Relatório de Atividades 2012 USF Terras de Ferreira U F. erras de Ferreira

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório de Atividades 2012 USF Terras de Ferreira U F. erras de Ferreira"

Transcrição

1 Relatório de Atividades 2012 U F erras de

2 Índice 0.Introdução Enquadramento Caraterização da USF Oferta e Disponibilidade de Serviço Recursos Humanos Instalações e Equipamentos Avaliação da contratualização de Utilização global e acessibilidade Indicadores Institucionais Outros Indicadores Consultas por Programas de Saúde Desenvolvimento profissional e formação Formação profissional continua Formação Interna Formação Externa Reuniões da USF Desenvolvimento da qualidade Inquérito de Satisfação aos Utentes da Inquérito de Satisfação aos Profissionais da Reclamações /Sugestões Comunicação com o utente Educação para a Saúde Sessão de Educação para a Saúde Cantinho de Ensino Posters e Panfletos informativos A Folha

3 8. Síntese e conclusões

4 0.Introdução O Decreto-lei 298/2007 prevê no seu artigo 6º a elaboração de um Plano de Ação da USF focalizado na prestação de cuidados de saúde de forma personalizada, com objetivos, indicadores e metas a atingir nas diferentes áreas de atuação. Para este Plano de Ação deve ser elaborado o respetivo Relatório de Atividades que pretende avaliar o grau de cumprimento das metas e eventuais alterações ao Plano de Acão do ano seguinte. Por outro lado, a Portaria 301 de 2008, que regula os critérios e condições para atribuição de incentivos institucionais e financeiros às USF com fundamento em melhorias de produtividade, eficiência, efetividade e qualidade dos cuidados prestados, prevê no seu artigo 5º, que a USF elabore um relatório de atividades focalizado nas metas dos indicadores contratualizados. Na optámos pela realização de um documento único a enviar à Direção Executiva do ACES de Tâmega III- Vale do Sousa Norte e ao Departamento de Contratualização, incidindo a primeira parte nas metas da contratualização e sua avaliação, incluindo as metas de contratualização do ACES, e a segunda parte nas metas do Plano de Ação. A análise dos Indicadores foi efetuada através dos dados recolhidos no SIARS e 4

5 1.ENQUADRAMENTO A Unidade de Saúde Familiar Terras de (USF) é uma unidade elementar de prestação de cuidados de saúde, individuais e familiares, dotada de autonomia organizativa, funcional e técnica, e integrada numa lógica de rede com as outras unidades funcionais do Agrupamento de Centros de Saúde de Tâmega III Vale do Sousa Norte, do qual é parte integrante. A equipa é constituída por 7 médicos, 7 enfermeiros e 4 secretários clínicos. Está sedeada no r/c do edifício do Centro de Saúde de Paços de, e integrada na ARS Norte I.P., no ACES Tâmega III Vale do Sousa Norte. Morada Rua Rainha D. Leonor nº 107 Paços de PAÇOS de FERREIRA Telefones / Sitio Blog da - 5

6 O quadro 1 mostra a população inscrita na, em Dezembro de Quadro 1- Inscritos por Médico e Grupo Etário Médico 0-6 anos 7- anos anos >75 anos Nº inscritos Carneiro Leal Dulce Helena Humberto Matos António Luís Moreira Manuela Santos Silva Maria Rego Jose Miguel Mendes Total Fonte: Quadro 2 - Inscritos por Grupo Etário e Sexo Grupo Etário Nº utentes >0 e < 7 anos 810 >7 e < 65 anos 9488 >65 e < 75 anos 1011 >75 anos 755 Total 120 Fonte: 6

7 Ilustração 1- Distribuição etária da população inscrita na USF Terras de Dezembro de 2012 Fonte: 7

8 2. Caracterização da USF 2.1 Oferta e Disponibilidade de Serviço A tem por missão prestar cuidados de saúde personalizados, globais, equitativos e de qualidade, promovendo a participação e a autonomia dos cidadãos e o desenvolvimento profissional e pessoal dos seus colaboradores, visando a excelência dos cuidados, de forma a melhorar o bem-estar e a qualidade de vida de todos. Para isso, desenvolve um trabalho em equipa, com a colaboração de todos os utentes inscritos na Unidade ou seus prestadores de cuidados. Esta Unidade tem ainda implementado programas que visam a melhoria contínua da qualidade dos serviços prestados aos seus utentes, famílias e comunidades, falamos do Plano de Acompanhamento Interno e do Plano de Formação e Desenvolvimento Profissional. Na vertente da formação externa, a disponibiliza a recepção e orientação de alunos de Enfermagem e Medicina, internos do Ano Comum, do Internato Complementar de Medicina Geral e Familiar e outros profissionais com interesses na área de Medicina Familiar. Durante o ano de 2012 estiveram em formação na dois internos do Internato Complementar de Medicina Geral e Familiar, dos quais um terminou com sucesso a especialidade, integrando de imediato a equipa da ; quatro alunos do ano comum e um aluno de medicina. 2.2 Recursos Humanos Quadro 3 - Listagem dos Profissionais por Área Profissional, Regime de Trabalho, Condições de Vínculo e Local de Origem António Luís Teixeira Martins Moreira Dulce Helena Duarte Cardoso Nome Área Regime Vínculo Local de Origem M 35h CTI ACESVSN Paços de M 42h CTI ACESVSN Paços de Humberto José da Silva M 35h CTI ACESVSN Paços de 8

9 Matos Joaquim António da Silva Carneiro Leal M 35h CTI ACESVSN Paços de Maria dos Santos Rêgo M 42h CTI ACESVSN Paços de Maria Manuela Lemos Santos Silva José Miguel Santos Marques Mendes M 42h CTI ACESVSN Paços de M 40h CTRI ACESVSN Paços de Ana Margarida da Costa Maia Ana Maria de Carvalho Moreira Neves António Maria Moreira Gomes Cristina Fernanda Neto Fernanda de Lurdes Martins Neto Maria de Lurdes Nogueira Alves Gomes Ricardina Manuela Nunes Veiga E 35h CTI ACESVSN Lousada E 35h CTRC ACESVSN Paços de E 35h CTI ACESVSN Paços de E 35h CTI CH Tâmega e Sousa E 35h CTI ACESVSN Paços de E 35h CTI ACESVSN Paços de E 35h CTI ACESVSN Paços de Alexandre Dias SC 35h CTI ACESVSN Paços de Dina Paula Barbosa da Silva Mota Maria Arminda da Costa Peixoto Maria Benilde Moreira Leal Couto Maria Manuel de Carvalho Neto SC 35h CTI ACESVSN Paços SC 35h CTI ACESVSN Paços de SC 35h CTI ACESVSN Paços de SC 35h CTI ACESVSN Paços de 9

10 3. Instalações e Equipamentos A está localizada no centro da cidade, permitindo o fácil e rápido acesso à mesma, tem bons acessos de ligação e muito próxima da rede de transportes públicos. O parque de estacionamento tem lugares reservados a deficientes, contudo, os lugares de estacionamento para utentes no exterior é manifestamente insuficiente. As instalações são adequadas, confortáveis, modernas e seguras. A Unidade tem duas salas de espera, sendo uma orientada a crianças com material lúdico infantil e com local usado como fraldário, e outra geral com disponibilidade de meios audiovisuais e com acesso a sanitários, ambas com controlo climatérico (ar condicionado). Os gabinetes médicos são individuais e com o equipamento adequado, salientando a carência de estetoscópios. Há cinco gabinetes de enfermagem e duas salas de tratamentos, com equipamento adequado, salientando a falta de estetoscópios, e do material descartável para utilização do nebulizador e do aspirador de secreções, já pedidos ao ACES desde o inicio de atividade da USF. È de salientar, também, a falta de água quente em toda a USF, que impossibilita, entre outros, a utilização do lava-pés. Existe uma rede telefónica e informática local, embora a central telefónica não tenha as características desejáveis para garantir um bom serviço de atendimento por não permitir aviso de chamada em espera nem gravação de mensagens. Todos os postos de trabalho têm computador e impressora. A plataforma informática de apoio à prática médica é o SAM, de apoio a enfermagem e dos secretários clínicos são o SAPE e o SINUS. A monitorização de atividade e avaliação de indicadores é realizada nos programas SIARS e 10

11 4. Avaliação da contratualização de Utilização global e acessibilidade A promoção, manutenção e aumento da qualidade de saúde dos utentes estão dependentes de vários fatores, em especial da melhoria da acessibilidade aos serviços de saúde. A elaborou um plano de agendamento de consultas médicas e de enfermagem de forma a facilitar o acesso aos cuidados de saúde, sendo reformulado o horário de trabalho dos profissionais da equipa, sempre que necessário. 4.2 Indicadores Contratualizados Indicador Metas Obtido % % consulta pelo méd. familia 85% Tx utiliz. global de consultas 72% Tx visitas dom. medicas/1000 insc Tx visitas dom. enf/1000 insc % hipert com PA em cada semestre 90% % mulh mamog. reg ult. 2 a 65% % mulh 25- c/ colpocit. actualiz. 55% % diab. c/ 2HbA1C reg. Últ. 12m 88% 69. % 1as cons. vida feitas até 28d 85% % criancas c/pnv actlz aos 2a 98% % criancas c/pnv actlz aos 7a 98% % criancas c/pnv actlz aos 2a (S) % criancas c/pnv actlz aos 7a (S) 100 % 1as cons. grav. 1º trim 85% CM medica/ presc. utilz (PVP) CM medica/ fact (PVP), p/ utilz SNS CM MCDT s presc p/ utilz CM MCDT s fact. p/ utilizador SNS Fonte: SIARS 11

12 4.3 Outros Indicadores Indicador Obtido % 2012 NM cons med vig SI 2ºa 2.48 NM cons enf vig SI 2ºa 4.70 % crianças c/ 3/+ cons enf vig SI 2ºa NM cons. vig de SI 0-11m 5.57 NM cons. enf. vig de SI 0-11m % crianças c/ 6/+ cons enf vig SI m % hipert. c/ reg PArterial. últ 6m % hipert. c/ reg PArterial. últ 6m % diab. c/ 3HbA1C reg. últ 12m % 1as cons. grav. 1º trim (vigiadas) CM medica/ presc, p/ utlz (SNS) CM medica/ fact (PVP), p/ utilz CM medica/ fact (SNS), p/ utilz Tx cons. enf PF (Mulheres 15-49a) % crianças c/ 3/+ cons med vig SI ºa NM cons. enf em Prog SM 8.35 % gráv. c/ 6/+ cons. enf Prog SM % domicil. enf real.a puérperas vig na USF % domicil. enf real.a recém-nasc até aos 15d vida % crianças c/ 6/+ cons vig SI 0-11m.52 % hipert com PA em cada semestre % hipert. c/ reg. IMC últ 12 m % insc. 2a c/ peso e alt. reg. últ 12m % mulh Vig PF c/ colpocit actualiz. % diab. c/ 1exame pés no ano % criancas c/pnv actlz aos 2a % diagn. precoces (THSPKU) até 7dia recém-nasc

13 % diab. -75a c/ cons. enf % hipert. 25a c/ vac. antitetânica actualz % gráv. c/ revisão puerpério ef Tx cons. med PF (Mulheres 15-49a) % inscr PSOF/COLON. reg ult a % criancas c/pnv actlz aos 14a % criancas c/pnv actlz aos 14a (S) % consumo (qtd) medic genericos Fonte: SIARS 4.4 Consultas por Programas de Saúde Quadro 4 - Consultas por Programas de Saúde Contatos Diretos Contatos Indiretos Total PLANEAMENTO FAMILIAR SAÚDE MATERNA SAÚDE INFANTIL SAÚDE ADULTOS (Inclui Diabéticos, Hipertensos) VISITAS DOMICILIÁRIAS Fonte: SINUS 13

14 5. Desenvolvimento profissional e formação 5.1 Formação profissional continua A USF aposta na formação continua dos seus colaboradores, visando o enriquecimento e valorização profissional. No decorrer do ano 2012, foi instituído o Plano de Acompanhamento Interno - Osteoporose. Este projeto permitiu que as normas de saúde preventivas, diagnósticas e de tratamento da Osteoporose fossem assimiladas pelos profissionais e conhecidas de forma prática e eficaz pelos utentes Formação Interna Durante o ano 2012, a formação interna da foi desenvolvida de acordo com o Plano de Formação, elaborado pelo Conselho Técnico e de acordo com as necessidades referidas pelos profissionais. Foram realizadas as seguintes formações: Plano da Formação 2012 Tema Autores Data Suporte Básico de Vida e DAE Prática Antibioterapia na Infeções Urinárias Enf.ª Ana Maia Formador Externo Manuel Leão Formador Externo Jorge Rocha Dr.ª Manuela Santos Silva Dr. João Fernandes 01de Fevereiro 29 de Fevereiro Doenças Genéticas Dr. António Luís Moreira 28 de Março a difícil arte de lidar com pessoas Sinais de Alarme na Diabetes Como Proceder Dr.ª Manuela Santos Silva Enf.ª Ana Maia Dr. António Luís Moreira de Abril 30 de Maio 14

15 Antibioterapia na Infeções Urinárias Prevenção e Rastreio Sexualidade Pós Parto Dr.ª Manuela Santos Silva Dr. João Fernandes Dr.ª Petra Monteiro Enf. António Maria Enf.ª Cristina Neto Enf.ª Lurdes Gomes 27 de Junho de Julho Disfunções Tiroideias Dr. José Miguel Mendes 26 de Setembro Crise Anafilática Enf.ª Ana Neves Enf.ª Fernanda Neto Enf.ª Ricardina Veiga 31 de Outubro Anemia no Idoso Dr.ª Maria Rego 28 de Novembro Formação Externa Durante o ano de 2012 todos os profissionais da USF Terras e s tiveram oportunidade de participar em várias ações de formações externas, onde puderam atualizar conhecimentos e refletir sobre a prática de cuidados. 5.2 Reuniões da USF No ano 2012 realizaram-se 26 reuniões de Conselho Geral e 7 reuniões setoriais, realizadas às quartas-feiras das 12 às 14 horas, das quais foram lavradas as respetivas atas. Para todas as reuniões foi elaborada uma convocatória e enviada a todos os elementos da equipa, pelo Coordenador da, com 48 horas de antecedência. 15

16 6. Desenvolvimento da qualidade 6.1 Inquérito de Satisfação aos Utentes da As avaliações de satisfação aos utentes desempenham um triplo papel: constituem um juízo referente à qualidade dos cuidados prestados; são resultados de indicadores de sucesso das unidades de saúde; e, por fim, são considerados um instrumento de reflexão sobre os cuidados passíveis de melhoramento. Estes inquéritos foram realizados no período de 19 a 23 Novembro Atendimento Muito Mau Razoável Bom NS/NR Total Bom 1.1 Competência, simpatia e carinho dos Médicos Competência, simpatia e carinho dos Enfermeiros 1.3 Competência, simpatia e carinho dos Secretários Clínicos 1.4 Respeito e privacidade no atendimento 1.5 Correta identificação dos profissionais 1.6 Informação adequada à doença e tratamento 1.7 Preocupação do pessoal da USF com a sua saúde Qualidade 2.1 Organização geral dos serviços 2.2 Horário de atendimento Médico 2.3 Horário de atendimento de Enfermagem Mau Razoável Bom Muito Bom NS/NR Total 16

17 2.4 Pontualidade dos profissionais 2.5 Tempo espera, na sala, entre a hora marcada e a entrada para a consulta (consulta programada) Tempo de espera, na sala, para a consulta aberta (situações agudas) 2.7 Tempo dedicado pelo/a Médico/a no atendimento Tempo dedicado pelo/a Enfermeiro/a no atendimento Facilidade na marcação de consultas 2.10 Rapidez com que os problemas agudos foram resolvidos 2.11 Facilidade em falar pelo telefone para a USF 2.12 Facilidade em falar pelo telefone com seu Médico/ Enfermeiro 2.13 Serviços ao domicílio prestados pela USF Recomendaria esta USF a outros? sim Não NS/NR Instalações 3.1 Conforto geral na USF 3.2 Limpeza da USF 3.3 Condições das instalações sanitárias Mau Razoável Bom Muito Bom NS/NR Total 17

18 4. Apreciação Global 4.1 Globalmente qual a sua satisfação com os serviços Mau Razoável Bom Muito Bom NS/NR Total Os dados tratados permitiram verificar que a USF deverá implementar medidas estruturais e educacionais nas áreas de pior desempenho. Em Novembro do próximo ano, serão entregues novos questionários, com o objectivo de avaliar a eficácia das medidas aplicadas. 6.2 Inquérito de Satisfação aos Profissionais da 1. Avaliação da minha realização/participação na USF Sinto-me realizado com as funções que exerço na USF A USF acredita e valoriza o meu trabalho Colaboro em todas actividades da USF Dou ideias inovadoras mesmo que não me sejam solicitadas Sei o que a USF espera de mim Participo activamente nas reuniões semanais da USF O meu desenvolvimento profissional é acompanhado e incentivado pela USF A USF motiva-me a trabalhar melhor A USF motiva-me para que cada vez mais invista na minha formação Sinto orgulho em pertencer à minha USF Mau Razoável Bom Muito Bom NS/NR Total

19 2. Avaliação Global da USF Mau Razoável Bom Muito Bom 2.1 Organização geral da USF As reuniões da USF são úteis e proveitosas As condições de trabalho são adequadas Tenho material corrente necessário para a prática da minha actividade Tenho equipamento que necessito para exercer a minha actividade Conforto geral na USF Limpeza da USF Condições das instalações sanitárias NS/NR Total 3. Avaliação dos Órgãos da USF 3.1 Considero o Coordenador da USF competente 3.2 Acho que o horário que o Coordenador tem para a gestão da USF suficiente para a resolução dos problemas da equipa 3.3 Considero o Conselho Técnico da USF competente 3.4 Acho que o tempo que o Conselho Técnico disponibiliza para o trabalho da USF suficiente para a resolução dos problemas da equipa Mau Razoável Bom Muito NS/NR Total Bom

20 4. Avaliação de Outros Factores de Satisfação Profissional Mau Razoável Bom Muito NS/NR Total Bom 4.1 O meu relacionamento profissional com os colegas da USF 4.2 Sinto-me respeitado como profissional e como pessoa 4.3 Existe espírito de equipa Sinto-me bem informado sobre as estratégias na USF 4.5 É tida em consideração a minha opinião quando se registam mudanças 4.6 A USF promove a formação para a melhoria do meu desempenho 4.7 Considera que a sua renumeração é adequada face ao nível de responsabilidade 4.8 Sente segurança na manutenção de emprego 4.9 Consigo manter o equilíbrio entre a minha vida profissional e a minha vida pessoal 4.10 Sinto-me apoiado pelo ACES a que pertenço Sim Não Total Recomendaria esta USF a outros? 15 3 Sexo: Masculino 6 Feminino Reclamações /Sugestões Todas as reclamações/sugestões são analisadas e discutidas em Reunião de Conselho Geral. Procura-se identificar e compreender os objetivos e motivações dos utentes e 20

21 aplicar medidas de correção ou de melhoria quer a nível organizacional ou estrutural, pois só desta forma será possível proporcionar aos utentes cuidados de qualidade. Foram avaliadas todas as reclamações expostas por escrito no Livro de reclamações e na caixa de sugestões, no período de 1 de Janeiro a 31 de Dezembro de Durante este período, foram registadas oito entradas no livro de reclamações, que foram enviadas ao Gabinete do Utente do Centro de Saúde de Paços de. 6.4 Comunicação com o utente A continua a sua aposta na divulgação e comunicação de toda a informação ao utente/família/comunidade. A implementação de uma estratégia de comunicação eficaz foi um dos objetivos de toda a equipa durante o ano 2012 e continuará a ser uma das áreas prioritárias desta equipa para o futuro. Para tal, foi utilizado como meios de comunicação: Guia do Utente Sitio na internet e blog Quadro de informações Folhetos informativos Cantinho de ensino Caixa de sugestões. 21

22 7. Educação para a Saúde 7.1 Sessões de Educação para a Saúde Foi elaborada uma sessão de educação para a saúde com o tema Cuidados à criança nos primeiros anos de vida, dirigida a pais de crianças com menos de 6 meses de vida. Foi realizada no dia 19 Abril, às 14 horas e com duração de 2 horas na sala de reuniões do Centro de saúde de Paços de, com o seguinte conteúdo: Desenvolvimento da criança dos zero aos dois anos de idade; Cuidados de higiene; Alimentação da criança no primeiro ano de vida e introdução de novos alimentos. Foi elaborada outra sessão de educação para a saúde com o tema Hipertensão Arterial, dirigida a utentes hipertensos. Foi realizada na sala de reuniões do Centro de saúde de paços de, no dia 19 de Outubro, às 14 horas e com duração de 1 hora, e com o seguinte conteúdo programático: Definição de HTA; Prevenção de HTA; Comorbilidades e consequências da HTA; Tratamento e vigilância da HTA. Foi iniciado, em Novembro de 2012, o projeto Juntos é Mais Fácil. È um programa de intervenção no estilo de vida de pessoas com diabetes tipo II, estruturado para as ajudar a fazerem escolhas e alterações positivas na sua atividade física e alimentação. Contempla 10 contactos, físicos e em grupo ou telefónicos, com 10 utentes, em monitorização até Maio de 2013, onde será avaliado o sucesso da intervenção. As sessões de educação para a saúde realizadas envolveram toda a equipa da USF Terras de. 22

23 7.2 Cantinho de Ensino Durante o ano 2012 foi criado mensalmente um espaço de informação ao utente designado de Cantinho do Ensino, com os seguintes temas: Fevereiro: Anorexia Março: Bulimia Abril: Saúde e Bem-Estar: físico, psíquico e social Maio: Juntos por Um Coração Saudável Junho: Juntos pelas Crianças Julho: Praia e Cuidados com o Sol Agosto: Prevenção Rodoviária Setembro: Osteoporose Outubro: Aleitamento Materno Enf.ª Ana Maia Enf.ª Ana Neves Enf.ª Cristina Neto Enf.ª Lurdes Gomes Enf.ª Fernanda Neto Enf.º Ricardina Veiga Enf.ª Antonio Gomes Enf.ª Ana Neves Enf.ª Ana Maia 7.3 Posters e Panfletos informativos Durante o ano de 2012 foram elaborados pela equipa da USF, e expostos na sala de espera dos utentes, vários posters, cujos temas foram: Direitos das Crianças ; Prevenção Rodoviária ; Planeamento Familiar ; Osteoporose ; Diabetes ; Os afetos e a parentalidade contributos da equipa de enfermagem da ; A Enfermagem na Sexualidade no Período Pós-parto e Alimentação Saudável 23

24 Foram elaborados e utilizados, pela equipa desta USF, ao longo de 2012, diversos panfletos informativos como complemento de educação para a saúde. Os temas foram selecionados de acordo com critérios de pertinência e necessidades dos utentes. Panfleto - Juntos por um Coração saudável Panfleto - Desenvolvimento Fetal Panfleto - Vigilância da Gravidez Panfleto - A Gravidez e os desconfortos que podem ocorrer Panfleto - O que levar para o Hospital Panfleto - Aleitamento Materno Panfleto - Desenvolvimento da Criança dos 0 aos 2 anos de idade Panfleto - Introdução de novos alimentos no 1º ano de vida Panfleto - Direitos da Criança Panfleto - Prevenção de acidentes domésticos nas Crianças Panfleto - Cuidados a ter com a exposição ao sol Panfleto - Planeamento Familiar Panfleto - O que precisa de saber sobre a Osteoporose Panfleto - Diabetes Panfleto Obesidade Infantil Idade Pré-Escolar 7.4 A Folha A dispõe de uma publicação semestral intitulado A Folha com artigos e publicações de autoria dos elementos da equipa da USF. 24

25 8. Síntese e conclusões A equipa da USF Terras tem vindo a crescer e demonstra maturidade e funcionalidade em função dos seus objetivos, visando a satisfação dos utentes e profissionais, e o atingimento de indicadores contratualizados e não contratualizados. A monitorização é realizada mensalmente, e discutida em reunião, cumprindo o acompanhamento das atividades e tomada de medidas de melhoria atempadas. Apesar das dificuldades, a equipa mantém-se coesa e motivada para manter o adequado desempenho que tem demonstrado, com o intuito de melhorar sempre. Durante o ano 2013, a equipa tenciona candidatar-se a USF modelo B. Elaborado pela equipa da. 25

- Unidade de Saúde Familiar Vimaranes

- Unidade de Saúde Familiar Vimaranes CARTA DE COMPROMISSO - Unidade de Saúde Familiar Vimaranes Modelo A A Administração Regional de Saúde (ARS), IP do Norte, representada pelo seu Presidente, Dr. Alcindo Maciel Barbosa e a Unidade de Saúde

Leia mais

ACES GRANDE PORTO I SANTO TIRSO / TROFA PROGRAMAS E PROJETOS

ACES GRANDE PORTO I SANTO TIRSO / TROFA PROGRAMAS E PROJETOS ACES GRANDE PORTO I SANTO TIRSO / TROFA PROGRAMAS E PROJETOS O Dec. Lei 28/2008 de 22 de Fevereiro, estabelece o regime da criação, estruturação e funcionamento dos agrupamentos de Centros de Saúde (ACES)

Leia mais

Aqui, pela sua Saúde! Guia do Utente

Aqui, pela sua Saúde! Guia do Utente Aqui, pela sua Saúde! Guia do Utente Este guia tem como objetivo fornecer aos Utentes, desta unidade, informações sobre os serviços disponíveis, para que os possam utilizar de forma equilibrada e racional.

Leia mais

UNIDADE SAÚDE FAMILIAR FAMALICÃO I

UNIDADE SAÚDE FAMILIAR FAMALICÃO I Administração Regional de Saúde do Norte UNIDADE SAÚDE FAMILIAR FAMALICÃO I PLANO DE ACÇÃO Despacho Normativo N.º 9/2006 ACES AVE III- FAMALICÃO MODELO B JANEIRO 2011 PLANO DE ACÇÃO Coordenador da Equipa

Leia mais

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Liderança 1.1 1.2 1.3 1.4 1. As decisões tomadas pelo Conselho Pedagógico, pela Direção e pelo Conselho Geral são disponibilizadas atempadamente. 2. Os vários

Leia mais

Formas e estratégias de remuneração dos profissionais da APS em PORTUGAL

Formas e estratégias de remuneração dos profissionais da APS em PORTUGAL SEMINÁRIO INTERNACIONAL A formação e a remuneração dos profissionais responsáveis pela atenção primária em saúde Formas e estratégias de remuneração dos profissionais da APS em PORTUGAL Henrique Botelho

Leia mais

Plano Anual de Atividades. Resposta Social: Serviço de Apoio Domiciliário

Plano Anual de Atividades. Resposta Social: Serviço de Apoio Domiciliário 2015 CENTRO SOCIAL DA SÉ CATEDRAL DO PORTO Plano Anual de Atividades Resposta Social: Serviço de Apoio Domiciliário Porto, 2015 Índice Introdução 2 Serviço de Apoio Domiciliário SAD 3 Princípios/regras

Leia mais

Projeto de Ações de Melhoria

Projeto de Ações de Melhoria DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALVES REDOL, VILA FRANCA DE XIRA- 170 770 SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALVES REDOL 400 014 Projeto de Ações de Melhoria 2012/2013

Leia mais

2015 Regulamento Interno

2015 Regulamento Interno Regulamento Interno 2015 LIGA DE AMIGOS DA UNIDADE DE SAÚDE FAMILIAR BUARCOS Introdução REGULAMENTO INTERNO A Liga de Amigos da USF Buarcos, está empenhada em contribuir para que os utentes da USF Buarcos

Leia mais

Conselhos clínicos dos ACES. Proposta para uma Carta de Compromisso e de um Guia para a elaboração dos Planos de Actividades

Conselhos clínicos dos ACES. Proposta para uma Carta de Compromisso e de um Guia para a elaboração dos Planos de Actividades Ministério da Saúde Grupo Técnico para o Desenvolvimento dos Cuidados de Saúde Primários Conselhos clínicos dos ACES Proposta para uma Carta de Compromisso e de um Guia para a elaboração dos Planos de

Leia mais

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria www.anotherstep.pt 2 Sumário Ponto de situação Plano de Ações de Melhoria PAM Enquadramento e planeamento Selecção das Ações de Melhoria Fichas de

Leia mais

Identificação da Empresa. Missão. Visão

Identificação da Empresa. Missão. Visão Identificação da Empresa Designação social: Centro Hospitalar de Lisboa Central, EPE Sede: Rua José António Serrano, 1150-199 - Lisboa Natureza jurídica: Entidade Pública Empresarial Início de actividade:

Leia mais

ANO:2011 Ministério da Saúde. Administração regional de saúde do Norte, I.P. Objectivos Estratégicos. Objectivos Operacionais.

ANO:2011 Ministério da Saúde. Administração regional de saúde do Norte, I.P. Objectivos Estratégicos. Objectivos Operacionais. ANO:2011 Ministério da Saúde Administração regional de saúde do Norte, I.P. MISSÃO: Garantir à população da sua área de influência o acesso à prestação de cuidados de saúde de qualidade e cumprir e fazer

Leia mais

questionários de avaliação da satisfação CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS

questionários de avaliação da satisfação CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS questionários de avaliação da satisfação creche CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS 2ª edição (revista) UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Governo da República Portuguesa SEGURANÇA SOCIAL INSTITUTO DA

Leia mais

Enquadramento técnico normativo

Enquadramento técnico normativo Este Guião pretende, por um lado dar visibilidade ao serviço de SAD promovido pelas IPSS, e por outro servir de inspiração para todas as instituições. Não é um documento fechado, antes uma base de trabalho

Leia mais

Processo de Acreditação na USF Dafundo

Processo de Acreditação na USF Dafundo Lisboa 28 28 de Junho 2011 Museu do Oriente Processo de Acreditação na USF Dafundo USF Dafundo Criada em Setembro 2006 ACES Oeiras / ARSLVT Modelo

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO CUIDADOS PALIATIVOS - REGIÃO DE SAÚDE DO NORTE -

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO CUIDADOS PALIATIVOS - REGIÃO DE SAÚDE DO NORTE - PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO CUIDADOS PALIATIVOS - REGIÃO DE SAÚDE DO NORTE - Considerando que o aumento da sobrevida e o inerente acréscimo de doenças crónicas e progressivas, bem como, as alterações na rede

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA

RELATÓRIO DE AUDITORIA IDENTIFICAÇÃO Data da auditoria 23-02-2015 24-02-2015 Organização Morada Sede Representante da Organização Câmara Municipal de Santa Maria da Feira - Biblioteca Municipal Av. Dr. Belchior Cardoso da Costa

Leia mais

BALANÇO FINAL PLANO DE FORMAÇÃO 2014 Anexo R&C 2014

BALANÇO FINAL PLANO DE FORMAÇÃO 2014 Anexo R&C 2014 BALANÇO FINAL PLANO DE FORMAÇÃO 2014 Anexo R&C 2014 INTRODUÇÃO A Sociedade Portuguesa para a Qualidade na Saúde (SPQS) executou, em 2014, um Plano de Formação dirigido aos seus associados e outros profissionais

Leia mais

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ATRIBUIÇÕES DO MÉDICO I- Realizar consultas clínicas aos usuários de sua área adstrita; II- Participar das atividades de grupos de controle

Leia mais

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO PLANO DE MELHORIA DO 2015-2017 Conservatório de Música do Porto, 30 de outubro de 2015 1. Introdução... 3 2. Relatório de Avaliação Externa... 5 Pontos Fortes... 5 Áreas de Melhoria... 6 3. Áreas Prioritárias...

Leia mais

GUIA DE ACOLHIMENTO AOS UTENTES

GUIA DE ACOLHIMENTO AOS UTENTES Agrupamento de Centros de Saúde Lisboa Central Crescer, evoluir e inovar na busca pela excelência na prestação dos cuidados de saúde. GUIA DE ACOLHIMENTO AOS UTENTES O presente guia tem como objetivo facultar

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Assunto: Para: Organização de Serviços de Segurança e Saúde do Trabalho/Saúde Ocupacional (SST/SO) nos Cuidados Primários de Saúde - ACES e Sede de ARS(s) Todos os serviços do Ministério da Saúde Nº: 05/DSPPS/DCVAE

Leia mais

Centro de Saúde da Figueira da Foz

Centro de Saúde da Figueira da Foz Centro de Saúde da Figueira da Foz PT Prime e HIS implementam Solução integrada de Processo Clínico Electrónico, Gestão de Atendimento, Portal e Mobilidade. a experiência da utilização do sistema VITA

Leia mais

5ª Edição do Projeto "Energia com vida"

5ª Edição do Projeto Energia com vida 5ª Edição do Projeto "Energia com vida" Maria Isabel Junceiro Agrupamento de Escolas de Marvão No presente ano letivo 2014-15, quatro turmas do Agrupamento de Escolas do Concelho de Marvão (8º e 9º anos),

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL SOBRE O ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE

RELATÓRIO ANUAL SOBRE O ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE relatório pela As entidades Inspeção-Geral circunstanciado prestadoras das sobre Atividades de cuidados o acesso em de Saúde, aos saúde cuidados conforme devem que publicar o prestam, disposto e o divulgar,

Leia mais

MUNICÍPIO DE LAGOA AÇORES REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE PREÂMBULO

MUNICÍPIO DE LAGOA AÇORES REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE PREÂMBULO REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE PREÂMBULO Em 1986 a Organização Mundial de Saúde (OMS) lança o projeto Cidades Saudáveis em 11 cidades europeias. O propósito desta iniciativa visou fortalecer

Leia mais

Programa Nacional para a Diabetes. Orientações Programáticas

Programa Nacional para a Diabetes. Orientações Programáticas Programa Nacional para a Diabetes Orientações Programáticas 1 - Enquadramento O Programa Nacional de Controlo da Diabetes existe, em Portugal, desde a década de setenta, tendo sido atualizado e revisto

Leia mais

Águas de Gondomar considerada novamente uma das Melhores Empresas para Trabalhar. A Águas de Gondomar, de acordo com os resultados publicados na

Águas de Gondomar considerada novamente uma das Melhores Empresas para Trabalhar. A Águas de Gondomar, de acordo com os resultados publicados na info Gondomar Newsletter N.º14 Julho 2012 Semestral Águas de Gondomar considerada novamente uma das Melhores Empresas para Trabalhar A Águas de Gondomar, de acordo com os resultados publicados na revista

Leia mais

Que sistemas de avaliação profissional utilizar no modelo de contratualização da gestão na Atenção Primária à Saúde

Que sistemas de avaliação profissional utilizar no modelo de contratualização da gestão na Atenção Primária à Saúde Que sistemas de avaliação profissional utilizar no modelo de contratualização da gestão na Atenção Primária à Saúde Márcia Silveira Ney 1 Celia Regina Pierantoni, MD, DSc 2 Luiz Velez Lapão 3 1. Médica

Leia mais

Europass-Curriculum Vitae

Europass-Curriculum Vitae Europass-Curriculum Vitae Informação pessoal Apelido(s) / Nome(s) próprio(s) Nacionalidade Portuguesa Data de nascimento 23.10.1982 Sexo Feminino Experiência profissional Datas Função ou cargo ocupado

Leia mais

Plano de ação 2014 2016

Plano de ação 2014 2016 ACES Cascais Plano de ação 2014 2016 USF Marginal 2014 Elaborado por: USFM Revisto por: -- Aprovado por: Conselho geral Revisão em: 06/05/2017 Data: 06/05/2014 Data: -- Data: 06/05/2014 ÍNDICE: 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO Introdução O presente Regulamento foi concebido a pensar em si, visando o bom funcionamento da formação. Na LauTraining Formação e Consultoria, vai encontrar um ambiente de trabalho e de formação agradável

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO 2012-2014

PLANO DE ACÇÃO 2012-2014 ACES FEIRA ENTRE DOURO E VOUGA I / FEIRA- AROUCA ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO NORTE, IP. PLANO DE ACÇÃO 2012-2014 UNIDADE DE SAÚDE FAMILIAR FAMÍLIAS Índice 1. Introdução 4 2. Caracterização da Área

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM3º CICLO DE LOUSADA. Avaliação Interna. Questionário aos Pais Encarregados de Educação

ESCOLA SECUNDÁRIA COM3º CICLO DE LOUSADA. Avaliação Interna. Questionário aos Pais Encarregados de Educação ESCOLA SECUNDÁRIA COM3º CICLO DE LOUSADA Avaliação Interna Questionário aos Pais Encarregados de Educação Reconhece-se a importância da família e da sua colaboração no processo educativo. Com este questionário

Leia mais

USF TERRAS DE FERREIRA

USF TERRAS DE FERREIRA USF TERRAS DE FERREIRA PLANO DE AÇÃO U F Terras de Ferreira 2014-2016 USF TERRAS DE FERREIRA É com enorme satisfação que escrevemos esta página de apresentação da USF (Unidade de Saúde Familiar) Terras

Leia mais

I N D I C A D O R E S D E D E S E M P E N H O PA R A A S U N I D A D E S D E S A Ú D E FA M I L I A R

I N D I C A D O R E S D E D E S E M P E N H O PA R A A S U N I D A D E S D E S A Ú D E FA M I L I A R I N D I C A D O R E S D E D E S E M P E N H O PA R A A S U N I D A D E S D E S A Ú D E FA M I L I A R 12 de Abril de 2006 Introdução Cabe à Missão para os Cuidados de Saúde Primários (MCSP), entre outras

Leia mais

CÁLCULO DE INDICADORES DE DESEMPENHO

CÁLCULO DE INDICADORES DE DESEMPENHO UN. SAÚDE FAMILIAR E UN. CUIDADOS DE SAÚDE PERSONALIZADOS CÁLCULO DE INDICADORES DE DESEMPENHO CRITÉRIOS A OBSERVAR NA SUA IMPLEMENTAÇÃO 3 de Setembro de 2009 Versão revista a 19 de Fevereiro de 2010 Conteúdo

Leia mais

Planeamento Estratégico

Planeamento Estratégico 2011 Planeamento Estratégico 2011/2012 Melissa [Escrever o nome da empresa] 01-01-2011 1 Índice 1. Enquadramento estratégico da... 3 1.1. Introdução... 3 1.2. Âmbito e finalidades... Erro! Marcador não

Leia mais

ENFERMAGEM HUMANITÁRIA COOPERAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO

ENFERMAGEM HUMANITÁRIA COOPERAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO S. Tomé e Príncipe ENFERMAGEM HUMANITÁRIA COOPERAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO São Tomé e Príncipe A República Democrática de São Tomé e Príncipe, é um estado insular localizado no Golfo da Guiné. Composto

Leia mais

Determinantes da Satisfação com Funcionamento Actual & Prioridades de Reforma. Uma Abordagem Qualitativa

Determinantes da Satisfação com Funcionamento Actual & Prioridades de Reforma. Uma Abordagem Qualitativa OS CENTROS DE SAÚDE EM PORTUGAL Determinantes da Satisfação com Funcionamento Actual & Prioridades de Reforma Uma Abordagem Qualitativa Instituição promotora e financiadora Missão para os Cuidados de Saúde

Leia mais

Cada utente é um ser Humano único, pelo que respeitamos a sua pessoa, os seus ideais, as suas crenças, a sua história e o seu projecto de vida.

Cada utente é um ser Humano único, pelo que respeitamos a sua pessoa, os seus ideais, as suas crenças, a sua história e o seu projecto de vida. 1. APRESENTAÇÃO DA INSTITUIÇÃO A Casa do Povo de Alvalade foi criada em 1943, por grupo informal de pessoas, na tentativa de dar resposta às necessidades das pessoas que a esta se iam associando. Com o

Leia mais

Avaliação das Necessidades e Expetativas Stakeholders. Relatório Final Análise Comparativa

Avaliação das Necessidades e Expetativas Stakeholders. Relatório Final Análise Comparativa Avaliação das Necessidades e Expetativas Stakeholders Relatório Final Análise Comparativa AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE SATISFAÇÃO DAS NECESSIDADES E EXPETATIVAS, POR MEIO DA AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO - 2014

Leia mais

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE Objectivos gerais do módulo No final do módulo, deverá estar apto a: Definir o conceito de Help Desk; Identificar os diferentes tipos de Help Desk; Diagnosticar

Leia mais

PROTOCOLO ENTRE O EXÉRCITO PORTUGUÊS E A "CASA DE REPOUSO JARDIM DO ÉDEN" 1. Preâmbulo

PROTOCOLO ENTRE O EXÉRCITO PORTUGUÊS E A CASA DE REPOUSO JARDIM DO ÉDEN 1. Preâmbulo PROTOCOLO ENTRE O EXÉRCITO PORTUGUÊS E A "CASA DE REPOUSO JARDIM DO ÉDEN" 1. Preâmbulo A celebração do presente protocolo tem como objectivo assegurar aos militares e aos trabalhadores do mapa de pessoal

Leia mais

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO A Lei nº 31/2012, de 20 de Dezembro, veio aprovar o sistema de avaliação dos estabelecimentos de educação pré-escolar e dos ensinos básico e secundário, definindo orientações para a autoavaliação

Leia mais

CONVERSAS DE FIM DE TARDE

CONVERSAS DE FIM DE TARDE CONVERSAS DE FIM DE TARDE Rogério Correia A estrutura organizacional do Serviço Missão do SRS Promoção da Saúde Prestação de, Hospitalares e Continuados Prestação de actividades no âmbito da Saúde Pública

Leia mais

CIDADE AMIGA DAS PESSOAS IDOSAS 2010-2013

CIDADE AMIGA DAS PESSOAS IDOSAS 2010-2013 CIDADE AMIGA DAS PESSOAS IDOSAS 2010-2013 A Sociedade e o Envelhecimento Em 2007, mais da metade da população mundial passou a morar em cidades e, em 2030, cerca de três em cada cinco pessoas viverão em

Leia mais

PROTOCOLO ENTRE O EXÉRCITO PORTUGUÊS E A SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DO CART AXO. 1. Preâmbulo

PROTOCOLO ENTRE O EXÉRCITO PORTUGUÊS E A SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DO CART AXO. 1. Preâmbulo PROTOCOLO ENTRE O EXÉRCITO PORTUGUÊS E A SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DO CART AXO 1. Preâmbulo A celebração do presente protocolo tem como objetivo assegurar aos militares e aos trabalhadores do mapa de

Leia mais

PROGRAMA DE INTERVENÇÃO EM OBESIDADE INFANTIL. Centro de Saúde da Marinha Grande Ana Laura Baridó

PROGRAMA DE INTERVENÇÃO EM OBESIDADE INFANTIL. Centro de Saúde da Marinha Grande Ana Laura Baridó PROGRAMA DE INTERVENÇÃO EM OBESIDADE INFANTIL Centro de Saúde da Marinha Grande Ana Laura Baridó 1 A obesidade é considerada a epidemia do séc. XXI (OMS) Em Portugal tem vindo a aumentar vertiginosamente

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

DEPARTAMENTO DA QUALIDADE

DEPARTAMENTO DA QUALIDADE DEPARTAMENTO DA QUALIDADE PLANO DE MELHORIA ESA 2013-2016 Objetivos gerais do Plano de Melhoria 1. Promover o sucesso educativo e melhorar a sua qualidade 2. Melhorar os processos e resultados pedagógicos

Leia mais

NÍVEIS DE PREVENÇÃO. Ana Catarina Peixoto R. Meireles. Médica Interna de Saúde Pública Unidade Operativa de Saúde Pública P

NÍVEIS DE PREVENÇÃO. Ana Catarina Peixoto R. Meireles. Médica Interna de Saúde Pública Unidade Operativa de Saúde Pública P NÍVEIS DE PREVENÇÃO Conceito e Relação com as Funções do Médico de Saúde PúblicaP Ana Catarina Peixoto R. Meireles Médica Interna de Saúde Pública P Unidade Operativa de Saúde Pública P de Braga Reunião

Leia mais

Braga, 10 de Janeiro de 2011.

Braga, 10 de Janeiro de 2011. Braga, 10 de Janeiro de 2011. Página 1 de 20 INDICE INTRODUÇÃO... 3 Págs. CARACTERIZAÇÃO DO SERVIÇO DE FORMAÇÃO... 10 BALANÇO DAS ACTIVIDADES DEP. FORMAÇÃO.11 PRIORIDADES DE MELHORIA. 15 CONCLUSÃO.. 16

Leia mais

incorporação de um novo colaborador

incorporação de um novo colaborador incorporação de um novo colaborador Manual de Excelência no Serviço 21 4. A Incorporação de um Novo Colaborador Recrutamento e Selecção Antes da incorporação de um novo colaborador no Hotel será obrigatório

Leia mais

Projecto MAIOR. Movimento Autonomia Independência Oportunidade - Recuperação

Projecto MAIOR. Movimento Autonomia Independência Oportunidade - Recuperação Projecto MAIOR Movimento Autonomia Independência Oportunidade - Recuperação 1. Como nasceu o projecto 2. Projecto 3. O Arranque 4.Junte-se a nós! 1. Como nasceu o projecto Envelhecimento da População Envelhecimento

Leia mais

ÍNDICE. Relatório de Atividades 2014 - USF Arsmedica 1

ÍNDICE. Relatório de Atividades 2014 - USF Arsmedica 1 Relatório de Atividades Ano de 2014 Unidade de Saúde Familiar Ars Medica Modelo B ACES Loures-Odivelas Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo IP Ministério da Saúde Março 2015 ÍNDICE

Leia mais

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA - SIADAP - ANO DE 2015 MISSÃO E OBJECTIVOS DAS UNIDADES ORGÃNICAS DOS SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DA MAIA, PARA O ANO DE 2015 DIVISÃO ECONÓMICA

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO O presente Regulamento pretende enquadrar as principais regras e linhas de orientação pelas quais se rege a atividade formativa da LEXSEGUR, de forma a garantir

Leia mais

Projecto de Intervenção Comunitária Curso de Preparação para Prestadores de Cuidados Informais

Projecto de Intervenção Comunitária Curso de Preparação para Prestadores de Cuidados Informais Projecto de Intervenção Comunitária Curso de Preparação para Prestadores de Cuidados Informais Encontro Boas Praticas em Cuidados Saúde Primários Coimbra, 13/11/2014 PROMOÇÃO DA SAÚDE Essência dos Cuidados

Leia mais

Município de Vieira do Minho

Município de Vieira do Minho CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VIEIRA DO MINHO REGIMENTO INTERNO A lei nº 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo19º, nº 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos

Leia mais

Reflexão Crítica AÇÃO DE FORMAÇÃO (25 Horas)

Reflexão Crítica AÇÃO DE FORMAÇÃO (25 Horas) Reflexão Crítica AÇÃO DE FORMAÇÃO (25 Horas) A Biblioteca Escolar 2.0 FORMADORA Maria Raquel Medeiros Oliveira Ramos FORMANDA Regina Graziela Serrano dos Santos Chaves da Costa Azevedo Período de Realização

Leia mais

Resultados dos Questionários de Satisfação dos Estudantes

Resultados dos Questionários de Satisfação dos Estudantes Resultados dos Questionários de Satisfação dos Estudantes Ano Lectivo 2011/2012 1 Os resultados apresentados reflectem a análise dos Questionários de Satisfação dos Estudantes/Formandos Ano Lectivo 2011/2012

Leia mais

GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR PESSOAS IDOSAS E ADULTAS COM DEFICIÊNCIA

GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR PESSOAS IDOSAS E ADULTAS COM DEFICIÊNCIA Manual de GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR PESSOAS IDOSAS E ADULTAS COM DEFICIÊNCIA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/8 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Acolhimento

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DA REDE SOCIAL

PLANO DE AÇÃO DA REDE SOCIAL PLANO DE AÇÃO DA REDE SOCIAL 2014 Aprovado na reunião do Plenário de 11.06.2014 16 de janeiro Workshop e assinatura de protocolo com CIG Público-alvo: comunidade no geral Local: Edifício Paço dos Concelho

Leia mais

Regulamento da Rede de Mentores

Regulamento da Rede de Mentores Regulamento da Rede de Mentores 1. Enquadramento A Rede de Mentores é uma iniciativa do Conselho Empresarial do Centro (CEC) e da Associação Industrial do Minho (AIMinho) e está integrada no Projeto Mentor

Leia mais

Análise dos dados da Pesquisa de Clima Relatório

Análise dos dados da Pesquisa de Clima Relatório Recursos Humanos Coordenação de Gestão de Pessoas Pesquisa de Clima Análise dos dados da Pesquisa de Clima Relatório Introdução No dia 04 de Agosto de 2011, durante a reunião de Planejamento, todos os

Leia mais

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Manual de GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/9 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Apoios Sociais Pessoas com Deficiência

Leia mais

---------- 23. - Presente à reunião proposta do Vereador José Maria Magalhães do seguinte teor:

---------- 23. - Presente à reunião proposta do Vereador José Maria Magalhães do seguinte teor: - Conselho Municipal de Educação de Vila Real - Proposta de Regulamento ---------- 23. - Presente à reunião proposta do Vereador José Maria Magalhães do seguinte teor: A Lei de Bases do Sistema Educativo

Leia mais

Regulamento do NNIES Ninho de Novas Iniciativas Empresariais de Setúbal

Regulamento do NNIES Ninho de Novas Iniciativas Empresariais de Setúbal Regulamento do NNIES Ninho de Novas Iniciativas Empresariais de Setúbal 1 Preâmbulo O Ninho de Novas Iniciativas Empresariais de Setúbal, adiante designado por NNIES, é um equipamento municipal criado

Leia mais

RELATÓRIO DA AUDITORIA INTERNA AO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

RELATÓRIO DA AUDITORIA INTERNA AO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Pág. 1 5 Designação legal da Organização: Municipio do Sátão. Instalações auditadas: Paços do Concelho, na Praça Paulo VI, Oficina e Armazém na Zona Industrial e Obra (Bem ou serviço nº 525) "valetas em

Leia mais

Relatório de Avaliação do Grau de Satisfação dos Clientes do Serviço de Apoio Domiciliário da ABLA

Relatório de Avaliação do Grau de Satisfação dos Clientes do Serviço de Apoio Domiciliário da ABLA Relatório de Avaliação do Grau de Satisfação dos Clientes do Serviço de Apoio Domiciliário da ABLA Junho 3 Página de Introdução Entre os dias e 3 de Maio de 3, foi aplicado o Questionário de Avaliação

Leia mais

PROCEDIMENTO DE GESTÃO

PROCEDIMENTO DE GESTÃO Página: 1 de 7 ÍNDICE 1. OBJECTIVO 2 2. CAMPO DE APLICAÇÃO 2 3. DEFINIÇÕES 2 4. REFERÊNCIAS 2 5. RESPONSABILIDADES E MODOS DE PROCEDER 2 5.1. Cuidados em Situação de Emergência 2 5.2. Cuidados de Saúde

Leia mais

Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente 2012/2013. Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova 21.03.2013

Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente 2012/2013. Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova 21.03.2013 2012 2013 Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente 2012/2013 Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova 21.03.2013 1. ÂMBITO Dando cumprimento ao disposto no decreto regulamentar nº 26/2012, de 21 de

Leia mais

A proteção na parentalidade é um direito constitucionalmente reconhecido (artigo 68º da Constituição da República Portuguesa).

A proteção na parentalidade é um direito constitucionalmente reconhecido (artigo 68º da Constituição da República Portuguesa). Ana Alves A proteção na parentalidade é um direito constitucionalmente reconhecido (artigo 68º da Constituição da República Portuguesa). A maternidade e a paternidade constituem valores sociais eminentes.

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO VOLUNTARIADO

REGULAMENTO INTERNO VOLUNTARIADO REGULAMENTO INTERNO DO VOLUNTARIADO REGULAMENTO Artigo 1.º Âmbito O presente regulamento visa definir as linhas orientadoras do grupo de voluntariado Marvila Voluntária, o qual tem como entidade promotora

Leia mais

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE PERIGO

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE PERIGO Manual de GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE PERIGO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/12 FICHA TÉCNICA

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA DOS ENCONTROS DE SABEDORIA DA AMUT

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA DOS ENCONTROS DE SABEDORIA DA AMUT REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA DOS ENCONTROS DE SABEDORIA DA AMUT Conteúdo Artigo 1º... 3 OBJECTIVO... 3 Artigo 2º... 3 CONCEITO DE ENCONTRO DE SABEDORIA... 3 Artigo 3º... 3 ÂMBITO

Leia mais

Câmara Municipal de Resende REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO

Câmara Municipal de Resende REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO Câmara Municipal de Resende REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO A Lei n.º 159/99, de 14 de setembro estabelece no seu artigo 19º, nº 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar

Leia mais

Plano de Atividades. Relatório de Atividades Intervenção Precoce

Plano de Atividades. Relatório de Atividades Intervenção Precoce Plano de Atividades Relatório de Atividades Intervenção Precoce Mod221/V01.PG01 (02.02.2015) Página 1 de 14 Mod221/V01.Org (09.02.2015) Página 1 de 14 2014 Elaborado: Ângela Madureira Data: 20.02.2015

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Regulamento Interno

REGULAMENTO INTERNO. Regulamento Interno REGULAMENTO INTERNO 1 Capítulo I Natureza, Âmbito de Aplicação e Objetivos Natureza, Denominação e Morada 1. A Conquista Contínua, Lda Serviços de Apoio Domiciliário, adiante designada por + Cuidados é

Leia mais

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE Quem somos A nossa equipa apresenta um atendimento personalizado ao nível da Osteopatia através de uma abordagem multidisciplinar de qualidade, avaliação, diagnóstico e

Leia mais

Fevereiro de 2012. Relatório de Avaliação das Sessões de Relaxamento. Ano Letivo 2011/2012. Gabinete de Apoio ao Tutorado

Fevereiro de 2012. Relatório de Avaliação das Sessões de Relaxamento. Ano Letivo 2011/2012. Gabinete de Apoio ao Tutorado Fevereiro de 2012 Relatório de Avaliação das Sessões de Relaxamento Ano Letivo 2011/2012 Gabinete de Apoio ao Tutorado ÍNDICE 1. Introdução & Enquadramento... 3 2. Avaliação 1º semestre de 2011/2012...

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA. Março de 2015 4ª Edição

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA. Março de 2015 4ª Edição REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA Março de 2015 4ª Edição Índice 1 O DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO... 3 1.1. POLÍTICA E ESTRATÉGIA... 3 1.2. ESTRUTURA... 3 2 CONDIÇÕES DE FUNCIONAMENTO DA

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO 2014-2016 UNIDADE DE SAÚDE FAMILIAR CONDE DE OEIRAS

PLANO DE ACÇÃO 2014-2016 UNIDADE DE SAÚDE FAMILIAR CONDE DE OEIRAS Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo Agrupamento de Centros de Saúde Lisboa Ocidental e Oeiras PLANO DE ACÇÃO 2014-2016 UNIDADE DE SAÚDE FAMILIAR CONDE DE OEIRAS ÍNDICE ACRÓNIMOS...

Leia mais

Programa Nacional de Diagnóstico Pré-Natal Contratualização Processo de Monitorização e Acompanhamento

Programa Nacional de Diagnóstico Pré-Natal Contratualização Processo de Monitorização e Acompanhamento Introdução A saúde materna e infantil em Portugal tem vindo a registar melhorias significativas nos últimos anos, verificando-se expressiva diminuição das taxas de mortalidade perinatal e infantil por

Leia mais

Projectos de Diplomas Ponto da Situação?

Projectos de Diplomas Ponto da Situação? Projectos de Diplomas Ponto da Situação? Lisboa 15 de Maio de 2006 João Rodrigues Missão para os Cuidados de Saúde Primários À MCSP foi entregue o mandato de: coordenar e apoiar tecnicamente o processo

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA VOLUNTARIADO. Regulamento do Voluntariado

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA VOLUNTARIADO. Regulamento do Voluntariado REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO Índice 1. Enquadramento... 3 2. Definição... 3 3. Princípios... 4 4. Objetivos... 4 5. Direitos... 4 6. Deveres... 5 7. Inscrição... 7 8. Candidatura...

Leia mais

AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE

AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE UNIDADE DE SAÚDE PUBLICA Ao nível de cada Agrupamento de Centros de Saúde (ACES), as Unidades de Saúde Pública (USP) vão funcionar como observatório de saúde da população

Leia mais

D6. Documento de suporte à Implementação das Iniciativas Piloto REDE INTERMUNICIPAL DE PARCERIAS DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL

D6. Documento de suporte à Implementação das Iniciativas Piloto REDE INTERMUNICIPAL DE PARCERIAS DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL ÍNDICE 1. OBJETIVOS E METODOLOGIA 1.1. Objetivos 1.2. Metodologia de Trabalho 2. IDENTIFICAÇÃO DAS INICIATIVAS PILOTO 3. INICIATIVAS PILOTO 4. IMPLEMENTAÇÃO DE INICIATIVAS PILOTO - MATERIAIS DE SUPORTE

Leia mais

AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL

AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos do Mestrado em Educação Especial sobre a

Leia mais

VIGILÂNCIA NA GRAVIDEZ

VIGILÂNCIA NA GRAVIDEZ Em função da idade gestacional Obedece ao esquema proposto pelo SNS Valoriza os elementos a colher em função da idade gestacional Tempo de Gestação 1º Trimestre (1ª-13ªS) ACTIVIDADES (Elementos a recolher

Leia mais

R E G I M E N T O. Preâmbulo

R E G I M E N T O. Preâmbulo R E G I M E N T O Preâmbulo A Lei de Bases do Sistema Educativo (Lei n.º 46/86, de 14 de outubro, com a redação que lhe foi dada pela Lei n.º 115/97, de 19 de setembro) e de acordo com as alterações introduzidas

Leia mais

Nos termos da alínea a) do nº 2 do artigo 2º do Decreto Regulamentar nº 14/2012, de 26 de janeiro, emite-se a Norma seguinte:

Nos termos da alínea a) do nº 2 do artigo 2º do Decreto Regulamentar nº 14/2012, de 26 de janeiro, emite-se a Norma seguinte: NÚMERO: 013/2015 DATA: 01/07/2015 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: Notícia de Nascimento Digital (NN) Notícia de Nascimento, Saúde Infantil, Saúde Materna, Boletim Saúde Infantil e Juvenil, Nascer

Leia mais

PARTILHAR em São Tomé

PARTILHAR em São Tomé PARTILHAR em São Tomé 1. Enquadramento De acordo com as notícias do país, as doenças crónicas não transmissíveis têm estado a ganhar terreno alarmante nos últimos anos em São Tomé e Príncipe. Não se sabe

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA. Gabinete da Qualidade Observatório da Qualidade Agosto 2008

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA. Gabinete da Qualidade Observatório da Qualidade Agosto 2008 AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA Agosto 08 de Comunicação e Design Multimédia 08 ÍNDICE 1. Introdução 5 2. População e Amostra 5 3. Apresentação de Resultados 6 3.1. Opinião dos alunos

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO 2016. Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental

PROGRAMA DE AÇÃO 2016. Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental PROGRAMA DE AÇÃO 2016 Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental ÍNDICE I - INTRODUÇÃO... 3 II EIXOS/OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 3 III AÇÕES E ATIVIDADES... 4 IV AVALIAÇÃO... 4 V

Leia mais

Minhas Senhoras e meus senhores

Minhas Senhoras e meus senhores Cerimónia de entrega de Certificados de Qualidade ISO 9001 Centro Hospitalar de Entre o Douro e Vouga 30 de junho de 2015 Senhor Presidente da Câmara Municipal de Santa Maria da Feira Dr. Emídio Sousa

Leia mais

Relatório de Actividades do Provedor do Estudante - 2009/2011 -

Relatório de Actividades do Provedor do Estudante - 2009/2011 - Relatório de Actividades do Provedor do Estudante - 2009/2011 - Caros Estudantes e restante Comunidade Académica do IPBeja, No dia 29 de Abril de 2009 fui nomeado Provedor do Estudante pelo Presidente

Leia mais