LEGISLAÇÃO ESTADUAL DE AGROTÓXICOS PARTICULARIDADES

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LEGISLAÇÃO ESTADUAL DE AGROTÓXICOS PARTICULARIDADES"

Transcrição

1 ADAPI - Agência de Defesa Agropecuária do Estado do Piauí LEGISLAÇÃO ESTADUAL DE AGROTÓXICOS PARTICULARIDADES Francisco de Assis Filho Gerente de Defesa Vegetal Bom Jesus, agosto/2013

2 BASE LEGAL: Lei Estadual nº 5.626, de 29 de dezembro de 2006 (DOE nº 244, de 29/12/2006); Lei Estadual nº 6.048, de 30 de dezembro de 2010 (DOE nº 244, de 30/12/2010); e, Decreto Estadual nº de 12 de setembro de 2011 (DOE nº 173, de 13/09/2011).

3 CADASTRO DE AGROTÓXICOS: Ato privativo do Estado, indispensável para comercialização e conseqüente utilização de agrotóxicos, seus componentes e afins. Realizado pela ADAPI até julho/2013: cadastros REGISTRO: 1. Revenda de agrotóxicos; 1.1. Realizado pela ADAPI até julho/2013: 67 registros 2. Prestadores de Serviços.

4 Registro da Revenda Uma vez que o comerciante decida comercializar agrotóxicos, seus componentes e afins, devidamente registrados no MAPA e cadastrados na ADAPI, deverá providenciar seu registro junto à ADAPI, de acordo com o Art. 9º do Decreto Estadual nº , apresentando: a. Requerimento de registro dirigido ao Diretor Geral da ADAPI; b. Cópia do Contrato Social autenticada;

5 c. CNPJ e Inscrição Estadual; d. Alvará de localização e funcionamento; e. Certidão de registro da empresa no CREA-PI(isenção para associados da ACAPI) e Termo de Responsabilidade Técnica; f. Vinculação com UREVA; g. Termo de Responsabilidade pelo recebimento de EVA ; e, h. Comprovante de pagamento da taxa do registro, da renovação ou da alteração (tabela a seguir).

6 DISCRIMINAÇÃO UFRPI (*) R$ REGISTRO DE REVENDA ,00 ALTERAÇÃO DE REGISTRO DE REVENDA ,00 RENOVAÇÃO DE REGISTRO DE REVENDA ,00 (*)Valor da UFRPI (2013): R$ 2,40

7 RESPONSABILIDADES: Do Proprietário da Revenda; Do Responsável Técnico; Da ADAPI; Do Usuário; e, Da UREVA.

8 Do proprietário da revenda: a. Comercializar agrotóxicos somente registrados no MAPA e cadastrados na ADAPI; b. Possuir um responsável técnico (Eng. agr. ); c. Vender somente mediante o receituário agronômico com NF, indicando local de devolução de EVA (emitir recibo); d. Manter à disposição da fiscalização, a relação permanentemente atualizada do estoque (5 dias úteis após a movimentação de estoque)-(envio semestral);

9 e. Expor o produto em prateleiras exclusivas; f. Manter o produto com a abertura voltada para cima; g. Dispor de Extintor de incêndio e de material para contenção de vazamentos(areia, cal...); h. Boa iluminação e bom arejamento; i. Afixar anúncios PRODUTOS TÓXICOS, CUIDADO VENENO e PROIBIDO FUMAR ; j. Afixar em local visível o certificado de registro expedido pela ADAPI;

10 k. Depósito de EVAs (recibo de EVA da UREVA); l. Disponibilizar EPI para os empregados; m. Solicitar renovação de registro até 60 dias (A/V); n. Depósito de produtos: Área compatível; Piso impermeável; Construção de alvenaria, rebocada, pintada com tinta lavável, acrílica ou a óleo; Estrados e/ou prateleiras; Afixar placas de advertências;

11 Boa iluminação e bom arejamento; Livre de inundações e separado de outras construções; EPI para empregados; Extintor de incêndio e materiais para contenção de vazamentos; Chuveiro e pia (ducha).

12 Responsável Técnico Deverá ser um Engenheiro agrônomo, devidamente registrado e em dia com o CREA. Ele responsabilizarse-á pela atividade de comercialização de agrotóxicos, no que tange às exigências legais, devendo: 1. Não assinar RA em branco;

13 2. Não emitir RA sem diagnostico, falso, impossível, genérica, errado, displicente ou indevida; 3. Não permitir a venda com RA preenchida e não assinada; 4. Manter permanentemente atualizado o controle de estoque (ou acompanhar); 5. Zelar pelo bom armazenamento dos agrotóxicos, conforme exigência legal.

14 Competências da ADAPI 1. Cadastrar, controlar, fiscalizar e inspecionar a produção, comercialização, o uso e a distribuição de agrotóxicos, seus componentes e afins (cadastro do produto R$ 720,00); 2. Conceder registro (PF e PJ) que produza, importe, exporte, manipule, embale, armazene ou comercialize agrotóxicos;

15 3. Estabelecer diretrizes e exigências relativas a dados e informações; 4. Controlar, fiscalizar e inspecionar o trânsito e o transporte de agrotóxicos; 5. Desenvolver ações educativas; 6. Orientar e fiscalizar o destino final de EVAs; 7. Manter depósito para produtos apreendidos;

16 8. Disponibilizar site para divulgação do cadastro de agrotóxico ( Defesa Sanitária Vegetal Agrotóxicos Cadastro

17 Responsabilidades do Usuário 1. O usuário deverá somente adquirir produto registrado no MAPA e cadastrado na ADAPI; 2. Adquirir produto somente em revendas registradas na ADAPI e com o receituário agronômico e nota fiscal; 3. Transportá-lo adequadamente; 4. Obedecer as instruções do rótulo e bula; 5. Manter um depósito de agrotóxico na propriedade separado de outras construções;

18 6. Usar sempre o EPI ou fornecê-lo; 7. O aplicador deverá ser alfabetizado e maior de 18 anos; 8. Aplicar o produto apenas na cultura recomendada no RA, em horário e condições de tempo adequados; 9. Cuidados para não provocar derivas; 10.Devolver as EVAs na revenda ou UREVA, segundo indicação da NF e exigir recibo.

19 Das Unidades de Recebimento de Embalagens Vazias de Agrotóxicos-UREVAs 1. A UREVA deverá ser registrada na ADAPI e licenciada pela SEMAR; 2. Ser exclusiva para esse fim e possuir instalações adequadas; 3. Emitir recibo de devolução de EVA ; 4. Enviar relatório semestral à ADAPI, indicando o tipo de EVA recolhido.

20 FISCALIZAÇÃO DO TRÂNSITO DE AGROTÓXICO

21 FISCALIZAÇÃO DO TRÂNSITO DE AGROTÓXICO

22 FISCALIZAÇÃO DO TRÂNSITO DE AGROTÓXICO

23

24

25

26

27

28

29

30

31

32

33 Francisco de Assis Filho Tel.: (86) (Ramais 24 e 25)

FISCALIZAÇÃO DO COMÉRCIO E USO DE AGROTÓXICOS NO RIO GRANDE DO SUL. Departamento de Defesa Agropecuária Divisão de Insumos e Serviços Agropecuários

FISCALIZAÇÃO DO COMÉRCIO E USO DE AGROTÓXICOS NO RIO GRANDE DO SUL. Departamento de Defesa Agropecuária Divisão de Insumos e Serviços Agropecuários FISCALIZAÇÃO DO COMÉRCIO E USO DE AGROTÓXICOS NO RIO GRANDE DO SUL Departamento de Defesa Agropecuária Divisão de Insumos e Serviços Agropecuários 1 O que são agrotóxicos e afins? DEFINIÇÃO (Art. 1, inciso

Leia mais

Bem vindos! Marcos Vilela de Moura Leite. UNOPAR Ituiutaba MG

Bem vindos! Marcos Vilela de Moura Leite. UNOPAR Ituiutaba MG Bem vindos! Marcos Vilela de Moura Leite UNOPAR Ituiutaba MG RESOLUÇÃO CONAMA 334 / 2003 Art. 2º Para efeito desta Resolução serão adotadas as seguintes definições: POSTO: unidade que se destina ao recebimento,

Leia mais

DECRETO Nº 1.651, DE 11 DE MARÇO DE 2013.

DECRETO Nº 1.651, DE 11 DE MARÇO DE 2013. DECRETO Nº 1.651, DE 11 DE MARÇO DE 2013. Regulamenta a Lei nº 8.588, de 27 de novembro de 2006, que dispõe sobre o uso, a produção, o comércio, o armazenamento, o transporte, a aplicação, o destino final

Leia mais

DECRETO Nº 4.074, DE 04 DE JANEIRO DE 2002:

DECRETO Nº 4.074, DE 04 DE JANEIRO DE 2002: Circular nº 006/2.002 São Paulo, 09 de Janeiro de 2.002 DECRETO Nº 4.074, DE 04 DE JANEIRO DE 2002: REGULAMENTA A LEI Nº 7.802, DE 11 DE JULHO DE 1989, QUE DISPÕE SOBRE A PESQUISA, A EXPERIMENTAÇÃO, A

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE COORDENADORIA GERAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE NORMA TÉCNICA 2/07

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE COORDENADORIA GERAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE NORMA TÉCNICA 2/07 PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE COORDENADORIA GERAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE NORMA TÉCNICA 2/07 Esta Norma dispõe sobre a Regulamentação e Controle das Condições Sanitárias

Leia mais

INSTRUÇÕES AO PROFISSIONAL

INSTRUÇÕES AO PROFISSIONAL INSTRUÇÕES AO PROFISSIONAL 1 RECEITA AGRONÔMICA 1.1. É registrada uma Anotação de Responsabilidade Técnica ART, para aquisição de cada bloco de 30 receitas (Ato 01/85 CREA-RJ), cujos dados formarão seu

Leia mais

LICENÇA DE OPERAÇÃO Regularização

LICENÇA DE OPERAÇÃO Regularização LO N : 0001/2013. A Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente, criada pela Lei Municipal n 368 de 20/05/77, no uso das atribuições que lhe confere a Lei n 6.938, de 31/08/81, que dispõe sobre

Leia mais

II FÓRUM DE SAÚDE PÚBLICA E MEIO AMBIENTE DO CRMV-RJ. Licenciamento Ambiental e o Controle da Comercialização de Agrotóxicos

II FÓRUM DE SAÚDE PÚBLICA E MEIO AMBIENTE DO CRMV-RJ. Licenciamento Ambiental e o Controle da Comercialização de Agrotóxicos II FÓRUM DE SAÚDE PÚBLICA E MEIO AMBIENTE DO CRMV-RJ Licenciamento Ambiental e o Controle da Comercialização de Agrotóxicos NOVO SISTEMA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DECRETO Nº

Leia mais

25/06/2015 PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS. UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Câmpus de Jaboticabal DESENVOLVIMENTO DE PRODUTO. Sinonímias: Agrotóxicos

25/06/2015 PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS. UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Câmpus de Jaboticabal DESENVOLVIMENTO DE PRODUTO. Sinonímias: Agrotóxicos UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Câmpus de Jaboticabal Depto. Fitossanidade Tecnologia de Aplicação Introdução Cultivo de plantas graníferas (culturas anuais) na safra 2014/15: Área de 57,21 milhões de ha

Leia mais

Instituto de Meio Ambiente de Alagoas IMA Diretoria da Presidência DIPRE Diretoria Técnica DIT Diretoria de Licenciamento DILIC POSTOS DE COMBUSTÍVEIS

Instituto de Meio Ambiente de Alagoas IMA Diretoria da Presidência DIPRE Diretoria Técnica DIT Diretoria de Licenciamento DILIC POSTOS DE COMBUSTÍVEIS POSTOS DE COMBUSTÍVEIS LICENÇA PRÉVIA 1. Formulário de requerimento padrão dirigido à Presidência do IMA, devidamente preenchido e assinado; 2. Comprovante de pagamento da Taxa de Concessão da Licença

Leia mais

PROCEDIMENTOS E CRITÉRIOS TÉCNICOS PARA O LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE DEPÓSITOS DE AGROTÓXICOS

PROCEDIMENTOS E CRITÉRIOS TÉCNICOS PARA O LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE DEPÓSITOS DE AGROTÓXICOS Mai/2011 PROCEDIMENTOS E CRITÉRIOS TÉCNICOS PARA O LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE DEPÓSITOS DE AGROTÓXICOS Divisão Agrossilvipastoril Serviço de Licenciamento e Controle de Agrotóxicos DASP/SELCA SUMÁRIO 1

Leia mais

Documento Assinado Digitalmente

Documento Assinado Digitalmente LICENÇA DE OPERAÇÃO LO N.º 5415 / 2011-DL Processo n.º A Fundação Estadual de Proteção Ambiental, criada pela Lei Estadual n.º 9.077, de 04/06/90, e com seus Estatutos aprovados pelo Decreto n.º 33.765,

Leia mais

1. REGISTRO DE ESTABELECIMENTO DE PRODUÇÃO, PREPARAÇÃO, MANIPULAÇÃO, BENEFICIAMENTO, ACONDICIONAMENTO E EXPORTAÇÃO DE BEBIDA E FERMENTADO ACÉTICO.

1. REGISTRO DE ESTABELECIMENTO DE PRODUÇÃO, PREPARAÇÃO, MANIPULAÇÃO, BENEFICIAMENTO, ACONDICIONAMENTO E EXPORTAÇÃO DE BEBIDA E FERMENTADO ACÉTICO. ANEXO NORMAS SOBRE REQUISITOS, CRITÉRIOS E PROCEDIMENTOS PARA O REGISTRO DE ESTABELECIMENTO, BEBIDA E FERMENTADO ACÉTICO E EXPEDIÇÃO DOS RESPECTIVOS CERTIFICADOS. 1. REGISTRO DE ESTABELECIMENTO DE PRODUÇÃO,

Leia mais

Atualizada.: 19/04/2012 ANEXO 1 E

Atualizada.: 19/04/2012 ANEXO 1 E COORDENADORIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA E AMBIENTAL MEDIA COMPLEXIDADE ANEXO 1 E Ótica; Creches; Instituições de longa permanência para idosos; Instituições que prestem serviços de atenção a pessoas com

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS Promotoria de Justiça da Comarca de...-go TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS Promotoria de Justiça da Comarca de...-go TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS Promotoria de Justiça da Comarca de...-go TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA Inquérito Civil nº 0.../03 Interessados: empresas revendedoras de agrotóxicos, seus componentes

Leia mais

FARMÁCIAS E DROGARIAS

FARMÁCIAS E DROGARIAS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE FARMÁCIAS E DROGARIAS Nome Fantasia: Razão Social: Endereço: Responsável Técnico: CRF: Telefone: CNPJ: Secretaria Municipal de Saúde de Feira de Santana - Av. João Durval

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 19, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2003

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 19, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2003 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 19, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2003 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DIVISÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Centro Estadual de Vigilância em Saúde Núcleo de Estabelecimento de Saúde PODOLOGIA

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DIVISÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Centro Estadual de Vigilância em Saúde Núcleo de Estabelecimento de Saúde PODOLOGIA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DIVISÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Centro Estadual de Vigilância em Saúde Núcleo de Estabelecimento de Saúde PODOLOGIA Ana Carolina Kraemer Enfermeira - Especialista em Saúde Portaria

Leia mais

2. Conforme exigido no Anexo II, item 1.4 do edital os produtos devem atender às Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho e emprego.

2. Conforme exigido no Anexo II, item 1.4 do edital os produtos devem atender às Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho e emprego. Ilmo. Sr. Dr. Pregoeiro SESI/BA Pregão Eletrônico 20/2012 Objeto: Razões de Recurso IMUNOSUL DISTRIBUIDORA DE VACINAS E PRODUTOS MÉDICOS HOSPITALARES LTDA, já qualificada, em face do Pregão Presencial

Leia mais

RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010

RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010 RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010 Dispõe sobre a coleta, armazenamento e destinação de embalagens plásticas de óleo lubrificante pós-consumo no Estado do Paraná. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS

Leia mais

Não DADOS DA EMPRESA RAZÃO SOCIAL: ENDEREÇO:

Não DADOS DA EMPRESA RAZÃO SOCIAL: ENDEREÇO: Formulário para renovação de credenciamento para comercialização de vacina contra a febre aftosa no Estado do Rio Grande do Sul (O preenchimento desse formulário deve ser realizado pelo Médico Veterinário

Leia mais

NORMA TÉCNICA PARA FUNCIONAMENTO DE EMPRESAS DE DESINSETIZAÇÃO E DESRATIZAÇÃO

NORMA TÉCNICA PARA FUNCIONAMENTO DE EMPRESAS DE DESINSETIZAÇÃO E DESRATIZAÇÃO NORMA TÉCNICA PARA FUNCIONAMENTO DE EMPRESAS DE DESINSETIZAÇÃO E DESRATIZAÇÃO Portaria nº 0021/SES 04/01/1996 Dispõe sobre normas e técnicas para funcionamento de empresas de Desinsetização e Desratização.

Leia mais

MENU DE SERVIÇOS PARA PESSOA JURÍDICA (MENU PJ)

MENU DE SERVIÇOS PARA PESSOA JURÍDICA (MENU PJ) MENU DE SERVIÇOS PARA PESSOA JURÍDICA (MENU PJ) INSCRIÇÃO DE PESSOA JURÍDICA REGISTRO DE ALTERAÇÃO CONTRATUAL SUBSTITUIÇÃO DE RESPONSÁVEL TÉCNICO CERTIDÃO DE REGULARIDADE RENOVAÇÃO DO CERTIFICADO DE INSCRIÇÃO

Leia mais

IT - 34 CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS E RESPONSÁVEIS TÉCNICOS

IT - 34 CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS E RESPONSÁVEIS TÉCNICOS IT - 34 CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS E RESPONSÁVEIS TÉCNICOS SUMÁRIO APÊNDICES 1 - Objetivo A - Solicitação de Cadastro de Pessoa Jurídica 2 - Referências normativas B - Solicitação de Cadastro de Pessoa

Leia mais

EDITAL Nº 03/2007 CHAMAMENTO PARA CREDENCIAMENTO DE LABORATÓRIOS DE ANÁLISES CLÍNICAS.

EDITAL Nº 03/2007 CHAMAMENTO PARA CREDENCIAMENTO DE LABORATÓRIOS DE ANÁLISES CLÍNICAS. EDITAL Nº 03/2007 CHAMAMENTO PARA CREDENCIAMENTO DE LABORATÓRIOS DE ANÁLISES CLÍNICAS. O MUNICÍPIO DE PALMAS, no Estado do Tocantins, através da Secretaria Municipal de Saúde, pela COMISSÃO ESPECIAL DE

Leia mais

PARA COMEÇO DE CONVERSA

PARA COMEÇO DE CONVERSA PARA COMEÇO DE CONVERSA Agrotóxicos são muito importantes para proteger as culturas de pragas, doenças e plantas daninhas, mas podem ser perigosos se usados incorretamente. Fornecer informações desde sua

Leia mais

Cap 4: Principais Aspectos Jurídicos na Distribuição de Insumos no Brasil

Cap 4: Principais Aspectos Jurídicos na Distribuição de Insumos no Brasil Cap 4: Principais Aspectos Jurídicos na Distribuição de Insumos no Brasil AGRODISTRIBUIDOR: O Futuro da Distribuição de Insumos no Brasil. São Paulo: Atlas, 2011. Org: Matheus Alberto Cônsoli, Lucas Sciencia

Leia mais

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL EXTRAORDINÁRIA DOS JOGOS INDÍGENAS EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 001/2015/SEJI

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL EXTRAORDINÁRIA DOS JOGOS INDÍGENAS EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 001/2015/SEJI PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL EXTRAORDINÁRIA DOS JOGOS INDÍGENAS EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 001/2015/SEJI EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO PARA SELEÇÃO DE INTERESSADOS NA OPERAÇÃO E GESTÃO

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA SDA/SDC/ANVISA/IBAMA Nº 1, DE 24 DE MAIO DE 2011.

INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA SDA/SDC/ANVISA/IBAMA Nº 1, DE 24 DE MAIO DE 2011. INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA SDA/SDC/ANVISA/IBAMA Nº 1, DE 24 DE MAIO DE 2011. O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO - MAPA, o SECRETÁRIO DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

MANUAL DA EMPRESA DESENVOLVEDORA DE PROGRAMA APLICATIVO FISCAL - PAF-ECF (RESPONSÁVEL TÉCNICO)

MANUAL DA EMPRESA DESENVOLVEDORA DE PROGRAMA APLICATIVO FISCAL - PAF-ECF (RESPONSÁVEL TÉCNICO) SECRETARIA DA FAZENDA DE GOIÁS SUPERINTENDÊNCIA DA RECEITA ESTADUAL GEAF - GERÊNCIA DE ARRECADAÇÃO E FISCALIZAÇÃO COAF - COORDENAÇÃO DE AUTOMAÇÃO FISCAL MANUAL DA EMPRESA DESENVOLVEDORA DE PROGRAMA APLICATIVO

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ AGÊNCIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DIRETORIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA GERÊNCIA DE SANIDADE VEGETAL

ESTADO DO PARANÁ AGÊNCIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DIRETORIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA GERÊNCIA DE SANIDADE VEGETAL ESTADO DO PARANÁ AGÊNCIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DIRETORIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA GERÊNCIA DE SANIDADE VEGETAL MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA FISCALIZAÇÃO DO USO, DO COMÉRCIO DE AGROTÓXICOS, DO RECEITUÁRIO

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL 1 OBJETIVO: Estabelecer requisitos e exigências para o Credenciamento de Empresas Revendedoras, Instaladoras e Conservadoras de Sistemas de Proteção Contra Incêndio e Pânico, complementando o Art. 9º do

Leia mais

Documento Assinado Digitalmente

Documento Assinado Digitalmente LICENÇA DE OPERAÇÃO LO N.º 5103 / 2014-DL Identificador de Documento 647141 Folha 1/4 LO N.º 5103 / 2014-DL A Fundação Estadual de Proteção Ambiental, criada pela Lei Estadual n.º 9.077, de 04/06/90, e

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA nº 465, de 5 de Dezembro de 2014 Publicada no DOU n o 237, de 08 de dezembro de 2014, Seção 1, páginas 110-111

RESOLUÇÃO CONAMA nº 465, de 5 de Dezembro de 2014 Publicada no DOU n o 237, de 08 de dezembro de 2014, Seção 1, páginas 110-111 RESOLUÇÃO CONAMA nº 465, de 5 de Dezembro de 2014 Publicada no DOU n o 237, de 08 de dezembro de 2014, Seção 1, páginas 110-111 Correlação: Revoga a Resolução CONAMA nº 334/2003 Dispõe sobre os requisitos

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE CREDENCIAMENTO E EXPLORAÇÃO DE PÁTIOS REGULADORES DE CAMINHÕES

REGULAMENTO GERAL DE CREDENCIAMENTO E EXPLORAÇÃO DE PÁTIOS REGULADORES DE CAMINHÕES REGULAMENTO GERAL DE CREDENCIAMENTO E EXPLORAÇÃO DE PÁTIOS REGULADORES DE CAMINHÕES Art. 1º - Este Regulamento Geral de Credenciamento e Exploração de Pátios Reguladores de Caminhões tem por finalidade

Leia mais

PROCEDIMENTOS E CRITÉRIOS TÉCNICOS PARA O LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE DEPÓSITOS DE EMBALAGENS VAZIAS DE AGROTÓXICOS

PROCEDIMENTOS E CRITÉRIOS TÉCNICOS PARA O LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE DEPÓSITOS DE EMBALAGENS VAZIAS DE AGROTÓXICOS PROCEDIMENTOS E CRITÉRIOS TÉCNICOS PARA O LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE DEPÓSITOS DE EMBALAGENS VAZIAS DE AGROTÓXICOS Serviço Agro-Silvo-Pastoril SEASP/DECONT OUTUBRO/2003 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 1.1 Objetivo

Leia mais

PROALBA. Programa de incentivo á cotonicultura do estado da Bahia.

PROALBA. Programa de incentivo á cotonicultura do estado da Bahia. PROALBA Programa de incentivo á cotonicultura do estado da Bahia. Roteiro para produtores iniciantes no programa 1º Passo O produtor deverá se credenciar junto a ABAPA Associação Baiana dos Produtores

Leia mais

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST)

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) CÓDIGO 09.00 GRUPO/ATIVIDADES 09.07 Postos de Revenda de Combustíveis e Derivados de Petróleo com ou sem lavagem e ou lubrificação de veículos PPD M AGRUPAMENTO NORMATIVO

Leia mais

Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica

Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica Atenção: Documentos apresentados em fotocópia devem ser autenticados em Cartório ou acompanhados dos originais para receberem autenticação do CREA. Documentos obrigatórios

Leia mais

Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários.

Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários. Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários. Nº PROCESSO REQUERIMENTO RAZÃO SOCIAL IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO NOME DE FANTASIA NÚMERO DO CNPJ NÚMERO ÚLTIMO

Leia mais

Agência de Defesa e Fiscalização Agropecuária de Pernambuco - ADAGRO

Agência de Defesa e Fiscalização Agropecuária de Pernambuco - ADAGRO Agência de Defesa e Fiscalização Agropecuária de Pernambuco - ADAGRO 11 ENFISA: Encontro de Fiscalização e Seminário sobre Agrotóxicos Etapa Regional Nordeste Petrolina, Abril de 2013 Cronograma de Metas

Leia mais

Guia de Sinalização Obrigatória em Bares e Restaurantes. Federal São Paulo Rio de Janeiro Distrito Federal

Guia de Sinalização Obrigatória em Bares e Restaurantes. Federal São Paulo Rio de Janeiro Distrito Federal Guia de Sinalização Obrigatória em Bares e Restaurantes Federal São Paulo Rio de Janeiro Distrito Federal Guia de Sinalização Obrigatória em Bares e Restaurantes Legislação Federal, Estadual (São Paulo

Leia mais

OBJETIVO Definir a documentação necessária à autorização ambiental para o Comércio Varejista de Agrotóxicos.

OBJETIVO Definir a documentação necessária à autorização ambiental para o Comércio Varejista de Agrotóxicos. ESTADO DE SANTA CATARINA MUNICIPALIDADE DE BIGUAÇU FUNDAÇÃO MUN. DE MEIO AMBIENTE DE BIGUAÇU IN-21 COMÉRCIO VAREJISTA DE AGROTÓXICO Última atualização: 20/06/2014 OBJETIVO Definir a documentação necessária

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DA AGRICULTURA, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE

SECRETARIA MUNICIPAL DA AGRICULTURA, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE Página 1 de 6 SECRETARIA MUNICIPAL DA AGRICULTURA, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE A Secretaria Municipal da Agricultura, Desenvolvimento Econômico e Meio Ambiente, através do Departamento de

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE GARANTIA

POLÍTICA NACIONAL DE GARANTIA POLÍTICA NACIONAL DE GARANTIA 1 Conteúdo Introdução... 3 Objetivo... 3 Esclarecimentos... 3 O que é considerado garantia... 4 O que são considerados itens de manutenção... 4 O que são considerados materiais

Leia mais

Ficha Cadastral de Fornecedores

Ficha Cadastral de Fornecedores de Fornecedores Informações Jurídicas Razão Social: CNPJ: Nome Fantasia: Responsáveis legais: CPF: Responsável técnico: Nº Documento: Órgão emissor: CNES: ANS: Endereço Completo: Fone/Fax: e-mail vendas:

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO REPRO SOLICITADA PARA RENOVAÇÃO DE REGISTRO

DOCUMENTAÇÃO REPRO SOLICITADA PARA RENOVAÇÃO DE REGISTRO DOCUMENTAÇÃO REPRO SOLICITADA PARA RENOVAÇÃO DE REGISTRO Os documentos abaixo são válidos somente para instituições que se encontram em período de Renovação no Sistema de Registro de Fornecedores (RePro).

Leia mais

8. Regularização do Negócio

8. Regularização do Negócio 8. Regularização do Negócio Conteúdo 1. Forma Jurídica das Empresas 2. Consulta Comercial 3. Busca de Nome Comercial 4. Arquivamento do contrato social/requerimento de Empresário 5. Solicitação do CNPJ

Leia mais

Parabéns! Agora que a sua cota já está contemplada e você já recebeu sua CARTA DE CRÉDITO, você poderá concretizar o seu projeto.

Parabéns! Agora que a sua cota já está contemplada e você já recebeu sua CARTA DE CRÉDITO, você poderá concretizar o seu projeto. Orientações para aquisição de Bens Móveis Parabéns! Agora que a sua cota já está contemplada e você já recebeu sua CARTA DE CRÉDITO, você poderá concretizar o seu projeto. Lembrando que a análise do seu

Leia mais

Documento Assinado Digitalmente

Documento Assinado Digitalmente LICENÇA DE OPERAÇÃO LO N.º 2329 / 2014-DL Identificador de Documento 623205 Folha 1/4 LO N.º A Fundação Estadual de Proteção Ambiental, criada pela Lei Estadual n.º 9.077, de 04/06/90, e com seus Estatutos

Leia mais

OUTORGA DE ÁGUA E LICENÇA PARA IMPLANTAÇÃO DE OBRA HÍDRICA

OUTORGA DE ÁGUA E LICENÇA PARA IMPLANTAÇÃO DE OBRA HÍDRICA ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA E DO MEIO AMBIENTE SECTMA AGÊNCIA EXECUTIVA DE GESTÃO DAS ÁGUAS DO ESTADO DA PARAÍBA - AESA OUTORGA DE ÁGUA E LICENÇA PARA IMPLANTAÇÃO DE

Leia mais

S U P E R I N T E N D Ê N C I A E S T A D U A L D O M E I O A M B I E N T E

S U P E R I N T E N D Ê N C I A E S T A D U A L D O M E I O A M B I E N T E DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA REGISTRO DE ESTABELECIMENTOS QUE COMERCIALIZA PRODUTOS AGROTÓXICOS (VALIDADE DO REGISTRO = 01 ANO) 1. Requerimento do Registro dirigido ao Superintendente da SEMACE. 2. Formulário

Leia mais

Abrir uma empresa PRÉ-CONSTITUIÇÃO

Abrir uma empresa PRÉ-CONSTITUIÇÃO Abrir uma empresa As três formas jurídicas mais utilizadas são as Empresas de Sociedade Simples, Sociedade Empresária e Empresário Individual, é nelas que eu vou me basear para mostrar os procedimentos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2013. MINUTA (versão 3)

RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2013. MINUTA (versão 3) RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2013. MINUTA (versão 3) Estabelece as diretrizes e critérios para requerimento e obtenção de outorga do direito de uso dos recursos hídricos superficiais para fins de captação por

Leia mais

f) especificação da finalidade do pedido ( Licença, Certificado de Vistoria ou Cancelamento);

f) especificação da finalidade do pedido ( Licença, Certificado de Vistoria ou Cancelamento); São Paulo, 118 (122) Diário Oficial Poder Executivo - Seção I quinta-feira 3 de julho de 2008 DEPARTAMENTO DE IDENTIFICAÇÃO E REGISTROS DIVERSOS DIVISÃO DE PRODUTOS CONTROLADOS Portaria DPC - 3, de 2-7-2008

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO PORTARIA ANP Nº 29, DE 9 DE FEVEREIRO DE 1999 Estabelece a regulamentação da atividade de distribuição de combustíveis líquidos derivados de petróleo, álcool combustível, mistura

Leia mais

FISCALIZAÇÃO AMBIENTAL NAS VIAS DE TRÂNSITO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE PRODUTOS PERIGOSOS

FISCALIZAÇÃO AMBIENTAL NAS VIAS DE TRÂNSITO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE PRODUTOS PERIGOSOS Revisão 00 Setembro/ 2015 Sindicarga FISCALIZAÇÃO AMBIENTAL NAS VIAS DE TRÂNSITO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE PRODUTOS PERIGOSOS Palestrante: FRANCESCO CUPELLO Presidente INTRODUÇÃO O Transporte Rodoviário

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº..., de... de... de 2007. Estabelece normas especiais para funcionamento de bares e similares e dá outras providências.

LEI MUNICIPAL Nº..., de... de... de 2007. Estabelece normas especiais para funcionamento de bares e similares e dá outras providências. ANTEPROJETO DE LEI ORDINÁRIA MUNICIPAL PARA ESTABELECIMENTO DE NORMAS ESPECIAIS PARA FUNCIONAMENTO DE BARES E SIMILARES NA REGIÃO DO ENTORNO DO DISTRITO FEDERAL LEI MUNICIPAL Nº..., de... de... de 2007

Leia mais

DECRETO Nº 31.246, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2007.

DECRETO Nº 31.246, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2007. DECRETO Nº 31.246, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2007. Regulamenta a Lei Nº 12.753, de 21 de janeiro de 2005, que dispõe, no âmbito do Estado de Pernambuco, sobre o comércio, o transporte, o armazenamento, o uso

Leia mais

EDITAL DE LICITAÇÃO PROCESSO DE SELEÇÃO CBG Nº 001/2015 ASSESSORIA DE IMPRENSA. Data Evento Horário Forma Local

EDITAL DE LICITAÇÃO PROCESSO DE SELEÇÃO CBG Nº 001/2015 ASSESSORIA DE IMPRENSA. Data Evento Horário Forma Local EDITAL DE LICITAÇÃO PROCESSO DE SELEÇÃO CBG Nº 001/2015 ASSESSORIA DE IMPRENSA A CBG Confederação Brasileira de Golfe, de acordo com a Lei 10.264 de 16 de julho de 2001 Lei Agnelo/Piva, regulamentada pelo

Leia mais

NORMA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO

NORMA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN n 042/DAT/CBMSC)

Leia mais

DISTRIBUIDORA DE COSMÉTICOS

DISTRIBUIDORA DE COSMÉTICOS 1. Identificação do Estabelecimento Razão Social: Nome Fantasia: CNPJ: Endereço: Bairro: Município: CEP: Fone: Fax: E-mail: Responsável Legal: CPF: Responsável Técnico: CPF: CR : 2. Inspeção Data: Objetivo:

Leia mais

Manual do Usuário. Anexo 1 FORMULÁRIO PARA NOTIFICAÇÃO DE QUEIXA TÉCNICA DE AGROTÓXICO. Manual do Usuário

Manual do Usuário. Anexo 1 FORMULÁRIO PARA NOTIFICAÇÃO DE QUEIXA TÉCNICA DE AGROTÓXICO. Manual do Usuário Manual do Usuário Anexo 1 FORMULÁRIO PARA NOTIFICAÇÃO DE QUEIXA TÉCNICA DE AGROTÓXICO. Pág. 1 de 14 SUMÁRIO 1. Formulário para Notificação de Queixa Técnica de Agrotóxico... 3 1.1. Dados da Queixa... 3

Leia mais

PORTARIA nº 77/2015 - FEG/DTA

PORTARIA nº 77/2015 - FEG/DTA PORTARIA nº 77/2015 - FEG/DTA DISPÕE SOBRE TRANSFERÊNCIA PARA OS CURSOS DE ENGENHARIAS, FÍSICA (Licenciatura e Bacharelado) e LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE GUARATINGUETÁ

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. RESOLUÇÃO RDC nº 185/2001

MANUAL DO USUÁRIO. RESOLUÇÃO RDC nº 185/2001 Agência Nacional de Vigilância Sanitária MANUAL DO USUÁRIO da RESOLUÇÃO RDC nº 185/2001 Orientações sobre Registro, Cadastramento, Alteração, Revalidação e Cancelamento do Registro de Produtos Médicos

Leia mais

CADASTRO DE FORNECEDORES (MATERIAL/SERVIÇOS)

CADASTRO DE FORNECEDORES (MATERIAL/SERVIÇOS) CADASTRO DE FORNECEDORES (MATERIAL/SERVIÇOS) ÍNDICE RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PARA CADASTRO DE FORNECEDORES DE MATERIAL/SERVIÇOS PÁGINA 2 FICHA DE INFORMAÇÕES PARA CADASTRO DE FORNECEDORES PÁGINA 4 DECLARAÇÃO

Leia mais

GUIA DE ORIENTAÇÃO PARA A PESSOA JURÍDICA INTERESSADA NA COMERCIALIZAÇÃO ANIMAIS SILVESTRES BRASILEIROS

GUIA DE ORIENTAÇÃO PARA A PESSOA JURÍDICA INTERESSADA NA COMERCIALIZAÇÃO ANIMAIS SILVESTRES BRASILEIROS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS CENTRO DE CONSERVAÇÃO E MANEJO DE RÉPTEIS E ANFÍBIOS RAN GUIA DE ORIENTAÇÃO

Leia mais

NORMA DE PRÉ-QUALIFICAÇÃO PARA OPERADOR PORTUÁRIO NOS PORTOS DE SALVADOR E ARATU

NORMA DE PRÉ-QUALIFICAÇÃO PARA OPERADOR PORTUÁRIO NOS PORTOS DE SALVADOR E ARATU NORMA DE PRÉ-QUALIFICAÇÃO PARA OPERADOR PORTUÁRIO NOS PORTOS DE SALVADOR E ARATU SALVADOR BA APROVADA NA REUNIÃO DE 16/02/2006 S U M Á R I O 1 - Objetivo 2 - Âmbito de aplicação 3 - Competências 4 - Definições

Leia mais

Solicitando o Cartão BNDES

Solicitando o Cartão BNDES Solicitando o Cartão BNDES Atualizado em 03/03/2010 Pág.: 1/18 Introdução Este manual destina-se a orientar as micro, pequenas e médias empresas (MPMEs) na solicitação do Cartão BNDES no Portal de Operações

Leia mais

PORTARIA Nº 038/2008-AGED/MA DE 03 DE MARÇO DE 2008.

PORTARIA Nº 038/2008-AGED/MA DE 03 DE MARÇO DE 2008. ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÀRIA E DESENVOLVIMENTO RURAL AGÊNCIA ESTADUAL DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MARANHÃO PORTARIA Nº 038/2008-AGED/MA DE 03 DE MARÇO DE 2008. O DIRETOR

Leia mais

Anexo 7 Requisitos para prestadores de serviços

Anexo 7 Requisitos para prestadores de serviços Para execução dos serviços o contratado deve enviar a documentação abaixo conforme a atividade que será desenvolvida. Para outras atividades que não constam na lista, o contratado deve enviar os documentos

Leia mais

SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA. INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA No- 2, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2015

SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA. INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA No- 2, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2015 SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA No- 2, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2015 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso das atribuições

Leia mais

1.1. Nutricionista Entrevistado(a) CRN- Estatutário [ ] Celetista [ ] Contratado [ ] Concursado Celetista [ ] Outro [ ] CRN- RT / QT

1.1. Nutricionista Entrevistado(a) CRN- Estatutário [ ] Celetista [ ] Contratado [ ] Concursado Celetista [ ] Outro [ ] CRN- RT / QT CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS - ª REGIÃO UF ROTEIRO DE VISITA TÉCNICA DATA DA VISITA ALIMENTAÇÃO COLETIVA REFEIÇÃO CONVENIO / CESTA DE ALIMENTOS REFEIÇÃO CONVENIO

Leia mais

RESOLUÇÃO CRP16 Nº 005/2014

RESOLUÇÃO CRP16 Nº 005/2014 RESOLUÇÃO CRP16 Nº 005/2014 Dispõe sobre registro, cadastro, cancelamento e responsabilidade técnica das Pessoas Jurídicas da jurisdição do CRP16 e revoga a Resolução CRP 16 nº 004/2007, de 10 de novembro

Leia mais

Coleção Cadernos Práticos - 3 ALOJAMENTO LOCAL

Coleção Cadernos Práticos - 3 ALOJAMENTO LOCAL Coleção Cadernos Práticos - 3 ALOJAMENTO LOCAL Tudo o que Precisa Saber 1 Definição Enquadramento Requisitos 4 Legislação 5 Fiscalização Procedimentos Definição ALOJAMENTO LOCAL Denominações Consideram-se

Leia mais

Documento Assinado Digitalmente

Documento Assinado Digitalmente LICENÇA DE OPERAÇÃO LO N.º Processo n.º 1944 / 2013-DL A Fundação Estadual de Proteção Ambiental, criada pela Lei Estadual n.º 9.077, de 04/06/90, e com seus Estatutos aprovados pelo Decreto n.º 33.765,

Leia mais

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE 1. OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Estas exigências definem os deveres e as responsabilidades da CONTRATADA e estabelecem as orientações, requisitos

Leia mais

Os 1 Item(ns) da lista de documentos que não foram cumprido(s):

Os 1 Item(ns) da lista de documentos que não foram cumprido(s): Agência Nacional de Vigilância Sanitária Unidade de Atendimento e Protocolo - UNIAP Listagem de Encaminhamento de Documentação em Caráter Precário Data: 14.11.05 EMPRESA: ANCHIETA INDÚSTRIA E COMÉRCIO

Leia mais

LICENÇA AMBIENTAL. Lanns Alves de Almeida Filho Secretário de Agricultura e Meio Ambiente

LICENÇA AMBIENTAL. Lanns Alves de Almeida Filho Secretário de Agricultura e Meio Ambiente LICENÇA AMBIENTAL Licença Ambiental Simplificada nº 26/2015 Processo nº. 9481/2015 O Secretário de Agricultura e Meio Ambiente no exercício de sua competência definida pelo Decreto Municipal nº 10.076

Leia mais

A INTERSETORIALIDADE APLICADA À GESTÃO DE RESÍDUOS DO SETOR ALIMENTÍCIO DE FORTALEZA

A INTERSETORIALIDADE APLICADA À GESTÃO DE RESÍDUOS DO SETOR ALIMENTÍCIO DE FORTALEZA A INTERSETORIALIDADE APLICADA À GESTÃO DE RESÍDUOS DO SETOR ALIMENTÍCIO DE FORTALEZA Ivna Barreto Costa Cidrão GERENTE DA CÉLULA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA PONTOS TURÍSTICOS DE FORTALEZA SECRETARIA REGIONAL

Leia mais

- Aplicação Terrestre segurança na aplicação de produtos fitofarmacêuticos em zonas urbanas, zonas de lazer e vias de comunicação

- Aplicação Terrestre segurança na aplicação de produtos fitofarmacêuticos em zonas urbanas, zonas de lazer e vias de comunicação Seminário Uso Sustentável de Produtos Fitofarmacêuticos - Aplicação Terrestre segurança na aplicação de produtos fitofarmacêuticos em zonas urbanas, zonas de lazer e vias de comunicação Maria Paula Mourão

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2 º SEMESTRE DE 2015

PROCESSO SELETIVO 2 º SEMESTRE DE 2015 1 Processo Seletivo 2015.2 Edital FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC RIO PROCESSO SELETIVO 2 º SEMESTRE DE 2015 SENAC RJ FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC RIO O SENAC Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial,

Leia mais

CHECK LIST EM POSTOS REVENDEDORES

CHECK LIST EM POSTOS REVENDEDORES CHECK LIST EM POSTOS REVENDEDORES Este trabalho é apenas um simples instrumento de auxílio ao posto, na verificação do atendimento das principais demandas relativas à fiscalização. 1) Informações Cadastrais:

Leia mais

RELAÇÃO DE SERVIÇOS DISPONIBILIZADOS PELA SECRETARIA DA FAZENDA NO ESPAÇO DA CIDADANIA DE TERESINA

RELAÇÃO DE SERVIÇOS DISPONIBILIZADOS PELA SECRETARIA DA FAZENDA NO ESPAÇO DA CIDADANIA DE TERESINA RELAÇÃO DE SERVIÇOS DISPONIBILIZADOS PELA SECRETARIA DA FAZENDA NO ESPAÇO DA CIDADANIA DE TERESINA 1. SOLICITAÇÃO DE ISENÇÃO DE IPVA 1.1 TIPOS: Para Deficiente Físico 1. Requerimento do interessado, conforme

Leia mais

Documento sujeito a revisões periódicas CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-2118 / 3232-1975 / 0800-281-1975

Documento sujeito a revisões periódicas CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-2118 / 3232-1975 / 0800-281-1975 Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Armazenamento e Comercialização de Produtos Agroquímicos

Leia mais

SAN.A.IN.NA 35. Controle de Acesso aos Serviços Disponíveis ao Fornecedor no Portal da Sanasa na INTERNET 1. FINALIDADE

SAN.A.IN.NA 35. Controle de Acesso aos Serviços Disponíveis ao Fornecedor no Portal da Sanasa na INTERNET 1. FINALIDADE ISO 91 1 / 7 SUMÁRIO: 1. FINALIDADE 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3. CONCEITOS BÁSICOS 4. SENHA DE CONTROLE DE ACESSO 5. ASSINATURA ELETRÔNICA 6. NORMAS QUE DEVERÃO SER CONSULTADAS ANTES DE GERAR O REQUERIMENTO

Leia mais

Mecanismos de controle para a Garantia da Qualidade Orgânica

Mecanismos de controle para a Garantia da Qualidade Orgânica Mecanismos de controle para a Garantia da Qualidade Orgânica Experiência do Brasil e proposta de uso para IG/DO 2º Taller Regional TCP/RLA/3211 Calidad de los alimentos vinculada al origen y las tradiciones

Leia mais

Como funciona O sistema Valorfito?

Como funciona O sistema Valorfito? Como funciona O sistema Valorfito? Em campo por amor à terra. www.valorfito.com Como funciona O sistema Valorfito? O VALORFITO é responsável pela gestão de: Resíduos de Embalagens de Produtos Fitofarmacêuticos

Leia mais

NRR 5 - Produtos Químicos

NRR 5 - Produtos Químicos NRR 5 - Produtos Químicos 5.1. Esta Norma trata dos seguintes produtos químicos utilizados no trabalho rural: agrotóxicos e afins, fertilizantes e corretivos. 5.1.1. Entende-se por agrotóxicos as substâncias

Leia mais

Procedimento para Peticionamento Manual na REBLAS:

Procedimento para Peticionamento Manual na REBLAS: Procedimento para Peticionamento Manual na REBLAS: Caso a empresa já esteja cadastrada no Portal da ANVISA, seguir os passos abaixo. Caso contrário, verificar o Procedimento para Cadastro de Empresas,

Leia mais

PORTARIA N.º 034/2009, de 03 de agosto de 2009

PORTARIA N.º 034/2009, de 03 de agosto de 2009 PORTARIA N.º 034/2009, de 03 de agosto de 2009 Aprova o MANIFESTO DE TRANSPORTE DE RESÍDUOS MTR e dá outras providências. A DIRETORA PRESIDENTA DA FUNDAÇÃO ESTADUAL DE PROTEÇÃO AMBIENTAL HENRIQUE LUIZ

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 13, DE 08 DE MAIO DE 2014.

RESOLUÇÃO Nº 13, DE 08 DE MAIO DE 2014. RESOLUÇÃO Nº 13, DE 08 DE MAIO DE 2014. Estabelece as diretrizes e os critérios para requerimento e obtenção de outorga do direito de uso dos recursos hídricos por meio de caminhão-pipa em corpos de água

Leia mais

RESOLUÇÃO RDC ANVISA Nº 345, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2002. (D.O.U. de 19/12/02)

RESOLUÇÃO RDC ANVISA Nº 345, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2002. (D.O.U. de 19/12/02) RESOLUÇÃO RDC ANVISA Nº 345, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2002 (D.O.U. de 19/12/02) Dispõe sobre a aprovação do Regulamento Técnico para a Autorização de Funcionamento de empresas interessadas em prestar serviços

Leia mais

Diário Oficial da União Seção 1 DOU 26 de julho de 1999

Diário Oficial da União Seção 1 DOU 26 de julho de 1999 *Este texto não substitui o publicado do Diário Oficial da União* Diário Oficial da União Seção 1 DOU 26 de julho de 1999 Resolução Nº 329, de 22 de julho de 1999 Institui o Roteiro de Inspeção para transportadoras

Leia mais

Manual do Expositor. Informações: 11 2223-2521 operacional.decofe@apcdcentral.com.br. Prezado EXPOSITOR,

Manual do Expositor. Informações: 11 2223-2521 operacional.decofe@apcdcentral.com.br. Prezado EXPOSITOR, Prezado EXPOSITOR, Os Expositores através do CNPJ da sua empresa (conforme contrato de locação) em campo específico, acessarão os formulários para preenchimento, envio e impressão dos mesmos, on-line.

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO PORTARIA ANP N. 127, DE 30.07.99 REVOGADA PELA RESOLUÇÃO ANP N. 20, DE 18.06.09 O DIRETOR da AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO ANP, no uso de suas atribuições legais, conferidas

Leia mais

Anexo I - Relatório Anual de Produção e Comercialização de Sementes de Espécies Florestais;

Anexo I - Relatório Anual de Produção e Comercialização de Sementes de Espécies Florestais; MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 56, DE 8 DE DEZEMBRO DE 2011 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁ- RIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

RELATÓRIO DE PRODUTOS COMERCIALIZADOS Secretarias de Agricultura dos Estados

RELATÓRIO DE PRODUTOS COMERCIALIZADOS Secretarias de Agricultura dos Estados RELATÓRIO DE PRODUTOS COMERCIALIZADOS Secretarias de Agricultura dos Estados Com base nas informações disponíveis, a ANDAV fez um levantamento nas Legislações Estaduais referente à necessidade de entrega

Leia mais

CADASTRO TÉCNICO FEDERAL CERTIFICADO DE REGULARIDADE Emitido em: Cadastro de Atividades Potencialmente Poluidoras

CADASTRO TÉCNICO FEDERAL CERTIFICADO DE REGULARIDADE Emitido em: Cadastro de Atividades Potencialmente Poluidoras Registro http://servicos.ibama.gov.br/ctf/modulos/certificadoregistro/certificado... 1 de 1 25/09/2013 09:16 Ministério do Meio Ambiente Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis

Leia mais