Caracterização físico-química de muricis ( Byrsonima verbascifolia Rich. ex A. Juss.) produzidos na região Oeste da Bahia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Caracterização físico-química de muricis ( Byrsonima verbascifolia Rich. ex A. Juss.) produzidos na região Oeste da Bahia"

Transcrição

1 ISSN Caracterização físico-química de muricis ( Byrsonima verbascifolia Rich. ex A. Juss.) produzidos na região Oeste da Bahia Roxana Stefane Mendes Nascimento, José Avelino Cardoso, Lucélia Dourado de Oliveira, Jamile da Silva Oliveira, Fábio del Monte Cocozza, Jackeline Miclos Cortes 1 Departamento de Ciências Humanas Campus IX, Universidade do Estado da Bahia - UNEB, Barreiras - Bahia, Brasil; Instituto do Meio Ambiente. Rua Rio São Francisco, 1, Monte Serrat, Salvador, Bahia, Brasil. CEP: Resumo: As fruteiras nativas do Cerrado destacam-se, dentro da exuberância desse bioma, no que se refere ao aproveitamento alimentar. Portanto, o trabalho, objetivou avaliar as características biométricas e físico-químicas de frutos do muricizeiro da região Oeste da Bahia. Foram amostrados 300 frutos de dez matrizes, os quais foram coletados em uma área do município de Angical BA e avaliados no Laboratório de Sementes da Universidade do Estado da Bahia - UNEB. Foi considerado para as avaliações físicas, o peso, diâmetros longitudinal e transversal do fruto; peso total de semente por fruto; peso de polpa e casca; rendimento de polpa e casca. Para as avaliações físico-químicas, a polpa dos frutos foi submetida às determinações do potencial hidrogeniônico - ph; do teor de sólidos solúveis (SS); acidez titulável (AT) e relação sólidos solúveis e acidez titulável. Para as variáveis diâmetros longitudinal e transversal, peso de polpa e casca, peso de sementes, peso de fruto e rendimento de polpa e casca, as médias foram, respectivamente, 13,05 e 14,23 mm, 1,36 g, 0,43 g, 1,79 g e 75,57% para o ph, SS,AT e SS/AT, as médias foram 3,20, 16,54 Brix, 1,46% e 11,65. Os resultados indicaram que há diferença estatística significativa entre matrizes em relação à todas as variáveis avaliadas, em função da variabilidade entre os frutos, a espécie pode ser alvo do estudo de melhoramento genético. Palavras chave: caracterização físico-química, cerrado, fruteira nativa Physicochemical characterization of murici ( Byrsonima verbascifollpa rich. ex. a.juss) produced in the western region of Bahia Abstract: The native fruit tree of cerrado (savanna) stand out within the exuberance of this biome, in relation to food use. Therefore, this work aimed to assess the physical and physicochemical features of the fruits of the muricizeiro in the Western region of Bahia. It was made a sample of 300 fruits from ten arrays, which were collected in an area of the municipality of Angical - BA and assessed in the Seed Laboratory at the University of the State of Bahia - UNEB. It was considered for the physical assessments, the fruit weight, longitudinal and transverse diameters of the fruit, total seed weight per fruit, weight of pulp and peel, yield of pulp and peel. For the physicochemical evaluations, the fruit pulp was subjected to the determinations of the hydrogenic potential-ph, the soluble solids (SS), titratable acidity (TA) and the relation between soluble solids and titratable acidity. For the variables longitudinal and transverse diameter, weight of pulp and peel, seed weight, fruit weight and yield of pulp and peel, the averages were respectively and mm, 1.36 g, 0.43 g, 1,79g and 75.57% while the averages for the ph, SS, TA and SS/TA were 3.20, Brix, 1.46% and The results indicated that there is a statistically significant difference between arrays in relation to all variables. Key words: physicochemical characterization, cerrado (savanna), native fruit tree Introdução O Cerrado é um bioma rico em biodiversidade, apresentando grande número de espécies com potencial econômico e importância no desenvolvimento regional (Pereira, 1992; IBGE, 1999). No entanto a desordenada ocupação agrícola no Cerrado associada à exploração extrativista e predatória vem colocando espécies utilizadas pela população local em risco de extinção (Ávidos e Ferreira, 2005). Desse modo, a exploração indiscriminada desses recursos vegetais pode ocasionar erosão genética, impedindo, assim, a regeneração natural de plantas ainda desconhecidas quanto à sua utilização (Santana, 2002).

2 As fruteiras nativas do Cerrado, no que se refere ao aproveitamento alimentar, destacam-se na produção de frutos com elevado valor nutricional e atrativos sensoriais próprios, sendo comercializados em feiras livres, com grande aceitação popular nos mercados locais e regionais (Ávidos e Ferreira, 2005). Dentre as inúmeras espécies que são utilizadas pela população da região Oeste da Bahia, pode-se destacar o murici ( Byrsonima verbascifolia Rich. ex A. Juss.), pertencente à família Malpighiaceae. O muricizeiro floresce normalmente entre os meses de agosto e novembro e seus frutos amadurecem a partir do mês de dezembro (Lorenzi, 2002). O fruto é do tipo drupa, mesocarpo carnoso e fino; constituído de 1 a 3 lóculos e com aproximadamente 6 mm de diâmetro. Quando maduros, os frutos possuem polpa suculenta de um amarelo intenso, sabor adocicado e cheiro característico (Almeida et al., 1998). Cada fruto pode apresentar de 1 a 3 sementes. Conforme Silva et al. (1994) a árvore produz aproximadamente 100 a 500 frutos. Rica em tanino a casca dessa espécie é muito utilizada como cicatrizante e antiinflamatório (Rodrigues e Carvalho, 2001), bem como o chá da casca apresenta atividade adstringente nas diarréias e disenterias. O murici apresenta grande importância para a alimentação da população tradicional da região Oeste da Bahia, devido às suas características nutricionais, e como fonte de renda às famílias de baixa renda. Sua comercialização ocorre em grande parte nas feiras livres e mercados públicos da região. Esses frutos são utilizados principalmente na fabricação de doces, geleias, sucos, licores e sorvetes (Almeida et al., 1998). Estudos voltados para a caracterização pós-colheita de frutas nativas, podem incentivar o aproveitamento agroindustrial (Sano et al., 1998), bem como características adequadas à comercialização e ao processamento. As características físicas e físicoquímicas dos frutos são influenciadas por vários fatores, tais como, condições edafoclimáticas, tratos culturais, constituição genética e tratamento póscolheita (Lira Júnior, 2005). A aparência externa, o tamanho e a forma, ou seja, as características físicas, bem como as características físico-químicas, como valor nutritivo e sabor, são atributos de qualidade necessários à utilização e comercialização da polpa dos frutos, como também são necessários para elaboração de produtos industrializados (Chitarra, 2005), enquanto a caracterização biométrica dos frutos serve como subsídio para a exploração e conservação do potencial econômico desses frutos. Também atua como fator importante para detectar a variabilidade genética de uma espécie e sua relação com os fatores ambientais e ainda auxilia programas de melhoramento genético (Carvalho et al., 2003). Sendo assim, objetivou-se, com o presente estudo, determinar as características biométricas e Nascimento et al. 237 físico-químicas de frutos de muricizeiro, no estágio de maturação maduro. Material e Métodos Os frutos foram coletados em uma área do município de Angical BA, localizada na região Oeste. De acordo com Thornthwaite e Mather, o clima dessa região caracteriza-se como subúmido seco C1d'A' apresentando verão chuvoso e inverno extremamente seco, com uma precipitação pluvial anual de 700 a 2000 mm (AIBA, 2004), concentrada entre os meses de outubro e abril (Silva et al., 2003), apresentando, entretanto, alta probabilidade de veranicos durante a estação chuvosa (Dias et al., 2005). As temperaturas média, mínima e máxima anuais são, respectivamente, 14 e 34 C. A umidade relativa do ar normal na região varia de 47,10% em setembro a 80,30% no mês de março, alcançando uma média anual normal equivalente a 68%. A região apresenta uma luminosidade equivalente a 3000 h ano-1 (AIBA, 2004). Ainda, apresenta solo arenoso e vegetação de Cerrado. As 10 árvores matrizes das quais foram retirados os frutos apresentavam altura média de 3,00 m. Os frutos foram coletados (Tabela 1) e transportados em sacos de polietileno para o Laboratório de Sementes da Universidade do Estado da Bahia - (UNEB), Barreiras, BA. No laboratório foram iniciadas imediatamente as avaliações biométricas, onde foram utilizados aleatoriamente 300 frutos sadios e sem deformações, pois de acordo com Cruz e Carvalho (2002), são necessários no mínimo 100 frutos para a realização das avaliações. Para a caracterização biométrica foram considerados: os diâmetros longitudinal e transversal do fruto, medidos com paquímetro digital; peso do fruto, casca, polpa e peso total de semente por fruto, utilizando-se uma balança de precisão digital; e o rendimento de polpa e casca. Para as análises físico-químicas, foram Tabela 1 - Coordenadas das matrizes de muricizeiro no município de Angical, BA. Plantas Coordenadas 11 44' 53,1" / 44 33' 38,8" / 439m 11 44' 54,4" / 44 33' 37,5" / 425m 11 44' 54,4" / 44 33' 37,5" / 425m 11 44' 54,3" / 44 33' 37,5" / 427m 11 44' 54,1" / 44 33' 37,6" / 427m 11 44' 53,3" / 44 33' 38,6" / 439m 11 44' 53,3" / 44 33' 38,6" / 439m 11 44' 53,3" / 44 33' 38,6" / 439m 11 44' 53,1" / 44 33' 38,8" / 439m 11 44' 53,1" / 44 33' 38,8" / 439m

3 utilizados, de cada planta matriz 30 frutos maduros e sem deformações, coletados aleatoriamente e retirados dos quatro quadrantes de uma única matriz, totalizando 300 frutos. Os frutos foram acondicionados em caixa de isopor e imediatamente levados para o laboratório. No laboratório os frutos foram macerados em peneira para obtenção da polpa, a qual foi acondicionada em sacos de polietileno e armazenada sob refrigeração (- 18 C) durante as determinações físico-químicas. A polpa dos frutos de cada matriz foi dividida em seis lotes iguais. Os lotes representaram as repetições e as matrizes foram consideradas como tratamentos. Após descongelamento em refrigeração, a polpa foi submetida às determinações do ph pelo método potenciométrico em peagâmetro digital; o teor de sólidos solúveis (SS) por leitura direta em refratômetro digital e expresso em Brix (AOAC, 1990); acidez titulável (AT) segundo as Normas Analíticas do Instituto Adolfo Lutz (1985). O delineamento experimental utilizado foi o inteiramente casualizado, sendo os dados submetidos à análise de variância utilizando-se o programa computacional ASSISTAT (Silva, 2008), e as médias comparadas pelo teste de Tukey a 5% de probabilidade. Resultados e Discussão De acordo com a Tabela 2 observa-se que os frutos dos muricizeiros avaliados apresentaram uma variação no diâmetro longitudinal entre 11,30 mm e 14,00 mm, enquanto no diâmetro transversal houve uma variação entre 13,20 mm e 15,40 mm. Esses valores foram superiores aos encontrados no trabalho de Araújo (2009), no Estado de Alagoas, em que cita muricis com diâmetro longitudinal variando entre 6,00 mm e 12,99 mm, e diâmetro transversal variando de 5,00 mm a 11,99 mm. Os valores de diâmetro encontrados nesse trabalho corroboram com Gusmão et al. (2006), em trabalho com murici no qual foram encontrados valores que variaram de 10,08 ± 1,92 a 11,93 ± 2,34 mm de comprimento e diâmetro, respectivamente. As diferenças observadas podem ser decorrentes das influências climáticas e edáficas, ou seja, o ambiente pode ser favorável a expressão de determinada característica que não se manifestaria em diferente localidade (Botezelli et al., 2000). Conforme Chitarra e Chitarra (2005), o diâmetro e o comprimento dos frutos são atributos físicos pouco utilizados em produtos que se destinam ao processamento, diferente dos frutos destinados ao consumo in natura. Observa-se também que o peso do fruto variou de 1,50 a 2,30 g, valores mais elevados que os observados por Gusmão et al. (2006), os quais relatam valores de 0,27 a 2,34 g, e os relatados por Araújo (2009) cuja variação foi de 0,76 a 1,32 g. A variação nos dados de peso de frutos ocorrida entre as matrizes avaliadas foi uma variação já esperada, em função do Nascimento et al. 238 muricizeiro ser uma planta ainda não domesticada. Segundo Vieira e Gusmão (2008), as variações no peso dos frutos podem ser decorrentes de variabilidade genética ou de variações ambientais devido às diferentes localidades geográficas. Contudo, as matrizes 1, 7 e 10 destacaram-se por apresentar os maiores pesos de fruto, pois essa é uma característica importante para o mercado de frutas frescas, uma vez que os frutos mais pesados são também os de maiores tamanhos, tornando-se mais atrativos para os consumidores. Segundo Chitarra e Chitarra (2005), os frutos que apresentam tamanho e peso padronizados são mais fáceis de serem manuseados em grandes quantidades, pois apresentam perdas menores, produção mais rápida e melhor qualidade. Os muricis avaliados apresentaram apenas uma semente por fruto com peso variando de 0,30 a 0,60 g e média geral de 0,40 g (Tabela 2). Esses valores são superiores aos encontrados por Gusmão et al. (2006), os quais encontraram peso com variação de 0,16 a 0,25 g. De acordo com Chitarra e Chitarra (2005), o menor peso de sementes por fruto é uma importante característica de qualidade, no que se refere à comercialização dos frutos. Essa característica influencia diretamente o percentual de rendimento, principalmente para os frutos destinados à elaboração de produtos, cujo valor mínimo exigido pelas indústrias processadoras é de 40%. Essa característica foi observada nas matrizes 1 e 6, as quais apresentaram os menores pesos de sementes e os maiores rendimento de polpa e casca. No que se refere ao peso de polpa e casca, do murici o menor valor observado foi 1,00 g e o maior foi 1,70 g, sendo a média geral 1,40 g (Tabela 2), valores superiores a 0,90 e 1,35, variação encontrada por Araújo (2009), com média geral de 1,13 g. O rendimento de polpa apresentou uma variação entre 69,95 e 81,27%, valores próximos a 73,63% citado por Gusmão et al. (2006), e superiores a 63,04% relatado por Araújo (2009), apresentando, portanto, bom rendimento industrial. Segundo Lima et al. (2002), os frutos que apresentam rendimento em polpa superior a 50% demonstram condições adequadas para comercialização. Observou-se na Tabela 3, uma correlação positiva para todas as variáveis biométricas dos frutos de murici, sendo todas significativas estatisticamente. Os maiores valores observados, foram para o peso do fruto x peso de polpa (0,95), e diâmetro transversal x peso da semente (1,00), indicando que quanto maior o tamanho do fruto e diâmetro transversal maior o rendimento de polpa e peso da semente, respectivamente. Portanto, o valor de uma variável é diretamente proporcional ao valor da outra. Gusmão et al. (2006) estudando murici na região de Montes Claros MG também observou uma proporcionalidade entre a massa do fruto e massa de polpa.

4 Os dados referentes às características físicoquímicas são apresentados na Tabela 3. Com relação ao ph, verificou-se que os frutos das matrizes analisadas foram equivalentes quanto ao ph, sendo a média geral 3,20, com valores variando de 3,00 a 3,40. Da mesma forma Guimarães e Silva (2008) encontraram valor de 3,40 em trabalho analisando as características físico-químicas de muricis do Estado de Nascimento et al. 239 Goiás. Entretanto, de acordo com Azeredo et al. (2004) os frutos com ph abaixo de 4,50, são classificados como muito ácidos. O ph está relacionado com a qualidade e segurança dos alimentos, por apresentar uma faixa determinada pela legislação para favorecer a conservação da polpa evitando o crescimento de leveduras (Brasil, 1999). Tabela 2 - Características físicas dos frutos das matrizes de murici coletados na região de Angical - BA, Média de 30 frutos. Diâmetro (mm) Peso (g) Matriz Longitudinal Transversal Fruto Polpa e Casca Sementes Rendimento % (polpa e casca) 1 14,0 a 14,9 b 2,0 c 1,6 a 0,4 cd 81,3 a 2 12,5 cd 13,9 c 1,6 ef 1,2 cd 0,4 bc 73,6 cde 3 12,3 d 13,4 de 1,5 fg 1,1 de 0,4 bc 73,0 de 4 14,0 a 13,8 cd 1,8 de 1,3 bc 0,5 b 73,9 cd 5 13,1 b 14,8 b 1,9 cd 15,0 b 0,4 bc 77,3 bc 6 12,9 bc 13,2 e 1,5 g 1,2 cde 0,3 d 78,7 ab 7 13,8 bc 15,4 a 2,3 a 1,7 a 0,6 a 74,1 cd 8 11,3 e 13,6 cde 1,5 g 1,0 e 0,4 b 69,9 e 9 12,5 cd 14,0 c 1,6 e 1,2 cd 0,4 bc 74,5 cd 10 14,0 a 15,4 a 2,2 b 1,7 a 0,5 b 79,4 ab DMS 0,15 0,53 0,46 0,06 0,15 3,83 CV% 5,0 3,9 9,9 13,0 18,6 6,2 Médias seguidas de letras diferentes nas colunas diferem pelo teste de Tukey, ao nível de 5 % de significância. Tabela 3 - Correlação para as variáveis biométricas dos frutos das matrizes de murici coletados na região de Angical - BA. Correlações Coeficiente de Correlação(r) Signif.** Peso Fruto x Diâmetro Longitudinal 0,52 ** Peso Fruto x Diâmetro Transversal 0,67 ** Peso Fruto x Peso Sementes 0,67 ** Peso Fruto x Peso Polpa 0,95 ** Peso Fruto x Rendimento 0,37 ** Diâmetro Longitudinal X Diâmetro Transversal 0,53 ** Diâmetro Longitudinal X Peso Sementes 0,53 ** Diâmetro Longitudinal X Peso Polpa 0,53 ** Diâmetro Longitudinal X Rendimento 0,32 ** Diâmetro Transversal X Peso Sementes 1,00 ** Diâmetro Transversal X Peso Polpa 0,63 ** Diâmetro Transversal X Rendimento 0,21 ** Peso Sementes x Peso Polpa 0,63 ** Peso Sementes x Rendimento 0,21 ** Peso Polpa x Rendimento 0,63 ** ** significativo ao nível de 1% de probabilidade (p < 01)

5 Com relação ao teor de sólidos solúveis, o valor mínimo foi 15,10 ºBrix e o máximo de 18,20 ºBrix, com média 16,50 ºBrix. Estes foram os valores mais elevados que o relatado por Guimarães e Silva (2008) (10,67 Brix) e Araújo (2009) (9,75 Brix). O teor de sólidos solúveis é de fundamental importância para o consumo in natura e para a agroindústria, pois relaciona-se com o sabor do fruto que inclui os açúcares e ácidos, bem como, influencia o rendimento industrial, e principalmente o peso final do produto processado (Macêdo et al., 2003). Menezes et al. (2001) afirmam que o conteúdo médio de sólidos solúveis superior a 9% é bastante desejável do ponto de vista comercial. Considerando-se essa variável, os frutos de todas as matrizes são propícios para o processamento e consumo in natura, pois de acordo com Pereira et al., (2000), do ponto de vista comercial são preferidos os frutos com teores de sólidos solúveis mais elevados, implicando maior rendimento e menor custo operacional, além de conferir um excelente grau de doçura A acidez média foi de 1,5, com variação de 1,2 a 1,9. Os resultados obtidos para AT evidenciam a adequação dos frutos dessa espécie ao consumo in natura, em função do sabor diferenciado, e ao processamento, justificado pela não necessidade da adição de acidulantes para reduzir o ph, quando superior a 4,5, o que pode favorecer o crescimento de Clostridium botulinum, bactéria patogênica, anaeróbica, e causadora do botulismo. A relação SS/AT apresentou uma variação de 8,3 a 15,4, e a média foi 11,7. A relação SS/AT propicia uma Nascimento et al. 240 boa avaliação do sabor dos frutos, sendo mais representativa do que a medição isolada de açúcares e de acidez (Pinto et al., 2003). De acordo com Chitarra (2005), essa relação relaciona a qualidade do fruto em termos de maturidade e sabor. Os resultados mostraram que os frutos de murici apresentaram valores elevados para a relação SS/AT, o que indica que a polpa desse fruto é indicada para a industrialização de produtos adocicados, como, doces, geléias, picolés e sorvetes. Tabela 5 - Correlação para as características físicoquímicas dos frutos das matrizes de murici coletados na região deangical - BA. Correlação ph x Brix ph x Acidez Brix x Acidez Coeficiente de correlação(r) Significativo 0,21-0,68-0,30 ** significativo ao nível de 1% de probabilidade (p < 0.01) * significativo ao nível de 5% de probabilidade (0.01=<p< 0.05) ns não-significativo Para as características físico-químicas dos frutos de murici pôde ser observado que não houve diferença estatística na correlação ph x Brix (0,21). Porém foi significativa a correlação do ph x acidez (-0,68) e Brix x acidez (-0,30), apresentando uma correlação negativa, o que significa que o aumento do ph e do Brix são inversamente proporcionais ao aumento da acidez. ns ** * Tabela 4 - Características físico-químicas dos frutos das matrizes de murici coletados na região de Angical - BA. Matriz ph SS (ºBrix) AT (%) SS/AT - Razão 1 3,4 a 18,1 ab 1,2 b 15,4a 2 3,2 bcde 16,6 abcd 1,4 b 12,2 b 3 3,2 cde 16,1 bcd 1,4 b 11,4 b 4 3,2 ef 16,1 bcd 1,4 b 11,4 b 5 3,0 g 15,6 cd 1,9a 8,3 d 6 3,2 bc 16,7 abcd 1,4 b 11,9 b 7 3,3 b 15,1 d 1,4 b 11,1bc 8 3,1 f 18,2 a 1,4 b 13,2 ab 9 3,2 de 15,5 cd 1,8 a 8,7 cd 10 3,2 bcd 17,6 abc 1,4 b 12,9ab DMS 0,06 2,05 0,45 5,75 CV % 1,00 6,50 10,30 11,30 Médias seguidas de letras diferentes nas colunas diferem pelo teste de Tukey, ao nível de 5 % de significância. SS= Sólidos Solúveis AT= Acidez Titulável

6 Conclusões As avaliações biométricas e físico-químicas dos frutos apresentaram alta variação, indicando potencial genético para a conservação de germoplasmas e para a coleta de sementes. Agradecimentos Os autores agradecem à Universidade do Estado da Bahia (UNEB), Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia (FAPESB) e ao Instituto do Meio Ambiente (IMA) (Base Cerrado). Referências Nascimento et al. 241 Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, 13 de set. de Seção 1, p CARVALHO, J. E. U.; NAZARÉ, R. F. R.; OLIVEIRA, W. M. Características físicas e físico-químicas de um tipo de bacuri ( Platonia insignis Mart.) com rendimento industrial superior. Revista Brasileira de Fruticultura, Cruz dasalmas, v. 25, p , CHITARRA, M.I.F.; CHITARRA, A.B. Pós-colheita de Frutos e Hortaliças: Fisiologia e Manuseio. Lavras: ESAL/Faepe, 320 p CRUZ, E. D.; CARVALHO, J. E. U. Biometria de frutos e germinação de sementes de Couratari stellata A. C. Smith (Lecythidaceae). Acta Amazonica, Manaus, v. 3, p , ALMEIDA, S. P. de. Cerrado: aproveitamento alimentar. Planaltina: EMBRAPA CPAC, p ALMEIDA, S. P. et al. Cerrados: espécies vegetais úteis. Planaltina: EMBRAPA-CPAC, p. ARAÚJO, R. R. Fenologia e morfologia de plantas e biometria de frutos e sementes de muricizeiro ( Byrsonima verbascifolia L. Dc.) do Tabuleiro Costeiro de Alagoas f. Dissertação (Mestrado) Universidade Federal Rural do Semi- Árido, Mossoró, ASSOCIATION OF OFFICIAL AGRICULTURAL CHEMISTS, Official Methods of Analysis of the Association of Agricultural Chemists, 11th ed., Washington, ÁVIDOS, M. F. D.; FERREIRA, L. T. Frutos dos Cerrados: Preservação gera muitos frutos Disponível em: <http://www.biotecnologia.com.br /bio15/frutos.pdf>. Acesso em: 22 mar AZEREDO, H. M. C.; BRITO, E. S. Tendências em Conservação de Alimentos. In: AZEREDO, H. M. C. Fundamentos de Estabilidade de Alimentos. Fortaleza: Embrapa Agroindústria Tropical, cap. 6, p BOTEZELLI, L.; DAVIDE, A. C.; MALAVASI, M. M. Características dos frutos e sementes de quatro procedências de Dpterix alata Vogel (Baru). Cerne, Lavras, v. 6, p. 9-18, BRASIL. Ministério da Agricultura e do Abastecimento. Instrução Normativa nº 122, de 10 de setembro de DIAS, T. M. O. et al. Probabilidade de verânicos para o Cerrado Baiano. 1. estudo de periodo de 20 dias. In: C O N G R E S S O B R A S I L E I R O D E AGROMETEOROLOGIA, 14., 2005, Goiania, Anais, Goiania: SBA, GUIMARÃES, M. M.; SILVA, M. S. Valor nutricional e características químicas e físicas de frutos de muricipassa ( Byrsonima verbascifolia). Ciência Tecnologia de Alimentos, Campinas, 28(4): , GUSMÃO, E.; VIEIRA, F. A. de; FONSECA JÚNIOR, É. M. da. Biometria de frutos e endocarpos de murici ( Byrsonima verbascifolia Rich. ex A. Juss.). Cerne, Lavras, v. 12, n. 1, p , jan./mar IBGE (Rio de Janeiro, RJ). Tabelas de composição de alimentos. 5.ed. Rio de Janeiro, INSTITUTO ADOLFO LUTZ. Métodos físicoquímicos para análise de alimentos. 4. ed. Brasília, D. F.: Ministério da Saúde, Agência Nacional de Vigilância Sanitária, LIMA, E. D. P. A. et al. Caracterização física e química dos frutos da umbu-cajazeira ( Spondia spp.) em cinco estádios de maturação da polpa congelada e néctar. Revista Brasileira de Fruticultura. Cruz das Almas, v. 24, p , LIRA JÚNIOR, J. S. de et al. Caracterização Física e Físico-Química de Frutos de Cajá-Umbu ( Spondias Spp.). Ciência e Tecnologia de Alimentos, Campinas, v. 25 n. 4, p , 2005.

7 LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas do Brasil. 2 ed. vol. 2. São Paulo: Plantarum, MACÊDO, L. de S.; ARAÚJO, I. A. de; FRANCO, C. F. de O. Caracterização físico-química de frutos da mangabeira nativa e naturalizada da Mata Paraibana. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO SOBRE A CULTURA DA MANGABA, 2003, Aracajú. Anais... Aracajú: Embrapa Tabuleiros Costeiros, CD. MENEZES, J. B. et al. Armazenamento de dois genótipos de melão amarelo sob condições ambiente. Horticultura Brasileira, v. 19, n. 1, p , PEREIRA, B. A. de S. Flora nativa. In: DIAS, B. F. de S. Alternativas de desenvolvimento dos cerrados: manejo e conservação dos recursos naturais renováveis. Brasília: FUNATURA: IBAMA, p PEREIRA, M. C. T et al. Atributos físicos e químicos de frutos de oito clones de jabuticabeiras. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v.22, p.16-21, n. especial. PINTO W.S. et al. Caracterização física, físico-química e química de frutos de genótipos de cajazeiras. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 38, n. 9, p , Nascimento et al. 242 SANTANA, J. G. Caracterização de ambientes de cerrado com alta densidade de pequizeiros ( Caryocar brasiliense Camb.) na região sudeste do Estado de Goiás f. Dissertação (Mestrado) Universidade Federal de Goiás, Goiânia, SANO, S. M.; ALMEIDA, S. P. Cerrado: Ambiente e Flora. Planaltina: EMBRAPA CPAC, p. SILVA, J. A. et al. Frutas nativas dos cerrados. Brasília, DF: EMBRAPA/CPAC, SILVA, M. A. V. et al. Estudo da estação chuvosa para a região de Luis Eduardo Magalhães/Oeste da Bahia. In: C O N G R E S S O B R A S I L E I R O D E AGROMETEOROLOGIA, 13, 2003b, Santa Maria, Anais..., Santa Maria: SBA, p SILVA, F. de A. S. e.; AZEVEDO, C. A. V. de. Versão 7.5 beta do programa computacional Assistat para o sistema operacional Windows. Campina Grande: UFCG VIEIRA, F. A.; GUSMÃO, E. Biometria, armazenamento de sementes e emergência de plântulas de Talisia esculenta Radlk (Sapindaceae). Ciência Agrotécnica. Lavras, v. 32, n. 4, p , RODRIGUES, V. E. G.; CARVALHO, D. A. de. Plantas medicinais no domínio cerrados. Lavras: UFLA, p. Recebido em: 07/10/2010 Aceito em: 05/09/2011

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 PONTO DE COLHEITA EM ABOBRINHAS SANDY EDER JÚLIO DE JESUS 1 ; ALINE PRUDENTE MARQUES 2 ; POLIANA GASPAR TOSATO 2 RESUMO Um dos fatores que contribui para a extensão da vida útil dos produtos hortícolas

Leia mais

QUALIDADE PÓS-COLHEITA DE MAMÃO PAPAIA COMERCIALIZADOS NO MUNICÍPIO DE ARACAJU

QUALIDADE PÓS-COLHEITA DE MAMÃO PAPAIA COMERCIALIZADOS NO MUNICÍPIO DE ARACAJU QUALIDADE PÓS-COLHEITA DE MAMÃO PAPAIA COMERCIALIZADOS NO MUNICÍPIO DE ARACAJU Wadson de Menezes Santos 1 ; Maria Priscilla Celestino Silveira 1 ; Raul Santos Macedo 2 ; Christtianno de Lima Rollemberg

Leia mais

1Caracterização de frutos de diferentes genótipos de maracujazeiro. 2Flávio Flôres Britto 1 ; Cláudio Lúcio Fernandes Amaral 1

1Caracterização de frutos de diferentes genótipos de maracujazeiro. 2Flávio Flôres Britto 1 ; Cláudio Lúcio Fernandes Amaral 1 1Britto, F.F., Amaral, C.L.F. 2015. Caracterização de frutos de diferentes genótipos de maracujazeiro. In: 2 Congresso Brasileiro de Processamento mínimo e Pós-colheita de frutas, flores e hortaliças,

Leia mais

Physical and chemical characterization of cambuci fruits produced in Salesopolis - SP

Physical and chemical characterization of cambuci fruits produced in Salesopolis - SP 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 Caracterização física e química de cambucis produzidos em Salesópolis SP. Tatiane de Oliveira Tokairin 1 ; Ana

Leia mais

MAPA DE PREFERÊNCIA INTERNO DE GELEIAS MISTAS DE MAMÃO COM ARAÇÁ-BOI

MAPA DE PREFERÊNCIA INTERNO DE GELEIAS MISTAS DE MAMÃO COM ARAÇÁ-BOI MAPA DE PREFERÊNCIA INTERNO DE GELEIAS MISTAS DE MAMÃO COM ARAÇÁ-BOI Eliseth de Souza Viana 1, Jaciene Lopes de Jesus 2, Ronielli Cardoso Reis 1, Mercia Damasceno Fonseca 4, Célio Kersul do Sacramento

Leia mais

BIOMETRIA DE FRUTOS E SEMENTES DE

BIOMETRIA DE FRUTOS E SEMENTES DE BIOMETRIA DE FRUTOS E SEMENTES DE Campomanesia adamantium (Camb.) O. Berg e Campomanesia pubescens (DC.). O. Berg Michele Camargo de Oliveira 1, Denise Garcia de Santana 1, Kelly Cristiene de Freitas Borges

Leia mais

INTRODUÇÃO. 17 Workshop de Plantas Medicinais do Mato Grosso do Sul/7º Empório da Agricultura Familiar

INTRODUÇÃO. 17 Workshop de Plantas Medicinais do Mato Grosso do Sul/7º Empório da Agricultura Familiar 17 Workshop de Plantas Medicinais do Mato Grosso do Sul/7º Empório da Agricultura Familiar Desenvolvimento de Campomanesia adamantium (Cambess.) O.Berg., procedente de cinco municípios de Mato Grosso do

Leia mais

AVALIAÇÃO DE ACESSOS DE MANDIOCA DE MESA EM PARACATU-MG

AVALIAÇÃO DE ACESSOS DE MANDIOCA DE MESA EM PARACATU-MG AVALIAÇÃO DE ACESSOS DE MANDIOCA DE MESA EM PARACATU-MG Mário Ozeas Sampaio dos Santos Filho 1, Josefino de Freitas Fialho 1, Eduardo Alano Vieira 1, Marilia Santos Silva 1, Silvana Vieira de Paula-Moraes

Leia mais

ANÁLISE DO RENDIMENTO DE FRUTOS DE CAJÁ-MANGA SUBMETIDOS AO PROCESSO DE DESIDRATAÇÃO OSMÓTICA SEGUIDA DE SECAGEM EM ESTUFA

ANÁLISE DO RENDIMENTO DE FRUTOS DE CAJÁ-MANGA SUBMETIDOS AO PROCESSO DE DESIDRATAÇÃO OSMÓTICA SEGUIDA DE SECAGEM EM ESTUFA Anais do VIII Seminário de Iniciação Científica e V Jornada de Pesquisa e Pós-Graduação UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS 10 a 12 de novembro de 2010 ANÁLISE DO RENDIMENTO DE FRUTOS DE CAJÁ-MANGA SUBMETIDOS

Leia mais

Caracterização dos méis de Apis melífera de diferentes floradas comparado com méis de abelhas indígena Meliponeae

Caracterização dos méis de Apis melífera de diferentes floradas comparado com méis de abelhas indígena Meliponeae Caracterização dos méis de Apis melífera de diferentes floradas comparado com méis de abelhas indígena Meliponeae Wallber Carneiro Ferreira 1, Maria Climene Bezerra de Medeiros Almeida 2, Patrício Borges

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA SEMEADORA-ADUBADORA DE PLANTIO DIRETO NA CULTURA DA SOJA

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA SEMEADORA-ADUBADORA DE PLANTIO DIRETO NA CULTURA DA SOJA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA SEMEADORA-ADUBADORA DE PLANTIO DIRETO NA CULTURA DA SOJA Jorge Ricardo Moura 3 ; Elton Fialho dos Reis 1,4 ; João Paulo Arantes Rodrigues da Cunha 2,4 ; 1 Pesquisador Orientador

Leia mais

Biologia Floral do Meloeiro no Ceará: Emissão, Duração e Relação Flores Masculinas / Hermafroditas.

Biologia Floral do Meloeiro no Ceará: Emissão, Duração e Relação Flores Masculinas / Hermafroditas. Biologia Floral do Meloeiro no Ceará: Emissão, Duração e Relação Flores Masculinas / Hermafroditas. João R. Crisóstomo 1 ; Lorna F. Falcão 2 ; Fernando A. S. de Aragão 3 ; Jalmi G. Freitas 4 ; Jefté F.

Leia mais

Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia

Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia Hoje, um grande desafio para a agropecuária, principalmente em relação à inovação tecnológica, é a harmonização do setor produtivo com os princípios da

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Embrapa Amazônia Oriental Belém, PA 2015 CARACTERIZAÇÃO E AVALIAÇÃO MORFOLÓGICA

Leia mais

MAMÃOZINHO-DE-VEADO (Jacaratia corumbensis O. kuntze): CULTIVO ALTERNATIVO PARA ALIMENTAÇÃO ANIMAL NA REGIÃO SEMI-ÁRIDA DO NORDESTE

MAMÃOZINHO-DE-VEADO (Jacaratia corumbensis O. kuntze): CULTIVO ALTERNATIVO PARA ALIMENTAÇÃO ANIMAL NA REGIÃO SEMI-ÁRIDA DO NORDESTE MAMÃOZINHO-DE-VEADO (Jacaratia corumbensis O. kuntze): CULTIVO ALTERNATIVO PARA ALIMENTAÇÃO ANIMAL NA REGIÃO SEMI-ÁRIDA DO NORDESTE Nilton de Brito Cavalcanti, Gherman Garcia Leal de Araújo, Geraldo Milanez

Leia mais

Congresso Brasileiro de Processamento mínimo e Pós-colheita de frutas, flores e hortaliças

Congresso Brasileiro de Processamento mínimo e Pós-colheita de frutas, flores e hortaliças 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 Armazenamento de laranja Pera produzida em Sergipe. Marina F. da Vitória 1 ; Julie Anne E. Amorim²; Dalyla Natane

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO CONSÓRCIO MILHO-BRAQUIÁRIA EM INTEGRAÇÃO COM PECUÁRIA E FLORESTA DE EUCALIPTO

PRODUTIVIDADE DO CONSÓRCIO MILHO-BRAQUIÁRIA EM INTEGRAÇÃO COM PECUÁRIA E FLORESTA DE EUCALIPTO PRODUTIVIDADE DO CONSÓRCIO MILHO-BRAQUIÁRIA EM INTEGRAÇÃO COM PECUÁRIA E FLORESTA DE EUCALIPTO Valdecir Batista Alves (1), Gessí Ceccon (2), Júlio Cesar Salton (3), Antonio Luiz Neto Neto (4), Leonardo

Leia mais

Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB)

Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB) Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB) F. D. A. Lima 1, C. H. C. da Silva 2, J. R. Bezerra³, I. J. M. Moura 4, D. F. dos Santos 4, F. G. M. Pinheiro 5, C.

Leia mais

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA RELATÓRIO FINAL AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA Empresa solicitante: FOLLY FERTIL Técnicos responsáveis: Fabio Kempim Pittelkow¹ Rodrigo

Leia mais

Postharvest conservation mangaba under ambient atmosphere

Postharvest conservation mangaba under ambient atmosphere 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 Conservação pós-colheita da mangaba sob atmosfera ambiente. Maria P. C. Silveira 1 ; Abraão A. Santos 1 ; Alexandre

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PROGÊNIES DE MILHO NA PRESENÇA E AUSÊNCIA DE ADUBO

AVALIAÇÃO DE PROGÊNIES DE MILHO NA PRESENÇA E AUSÊNCIA DE ADUBO REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA ISSN 1677-0293 PERIODICIDADE SEMESTRAL ANO III EDIÇÃO NÚMERO 5 JUNHO DE 2004 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Caracterização física e físico-química de frutos de mangabeira (Hancornia speciosa Gomes) no oeste da Bahia

Caracterização física e físico-química de frutos de mangabeira (Hancornia speciosa Gomes) no oeste da Bahia DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1807-1929/agriambi.v18n08p856 860 Caracterização física e físico-química de frutos de mangabeira (Hancornia speciosa Gomes) no oeste da Bahia Roxana S. M. Nascimento 1, José

Leia mais

II Seminário Iniciação Científica IFTM, Campus Uberaba, MG. 20 de outubro de 2009.

II Seminário Iniciação Científica IFTM, Campus Uberaba, MG. 20 de outubro de 2009. CARACTERIZAÇÃO FÍSICA E ENZIMÁTICA EM DIFERENTES ESTÁDIOS DE DESENVOLVIMENTO DA FRUTA DE UVAIEIRA (EUGENIA PYRIFORMIS CAMBESS), CULTIVADA NO TRIÂNGULO MINEIRO AZEVEDO, K.P. 1 ; GONÇALVES, C.A. 2 ; CIABOTTI,

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 486

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 486 Página 486 COMPONENTES DE PRODUÇÃO DA BRS NORDESTINA CULTIVADA EM DIFERENTES FONTES DE ADUBAÇÃO 1 Josely Dantas Fernandes 1, Lucia Helena Garófalo Chaves 2, José Pires Dantas 3, José Rodrigues Pacífico

Leia mais

Palavras-Chave: Adubação nitrogenada, massa fresca, área foliar. Nitrogen in Cotton

Palavras-Chave: Adubação nitrogenada, massa fresca, área foliar. Nitrogen in Cotton 64 Nitrogênio na cultura do Algodão Helton Aparecido Rosa 1, Reginaldo Ferreira Santos 1, Maycon Daniel Vieira 1, Onóbio Vicente Werner 1, Josefa Moreno Delai 1, Marines Rute de Oliveira 1 1 Universidade

Leia mais

Avaliação da influência de coberturas mortas sobre o desenvolvimento da cultura da alface na região de Fernandópolis- SP.

Avaliação da influência de coberturas mortas sobre o desenvolvimento da cultura da alface na região de Fernandópolis- SP. Avaliação da influência de coberturas mortas sobre o desenvolvimento da cultura da alface na região de Fernandópolis- SP. Roberto Andreani Junior 1 Pedro Galbiati Neto 1 UNICASTELO-Faculdade de Ciências

Leia mais

Características físico-químicas de alho (Allium sativum L.) submetido a diferentes reposições de água no solo.

Características físico-químicas de alho (Allium sativum L.) submetido a diferentes reposições de água no solo. HONÓRIO JP; CIABOTTI S; SANTANA MJ de; COSTA LL; BORGES EJ; CRUZ OC da. 2010. Características Características físico-químicas de alho (Allium sativum L.) submetido a diferentes reposições de água no solo.

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 888

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 888 Página 888 EFEITOS DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS DE INDÚSTRIAS DE CAMPINA GRANDE NA PRODUÇÃO DE FITOMASSA DA MAMONEIRA, CULTIVAR BRS NORDESTINA Josilda de F. Xavier 1 *. Carlos A. V. Azevedo 1*, Napoleão E. M.

Leia mais

MANGABA FRUTO Conjuntura Março 2012

MANGABA FRUTO Conjuntura Março 2012 MANGABA FRUTO Conjuntura Março 2012 És s fruta de carne acesa, sempre em agraz, como araçá çás, guabirobas, maracujás. Também m MANGABA, deixas em quem te conhece visgo, borracha. João o Cabral de Melo

Leia mais

COMPORTAMENTO DE HÍBRIDOS EXPERIMENTAIS DE MILHO EM CONDIÇÕES DE ESTRESSES DE SECA

COMPORTAMENTO DE HÍBRIDOS EXPERIMENTAIS DE MILHO EM CONDIÇÕES DE ESTRESSES DE SECA COMPORTAMENTO DE HÍBRIDOS EXPERIMENTAIS DE MILHO EM CONDIÇÕES DE ESTRESSES DE SECA Marco Antônio Ferreira Varanda 1 ; Aurélio Vaz de Melo 2 ; Rubens Ribeiro da Silva³ 1 Aluno do Curso de Agronomia; Campus

Leia mais

DETERMINAÇÃO DOS PARÂMETROS FÍSICO-QUÍMICO DOS REFRIGERANTES

DETERMINAÇÃO DOS PARÂMETROS FÍSICO-QUÍMICO DOS REFRIGERANTES DETERMINAÇÃO DOS PARÂMETROS FÍSICO-QUÍMICO DOS REFRIGERANTES Tiago Cavalcante dos Santos Graduando em Química Industrial / DQ / CCT / UEPB Rene Pinto da Silva Graduado em Química Industrial / DQ / CCT

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO BROMATOLÓGICA DO RESÍDUO DA PRODUÇÃO DE SUCO IN NATURA¹

CARACTERIZAÇÃO BROMATOLÓGICA DO RESÍDUO DA PRODUÇÃO DE SUCO IN NATURA¹ CARACTERIZAÇÃO BROMATOLÓGICA DO RESÍDUO DA PRODUÇÃO DE SUCO IN NATURA¹ FAVARIN, Fernanda Reis²; RODRIGUES, Alessandra²; BOSI, Greice Fracari²; BASSO, Cristiana³; STORCK, Cátia Regina³; ¹ Iniciação científica

Leia mais

VIII Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG- campus Bambuí VIII Jornada Científica

VIII Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG- campus Bambuí VIII Jornada Científica VIII Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG- campus Bambuí VIII Jornada Científica Casca de café carbonizada para produção de mudas de alface Jakeline Aparecida Greiver Ribeiro Ferreira (1), Fábio Pereira

Leia mais

Avaliação de linhagens de alface tipo americana no município de Bambui-MG

Avaliação de linhagens de alface tipo americana no município de Bambui-MG Avaliação de linhagens de alface tipo americana no município de Bambui-MG Luiz Fernando Ghetti PEREIRA ¹ ; Raul Magalhães FERRAZ¹; Raiy Magalhães FERRAZ²; Luciano Donizete GONÇALVES³ 1 Estudante de Agronomia.

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 OTIMIZAÇÃO DA EFETIVIDADE DE HEDGE NA COMPRA DE MILHO POR MEIO DE CONTRATOS FUTUROS PARA PRODUÇÃO DE BOVINOS DE CORTE RESUMO GUSTAVO DE SOUZA CAMPOS BADARÓ 1, RENATO ELIAS FONTES 2 ; TARCISIO GONÇALVES

Leia mais

Características físico-químicas de variedades de manga cultivadas em sistema orgânico

Características físico-químicas de variedades de manga cultivadas em sistema orgânico Características físico-químicas de variedades de manga cultivadas em sistema orgânico Physical-chemistries characteristics of mango varieties cultivated in organic system GALLI, Juliana Altafin 1 ; ARRUDA-PALHARINI,

Leia mais

Caracterização Físico-química de mel de abelha sem ferrão proveniente do Alto São Francisco

Caracterização Físico-química de mel de abelha sem ferrão proveniente do Alto São Francisco Caracterização Físico-química de mel de abelha sem ferrão proveniente do Alto São Francisco Michelle Carlota GONÇALVES¹.; Gaby Patrícia TERÁN-ORTIZ².; Ezio Dornela GOULART²;Gustavo Lucas GONÇALVES³; ¹

Leia mais

CRESCIMENTO DO RABANETE EM TÚNEIS BAIXOS COBERTOS COM PLÁSTICO PERFURADO EM DIFERENTES NÍVEIS DE PERFURAÇÃO

CRESCIMENTO DO RABANETE EM TÚNEIS BAIXOS COBERTOS COM PLÁSTICO PERFURADO EM DIFERENTES NÍVEIS DE PERFURAÇÃO CRESCIMENTO DO RABANETE EM TÚNEIS BAIXOS COBERTOS COM PLÁSTICO PERFURADO EM DIFERENTES NÍVEIS DE PERFURAÇÃO EDILAINE REGINA PEREIRA 1 SONIA MARIA STEPHANO PIEDADE 2 RESUMO O presente trabalho teve como

Leia mais

DESEMPENHO DE MUDAS CHRYSOPOGON ZIZANIOIDES (VETIVER) EM SUBSTRATO DE ESTÉRIL E DE REJEITO DA MINERAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO

DESEMPENHO DE MUDAS CHRYSOPOGON ZIZANIOIDES (VETIVER) EM SUBSTRATO DE ESTÉRIL E DE REJEITO DA MINERAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 DESEMPENHO DE MUDAS CHRYSOPOGON ZIZANIOIDES (VETIVER) EM SUBSTRATO DE ESTÉRIL E DE REJEITO DA MINERAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO Igor Fernandes de Abreu (*), Giovane César

Leia mais

BIOMETRIA DE FRUTOS E SEMENTES DE Tabebuia chrysotricha UTILIZADO NA ARBORIZAÇÃO DA CIDADE DE CHAPADÃO DO SUL- MS

BIOMETRIA DE FRUTOS E SEMENTES DE Tabebuia chrysotricha UTILIZADO NA ARBORIZAÇÃO DA CIDADE DE CHAPADÃO DO SUL- MS BIOMETRIA DE FRUTOS E SEMENTES DE Tabebuia chrysotricha UTILIZADO NA ARBORIZAÇÃO DA CIDADE DE CHAPADÃO DO SUL- MS Ana Paula Leite de Lima 1 ; Sebastião Ferreira de Lima 2 ; Rita de Cássia Mariano de Paula

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DO AÇAÍ (Euterpe oleracea)

UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DO AÇAÍ (Euterpe oleracea) Fertilidade di Solo e Nutrição de Plantas UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DO AÇAÍ (Euterpe oleracea) Aureliano Nogueira da Costa 1, Adelaide de Fátima Santana da Costa

Leia mais

Utilização e Formas de Aproveitamento de espécies do Cerrado no Município de Anápolis, Goiás

Utilização e Formas de Aproveitamento de espécies do Cerrado no Município de Anápolis, Goiás Utilização e Formas de Aproveitamento de espécies do Cerrado no Município de Anápolis, Goiás SANTOS, Mariângela Sousa Rodrigues¹ ROSA, Patrícia Cristiane Lins e Freitas 1,3 MENEZES, Andréia Ribeiro Teles

Leia mais

10 AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA

10 AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA 10 AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA CONVENCIONAL (SOJA LIVRE) EM LUCAS DO RIO VERDE, MT O objetivo deste experimento foi avaliar o potencial produtivo de cultivares de soja convencionais (Soja Livre) em

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS DE TOMATEIRO EM DIFERENTES SUBSTRATOS À BASE DE MATERIAIS REGIONAIS SOB ADUBAÇÃO FOLIAR 1 INTRODUÇÃO

PRODUÇÃO DE MUDAS DE TOMATEIRO EM DIFERENTES SUBSTRATOS À BASE DE MATERIAIS REGIONAIS SOB ADUBAÇÃO FOLIAR 1 INTRODUÇÃO PRODUÇÃO DE MUDAS DE TOMATEIRO EM DIFERENTES SUBSTRATOS À BASE DE MATERIAIS REGIONAIS SOB ADUBAÇÃO FOLIAR 1 Leonardo Pereira da Silva Brito 2, Ítalo Herbert Lucena Cavalcante 2, Márkilla Zunete Beckmann-Cavalcante

Leia mais

Efeito da adição de ferro nas características sensoriais de bebidas elaboradas com polpa de frutos tropicais e soro lácteo.

Efeito da adição de ferro nas características sensoriais de bebidas elaboradas com polpa de frutos tropicais e soro lácteo. Efeito da adição de ferro nas características sensoriais de bebidas elaboradas com polpa de frutos tropicais e soro lácteo. Felipe Machado TROMBETE ¹ *; Romilda Aparecida Bastos Monteiro ARAÚJO 2 ; Marcos

Leia mais

QUALIDADE FÍSICA DE OVOS INCUBÁVEIS DE CODORNAS JAPONESAS (Cortunix coturnix japonica) SUBMETIDOS A DIFERENTES PERIODOS E TEMPERATURAS DE ESTOCAGEM

QUALIDADE FÍSICA DE OVOS INCUBÁVEIS DE CODORNAS JAPONESAS (Cortunix coturnix japonica) SUBMETIDOS A DIFERENTES PERIODOS E TEMPERATURAS DE ESTOCAGEM QUALIDADE FÍSICA DE OVOS INCUBÁVEIS DE CODORNAS JAPONESAS (Cortunix coturnix japonica) SUBMETIDOS A DIFERENTES PERIODOS E TEMPERATURAS DE ESTOCAGEM Renato Lima CÉZAR¹; Nadja Susana Mogyca LEANDRO²,Marcos

Leia mais

Efeito da colhedora, velocidade e ponto de coleta na qualidade física de sementes de milho

Efeito da colhedora, velocidade e ponto de coleta na qualidade física de sementes de milho Efeito da colhedora, velocidade e ponto de coleta na qualidade física de sementes de milho 1 Delineide Pereira Gomes, 2 Érika S. M. Koshikumo, 3 Leandra Matos Barrozo, 4 Breno Marques S. e Silva e 5 Rouverson

Leia mais

ENSAIOS DE ALGODOEIROS DE FIBRAS COLORIDAS NO VALE DO IUIU 1 INTRODUÇÃO

ENSAIOS DE ALGODOEIROS DE FIBRAS COLORIDAS NO VALE DO IUIU 1 INTRODUÇÃO Página 1376 ENSAIOS DE ALGODOEIROS DE FIBRAS COLORIDAS NO VALE DO IUIU 1 Murilo Barros Pedrosa 1 ; Osório Lima Vasconcelos 3 ; Camilo de Lelis Morello 2 ; Eleusio Curvelo Freire 4 ; Flávio Rodrigo Gandolfi

Leia mais

MANEJO DE PRAGAS DO AMENDOINZEIRO COM PRODUTOS ALTENATIVOS E CONVENCIONAIS

MANEJO DE PRAGAS DO AMENDOINZEIRO COM PRODUTOS ALTENATIVOS E CONVENCIONAIS Página 1014 MANEJO DE PRAGAS DO AMENDOINZEIRO COM PRODUTOS ALTENATIVOS E CONVENCIONAIS Raul Porfirio de Almeida 1 ; Aderdilânia Iane Barbosa de Azevedo 2 ; 1Embrapa Algodão, C.P. 174, 58.428-095, Campina

Leia mais

Eficiência da Terra de Diatomácea no Controle do Caruncho do Feijão Acanthoscelides obtectus e o Efeito na Germinação do Feijão

Eficiência da Terra de Diatomácea no Controle do Caruncho do Feijão Acanthoscelides obtectus e o Efeito na Germinação do Feijão Eficiência da Terra de Diatomácea no Controle do Caruncho do Feijão Acanthoscelides obtectus e o Efeito na Germinação do Feijão The Efficiency of Diatomaceous Earth in Control of Bean Weevil Acanthoscelides

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Embrapa Amazônia Oriental Belém, PA 2015 DINÂMICA DE SISTEMAS DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA

Leia mais

Caracterização físico-química das principais variedades de mamão solo comercializadas na CEAGESP/SP

Caracterização físico-química das principais variedades de mamão solo comercializadas na CEAGESP/SP ISSN 2236-4420 Caracterização físico-química das principais variedades de mamão solo comercializadas na CEAGESP/SP Rafael Augusto Ferraz 1 ; Diógenes Martins Bardiviesso 1 ; Sarita Leonel 1 1 Faculdade

Leia mais

Influência do Impulso de Ascendência e Descendência Lunar e do Tamanho da Semente na Emergência de Plântulas Murici

Influência do Impulso de Ascendência e Descendência Lunar e do Tamanho da Semente na Emergência de Plântulas Murici Influência do Impulso de Ascendência e Descendência Lunar e do Tamanho da Semente na Emergência de Plântulas Murici Influence of impulse ascendence and offspring lunar and seed size on Emergence Seedlings

Leia mais

Revista Brasileira de Produtos Agroindustriais, Campina Grande, v.16, n.3, p.313-317, 2014 313 ISSN: 1517-859 ARTIGO TÉCNICO

Revista Brasileira de Produtos Agroindustriais, Campina Grande, v.16, n.3, p.313-317, 2014 313 ISSN: 1517-859 ARTIGO TÉCNICO 313 ISSN: 1517-859 ARTIGO TÉCNICO ELABORAÇÃO, QUALIDADE FÍSICO-QUÍMICA, MICROBIOLÓGICA E SENSORIAL DA SALADA DE FRUTAS EM CALDA Florisvaldo Gama de Souza 1, Carla Detenborn de Cól 2 RESUMO A finalidade

Leia mais

Congresso Brasileiro de Processamento mínimo e Pós-colheita de frutas, flores e hortaliças

Congresso Brasileiro de Processamento mínimo e Pós-colheita de frutas, flores e hortaliças 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 Qualidade física e química de uvas Niágara Rosada comercializadas no Ceasa/MG Heloisa H. de S. Elias 1 ; Deyvid H.

Leia mais

PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. a2es@cav.udesc.br.

PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. a2es@cav.udesc.br. Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. Mauricio Vicente Alves², Luiz Armando

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA O CONTROLE DO MANEJO DA IRRIGAÇÃO 1

DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA O CONTROLE DO MANEJO DA IRRIGAÇÃO 1 DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA O CONTROLE DO MANEJO DA IRRIGAÇÃO 1 M. G. Silva 2 ; F. D. D. Arraes 3 ; E. R. F. Ledo 4 ; D. H. Nogueira 5 RESUMO: O presente trabalho teve por objetivo

Leia mais

Paula Daniel Fogaça (Identificação das árvores e fotos) Camila Pianca (Coordenação do projeto) Complemento das informações do georreferenciamento de

Paula Daniel Fogaça (Identificação das árvores e fotos) Camila Pianca (Coordenação do projeto) Complemento das informações do georreferenciamento de Paula Daniel Fogaça (Identificação das árvores e fotos) Camila Pianca (Coordenação do projeto) Complemento das informações do georreferenciamento de árvores presentes nas trilhas no Parque do Zizo. Janeiro

Leia mais

EFEITO DO ARRANJO DE PLANTAS NO RENDIMENTO E QUALIDADE DA FIBRA DE NOVAS CULTIVARES DE ALGODOEIRO HERBÁCEO NO AGRESTE DE ALAGOAS

EFEITO DO ARRANJO DE PLANTAS NO RENDIMENTO E QUALIDADE DA FIBRA DE NOVAS CULTIVARES DE ALGODOEIRO HERBÁCEO NO AGRESTE DE ALAGOAS EFEITO DO ARRANJO DE PLANTAS NO RENDIMENTO E QUALIDADE DA FIBRA DE NOVAS CULTIVARES DE ALGODOEIRO HERBÁCEO NO AGRESTE DE ALAGOAS Dacio Rocha Brito 1, Napoleão Esberard de Macêdo Beltrão 2, Jadson de Lira

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Desempenho de Híbridos Simples de Milho no Estado do Maranhão na Safra de 2010 1 Cinthia Souza Rodrigues 1, Hélio

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 1527

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 1527 Página 1527 ADAPTABILIDADE E ESTABILIDADE DE CUL TIVARES DE GIRASSOL NO NORDESTE BRASILEIRO NA SAFRA 2009 Ivênio Rubens de Oliveira¹; Hélio Wilson Lemos de Carvalho¹; Cláudio Guilherme Portela de Carvalho

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM VASSOURAS - RJ

CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM VASSOURAS - RJ CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM VASSOURAS - RJ Gisele dos Santos Alves (1); Célia Maria Paiva; Mônica Carneiro Alves Xavier (1) Aluna do curso de graduação em Meteorologia - UFRJ e-mail:

Leia mais

CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUÍMICAS E COMPOSIÇÃO CENTESIMAL DE CASCAS E SEMENTES DE MAMÃO RESUMO

CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUÍMICAS E COMPOSIÇÃO CENTESIMAL DE CASCAS E SEMENTES DE MAMÃO RESUMO CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUÍMICAS E COMPOSIÇÃO CENTESIMAL DE CASCAS E SEMENTES DE MAMÃO Thaise Ananele de Lima 1 ; Maria Madalena Rinaldi 2 ; Diego Palmiro Ramirez Ascheri 3 1 Química Industrial, UnUCET/Anápolis

Leia mais

ACLIMATIZAÇÃO DE CULTIVARES DE ABACAXIZEIRO SOB MALHAS DE SOMBREAMENTO COLORIDAS

ACLIMATIZAÇÃO DE CULTIVARES DE ABACAXIZEIRO SOB MALHAS DE SOMBREAMENTO COLORIDAS ACLIMATIZAÇÃO DE CULTIVARES DE ABACAXIZEIRO SOB MALHAS DE SOMBREAMENTO COLORIDAS RAFAEL SOUZA MELO 1 ; JEFFERSON BITTENCOURT VENÂNCIO 2 ; WELLINGTON FARIAS ARAÚJO 3 ; EDVAN ALVES CHAGAS 4 ; NILMA BRITO

Leia mais

Elaboração e aceitabilidade sensorial de licor de pitanga com morango

Elaboração e aceitabilidade sensorial de licor de pitanga com morango VII Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí VII Jornada Científica e I Mostra de Extensão 21 a 23 de outubro de 2014 Elaboração e aceitabilidade sensorial de licor de pitanga com morango Lays

Leia mais

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO DA ESTAÇÃO DA EMBRAPA SEMIARIDO, PROJETO BEBEDOURO PRETOLINA/PE, ATRAVÉS DA TÉCNICA DE QUANTIS

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO DA ESTAÇÃO DA EMBRAPA SEMIARIDO, PROJETO BEBEDOURO PRETOLINA/PE, ATRAVÉS DA TÉCNICA DE QUANTIS ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO DA ESTAÇÃO DA EMBRAPA SEMIARIDO, PROJETO BEBEDOURO PRETOLINA/PE, ATRAVÉS DA TÉCNICA DE QUANTIS Iug Lopes¹; Miguel Júlio Machado Guimarães²; Juliana Maria Medrado de Melo³. ¹Mestrando

Leia mais

BIOMETRIA DOS FRUTOS DE TUCUMÃ (Astrocaryum vulgare Mart.) NO MUNICÍPIO DE CAPITÃO POÇO/PA

BIOMETRIA DOS FRUTOS DE TUCUMÃ (Astrocaryum vulgare Mart.) NO MUNICÍPIO DE CAPITÃO POÇO/PA BIOMETRIA DOS FRUTOS DE TUCUMÃ (Astrocaryum vulgare Mart.) NO MUNICÍPIO DE CAPITÃO POÇO/PA Luane Laíse Oliveira Ribeiro 1, Ironeide Lima e Lima 1, Letícia do Socorro Cunha 1, Emanuel Pimenta Pacheco 1,

Leia mais

Armazenamento de Grãos de Café (coffea arabica L.) em dois tipos de Embalagens e dois tipos de Processamento RESUMO

Armazenamento de Grãos de Café (coffea arabica L.) em dois tipos de Embalagens e dois tipos de Processamento RESUMO Armazenamento de Grãos de Café (coffea arabica L.) em dois tipos de Embalagens e dois tipos de Processamento 87 Felipe Carlos Spneski Sperotto 1, Fernando João Bispo Brandão 1, Magnun Antonio Penariol

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Desempenho Agronômico de Híbridos de Sorgo Biomassa Gutemberg de Aquiles Pereira 1, Rafael A. da C. Parrella 2, Nádia

Leia mais

V Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí V Jornada Científica 19 a 24 de novembro de 2012

V Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí V Jornada Científica 19 a 24 de novembro de 2012 V Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí V Jornada Científica 19 a 24 de novembro de 2012 Produção de mudas e avaliação de características Agronômicas e químicas de mangarito (Xanthossoma

Leia mais

Influência do armazenamento na durabilidade pós-colheita de helicônia Kessyana Pereira Leite, Paula Guimarães Pinheiro de Araújo, Andreza Santos da

Influência do armazenamento na durabilidade pós-colheita de helicônia Kessyana Pereira Leite, Paula Guimarães Pinheiro de Araújo, Andreza Santos da Influência do armazenamento na durabilidade pós-colheita de helicônia Kessyana Pereira Leite, Paula Guimarães Pinheiro de Araújo, Andreza Santos da Costa e Vivian Loges Introdução Um dos critérios para

Leia mais

ADUBAÇÃO ORGÂNICA E MINERAL NA PRODUTIVIDADE DA CANA- SOCA

ADUBAÇÃO ORGÂNICA E MINERAL NA PRODUTIVIDADE DA CANA- SOCA Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas ADUBAÇÃO ORGÂNICA E MINERAL NA PRODUTIVIDADE DA CANA- SOCA Lucélia Alves Ramos (1) ; Regina Maria Quintão Lana (2) ; Gaspar Henrique Korndörfer (2), Adriane de

Leia mais

Inclusão de bagaço de cana de açúcar na alimentação de cabras lactantes: desempenho produtivo

Inclusão de bagaço de cana de açúcar na alimentação de cabras lactantes: desempenho produtivo Inclusão de bagaço de cana de açúcar na alimentação de cabras lactantes: desempenho produtivo José Maria de OLIVEIRA Júnior 1 ; Gian Nascimento 2 ; Rafael Mendonça de Carvalho ² ; Wanderson Bahia Paulineli²;

Leia mais

SEÇÃO 1 TECNOLOGIA DE PRODUTOS DE ORIGEM VEGETAL E ANIMAL

SEÇÃO 1 TECNOLOGIA DE PRODUTOS DE ORIGEM VEGETAL E ANIMAL SEÇÃO 1 TECNOLOGIA DE PRODUTOS DE ORIGEM VEGETAL E ANIMAL BIOFILME COMESTÍVEL E EMBALAGEM DE PVC NA CONSERVAÇÃO PÓS- COLHEITA DE TOMATE EM DIFERENTES TEMPERATURAS Vanderleia Schoeninger 1, Tábata Zingano

Leia mais

Termos para indexação: diversidade genética, pequi, Caryocar brasiliense, RAPD, recursos genéticos, germoplasma

Termos para indexação: diversidade genética, pequi, Caryocar brasiliense, RAPD, recursos genéticos, germoplasma VARIABILIDADE GENÉTICA DE COLEÇÃO DE TRABALHO DE PEQUIZEIRO COM BASE EM MARCADORES MOLECULARES Fábio Gelape Faleiro 1, Graciele Bellon 1, Ailton Vítor Pereira 2, Elainy Botelho C. Pereira 3, Nilton Tadeu

Leia mais

ESTUDO DA EXPANSÃO DO DESMATAMENTO DO BIOMA CERRADO A PARTIR DE CENAS AMOSTRAIS DOS SATÉLITES LANDSAT

ESTUDO DA EXPANSÃO DO DESMATAMENTO DO BIOMA CERRADO A PARTIR DE CENAS AMOSTRAIS DOS SATÉLITES LANDSAT ESTUDO DA EXPANSÃO DO DESMATAMENTO DO BIOMA CERRADO A PARTIR DE CENAS AMOSTRAIS DOS SATÉLITES LANDSAT Elaine Barbosa da SILVA¹ Laerte Guimarães FERREIRA JÚNIOR¹ Antonio Fernandes dos ANJOS¹ Genival Fernandes

Leia mais

CLIMAS DO BRASIL MASSAS DE AR

CLIMAS DO BRASIL MASSAS DE AR CLIMAS DO BRASIL São determinados pelo movimento das massas de ar que atuam no nosso território. É do encontro dessas massas de ar que vai se formando toda a climatologia brasileira. Por possuir 92% do

Leia mais

PRODUTIVIDADE DA MAMONA HÍBRIDA SAVANA EM DIVERSAS POPULACÕES DE PLANTIO NO SUDOESTE DA BAHIA* fundacaoba.algodao@aiba.org.br; 4 Embrapa Algodão

PRODUTIVIDADE DA MAMONA HÍBRIDA SAVANA EM DIVERSAS POPULACÕES DE PLANTIO NO SUDOESTE DA BAHIA* fundacaoba.algodao@aiba.org.br; 4 Embrapa Algodão PRODUTIVIDADE DA MAMONA HÍBRIDA SAVANA EM DIVERSAS POPULACÕES DE PLANTIO NO SUDOESTE DA BAHIA* Gilvan Barbosa Ferreira 1, Ozório Lima de Vasconcelos 2, Murilo Barros Pedrosa 3, Arnaldo Rocha Alencar 4,

Leia mais

Sistema Baseado em Regras Fuzzy para Avaliação do Efeito de Lâminas de Irrigação na Produtividade e Diâmetro da Raiz de Cultivares de Beterraba

Sistema Baseado em Regras Fuzzy para Avaliação do Efeito de Lâminas de Irrigação na Produtividade e Diâmetro da Raiz de Cultivares de Beterraba Sistema Baseado em Regras Fuzzy para Avaliação do Efeito de Lâminas de Irrigação na Produtividade e Diâmetro da Raiz de Cultivares de Beterraba Alexsandro O. da Silva, Paulo R. Isler, Joselina S. Correia

Leia mais

RESUMO. Introdução. 1 Acadêmicos PVIC/UEG, graduandos do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG.

RESUMO. Introdução. 1 Acadêmicos PVIC/UEG, graduandos do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG. EFEITOS DE FERTILIZANTES E CORRETIVOS NO ph DO SOLO Tiago Trevizam de Freitas 1 ; Zélio de Lima Vieira 1 ; Valter de Oliveira Neves Júnior 1 ; Rodolfo Araújo Marques 1 ; Raimar Vinícius Canêdo 1 ; Adilson

Leia mais

Uso de húmus sólido e diferentes concentrações de húmus líquido em características agronômicas da alface

Uso de húmus sólido e diferentes concentrações de húmus líquido em características agronômicas da alface Uso de húmus sólido e diferentes concentrações de húmus líquido em características agronômicas da alface Everto Geraldo de MORAIS 1 ; Chrystiano Pinto de RESENDE 2 ; Marco Antônio Pereira RESUMO LOPES

Leia mais

Avaliação de espécies de banana verde para produção de biomassa

Avaliação de espécies de banana verde para produção de biomassa Avaliação de espécies de banana verde para produção de biomassa Sabrina Vargas MONTEIRO¹; Maria Alice NASCIMENTO ²; Adryze Gabrielle DORÁSIO²; Sonia de Oliveira Duque PACIULLI³. 1Estudantes do Curso Superior

Leia mais

o experimento encontra-se em andamento desde junho de 1997, no municipio de Introduc;ao

o experimento encontra-se em andamento desde junho de 1997, no municipio de Introduc;ao Carlos Cesar Pereira Nogueiraf.H, Humberto Umbelino de Sousa 2 e Jocicler da Silva Carneiro 3. Introduc;ao Originario do sudeste asiatico, 0 coqueiro esta distribuido por toda a regiao tropical do planeta.

Leia mais

13759 - Influência do Ciclo Lunar no Desenvolvimento e Rendimento de Coentro Coriandrum sativum L. Porto Alegre, RS, 2013.

13759 - Influência do Ciclo Lunar no Desenvolvimento e Rendimento de Coentro Coriandrum sativum L. Porto Alegre, RS, 2013. 13759 - Influência do Ciclo Lunar no Desenvolvimento e Rendimento de Coentro Coriandrum sativum L. Porto Alegre, RS, 2013. Influence of the lunar cycle of the moon in the development and yield of coriander

Leia mais

COMPONENTES DE CRESCIMENTO DA MAMONEIRA (Ricinus cumunnis L.) CULTIVAR BRS ENERGIA ADUBADA ORGANICAMENTE

COMPONENTES DE CRESCIMENTO DA MAMONEIRA (Ricinus cumunnis L.) CULTIVAR BRS ENERGIA ADUBADA ORGANICAMENTE Página 481 COMPONENTES DE CRESCIMENTO DA MAMONEIRA (Ricinus cumunnis L.) CULTIVAR BRS ENERGIA ADUBADA ORGANICAMENTE Suenildo Jósemo Costa Oliveira 1 ; Maria Aline Oliveira Freire 2 ; Lígia Rodrigues Sampaio

Leia mais

EFEITO DE DIFERENTES QUANTIDADES DE HÚMUS DE MINHOCA CALIFÓRNIA VERMELHA INCORPORADOS AO SOLO E COM APLICAÇÕES DE BIOFERTILIZANTE NA CULTURA DO FEIJÃO

EFEITO DE DIFERENTES QUANTIDADES DE HÚMUS DE MINHOCA CALIFÓRNIA VERMELHA INCORPORADOS AO SOLO E COM APLICAÇÕES DE BIOFERTILIZANTE NA CULTURA DO FEIJÃO Área: Solos e Nutrição de Plantas EFEITO DE DIFERENTES QUANTIDADES DE HÚMUS DE MINHOCA CALIFÓRNIA VERMELHA INCORPORADOS AO SOLO E COM APLICAÇÕES DE BIOFERTILIZANTE NA CULTURA DO FEIJÃO Paulo Cássio Aves

Leia mais

Expansão Agrícola e Variabilidade Climática no Semi-Árido

Expansão Agrícola e Variabilidade Climática no Semi-Árido Expansão Agrícola e Variabilidade Climática no Semi-Árido Fabíola de Souza Silva 1, Magaly de Fatima Correia 2, Maria Regina da Silva Aragão 2 1 Bolsista PIBIC/CNPq/UFCG, Curso de Graduação em Meteorologia,

Leia mais

8º Congresso Brasileiro de Algodão & I Cotton Expo 2011, São Paulo, SP 2011 Página 1389. Desenvolvimento Agrícola-EBDA; 4 Cotton Consultoria.

8º Congresso Brasileiro de Algodão & I Cotton Expo 2011, São Paulo, SP 2011 Página 1389. Desenvolvimento Agrícola-EBDA; 4 Cotton Consultoria. Página 1389 GENÓTIPOS DE ALGODÃO DE FIBRAS LONGAS NO SEMIÁRIDO DO VALE DO IUIU, SUDOESTE DA BAHIA, SAFRA 2008/09. 1 Murilo Barros Pedrosa 1 ; Flávio Rodrigo Gandolfi Benites 2 ; Osório Lima Vasconcelos

Leia mais

Caracterização de iogurte elaborado a partir de leite de cabra acrescido com polpa de uvaia (Eugenia uvalha cambess)

Caracterização de iogurte elaborado a partir de leite de cabra acrescido com polpa de uvaia (Eugenia uvalha cambess) Caracterização de iogurte elaborado a partir de leite de cabra acrescido com polpa de uvaia (Eugenia uvalha cambess) Emerson Divino PEREIRA 1 ; Sonia de Oliveira Duque PACIULLI 3 ; Jéssica Ribeiro HENRIQUE

Leia mais

PROPAGAÇÃO DO MANGOSTÃO ATRAVÉS DO CULTIVO IN VITRO. Acadêmico PVIC/UEG do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG.

PROPAGAÇÃO DO MANGOSTÃO ATRAVÉS DO CULTIVO IN VITRO. Acadêmico PVIC/UEG do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG. PROPAGAÇÃO DO MANGOSTÃO ATRAVÉS DO CULTIVO IN VITRO Valter de Oliveira Neves Júnior1; Zélio de Lima Vieira 1; Leandro Martins Prudente1; Rafael Benetti1; Sebastião Pedro da Silva Neto 2 1 Acadêmico PVIC/UEG

Leia mais

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1 1 SEBASTIÃO RODRIGO DE LIMA NASCIMENTO¹, MARIA DA CONCEIÇÃO GONÇALVES MACÊDO 1, ANNE CAROLINE CÂMARA DE ALMEIDA 2, NATAN MEDEIROS GUERRA 3, MAURINA DE LIMA PORTO 4. ¹ Graduando(a) do Curso de Medicina

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC. Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC)

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC. Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC) Serviço Nacional de Aprendizagem Rural Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC) Descrição do contexto

Leia mais

STATUS HÍDRICO DE PROGÊNIES DE CAFÉ COMO INDICADOR DE TOLERÂNCIA À SECA

STATUS HÍDRICO DE PROGÊNIES DE CAFÉ COMO INDICADOR DE TOLERÂNCIA À SECA STATUS HÍDRICO DE PROGÊNIES DE CAFÉ COMO INDICADOR DE TOLERÂNCIA Dalyse Toledo Castanheira Danielle Pereira Baliza Tiago Teruel Rezende Samuel Pereira Carvalho Rubens José Guimarães Helbert Rezende Oliveira

Leia mais

CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E

CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E RESPOSTA DE MILHO SAFRINHA CONSORCIADO COM Brachiaria ruziziensis À CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E 2012) Carlos Hissao Kurihara, Bruno Patrício Tsujigushi (2), João Vitor de Souza

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 6 a 0 de Agosto de 0 Qualidade de Sementes Híbridas de Milho Processadas em Separador por Cor Cibele Aparecida Teixeira da Silva, João Almir

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM ITAPERUNA - RJ

CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM ITAPERUNA - RJ CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM ITAPERUNA - RJ Mônica Carneiro Alves Xavier (1); Célia Maria Paiva; Gisele dos Santos Alves (1) Aluna do curso de graduação em Meteorologia - UFRJ e-mail:

Leia mais

AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE UM MICROCONTROLADOR NA PLATAFORMA ARDUINO NA LEITURA DE SENSORES ELÉTRICOS PARA CORRELAÇÃO COM ATRIBUTOS DO SOLO.

AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE UM MICROCONTROLADOR NA PLATAFORMA ARDUINO NA LEITURA DE SENSORES ELÉTRICOS PARA CORRELAÇÃO COM ATRIBUTOS DO SOLO. AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE UM MICROCONTROLADOR NA PLATAFORMA ARDUINO NA LEITURA DE SENSORES ELÉTRICOS PARA CORRELAÇÃO COM ATRIBUTOS DO SOLO. Fábio Vinicius de Freitas Damiati (Universidade Estadual de

Leia mais

PRODUÇÃO DO ALGODÃO COLORIDO EM FUNÇÃO DA APLICAÇÃO FOLIAR DE N E B

PRODUÇÃO DO ALGODÃO COLORIDO EM FUNÇÃO DA APLICAÇÃO FOLIAR DE N E B Página 770 PRODUÇÃO DO ALGODÃO COLORIDO EM FUNÇÃO DA APLICAÇÃO FOLIAR DE N E B Tancredo Augusto Feitosa de Souza 1 ; Roberto Wagner Cavalcanti Raposo 2 ; Aylson Jackson de Araújo Dantas 2 ; Carolline Vargas

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 455

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 455 Página 455 AVALIAÇÃO DA FITOMASSA SECA DA MAMONEIRA BRS 149 NORDESTINA SOB FERTILIZAÇÃO MINERAL Lúcia Helena Garófalo Chaves 1 ; Evandro Franklin de Mesquita 2,3 ; Hugo Orlando Carvallo Guerra 1 ; Diva

Leia mais

Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto - GEONORDESTE 2014 Aracaju, Brasil, 18-21 novembro 2014

Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto - GEONORDESTE 2014 Aracaju, Brasil, 18-21 novembro 2014 MAPEAMENTO DE ÁREAS COM BAIXO RISCO CLIMÁTICO PARA IMPLANTAÇÃO DO CONSÓRCIO MILHO COM BRACHIÁRIA NO ESTADO DE GOIÁS Fernando Antônio Macena da Silva¹, Natalha de Faria Costa², Thaise Sussane de Souza Lopes³,

Leia mais