Os efeitos da luz azul na Saúde Ocular. Elaine Kitchel, M.Ed.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Os efeitos da luz azul na Saúde Ocular. Elaine Kitchel, M.Ed."

Transcrição

1 Dr. Leôncio de Queiroz Neto Instituto Penido Burnier Os efeitos da luz azul na Saúde Ocular Elaine Kitchel, M.Ed. Por que devemos nos preocupar com luz azul? Há anos, os profissionais nas áreas de energia da luz e da visão querem saber sobre a radiação ultravioleta e os perigos (UV) que apresentam para a saúde ocular. Devemos gradualmente ter mais e mais exposições intensas à luz azul, grande parte do mundo de exibição comercial e da indústria é iluminado com luz branca tubos fluorescentes que emitem um pico de luz forte nas faixas azul e ultravioleta. Na verdade muitas casas e escritórios são iluminadas com luz branca, lâmpadas fluorescentes. Ninguém duvida de que mais pessoas estão gastando tempo na frente de terminais de vídeo (VDTs) que produzem luz azul. Enquanto algumas pessoas acham que a luz azul irrita os olhos ou dor de cabeça.os cientistas só agora estão começando a investigar seus efeitos a longo prazo e oferecer algumas soluções para manter a saúde ocular na presença de luz azul. O que é a luz azul? Especialistas divergem quanto ao o comprimento de onda exata de ondas de luz UV, mas geralmente falando de luz, os raios UV são definidos como aquela parte do espectro invisível que varia de 380nm a 200nm. (Nm nanômetro está para o que é um bilionésimo de metro). Esta parte do espectro é dividido em UV-A (380nm a 315nm), UV-B (314nm a 280nm) e UV-C (279 a 200nm.) UV-C, o menor comprimento de onda para os efeitos deste relatório, é praticamente ausente das lâmpadas comuns, luz negra e luz solar dentro da atmosfera da Terra. É em grande parte

2 germicida na natureza e é usado por dentistas e na indústria para fins de esterilização. Um dos benefícios primários de a camada de ozonio é a de que ele filtra para fora virtualmente todos de UV-C. No entanto, UV-B e UV-A entram em nossa atmosfera onde UV-B e em algum grau UV- A, têm sido implicadas na formação de cânceres de pele e de cataratas e em a degeneração do tecido da retina. (Van der Leun e Gruijl, 1993). UV-A. É particularmente abundante na luz emitida por lâmpadas negras, tão popular na "estimulação sensorial" atividades No entanto, até recentemente, pouco foi dito sobre UV próximo, ou "luz azul" e seus efeitos sobre o olho. A luz azul é que a luz com comprimentos de onda na faixa de 500nm a 381nm. Tanto a luz azul e UV-A são muitas vezes referidos como "UV próximo", mas para efeitos deste relatório, "perto de UV" refere-se a luz azul. Revisão de Literatura Dano Retiniano Em um estudo precoce conduzido por Ham, Ruffolo, Mueller e Guerry, (1980) macacos rhesus foram expostos à luz de alta intensidade azul na 441nm para uma duração de 1000 segundos. Dois dias mais tarde lesões foram formados no epitélio pigmentado da retina (RPE.) Estas lesões consistiram de uma "reação inflamatória acompanhado com clumping de melanossomas e de invasão de macrófagos com engulfment de melanossomas que produzem hipopigmentação do EPR" (Ham et al., 1980, p.1110). Como a melanina, um pigmento presente no componente comum do EPR, absorve fortemente a luz azul, não há razão para estar preocupados que a retina está sujeita a lesão actínica da luz azul. No entanto, a lente fortemente absorve a luz azul tão bem, mas é executado um alto risco de opacificação possível.

3 Estudos em humanos não foram realizados devido aos problemas óbvios éticos envolvidos na deliberadamente submeter seres humanos a condições potencialmente perigosas. No entanto, Taylor et al., Encontraram uma associação entre a formação de catarata e exposição ao UV-B, quando ele estudou 838 barqueiros que trabalharam na Baía de Chesapeake. Ele não estava, porém procurando uma ligação entre UV próximo e anomalia das células da retina ou da lente. Os próximos estudos disponíveis são aqueles que usam animais. Entre os pesquisadores e cientistas que estudaram a luz azul, muitos são da opinião de que a luz azul pode ser um risco e as precauções seria sensato. Alguns pesquisadores são mais certa: Ham et al, após a realização de estudos em animais, sugeriu "a longo prazo da exposição crônica à luz de comprimento de onda curta é um forte fator que contribui para a degeneração macular senil" (p. 1110).. Em 1992, Chen, pesquisador do Hospital St. Erik de olho na Suécia, procurou explorar a base para explicar por que as reações de luz azul causar degeneração da retina. Com base na pesquisa de EL Paulter, Morika e Beenley (1989), que descobriu que um químico substância química chamada citocromo-oxidase é uma enzima chave na respiração da retina em mamíferos superiores, Chen decidiu investigar este fenômeno em ratos. Da Citocromo oxidase é encontrado no RPE e no segmento interior dos fotorreceptores. Paulter do em estudos in vitro de tecido REP bovina mostrou que o azul-luz a exposição destruído citocromo oxidase e inibiu a respiração celular. Esta inibição foi seguido por degeneração da retina. Chen, em seguida, realizaram um experimento semelhante em ratos em que os expõem aos 15 minutos de luz azul 404nm que não era forte o suficiente para causar danos térmicos. Ele, então, matou cerca de ratos imediatamente, e uma para cada um dos próximos três dias. Ao examinar as suas retinas, ele encontrou a exposição à luz azul havia de fato inibiu a produção de citocromo-oxidase. Isso ficou evidente em sua observação da as células fotorreceptoras que haviam sido destruídos. Ele concluiu

4 "Inibição da citocromo-oxidase pela exposição à luz azul-e conseqüente supressão do metabolismo celular é uma causa potencial de degeneração da retina" (1993, p. 422). Pode-se argumentar que os resultados em ratos de laboratório não são necessariamente indicativas de resultados humanos. Por esta razão, a investigação primata muitas vezes segue a investigação de mamíferos outro. Em 1980, o grupo de Sperling, Johnson e Harwerth irradiadas as retinas de babuínos e macacos rhesus com luz azul. Os tecidos oculares de esses primatas são muito semelhantes aos dos seres humanos. Além disso à cegueira de cor na gama azulpara-verde, Sperling et al. encontrado "Danos extensivos no EPR resultante da absorção da energia por parte os grânulos de melanina. Ele deve ser apontado para fora de que o dano visto... incluindo atividade macrofágica, interrompido células e formação de placa bacteriana, é característica do que é visto por Ham et al. (1978), e outros em que ele chama de lesão fotoquímica. " Em luz de achados como estes, os oftalmologistas estão começando a filtrar a luz azul emitida a partir os seus oftalmoscópios através de uma lente amarela. Um estudo realizado por Bradnam, Montgomery, Moseley e Dutton concluiu: "Este estudo tem mostrado que o uso de uma lente amarela é muito eficaz em reduzir o perigo azul-luz e estende-se o período operacional seguro por um fator de, aproximadamente, 20x... Em os interesses de segurança do paciente, recomenda-se que as lentes amarelas são considerados para uso por oftalmoscopia indireta de rotina "(1994, p. 799). Danos ao Cristalino

5 Depois de algum amarelecimento, por 20 anos de idade, o cristalino torna-se natural, embora imperfeita absorvente, de comprimentos de onda entre 400 e 320nm. Ele ajuda a proteger a retina a partir de dano pela radiação UV próximo. A lente também oferece proteção parcial, mas imperfeito para a retina da luz azul. Em estudos adiantados pensava-se que UV-B foi a banda de comprimento de onda apenas responsável para a catarata. Contudo "A maioria das autoridades agora acreditam que a radiação UV próximo absorvida por toda a vida pela lente é um fator que contribui para o envelhecimento e catarata senil. Assim, ao proteger a retina a partir de radiação UV perto de, a lente pode tornar-se com catarata. Minha opinião pessoal é que tanto a retina e as lentes devem ser protegidas ao longo da vida, tanto a luz azul e radiação UV próximo. Isso iria atrasar o início da senescência em ambos cristalino e retina (degeneração macular senil catarata senil e) ", (Ham, 1983, p. 101). Jovens com idade inferior a 20, e especialmente as crianças muito jovens, têm pouco ou nenhum amarelamento da lente., Por conseguinte, qualquer luz de UV ou de azul, que entra no olho é não filtrada e golpeia a retina na full-strength expondo não só a retina do, mas a lente a danos. Nancy Quinn, um enfermeiro e um especialista em emissões de luz azul de VDTs escreveu: "Comprimentos de onda de luz Blue e parte do espectro azul estão focados em frente da retina, enquanto que verde e amarelo estão focados sobre a retina, e alguns espectro vermelho está focada para trás. Assim, a luz azul contribui pouco para a acuidade visual e a percepção visual perde nitidez como o componente de luz azul contribui significativamente para as despesas do olho para focalizar a energia, e se reduziu pode reduzir a fadiga ocular, sem perda de acuidade. Há é de montagem evidência médica que a exposição prolongada à luz azul pode danificar permanentemente os olhos, contribuem para a formação de cataratas e para a destruição de células no centro da retina (1995).

6 O que pode ser feito? Ham et al. (1980) e Gorgels e van Norren (1995) apontou que dano actínico, ou fotoquímica ao tecido da retina, é mais uma função do comprimento de onda do que qualquer intensidade ou duração. Gorgels e van Norren, após examinar retinas de ratos danificados pela luz azul, escreveu "duração não teve influência na dose limiar de dano, nem na morfologia. Concluímos que comprimento de onda (e nem radiação nem a duração) é o fator responsável pelas diferenças encontradas morfológicas" (p.859). Estes estudos sugerem nem a córnea humana, nem lente oferece proteção suficiente da luz azul para o nosso ambiente moderno. Nossos antepassados não ter que lidar com muitas horas sob luz branca fria fluorescente, nem que gastar algum tempo a olhar para terminais de vídeo de visualização a curta distância. Filtros de nossos olhos naturais não oferecem proteção suficiente contra a luz do sol, e muito menos a luz azul emitida por estes dispositivos, nem da luz azul emitida por tubos. Como uma característica da sua estrutura molecular, muitos plásticos têm a capacidade de filtrar para fora a luz UV-A e UV-B. Óculos de policarbonato estão agora disponíveis, que são rotulados como "filtros UV 100%." Plástico transparente, no entanto, não irá filtrar a luz azul. A fim de conseguir isso, o filtro deve ser matizado. Amarelo é a cor preferida, pois permite o melhor contraste para a maioria das pessoas, oferecendo ainda UV e azul da luz. Bradnam, et.al. (1994) mostrou a lente amarela para ser muito eficaz em proteger as retinas de seus pacientes que estavam sendo expostas à luz azul durante a oftalmoscopia. No caso dos negros atividades leves, o amarelo é a única cor que dá luz azul adequada e proteção UV, ao abrigo do qual materiais fluorescentes ainda aparecerá a apresentar fluorescência. Tanto o Escudo Solar e NOIR produzir uma lente de amarelo que filtra para fora 100 UV% e 100% de luz azul. Filtros

7 deve estar sempre entre a fonte de luz e os olhos. Por esta razão, viseiras ou óculos funcionam melhor. Folhas de acetato, os quais estão, frequentemente, utilizados, oferecem pouca ou nenhuma proteção a partir de luz azul. O fator de luz azul deve ser de máxima importância para as pessoas que trabalham com crianças e com os indivíduos que podem ter albinismo, afacia, acromatopsia, coloboma, sub-luxated lentes e outras condições em que a luz que atinge a retina não é filtrada, ou faz a luz extrema sensibilidade. Profissionais da área de visão poderia lucrar com, no mínimo, empregando devidas precauções de filtragem e os limites de exposição ao sujeito e profissional, quando se usa luz negra e outras fontes de luz azul durante a estimulação sensorial, e actividades de formação visuais. Sugestões Práticas 1. Estudante e praticante deve sempre usar amarelo-escuros de lentes ou viseiras que oferecem UV % de proteção e luz azul durante o uso de luz negra. 2. Uso de luz negra deve ser muito limitado. Recentes estudos sugerem que as orientações antigas de 2-3 vezes por semana por criança com sessões com menos de 15 minutos cada um (Moore, 1986) pode ser demais. Devem ser feitos esforços para afastar o aluno da luz negra em luz fraca e, em seguida, em atividades diurnas de desenvolvimento da visão. 3. Filtros de tela para radiações ultravioletas que se encaixam sobre o terminal de exibição, ou UV espetáculos de filtragem deve ser desgastado durante o uso de um terminal de exibição de vídeo (tela do computador.) 4. Se possível, limitar o uso de luz branca lâmpadas fluorescentes, lâmpadas de espectro completo da luz do dia, tubos ou lâmpadas ou luzes de mercúrio no meio ambiente. Substitua quentes tubos brancos ou lâmpadas incandescentes, se possível.

8 5. Estudantes ou profissionais com albinismo, afacia, coloboma, sub-luxated lentes ou acromatopsia devem usar lentes azuis UV / filtragem ou viseiras ao ar livre e também dentro de casa se sob cool luzes brancas fluorescentes ou de mercúrio. 6. Certifique-se sempre a fonte de luz azul está abaixo do nível da cintura, ou atrás do aluno. Fontes de luz azul não deve ser perto do nível dos olhos. Problema: Maior risco de DMRI por falta de proteção da retina Aumento na expectativa de vida Aumentando a incidência de catarata e DMRI Cirurgias de catarata mais precoces Camada de ozônio mais rarefeita Aumento no uso de luz de mercúrio e xenônio Perspectiva de Solução: FILTRO UV!!! Diferente da pele, os olhos não desenvolvem tolerância à luz ultravioleta, e tornam-se mais sensíveis com a passagem do tempo. Daí a necessidade de pensar na prevenção desde a infância Apenas 15,7% das pessoas têm o hábito de usar óculos de sol para proteger os seus olhos dos raios segundo estudo de prevenção ao raios UV desenvolvido em 2004 pela Transitions na Inglaterra. Segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde) 20% dor problemas de catarata ocular equivalente a 3 milhões de casos por ano derivam de danos causados pelo sol pela exposição dos olhos aos raios ultravioletas Concluo :

9 Baseado nas considerações de Elaine Kichel, supra citada juntamente com os demais autores citados, que o filtro UV deve ter bloqueio de no mínimo 380 nm, ou seja bloqueando a luz azul. The Effects of Blue Light on Ocular Health [PDF] de naasln.org E Kitchel - Vision rehabilitation: assessment, intervention, and, books.google.com Professionals in the fields of light energy and vision have known for years now about the hazards that ultraviolet (UV) light presents to ocular health. We are gradually having longer and more intense exposures to blue light; much of the world of commercial display and Chen, E. (1993). Inhibition of cytochrome oxidase and blue-light damage in rat retina. Graefe's Archive for Clinical and Experimental Ophthalmology, 231(7), Fedorovich, I.B., Zak, P.P., & Ostrovskii, M.A. (1994). Enhances transmission of UV light by human eye lens in early childhood and age-related yellowing of the lens. Doklady Biological Sciences, 336(1), Gorgels, T.G., & van Norren, D. (1995). Ultraviolet and green light cause different types of damage in rat retina. Investigative Ophthalmology & Visual Science, 36(5), Ham, W.T., Jr. (1983). Ocular hazards of light sources: review of current knowledge. Journal of Occupational Medicine, 25(2), Ham, W.T., Jr., Ruffolo, J.J., Jr., Mueller, H.A., & Guerry, D., III (1980). The nature of retinal radiation damage: dependence on wavelength, power level and exposure time; the quantitative dimensions of intense light damage as obtained from animal studies, Section II. Applied Research, 20, Pautler, E.L., Morita, M., & Beezley, D. (1989). Reversible and irreversible blue light damage to the isolated, mammalian pigment epithelium. Proceedings of the International Symposium on Retinal Degeneration (pp ). New York: Liss. Rozanowska, M., Wessels, J., Boulton, M., Burke, J.M., Rodgers, M.A., Truscott, T.G., & Sarna, T. (1998). Blue light-induced singlet oxygen generation by retinal lipofuscin in non-polar media. Free Radical Biology and Medicine, 24, Sperling, H.G., Johnson, C., & Harwerth, R.S. (1980). Differential spectral photic damage to primate cones. Vision Research, 20,

10

O que é Radiação Ultravioleta (R-UV)?

O que é Radiação Ultravioleta (R-UV)? O que é Radiação Ultravioleta (R-UV)? A radiação solar mais conhecida é a faixa do visível. No entanto, outras duas faixas muito importantes são as do ultravioleta (UV) e do infravermelho (IV). A faixa

Leia mais

Biofísica 1. Ondas Eletromagnéticas

Biofísica 1. Ondas Eletromagnéticas Biofísica 1 Ondas Eletromagnéticas Ondas Ondas são o modo pelo qual uma perturbação, seja som, luz ou radiações se propagam. Em outras palavras a propagação é a forma na qual a energia é transportada.

Leia mais

Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas

Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas AULA 22.2 Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas Habilidades: Frente a uma situação ou problema concreto, reconhecer a natureza dos fenômenos envolvidos, situando-os dentro do

Leia mais

A SBD (Sociedade Brasileira de Dermatologia) constatou por meio de uma pesquisa realizada em 2011 que 59,85% dos entrevistados se expõe à luz solar

A SBD (Sociedade Brasileira de Dermatologia) constatou por meio de uma pesquisa realizada em 2011 que 59,85% dos entrevistados se expõe à luz solar A SBD (Sociedade Brasileira de Dermatologia) constatou por meio de uma pesquisa realizada em 2011 que 59,85% dos entrevistados se expõe à luz solar sem qualquer proteção, enquanto apenas 34,31% usam protetor

Leia mais

Espectro Eletromagnético (Parte III)

Espectro Eletromagnético (Parte III) Espectro Eletromagnético (Parte III) Nesta aula estudaremos os raios ultravioleta que são raios muito utilizados em câmaras de bronzeamento artificial, dos raios X que são essenciais para os diagnósticos

Leia mais

CEGUEIRA E CATARATA. Perguntas e respostas

CEGUEIRA E CATARATA. Perguntas e respostas CEGUEIRA E CATARATA Perguntas e respostas Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira 14. O que torna a pessoa cega? Somado aos acidentes e defeitos

Leia mais

I ENCONTRO NACIONAL DE ILUMINAÇÃO DE MONUMENTOS E CONJUNTOS URBANOS PROTEGIDOS ESCOLA DE MINAS DA UFOP OURO PRETO / MG. SET/2006

I ENCONTRO NACIONAL DE ILUMINAÇÃO DE MONUMENTOS E CONJUNTOS URBANOS PROTEGIDOS ESCOLA DE MINAS DA UFOP OURO PRETO / MG. SET/2006 I ENCONTRO NACIONAL DE ILUMINAÇÃO DE MONUMENTOS E CONJUNTOS URBANOS PROTEGIDOS ESCOLA DE MINAS DA UFOP OURO PRETO / MG. SET/2006 Prof. Luiz Fernando Rispoli Alves DECAT/EM/UFOP 2006 Base para a elaboração

Leia mais

uriosidades O que é Radiação Ultravioleta? Tipos de Radiação Ultravioleta

uriosidades O que é Radiação Ultravioleta? Tipos de Radiação Ultravioleta C uriosidades Índice de Radiação Ultravioleta e Saúde: Proteja-se! V ocê saberia dizer quais o perigos ao se expor diariamente ao Sol? Quais os efeitos causados pela radiação solar ultravioleta à nossa

Leia mais

A pele é um sistema orgânico que, quando mantida sua integridade, tem como funções:

A pele é um sistema orgânico que, quando mantida sua integridade, tem como funções: CUIDADOS COM A PELE A pele é um sistema orgânico que, quando mantida sua integridade, tem como funções: Regular a temperatura do nosso corpo; Perceber os estímulos dolorosos e agradáveis; Impedir a entrada

Leia mais

Luz, olho humano e óculos Capítulo 12 (pág. 219)

Luz, olho humano e óculos Capítulo 12 (pág. 219) Luz, olho humano e óculos Capítulo 12 (pág. 219) Raios de Luz - Alguns filósofos gregos pensavam que nossos olhos emitiam raios que permitiam enxergar os objetos; - Só nos é possível ver quando há luz

Leia mais

O que é LUZ? SENAI - Laranjeiras. Espectro Eletromagnético. Fontes de luz 14/01/2013. Luminotécnica 40h

O que é LUZ? SENAI - Laranjeiras. Espectro Eletromagnético. Fontes de luz 14/01/2013. Luminotécnica 40h SENAI - Laranjeiras Luminotécnica 40h O que é LUZ? A luz, como conhecemos, faz parte de um comprimento de onda sensível ao olho humano, de uma radiação eletromagnética pulsante ou num sentido mais geral,

Leia mais

APLICAÇÃO DE LASERS NA MEDICINA

APLICAÇÃO DE LASERS NA MEDICINA APLICAÇÃO DE LASERS NA MEDICINA Questões associadas à aplicação dos lasers na Medicina Princípios Físicos e aspectos técnicos do equipamento Interacção da luz laser com os tecidos: fotocoagulação, fotovaporização,

Leia mais

Classificação das fontes Todos os corpos visíveis são fontes de luz e podem classificar-se em primária ou secundária.

Classificação das fontes Todos os corpos visíveis são fontes de luz e podem classificar-se em primária ou secundária. Luz: é uma onda eletromagnética, que tem comprimento de onda (do espectro visível) na faixa de 400 nm a 700 nm (nm = nanômetros = 10-9 m). Além da luz visível, existem outras onda eletromagnéticas om diferentes

Leia mais

Luz, olho humano e óculos Capítulo 12

Luz, olho humano e óculos Capítulo 12 Luz, olho humano e óculos Capítulo 12 O olho humano O papel da retina e do cérebro A Pupila - É a estrutura do olho responsável por regular a entrada da quantidade de luz para a formação da imagem; - Em

Leia mais

Astronomia fora do visível Beatriz García, Ricardo Moreno, Rosa M. Ros

Astronomia fora do visível Beatriz García, Ricardo Moreno, Rosa M. Ros Astronomia fora do visível Beatriz García, Ricardo Moreno, Rosa M. Ros União Astronómica Internacional Universidade Tecnológica Nacional, Argentina Colégio Retamar de Madrid, Espanha Universidade Politécnica

Leia mais

28-02-2015. Sumário. Atmosfera da Terra. Interação Radiação-Matéria 23/02/2015

28-02-2015. Sumário. Atmosfera da Terra. Interação Radiação-Matéria 23/02/2015 Sumário Na : Radiação, Matéria e Estrutura Unidade temática 2. O ozono como filtro protetor da Terra. Formação e decomposição do ozono na atmosfera. Filtros solares. Alternativas aos CFC. Como se mede

Leia mais

A influência das. lâmpadas na gravação

A influência das. lâmpadas na gravação A influência das lâmpadas na gravação Uma boa gravação garante a qualidade da impressão e a durabilidade da matriz. Veja como as lâmpadas influenciam esse processo Por Márcio Moraes dos Santos, da Vision-Cure

Leia mais

Título ONDULATÓRIA Extensivo Aula 29. Professor Edson Osni Ramos (Cebola) Disciplina. Física B

Título ONDULATÓRIA Extensivo Aula 29. Professor Edson Osni Ramos (Cebola) Disciplina. Física B Título ONDULATÓRIA Extensivo Aula 29 Professor Edson Osni Ramos (Cebola) Disciplina Física B RADIAÇÕES ELETROMAGNÉTICAS ONDA ELETROMAGNÉTICA Sempre que uma carga elétrica é acelerada ela emite campos elétricos

Leia mais

Visão humana. Guillermo Cámara-Chávez

Visão humana. Guillermo Cámara-Chávez Visão humana Guillermo Cámara-Chávez Cor e visão humana Como uma imagem é formada? Uma imagem é formada a partir da quantidade de luz refletida ou emitida pelo objeto observado. Cor e visão humana Cor

Leia mais

PROTETOR SOLAR. Priscila Pessoa, bolsista PIBID, Licenciatura em Química, IQ-UNICAMP

PROTETOR SOLAR. Priscila Pessoa, bolsista PIBID, Licenciatura em Química, IQ-UNICAMP PROTETOR SOLAR Priscila Pessoa, bolsista PIBID, Licenciatura em Química, IQ-UNICAMP É a fonte de energia essencial para a vida na terra e muitos são os benefícios trazidos pela luz solar para os seres

Leia mais

Visão Subnormal. Guia do Apresentador

Visão Subnormal. Guia do Apresentador Visão Subnormal Guia do Apresentador SLIDE 1 Introdução do apresentador. O propósito desta apresentação é oferecer informações sobre o que é a visão subnormal, o que pode ser feito sobre ela e onde se

Leia mais

Antes de falar sobre protetor solar vamos falar um pouco sobre a Radiação Solar.

Antes de falar sobre protetor solar vamos falar um pouco sobre a Radiação Solar. Proteção Solar PERFECT*SUN Antes de falar sobre protetor solar vamos falar um pouco sobre a Radiação Solar. A Radiação Solar é composta por diversos raios, com diferentes comprimentos de onda, conforme

Leia mais

Teoria física sobre a luz, a cor e a visão

Teoria física sobre a luz, a cor e a visão Teoria física sobre a luz, a cor e a visão No século XVII, Newton aproveitou um feixe de luz do Sol, que atravessava uma sala escura, fazendo-o incidir sobre um prisma de vidro. Verificou que o feixe se

Leia mais

Mini Glossário. B Blefarite Inflamação das pálpebras.

Mini Glossário. B Blefarite Inflamação das pálpebras. A Acomodação Capacidade do olho em focar a várias distâncias, desde o perto ao longe, por alteração da potência dióptrica do cristalino. Acuidade Visual Capacidade de discriminar dois pontos próximos como

Leia mais

Óptica da Visão. Prof.: Bruno Roberto Física 1 2º ano UP - 2015

Óptica da Visão. Prof.: Bruno Roberto Física 1 2º ano UP - 2015 Óptica da Visão Prof.: Bruno Roberto Física 1 2º ano UP - 2015 O Olho Humano Partes do Olho Humano Córnea: Transparente. Serve para a passagem da luz. Umedecida pelas lágrimas. Humor Aquoso: Líquido incolor

Leia mais

Seleção de comprimento de onda com espectrômetro de rede

Seleção de comprimento de onda com espectrômetro de rede Seleção de comprimento de onda com espectrômetro de rede Fig. 1: Arranjo do experimento P2510502 O que você vai necessitar: Fotocélula sem caixa 06779.00 1 Rede de difração, 600 linhas/mm 08546.00 1 Filtro

Leia mais

VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL CIEVS- Centro de Informações Estratégicas em Saúde

VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL CIEVS- Centro de Informações Estratégicas em Saúde VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL CIEVS- Centro de Informações Estratégicas em Saúde Boletim de Alerta do VIGIAR Palmas 09 de setembro de 2014 RECOMENDAÇÕES PARA ENFRENTAR SITUAÇÕES DE A BAIXA UMIDADE RELATIVA

Leia mais

LABORATÓRIO CASEIRO DE FÍSICA MODERNA * 1

LABORATÓRIO CASEIRO DE FÍSICA MODERNA * 1 LABORATÓRIO CASEIRO DE FÍSICA MODERNA * 1 S. M. Arruda D. O. Toginho Filho Departamento de Física UEL Londrina PR Resumo A montagem de um laboratório de Física Moderna enfrenta um obstáculo muitas vezes

Leia mais

www.cpsol.com.br TEMA 002 USUÁRIOS DE COMPUTADOR CUIDADO COM OS OLHOS

www.cpsol.com.br TEMA 002 USUÁRIOS DE COMPUTADOR CUIDADO COM OS OLHOS TEMA 002 USUÁRIOS DE COMPUTADOR CUIDADO COM OS OLHOS 1/8 É cada vez maior o número de pessoas com a patologia diagnosticada como Fadiga Visual ou Síndrome do Usuário de Computador, conhecida também como

Leia mais

Interacção da Radiação com a Matéria

Interacção da Radiação com a Matéria Interacção da Radiação com a Matéria Já sabemos que: As radiações eletromagnéticas têm comportamento ondulatório e corpuscular. Cada radiação apresenta as suas características individuais; Os corpúsculos

Leia mais

Saúde Ocular do Idoso

Saúde Ocular do Idoso Saúde Ocular do Idoso Norma Helen Medina Centro de Oftalmologia Sanitária CVE CCD/SES SP dvoftal@saude.sp.gov.br Classificação de deficiência visual Organização Mundial da Saúde CID 10 Cegueira Acuidade

Leia mais

Sistema Visual Humano. Carlos Alexandre Mello. Pós-Graduação em Ciência da Computação. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1

Sistema Visual Humano. Carlos Alexandre Mello. Pós-Graduação em Ciência da Computação. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1 Carlos Alexandre Mello Pós-Graduação em Ciência da Computação Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1 Nós somos criaturas visuais A maior parte das informações que adquirimos vem dos nossos olhos Cerca

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Módulo 5 - Radiações Não-Ionizantes

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Módulo 5 - Radiações Não-Ionizantes Curso Técnico Segurança do Trabalho Identificação e Análise de Riscos Identificação e Análise de Riscos Módulo 5 - Radiações Não-Ionizantes Segundo a NR15 Anexo 7: Radiações não-ionizantes são as microondas,

Leia mais

PROTETORES SOLARES. Priscila Pessoa, bolsista PIBID, IQ-UNICAMP

PROTETORES SOLARES. Priscila Pessoa, bolsista PIBID, IQ-UNICAMP PROTETORES SOLARES Priscila Pessoa, bolsista PIBID, IQ-UNICAMP O sol é uma fonte de energia essencial para a vida na terra pois, direta ou indiretamente a maioria dos ciclos biológicos dependem da radiação

Leia mais

O OZONO NA ATMOSFERA. Maria do Anjo Albuquerque

O OZONO NA ATMOSFERA. Maria do Anjo Albuquerque O OZONO NA ATMOSFERA O buraco na camada de ozono é a região sobre Antárctica com um total de 220 ou menos unidades de Dobson A imagem mostra o buraco em outubro de 2004. Imagem obtida pelo satélite Aura

Leia mais

Biofísica da visão II. Ondas eletromagnéticas, o olho humano, Funcionamento da visão, Defeitos da visão.

Biofísica da visão II. Ondas eletromagnéticas, o olho humano, Funcionamento da visão, Defeitos da visão. Biofísica da visão II Ondas eletromagnéticas, o olho humano, Funcionamento da visão, Defeitos da visão. Sistema de líquidos do olho Glaucoma: aumento da pressão intra-ocular SIMULAÇÃO DE PERDA NO GLAUCOMA

Leia mais

Reações fotoquímicas. Tatiana Dillenburg Sain t Pierre. Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 3.0 do Creative Commons.

Reações fotoquímicas. Tatiana Dillenburg Sain t Pierre. Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 3.0 do Creative Commons. Reações fotoquímicas Tatiana Dillenburg Sain t Pierre Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 3.0 do Creative Commons. http://creativecommons.org.br http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/br/legalcode

Leia mais

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA O trabalho se inicia com uma avaliação diagnóstica (aplicação de um questionário) a respeito dos conhecimentos que pretendemos introduzir nas aulas dos estudantes de física do ensino médio (público alvo)

Leia mais

Professora Bruna FÍSICA B. Aula 17 Seus Óculos. Página 232

Professora Bruna FÍSICA B. Aula 17 Seus Óculos. Página 232 FÍSICA B Aula 17 Seus Óculos. Página 232 INTRODUÇÃO Na aula de hoje, estudaremos os defeitos da visão e os tipos de lentes indicadas para correção destes defeitos. Para isso, estudaremos primeiramente

Leia mais

EVITANDO ACIDENTES. Como evitar acidentes com os olhos. Cozinhando. Produtos de limpeza. Objetos e crianças. Plantas

EVITANDO ACIDENTES. Como evitar acidentes com os olhos. Cozinhando. Produtos de limpeza. Objetos e crianças. Plantas EVITANDO ACIDENTES Como evitar acidentes com os olhos Quando se trata de acidentes com os olhos, o melhor remédio é a prevenção, pois algumas lesões podem causar desde a perda da qualidade da visão até

Leia mais

É um agente físico capaz de sensibilizar os nossos órgãos visuais.

É um agente físico capaz de sensibilizar os nossos órgãos visuais. É um agente físico capaz de sensibilizar os nossos órgãos visuais. Dispersão da luz Luz Branca v Prisma Vermelho Laranja Amarelo Verde Azul Anil Violeta COR Luz: As Primárias São: Vermelho, Verde e Azul

Leia mais

PARECER CREMEC nº 25/2009 19/09/2009

PARECER CREMEC nº 25/2009 19/09/2009 PARECER CREMEC nº 25/2009 19/09/2009 ASSUNTO: Riscos à saúde pública trazidos pelas emissões radioativas causadas por antena-base-de-celular Protocolo: 2126/09 SOLICITANTE: Promotoria de Justiça de Defesa

Leia mais

O olho humano permite, com o ar limpo, perceber uma chama de vela em até 15 km e um objeto linear no mapa com dimensão de 0,2mm.

O olho humano permite, com o ar limpo, perceber uma chama de vela em até 15 km e um objeto linear no mapa com dimensão de 0,2mm. A Visão é o sentido predileto do ser humano. É tão natural que não percebemos a sua complexidade. Os olhos transmitem imagens deformadas e incompletas do mundo exterior que o córtex filtra e o cérebro

Leia mais

1- Fonte Primária 2- Fonte Secundária. 3- Fonte Puntiforme 4- Fonte Extensa

1- Fonte Primária 2- Fonte Secundária. 3- Fonte Puntiforme 4- Fonte Extensa Setor 3210 ÓPTICA GEOMÉTRICA Prof. Calil A Óptica estuda a energia denominada luz. 1- Quando nos preocupamos em estudar os defeitos da visão e como curá-los, estamos estudando a Óptica Fisiológica. Estudar

Leia mais

O descolamento de retina pode começar em uma pequena área, mas, quando não tratado, pode ocorrer descolamento de toda a retina.

O descolamento de retina pode começar em uma pequena área, mas, quando não tratado, pode ocorrer descolamento de toda a retina. PRINCIPAIS DOENÇAS OCULARES DESCOLAMENTO DE RETINA Definição O descolamento de retina é a separação da retina da parte subjacente que a sustenta. A malha de nervos que constitui a parte sensível à luz

Leia mais

Esta cartilha responde a questões comuns sobre a emissão das ondas eletromagnéticas e sua relação com a saúde humana. Após sua leitura, você

Esta cartilha responde a questões comuns sobre a emissão das ondas eletromagnéticas e sua relação com a saúde humana. Após sua leitura, você Esta cartilha responde a questões comuns sobre a emissão das ondas eletromagnéticas e sua relação com a saúde humana. Após sua leitura, você conhecerá mais sobre a regulamentação que trata da exposição

Leia mais

GNE 109 AGROMETEOROLOGIA Características Espectrais da Radiação Solar

GNE 109 AGROMETEOROLOGIA Características Espectrais da Radiação Solar GNE 109 AGROMETEOROLOGIA Características Espectrais da Radiação Solar Prof. Dr. Luiz Gonsaga de Carvalho Núcleo Agrometeorologia e Climatologia DEG/UFLA Absorção seletiva de radiação Absorção seletiva

Leia mais

5 Equipamentos e materiais utilizados

5 Equipamentos e materiais utilizados Equipamentos e materiais utilizados 5 Equipamentos e materiais utilizados O presente capítulo descreve objetivamente os principais equipamentos e materiais utilizados bem como as suas características técnicas

Leia mais

Escola Técnica Estadual Republica ETER Sistema de Informação Profª: Adriana. Alunos: Rodolfo Ribeiro Paulo Vitor

Escola Técnica Estadual Republica ETER Sistema de Informação Profª: Adriana. Alunos: Rodolfo Ribeiro Paulo Vitor Escola Técnica Estadual Republica ETER Sistema de Informação Profª: Adriana Alunos: Rodolfo Ribeiro Paulo Vitor De olho nos seus OLHOS! Síndrome da visão do computador Índice Vista Vermelha, embaçada e

Leia mais

Projeto de Lei Nº 5534, de 2005 (Do Senado Federal)

Projeto de Lei Nº 5534, de 2005 (Do Senado Federal) COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA Projeto de Lei Nº 5534, de 2005 (Do Senado Federal) Torna obrigatória a proteção contra radiação ultravioleta nos óculos de sol e dá outras providências. Autor:

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS 1.º Teste sumativo de FQA 21. Out. 2015 Versão 1 10.º Ano Turma A e B Professora: Duração da prova: 90 minutos. Este teste é constituído por 9 páginas e termina na palavra

Leia mais

Profa. Le:cia Veras Costa- Lotufo. Câmara superautomá:ca Posiciona- se na direção do objeto Poder de foco Regula a sensibilidade do filme

Profa. Le:cia Veras Costa- Lotufo. Câmara superautomá:ca Posiciona- se na direção do objeto Poder de foco Regula a sensibilidade do filme BIOFÍSICA DA VISÃO Profa. Le:cia Veras Costa- Lotufo VISÃO: Interação da luz com os fotorreceptores da re:na Re:na filme inteligente situado no OLHO Olho Câmara superautomá:ca Posiciona- se na direção

Leia mais

PEA - Eletrotécnica Geral 1 LÂMPADAS ELÉTRICAS ( FONTES LUMINOSAS )

PEA - Eletrotécnica Geral 1 LÂMPADAS ELÉTRICAS ( FONTES LUMINOSAS ) PEA - Eletrotécnica Geral 1 LÂMPADAS ELÉTRICAS ( FONTES LUMINOSAS ) PEA - Eletrotécnica Geral 2 - OBJETIVOS: 1) CONCEITOS BÁSICOS DE FOTOMETRIA E DA AÇÃO DA LUZ SOBRE O OLHO 2) TIPOS DE LÂMPADAS 2.1) LÂMPADAS

Leia mais

Campanha de prevenção do cancro da pele

Campanha de prevenção do cancro da pele Campanha de prevenção do cancro da pele Use o protetor solar adequado. Proteja-se com chapéu e óculos de sol. Evite a exposição solar entre as 11:00 e as 17:00. www.cm-loures.pt facebook.com/municipiodeloures

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde

Direcção-Geral da Saúde Assunto: PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA AS ONDAS DE CALOR 2008 RECOMENDAÇÕES SOBRE VESTUÁRIO APROPRIADO EM PERÍODOS DE TEMPERATURAS ELEVADAS Nº: 21/DA DATA: 07/08/08 Para: Contacto na DGS: Todos os Estabelecimentos

Leia mais

RADIAÇÃO ULTRAVIOLETA E CÂNCER DE PELE

RADIAÇÃO ULTRAVIOLETA E CÂNCER DE PELE UNIFESP UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO ESCOLA PAULISTA DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM CIRURGIA PLÁSTICA REPARADORA Coordenadora e Professora Titular: Profa.Dra.Lydia Masako Ferreira RADIAÇÃO

Leia mais

Projeto CAPAZ Básico Ametropias 1 Miopia e Hipermetropia

Projeto CAPAZ Básico Ametropias 1 Miopia e Hipermetropia 1 Introdução Ao assistir à aula, você teve acesso ao comportamento do olho humano, constatou quando há uma deficiência visual e como é possível corrigi-la. Vimos algumas peculiaridades, o que acontece

Leia mais

SIGNIFICADO DO COTIDIANO SIGNIFICADO DA FÍSICA

SIGNIFICADO DO COTIDIANO SIGNIFICADO DA FÍSICA SIGNIFICADO DO COTIDIANO SIGNIFICADO DA FÍSICA O QUE É A LUZ? Se alguém lançar uma pedra sobre um local que contenha água parada, como uma piscina, perceberá a formação de circunferências que sairão do

Leia mais

Estudo comparativo de tintas e vernizes na flexografia: curável por raios ultravioletas e à base de solventes

Estudo comparativo de tintas e vernizes na flexografia: curável por raios ultravioletas e à base de solventes Estudo comparativo de tintas e vernizes na flexografia: curável por raios ultravioletas e à base de solventes Ana Paula Alves da Silva 1, a, Aline Resmini Melo 1,b, Carolina Resmini Melo 1,c. 1 Engenharia

Leia mais

Processamento de Imagem. Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Processamento de Imagem. Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Processamento de Imagem Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Visão Humana Sistema complexo Conceitos Básicos e Terminologia

Leia mais

2. O índice experimental UV como usá-los

2. O índice experimental UV como usá-los RADIAÇÃO ULTRAVIOLETA SOLAR CUIDADOS ESPECIAIS ÍNDICE 1. Introdução -------------------------------------------------------------------------------------1 2. O índice experimental UV como usá-los ------------------------------------------------1

Leia mais

Tornando a visão uma prioridade de saúde. Enxergue bem durante toda a sua vida

Tornando a visão uma prioridade de saúde. Enxergue bem durante toda a sua vida Tornando a visão uma prioridade de saúde Enxergue bem durante toda a sua vida A visão de todos nós pode mudar com a idade Algumas alterações na visão podem dificultar a realização de tarefas diárias. Estas

Leia mais

FUNCIONAMENTO DE UM MONITOR CONTÍNUO DE OZÔNIO

FUNCIONAMENTO DE UM MONITOR CONTÍNUO DE OZÔNIO FUNCIONAMENTO DE UM MONITOR CONTÍNUO DE OZÔNIO 1. Introdução A melhor tecnologia para o monitoramento de baixas concentrações de ozônio (O 3 ) no ar ambiente é a da absorção de luz na faixa do Ultra Violeta

Leia mais

COMPETÊNCIAS E HABILIDADES

COMPETÊNCIAS E HABILIDADES COMPETÊNCIAS E HABILIDADES CADERNO 10 PROF.: Célio Normando CA 6 - Apropriar-se de conhecimentos da Física para, em situações problema, interpretar, avaliar ou planejar intervenções científico-tecnológicas.

Leia mais

TERAPIA FOTODINÂMICA

TERAPIA FOTODINÂMICA TERAPIA FOTODINÂMICA Terapia Fotodinâmica Estudo e desenvolvimento de novas tecnologias. Seu uso por podólogos brasileiros é anterior a 1995. Usado por podólogos em outros países, desde a década de 80.

Leia mais

Os testes feitos com as lentes Eyezen reuniram usuários de óculos e pessoas que nunca utilizaram óculos. Seus olhos preparados para o ataque digital

Os testes feitos com as lentes Eyezen reuniram usuários de óculos e pessoas que nunca utilizaram óculos. Seus olhos preparados para o ataque digital rasileiros* elo menos, s abaixo ao tos digitais: Benefícios reais aprovados por quem tem uma vida conectada. Os testes feitos com as lentes Eyezen reuniram usuários de óculos e pessoas que nunca utilizaram

Leia mais

FOTO = luz GRAFIA = escrever

FOTO = luz GRAFIA = escrever Iluminação FOTO = luz GRAFIA = escrever Joseph Nicéphore Niépce - 1826 Por definição, fotografia é, essencialmente, a técnica de criação de imagens por meio de exposição luminosa, fixando esta em uma superfície

Leia mais

Unidade 1 Energia no quotidiano

Unidade 1 Energia no quotidiano Escola Secundária/3 do Morgado de Mateus Vila Real Componente da Física Energia Do Sol para a Terra Física e Química A 10º Ano Turma C Ano Lectivo 2008/09 Unidade 1 Energia no quotidiano 1.1 A energia

Leia mais

Radiação. Grupo de Ensino de Física da Universidade Federal de Santa Maria

Radiação. Grupo de Ensino de Física da Universidade Federal de Santa Maria Radiação Radiação é o processo de transferência de energia por ondas eletromagnéticas. As ondas eletromagnéticas são constituídas de um campo elétrico e um campo magnético que variam harmonicamente, um

Leia mais

Óptica geométrica, óptica física e o olho humano. 1 Foco na retina 2 Difração da luz na pupila 3 Sensibilidade do olho humano e a Muralha da China

Óptica geométrica, óptica física e o olho humano. 1 Foco na retina 2 Difração da luz na pupila 3 Sensibilidade do olho humano e a Muralha da China Óptica geométrica, óptica física e o olho humano 1 Foco na retina 2 Difração da luz na pupila 3 Sensibilidade do olho humano e a Muralha da China Otaviano Helene, IFUSP, 2010 1 1 Foco na retina Evolução

Leia mais

Introdução ao Sensoriamento Remoto

Introdução ao Sensoriamento Remoto Introdução ao Sensoriamento Remoto Cachoeira Paulista, 24 a 28 novembro de 2008 Bernardo Rudorff Pesquisador da Divisão de Sensoriamento Remoto Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE Sensoriamento

Leia mais

Riscos Ambientais. Riscos Ambientais

Riscos Ambientais. Riscos Ambientais Riscos Ambientais Riscos Ambientais São os agentes, elementos ou substâncias presentes nos locais de trabalho. A exposição dos trabalhadores a estes agentes pode causar acidentes com lesões ou danos à

Leia mais

Elementos de linguagem: A cor

Elementos de linguagem: A cor Profa Ana Rezende Ago /set 2006 A todo o momento recebemos informações através dos sentidos, da visão, do olfacto,... em cada cem informações que recebemos oitenta são visuais dessas, quarenta são cromáticas,

Leia mais

FÍSICA IV AULA 04: AS EQUAÇÕES DE MAXWELL; ONDAS ELETROMAGNÉTICAS TÓPICO 03: ESPECTRO ELETROMAGNÉTICO Arco-íris[1] Raio-x[2] Micro-ondas[3] Ondas de rádio[4] Televisão[5] À primeira vista pode parecer

Leia mais

THALITAN Bronzeado mais rápido, seguro e duradouro.

THALITAN Bronzeado mais rápido, seguro e duradouro. THALITAN Bronzeado mais rápido, seguro e duradouro. Thalitan é um complexo formado por um oligossacarídeo marinho quelado a moléculas de magnésio e manganês. Esse oligossacarídeo é obtido a partir da despolimerização

Leia mais

sol, luz e calor. protetor solar e óculos de sol.

sol, luz e calor. protetor solar e óculos de sol. Com a chegada das férias e o verão, a procura por locais abertos para passeios e diversão é comum, mas é preciso cuidado na exposição ao sol para evitar problemas de saúde. Assim, é necessário adquirir

Leia mais

PRINCÍPIOS BÁSICOS. Histórico:

PRINCÍPIOS BÁSICOS. Histórico: REFRAÇÃO Histórico: PRINCÍPIOS BÁSICOS Lei básica da reflexão era conhecida por Euclides, o mais famoso matemático da Antigüidade viveu entre 325 e 265 AC. De forma experimental, o princípio básico da

Leia mais

Radiações na indústria. J. Gil Estevez - j.gil.estevez@gmail.com

Radiações na indústria. J. Gil Estevez - j.gil.estevez@gmail.com Radiações na indústria J. Gil Estevez - j.gil.estevez@gmail.com Radiação Fenómeno de transmissão de energia através do espaço sem suporte material. Esta transmissão de energia é feita por meio de ondas

Leia mais

A Mecânica Quântica nasceu em 1900, com um trabalho de Planck que procurava descrever o espectro contínuo de um corpo negro.

A Mecânica Quântica nasceu em 1900, com um trabalho de Planck que procurava descrever o espectro contínuo de um corpo negro. Radiação de Corpo Negro Uma amostra metálica como, por exemplo, um prego, em qualquer temperatura, emite radiação eletromagnética de todos os comprimentos de onda. Por isso, dizemos que o seu espectro

Leia mais

Relatório Final de Instrumentação de Ensino F809 Ótica e Problemas da Visão

Relatório Final de Instrumentação de Ensino F809 Ótica e Problemas da Visão Relatório Final de Instrumentação de Ensino F809 Ótica e Problemas da Visão Aluna: Gabriela Simone Lorite RA 008769 Orientador: Lucila Cescato Universidade Estadual de Campinas Junho/2004 Resumo O olho

Leia mais

2 Radiação Ultravioleta

2 Radiação Ultravioleta 2 Radiação Ultravioleta 2.1 Introdução Radiação solar é a energia radiante emitida pelo Sol, em particular aquela que é transmitida sob a forma de radiação electromagnética. O espectro eletromagnético

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA EM BAIXA VISÃO

EPIDEMIOLOGIA EM BAIXA VISÃO EPIDEMIOLOGIA EM BAIXA VISÃO Clare Gilbert Os pacientes com Baixa Visão dificilmente têm acesso a um atendimento adequado por uma série de razões. Muitos dos programas de reabilitação existentes são destinados

Leia mais

Curso de Projetos de Iluminação Eficiente Professor Tomaz Nunes Cavalcante

Curso de Projetos de Iluminação Eficiente Professor Tomaz Nunes Cavalcante Curso de Projetos de Iluminação Eficiente Professor Tomaz Nunes Cavalcante Conteúdo do Curso Introdução. Conceito de Eficiência Energética. Conceitos de Iluminação. Luminotécnica. Avaliação financeira

Leia mais

1. Analisa a seguinte imagem e responde às questões que se seguem:

1. Analisa a seguinte imagem e responde às questões que se seguem: C.F.Q. 8ºA Outubro 1 1. Analisa a seguinte imagem e responde às questões que se seguem: 1.1. Qual é o detetor de luz? O olho. 1.2. Qual é o recetor de luz? A bola. 1.3. De que cor veremos a bola se ela

Leia mais

Iluminação artificial

Iluminação artificial Iluminação artificial 1. Conceitos: 1.1. Luz Luz é a radiação eletromagnética capaz de produzir sensação visual. Essa faixa de radiação eletromagnética tem com comprimento de onda entre 380 a 780 nm (nanômetros),

Leia mais

Óptica. Estudo da luz, como sendo a onda eletromagnética pertencentes à faixa do espectro visível (comprimento de 400 nm até 700 nm).

Óptica. Estudo da luz, como sendo a onda eletromagnética pertencentes à faixa do espectro visível (comprimento de 400 nm até 700 nm). Óptica Estudo da luz, como sendo a onda eletromagnética pertencentes à faixa do espectro visível (comprimento de 400 nm até 700 nm). Fenômenos ópticos Professor: Éder (Boto) Sobre a Luz O que emite Luz?

Leia mais

O Fotocoagulador mais rápido de todos os tempos.

O Fotocoagulador mais rápido de todos os tempos. O Fotocoagulador mais rápido de todos os tempos. VALON 5G SEM EXPOR-SE AO PERIGO NOVO DESIGN Acessível, Versátil e Tecnologicamente Avançado O novo fotocoagulador 5G é de tamanho compacto, fácil de mover-se

Leia mais

As Cores das Estrelas

As Cores das Estrelas 1 As Cores das Estrelas Jane Gregorio-Hetem, Eduardo Brescansin de Amôres, Raquel Yumi Shida (IAG-USP) 1.INTRODUÇÃO O que aprenderei nesta atividade? Você aprenderá como os astrônomos calculam a temperatura

Leia mais

Glaucoma. O que é glaucoma? Como acontece?

Glaucoma. O que é glaucoma? Como acontece? Glaucoma O que é glaucoma? Glaucoma é uma doença crônica do olho (que dura toda a vida), que ocorre quando há elevação da pressão intra-ocular (PIO), que provoca lesões no nervo ótico e, como conseqüência,

Leia mais

Celular e Saúde: Os efeitos das ondas eletromagnéticas na saúde humana

Celular e Saúde: Os efeitos das ondas eletromagnéticas na saúde humana Celular e Saúde: Os efeitos das ondas eletromagnéticas na saúde humana Com o crescimento dos usuários de telefones celulares, é natural que surjam dúvidas sobre saúde e segurança no uso diário de tais

Leia mais

Capítulo II Imagem Digital

Capítulo II Imagem Digital Capítulo II Imagem Digital Proc. Sinal e Imagem Mestrado em Informática Médica Miguel Tavares Coimbra Resumo 1. Formação de uma imagem 2. Representação digital de uma imagem 3. Cor 4. Histogramas 5. Ruído

Leia mais

1) PROBLEMATIZAÇÃO 2) PERGUNTAS-CHAVE 3) CONCEITOS CHAVE. Atividade 3

1) PROBLEMATIZAÇÃO 2) PERGUNTAS-CHAVE 3) CONCEITOS CHAVE. Atividade 3 Atividade 3 1) PROBLEMATIZAÇÃO Não é raro se ouvir as pessoas falando que não é apropriado usar roupas pretas em dias muito quentes, por algum motivo afirmam que a roupa preta esquenta mais do que outra

Leia mais

Um dos sistemas mais eficazes e ecologicamente limpo e utilizado é o sistema de ultravioletas.

Um dos sistemas mais eficazes e ecologicamente limpo e utilizado é o sistema de ultravioletas. página - 1 Desde 1963, Atlantic Ultravioleta Corporation, foi pioneira na descoberta e no desenvolvimento para usos benéficos da energia ultravioleta. Ao longo dos anos, estes esforços levaram ao desenvolvimento

Leia mais

Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental

Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental Disciplina: Monitoramento e Controle Ambiental Prof.: Oscar Luiz Monteiro de Farias Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental Andrei Olak Alves 1 2 PROCESSAMENTO DE IMAGENS espectro visível

Leia mais

Efeito do filtro de ultravioleta em lentes de contato hidrofílicas de alta hidratação

Efeito do filtro de ultravioleta em lentes de contato hidrofílicas de alta hidratação 114 ARTIGO ORIGINAL Efeito do filtro de ultravioleta em lentes de contato hidrofílicas de alta hidratação Ultraviolet filter effect on hydrophilic high hydrated contact lenses Arlindo José Freire Portes

Leia mais

1) (Osec-SP) Na espécie humana, a cor dos olhos se deve à pigmentação da(o): a) Retina; b) Córnea; c) Íris; d) Pupila; e) Cristalino.

1) (Osec-SP) Na espécie humana, a cor dos olhos se deve à pigmentação da(o): a) Retina; b) Córnea; c) Íris; d) Pupila; e) Cristalino. Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Mário Neto Série: 2 Ano Disciplina: Biologia 1) (Osec-SP) Na espécie humana, a cor dos olhos se deve à pigmentação da(o): a)

Leia mais

RADIAÇÃO ELETROMAGNÉTICA. Daniel C. Zanotta 23/03/2015

RADIAÇÃO ELETROMAGNÉTICA. Daniel C. Zanotta 23/03/2015 RADIAÇÃO ELETROMAGNÉTICA Daniel C. Zanotta 23/03/2015 O QUE É A REM? A radiação eletromagnética é uma oscilação, em fase, dos campos elétricos e magnéticos. As oscilações dos campos magnéticos e elétricos

Leia mais

Oblíqüo superior. Gira o globo para baixo e para longe do nariz. Reto superior Gira o globo para cima. e para perto do nariz

Oblíqüo superior. Gira o globo para baixo e para longe do nariz. Reto superior Gira o globo para cima. e para perto do nariz Reto superior Gira o globo para cima e para perto do nariz Oblíqüo superior. Gira o globo para baixo e para longe do nariz Reto inferior Gira o globo para baixo e para perto do nariz Reto medial Gira o

Leia mais

Teste da eficiencia da película protetora (insulfilm) em veículos automotores

Teste da eficiencia da película protetora (insulfilm) em veículos automotores F 609A Tópicos de Ensino de Física Teste da eficiencia da película protetora (insulfilm) em veículos automotores Aluno: Bruno Gomes Ribeiro RA: 059341 onurbrj@hotmail.com Orientador: Professor Doutor Flavio

Leia mais