Estudo da influência de processos de envelhecimento nas propriedades de aderência de uma argamassa-cola

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estudo da influência de processos de envelhecimento nas propriedades de aderência de uma argamassa-cola"

Transcrição

1 Estudo da influência de processos de envelhecimento nas propriedades de aderência de uma argamassa-cola Júlio C. Longo CICECO, Universidade de Aveiro, gmail.com Olga Barros Saint-Gobain Weber, Ana Barros Timmons CICECO, Universidade de Aveiro, Luis Silva Saint-Gobain Weber, J.A. Labrincha CICECO, Universidade de Aveiro, V. M. Ferreira CICECO, Universidade de Aveiro, Resumo: Com o objectivo de avaliar parâmetros que possam afectar a durabilidade de um cimento-cola, procedeu-se a um conjunto de ensaios laboratoriais que reflictam a influência dos mesmos nas propriedades da argamassa. Para o efeito, estudou-se a influência de factores ou fenómenos como a temperatura, humidade, raios ultravioleta, carbonatação, sais, entre outros, nas propriedades de uma argamassa-cola tipo C2, nomeadamente, ao nível da resistência por tracção perpendicular. Adicionalmente, fez-se uma avaliação mais pormenorizada de tal influência sobre a componente orgânica da argamassa de fixação. Palavras-chave: Argamassa-cola; condições de envelhecimento; humidade; calor; copolímero EVA. 1. INTRODUÇÃO O início da utilização de cerâmica como revestimento data de 27 A.C. no Egipto e, desde então, a sua influência foi sendo progressivamente mais forte, tendo tido um papel relevante na cultura islâmica, com o seu apogeu nos séculos XIX e XX e uma evolução significativa nos nossos dias em termos de tipos, formas e utilizações [1]. Em Portugal, a sua utilização merece especial destaque por constituir soluções para interiores, como revestimentos de paredes de cozinhas, de instalações sanitárias e outros, mas também pela sua utilização em revestimento de fachadas. Entre alguns factores que têm influenciado esta opção, destacam-se a valorização dos edifícios, a durabilidade, vasta funcionalidade e agradável efeito estético [2-4]. Por tudo isto, assistiu-se a um grande desenvolvimento da indústria cerâmica e dos processos de fixação dos ladrilhos cerâmicos. Contudo, as exigências de fixação tornaram-se progressivamente mais exigentes o que implica, no mínimo, um acompanhamento ao mesmo ritmo dos sistemas de fixação, caso contrário, o resultado

2 pode ser o aparecimento sucessivo de patologias associadas ao destacamento das peças cerâmicas [5]. Por isso, tal desenvolvimento tem implicado a transformação do cimentocola simples, apenas com cimento como material ligante, para colas de ligantes mistos, isto é, com base em formulações com uma componente mineral, obtida a partir do cimento, e uma componente orgânica, obtida a partir da adição de polímeros. Adicionalmente, os valores de tracção perpendicular deixaram de ser exclusivamente responsáveis pela decisão de escolha de um produto, sendo acompanhadas, especialmente na aplicação em fachadas, pela análise de deformação dos materiais. Contudo, ainda que se tenha caminhado no sentido de um aumento progressivo das propriedades associadas aos cimentos-cola, o resultado não tem sido, infelizmente, o mais desejado, dado que se tem observado um conjunto de patologias, especialmente associadas à aplicação em fachada. Por se tratar de uma questão de resolução difícil, assumem-se inúmeras restrições à fixação de elementos cerâmicos em fachada que passam por parâmetros como a altura da aplicação dos cerâmicos, o formato e tipo dos mesmos, entre outros [6,7]. Alguns autores, justificam as patologias de destacamento, essencialmente do ponto de vista mecânico, já que um sistema complexo, composto por ladrilhos cerâmicos, argamassa-cola, suporte e produto de preenchimento de juntas, está sujeito a um conjunto de variações dimensionais capaz de gerar restrições de movimentos e, por conseguinte, uma concentração de tensões de compressão, tracção ou corte, cujo resultado pode ser o destacamento do revestimento por várias interfaces possíveis. Outras justificações, passam pela indicação de problemas associados à aplicação dos materiais, que condicionam a colocação em perfeitas condições, para se obter máximo desempenho [8-1]. Uma alternativa de análise pode passar, no entanto, por possíveis alterações químicas e estruturais na argamassa-cola, já que na sua constituição, existem componentes que podem sofrer alterações químicas ou físicas, em função de exposição a condições favoráveis às mesmas [11,12]. Neste contexto, o trabalho em curso pretende apresentar um estudo sobre a influência de algumas variáveis na estrutura da argamassa-cola. Entre estas, destaca-se os efeitos da temperatura, da água, dos raios ultravioletas (U.V.) e de sais solúveis. A análise da sua influência compreende a medição dos valores de tracção perpendicular e análises da componente orgânica da argamassa, por extracção química, análise térmica gravimétrica e diferencial (TG/ATD) e por espectroscopia no infravermelho (IV) e espectroscopia de ressonância magnética nuclear de protão ( 1 HRMN). 2. MATERIAIS A formulação de argamassa-cola testada consiste numa mistura de ligantes minerais e orgânicos, agregados e adjuvantes para conferir propriedades específicas, de acordo com o indicado na tabela 1. A mistura apresentada é, posteriormente, amassada com água, numa proporção de 25ml H 2 O para 1g de pó, de acordo com as normas EN 124 e EN 1348.

3 Tabela 1. Constituição da argamassa-cola em análise Constituinte Características gerais* % (em massa) Cimento cinza I, Areia mm Metil hidróxi etil celulose Viscosidade: aprox. 15 mpa.s.47 Poli(etileno-co-acetato de vinilo) EVA Tg: +16 ºC 5 *dados do fornecedor Preparam-se uma série de provetes que, após 28 dias sob condições de cura padrão, foram submetidos às seguintes condições de envelhecimento, tal como abaixo se descreve: a) 28 dias condições padrão Por condições padrão consideram-se aquelas relativas na norma EN 1348, para argamassas-cola: humidade relativa (Hr) (55%) e temperatura (23 ºC). b) n ciclos de imersão em solução salina de cloretos; As amostras foram imersas numa solução aquosa de cloreto de sódio (.1M) durante 24 horas e, posteriormente, secas em estufa ventilada (7 ºC) por igual período de tempo. Seguidamente, as amostras foram então sujeitas a ciclos diários de 12 horas a 9 % H r e 12 horas a 6 % Hr a uma temperatura constante de 23 ºC. Para cada conjunto de ciclos registou-se o valor de tracção e o estado de integridade das amostras. c) n ciclos de imersão em solução salina de sulfatos; As amostras foram imersas numa solução aquosa de sulfato de sódio (.1 M) durante 2 horas e, posteriormente, secas em estufa ventilada (7 ºC) durante 22 horas. Para cada conjunto de ciclos registou-se o valor de tracção e o estado de integridade das amostras. d) condições de carbonatação; As amostras foram inseridas numa câmara com 9% de H r e.15 atm de CO 2. Em função do tempo de exposição, realizaram-se ensaios de tracção perpendicular e avaliou-se o estado de integridade das amostras. e ) exposição a radiação de raios U.V.; As amostras foram expostas a raios U.V., com uma potência de 16 W, durante um período de 5 horas, seguido de 19 horas em condições padrão. 3. ENSAIOS REALIZADOS Os primeiros ensaios consistiram na determinação da aderência por tracção perpendicular, para avaliação da propriedade que define a eficiência da argamassa-cola. Tendo em conta a sensibilidade da componente orgânica às condições de cura/envelhecimento testadas complementarmente, recolheram-se amostras da argamassacola após exposição às várias condições de envelhecimento e procedeu-se a um conjunto de análises, com particular interesse na componente orgânica da argamassa.

4 3.1. Ensaios de caracterização da argamassa a) De acordo com a norma EN 1348 e EN 124: após a amassadura, preparam-se os provetes de ensaio, relativamente à aderência por tracção perpendicular, igualmente de acordo com a EN 1348, para aderência (a) inicial, (b) após imersão, (c) após envelhecimento por calor e (d) ciclos de gelo-degelo [13]. b) Extracção química As amostras de argamassa-cola endurecida, em condições de cura padrão e envelhecidas, de acordo com os procedimentos indicados na secção 2, foram submetidas a uma extracção Shoxlet utilizando acetato de etilo como solvente. O objectivo desta etapa é duplo: (i) determinar a massa de polímero extraída/removido e compará-la com a massa inicial de polímero utilizada na preparação da argamassa (i.e. determinar a percentagem de massa de polímero que se conseguiu remover cujos resultados são expressos em percentagem de massa, calculada relativamente à massa inicial da amostra.); (ii) isolar a componente orgânica para posterior caracterização. c) Análise térmica gravimétrica e diferencial (TG/ATD) As amostras foram submetidas às análises térmicas, num equipamento LABSYS TGA/DSC, modelo SETARAM Netzsch STA 49EP, que permite a realização simultânea da análise térmica diferencial e gravimétrica. Procedeu-se à moagem manual prévia, da amostra, usando um martelo coberto por alumínio para evitar contaminação e, seguidamente, uma segunda moagem em almofariz de ágata, até se obter um diâmetro de partículas homogéneo. As amostras foram submetidas a um aquecimento contínuo, à taxa de 1 ºC/min., de 25 ºC a 12 ºC, sob atmosfera de N 2 (2 ml/min). d) Análise por espectroscopia de ressonância magnética nuclear de protão ( 1 HRMN) Os espectros de 1 H RMN foram obtidos em solução num espectrómetro BRUKER AMX- 3 MHz utilizando tetrametilsilano como padrão. As amostras foram dissolvidas em clorofórmio deuterado (ca 1 mg/ml). e) Análise por espectroscopia no infravermelho (IV) Os espectros de IV foram registados num espectrómetro Mattson 7 com transformadas de Fourrier (FTIR). As amostras foram misturadas com KBr (ca 1% amostra relativamente ao KBr), moídas e prensadas para se obterem pastilhas de KBr. 4. RESULTADOS 4.1. Aderência por tracção perpendicular As tabelas 2, 3, 4 e 5, apresentam os resultados relativos à aderência por tracção perpendicular, para as várias condições de envelhecimento adoptadas. Adicionalmente, indica-se o tipo de rotura, maioritariamente verificado para cada caso.

5 Tabela 2. Aderência por tracção perpendicular em função de vários requisitos da norma EN 124 (CF- rotura coesiva; A- adesivo; AF- rotura adesiva; T- cerâmico). Condição do ensaio Aderência (N/mm 2 ) Tipo de Rotura Inicial (Padrão) 2.34 CF-A (7%) Após envelhecimento por 1.5 AF-T (6%) calor (a quente) (1) Após envelhecimento por 2.64 CF-A (7%) calor Após imersão em água 1.1 AF-T (1%) Após ciclos gelo-degelo 1.14 AF-T (1%) (1) Medição após saída da estufa a quente (ensaio não exigido pela norma para este tipo de produto). Tabela 3. Aderência por tracção perpendicular da argamassa, após exposição num ambiente de CO 2 (.15 atm) e 9% H r (ensaio carbonatação). Tempo exposição Aderências (N/mm 2 ) Tipo de Rotura 7 dias 1.95 CF-A (5%) 22 dias 2.1 CF-A (6%) 37 dias 2.7 CF-A (3%) 55 dias 2.5 CF-A (3%) CF- rotura coesiva; A- adesivo. Tabela 4. Aderência por tracção perpendicular da argamassa, após sujeição a ciclos de envelhecimento por acção de cloretos. Nº ciclos Aderências (N/mm 2 ) Tipo de Rotura CF-A (6%) CF-A (9%) CF-A (7%) CF- rotura coesiva; A- adesivo.

6 Tabela 5. Aderência por tracção perpendicular da argamassa, após sujeição a ciclos de envelhecimento por acção de sulfatos. Nº ciclos Aderências (N/mm 2 ) Tipo de Rotura AF-T (1%) CF-A (3%) CF-A (4%) CF- rotura coesiva; A- adesivo; AF- rotura adesiva; T- cerâmico Extracção química A figura 1 apresenta a percentagem de matéria removida por extracção química de argamassas após serem sujeitas a diferentes condições de envelhecimento. 2, % massa extraída 1,5 1,,5, Cloretos Sulfatos Imersão Carbonatação Ciclos de calor U.V. Calor 28 dias (padrão) Figura 1. Percentagem de matéria removida por extracção das amostras em análise Análise TG/ATD Os resultados relativos à análise termogravimétrica estão ilustrados na figura 2. Os resultados apresentados referem-se à caracterização das amostras de argamassa-cola após cura sob condições padrão e posterior submissão a algumas condições de envelhecimento representativas. Adicionalmente, inserem-se resultados relativos ao comportamento de um filme do co-polímero EVA, preparado a partir de uma mistura do material em pó com água numa proporção 1:1 e seco posteriormente, em condições de cura padrão, durante um período de 28 dias.

7 28 dias (padrão) Calor TG (%) TG ATD Fluxo energético (µv) TG (%) TG ATD Fluxo energético (µv) T (ºC) T (ºC) -3 Carbonatação Filme EVA TG (%) TG ATD T (ºC) Fluxo energético (µv) TG (%) TG ATD T(ºC) Fluxo energético (µv) Figura 2. Análise TG/ATD relativa à amostra a) após cura em condições padrão, b) após acção do calor, c) após carbonatação e d) do filme de EVA isolado Análise por espectrometria 1 HRMN e IV A figura 3 apresenta os espectros 1 HRMN da parte orgânica extraída da argamassa-cola após cura sob condições padrão e posterior submissão a algumas condições de envelhecimento representativas. Para comparação, apresenta-se ainda o espectro do copolímero EVA. Na tabela 6, apresenta-se a relação de áreas dos picos entre os protões correspondentes aos ambientes químicos mais significativos para todos os ensaios realizados. No caso específico do co-polímero EVA é considerada a seguinte atribuição: δ H [3 MHz CDCl 3 ]: (6H, CH 2 -CH 2 e CH 2 -CHO), 2.5 (3H, CH 3 -C[O]O), 4.89 (1, CH 2 -CHO).

8 Tabela 6. Efeito das condições de envelhecimento sobre a relação entre os protões em diferentes ambientes químicos da componente orgânica. Amostra/ Tipo de ensaio CH 2 -CHO (a) (esqueleto da cadeia) CH 3 -C[O]O (b) (grupo acetato) CH 2 -CH 2 e CH 2 -CHO (c) (esqueleto da cadeia) EVA Padrão Ciclos térmicos Calor Cloretos Ciclos térmicos Carbonatação Imersão UV ) ) (b) 1 (a) (c) ppm (t1) ppm (t1) ) ) ppm (t1) ppm (t1) Figura 3. Espectros de 1 HRMN de 1) EVA e material extraído das argamassas-cola, sujeitas a diferentes condições de envelhecimento: 2) cura padrão, 3) calor e 4) carbonatação.

9 Através da espectrometria no IV registou-se o desaparecimento da banda a 1743 cm -1, correspondente do grupo carbonilo do acetato, para as amostras que foram expostas a condições de envelhecimento promotoras de hidrólise. 5. DISCUSSÃO DE RESULTADOS Os resultados indicados na tabela 2, relativos à caracterização da argamassa, segundo os ensaios da norma EN 1348, revelam um produto com aderências elevadas após 28 dias de cura e após envelhecimento por calor. A medição a quente, porém, indica um valor menor de aderência. Tal pode ser justificado pelo facto de, à temperatura de ensaio (7 C), o grau de mobilidade das cadeias ser superior. No entanto, percebe-se que as alterações, a existirem, são reversíveis já que a medição após o arrefecimento, e segundo as orientações da EN 1348, corresponde a valores bastante superiores, até maiores que em condições padrão. Por outro lado, as medições relativas aos ensaios que implicam a presença de humidade, como a imersão em água e os ciclos gelo-degelo, resultam em valores substancialmente menores que nas outras condições de envelhecimento. Porém os dados das tabelas 3, 4 e 5, relativos a testes de influência de carbonatação e de sais, que implicam igualmente a presença de humidade, não revelam qualquer tendência ao longo dos ciclos de envelhecimento o que evidencia que a componente inorgânica da argamassa-cola também tem um papel significativo mas que não foi objecto de estudo. Os resultados da figura 1, referentes à extracção química, efectuada com o objectivo de isolar a componente orgânica do compósito, indicam que quando há imersão em água ou contacto com ambientes de elevada humidade relativa, verifica-se que a quantidade de matéria extraída é menor em comparação com os valores obtidos em condições de humidade relativa inferior a 55% (cura padrão). A diferença poderá ser justificada através das seguintes hipóteses: (i) o polímero após degradação (causada pelo envelhecimento) não é solúvel no acetato de etilo e/ou liga-se fortemente à argamassa não sendo por isso removido durante o processo de extracção. (ii) no caso das amostras submetidas a envelhecimentos que envolveram imersão em água e /ou soluções aquosas, o polímero poder-se-á dissolver na fase aquosa durante o processo de envelhecimento. Relativamente à hipótese (i), tal como se discute a seguir, as análises de ATD e IV das argamassas após extracção, sugerem a presença de polímero EVA degradado. No que respeita a hipótese (ii), a análise da água do ensaio de imersão confirmou a presença do co-polímero EVA ainda que com uma percentagem de hidrólise significativa. A análise da figura 2, relativa aos ensaios de ATD/TG do filme do co-polímero EVA, mostra que a decomposição do mesmo ocorre em dois passos principais: entre os 3 ºC e 4 ºC verifica-se uma perda de massa próxima de 4%, relacionada com a perda do grupo acetato e, entre os 425 ºC e 47 ºC, verifica-se uma perda acentuada de massa identificada com a degradação da estrutura poliénica [(CH 2 -CH 2 ) n -(CH=CH) m ][14]. Adicionalmente, os resultados relativos à amostra compósita, revelam alguns processos comuns, independentemente das condições de envelhecimento: a) Uma zona entre 8 ºC e 13 ºC relativa a perda de água, que se pode prolongar até aos 24 ºC, por correspondência com a saída de grupos hidroxilo do gesso e de algumas fases do cimento hidratado [15]; b) Uma zona entre 2 ºC e 47 ºC cuja perda de massa pode ser associada à decomposição do co-polímero EVA bem como do acetato de cálcio formado a partir da combinação do ião acetato (CH 3 COO - ) com o ião cálcio (Ca 2+ ). O primeiro

10 resultante da hidrólise alcalina do co-polímero EVA e o segundo resultante das reacções de hidratação do cimento portland [16,17]; c) Uma zona a partir dos 5 ºC, relativa principalmente à componente inorgânica da argamassa, que revela a desidroxilação da cal hidratada, que decorre perto dos 54 ºC e, a decomposição do carbonato de cálcio, entre os 68 ºC e 79 ºC [17,18]. Quando se comparam com maior detalhe as curvas TG/ATD da argamassa sujeita a diferentes condições de envelhecimento, verifica-se que o tipo de curva é semelhante, mesmo por comparação com as condições padrão. Porém, a amostra envelhecida por carbonatação, em condições simultâneas de humidade relativa elevada, apresenta perdas maiores nas zonas identificadas atrás como a) e b) e, sobretudo, em c) uma vez que a carbonatação incrementa a quantidade de carbonato que depois originará reacções de descarbonatação mais intensas. Nesta zona, a perda de massa atinge 8% enquanto que na amostra padrão é de 3% e na amostra sujeita a calor é de 5%. A curva ATD, nesta condição de envelhecimento particular, sugere uma redução dos picos exotérmicos da zona b) que pode derivar da decomposição do co-polímero EVA e do acetato de cálcio entre 2 e 47 ºC. A observação dos resultados da figura 3 e da tabela 6, relativos às análises por 1 HRMN, indica que, em todas as amostras, os protões se encontram em ambientes químicos idênticos. Porém, analisando a razão das áreas dos diferentes picos correspondentes aos vários ambientes químicos, verificam-se diferenças significativas consoante o processo de envelhecimento, corroborando as sugestões das análises anteriores sobre uma possível degradação do co-polímero EVA da argamassa-cola. Enquanto que no co-polímero EVA a proporção de protões é de acordo com a atribuição referida em 4.4 de 1:3:6, nas amostras de material extraído após envelhecimento por condições que envolvem a presença de humidade ou imersão, a razão altera-se para 1:3:9 até 1:3:13, evidenciando a diminuição dos protões do grupo acetato (b) relativamente aos protões do esqueleto da cadeia (c). Quando as condições de cura da argamassa-cola implicaram calor, a razão não é tão fortemente alterada, embora se observe um decréscimo da área dos grupos metileno do esqueleto da cadeia (c) sugerindo alguma ruptura da mesma. Estes resultados são ainda concordantes com os espectros de IV obtidos para as várias amostras. 6. CONCLUSÕES Além de parâmetros mecânicos capazes de influenciar o comportamento de uma argamassa-cola no processo de fixação de um cerâmico, existe todo um conjunto de factores ambientais capazes de alterar os componentes da argamassa-cola, do ponto de vista químico. Entre os vários componentes possíveis, o trabalho em questão, indica alterações ao nível do polímero, capazes de modificar as propriedades de aderência da argamassa-cola. Assim, as condições de humidade elevada alteram significativamente a componente orgânica de uma argamassa-cola. Tal influência, parece implicar a hidrólise do co-polímero EVA. Como resultado de tais alterações, resulta uma diminuição gradual dos valores de aderência por tracção perpendicular do material de fixação. Esta interpretação assume ainda maior significado ao analisar um estudo de campo, efectuado por Silvestre e Brito [19], que indica condições ambientais, como a humidade e a presença de sais, como significativamente responsáveis pela maioria das anomalias na colagem de cerâmica, entre as quais, o destacamento.

11 A justificação para tais observações não passa, certamente, apenas pelas alterações relativas à parte orgânica da argamassa-cola, uma vez que a parte inorgânica, que deriva das reacções de hidratação de cimento, é fortemente influenciável em ambientes de elevada humidade relativa. Esta observação pode, por exemplo, justificar o facto da aderência não ter decrescido, tão significativamente, nos ensaios de exposição a soluções salinas e de carbonatação, quando comparada com a que se obtém com amostras imersas. A confirmar-se, tal significa que o valor de uma aderência é o resultado de uma combinação complexa entre os ligantes minerais e orgânicos, com difícil previsão sobre o mais determinante no desempenho global. No entanto, qualquer que seja o efeito de um determinado factor sobre o conjunto ou simplesmente numa fracção da argamassa, pode implicar alterações significativas ao nível da aderência do material de fixação, capazes de conduzir a diminuições da sua eficiência, pelo que merece a continuidade de estudos similares para melhoria das opções existentes. 7. AGRADECIMENTOS Júlio Longo agradece a bolsa de mestrado ao EMMS European Masters in Materials Science, um programa de mestrado conjunto apoiado pelo programa Erasmus Mundus. 8. BIBLIOGRAFIA [1] Roig, A.M.P., Reflection on the use of architectural ceramics in exteriors, in General Conferences, Qualicer 22, II, P.GII-23. [2] Freitas, V.P., Sousa, A. V.S., Silva, J.A.R.M., Manual de aplicação de revestimentos cerâmicos, Coimbra, Março 23. [3] Veloso, A. Barros, Almasque, Isabel, Azulejos de fachada em Lisboa, Revista Municipal, [4] Loureiro, J.C., O azulejo, possibilidade da sua reintegração na arquitectura portuguesa, 1962, Porto. [5] Lucas, J. A. Carvalho, Abreu, M. M. Mendes, Revestimentos cerâmicos colados, descolamento, Patologia e reabilitação das construções 4, LNEC, 25, Lisboa. [6] Revêtements de murs extérieurs en carreaux céramiques ou analogues collés au moyen de mortiers-colles, Cahier des prescriptions techniques d exécution, CSTB, 2, Paris. [7] Bize, B., Une certification CSTBat pour les colles à carrelage, CSTB magazine, 2, Paris. [8] Casademunt, A. P., Análisis de las causas que han producido el desprendimiento generalizado de azulejos en un hotel de reciente construcción y propuesta de intervención, 2, , Patorreb 26, Porto. [9] Abreu, M., Descolamento e fendilhação em revestimentos cerâmicos, 3º Encore, LNEC, , 23, Lisboa. [1] Pinheiro, D. S., Bragança, L., Aguiar, J. L. B., Descolagem de um revestimento cerâmico em fachada, 2, 41-49, Patorreb 26, Porto.

12 [11] Jenni, A., Zurbriggen, R., Holzer, L., Herwegh, M., Changes in microstructures and physical properties of polymer-modified mortars during wet storage, Cement and concrete research, 36, 79-9, 26. [12] Jenni, A., Holzer, L., Zurbriggen, R., Herwegh, M., Influence of polymers on microstructure and adhesive strength of cementitious tile adhesive mortars, Cement and concrete research, 35, 35-5, 25. [13] EN 1348, Determination of tensile adhesion strength for cementitious adhesives. [14] Soudais, Y., Moga, L., Blazek, J. Lemort, F., Coupled DTA-TGA-FT-IR investigation of pyrolitic decomposition of EVA, PVC and cellulose, J. Anal. Appl. Pyrolysis, 78, 46-57, 27. [15] Almeida, A. E. F., Sichieri, E. P., Thermogravimetric analysis and mineralogical study of polymer modified mortar with silica fume, Materials research, 9, , 26. [16] Silva, D. A., H. R. Roman, et al., Evidences of chemical interaction between EVA and hydrating Portland cement. Cement and Concrete Research 32, 9, , 22. [17] Silva, D.A., Roman, H.R., John,V.M., Effects of EVA and HEC polymers on the Portland cement hydration, In: 11th International Congress on Polymers in Concrete (ICPIC 4), Berlin, 91-97, 24. [18] Marques, S. M. F., Estudo de argamassas de reabilitação de edifícios antigos, Dissertação para o grau de mestrado, Universidade de Aveiro, 25. [19] Silvestre, J.D., Brito, J. de, Análise das causas das anomalias mais frequentes em revestimentos cerâmicos aderentes, 2, , Patorreb 26, Porto.

Análise de diferentes ligantes na formulação de argamassas industriais de reabilitação

Análise de diferentes ligantes na formulação de argamassas industriais de reabilitação Análise de diferentes ligantes na formulação de argamassas industriais de reabilitação Coimbra, 29 e 30 de Março 2012 Índice Enquadramento Norma NP EN 459 Matérias primas Composição Características Produto

Leia mais

Presa. Difícil de determinar o instante em que se dá a passagem do estado líquido ao estado sólido

Presa. Difícil de determinar o instante em que se dá a passagem do estado líquido ao estado sólido LIGANTES HIDRÓFILOS CIMENTOS Propriedades físicas e mecânicas do cimento Presa Métodos de definição do início de presa: condutibilidade eléctrica viscosidade desenvolvimento de calor, etc. Difícil de determinar

Leia mais

Um Contributo para a Sistematização do Conhecimento da Patologia da Construção em Portugal www.patorreb.com

Um Contributo para a Sistematização do Conhecimento da Patologia da Construção em Portugal www.patorreb.com Um Contributo para a Sistematização do Conhecimento da Patologia da Construção em Portugal www.patorreb.com Vasco Peixoto de Freitas Prof. Catedrático LFC FEUP Portugal vpfreita@fe.up.pt Sandro M. Alves

Leia mais

E 373 Inertes para Argamassa e Betões. Características e verificação da conformidade. Especificação LNEC 1993.

E 373 Inertes para Argamassa e Betões. Características e verificação da conformidade. Especificação LNEC 1993. 1.1. ÂMBITO Refere-se esta especificação a agregados para betão. Agregados para betão são os constituintes pétreos usados na composição de betões nomeadamente areias e britas. 1.2. ESPECIFICAÇÕES GERAIS

Leia mais

Recuperação do Património Edificado com Argamassas Industriais de Ligantes Hidráulicos

Recuperação do Património Edificado com Argamassas Industriais de Ligantes Hidráulicos Recuperação do Património Edificado com Argamassas Industriais de Ligantes Hidráulicos Foto autor 2 José Costa CIARGA Argamassas Secas Portugal jdcosta@cimpor.pt Catarina Coelho CIMPOR Indústria de Cimentos

Leia mais

Parabond 700 Adesivo estrutural elástico de elevada aderência e resistência inicial

Parabond 700 Adesivo estrutural elástico de elevada aderência e resistência inicial Parabond 700 Adesivo estrutural elástico de elevada aderência e resistência inicial Produto: Parabond 700 é um adesivo de alta qualidade, cura rápida, permanentemente elástico, à base de MS polímero, com

Leia mais

Aderência entre Betão Húmido e Resinas Epoxídicas

Aderência entre Betão Húmido e Resinas Epoxídicas Aderência entre Betão Húmido e Resinas Epoxídicas J. Barroso de Aguiar Professor Associado, Departamento de Engenharia Civil, Universidade do Minho e-mail: aguiar@eng.uminho,pt Azurém, 4800-058 Guimarães,

Leia mais

Geopolímero para reparo e reabilitação de vigas de concreto armado por P. Balaguru, Professor Stephen Kurtz e Jon Rudolph

Geopolímero para reparo e reabilitação de vigas de concreto armado por P. Balaguru, Professor Stephen Kurtz e Jon Rudolph Geopolímero para reparo e reabilitação de vigas de concreto armado por P. Balaguru, Professor Stephen Kurtz e Jon Rudolph À prova de fogo Reparos externos e reabilitação estrutural para infraestruturas

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 2. Apoio às aulas práticas

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 2. Apoio às aulas práticas MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 2 Apoio às aulas práticas Joana de Sousa Coutinho FEUP 2002 MC2 0 MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 2 Calda de cimento Argamassa Betão Cimento+água (+adjuvantes) Areia+ Cimento+água (+adjuvantes)

Leia mais

ETICS e argamassas térmicas: novos desafios de desempenho e sustentabilidade. Maria do Rosário Veiga rveiga@lnec.pt Sofia Malanho smalanho@lnec.

ETICS e argamassas térmicas: novos desafios de desempenho e sustentabilidade. Maria do Rosário Veiga rveiga@lnec.pt Sofia Malanho smalanho@lnec. e argamassas térmicas: novos desafios de desempenho e sustentabilidade Maria do Rosário Veiga rveiga@lnec.pt Sofia Malanho smalanho@lnec.pt Isolamento térmico pelo exterior Vantagens O isolamento térmico

Leia mais

IX Congresso Brasileiro de Análise Térmica e Calorimetria 09 a 12 de novembro de 2014 Serra Negra SP - Brasil

IX Congresso Brasileiro de Análise Térmica e Calorimetria 09 a 12 de novembro de 2014 Serra Negra SP - Brasil ESTUDO TERMOANALÍTICO DE COMPÓSITOS DE POLI(ETILENO-CO-ACETATO DE VINILA) COM BAGAÇO DE CANA-DE-AÇÚCAR Carla R. de Araujo, Igor B. de O. Lima, Cheila G. Mothé Departamento de Processos Orgânicos - Escola

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE REVESTIMENTOS HISTÓRICOS

CONSERVAÇÃO DE REVESTIMENTOS HISTÓRICOS PONTA DELGADA, 15 NOVEMBRO CONSERVAÇÃO DE REVESTIMENTOS HISTÓRICOS 3 Maria do Rosário Veiga rveiga@lnec.pt novembro 2013 PONTA DELGADA, 15 NOVEMBRO ESTRATÉGIAS DE CONSERVAÇÃO Critérios de decisão, técnicas

Leia mais

CIMENTO. 1.5 Tipos de Cimento Portland produzidos no Brasil. - Cimento Branco. - Cimentos resistentes a sulfato

CIMENTO. 1.5 Tipos de Cimento Portland produzidos no Brasil. - Cimento Branco. - Cimentos resistentes a sulfato CIMENTO 1.5 Tipos de Cimento Portland produzidos no Brasil - Cimento Branco - Cimentos resistentes a sulfato 1.6. Composição química do clínquer do Cimento Portland Embora o cimento Portland consista essencialmente

Leia mais

ESTUDO DE ARGAMASSAS FUNCIONAIS PARA UMA CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL

ESTUDO DE ARGAMASSAS FUNCIONAIS PARA UMA CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL TECNOLOGIAS E SISTEMAS DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL - ITeCons, Coimbra 14.DEZEMBRO.2011 ESTUDO DE ARGAMASSAS FUNCIONAIS PARA UMA CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL Sandra Lucas, José B. Aguiar, Victor M. Ferreira* [Universidade

Leia mais

Paulo A. M. Moradias. Pedro D. Silva. João Castro Gomes

Paulo A. M. Moradias. Pedro D. Silva. João Castro Gomes Paulo A. M. Moradias Pedro D. Silva João Castro Gomes C-MADE, Centro de Materiais e Tecnologias da Construção, Universidade da Beira Interior stomas@ipcb.pt Neste trabalho foi efetuado um estudo experimental

Leia mais

CAPÍTULO V. Parte Experimental

CAPÍTULO V. Parte Experimental CAPÍTULO V Parte Experimental Capítulo V 206 Parte experimental 5. Parte experimental Materiais: Todos os compostos comercialmente disponíveis foram usados conforme foram recebidos. Esteróides, fluoreno,

Leia mais

2. REQUISITOS DAS ARGAMASSAS PARA REPARAÇÃO

2. REQUISITOS DAS ARGAMASSAS PARA REPARAÇÃO ESTUDO DE ARGAMASSAS DE CAL HIDRAULICA DE REFECHAMENTO DE JUNTAS DE PEDRAS José Domingos Costa Cimpor Argamassas Grupo Cimpor Portugal jdcosta@cimpor.com Ana Pérez Lobato Morteros de Galicia,S.L. Grupo

Leia mais

Tabela de preços de ensaios do LREC. Designação do Ensaio

Tabela de preços de ensaios do LREC. Designação do Ensaio do AÇOS AC01-1 Tração de rotura de arames EN ISO 6892-1 30,00 AÇOS AC02-1 Tração de varões (todos os parâmetros) EN ISO 6892-1 53,00 AGREGADOS AG01-1 Agregados - Amostragem para pavimentação (1) LNEC E

Leia mais

weber.col classic plus

weber.col classic plus 1/6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: 1.1. Nome: 1.2. Aplicações: Cimento-Cola. Este produto destina-se à colagem de cerâmica. 1.2. Entidade Responsável: 1.3. Telefone de Emergência: Saint-Gobain

Leia mais

Quando tratamos das propriedades de um material transformado, segundo muitos pesquisadores, estas dependem de uma reciclagem bem sucedida. Para que isto ocorra, os flocos de PET deverão satisfazer determinados

Leia mais

RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO. ANÁLISE DA VIABILIDADE DA SUA APLICAÇÃO EM MISTURAS BETUMINOSAS

RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO. ANÁLISE DA VIABILIDADE DA SUA APLICAÇÃO EM MISTURAS BETUMINOSAS RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO. ANÁLISE DA VIABILIDADE DA SUA APLICAÇÃO EM MISTURAS BETUMINOSAS Ana Duarte Conceição 1, Rosa Luzia 2 e Dinis Gardete 2 1 Escola Superior de Tecnologia do Instituto Politécnico

Leia mais

Propriedades do Concreto

Propriedades do Concreto Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais Propriedades do Concreto EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO Profa. Nívea Pons PROPRIEDADES DO CONCRETO O concreto fresco é assim considerado até

Leia mais

ADJUVANTES PARA AS ARGAMASSAS OU BETÕES

ADJUVANTES PARA AS ARGAMASSAS OU BETÕES 1.1. OBJECTO Os adjuvantes para as argamassas ou betões devem obedecer às condições técnicas gerais relativas a materiais e elementos de construção e ainda aos vários documentos que lhe são aplicáveis.

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS

IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Ciência e Tecnologia dos Materiais IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS Prof.Dra Vanessa Silveira Silva 1 IMPORTÂNCIA DA CURA

Leia mais

ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE COMPONENTES DO REVESTIMENTO

ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE COMPONENTES DO REVESTIMENTO TECNOLOGIA DE REVESTIMENTO Componentes do sistema BASE CHAPISCO Base Características importantes: Avidez por água - inicial e continuada Rugosidade EMBOÇO ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE Chapisco Função:

Leia mais

porcelanato interno ficha técnica do produto

porcelanato interno ficha técnica do produto 01 DESCRIÇÃO: votomassa é uma argamassa leve de excelente trabalhabilidade e aderência, formulada especialmente para aplicação de revestimentos cerâmicos e s em áreas internas. 02 CLASSIFICAÇÃO TÉCNICA:

Leia mais

FAUL 2007 REVESTIMENTOS DE PAREDES DE EDIFÍCIOS RECENTES. Maria do Rosário Veiga rveiga@lnec.pt Laboratório Nacional de Engenharia Civil - LNEC

FAUL 2007 REVESTIMENTOS DE PAREDES DE EDIFÍCIOS RECENTES. Maria do Rosário Veiga rveiga@lnec.pt Laboratório Nacional de Engenharia Civil - LNEC FAUL 2007 REVESTIMENTOS DE PAREDES DE EDIFÍCIOS RECENTES Maria do Rosário Veiga rveiga@lnec.pt Laboratório Nacional de Engenharia Civil - LNEC FUNÇÕES E EXIGÊNCIAS FUNCIONAIS Como especificar revestimentos

Leia mais

Comportamento de Argamassas e Elementos de Alvenaria Antiga Sujeitos à Acção de Sais

Comportamento de Argamassas e Elementos de Alvenaria Antiga Sujeitos à Acção de Sais Comportamento de Argamassas e Elementos de Alvenaria Antiga Sujeitos à Acção de Sais Sílvia Oliveira Universidade de Aveiro, silviagoliveira@ua.pt Olga Barros Saint-Gobain Weber, olga.barros@weber-cimenfix.com

Leia mais

6 Constituição dos compósitos em estágio avançado da hidratação

6 Constituição dos compósitos em estágio avançado da hidratação 6 Constituição dos compósitos em estágio avançado da hidratação Este capítulo analisa a constituição dos compósitos com CCA com base nos resultados de análise termogravimétrica e microscopia. As amostras

Leia mais

Patologia em Revestimentos de Fachada

Patologia em Revestimentos de Fachada PATOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES Revestimentos de 1 Nome:Fernando Marques Ribeiro Matricula: 27667 Docente: Orlando Carlos B. Damin Artigo: Fonte: Editora: Ordem dos Engenheiros Região Norte / 2011 Autores: Ana

Leia mais

PROPRIEDADES DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO

PROPRIEDADES DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO COMPORTAMENTO FÍSICO No estado fresco inicial Suspensão de partículas diversas pasta de cimento agregados aditivos ou adições Endurecimento progressivo na fôrma produtos da

Leia mais

Colagem de Cerâmica e Rochas Ornamentais

Colagem de Cerâmica e Rochas Ornamentais Colagem de Cerâmica e Rochas Ornamentais Luís Silva Dina Frade Nelson Moreira Associação Portuguesa de Fabricantes de Argamassas e ETICS Colagem de Cerâmica e Rochas Ornamentais AICCOPN, Porto, 2014.03.13

Leia mais

VENTILAÇÃO NATURAL EM EDIFÍCIOS DE HABITAÇÃO CARACTERIZAÇÃO DOS SISTEMAS

VENTILAÇÃO NATURAL EM EDIFÍCIOS DE HABITAÇÃO CARACTERIZAÇÃO DOS SISTEMAS VENTILAÇÃO NATURAL EM EDIFÍCIOS DE HABITAÇÃO CARACTERIZAÇÃO DOS SISTEMAS Manuel Pinto 1 e Vasco Peixoto de Freitas 2 RESUMO As recomendações técnicas sobre ventilação existentes em vários países propõem

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ADERÊNCIA DE SISTEMAS ARGAMASSADOS SOBRE MANTAS ASFÁLTICAS

AVALIAÇÃO DA ADERÊNCIA DE SISTEMAS ARGAMASSADOS SOBRE MANTAS ASFÁLTICAS AVALIAÇÃO DA ADERÊNCIA DE SISTEMAS ARGAMASSADOS SOBRE MANTAS ASFÁLTICAS IRENE DE AZEVEDO LIMA JOFFILY (1) MARCELO BRAGA PEREIRA (2) (1) Professora Mestre do UniCeub/Virtus Soluções (2) Graduando em Engenharia

Leia mais

CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO. Prof. Ruy Alexandre Generoso

CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO. Prof. Ruy Alexandre Generoso CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO Prof. Ruy Alexandre Generoso É um dos materiais mais importantes de engenharia usado em construções. É usado nos mais variados tipos de construções tais como: barragens,

Leia mais

Goiânia GO. Daniel da Silva ANDRADE Danillo de Almeida e SILVA André Luiz Bortolacci GAYER

Goiânia GO. Daniel da Silva ANDRADE Danillo de Almeida e SILVA André Luiz Bortolacci GAYER O comportamento do concreto de alto desempenho com sílica ativa e metacaulim como adições químicas minerais quanto à sua resistência à compressão utilizando agregados provenientes da região metropolitana

Leia mais

Reabilitação de revestimentos de pisos correntes com recurso a argamassas

Reabilitação de revestimentos de pisos correntes com recurso a argamassas Reabilitação de revestimentos de pisos correntes com recurso a argamassas A. Jorge Sousa Mestrando IST Portugal a.jorge.sousa@clix.pt Jorge de Brito ICIST/IST Portugal jb@civil.ist.utl.pt Fernando Branco

Leia mais

FOSFATO DISSÓDICO DE DEXAMETASONA

FOSFATO DISSÓDICO DE DEXAMETASONA FSFAT DISSÓDIC DE DEXAMETASNA Dexamethasoni natrii phosphas H H H P Na Na F H C 22 H 28 FNa 2 8 P 516,41 02821 Fosfato dissódico de 9-fluoro-11β,17 diidroxi-16α-metil-3, 20- dioxopregna- 1,4 dieno-21-il

Leia mais

5. CONSIDERAÇÕES FINAIS

5. CONSIDERAÇÕES FINAIS 148 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS 5.1 CONCLUSÕES A partir dos resultados apresentados e analisados anteriormente, foi possível chegar às conclusões abordadas neste item. A adição tanto de cinza volante, como

Leia mais

LICENCIATURA EM ENGENHARIA CIVIL Obrigatória. Unidade Curricular TECNOLOGIA DOS MATERIAIS DE CONSTRUÇÃOII

LICENCIATURA EM ENGENHARIA CIVIL Obrigatória. Unidade Curricular TECNOLOGIA DOS MATERIAIS DE CONSTRUÇÃOII Ficha de Unidade Curricular (FUC) Curso LICENCIATURA EM ENGENHARIA CIVIL Obrigatória Unidade Curricular TECNOLOGIA DOS MATERIAIS DE CONSTRUÇÃOII Opcional Área Científica ENGENHARIA CIVIL Classificação

Leia mais

Protective Coatings. O seu parceiro a nível mundial

Protective Coatings. O seu parceiro a nível mundial O seu parceiro a nível mundial Sika - Integrada a nível global, presente a nível local Sika é uma empresa da indústria química globalmente activa e integrada - líder mundial no fornrcimento de materiais

Leia mais

Aplicação de XPS em sistema ETICS e suas vantagens

Aplicação de XPS em sistema ETICS e suas vantagens Fachadas energeticamente eficientes: contribuição dos ETICS/Argamassas Térmicas Aplicação de XPS em sistema ETICS e suas vantagens Oradora: Vera Silva Associação Portuguesa de Fabricantes de Argamassas

Leia mais

BIANCO é uma resina sintética de alto desempenho que proporciona excelente aderência das argamassas aos mais diversos substratos.

BIANCO é uma resina sintética de alto desempenho que proporciona excelente aderência das argamassas aos mais diversos substratos. Descrição BIANCO é uma resina sintética de alto desempenho que proporciona excelente aderência das argamassas aos mais diversos substratos. BIANCO confere maior elasticidade e, assim, maior resistência

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA MOD.QAS.033 / 03

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA MOD.QAS.033 / 03 1/6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: 1.1. Nome: 1.2. Aplicações: Argamassa com fibras para reparação estrutural de betão. 1.2. Entidade Responsável: 1.3. Telefone de Emergência: Saint-Gobain Weber

Leia mais

2 Materiais e Métodos

2 Materiais e Métodos 1 ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DE VIGAS REFORÇADAS POR ACRÉSCIMO DE CONCRETO À FACE COMPRIMIDA EM FUNÇÃO DA TAXA DE ARMADURA LONGITUDINAL TRACIONADA PRÉ-EXISTENTE Elias Rodrigues LIAH; Andréa Prado Abreu REIS

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA VERIFICAÇÃO DAS SONDAS NA SECAGEM INDUSTRIAL DE MADEIRA

A IMPORTÂNCIA DA VERIFICAÇÃO DAS SONDAS NA SECAGEM INDUSTRIAL DE MADEIRA A IMPORTÂNCIA DA VERIFICAÇÃO DAS SONDAS NA SECAGEM INDUSTRIAL DE MADEIRA OFÉLIA ANJOS 1, RICARDO CUNHA 2, MARTA MARGARIDO 1 1 Unidade Departamental de Silvicultura e Recursos Naturais, Escola Superior

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL - A AGLOMERANTES. Profa Lia Lorena Pimentel

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL - A AGLOMERANTES. Profa Lia Lorena Pimentel MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL - A AGLOMERANTES Profa Lia Lorena Pimentel Aglomerantes: Terminologia (NBR 11172) Aglomerante de origem mineral Produto com constituintes minerais que, para sua aplicação,

Leia mais

Adições Minerais ao Concreto Materiais de Construção II

Adições Minerais ao Concreto Materiais de Construção II Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Adições Minerais ao Concreto Materiais de Construção II Professora: Mayara Moraes Adições Minerais Fonseca, 2010: Aditivos químicos ASTM C125

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental III-065 - AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE VIDRO COMINUIDO COMO MATERIAL AGREGADO AO CONCRETO

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental III-065 - AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE VIDRO COMINUIDO COMO MATERIAL AGREGADO AO CONCRETO 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina III-065 - AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE VIDRO COMINUIDO COMO MATERIAL AGREGADO AO CONCRETO

Leia mais

Artigo. Condensações em Edifícios. Publicado na revista Arquitectura & Vida, nº 63, Set. 2005, pp. 71-74. Maio 2005 AC05103LIS/ENG

Artigo. Condensações em Edifícios. Publicado na revista Arquitectura & Vida, nº 63, Set. 2005, pp. 71-74. Maio 2005 AC05103LIS/ENG Artigo Publicado na revista Arquitectura & Vida, nº 63, Set. 2005, pp. 71-74 Maio 2005 AC05103LIS/ENG Condensações em Edifícios Luís Viegas Mendonça Condensações em Edifícios Luís Viegas Mendonça* Sumário

Leia mais

Caracterização de argamassas para assentamento de alvenaria de tijolo

Caracterização de argamassas para assentamento de alvenaria de tijolo Caracterização de argamassas para assentamento de alvenaria de tijolo Manuel F Paulo Pereira Universidade do Minho Portugal pp@ppsec.pt José B. Aguiar Universidade do Minho Portugal aguiar@civil.uminho.pt

Leia mais

PATOLOGIAS EM PAVIMENTOS E COBERTURA DE EDIFÍCIOS

PATOLOGIAS EM PAVIMENTOS E COBERTURA DE EDIFÍCIOS PATOLOGIAS EM PAVIMENTOS E COBERTURA DE EDIFÍCIOS Hélder Maurício Antunes Cruz * a40472@alunos.uminho.pt José Barroso de Aguiar aguiar@civil.uminho.pt Resumo A presente comunicação reflecte um estudo na

Leia mais

VERIFICAÇÃO DA RESISTÊNCIA DE UM CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND DO TIPO CPII-Z-32 PREPARADO COM ADIÇÃO DE UM RESÍDUO CERÂMICO

VERIFICAÇÃO DA RESISTÊNCIA DE UM CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND DO TIPO CPII-Z-32 PREPARADO COM ADIÇÃO DE UM RESÍDUO CERÂMICO VERIFICAÇÃO DA RESISTÊNCIA DE UM CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND DO TIPO CPII-Z-32 PREPARADO COM ADIÇÃO DE UM RESÍDUO CERÂMICO Belarmino Barbosa Lira (1) Professor do Departamento de Engenharia Civil e Ambiental

Leia mais

MELHORAMENTO DO DESEMPENHO DE MISTURAS DE SOLO-CIMENTO ENHANCING PERFORMANCE OF SOIL-CEMENT MIXTURES

MELHORAMENTO DO DESEMPENHO DE MISTURAS DE SOLO-CIMENTO ENHANCING PERFORMANCE OF SOIL-CEMENT MIXTURES MELHORAMENTO DO DESEMPENHO DE MISTURAS DE SOLO-CIMENTO ENHANCING PERFORMANCE OF SOIL-CEMENT MIXTURES Cruz, M. Lurdes S., Instituto Politécnico de Bragança, Bragança, Portugal, lurdes@ipb.pt Jalali, Said,

Leia mais

REINVENTANDO O ISOLAMENTO ACÚSTICO E SUSTENTÁVEL

REINVENTANDO O ISOLAMENTO ACÚSTICO E SUSTENTÁVEL REINVENTANDO O ISOLAMENTO ACÚSTICO E SUSTENTÁVEL Reinventing how cork engages the world. A REINVENÇÃO DO CONFORTO E DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Maximizando o conforto e a eficiência energética com ACOUSTICORK.

Leia mais

TINTAS E VERNIZES MCC1001 AULA 7

TINTAS E VERNIZES MCC1001 AULA 7 TINTAS E VERNIZES MCC1001 AULA 7 Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil DEFINIÇÃO: TINTAS

Leia mais

Degradação de Polímeros

Degradação de Polímeros Degradação de Polímeros Degradação de Polímeros e Corrosão Prof. Hamilton Viana Prof. Renato Altobelli Antunes 1. Introdução Degradação é qualquer reação química destrutiva dos polímeros. Pode ser causada

Leia mais

BETUME BORRACHA. Pedro Seixas, PROBIGALP. Luís Gomes, MOTA-ENGIL. Susana Maricato, GALP ENERGIA

BETUME BORRACHA. Pedro Seixas, PROBIGALP. Luís Gomes, MOTA-ENGIL. Susana Maricato, GALP ENERGIA BETUME BORRACHA Pedro Seixas, PROBIGALP Luís Gomes, MOTA-ENGIL Susana Maricato, GALP ENERGIA Princípios gerais Construir Estradas de altas prestações; Colaborar na protecção do meio ambiente. Ecoeficácia

Leia mais

Definição. laje. pilar. viga

Definição. laje. pilar. viga Definição É a rocha artificial obtida a partir da mistura, e posterior endurecimento, de um aglomerante (normalmente cimento portland), água, agregado miúdo (areia quartzoza), agregado graúdo (brita),

Leia mais

Informativo técnico SIO2

Informativo técnico SIO2 Informativo técnico SIO2 INFORMATIVO TÉCNICO Sílica Ativa ASTM C494 Active Silic é um produto decorrente do processo de fabricação do sílico metálico ou do ferro sílico, de onde é gerado o gás SiO, que

Leia mais

Pedra Natural em Fachadas

Pedra Natural em Fachadas Pedra Natural em Fachadas SELEÇÃO, APLICAÇÃO, PATOLOGIAS E MANUTENÇÃO Real Granito, S.A. Índice Características típicas dos diferentes tipos de Rochas Ensaios para a caracterização de produtos em Pedra

Leia mais

BLOCOS, ARGAMASSAS E IMPORTÂNCIA DOS BLOCOS CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO. Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 1

BLOCOS, ARGAMASSAS E IMPORTÂNCIA DOS BLOCOS CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO. Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 1 Escola Politécnica da USP PCC 2515 Alvenaria Estrutural BLOCOS, ARGAMASSAS E GRAUTES Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco IMPORTÂNCIA DOS BLOCOS! DETERMINA CARACTERÍSTICAS IMPORTANTES DA PRODUÇÃO! peso e dimensões

Leia mais

MACO II PUC GO Professora Mayara Moraes

MACO II PUC GO Professora Mayara Moraes MACO II PUC GO Professora Mayara Moraes Argamassas NBR13281 Histórico 1º. registro de emprego na construção: Pré-História Piso polido de 180 m² feito com pedras e argamassa cal e areia: ~ 7000 a 9000

Leia mais

QUÍMICA Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 1ª período

QUÍMICA Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 1ª período QUÍMICA Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Conclusão 74471 Química Estrutural 34 Química Química Inorgânica para Ciências Farmacêuticas OU 68 68977 Ciências Farmacêuticas 2008

Leia mais

A TEMPERATURA NUM CONTEXTO EDUCACIONAL

A TEMPERATURA NUM CONTEXTO EDUCACIONAL A TEMPERATURA NUM CONTEXTO EDUCACIONAL Mário Talaia e Marta Andreia Silva Departamento de Física, Universidade de Aveiro, 3810-193, Aveiro, Portugal Contacto: mart@fis.ua.pt RESUMO O presente artigo surge

Leia mais

Impermeável Protector Resistente impermeabilizações objectivo - problema - solução objectivo 1 Prevenir a infiltração de água para os pavimentos e paredes das cozinhas, casas de banho, balneários e outros

Leia mais

Materiais de Construção AGREGADOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL

Materiais de Construção AGREGADOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL Materiais de Construção AGREGADOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL Agregados para concreto Os agregados constituem um componente importante no concreto, contribuindo com cerca de 80% do peso e 20% do custo de concreto

Leia mais

ANEXO A CADERNO DE ENCARGOS DA OBRA EN 244 BENEFICIAÇÃO ENTRE PONTE DE SÔR E O ENTRONCAMENTO

ANEXO A CADERNO DE ENCARGOS DA OBRA EN 244 BENEFICIAÇÃO ENTRE PONTE DE SÔR E O ENTRONCAMENTO ANEXO A CADERNO DE ENCARGOS DA OBRA EN 244 BENEFICIAÇÃO ENTRE PONTE DE SÔR E O ENTRONCAMENTO COM A EN 118 RECICLADO SEMI - QUENTE COM EMULSÃO BETUMINOSA 1. Definição Define-se como reciclado semi-quente

Leia mais

2.º Seminário Engenharia Rodoviária O FUTURO DA PAVIMENTAÇÃO

2.º Seminário Engenharia Rodoviária O FUTURO DA PAVIMENTAÇÃO 2.º Seminário Engenharia Rodoviária O FUTURO DA PAVIMENTAÇÃO ENQUADRAMENTO Portugal é o 5º país da Europa dos 27+6 (Turquia, Noruega, Suíça, Croácia, Macedónia e Islândia) com mais km de AEs por milhão

Leia mais

Ibo hydro-stop 1/5 REGISTO FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA MOD.QAS.033. Revisão 01 Data 28-11-06. Data da edição: 23-01-2008 Edição nº: 00

Ibo hydro-stop 1/5 REGISTO FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA MOD.QAS.033. Revisão 01 Data 28-11-06. Data da edição: 23-01-2008 Edição nº: 00 1/5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: 1.1. Nome: 1.2. Aplicações: Aditivo impermeabilizante para argamassas de cimento. 1.2. Entidade Responsável: 1.3. Telefone de Emergência: Saint-Gobain WEBER

Leia mais

CIMENTO PORTLAND: NOMENCLATURA

CIMENTO PORTLAND: NOMENCLATURA Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Prof.: Mayara Moraes CIMENTO PORTLAND: NOMENCLATURA TIPO CP XXX RR Cimento Portland Composição Classe - Resistência aos 28 dias(mpa) SIGLA Ex.:

Leia mais

Chaminés Cálculos e Normas aplicáveis

Chaminés Cálculos e Normas aplicáveis Chaminés Cálculos e Normas aplicáveis Chaminé de tiragem natural Tem como função permitir a evacuação dos gases, produzidos por uma determinada combustão. Aplicado na extracção de gases de combustão provenientes

Leia mais

Comparando a eficiência dos sistemas centralizados com a dos sistemas VRV por Luis Roriz e Pedro Alves da Silva

Comparando a eficiência dos sistemas centralizados com a dos sistemas VRV por Luis Roriz e Pedro Alves da Silva Comparando a eficiência dos sistemas centralizados com a dos sistemas VRV por Luis Roriz e Pedro Alves da Silva Resumo: No presente artigo é feita a comparação dos consumos devidos à climatização dum edifício

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE REVESTIMENTOS HISTÓRICOS

CONSERVAÇÃO DE REVESTIMENTOS HISTÓRICOS PONTA DELGADA, 15 NOVEMBRO CONSERVAÇÃO DE REVESTIMENTOS HISTÓRICOS 1 Maria do Rosário Veiga rveiga@lnec.pt novembro 2013 PONTA DELGADA, 15 NOVEMBRO Diagnóstico de Anomalias nãoestruturais: causas e metodologias

Leia mais

ESTUDO DA ADERÊNCIA DE PLACAS DE ROCHAS ORNAMENTAIS COM ARGAMASSA COLANTE

ESTUDO DA ADERÊNCIA DE PLACAS DE ROCHAS ORNAMENTAIS COM ARGAMASSA COLANTE ESTUDO DA ADERÊNCIA DE PLACAS DE ROCHAS ORNAMENTAIS... 45 ESTUDO DA ADERÊNCIA DE PLACAS DE ROCHAS ORNAMENTAIS COM ARGAMASSA COLANTE Lizandra Nogami Mestre do Programa de Pós-graduação em Geotecnia EESC/USP,

Leia mais

a) 0:1:3; b) 1:0:4; c) 1:0,5:5; d) 1:1,5:7; e) 1:2:9; f) 1:2,5:10

a) 0:1:3; b) 1:0:4; c) 1:0,5:5; d) 1:1,5:7; e) 1:2:9; f) 1:2,5:10 ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PCC 2435 - TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS I DEFINIÇÃO E DOSAGEM DE ARGAMASSAS PARA ASSENTAMENTO DE

Leia mais

Análise de soluções construtivas com recurso à Metodologia de Avaliação Relativa da Sustentabilidade

Análise de soluções construtivas com recurso à Metodologia de Avaliação Relativa da Sustentabilidade DESAFIO CINCOS 10 Análise de soluções construtivas com recurso à Metodologia de Avaliação Relativa da Sustentabilidade Outubro de 2010 Fábio Ribas Fernandes» fabio.ribas@ua.pt « ÍNDICE I. APRESENTAÇÃO...

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MAJ MONIZ DE ARAGÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II AGLOMERANTES ACAL 1. Definição. Generalidades. Características Gerais. Classificação. 2. Aglomerantes

Leia mais

CONTRIBUTO DAS ARGAMASSAS NA SUSTENTABILIDADE LISBOA 15.05.2015

CONTRIBUTO DAS ARGAMASSAS NA SUSTENTABILIDADE LISBOA 15.05.2015 CONTRIBUTO DAS ARGAMASSAS NA SUSTENTABILIDADE LISBOA 15.05.2015 ÍNDICE SOLUÇÕES EM ARGAMASSAS PARA A REABILITAÇÃO ENERGÉTICA Sobre a Secil Argamassas Perspectiva de melhoramento do conforto André Correia

Leia mais

Adesivo Stop Pregos. Adesivo MS Ultra Express. Excelente aderência em diversos tipos de material base.

Adesivo Stop Pregos. Adesivo MS Ultra Express. Excelente aderência em diversos tipos de material base. Produtos Químicos Líder de mercado na maioria dos países europeus; O mais alto nível de atendimento ao cliente do segmento industrial; Excelente imagem da marca: 92% dos engenheiros de estruturas e arquitetos

Leia mais

Soluções REHAU PARA A REABILITAÇÃO. www.rehau.pt. Construção Automóvel Indústria

Soluções REHAU PARA A REABILITAÇÃO. www.rehau.pt. Construção Automóvel Indústria Soluções REHAU PARA A REABILITAÇÃO Uma APLICAÇÃO PARA CADA NECESSIDADE www.rehau.pt Construção Automóvel Indústria A REABILITAÇÃO, UMA SOLUÇÃO COM SISTEMAS PARA O AQUECIMENTO E O ARREFECIMENTO POR SUPERFÍCIES

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. Joaquim Carneiro

RELATÓRIO TÉCNICO. Joaquim Carneiro Escola de Ciências RELATÓRIO TÉCNICO ANÁLISE DE CHAPAS REVESTIDAS Cliente AMT COATINGS Engenharia e Tratamento de Superfícies, Lda. CACE-Ruas das Novas Empresas, Fontiscos PT-4780-511 Santo Tirso PORTUGAL

Leia mais

DIVISÃO COLOCAÇÃO ADESIVOS PROFISSIONAIS

DIVISÃO COLOCAÇÃO ADESIVOS PROFISSIONAIS DIVISÃO COLOCAÇÃO ADESIVOS PROFISSIONAIS Adesivo profissional ao quartzo, de tecnologia superior e elevada adesão, adequado para a colocação de alta resistência até 10 mm de espessura, em pavimentos e

Leia mais

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO ADITIVOS PARA O CONCRETO 1) Definição : NBR 11768 (EB-1763/92) - Aditivos para concreto de Cimento Portland. Produtos que adicionados em pequena quantidade a concreto de Cimento Portland modificam algumas

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DA DEGRADAÇÃO TÉRMICA DE COMPÓSITOS DE MATRIZ POLIMÉRICA DESENVOLVIDOS EM LABORATÓRIO COM O INDUSTRIALIZADO

ANÁLISE COMPARATIVA DA DEGRADAÇÃO TÉRMICA DE COMPÓSITOS DE MATRIZ POLIMÉRICA DESENVOLVIDOS EM LABORATÓRIO COM O INDUSTRIALIZADO 09 a 1 de novembro de 014 Serra Negra SP - Brasil ANÁLISE COMPARATIVA DA DEGRADAÇÃO TÉRMICA DE COMPÓSITOS DE MATRIZ POLIMÉRICA DESENVOLVIDOS EM LABORATÓRIO COM O INDUSTRIALIZADO J.L.Sales 1, C.R.S.Morais

Leia mais

SEMINÁRIO TÉCNICAS NÃO TRADICIONAIS DE REABILITAÇÃO ESTRUTURAL DO BETÃO ARMADO. OE Lisboa 25 de Outubro de 2013. José Paulo Costa

SEMINÁRIO TÉCNICAS NÃO TRADICIONAIS DE REABILITAÇÃO ESTRUTURAL DO BETÃO ARMADO. OE Lisboa 25 de Outubro de 2013. José Paulo Costa SEMINÁRIO TÉCNICAS NÃO TRADICIONAIS DE REABILITAÇÃO ESTRUTURAL DO BETÃO ARMADO OE Lisboa 25 de Outubro de 2013 José Paulo Costa TÉCNICAS NÃO TRADICIONAIS DE REABILITAÇÃO ESTRUTURAL DO BETÃO ARMADO 1. REFORÇO

Leia mais

cerâmica externa ficha técnica do produto

cerâmica externa ficha técnica do produto 01 Descrição: Argamassa leve de excelente trabalhabilidade e aderência, formulada especialmente para aplicação de revestimentos cerâmicos em áreas internas e s. 02 Classificação técnica: ANTES Colante

Leia mais

QUÍMICA QUESTÃO 41 QUESTÃO 42

QUÍMICA QUESTÃO 41 QUESTÃO 42 Processo Seletivo/UNIFAL- janeiro 2008-1ª Prova Comum TIPO 1 QUÍMICA QUESTÃO 41 Diferentes modelos foram propostos ao longo da história para explicar o mundo invisível da matéria. A respeito desses modelos

Leia mais

www.patorreb.com NOVAS FUNCIONALIDADES Vasco Peixoto de Freitas Sandro Miguel Martins Alves

www.patorreb.com NOVAS FUNCIONALIDADES Vasco Peixoto de Freitas Sandro Miguel Martins Alves www.patorreb.com NOVAS FUNCIONALIDADES Vasco Peixoto de Freitas Sandro Miguel Martins Alves ESTRUTURAÇÃO 1. CATÁLOGO DE PATOLOGIAS - www.patorreb.com 2. NOVA INFORMAÇÃO - fichas sobre ETICS 3. NOVAS FUNCIONALIDADES

Leia mais

INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO

INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO 1 OLIVEIRA, Andrielli Morais (1), CASCUDO, Oswaldo (2) Palavras chave: Corrosão, adições

Leia mais

GESTÃO DO CONTROLE TECNOLÓGICO DE REVESTIMENTOS. Comunidade da Construção de Vitória

GESTÃO DO CONTROLE TECNOLÓGICO DE REVESTIMENTOS. Comunidade da Construção de Vitória GESTÃO DO CONTROLE TECNOLÓGICO DE REVESTIMENTOS 1 Objetivo Utilizar o controle tecnológico como ferramenta imprescindível para execução do revestimento de argamassa e cerâmica em fachadas, aumentando a

Leia mais

Ficha Técnica de Produto

Ficha Técnica de Produto Ficha Técnica de Produto GLENIUM 3400 NV Aditivo hiperplastificante. GLENIUM 3400 NV é um aditivo com alto índice de redução de água, pronto para o uso. O GLENIUM 3400 NV é uma nova geração de aditivos

Leia mais

CAPÍTULO XX APLICAÇÃO DE TINTAS E VERNIZES SOBRE MADEIRAS

CAPÍTULO XX APLICAÇÃO DE TINTAS E VERNIZES SOBRE MADEIRAS CAPÍTULO XX APLICAÇÃO DE TINTAS E VERNIZES SOBRE MADEIRAS 20.1 INTRODUÇÃO A madeira, devido à sua natureza, é um material muito sujeito a ataques de agentes exteriores, o que a torna pouco durável. Os

Leia mais

ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO DE FACHADAS EXPOSTAS À. AMBIENTE MARINHO Avaliação da Aderência

ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO DE FACHADAS EXPOSTAS À. AMBIENTE MARINHO Avaliação da Aderência ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO DE FACHADAS EXPOSTAS À AMBIENTE MARINHO Avaliação da Aderência Por: Regina Helena Ferreira de Souza Professora Dra., Titular de Estruturas, Departamento de Engenharia Civil Universidade

Leia mais

Regras para instalação de pavimentos colados WICANDERS com a base em cortiça WRT; UV; PU Pre finished and sanded.

Regras para instalação de pavimentos colados WICANDERS com a base em cortiça WRT; UV; PU Pre finished and sanded. Regras para instalação de pavimentos colados WICANDERS com a base em cortiça WRT; UV; PU Pre finished and sanded. Regras para instalação de pavimentos colados WICANDERS com a base em PVC HPS and Vinilcomfort.

Leia mais

10-10-2000. Francisco José Simões Roque, nº9 11ºA

10-10-2000. Francisco José Simões Roque, nº9 11ºA Estudo da composição dos solos A turfa 10-10-2000 Francisco José Simões Roque, nº9 11ºA INTRODUÇÃO Os solos são sistemas trifásicos pois são constituídos por componentes sólidos, líquidos e gasosos. Cerca

Leia mais

BIANCO. Preparo do substrato As superfícies devem estar limpas, porosas, isentas de pó ou oleosidade e serem umedecidas antes da aplicação.

BIANCO. Preparo do substrato As superfícies devem estar limpas, porosas, isentas de pó ou oleosidade e serem umedecidas antes da aplicação. Produto é uma resina sintética, de alto desempenho, que proporciona excelente aderência das argamassas aos mais diversos substratos. Confere maior plasticidade e, assim, maior resistência ao desgaste e

Leia mais

TERMOGRAVIMETRIA A análise termogravimétrica (TG) é uma técnica térmica onde a massa da amostra é registada em função da temperatura ou do tempo.

TERMOGRAVIMETRIA A análise termogravimétrica (TG) é uma técnica térmica onde a massa da amostra é registada em função da temperatura ou do tempo. TERMOGRAVIMETRIA A análise termogravimétrica (TG) é uma técnica térmica onde a massa da amostra é registada em função da temperatura ou do tempo. TERMOGRAVIMETRIA São frequentemente usados três modos distintos

Leia mais

PROVA ESPECIALMENTE ADEQUADA DESTINADA A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS PROVA DE QUÍMICA

PROVA ESPECIALMENTE ADEQUADA DESTINADA A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS PROVA DE QUÍMICA PROVA ESPECIALMENTE ADEQUADA DESTINADA A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS PROVA DE QUÍMICA TEMAS 1. Estrutura da matéria 1.1 Elementos, átomos e iões 1.2

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Professora: Mayara Moraes

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Professora: Mayara Moraes Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Professora: Mayara Moraes Consistência; Textura; Trabalhabilidade; Integridade da massa / Segregação Poder de retenção de água / Exsudação Massa

Leia mais