Resumos. Coordenação. - Alcione Torres Ribeiro. Comitê Científico

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Resumos. Coordenação. - Alcione Torres Ribeiro. Comitê Científico"

Transcrição

1 s Coordenação - Alcione Torres Ribeiro Comitê Científico - Esp. Eliana Sardinha da Silva - Esp. Karina Novaes dos Santos - Dr. Nemésio Matos de Oliveira Neto - Dr. Renê Alexandre Giampedro - Esp. Siméia dos Santos Cerqueira

2 Experimentos 1

3 E01 A VELA MÁGICA Mateus S. Santos 1, Felipe C. Lopes 1, Luan Henrique Oliveira 1 1 Colégio Estadual Regis Pacheco, CEP , Jequié-BA O experimento está diretamente relacionado com a Lei Geral dos Gases em que se observam uma série de relações entre a temperatura, pressão e volume. Mas qual a relação desse experimento que faz a água subir com a Lei Geral dos Gases? Quando se coloca uma garrafa ou um frasco erlenmeyer (como no experimento) sobre uma vela acesa, o ar frio que está dentro do frasco é liberado dando lugar ao ar quente. Nesse momento ocorre uma diminuição do oxigênio dentro do frasco por causa da combustão da vela, e a sua chama se apaga. A temperatura começa a diminuir proporcionalmente com pressão e a pressão que está presente dentro do frasco compete com a pressão atmosférica que está fora que é mais forte, ou seja, a pressão atmosférica empurra o líquido para dentro do frasco fazendo a água subir. Com esse experimento é possível comprovar a regra da Lei Geral dos Gases, em que a pressão é proporcional á temperatura. Palavras-chave: temperatura, pressão, volume 2

4 E02 DISSOLVENDO ISOPOR EM ACETONA Antonio Carlos Santos Felix 1, Marcelo Nunes 1, Vagner Silva 1, Marcus Souza 1 1 Depto de Química e Exatas, DQE UESB, Jequié-BA O objetivo desta prática é provar o que se vê na teoria, onde, os compostos polares dissolvem compostos polares e apolares dissolvem apolares, por ocorrer a quebra em partes dos polímeros em monômero. Ao mergulhar o pedaço de isopor na acetona, ele libera todo o ar pressionado em seu interior na forma de gás carbônico, transformando-se em uma pasta. Por que isso ocorre? Os dois compostos, acetona e isopor, são apolares: Semelhante dissolve semelhante, portanto, isopor se dissolve em acetona. Sob a ação da acetona, o isopor toma a forma pastosa, moldando-se com facilidade em torno de um molde, neste caso o recipiente. Ao se resfriar, o produto readquire o estado sólido. Palavras-chave: isopor, acetona, polaridade 3

5 E03 MURCHANDO A LATA Eliana Sardinha da Silva 1, Joaquim Xavier Miranda Botelho 2, Ádila de Souza Brito 1, Priscilla Brito dos Santos 1, Jaqueline Santos dos Passos 1 1 Colégio Estadual Doutor Milton Santos, CEP , Jequié-BA 2 Depto de Química e Exatas, DQE UESB, Jequié-BA O presente trabalho visa demonstrar um fenômeno físico, envolvendo a diminuição da pressão interna no interior de uma lata, a qual é ocasionada pela diminuição do volume do espaço vazio da lata e a compreensão dos educados de conteúdos como construtor de seu conhecimento, de forma que o conhecimento científico prevaleça. Além do conteúdo pressão, pode-se trabalhar temperatura de ebulição e mudanças de estado físico. O material utilizado é acessível, reutilizando-se lata de alumínio usada, que após o experimento podem ser destinadas aos catadores de materiais recicláveis. Também é possível relacionar alguns cuidados que devemos ter com nosso corpo, como não escovar os dentes logo após a ingestão de líquidos quentes. Esta apresentação é parte dos trabalhos desenvolvidos em parceria com o LADIQ (Laboratório de Divulgação Química do Sudoeste da Bahia) e o Projeto POP - Pesquisa Científica da FABESB (Fundação de Amparo à Pesquisa do Sudoeste da Bahia). Palavras-chave: pressão, estados físicos, ebulição 4

6 E04 FÍSICA APLICADA AO ABAJUR Candido Requião Ferreira 1, Antonio Carlos Santos Felix 1, Marcelo Nunes 1, Vagner Silva 1, Marcus Souza 1 1 Depto de Química e Exatas, DQE UESB, Jequié-BA O abajur de convecção é um aparato desenvolvido para apresentação em feiras de ciências, mas que também é usado comercializado para como ornamento em residências. O aparato usado no estudo é composto de um cilindro de papel, assentado em uma estrutura de aço, em uma base de madeira, um suporte para lâmpada que, ao ser ligado, proporciona um movimento de rotação sem uso de motores, mas aproveitando a energia térmica de convecção. O objetivo deste trabalho é apresentar a física envolvida no processo, mostrando as diversas formas de conversão de energia do abajur, como instrumento didático para o entendimento. Palavras-chave: física, abajur 5

7 E05 SANGUE DO DIABO Mauricio Ribeiro Andrade 1, Maryerânsley Nunes de Sá Reis 1, Maicon Matos Lopes 1 1 Colégio Estadual Regis Pacheco, CEP , Jequié-BA O experimento envolve o conteúdo de Química: Ácidos e bases. O nome Sangue do diabo parece assustador, mas se trata de uma inocente solução de cor avermelhada. Ela se classifica como uma base fraca e solúvel em água, seu ingrediente básico é hidróxido de amônio (NH 3 ), conhecido também como amoníaco. Foi batizada de Sangue do diabo por fazer parte de uma brincadeira maldosa: se você atirar a solução sobre tecido branco vai provocar uma mancha vermelha. Por esta propriedade o Sangue do diabo pode ser lançado sobre pessoas e as assustarem em razão da suposição de suas roupas terem sido danificadas, o que não é verdade. Hidróxido de amônio é um composto instável que se decompõe rapidamente em amônia e água, a amônia por sua vez se evapora muito rapidamente. Sendo assim, mesmo que a solução tenha manchado todo o tecido, passados alguns instantes o líquido fica incolor e a roupa volta ao estado normal sem deixar nenhum vestígio. Palavras-chave: ácido, base, indicador 6

8 E06 SISTEMA EXCRETOR CARVÃO ATIVADO X CARAVÃO VEGETAL Gabriel Silva Santos 1, Kauã Nascimento S. Oliveira 1, Ícaro Fernando R. dos Santos 1 1 Colégio Estadual Presidente Medici, CEP , Jequié-BA Designa-se como sistema excretor, qualquer conjunto de órgão que elimina o que o corpo não necessita. Num organismo, é responsável pela filtragem de sangue, regulação do teor de água e sais minerais e eliminação de resíduos nitrogenados. No experimento será usado carvão vegetal e carvão ativado para mostrar como acontece o processo de filtragem de resíduos feito pelos rins. O carvão ativado cumpre a função de adsorver, ele retém as impurezas. Já o carvão vegetal não possui o mesmo poder de adsorção deixando passar por ele as impurezas. O objetivo desse experimento é demonstrar como funciona o processo de filtragem dos rins, onde o rim saudável elimina impurezas pela urina, uma vez que, quando não trabalham adequadamente as impurezas não são eliminadas. Palavras-chave: sistema excretor, carvão ativado, carvão vegetal 7

9 E07 TINTA INVISÍVEL Daires Santos Souza 1, Fabrício Dias Salomão Nascimento 1, Ruth de Cássia Oliveira Santos 1 e Thais Souza dos Santos 1. 1 Colégio Estadual Anita Rabelo Ribeiro, CEP , Jequié-BA Os indicadores químicos são substâncias através das quais é possível observar o desenvolvimento de uma reação química. O experimento proposto tem com objetivo demonstrar como funciona um indicador. Na experiência, utiliza-se maisena (amido) e tintura de iodo (indicador). O iodo é um ótimo indicador da presença do amido. Quando os dois são misturados, o iodo entra na molécula do amido e é criado um complexo químico que tem coloração azul intensa. Palavras-chave: indicador, maisena, iodo 8

10 E08 PASTA DE DENTE DE ELEFANTE Carina Pereira de Souza 1, Denise Barbosa dos Santos 1, Thais Kelly dos Santos Pereira da Silva 1 e Darlan Oliveira dos Santos 1. 1 Colégio Estadual Anita Rabelo Ribeiro Tal, CEP , Jequié-BA Denomina-se catalisador, a substância que aumenta a velocidade de uma reação, sem ser consumido durante o processo. O experimento proposto tem como objetivo demonstrar a reação de decomposição da água oxigenada, de fórmula química H 2 O 2, acelerando a reação através de um catalisador, o iodeto de potássio. Para facilitar a visualização usa-se corante e detergente. O Iodeto de potássio é utilizado como catalisador da reação: H 2 O 2 + I - H 2 O + OI - H 2 O 2 + OI - H 2 O + I - + O 2. Palavras-chave: catalisador, reação, decomposição 9

11 E09 ASSOPRO MÁGICO Eliana Sardinha da Silva 1, Joaquim Xavier Miranda Botelho 2, Cristiane Regina Moreira Gomes 1, Manoella Fernanda Almeida Silva 1, Patrícia Silva Santos 1 1 Colégio Estadual Doutor Milton Santos, CEP , Jequié-BA 2 Depto de Química e Exatas, DQE UESB, Jequié-BA O presente trabalho objetiva evidenciar uma reação química entre um óxido ácido (CO 2 ) e uma base (NaOH), formando como produto um sal com propriedades ácidas e a água. O ar que expiramos contém gás carbônico, por isso ao assoprarmos através de um canudinho na solução de hidróxido de sódio, que na presença do indicador fenolftaleína apresenta a coloração rósea, ocorrendo uma reação entre a base e o óxido ácido, tornando a solução incolor. O gás carbônico torna a solução ácida. Além do indicador fenolftaleína outros indicadores com o azul de bromotimol e o alaranjado de metila serão utilizados. Através deste simples e acessível experimento é possível contextualizar o conteúdo reações químicas, tornando-o mais próximo do educandos. Esta apresentação é parte dos trabalhos desenvolvidos em parceria com o LADIQ (Laboratório de Divulgação Química do Sudoeste da Bahia) e o Projeto POP - Pesquisa Científica da FABESB (Fundação de Amparo à Pesquisa do Sudoeste da Bahia). Palavras-chave: base, indicadores, gás carbônico 10

12 E10 QUEIMA, MAS NÃO QUEIMA Eliana Sardinha da Silva 1, Joaquim Xavier Miranda Botelho 2, Naiane Rodrigues dos Santos 1, Nathália Silva Santos 1 1 Colégio Estadual Doutor Milton Santos, CEP , Jequié-BA 2 Depto de Química e Exatas, DQE UESB, Jequié-BA O trabalho em questão objetiva evidenciar uma reação química de combustão, na qual o álcool e o papel na presença de oxigênio são inflamáveis e a água não. O papel é molhado no álcool isopropílico e água, o qual ao ser aquecido na presença do oxigênio entra em combustão. No entanto, a água absorve o calor do papel e apenas o álcool é queimado. Trata-se também, de uma reação exotérmica, na qual corre liberação de calor, o qual é por sua vez absorvido pela água e assim não há calor suficiente para queimar o papel, uma vez que o álcool é consumido antes da água. Por meio deste experimento é possível destacar o cuidado que as pessoas devem ter ao guardar materiais inflamáveis. Esta apresentação é parte dos trabalhos desenvolvidos em parceria com o LADIQ (Laboratório de Divulgação Química do Sudoeste da Bahia) e o Projeto POP - Pesquisa Científica da FABESB (Fundação de Amparo à Pesquisa do Sudoeste da Bahia). Palavras-chave: oxigênio, inflamável, água 11

13 E11 CONSTRUÇAO DE BARQUINHO A VAPOR USANDO LATAS DE REFIGERANTE Klebson Souza Santos 2,Taionara Almeida Nery 1, Juliana Santos Silva 1, Jaqueline A. Souza Nascimento 1, Fábio Miranda Santana 1, Dilaine Suellen Caires Neves 3 1 Centro Estadual de Educação Profissional em Gestão e Tecnologia da Informação Regis Pacheco, CEP , Jequié-BA 2 PPG- Genética, Biodiversidade e Conservação, DCB UESB, Jequié-BA 3 Programa de Pós Graduação em Química, PPGQUI/DQE UESB, Jequié-BA Máquinas a vapor são usadas desde séculos passados, com o advento da vida moderna e a busca por facilitações no trabalho cotidiano, essas maquinas marcaram época na historia (com as grandes navegações), e impulsionou a ciência a ir cada vez mais longe, fazendo uso de calor de carvão mineral as varias maquinas da indústria têxtil, ferroviária entre outras, levou o progresso a varias populações ao redor do mundo. A construção do barco a vapor se deu pelo fato de busca por conhecimento da mecânica. O experimento foi realizado com auxilio do professor e de um vídeo disponível na rede mundial de computadores, no site Foram usadas latas de refrigerantes (feita de alumínio), isopor, cola quente, vela, canudos e elástico. O tempo de confecção dura de 1 a 3 horas, pois depende do tempo de secagem da cola e dos testes que devem ser feitos. Após tempo de secagem o barco pode ser usado em locais com águas mais calmas. Palavras-chave: alumínio, máquina a vapor, mecânica 12

14 E12 PRÁTICAS DE SALA DE AULA: PRODUÇAO DE SABÃO USANDO DIFERENTES FONTES DE GORDURAS GORDURAS REUTILIZADAS/FRANGO ASSADO Lorena Gonçalves da Silva 1, Gabriel Santos Silva 1, Jadiomar de Oliveira da Silva Jr 1, Klebson Souza Santos 2, Dilaine Suellen Caires Neves 3 1 Centro Est. de Educação Profissional em Gestão e T. I. Regis Pacheco, CEP , Jequié-BA 2 PPG- Genética, Biodiversidade e Conservação,PPGGBC/ DCB UESB, Jequié-BA 3 Programa de Pós Graduação em Química, PPGQUI/DQE UESB, Jequié-BA Para esse trabalho é apresentado uma maneira alternativa para a fabricação de sabões caseiros, a partir de gorduras reutilizadas e de frangos assados. A realização deste trabalho no Centro Est. de Educação Profissional em Gestão e T. I. Regis Pacheco, com alunos do modulo de ressignificação do aprendizado T03, onde possibilitou aos alunos presenciar a ocorrência de uma reação química de caráter acido/base gerando o sabão em barra um produto bastante utilizado. Para a produção de sabão a partir do óleo reutilizado foi usada um volume de aproximadamente 200,00mL de óleo, que foi levado para o aquecimento e em seguida foram adicionados 50,00mL de hidróxido de sódio e 30,00mL de álcool etílico. Lembrando que ao final foram adicionados 5,00mL de aromatizantes de morango e baunilha. Por fim o preparado foram acondicionados em vasos de margarina por um período de 3 semanas. Palavras-chave: reação química, sabão, meio ambiente 13

15 E13 COLUNA DE DENSIDADE Adilson de S. Santos¹, Cheilane Tavares de Souza¹, 1 Depto de Química e Exatas, DQE UESB, Jequié-BA O presente trabalho objetiva a demonstração de uma coluna de densidade feita somente com solução água-açúcar. Para tanto, serão preparadas soluções com diferentes concentrações, adicionando diferentes cores a cada solução com o objetivo de melhor visualizar a disposição das fases na referida coluna. A densidade de cada solução está relacionada à quantidade de soluto presente na solução, aumentando a quantidade de açúcar aumentará também a densidade da solução obtendo, desta forma, fases delimitadas pela diferença de densidade entre elas. O experimento é simples e constitui em um recurso didático importante para explicar o conceito de densidade para alunos de diversos níveis de ensino. Palavras-chave: coluna, densidade, açúcar 14

16 E14 REAÇÃO ALUMÍNIO E IODO Beatriz dos Santos 1, Dalila Almeida Silva 1 1 Depto de Química e Exatas, DQE UESB, Jequié-BA 2 Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, CEP , Jequié-BA Nesse experimento com alumínio e iodo, mostraremos como acontece uma reação exotérmica, ou seja, que libera calor. Para isso, utilizaremos alumínio em pó e iodo triturado, ambos misturados. Para a reação acontecer precisaremos aumentar sua energia de ativação onde uma gota de água quente já será suficiente. Essa é uma reação altamente exotérmica, então uma quantidade grande de fumaça sairá e a mesma terá a coloração roxa, evidenciando a sublimação do iodo. No final da reação haverá a formação do iodeto de alumínio. Palavras-chave: reação exotérmica, alumínio, iodo 15

17 E15 O LÍQUIDO QUE QUER SER SÓLIDO Berlane Gomes Santos 1, Amanda Almeida da Silva 1, Ediene Ferreira Melo, 1 Hion Oliveira de Jesus 1, Rivaldo Lopes da Silva 1 1 Depto de Química e Exatas, DQE UESB, Jequié-BA O experimento tem como objetivo mostrar que uma solução formada pela mistura de amido de milho e água pode se comportar tanto como um líquido quanto como sólido. Esta pode ser identificada como fluido não newtoniano, no qual tem viscosidade que varia conforme o tempo ou quantidade de pressão. Quando o fluido sofre pressão, se apresenta duro como pedra, mas quando diminui a pressão exercida, este se apresenta no estado líquido, se assemelhando as características de areia movediça. Palavras-chave: fluido, pressão, estado físico 16

18 E16 CAMALEÃO QUÍMICO Cheilane Tavares de Souza¹, Luana Bastos Santos 1. 1 Depto de Química e Exatas, DQE UESB, Jequié-BA O experimento proposto tem por objetivo apresentar as reduções sofridas pelo permanganato, quando este se encontra em meio alcalino contendo açúcar. Isso ocorre porque no início da experiência o íon permanganato (MnO 4 ) tem a coloração violeta. Aos poucos, ele se transforma em manganato (MnO 2 4 ), que é verde, e dióxido de manganês (MnO 2 ), que é marrom.essa transformação química ocorre porque o permanganato é lentamente reduzido pelo açúcar em ambientes alcalinos. O açúcar é um composto orgânico, tendo muitos grupos-oh, ligados a átomos de carbono, que também têm um átomo de hidrogénio ligado diretamente a ele; com isso o açucar pode ser facilmente oxidado pelo permanganato que é um forte agente oxidante,conseuqnetemente osorre as reduções do permanganato, observadas através das mudanças de coloração. Palavras-chave: permanganato, oxi-redução. 17

19 E17 EXTRAÇÃO DE DNA VEGETAL Cinara Andrade Silva 1, Laís Machado de Souza 1, Tamires Andrade Nascimento 1, Danilo Barbosa Barreto 1 1 Depto de Ciências Biológicas, DCB UESB, Jequié-BA Esta prática tem como objetivo principal a obtenção do material genético e o conhecimento morfológico dos vegetais. Para se trabalhar o conhecimento morfológico dos vegetais, expõem-se os próprios vegetais utilizados na prática e discute-se oralmente durante o momento em que se cortam em pedacinhos tais alimentos. Já para extrair o DNA Vegetal, utiliza-se a seguinte metodologia: Em um copo, misture 150 ml de água, uma colher de sopa de detergente e uma colher de chá de sal de cozinha; em seguida adicione o vegetal picado (que pode ser banana, cebola, morango, repolho, etc.) e misture bem; logo após tampe o copo com filme plástico e deixe por 15 minutos em banho-maria a 60 C (também pode ser feito a temperatura ambiente); em seguida coe a mistura em filtro de papel para café e descarte o bagaço ; já no liquido adicione álcool lentamente e na parede do copo, o DNA imediatamente precipitará. Palavras-chave: extração, DNA, vegetal 18

20 E18 SINALIZADOR DE FUMAÇA COLORIDA UMA PROPOSTA NA UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS ALTERNATIVOS Daniel Moreira Araújo 1, Francis Pereira Nascimento 1, Caio Silva Assis Felix 1, Diego Moreno Neiva Pereira 1. 1 Depto. de Química e Exatas, DQE UESB, Jequié-BA No mundo do trabalho e dos esportes, a sinalização desempenha um papel importante como forma de informar os vários riscos inerentes às suas atividades, conduzindo-os a atitudes preventivas e de proteção, reduzindo o risco de acidentes. Dentre as formas e dispositivos de sinalização existe o sinalizador de fumaça, que é uma sinalização de caráter acidental muito utilizado em eventos abertos, como em corridas de aventura na mata. Este tipo de sinalizador tem como função: - Atrair a atenção - distinguir localização - situações susceptíveis de provocar determinados riscos. Nosso sinalizador de fumaça teve como reagentes: salitre do Chile (encontrado em lojas de jardinagem); açúcar; bicarbonato de sódio (encontrado em qualquer farmácia) e corante (encontrado em papelarias e etc.). Durante a reação o nitrato é reduzido e a glicose é oxidada, formando vapor de água e dióxido de carbono: 12 NaNO 3 + C 6 H 12 O 6 6 CO H 2 O + 12 NaNO 2 O nitrato é um catalisador que acelera a reação de combustão da glicose. O bicarbonato de sódio é responsável pela maior formação de fumaça, pois nessa reação de combustão acontece a decomposição do bicarbonato de sódio com a evolução de dióxido de carbono (CO 2 ). Palavras-chave: sinalizador, materiais alternativos 19

21 E19 VULCÃO MISTERIOSO Eliana Sardinha da Silva 1, Joaquim Xavier Miranda Botelho 2, Aline Silva Santos 1, Silvio Coelho Lima 1 1 Colégio Estadual Doutor Milton Santos, CEP , Jequié-BA 2 Depto de Química e Exatas, DQE UESB, Jequié-BA O trabalho em questão visa demonstrar uma reação química de decomposição entre o dicromato de amônio e a fita de magnésio. Inicialmente adiciona-se o dicromato e em seguida joga-se um pedaço de fita de magnésio aquecido, a qual serve para produzir a chama, formando o óxido de cromo. Nesta reação ocorre um grande consumo do oxigênio e por isso a formação de um grande volume do óxido de cromo. O conteúdo reações química é de extrema importância para que os educandos estabeleçam relações entre a linguagem química, o qual se torna menos complicado quando realiza-se experimentos. Também é possível relacionar o conteúdo reações com os fenômenos do dia-a-dia como o enferrujamento do ferro e da lâmina de aço. Esta apresentação é parte dos trabalhos desenvolvidos em parceria com o LADIQ (Laboratório de Divulgação Química do Sudoeste da Bahia) e o Projeto POP - Pesquisa Científica da FABESB (Fundação de Amparo à Pesquisa do Sudoeste da Bahia). Palavras-chave: vulcão, reação, oxigênio 20

22 E20 REAÇÃO EM CADEIA Hion Oliveira 1, Berlane G. Santos 1, Ediene F. Melo 1, Amanda Almeida 1 1 Depto de Química e Exatas, DQE UESB, Jequié-BA O presente trabalho objetiva-se a realizar reações sucessivas através de garrafas interligadas por uma mangueira, tendo como princípio, o fornecimento de CO 2 através da inserção de um comprimido efervescente na 1ª garrafa contendo água, na qual a reação libera para o sistema o dióxido de carbono, que segue para a 2ª garrafa; onde o mesmo acidifica o meio ao reagir com a água que muda de cor devido a presença do indicador vermelho de fenila; na 3ª garrafa o CO 2 reage com a água de cal formando um precipitado; na 4ª garrafa a pressão do gás empurra a solução de NaOH para a 5ª garrafa que muda de cor devido a presença do indicador (extrato de repolho roxo); na garrafa 6 ocorre o mesmo procedimento da garrafa 4, porem com a solução peróxido de hidrogênio, que na 7ª garrafa reage com a solução de amido e iodeto de potássio formando iodo; na 8ª garrafa a pressão empurra a solução contendo vitamina C, que reage com a solução de tintura de iodo na garrafa 9. Palavras-chave: reação em cadeia, garrafa PET, CO 2 21

23 E21 ENCHENDO UMA LUVA Ivanilson Vieira Souza Junior 1, Wilian Reis 1, Jéssica Palhares 1, Roberta Almeida 1. 1, DQE UESB, Jequié-BA A fim de encher uma luva látex descartável, realiza-se uma reação entre comprimido efervescente (sonrisal) e água. Para desenvolver o experimento, coloca-se ½ copo (250 ml) de água, logo após adiciona-se 1 sonrisal e rapidamente fixa a luva ao copo. No decorrer da reação, ocorrera uma liberação do gás carbônico fazendo com que a luva se encha até ocupar todo o espaço. Palavras-chave: efervescente, gás carbônico, luva 22

24 E22 CONTROLE DA QUALIDADE: TEOR DE ÁLCOOL NA GASOLINA Jany Viana Neiva 1, Tiago de Oliveira Santos 1, Mirela de Jesus Santos 1, Jeferson Alves Barreto 1 1 Depto de Química e Exatas, DQE UESB, Jequié-BA A adição de etanol na gasolina é de fundamental importância para a combustão da mesma, uma vez que o baixo poder calorífico do etanol promove uma diminuição na octanagem. Entretanto, tornou-se uma prática ilegal e ao mesmo tempo bastante comum, pelos postos de combustíveis, a adição de etanol na gasolina em volumes acima do permitido por lei. A Agência Nacional do Petróleo (ANP) determina que o teor deva variar de 19 a 21%. Tendo em vista o menor valor comercial do etanol, muitos postos descumprem a lei aumentando o teor do etanol, assim o consumidor termina pagando mais caro do que deveria. De acordo com a ANP nº 9 (2007) é obrigação de o posto revendedor realizar análises dos produtos em comercialização sempre que solicitadas pelo consumidor. Esse trabalho tem por objetivo a conscientização dos direitos do consumidor, bem como, deixá-lo a par de como avaliar os resultados dos ensaios. Palavras-chave: combustível, gasolina, etanol 23

25 E23 OXIDAÇÃO DO GLICEROL UMA REAÇÃO EXOTÉRMICA E INCANDESCENTE Lauro José Caires da Silva Júnior 1, Juliana Lago Leite 1. 1 Depto de Química e Exatas, DQE UESB, Jequié-BA Os alcoóis desempenham um conjunto de reações que são bastante peculiares e de alta relevância na indústria. Dentre as várias reações sofridas por estas substâncias, uma que merece destaque, pois vem crescendo em uso neste meio, é a reação de oxidação catalítica, que gera como produto, a depender da estrutura do álcool submetido à oxidação, um aldeído ou uma cetona. O experimento proposto tem por objetivo apresentar a reação de oxidação do glicerol (comumente conhecido como glicerina), um triol de cadeia curta com formula molecular C 3 H 5 (OH) 3, utilizando-se como catalisador o permanganato de potássio, um poderoso agente oxidante de fórmula KMnO 4. A reação obtida pelo contato do glicerol com o permanganato de potássio segue o princípios de reações exotérmicas, liberando energia tal que, quando em contato com uma superfície inflamável produz chama. A equação química que descreve a reação é a seguinte: 14KMnO 4(S) + 4C 3 H 5 (OH) 3(l) 7K 2 CO 3(s) + 7Mn 2 O 3(s) + 5CO 2(g) + 16H 2 O (l). Palavras-chave: oxidação, alcoóis, glicerina 24

26 E24 A QUÍMICA DO BAFÔMETRO Mirela de Jesus Santos 1, Jany Viana Neiva 1, Leandro Oliveira dos Santos 1, Tiago de Oliveira Santos 1 1 Depto de Química e Exatas, DQE UESB, Jequié-BA No momento em que são ingeridas bebidas alcoólicas o etanol entra na circulação sanguínea e, ao passar pelos pulmões, uma parte do álcool é liberada através da respiração. Embora a existência do álcool possa ser detectada através de uma análise no sangue, é mais conveniente utilizar o bafômetro, pois este detecta a presença da bebida alcoólica no ar expirado. Para o ensino de Química é interessante simular o funcionamento químico de um bafômetro uma vez que ilustra vários aspectos de química inorgânica, físico-química e química orgânica. Esse experimento utiliza um conjunto ébrio-bafômetro, o qual faz uso de dois recipientes ligados através de tubos de látex, um com uma mistura de dicromato de potássio e ácido sulfúrico concentrado e o outro com etanol. Quando o etanol é soprando para dentro do conjunto, o ar arrasta vapores de álcool que, borbulhado na mistura ácida provoca uma mudança de coloração, devido oxidação do álcool a aldeído e a redução do dicromato a cromo (III). Palavras-chave: bafômetro, bebida alcoólica, oxi-redução 25

27 E25 VULCÃO SUBMARINO Roberta Almeida 1, Daniel Silva 1, Willian Reis 1, Jéssica Palhares 1. 1 Dept. de Química e xatas, DQ S, Jequié-BA Este experimento tem como objetivo demonstrar uma diferença entre a densidade da água quente e água à temperatura ambiente. Um pequeno recipiente, contendo água quente e corante, quando é colocado em um recipiente maior contendo água com temperatura abaixo da de seu conteúdo, não se mistura de imediato. Isso se deve ao fato de a água quente ter uma densidade menor que a água gelada, pois suas moléculas estão mais afastadas, ocupando um maior espaço em relação às moléculas existentes na água fria. Estando mais concentradas, as moléculas em água fria exercerão um peso maior em relação à mesma quantidade de água quente. Palavras-chave: densidade, molécula 26

28 E26 EXTRAÇÃO DOS PIGMENTOS VEGETAIS Edilma Guadalupe Licona de Macedo 1, Rogersia Moreira Santos 1, Ádila da Silva Vaz 1, Tamires Souza Braga 1, Amélia Fernandes de Souza 1 1 Depto de Ciências Biológicas, DCB UESB, Jequié-BA Esta prática tem como objetivo principal realizar a extração e separação de pigmentos vegetais que são universais ou comuns em plantas. Para a realização da mesma utiliza-se a seguinte metodologia: Pese 5 g de folhas frescas e corte as folhas em tiras transversais de 2-3 mm de largura; em seguida triture-as e acrescente 15 ml de removedor de esmalte de unha (acetato de etila) e 2 ml de vinagre branco e misture bem; logo após passe através de filtro coador de café para um copo de vidro, tomando cuidado para que o resíduo não passe; em seguida acrescente 20 ml de água, e ocorrerá a separação das duas fases, uma contendo antocianinas e a outra clorofilas e carotenoides. Na clorofila e carotenoide acrescenta-se 2 ml de solução a 10 % de soda cáustica em álcool 70 %., em seguida agite e aguarde 10 min.; logo após adicione 10 ml de água agite e aguarde a separação em duas fases uma da clorofila e a outra carotenoides. Palavras-chaves: clorofila, carotenoides, vegetais. 27

29 E27 PRODUÇÃO DE GELECA Rosemaire Souza 1, Vanessa Ferreira 1, Lucilia Meira 1, Thaís Braga 1 1 Depto de Química e Exatas, DQE UESB, Jequié-BA Os monômeros, matéria-prima usada nesta produção, são assim chamados por representarem apenas uma (mono) parte da estrutura final, o polímero. A reação de formação do polímero é denominada polimerização. As cadeias de polímeros que formam a cola branca (PVA) podem deslizar umas sobre as outras, ajudadas pelo líquido que a envolve (solvente a base de água), o que confere a cola certa viscosidade. A evaporação deste solvente faz com que as cadeias do polímero se aproximem, gerando uma estrutura rígida. A rigidez de um polímero pode ser aumentada adicionando a eles os ligantes cruzados. Na atividade a ser realizada, o Bórax será utilizado como ligante cruzado dos polímeros do Poliacetato de vinila (PVA), encontrados na cola branca. O bórax, como é conhecido o tetraborato de sódio decaidratado, estabelece equilíbrio ao ser dissolvido em água. A geleca é feita colocando em um béquer 25 ml de cola tenaz, adicionando 20 ml de água destilada mais 4 gotas de corante e 4 gotas de essência. Mexe-se até obter uma mistura homogênea. Após, medi-se em uma proveta 15 ml de solução de borato de sódio 4% e adiciona-se no béquer com a mistura homogênea, mexe-se bem sem parar por alguns instantes. Palavras-chave: polímeros, monômeros, geleca 28

30 E28 O TORNADO DE FOGO Taís Meira 1, Germana Cardoso 1, Carla Larissa Meira 1, Selma Siqueira 1, Izabela Pereira 1 Depto de Química e Exatas, DQE UESB, Jequié-BA O experimento O tornado de fogo será realizado com a finalidade de explicar o raro fenômeno natural, que aconteceu recentemente na Austrália. Através de um procedimento bem simples demonstraremos e explicaremos como tal fenômeno acontece. Com o auxílio de uma base de madeira giratória, uma tela fina, estopa e álcool, representarão o ocorrido, dando a explicação científica. Se colocarmos apenas a estopa em chamas e girarmos a base de madeira, nada acontecerá, mas se colocarmos a tela e girarmos, a intensidade da chama aumenta e ela fica em forma espiral: o tornado. Isto acontece porque quando colocamos a tela, ela se choca com o ar fazendo com que ele gire em torno do fogo, formando um movimento em espiral. O fogo fica mais forte, porque o calor se concentra em uma região e a temperatura aumenta, entra mais oxigênio dentro do fogo, deixando-o mais aceso. Garantimos também que este experimento é devidamente seguro. Palavras-chave: química, tornado, fogo 29

31 E29 LÂMPADA DE LAVA Marcos Uriel Cruz da Silva 1, Fábio Henrique Souto Silva 1, Mário Norberto Silva 1 1 Colégio Estadual Presidente Medici, CEP , Jequié-BA As lâmpadas de lavas são objetos que fazem parte da cultura pop dos anos 70, associadas aos hippies. Com o uso de óleo vegetal, mistura água e álcool etílico e uma lâmpada de 60W como fonte de calor. Nesse experimento, ocorrerá uma mudança na densidade do óleo, ficando este menos denso que a mistura água-álcool. O objetivo deste experimento é demonstrar que a densidade (propriedade física da matéria) não depende apenas da massa de do volume, mas também da temperatura. Ao misturarmos o álcool com a água pode-se ajustar a densidade desta mistura para que ela fique bem próxima da do óleo de soja. Ao aquecer-se a parte inferior da garrafa faz com que o óleo fique menos denso que a mistura água álcool subindo e formando grandes esferas de óleo. Palavras-chave: densidade, lâmpada de lava, óleo 30

32 E30 VISITA DE ALBERT EINSTEIN AO BRASIL: COMPROVANDO A TEORIA DA RELATIVIDADE. Wesley Matos Cidreira 1, Adriele França Macedo 1, Catiele Barreto dos Santos 1, Joan Santana Santos 1, Matheus Galvão Brito 1 1 Colégio da Policia Militar Professor Magalhães Neto. Av. Lomanto Jr. S/N. Bairro Joaquim Romão, Jequé - Ba No dia 29 de maio de 1919 na cidade de Sobral, estado do Ceará, Brasil, foi possível observar um eclipse total do sol que teve uma importância mundial para comunidade científica internacional, pois esse fenômeno natural possibilitou a comprovação da deflexão da luz pela gravidade, prevista pela teoria da relatividade geral de Albert Einstein. O Fenômeno foi acompanhado pelo próprio Einstein que ao vir ao Brasil, colocou o nosso país em evidência junto à comunidade astronômica internacional. O objetivo desse trabalho é mostrar a comunidade, de forma acessível ao público, o que é a teoria da relatividade geral e a importância do eclipse no Brasil para a comprovação da teoria. Palavras-chave: Einstein, relatividade, Brasil 31

33 E31 OXIDAÇÃO DA GLICERINA PELO PERMANGANATO DE POTÁSSIO Vanessa de Jesus Ferreira 1 1 Depto de Química e Exatas, DQE UESB, Jequié-BA Permanganato de potássio é um agente oxidante forte. O uso industrial padrão deste composto está em tratamento de água para remoção de cor, sabor e odor, controle e remoção de ferro e manganês. Quando combinado com materiais orgânicos a reação é explosiva e deixa para trás um resíduo de permanganato. Este experimento demonstra uma liberação exotérmica de energia sob a forma de calor. A reação envolve a oxidação da glicerina por permanganato de potássio. Glicerina é uma substância orgânica facilmente oxidada. Para realizar o experimento usa-se cerca de 20 gramas de permanganato de potássio em pó, 3 a 5 mililitros de glicerina líquida e uma pipeta. Em uma área bem ventilada, com a pipeta, rapidamente, mas cuidadosamente goteja-se glicerina sobre o permanganato. Como a glicerina é oxidada, produz uma chama brilhante como resultado de uma reação exotérmica. Palavras-chave: oxidação, glicerina, permanganato 32

34 E32 ARCO-ÍRIS NO BÉQUER Beatriz dos Santos 1, Dalila Almeida Silva 1 1 Depto de Química e Exatas, DQE UESB, Jequié-BA Neste experimento de ácido/base, mostraremos que é possível fazer com que um líquido inicialmente roxo, se transforme em verde, azul, amarelo ou vermelho. Em um dado momento, todas essas cores estarão presentes no béquer, o que irá permitir a percepção do arco-íris. Para isso, utilizaremos ácido clorídrico concentrado, hidróxido de sódio concentrado e extrato de repolho roxo que é um indicador universal, é usado para saber aproximadamente qual o ph de uma substância. Para cada faixa de ph ele apresenta uma cor diferente. Uma solução muito básica (ph=14) é usada inicialmente. À medida que se adiciona ácido o ph vai diminuindo e as cores vão mudando. Palavras-chave: indicador, ácido, base 33

35 E33 COMO CONGELAR ÁGUA EM 1 SEGUNDO Ohana Nadine de Almeida 1, Samila Sena Silva 1, Adonias Oliveira Teixeira¹, Joaly Stephane Santos Oliveira¹ 1 Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - Depto de Química e Exatas, DQE UESB, Jequié-BA A água, na verdade, é acetato de sódio. ssa substância, também chamada de gelo instantâneo, tem ponto de fusão entre 50 e 60 graus Celsius, ou seja, é sólido à temperatura ambiente. O acetato de sódio (assim como a água) é capaz de descer abaixo do seu ponto de fusão sem solidificar. Isso ocorre porque ele depende de algum estímulo (um grão de algo sólido ou um choque mecânico, como uma batidinha) para se tornar sólido. Na experiência, aqueceremos a solução de acetato de sódio e a deixaremos sob-repouso absoluto para que sua temperatura abaixe, após usaremos um grão de acetato de sódio sólido para estimular a solidificação, que ocorrerá imediatamente. Palavras-chave: acetato de sódio, gelo, estímulo 34

36 E34 MICRONUTRIENTES E AGROTÓXICOS Eliane Teixeira Souza 1, Breno Lopes Souza Ribeiro 1, Camila Brito de Oliveira Lima 1, Camila Maria Messias Santos 1, Ian Reis Batista 1 1 Colégio da Policia Militar Professor Magalhães Neto. Av. Lomanto Jr. S/N. Bairro Joaquim Romão, Jequié - Ba O avanço do conhecimento químico ao longo do século XX mostrou que o crescimento dos vegetais está associado à presença de certos elementos no solo, denominados macronutrientes (N, P, K, Ca, Mg, S) e micronutrientes (Fe, Mn, Mo, Cu, B, Cl, Zn). A pouca disponibilidade de solos férteis levou os cientistas a desenvolverem a ideia de adicionar alguns destes macronutrientes nitrogênio (N), fósforo (P) e potássio (K) aos solos. Surgiam, assim, os fertilizantes químicos. Podemos também verificar a presença de compostos solúveis de ferro no solo. O elemento ferro é um micronutriente dos vegetais, estando relacionado à formação de clorofila. O conhecimento químico utilizado para aumentar a produtividade foi aplicado em outra área crítica o controle de pragas, dando origem aos agrotóxicos (inseticidas, herbicidas, fungicidas, etc.). Palavras-chave: agricultura, micronutrientes, agrotóxicos 35

37 Pôsteres 36

38 P01 Práticas de Sala de Aula: Produçao de Sabão usando diferentes fontes de gorduras Klebson Souza Santos 3* Tâmara Cerqueira Góes 1, Taiana Rufino dos Santos 1, Dilaine Suellen Caires Neves 2 1 Centro Est. de Educação Profissional em Gestão e T. I. Regis Pacheco, CEP , Jequié-BA 2 PPG - Química, PPGQUI /DQE UESB, Jequié-BA 3 PPG- Genética, Biodiversidade e Conservação,PPGGBC/ DCB UESB, Jequié-BA Neste trabalho é apresentada uma maneira alternativa para a fabricação de sabões caseiros. A realização deste trabalho no Centro Est. de Educação Profissional em Gestão e T. I. Regis Pacheco, com alunos do modulo de ressignificação do aprendizado, onde possibilitou aos alunos presenciar a ocorrência de uma reação química de um produto bastante utilizado. Foram feitos sabões com três tipos diferentes de gorduras, foi empregado sobras de óleo de cozinha, gordura vegetal (margarina) e gordura animal (sebo de boi), e através disso pôde se mostrar que independente das fontes de gorduras utilizadas pode ser possível produzir um produto de boa qualidade e que também se podem reaproveitar óleos de frituras que seriam descartados, sabendo que uma vez no meio ambiente causam prejuízos ao solo, desta forma fazendo com que os alunos tenham consciência de que através dessa prática estarão contribuindo com o meio ambiente. Palavras-chave: Sabão, gorduras, meio ambiente. Introdução A produção de sabão ocorre a partir de óleos e gorduras e de bases como hidróxidos de sódio ou hidróxido de potássio, que ao reagirem, realizam o processo de saponificação. Na 37

39 reação de saponificação é formado um sal de sódio ou potássio, dependendo da base utilizada. Sabe-se que os sais são substâncias que possuem, pelo menos, uma ligação com caráter tipicamente iônico. As ligações iônicas são caracterizadas quando os elementos ligantes apresentam acentuada diferença de eletronegatividade, o que dá origem a uma forte polarização, já que se forma um dipolo elétrico. Desta forma dizemos que os sabões, por serem sais, apresentam pelo menos um ponto de forte polarização em sua molécula. O sal formado pela reação de saponificação possui característica básica, pois deriva de uma reação entre uma base forte e um ácido fraco (ácido graxo). A fabricação caseira de sabão é bastante utilizada e por isso o interesse de desenvolver esse trabalho com os alunos para que eles possam verificar no cotidiano as reações químicas que acontecem a todo o momento e desta forma despertar o interesse pela química. Metodologia A turma T03 ficou encarregada de fazer coletas de 3 tipos de gorduras, sendo elas; gordura animal (sebo de boi), gordura vegetal (margarina), e óleos já reutilizados sem a distinção entre serem de origem animal ou vegetal. Após a coleta foram armazenados em recipientes de PET, para o dia da aula prática. Na aula de pratica de laboratório foram preparadas soluções de hidróxido de sódio a 12 molares, volume de 100,00mL, em seguida colocou-se 150,0g de gordura vegetal (margarina) sobre aquecimento, até atingir a temperatura de 40ºc e adicionou 30,00mL de hidróxido de sódio e posterior um volume de 15,00mL de álcool etílico. O mesmo procedimento foi feito no preparo do sabão da gordura animal. Já para a produção de sabão a partir do óleo reutilizado foi usada um volume de aproximadamente 200,00mL de óleo, que foi levado para o aquecimento e em seguida foram adicionados 50,00mL de hidróxido de sódio e 30,00mL de álcool etílico. Lembrando que aos três modos de preparo foram adicionados 5,00mL de aromatizantes de morango e baunilha. Por fim o preparado foram acondicionados em vasos de margarina por um período de 3 semanas. Resultados e Conclusões No processo de fabricação de sabão em barra são utilizados basicamente soda cáustica, sebo, óleo de fritura ou de margarina, álcool, essência e água. Dependendo da quantidade que será produzida é calculada a quantidade de cada matéria prima que será utilizada. Como a quantidade produzida foi pequena também se usou pouco desses produtos. 38

40 Ocorre uma reação entre os ácidos graxos da gordura com a soda caustica formando um sal de sódio, o álcool adicionado irá proporcionar maior efeito branqueador ao sabão e a essência é adicionada ao sabão para que tenha um cheiro agradável, uma vez que a gordura não proporciona um odor agradável ao produto. O sabão produzido com sebo e gordura reutilizada secou mais rapidamente que os demais, entretanto o feito com margarina apresentou aspecto mais cremoso e espumou mais, mas todos apresentaram os resultados esperados e foram produzidos sabões de boa qualidade para o uso doméstico. Logo, pode-se ter como conclusão deste trabalho que no ensino de química essas práticas podem ser adotadas com sucesso e que despertam o interesse doa alunos, pois eles mesmos é que trouxeram material para a realização dos experimentos, além de poder encaixar nessas práticas lições de preservação do meio ambiente. Agradecimentos A coordenadora do programa de ressignificação Professora Mª José e ao colégio por proporcionar o desenvolver desse trabalho. Referências GOMES, Ailton ; SANTANNA, Ana Paula Politano ; RAMUALDO, Jackson ; RODRIGUES, Norival - Interações da química com o meio ambiente no cotidiano Universidade federal do Rio de Janeiro - Disponível em<http://www.ccmn.ufrj.br/curso/trabalhos/pdf/quimicatrabalhos/quimica_meioambiente/quimic aeamb3.pdf > acessado em 01 de março de 2112 NETO, Odene Gino Zago e DEL PINO, José Claudio - Trabalhando a química dos sabões e detergentes Universidade Federal do Rio Grande do Sul ; Disponível em <http://www.iq.ufrgs.br/aeq/html/publicacoes/matdid/livros/pdf/sabao.pdf> - acessado em 5 de janeiro de

41 P02 A INFLUÊNCIA DO AMBIENTE ESCOLAR NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DE QUÍMICA Lauro José Caires da Silva Júnior 1, Luana Bastos Santos 1, Cheilane Tavares de Souza 1. 1 Depto de Química e Exatas, DQE UESB, Jequié-BA Partindo do princípio de que o ambiente escolar pode ser um importante fator de influência na prática educativa, o presente trabalho apresenta um estudo realizado em uma escola pública do ensino médio da cidade de Jequié-BA, onde foi analisada a influência do ambiente escolar no processo de ensino aprendizagem da disciplina de Química em uma turma do primeiro ano. Após algumas observações, tanto do ambiente escolar quanto das aulas do professor de Química, pode-se constatar que a organização do colégio acaba auxiliando o trabalho do professor, pois, uma vez que estes alunos respeitem o ambiente escolar em sua totalidade, eles acabam sendo mais comportados, e até um pouco temerosos em suas atitudes durante, permitindo que a aula ministrada pelo professor flua sem muitas dificuldades. Palavras-chave: ambiente escolar, ensino-aprendizagem, química. Introdução O processo de ensino-aprendizagem é considerado por muitas pessoas como sendo uma responsabilidade principal dos agentes do ensino, sendo assim, se este processo não estiver sendo produtivo e nem estiver alcançando seus objetivos, o professor é considerado, por estas pessoas, culpado por não ter uma boa metodologia, uma boa didática, ou um bom domínio do conhecimento teórico; enfim, para as mentes que pensam desta forma, tudo fica voltando para uma análise deste profissional, como fator único e principal dos sucessos ou insucessos do 40

42 ensino e da aprendizagem. Outras pessoas analisam em primeira instância que o processo de ensino-aprendizagem envolve basicamente um agente responsável pelo ensino e um aluno que desenvolverá a sua aprendizagem, e consideram apenas estes dois agentes quando se analisa a prática educativa. Há de se saber que estas não são as melhores maneiras de se analisar o processo de ensinoaprendizagem, pois a partir de muitos estudos desenvolvidos por filósofos conceituados, pôdese compreender que este processo deve ser analisado considerando agentes que vão muito além do professor e do aluno e fatores que nem sempre estão diretamente relacionados com a sala de aula em que se processa a prática educativa. Mais atualmente estão sendo realizados vários estudos a cerca dos vários fatores que permeiam o processo educacional, influenciando-o. São estes estudos que desmistificam a ideia de que apenas o professor ou o aluno devem ser analisados quando se realiza uma pesquisa a cerca do processo de ensino-aprendizagem. Dentre estes fatores que estão endo estudados, um vem ganhando bastante destaque, e está justamente relacionado com a análise do ambiente escolar com fator de importante influência na prática docente e no desenvolvimento do aprendizado do aluno. A influência do ambiente escolar no processo de ensino-aprendizagem já é vista por alguns autores como sendo muito grande e que merece um destaque especial. Autores, como SOUZA [3], reforçam a ideia do quanto um ambiente escolar saudável pode ser favorável para o desenvolvimento da educação. Segundo a autora: [...] a sala de aula e a própria escola devem ser espaços que permitam, favoreçam e estimulem a participação de todos os alunos. As aulas devem ser bem planejadas e realizadas, visando à aprendizagem. A construção desse ambiente é importante não apenas do ponto de vista emocional e psicológico, mas também para que o aprendizado se processe. É indispensável, que haja um clima e um ambiente na escola como um todo e na sala de aula em que as relações sejam construídas a partir da aceitação, da receptividade, da confiança, da sinceridade e do respeito mútuo. (SOUZA, Disponível em: < > Acesso em: 11 Jul ) Para SOUZA um ambiente escolar respeitado deve sempre ser estabelecido, e não apenas na busca de uma serenidade e tranquilidade do local de trabalho dos professores e funcionários, mas também por que este ambiente saudável auxilia no desenvolvimento do aprendizado. Em seu texto a autora ainda menciona que a melhora do ambiente escolar acaba fazendo com que o professor se sinta mais respeitado e realizado em sua escolha profissional, pois, sua aula flui com mais tranquilidade, sem aqueles costumeiros atritos com alunos e menos perda de tempo com indisciplina, e é claro que está elevação da autoestima do profissional do 41

43 ensino acaba por melhorar a qualidade de suas aulas, pois este trabalha mais feliz e mais motivado e o processo de ensino-aprendizagem acaba sendo melhorado. Baseando-se neste pensamento, buscou-se analisar outro fator responsável direta ou indiretamente, pelo processo de ensino-aprendizagem de Química, diferente dos fatores e agentes já comumente estudados. Sendo assim, durante o desenvolvimento de uma atividade de estágio de observação em um colégio do ensino médio, realizou-se a investigação de fatores que influenciam o processo de ensino-aprendizagem nesta escola, dando um enfoque principal à análise do ambiente escolar, tentando identificá-lo como um fator que pode auxiliar ou prejudicar as aulas de Química deste colégio. Metodologia Buscando atingir os objetivos estabelecidos para este estudo, realizou-se uma visita ao colégio Polivalente Edivaldo Boaventura, um colégio público de ensino médio da cidade de Jequié-BA, onde lá se encontrou a possibilidade de realizar a observação da aula de um professor mestrando em química que lecionava neste colégio. Com isto, realizou-se a observação de uma aula de Química, deste professor, em uma turma do primeiro ano do turno matutino. Além de realizar a observação de algumas aulas deste professor, a visita também buscou uma observação do ambiente escolar visitado, analisando a localidade do colégio, a sua estrutura física, a forma de organização, além, é claro, do comportamento de alunos, professores e funcionários no ambiente escolar. O tempo de observação não foi muito extenso, pois esteve-se no colégio por cerca de 4 horas divididas em dois dias, no mesmo período (matutino). Contudo, mesmo com este pouco tempo de observação, conseguiu-se obter dados bastante interessantes para análise e que serão discutidos a seguir. Resultados e Conclusões O colégio visitado é bastante conhecido na cidade de Jequié-BA, ele se localiza em um bairro não muito distante do centro da cidade e, é frequentado por alunos que vem de vários outros bairros. Trata-se de um colégio com uma estrutura não muito modernizada, e um pouco 42

O interesse da Química é analisar as...

O interesse da Química é analisar as... O interesse da Química é analisar as... PROPRIEDADES CONSTITUINTES SUBSTÂNCIAS E MATERIAIS TRANSFORMAÇÕES ESTADOS FÍSICOS DOS MATERIAIS Os materiais podem se apresentar na natureza em 3 estados físicos

Leia mais

Oficina: O que acontece com as substâncias quando elas se transformam? Ciências da Natureza II/Ensino Médio

Oficina: O que acontece com as substâncias quando elas se transformam? Ciências da Natureza II/Ensino Médio Oficina: O que acontece com as substâncias quando elas se transformam? Ciências da Natureza II/Ensino Médio Nesta oficina, abordaremos as reações químicas, com foco nas evidências de uma transformação.

Leia mais

PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa

PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa QUESTÃO 01 Num laboratório químico, havia três frascos que continham, respectivamente, um alcano, um álcool e um alqueno. Foram realizados experimentos que envolviam

Leia mais

UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB VIRTUAL LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS A DISTÂNCIA

UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB VIRTUAL LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS A DISTÂNCIA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB VIRTUAL LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS A DISTÂNCIA DISCIPLINA BIOQUÍMICA ESTRUTURAL Ministrante: Prof. Dr. Carlos Alberto de Almeida

Leia mais

química 2 Questão 37 Questão 38 Questão 39 alternativa C na alternativa B. Sabendo-se que a amônia (NH 3)

química 2 Questão 37 Questão 38 Questão 39 alternativa C na alternativa B. Sabendo-se que a amônia (NH 3) química 2 Questão 37 Questão 38 abendo-se que a amônia (N 3) é constituída por moléculas polares e apresenta boa solubilidade em água. o diclorometano (2 2) não possui isômeros. ua molécula apresenta polaridade,

Leia mais

ANEXO IV. II- um armário para armazenagem de solventes, com construção resistente ao fogo.

ANEXO IV. II- um armário para armazenagem de solventes, com construção resistente ao fogo. ANEXO IV ARMAZENAMENTO DE PRODUTOS QUÍMICOS. No laboratório, almoxarifado e em locais em que se tenha que armazenar ou manipular substâncias químicas, deve-se ter em conta sua composição, pois muitas delas

Leia mais

QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier. Prática 09 Síntese do cloreto de pentaaminoclorocobalto(iii)

QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier. Prática 09 Síntese do cloreto de pentaaminoclorocobalto(iii) UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE QUÍMICA DQMC QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier Prática 09 Síntese do cloreto

Leia mais

SÉRIE: 2º ano EM Exercícios de recuperação final DATA / / DISCIPLINA: QUÍMICA PROFESSOR: FLÁVIO QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA

SÉRIE: 2º ano EM Exercícios de recuperação final DATA / / DISCIPLINA: QUÍMICA PROFESSOR: FLÁVIO QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA SÉRIE: 2º ano EM Exercícios de recuperação final DATA / / DISCIPLINA: QUÍMICA PROFESSOR: FLÁVIO QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA QUESTÃO 01 Em uma determinada transformação foi constatado que poderia ser representada

Leia mais

ESTUDO DA MATÉRIA. QUÍMICA: é o ramo da ciência que estuda a matéria, suas propriedades, estruturas e transformações.

ESTUDO DA MATÉRIA. QUÍMICA: é o ramo da ciência que estuda a matéria, suas propriedades, estruturas e transformações. QUÍMICA: é o ramo da ciência que estuda a matéria, suas propriedades, estruturas e transformações. MATÉRIA: é tudo que tem massa e ocupa lugar no espaço. Exemplo: O ar Um balão de festas (bexiga) aumenta

Leia mais

COLÉGIO SANTA TERESINHA R. Madre Beatriz 135 centro Tel. (33) 3341-1244 www.colegiosantateresinha.com.br

COLÉGIO SANTA TERESINHA R. Madre Beatriz 135 centro Tel. (33) 3341-1244 www.colegiosantateresinha.com.br PLANEJAMENTO DE AÇÕES DA 2 ª ETAPA 2015 PERÍODO DA ETAPA: 01/09/2015 á 04/12/2015 TURMA: 9º Ano EF II DISCIPLINA: CIÊNCIAS / QUÍMICA 1- S QUE SERÃO TRABALHADOS DURANTE A ETAPA : Interações elétricas e

Leia mais

APLICAÇÃO DE EXTRATO DE AÇAÍ NO ENSINO DE QUÍMICA.

APLICAÇÃO DE EXTRATO DE AÇAÍ NO ENSINO DE QUÍMICA. APLICAÇÃO DE EXTRATO DE AÇAÍ NO ENSINO DE QUÍMICA. Deangelis Damasceno 1,3 ; Juliana Correa de Oliveira 1;3 ; Pollyana Godoy Pinto 1;3 ; Geralda G. Lemes 2,3 ; Vanessa Carneiro Leite 2,3 1 Voluntário Iniciação

Leia mais

MATÉRIA E SEUS FENÔMENOS

MATÉRIA E SEUS FENÔMENOS MATÉRIA E SEUS FENÔMENOS 01- Leia o texto: Quando se acende uma vela, pode-se observar que: I- A parafina derrete e logo depois se consolida. II- Aparece fuligem quando colocamos um prato logo acima da

Leia mais

química FUVEST ETAPA Resposta QUESTÃO 1 QUESTÃO 2 c) Determine o volume adicionado da solução

química FUVEST ETAPA Resposta QUESTÃO 1 QUESTÃO 2 c) Determine o volume adicionado da solução Química QUESTÃO 1 Um recipiente contém 100 ml de uma solução aquosa de H SO 4 de concentração 0,1 mol/l. Duas placas de platina são inseridas na solução e conectadas a um LED (diodo emissor de luz) e a

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO E CONFIRMAÇÃO DE GRUPOS FUNCIONAIS: Parte 1: ALDEÍDOS E CETONAS

IDENTIFICAÇÃO E CONFIRMAÇÃO DE GRUPOS FUNCIONAIS: Parte 1: ALDEÍDOS E CETONAS PRÁTICA N o. 02 IDENTIFICAÇÃO E CONFIRMAÇÃO DE GRUPOS FUNCIONAIS: Parte 1: ALDEÍDOS E CETONAS OBJETIVOS: Esta prática tem como objetivo a identificação e confirmação de grupos funcionais de aldeídos e

Leia mais

QUESTÕES DE QUÍMICA DA UNICAMP PROVA DE 2014.

QUESTÕES DE QUÍMICA DA UNICAMP PROVA DE 2014. QUESTÕES DE QUÍMICA DA UNICAMP PROVA DE 2014. 1- Prazeres, benefícios, malefícios, lucros cercam o mundo dos refrigerantes. Recentemente, um grande fabricante nacional anunciou que havia reduzido em 13

Leia mais

A) Escreva a equação que representa a semi-reação de redução e seu respectivo potencial padrão.

A) Escreva a equação que representa a semi-reação de redução e seu respectivo potencial padrão. QUÍMICA QUESTÃ 01 Aparelhos eletrônicos sem fio, tais como máquinas fotográficas digitais e telefones celulares, utilizam, como fonte de energia, baterias recarregáveis. Um tipo comum de bateria recarregável

Leia mais

Aluno (a): Nº. Disciplina: Química Goiânia, / / 2014

Aluno (a): Nº. Disciplina: Química Goiânia, / / 2014 Lista de Exercícios Aluno (a): Nº. Professora: Núbia de Andrade Série: 1º ano (Ensino médio) Turma: Disciplina: Química Goiânia, / / 2014 01) A mudança de fase denominada sublimação ocorre quando a) o

Leia mais

Termos Técnicos Ácidos Classe de substâncias que têm ph igual ou maior que 1 e menor que 7. Exemplo: sumo do limão. Átomos Todos os materiais são formados por pequenas partículas. Estas partículas chamam-se

Leia mais

E X P E R I Ê N C I A S D E 1º A N O

E X P E R I Ê N C I A S D E 1º A N O E X P E R I Ê N C I A S D E 1º A N O PROF. AGAMENON ROBERTO < 2007 > Prof. Agamenon Roberto 1º ANO EXPERIÊNCIAS 2 1ª e 2ª EXPERIÊNCIAS DESTILAÇÃO SIMPLES E DESTILAÇÃO FRACIONADA OBJETIVO: Mostrar como

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO QUÍMICA CADERNO DE QUESTÕES 2014/2015

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO QUÍMICA CADERNO DE QUESTÕES 2014/2015 Informações de Tabela Periódica CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO QUÍMICA CADERNO DE QUESTÕES 2014/2015 Folha de Dados Elemento H C N O F Al Cl Zn Sn I Massa atômica (u) 1,00 12,0 14,0

Leia mais

QUÍMICA QUESTÃO 41 QUESTÃO 42

QUÍMICA QUESTÃO 41 QUESTÃO 42 Processo Seletivo/UNIFAL- janeiro 2008-1ª Prova Comum TIPO 1 QUÍMICA QUESTÃO 41 Diferentes modelos foram propostos ao longo da história para explicar o mundo invisível da matéria. A respeito desses modelos

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2006 QUESTÕES OBJETIVAS

PROCESSO SELETIVO 2006 QUESTÕES OBJETIVAS 3 PROCESSO SELETIVO 2006 QUESTÕES OBJETIVAS QUÍMICA 01 - O dispositivo de segurança que conhecemos como air-bag utiliza como principal reagente para fornecer o gás N 2 (massa molar igual a 28 g mol -1

Leia mais

AULA 1: MATÉRIAS E SUAS PROPRIEDADES

AULA 1: MATÉRIAS E SUAS PROPRIEDADES AULA 1: MATÉRIAS E SUAS PROPRIEDADES Prof.Me Elayne Química-Aula 1 MATÉRIA Tudo que ocupa lugar no espaço e tem massa é matéria. Energia tudo aquilo que pode modificar a estrutura da matéria, provocar

Leia mais

A Matéria Química Geral

A Matéria Química Geral Química Geral A Matéria Tudo o que ocupa lugar no espaço e tem massa. A matéria nem sempre é visível Noções Preliminares Prof. Patrícia Andrade Mestre em Agricultura Tropical Massa, Inércia e Peso Massa:

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 1D

CADERNO DE EXERCÍCIOS 1D CADERNO DE EXERCÍCIOS 1D Ensino Fundamental Ciências da Natureza II Questão Conteúdo Habilidade da Matriz da EJA/FB 01 Propriedades e aplicação dos materiais H55/H56 02 Propriedades específicas, físicas

Leia mais

QUESTÃO 01 Analise este gráfico, em que se mostra o resultado de um experimento de decomposição térmica de uma substância orgânica:

QUESTÃO 01 Analise este gráfico, em que se mostra o resultado de um experimento de decomposição térmica de uma substância orgânica: QUESTÃO 01 Analise este gráfico, em que se mostra o resultado de um experimento de decomposição térmica de uma substância orgânica: 1. Considere que, durante esse experimento, a diminuição de massa se

Leia mais

Introdução. Observando o ambiente

Introdução. Observando o ambiente Introdução A curiosidade natural do homem, o leva a explorar o ambiente que o cerca, observando, analisando, realizando experiências, procurando saber o porquê das coisas. Nesta atividade, exploradora

Leia mais

PROF: KELTON WADSON OLIMPIADA / 8º SÉRIE ASSUNTO: PROCESSOS DE TRANSFORMAÇÃO DA MATÉRIA

PROF: KELTON WADSON OLIMPIADA / 8º SÉRIE ASSUNTO: PROCESSOS DE TRANSFORMAÇÃO DA MATÉRIA PROF: KELTON WADSON OLIMPIADA / 8º SÉRIE ASSUNTO: PROCESSOS DE TRANSFORMAÇÃO DA MATÉRIA FENÔMENOS FÍSICOS E QUÍMICOS Um fenômeno físico ocorre sem que a substância transforme-se em outra substância, ou

Leia mais

REAÇÕES QUÍMICAS ORGANIZAÇÃO: Márcia Adriana Warken Magalhães ORIENTAÇÃO: Prof a Márcia Cunha 2001

REAÇÕES QUÍMICAS ORGANIZAÇÃO: Márcia Adriana Warken Magalhães ORIENTAÇÃO: Prof a Márcia Cunha 2001 CENTRO DE ENGENHARIAS E CIÊNCIAS EXATAS CURSO DE QUÍMICA - LICENCIATURA INSTRUMENTAÇÃO PARA O ENSINO DE QUÍMICA SÉRIE: EXPERIÊNCIAS DEMONSTRATIVAS REAÇÕES QUÍMICAS ORGANIZAÇÃO: Márcia Adriana Warken Magalhães

Leia mais

Ernesto entra numa fria!

Ernesto entra numa fria! A UU L AL A Ernesto entra numa fria! Segunda-feira, 6 horas da tarde, Cristiana e Roberto ainda não haviam chegado do trabalho. Mas Ernesto, filho do casal, já tinha voltado da escola. Chamou a gangue

Leia mais

Equilíbrio Químico do íon bicarbonato: Efeito da concentração. Introdução. Materiais Necessários

Equilíbrio Químico do íon bicarbonato: Efeito da concentração. Introdução. Materiais Necessários Intro 01 Introdução O equilíbrio químico do íon bicarbonato faz parte de uma série de sistemas como formação das cavernas, equilíbrio no sangue e no oceano. Como a concentração de CO 2 pode afetar o equilíbrio

Leia mais

UAB/UFABC Química Divertida. Propriedades do sabão. OBJETIVO: Este experimento tem como objetivo a preparação de um sabão simples.

UAB/UFABC Química Divertida. Propriedades do sabão. OBJETIVO: Este experimento tem como objetivo a preparação de um sabão simples. 1 UAB/UFABC Química Divertida Propriedades do sabão OBJETIVO: Este experimento tem como objetivo a preparação de um sabão simples. TAREFAS A SEREM ENTREGUES!!!! Preste bem a atenção!!!!! Você deverá responder

Leia mais

63 Química na cozinha: observando a chama

63 Química na cozinha: observando a chama A U A UL LA Atenção Mãos à obra Química na cozinha: observando a chama Vamos dar continuidade ao estudo que iniciamos na Aula 62, sobre reações químicas, aprofundando nossa compreensão sobre a reação de

Leia mais

MANUAL DE NORMAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO DE QUÍMICA. Material organizado pelo Prof. Cristiano Alfredo. Rupp.

MANUAL DE NORMAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO DE QUÍMICA. Material organizado pelo Prof. Cristiano Alfredo. Rupp. MANUAL DE NORMAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO DE QUÍMICA Material organizado pelo Prof. Cristiano Alfredo. Rupp. NORMAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO DE QUÍMICA Para um trabalho com segurança e com menores

Leia mais

b) Calcule o número de oxidação do fósforo e as cargas formais dos átomos de fósforo, oxigênio e hidrogênio na estrutura.

b) Calcule o número de oxidação do fósforo e as cargas formais dos átomos de fósforo, oxigênio e hidrogênio na estrutura. QUÍMICA 01. ácido sulfúrico, assim como o íon hidrogenossulfato, reage com bases fortes, como hidróxido de sódio, liberando calor para as vizinhanças. Dados: M (g.mol-1) H = 1,008; = 15,999; S = 32,06;

Leia mais

QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier. Prática 03 Síntese do Oxalato de Bário

QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier. Prática 03 Síntese do Oxalato de Bário UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE QUÍMICA DQMC QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier Prática 03 Síntese do Oxalato

Leia mais

Química. Resolução das atividades complementares. Q50 Forças intermoleculares

Química. Resolução das atividades complementares. Q50 Forças intermoleculares Resolução das atividades complementares 4 Química Q50 Forças intermoleculares p. 15 1 (Unifor-CE) Considerando a natureza das ligações químicas intermoleculares existentes nas substâncias: Etanol C 2 H

Leia mais

As questões de 31 a 34 referem-se ao texto abaixo.

As questões de 31 a 34 referem-se ao texto abaixo. QUÍMICA As questões de 31 a 34 referem-se ao texto abaixo. Em diversos países, o aproveitamento do lixo doméstico é quase 100%. Do lixo levado para as usinas de compostagem, após a reciclagem, obtém-se

Leia mais

AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 32

AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 32 AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 32 9º NO DO ENSINO FUNDAMENTAL - 1º ANO DO ENSINO MÉDIO OBJETIVO Diversos experimentos, usando principalmente água e materiais de fácil obtenção, são

Leia mais

Introdução à Química Inorgânica

Introdução à Química Inorgânica Introdução à Química Inorgânica Orientadora: Drª Karla Vieira Professor Monitor: Gabriel Silveira Química A Química é uma ciência que está diretamente ligada à nossa vida cotidiana. A produção do pão,

Leia mais

ATENÇÃO: O DESENVOLVIMENTO TEÓRICO DAS QUESTÕES É OBRIGATÓRIO

ATENÇÃO: O DESENVOLVIMENTO TEÓRICO DAS QUESTÕES É OBRIGATÓRIO IX Olimpíada Capixaba de Química 2011 Prova do Grupo II 2 a série do ensino médio Fase 02 Aluno: Idade: Instituição de Ensino: Coordenador da Instituição de Ensino: ATENÇÃO: O DESENVOLVIMENTO TEÓRICO DAS

Leia mais

PROPRIEDADES DA MATÉRIA

PROPRIEDADES DA MATÉRIA Profª Msc.Anna Carolina A. Ribeiro PROPRIEDADES DA MATÉRIA RELEMBRANDO Matéria é tudo que tem massa e ocupa lugar no espaço. Não existe vida nem manutenção da vida sem matéria. Corpo- Trata-se de uma porção

Leia mais

Lista de Exercícios 4 Indústrias Químicas Resolução pelo Monitor: Rodrigo Papai de Souza

Lista de Exercícios 4 Indústrias Químicas Resolução pelo Monitor: Rodrigo Papai de Souza Lista de Exercícios 4 Indústrias Químicas Resolução pelo Monitor: Rodrigo Papai de Souza 1) a-) Calcular a solubilidade do BaSO 4 em uma solução 0,01 M de Na 2 SO 4 Dissolução do Na 2 SO 4 : Dado: BaSO

Leia mais

SEPARAÇÃO DE MISTURAS Exercícios

SEPARAÇÃO DE MISTURAS Exercícios SEI Ensina - MILITAR Química SEPARAÇÃO DE MISTURAS Exercícios 1.A água potável é um recurso natural considerado escasso em diversas regiões do nosso planeta. Mesmo em locais onde a água é relativamente

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico Nome do Produto: Reticulina Código: EP-12-20021 RETICULINA Seção 1: Identificação do Produto e da Empresa Erviegas Ltda R. Lacedemônia, 268 - São Paulo

Leia mais

SIMULAÇÃO E AVALIAÇÃO DO EFEITO ESTUFA A PARTIR DA ADIÇÃO DA CO 2 EM UM SISTEMA FECHADO

SIMULAÇÃO E AVALIAÇÃO DO EFEITO ESTUFA A PARTIR DA ADIÇÃO DA CO 2 EM UM SISTEMA FECHADO 1 SIMULAÇÃO E AVALIAÇÃO DO EFEITO ESTUFA A PARTIR DA ADIÇÃO DA CO 2 EM UM SISTEMA FECHADO Diego Oliveira Cordeiro 1 diegoocordeiro@gmail.com Janduir Egito da Silva 1 jaduires@yahoo.com Cláudia Laís Araújo

Leia mais

TECNOLOGIA DE Sabões e detergentes. Conteúdos a serem abordados: --Tensão superficial -- Polaridade -- Forças intermoleculares

TECNOLOGIA DE Sabões e detergentes. Conteúdos a serem abordados: --Tensão superficial -- Polaridade -- Forças intermoleculares TECNOLOGIA DE Sabões e detergentes Conteúdos a serem abordados: --Tensão superficial -- Polaridade -- Forças intermoleculares Tensão superficial Força existente na superfície de líquidos em repouso. Fortes

Leia mais

Fenômenos Químicos e Fenômenos Físicos

Fenômenos Químicos e Fenômenos Físicos Universidade Estadual de Goiás UnUCET - Anápolis Química Industrial Química Experimental I Fenômenos Químicos e Fenômenos Físicos Alunos: Bruno Ramos; Leopoldo???; Thalles???. Professora: Renata Leal Anápolis,

Leia mais

TC Revisão 2 Ano Termoquímica e Cinética Prof. Alexandre Lima

TC Revisão 2 Ano Termoquímica e Cinética Prof. Alexandre Lima TC Revisão 2 Ano Termoquímica e Cinética Prof. Alexandre Lima 1. Em diversos países, o aproveitamento do lixo doméstico é quase 100%. Do lixo levado para as usinas de compostagem, após a reciclagem, obtém-se

Leia mais

Água e Solução Tampão

Água e Solução Tampão União de Ensino Superior de Campina Grande Faculdade de Campina Grande FAC-CG Curso de Fisioterapia Água e Solução Tampão Prof. Dra. Narlize Silva Lira Cavalcante Fevereiro /2015 Água A água é a substância

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE QUÍMICA DA UFRGS 2011

RESOLUÇÃO DA PROVA DE QUÍMICA DA UFRGS 2011 RESOLUÇÃO DA PROVA DE QUÍMICA DA UFRGS 2011 Questão 26 Como a questão pede a separação do sólido solúvel do líquido, o único processo recomendado é a destilação simples. Lembrando que filtração e decantação

Leia mais

Propriedades da matéria e mudanças de estado físico

Propriedades da matéria e mudanças de estado físico INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO Campus Valença Propriedades da matéria e mudanças de estado físico Professor: José Tiago Pereira Barbosa 1 Propriedades da Matéria A matéria é

Leia mais

Química Geral I. Experimento 3 Tendências Periódicas

Química Geral I. Experimento 3 Tendências Periódicas Universidade Estadual do Norte Fluminense Centro de Ciência e Tecnologia Laboratório de Ciências Químicas Química Geral I Experimento 3 Tendências Periódicas 1 - OBJETIVOS Relacionar a reatividade química

Leia mais

Ciência na Planície EBI de Amareleja. Propostas de atividades

Ciência na Planície EBI de Amareleja. Propostas de atividades Ciência na Planície EBI de Amareleja Propostas de atividades Escrita Invisível Com esta experiência podes torna-te num espião e deixa mensagens que os teus amigos só poderão ler depois de desvendares o

Leia mais

TERMOQUÍMICA. O que é o CALOR? Energia térmica em transito

TERMOQUÍMICA. O que é o CALOR? Energia térmica em transito TERMOQUÍMICA Termoquímica PROF. Prof. DAVID David TERMOQUÍMICA O que é o CALOR? Energia térmica em transito TERMOQUÍMICA Estuda as quantidades de calor liberadas ou absorvidas durante as reações químicas

Leia mais

EQUILÍBRIO QUÍMICO 1

EQUILÍBRIO QUÍMICO 1 EQUILÍBRIO QUÍMICO 1 1- Introdução Uma reação química é composta de duas partes separadas por uma flecha, a qual indica o sentido da reação. As espécies químicas denominadas como reagentes ficam à esquerda

Leia mais

Escola Secundária com 3.º ciclo Jorge Peixinho

Escola Secundária com 3.º ciclo Jorge Peixinho Escola Secundária com 3.º ciclo Jorge Peixinho Ciências Físico-Químicas: CEF-EM(N2) PROFESSORA: Daniela Oliveira MÓDULO 1 SEGURANÇA EM LABORATÓRIOS DE QUÍMICA Escola Secundária com 3.º ciclo Jorge Peixinho

Leia mais

:: Sabão Líquido :: Em um balde ou recipiente bem grande, despejar a soda e 1 litro de água, mexendo por ceca de 5 minutos;

:: Sabão Líquido :: Em um balde ou recipiente bem grande, despejar a soda e 1 litro de água, mexendo por ceca de 5 minutos; :: Sabão Líquido :: Para fazer 30 litros Ingredientes: 1,5 litros de azeite (morno) ½ quilo de soda cáustica 1,5 litros de álcool líquido 1 litro de água (1ª etapa) 27 litros de água (2ª etapa) 2 colheres

Leia mais

Para aprendermos a combater o fogo, precisamos conhecê-lo muito bem. Fogo - É uma reação em cadeia de três elementos que produz luz e calor.

Para aprendermos a combater o fogo, precisamos conhecê-lo muito bem. Fogo - É uma reação em cadeia de três elementos que produz luz e calor. COMBATE A INCÊNDIO 116 1 Combate a incêndio Para aprendermos a combater o fogo, precisamos conhecê-lo muito bem. Fogo - É uma reação em cadeia de três elementos que produz luz e calor. Os três elementos

Leia mais

PROPRIEDADES DOS MATERIAIS QUÍMICA GERAL

PROPRIEDADES DOS MATERIAIS QUÍMICA GERAL PROPRIEDADES DOS MATERIAIS QUÍMICA GERAL PROPRIEDADES DA MATÉRIA CONCEITOS BÁSICOS MATÉRIA: tudo o que tem massa e ocupa lugar no espaço. CORPO/OBJETO: porção limitada da matéria. MASSA: quantidade matéria,

Leia mais

QUÍMICA PRIMEIRA ETAPA - 1997 - TARDE

QUÍMICA PRIMEIRA ETAPA - 1997 - TARDE QUÍMICA PRIMEIRA ETAPA - 1997 - TARDE QUESTÃO 01 Um estudante listou os seguintes processos como exemplos de fenômenos que envolvem reações químicas: I adição de álcool à gasolina. II fermentação da massa

Leia mais

CALORIMETRIA, MUDANÇA DE FASE E TROCA DE CALOR Lista de Exercícios com Gabarito e Soluções Comentadas

CALORIMETRIA, MUDANÇA DE FASE E TROCA DE CALOR Lista de Exercícios com Gabarito e Soluções Comentadas COLÉGIO PEDRO II PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA, EXTENSÃO E CULTURA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA DOCENTE RESIDENTE DOCENTE: Marcia Cristina de Souza Meneguite Lopes MATRÍCULA: P4112515 INSCRIÇÃO: PRD.FIS.0006/15

Leia mais

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS CICLOS BIOGEOQUÍMICOS O fluxo de energia em um ecossistema é unidirecional e necessita de uma constante renovação de energia, que é garantida pelo Sol. Com a matéria inorgânica que participa dos ecossistemas

Leia mais

10/02/2014. O Processo de Dissolução. Solução: é uma mistura homogênea de soluto e solvente. Solvente: Componente cujo estado físico é preservado.

10/02/2014. O Processo de Dissolução. Solução: é uma mistura homogênea de soluto e solvente. Solvente: Componente cujo estado físico é preservado. Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri Bacharelado em Ciência e Tecnologia Diamantina - MG Solução: é uma mistura homogênea de soluto e solvente. Solvente: Componente cujo estado físico

Leia mais

Exercícios 3º ano Química -

Exercícios 3º ano Química - Exercícios 3º ano Química - Ensino Médio - Granbery 01-ufjf-2003- Cada vez mais se torna habitual o consumo de bebidas especiais após a prática de esportes. Esses produtos, chamados bebidas isotônicas,

Leia mais

UNESP- 2013- Vestibular de Inverno

UNESP- 2013- Vestibular de Inverno UNESP- 2013- Vestibular de Inverno 1-Compostos de crômio têm aplicação em muitos processos industriais, como, por exemplo, o tratamento de couro em curtumes e a fabricação de tintas e pigmentos. Os resíduos

Leia mais

A MATÉRIA E SEUS ESTADOS FÍSICOS I TRIMESTRE CIÊNCIAS NATURAIS SABRINA PARENTE

A MATÉRIA E SEUS ESTADOS FÍSICOS I TRIMESTRE CIÊNCIAS NATURAIS SABRINA PARENTE A MATÉRIA E SEUS ESTADOS FÍSICOS I TRIMESTRE CIÊNCIAS NATURAIS SABRINA PARENTE Matéria é tudo em que você puder pensar, destas páginas que você está lendo até a cadeira que você está sentado, a água que

Leia mais

Volumetria ácido-base (continuação) Prof a Alessandra Smaniotto QMC 5325 - Química Analítica - Farmácia Turmas 02102A e 02102B

Volumetria ácido-base (continuação) Prof a Alessandra Smaniotto QMC 5325 - Química Analítica - Farmácia Turmas 02102A e 02102B Volumetria ácido-base (continuação) Prof a Alessandra Smaniotto QMC 5325 - Química Analítica - Farmácia Turmas 02102A e 02102B Curvas de titulação ² A curva de titulação é a representação gráfica de como

Leia mais

Resolução Comentada - Química

Resolução Comentada - Química Resolução Comentada - Química UFTM 2013 1 Fase Vestibular UFTM 2013 1 Resolução Prova de Química Tipo 1 Questão 76 A soja é considerada um dos alimentos mais completos em termos de propriedades nutricionais,

Leia mais

Sobre as substâncias representadas pelas estruturas I e II, é INCORRETO afirmar:

Sobre as substâncias representadas pelas estruturas I e II, é INCORRETO afirmar: 8 GABARITO 1 1 O DIA 2 o PROCESSO SELETIVO/2005 QUÍMICA QUESTÕES DE 16 A 30 16. Devido à sua importância como catalisadores, haletos de boro (especialmente B 3 ) são produzidos na escala de toneladas por

Leia mais

SISTEMAS MATERIAIS - 2012

SISTEMAS MATERIAIS - 2012 SISTEMAS MATERIAIS - 2012 1- (UFV) A obtenção de gasolina a partir do petróleo é feita por: A) destilação fracionada; B) destilação simples; C) filtração simples; D) filtração sob pressão reduzida; E)

Leia mais

QUÍMICA Prova de 2 a Etapa

QUÍMICA Prova de 2 a Etapa QUÍMICA Prova de 2 a Etapa SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Leia atentamente as instruções que se seguem. 1 - Este Caderno de Prova contém sete questões, constituídas de itens e subitens, e é composto de dezesseis

Leia mais

Fração. Página 2 de 6

Fração. Página 2 de 6 1. (Fgv 2014) De acordo com dados da Agência Internacional de Energia (AIE), aproximadamente 87% de todo o combustível consumido no mundo são de origem fóssil. Essas substâncias são encontradas em diversas

Leia mais

Uma receita de iogurte

Uma receita de iogurte A U A UL LA Uma receita de iogurte O iogurte, um alimento comum em vários países do mundo, é produzido a partir do leite. Na industrialização desse produto empregam-se técnicas diversas para dar a consistência,

Leia mais

Água como solvente. Objectivos de Aprendizagem. No final desta lição, você será capaz de:

Água como solvente. Objectivos de Aprendizagem. No final desta lição, você será capaz de: Lição N o 3 Água como solvente Objectivos de Aprendizagem No final desta lição, você será capaz de: Mencionar as propriedades físicas da água. Descrever a composição química da água. Material de apoio

Leia mais

Determinação de bases voláteis totais em pescados por acidimetria

Determinação de bases voláteis totais em pescados por acidimetria Página 1 de 8 1 Escopo Este método tem por objetivo determinar o teor de bases voláteis totais em pescados, indicando o seu grau de conservação. 2 Fundamentos As bases voláteis totais (N-BVT) compreendem

Leia mais

Prova Experimental Física, Química, Biologia

Prova Experimental Física, Química, Biologia Prova Experimental Física, Química, Biologia Complete os espaços: Nomes dos estudantes: Número do Grupo: País: BRAZIL Assinaturas: A proposta deste experimento é extrair DNA de trigo germinado e, posteriormente,

Leia mais

ESTADOS DA MATÉRIA. O átomo é composto por outras partículas ainda menores.

ESTADOS DA MATÉRIA. O átomo é composto por outras partículas ainda menores. ESTADOS DA MATÉRIA A matéria que temos a nossa volta é formada de moléculas que são constituídas por átomos. Uma combinação destes átomos forma as substâncias que conhecemos, porém, devemos salientar que

Leia mais

Sólidos, líquidos e gases

Sólidos, líquidos e gases Mudanças de fase Sólidos, líquidos e gases Estado sólido Neste estado, os átomos da substâncias se encontram muito próximos uns dos outros e ligados por forças eletromagnéticas relativamente grandes. Eles

Leia mais

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA NUTRIÇÃO QUÍMICA CELULAR PROFESSOR CLERSON CLERSONC@HOTMAIL.COM CIESC MADRE CLÉLIA CONCEITO CONJUNTO DE PROCESSOS INGESTÃO, DIGESTÃO E ABSORÇÃO SUBSTÂNCIAS ÚTEIS AO ORGANISMO ESPÉCIE HUMANA: DIGESTÃO ONÍVORA

Leia mais

Propriedades físicas e químicas das substâncias

Propriedades físicas e químicas das substâncias Propriedades físicas e químicas das substâncias Na Natureza há uma grande diversidade de materais. Muitos desses materais são substâncias mas será que são puras? Há substâncias que, mesmo misturadas com

Leia mais

2a. prova Simulado 5 Dissertativo 27.09.06 QUÍMICA INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DO SIMULADO

2a. prova Simulado 5 Dissertativo 27.09.06 QUÍMICA INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DO SIMULADO Simulado 5 Padrão FUVEST Aluno: N o do Cursinho: Sala: QUÍMICA INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DO SIMULADO 1. Aguarde a autorização do fiscal para abrir o caderno de questões e iniciar a prova. 2. Duração da

Leia mais

Título do experimento: Identificando os plásticos. Conceitos: Química Orgânica: Polímeros A química dos Plásticos.

Título do experimento: Identificando os plásticos. Conceitos: Química Orgânica: Polímeros A química dos Plásticos. Título do experimento: Identificando os plásticos Conceitos: Química Orgânica: Polímeros A química dos Plásticos. Materiais: - Plásticos diversos; - Lamparina; - Pinça; - Tesoura; - Pedaço de fio de cobre;

Leia mais

Química SUBSTÂNCIAS, MISTURAS E PROCESSO DE SEPARAÇÃO DE MISTURAS

Química SUBSTÂNCIAS, MISTURAS E PROCESSO DE SEPARAÇÃO DE MISTURAS SUBSTÂNCIAS, MISTURAS E PROCESSO DE SEPARAÇÃO DE MISTURAS SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS Átomos ligados entre si são chamados de moléculas, e representam substâncias químicas. Cada molécula é identificada por uma

Leia mais

Aluno (a): Professor:

Aluno (a): Professor: 3º BIM P1 LISTA DE EXERCÍCIOS CIÊNCIAS 6º ANO Aluno (a): Professor: Turma: Turno: Data: / / Unidade: ( ) Asa Norte ( ) Águas Lindas ( )Ceilândia ( ) Gama ( )Guará ( ) Pistão Norte ( ) Recanto das Emas

Leia mais

Orientações e sugestões para o desenvolvimento de conteúdos e habilidades para aluno DV. Ciências da Natureza/Ensino Médio. Bloco da INDÚSTRIA QUÍMICA

Orientações e sugestões para o desenvolvimento de conteúdos e habilidades para aluno DV. Ciências da Natureza/Ensino Médio. Bloco da INDÚSTRIA QUÍMICA Orientações e sugestões para o desenvolvimento de conteúdos e habilidades para aluno DV Ciências da Natureza/Ensino Médio Bloco da INDÚSTRIA QUÍMICA Com o conhecimento de átomos e moléculas, passa-se a

Leia mais

Aula 2: O estudo da matéria

Aula 2: O estudo da matéria KROTON S.A. UNIC EDUCACIONAL LTDA. ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 2015/1 Aula 2: O estudo da matéria A Matéria Conceitos; Tudo que tem massa e ocupa lugar no espaço. - O que é massa? - Como se afere a massa de

Leia mais

UFMG - 2004 3º DIA QUÍMICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

UFMG - 2004 3º DIA QUÍMICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR UFMG - 2004 3º DIA QUÍMICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Química Questão 01 Os metais alcalinos, ao reagirem com água, produzem soluções dos respectivos hidróxidos e gás hidrogênio. Esta tabela apresenta

Leia mais

Guia do Professor. Módulo Propriedades das substâncias e dos materiais. Processos de separação de Misturas. Área de Aprendizagem: Química

Guia do Professor. Módulo Propriedades das substâncias e dos materiais. Processos de separação de Misturas. Área de Aprendizagem: Química Vídeo: fazendo e desfazendo café Olá Professor(a)! Este Guia tem por finalidade ajudar você a conduzir as atividades propostas para o estudo de Processos de separação de misturas! O vídeo Fazendo e desfazendo

Leia mais

1ªsérie 1º período Q U Í M I C A

1ªsérie 1º período Q U Í M I C A 2.1 Dados: densidades a 25 C (g/cm 3 ): polietileno = 0,91 a 0,98; água = 1,0; poliestireno = 1,04 a 1,06; policloreto de vinila = 1,5 a 1,42. QUESTÃO 1 A morte da cantora Amy Winehouse mostrou que não

Leia mais

REVISÃO QUÍMICA. Profº JURANDIR QUÍMICA

REVISÃO QUÍMICA. Profº JURANDIR QUÍMICA REVISÃO QUÍMICA Profº JURANDIR QUÍMICA DADOS 01. (ENEM 2004) Em setembro de 1998, cerca de 10.000 toneladas de ácido sulfúrico (H 2 SO 4 ) foram derramadas pelo navio Bahamas no litoral do Rio Grande

Leia mais

Química Geral Experimental - Aula 10

Química Geral Experimental - Aula 10 Química Geral Experimental - Aula 10 Título da Prática: Reações Químicas (Parte l) Objetivos: Determinar a concentração exata (padronizar) de soluções aquosas diluídas de ácidos e bases fortes utilizando

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO TEOR DE VITAMINA C EM ALIMENTOS 1 INTRODUÇÃO

DETERMINAÇÃO DO TEOR DE VITAMINA C EM ALIMENTOS 1 INTRODUÇÃO DETERMINAÇÃO DO TEOR DE VITAMINA C EM ALIMENTOS 1 INTRODUÇÃO A maioria das vitaminas não pode ser fabricada pelo corpo, por isso é necessário obtê-las a partir dos alimentos. A vitamina D é uma exceção,

Leia mais

CONTEÚDOS DE QUÍMICA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

CONTEÚDOS DE QUÍMICA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO DE QUÍMICA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO GOVERNADOR DE PERNAMBUCO Paulo Henrique Saraiva Câmara SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES Frederico

Leia mais

Quando tratamos das propriedades de um material transformado, segundo muitos pesquisadores, estas dependem de uma reciclagem bem sucedida. Para que isto ocorra, os flocos de PET deverão satisfazer determinados

Leia mais

2. Assinale a alternativa que apresenta, na seqüência, os termos corretos que preenchem as lacunas da seguinte afirmativa:

2. Assinale a alternativa que apresenta, na seqüência, os termos corretos que preenchem as lacunas da seguinte afirmativa: COLÉGIO JOÃO PAULO I QUÍMICA 8ª Série Nome: Turma: Data: Professor (a): Nota Máxima: 6,0 Nota: 1. Assinale a ÚNICA proposição CORRETA que contém o melhor método para separar os três componentes de uma

Leia mais

PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO

PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO DEFINIÇÃO DO FOGO O FOGO É UMA REAÇÃO QUIMICA QUE LIBERA LUZ E CALOR. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO 193 QUAL É O NUMERO DO CORPO DE BOMBEIROS?

Leia mais

Fig.: Esquema de montagem do experimento.

Fig.: Esquema de montagem do experimento. Título do Experimento: Tratamento de água por Evaporação 5 Conceitos: Mudanças de fases Materiais: Pote de plástico de 500 ml ou 1L; Filme PVC; Pote pequeno de vidro; Atilho (Borracha de dinheiro); Água

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE E VALOR NUTRICIONAL DE ÓLEOS E GORDURAS

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE E VALOR NUTRICIONAL DE ÓLEOS E GORDURAS Data: Agosto/2003 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE E VALOR NUTRICIONAL DE ÓLEOS E GORDURAS Óleos e gorduras são constituintes naturais dos ingredientes grãos usados nas formulações de rações para animais. Podem

Leia mais

Resumo das atividades para o Nível I pré-escolar, 1º e 2º anos

Resumo das atividades para o Nível I pré-escolar, 1º e 2º anos Resumo das atividades para o Nível I pré-escolar, 1º e 2º anos Papel Como atividade propõe-se a realização de um processo artesanal de reciclagem de papel. Associada a esta temática pretende-se transmitir

Leia mais