema importância a conscientização de proprietários e síndicos quanto à responsabilidade

Leia mais