CICLO DE ALTA DE PREÇOS DE COMMODITIES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CICLO DE ALTA DE PREÇOS DE COMMODITIES"

Transcrição

1 Carta da SOBEET ANO X - Nº 43 Sociedade Brasileira de Estudos de Empresas Transnacionais e da Globalização Econômica Edição bimestral O ciclo de alta dos preços das commodities, iniciada em 22, vem surpreendendo por sua intensidade e longevidade. O seu diagnóstico aponta para diferentes causas que não se limitam ao aumento da demanda das economias emergentes. Em relação aos efeitos deste ciclo para a economia brasileira, tampouco se pode apontar para um único fator. Por um lado, em termos de ingressos de IDE, os efeitos são positivos. De 22 a 27 a participação de fluxos de IDE voltados para a agropecuária e a indústria extrativa mineral aumentou de,7% para 9,5% em relação ao total de IDE recebido pelo Brasil nos mesmos períodos. Por outro lado, é na transmissão de preços externos para os internos que o atual ciclo apresenta efeitos mais evidentes. Verificamos que a transmissão das variações dos preços internacionais de alimentos, matérias-primas agrícolas e petróleo para os preços agrícolas no Brasil não se restringe ao curto prazo. Isto significa que os preços internos dos alimentos deverão continuar refletindo a alta corrente de preços internacionais. CICLO DE ALTA DE PREÇOS DE COMMODITIES IMPÕE DESAFIOS À ECONOMIA BRASILEIRA Não é novidade que os preços internacionais de commodities estão em trajetória de alta. Preços de milho, trigo, soja, arroz, petróleo, níquel, estanho, entre outros, testam novos recordes históricos nos últimos meses. O que é novidade e o que surpreende é a longevidade deste ciclo de alta. Aumentos dos preços internacionais vêm ocorrendo desde o início de 22, ou seja, há mais de 6 anos. Com isso, o atual movimento das cotações destoase do padrão histórico dos ciclos de preços de commodities. Estudos indicam que ciclos de alta dos preços de commodities tendem a perdurar em média por 29 meses. Ciclos de baixa de preços de commodities, por sua vez, tendem historicamente a serem não apenas mais longos, com duração média de 39 meses, como mais intensos que os de alta. O que também surpreende é que a despeito da acomodação da atividade econômica mundial, o aumento dos preços internacionais não está se arrefecendo. Pelo contrário, está se acelerando. No ano de 27, estes aumentaram em 11,8%. Nos últimos 12 meses, até abril deste ano, esta elevação foi de 18,8% 1. Quais as causas deste ciclo? Sabemos que a demanda dos países emergentes por commodities vem se expandindo nos últimos anos. Mas isso não significa que esta seja a única motivação para o aumento de seus preços. A primeira parte desta Carta, logo após esta introdução, discute algumas hipóteses referentes não apenas à demanda, mas também às condições de oferta de commodities. Ambas, demanda e oferta, ajudam a explicar ao menos parte das causas do atual ciclo. E 1 De acordo com o índice CRB (Commodity Research Bureau). quais os efeitos do atual ciclo para o Brasil? Ciclos de commodities podem impactar a economia brasileira de diferentes formas. A segunda parte desta Carta busca demonstrar uma das formas mais evidentes neste momento: a transmissão dos preços externos para os preços internos. Finalmente, a conclusão traz considerações sobre esta e outras formas de impacto na economia brasileira à luz do atual ciclo de cotações de commodities. 1. Causas do atual ciclo de alta de preços de commodities Pelo menos 2 fatores relacionados a demanda ajudam a explicar o movimento de alta de preços internacionais. Primeiro, é fato que economias emergentes vêm impulsionando a demanda por esses ativos, uma tendência que deverá continuar nos próximos anos. Incrementos anuais no consumo global das principais grupos de commodities durante o período de 21 a 27 foram superiores aos do período de 198 a 199. Isso resultou do crescimento da renda per capita, da rápida industrialização e do crescimento populacional nas economias emergentes. Esses fatores contribuíram para a aceleração do ritmo de crescimento da demanda nos últimos anos. Há exemplos desta crescente demanda de economias emergentes, em especial da chinesa, em relação a diferentes tipos de commodities. Entre as commodities metálicas, a economia chinesa sozinha foi responsável por cerca de 9% do aumento do consumo mundial de cobre entre 2 e 26. Em relação a alimentos, por 1

2 2 outro lado, houve mudanças de hábito nada irrelevantes: desde 1985 o consumo per capita de carne na China passou de 2 para mais de 5 kg de carne ao ano. A China já se tornou o maior importador de soja do Mundo, absorvendo cerca 4% das exportações mundiais. No caso do petróleo, por fim, a demanda da China, Índia, e do Oriente Médio corresponderam a mais de 56% do aumento total do seu consumo no período de 21 a 27. Entre outros fatores, isso reflete o crescimento das vendas de carros de passeio na China, que mais do que quintuplicaram no período de 21 a 27. Não se espera reversão deste dinamismo nos próximos anos. De acordo com a Agência Internacional de Energia, o aumento do consumo de petróleo em economias emergentes e em desenvolvimento, estimado em 3,5% ao ano até 212, continuará a superar o de economias já desenvolvidas, esperado em 1% no mesmo período. Dado o novo padrão de desenvolvimento alcançado pelas economias emergentes, pode-se dizer que a demanda de commodities tende a ser inelástica à variação de preços. Isso significa que grandes aumentos de preços de commodities resultam em pequena queda de sua demanda, em especial no curto prazo. Ainda em relação à demanda, um segundo ponto a se considerar está na recente redução das taxas de juros na economia norte-americana e no aumento da aversão a risco. Com a expansão dos mercados financeiros voltados a commodities nos últimos anos, os preços destas passam cada vez mais a refletir choques econômicos. Apesar de isso já ser verdadeiro há tempos para determinados grãos, cada vez mais isso passa a ser observado também no caso de outras commodities. Em tempos de maior aversão a risco, como o atual, o contágio de outros ativos financeiros nos preços de commodities pode ser potencializado. Neste caso, investimentos financeiros em ativos derivados de commodities podem servir de proteção contra o aumento da incerteza. Mas o atual ciclo de commodities não é sustentado apenas por fatores relacionados à demanda. Há também importantes fatores relacionados à oferta que devem ser considerados. O primeiro refere-se à depreciação da moeda norte-americana. Como se sabe, os preços das commodities ainda são majoritariamente denominados em dólares. Em momentos de perda de seu valor frente a outras moedas, aqueles produtores de commodities que têm capacidade de definir preços internacionais (price makers) buscam aumentar os preços de seus produtos em dólares como forma de manter o seu poder de compra e assim compensar a depreciação da moeda norteamericana. Este é o caso dos preços do petróleo. Um segundo fator relacionado à oferta refere-se às transmissões de preços entre diferentes commodities. Aumentos de preços de petróleo acabam por elevar a produção de seus substitutos, como os biocombustíveis. A crescente produção de biocombustíveis, por sua vez, aumenta os preços de seus insumos, como o milho e cana-de-açúcar para a produção de álcool combustível e óleos vegetais, como soja, canola, girassol e palma, para a produção de biodiesel. Há outras formas de transmissão de preços de petróleo para commodities agrícolas: cabe lembrar que derivados de petróleo são base para parte de fertilizantes e de defensivos agrícolas e, portanto, determinantes do custo da produção agrícola. Essa transmissão de preços entre diferentes commodities ainda é potencializada pelo fato de que os estoques de diferentes commodities encontram-se em níveis historicamente baixos. No caso dos grãos, como trigo e milho, os estoques destes estão no nível mais baixo das últimas 2 décadas, o que torna preços especialmente sensíveis à demanda no curto prazo. Junte-se a isso o fato de que para determinados produtos, como o petróleo, a capacidade de oferta é inelástica ao aumento preços não apenas no curto prazo. Ou seja, grandes aumentos de preços resultam em pequeno aumento da oferta. Neste caso, o contágio de preços de diferentes produtos aumenta ainda mais. Um terceiro fator que impacta na oferta de commodities refere-se à produção de biocombustíveis, em especial do etanol produzido a partir do milho 2. Como mencionado anteriormente, a oferta destes foi impulsionada pelos preços crescentes de petróleo. Em 25 a produção de etanol do Brasil foi superada pela dos Estados Unidos. A produção de etanol nos Estados Unidos entre 2 e 27 passou de 6,5 para 26,1 bilhões de litros. Para isso, 27% da produção do milho nos Estados Unidos já é direcionada para o etanol. Como conseqüência, os preços do milho avançaram 46% em 27. Ocorre que biocombustíveis ainda são substitutos apenas marginais do petróleo. Isso resulta em assimetria de preços. Por um lado, o aumento da oferta de biocombustíveis não impede aumentos dos preços do petróleo. Por outro, provoca expressivas elevações nos preços dos alimentos. O resultado final é a continuidade da espiral de preços liderada pelo petróleo. 2. Conseqüências do atual ciclo de alta de preços de commodities: o contágio dos preços externos nos preços internos O objetivo desta parte consiste em verificar como alterações em variáveis externas, tais como o índice internacional de preços de alimentos, o índice internacional de preços de matérias-primas agrícolas, o índice de preço internacional do petróleo e uma variável doméstica, a qual 2 Essa questão tem levado ao argumento falacioso de que a produção de etanol a partir da cana-de-açúcar no Brasil pode ser corresponsabilizada pelo aumento dos preços dos alimentos. Em verdade, dada a área ainda disponível e o potencial de expansão da fronteira agrícola brasileira, o plantio de cana-de-açúcar no Brasil utilizada para a produção etanol não se dá em detrimento da oferta de alimentos, ao contrário do milho utilizado no etanol americano.

3 é representada pela taxa de câmbio real, são transmitidas para os preços de produtos agrícolas no Brasil. Foram utilizadas ao todo cinco séries de tempo. O Índice Internacional de Preços de Alimentos, composto por preços de cereais, óleos vegetais, carnes, frutos do mar, açúcar, bananas e laranjas, com base em 25 (IA). A segunda série utilizada se refere ao Índice Internacional de Preços de Matérias-Primas Agrícolas e de Metais, cuja base é 25 (II). A terceira série é o Índice de Preços do Petróleo Cru, média simples dos preços spot (Dated Brent, West Texas Intermediate, and the Dubai Fateh), cuja base é 25 (IP). A quarta série temporal utilizada foi a Taxa de Câmbio Efetiva Real (Índice de Preços no Atacado (IPA) Oferta Global (OG) Exportações), cuja base é 2 (ITC). Finalmente, foi utilizada a série do Índice de Preços Agrícolas no Atacado Oferta Global, cuja base é agosto de 1995 (IPA). As séries relativas às variáveis IA, II, IP foram obtidas do International Financial Statistics do Fundo Monetário Internacional (FMI). A série ITC foi obtida do IPEADATA. A série do IPA tem como fonte básica a Fundação Getúlio Vargas (FGV), publicado na revista Conjuntura Econômica. O primeiro passo consistiu em harmonizar as bases de todas as séries. Sendo assim, todas as bases foram transpostas para dezembro de O período analisado inicia-se em janeiro de 1995 e termina em março de 28. Para se analisar as respectivas elasticidades de transmissões de preços todas as séries foram logaritmizadas e denotadas como: LIA, LII, LIP, LITC e LIPA. A definição de elasticidade de transmissão de preços conforme apresentada em Barros e Burnquist (1987, p.178) 3, refere-se à variação relativa no preço a um nível de mercado em relação à variação no preço à outro nível, mantidos em equilíbrio esses dois níveis de mercado após o choque inicial em um deles. Para analisar os efeitos de choques do conjunto de variáveis delineadas acima sobre os preços agrícolas no Brasil, foram utilizados diversos instrumentos relacionados com séries de tempo. Mais precisamente, foram utilizados Critério de Informações de Akaike 4, teste de raiz unitária Dickey-Fuller Aumentado (ADF) 5, teste de Causalidade de Granger 6, teste de co-integração de Johansen 7, Modelo Vetorial de Correção de Erro, Decomposição da Variância dos Erros de Previsão, Função de Resposta de impulso e testes de Exogeneidade 8. Apesar da utilização de todo o instrumental de séries de tempo mencionado acima, e dada a restrição de espaço nessa carta, serão apresentados somente os resultados das elasticidades de transmissão de preços de longo prazo para o modelo Vetorial de Correção de Erro e as respectivas funções de resposta de impulso. Os resultados dos testes de raiz unitária demonstraram que todas as variáveis são integradas de ordem um. Dado que todas as variáveis são integradas de ordem um, o próximo passo consistiu em verificar se há relação de equilíbrio de longo prazo entre essas variáveis utilizando-se o teste de co-integração de Johansen. Os resultados dos testes de co-integração de Johansen confirmaram que essas variáveis convergem para o equilíbrio no longo prazo. As estimativas dos parâmetros de longo prazo do Modelo Vetorial de Erro mostram que variações nos preços internacionais de alimentos são transferidas mais que proporcionalmente para os preços de alimentos no Brasil, mostrando que essa relação é elástica. Variações de 1% nos preços internacionais de alimentos induzem variações de preços de alimentos no Brasil em 3,68%, conforme tabela a seguir. Esse resultado, aparentemente, reflete o fato de que o Brasil é tomador de preços em diversos mercados internacionais de commodities agrícolas. Em relação a variações nos preços internacionais de matérias-primas agrícolas, por sua vez, as estimativas mostram que suas variações na magnitude de 1% são transmitidas com magnitude igual a,39%, no longo 3 BARROS, Geraldo S.A.C; BURNQUIST, Heloisa L. Causalidade e transmissão de preços agrícolas entre níveis de atacado e varejo. In: Encontro Latino Americano da Econometric Society, 7, São Paulo, Anais... São Paulo, 1987, p AKAIKE, H. Canonical correlations analysis of time series and the use of an information criterion. In: Advances and Case Studies in System Identification. New York: Academic Press, p DICKEY, David A.; FULLER, Wayne A. Likelihood ratio statistics for autoregressive time series with a unit root. Econometrica, v. 49, n.4, p , jul DICKEY, David A.; FULLER, Wayne A. Distribution of the estimators for autoregressive time series with unit root. Journal of The American Statistical Association, v. 74, n.366, p , Jun GRANGER, C.W.J. Investigating Causal Relations by Econometric Models and Cross-Spectral Methods. Econometrica, 37, 1969, p JOHANSEN, Soren. Likelihood-based inference in cointegrated vector auto-regressive models. New York: Oxford University Press, 1995, 267p. (Advanced Texts in Econometrics). JOHANSEN, Soren; JUSELIUS, Katarina. Maximum likelihood estimation and inference on cointegration with applications to the demand for money. Oxford Bulletin of Economics and Statistics, v. 52, n. 2, p , Detalhes sobre esses instrumentos podem ser encontrados em: BROOKS, Chris. Introductory econometrics for finance. United Kingdom: Cambridge University Press, p.; CHAREMZA, Wojciech W.; DEADMAN, Derek F. New directions in econometric practice: general to specific modelling, cointegration and vector autoregression. Great Britain: Edward Elgar, 1999, second edition. 344p.; ENDERS, Walter. Applied econometric time series. United States of America: John Wiley & Sons, second edition, p.; HARRIS, Richard I.D.; SOLLIS, Robert. Applied time series modeling and forecasting. England: John Wiley & Sons, p. e JUSELIUS, Katarina. The Cointegrated VAR Model: methodology and applications. Great Britain: Oxford University Press p., entre outros. 3

4 prazo, para os preços dos alimentos no Brasil. Ou seja, a elasticidade de transmissão de preços internacionais de matérias-primas é inelástica, conforme consta na tabela a seguir. Esse relacionamento inelástico no longo prazo entre os preços internacionais das matérias-primas agrícolas e os preços de alimentos no Brasil, possivelmente está relacionado ao fato de que expressiva parcela dessas matérias-primas seja produzida domesticamente, sendo sua comercialização internacional residual. TABELA 1 ESTIMATIVAS DOS COEFICIENTES DE LONGO PRAZO DO MODELO VETORIAL DE CORREÇÃO DE ERRO (VEC) Variáveis Estimativas dos parâmetros de longo prazo ( β ) LIA LII LIP LITC LIPA 1. Constante Nota: Nestas estimativas a normalização foi efetuada tendo-se como base o valor da estimativa do coeficiente de LIPA, logo, o valor da estimativa desse coeficiente assumiu valor igual a um. Portanto, LIPA representa a variável de saída (endógena) do sistema enquanto que, LIA, LII, LIP e LITC são consideradas de entrada (exógenas). Sendo assim, a análise das estimativas dos coeficientes deve ser conduzida com o sinal invertido para todas as variáveis de entrada na última coluna da direita da Tabela 1, uma vez que, na equação de co-integração normalizada todas as variáveis permanecem do mesmo lado. 4 Quanto à influência de variações dos preços internacionais do petróleo sobre os preços dos alimentos no Brasil no longo prazo, os resultados mostram que essa relação é elástica. Ou seja, variações nos preços internacionais do petróleo são transmitidas mais que proporcionalmente para os preços dos alimentos no Brasil. Isso ocorre porque entre os insumos utilizados na produção agrícola, alguns tipos de fertilizantes e todos os defensivos agrícolas utilizam petróleo como insumo básico nas suas respectivas composições. No caso dos defensivos agrícolas, expressivas parcelas de seus respectivos ingredientes ativos são derivadas de petróleo e são produzidas no exterior, e posteriormente são exportadas para o Brasil. Mais precisamente, variações de preços do petróleo no mercado externo são transferidas com magnitude igual a 1,67% para os preços dos alimentos no Brasil, como se observa na tabela anterior. Vale lembrar que o petróleo brasileiro é mais novo relativamente ao petróleo produzido no Oriente Médio, e, como conseqüência, não é o mais adequado para a produção de óleo diesel. A taxa de câmbio real é a variável que tem maior efeito sobre os preços agrícolas no Brasil. Variações de 1% na taxa de câmbio real, no longo prazo, são transmitidas com magnitude igual a 8,24% para os preços agrícolas em reais, como se observa na tabela anterior. Ou seja, a relação entre essas duas variáveis é acentuadamente elástica. Possivelmente, isso se deve ao fato de que, quando a taxa de câmbio real está desvalorizada, isso induz as exportações de produtos agrícolas, o que restringe sua oferta doméstica. O próximo passo consiste em analisar o comportamento dos preços agrícolas no Brasil utilizando-se do instrumental de função de resposta de impulso. Esse método permite, a partir de um choque não antecipado sobre determinada variável, observar o comportamento de outra variável através de uma trilha temporal. No caso abordado, serão analisados como choques não antecipados sobre cada variável afetam o comportamento dos preços dos alimentos no Brasil. Um choque não antecipado dos preços internacionais de alimentos, inicialmente, provoca expressiva variação (overshooting) dos preços dos alimentos no Brasil decorridos um mês após esse choque inicial. Entre o primeiro e segundo mês após esse choque inicial, os preços dos alimentos no Brasil continuam a elevar-se, porém, numa velocidade mais reduzida relativamente àquela que ocorreu anteriormente. Entre o segundo até o quarto mês, os preços se estabilizam, para, em seguida, iniciarem um longo, contínuo e lento processo de ascensão até estabilizarem-se em torno do vigésimo quarto mês após o choque inicial, porém, num patamar superior ao inicial (Figura 1). Dado que o Brasil é um dos principais players no mercado internacional de commodities agrícolas e dado que o país é tomador de preços nesses mercados, choques sobre os preços internacionais de alimentos tendem a ser transferidos para os preços domésticos, pois mesmo com a apreciação cambial as exportações brasileiras de produtos agrícolas têm apresentado expressivo crescimento. Ou seja, o efeito preço internacional é um fator relevante na explicação dos preços dos alimentos no mercado interno.

5 FIGURA 1 FUNÇÃO DE RESPOSTAS DE IMPULSO. CHOQUES EM LIA E SEUS A função de resposta de impulso relativa a um choque não antecipado dos preços internacionais de matériasprimas agrícolas sobre os preços agrícolas no Brasil, mostra que no primeiro mês após a incidência desse choque inicial, os preços agrícolas no Brasil elevam-se rapidamente, semelhante a um movimento de overshooting. A seguir, os preços tendem a se acomodar lentamente até o quarto mês após esse choque inicial, para em seguida, iniciar um longo processo de ascensão, porém lento, até se estabilizarem por volta do vigésimo quarto mês após o choque inicial, para então, se estabilizarem num patamar superior àquele que prevalecia no período que antecedeu ao choque (Figura 2). Novamente, como o Brasil é tomador de preços no mercado internacional de commodities agrícolas, e como os mercados de alimentos de matérias-primas agrícolas são entrelaçados, é natural que variações de preços no mercado internacional de matérias-primas agrícolas sejam transmitidas para os preços agrícolas no Brasil. FIGURA 2 FUNÇÃO DE RESPOSTAS DE IMPULSO. CHOQUES EM LII E SEUS

6 Em relação aos preços internacionais do petróleo, a função de resposta dessa variável mostra que um choque não antecipado sobre essa variável induz a um rápido aumento dos preços agrícolas no Brasil um mês após esse choque inicial. Numa segunda fase, os preços agrícolas continuam sua ascensão, porém com menor velocidade entre o primeiro e segundo mês após o choque inicial. A seguir, os preços agrícolas continuam sua trajetória de alta, mas com menor intensidade relativamente ao período anterior. Esse processo continua até aproximadamente o décimo nono mês após o choque inicial, para então, se estabilizar num patamar acima daquele que prevalecia no período anterior ao choque (Figura 3). Portanto, apesar da menor vulnerabilidade do Brasil em relação aos choques internacionais nos preços do petróleo, ainda assim, choques sobre essa variável são transferidos para os preços agrícolas no Brasil dada a ligação direta entre o petróleo e os insumos utilizados pelo setor agrícola, tais como, fertilizantes e defensivos. FIGURA 3 FUNÇÃO DE RESPOSTAS DE IMPULSO. CHOQUES EM LIP E SEUS Portanto, em relação às três variáveis externas apresentadas anteriormente, choques sobre essas variáveis, aparentemente, tendem a ter efeitos de longo prazo sobre os preços agrícolas no Brasil. Isto é, possivelmente, o atual cenário com restrição da oferta de commodities agrícolas e de elevação de preços do petróleo e outros insumos não será contornado no curto prazo. Um choque não antecipado sobre a taxa de câmbio real induz a uma rápida elevação dos preços agrícolas no Brasil, sendo que o ápice desse processo se dará três meses após o choque inicial. A seguir, os preços agrícolas apresentam trajetória descendente até se estabilizarem no vigésimo quarto mês após o choque inicial, porém, num patamar inferior àquele antes do choque (Figura 4). Nesse caso, uma possível desvalorização da taxa de câmbio real induz ao aumento das exportações de produtos agrícolas, reduzindo, pelo menos no curto prazo, a oferta doméstica. Conseqüentemente, os preços domésticos dos alimentos tendem a se elevar, principalmente, em função da elevação do nível de renda doméstica no país nos anos recente com uma série de programas sociais. Passada essa fase inicial, e visualizando maiores lucros, os produtores aumentam a quantidade produzida de alimentos e, como resultado, a quantidade ofertada tende a aumentar. Os preços dos produtos agrícolas revertem então a tendência altista inicial. Um choque não antecipado sobre os preços agrícolas no Brasil, conforme é apresentada na sua respectiva função de resposta de impulso, induz a um relativo aumento de preços entre o choque inicial em um mês após esse choque. A partir dessa data, os preços agrícolas continuam a subir, mas com menor velocidade para se estabilizarem em torno do sexto mês pós-choque inicial, porém, num patamar superior ao que prevalecia antes da ocorrência desse choque (Figura 5). Aparentemente, o modelo está captando tanto os movimentos da oferta quanto da demanda por alimentos. Restrições pelo lado da oferta, como, por exemplo, queda de produção em função de efeitos climáticos ou de pragas, c o n j u n t a m e n t e c o m e l e v a d o s p r e ç o s d a s commodities agrícolas no mercado internacional, estimulam as exportações agrícolas. Num primeiro instante, isso induz

7 ao aumento dos preços agrícolas no mercado interno. Em função desse quadro, os produtores agrícolas visualizam uma janela de oportunidades para auferirem lucros extraordinários e nos momentos seguintes, expandem a produção agrícola, o que resulta na estabilização dos preços dos alimentos. FIGURA 4 FUNÇÃO DE RESPOSTAS DE IMPULSO. CHOQUES EM LICT E SEUS FIGURA 5 FUNÇÃO DE RESPOSTAS DE IMPULSO. CHOQUES EM LIPA E SEUS Visando confirmar se os preços domésticos dos alimentos no Brasil estão descolados dos preços internacionais de alimentos, de matérias-primas agrícolas, do petróleo e da taxa de câmbio real, foram realizados testes de exogeneidade a fim de averiguar se as variáveis reagem em função de alterações no equilíbrio de longo prazo. Os resultados mostram que a hipótese nula - de que os preços dos alimentos no Brasil não reagem a mudanças (é fracamente exógena) na relação de equilíbrio de longo prazo - foi rejeitada, pois há menos de 1,% de probabilidade de rejeitar a hipótese nula, quando ela é verdadeira. Isto indica que a variável LIPA não é fracamente exógena relativamente às variáveis LIA, LII 7

8 e LIP (Tabela 2). Ou seja, os preços internacionais de alimentos, de matérias-primas agrícolas e do petróleo influenciam o comportamento dos preços dos produtos agrícolas no Brasil. O contrário não ocorre, conforme era esperado, dado que o Brasil é tomador de preços no mercado internacional de commodities agrícolas. Portanto, não há nenhuma informação relevante na equação de LIPA que torne mais eficiente as estimações das equações de LIA, LII e LIP, respectivamente. O mesmo exercício não se aplica ao relacionamento entre os preços agrícolas no Brasil e a taxa de câmbio real. Tanto os primeiros não são fracamente exógenos em relação à segunda, quanto o contrário. Ou seja, há estreita ligação entre ambas variáveis. Diante de variações na taxa de câmbio real os preços agrícolas no Brasil são influenciados no longo prazo e vice-versa. TABELA 2 TESTE DE EXOGENEIDADE SOBRE OS PARÂMETROS DE CURTO PRAZO Variável 2 χ Graus de Liberdade Valor da Probabilidade LIA LII LIP LITC <.1 LIPA Conclusão: ciclo de alta de preços de commodities impõe desafios à economia brasileira O ciclo de alta dos preços das commodities vem surpreendendo por sua intensidade e longevidade. O seu diagnóstico aponta para diferentes causas que não se limitam ao aumento da demanda das economias emergentes. Em verdade, há que se considerar outros fatores referentes não apenas à demanda, como também à oferta destes produtos. Em relação aos efeitos deste ciclo para a economia brasileira, tampouco se pode apontar para um único fator. Em relação aos preços de nosso comércio exterior, os efeitos do atual ciclo de commodities são contraintuitivos. A primeira vista, era de se esperar que a economia brasileira fosse beneficiada em seus termos de troca. A tendência que já se antevê, entretanto, é exatamente a inversa. Simultaneamente à aceleração dos preços internacionais de commodities, a diferença entre preços de exportações e de importações, ainda favorável aos primeiros, vem se reduzindo. Uma possível hipótese é a de que a aceleração da alta dos preços internacionais tende a impactar mais fortemente os preços de nossas importações do que de nossas exportações. Em termos de ingressos de Investimento Direto Estrangeiro (IDE), por outro lado, os efeitos corroboram a intuição. Desde 22, primeiro ano do atual ciclo de preços, até 27 a participação de fluxos de IDE voltados para a agropecuária e a indústria extrativa mineral aumentou de,7% para 9,5% em relação ao total de IDE recebido pelo Brasil nos mesmos períodos, como seria de se esperar. Mas é na transmissão de preços externos para os internos que o atual ciclo apresenta efeitos mais evidentes. O exercício econométrico apresentado nesse estudo mostrou que, apesar do Brasil ser um relevante exportador de produtos agrícolas, ainda assim os preços internacionais de commodities não são definidos pela oferta nacional. Ao contrário, verificamos que há transferência das variações dos preços internacionais de alimentos, matérias-primas agrícolas e petróleo para os preços agrícolas no Brasil. Isto significa que os preços internos dos alimentos deverão continuar refletindo a atual alta de preços internacionais. Bibliografia: Cashin, Paul and Scott, Alasdair, 22, Booms and Slumps in World Commodity Prices, Journal of Development Economics, 22, Vol. 69, pp Helbling, Thomas, Mercer-Blackman,Valerie and Cheng, Kevin Cheng, 28, Commodities Boom Riding a Wave, IMF, Finance & Development, March 28 8

9 SOBEET- SOCIEDADE BRASILEIRA DE ESTUDOS DE EMPRESAS TRANSNACIONAIS E DA GLOBALIZAÇÃO ECONÔMICA PRESIDENTE e DIRETOR FINANCEIRO: Luis Afonso Lima (Grupo Telefónica) VICE-PRESIDENTE: Reynaldo Passanezi (BBVA) DIRETOR: Nicola Tingas (Economista-chefe FEBRABAN) DIRETOR: Fernando de Paula Rocha (JGP Gestão de Recursos) DIRETOR: Mario Antonio Margarido (Instituto de Economia Agrícola) DIRETOR: Geraldo Thomaz Rinaldi Jr. (BES Investimento do Brasil) CONSELHO CONSULTIVO: PRESIDENTE: Hermann Wever (Siemens Brasil) André Costa Carvalho (Banco Credit Suisse); Antônio Corrêa de Lacerda (PUC-SP); Antonio Prado (BNDES); Armando Castelar Pinheiro (IPEA); Arno Meyer (Ministério da Fazenda); Carlos Eduardo Carvalho (PUC-SP); Carlos Kawall; Christian Lohbauer (ABEF); Gustavo Franco (PUC-RJ); John E. Mein (Consentes); Luciano Coutinho (BNDES); Marcelo Resende Allain (Barclays Global Imvestors); Maria Helena Zockun (FIPE-USP); Maurício Mesquita Moreira (BNDES); Octavio de Barros (Bradesco); Otaviano Canuto (BIRD); Renato Baumann(UnB/ CEPAL-Brasil); Ricardo Bielschowsky (CEPAL-Brasil); Rolf-Dieter Acker (BASF); Rubens Barbosa (Ex-Embaixador do Brasil em Washington); Rubens Ricupero (Ex-Secretário Geral da UNCTAD) ; Sandra Polónia Rios (CNI); Vera Thorstensen (Missão do Brasil na OMC); Virene Roxo Matesco (EPGE/IBRE-FGV-RJ); Winston Fritsch (Lehman Brothers); Yoshiaki Nakano (FGV-SP) Assine a Carta da SOBEET Rua Joaquim Floriano, 11 - conjunto 95 - São Paulo-SP - Brasil - CEP tel/fax: site: MANTENEDORES 9

Sociedade Brasileira de Estudos de Empresas Transnacionais e da Globalização Econômica RESILIÊNCIA EXTERNA EM XEQUE: O PASSIVO EXTERNO LÍQUIDO

Sociedade Brasileira de Estudos de Empresas Transnacionais e da Globalização Econômica RESILIÊNCIA EXTERNA EM XEQUE: O PASSIVO EXTERNO LÍQUIDO Sociedade Brasileira de Estudos de Empresas Transnacionais e da Globalização Econômica Ano XV Nº 96 Julho / 2013 O passivo externo brasileiro não apenas se reduziu em proporção do PIB. Além disso, sua

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

Correlação entre Termos de Troca e Preços Internacionais de Commodities

Correlação entre Termos de Troca e Preços Internacionais de Commodities Correlação entre Termos de Troca e Preços Internacionais de Commodities Os termos de troca no comércio exterior são definidos pela relação entre os preços das exportações de um país e os das suas importações.

Leia mais

NOTAS ECONÔMICAS. Regimes cambiais dos BRICs revelam diferentes graus de intervenção no câmbio

NOTAS ECONÔMICAS. Regimes cambiais dos BRICs revelam diferentes graus de intervenção no câmbio NOTAS ECONÔMICAS Informativo da Confederação Nacional da Indústria Ano 11 Número 2 12 de julho de 2010 www.cni.org.br Regimes cambiais dos BRICs revelam diferentes graus de intervenção no câmbio Brasil

Leia mais

TRABALHO DE ECONOMIA:

TRABALHO DE ECONOMIA: UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUIUTABA - FEIT INSTITUTO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA DE ITUIUTABA - ISEPI DIVINO EURÍPEDES GUIMARÃES DE OLIVEIRA TRABALHO DE ECONOMIA:

Leia mais

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os Desempenho da Agroindústria em 2004 Em 2004, a agroindústria obteve crescimento de 5,3%, marca mais elevada da série histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003),

Leia mais

MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS APLICADOS AO SETOR DE EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DE FLORES DE CORTE LILIAN CRISTINA ANEFALOS; MARIO ANTONIO MARGARIDO;

MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS APLICADOS AO SETOR DE EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DE FLORES DE CORTE LILIAN CRISTINA ANEFALOS; MARIO ANTONIO MARGARIDO; MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS APLICADOS AO SETOR DE EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DE FLORES DE CORTE LILIAN CRISTINA ANEFALOS; MARIO ANTONIO MARGARIDO; INSTITUTO DE ECONOMIA AGRÍCOLA SÃO PAULO - SP - BRASIL LCANEFAL@IEA.SP.GOV.BR

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

Evolução Recente dos Preços dos Alimentos e Combustíveis e suas Implicações

Evolução Recente dos Preços dos Alimentos e Combustíveis e suas Implicações 1 ASSESSORIA EM FINANÇAS PÚBLICAS E ECONOMIA PSDB/ITV NOTA PARA DEBATE INTERNO (não reflete necessariamente a posição das instituições) N : 153/2008 Data: 27.08.08 Versão: 1 Tema: Título: Macroeconomia

Leia mais

A PRESENÇA ESTRANGEIRA NO MERCADO DE CAPITAIS BRASILEIRO

A PRESENÇA ESTRANGEIRA NO MERCADO DE CAPITAIS BRASILEIRO Carta da SOBEET ANO X - Nº 41 Sociedade Brasileira de Estudos de Empresas Transnacionais e da Globalização Econômica Edição bimestral Os últimos anos têm testemunhado um notável ganho de dinamismo nos

Leia mais

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando INFORMATIVO n.º 42 NOVEMBRO de 2015 A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando Fabiana D Atri - Economista Coordenadora do Departamento de Pesquisas e

Leia mais

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore O PAPEL DA AGRICULTURA Affonso Celso Pastore 1 1 Uma fotografia do setor agrícola tirada em torno de 195/196 Entre 195 e 196 o Brasil era um exportador de produtos agrícolas com concentração em algumas

Leia mais

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita)

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita) Fornecer aos agentes envolvidos no agronegócio, notadamente as indústrias de insumos agropecuários e de alimentos, além dos produtores, Governo e academia, informações estratégicas sobre a dinâmica futura

Leia mais

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS 1 Questão: Considere uma economia na qual os indivíduos vivem por dois períodos. A população é constante e igual a N. Nessa economia

Leia mais

Ano I Boletim II Outubro/2015. Primeira quinzena. são específicos aos segmentos industriais de Sertãozinho e região.

Ano I Boletim II Outubro/2015. Primeira quinzena. são específicos aos segmentos industriais de Sertãozinho e região. O presente boletim analisa algumas variáveis chaves na atual conjuntura da economia sertanezina, apontando algumas tendências possíveis. Como destacado no boletim anterior, a indústria é o carro chefe

Leia mais

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 COMUNICADO No: 58 Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 10 de dezembro de 2015 (Genebra) - A International Air Transport Association (IATA) anunciou

Leia mais

Crise financeira internacional: Natureza e impacto 1. Marcelo Carcanholo 2 Eduardo Pinto 3 Luiz Filgueiras 4 Reinaldo Gonçalves 5

Crise financeira internacional: Natureza e impacto 1. Marcelo Carcanholo 2 Eduardo Pinto 3 Luiz Filgueiras 4 Reinaldo Gonçalves 5 Crise financeira internacional: Natureza e impacto 1 Marcelo Carcanholo 2 Eduardo Pinto 3 Luiz Filgueiras 4 Reinaldo Gonçalves 5 Introdução No início de 2007 surgiram os primeiros sinais de uma aguda crise

Leia mais

Preços. 2.1 Índices gerais

Preços. 2.1 Índices gerais Preços A inflação, considerada a evolução dos índices de preços ao consumidor e por atacado, apresentou contínua elevação ao longo do trimestre encerrado em maio. Esse movimento, embora tenha traduzido

Leia mais

GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA.

GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA. EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA. GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS Consultores Legislativos da Área X Agricultura e Política Rural MARÇO/2009

Leia mais

Milho Período: 11 a 15/05/2015

Milho Período: 11 a 15/05/2015 Milho Período: 11 a 15/05/2015 Câmbio: Média da semana: U$ 1,00 = R$ 3,0203 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços

Leia mais

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007 ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES / 2007 1- Balança Comercial Mato Grosso continua tendo superávit na Balança Comercial registrando em 2007 um expressivo saldo de US$ 4,38 bilhões valor que representa

Leia mais

ANÁLISE DA TRANSMISSÃO DE PREÇOS E DAS VOLATILIDADES NOS MERCADOS INTERNACIONAIS DE PETRÓLEO E SOJA

ANÁLISE DA TRANSMISSÃO DE PREÇOS E DAS VOLATILIDADES NOS MERCADOS INTERNACIONAIS DE PETRÓLEO E SOJA 1 ANÁLISE DA TRANSMISSÃO DE PREÇOS E DAS VOLATILIDADES NOS MERCADOS INTERNACIONAIS DE PETRÓLEO E SOJA Mario Antonio Margarido 1 Carlos Roberto Ferreira Bueno 2 Frederico Araujo Turolla 3 Resumo: A crescente

Leia mais

A PROBLEMÁTICA DO COPOM

A PROBLEMÁTICA DO COPOM A PROBLEMÁTICA DO COPOM Na ata de reunião terminada em 17 de outubro, em que houve a decisão unânime de manter a taxa SELIC em 11,25%, o COPOM dá uma indicação de sua motivação principal: 19. O Copom considera

Leia mais

Commodities agrícolas e preço do petróleo 1,2

Commodities agrícolas e preço do petróleo 1,2 Commodities agrícolas e preço do petróleo 1,2 Antônio Salazar P. Brandão 3 Eliseu Alves 4 Resumo Este artigo tem por objetivo documentar estatisticamente a relação entre preços internacionais de produtos

Leia mais

Índice de Confiança do Agronegócio

Índice de Confiança do Agronegócio Índice de Confiança do Agronegócio Terceiro Trimestre 2014 Principais Resultados:» Índice de Confiança do Agronegócio» Índice da Indústria (antes e depois da porteira)» Índice do Produtor Agropecuário

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

INVESTIMENTOS DIRETOS EM INFRA-ESTRUTURA SÃO IMPORTANTES NAS DUAS DIREÇÕES

INVESTIMENTOS DIRETOS EM INFRA-ESTRUTURA SÃO IMPORTANTES NAS DUAS DIREÇÕES Carta da SOBEET ANO XI - Nº 47 Sociedade Brasileira de Estudos de Empresas Transnacionais e da Globalização Econômica Edição bimestral É de suma importância, para o Brasil, a revitalização dos investimentos

Leia mais

Tendências para o mercado de ovos e outras commodities Lygia Pimentel é médica veterinária e consultora pela Agrifatto

Tendências para o mercado de ovos e outras commodities Lygia Pimentel é médica veterinária e consultora pela Agrifatto Tendências para o mercado de ovos e outras commodities Lygia Pimentel é médica veterinária e consultora pela Agrifatto Para analisar qualquer mercado é importante entender primeiramente o contexto no qual

Leia mais

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO GRÃOS: SOJA, MILHO, TRIGO e ARROZ TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 NO BRASIL E NO MUNDO Carlos Cogo Setembro/2012 PRODUÇÃO MUNDIAL DEVE RECUAR 4,1% NA SAFRA 2012/2013 ESTOQUES FINAIS MUNDIAIS DEVEM

Leia mais

Máquinas e Equipamentos de Qualidade

Máquinas e Equipamentos de Qualidade Máquinas e Equipamentos de Qualidade 83 A indústria brasileira de máquinas e equipamentos caracteriza-se pelo constante investimento no desenvolvimento tecnológico. A capacidade competitiva e o faturamento

Leia mais

Os investimentos no Brasil estão perdendo valor?

Os investimentos no Brasil estão perdendo valor? 1. Introdução Os investimentos no Brasil estão perdendo valor? Simone Maciel Cuiabano 1 Ao final de janeiro, o blog Beyond Brics, ligado ao jornal Financial Times, ventilou uma notícia sobre a perda de

Leia mais

A CRISE DOS ALIMENTOS EM 2007 E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O MERCADO INTERNACIONAL WALDÊNIA JANINE FERREIRA SILVA

A CRISE DOS ALIMENTOS EM 2007 E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O MERCADO INTERNACIONAL WALDÊNIA JANINE FERREIRA SILVA 1 A CRISE DOS ALIMENTOS EM 2007 E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O MERCADO INTERNACIONAL WALDÊNIA JANINE FERREIRA SILVA INTRODUÇÃO As recentes altas dos preços dos alimentos remetem a vários questionamentos de

Leia mais

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20 PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20 AGE - ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA Chefe da AGE: Derli Dossa. E-mail: derli.dossa@agricultura.gov.br Equipe Técnica: José Garcia Gasques. E-mail: jose.gasques@agricultura.gov.br

Leia mais

NORDESTE: DESEMPENHO DO COMÉRCIO EXTERIOR EM 2009

NORDESTE: DESEMPENHO DO COMÉRCIO EXTERIOR EM 2009 O nosso negócio é o desenvolvimento ESCRITÓRIO TÉCNICO DE ESTUDOS ECONÔMICOS DO NORDESTE-ETENE INFORME SETORIAL INDÚSTRIA E SERVIÇOS NORDESTE: DESEMPENHO DO COMÉRCIO EXTERIOR EM 2009 Ano IV No 2 O nosso

Leia mais

Uma avaliação crítica da proposta de conversibilidade plena do Real XXXII Encontro Nacional de Economia - ANPEC 2004, Natal, dez 2004

Uma avaliação crítica da proposta de conversibilidade plena do Real XXXII Encontro Nacional de Economia - ANPEC 2004, Natal, dez 2004 Uma avaliação crítica da proposta de conversibilidade plena do Real XXXII Encontro Nacional de Economia - ANPEC 2004, Natal, dez 2004 Fernando Ferrari-Filho Frederico G. Jayme Jr Gilberto Tadeu Lima José

Leia mais

Conjuntura Macroeconômica e Setorial

Conjuntura Macroeconômica e Setorial Conjuntura Macroeconômica e Setorial O ano de 2012 foi um ano desafiador para a indústria mundial de carnes. Apesar de uma crescente demanda por alimentos impulsionada pela contínua expansão da renda em

Leia mais

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ Palma, G. (2002). The Three routes to financial crises In: Eatwell, J; Taylor, L. (orgs.). International Capital Markets: systems in transition. Oxford

Leia mais

EXPORTAÇÕES DE ETANOL PARA OS ESTADOS UNIDOS CAEM 82% EM ABRIL

EXPORTAÇÕES DE ETANOL PARA OS ESTADOS UNIDOS CAEM 82% EM ABRIL Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados Ano X 14/maio/2015 n. 445 EXPORTAÇÕES DE ETANOL PARA OS ESTADOS UNIDOS CAEM 82% EM ABRIL Dando continuidade á análise dos dados de exportação de abril, disponibilizados

Leia mais

As exportações brasileiras ficaram mais competitivas com a desvalorização do real?

As exportações brasileiras ficaram mais competitivas com a desvalorização do real? As exportações brasileiras ficaram mais competitivas com a desvalorização do real? Paulo Springer de Freitas 1 No final de 2007, o saldo da balança comercial começou a apresentar uma trajetória declinante,

Leia mais

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2007 (Anexo específico de que trata o art. 4º, 4º, da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000)

Leia mais

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 35 15 a 30 de setembro de 2009 EMPREGO De acordo com a Pesquisa

Leia mais

ANÁLISE DA INFLAÇÃO, JUROS E CRESMENTO NO CENÁRIO ATUAL: Mundial e Brasil RESUMO

ANÁLISE DA INFLAÇÃO, JUROS E CRESMENTO NO CENÁRIO ATUAL: Mundial e Brasil RESUMO 1 ANÁLISE DA INFLAÇÃO, JUROS E CRESMENTO NO CENÁRIO ATUAL: Mundial e Brasil RESUMO SILVA, A. T.O.C. 1 LIMA, C.C.O. 2 VILLANI, C.J. 3 FRIZERO NETO, K. 4 GRAVINA, L.M. 5 SANTOS, F.A.A. 6 Este artigo tem

Leia mais

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base Cenário Econômico Internacional & Brasil Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda antonio.lacerda@siemens.com São Paulo, 14 de março de 2007

Leia mais

TÍTULO: UMA ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA TAXA DE CÂMBIO SOBRE A INFLAÇÃO NO BRASIL DE 1995 A 2013

TÍTULO: UMA ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA TAXA DE CÂMBIO SOBRE A INFLAÇÃO NO BRASIL DE 1995 A 2013 TÍTULO: UMA ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA TAXA DE CÂMBIO SOBRE A INFLAÇÃO NO BRASIL DE 1995 A 2013 CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS ECONÔMICAS INSTITUIÇÃO: PONTIFÍCIA

Leia mais

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov.

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov. 4 SETOR EXTERNO As contas externas tiveram mais um ano de relativa tranquilidade em 2012. O déficit em conta corrente ficou em 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB), mostrando pequeno aumento em relação

Leia mais

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real Capítulo utilizado: cap. 13 Conceitos abordados Comércio internacional, balanço de pagamentos, taxa de câmbio nominal e real, efeitos

Leia mais

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores:

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores: SEGURIDADE ALIMENTARIA: apuesta por la agricultura familiar Seminario: Crisis alimentaria y energética: oportunidades y desafios para América Latina e el Caribe O cenário mundial coloca os preços agrícolas

Leia mais

Participação da agropecuária nas exportações totais (IPEA)

Participação da agropecuária nas exportações totais (IPEA) Alicia Ruiz Olalde Participação da agropecuária nas exportações totais (IPEA) Exportações Agronegócio (CEPEA) Em 2012, a receita das exportações do agronegócio brasileiro alcançou US$ 97 bilhões. Em 2014,

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013 As exportações em março apresentaram aumento de +27,85% em relação a fevereiro. O valor exportado superou novamente a marca de US$ 1 bilhão, atingindo

Leia mais

Investimento em infraestrutura: efeitos multiplicadores sobre o crescimento do PIB

Investimento em infraestrutura: efeitos multiplicadores sobre o crescimento do PIB Investimento em infraestrutura: efeitos multiplicadores sobre o crescimento do PIB Brasília (DF), 06 de outubro de 2015 1 Diretoria Estratégia da Marca Gerência de Assessoramento Econômico Economia Internacional

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Fevereiro de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Fevereiro de 2015...

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC FORTALEZA, Agosto de 2013 SUMÁRIO 1. Fundamentos da Análise de Conjuntura. 2. Tipos

Leia mais

Análise da Transmissão Espacial de Preços no Mercado Internacional de Trigo. Mario Antonio Margarido Frederico Araujo Turolla

Análise da Transmissão Espacial de Preços no Mercado Internacional de Trigo. Mario Antonio Margarido Frederico Araujo Turolla 1 Análise da Transmissão Espacial de Preços no Mercado Internacional de Trigo Mario Antonio Margarido Frederico Araujo Turolla Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo Escola Superior de Propaganda

Leia mais

inflação de 2001. Supera a Meta 15 C ONJUNTURA FLÁVIA SANTOS DA SILVA* LUIZ ALBERTO PETITINGA**

inflação de 2001. Supera a Meta 15 C ONJUNTURA FLÁVIA SANTOS DA SILVA* LUIZ ALBERTO PETITINGA** 15 C ONJUNTURA Inflação de 2001 Supera a Meta A inflação em 2001, medida pelo IPCA, atingiu o patamar de 7,67%, superando a meta de 6% estabelecida pelo Banco Central. Choques internos e externos à economia

Leia mais

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012 RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO Junho de 2012 Riscos e oportunidades para a indústria de bens de consumo A evolução dos últimos anos, do: Saldo da balança comercial da indústria

Leia mais

A Taxa de Câmbio no Longo Prazo

A Taxa de Câmbio no Longo Prazo A Taxa de Câmbio no Longo Prazo Organização do Capítulo Introdução A Lei do Preço Único Paridade do Poder de Compra Modelo da Taxa de Câmbio de Longo Prazo Baseado na PPC A PPC e a Lei do Preço Único na

Leia mais

Perspectivas para o setor agrícola no Brasil

Perspectivas para o setor agrícola no Brasil Perspectivas para o setor agrícola no Brasil O que a conjuntura macroeconômica nos reserva? Felippe Serigati O queaconteceucom o setoragrícola nas últimas décadas? A importânciado agronegócioparao Brasil

Leia mais

INFLUÊNCIA DO PREÇO MUNDIAL DO PETRÓLEO SOBRE OS PREÇOS DA SOJA E DO AÇÚCAR: UMA ANÁLISE PARA O BRASIL

INFLUÊNCIA DO PREÇO MUNDIAL DO PETRÓLEO SOBRE OS PREÇOS DA SOJA E DO AÇÚCAR: UMA ANÁLISE PARA O BRASIL INFLUÊNCIA DO PREÇO MUNDIAL DO PETRÓLEO SOBRE OS PREÇOS DA SOJA E DO AÇÚCAR: UMA ANÁLISE PARA O BRASIL Maria Cristina Galvão Universidade de São Paulo- ESALQ/USP Av. Pádua Dias, 11, Piracicaba, SP, CEP

Leia mais

Índice de Confiança do Empresário do Comércio (ICEC) NOVEMBRO/2013

Índice de Confiança do Empresário do Comércio (ICEC) NOVEMBRO/2013 16 de dezembro de 2013 Índice de Confiança do Empresário do Comércio (ICEC) NOVEMBRO/2013 O ICEC é um indicador da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) que visa medir o nível

Leia mais

2 Contratos Futuros Agropecuários no Brasil

2 Contratos Futuros Agropecuários no Brasil 2 Contratos Futuros Agropecuários no Brasil A presente seção apresenta as commodities agrícolas negociadas no mercado futuro brasileiro. Além disso, revela a estrutura básica dos contratos futuros e traça

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Novembro 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

número 3 maio de 2005 A Valorização do Real e as Negociações Coletivas

número 3 maio de 2005 A Valorização do Real e as Negociações Coletivas número 3 maio de 2005 A Valorização do Real e as Negociações Coletivas A valorização do real e as negociações coletivas As negociações coletivas em empresas ou setores fortemente vinculados ao mercado

Leia mais

Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a

Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a economia nacional registra um de seus piores momentos

Leia mais

Perspectivas para a Inflação

Perspectivas para a Inflação Perspectivas para a Inflação Carlos Hamilton Araújo Setembro de 213 Índice I. Introdução II. Ambiente Internacional III. Condições Financeiras IV. Atividade V. Evolução da Inflação 2 I. Introdução 3 Missão

Leia mais

O desafio da competitividade. Maio 2012

O desafio da competitividade. Maio 2012 O desafio da competitividade Maio 2012 ECONOMY RESEARCH Roberto Padovani Economista-Chefe (55 11) 5171.5623 roberto.padovani@votorantimcorretora.com.br Rafael Espinoso Estrategista CNPI-T (55 11) 5171.5723

Leia mais

Crescimento Econômico Brasileiro: Análise e Perspectivas

Crescimento Econômico Brasileiro: Análise e Perspectivas Crescimento Econômico Brasileiro: Análise e Perspectivas Fernando A. Veloso Ibmec/RJ XII Seminário Anual de Metas para a Inflação Maio de 2010 Crescimento da Renda per Capita Entre 1960 e 1980, a renda

Leia mais

A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente

A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente BRICS Monitor A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente Agosto de 2011 Núcleo de Análises de Economia e Política dos Países BRICS BRICS Policy Center / Centro de Estudos e Pesquisa BRICS BRICS Monitor

Leia mais

Índice de Confiança do Agronegócio

Índice de Confiança do Agronegócio Índice de Confiança do Agronegócio Primeiro Trimestre 2015 Principais Resultados:» Índice de Confiança do Agronegócio» Índice da Indústria (antes e depois da porteira)» Índice do Produtor Agropecuário

Leia mais

Impacto sobre os rendimentos dos títulos públicos

Impacto sobre os rendimentos dos títulos públicos Como as taxas de juros dos Estados Unidos afetam os mercados financeiros das economias emergentes 15 de maio de 2014 Alexander Klemm, Andre Meier e Sebastián Sosa Os governos da maioria das economias emergentes,

Leia mais

Milho Período: 19 a 23/10/2015

Milho Período: 19 a 23/10/2015 Milho Período: 19 a 23/10/2015 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços médios semanais apresentados nas praças de

Leia mais

A Indústria de Alimentação

A Indústria de Alimentação A Indústria de Alimentação 61 A indústria brasileira de alimentação está inserida na cadeia do agronegócio e representa parte significativa do PIB. O texto aponta as características do setor, seu desempenho

Leia mais

Preços de Commodities e Nível de Atividade no Espírito Santo: Um Estudo Econométrico

Preços de Commodities e Nível de Atividade no Espírito Santo: Um Estudo Econométrico Preços de Commodities e Nível de Atividade no Espírito Santo: Um Estudo Econométrico Matheus Albergaria de Magalhães Coordenador de Estudos Econômicos Rede de Estudos Macroeconômicos (MACRO) Instituto

Leia mais

Visão. Crédito à pessoa física responde por 27% do crescimento da economia entre 2004 e 2009. do Desenvolvimento. nº 84 6 ago 2010

Visão. Crédito à pessoa física responde por 27% do crescimento da economia entre 2004 e 2009. do Desenvolvimento. nº 84 6 ago 2010 Visão do Desenvolvimento nº 84 6 ago 2010 Crédito à pessoa física responde por 27% do crescimento da economia entre 2004 e 2009 Por Gilberto Borça Jr. e Leandro Coutinho Economista e advogado da APE Expansão

Leia mais

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado AGROSSÍNTESE Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado Edilson de Oliveira Santos 1 1 Mestre em Economia, Gestor Governamental da SEAGRI; e-mail: edilsonsantos@seagri.ba.gov.br

Leia mais

Biocombustíveis. Também chamados de agrocombustíveis

Biocombustíveis. Também chamados de agrocombustíveis Biocombustíveis Também chamados de agrocombustíveis Biomassa É o combustível obtido a partir da biomassa: material orgânico vegetal ou animal Uso tradicional: lenha, excrementos Etanol: álcool combustível.

Leia mais

PANORAMA DA ECONOMIA RUSSA

PANORAMA DA ECONOMIA RUSSA PANORAMA DA ECONOMIA RUSSA A Federação da Rússia é o maior país do mundo, com 17 milhões de km2. O censo de 2001 revelou uma população de 142,9 milhões de habitantes, 74% dos quais vivendo nos centros

Leia mais

Redução dos preços da gasolina e do óleo diesel na refinaria PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA

Redução dos preços da gasolina e do óleo diesel na refinaria PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA Redução dos preços da gasolina e do óleo diesel na refinaria PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA JANEIRO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 Redução dos preços da gasolina e do óleo diesel na refinaria Esta Nota Técnica

Leia mais

ÍNDIA ATUALIZA SUAS PERSPECTIVAS DE PRODUÇÃO E FRUSTRA RECUPERAÇÃO EM NOVA YORK E LONDRES

ÍNDIA ATUALIZA SUAS PERSPECTIVAS DE PRODUÇÃO E FRUSTRA RECUPERAÇÃO EM NOVA YORK E LONDRES Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados Ano XVII 08/junho/2015 n. 578 ÍNDIA ATUALIZA SUAS PERSPECTIVAS DE PRODUÇÃO E FRUSTRA RECUPERAÇÃO EM NOVA YORK E LONDRES O segundo maior produtor mundial da

Leia mais

A EVOLUÇÃO DO INVESTIMENTO EXTERNO DIRETO (IED) NO BRASIL: 1995-2013 1 RESUMO

A EVOLUÇÃO DO INVESTIMENTO EXTERNO DIRETO (IED) NO BRASIL: 1995-2013 1 RESUMO 1 A EVOLUÇÃO DO INVESTIMENTO EXTERNO DIRETO (IED) NO BRASIL: 1995-2013 1 Cleidi Dinara Gregori 2 RESUMO Este artigo tem como objetivo analisar a evolução do investimento externo direto, também conhecido

Leia mais

ABRIL INICIA COM QUEDA SUPERIOR A 9% PARA O HIDRATADO

ABRIL INICIA COM QUEDA SUPERIOR A 9% PARA O HIDRATADO Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados Nº 390 Ano IX 03/abril/2014 ABRIL INICIA COM QUEDA SUPERIOR A 9% PARA O HIDRATADO No mercado físico de etanol, a primeira semana de abril foi marcada pelo abrandamento

Leia mais

O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil

O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil Davi Almeida e Rodrigo Ventura Macroplan - Prospectiva, Estratégia & Gestão Artigo Publicado em: Sidney Rezende Notícias - www.srzd.com Junho de 2007 Após duas décadas

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 QUIRINO, José Renato Dias 1 ; MEDEIROS 2, Rennan Kertlly de; RAMOS FILHO 3, Hélio S. RESUMO O estudo das relações econômicas

Leia mais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais João Carlos Ferraz BNDES 31 de agosto de 2008 Guia Contexto macroeconômico Políticas públicas Perpectivas do investimento

Leia mais

Preços. 2.1 Índices gerais

Preços. 2.1 Índices gerais Preços 2 A inflação mais elevada no trimestre finalizado em fevereiro evidenciou, essencialmente, o realinhamento dos preços monitorados e livres, pressões pontuais advindas da desvalorização cambial,

Leia mais

A melancolia das commodities: o investimento empresarial na América Latina Nicolás Magud

A melancolia das commodities: o investimento empresarial na América Latina Nicolás Magud A melancolia das commodities: o investimento empresarial na América Latina Nicolás Magud May 12, 2015 O investimento privado vem desacelerando em todos os mercados emergentes desde meados de 2011, e a

Leia mais

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea SUMÁRIO

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea SUMÁRIO 7 ECONOMIA MUNDIAL SUMÁRIO A situação econômica mundial evoluiu de maneira favorável no final de 2013, consolidando sinais de recuperação do crescimento nos países desenvolvidos. Mesmo que o desempenho

Leia mais

A crise financeira global e as expectativas de mercado para 2009

A crise financeira global e as expectativas de mercado para 2009 A crise financeira global e as expectativas de mercado para 2009 Luciano Luiz Manarin D Agostini * RESUMO - Diante do cenário de crise financeira internacional, o estudo mostra as expectativas de mercado

Leia mais

O crescimento da China e seus impactos sobre a economia mineira

O crescimento da China e seus impactos sobre a economia mineira SETOR EXTERNO E ECONOMIA INTERNACIONAL O crescimento da China e seus impactos sobre a economia mineira Gilberto Libânio * RESUMO - O presente trabalho busca discutir a importância do setor externo no desempenho

Leia mais

AÇÚCAR EM NOVA YORK ASSUME VANTAGEM SOBRE PREÇOS DO HIDRATADO EM RIBEIRÃO PRETO

AÇÚCAR EM NOVA YORK ASSUME VANTAGEM SOBRE PREÇOS DO HIDRATADO EM RIBEIRÃO PRETO Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados Ano XVII 07/setembro/2015 n. 591 AÇÚCAR EM NOVA YORK ASSUME VANTAGEM SOBRE PREÇOS DO HIDRATADO EM RIBEIRÃO PRETO A finalização da primeira semana de setembro

Leia mais

Instituto Fernand Braudel de Economia Mundial

Instituto Fernand Braudel de Economia Mundial Instituto Fernand Braudel de Economia Mundial Associado à Fundação Armando Alvares Penteado Rua Ceará 2 São Paulo, Brasil 01243-010 Fones 3824-9633/826-0103/214-4454 Fax 825-2637/ngall@uol.com.br O Acordo

Leia mais

A CR C IS I E S E MU M N U DI D A I L D O D S ALIM I E M N E TO T S: S O qu q e o B r B asi s l p o p de d f a f ze z r?

A CR C IS I E S E MU M N U DI D A I L D O D S ALIM I E M N E TO T S: S O qu q e o B r B asi s l p o p de d f a f ze z r? A CRISE MUNDIAL DOS ALIMENTOS: O que o Brasil pode fazer? Geraldo Barros USA: Inflation, Interest Rates, GDP Int rates Infl 12 14 16 18 6% 8% 1% GDP -4-2 2 4 6 8 1 198 1981 1982 1983 1984 1985 1986 1987

Leia mais

Definition of the relevant product market for gasoline fuel C, hydrated ethanol and natural gas

Definition of the relevant product market for gasoline fuel C, hydrated ethanol and natural gas DELIMITAÇÃO DO MERCADO RELEVANTE DE PRODUTO DOS COMBUSTÍVEIS GASOLINA C, ÁLCOOL HIDRATADO E GÁS NATURAL VEICULAR crikamarcia@hotmail.com APRESENTACAO ORAL-Comercialização, Mercados e Preços ROSANGELA APARECIDA

Leia mais

ECONOMIA INTERNACIONAL II. Paridade Poder de Compra. Teoria: um primeiro olhar. A Lei do Preço Único

ECONOMIA INTERNACIONAL II. Paridade Poder de Compra. Teoria: um primeiro olhar. A Lei do Preço Único Teoria: um primeiro olhar ECONOMIA INTERNACIONAL II Paridade Poder de Compra Professor: André M. Cunha 1. Teoria da Paridade Poder de Compra (PPC) : a abordagem da paridade poder de compra (PPC) sugere

Leia mais

Soluções estratégicas em economia

Soluções estratégicas em economia Soluções estratégicas em economia Cenário macroeconômico e perspectivas para 2014/2018 maio de 2014 Perspectivas para a economia mundial Perspectivas para a economia brasileira Perspectivas para os Pequenos

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Março de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Março de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Março de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: Fed e Curva de Juros...Pág.3 Europa: Melhora dos Indicadores...Pág.4

Leia mais

INFORMATIVO TÉCNICO INFOTEC N 11. Brasília, 12 de fevereiro de 2008 O MERCADO DE FERTILIZANTES NO BRASIL E A SUA IMPORTÂNCIA PARA O COOPERATIVISMO

INFORMATIVO TÉCNICO INFOTEC N 11. Brasília, 12 de fevereiro de 2008 O MERCADO DE FERTILIZANTES NO BRASIL E A SUA IMPORTÂNCIA PARA O COOPERATIVISMO INFORMATIVO TÉCNICO INFOTEC N 11 Brasília, 12 de fevereiro de 2008 O MERCADO DE FERTILIZANTES NO BRASIL E A SUA IMPORTÂNCIA PARA O COOPERATIVISMO Equipe da Gerência de Mercados - GEMERC: Autor: Marcos

Leia mais

Produção de Commodities e Desenvolvimento Econômico O Esforço Empresarial Brasileiro Instituto de Economia UNICAMP 29 de março de 2010

Produção de Commodities e Desenvolvimento Econômico O Esforço Empresarial Brasileiro Instituto de Economia UNICAMP 29 de março de 2010 Produção de Commodities e Desenvolvimento Econômico O Esforço Empresarial Brasileiro Instituto de Economia UNICAMP 29 de março de 2010 A produção de commodities e a transformação econômica do Brasil João

Leia mais

Balança Comercial 2003

Balança Comercial 2003 Balança Comercial 2003 26 de janeiro de 2004 O saldo da balança comercial atingiu US$24,8 bilhões em 2003, o melhor resultado anual já alcançado no comércio exterior brasileiro. As exportações somaram

Leia mais