CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA ETEC PROFESSOR MÁRIO ANTÔNIO VERZA CURSO TÉCNICO EM SERVIÇOS JURÍDICOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA ETEC PROFESSOR MÁRIO ANTÔNIO VERZA CURSO TÉCNICO EM SERVIÇOS JURÍDICOS"

Transcrição

1 CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA ETEC PROFESSOR MÁRIO ANTÔNIO VERZA CURSO TÉCNICO EM SERVIÇOS JURÍDICOS RESPONSABILIDADE CIVIL DOS HOSPITAIS NA INFECÇÃO HOSPITALAR: ESTUDO DE CASO NA SANTA CASA DE MISERICÓRIDIA DE PALMITAL - SP JOSIANNE MICHELLE MODESTO DE OLIVEIRA LUCIANA CRISTINA DE OLIVEIRA RAQUEL CAUNER DOS SANTOS SONIA CIBELE TAPIA SANDOVAL PALMITAL 2014

2 JOSIANNE MICHELLE MODESTO DE OLIVEIRA LUCIANA CRISTINA DE OLIVEIRA RAQUEL CAUNER DOS SANTOS SONIA CIBELE TAPIA SANDOVAL RESPONSABILIDADE CIVIL DOS HOSPITAIS NA INFECÇÃO HOSPITALAR: ESTUDO DE CASO NA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PALMITAL - SP Trabalho de conclusão de curso apresentado à Etec Professor Mário Antônio Verza, como parte dos requisitos necessários para a obtenção do título de Técnico em Serviços Jurídicos. Orientador: Professor Edson Antônio Ramires PALMITAL 2014

3 CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA ETEC PROFESSOR MÁRIO ANTÔNIO VERZA JOSIANNE MICHELLE MODESTO DE OLIVEIRA LUCIANA CRISTINA DE OLIVEIRA RAQUEL CAUNER DOS SANTOS SONIA CIBELE TAPIA SANDOVAL RESPONSABILIDADE CIVIL DOS HOSPITAIS NA INFECÇÃO HOSPITALAR: ESTUDO DE CASO NA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PALMITAL - SP APROVADO EM / / BANCA EXAMINADORA: EDSON ANTÔNIO RAMIRES ORIENTADOR VALDIZA MARIA DO NASCIMENTO FADEL EXAMINADORA RANDAL DO VALE ORTIZ EXAMINADOR

4 DEDICATÓRIA Dedicamos este trabalho à Deus pelo esplendor da vida, presente em todas as atividades;

5 AGRADECIMENTOS Agradecemos às manifestações de carinho e apreço, recebidas de todos os colegas da ETEC Prof. Mário Antonio Verza, os quais foram nossa maior fonte de luz inspiradora e de apoio para o sucesso deste trabalho. Nosso muito obrigado também ao nosso orientador, o Professor Edson Antônio Ramires pelo auxílio seguro e oportuno durante todo o processo de orientação deste trabalho, pois aliado à sua experiência profissional e intelectual, todas as dicas e instruções foram imprescindíveis para o desenvolvimento e conclusão deste trabalho. A nossa querida coordenadora Valdiza Fadel sempre presente. Também agradecemos a nossa amiga Eliana Baptista que nos forneceu dados para a conclusão do trabalho. Aos nossos familiares por nos terem apoiado e entendido a nossa ausência, não só durante as aulas, mas especialmente durante o processo de desenvolvimento deste trabalho. Enfim, a todos, o nosso grande muito obrigado!

6 EPÍGRAFE Tenha metas. Uma vida sem objetivos é uma existência triste, pois o homem é um ser, historicamente, movido a desafios. (Renato Collyer).

7 RESUMO O presente trabalho busca demonstrar a responsabilidade civil dos hospitais frente a uma infecção hospitalar, bem como, baseado no Código de Defesa do Consumidor Brasileiro, demonstrar que há uma relação de consumo entre a Instituição prestadora do serviço de saúde e o paciente, na qual, para fins Legais, a primeira é considerada fornecedor e o segundo, consumidor. Finalmente, a partir do entendimento dessa condição legal, a pesquisa demonstra os órgãos responsáveis por receber pedidos de reparação por danos morais pelas vítimas de infecção hospitalar. Ademais, sob uma perspectiva prática, foi realizado um estudo de caso na Santa casa de Misericórdia de Palmital, a partir do qual foi possível demonstrar os níveis de infecções ocorridas na Instituição e propor ao leitor uma visão sistêmica do assunto. Palavras-chave: Responsabilidade Civil; Infecção Hospitalar; Código de Defesa do Consumidor.

8 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS IH Infecção Hospitalar CCHI Comissão de Controle de Infecção Hospitalar MS Ministério da Saúde PCIH Programa de Controle de Infecção Hospitalar CREMESP Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo MPSP Ministério Público do Estado de São Paulo

9 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA CONCEITOS GERAIS Responsabilidade civil prevista no Código Civil Responsabilidade civil dos hospitais INFECÇÃO HOSPITALAR CONCEITOS LEGISLAÇÃO PARA A PREVENÇÃO E O COMBATE À INFECÇÃO HOSPITALAR Comissão de Controle de Infecções Hospitalares Desafios para aplicabilidade da legislação Obrigação dos Hospitais de se evitar as Infecções Hospitalares Como prevenir as Infecções Hospitalares RESPONSABILIDADE CIVIL PELA INFECÇÃO HOSPITALAR FRENTE AO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR Direito de Indenização... 4 ESTUDO DE CASO DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PALMITAL HISTÓRICO DIAGNÓSTICO... 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS APÊNDICES ANEXOS

10 11 1 INTRODUÇÃO Atualmente a preocupação com a saúde aumenta de forma crescente e, com isso, a prestação do serviço oferecida pelas instituições de saúde, entre elas os hospitais, é cada vez mais fiscalizada e cobrada pelos próprios pacientes, que adquiriram uma conduta mais reivindicadora. O conhecimento das ampliações do Direito do cidadão contribuiu para essa realidade, pois com a responsabilidade civil, que obriga a reparação do dano causado a outrem em razão de ação ou omissão, surge o regime de responsabilização dos hospitais, onde a relação paciente/hospital impõe à instituição uma determinada prestação de serviço. Conferida pelo Código Civil e também pelo Código de Defesa do Consumidor. Dada à importância do tema, o presente trabalho demonstra a responsabilidade civil dos hospitais no caso da infecção hospitalar, isto porque quando um paciente dá entrada em um hospital cabe à instituição fornecer meios necessários para um correto atendimento em seu internamento, garantindo assim a incolumidade do paciente, ou seja, resguardando- o da ocorrência de danos durante o período de internação. De modo que, se o paciente adquire infecção hospitalar nas dependências do hospital ou logo após sua saída e isso ocorra em razão de uma negligência na prestação de seus serviços, este será responsabilizado pelos prejuízos causados, devendo reparar os danos. É feita uma abordagem conceitual sistêmica e uma pesquisa de campo, com vistas na ampliação do conhecimento do leitor com relação ao assunto, contribuindo no desenvolvimento da visão crítica do mesmo, e consequentemente na redução da ocorrência da infecção hospitalar, visto que, quanto maior o conhecimento do paciente, maior é a sua exigência e também o comprometimento das instituições de saúde em atender as expectativas do consumidor. 1.1 OBJETIVOS Tendo em vista a Responsabilidade Civil dos Hospitais em relação à infecção hospitalar, o objetivo geral do presente trabalho será realizado na Santa Casa de Misericórdia de Palmital-SP, analisando os índices de ocorrências de infecção na instituição como o método preventivo utilizado.

11 12 Os objetivos específicos consistem em: Levantamento de informações conceituais sobre o tema. Informar a população sobre o dever de proteção dos hospitais com o paciente. Demonstrar no Código de Defesa do Consumidor o Direito à indenização, referente à incidência de infecção hospitalar. Com base no estudo, se disponibilizará informações significativas para o conhecimento sobre os direitos e deveres da instituição hospitalar. 1.2 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS O presente trabalho será desenvolvido com embasamento bibliográfico para o levantamento dos principais conceitos envolvidos no tema, tais como a responsabilidade civil dos hospitais e a infecção hospitalar. Também será realizado um estudo de caso na Santa de Casa de Misericórdia de Palmital - SP, através de dois questionários contendo oito e seis questões qualitativas. O estudo será realizado com a Gestora de Faturamento e com o representante da comissão de controle de infecção hospitalar da Santa Casa de Misericórdia de Palmital SP. Para complementação do trabalho serão realizadas pesquisas documentais na Legislação pertinente e em arquivos da internet, por meio dos quais é pretendido demonstrar a responsabilidade civil dos hospitais em relação à infecção hospitalar, dentre outras informações relevantes para o presente estudo.

12 13 2 REFERENCIAL TEÓRICO Neste capítulo são apresentados os principais conceitos sobre o tema, os quais foram referenciados a partir de obras e artigos publicados, tais como, Diniz, Gonçalves, Stoco, Batista, Gomes, Goewehr. 2.1 CONCEITO GERAL Atualmente a regra de preservação do individuo tem se mostrado muito eficaz, isso porque a legislação referente ao assunto se mostra cada vez mais eficiente, protegendo, assim, bens indisponíveis tais como a vida, a liberdade e a saúde. Através da responsabilidade civil se encontra o direito de reparação a um dano causado à imagem ou diretamente às pessoas, incluindo-se sua saúde. Segundo Diniz apud Elias Filho e Lopes (2011, p.37): a responsabilidade civil é a aplicação de medidas que obriguem uma pessoa a reparar dano moral ou patrimonial causado a terceiros, em razão de ato por ela mesma praticado, por pessoa por quem ela responde. Krigher Filho apud Brandão (2011, p.03) afirma que: É precisamente para compelir os homens a observarem e respeitarem as regras de convivência, que lhes são impostas pelo Direito, que o instituto da responsabilidade tem a sua razão de ser e o seu fundamento, sendo que a sua finalidade é a de impedir a perpetração de danos à sociedade e aos indivíduos, isoladamente considerados, impondo as respectivas sanções pela inobservância dessas regras. Fácil é perceber que o primordial direito da responsabilidade civil é a reparação do dano, que o ordenamento jurídico impõe ao agente. A responsabilidade civil tem, essencialmente, uma função reparadora ou indenizatória. (DINIZ, 2014, p.153). Assim, a responsabilidade civil proporciona ao indivíduo a garantia de restauração de um bem lesado, gerando um equilíbrio social, fazendo com que a sociedade desfrute do bem comum Responsabilidade Civil Prevista No Código Civil Todos os cidadãos, assim como as organizações, devem ser responsabilizados pelos atos que praticam.

13 14 A palavra responsabilidade é uma palavra oriunda do latim, do verbo responder, que significa responsabilizar-se, assegurar, assumir algo, ou do ato que praticou. (DINIZ, 2014). Segundo o novo Código Civil (2002, artigo nº 927): Aquele que, por ato ilícito ( ), causar dano a outrem, fica obrigado a reparálo. Parágrafo único. Haverá obrigação de reparar o dano, independentemente de culpa, nos casos especificados em lei, ou quando a atividade normalmente desenvolvida pelo autor do dano implicar, por sua natureza, risco para os direitos de outrem. A responsabilidade civil de acordo com Diniz (2014, p.50): É a aplicação de medidas que obriguem alguém a reparar dano moral ou patrimonial causado a terceiros em razão de ato do próprio imputado, de pessoa por quem ele responde, ou de fato de coisa ou animal sob sua guarda ou, ainda de simples imposição legal. Percebe- se a importância da responsabilidade civil, nos tempos atuais, por se dirigir à restauração de um equilíbrio moral e patrimonial desfeito. (DINIZ, 2014, p.21). O instituto da responsabilidade civil, segundo Gonçalves (2014, p.22). É parte integrante do direito obrigacional, pois a principal consequência da prática de um ato ilícito é a obrigação que acarreta, para seu autor, de reparar o dano, obrigação está de natureza pessoal, que se resolve em perdas e danos. Dessa forma, no Brasil a responsabilidade civil está prevista em Lei, a qual visa preservar as relações humanas, estabelecendo normas de reparação caso ocorra uma falha no dever assumido por determinada pessoa ou instituição Responsabilidade Civil Dos Hospitais Segundo Aguiar Júnior, (1995, p.33): hospital é uma universalidade de fato, formado por um conjunto de instalações, aparelhos, instrumentos médicos e cirúrgicos destinados ao tratamento da saúde, vinculada a uma pessoa jurídica, sua mantenedora, mas que não realiza ato médico. Quando um paciente dá entrada em um Hospital espera-se que este preste os serviços necessários ao internamento. (MARANHÃO, 2012, p. 01) De acordo com Santos (2008, p.198): A responsabilidade dos hospitais é contratual, sendo a doutrina e jurisprudência pátrias pacíficas e uniformes neste particular.

14 15 Desse modo Souza (2005 p. 3-4) diz: No contrato entre o hospital e seu paciente, implícita uma cláusula de incolumidade, por ocasião do atendimento hospitalar que diferencia-se da obrigação de meios a qual se obriga o hospital com o paciente, ou seja, além de agir com prudência, diligência e perícia através dos seus recursos humanos, no atendimento ao paciente, tem também o hospital a obrigação de manter incólume o paciente durante sua estadia em suas dependências. Esta obrigação do hospital para com o paciente, durante sua estada no hospital, tem características de uma obrigação de resultado. O resultado a alcançar é o dever que o hospital tem de manter incólume o paciente, livre de outras lesões que não as necessariamente e inevitavelmente, decorrentes dos procedimentos médicos. Stocco (2001, p.726) destaca que; A responsabilidade do estabelecimento hospitalar, por força do art. 932, III, c/c o 933 do Código Civil, por atos de seus empregados e prepostos (mas não dos médicos), é objetiva. A responsabilidade objetiva é aquela que obriga aquele entendido como causador do dano a indenizar, independentemente da análise da culpa, desde que a atividade desenvolvida normalmente pelo autor do dano implique risco para alguém. (DINIZ, 2014). Logo Stoco (2001, p. 725): A responsabilidade dos hospitais será objetiva apenas no que toca aos serviços única e exclusivamente relacionados com o estabelecimento empresarial propriamente dito, ou seja, aqueles que digam respeito à estadia do paciente (internação), instalações físicas, equipamentos, serviços auxiliares (enfermagem, exames, radiologia), mas nunca com os serviços técnicos. Fica-se claro que a condenação do hospital só será realizada caso o serviço defeituoso for exclusivo do estabelecimento como: infecção hospitalar, aplicação equivocada de medicamentos, negligência na vigilância quanto aos pacientes internados, realização de exames, entre outros; não se confundindo com alguma consequência de serviço mal realizado pelo profissional médico, sendo este serviço de meio, tornando se assim responsabilidade subjetiva, precisando assim verificar se houve a culpa. (LEITÃO, 2013). A partir dos conceitos expostos, percebe-se que, com a responsabilidade civil dos hospitais, a sociedade ganha uma segurança em relação ao atendimento hospitalar, pois a instituição fica responsável pelos serviços prestados.

15 16 3 INFECÇÃO HOSPITALAR Neste capítulo são abordados todos os conceitos relacionados ao tema, bem como alguns dados referentes à realidade dos hospitais brasileiros com relação à infecção hospitalar. 3.1 CONCEITO De acordo com o site ABC da saúde (2001, p.1). Infecção hospitalar é qualquer tipo de infecção adquirida após a entrada do paciente em um hospital ou após a sua alta quando essa infecção estiver diretamente relacionada com a internação ou procedimento hospitalar, como, por exemplo, uma cirurgia. Segundo Kfouri Neto apud Elias Filho e Lopes (2011, p.43): Para a maioria dos autores a expressão infecções hospitalares compreende doenças infecciosas adquiridas e manifestadas durante a hospitalização. Para alguns ela abrange também os casos que só tem expressão clínica após a alta do paciente. Todos, porém, incluem as infecções adquiridas na comunidade e em estágio de incubação no momento em que se interna o paciente. As infecções hospitalares se distinguem pela maior participação de microorganismos poucos envolvidos em doenças adquiridas na comunidade, embora as bactérias responsáveis não estejam confinadas nos hospitais. Os hospitais enfrentam no dia a dia um grave problema que é a infecção relacionada à assistência à saúde (IRAS) ou infecção hospitalar (IH), a qual ocasiona um crescimento da morbidade, mortalidade, aumento do tempo de internação, elevando assim os custos, além de poder aumentar a disseminação de bactérias resistentes aos antibióticos. (CREMESP, MPSP, 2010). Segundo site ABC da saúde (2001, p.1). O diagnóstico de infecção hospitalar envolve o uso de alguns critérios técnicos, previamente estabelecidos: Observação direta do paciente ou análise de seu prontuário. Resultados de exames de laboratório. Quando não houver evidência clínica ou laboratorial de infecção no momento da internação no hospital, convenciona-se infecção hospitalar toda manifestação clínica de infecção que se apresentar após 72 horas da admissão no hospital. Também são convencionadas infecções hospitalares aquelas manifestadas antes de 72 horas da internação, quando associadas a procedimentos médicos realizados durante esse período. Os pacientes transferidos de outro hospital são considerados portadores de infecção hospitalar do seu hospital de origem. As infecções de recém-nascidos são hospitalares, com exceção das transmitidas pela placenta ou das associadas a bolsa rota superior a 24 horas.

16 17 Resume-se a IH como uma doença de agravo de forma infecciosa, ou seja, sendo esta adquirida após a entrada do paciente no hospital para tratamento de outra patologia, diversa da IH. Sendo uma doença grave e preocupante, a qual assombra as instituições hospitalares. 3.2 LEGISLAÇÕES PARA A PREVENÇÃO E O COMBATE À INFECÇÃO HOSPITALAR No BRASIL, apenas nas duas últimas décadas, este importante tema tem sido abordado de maneira mais efetiva e científica. Passos importantes foram dados nesse sentido, a partir da promulgação de várias leis e portarias. (BATISTA, 2004, p.05). O Ministério da Saúde emitiu a Portaria MS nº 196 em 1983 por causa dos casos de infecções hospitalares que a imprensa divulgava. Esta portaria recomendava aos hospitais a criação de CCIH (Comissão de controle de infecção hospitalar). Sendo revogada em 1992 pela portaria 930 a qual expedia normas para o Controle de Infecção Hospitalar (CHI). Como não houve cumprimento por parte da grande maioria dos hospitais sobre a Portaria MS nº 930, o Ministério da Saúde criou a Lei Federal nº 9.431/1997. (OLIVEIRA, 2008). Segundo a Lei Federal nº 9.431(1997, Artigos 1 e 2 ): Art. 1º Os hospitais do País são obrigados a manter Programa de Controle de Infecções Hospitalares - PCIH. 1 Considera-se programa de controle de infecções hospitalares, para os efeitos desta Lei, o conjunto de ações desenvolvidas deliberada e sistematicamente com vistas à redução máxima possível da incidência e da gravidade das infecções hospitalares. 2 Para os mesmos efeitos, entende-se por infecção hospitalar, também denominada institucional ou nosocomial, qualquer infecção adquirida após a internação de um paciente em hospital e que se manifeste durante a internação ou mesmo após a alta, quando puder ser relacionada com a hospitalização. Art. 2 Objetivando a adequada execução de seu programa de controle de infecções hospitalares, os hospitais deverão constituir: I - Comissão de Controle de Infecções Hospitalares; II - (VETADO) Regulamentando a Lei nº 9.431/97, o Ministério da Saúde editou a portaria nº 2.616/MS/GM, de 12 de maio de De acordo com esta Portaria, as Comissões de Controle de Infecções Hospitalares devem ser compostas por membros consultores e executores, sendo esses últimos representantes do Serviço de Controle de Infecção Hospitalar (SCIH) e responsáveis pela operacionalização das ações programadas do controle de infecção hospitalar. (ANVISA, 2014).

17 18 Todas as legislações focam a obrigação dos hospitais em possuir uma Comissão de Controle de Infecção Hospitalar, que deverá desenvolver ações com vistas à redução máxima possível das infecções hospitalares Comissão De Controle De Infecção Hospitalar A base da prevenção de infecção hospitalar é a nomeação de um grupo de trabalho, chamado de Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH). (CREMESP; MPSP, 2010, p.11). A CCIH é um órgão de assessoria à autoridade máxima da instituição e de planejamento e normatização das ações de controle de infecção hospitalar, que serão executadas pelo serviço de controle de infecção hospitalar (SCIH). (BATISTA, 2004, p.10). A CCIH do hospital deverá: elaborar, implementar, manter e avaliar o Programa de Controle de Infecção Hospitalar, adequado às características e necessidades da instituição, contemplando, no mínimo, ações relativas a: implantação de um sistema de vigilância epidemiológica das infecções hospitalares; adequação, implementação e supervisão das normas e rotinas técnico-operacionais, visando à prevenção e controle das infecções hospitalares; uso racional de antimicrobianos, germicidas e materiaishospitalares; elaborar, implementar e supervisionar a aplicação de normas e rotinas técnico-operacionais, visando limitar a disseminação de agentes presentes nas infecções em curso no hospital, por meio de medidas de precaução e de isolamento (PORTARIA Nº2616 ANEXO I, 1998) É necessário que cada participante da CCIH tenha conhecimento das suas atribuições para o desenvolvimento harmônico do trabalho. Cada participante da CCIH deve auxiliar a implantação do PCIH em seu serviço. (BATISTA, 2004, p.11). A instalação da Comissão de Controle de Infecção hospitalar é de suma importância, pois tem a finalidade de diminuir ao máximo a incidência e a gravidade das infecções hospitalares Desafios Para Aplicabilidade Da Legislação Muitos hospitais ainda não atentaram para a importância da contribuição da CCIH na assessoria administrativa das instituições, diagnosticando e vigiando a frequência e distribuição das infecções hospitalares entre os pacientes internados e egressos. (OLIVEIRA, 2008, p.11) A inatividade ou ineficiência da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH) é outro fato muito comum encontrado nos hospitais e que acaba acarretando prejuízos à instituição, seja pela falta de capacitação ou perfil dos profissionais para atuação na área ou por falta de conscientização

18 19 do gestor quanto às necessidades propostas pela CCIH, nem sempre atendidas. Muitas vezes ocorre da CCIH não dispor de um Programa de Controle de Infecção Hospitalar (PCIH) implantado e implementado, trabalhando sem um direcionamento para suas ações. (OLIVEIRA, 2008, p.11). O Brasil, por apresentar ainda algumas carências principalmente nas instituições públicas de saúde como recursos humanos e materiais, e com falta de CCIHs em grande parte dos hospitais, ou com integrantes sem conhecimento adequado, causando assim uma elevada taxa de infecção hospitalar. (BATISTA, 2004). De outro lado, torna-se necessário ampliar os programas de orientação para a prevenção e controle das IHs, pois a maioria dos profissionais de saúde é carente de conceitos básicos. Neste sentido, são fundamentais os programas de EDUCAÇÃO CONTINUADA - oferecidos pelas próprias instituições, sociedades de classe, associação de profissionais e órgãos governamentais. (BATISTA, 2004, p.07). De acordo com (Diniz apud CREMESP; MPSP, 2010, p.22): As infecções hospitalares constituem grande risco à saúde dos pacientes internados em clínicas e hospitais, por isso, sua prevenção e controle envolvem não só medidas de qualificação da assistência hospitalar, mas também da vigilância sanitária, tomadas no âmbito, do Estado, do Município e de cada hospital, pois o Sistema Único de Saúde (Lei 8080/90, art. 5º, III) tem por escopo a assistência às pessoas por meio de atividade de promoção, proteção e recuperação da saúde, com a ação integrada de ações assistências e preventivas. Os órgãos estaduais de saúde nos exercícios da atividade fiscalizatória deverão observar a adoção, pela instituição prestadora de serviço, de forma de proteção capazes de evitar efeitos nocivos à saúde dos agentes, clientes e pacientes. Como se pode observar, o grande problema na eficiência das legislações está na própria instituição hospitalar, que não coordena corretamente as CCHIs, as quais são o grande diferencial contra a infecção hospitalar que, se bem administrada, contribuem para queda brusca nos índices de infecção Obrigação Dos Hospitais De Se Evitar As Infecções Hospitalares Segundo a Portaria MS/GM nº (1998, Art. 06); Qualquer pessoa física ou jurídica que desenvolva atividades hospitalares de assistência à saúde, seja de direito público ou privado, tem a obrigação de instalar a comissão e desenvolver o programa de controle de infecções hospitalares. O envolvimento da alta administração da instituição, garantindo estrutura mínima de segurança para o exercício das boas práticas de higiene e segurança e propiciando ambiente de interação entre as equipes que

19 20 prestam cuidados direto ao paciente e as equipes de controladores de infecção. (CREMESP; MPSP, 2010, p.53). O descumprimento da lei 6.377/97 e da portaria 2.616/98, que tratam do controle da infecção hospitalar, prevê desde as sanções individuais por exemplo, o diretor do hospital que não tomou as providências pode estar sujeito a pena de detenção até multa que pode variar de R$ 2 mil a R$ 1,5 milhão. A interdição, embora prevista também no regulamento da Vigilância Sanitária, é sempre avaliada diante do interesse da saúde pública. Mesmo em face de falta grave, é feito um auto de infração, o responsável pelo serviço é comunicado e recebe um prazo para resolver ou informar o que vem sendo feito. (CREMESP; MPSP, 2010, p.63). A partir dos conceitos expostos, fica claro a responsabilidade dos hospitais e de seus funcionários na prevenção da IH Como Prevenir As Infecções Hospitalares Os cuidados para não ocorrer elevado número de infecções e sua prevenção e controle envolvem medidas de qualificação da assistência hospitalar, de vigilância sanitária e outras, tomadas no âmbito do município e do estado. (ABC, 2001, p.2). A transmissão de micro-organismos patogênicos, ou seja, micro-organismos capazes de produzirem doenças ocorrem na maioria das vezes por contato direto (transmitido de uma pessoa a outra por meio do contato direto com as mãos) ou através do contato indireto (objetos e superfícies contaminadas). (SILVA, PADOVEZE, 2011, p. 2). Vários estudos comprovam que a higienização das mãos está relacionada com na prevenção da transmissão das infecções. Estando o paciente em qualquer setor, como pronto-socorro, enfermaria ou unidade de terapia intensiva (UTI), tem se que realizar a higienização das mãos ao contato com o paciente, objetos e superfícies. (SILVA, PADOVEZE, 2011, p.3). A higienização das mãos dos profissionais de saúde deve ser realizada antes ou após qualquer procedimento de saúde, estes precisam repetir o ato em cada início de turno, preparo de alimentos e depois da manipulação de medicamento. (RIBEIRO, 2014). Algumas recomendações importantes devem ser seguidas pelos pacientes e seus familiares para contribuir para a qualidade da assistência e a segurança do cuidado: Tornar-se informado sobre sua doença, fazendo perguntas relacionadas ao tratamento; Envolver um membro da família para estar acompanhando o tratamento; Higienizar as mãos sempre que necessário; Solicitar à equipe de saúde que higienize as mãos quando necessário; Comunicar à equipe de saúde qualquer alteração relacionada ao cateter ou curativo; Solicitar a familiares e amigos a não visitarem caso estejam doentes; Evitar tocar olhos, nariz e boca; Cobrir nariz e boca com papel descartável quando tossir ou espirrar, desprezando após o uso;

20 21 Se for fumante, tentar suspender o fumo; Vacinar-se anualmente contra gripe. (SILVA, PADOVEZE, 2011, p.4-5). Assim, nota-se que uma simples atitude, como a higienização das mãos, que pareceria banal é de extrema importância no ambiente hospitalar, sendo a ação que mais auxilia na prevenção da infecção hospitalar. 3.3 RESPONSABILIDADE CIVIL PELA INFECÇÃO HOSPITALAR FRENTE AO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR Em 1990 foi editada a Lei 8.078, batizada de Código de Defesa do Consumidor. O objetivo desta norma é disciplinar a relação de consumo. Relação jurídica de consumo é o vínculo que se estabelece entre um consumidor, destinatário final, e entes a ele equiparados, e um fornecedor profissional, decorrente de um ato de consumo ou como reflexo de um acidente de consumo, a qual sofre a incidência da norma jurídica especifica, com o objetivo de harmonizar as interações naturalmente desiguais da sociedade moderna de massa. (BONATTO apud DEVOS, 2008, p, 10). Pela definição de hospital visto anteriormente, pode- se dizer que a instituição enquadra- se perfeitamente no conceito de serviço trazido pelo Código de Defesa do Consumidor. O ordenamento jurídico considera que consumidor é toda pessoa física ou jurídica que adquire ou utiliza produto ou serviço como destinatário final. Neste conceito enquadra-se o paciente como consumidor dos serviços prestados pelo hospital. (DEVOS, 2008, p.32) O hospital firma com o paciente internado um contrato hospitalar, assumindo a obrigação de meio consistente em fornecer hospedagem (alojamento, alimentação) e de prestar serviços paramédicos (medicamentos, instalação, instrumentos, pessoal de enfermaria, exames produtos hemoterápicos etc,); se dispuser de um corpo médico, seus empregados, também poderá assumir a obrigação de prestar serviços médicos propriamente ditos. (RIZZARDO apud DEVOS, 2008, p. 33) Na proteção do consumidor/paciente com o hospital/fornecedor, é criada norma protetiva, tendo a finalidade de realizar um equilíbrio na relação de consumo, já que a instituição tem uma elevação técnica e financeira. (DEVOS, 2008). Os hospitais e as clínicas médicas estão submetidos às normas do Código de Defesa do Consumidor e devem reparar os danos causados no exercício de suas atividades. (GOMES, GEWEHR, 2010, p. 54). Segundo Código de Defesa do Consumidor (1990, art.14): O fornecedor de serviços responde independentemente da existência de culpa, pela reparação dos danos causados aos consumidores por defeitos

21 22 relativos à prestação dos serviços, bem como por informações insuficientes ou inadequadas sobre sua fruição e riscos. O regime jurídico da responsabilidade civil para reparação de dano sofrido pelo consumidor é o da responsabilidade objetiva pelo risco da atividade. (NERY JUNIOR, 1992, p.56). Devendo o consumidor apenas alegar a ocorrência do dano, cabendo ao fornecedor provar a não ocorrência do nexo causal. Desse modo, basta à prova do nexo de causalidade entre o evento danoso e o causador do dano, independentemente da existência da culpa, para obrigar o fornecedor a indenizar. (GOMES, GEWEHR, 2010, p ). De acordo com Gomes, Gewehr (2010, p.57): Dentre os danos ocorridos nos estabelecimentos hospitalares, destaca se a questão da infecção hospitalar [...] se a infecção hospitalar está relacionada à contaminação, esta geralmente tem origem na falta de assepsia, ou em sua realização de maneira incorreta. Assim, não realizados os procedimentos para impedir a contaminação em suas dependências, o hospital deve responder pelos danos sofridos pelo paciente acometido de infecção hospitalar. Através do Código de Defesa do Consumidor o paciente/consumidor tem uma proteção caso haja alguma falha no âmbito hospitalar/fornecedor. Assim, caso o paciente contraia uma infecção hospitalar, esse hospital deverá reparar o prejuízo causado ao paciente lesado Direito de Indenização Segundo CREMESP; MPSP (2010, p.27): A possibilidade de indenização por danos morais e materiais caudados por infecção hospitalar é indiscutível, pois ao atribuir às ações e serviços de saúde o caráter de relevância pública (art. 197, C.F.), o texto constitucional também trouxe como corolário o dever de indenização aos pacientes prejudicados com as atividades de prestadores públicos ou privados, como decorrência lógica da qualidade que estes serviços públicos devem respeitar. Nesse sentido entende Cavalieri Filho apud Gomes, Goewehr (2010, p.58): Fato do serviço é sinônimo de acidente de consumo; é o acontecimento externo, ocorrido no mundo físico, que causa dano material ou moral ao consumidor, mas que decorre de um defeito do serviço. [...] Bastará a mera relação de causalidade entre o acidente de consumo e o defeito do serviço para ensejar o dever de indenizar, independentemente de culpa. A guarda e o dever de incolumidade do paciente por parte do hospital geram, por isso mesmo, a responsabilidade do estabelecimento hospitalar pelos danos materiais (indenização pelas despesas do tratamento realizado, pelas despesas médicas futuras e por outras existentes, como aquelas

22 23 decorrentes de eventual funeral; pensão vitalícia quando a infecção prejudicar as atividades profissionais do paciente ou seus dependentes) e pelos danos morais (compensação pelo sofrimento suportado, arbitrada pelo juiz). (CREMESP; MPSP, 2010, p.28). A indenização não só visa o ressarcimento da vítima pelo dano moral causado, mas também serve como uma sanção a instituição, pois com o pagamento da indenização ocorre uma desestimulação do mesmo a voltar a causar dano. (GOMES, GOEWEHR, 2010). Vale ressaltar a necessidade da inversão do ônus da prova, ou seja, Caberá ao hospital provar que não houve relação direta entre uma conduta imediatamente anterior ao fato e o dano causado, afastando-se de ser o agente causador da infecção. (FONSECA, 2011, p.15) Decisões dos Tribunais: PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS MÉDICOS. OBRIGAÇÃO DE FAZER. RESPONSABILIDADE CIVIL. INFECÇÃO HOSPITALAR. SEQUELA DECORRENTE DE INTERVENÇÕES CIRÚRGICAS. ALEGAÇÃO DE CASO FORTUITO PELO HOSPITAL. AUSÊNCIA DE PROVA. PRESUNÇÃO DE CULPA. 1. Sendo incontroverso o fato de o autor ter sido acometido por infecção hospitalar do sítio cirúrgico decorrente de cirurgia e não tendo o réu comprovado a ocorrência de caso fortuito, é óbvio o dever do hospital de responder pelos danos causados ao paciente, já que trata-se de culpa presumida por falta de cuidados. 2. O paciente se encontra acobertado pelo dever de incolumidade por parte do hospital, devendo este ser responsabilizado pelas consequências danosas que um bom serviço prestado poderia evitar. (TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO, 26ª CÂMARA DE DIREITO PRIVADO, APELAÇÃO COM REVISÃO Nº /3, 2007, RELATOR DESEMBARGADOR FELIPE FERREIRA). Assim, a indenização é a reparação de um dano sofrido pelo paciente, sendo este o resultado de uma obrigação não cumprida pelo hospital.

23 24 4 ESTUDO DE CASO DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PALMITAL Neste tópico foi realizado o levantamento da ocorrência de Infecção Hospitalar na Santa Casa de Misericórdia de Palmital, o qual foi fundamental para desenvolver a análise e proporcionar o conhecimento por parte da sociedade sobre a IH, especialmente sobre o direito de indenização, presente no Código de Defesa do Consumidor. 4.1 HISTÓRICO A Santa Casa de Misericórdia de Palmital é uma instituição particular, sem finalidade lucrativa, de caráter filantrópico, tendo missão beneficente na assistência hospitalar, sendo de utilidade pública municipal, estadual e federal, por tempo indeterminado, sendo regida por legislação reguladora de suas atividades e pelo Estatuto Social. (VIDAL, JESUS, VIDAL E FERREIRA, 2010). Em 29 de setembro de 1.961, foi inaugurada a Santa Casa de Misericórdia de Palmital, e atualmente opera com 68 leitos, sendo destes 44 (quarenta e quatro) leitos do SUS Sistema Único de Saúde. (VIDAL, JESUS, VIDAL E FERREIRA, 2010, p.17). A Santa Casa é a mantenedora do único hospital com Pronto Atendimento e Maternidade Anexa ao hospital, e está instalada em um terreno de 5.020,30 m2, com área construída da 3.373,05 m2, interligada em todos os setores e assim distribuídas: 1 Serviços Administrativos com uma área de 580 m2 em outro prédio separado/ doação da Prefeitura Municipal de Palmital. 2 Prédio do Centro de Diagnóstico por Imagem, com uma área construída de 800 m². 3 Prédio da Maternidade com uma área construída de 580 m². 4 Prédio de Serviços da Unidade de Internação, Nutrição Dietética, Serviço Social e Farmácia, com uma área construída de 1000 m². 5 Prédio de Serviços de Higiene e Limpeza, Lavanderia, Costura e Arquivo, com uma área construída de 300m². 6 Prédio de Serviços do Pronto Atendimento, Laboratório e Posto de Coleta de Leite Humano, com uma área construída de 600 m². 7 Centro de Diagnóstico com 636 m². (VIDAL, JESUS, VIDAL E FERREIRA, 2010, p ). Conforme a classificação das Santas Casas de Misericórdia quando sendo instituição de assistência beneficência, conforme legislação está oferece e presta mais de 90% (noventa por cento) dos atendimentos médicos pelo Sistema Único de Saúde (SUS). (VIDAL, JESUS, VIDAL E FERREIRA, 2010).

24 DIAGNÓSTICO De acordo com o levantamento realizado através de questionário com a Gestora de Faturamento e com a Comissão de Controle de Infecção Hospitalar da Santa Casa de Misericórdia de Palmital SP, a instituição está seguindo todos os padrões necessários para o bom funcionamento do estabelecimento, pois possui um CCHI ativa desde o ano de 1999, a qual realiza conscientização dos profissionais internos em relação à higienização das mãos, bem como da sociedade com a criação de folders explicativos, faz mensalmente o cálculo da taxa de IH. Como se observa na figura 1 (APÊNDICE A), no ano de 2013 obteve uma taxa mensal de 2% (dois por cento) de casos de infecção hospitalar, sendo de pessoas adultas, as quais tiveram um tempo maior de internação. Verificando os atendimentos tanto do pronto atendimento, figura 2 (APÊNCIDE B) como das internações, figura 3 (APÊNDICE C), pode-se perceber que o índice de infecção hospitalar é baixo em relação ao índice geral obtido no Estado de São Paulo (15,5% em hospitais de 100 a 299 leitos), apesar de ser um valor desatualizado, visto a falta de um diagnóstico mais completo da situação no Brasil, revelando que não há, efetivamente, um nível nacional consistente.

25 26 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS Para que a Santa Casa de Misericórdia obtenha um melhor resultado nos índices de Infecção Hospitalar e assim evitar futuros processos judiciais, vê- se necessário sempre investir em estratégias que contribuam para a qualidade dos serviços prestados, realizar sempre uma conscientização da população sobre a importância de cuidados, como a higienização das mãos a cada visita para os pacientes, possibilitando cada vez mais a diminuição da taxa de infecção hospitalar. A administração do hospital deve sempre investir e fiscalizar a organização da Comissão de Controle de Infecção hospitalar, pois através dela se obtém um programa de ações necessárias e eficientes. Com isso, evita- se gastos com indenizações provenientes de processos por reparação de dano causado por uma infecção hospitalar.

26 27 REFERÊNCIAS ABC DA SAÚDE, equipe. Infecção Hospitalar. Disponível em: <http://www.abcdasaude.com.br/infectologia/infeccao-hospitalar>. Acesso em: 25 out AGUIAR JÚNIOR, Ruy rosado de. Responsabilidade civil dos médicos. Revista dos Tribunais, São Paulo, v.84, n.718, p.33, agosto BATISTA, Ruth Ester Assayag. Módulo 1, Legislação E Criação De Um Programa De Prevenção E Controle De Infecção Hospitalar (Infecção Relacionada À Assistência À Saúde - Iras). In: Curso Infecção relacionada à Assistência à Saúde - IrAS - versão Agencia Nacional de Vigilância Sanitária. BRANDÃO, Fernanda Holanda de Vasconcelos. Definindo a responsabilidade civil no cenário atual. In: Âmbito Jurídico, Rio Grande, XIV, n. 84, jan Disponível em: <http://www.ambito-juridico.com.br/site/? n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=8874>. Acesso em: 14 out DEVOS, Rafael. A Responsabilidade Civil Hospitalar em Decorrência de Internação determinada por Provimento Judicial para Paciente de médicos não pertencentes ao corpo clínico. In: Âmbito Jurídico, Rio Grande, XI, n. 51, mar Disponível em: <http://www.ambito-juridico.com.br/site/? n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=5002>. Acesso em: 03 nov DINIZ, Maria Helena. Curso de Direito Civil Brasileiro Responsabilidade Civil. 28º ed. Saraiva FONSECA, Hugo Martinelli Ferreira da. A responsabilidade civil dos hospitais e a presunção do nexo causal nos casos de infecção hospitalar. Jus Navigandi, Teresina, ano 16, n Disponível em: <http://jus.com.br/artigos/18795>. Acesso em: 8 nov GOMES, Daniela Vasconcellos.; GEWEHR, Mathias Felipe. Responsabilidade civil dos estabelecimentos hospitalares em caso de infecção hospitalar. Revista do Curso de Direito da FSG Caxias do Sul ano 4 n. 7 jan./jun p GONÇALVES, Roberto Carlos. Direito Civil Brasileiro: Responsabilidade Civil. 9º ed. Saraiva, 2014 LEITÂO, Paulo. Responsabilidade Civil de Hospitais, Clínicas de Médicos e Cirurgiões Dentistas. Disponível em: <http://setorsaude.com.br/pauloleitao/2013/03/12/responsabilidade-civil-de-hospitais-

27 28 clinicas-de-medicos-e-cirurgioes-dentistas/ PAULO LEITÃO>. Acesso em: 15 set Oliveira R, Maruyama SAT. Controle de infecção hospitalar: histórico e papel do estado. Rev. Eletr. Enf. [Internet]. 2008; Disponível em: <http://www.fen.ufg.br/revista/v10/n3/v10n3a23.htm>. Acesso em: 01 Set RIBEIRO, Clara. Dicas para evitar infecções hospitalares. Disponível em: <http://revistavivasaude.uol.com.br/clinica-geral/dicas-para-evitar-infeccoeshospitalares/2476/>. Acesso em: 01 nov SILVA, Priscila Fernanda Da.; PADOVEZE, Maria Clara. Infecções Relacionadas A Serviços De Saúde, Orientação Para Público Em Geral. São Paulo: [s.n], 2008 SOUZA, Neri Tadeu Camara. Erro médico e hospital. In: Âmbito Jurídico, Rio Grande, VIII, n. 21, maio Disponível em: <http://www.ambitojuridico.com.br/site/index.php?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=662>. Acesso em out STOCO, Rui. Tratado de Responsabilidade Civil. 6. ed. Revista dos Tribunais p NERY JUNIOR, Nelson. Os princípios gerais do Código Brasileiro de Defesa do Consumidor.Revista de Direito do Consumidor, n. 3, 1992, p. 56. CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA ESTADO DE SÃO PAULO; MINISTÉRIO DA SAÚDE DO ESTADO DE SÃO PAULO. O Controle da Infecção Hospitalar no Estado de São Paulo. São Paulo SP, 2010

28 29 APÊNDICES APÊNDICE A FIGURA 1: INFECÇÃO HOSPITALAR...30 APÊNDICE B FIGURA 2: ATENDIMENTO PRONTO ATENDIMENTO...31 APÊNDICE C FIGURA 3: NÚMERO DE INTERNAÇÕES...32 APÊNDICE D MODELO DE QUESTIONÁRIO (COMISSÃO)...33 APÊNDICE E MODELO DE QUESTIONÁRIO (GESTORA DE FATURAMENTO)...34

29 30 Figura 1 - Santa Casa De Misericórdia De Palmital - SP INFECÇÃO HOSPITALAR Ano Referente Manual de Indicadores Pag. 29 Indica a Mediana do Hospital = 2% Fonte: CCIH da Santa Casa de Misericórdia de Palmital SP, 2014.

30 31 Figura 2: Santa Casa De Misericórdia De Palmital - SP Ano Atendimento Pronto Atendimento Referente Manual de Indicadores Pag. JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ Indica Mediana do Hospital = 2638 Fonte: CCIH da Santa Casa De Misericórdia De Palmital - SP

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO Artigo 1º Atendendo à Portaria de número

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 36, DE 25 DE JULHO DE 2013.

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 36, DE 25 DE JULHO DE 2013. ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 36, DE 25 DE JULHO DE

Leia mais

FABIANA PRADO DOS SANTOS NOGUEIRA CONSELHEIRA CRMMG DELEGADA REGIONAL UBERABA

FABIANA PRADO DOS SANTOS NOGUEIRA CONSELHEIRA CRMMG DELEGADA REGIONAL UBERABA FABIANA PRADO DOS SANTOS NOGUEIRA CONSELHEIRA CRMMG DELEGADA REGIONAL UBERABA FABIANA PRADO DOS SANTOS NOGUEIRA CONSELHEIRA CRMMG DELEGADA REGIONAL UBERABA Conjunto de normas que definem os aspectos da

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

Funcionamento das comissões hospitalares metropolitanas que funcionam sob a gestão do Imip RELATOR: Cons. Mauro Luiz de Britto Ribeiro

Funcionamento das comissões hospitalares metropolitanas que funcionam sob a gestão do Imip RELATOR: Cons. Mauro Luiz de Britto Ribeiro PARECER CFM nº 4/13 INTERESSADO: CRM-PE ASSUNTO: Funcionamento das comissões hospitalares metropolitanas que funcionam sob a gestão do Imip RELATOR: Cons. Mauro Luiz de Britto Ribeiro EMENTA: Em obediência

Leia mais

2. Quais os objetivos do Programa Nacional de Segurança do Paciente?

2. Quais os objetivos do Programa Nacional de Segurança do Paciente? O tema Segurança do Paciente vem sendo desenvolvido sistematicamente pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) desde sua criação, cooperando com a missão da Vigilância Sanitária de proteger

Leia mais

Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. CAPÍTULO I. Da Finalidade

Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. CAPÍTULO I. Da Finalidade Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei:

Leia mais

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO Art. 1º - Corpo Clínico é o conjunto de médicos que se propõe a assumir solidariamente a responsabilidade de prestar atendimento aos usuários que

Leia mais

29 a 30 de maio de 2008 RESPONSABILIDADE CIVIL E RELAÇÕES TRABALHISTAS. Fraiburgo Santa Catarina

29 a 30 de maio de 2008 RESPONSABILIDADE CIVIL E RELAÇÕES TRABALHISTAS. Fraiburgo Santa Catarina 29 a 30 de maio de 2008 RESPONSABILIDADE CIVIL E RELAÇÕES TRABALHISTAS Fraiburgo Santa Catarina A responsabilidade civil é a aplicação de medidas que obriguem uma pessoa a reparar o dano moral ou patrimonial

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO CFM

MINUTA DE RESOLUÇÃO CFM MINUTA DE RESOLUÇÃO CFM Dispõe sobre a normatização do funcionamento dos prontos-socorros hospitalares, assim como do dimensionamento da equipe médica e do sistema de trabalho. O Conselho Federal de Medicina,

Leia mais

DA RESPONSABILIDADE CIVIL DO MÉDICO por Jackson Domenico e Ana Ribeiro - RESPONSABILIDADE CIVIL OBJETIVA E SUBJETIVA

DA RESPONSABILIDADE CIVIL DO MÉDICO por Jackson Domenico e Ana Ribeiro - RESPONSABILIDADE CIVIL OBJETIVA E SUBJETIVA DA RESPONSABILIDADE CIVIL DO MÉDICO por Jackson Domenico e Ana Ribeiro - RESPONSABILIDADE CIVIL OBJETIVA E SUBJETIVA A responsabilidade civil tem como objetivo a reparação do dano causado ao paciente que

Leia mais

LEI Nº 467 DE 26 DE MARÇO DE 2014.

LEI Nº 467 DE 26 DE MARÇO DE 2014. LEI Nº 467 DE 26 DE MARÇO DE 2014. DISPÕE SOBRE O SERVIÇO VOLUNTÁRIO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE IRAMAIA, ESTADO DA BAHIA, no uso de suas atribuições legais, faz saber que a Câmara

Leia mais

Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências

Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências Decreto Nº 94.406 / 1987 (Regulamentação da Lei nº 7.498 / 1986) Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências O Presidente da

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS Atividade de intermediação de negócios imobiliários relativos à compra e venda e locação Moira de Toledo Alkessuani Mercado Imobiliário Importância

Leia mais

Relatório de Gestão da CCIH

Relatório de Gestão da CCIH Relatório de Gestão da CCIH 1 - Apresentação A Comissão de Controle de Infecção Hospitalar CCIH é formada por membros executores -01 enfermeira, 01 farmacêutica e 01 infectologista e consultoresrepresentantes

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA RESOLUÇÃO COEMA N 116, DE 03 DE JULHO DE 2014. Dispõe sobre as atividades de impacto ambiental

Leia mais

CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR É DEFICIENTE EM MAIS DE 90% DOS HOSPITAIS DE SÃO PAULO

CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR É DEFICIENTE EM MAIS DE 90% DOS HOSPITAIS DE SÃO PAULO CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR É DEFICIENTE EM MAIS DE 90% DOS HOSPITAIS DE SÃO PAULO 13/04/2009 Levantamento inédito sobre a situação do controle da infecção hospitalar realizado pelo Conselho Regional

Leia mais

MUNICÍPIO DE PANAMBI RS

MUNICÍPIO DE PANAMBI RS DECRETO MUNICIPAL Nº 064/2014, DE 02 DE JULHO DE 2014. REGULAMENTA A LEI MUNICIPAL 3.681/2013, INSTITUIDORA DO FUNDO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA PESSOA IDOSA E DA OUTRAS PROVIDENCIAS. Miguel Schmitt Prym,

Leia mais

Regulamenta o art. 26 da Lei n.º 10.205, de 21/3/2001 - Decreto 3990 de 30/10/2001

Regulamenta o art. 26 da Lei n.º 10.205, de 21/3/2001 - Decreto 3990 de 30/10/2001 Regulamenta o art. 26 da Lei n.º 10.205, de 21/3/2001 - Decreto 3990 de 30/10/2001 Ementa: Regulamenta o art. 26 da Lei n.º 10.205, de 21 de março de 2001, que dispõe sobre a coleta, processamento, estocagem,

Leia mais

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002.

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a Portaria GM/MS nº 866, de 09 de maio de 2002, que cria os mecanismos para organização

Leia mais

Brasília, 27 de maio de 2013.

Brasília, 27 de maio de 2013. NOTA TÉCNICA N o 20 /2013 Brasília, 27 de maio de 2013. ÁREA: Desenvolvimento Social TÍTULO: Fundo para Infância e Adolescência (FIA) REFERÊNCIAS: Lei Federal n o 4.320, de 17 de março de 1964 Constituição

Leia mais

Legislação Tributária ARRECADAÇÃO. Início dos Efeitos 10057/2014 14-02-2014 14-02-2014 1 14/02/2014 14/02/2014

Legislação Tributária ARRECADAÇÃO. Início dos Efeitos 10057/2014 14-02-2014 14-02-2014 1 14/02/2014 14/02/2014 Legislação Tributária ARRECADAÇÃO Ato: Lei Número/Complemento Assinatura Publicação Pág. D.O. Início da Vigência Início dos Efeitos 10057/2014 14-02-2014 14-02-2014 1 14/02/2014 14/02/2014 Ementa: Cria

Leia mais

PORTARIA Nº 876/GM, DE 16 DE MAIO DE 2013. p. DOU, Seção1, de 17.5.2013, págs. 135/136

PORTARIA Nº 876/GM, DE 16 DE MAIO DE 2013. p. DOU, Seção1, de 17.5.2013, págs. 135/136 PORTARIA Nº 876/GM, DE 16 DE MAIO DE 2013 p. DOU, Seção1, de 17.5.2013, págs. 135/136 Dispõe sobre a aplicação da Lei nº 12.732, de 22 de novembro de 2012, que versa a respeito do primeiro tratamento do

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VIII DA ORDEM SOCIAL CAPÍTULO II DA SEGURIDADE SOCIAL Seção II Da Saúde Art. 196. A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante

Leia mais

Área de conhecimento: Direito Eixo Temático: Direito Civil, Processo Civil e Tutela dos interesses coletivos, difusos e transindividuais

Área de conhecimento: Direito Eixo Temático: Direito Civil, Processo Civil e Tutela dos interesses coletivos, difusos e transindividuais 1 ASPECTOS GERAIS DA RESPONSABILIDADE CIVIL NA (NÃO) APLICABILIDADE DA RESPONSABILIDADE OBJETIVA NOS HOSPITAIS NO CASO DE INFECÇÃO HOSPITALAR Luana da Silva Kanieski 1 Área de conhecimento: Direito Eixo

Leia mais

LEI Nº 7.498, DE 25 DE JUNHO DE 1986

LEI Nº 7.498, DE 25 DE JUNHO DE 1986 LEI Nº 7.498, DE 25 DE JUNHO DE 1986 Dispõe sobre a regulamentação do exercício da enfermagem e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono

Leia mais

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde A Portaria MS nº 2616/98 define a Infecção Hospitalar (IH) como sendo aquela adquirida após a admissão do paciente e que se manifesta durante

Leia mais

A p s e p c e t c os o s Ju J r u ídi d co c s o s n a n V n e t n ilaç a ã ç o ã o M ec e â c n â i n ca

A p s e p c e t c os o s Ju J r u ídi d co c s o s n a n V n e t n ilaç a ã ç o ã o M ec e â c n â i n ca Aspectos Jurídicos na Ventilação Mecânica Prof. Dr. Edson Andrade Relação médico-paciente Ventilação mecânica O que é a relação médico-paciente sob a ótica jurídica? Um contrato 1 A ventilação mecânica

Leia mais

ESTADO DO ACRE PREFEITURA MUNICIPAL DE MÂNCIO LIMA GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 19/091 MÂNCIO LIMA ACRE, 06 DE NOVEMBRO DE 1991.

ESTADO DO ACRE PREFEITURA MUNICIPAL DE MÂNCIO LIMA GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 19/091 MÂNCIO LIMA ACRE, 06 DE NOVEMBRO DE 1991. LEI Nº 19/091 MÂNCIO LIMA ACRE, 06 DE NOVEMBRO DE 1991. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LUIS HELOSMAN DE FIGUEIREDO, PREFEITO MUNICIPAL DE MÂNCIO LIMA, ESTADO

Leia mais

Os serviços, objetos desse termo de referência, deverão ser desenvolvidos em 03 (três) etapas, conforme descrição a seguir:

Os serviços, objetos desse termo de referência, deverão ser desenvolvidos em 03 (três) etapas, conforme descrição a seguir: Termo de Referência 1. Objeto Contratação de empresa especializada em gestão de saúde para execução de atividades visando a reestruturação do modelo de atenção à saúde, objetivando diagnosticar novas proposituras

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA OBTER O TÍTULO DE UTILIDADE PÚBLICA

PROCEDIMENTOS PARA OBTER O TÍTULO DE UTILIDADE PÚBLICA PROCEDIMENTOS PARA OBTER O TÍTULO DE UTILIDADE PÚBLICA No Estado de São Paulo, a Lei Estadual n 2.574 de 4 de dezembro de 1980 estabelece normas para a declaração de utilidade pública. Cabe à Secreta a

Leia mais

PARECER CREMEC N.º 06/2014 14/03/2014

PARECER CREMEC N.º 06/2014 14/03/2014 PARECER CREMEC N.º 06/2014 14/03/2014 PROCESSO-CONSULTA PROTOCOLO CREMEC Nº 6566/08 ASSUNTO: RESPONSABILIDADE MÉDICA PARECERISTA: CÂMARA TÉCNICA DE AUDITORIA DO CREMEC EMENTA O ato médico é responsabilidade

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MORRINHOS Estado de Goiás LEI N. 1.233, DE 28 DE DEZEMBRO DE 1.993. O PREFEITO MUNICIPAL DE MORRINHOS,

PREFEITURA MUNICIPAL DE MORRINHOS Estado de Goiás LEI N. 1.233, DE 28 DE DEZEMBRO DE 1.993. O PREFEITO MUNICIPAL DE MORRINHOS, LEI N. 1.233, DE 28 DE DEZEMBRO DE 1.993. Institui o Fundo Municipal de Saúde e da outras providencias.. O PREFEITO MUNICIPAL DE MORRINHOS, Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu, Prefeito Municipal,

Leia mais

PORTARIA Nº 321, DE 29 DE SETEMBRO DE 2008

PORTARIA Nº 321, DE 29 DE SETEMBRO DE 2008 PORTARIA Nº 321, DE 29 DE SETEMBRO DE 2008 Regulamenta a gestão das condicionalidades do Programa Bolsa Família, revoga a Portaria/MDS nº 551, de 9 de novembro de 2005, e dá outras providências. O MINISTRO

Leia mais

IV FÓRUM ÉTICO LEGAL EM ANÁLISES CLÍNICAS

IV FÓRUM ÉTICO LEGAL EM ANÁLISES CLÍNICAS IV FÓRUM ÉTICO LEGAL EM ANÁLISES CLÍNICAS Brasília, 08 de junho de 2010. Cumprimento de Contratos das Operadoras com os Laboratórios Clínicos. DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO SETORIAL - DIDES Gerência de

Leia mais

Limpeza hospitalar *

Limpeza hospitalar * CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO São Paulo, março de 2009. Limpeza hospitalar * Limpeza hospitalar é o processo de remoção de sujidades de superfícies do ambiente, materiais e equipamentos,

Leia mais

A SEGURADORA GLOBAL DE CONFIANÇA

A SEGURADORA GLOBAL DE CONFIANÇA A SEGURADORA GLOBAL DE CONFIANÇA RESPONSABILIDADE CIVIL Principais Características ÍNDICE O que é RC Riscos Excluídos Forma de Contratação e Prescrição O que é a Responsabilidade Civil Responsabilidade

Leia mais

Trabalho de Conclusão do Curso de Direito Sanitário

Trabalho de Conclusão do Curso de Direito Sanitário 201 Trabalho de Conclusão do Curso de Direito Sanitário Débora Maria Barbosa Sarmento 1 Apesar de o homem desde a Antiguidade reconhecer a importância da saúde, o Estado Moderno, na consagração das declarações

Leia mais

Código de Ética da Psicopedagogia

Código de Ética da Psicopedagogia Código de Ética da Psicopedagogia O Código de Ética tem o propósito de estabelecer parâmetros e orientar os profissionais da Psicopedagogia brasileira quanto aos princípios, normas e valores ponderados

Leia mais

LEI Nº 4.254 DE 12 DE NOVEMBRO DE 2010

LEI Nº 4.254 DE 12 DE NOVEMBRO DE 2010 LEI Nº 4.254 DE 12 DE NOVEMBRO DE 2010 Cria cargos de provimento efetivo de Agente de Combate a Endemias, Auxiliar de Tesouraria, Farmacêutico e Fiscal Ambiental. Bel. PEDRO PAULO PREZZOTTO, Prefeito Municipal

Leia mais

LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009.

LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009. LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009. DISPÕE SOBRE A REESTRUTURAÇÃO DO DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE SAÚDE, CRIAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA E DESENVOLVIMENTO SOCIAL, DA DIVISÃO DE MEIO-AMBIENTE E

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 83, DE 30 DE OUTUBRO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 83, DE 30 DE OUTUBRO DE 2014 RESOLUÇÃO Nº 83, DE 30 DE OUTUBRO DE 2014 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sessão de 30/10/2014, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo Artigo 19, Inciso XVII do

Leia mais

RECOMENDAÇÃO CONJUNTA Nº. 03/09

RECOMENDAÇÃO CONJUNTA Nº. 03/09 RECOMENDAÇÃO CONJUNTA Nº. 03/09 O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS, pelos Promotores de Justiça que esta subscrevem, nos termos do artigo 129, inciso IX da Constituição Federal de 1988, do artigo

Leia mais

ARQUITETURA E URBANISMO 1º SEMESTRE

ARQUITETURA E URBANISMO 1º SEMESTRE ARQUITETURA E URBANISMO 1º SEMESTRE AULA 04 INTRODUÇÃO AO EXERCÍCIO PROFISSIONAL DOCENTE: ROSEMARI VIEIRA BRAGANÇA ARQUITETO E URBANISTA RESPONSABILIDADES E OBRIGAÇÕES ÉTICA RESPONSABILIDADE TÉCNICA RESPONSABILIDADE

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 303, DE 2013

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 303, DE 2013 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 303, DE 2013 Dispõe sobre a destinação dos recursos recuperados por meio de ações judiciais para o Fundo Nacional de Saúde e o Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: 1 Lei Nº 7.498/86 Dispõe sobre a regulamentação do exercício da Enfermagem e dá outras providências O presidente da República, Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Leia mais

Resolução nº 1488/98 do Conselho Federal de Medicina

Resolução nº 1488/98 do Conselho Federal de Medicina Resolução nº 1488/98 do Conselho Federal de Medicina Deveres dos médicos com relação à saúde do trabalhador Versa sobre normas específicas para médicos que atendam o trabalhador Fonte: Diário Oficial da

Leia mais

Profilaxia das alegações de erro médico. Paulo Afonso - BA

Profilaxia das alegações de erro médico. Paulo Afonso - BA Profilaxia das alegações de erro médico Paulo Afonso - BA Princípios Fundamentais do CEM I - A Medicina é uma profissão a serviço da saúde do ser humano e da coletividade e será exercida sem discriminação

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648 Página: 1/4 1- OBJETIVO Definir estratégias para garantir a segurança do paciente, visando minimizar os riscos durante os processos associados aos cuidados de saúde através da implementação de boas práticas

Leia mais

LEI Nº 358/2011. Súmula: Institui o Fundo Municipal de Saúde e dá outras providências. Capitulo I. Objetivos

LEI Nº 358/2011. Súmula: Institui o Fundo Municipal de Saúde e dá outras providências. Capitulo I. Objetivos LEI Nº 358/2011 Faço saber a todos os habitantes que a Câmara Municipal de Cafeara, Estado do Paraná aprovou e eu sanciono a presente Lei, que revoga a Lei nº. 084/92 de 17/09/1992. Súmula: Institui o

Leia mais

GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM MACEIÓ CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RECOMENDAÇÃO Nº 02, DE 02 DE MARÇO DE 2005

GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM MACEIÓ CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RECOMENDAÇÃO Nº 02, DE 02 DE MARÇO DE 2005 GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM MACEIÓ CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RECOMENDAÇÃO Nº 02, DE 02 DE MARÇO DE 2005 O Plenário do Conselho de Previdência Social em sua 6ª Reunião Ordinária, realizada em 02/03/2005,

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO

DIREITO ADMINISTRATIVO DIREITO ADMINISTRATIVO RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO Atualizado até 13/10/2015 RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO NOÇÕES INTRODUTÓRIAS Quando se fala em responsabilidade, quer-se dizer que alguém deverá

Leia mais

Relatório de Gestão da CCIH

Relatório de Gestão da CCIH Relatório de Gestão da CCIH 1 - Apresentação A Comissão de Controle de Infecção Hospitalar CCIH é formada por membros executores -01 Enfermeira, 01 Farmacêutica e 01 Medico Infectologista e consultores-representantes

Leia mais

PORTARIA Nº 1.944, DE 27 DE AGOSTO DE 2009

PORTARIA Nº 1.944, DE 27 DE AGOSTO DE 2009 PORTARIA Nº 1.944, DE 27 DE AGOSTO DE 2009 Institui no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições

Leia mais

Dispõe sobre a regulamentação do exercício da Enfermagem e dá outras providências

Dispõe sobre a regulamentação do exercício da Enfermagem e dá outras providências Dispõe sobre a regulamentação do exercício da Enfermagem e dá outras providências O presidente da República. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º - É livre

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA RESOLUÇÃO CFM nº 1.488/1998 (Publicada no D.O.U.,de 06 março 1998, Seção I, pg.150 ) Modificada pela Resolução CFM n. 1.810/2006 Modificada pela Resolução CFM nº 1.940/2010

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012.

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. Dispõe sobre concessão de incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no âmbito do Estado do Rio Grande do Norte.

Leia mais

Ementa: Apresentação da declaração de bens e rendas. Lei 8.730/93. Lei 8.429/92. Instrução Normativa do TCU nº 65, de 20 de abril de 2011.

Ementa: Apresentação da declaração de bens e rendas. Lei 8.730/93. Lei 8.429/92. Instrução Normativa do TCU nº 65, de 20 de abril de 2011. Nota Técnica n 01/2011 Ementa: Apresentação da declaração de bens e rendas. Lei 8.730/93. Lei 8.429/92. Instrução Normativa do TCU nº 65, de 20 de abril de 2011. Obrigatoriedade. 1. No dia 03.05.2011 o

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GOTARDO CNPJ: 18.602.037/0001-55 Insc. Est. Isento São Gotardo Minas Gerais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GOTARDO CNPJ: 18.602.037/0001-55 Insc. Est. Isento São Gotardo Minas Gerais LEI COMPLEMENTAR Nº.132, DE 02 DE MARÇO DE 2015. Dispõe sobre a criação e extinção de cargos em comissão de livre provimento e exoneração sem aumento da despesa e dá outras providências. O povo do Município

Leia mais

FENASAN XXI Feira Nacional de Saneamento e Meio Ambiente XXI Encontro Técnico AESABESP 11.08.10

FENASAN XXI Feira Nacional de Saneamento e Meio Ambiente XXI Encontro Técnico AESABESP 11.08.10 FENASAN XXI Feira Nacional de Saneamento e Meio Ambiente XXI Encontro Técnico AESABESP 11.08.10 Gustavo Justino de Oliveira Pós Doutor em Direito Administrativo Universidade de Coimbra Professor de Direito

Leia mais

NR4- SESMT. Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho. Alunos:

NR4- SESMT. Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho. Alunos: NR4- SESMT Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho UFMS Faculdade de Engenharia Civil Prof. MSc. Elizabeth Spengler Cox e M. Leite Alunos: Jeverson Vasconcelos de Souza

Leia mais

LEI Nº 6.583, DE 20 DE OUTUBRO DE 1978

LEI Nº 6.583, DE 20 DE OUTUBRO DE 1978 LEI Nº 6.583, DE 20 DE OUTUBRO DE 1978 Cria os Conselhos Federal e Regionais de Nutricionistas, regula o seu funcionamento, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

Cadastramento dos doadores de sangue - Decreto-Lei 95721 de 11/2/1988

Cadastramento dos doadores de sangue - Decreto-Lei 95721 de 11/2/1988 Cadastramento dos doadores de sangue - Decreto-Lei 95721 de 11/2/1988 Ementa: Regulamenta a Lei n.º 7.649, de 25 de janeiro de 1988, que estabelece a obrigatoriedade do cadastramento dos doadores de sangue

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL E TERRITÓRIOS

MINISTÉRIO PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL E TERRITÓRIOS ACORDO JUDICIAL Firmado entre o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios, através da Promotoria de Justiça de Defesa da Educação, e o Distrito Federal, por sua Secretaria de Estado de Educação,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 A PRESIDENTE EM EXERCÍCIO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA, no uso de suas atribuições legais e CONSIDERANDO que as entidades da Administração Pública Federal indireta

Leia mais

Conflitos entre o Processo Penal E o Processo Administrativo sob O ponto de vista do médico. Dr. Eduardo Luiz Bin Conselheiro do CREMESP

Conflitos entre o Processo Penal E o Processo Administrativo sob O ponto de vista do médico. Dr. Eduardo Luiz Bin Conselheiro do CREMESP Conflitos entre o Processo Penal E o Processo Administrativo sob O ponto de vista do médico Dr. Eduardo Luiz Bin Conselheiro do CREMESP PRÁTICA MÉDICA A prática médica se baseia na relação médicopaciente,

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE DE MAIO DE 2011. (Do Sr. PENNA)

PROJETO DE LEI Nº, DE DE MAIO DE 2011. (Do Sr. PENNA) PROJETO DE LEI Nº, DE DE MAIO DE 2011. (Do Sr. PENNA) Dispõe sobre a regulamentação do exercício profissional de Designer, e dá providências. O Congresso Nacional decreta: Capítulo I Caracterização e atribuições

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Fica alterado o Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Psicologia, do. São Paulo, 26 de abril de 2012.

R E S O L U Ç Ã O. Fica alterado o Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Psicologia, do. São Paulo, 26 de abril de 2012. RESOLUÇÃO CONSEACC/SP 04/2012 ALTERA O REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA, DO CAMPUS SÃO PAULO DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO USF. A Presidente do Conselho Acadêmico de Campus

Leia mais

******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007

******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007 ******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007 ********************************************************************************

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 2.031, DE 23 DE SETEMBRO DE 2004

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 2.031, DE 23 DE SETEMBRO DE 2004 Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 2.031, DE 23 DE SETEMBRO DE 2004 Dispõe sobre a organização do Sistema Nacional de Laboratórios de Saúde Pública. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no

Leia mais

Diário Oficial Imprensa Nacional

Diário Oficial Imprensa Nacional Diário Oficial Imprensa Nacional REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL BRASÍLIA - DF Nº 115 16/06/11 Seção 1 - p.164 CONSELHO FEDERAL DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL RESOLUÇÃO Nº 387, DE 8 DE JUNHO DE 2011

Leia mais

CAPÍTULO I DA FINALIDADE

CAPÍTULO I DA FINALIDADE LEI Nº 1.392, DE 11 DE SETEMBRO DE 2009. DISPÕE SOBRE A POLÍTICA MUNICIPAL DO IDOSO, CRIA O CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO E O FUNDO MUNICIPAL DOS DIREITOS DO IDOSO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. (Alterado pela

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME DOU de 27/08/2015 (nº 164, Seção 1, pág. 73) GABINETE DA MINISTRA PORTARIA Nº 81, DE 25 DE AGOSTO DE 2015 Altera as Portarias nº 754, de 20 de outubro

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 6.872, DE 2013 (Do Sr. Ricardo Izar)

PROJETO DE LEI N.º 6.872, DE 2013 (Do Sr. Ricardo Izar) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 6.872, DE 2013 (Do Sr. Ricardo Izar) Altera o 2º, do art. 15, da Lei nº 10.741, de 1º de outubro de 2003, para dispensação de fraldas geriátricas por intermédio

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO TRANS-MUX (EXPLORAÇÃO INDUSTRIAL DE LINHA DEDICADA EILD) ANEXO 3 TERMO DE COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO TRANS-MUX (EXPLORAÇÃO INDUSTRIAL DE LINHA DEDICADA EILD) ANEXO 3 TERMO DE COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO TRANS-MUX (EXPLORAÇÃO INDUSTRIAL DE LINHA DEDICADA EILD) ANEXO 3 TERMO DE COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE 1. OBJETIVO Este Anexo ao Contrato de Prestação de Serviço TRANS-MUX

Leia mais

CONTRATO PARA REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR

CONTRATO PARA REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR CONTRATO PARA REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR Pelo presente instrumento particular e na melhor forma de direito, de um lado,, com sede a, nº, na cidade de Pelotas, inscrita no CNPJ sob o nº, doravante

Leia mais

PORTARIA Nº 375, DE 10 DE MARÇO DE 2014

PORTARIA Nº 375, DE 10 DE MARÇO DE 2014 PORTARIA Nº 375, DE 10 DE MARÇO DE 2014 Regulamenta a aplicação das emendas parlamentares que adicionarem recursos à Rede SUS no exercício de 2014 para aplicação em obras de ampliação e construção de entidades

Leia mais

O DIREITO À SAÚDE. Prof. Msc. Danilo César Siviero Ripoli

O DIREITO À SAÚDE. Prof. Msc. Danilo César Siviero Ripoli O DIREITO À SAÚDE Prof. Msc. Danilo César Siviero Ripoli Previsão : Arts. 196 à 200 da CF. Art. 196. A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que

Leia mais

SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO DIRETRIZES BÁSICAS

SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO DIRETRIZES BÁSICAS SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO DIRETRIZES BÁSICAS Elaborado em: 05/01/2011 Autor: Borges 1.Introdução É comum entre empregadores e colaboradores que exerçam cargos de confiança a preocupação em gerir

Leia mais

Sistema Único de Saúde (SUS)

Sistema Único de Saúde (SUS) LEIS ORGÂNICAS DA SAÚDE Lei nº 8.080 de 19 de setembro de 1990 Lei nº 8.142 de 28 de dezembro de 1990 Criadas para dar cumprimento ao mandamento constitucional Sistema Único de Saúde (SUS) 1 Lei n o 8.080

Leia mais

PARECER COREN-SP 028/2014 CT PRCI n 100.954 Ticket n 280.428, 282.601, 283.300, 283.647, 284.499, 287.181, 290.827, 299.421

PARECER COREN-SP 028/2014 CT PRCI n 100.954 Ticket n 280.428, 282.601, 283.300, 283.647, 284.499, 287.181, 290.827, 299.421 PARECER COREN-SP 028/2014 CT PRCI n 100.954 Ticket n 280.428, 282.601, 283.300, 283.647, 284.499, 287.181, 290.827, 299.421 Ementa: Realização de treinamentos, palestras, cursos e aulas por profissionais

Leia mais

o artigo 13, VIII do Estatuto da UEPG;

o artigo 13, VIII do Estatuto da UEPG; Certifico que a presente Resolução foi disponibilizada neste local no dia 05/12/2014 Graziela de Fátima Rocha Secretaria da Reitoria RESOLUÇÃO UNIV. N o 43, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014. Aprova o Regimento

Leia mais

Registro de Empresas nos Conselhos de Medicina - Resolução: 1626 de 23/10/2001

Registro de Empresas nos Conselhos de Medicina - Resolução: 1626 de 23/10/2001 Registro de Empresas nos Conselhos de Medicina - Resolução: 1626 de 23/10/2001 Ementa: Dispõe sobre as instruções para Registro de Empresas nos Conselhos de Medicina. Fonte: CFM O Conselho Federal de Medicina,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 883, DE 5 DE JULHO DE 2010

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 883, DE 5 DE JULHO DE 2010 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 883, DE 5 DE JULHO DE 2010 Regulamenta o Decreto nº 7.082, de 27 de janeiro de 2010, que institui o Programa Nacional de Reestruturação

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios LEI N. 1.343, DE 21 DE JULHO DE 2000 Institui a Política Estadual do Idoso - PEI e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que a Assembléia Legislativa do Estado

Leia mais

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778 ORGANIZAÇÃO DAS AÇÕES EM SAÚDE DO TRABALHADOR NA ATENÇÃO BÁSICA NOS MUNICÍPIOS DA 20ª REGIONAL DE SAÚDE DO PARANÁ 1 Viviane Delcy da Silva 2 Neide Tiemi Murofuse INTRODUÇÃO A Saúde do Trabalhador (ST)

Leia mais

O que é Saúde Complementar

O que é Saúde Complementar O que é Saúde Complementar A Lei 9.656/1998 define Operadora de Plano de Assistência à Saúde como sendo a pessoa jurídica constituída sob a modalidade de sociedade civil ou comercial, cooperativa, ou entidade

Leia mais

PROJETO DE LEI 01-0378/2009 dos Vereadores Claudio Fonseca (PPS) e Jose Police Neto (PSD) Consolida a legislação municipal sobre alimentação escolar,

PROJETO DE LEI 01-0378/2009 dos Vereadores Claudio Fonseca (PPS) e Jose Police Neto (PSD) Consolida a legislação municipal sobre alimentação escolar, PROJETO DE LEI 01-0378/2009 dos Vereadores Claudio Fonseca (PPS) e Jose Police Neto (PSD) Consolida a legislação municipal sobre alimentação escolar, no Município de São Paulo, como um direito constitucional

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 529, DE 1º DE ABRIL DE 2013

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 529, DE 1º DE ABRIL DE 2013 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 529, DE 1º DE ABRIL DE 2013 Institui o Programa Nacional de Segurança do

Leia mais

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art. 1º A Auditoria Interna do IF Sudeste de Minas Gerais, está vinculada ao Conselho Superior,

Leia mais

LEGISLAÇÃO APLICADA A AQUICULTURA

LEGISLAÇÃO APLICADA A AQUICULTURA LEGISLAÇÃO APLICADA A AQUICULTURA C O N T E Ú D O : N O Ç Õ E S D E D I R E I T O : I N T R O D U Ç Ã O A O E S T U D O D O D I R E I T O A M B I E N T A L C A R A C T E R Í S T I C A S D A L E G I S L

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA NIT

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA NIT RESOLUÇÃO CONSU Nº. 33/21 DE 3 DE AGOSTO DE 21. A Presidente do Conselho Superior Universitário da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, no uso de suas atribuições regimentais, e consequente

Leia mais

NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2)

NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2) Página 1 de 6 NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2) 7.1. Do objeto. 7.1.1. Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece a obrigatoriedade de elaboração e implementação, por parte

Leia mais

Responsabilidade Civil dos Administradores das Sociedades. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Responsabilidade Civil dos Administradores das Sociedades. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Responsabilidade Civil dos Administradores das Sociedades Administrador Administrador é a pessoa a quem se comete a direção ou gerência de qualquer negócio ou serviço, seja de caráter público ou privado,

Leia mais

Programa Nacional de Controle do Tabagismo AMBIENTE LIVRE DO TABACO

Programa Nacional de Controle do Tabagismo AMBIENTE LIVRE DO TABACO Programa Nacional de Controle do Tabagismo AMBIENTE LIVRE DO TABACO Coordenação de Vigilância em Saúde do Trabalhador Gerência de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador Superintendência de

Leia mais

7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil. Tópicos Especiais em Direito Civil

7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil. Tópicos Especiais em Direito Civil 7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil Tópicos Especiais em Direito Civil Introdução A Responsabilidade Civil surge em face de um descumprimento obrigacional pela desobediência de uma regra estabelecida

Leia mais

PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR PCIH. Orientações

PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR PCIH. Orientações PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR PCIH Orientações O que é o PCIH Considera-se Programa de Controle de Infecção Hospitalar o conjunto de ações desenvolvidas deliberada e sistematicamente, com

Leia mais

NOTA TÉCNICA 02 2014

NOTA TÉCNICA 02 2014 NOTA TÉCNICA 02 2014 DEFINIÇÃO DAS AÇÕES E SERVIÇOS DE SAÚDE VOLTADOS PARA VIGILÂNCIA, PREVENÇÃO E CONTROLE DE ZOONOSES E DE ACIDENTES CAUSADOS POR ANIMAIS PEÇONHENTOS E VENENOSOS, DE RELEVÂNCIA PARA A

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM PERNAMBUCO 3º OFÍCIO DA TUTELA COLETIVA

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM PERNAMBUCO 3º OFÍCIO DA TUTELA COLETIVA Inquérito Civil: 1.26.000.002934/2014-28. PROMOÇÃO DE ARQUIVAMENTO Nº 207/2015 Trata-se de inquérito civil instaurado com base em representação formulada pelo Exmo. Procurado da República Alfredo Falcão

Leia mais

Tema: Perícia Médica do Instituto Nacional do Seguro Social

Tema: Perícia Médica do Instituto Nacional do Seguro Social Novo Código de Ética Médico e Saúde do Trabalhador Tema: Perícia Médica do Instituto Nacional do Seguro Social Realização: DIESAT Apoio: Fundacentro São Paulo, 22 jun 2010 Os dilemas, os sensos, os consensos,

Leia mais