PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AMBIENTAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AMBIENTAL"

Transcrição

1 PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AMBIENTAL CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS, TECNOLÓGICAS E DA NATUREZA (CECETEN) UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA VASSOURAS/RJ

2 APRESENTAÇÃO Esse Projeto expressa a constante construção da prática pedagógica inserida no curso de Engenharia Ambiental. O que se apresenta é a percepção de nossos professores que compõem ou já compuseram o colegiado juntamente com os seus coordenadores, nesses quase cinco anos de curso. Em um contexto atual e sempre flexível para propostas inovadoras que visem um desenvolvimento de competências técnicas com olhar humanista, esta prática pretende comprometer-se com a formação de um profissional de vanguarda, empreendedor, interferente e capaz de problematizar com competência e responsabilidade em um mundo cada vez mais exigente de tecnologias sustentáveis. Desta forma, pressupõe-se a necessidade de uma gestão do currículo que envolva não somente os conteúdos disciplinares, como também práticas pedagógicas capazes de ampliar os espaços e os tempos de aprender. Por considerarmos que as Universidades não são apenas instituições cujo trabalho se esgota na instrução, mas, ao contrário, são espaços complexos em que culturas, ideologias e visão de mundo estão em conflito, compreendemos que na discussão sobre o projeto pedagógico de um curso de graduação não são apenas as questões relacionadas ao como e por que aprender que devam estar sendo discutidas, como também as relacionadas ao ensino. E este processo se constrói pela participação de todos os sujeitos sociais, quando da definição do Projeto Pedagógico do curso; pela contínua reflexão sobre o perfil sócio-econômico e cultural dos alunos; pela definição de quais são os projetos capazes de associar conhecimento, participação e transformação dos sujeitos envolvidos na prática pedagógica. O Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental se dinamiza pelas constantes discussões com docentes, finalizando com os partícipes do Núcleo Docente Estruturante. Luzia Teixeira de Azevedo Soares Semêdo, DSc. Coordenação do Curso de Engenharia Ambiental 2

3 SUMÁRIO 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR (IES) DADOS GERAIS DA MANTENEDORA E DA MANTIDA PERFIL E MISSÃO DA IES DADOS SOCIOECONÔMICOS DA REGIÃO BREVE HISTÓRICO DA INSTITUIÇÃO POLÍTICAS INSTITUCIONAIS DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONTEXTUALIZAÇÃO DO CURSO DADOS GERAIS DO CURSO BREVE HISTÓRICO DO CURSO JUSTIFICATIVA PARA ABERTURA DO CURSO ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA PROJETO DO CURSO: ASPECTOS GERAIS Objetivos do Curso Perfil do Egresso Articulação do PPC com o PPI e com PDI: Ações implementadas Coerência PPC e Currículo e DCNs: Ações implementadas Avaliação do Curso: Ações implementadas ENADE: Ações implementadas PROJETO DO CURSO: FORMAÇÃO Estrutura curricular Adequação e Dimensionamento de cargas horárias Disciplinas em Modalidade Semipresencial Conteúdos Curriculares Núcleo de Formação Básica Núcleo de Formação Profissionalizante Núcleo de Formação Específico

4 Ementas atualizadas e coerentes com perfil do egresso e os objetivos do curso Procedimentos de Ensino- Aprendizagem Estratégias de flexibilização Curricular, Contextualização e Interdisciplinaridade Metodologia comprometida com o desenvolvimento do Espírito Científico ATENDIMENTO AO DISCENTE Nivelamento Programa Institucional de Monitoria Atividades Extraclasse Apoio Psicopedagógico Programa Institucional de Tutoria Política de Institucionalização de Acompanhamento do Egresso Acesso a Registros Acadêmicos Condições de Acesso para portadores de necessidades especiais PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO ATIVIDADES ACADÊMICAS ARTICULADAS À FORMAÇÃO Estágio Curricular Supervisionado Trabalho de Conclusão de Curso Atividades Complementares Pesquisa Extensão Estímulo à participação em Eventos Internos e Externos CORPO DOCENTE, CORPO TÉCNICO E ADMINISTRATIVO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE NDE COORDENADORA DO CURSO INSTÃNCIAS COLETIVAS DO CURSO DO CORPO DOCENTE Pesquisa e Produção Científica de Docentes Plano de Carreira Docente

5 4.5 DO CORPO TÉCNICO E ADMINISTRATIVO INSTALAÇÕES FISICAS INSTALAÇÕES GERAIS BIBLIOTECA Informatização Política de Atualização Serviços INFRA-ESTRUTURA E INSTALAÇÕES E LABORATÓRIOS ESPECÍFICOS Laboratório de Informática Laboratório de Ciências Ambientais Laboratório de Bioquímica Laboratório de Cartografia Laboratório de Física Laboratório de Físico-química Laboratório de Microbiologia Laboratório de Química analítica e Inorgânica Laboratório de Química analítica e Orgânica REFERÊNCIAS ANEXOS

6 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR (IES) 1.1 DADOS GERAIS DA MANTENEDORA E DA MANTIDA Mantenedora: FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SEVERINO SOMBRA Município - Sede: Vassouras Estado: Rio de Janeiro Região: Centro Sul Fluminense C.G.C. / C.F. n / Endereço: Praça Martinho Nóbrega, 40 Tel/fax (24) Endereço eletrônico: Instituída a 29 de janeiro de 1967, declarada de Utilidade Pública pelo Decreto Federal nº , de 17 de junho de 1971 e reconhecida como entidade de fins filantrópicos por certificado do Conselho Nacional de Serviço Social, de 8 de janeiro de Mantida: UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA () Município - Sede: Vassouras Estado: Rio de Janeiro Região: Centro Sul Fluminense Ato de Credenciamento: Decreto de 3 de julho de 1997 Data de publicação no DOU: 04/07/1997 Processo: /90-76 Endereço: Praça Martinho Nóbrega, 40 Bairro: Centro Cidade: Vassouras CEP: Telefones: 0XX (24) / Home page: Caracterização Geral da IES: Instituição privada, sem fins lucrativos, declarada de Utilidade Pública pelo Decreto nº , de 17 de junho de 1.971, publicado no Diário Oficial da União em 18 de junho de

7 1.2 PERFIL E MISSÃO DA IES A história da Universidade Severino Sombra () se articula com a história da cidade de Vassouras. A possui importância histórica no desenvolvimento econômico, social e cultural do município de Vassouras que, juntamente com seu entorno, que constitui a região de governo denominada Centro-Sul Fluminense. Interiorização e regionalização são categorias que articulam o ente federativo - MUNICÍPIO - à instituição de ensino superior - UNIVERSIDADE. Esta, desde a década de 70, cumpre a função social do ensino superior. Ao oferecer acesso a cursos de graduação fora dos grandes centros, cria oportunidades de acesso ao Ensino Superior, ampliando a escolarização da população local, e também daqueles que provêm de outros municípios do Estado do Rio de Janeiro e/ou de outros estados de diferentes regiões do Brasil. Este fato expressa-se em sua missão, em sua visão de futuro e nos princípios filosóficos que orientam as práticas gestoras e pedagógicas, como podemos observar em sua MISSÃO: Promover a formação integral do ser humano e sua capacitação ao exercício profissional, através do ensino, da pesquisa e da extensão, incentivando o aprendizado contínuo para o desenvolvimento nacional e em particular da região Centro Sul- Fluminense. A partir da sua missão, a Universidade Severino Sombra () compromete-se com o desenvolvimento científico do país, com uma educação superior que valoriza e incorpora as inovações tecnológicas, educacionais, em uma perspectiva multicultural e globalizante, mencionada na VISÃO institucional: Transformar o contexto da educação superior brasileira, através da implementação de uma gestão compartilhada e inovadora, capaz de concretizar uma idéia de formação multidimensional eficaz e de qualidade, atendendo às diferentes realidades sociais. Para promover a formação integral do ser humano, articulada ao desenvolvimento local, regional e nacional, há necessidade de princípios que orientem as práticas. Dentre eles podemos citar os valores que permeiam as práticas gestoras e pedagógicas da : Autonomia: Estimular o desenvolvimento autônomo de conhecimentos e a autotransformação em busca do fortalecimento da tomada de decisões para a resolução de problemas de forma adequada, em função da consciência de responsabilidade social. Conhecimento: Reconhecer o legado cultural que sustenta os indivíduos, favorecendo a critica e reflexão permanente; 7

8 Relações éticas: Valorizar a diversidade ética e cultural, contribuindo para a difusão de práticas de inclusão; Trabalho cooperativo: Estimular a cooperação e o compartilhamento de visões de mundo, de sociedade, de trabalho de equipe; Formação permanente: Compreender a formação como um processo permanente que orienta nossas ações no mundo e sobre o mundo, que favorece o aprimoramento individual e coletivo, pessoal, organizacional e social. Considerando a Missão, a Visão e os valores, definem-se os objetivos da : Objetivo Geral: Oferecer ensino superior nos níveis de graduação e pós-graduação Lato sensu e Stricto sensu, de forma articulada com atividades de pesquisa e de extensão. Objetivos específicos: 1. Incentivar formação autônoma e pessoal, por meio de práticas pedagógicas modernas, despertando o desenvolvimento de múltiplas capacidades do discente; 2. Desenvolver formação humanista; 3. Incentivar a articulação eficaz do binômio teoria e prática, buscando valorizar o aluno como um ser universal, que possa ter suas experiências desenvolvidas em diferentes espaços de aprendizagem. 4. Valorizar e promover a contínua busca do conhecimento para que, concluído o curso, o aluno promova seu próprio desenvolvimento intelectual e profissional autônomo e permanente; 5. Desenvolver habilidades e competências que possibilitarão ao aluno: Desenvolver comunicação eficaz; Manter um diálogo claro e convincente, apropriando-se do modo de argumentação adequado à sua formação e à sua área profissional; Utilizar recursos tecnológicos que favoreçam a busca e o registro de dados, a produção intelectual e a comunicação; Articular com eficácia os instrumentos e as habilidades fundamentais de seu campo profissional, para nele atuar com responsabilidade e competência; Ter uma visão sistêmica de sua área de conhecimento, compreendendo para isto as relações multidisciplinares que ela estabelece;.pensar criticamente a própria experiência e o próprio contexto social; Conceber criativamente e coletivamente visões compartilhadas de futuro. 8

9 A proposta do curso em sintonia com a MISSÃO da proporciona a alunos e professores o desenvolvimento de uma visão integrada do mundo e da vida, a partir de conhecimentos e experiências humanas diversificadas, de uma educação global e sistêmica focadas na visão do todo e na integração das partes. 1.3 DADOS SÓCIO-ECONÔMICOS DA REGIÃO O Município de Vassouras O município de Vassouras localiza-se na região de governo denominada de Centro-Sul Fluminense. Sua posição geográfica está diretamente ligada pelo Caminho Novo aos primórdios da história do Rio de Janeiro e das Minas Gerais. A origem de seu nome, segundo a tradição, se deve à grande quantidade do arbusto chamado Tupeiçava ou Vassourinha, muito utilizado para fazer vassoura. Conhecida também como "Princesinha do Café", "Cidade das Palmeiras" e "Terra dos Barões", Vassouras exerceu importante papel no período do ciclo do café (séculos XVIII e XIX). Suas terras, inicialmente desbravadas por Garcia Rodrigues Paes Leme, transformaram-se logo num conglomerado de tropeiros e, em breve, a sesmaria de Vassouras e Rio Bonito daria lugar à Vila de Vassouras. Contando com privilegiada rede de transporte, destacando-se a via férrea, Vassouras foi elevada à categoria de cidade em Enriquecida com a economia cafeeira, em pouco tempo se transformaria em um dos principais núcleos da aristocracia fluminense e só declinaria com a abolição da escravatura. A monocultura cedeu lugar às pequenas lavouras de hortaliças e cereais. Sua economia hoje se resume às atividades agropecuárias, principalmente as de gado de corte e leiteiro e às lavouras de tomate. Considerada historicamente, como um dos mais importantes municípios do Vale do Paraíba, Vassouras guarda em suas características arquitetônicas os vestígios do período áureo do ciclo do café. O visitante se encanta com os calçamentos de suas ruas, com a beleza de seus prédios, praças, chafarizes, figueiras centenárias e gigantescas palmeiras. A Praça Barão do Campo Belo, encimada pela Igreja Matriz Nossa Senhora da Conceição, é emoldurada pelo casario que serviu à aristocracia. Seu Conjunto urbanístico e arquitetônico, tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), refere-se à parte central do distrito - sede. Data do século XIX e se destaca pela singularidade de suas ruas, pela beleza de suas praças e solares assobradados. A região apresenta ainda sedes de fazendas que preservam a beleza arquitetônica colonial rural. Hoje, a Universidade Severino Sombra e Vassouras são indissociáveis, seus cerca de habitantes (IBGE, 2009) se misturam à população estudantil. O município é constituído de quatro (4) distritos: Vassouras, Andrade Pinto, São Sebastião dos Ferreiros e Sebastião de Lacerda. Assim permanecendo em divisão territorial datada de

10 1.3.1 A Região Centro Sul Fluminense e Médio Paraíba O Curso de Engenharia Ambiental recebe ingressantes predominantemente oriundos do Estado do Rio de Janeiro, com destaque das regiões Centro-Sul Fluminense, Médio Paraíba abrangendo os seguintes municípios: Angra dos Reis, Areal, Barra Mansa, Barra do Piraí, Itatiaia, Comendador Levy Gasparian, Mendes, Miguel Pereira, Paracambí, Paraíba do Sul, Paraty, Paty do Alferes, Engenheiro Paulo de Frontin, Pinheiral, Piraí, Porto Real, Quatis, Resende, Rio Claro, Rio das Flores, Sapucaia, Três Rios, Valença, Vassouras,Volta Redonda; além de oriundos de outros Estados brasileiros. Entre os municípios integrantes das regiões predominantes encontra-se uma malha rodoviária que permite fácil acesso à Universidade Severino Sombra, facilitando aos ingressantes o deslocamento diário para realizar o Curso, por Vassouras localizar-se aproximadamente eqüidistante dos demais municípios. A diversidade econômica observada entre os municípios dos quais recebemos alunos não os diferencia quanto às perspectivas em relação ao mundo do trabalho, encontrando-se os mesmos na rede de ensino pública, estadual, municipal e privada. Na região há uma ampla rede de pequenas, médias e grandes empresas, possui órgãos públicos com atuação em projetos, planejamento, manutenção, coordenação e supervisão de serviços e obras. Paraíba. A seguir é apresentado um quadro demonstrativo da região Centro Sul fluminense e Médio 10

11 Município População do Município Curso de Engenharia Ambiental Dados Sócio Econômico da Região Centro Sul Fluminense e Médio Paraíba Empresas População Ocupada PIB Per Capta Ensino Médio Distância Tempo Aproximado Viagem Angra dos Reis , Km 2h 25 min RJ 155 Areal , ,7 Km 1h 5 min BR 393 Barra do Piraí , ,6 Km 23 min BR 393 Barra Mansa , ,5 Km 1h 1 min BR 393 Itatiaia , Km 1h 36 min BR 393 e Rodov. Pres. Dutra Com de. Levy Acesso Gasparian , ,7 Km 59 min BR 393 Mendes , ,4 Km 20 min BR 393 RJ 127 Miguel Pereira , ,9 Km 30 min RJ 115 Paracambi , ,4 Km 36 min BR 393 e RJ 127 Paraíba do Sul , ,1 Km 42 min BR 393 Paraty , Km 3h7 min BR 393 RJ 155 e Rod. Rio Santos Paty de Alferes , ,7 Km 39 min RJ 115 Eng. Paulo de Frontin , ,1 Km 30 min BR 393 RJ 127 Pinheiral , ,8 Km 44 min BR 393 Piraí ,9 Km 56 min BR 393 e RJ 137 Porto Real , ,5 Km 1h 15 min BR 393 e Rodov. Pres. Dutra Quatis , ,7 Km 1h 15 min BR 393 RJ 143 Resende , Km 1h 32 min BR 393 e Rodov. Pres. Dutra Rio Claro , Km 1h 26min RJ 137 Rio das , ,8 Km 51 min RJ 115 Flores Sapucaia , Km 1h 22 min BR 393 Três Rios , ,8 Km 48 min BR 393 Valença , ,3 Km 38 min RJ 143 Vassouras , Volta Redonda , ,3 Km 51 min BR

12 1.4 BREVE HISTÓRICO DA INSTITUIÇÃO A Universidade Severino Sombra surgiu na segunda metade da década de 1960, a partir da criação em 27/07/66 da Sociedade Universitária John F. Kennedy (SUNEDY) e em 1967 foi eleito seu Presidente, o Prof. Severino Sombra de Albuquerque. Em 25 de março de 1975, cumprindo exigência do Conselho Federal de Educação, teve seu nome alterado para Fundação Educacional Severino Sombra (FUSVE). A partir de 03 de julho de 1997 as Faculdades Integradas Severino Sombra são transformadas na Universidade Severino Sombra (D.O. de 04/07/97). O primeiro curso a ser autorizado foi o de Medicina (decreto n de 13/12/68). A Faculdade de Medicina funcionou, inicialmente, em prédio cedido pelo Governo do Estado do Rio de Janeiro - Palacete Barão de Massambará. Começava a realização do sonho do Professor Severino Sombra: o de implantar, na histórica cidade de Vassouras, a Coimbra Brasileira, isto é, uma Cidade Universitária. Tendo em vista o sentido humanitário de sua obra de prestar assistência às populações da região e, sobretudo, promover as atividades práticas do Ensino Médico, a FUSF, empenhou-se na instalação de um Hospital-Escola. Foi adquirida, em março de 1970, uma propriedade com m 2 de terreno, arborizado com um imóvel em que funcionava a Sociedade Feminina de Educação e Assistência. Em abril do mesmo ano, começou a funcionar o Ambulatório com quatorze (14) consultórios médicos e dois (2) anfiteatros. A inauguração do Hospital-Escola Jarbas Passarinho (HEJP), ocorreu em 27/04/72, com a presença do Ministro da Educação e Cultura, Professor Jarbas Passarinho. Em 1984, o ciclo básico da Faculdade de Medicina foi transferido do antigo Palacete do Barão de Massambará para as novas instalações do Conjunto Universitário. Em 1988, foi autorizado o funcionamento da Residência Médica nas 04 (quatro) áreas básicas (pediatria, ginecologia/obstetrícia, clínica médica e clínica cirúrgica), pela Comissão Nacional de Residência Médica do Ministério da Educação e Cultura e, mais recentemente, através do Parecer nº 09/98, foram credenciadas as áreas de Anestesiologia, Nefrologia, Terapia Intensiva e, finalmente, em 2008, a de Medicina da Família. O Hospital Universitário foi reconhecido em 2005, pelo Ministério da Saúde e Ministério da Educação, como Hospital de Ensino. Paralelamente à criação do Curso de Medicina, observamos, no início da década de 1970, a criação e autorização, no município de Paraíba do Sul, da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras (Decreto n , de 21/09/71, publicado no D. O. de 23/09/71). Por exigência do Conselho Federal de Educação foi transferida para a sede do Município de Vassouras (04/06/75), instalando-se provisoriamente no imóvel do então Colégio Regina Coeli. No Final da década de 1970, visando ampliar seus Cursos, a Fundação Universitária Severino Sombra implantou a Escola de Engenharia Mecânica e Elétrica (Decreto n , de 14/05/84, 12

13 publicado no D.O. de 15/04/84). Em função da ampliação das áreas de atuação, além do Curso de Medicina, foi adquirido a partir da década de 1970, o prédio da Estação Ferroviária do município de Vassouras e a Chácara Visconde de Araxá, onde foi construído o Campus Universitário. O Campus Universitário ganhou em 1986, o Auditório Severino Sombra, com capacidade de 220 lugares. Como parte do Complexo Educacional Severino Sombra, foram criados: o Colégio Sul Fluminense de Aplicação - COSFLAP- (Portaria n. 997/CDCE-E, de 04/12/90); o Centro de Documentação Histórica (CDH), com a finalidade de desenvolver Pesquisa em Vassouras e no Vale do Paraíba; a Fazenda Experimental e o Hospital-escola Veterinário. Em 2004 foi criado o CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL, reconhecido pelo MEC (Decreto n , de 09/5/2006, publicado no D.O. de 01/11/2006). A Universidade Severino Sombra oferece, na área do ensino, cursos de graduação, nas modalidades de bacharelado, licenciatura e tecnólogo. Na área de programas de pós-graduação oferece cursos em nível Lato Sensu e Stricto Sensu. Os cursos de graduação estão organizados em três (3) centros: a) Centro de Ciências da Saúde: Biomedicina, Enfermagem, Farmácia, Fisioterapia, Medicina, Medicina Veterinária, Psicologia, Odontologia, Tecnólogo em Radiologia. b) Centro de Ciências Exatas, Tecnológicas e da Natureza: Ciências Biológicas, Engenharia Ambiental, Engenharia Elétrica, Química Industrial, Matemática, Sistema de Informação, Tecnólogo em Agronegócios, e Tecnólogo em Gestão Ambiental. c) Centro de Letras, Ciências Humanas, Sociais e Aplicadas: História, Letras, Pedagogia, Turismo (Bacharelado e Tecnólogo), Administração, Teologia, Tecnólogo em Gestão Pública, Tecnólogo em Negócios Imobiliários. No que tange à administração, o general Severino Sombra de Albuquerque legou a Universidade Severino Sombra ao Município de Vassouras. A gestão da Universidade e de sua mantenedora FUSVE foi estabelecida a partir de eleição de um Conselho Gestor, pelo voto da Comunidade Acadêmica e da Comunidade de Vassouras, representadas pelos membros dos Conselhos Eleitor, Diretor e Curador. Atualmente, o contingente educacional da é de alunos, distribuídos nos diversos níveis de ensino. O Corpo docente é composto de 358 professores (Graduação, Pós-Graduação, Ensino Médio e Tecnológico) e o quadro de Pessoal Técnico-Administrativo é composto por 960 servidores (fonte: Universidade Severino Sombra Recursos Humanos, 2011). 13

14 1.5. POLÍTICAS INSTITUCIONAIS DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Atualmente as Políticas institucionais da Universidade Severino Sombra () buscam articular ensino, pesquisa e extensão. É a PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO que implanta e coordena as políticas de ensino, através da oferta de cursos de graduação plena nas áreas das Ciências da Saúde; das Ciências Humanas e das Ciências Exatas e da Natureza. A política de ensino da Instituição busca estimular a inquietação, a dúvida, a provocação de novas idéias e a procura de novos métodos que comprometam o aluno com os problemas da sociedade através de uma formação multidisciplinar. Procura dotar os estudantes não apenas de uma excelente formação profissional, mas também de atitudes que expressem essa formação. Articulando formação profissional e formação política, a Instituição quer provocar, em seus estudantes, tomadas de atitude frente à situação atual, tornando-os profissionais politicamente responsáveis. A compreensão do currículo como algo dinâmico, que se constrói cotidianamente, contribui para a reconfiguração das escolhas e decisões docentes, questionando uma suposta neutralidade do seu trabalho pedagógico, provocando reflexão e tomada de decisão, que se desenvolvem assentadas em valores e princípios, na maioria das vezes não explicitados. Pensar as mudanças no ensino e no Projeto Pedagógico implica pensar movimentos que envolvam ações em nível macro e micro. A mudança não se constrói somente em nível macro, nem somente no espaço intra-muros, mas também com atuação no espaço extra-muros e sua participação. Os dois âmbitos devem estar articulados e os atores envolvidos têm que participar de algum modo nesses amplos espaços aqui configurados. A PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO é o setor da Universidade Severino Sombra responsável por implantar, acompanhar e avaliar políticas institucionais de práticas de investigação e de iniciação científica. A Missão de uma Universidade não se restringe somente à transmissão do conhecimento, mas abrange também a produção de conhecimento científico. Diante disto, a Universidade Severino Sombra instituiu mecanismos de incentivo e viabilização para o desenvolvimento de pesquisas em sua comunidade acadêmica. Com a criação de meios que possibilitem gerar um ambiente propício à produção de novos conhecimentos, a Universidade busca contribuir para a qualificação e atualização de seu Corpo Docente, em relação aos avanços científicos, ao intercâmbio de conhecimento científico, ao crescimento de sua comunidade acadêmica e finalmente, para a melhoria do processo de ensino-aprendizagem, através da aproximação entre o ensino e a pesquisa. Através da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação, a vem investindo em ensino continuado desde a década de 1970, através de seus cursos de Pós-Graduação Lato Sensu. A, por atuar em toda a região Centro-Sul-Fluminense é um importante polo formador e fomentador do desenvolvimento científico e cultural, possibilitando a (re)qualificação profissional e uma melhor 14

15 perspectiva de inserção no mercado de trabalho. Por sua tradição e pela qualidade dos cursos oferecidos, a é hoje uma referência regional em Pós-Graduação nas áreas da Saúde, da Educação e em áreas multidisciplinares. Quanto a Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu, oferece o Mestrado Acadêmico em História Social e a, partir do ano de 2008, oferece o Mestrado Profissional em Educação Matemática e em 2011 foi implantado o Mestrado Profissional em Ciências Ambientais. A Iniciação Científica tem como objetivos despertar a vocação científica dos estudantes de graduação e incentivar talentos em potencial. Este Programa estabelece incentivos e normas para o desenvolvimento acadêmico dos alunos de graduação da Universidade Severino Sombra, estreitando vínculos entre o ensino e a pesquisa e contribuindo para uma melhor formação do discente, através de seu engajamento em Projetos de Pesquisa desenvolvidos e orientados pelos docentes da Instituição. Ao mesmo tempo, os novos questionamentos e as novas práticas decorrentes do trabalho de pesquisa incidem diretamente sobre o rendimento acadêmico do aluno, tanto no desenvolvimento de suas aptidões e seu raciocínio, quanto na sua motivação. A possui Grupos de Pesquisa cadastrados no Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico (CNPq). Desses grupos participam professores e alunos das áreas: Ciências da Saúde; Ciências Exatas, da Natureza e Tecnológica; e Ciências Sociais, Aplicadas e Humanas. Até o ano de 2007 a subsidiava os pesquisadores com gratificação de pesquisa e à partir de janeiro de 2008, esta gratificação passou a ser feita através da FUNADESP (Fundação Nacional de Desenvolvimento do Ensino Superior Particular). Os resultados das atividades de pesquisa têm propiciado a docentes e discentes participação em congressos, reuniões científicas internacionais, nacionais e locais com apresentação de trabalhos. Como resultado desses trabalhos de investigação, tem ocorrido publicação em livros e revistas indexadas. Como inúmeros trabalhos possuem dimensão social, tem ocorrido articulação das atividades de pesquisas e de extensão junto à comunidade local. Dentro desta perspectiva, a Universidade se propõe a ser um centro promotor e estimulador da pesquisa científica, definindo Linhas e Grupos de Pesquisa voltados para o desenvolvimento regional, empenhados em contribuir na diminuição dos desníveis setoriais da sociedade em que se encontra inserida consoante com o perfil de formação que pretende. As políticas de pesquisa da Instituição são definidas pelo Colegiado de Pesquisa, órgão colegiado, de naturezas consultivas, normativas e deliberativas, formadas por docentes das diferentes áreas do saber abrangidas na e eleitos por seus pares. Desta forma, a Comunidade Acadêmica participa de forma atuante no estabelecimento das diretrizes de pesquisa e na criação das normas para sua operacionalização. O COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA (CEP-) tem papel - chave no monitoramento dos Projetos de Pesquisa na Instituição, assegurando que o delineamento da pesquisa e o seu desenvolvimento sigam os parâmetros éticos estabelecidos. 15

16 O Comitê de Ética em Pesquisa (CEP) é um órgão colegiado interdisciplinar e independente, com múnus público, de caráter consultivo, deliberativo e educativo, que existe nas instituições que realizam pesquisas envolvendo seres humanos no Brasil, criado para defender os interesses dos sujeitos da pesquisa em sua integridade e dignidade e para contribuir no desenvolvimento da pesquisa dentro de padrões éticos (Normas e Diretrizes Regulamentadoras da Pesquisa Envolvendo Seres Humanos Res. CNS 196/96, II.14). É responsável pela avaliação e acompanhamento dos aspectos éticos de todas as pesquisas envolvendo seres humanos. Sua missão é salvaguardar os direitos e a dignidade dos sujeitos da pesquisa e contribuir para sua qualidade com discussão do papel da pesquisa no desenvolvimento institucional e social da comunidade. O CEP da Universidade Severino Sombra foi criado e registrado junto à Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (CONEP), em 2000, sendo esta criação resultado de uma demanda apresentada por docentes do curso de medicina. Atualmente o Comitê é formado por dezessete participantes de diversas áreas de atuação, além de um representante dos usuários e vem promovendo campanhas educativas e realizando cursos de extensão gratuitos, abertos a toda a comunidade, sobre os procedimentos éticos em pesquisa envolvendo seres humanos. A CEUA, COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS, tem por finalidade fazer cumprir as determinações dos aspectos éticos envolvendo a utilização em animais tanto em experimentos e quanto em atividades de ensino. A CEUA é uma comissão multidisciplinar, formada por docentes, discentes e membros da sociedade civil que se reúne periodicamente, com o objetivo de acompanhar, avaliar e regulamentar os procedimentos envolvendo animais na Instituição, a partir dos parâmetros e os critérios estabelecidos pela COBEA e pelo Conselho Federal de Medicina Veterinária. Conceitualmente, a PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA deve atender a três marcos: a bilateralidade da relação Instituição de Ensino Superior e sociedade, a indissociabilidade pesquisa-extensão e a interdisciplinaridade. A Extensão Universitária é um processo social, educativo, cultural e científico que, articulado ao ensino e à pesquisa, viabiliza a relação transformadora entre a Universidade e a Sociedade. Essa relação deverá ser praticada sempre como via de mão-dupla, com troca de saberes, resultante da atuação intencional dos Cursos na realidade e da participação efetiva da comunidade na construção da Universidade. O relacionamento com o ensino e a pesquisa reforça o processo extensionista como espaço de formação, alicerçado na produção de novos conhecimentos, na qual se incluem os novos métodos e tecnologias. No ensino da, a Extensão contribui para o aprofundamento do conceito compreensivo de sala de aula como espaço intra e extramural, para a superação do conceito de aula como processo informativo, buscando uma maior responsabilização do aluno na sua formação e reforçando o papel do professor como facilitador do processo de ensino-aprendizagem e não mero repassador de informação. 16

17 2.1 DADOS GERAIS DO CURSO 2. CONTEXTUALIZAÇÃO DO CURSO Curso de Engenharia Ambiental Centro: CECETEN - Centro de Ciências Exatas, Tecnológicas e da Natureza Denominação do Curso: Curso de Engenharia Ambiental Nº de vagas em regime seriado semestral: 40 (quarenta). Horários de Funcionamento: noturno, durante a semana e diurno aos sábados. Aprovado por deliberação: no. 06/03 CONSU de 27/11/2003 Reconhecido pelo MEC: Decreto n , de 09/5/ publicado no D.O. 01/11/2006 Data de início do funcionamento: Fevereiro/2004 Carga Horária Total: 4068 (matrizes e ) Tempo Mínimo de Integralização: 4 anos e meio (matrizes e ) Carga Horária Total: 4040 horas (matriz ). Tempo Mínimo de Integralização: 05 (cinco) anos (matriz ) Coordenador de Cursos de Graduação do CECETEN : Prof. Ilydio Pereira de Sá Coordenadora do curso de Engenharia Ambiental: Prof. Dra. Luzia Teixeira de Azevedo Soares Semêdo 2.2 BREVE HISTÓRICO DO CURSO O Curso de Engenharia Ambiental na Universidade Severino Sombra foi criado em 2004, reconhecido pelo MEC (Decreto n , de 09/5/2006, publicado no D.O. 01/11/2006). Esteve a frente da implantação do curso e primeira coordenação, a Profa. Dra. Kátia Cristina Garcia ( ), seguida do Prof. Dr. Felipe da Costa Brasil ( ), Profa. Dra. Luzia Teixeira de Azevedo Soares Semêdo (2008), Prof. Dr. William Costa Rodrigues (2009-1), Prof. Alexandre Lioi Nascentes (2009-2), Prof. Miguel Rascado Fraguas (2010-1) e em sua segunda gestão, Profa. Dra. Luzia Teixeira de Azevedo Soares Semêdo (Junho de 2010, até o momento). O curso se iniciou com a matriz de 2004 com 9 períodos e carga horária total de horas, igualmente para a matriz proposta em Atualmente, o curso tem organização semestral com uma carga horária de h distribuídas por 10 (dez) semestres letivos de segunda a sexta-feira (noturno) e sábado (diurno). A primeira turma do curso formou 04 Engenheiros Ambientais em O curso formou um total de 55 Engenheiros Ambientais e em possui um contingente de 202 discentes cursando regularmente. O crescimento em número de alunos observado nos últimos vestibulares e a diversificação da formação dos educandos,tr ouxe desafios para o Curso. Estes desafios relacionavam-se as discussões 17

18 sobre coerência do currículo com os objetivos do curso, com o perfil do egresso e com as expectativas definidas pelas Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de Engenharia Ambiental. 2.3 JUSTIFICATIVA PARA ABERTURA DO CURSO Ciência e Tecnologia sempre deixaram sua marca na história da civilização. Particularmente nos últimos duzentos anos, mais dramaticamente no último século, a velocidade e o impacto das inovações científicas e tecnológicas sobre a vida das pessoas e sobre a economia dos países, transformaram o ensino da Engenharia e a pesquisa científico-tecnológica. Atualmente, Ciência e Tecnologia encontram-se intimamente relacionadas, como elementos estratégicos para a afirmação da competitividade e poderio econômico de empresas e nações. Nesta nova dimensão, o ensino da Engenharia e a pesquisa científico-tecnológica, deixam de ser assunto exclusivo de engenheiros, professores e pesquisadores isolados, e passam ao âmbito de instituições criadas ou adaptadas para cuidar de sua gestão. Políticas públicas e privadas os incorporam como objeto fundamental em seu planejamento. Mesmo invenções ou inovações, aparentemente individuais têm como pano de fundo um complexo educacional, industrial e de pesquisa gerador de recursos humanos e materiais, criando as condições para seu surgimento e afirmação como produto de efetiva expressão econômica. Temos então, os campos da Ciência e Tecnologia apresentados como importantes conquistas de um espírito humano em constante mutação e autocrítica de seus conceitos, teorias, equipamentos e produtos, geradora de valores, mas dialogando com outros atores a questão ambiental. A necessidade de racionalização e busca de alternativas, impõem uma diferenciação nos objetivos do ensino e da pesquisa científico-tecnológica. Se antes a ênfase era a busca de novos dispositivos ou dispositivos cada vez mais poderosos de transformação de energia, sempre que possível eficientes e não agressivos ao meio ambiente, a racionalização impõe a condição de novos dispositivos ou aperfeiçoamento dos dispositivos já existentes que atendam ao requisito básico de serem necessariamente mais eficientes e menos agressivos ao meio ambiente. A descoberta, o aperfeiçoamento e a difusão de tecnologias auxiliares na conservação de energia, uso e controle de novas fontes, novas formas de uso e controle de fontes convencionais, na produção de bens e serviços, passa a ocupar lugar relevante como objeto de pesquisa e difusão científico-tecnológica. A qualidade do suprimento de energia, bens e serviços tecnológicos, postos à disposição da melhoria das condições de vida humana, objetivo maior da engenharia, passa a depender do sucesso deste esforço. A mudança, de um paradigma tecnológico intensivo em energia para um paradigma tecnológico intensivo em informação, tendência já consolidada em nível mundial, soma-se em importância aos assuntos relacionados à Engenharia, colocando novos instrumentos à sua disposição. Controles automáticos, modelagem computacional utilizando softwares robustos para simulação de equipamentos ou sistemas, são alguns exemplos dos aparatos tecnológicos colocados à disposição da Engenharia moderna. A necessidade de maior responsabilidade no uso da tecnologia, questionamentos 18

19 a respeito dos efeitos dos grandes sistemas de suprimento de necessidades, interesse em conhecer novas alternativas energéticas, perplexidade diante de artefatos que escapam ao entendimento do homem comum, são alguns dos exemplos de um novo relacionamento do ser humano com as inovações tecnológicas, inovações que se estendem a áreas diretamente relacionadas à sua existência biológica, como por exemplo, o aparato tecnológico da medicina atual. Em resumo, considera-se que a Engenharia moderna: Possui uma sólida base científica; Integra teoria e prática; Insere-se num mundo onde a informática desempenha importante papel na geração e aplicação de conhecimentos; Deve preocupar-se com a eficiência energética de seus produtos; Leva em consideração a necessidade de eliminar, diminuir ou mitigar impactos ambientais; Incorpora aspectos econômicos e organizacionais em seu trabalho; Interage com outros saberes e com a sociedade. Dentro deste cenário da Engenharia moderna, justifica-se o Curso de Engenharia Ambiental da Universidade Severino Sombra para o país e, particularmente, para a Região Sul-Fluminense, considerada importante estrategicamente. Esta região está inserida em fragmentos conservados da Mata Atlântica, onde técnicas de recuperação e manejo precisam ser trabalhadas, compreende também em sua abrangência o Rio Paraíba do Sul, importante manancial hídrico, fundamental para o abastecimento da Cidade do Rio de Janeiro e foco de discussão nos Comitês de Bacias (CEIVAP). A região possui intensa atividade produtiva industrial nas áreas metal-mecânica, automotiva, metalúrgica, siderúrgica, cimenteira, alimentícia e energética (usinas termoelétricas, termonucleares e hidrelétricas com inúmeras industrias, atividades agropecuárias, além dos problemas ambientais relacionados ao planejamento rural e urbano desordenado. Leva-se em conta a necessidade de formação de um engenheiro com conhecimentos gerais suficientes para relacionar-se eficazmente com os diferentes usuários e parceiros de seu saber, ao mesmo tempo que mantém conhecimentos especializados para o exercício de sua profissão e habilidades de aprendizado continuado, fazendo frente ao sempre crescente fluxo de transformações destes conhecimentos. 19

20 3. ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA Curso de Engenharia Ambiental OBJETIVOS DO CURSO: ASPECTOS GERAIS Objetivos Do Curso O objetivo do Curso é formar engenheiros ambientais capacitados a atender às diferentes solicitações profissionais pertinentes, com uma visão analítica, crítica, criativa e inovadora, através de uma sólida formação básica, geral e humanística, associada a formação profissional específica, moderna e abrangente. Assim, o profissional egresso atenderá às necessidades regionais, compreendendo os seus problemas ambientais e identificando a metodologia mais adequada para a sua solução. Atualmente, a Região Centro Sul-Fluminense vem apresentando uma acentuada demanda por profissionais da área ambiental. Tal fato pode ser observado explicitamente nos problemas e conflitos ambientais da região, causados pelo desenvolvimento rural e urbano desordenado, implantação de industrias nas regiões próximas, acúmulo de resíduos sólidos, assoreamento de rios, contaminação do solo e dos rios, desmatamento entre outros. Por isso, o Curso de Engenharia Ambiental da, contempla na sua matriz curricular, disciplinas que irão dar ao egresso, o perfil para analisar e solucionar tais conflitos e problemas ambientais. Sendo assim, o perfil do Curso, bem como o do profissional egresso, estão diretamente ligados às necessidades regionais onde a Universidade está inserida Perfil do Egresso O aluno formado pelo curso de Engenharia Ambiental da Universidade Severino Sombra agrega ao seu perfil, qualidades de espírito de equipe, comportamento crítico e ético somados a uma sólida formação técnico-científica generalista para que seja incessante na busca de conhecimentos. Atuando com o compromisso de valorizar a tecnologia sem desrespeitar o ser humano e a natureza. Seguindo a orientação da proposta pedagógica para o curso de Engenharia Ambiental e de acordo com o que dispõem os órgãos oficiais, Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia CONFEA (Lei nº 5.194/66) e Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia - CREA (Res. nº 218/73), são características da profissão de engenheiro as seguintes atividades: supervisão, coordenação e orientação técnica; estudo, planejamento, projeto e especificação; estudo de viabilidade técnico-econômica; assistência, assessoria e consultoria; 20

21 direção de obra e serviço técnico; vistoria, perícia, avaliação, arbitramento, laudo e parecer técnico; desempenho de cargo e função técnica; ensino, pesquisa, análise, experimentação, ensaio e divulgação técnica, extensão; elaboração de orçamento; padronização, mensuração e controle de qualidade; execução de obra e serviço técnico; fiscalização de obra e serviço técnico; produção técnica e especializada; condução de trabalho técnico. Curso de Engenharia Ambiental Pautado nestes princípios, o perfil do egresso contempla as seguintes características: Comportamento ético no desempenho de sua profissão; Profissional com conhecimentos científicos para o desempenho das funções de engenheiro ambiental em diferentes áreas de atuação; Capacidade de perceber a necessidade de seu contínuo aperfeiçoamento para galgar níveis de maior complexidade dentro da profissão, a partir de literatura técnica, participação em entidades profissionais, seminários e demais eventos científicos. Objetivando também os Cursos de pósgraduação, tanto Lato Sensu como Stricto Sensu. Capacidade de integrar-se com profissionais de outras áreas de conhecimento oferecendo a contribuição da Engenharia Ambiental para a solução de problemas multidisciplinares; Conhecimento dos problemas relativos à Engenharia Ambiental regional, nacional e global tanto na esfera pública quanto no âmbito privado; Capacidade de analisar de forma integrada e de solucionar ou mitigar problemas ambientais locais, regionais, nacionais ou globais. Comportamento ético e humanístico para relacionar-se eficazmente com seus pares e outros segmentos da sociedade; Preocupação com o binômio Produção Industrial e Meio Ambiente; Capacidade de solucionar problemas nas áreas de produção industrial, nos âmbitos de planejamento e gestão ambiental, tratamento de resíduos sólidos e de efluentes além do controle de poluição industrial. O profissional de Engenharia Ambiental pode atuar em empresas públicas e privadas, dos setores industriais, comerciais e de serviços; pode estabelecer-se como profissional autônomo, e também pode atuar na área da educação e de pesquisas. O profissional tem como órgão profissional representativo Federal, o Conselho Federal de Engenharia e Arquitetura e Agronomia - CONFEA, e regional o Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura e Agronomia CREA. As possibilidades 21

22 de atuação do Engenheiro Ambiental estão diretamente ligadas ao planejamento e gerenciamento de recursos hídricos; desenvolvimento de atividades associadas a gestão e tratamento de águas e efluentes industriais, gestão e tratamento de resíduos sólidos, desenvolvimento de alternativas de uso dos recursos naturais renováveis e não renováveis, utilização de técnicas de geoprocessamento e sensoreamento remoto, vistorias, perícias, entre outras. O curso de Engenharia Ambiental da Universidade Severino Sombra, forma profissionais com capacidade de atuar tanto como Gestor quanto nas mais diversas áreas de concepção e execução das Tecnologias no âmbito Ambiental Articulação do PPC com o PPI e com o PDI: Ações Implementadas Sabedores da importância da compreensão do PPI, PDI e PPC como documentos nos quais devem explicitar seu posicionamento em relação à sociedade, à educação e o ser humano, bem como assegurar o cumprimento de suas políticas e ações, os projetos, o plano e o currículo, muito mais que documentos técnico-burocráticos, devem ser considerados instrumentos de ação política e pedagógica que garantam uma formação global e crítica para os envolvidos no processo, como forma de capacitálos para o exercício da cidadania, a formação profissional e o pleno desenvolvimento pessoal. Desta forma, inseridos com competência no ambiente profissional, contribuindo assim, para o desenvolvimento regional, estadual e nacional. Apesar das diversidades, não há distinção hierárquica entre PPI com o PPC, devendo ambos constituir os processos dinâmicos, intencionais, legítimos, transparentes, em constante interconexão com o contexto da IES; o PDI, em consonância com o PPI, deve apresentar a forma como a IES pretende concretizar seu projeto educacional, definindo as metas a serem alcançadas nos períodos de tempo definidos, e os recursos humanos e materiais necessários à manutenção e ao desenvolvimento das ações propostas. Para alcançar tais objetivos o curso de Engenharia Ambiental em suas ações, tem estimulado a investigação científica através dos projetos de pesquisas com inserção de Docentes e Discentes; provoca atitudes frente a situação atual relacionadas ao meio ambiente, com discussões, estudos de caso, utilização de temas para elaboração de trabalhos científicos Coerência PPC e Currículo e DCN s: Ações Implementadas O Curso de Engenharia Ambiental da Universidade Severino Sombra busca formar um engenheiro com conhecimentos suficientes para relacionar-se eficazmente com os seus pares, além dos diferentes atores do saber, ao mesmo tempo em que mantém conhecimentos especializados para o exercício de sua profissão e habilidades de aprendizado continuado para fazer frente ao sempre crescente fluxo de transformações destes conhecimentos. 22

23 Um sólido embasamento científico, com apresentação e discussão de conceitos dos fenômenos físicos, químicos, biológicos e geográficos importantes para a solução de problemas da área ambiental, compreensão dos processos governamentais de estruturação de políticas, planos e programas ambientais, conhecimento de técnicas modernas de planejamento e gestão ambiental, utilização de ferramentas matemáticas e de simulação computacional, utilização de ferramentas de laboratório, apresentação de relatórios técnicos, conhecimento de materiais, conhecimento de processos e novas tecnologias, aspectos econômicos, sociais e éticos das soluções de problemas ambientais no âmbito da engenharia, caracterizam o perfil curricular do Curso. Com a finalidade de atender a concepção do Curso e tornar objetiva a distribuição das disciplinas, os grupos de disciplinas cuidam de cada peculiaridade inerente ao curso, e estão distribuídas conforme à Resolução CNE/CES 11/2002,como se segue: Núcleo de conteúdos básicos: disciplinas sobre os tópicos de Metodologia Científica e Tecnológica, Informática, Expressão Gráfica, Matemática, Física, Fenômenos do Transporte, Mecânica dos Sólidos, Química, Ciência e Tecnologia dos Materiais, Economia Ambiental, Ciências do Ambiente, Humanidades, Ciências Sociais e Cidadania. Núcleo de conteúdos de formação profissional e específicas: disciplinas sobre os tópicos de Bioquímica Ambiental, Cartografia, Ciência dos Materiais, Climatologia, Ecologia Geral e Aplicada, Eletromagnetismo, Hidráulica, Hidrologia, Geologia, Geoprocessamento e Sensoreamento Remoto, Microbiologia Ambiental, Recursos Naturais, Sistemas de Tratamento de Águas e de Resíduos, Legislação e Direito Ambiental, Planejamento Ambiental, Sistemas Hidráulicos e Sanitários Autoavaliação do Curso: Ações Implementadas Autoavaliação do Curso Por meio da avaliação é possível conhecer a relevância dos objetivos propostos, bem como a eficácia, o impacto e a eficiência das ações realizadas. Pela avaliação pode-se verificar se as ações e a prática global constituem os instrumentos e o caminho para a concretização das diretrizes e objetivos propostos. Considera-se que, dentro da função diagnóstica, a avaliação perpassa todas as atividades preconizadas e fornece elementos de controle para verificação da relação entre os objetivos, as estratégias, as ações e a prática pedagógica. Entende-se, também, que a principal prática avaliativa é a prática da implantação completa do processo de planejamento, permitindo detectar avanços, identificar obstáculos e promover ações com vistas à melhoria gradativa da qualidade acadêmica. Para tanto, o Curso de Engenharia Ambiental utilizará para suas ações os resultados obtidos junto a Comissão Própria de Avaliação CPA, o processo de avaliação terá como seus agentes todos os que estão diretamente envolvidos com as atividades a serem avaliadas, entendidas como requisito essencial do próprio processo de democratização da, e será conjuntamente observados: 23

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Curso de Atualização Pedagógica Julho de 2010 Mediador: Adelardo Adelino Dantas de Medeiros (DCA/UFRN) Diretrizes Curriculares

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: Gestão Ambiental campus Angra Missão O Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental da Universidade Estácio de Sá tem por missão a formação de Gestores Ambientais

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação / Câmara de Educação Superior ASSUNTO: Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Engenharia RELATOR(A):

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Engenharia Agrícola e dá outras providências.

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação?

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? O mercado do trabalho está cada vez mais exigente. Hoje em dia, um certificado de pós-graduação é imprescindível para garantia

Leia mais

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Com a finalidade de otimizar o processo de elaboração e avaliação dos Projetos Pedagógicos do Cursos (PPC), sugere-se que os itens a seguir sejam

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO - BACHARELADO MISSÃO DO CURSO Formar profissionais de elevado nível de consciência crítica, competência técnica empreendedora, engajamento

Leia mais

UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS, TECNOLÓGICAS E DA NATUREZA PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS, TECNOLÓGICAS E DA NATUREZA PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS, TECNOLÓGICAS E DA NATUREZA PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO AGOSTO 2012 APRESENTAÇÃO Este Projeto expressa prática pedagógica

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS EIXO III - CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 CONSUC Parecer 12/2008 Aprovado em 02/12/2008 RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno O DIRETOR GERAL DA FACULDADE DAS AMÉRICAS,

Leia mais

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE 1 MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE Olinda PE Agosto / 2014 2 Introdução As atividades complementares representam um conjunto de atividades extracurriculares que

Leia mais

PARECER. Justificativa

PARECER. Justificativa Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás IFG - Campus Anápolis Departamento das Áreas Acadêmicas Parecer: Do:

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão. Quadriênio 2016-2019. Candidata

PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão. Quadriênio 2016-2019. Candidata PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão Quadriênio 2016-2019 Candidata Franciele Ani Caovilla Follador Slogan: CCS em ação! 1 INTRODUÇÃO Em 1991,

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Agosto de 2011 APRESENTAÇÃO Este Projeto expressa a prática pedagógica do Curso de Administração da Universidade Severino Sombra (USS) e é resultado de discussões e debates entre

Leia mais

Projeto Pedagógico Curso Superior de Tecnologia em Agronegócio

Projeto Pedagógico Curso Superior de Tecnologia em Agronegócio Universidade Severino Sombra Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Coordenadoria de Ensino de Graduação Centro de Ciências Exatas, tecnológicas e da Natureza Projeto Pedagógico Curso Superior de Tecnologia

Leia mais

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006.

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. Aprova, em extrato, o Instrumento de Avaliação Externa de Instituições de Educação Superior do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES O MINISTRO

Leia mais

Curso de Letras (Português/Espanhol)

Curso de Letras (Português/Espanhol) Universidade Severino Sombra Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Coordenadoria de Ensino de Graduação Centro de Letras, Ciências Sociais, Aplicadas e Humanas Curso de Letras (Português/Espanhol) Vassouras-RJ

Leia mais

Missão. Objetivos Específicos

Missão. Objetivos Específicos CURSO: Engenharia Ambiental e Sanitária Missão O Curso de Engenharia Ambiental e Sanitária da Universidade Estácio de Sá tem por missão formar profissionais com sólida formação técnico científica nas áreas

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS MISSÃO DO CURSO Formar profissionais de elevado nível de consciência crítica, competência técnica empreendedora, engajamento ético

Leia mais

CURSO: GESTÃO AMBIENTAL

CURSO: GESTÃO AMBIENTAL CURSO: GESTÃO AMBIENTAL OBJETIVOS DO CURSO Objetivos Gerais O Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental tem por objetivo formar profissionais capazes de propor, planejar, gerenciar e executar ações

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Professores Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Objetivos do Curso 01 - Tenho conhecimento do Projeto Pedagógico do Curso.

Leia mais

PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica

PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica Pró-Reitoria de Ensino do IFG Gilda Guimarães Dulcinéia de Castro Santana Goiânia_ 2012/1 1- PARÂMETROS LEGAIS LEI Nº 11.892, DE 29 DE

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Bacharelados, Licenciaturas e Cursos Superiores de Tecnologia (presencial e a distância)

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Bacharelados, Licenciaturas e Cursos Superiores de Tecnologia (presencial e a distância) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

Nossa inserção na Graduação se dá por meio da Unidade Curricular Educação e Comunicação na Prática Médica.

Nossa inserção na Graduação se dá por meio da Unidade Curricular Educação e Comunicação na Prática Médica. Ao longo desses 15 anos o CEDESS congrega atividades de ensino, pesquisa e extensão, nos níveis de graduação e pós-graduação lato e stricto sensu e tem por objeto de estudo o binômio Educação e Saúde.

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Abril de 2012 Página 1 de 11 Sumário Introdução 3 Justificativa 5 Objetivos 6 Metodologia 7 Dimensões de

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO CURSO: TURISMO ( bacharelado) Missão Formar profissionais humanistas, críticos, reflexivos, capacitados para planejar, empreender e gerir empresas turísticas, adaptando-se ao

Leia mais

UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA PRO-REITORIA DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS E SOCIAIS APLICADAS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA PRO-REITORIA DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS E SOCIAIS APLICADAS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA PRO-REITORIA DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS E SOCIAIS APLICADAS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO AGOSTO 2014 APRESENTAÇÃO Este Projeto expressa prática pedagógica

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

Curso de Licenciatura em Matemática

Curso de Licenciatura em Matemática Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Coordenadoria de Ensino de Graduação Centro de Ciências Exatas, Tecnológicas e da Natureza Curso de Licenciatura em Matemática Vassouras-RJ Junho de 2011 2 APRESENTAÇÃO

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Superior Sesu Departamento de Supervisão da Educação Superior - Desup Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior - Conaes Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira - Inep SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES

Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES EDUCAÇÃO SUPERIOR BRASILEIRA ALGUNS INDICADORES¹ 2.314 IES 245 públicas (10,6%) e 2.069

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC 1 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC O PPC, Projeto Pedagógico de Curso, é o instrumento de concepção de ensino e aprendizagem de um curso e apresenta características de um projeto, no qual devem ser definidos

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Direito (presencial e a distância)

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Direito (presencial e a distância) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD A política de Educação a Distância EAD está claramente expressa em diversos documentos e regulamentos internos da instituição Regulamento do NEAD Os

Leia mais

Cursos de Administração: qualidade necessária. XIV Fórum Internacional de Administração

Cursos de Administração: qualidade necessária. XIV Fórum Internacional de Administração Cursos de Administração: qualidade necessária XIV Fórum Internacional de Administração Rio de Janeiro, 18 de maio de 2015 ENSINAR, APRENDER, AVALIAR... TRAJETÓRIA DA AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO SUPERIOR CAPES avaliação

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

Curso de Letras (Português/Inglês )

Curso de Letras (Português/Inglês ) Universidade Severino Sombra Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Coordenadoria de Ensino de Graduação Centro de Letras, Ciências Sociais, Aplicadas e Humanas Curso de Letras (Português/Inglês ) Vassouras-RJ

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES 1 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL 1.1. Perfil Comum: Farmacêutico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva.

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão Curso: Engenharia Civil SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Missão O Curso de Engenharia Civil da UNESA tem por missão formar Engenheiros Civis com sólida formação básica e profissional, alinhada com as diretrizes

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. 1 CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. (*) (**) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Educação Física,

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE - MT 2011 Apresentação Articulado com o novo Plano de Desenvolvimento Institucional (2011-2015)

Leia mais

Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais

Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais Construção coletiva a partir das experiências, coordenada pelo Colegiado do Curso de Graduação (art. 34 do Regimento Geral

Leia mais

COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO. Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira

COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO. Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira Sumário Psicologia no Brasil: percurso histórico Psicologia no Brasil nos últimos vinte anos Referências legais e organização

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*)

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Ciências Contábeis, bacharelado, e dá outras providências. O Presidente da Câmara de Educação

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA MISSÃO DO CURSO O Curso de Engenharia Elétrica tem por missão a graduação de Engenheiros Eletricistas com sólida formação técnica que

Leia mais

VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR!

VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR! Eleições 2014 Faculdade de Odontologia UFRJ VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR! PLANO DE TRABALHO EQUIPE - CHAPA 1: Diretor - Maria Cynésia Medeiros de Barros Substituto Eventual do Diretor - Ednilson

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS. RECONHECIDO conforme PORTARIA nº 295, de 25 de Junho de 2008.

CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS. RECONHECIDO conforme PORTARIA nº 295, de 25 de Junho de 2008. CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS RECONHECIDO conforme PORTARIA nº 295, de 25 de Junho de 2008. Título: Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Turno: Noturno

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Dados de Identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO O estágio curricular obrigatório é aquele definido

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 1, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 1, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 1, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Engenharia

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE BIOMEDICINA I. INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE BIOMEDICINA I. INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE BIOMEDICINA I. INTRODUÇÃO Este documento regulamenta os estágios obrigatórios e não obrigatórios do Curso de Bacharelado em Biomedicina visando à formação integral do

Leia mais

Centro de Ciências Exatas, Tecnológicas e da Natureza. Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Elétrica

Centro de Ciências Exatas, Tecnológicas e da Natureza. Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Elétrica Centro de Ciências Exatas, Tecnológicas e da Natureza Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Elétrica Vassouras, RJ 2011 2 APRESENTAÇÂO No alvorecer deste milênio, novos desafios se colocam frente às

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

Concepções e qualidade da Educação Superior a Distância : a experiência da Universidade Aberta do Brasil- UAB.

Concepções e qualidade da Educação Superior a Distância : a experiência da Universidade Aberta do Brasil- UAB. Concepções e qualidade da Educação Superior a Distância : a experiência da Universidade Aberta do Brasil- UAB. Profa. Dra. Nara Maria Pimentel Diretora de Ensino de Graduação da UnB Presidente do Fórum

Leia mais

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL SÍNTESE DE RELATORIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E DE AVALIAÇÃO EXTERNA PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 1º Fica aprovado, conforme anexo, o Regulamento da Coordenação de Ensino a Distância do Centro Universitário Franciscano do Paraná.

RESOLUÇÃO. Artigo 1º Fica aprovado, conforme anexo, o Regulamento da Coordenação de Ensino a Distância do Centro Universitário Franciscano do Paraná. RESOLUÇÃO CONSEPE 14/2006 Referenda a aprovação do Regulamento da Coordenação de Ensino a Distância do Centro Universitário Franciscano do Paraná. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Identificação do Curso Nome do Curso: Sistemas de Informação Titulação: Bacharelado Modalidade de ensino: Presencial

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Medicina

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Medicina MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação

Leia mais

CONSELHO UNIVERSITÁRIO

CONSELHO UNIVERSITÁRIO P R O P O S T A D E P A R E C E R CONSELHO UNIVERSITÁRIO PROCESS0 Nº: 007/2014 ASSUNTO: Proposta de texto Construção de Políticas e Práticas de Educação a Distância a ser incluído no Plano de Desenvolvimento

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL

ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL A SANTA CASA BH TEM TODOS OS CUIDADOS PARA VOCÊ CONQUISTAR UMA CARREIRA SAUDÁVEL. Missão Humanizar a assistência

Leia mais

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ME FACULDADE INTEGRADA DE SANTA MARIA PRELIMINARES POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA Santa Maria, RS Junho - 2010 1 SUMÁRIO 1. POLÍTICA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO... 1 2. POLÍTICAS DE ENSINO

Leia mais

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Resumo Gabriel Mathias Carneiro Leão1 - IFPR, UFPR Rosane de Fátima Batista Teixeira2 - IFPR Grupo de Trabalho Cultura, Currículo e Saberes

Leia mais

CETEC EDUCACIONAL S.A. Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP. Mantida

CETEC EDUCACIONAL S.A. Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP. Mantida CETEC EDUCACIONAL S.A Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP Mantida PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SÃO JOSÉ DOS CAMPOS 1 SUMÁRIO

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014/2018

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014/2018 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014/2018 CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL MADEIREIRA 1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA UNIDADE 2014/2018 APRESENTAÇÃO O Curso de Engenharia Industrial Madeireira da UFPR foi criado

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão. Objetivo Geral

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão. Objetivo Geral Curso: ENGENHARIA ELÉTRICA SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Missão O Curso de Engenharia Elétrica da Universidade Estácio de Sá tem por missão formar engenheiros com sólidos e atualizados conhecimentos científicos

Leia mais

DEMOCRACIA, ÉTICA E RENOVAÇÃO

DEMOCRACIA, ÉTICA E RENOVAÇÃO PLANO DE GESTÃO CANDIDATURA A DIREÇÃO GERAL DO IFSC CÂMPUS CHAPECÓ ROBERTA PASQUALLI DIRETORA GERAL LUIS FERNANDO POZAS DIRETOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO ELIANDRO LUIZ MINSKI DIRETOR DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Bacharelado em Serviço Social

Bacharelado em Serviço Social Informações gerais: Bacharelado em Serviço Social Duração do curso: 04 anos (08 semestres) Horário: Vespertino e Noturno Número de vagas: 300 vagas anuais Coordenador do Curso: Profª Ms. Eniziê Paiva Weyne

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais