CONCORRÊNCIA E INOVAÇÃO NO MERCADO DE PRODUTOS E SERVIÇOS DIGITAIS: O DEBATE SOBRE A NEUTRALIDADE DE REDES EM TELECOMUNICAÇÕES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONCORRÊNCIA E INOVAÇÃO NO MERCADO DE PRODUTOS E SERVIÇOS DIGITAIS: O DEBATE SOBRE A NEUTRALIDADE DE REDES EM TELECOMUNICAÇÕES"

Transcrição

1 CONCORRÊNCIA E INOVAÇÃO NO MERCADO DE PRODUTOS E SERVIÇOS DIGITAIS: O DEBATE SOBRE A NEUTRALIDADE DE REDES EM TELECOMUNICAÇÕES Marcio Wohlers, Jaqueline Thomazine, Priscila Suassuna IPEA e Prof. UNICAMP licenciado para o IPEA; Auxilar de pesquisa do IPEA e pósgraduanda UnB; Auxiliar de pesquisa do IPEA e graduanda UnB 1. INTRODUÇÃO Diante do alto poder de mercado dos chamados gigantes da Internet e igualmente em face do alto tamanho dos arquivos transacionados pela rede, o consenso praticamente absoluto referente à neutralidade de redes (NN) passou a ser a questionado em vários países do mundo. A idéia de que todos os pacotes de bytes (datagramas) não sofreriam qualquer espécie de descriminação de natureza pessoal, política, ideológica e econômica tornou-se objeto de amplo debate. O comércio eletrônico de serviços cujos arquivos são de grande volume, como os de cinema 3D, é um bom exemplo. Nesse mesmo terreno também estão incluídos os usuários que praticam jogos on-line e permanecem várias horas nessa e em outras atividades semelhantes e também as aplicações peer-to-peer (P2P), como o sistema de compartilhamento BitTorrent, as quais exigem grande quantidade de banda passante. Os antigos defensores da Internet livre e aberta, amplamente desregulamentada, ironicamente, passam agora a exigir que o governo ou órgão reguladores, imponham normas e regulamentem o funcionamento da rede mundial, garantindo particularmente a neutralidade de redes. É simples entender essa mudança de postura. Ora, diante da necessidade de viabilizar o tráfego para qualquer tipo de usuário, incluindo todos os envolvidos (compradores e vendedores) em transações eletrônicas e face à relativa escassez de largura de banda, os operadores de rede e fornecedores de conectividade à Internet, efetuam o gerenciamento do tráfego, e acabam reduzindo a qualidade do serviço QoS (Quality of Service sigla em inglês). Este fato acontece geralmente na última milha, ou seja, na conexão entre o usuário final e o servidor de tráfego que distribui os dados para esse usuário. De fato, em várias situações, as operadoras das plataformas de rede e de conectividade efetuam um gerenciamento de tráfego e priorizam a transferência de determinados arquivos em

2 2 detrimento de uma conexão mais rápida em determinados pontos da rede e da qualidade de algumas transmissões de dados on-line mais complexas, como a VoIP (voz sobre IP), que chegam ser encerradas abruptamente, ou por decisão da operadora da plataforma, ou por alguma instabilidade da própria Internet. Definitivamente, falta transparência nos procedimentos adotados pelas operadoras e nas responsabilidades sobre o desempenho da rede. Usuários e consumidores interconectados à Internet estão às escuras. A questão da neutralidade de redes também conduz a um debate sobre a evolução da concorrência e da inovação no âmbito Internet, que podem ser vistos como os dois lados da mesma moeda. De um, a garantia (ou não) da neutralidade de rede é uma interferência nas formas de concorrência e inovação na rede. De outro, maiores níveis e incentivos à inovação e o reforço do ambiente competitivo também influenciam a neutralidade de redes. Este trabalho está estruturado em quatro seções, incluindo esta primeira dedicada à introdução. A segunda esclarece a metodologia empregada no trabalho. Por sua vez, a terceira seção, a mais importante, é dedicada à análise e discussão dos resultados. Por fim, na quarta parte são apresentadas algumas conclusões sobre o tema. 2. METODOLOGIA A metodologia utilizada contempla dois aspectos básicos. Por um lado é dedutiva (de cima para baixo), identificando o fenômeno da neutralidade de redes em sua forma mais geral e abstrata, bem como sua inter-relação com o nível de concorrência e o modelo de inovação. Por sua vez, as evidências empíricas da questão são coletadas de forma a validar (ou não) a hipótese ou modelo inicial do problema. Neste trabalho, a hipótese inicial é que a NN seria um problema essencialmente regulatório e os reguladores deveriam ter maior poder no âmbito da Internet. Estes deveriam impor tão somente algumas regras essenciais :garantir a NN e também impedir a transmissão de conteúdo ilegal. O trabalho confronta essa hipótese e aquela emanada a partir das evidências empíricas. Os fatos serão generalizados de forma a propiciar a respectiva comparação entre o modelo inicial e aquele gerado com o aprofundamento da análise. Caso sejam identificadas diferenças será proposta - de forma teórica - uma solução para a questão. Vale ressaltar que a análise é essencialmente qualitativa e também faz uma breve referência à literatura sobre o tema. Por outro lado, a metodologia também se ancora na fortemente na literatura teórica sobre temas essenciais, como a concorrência e o modelo de inovação na Internet, além da bibliografia referente ao tema central deste trabalho: a questão da neutralidade de redes. Uma

3 3 das idéias centrais para o entendimento do funcionamento da economia digital ou virtual é o conceito da economia da informação, exposto por Carl Shapiro e Hal R. Varian (1999). Entre outros aspectos, os autores enfatizam de que forma produtores e usuários de bens digitais fazem parte de um mercado cuja estrutura concorrencial e inovativa está em constante mudança. A partir da caracterização do mercado de bens e serviços de natureza digital, utiliza-se o modelo de camadas funcionais exposto por Martin Fransman (2002; 2007). Esse modelo ressalta a natureza dos processos competitivos e de inovação e explica a conformação de um eco-sistema TICs composto pela distribuição dos atores e respectivas tecnologias em diversas camadas. A camada superior sempre depende da inferior para o correto desempenho e funcionamento. Por fim, deve ser ainda mencionado que o texto está amplamente apoiado na produção acadêmica de Jean-Charles Rochet e Jean Tirole (2004; 2006). Os autores discutem a neutralidade de rede, em particular em sua dimensão econômica, à luz da teoria do mercado de dois lados (two-sided markets), ou mais amplamente, o mercado multilateral (multi-sided markets). O mercado de dois lados utiliza uma plataforma para viabilizar as transações entre os dois lados do mercado: de um lado, provedores de bens digitais; de outro, usuários de bens digitais, cobrando-se taxas variáveis por cada transação econômica de ambas as partes. 3. ANÁLISE E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS 3.1. A evolução da Internet Desde meados da década de 90, no século XX, vem ocorrendo a massificação do uso da Internet e da World Wide Web (WWW), propiciando a utilização de novos serviços virtuais e o surgimento de novas formas de comunicação entre pessoas, empresas, governos e outras organizações. Alinhado com os rearranjos da economia mundial, iniciados na década anterior, quando passaram a predominar as medidas de desregulamentação financeira e comercial e a transnacionalização da produção, o sociólogo Manuel Castells efetuou um novo aporte teórico ao constatar que o uso das TICs (Tecnologias da Informação e Comunicação) havia penetrado em todas as esferas da economia: na produção, na circulação e no consumo, viabilizando ainda novos espaços democráticos para a evolução cultural, política e da participação social. De acordo com a obra do sociólogo, composta pela trilogia Sociedade em Redes, divulgada ao final dos anos 90, a sociedade capitalista havia adentrado no chamado capitalismo informacional, no qual a sociedade seria informacional, global e conectada. De fato, a

4 4 massificação do uso da Internet, interpretada latu sensu, implicou um crescimento extraordinário do processo inovativo representado pelos serviços sustentados tecnologicamente pela rede. A explosão da utilização do correio eletrônico, da criação de páginas web usando ferramentas multimídia com hiperlinks, do compartilhamento de arquivos e de variadas formas de comunicação propiciou uma nova forma de interação e comunicação entre pessoas, empresas, governos e outras organizações. Com a difusão da Internet em banda larga, a partir do início deste século, surgiu a chamada Web 2.0, sendo estabelecido um amplo processo de maior colaboração, compartilhamento e interatividade entre os usuários da rede. Nesse sentido, tornaram-se mais efetivas as chamadas e-aplicações, a exemplo do e-commerce, e-gov, e-education e e-health, Igualmente, começou a emergir um processo em que o consumidor de informação também se tornou um produtor de informação. Surgiram os blogs, vídeo blogs, redes sociais, como o Orkut, Facebook e tantas outras, games on-line e ainda o pleno estabelecimento de grandes e pequenos provedores de aplicações e conteúdo. Este processo aumentou de forma extraordinária o fluxo de informação veiculado na rede, fazendo emergir vários tipos de conflitos entre os principais agentes que fazem uso deste meio, em particular do questionamento do princípio da neutralidade de redes. No entanto, antes de discutirmos essa questão central do trabalho, vamos sintetizar qual é o regime tecnológico da Internet. O novo regime tecnológico e de aprendizagem vem sendo praticado a partir do final da década de 80. De fato, a fusão das telecomunicações com Internet produziu mudanças radicais entre o mundo das velhas telecomunicações o das TICs (Tecnologias de Informação e Comunicação). Conforme pode ser visto no Quadro 1, abaixo, verifica-se que o sistema inovação na era das telecomunicações tradicionais era bastante fechado (laboratórios centrais vinculados à operadora monopolista pública) e no mundo das TICs passou a ser identificado por um sistema bastante aberto. Além disso, as barreiras à entrada aos inovadores eram muito altas e foram reduzidas. As demais mudanças podem ser vistas diretamente no próprio Quadro 1. Quadro 1: Regime tecnológico e de aprendizagem A velha indústria de telecomunicações Sistema de inovação fechado Altas barreiras à entrada Poucos inovadores Base de conhecimento fragmentada Indústria de TICs (tecnologias de informação e comunicação) Sistema de inovação aberto Barreiras à entrada baixas Muitos inovadores Base de conhecimento comum

5 5 Incentivos à inovação médios ou baixos Inovações lentas e seqüenciais (Pesquisa Protótipo Ensaio Lançamento) Fortes incentivos à inovação Inovações rápidas e concorrentes (cooperação entre inovadores à distancia Fonte: Fransman, Devido à ampliação da convergência tecnológica e econômica no âmbito das TICs (Tecnologia de Informação e Comunicação) e da tendência da oferta generalizada de conexões de banda larga está ocorrendo uma forte mudança das fronteiras das empresas, dos mercados e de setores das próprias TICs. Diante desse fenômeno, uma das maneiras mais apropriadas para representar essas alterações é por intermédio de um modelo de camadas, em especial aquele proposto por Martim Fransman (2004 e 2007). O modelo de Fransman pode ser observado em sua forma reduzida onde existem apenas quatro camadas, sendo que a camada de cima está sempre apoiada funcionalmente na de baixo (Quadro 2). Na camada I, inferior, estão representados os chamados elementos de rede, ou seja, a produção de hardware e software que são utilizados para implementar as redes de telecomunicações. Nesta camada situa-se a produção de roteadores, computadores, chips, software básicos e aplicados etc. A camada dois, por sua vez, apresenta as diferentes redes de telecomunicações, sejam elas formadas por fios, cabos e fibras óticas ou por sistemas sem fio, como, por exemplo, a segunda, terceira e quarta gerações de transmissão de dados para telefonia celular e outras aplicações. Nessa camada, constituída pelos elementos de rede apresentados na camada inferior, também estão incluídas as redes de televisão aberta ou fechada. Em seguida, há um elemento de conectividade onde operam os protocolos TCP-IP (internet ou outras redes usando outros protocolos) que dão suporte à operação da camada III. Nessa camada situam-se os denominados ICAP Internet Content Applications Providers, os quais providenciam middleware, navegadores, aplicativo e dezenas ou mesmo centenas de oferta dos mais variados tipos de conteúdo de ordem pessoal, comercial e governamental. Finalmente, na camada IV está representado o consumo das informações, sendo que, na era da web 2.0, o consumidor é, também, um produtor de informações tais como as redes sociais, os blogs, os vídeos blogs e outros meios de operação do consumidor/produtor de informações.

6 6 Quadro 2: Modelo de quatro camadas (reduzido) de Martin Fransman CAMADAS IV. Consumo (co-envolvimento do consumidor) III. ICAP Internet Content Aplication Providers (conteúdo, aplicações, serviços, navegação e middleware) EXEMPLO EMPRESAS Wikipedia, YouTube, Second Life, My Space, Facebook, Orkut, e autores de blogs e videoblogs Google, Yahoo, Microsoft, Android, Firefox browsers, Governos Eletrônicos, operadoras de comércio eletrônico. Red IP (conectividade) II. Operação de redes I. Produção dos elementos de rede, equipamentos de telecomunicações, computadores e software, e eletrônica menor. Fonte: Fransman ( ) Telecom: Telefonica, Telmex, Oi, AT&T, BT, FT. TV: Televisa, Rede Globo, VTR. Intel, IBM, Microsoft, Apple, Nokia, Samsung, Alcatel. O modelo de inovação visto pela modelo de camadas de Fransman requer que, na prática, cada uma dessas camadas seja lida de forma diferente. A idéia é que cada camada seja produtora e usuária de inovações. Ou seja, além das interações próprias de modelo de camadas, ou seja, a camada 1 com a camada 2, a camada 2 com 3, e ainda 3 com a 4, há que se levar em consideração os demais pares de interação produtor-usuário de inovação: (1-3), (1-4), (2-4) e, finalmente, (3-1). A neutralidade de rede no modelo de Fransman pode ser visto por meio da conectividade à rede IP, situada entre as camadas II e III. O provedor dessa conectividade necessariamente deve estar apoiado em uma rede de telecomunicações, a qual, como vimos acima, deveria ser, em princípio, absolutamente neutra nos aspectos tecnológicos, econômicos e também políticoideológicos de transmissão de informações. Ou seja, neutralidade equivale à inexistência de qualquer filtro em relação à fluidez da informação.

7 7 Aspectos da concorrência na Internet O comércio na internet apresenta fatores que tornam a concorrência muito acirrada, sobretudo no setor de eletrônicos 1. Destacam-se dois fatores: (i) a desintermediação e (ii) a diminuição dos custos de transação. A desintermediação decorre da eliminação dos agentes intermediários, que aumentam a margem global de custos entre produtores e consumidores finais. À medida que a rede torna possível a transação direta entre produtores e consumidores, o grau de concorrência entre os produtores aumenta. Esse fenômeno atinge fortemente o segmento de varejo, mas seu impacto depende do tipo de setor e de produtos e serviços envolvidos. Produtos mais padronizados, como aparelhos eletroeletrônicos, livros, CD, computadores e periféricos, o potencial de desintermediação é relativamente alto. Outros produtos não tão padronizados, portanto, mais personalizados, como vestuário fino, relógios, jóias etc., usualmente requerem um contato mais direto e pessoal entre o vendedor e o consumidor. Nesses casos, o potencial de desintermediação é menor. Os custos de transação, por sua vez, englobam os custos de toda a efetivação do negócio. Englobam os custos de adequada seleção das partes que farão parte da transação (vendedor e comprador), os custos de elaboração do contrato entre eles e ainda os riscos de não cumprimento dos termos acordados, usualmente denominado de comportamento oportunístico. Na Internet, entre outros motivos, os custos de transação tendem a cair devido à maior transparência e acesso à informações sobre as partes. Além desses fatores positivos ainda existem outras características da Internet que se referem; ao aumento da escala e escopo na produção e distribuição das informações e o forte papel das externalidades de redes. Essas características fazem ampliar intensamente o mercado virtual, abrindo espaço para novos usuários e agentes provedores de informação. Ou seja, contribuem para a ampliação da concorrência na Internet. No entanto, é também necessário ressaltar os fatores que podem dificultar a concorrência: o efeito lock-in, ou seja, o aprisionamento e custos de mudança impostos ao consumidor diante de uma possível troca de padrão (como o referente ao nevegador da Microsoft, por exemplo) e 1 Shapiro e Variam (1999), examinam o funcionamento da economia digital incluindo vários tópicos, entre eles os seguintes: (i) economias de escala e escopo; (ii) externalidades de rede, em geral positivas; (iii) custos de transação; (iv) desintermediação e re-intermediação; (v) aprisionamento e custos de mudança; e (vi) aprendizado cumulativo.

8 8 ainda a falta de aprendizagem seja das empresas seja dos consumidores para o aproveitamento das crescentes oportunidades do mundo digital. 3.2 Identificação do tratamento da neutralidade de rede fora e dentro do Brasil A maior parte das discussões sobre neutralidade de rede (NN) remete diretamente ao papel central dos organismos reguladores das telecomunicações, os quais deveriam ter capacidade técnica, normativa e legislativa, judiciária (punição) e ainda exercer um papel pró-ativo de negociação, de modo a garantir o principio da NN. De fato, a discussão sobre esta nova função dos reguladores está acontecendo em várias partes do mundo. Nos Estados Unidos, a discussão sobre a neutralidade é relativamente muito ampla tanto entre especialistas no ramo, imprensa geral e especializada, e particularmente pelo órgão regulador central norte americano, o FCC (Federal Communications Commission). Um dos primeiros e mais importante fatos regulatórios referentes à NN refere-se à empresa Concast, que majoritariamente utiliza cabos coaxiais para distribuir TV por assinatura e também para prover o acesso a serviços por meio de banda larga. È a segunda maior operadora norte americana na oferta deste último serviço. Em meados da presente década, essa operadora passou a filtrar (impedir) aplicações que exigem grande quantidade a veiculação de dados, particularmente o aplicativo P2P BitTorrent e o caso foi parar nas mãos do órgão regulador norte americano FCC. Este órgão decidiu que era ilegal o comportamento da Concast e ordenou o imediato cancelamento desse procedimento. No entanto, a Concast recorreu à Justiça que deu ganho de causa à operadora. Criou-se então um vácuo forte vácuo regulatório que praticamente permanece até hoje. Recentemente, a grande empresa de telecomunicações Verizon, particularmente por meio de sua unidade de telefonia celular, celebrou um acordo com o Google, no qual todo o conteúdo desse gigante da Internet teria privilégios em termos de quantidade de banda passante. Teriam acesso privilegiado ao conteúdo veiculado pelo Google, em particular quanto à velocidade de download de filmes, vídeo blogs, como o You Tubee outros aplicativos. Na prática, é também uma quebra da NN uma vez que não há mais isonomia para todos os usuários.. Somente os assinantes da Verizon móvel teriam essa regalia. A FCC, por sua vez, lançou, em 2009, o NPRM (Notice of Proposed Rulemaking in the Matter of Preserving the Open Internet) de modo a coletar opiniões de todos interessados, mas até agora não há noticia de um novo marco legal. Da mesma forma, a União Européia recentemente também lançou uma consulta pública contendo várias perguntas sobre o tema. Elaborada pela Comissão Européia (Information

9 9 Society and Media Directorate-General) com o propósito de ampliar o debate sobre a Internet livre e a neutralidade de rede, a lista de quatorze macro perguntas, abrangeu vários, temas, saber: (i) a Internet aberta e o principio end-to-end (ou seja, a inteligência da rede deve ficar nas pontas e não no coração da rede); (ii) o gerenciamento e a discriminação do tráfego; (iii) estrutura de mercado; (iv) qualidade de serviço (QoS) e os consumidores e (v) dimensões políticas, culturais e sociais. As questões a serem respondidas foram distribuídas ao longo dos temas, e as perguntas referiam-se à extensão e a gravidades dos problemas, como afetava os cidadãos, de que maneira poderiam ser medidas e controladas e quais seriam as possíveis soluções diante da evolução tecnológica. No Chile, por meio da Lei , promulgada em 18 de agosto de 2010, foi institucionalizado o princípio da neutralidade na rede para os consumidores e usuários da internet. Um dos artigos da lei é claro e contundente: os operadores de internet são obrigados a não bloquearem, interferirem, discriminarem, impedirem nem restringirem arbitrariamente o direito de qualquer usuário da internet a utilizar, enviar, receber ou oferecer qualquer conteúdo, aplicação ou serviço legal. No entanto, as empresas operadoras de redes de telecomunicações podem gerenciar seu tráfego e suas redes sempre que não afetem a livre concorrência e haja transparência nessa medida. No Brasil, existem discussões esparsas sobre o tema em fóruns empresarias e em artigos na imprensa especializada. A ANATEL, em especial no seu Plano de Melhoria Regulatória PGR, colocou a questão da NN como uma medida a ser discutida no médio prazo. 3.3 Discussão dos resultados O debate entre intelectuais especializados no tema, em particular os norte americanos, é muito grande. WU (2005), por exemplo, é um dos intelectuais que lideram a defesa da NN e aborda o tema de maneira bastante transversal. Quem faz um contra ponto direto a esse autor é FRIEDEN (2007). No Brasil, os defensores da NN, em geral se referem à questões de ordem política e ideológica, a exemplo de AFONSO (2007), GINDRE (2007), PINHEIRO (2008) e RAMOS (2006), sendo que este último faz também uma análise econômica da questão. No entanto, diferentemente da hipótese corrente na maioria das discussões de natureza institucional, pode-se afirmar que o cerne da questão é de natureza econômica e não regulatória,. Robert Frieden respondendo a WU (2005) disse que a Internet nasceu livre, o que é correto, mas havia um pressuposto equivocado: a Internet não tinha custo. Voltando à questão técnica e econômica, de fato, a quantidade abissal de trafego na rede implica na necessidade de em uma ampla modernização (instalação de fibras ópticas em

10 10 várias partes da rede) para atender igualmente os usuários, ou seja, para manter o principio da neutralidade de rede (NN). Dessa forma surge um o forte impasse na quanto à responsabilidade sobre a quem caberia financiar esse financiamento: os usuários? os fornecedores de informação, os provedores de rede e conectividade? Cada um deles tem seu próprio modelo de negócio voltado a ampliar os beneficios e as respectivas taxas de lucro. Mas quem financiaria a melhoria da rede, que traz beneficio a todos? A solução teórica para o problema é proposta por TIROLE e ROCHET (2004), os quais utilizam o enfoque denominado two sided markets (mercado de dois lados). Alguns exemplos de mercados deste tipo são as plataformas para o uso de cartões de crédito, sistemas de vídeo game, e mesmo plataformas fisicas de jornais, que interligam os dois lados do mercado (anunciante e comprador). O mercado de dois lados, também chamado de mercado multilateral (multi-sided makets) pode ser definido como: markets in which one or several platforms enable interactions between end-users, and try to get the two (or multiple) sides on board by appropriately charging each side. That is, platforms court each side while attempting to make, or at least not lose, money overall (ROCHET; TIROLE, 2004, p.2). No modelo de mercado de dois lados, uma determinada plataforma tecnológica viabiliza ao fornecedor a possibilidades de efetuar transações com muitas partes. Na Internet teríamos o comprador ou usuário final (B) e o vendedor ou provedor de conteúdo (S). Ambos pagam um custo fixo para aderirem a rede. Podem ser entendidos como pertencentes a um clube que cobra uma taxa fixa de adesão. Como é proposto pelos autores, é suficiente mudar os preços variáveis em cada transação (mantendo o mesmo preço total), por meio de barganhas, por exemplo, para que a plataforma obtenha uma razoável taxa de lucro. Vale ressaltar que esses preços são de natureza diferente daqueles cobrados atualmente pelos provedores de Internet. 4. CONCLUSÕES Existem duas interpretações sobre o problema da neutralidade de rede. Uma delas, define o problema como uma questão essencialmente regulatória. Outra, defendida neste trabalho, interpreta que o fenômeno apresenta uma natureza essencialmente econômica, referente à indefinição de quem vai financiar a melhoria das redes para suportar o alto e crescente tráfego na Internet.

11 11 Nesse sentido podem ser visualizados dois cenários: um cenário seria o tendencial (CT) onde é proposto o empowerment dos reguladores para garantir efetivamente a manutenção da NN; Este cenário conduziria a uma lenta, mas crescente fragmentação da NN. Outro cenário seria o de renovação (CR), mais otimista, onde haveria uma nova repactuação do comportamento entre os principais atores,, Essa repactuação envolve a aplicação de uma nova forma de operar o comércio eletrônico, adequando-se a um modelo de mercado de dois lados, como o apresentado ROCHET, e TIROLE, (2004), Uma vez encaminhado de forma adequada um novo sistemas de preços na rede, o passo seguinte é o de apresentar e introduzir as novas formas de precificação para a respectiva vigilância dos órgão regulatórios. De fato, adaptar ao mundo real a conceituação teórica proposta por Tirole e Rochet (2004) envolve uma nova concepção de funcionamento comercial da rede e, portanto, de mudança de comportamento dos agentes envolvidos. Uma questão básica é isolar o lucro para modernização das redes (advindo da mudança de preços relativos, conforme a solução matemática dos autores) da rentabilidade da própria operadora. A solução inglesa de separação estrutural dos detentores de redes dos provedores de serviço pode ser um caminho. Entretanto é necessário identificar todas as mudanças necessárias para a efetivação do modelo teórico apresentado neste trabalho. 5. REFERÊNCIAS AFONSO, Carlos A. Todos os datagramas são iguais perante a Rede! Disponível em <http://www.idrc.ca/uploads/user-s/ paper_gindre_e_ca.pdf>. Acesso em: 13 de julho de CASTELLS, Manuel. Materials for an exploratory theory of the network society. The British Journal of Sociology, Vol. 51, n. 1, janeiro/março de FRIEDEN, Rob. Keeping the Internet Neutral?: A Response to the Wu-Yoo Debate. Federal Comunication Law Journal, Vol. 59, n. 3, p , Disponível em: <http://www.law.indiana.edu/fclj/pubs/forum/frieden_v59i3_forum.pdf>. Acesso em: 23 de setembro de Adjusting the horizontal and vertical in telecommunications regulation: a comparison of the traditional and a new layered approach. Federal Comunication Law Journal, Vol. 55, n. 2, p , Disponível em: <http://www.law.indiana.edu/fclj/pubs/v55/no2/frieden.pdf>. Acesso em: 23 de setembro de GINDRE, Gustavo. Neutralidade e desagregação de redes: o exemplo da Inglaterra Disponível em <http://www.idrc.ca/uploads/user-s/ paper_gindre_e_ca.pdf>. Acesso em: 13 de julho de 2010.

12 12 FRANSMAN, Martin. Telecoms in the Internet Age From Boom to Bust to.?. Oxford University Press, FRANSMAN, Martin. The New ICT Ecosystem: Implications for Europe. Kokoro, PINHEIRO, Guilherme Pereira. O princípio da neutralidade de rede na Internet: uma análise regulatória e concorrencial. Prisma, Vol. 5, n.. 2, Disponível em <http://www.publicacoesacademicas.uniceub.br/index.php/prisma/article/viewfile/682/570>. Acesso em: 1 de setembro de RAMOS, Marcelo de Matos. Neutralidade de Redes: O Futuro da Internet e o Mix Institucional. SEAE/MF. Documento de trabalho n. 41, dezembro de Disponível em <http://www.seae.fazenda.gov.br/central_documentos/documento_trabalho/2006-1?set_language=en> Acesso em: 13 de julho de ROCHET, Jean-Charles e TIROLE, Jean. Two-Sided Markets: An Overview. IDEI Working Papers, Disponível em <https://noppa.tkk.fi/noppa/kurssi/s /luennot/S-38_4043_pre-exam_article.pdf>. Acesso em: 01 de setembro TIM, W, "Network Neutrality, Broadband Discrimination Disponível em Acesso em 10 de agosto de European Commission. Questionnaire for the public consultation on the open internet and net neutrality in Europe. Consultation, Information Society and Media Directorate-General, Electronic Communications Policy, European Commission. Disponível em: <http://ec.europa.eu/information_society/policy/ecomm/library/public_consult/net_neutrality/ index_en.htm>. Acesso em: 23 de setembro de Specific Privacy Statement, Public consultation on "The open internet and net neutrality in Europe". Information Society and Media Directorate-General, Electronic Communications Policy, European Commission, Disponível em: <http://ec.europa.eu/information_society/policy/ecomm/library/public_consult/net_neutrality/ index_en.htm>. Acesso em: 23 de setembro de AUTORES Marcio Wohlers, Diretor de Políticas Setoriais do Ipea e Professor da UNICAMP licenciado para o Ipea Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada Ipea Diretoria de Políticas Setoriais Diset SBS quadra 1 bloco J sala 1102 marcio.wohlers.ipea.gov.br Jaqueline Thomazine, Mestranda UnB Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada Ipea Diretoria de Políticas Setoriais Diset SBS quadra 1 bloco J sala 1117

13 Priscila Suassuna, Graduanda UnB Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada Ipea Diretoria de Políticas Setoriais Diset SBS quadra 1 bloco J sala

8º CONGRESSO BRASILEIRO DE JORNAIS ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE JORNAIS (ANJ) PAINEL: LIBERDADE DE EXPRESSÃO NA ERA DIGITAL.

8º CONGRESSO BRASILEIRO DE JORNAIS ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE JORNAIS (ANJ) PAINEL: LIBERDADE DE EXPRESSÃO NA ERA DIGITAL. 8º CONGRESSO BRASILEIRO DE JORNAIS ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE JORNAIS (ANJ) São Paulo, 19 de agosto de 2010 PAINEL: LIBERDADE DE EXPRESSÃO NA ERA DIGITAL Apresentação: A Anatel, a ampliação dos acessos de

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - MODELO DE REFERÊNCIA TCP (RM TCP) 1. INTRODUÇÃO O modelo de referência TCP, foi muito usado pela rede ARPANET, e atualmente usado pela sua sucessora, a Internet Mundial. A ARPANET é de grande

Leia mais

Módulo 6 Usando a Internet. Internet. 3.1 Como tudo começou

Módulo 6 Usando a Internet. Internet. 3.1 Como tudo começou Módulo 6 Usando a Internet Internet 3.1 Como tudo começou A internet começou a se desenvolver no ano de 1969 onde era chamada de ARPANET, criada pelo departamento de defesa dos Estados Unidos com o propósito

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri Redes de Computadores Prof. Dr. Rogério Galante Negri Rede É uma combinação de hardware e software Envia dados de um local para outro Hardware: transporta sinais Software: instruções que regem os serviços

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação. Telecomunicações e a Internet na Empresa

Administração de Sistemas de Informação. Telecomunicações e a Internet na Empresa Administração de Sistemas de Informação e a Internet na Empresa Conectando a Empresa à Rede As organizações estão se tornando empresas conectadas em redes. As redes do tipo Internet, Intranet e Extranet

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Design de Rede Local Design Hierárquico Este design envolve a divisão da rede em camadas discretas. Cada camada fornece funções específicas que definem sua função dentro da rede

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS

APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS 3.INTERNET 3.1. Internet: recursos e pesquisas 3.2. Conhecendo a Web 3.3. O que é um navegador?

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

CONCLUSÃO das implicações estratégicas das redes e alianças de relacionamento mais significativas da Embratel enquanto empresa do grupo Telmex

CONCLUSÃO das implicações estratégicas das redes e alianças de relacionamento mais significativas da Embratel enquanto empresa do grupo Telmex 177 6 CONCLUSÃO A presente investigação das implicações estratégicas das redes e alianças de relacionamento mais significativas da Embratel enquanto empresa do grupo Telmex, atingiu seu objetivo de evidenciar

Leia mais

1 Introduc ao 1.1 Hist orico

1 Introduc ao 1.1 Hist orico 1 Introdução 1.1 Histórico Nos últimos 100 anos, o setor de telecomunicações vem passando por diversas transformações. Até os anos 80, cada novo serviço demandava a instalação de uma nova rede. Foi assim

Leia mais

O PL 29 e as políticas de comunicação no Brasil: a importância da participação da sociedade civil e do Poder Executivo no processo legislativo

O PL 29 e as políticas de comunicação no Brasil: a importância da participação da sociedade civil e do Poder Executivo no processo legislativo O PL 29 e as políticas de comunicação no Brasil: a importância da participação da sociedade civil e do Poder Executivo no processo legislativo 1 Lara Haje Laboratório de Políticas de Comunicação (LaPCom)

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES Capítulo 8 TELECOMUNICAÇÕES E REDES 8.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização

Leia mais

7 Modelos de Négocio para o PLC

7 Modelos de Négocio para o PLC 87 7 Modelos de Négocio para o PLC Há basicamente três modelos de negócio que podem ser usados para o PLC baseados no valor de investimento e nível de risco que as empresas de energia se dispõem em aceitar

Leia mais

Anderson L. S. Moreira

Anderson L. S. Moreira Tecnologia da Informação Aula 9 Telecomunicações e Rede Interconectando a Empresa Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@ifpe.edu.br Instituto Federal de Pernambuco Recife PE Esta apresentação está sob

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. Késsia Marchi

Redes de Computadores. Prof. Késsia Marchi Redes de Computadores Prof. Késsia Marchi Redes de Computadores Redes de Computadores Possibilita a conexão entre vários computadores Troca de informação Acesso de múltiplos usuários Comunicação de dados

Leia mais

Defesa da Concorrência nas Telecomunicações: Tempos de Convergência Tecnológica

Defesa da Concorrência nas Telecomunicações: Tempos de Convergência Tecnológica Defesa da Concorrência nas Telecomunicações: Tempos de Convergência Tecnológica Caio Mário da Silva Pereira Neto Fundação Getulio Vargas - Março 2007 caio.pereira@fgv.br Estrutura da Apresentação Convergência

Leia mais

A Estrutura da Web. Redes Sociais e Econômicas. Prof. André Vignatti

A Estrutura da Web. Redes Sociais e Econômicas. Prof. André Vignatti A Estrutura da Web Redes Sociais e Econômicas Prof. André Vignatti A Estrutura da Web Até agora: redes onde unidades eram pessoas ou entidades sociais, como empresas e organizações Agora (Cap 13, 14 e

Leia mais

FMU - FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING E MARKETING DE PERMISSÃO.

FMU - FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING E MARKETING DE PERMISSÃO. FMU - FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING E MARKETING DE PERMISSÃO. São Paulo - SP 2016 RENAN ROCHA ALVES - RA: 6448758 E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E ANALISTA (EXCETO PARA O CARGO 4 e 8) GABARITO 1. (CESPE/2013/MPU/Conhecimentos Básicos para os cargos 34 e 35) Com a cloud computing,

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

Modelos de Negócios Digitais

Modelos de Negócios Digitais Modelos de Negócios Digitais O que é um modelo de negócio? Um Modelo de Negócios descreve a lógica de criação, entrega e captura de valor por parte de uma organização. Definição do negócio da empresa Negócio

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES REDE DE COMPUTADORES Evolução histórica das redes de computadores Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 Objetivos de Aprendizagem Ao final deste módulo você estará apto a conceituar

Leia mais

Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço.

Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço. O que se deve considerar no planejamento de uma rede multi-serviço? Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço. Jorge Moreira de Souza Doutor em Informática

Leia mais

Proposta de Avaliação de Empresas para o uso do SAAS

Proposta de Avaliação de Empresas para o uso do SAAS 1 INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO Gestão e Tecnologia da Informação/ IFTI 1402 Turma 25 09 de abril de 2015 Proposta de Avaliação de Empresas para o uso do SAAS Raphael Henrique Duarte

Leia mais

Informática I. Aula 22. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1

Informática I. Aula 22. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1 Informática I Aula 22 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1 Critério de Correção do Trabalho 1 Organização: 2,0 O trabalho está bem organizado e tem uma coerência lógica. Termos

Leia mais

Valor Comercial das Telecomunicações. Telecomunicações nas Empresas. Superar barreiras geográficas. Superar barreiras do tempo

Valor Comercial das Telecomunicações. Telecomunicações nas Empresas. Superar barreiras geográficas. Superar barreiras do tempo Valor Comercial das Telecomunicações Superar barreiras geográficas Atendimento ao cliente/preenchimento de pedidos Superar barreiras do tempo Consultas de crédito (POS) Superar barreiras de custo Videoconferência

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES As telecomunicações referem -se à transmissão eletrônica de sinais para as comunicações, incluindo meios como telefone, rádio e televisão. As telecomunicações

Leia mais

TRIBUTAÇÃO NA NUVEM. Tax Friday 21 de outubro de 2011 AMCHAM - RJ

TRIBUTAÇÃO NA NUVEM. Tax Friday 21 de outubro de 2011 AMCHAM - RJ TRIBUTAÇÃO NA NUVEM Tax Friday 21 de outubro de 2011 AMCHAM - RJ PROGRAMA 1. INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO EM NUVEM CONCEITOS APLICÁVEIS 2. PRINCIPAIS OPERAÇÕES E ASPECTOS TRIBUTÁRIOS POLÊMICOS INTRODUÇÃO À

Leia mais

CAPÍTULO 2. Este capítulo tratará :

CAPÍTULO 2. Este capítulo tratará : 1ª PARTE CAPÍTULO 2 Este capítulo tratará : 1. O que é necessário para se criar páginas para a Web. 2. A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web 3. Navegadores 4. O que é site, Host,

Leia mais

PROPOSTA DE FISCALIZAÇÃO E CONTROLE Nº DE 2014 (Do Sr. Luiz Fernando Machado)

PROPOSTA DE FISCALIZAÇÃO E CONTROLE Nº DE 2014 (Do Sr. Luiz Fernando Machado) PROPOSTA DE FISCALIZAÇÃO E CONTROLE Nº DE 2014 (Do Sr. Luiz Fernando Machado) Propõe que a Comissão de Fiscalização Financeira e Controle com o auxílio do Tribunal de Contas da União e do Ministério Público

Leia mais

Brasileiro faz plano de banda larga dos EUA

Brasileiro faz plano de banda larga dos EUA Brasileiro faz plano de banda larga dos EUA 4 de outubro de 2009 O brasileiro Carlos Kirjner, nomeado pelo presidente Barack Obama para o cargo de conselheiro do diretor-geral da Comissão Federal de Comunicações

Leia mais

Análise Comparativa entre Provedores de Internet 3G, no Estado do Acre.

Análise Comparativa entre Provedores de Internet 3G, no Estado do Acre. Análise Comparativa entre Provedores de Internet 3G, no Estado do Acre. Luiz Felipe de Oliveira Pinheiro * RESUMO Vamos aqui fazer uma comparação entre planos de internet 3G, (oferta/demanda), e tentar

Leia mais

Tecnologias de Banda Larga

Tecnologias de Banda Larga Banda Larga Banda larga é uma comunicação de dados em alta velocidade. Possui diversas tecnologia associadas a ela. Entre essas tecnologias as mais conhecidas são a ADSL, ISDN, e o Cable Modem. Essas tecnologias

Leia mais

LIGUE TELECOM SOLUÇÕES INOVADORAS PARA QUEM BUSCA COMUNICAÇÃO SEM LIMITES.

LIGUE TELECOM SOLUÇÕES INOVADORAS PARA QUEM BUSCA COMUNICAÇÃO SEM LIMITES. v8.art.br LIGUE TELECOM SOLUÇÕES INOVADORAS PARA QUEM BUSCA COMUNICAÇÃO SEM LIMITES. www.liguetelecom.com.br 0800 888 6700 VOIP FIXO INTERNET LIGUE TELECOM SOLUÇÕES INOVADORAS PARA QUEM BUSCA COMUNICAÇÃO

Leia mais

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas MÓDULO 5 Tipos de Redes 5.1 LAN s (Local Area Network) Redes Locais As LAN s são pequenas redes, a maioria de uso privado, que interligam nós dentro de pequenas distâncias, variando entre 1 a 30 km. São

Leia mais

SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA RODRIGO SANTANA DOS SANTOS ANATEL

SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA RODRIGO SANTANA DOS SANTOS ANATEL 1 SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA RODRIGO SANTANA DOS SANTOS ANATEL 2 Sumário Conceitos Gerais SCM em Números Proteção e Defesa de Direitos dos Assinantes Regulamentos em Estudo 3 Conceitos Gerais Lei

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Analítico sobre Regras Regularórias n.º 14 COGCM/SEAE/MF

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Analítico sobre Regras Regularórias n.º 14 COGCM/SEAE/MF MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Analítico sobre Regras Regularórias n.º 14 COGCM/SEAE/MF Brasília, 25 de agosto de 2008. Assunto: Contribuições à Consulta Pública da

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REDES E SEGURANÇA DE SISTEMAS TELEFONIA IP E VOIP RESUMO

INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REDES E SEGURANÇA DE SISTEMAS TELEFONIA IP E VOIP RESUMO INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REDES E SEGURANÇA DE SISTEMAS TELEFONIA IP E VOIP RESUMO Artigo Científico Curso de Pós-Graduação em Redes e Segurança de Sistemas Instituto

Leia mais

Síntese. Perspectivas das Comunicações da OCDE : Edição 2003

Síntese. Perspectivas das Comunicações da OCDE : Edição 2003 Síntese Perspectivas das Comunicações da OCDE : Edição 2003 Overview OECD Communications Outlook : 2003 Edition As sínteses são excertos de publicações da OCDE, encontrando-se livremente disponíveis na

Leia mais

Internet Visão Geral. O que é a Internet? Ong Ação Cidadã

Internet Visão Geral. O que é a Internet? Ong Ação Cidadã Internet Visão Geral Ong Ação Cidadã O que é a Internet? INTERNET é o conjunto de computadores conectados em escala mundial, utilizando o protocolo TCP/IP para comunicar entre si. Nasceu em 1969 com a

Leia mais

Legislação aplicada às comunicações

Legislação aplicada às comunicações Legislação aplicada às comunicações Discussão Neutralidade de Rede e Reflexões sobre Regulação da Mídia Carlos Baigorri Brasília, março de 2015 Definição A neutralidade da rede é o princípio de que todo

Leia mais

// Questões para estudo

// Questões para estudo // Questões para estudo 2 // Ferramentas Básicas de Internet e Web 2.0 1. Sobre a internet, marque a opção correta: A) A internet poder ser definida como uma rede mundial, composta por mihões e milhões

Leia mais

Como medir a velocidade da Internet?

Como medir a velocidade da Internet? Link Original: http://www.techtudo.com.br/artigos/noticia/2012/05/como-medir-velocidade-da-suainternet.html Como medir a velocidade da Internet? Pedro Pisa Para o TechTudo O Velocímetro TechTudo é uma

Leia mais

Informática Básica. Internet Intranet Extranet

Informática Básica. Internet Intranet Extranet Informática Básica Internet Intranet Extranet Para começar... O que é Internet? Como a Internet nasceu? Como funciona a Internet? Serviços da Internet Considerações finais O que é Internet? Ah, essa eu

Leia mais

A disciplina jurídica da banda larga no Brasil à luz das experiências estadunidense e europeia.

A disciplina jurídica da banda larga no Brasil à luz das experiências estadunidense e europeia. A disciplina jurídica da banda larga no Brasil à luz das experiências estadunidense e europeia. Victor Epitácio Cravo Teixeira Mestrando em Direito Universidade de Brasília UnB Objetivo Analisar o tratamento

Leia mais

A empresa digital: comércio e negócios eletrônicos

A empresa digital: comércio e negócios eletrônicos Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 06 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Trilha 4 Diversidade e Conteúdo Matriz GERAL de sistematização

Trilha 4 Diversidade e Conteúdo Matriz GERAL de sistematização Trilha 4 Diversidade e Conteúdo Matriz GERAL de sistematização coordenador: Lisandro Zambenedetti Granville relatores: Francele Cocco e Lucas Farinella Pretti A) Questões-chave SUSTENTABILIDADE DE PRODUTORES

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS

E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS Central de Cases E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS www.espm.br/centraldecases Central de Cases E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS Preparado pelo Prof. Vicente Martin Mastrocola, da ESPM SP. Disciplinas

Leia mais

:: Telefonia pela Internet

:: Telefonia pela Internet :: Telefonia pela Internet http://www.projetoderedes.com.br/artigos/artigo_telefonia_pela_internet.php José Mauricio Santos Pinheiro em 13/03/2005 O uso da internet para comunicações de voz vem crescendo

Leia mais

Arquiteturas de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos

Arquiteturas de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos Arquiteturas de Rede 1 Sumário Introdução; Modelo de Referência OSI; Modelo de Referência TCP/IP; Bibliografia. 2/30 Introdução Já percebemos que as Redes de Computadores são bastante complexas. Elas possuem

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA-UFES Departamento de Computação

Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA-UFES Departamento de Computação - Centro de Ciências Agrárias Departamento de Computação Os sistemas de informação empresariais na sua carreira Introdução à Ciência da Computação Introdução à Ciência da Computação COM06850-2015-II Prof.

Leia mais

Sistemas web e comércio eletrônico. Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico

Sistemas web e comércio eletrônico. Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico Sistemas web e comércio eletrônico Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico Tópicos abordados Arquitetura do e-commerce Aspectos importantes do e-commerce Modelos de negócios Identificação do modelo

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 4.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 4.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 4.1 4 OBJETIVOS OBJETIVOS A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS Como a tecnologia de Internet mudou propostas de valor e modelos de negócios

Leia mais

As Comunidades Virtuais e a Produção do Capital Social: 1 Uma análise sob a comunidade Lollapalooza Brasil

As Comunidades Virtuais e a Produção do Capital Social: 1 Uma análise sob a comunidade Lollapalooza Brasil As Comunidades Virtuais e a Produção do Capital Social: 1 Uma análise sob a comunidade Lollapalooza Brasil Samira NOGUEIRA 2 Márcio Carneiro dos SANTOS 3 Universidade Federal do Maranhão, São Luís, MA

Leia mais

Edição 3 - Dezembro 2009

Edição 3 - Dezembro 2009 Edição 3 - Dezembro 2009 Indicadores Categorias + vistas na internet (usuários únicos) 33,7 Telecomunicações e Serviços de Internet -10,5% +13% Buscadores, Portais e Comunidades 33,5 Ocasiões Especiais

Leia mais

Desculpe, mas este serviço (jogo) encontra se em manutenção.

Desculpe, mas este serviço (jogo) encontra se em manutenção. Estrutura de servidor e banco de dados para multijogadores massivos Marcelo Henrique dos Santos marcelosantos@outlook.com Desculpe, mas este serviço (jogo) encontra se em manutenção. São Paulo SP, Fevereiro/2013

Leia mais

Inteligência em. redes sociais. corporativas. Como usar as redes internas de forma estratégica

Inteligência em. redes sociais. corporativas. Como usar as redes internas de forma estratégica Inteligência em redes sociais corporativas Como usar as redes internas de forma estratégica Índice 1 Introdução 2 Por que uma rede social corporativa é um instrumento estratégico 3 Seis maneiras de usar

Leia mais

Telecomunicações e Redes. Objetivos do Capítulo

Telecomunicações e Redes. Objetivos do Capítulo Objetivos do Capítulo Identificar as principais tendências e avanços nas indústrias, tecnologias e aplicações de telecomunicações e da Internet nas empresas. Fornecer exemplos do valor comercial de aplicativos

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof Odilon Zappe Jr Comércio Eletrônico Um breve histórico Comércio compra, venda, troca de produtos e serviços; Incrementado pelos Fenícios, Árabes, Assírios e Babilônios uso

Leia mais

Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal. JOÃO REZENDE Presidente da Anatel Anatel

Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal. JOÃO REZENDE Presidente da Anatel Anatel Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal JOÃO REZENDE Presidente da Anatel Anatel Brasília/DF Maio/2013 15 anos de LGT Em 1997, na corrida pelo usuário, a

Leia mais

Neutralidade Redes Uma análise de Mercado de Dois Lados. Tatiana Alessio de Britto CADE 15/04/2015

Neutralidade Redes Uma análise de Mercado de Dois Lados. Tatiana Alessio de Britto CADE 15/04/2015 1 Neutralidade Redes Uma análise de Mercado de Dois Lados Tatiana Alessio de Britto CADE 15/04/2015 2 Brasil: Lei n.º 12.965, de 23/04/2014, que institui o Marco Civil da Internet. Regulamentar a utilização

Leia mais

PROJETO CIDADÃO EM REDE: DE CONSUMIDOR A PRODUTOR DE INFORMAÇÃO SOBRE O TERRITÓRIO PLANO DE TRABALHO

PROJETO CIDADÃO EM REDE: DE CONSUMIDOR A PRODUTOR DE INFORMAÇÃO SOBRE O TERRITÓRIO PLANO DE TRABALHO PROJETO CIDADÃO EM REDE: DE CONSUMIDOR A PRODUTOR DE INFORMAÇÃO SOBRE O TERRITÓRIO PLANO DE TRABALHO CONVÊNIO DE COOPERAÇÃO TECNOLÓGICA PRODEB-UFBA PRODEB/DSS Diretoria de Sistemas e Serviços UFBA/LCAD

Leia mais

Comissão Especial PL nº 1.481/2007. AUDIÊNCIA PÚBLICA 13 de Maio de 2008. Vilson Vedana Presidente do Conselho Consultivo da Anatel

Comissão Especial PL nº 1.481/2007. AUDIÊNCIA PÚBLICA 13 de Maio de 2008. Vilson Vedana Presidente do Conselho Consultivo da Anatel Comissão Especial PL nº 1.481/2007 AUDIÊNCIA PÚBLICA 13 de Maio de 2008 Vilson Vedana Presidente do Conselho Consultivo da Anatel 1 O QUE É O CONSELHO CONSULTIVO DA ANATEL Art.33 da Lei nº 9.472, de 1997:

Leia mais

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO MÁRCIA MARIA PALHARES (márcia.palhares@uniube.br) RACHEL INÊS DA SILVA (bcpt2@uniube.br)

Leia mais

A perspectiva de Operadoras Competitivas de Telecomunicações

A perspectiva de Operadoras Competitivas de Telecomunicações 24 de Março de 2011 As exigências de infraestrutura de TIC para a Copa do Mundo e Olimpíada no Brasil Desafios e Oportunidades na construção do IBC. A perspectiva de Operadoras Competitivas de Telecomunicações

Leia mais

ser alcançada através de diferentes tecnologias, sendo as principais listadas abaixo: DSL (Digital Subscriber Line) Transmissão de dados no mesmo

ser alcançada através de diferentes tecnologias, sendo as principais listadas abaixo: DSL (Digital Subscriber Line) Transmissão de dados no mesmo 1 Introdução Em 2009, o Brasil criou o Plano Nacional de Banda Larga, visando reverter o cenário de defasagem perante os principais países do mundo no setor de telecomunicações. Segundo Ministério das

Leia mais

A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS

A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS 1 OBJETIVOS 1. Como a tecnologia de Internet mudou propostas de valor e modelos de negócios? 2. O que é comércio eletrônico?? Como esse tipo de comércio

Leia mais

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015. Big Data Analytics:

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015. Big Data Analytics: Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015 Big Data Analytics: Como melhorar a experiência do seu cliente Anderson Adriano de Freitas RESUMO

Leia mais

Escola Politécnica da USP MBA EPUSP em Gestão e Engenharia do Produto EP-018 O Produto Internet e suas Aplicações Professor: Márcio Lobo Netto Aluno:

Escola Politécnica da USP MBA EPUSP em Gestão e Engenharia do Produto EP-018 O Produto Internet e suas Aplicações Professor: Márcio Lobo Netto Aluno: Escola Politécnica da USP MBA EPUSP em Gestão e Engenharia do Produto EP-018 O Produto Internet e suas Aplicações Professor: Márcio Lobo Netto Aluno: Giovanni Pietro Vallone Cocco Portais Corporativos

Leia mais

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web;

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; CONCEITOS INICIAIS Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; O que é necessário para se criar páginas para a Web; Navegadores; O que é site, Host, Provedor e Servidor Web; Protocolos.

Leia mais

Meios Físicos de Comunicação

Meios Físicos de Comunicação Meios Físicos de Comunicação Aula 4 Cabeamento Estruturado Meios Físicos de Comunicação - Cabeamento Estruturado 1 Conteúdo Cabeamento Não Estruturado Normas Meios Físicos de Comunicação - Cabeamento Estruturado

Leia mais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 3: VoIP INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 As telecomunicações vêm passando por uma grande revolução, resultante do

Leia mais

VoIP Peering. Operação, Tecnologia e Modelos de Negócio

VoIP Peering. Operação, Tecnologia e Modelos de Negócio VoIP Peering Operação, Tecnologia e Modelos de Negócio Histórico 2005 2004 2004 2003 2002 2001 2000 1999 1998 1996 1995 1993 Plataformas de Suporte ao Cliente Final Suporte ao protocolo SIP POP em Miami

Leia mais

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Maio de 2010 Conteúdo Introdução...4 Principais conclusões...5 Dados adicionais da pesquisa...14 Nossas ofertas de serviços em mídias sociais...21

Leia mais

Impactos da nova regulação de meios de pagamento para o setor supermercadista Em 3 aspectos principais: aceitação, emissor e empregador

Impactos da nova regulação de meios de pagamento para o setor supermercadista Em 3 aspectos principais: aceitação, emissor e empregador Impactos da nova regulação de meios de pagamento para o setor supermercadista Em 3 aspectos principais: aceitação, emissor e empregador 25 de Abril de 2014 1 Somos uma consultoria especializada em Varejo

Leia mais

Comparativo entre os meios de comunicação para atingir 50 milhões de usuários

Comparativo entre os meios de comunicação para atingir 50 milhões de usuários Comparativo entre os meios de comunicação para atingir 50 milhões de usuários Fonte: TAKAHASHI, 2000; VEJA ONLINE, 2006 Definições de comércio eletrônico/e-business E - BUSINESS, acrônimo do termo em

Leia mais

A Convergência do Ponto de Vista Regulatório

A Convergência do Ponto de Vista Regulatório A Convergência do Ponto de Vista Regulatório 48 0 Painel da Telebrasil Ilha de Comandatuba, 1 a 4 de julho de 2004 José Leite Pereira Filho Conselheiro 1 Conteúdo Conceituação da Convergência Questões

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUIDOS

SISTEMAS DISTRIBUIDOS 1 2 Caracterização de Sistemas Distribuídos: Os sistemas distribuídos estão em toda parte. A Internet permite que usuários de todo o mundo acessem seus serviços onde quer que possam estar. Cada organização

Leia mais

Soluções Completas. Fundada em 1991, a.compos é pioneira na área de soluções em tecnologia, atuando nas áreas de:

Soluções Completas. Fundada em 1991, a.compos é pioneira na área de soluções em tecnologia, atuando nas áreas de: Soluções Completas Fundada em 1991, a.compos é pioneira na área de soluções em tecnologia, atuando nas áreas de: - Conexões compartilhada (.IP) e dedicada (.LINK); - Data Center com servidores virtuais

Leia mais

O varejo e a era da disrupção

O varejo e a era da disrupção 10Minutos Varejo Total Retail 2015 - Pesquisa anual da PwC com os consumidores O varejo e a era da disrupção Destaques Os consumidores estão definindo sua própria abordagem de relacionamento com o varejo,

Leia mais

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Disciplina: Programação Orientada a Objetos II Professor: Cheli dos S. Mendes da Costa Modelo Cliente- Servidor Modelo de Aplicação Cliente-servidor Os

Leia mais

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais PRINCÍPIOs 1. A inclusão digital deve proporcionar o exercício da cidadania, abrindo possibilidades de promoção cultural,

Leia mais

Lisboa, Ano Lectivo 2009 2010 Prof. Gaia Moretti LUMSA Italia PROGRAMA DA DISCIPLINA WEBMARKETING CONTEXTO

Lisboa, Ano Lectivo 2009 2010 Prof. Gaia Moretti LUMSA Italia PROGRAMA DA DISCIPLINA WEBMARKETING CONTEXTO CONTEXTO Nos últimos anos, assistiu-se à construção dos alicerces de um novo modelo social, dinâmico, inovador e exigente, que se designa por Sociedade da Informação. Esta evolução assenta sobre alterações

Leia mais

O conceito de colaboração

O conceito de colaboração O conceito de colaboração O conceito de colaboração está ligado às técnicas que possibilitam que pessoas dispersas geograficamente possam trabalhar de maneira integrada, como se estivessem fisicamente

Leia mais

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com. 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.br RESUMO A tele-medição de

Leia mais

MARCELO BECHARA Março de 2013

MARCELO BECHARA Março de 2013 MARCELO BECHARA Março de 2013 Contexto Sociedade da Informação países desenvolvidos Venda de músicas online: >80% Venda de videos online: >50% TV Personalizada/Interatividade Publicidade: >50% Conteúdo:

Leia mais

Contrato de Adesão. As partes, acima qualificadas, têm entre si justas e acordadas as seguintes cláusulas e condições:

Contrato de Adesão. As partes, acima qualificadas, têm entre si justas e acordadas as seguintes cláusulas e condições: A Contratada Fundação CPqD Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações, sediada na Rodovia Campinas/Mogi-Mirim (SP-340), Km 118,5, em Campinas SP, inscrita no CNPJ/MF sob o n.º 02.641.663/0001-10

Leia mais

Desenvolvimento em Ambiente Web. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Desenvolvimento em Ambiente Web. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Desenvolvimento em Ambiente Web Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Internet A Internet é um conjunto de redes de computadores de domínio público interligadas pelo mundo inteiro, que tem

Leia mais

TRIBUTAÇÃO NAS NUVENS Uma Regulação em Debate

TRIBUTAÇÃO NAS NUVENS Uma Regulação em Debate TRIBUTAÇÃO NAS NUVENS Uma Regulação em Debate Workshop Divisão Tributária 18.04.2013 CIESP - CAMPINAS PROGRAMA 1. BREVE INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO EM NUVEM 2. PRINCIPAIS OPERAÇÕES E ASPECTOS TRIBUTÁRIOS POLÊMICOS

Leia mais

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Aula 2 Arquitetura de Data Center Ambientes Colaborativos A história dos sistemas

Leia mais

Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente

Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente Redesenhando a forma como empresas operam e envolvem seus clientes e colaboradores no mundo digital. Comece > Você pode construir de fato uma

Leia mais

RC e a Internet: noções gerais. Prof. Eduardo

RC e a Internet: noções gerais. Prof. Eduardo RC e a Internet: noções gerais Prof. Eduardo Conceitos A Internet é a rede mundial de computadores (rede de redes) Interliga milhares de dispositivos computacionais espalhados ao redor do mundo. A maioria

Leia mais

Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática CCTCI Câmara dos Deputados. Plano Nacional de Banda Larga

Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática CCTCI Câmara dos Deputados. Plano Nacional de Banda Larga Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática CCTCI Câmara dos Deputados Plano Nacional de Banda Larga Brasília, 30 de março de 2010 ABRAFIX Associaçã ção o Brasileira de Concessionárias

Leia mais

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO 1 OBJETIVOS 1. O que é a nova infra-estrutura informação (TI) para empresas? Por que a conectividade é tão importante nessa infra-estrutura

Leia mais