9.1 Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "9.1 Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário"

Transcrição

1 9. SANEAMENTO AMBIENTAL 9.1 Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário Introdução Este tópico tem por objetivo mostrar, de forma resumida, o diagnóstico da situação existente no que se refere ao saneamento básico urbano, mais especificamente ao abastecimento público de água e esgotamento sanitário, das localidades pertencentes à bacia hidrográfica do rio Paraíba do Sul, no âmbito dos três Estados, Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais. Este diagnóstico constitui uma síntese atualizada dos levantamentos e estudos desenvolvidos nos Estados do Rio de Janeiro e São Paulo no âmbito do Projeto Qualidade das Águas e Controle da Poluição Hídrica (PQA) e no Estado de Minas Gerais no contexto do Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul (PPG). Foram, também, considerados neste diagnóstico dados recentes oriundos dos prestadores de serviços dos sistemas e de publicações afins e, no tocante às localidades paulistas com populações urbanas superiores a habitantes, as informações colhidas durante as visitas realizadas aos respectivos sistemas de abastecimento de água e esgotamento sanitário Generalidades O Brasil, país em estágio de desenvolvimento, bem como os demais países nessa situação, vem-se defrontando com a questão de como e onde bem aplicar seus parcos recursos financeiros, de forma que essa aplicação redunde no máximo de benefício à sua população. O saneamento básico é, sem dúvida, uma das importantes ferramentas socio-econômicas que não vem sendo convenientemente utilizada em prol dos mais necessitados. A economia e o lucro sobrepujaram interesses técnicos e sociais, e o que se observam são as aplicações dos recursos financeiros direcionadas para os grandes sistemas nas grandes metrópoles, onde os investimentos são sempre rentáveis e economicamente viáveis. Pouco ou quase nada se faz a fundo perdido, e o atendimento às populações carentes de serviços de saneamento tem sido cada vez mais precário ou, mesmo, inexistente. É de amplo conhecimento a crise por que atravessa o saneamento no Brasil, conforme refletem as pesquisas realizadas pela Associação Brasileira de Engenharia Sanitária (ABES) e pela Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) no final da década de 1980 e no início da de Os dados referentes ao esgotamento sanitário são alarmantes, indicando índices de cobertura da população, por redes coletoras, de apenas 30%, e um percentual de municípios que possuem estações de tratamento inferior a 10%. Mesmo nos municípios que se incluem nessa pequena parcela, em geral as estações de tratamento atendem apenas a parte da população, as eficiências, muitas vezes, são reduzidas, e os problemas operacionais são freqüentes. Nas últimas duas décadas, a União foi responsável pela formulação e implementação da política de saneamento, no início por meio do Banco Nacional de Habitação (BNH) e, posteriormente, da Caixa Econômica Federal e dos instrumentos institucionais e financeiros do PLANASA e do SFS. O esgotamento desses instrumentos e o reordenamento decorrente da Constituição de 1988, aliados à crise fiscal do setor público e ao crescimento urbano, IX-1

2 levaram à sobrecarga das unidades operacionais componentes dos sistemas existentes de saneamento e ao desaparelhamento dos serviços concessionários, principalmente nos municípios de menor porte, carentes de recursos financeiros. Além disso, os legisladores e governantes reagem à necessidade de reajustamento das tarifas, mantendo-as muitas vezes em patamares irreais, em virtude da tradição brasileira de que a água deve ser gratuita ou fornecida a baixo preço, com o objetivo de defender a economia popular. Esse conceito tem sido responsável pelo agravamento dos desequilíbrios financeiros nos serviços concessionários, ficando estes na dependência de subsídios governamentais, geralmente incertos e escassos, o que redunda em soluções de continuidade, má conservação das partes do sistema e conseqüente abreviação do seu tempo de vida útil, prejudicando a qualidade dos serviços prestados à população. Apesar dos inconvenientes desse modelo centralizado e rígido, carecedor de mudanças profundas, logrou-se aumentar significativamente a cobertura dos serviços de saneamento, principalmente no que diz respeito ao abastecimento de água. No entanto, o esgotamento deste modelo, e na ausência de uma política de saneamento, tem resultado em ações públicas desordenadas e desarticuladas, incapazes de promover o adequado equacionamento dos problemas relacionados ao abastecimento de água. Dessa forma, e em função da escassez de recursos destinados a atender às novas demandas e do crescimento vegetativo, os déficits existentes tendem a aumentar. Quando se consideram a eficiência e regularidade no abastecimento de água, bem como o horizonte de alcance das unidades existentes, fica patente que o racionamento de água, para parcela significativa da população urbana, torna-se a única solução possível para atendê-la. Entre os fatores mais importantes da crise do financiamento de ações de saneamento destaca-se a incapacidade ou baixa capacidade de endividamento e de posterior pagamento, por parte das concessionárias desses serviços, de suas obrigações financeiras. A conseqüência mais grave desse quadro é o risco de regressão aos índices de cobertura já verificados, principalmente no que se refere aos serviços de abastecimento de água. Mesmo assim, os déficits ainda são muito altos, sobretudo no que tange ao esgotamento sanitário. A falta de sistemas de coleta e tratamento de esgotos constitui um dos problemas urbanos mais graves da atualidade no Brasil. A degradação das condições ambientais urbanas, que prejudica a qualidade de vida e compromete a base econômica, é evidência alarmante de que providências urgentes precisam ser tomadas, inclusive na viabilização de recursos. Das localidades pertencentes à bacia hidrográfica do rio Paraíba do Sul com populações superiores a habitantes, visitadas durante a elaboração do PQA e do PPG, cerca de 69,15% das populações urbanas são atendidas com rede coletora de esgotos (Figura 9.1.1) e apenas 11,23% contam com o tratamento de seus efluentes domésticos (Figura 9.1.2). Cabe, ainda, ressaltar que essa região concentra cerca de 7% a 8% do PIB nacional. IX-2

3 SEM REDE (30,85 % DA BACIA) RIO DE ANEIRO (19,24 % DA BACIA) RIO DE JANEIRO (1,50 % DA BACIA) SÃO PAULO (9,51 % DA BACIA) MINAS GERAIS (0,23 % DA BACIA) MINAS GERAIS (18,38 % DA BACIA) SÃO PAULO (31,53 % DA BACIA) SEM TRATAMENTO (88,77 % DA BACIA) Figura Populações Urbanas Servidas por Rede Coletora na Bacia do Rio Paraíba do Sul Figura Populações Urbanas Atendidas com Estações de Tratamento de Esgotos na Bacia do Rio Paraíba do Sul Esses percentuais refletem, de maneira inequívoca, o grau de exposição aos agentes de doenças infecto-contagiosas de veiculação hídrica a que seus habitantes estão sujeitos, além de evidenciarem a contribuição diária, em termos de carga orgânica (DBO) remanescente, que o rio Paraíba do Sul e seus afluentes estão recebendo. Portanto, fica evidente a necessidade premente de investimentos destinados à implantação, ampliação e/ou melhoria dos sistemas de coleta, transporte, tratamento e disposição final dos esgotos sanitários, atendendo e beneficiando o maior número possível de habitantes. Com tal propósito, a Agência Nacional de Águas (ANA) lançou o Programa Nacional de Despoluição das Bacias Hidrográficas (PNDBH), inovador no sentido de incentivar a implantação ou ampliação de estações de tratamento de esgotos, mediante a compra do efluente tratado até o valor correspondente a 50% do custo do empreendimento. Abastecimento de água e sistemas de esgotamento sanitário são universalmente definidos como componentes principais dos cuidados com a saúde. Tanto a má qualidade desse recurso natural quanto sua pouca disponibilidade podem resultar na disseminação de várias doenças. O papel do abastecimento de água na melhoria da saúde não está limitado ao controle de doenças transmitidas pela ingestão de água contaminada. Com o fornecimento de quantidades adequadas para a higiene pessoal e para o ambiente doméstico, muitas doenças de veiculação hídrica podem ser evitadas. O padrão de saúde de uma população está, portanto, diretamente associado não só à qualidade da água disponível, em termos de contaminação química e matéria orgânica, mas, também, à quantidade desse recurso natural e ao grau de educação da população, refletidos nos hábitos de higiene. Concluindo, pode-se afirmar que os problemas relativos ao saneamento básico urbano, na bacia do rio Paraíba do Sul, são recorrentes em inúmeros municípios da bacia. IX-3

4 9.1.3 Saneamento Básico A História tem demonstrado que a fixação do homem em qualquer região tem sido uma função das disponibilidades, quantitativas e qualitativas, das fontes de energia necessárias à sua subsistência. Essas fontes de energia existem sob diversas modalidades, sendo as principais as seguintes: - luz solar; - ar; - água; e - alimento. As duas primeiras, luz solar e ar, não têm sido fator preponderante no estabelecimento de colônias. Existem em abundância e pureza e não têm constituído o principal problema. A energia em forma de água e alimento, no entanto, tem-se mostrado com principal condição imposta pelo homem para sua permanência nas mais inóspitas regiões do globo. Dessas duas, a água tem sido o fator de fixação do homem e formação de novas comunidades. Por isso, a água é responsável pela existência de comunidades próximas às suas fontes e assume importância fundamental. O homem, no entanto, é, até certo ponto, desperdiçador; sua eficiência ao consumir energia não é total e, em conseqüência, dessa utilização resultam diversos tipos de resíduos, entre os quais predominam os seguintes: - esgoto; - lixo; e - partículas atmosféricas. O instinto e a necessidade que levam o homem a fixar-se próximo às fontes de energia e, muitas vezes, transportá-las de longas distâncias, não lhe parecem igualmente importantes no momento de medir a necessidade de afastar ou condicionar os resíduos refugados pelo organismo e pela própria comunidade. Historicamente, verifica-se um comodismo natural, que possibilita um contato íntimo, embora indesejável, entre as fontes de energia cada vez mais impuras a ponto de se tornarem, em grau extremo, inadequadas à vida. Convencionou-se chamar a ação da matéria rejeitada sobre as fontes de energia de poluição do meio ambiente. Segundo é definido na legislação pertinente, que dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, entende-se por poluição a degradação da qualidade ambiental resultante de atividades que direta ou indiretamente: - prejudiquem a saúde, a segurança e o bem-estar da população; - criem condições adversas às atividades sociais e econômicas; - afetem desfavoravelmente a biota; - afetem as condições estéticas ou sanitárias do meio ambiente; e - lancem matérias ou energia em desacordo com os padrões ambientais estabelecidos. IX-4

5 Uma comunidade passa por diversos níveis de inquietação, geralmente, quando o agravamento das condições de poluição leva aquelas fontes de energia a estados impuros, quase irresistíveis ou economicamente indesejados. O instinto de auto-conservação levou então as comunidades a estabelecerem sistemas de defesas, que são os sistemas de controle de poluição, os sistemas de aproveitamento de energia e os sistemas de saneamento, assim classificados: - sistemas de abastecimento de água; - sistemas de esgotos sanitários; - sistemas de limpeza urbana; - sistemas de processamento de alimentos; e - sistemas de controle de emissão. É oportuno, estabelecido esse conceito genérico, transcrever a definição de saneamento adotada pela Organização Mundial da Saúde (OMS): Saneamento é o controle de todos os fatores do meio físico do Homem que exercem ou podem exercer efeito deletério sobre o bem-estar físico, mental ou social. É igualmente oportuno definir, ainda segundo a OMS, o conceito de saúde: Saúde é um estado de completo bem-estar físico, social e mental, e não apenas a ausência de doenças. De acordo com esses conceitos, saúde-saneamento e controle de poluição se relacionam diretamente. Para a avaliação desses sistemas apresenta-se, a seguir, o quadro atual do saneamento básico, por Estado, na bacia do rio Paraíba do Sul Saneamento Básico no Estado do Rio de Janeiro Os estudos sobre saneamento básico foram elaborados no âmbito do PQA e desenvolvidos pela equipe técnica do Laboratório de Hidrologia e Estudos do Meio Ambiente da COPPE/UFRJ. Foram realizados levantamentos de campo em 25 localidades com populações urbanas superiores a habitantes, considerado o Censo de 1991, incluindo-se, ainda, Itatiaia, por ser a primeira cidade da fração fluminense da bacia, São João da Barra, por ser a última em relação ao fluxo do rio Paraíba do Sul, e Cantagalo, por apresentar um pólo cimenteiro. Do total de 149 localidades, pertencentes aos 53 municípios abrangidos por essa parcela da bacia, as cidades visitadas tiveram uma representatividade de 81,6%, tendo em vista apresentarem população urbana de habitantes do total de habitantes, relativo à população urbana total dessa parcela da bacia (CENSO 2000 ). Em abastecimento de água, os índices de atendimento com sistemas completos, incluindo captação, tratamento, reservação e distribuição, situam-se em torno de 88%, com consumos médios per capita da ordem de 250 l/hab.dia. Nas localidades visitadas a operação e manutenção desses sistemas está a cargo da Companhia Estadual de Águas e Esgotos (CEDAE) em 12 localidades e sob responsabilidade das prefeituras, sistemas autônomos (SAAE), empresas públicas municipais e concessionárias nas outras 13 localidades. Os serviços de água e esgoto nas cidades de Petrópolis, Nova Friburgo e Campos dos Goytacazes foram recentemente IX-5

6 privatizados, estando, respectivamente, a cargo das empresas Águas do Imperador S/A, Companhia de Água e Esgoto de Nova Friburgo (CAENF) e Águas do Paraíba S/A. Nota-se que os bons índices de atendimento não refletem os problemas de ordem gerencial e operacional observados. Na área gerencial existe uma carência generalizada de organização para direcionar recursos financeiros com vistas a investimentos e modernização dos serviços, agravada, em muitos casos, pelos baixos níveis tarifários, insuficientes para cobrir, no mínimo, os custos de manutenção e operação dos sistemas. Na área operacional nota-se que a maioria dos sistemas não dispõe de macro-medidores e operam com elevados índices de perdas. Não existem cadastros das unidades operacionais e, muitas vezes, o cadastro de usuários é incompleto, gerando perdas de arrecadação. Na área técnica, de maneira geral, as redes não são setorizadas convenientemente, e a fragmentação dos sistemas, aliada à utilização de materiais inadequados, acarreta falhas na distribuição. Os problemas acima relacionados são bastante minorados nos sistemas administrados pela CEDAE, que contam com uma estrutura gerencial de apoio e de alguns outros sistemas autônomos ou empresas concessionárias bem-administradas. Aos problemas citados, deve-se acrescentar a poluição cada vez mais intensa dos mananciais abastecedores dessas localidades, o assoreamento das calhas dos rios e a redução das vazões mínimas como fatores de relevante importância nas programações dos investimentos nesse setor. O trecho do rio Paraíba do Sul situado entre a barragem de Santa Cecília e a cidade de Além Paraíba é crítico em épocas de estiagem, como a que se apresenta no momento (dezembro de 2001), observando-se, nesse estirão, a drástica redução da calha do rio, o que coloca em risco as captações de água não só pelo abaixamento dos níveis como pela possibilidade de maior concentração dos esgotos em relação às reduzidas vazões. Em esgotamento sanitário os índices de atendimento podem ser assim considerados: 45,0% das populações urbanas são atendidas por rede coletora, e, dessas, apenas 3,5% possuem tratamento, mesmo assim de forma parcial. Todos os sistemas de esgotos são operados e mantidos por prefeituras, sistemas autônomos (SAAE), empresas públicas municipais e, recentemente, como já foi dito anteriormente, por concessionárias nas cidades de Petrópolis, Nova Friburgo e Campos dos Goytacazes. A falta ou pequena cobertura de eficientes sistemas de esgotamento sanitário e adequado tratamento dos esgotos acarreta lançamentos in natura nos corpos de água e em galerias de águas pluviais, provocando intensa poluição dos córregos que atravessam as cidades e dificultando os usos da água, até mesmo para o abastecimento destas localidades, além de propiciar a veiculação de doenças de origem hídrica. IX-6

7 Saneamento Básico no Estado de Minas Gerais Os estudos sobre saneamento básico foram elaborados no âmbito do Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul e desenvolvidos pela equipe técnica do Laboratório de Hidrologia da COPPE/UFRJ. Para tanto foram realizados levantamentos de campo em 10 sedes municipais com populações urbanas superiores a habitantes, dentre as 27 localidades prioritárias, tidas como de maior impacto, do total de 88 municípios existentes na fração mineira da bacia, as quais foram identificadas no Diagnósticos dos Diagnósticos, preparado em 1999 pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). Desse total, as 10 cidades visitadas apresentam uma representatividade de 72,9%, tendo em vista que, juntas, essas localidades reúnem habitantes urbanos do total de habitantes que formam a população urbana total da parcela mineira da bacia (CENSO 2000). Em abastecimento de água, os índices de atendimento com sistemas completos, incluindo captação, tratamento, reservação e distribuição, são superiores a 95% e apresentam consumos médios per capita de 200 l/hab.dia. A operação e manutenção desses sistemas estão a cargo da Companhia de Saneamento de Minas Gerais (COPASA) em sete localidades e sob responsabilidade das prefeituras, sistemas autônomos (SAAE) e empresas públicas municipais nas três outras localidades. Os problemas relacionados aos sistemas de abastecimento de água das cidades mineiras são bastante semelhantes aos apresentados pelas cidades fluminenses, diferenciando-se pelos menores índices de perdas físicas, observados apenas nos sistemas operados pela COPASA, os quais variam de 25% a 30%. Várias cidades visitadas têm, como mananciais abastecedores, pequenos córregos onde são feitas captações diretas. Períodos críticos de estiagem, aliados a desmatamentos, principalmente, na Zona da Mata, podem colocar em risco o abastecimento dessas cidades. A COPASA tem conhecimento desses problemas e trabalha com as poucas alternativas disponíveis. Em esgotamento sanitário os índices de atendimento podem ser assim considerados: 88,9% das populações urbanas são atendidas por rede coletora e apenas 1,1% possuem tratamento, mesmo assim de forma parcial. Todos os sistemas de esgotos sanitários das 10 localidades visitadas são operados e mantidos por prefeituras, sistemas autônomos (SAAE) e empresas públicas municipais. A ausência quase total de tratamento dos esgotos implica lançamentos in natura nos corpos de água, em galerias de águas pluviais e diretamente no solo, provocando intensa poluição dos córregos que atravessam as cidades, além de possibilitar o contato direto das pessoas com as águas servidas, o que propicia a veiculação de doenças de origem hídrica Saneamento Básico no Estado de São Paulo Os estudos sobre saneamento básico, no âmbito do PQA, foram elaborados e desenvolvidos pelo Consórcio ICF - Kaiser & Logos e envolveram 39 sedes municipais. No entanto, na fase atual, utilizando-se a mesma metodologia adotada para os Estados do Rio de Janeiro e Minas Gerais, os trabalhos foram focalizados, com levantamentos de IX-7

8 campo, para as quinze cidades com populações urbanas superiores a habitantes, as quais têm uma representatividade de 90,7% do total, isto é, nelas se situam pessoas do total de habitantes urbanos existentes na fração paulista da bacia (CENSO 2000), o que configura, de maneira bastante segura, a situação real em termos de saneamento básico. Em abastecimento de água, 10 das 15 cidades têm seus sistemas mantidos e operados pela Companhia de Saneamento do Estado de São Paulo (SABESP), duas por serviços autônomos (SAAE) e três diretamente pelas prefeituras através de secretarias municipais. O índice de atendimento em abastecimento de água é de 94,6%. Quando se estende o estudo para as demais localidades e considerando apenas as populações urbanas das sedes municipais, chega-se a uma população de de habitantes, com uma produção de água de aproximadamente 5,6 m 3 /s, abastecendo economias através de ligações. Apesar de o consumo médio ser elevado para os padrões nacionais, da ordem de 297 l/hab x dia, nota-se que existe carência de água em algumas regiões, uma vez que as demandas atuais já são maiores que a oferta de água para o padrão da região, conforme se pode observar nas tabelas do item Os problemas relacionados aos sistemas de abastecimento de água das cidades paulistas são semelhantes aos das demais cidades da bacia, com exceção dos que são administrados pela SABESP, que contam com uma estrutura gerencial de apoio e alguns sistemas autônomos bem-administrados. No entanto, os índices médios de perdas são altos, situando-se em torno de 40%. Como particularidade em relação às cidades paulistas, observa-se grande número de localidades abastecidas parcial ou totalmente por mananciais subterrâneos, através de poços profundos. Em esgotamento sanitário os índices de atendimento podem ser assim considerados: 86,2% das populações urbanas são atendidas por rede coletora, das quais 26,3% possuem tratamento, mesmo assim parciais. Ao contrário da CEDAE e da COPASA, nas localidades onde a SABESP é responsável pela operação e manutenção dos sistemas de abastecimento de água também o é quanto aos sistemas de esgotamento sanitário. Isto fica evidenciado ao se comparar os índices de tratamento dos esgotos domésticos, que, embora ainda considerados baixos, são bem superiores aos apresentados pelas parcelas fluminense e mineira da bacia Características dos Sistemas de Abastecimento de Água e de Esgotamento Sanitário Situação Atual As tabelas adiante apresentadas mostram a situação atual do saneamento básico de todas as localidades da bacia do rio Paraíba do Sul e foram confeccionadas a partir de dados obtidos em campo mediante contatos diretos com os responsáveis pelas administrações dos sistemas de saneamento nas localidades visitadas e em consultas às seguintes publicações: - Anuário Estatístico do Estado do Rio de Janeiro de da Fundação CIDE- Centro de Informações e Dados do Estado do Rio de Janeiro; IX-8

9 - Anuário Estatístico do Estado de São Paulo de 1998 da Fundação SEADE - Sistema Estadual de Análise de Dados; - Dados da Fundação João Pinheiro, referentes a 1999; e - Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento Básico (SNIS) de 2000 da Secretaria Especial de Desenvolvimento Urbano/Programa de Modernização do Setor de Saneamento (SEDU/PMSS). Procurou-se homogeneizar os dados tabelados para que as informações pudessem ser comparadas, uma vez que as fontes são distintas e direcionadas para objetivos diversos. As tabelas apresentam as seguintes informações: - situação atual de abastecimento de água e de esgotamento sanitário das principais localidades da bacia do rio Paraíba do Sul: são relacionadas às localidades visitadas e suas populações urbanas, de acordo com o CENSO 2000, as concessionárias que administram os sistemas de saneamento e os níveis de atendimento com rede e tratamento, tanto de água como de esgotos sanitários, e a totalização com as médias ponderadas de cobertura dos respectivos serviços. Apresentam ainda o resultado considerando os três Estados, onde estão indicadas as médias ponderadas dos percentuais de cobertura nas parcelas fluminense, paulista e mineira da bacia, inclusive a representatividade dessas localidades, através das populações urbanas, frente à totalidade da bacia (Tabelas 9.1.1, e e Figuras 9.1.3, e 9.1.5); - sistemas de abastecimento de água das sedes municipais da bacia do rio Paraíba do Sul: são relacionadas todas as sedes municipais, suas populações urbanas de acordo com o CENSO 2000, os números de ligações e de economias servidas por rede, os tipos de mananciais, as vazões produzidas e os regimes de operação dos sistemas, confrontando as demandas com as produções de água. No cálculo das demandas, foram considerados os consumos per capita, variando conforme o porte da localidade e demais parâmetros, de acordo com a metodologia apresentada no item (Tabelas 9.1.4, e ). IX-9

10 Tabela Situação Atual dos Sistemas de Abastecimento de Água e de Esgotamento Sanitário das Principais Localidades da Bacia do Rio Paraíba do Sul Rio de Janeiro Nº Localidades Visitadas no PQA-RJ Concessionária SAA Pop.Urb. SES (Habitantes) Índ. de Atendimento (%) Índ. Atend. (Censo 2000) Água Esgoto Tratamento (%) Coleta Tratamento 1 Barra do Piraí SMAE (Prefeitura) Convenc. 5-2 Barra Mansa SAAE (Prefeitura) 90 Convenc Campos dos Goytacazes Águas do Paraíba S/A Convenc Cantagalo (3) CEDAE Prefeitura > 95 Convenc Cordeiro (3) CEDAE Prefeitura > 95 Convenc Itaperuna CEDAE Prefeitura 90 Convenc Itatiaia SMMA (Prefeitura) 95 Desinfec Mendes SAAE (Prefeitura) Convenc Miracema CEDAE Prefeitura 90 Convenc Nova Friburgo (3) CAENF 90 Conv./Desinf Conselheiro Paulino (2) (3) CAENF 90 Conv./Desinf Paraíba do Sul CEDAE Prefeitura 95 Convenc Petrópolis (3) A. do Imperador S/A 90 Conv./Desinf Cascatinha (2) (3) A. do Imperador S/A 90 Conv./Desinf Resende (3) ESAMUR (Prefeitura) Convenc Agulhas Negras (2) (3) ESAMUR (Prefeitura) Convenc Santo Antônio de Pádua CEDAE Prefeitura 90 Convenc São Fidélis (3) CEDAE Prefeitura 90 Convenc Ipuca (2) (3) CEDAE Prefeitura 90 Convenc São João da Barra CEDAE Prefeitura Convenc Teresópolis CEDAE Prefeitura Conv./Desinf Três Rios SAAETRI (Prefeitura) 90 Convenc Valença SMOSP (Prefeitura) 90 Convenc Vassouras CEDAE Prefeitura 95 Convenc Volta Redonda SAAE (Prefeitura) > 95 Convenc (1) Total Médias 88,1% - 45,0% 4% População Urbana Total da Fração Fluminense da Bacia do Paraíba do Sul = habitantes Relação entre a População Urbana das 25 Localidades Visitadas e a População Total = 81,6% Obs.: (1) - O SAAE de Volta Redonda está prestes a construir o Sistema de Esgotamento Sanitário das Bacias 2, 5, 7 e 8 que em primeiro momento beneficiará habitantes e posteriormente , passando as médias da cidade para 30,7 e 51,3% e as gerais para 6,9 e 9,8%, respectivamente. (2) - As localidades de Conselheiro Paulino, Cascatinha, Agulhas Negras e Ipuca embora não sendo sedes municipais foram consideradas face a sua importância e/ou posição estratégica. (3) - São sistemas integrados de abastecimento de água: Cordeiro/Cantagalo, Nova Friburgo/Conselheiro Paulino, Petrópolis/Cascatinha, Resende/Agulhas Negras e São Fidélis/Ipuca. IX-10

11 População Urbana das Principais Localidades Atendidas por Sistema de Abastecimento de Água COM SISTEMA DE ABAST. DE ÁGUA 88,1 % SEM SISTEMA DE ABAST. DE ÁGUA 11,9 % População Urbana das Principais Localidades Servidas por Rede Coletora de Esgotos SEM REDE COLETORA 55,0 % COM REDE COLETORA 45,0 % População Urbana das Principais Localidades Atendidas por Estação de Tratamento de Esgotos COM ESTAÇÃO DE TRATAMENTO 4 % SEM ESTAÇÃO DE TRATAMENTO 96% Figura Situação Atual dos Sistemas de Abastec. de Água e de Esgot. Sanitário Estado do Rio de Janeiro IX-11

12 Tabela Situação Atual dos Sistemas de Abastecimento de Água e de Esgotamento Sanitário das Principais Localidades da Bacia do Rio Paraíba do Sul São Paulo Nº Localidades Visitadas em 2001 Concessionária SAA Pop.Urb. SES (Habitantes) Índ. de Atendimento (%) Índ. Atend. (Censo 2000) Água Esgoto Tratamento (%) Coleta Tratamento 1 Aparecida SMAE (Prefeitura) >95 Convenc Caçapava SABESP Desinfec Cachoeira Paulista SABESP >95 Convenc Cruzeiro SAAE (Prefeitura) >95 Convenc Guaratinguetá SAAE (Prefeitura) Conv./Desinf Jacareí SAAE (Prefeitura) >95 Conv./Desinf Lorena SABESP Desinfec Pindamonhangaba (2) SABESP >95 Convenc Moreira César (1) (2) SABESP >95 Convenc Santa Isabel NOVACOM >95 Convenc São José dos Campos (2) SABESP >95 Conv./Desinf Eugênio de Melo (1) (2) SABESP >95 Desinfec Taubaté (2) SABESP >95 Convenc Tremembé (2) SABESP >95 Convenc Quiririm (1) (2) SABESP >95 Convenc Total Médias 94,6% - 86,2% 28,3% População Urbana Total da Fração Paulista da Bacia do Paraíba do Sul = habitantes Relação entre a População Urbana das 15 Localidades Visitadas e a População Total = 90,7% Obs.: (1) - As localidades de Moreira César e Quiririm, embora não sendo sedes municipais foram consideradas face as suas importâncias. (2) - São sistemas integrados de abastecimento de água: Pindamonhangaba/Moreira César e Taubaté/Tremenbé/Quiririm. (3) - O sistema de São José dos Campos atende também ao Distrito de Eugênio de Melo. IX-12

13 População Urbana das Principais Localidades Atendidas por Sistema de Abastecimento de Água COM SISTEMA DE ABASTEC. DE ÁGUA 94,6 % SEM SISTEMA DE ABAST. DE ÁGUA 5,4 % População Urbana das Principais Localidades Servidas por Rede Coletora de Esgotos SEM REDE COLETORA 14,0 % COM REDE COLETORA 86,0 % População Urbana das Principais Localidades Atendidas por Estação de Tratamento de Esgotos COM ESTAÇÃO DE TRATAMENTO 28,3% SEM ESTAÇÃO DE TRATAMENTO 71,7 % Figura Situação Atual dos Sistemas de Abastecimento de Água e de Esgot. Sanitário Estado de São Paulo IX-13

14 Tabela Situação Atual dos Sistemas de Abastecimento de Água e de Esgotamento Sanitário das Principais Localidades da Bacia do Rio Paraíba do Sul Minas Gerais Nº Localidades Visitadas no PPG Concessionária SAA Pop.Urb. SES (Habitantes) Índ. de Atendimento (%) Índ. Atend. (Censo 2000) Água Esgoto Tratamento (%) Coleta Tratamento 1 Além Paraíba COPASA Prefeitura > 95 Convenc Carangola DAE (Prefeitura) > 95 Convenc Cataguases COPASA Prefeitura > 95 Convenc. > 95-4 Juiz de Fora CESAMA (Prefeitura) > 95 Convenc. > 95 2 (1) 5 Leopoldina COPASA Prefeitura > 95 Convenc Muriaé DEMSUR (Prefeitura) > 95 Convenc Santos Dumont COPASA Prefeitura > 95 Convenc São João Nepomuceno COPASA Prefeitura > 95 Convenc Ubá COPASA Prefeitura > 95 Convenc. > Visconde do Rio Branco COPASA Prefeitura > 95 Convenc Total Médias > 95% - 88,9% 1,1% População Urbana Total da Fração Mineira da Bacia do Paraíba do Sul = habitantes Relação entre a População Urbana das 10 Localidades Visitadas e a População Total = 72,9% Obs.: (1) - O índice de atendimento de Juiz de Fora, no tocante a tratamento de esgotos, será ampliado para 20% quando da entrada em operação do Sistema Barbosa Lage que está em fase de conclusão, passando a média geral para 10,8%. Resultado Considerando os Três Estados Pop. Urb. Loc. Visitadas (Habitantes) (Censo 2000) SAA Índ. Atend. Tratamento (%) SES Índ. de Atendimento (%) Coleta Tratamento Total RJ + SP + MG Médias 91,9% - 69,1% 12,3% População Urbana Total da Bacia do Paraíba do Sul = Relação entre a Pop. Urb. das Local. Visitadas nos 3 Estados e a População Urb. Total = 82,6% IX-14

15 População Urbana das principais Localidades Atendidas por Sistema de Abastecimento de Água COM SISTEMA DE ABAST. DE ÁGUA > 95,0 % SEM SISTEMA DE ABAST. DE ÁGUA < 5,0 % População Urbana das Principais Localidades Servidas por Rede Coletora de Esgotos SEM REDE COLETORA 11,1 % COM REDE COLETORA 88,9 % População Urbana das Principais Localidades Atendidas por Estação de Tratamento de Esgotos SEM ESTAÇÃO DE TRATAMENTO 98,9 % COM ESTAÇÃO DE TRATAMENTO 1,1 % Figura Situação Atual dos Sistemas de Abastec. de Água e de Esgot. Sanitário Estado de Minas Gerais IX-15

16 Tabela Sistemas de Abastecimento de Água das Sedes Municipais da Parcela Fluminense da Bacia do Rio Paraíba do Sul Nº Localidades Pop. Urb. Número Tipo de Vazão Regime de (Censo 2000) Ligações Economias Manancial Produz.(l/s) Abastec. 1 Aperibé Superficial 33,00 Permanente 2 Areal ñd ñd ñd ñd ñd 3 Barra do Piraí ñd ñd Superf./Subter. 250,00 Permanente 4 Barra Mansa Superficial 345,00 Intermitente 5 Bom Jardim Superficial 25,00 Permanente 6 Cambuci Superficial 25,00 Permanente 7 Campos dos Goytacazes Superficial 815,00 Intermitente 8 Cantagalo Superficial 29,00 Intermitente 9 Cardoso Moreira Superficial 22,00 Permanente 10 Carmo ñd ñd ñd ñd ñd 11 Com. Levy Gasparian ñd ñd ñd ñd ñd 12 Cordeiro Superficial 65,00 Permanente 13 Duas Barras Superficial 8,00 Intermitente 14 Engº Paulo de Frontin(3) Italva Superficial 20,00 Intermitente 16 Itaocara Superficial 80,00 Permanente 17 Itaperuna Superficial 320,00 Permanente 18 Itatiaia ñd ñd Superficial 130,00 Permanente 19 Laje de Muriaé Superficial 20,00 Permanente 20 Macuco Superficial 17,00 Permanente 21 Mendes ñd ñd Superficial 44,00 Intermitente 22 Miguel Pereira Superficial 8,50 Intermitente 23 Miracema Superficial 85,00 Permanente 24 Natividade Superficial 45,00 Permanente 25 N. Friburgo / Cons.Paulino (5) Superf./Subter. 615,00 Permanente 26 Paty do Alferes Superficial 38,00 Intermitente 27 Paraíba do Sul Superf./Subter. 160,00 Permanente 28 Petrópolis / Cascatinha (5) Superf./Subter. 760,00 Intermitente 29 Pinheiral Superficial 60,00 Permanente 30 Piraí Superficial 38,00 Permanente 31 Porciúncula Superficial 38,00 Permanente 32 Porto Real ñd ñd ñd ñd ñd 33 Quatis ñd ñd ñd ñd ñd 34 Resende / Agulhas Negras (5) Superficial 545,00 Permanente 35 Rio Claro Superficial 20,00 Permanente 36 Rio das Flores ñd ñd ñd ñd ñd 37 Santa Maria Madalena Superficial 20,00 Permanente 38 Santo Antônio de Pádua Superficial 110,00 Permanente 39 São Fidélis/Ipuca (5) Superficial 100,00 Permanente 40 S. Franc. do Itabapoana (3) São João da Barra Superficial 44,00 Intermitente 42 S.José de Ubá Superf./Subter. 8,00 Permanente 43 S.J.do Vale do Rio Preto ñd ñd ñd ñd ñd 44 S.S. do Alto Subterrâneo 3,80 Intermitente 45 Sapucaia Subterrâneo 25,00 Permanente 46 Sumidouro Superficial 14,00 Permanente 47 Teresópolis Superficial 360,00 Intermitente 48 Trajano de Morais ñd ñd ñd ñd ñd 49 Três Rios Superficial 400,00 Permanente 50 Valença ñd Superf./Subter. 120,00 Intermitente 51 Vassouras Superficial 110,00 Permanente 52 Varre Sai(3) Volta Redonda Superficial 2.000,00 Permanente Total ,30 - Obs.: (1) - São sistemas de integrados de abastecimento de água: Cordeiro/Cantagalo, Nova Friburgo/Conselheiro Paulino, Petrópolis/Cascatinha, Resende/Agulhas Negras e São Fidélis/Ipuca. E para esses, tanto as populações quanto as demais informações consideradas foram a soma das parcelas relativas a cada uma das localidades. (2) - O Regime de abastecimento foi definido utilizando-se o consumo per capita, que varia de acordo com o porte da localidade, o índice de atendimento de 95 %, coeficiente do dia de maior consumo = 1,2 e considerando-se perdas de 20 %. (3) - As sedes municipais de São Francisco do Itabapoana, Engº Paulo de Frontin e Varre-Sai encontram-se fora da bacia hidrográfica do rio Paraíba do Sul. (4) - ñd = informação não disponível (5) - As localidades de Cons. Paulino, Cascatinha, Agulhas Negras e Ipuca, embora não sendo sedes municipais foram consideradas face as suas importâncias e/ou posições estratégicas. Fontes: 1 - Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE 2 - Concessionárias dos Serviços de Saneamento 3 - Fundação Centro de Informações e Dados do Estado do Rio de Janeiro CIDE 4 - Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento SNIS IX-16

17 Tabela Sistemas de Abastecimento de Água das Sedes Municipais da Parcela Paulista da Bacia do Rio Paraíba do Sul Nº Localidades Pop. Urb. Número (Censo 2000) Ligações Economias Tipo de Manancial Vazão Produz.(l/s) Regime de Abastec. 1 Aparecida ñd ñd Superficial 110,00 Permanente 2 Arapeí Superficial 3,50 Intermitente 3 Areias Superficial 10,50 Permanente 4 Arujá (3) Bananal Superficial 20,50 Permanente 6 Caçapava Superf./Subter. 300,00 Permanente 7 Cachoeira Paulista Superficial 70,00 Permanente 8 Canas ñd 17,50 Permanente 9 Cruzeiro ñd Superficial 300,00 Permanente 10 Cunha Superficial 65,00 Permanente 11 Guararema ñd 40,00 Intermitente 12 Guaratinguetá Superf./Subter. 339,00 Permanente 13 Guarulhos (3) Igaratá Superficial 11,00 Intermitente 15 Itaquaquecetuba (3) Jacareí Superf./Subter. 562,50 Intermitente 17 Jambeiro ñd 4,50 Intermitente 18 Lagoinha Superficial 7,00 Intermitente 19 Lavrinhas Superficial 12,80 Permanente 20 Lorena Superf./Subter. 290,00 Permanente 21 Moji das Cruzes (3) Monteiro Lobato Superficial 5,40 Permanente 23 Natividade da Serra ñd ñd Superficial 13,00 Permanente 24 Paraibuna Superf./Subter. 23,50 Permanente 25 Pindamonhangaba/M. César (5) Superficial 397,00 Intermitente 26 Piquete Superf./Subter. 92,50 Permanente 27 Potim ñd ñd ñd ñd - 28 Queluz Superficial 22,00 Permanente 29 Redenção da Serra ñd 3,00 Intermitente 30 Roseira ñd 26,00 Permanente 31 Salesópolis (3) Santa Branca Superficial 30,00 Intermitente 33 Santa Isabel Superficial 112,00 Permanente 34 São José do Barreiro Superficial 8,00 Permanente 35 S. J. dos Campos / E. de Melo (5) Superf./Subter ,00 Intermitente 36 São Luís do Paraitinga Superficial 13,00 Intermitente 37 Silveiras ñd 6,50 Permanente 38 Taubaté/Tremenbé/Quiririm (5) Superficial 1.018,00 Intermitente Total ,70 - Obs.: (1) - São sistemas de integrados de abastecimento de água: Pindamonhangaba/Moreira César e Tremembé/Taubaté/Quiririm. E para esses, tanto as populações quanto as demais informações foram a soma das parcelas relativas a cada uma das localidades. (2) - O Regime de abastecimento foi definido utilizando-se o consumo per capita, que varia de acordo com o porte da localidade, o índice de atendimento de 95 %, coeficiente do dia de maior consumo = 1,2 e considerando-se perdas de 20 %. (3) - As sedes municipais de Arujá, Guarulhos, Moji das Cruzes, Itaquaquecetuba e Salesópolis encontram-se fora da bacia hidrográfica do rio Paraíba do Sul. (4) - ñd = informação não disponível (5) - As localidades de Moreira César, Eugênio de Melo e Quiririm, embora não sendo sedes municipais foram consideradas face as suas importâncias e/ou posições estratégicas. Fontes: 1 - Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE 2 - Concessionárias dos Serviços de Saneamento 3 - Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados - SEADE 4 - Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento - SNIS IX-17

18 Tabela Sistemas de Abastecimento de Água das Sedes Municipais da Parcela Mineira da Bacia do Rio Paraíba do Sul Nº Localidades Pop. Urb. Número (Censo 2000) Ligações Economias Tipo de Manancial Vazão Produz.(l/s) Regime de Abastec. 1 Além Paraíba Superficial 140,00 Permanente 2 Antônio Carlos (2) Antônio Prado de Minas Subterrâneo 1,90 Intermitente 4 Aracitaba ñd ñd ñd ñd ñd 5 Argirita ñd ñd ñd ñd ñd 6 Astolfo Dutra Subterrâneo 32,00 Permanente 7 Barão de Monte Alto Superficial 3,50 Intermitente 8 Barbacena (2) Belmiro Braga Superficial 2,00 Permanente 10 Bias Fortes ñd ñd ñd ñd ñd 11 Bicas / Guarará Superficial 32,00 Intermitente 12 Bocaina de Minas (2) Bom Jardim de Minas (2) Carangola Superficial 140,00 Permanente 15 Cataguases Superficial 150,00 Intermitente 16 Chácara ñd ñd ñd ñd ñd 17 Chiador 758 ñd ñd ñd ñd ñd 18 Coronel Pacheco ñd ñd ñd ñd ñd 19 Descoberto ñd ñd ñd ñd ñd 20 Desterro do Melo (2) Divinésia (2) Divino Superficial 23,00 Permanente 23 Dona Euzébia Superficial 8,50 Intermitente 24 Ervália (2) Estrela Dalva Superf./Subter. 4,00 Intermitente 26 Eugenópolis Subterrâneo 11,00 Intermitente 27 Ewbank da Câmara ñd ñd ñd ñd ñd 28 Faria Lemos Superficial 5,00 Intermitente 29 Fervedouro ñd ñd ñd ñd ñd 30 Goianá ñd ñd ñd ñd ñd 31 Guarani ñd ñd ñd ñd ñd 32 Guidoval ñd ñd ñd ñd ñd 33 Guiricema Superficial 10,50 Permanente 34 Itamarati de Minas ñd ñd Superficial 14,00 Permanente 35 Juiz de Fora ñd Superficial 1.400,00 Intermitente 36 Laranjal Superficial 8,00 Intermitente 37 Leopoldina Superficial 150,00 Permanente 38 Lima Duarte ñd ñd Superficial 70,00 Permanente 39 Mar de Espanha Superficial 30,00 Permanente 40 Maripá de Minas Superficial 3,50 Intermitente 41 Matias Barbosa Superf./Subter. 46,00 Permanente 42 Mercês Superficial 12,00 Intermitente 43 Miradouro Subterrâneo 12,00 Intermitente 44 Miraí Subterrâneo 22,50 Intermitente 45 Muriaé Superficial 240,00 Intermitente 46 Olaria 844 ñd ñd ñd ñd ñd 47 Oliveira Fortes Subterrâneo 3,50 Permanente 48 Orizânia Superficial 2,50 Intermitente 49 Paiva ñd ñd ñd ñd ñd 50 Palma Superficial 8,00 Intermitente 51 Passa Vinte ñd ñd ñd ñd ñd 52 Patrocínio do Muriaé Superficial 9,00 Permanente 53 Pedra Dourada ñd ñd ñd ñd ñd 54 Pedro Teixeira 766 ñd ñd ñd ñd ñd 55 Pequeri Superf./Subter. 6,50 Intermitente 56 Piau ñd ñd ñd ñd ñd 57 Pirapetinga Superficial 19,50 Intermitente 58 Piraúba ñd ñd ñd ñd ñd 59 Recreio ñd ñd ñd ñd ñd 60 Rio Novo ñd ñd Superf./Subter. 28,00 Permanente 61 Rio Pomba Superf./Subter. 51,00 Permanente 62 Rio Preto ñd ñd Superficial 19,00 Permanente 63 Rochedo de Minas ñd ñd ñd ñd ñd 64 Rodeiro ñd ñd ñd ñd ñd 65 Rosário da Limeira Superficial 4,00 Intermitente 66 Santa Bárb. do M. Verde ñd ñd ñd ñd ñd 67 Santa Bárbara do Tugúrio ñd ñd ñd ñd ñd 68 Santa Rita de Jacutinga ñd ñd Superficial 20,00 Permanente 69 Santa Rita do Ibitipoca (2) Santana de Cataguases Superficial 5,50 Intermitente 71 Santana do Deserto ñd ñd ñd ñd ñd 72 Santo A. do Aventureiro ñd ñd ñd ñd ñd 73 Santos Dumont Superficial 100,00 Intermitente 74 São Francisco do Glória ñd ñd ñd ñd ñd 75 São Geraldo ñd ñd ñd ñd ñd 76 São João Nepomuceno Superf./Subter. 70,00 Permanente IX-18

19 Tabela Sistemas de Abastecimento de Água das Sedes Municipais da Parcela Mineira da Bacia do Rio Paraíba do Sul (continuação) Nº Localidades Pop. Urb. Número (Censo 2000) Ligações Economias Tipo de Manancial Vazão Produz.(l/s) Regime de Abastec. 77 S. S. da Vargem Alegre Superficial 2,50 Intermitente 78 Senador Cortes ñd ñd ñd ñd ñd 79 Silveirânia Superficial 2,50 Intermitente 80 Simão Pereira ñd ñd ñd ñd ñd 81 Tabuleiro ñd ñd ñd ñd ñd 82 Tocantins ñd ñd Superf./Subter. 33,00 Intermitente 83 Tombos ñd ñd ñd ñd ñd 84 Ubá Superficial 230,00 Intermitente 85 Vieiras ñd 5,00 Permanente 86 Visconde do Rio Branco Superf./Subter. 100,00 Permanente 87 Volta Grande Superficial 9,00 Permanente Total ,90 - Obs.: (1) - São sistemas de integrados de abastecimento de água: Bicas/Guarará. (2) - O Regime de abastecimento foi definido utilizando-se o consumo per capita, que varia de acordo com o porte da localidade, o índice de atendimento de 95 %, coeficiente do dia de maior consumo = 1,2 e considerando-se perdas de 20 %. (3) - As sedes municipais de Antônio Carlos, Barbacena, Bocaina de Minas, Bom Jardim de Minas, Desterro do Melo, Divinésia, Ervália e Santa Rita do Ibitipoca encontram-se fora da bacia hidrográfica do rio Paraíba do Sul. Fontes: 1 - Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE 2 - Concessionárias dos Serviços de Saneamento 3 - Fundação João Pinheiro 4 - Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento - SNIS IX-19

20 Estimativa das Demandas Futuras de Água e as Correspondentes Vazões de Esgotos As Tabelas a apresentam as estimativas das demandas futuras de água para o abastecimento público e as correspondentes vazões de esgotos para o ano 2020, considerando consumos per capita diferenciados por porte da localidade e demais parâmetros, conforme a metodologia apresentada no item Tabela Estimativas das Demandas de Água das Sedes Municipais para o Horizonte de 2020 Rio de Janeiro Nº Cidade Pop. Urb Pop. Ben. 95% de (2020) Qmédia ( l/s ) QmxK 1 ( l/s ) Qmxk 1 xk 2 ( l/s ) Qmxk 1 +20% ( l/s ) 1 Aperibé ,69 28,43 42,64 34,11 2 Areal ,90 33,48 50,22 40,18 3 Barra do Piraí ,71 226,45 339,68 271,74 4 Barra Mansa ,84 571,01 856,51 685,21 5 Bom Jardim ,32 29,18 43,78 35,02 6 Cambuci ,35 17,22 25,83 20,66 7 Campos dos Goytacazes , , , ,22 8 Cantagalo/Cordeiro ,81 81,37 122,06 97,65 9 Cardoso Moreira ,24 19,49 29,23 23,39 10 Carmo ,22 29,06 43,60 34,88 11 Com. Levy Gasparian ,39 17,27 25,90 20,72 12 Duas Barras ,87 9,44 14,17 11,33 13 Engº Paulo de Frontin Italva ,02 38,42 57,64 46,11 15 Itaocara ,38 32,86 49,28 39,43 16 Itaperuna ,68 219,22 328,82 263,06 17 Itatiaia ,79 38,15 57,22 45,78 18 Laje do Muriaé ,32 18,38 27,58 22,06 19 Macuco ,57 10,28 15,43 12,34 20 Mendes ,26 44,71 67,07 53,65 21 Miguel Pereira ,48 42,58 63,86 51,09 22 Miracema ,89 71,87 107,80 86,24 23 Natividade ,53 30,64 45,95 36,76 24 N.Friburgo/Cons. Paulino ,29 425,15 637,72 510,18 25 Paty do Alferes ,11 36,13 54,20 43,36 26 Paraíba do Sul ,09 48,11 72,16 57,73 27 Petrópolis/Cascatinha ,97 916, , ,12 28 Pinheiral ,07 69,68 104,53 83,62 29 Piraí ,08 44,50 66,74 53,40 30 Porciúncula ,31 39,97 59,96 47,97 31 Porto Real ,12 54,14 81,22 64,97 32 Quatis ,32 32,78 49,18 39,34 33 Resende/Agulhas Negras ,84 423,41 635,11 508,09 34 Rio Claro ,14 15,77 23,65 18,92 35 Rio das Flores ,53 10,24 15,35 12,28 36 Santa Maria Madalena ,99 13,19 19,78 15,83 37 Santo Antônio de Pádua ,54 76,25 114,37 91,50 38 São Fidélis/Ipuca ,11 74,53 111,80 89,44 39 S. Franc. do Itabapoana São João da Barra ,44 60,53 90,79 72,63 41 São José de Ubá ,92 7,10 10,66 8,52 42 S.J. do Vale do Rio Preto ,97 21,56 32,35 25,88 43 São Sebastião do Alto ,57 5,48 8,23 6,58 44 Sapucaia ,11 12,13 18,20 14,56 45 Sumidouro ,85 5,82 8,73 6,98 46 Teresópolis ,03 387,64 581,45 465,16 47 Trajano de Morais ,03 4,84 7,25 5,80 48 Três Rios ,77 197,72 296,59 237,27 49 Valença ,87 157,04 235,57 188,45 50 Vassouras ,11 60,13 90,20 72,16 51 Varre-Sai Volta Redonda ,52 886, , ,47 Total , , , ,84 Obs.: 1 - Para os coeficientes K1 e K2 foram utilizados, respectivamente, os valores de 1,2 e 1, O consumo per capita adotado, variou de acordo com o porte da localidade. 3 - Foi considerado o índice de perdas de 20% da vazão máxima diária. 4 - São sistemas integrados de abastecimento de água os de: Cantagalo/Cordeiro, Nova Friburgo/Conselheiro Paulino, Petrópolis/Cascatinha, Resende/Agulhas Negras e São Fidélis/Ipuca. 5 - As localidades de Cons. Paulino, Cascatinha, Agulhas Negras e Ipuca, embora não sendo sedes municipais foram consideradas face as suas importâncias e/ou posições estratégicas. IX-20

ACOMPANHAMENTO DE CONTRATOS

ACOMPANHAMENTO DE CONTRATOS Recuperação da VIGÊNCIA 1 PM Barra Mansa Projeto Executivo Sistema de Esgoto Barra Mansa Concluído 21/7/2005 21/11/2005 21/11/2005 649.961,96 0,00 0,00 649.961,96 649.961,96 2 PM Guaratinguetá Projeto

Leia mais

Agência Nacional de Águas (ANA) - Fundação COPPETEC Execução: Laboratório de Hidrologia e Estudo de Meio Ambiente da COPPE/UFRJ PGRH-RE-012-R0

Agência Nacional de Águas (ANA) - Fundação COPPETEC Execução: Laboratório de Hidrologia e Estudo de Meio Ambiente da COPPE/UFRJ PGRH-RE-012-R0 Agência Nacional de Águas (ANA) - Fundação COPPETEC Execução: Laboratório de Hidrologia e Estudo de Meio Ambiente da COPPE/UFRJ Projeto Gestão dos Recursos Hídricos da Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba

Leia mais

EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 03/2013 MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE EM PLANOS MUNICIPAIS ESPECÍFICOS DE SANEAMENTO BÁSICO

EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 03/2013 MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE EM PLANOS MUNICIPAIS ESPECÍFICOS DE SANEAMENTO BÁSICO EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 03/2013 MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE EM PLANOS MUNICIPAIS ESPECÍFICOS DE SANEAMENTO BÁSICO 31 DE OUTUBRO DE 2013 Página 1 de 23 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 03 2. CONSIDERAÇÕES INICIAIS

Leia mais

PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA

PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA Módulo introdutório de dos Orientadores de Estudo 3100104 ABRE CAMPO MUNICIPAL 3100203 ACAIACA MUNICIPAL 3100302 ALEM PARAIBA MUNICIPAL 3100401 ALFREDO VASCONCELOS MUNICIPAL 3100500 ALTO CAPARAO MUNICIPAL

Leia mais

Situação de estados e municípios em relação à meta nacional

Situação de estados e municípios em relação à meta nacional Construindo as Metas Situação de estados e municípios em relação à meta nacional Região: Sudeste; UF: Mesorregião: Município: Angra dos Reis; Aperibé; Araruama; Areal; Armação dos Búzios; Arraial do Cabo;

Leia mais

RELAÇÃO DE PROPOSTAS RECEBIDAS

RELAÇÃO DE PROPOSTAS RECEBIDAS 1 Ambiente Brasil Centro de Estudos Municípios da Porçao Mineira da Bacia do Rio Paraíba do Sul MG Ferramentas de Contrução na Gestão Participativa no Território Mineiro da Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba

Leia mais

ÁREA DE ATUAÇÃO DO COMITÊ BACIA HIDROGRÁFICA DOS AFLUENTES MINEIROS DOS RIOS POMBA E MURIAÉ - COMPE...

ÁREA DE ATUAÇÃO DO COMITÊ BACIA HIDROGRÁFICA DOS AFLUENTES MINEIROS DOS RIOS POMBA E MURIAÉ - COMPE... Associação Pró-Gestão das Águas da Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba do Sul - AGEVAP Plano de Recursos Hídricos da Bacia do Rio Paraíba do Sul - Resumo Norte Orizânia N Jesu s R Divino io Rio la go ran

Leia mais

Evolução na qualidade da água no Rio Paraíba do Sul

Evolução na qualidade da água no Rio Paraíba do Sul Evolução na qualidade da água no Rio Paraíba do Sul Beatriz Durazzo Ruiz CETESB bruiz@sp.gov.br Fábio Netto Moreno CETESB eqai_cetesb@sp.gov.br Nelson Menegon Jr CESTESB eqa_cetesb@sp.gov.br Resumo O monitoramento

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS DE NOVAS TRANSPOSIÇÕES DE VAZÃO NO RIO PARAÍBA DO SUL

AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS DE NOVAS TRANSPOSIÇÕES DE VAZÃO NO RIO PARAÍBA DO SUL DEMANDAS DE USO DA ÁGUA CONSUNTIVOS E NÃO CONSUNTIVOS AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS DE NOVAS TRANSPOSIÇÕES DE VAZÃO NO RIO PARAÍBA DO SUL R4: DEMANDAS DE USO DA ÁGUA CONSUNTIVOS E NÃO CONSUNTIVOS Preparado para:

Leia mais

EMPRESA DE ASSISTENCIA TECNICA E EXTENSAO RURAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FUNDAÇÃO INSTITUTO DE PESCA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

EMPRESA DE ASSISTENCIA TECNICA E EXTENSAO RURAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FUNDAÇÃO INSTITUTO DE PESCA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UF Municipio RJ Angra dos Reis RJ Angra dos Reis RJ Angra dos Reis RJ Angra dos Reis RJ Angra dos Reis RJ Angra dos Reis RJ Aperibé RJ Aperibé CNPJ Razão Social FUNDAÇÃO INSTITUTO DE DO ESTADO DO RIO DE

Leia mais

Sindicato das Misericórdias e Entidades Filantrópicas e Beneficentes do Estado do Rio de Janeiro.

Sindicato das Misericórdias e Entidades Filantrópicas e Beneficentes do Estado do Rio de Janeiro. Circular 16/2015 Rio de Janeiro, 16 de abril de 2015. Ref: Orientações para o Recolhimento da Contribuição Sindical Ilmo Provedor / Presidente / Diretor A contribuição sindical está prevista nos artigos

Leia mais

EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO

EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº. 02, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2013 MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE EM PLANO MUNICIPAL DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS INTRODUÇÃO: O processo de urbanização está acelerado

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO GABINETE DO CONSELHEIRO JOSÉ GOMES GRACIOSA

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO GABINETE DO CONSELHEIRO JOSÉ GOMES GRACIOSA RUBRICA: FLS.: 657 TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO GABINETE DO CONSELHEIRO JOSÉ GOMES GRACIOSA VOTO GC-2 1593/2014 PROCESSO: TCE-RJ N o 238.182-1/13 ORIGEM: COORDENADORIA DE AUDITORIA E

Leia mais

Concepção de instalações para o abastecimento de água

Concepção de instalações para o abastecimento de água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Concepção de instalações para o abastecimento de água Prof. Aníbal da Fonseca Santiago Universidade

Leia mais

Abrangência. Niterói Petrópolis Teresópolis Nova Friburgo Armação dos Búzios Cabo Frio Arraial do Cabo Rio das Ostras Macaé Casimiro de Abreu

Abrangência. Niterói Petrópolis Teresópolis Nova Friburgo Armação dos Búzios Cabo Frio Arraial do Cabo Rio das Ostras Macaé Casimiro de Abreu Apresentação: Lançado pelo SEBRAE RJ, é um roteiro turístico composto por 10 municípios do Estado do Rio de Janeiro; 3 Regiões turísticas: Metropolitana, Serra Verde Imperial, Costa do Sol - integradas

Leia mais

EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO

EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº. 01, DE 28 DE JANEIRO DE 2013 MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE EM PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO 1 INTRODUÇÃO: A Lei nº 11.445, de janeiro de 2007, que estabelece diretrizes

Leia mais

CONVENÇÕES COLETIVAS EMPREGADOS EM CONDOMÍNIOS. Sindicato Profissional Base Territorial PISO CCT PISO REGIONAL 1. Sind. Empreg. Edifícios Teresópolis

CONVENÇÕES COLETIVAS EMPREGADOS EM CONDOMÍNIOS. Sindicato Profissional Base Territorial PISO CCT PISO REGIONAL 1. Sind. Empreg. Edifícios Teresópolis CONVENÇÕES COLETIVAS EMPREGADOS EM CONDOMÍNIOS Sindicato Profissional Base Territorial PISO CCT PISO REGIONAL 1. Sind. Empreg. Edifícios Teresópolis Teresópolis a) R$ 500,00 (quinhentos reais): Porteiro,

Leia mais

3. OCUPAÇÃO E USO DO SOLO

3. OCUPAÇÃO E USO DO SOLO 3. OCUPAÇÃO E USO DO SOLO A bacia do rio Paraíba do Sul situa-se na região de abrangência do bioma conhecido como Mata Atlântica, onde predominam as formações florestais, com os ecossistemas associados

Leia mais

DESCRIÇÃO DA PROGRAMAÇÃO SOLAR AM 1010 KHZ

DESCRIÇÃO DA PROGRAMAÇÃO SOLAR AM 1010 KHZ PROGRAMAÇÃO SOLAR AM 1.010 KHz SEGUNDA À SEXTA-FEIRA 05:00 Hora Sertaneja, com Luiz Corrêa 07:00 As Primeiras do Dia Noticiário 07:15 Juiz de Fora no Ar, com Marcelo Juliani 09:00 Rádio Vivo, com José

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - MEC UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE - UFF

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - MEC UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE - UFF MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - MEC UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE - UFF EDITAL DO PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO POR MEIO DO SiSU NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2016 O Reitor da Universidade

Leia mais

O estado do Rio de Janeiro no Censo 2010

O estado do Rio de Janeiro no Censo 2010 O estado do Rio de Janeiro no Censo 2010 Documento preliminar Coordenação: Luiz Cesar Ribeiro Responsável: Érica Tavares da Silva Colaboração: Juciano Rodrigues e Arthur Molina 1 P á g i n a Introdução

Leia mais

Resolução Normativa RN 259

Resolução Normativa RN 259 Resolução Normativa RN 259 (Publicada em 17/06/11, alterada pela RN 268 de 20/10/11 e complementada pela IN/DIPRO nº n 37 de 07/12/11) Gerência de Regulação 27 de janeiro de 2012 Apresentação da Norma

Leia mais

PEC-2939 Diagnóstico e Prognóstico do Plano de Recursos Hídricos da Bacia do Rio Paraíba do Sul

PEC-2939 Diagnóstico e Prognóstico do Plano de Recursos Hídricos da Bacia do Rio Paraíba do Sul 4. PROJEÇÃO DE CRESCIMENTO DEMOGRÁFICO 4.1 Introdução Este item apresenta os estudos demográficos referentes às localidades situadas na bacia do rio Paraíba do Sul, insere-se nas atividades previstas no

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro. Presidente DESEMBARGADOR LUIZ ZVEITER. Vice - Presidente DESEMBARGADORA LETICIA DE FARIA SARDAS

Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro. Presidente DESEMBARGADOR LUIZ ZVEITER. Vice - Presidente DESEMBARGADORA LETICIA DE FARIA SARDAS Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro Presidente DESEMBARGADOR LUIZ ZVEITER Vice - Presidente DESEMBARGADORA LETICIA DE FARIA SARDAS Corregedor JUIZ ANTONIO AUGUSTO DE TOLEDO GASPAR Diretora -

Leia mais

Sistema de Informações Geográficas Avaliação da Qualidade de Água por meio do IQA utilizando um Sistema de Informação Geográfica (SIG)

Sistema de Informações Geográficas Avaliação da Qualidade de Água por meio do IQA utilizando um Sistema de Informação Geográfica (SIG) Universidade Federal do Espírito Santo Programa de Pós-graduação em Engenharia Ambiental Sistema de Informações Geográficas Aplicado à Recursos Hídricos Sistema de Informações Geográficas Avaliação da

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

A CONTAGEM DA POPULAÇÂO 2007 E A DEMOGRAFIA DA MICRORREGIÂO DE JUIZ DE FORA

A CONTAGEM DA POPULAÇÂO 2007 E A DEMOGRAFIA DA MICRORREGIÂO DE JUIZ DE FORA A CONTAGEM DA POPULAÇÂO 2007 E A DEMOGRAFIA DA MICRORREGIÂO DE JUIZ DE FORA Pedro José de Oliveira Machado * Resumo: O presente artigo faz uma análise inicial sobre as características demográficas da Microrregião

Leia mais

Carta Regional dos Municípios de Itaguaí, Mangaratiba, Seropédica e Rio de Janeiro.

Carta Regional dos Municípios de Itaguaí, Mangaratiba, Seropédica e Rio de Janeiro. Carta Regional dos Municípios de Itaguaí, Mangaratiba, Seropédica e Rio de Janeiro. Nós, membros do poder público, usuários e sociedade civil organizada, estudantes e profissionais da educação, reunidos

Leia mais

DELIBERAÇÃO CEIVAP Nº 226/2015 DE 24 DE MARÇO DE 2015.

DELIBERAÇÃO CEIVAP Nº 226/2015 DE 24 DE MARÇO DE 2015. DELIBERAÇÃO CEIVAP Nº 226/2015 DE 24 DE MARÇO DE 2015. Aprova a Deliberação CEIVAP ad referendum nº 225/2015 e dispõe complementarmente sobre à criação do Subcomponente: Ações Emergenciais Estresse Hídrico

Leia mais

TABELA DAS PROMOTORIAS COM ATRIBUIÇÃO EM EDUCAÇÃO atualizada em jul/2015

TABELA DAS PROMOTORIAS COM ATRIBUIÇÃO EM EDUCAÇÃO atualizada em jul/2015 TABELA DAS PROMOTORIAS COM ATRIBUIÇÃO EM EDUCAÇÃO atualizada em jul/2015 s Centro Regional de Apoio Administrativo Institucional MUNICÍPIOS Promotorias de Justiça ÚNICAS, CÍVEIS e de Proteção à INFÂNCIA

Leia mais

Nota técnica Março/2014

Nota técnica Março/2014 Nota técnica Março/2014 Sistemas de Saneamento no Brasil - Desafios do Século XXI João Sergio Cordeiro O Brasil, no final do ano de 2013, possuía população de mais de 200 milhões de habitantes distribuídos

Leia mais

Eixo Temático ET-04-005 - Gestão Ambiental em Saneamento PROPOSTA DE SANEAMENTO BÁSICO NO MUNICÍPIO DE POMBAL-PB: EM BUSCA DE UMA SAÚDE EQUILIBRADA

Eixo Temático ET-04-005 - Gestão Ambiental em Saneamento PROPOSTA DE SANEAMENTO BÁSICO NO MUNICÍPIO DE POMBAL-PB: EM BUSCA DE UMA SAÚDE EQUILIBRADA 225 Eixo Temático ET-04-005 - Gestão Ambiental em Saneamento PROPOSTA DE SANEAMENTO BÁSICO NO MUNICÍPIO DE POMBAL-PB: EM BUSCA DE UMA SAÚDE EQUILIBRADA Marcos Antônio Lopes do Nascimento¹; Maria Verônica

Leia mais

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 4 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Capítulo 4 Gestão Integrada Conceito Marcos Mundiais, Tendência e Estágio Institucional

Leia mais

"Água e os Desafios do. Setor Produtivo" EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO.

Água e os Desafios do. Setor Produtivo EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO. "Água e os Desafios do Setor Produtivo" EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO. DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E O PAPEL DE CADA UM É o desenvolvimento que atende às necessidades

Leia mais

4º Fórum Internacional Habitat do Cidadão

4º Fórum Internacional Habitat do Cidadão 4º Fórum Internacional Habitat do Cidadão Painel 2 - Gestão, operação e capacitação para enfrentar os desafios do saneamento e enfrentar a crise hídrica 01 de Outubro de 2015 Agenda Desafios no Setor de

Leia mais

Municípios em Dados. SUBSECRETÁRIA DE PLANEJAMENTO Cláudia Uchôa Cavalcanti

Municípios em Dados. SUBSECRETÁRIA DE PLANEJAMENTO Cláudia Uchôa Cavalcanti Municípios em Dados SUBSECRETÁRIA DE PLANEJAMENTO Cláudia Uchôa Cavalcanti Equipe da Dimensão Territorial do Planejamento: Haidine da Silva Barros Duarte Francisco Filomeno Abreu Neto Paulo Cesar Figueredo

Leia mais

Comparação dos sistemas de gestão e legislações de saneamento na França, Estados Unidos e Brasil

Comparação dos sistemas de gestão e legislações de saneamento na França, Estados Unidos e Brasil VIII Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí I Seminário dos Estudantes de Pós Graduação Comparação dos sistemas de gestão e legislações de saneamento na França, Estados Unidos e Brasil 1

Leia mais

2.6. Sistemas de Abastecimento de Água

2.6. Sistemas de Abastecimento de Água 2.6. Sistemas de Abastecimento de Água A RMSP está localizada na porção sudeste do estado de São Paulo e abrange 39 municípios. Destes, 33 são operados pela SABESP e 6 têm Administração Municipal. Do total

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Saneamento Básico, Diagnóstico Ambiental, Infraestrutura.

PALAVRAS-CHAVE: Saneamento Básico, Diagnóstico Ambiental, Infraestrutura. VI-039 - SANEAMENTO BÁSICO: UMA ANÁLISE ESTRUTURAL DO BAIRRO PEDRA DO LORDE EM JUAZEIRO-BA, COMO AÇÃO DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL PET CONEXÕES DE SABERES - SANEAMENTO AMBIENTAL. Roberta Daniela da

Leia mais

COHIDRO PLANO INTEGRADO DE RECURSOS HÍDRICOS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PARAÍBA DO SUL E DIAGNÓSTICO DAS FONTES DE POLUIÇÃO RP-04 AGEVAP

COHIDRO PLANO INTEGRADO DE RECURSOS HÍDRICOS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PARAÍBA DO SUL E DIAGNÓSTICO DAS FONTES DE POLUIÇÃO RP-04 AGEVAP AGEVAP ASSOCIAÇÃO PRÓ-GESTÃO DAS ÁGUAS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PARAÍBA DO SUL CONTRATO Nº 21/2012 PLANO INTEGRADO DE RECURSOS HÍDRICOS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PARAÍBA DO SUL E PLANOS DE AÇÃO

Leia mais

Mudanças Climáticas: Efeitos Sobre a Vida e Impactos nas Grandes Cidades. Água e Clima As lições da crise na região Sudeste

Mudanças Climáticas: Efeitos Sobre a Vida e Impactos nas Grandes Cidades. Água e Clima As lições da crise na região Sudeste Mudanças Climáticas: Efeitos Sobre a Vida e Impactos nas Grandes Cidades Água e Clima As lições da crise na região Sudeste Mudanças Climáticas: Efeitos Sobre a Vida e Impactos nas Grandes Cidades A água

Leia mais

COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA - BACIA HIDROGRÁFIA DO RIO PARAÍBA DO SUL Valores cobrados pela captação, lançamento e consumo por usuário

COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA - BACIA HIDROGRÁFIA DO RIO PARAÍBA DO SUL Valores cobrados pela captação, lançamento e consumo por usuário COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA - BACIA HIDROGRÁFIA DO RIO PARAÍBA DO SUL Valores cobrados pela captação, lançamento e consumo por usuário Atualizado em: 4/12/2008 Valor da Valor da Valor da Cobrança pela Cobrança

Leia mais

SITUAÇÃO DO SANEAMENTO BÁSICO DO BAIRRO KIDÉ, JUAZEIRO/BA: UM ESTUDO DE CASO NO ÂMBITO DO PET CONEXÕES DE SABERES SANEAMENTO AMBIENTAL

SITUAÇÃO DO SANEAMENTO BÁSICO DO BAIRRO KIDÉ, JUAZEIRO/BA: UM ESTUDO DE CASO NO ÂMBITO DO PET CONEXÕES DE SABERES SANEAMENTO AMBIENTAL SITUAÇÃO DO SANEAMENTO BÁSICO DO BAIRRO KIDÉ, JUAZEIRO/BA: UM ESTUDO DE CASO NO ÂMBITO DO PET CONEXÕES DE SABERES SANEAMENTO AMBIENTAL Juliana Maria Medrado de Melo (1) Graduanda em Engenharia Agrícola

Leia mais

Notas técnicas. Objetivo

Notas técnicas. Objetivo Notas técnicas A Pesquisa Nacional de Saneamento Básico - PNSB-foi realizada pelo Departamento de População e Indicadores Sociais - DEPIS-, da Diretoria de Pesquisas - DPE-, contando com o envolvimento

Leia mais

3.3 CATAGUASES. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, a responsabilidade pela sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local.

3.3 CATAGUASES. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, a responsabilidade pela sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local. Da caixa de areia a água chega às quatro câmaras onde estão interligadas as tubulações de sucção das bombas, essas unidades de bombeamento são em número de quatro, cada uma com capacidade de recalque de

Leia mais

P L A N O M U N I C I P A L D E S A N E A M E N T O B Á S I C O

P L A N O M U N I C I P A L D E S A N E A M E N T O B Á S I C O P L A N O M U N I C I P A L D E S A N E A M E N T O B Á S I C O V o l u m e V R E L A T Ó R I O D O S P R O G R A M A S, P R O J E T O S E A Ç Õ E S P A R A O A L C A N C E D O C E N Á R I O R E F E R

Leia mais

PAINEL SETORIAL MEDIÇÃO DE EFLUENTES INMETRO 2012

PAINEL SETORIAL MEDIÇÃO DE EFLUENTES INMETRO 2012 PAINEL SETORIAL MEDIÇÃO DE EFLUENTES INMETRO 2012 A Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento ASSEMAE É uma organização não-governamental, sem fins lucrativos, fundada em 1984. Os associados

Leia mais

ESTADO DOS CADASTROS DE USUÁRIOS NAS BACIAS PCJ NO ANO DE 2013

ESTADO DOS CADASTROS DE USUÁRIOS NAS BACIAS PCJ NO ANO DE 2013 Primeiro Termo Aditivo Contrato nº 003/ANA/2011 INDICADOR 4 OPERACIONALIZAÇÃO DA COBRANÇA Indicador 4B Cadastro de Usuários ESTADO DOS CADASTROS DE USUÁRIOS NAS BACIAS PCJ NO ANO DE 2013 4B - Cadastro

Leia mais

ÍNDICE PAULISTA DE VULNERABILIDADE SOCIAL

ÍNDICE PAULISTA DE VULNERABILIDADE SOCIAL ÍNDICE PAULISTA DE VULNERABILIDADE SOCIAL O Estado de São Paulo, especialmente nos grandes centros urbanos, apresenta enormes desigualdades sociais, com áreas de alto padrão de qualidade de vida e outras

Leia mais

Novas estimativas do IBGE para a população do Rio de Janeiro

Novas estimativas do IBGE para a população do Rio de Janeiro ISSN 1984-7203 C O L E Ç Ã O E S T U D O S C A R I O C A S Novas estimativas do IBGE para a população do Rio de Janeiro Nº 20080101 Janeiro - 2008 Fernando Cavallieri, Fabrício Leal de Oliveira - IPP/Prefeitura

Leia mais

MERCADORIA TRANSPORTADA COM PAZ E SEGURANÇA UM NOVO CONCEITO DE LOGISTICA E TRANSPORTE RODOVIARIO

MERCADORIA TRANSPORTADA COM PAZ E SEGURANÇA UM NOVO CONCEITO DE LOGISTICA E TRANSPORTE RODOVIARIO SHALLON express SUA MERCADORIA TRANSPORTADA COM PAZ E SEGURANÇA UM NOVO CONCEITO DE LOGISTICA E TRANSPORTE RODOVIARIO EMPRESA - HISTÓRICO Aqui nasce um novo conceito de transporte rodoviário" Em Janeiro

Leia mais

- RJ O Gerenciamento dos Recursos HídricosH nas grandes Cidades. Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp

- RJ O Gerenciamento dos Recursos HídricosH nas grandes Cidades. Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp III Pré-ENCOB - RJ O Gerenciamento dos Recursos HídricosH nas grandes Cidades Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo - Sabesp 5ª Maior

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO NÚCLEO DE ESTUDO E PESQUISA EM RESÍDUOS SÓLIDOS III SIMPÓSIO SOBRE RESÍDUOS SÓLIDOS III SIRS (2013)

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO NÚCLEO DE ESTUDO E PESQUISA EM RESÍDUOS SÓLIDOS III SIMPÓSIO SOBRE RESÍDUOS SÓLIDOS III SIRS (2013) UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO NÚCLEO DE ESTUDO E PESQUISA EM RESÍDUOS SÓLIDOS III SIMPÓSIO SOBRE RESÍDUOS SÓLIDOS III SIRS (2013) Estudo de caso: Diagnóstico do sistema de manejo de resíduos sólidos domiciliares

Leia mais

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: O sistema conta com dois mananciais, ambos com captações superficiais:

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: O sistema conta com dois mananciais, ambos com captações superficiais: 3.8 SÃO JOÃO NEPOMUCENO Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul A Companhia de Saneamento de Minas Gerais - COPASA, é o órgão responsável pela operação e manutenção

Leia mais

Saneamento Básico e Infraestrutura

Saneamento Básico e Infraestrutura Saneamento Básico e Infraestrutura Augusto Neves Dal Pozzo Copyright by Augusto Dal Pozzo DADOS HISTÓRICOS Até a década de 70 soluções locais e esparsas para os serviços de saneamento; Década de 70 criação

Leia mais

COPASA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS

COPASA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COPASA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS Apresentação A Companhia de Saneamento de Minas Gerais, COPASA, criada em 1963, é uma empresa vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Regional e Política

Leia mais

Angelo José Garcia Borges¹, Juliane Sanches Vicente¹, Mayara Pissutti Albano², Yeda Ruiz Maria²

Angelo José Garcia Borges¹, Juliane Sanches Vicente¹, Mayara Pissutti Albano², Yeda Ruiz Maria² 434 SANEAMENTO BÁSICO NO MUNICÍPIO DE INDIANA-SP Angelo José Garcia Borges¹, Juliane Sanches Vicente¹, Mayara Pissutti Albano², Yeda Ruiz Maria² ¹ Discentes do curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade

Leia mais

Desafios e metas do Estado de São Paulo

Desafios e metas do Estado de São Paulo 1º Seminário Saneamento Básico Universalização do Saneamento: Desafios e Metas para o Setor 07 de novembro de 2011 Desafios e metas do Estado de São Paulo Edson Giriboni Secretário de Saneamento e Recursos

Leia mais

O CONSELHO ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS, instituído pela Lei nº 3.239, de 02 de agosto de 1999,no uso de suas atribuições legais, considerando:

O CONSELHO ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS, instituído pela Lei nº 3.239, de 02 de agosto de 1999,no uso de suas atribuições legais, considerando: RESOLUÇÃO CERHI-RJ Nº 107 DE 22 DE MAIO DE 2013 APROVA NOVA DEFINIÇÃO DAS REGIÕES HIDROGRÁFICAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E REVOGA A RESOLUÇÃO CERHI N 18 DE 08 DE NOVEMBRO DE 2006 O CONSELHO ESTADUAL

Leia mais

Gestão da Demanda de Água Através de Convênios e Parcerias com o Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo SABESP

Gestão da Demanda de Água Através de Convênios e Parcerias com o Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo SABESP Gestão da Demanda de Água Através de Convênios e Parcerias com o Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo SABESP R. R. Chahin a a. Companhia de Saneamento Básico do Estado de

Leia mais

A REALIZAÇÃO DE REUNIÕES PÚBLICAS NO ÂMBITO DO PROGRAMA DE REVITALIZAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO. Laysa Deiró de Lima Izis de Oliveira Alves

A REALIZAÇÃO DE REUNIÕES PÚBLICAS NO ÂMBITO DO PROGRAMA DE REVITALIZAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO. Laysa Deiró de Lima Izis de Oliveira Alves A REALIZAÇÃO DE REUNIÕES PÚBLICAS NO ÂMBITO DO PROGRAMA DE REVITALIZAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO Laysa Deiró de Lima Izis de Oliveira Alves Programa de Revitalização da Bacia Hidrográfica do São Francisco

Leia mais

XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE

XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE SIMULAÇÃO DA CAPACIDADE DE AUTODEPURAÇÃO EM DIFERENTES CENÁRIOS DE VAZÃO DE UM TRECHO DO RIO CACHOEIRA, SUL DA BAHIA. José Wildes Barbosa dos Santos; Neylor Alves Calasans Rêgo INTRODUÇÃO O forte crescimento

Leia mais

Elaboração dos Planos de Saneamento Básico 13/12/2010. Nossa Realidade. Nossa Realidade. Nova Organização da Prestação de Serviços

Elaboração dos Planos de Saneamento Básico 13/12/2010. Nossa Realidade. Nossa Realidade. Nova Organização da Prestação de Serviços 13/12/2010 Quem somos Da união das indústrias Amanco, Braskem, Solvay Indulpa e Tigre, foi criado em julho de 2007, o Instituto Trata Brasil, uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público, para

Leia mais

ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO

ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO SIMÃO, Rosycler Cristina Santos Palavras chave: rede urbana; São Paulo; disparidades regionais; Censo Demográfico 2000. Resumo O objetivo do trabalho é mostrar

Leia mais

Mesa Redonda Universalização do saneamento e mobilização social em comunidades de baixa renda

Mesa Redonda Universalização do saneamento e mobilização social em comunidades de baixa renda Secretaria Nacional de Mesa Redonda Universalização do saneamento e mobilização social em comunidades de baixa renda PLANEJAMENTO E CONTROLE SOCIAL COMO ESTRATÉGIAS PARA UNIVERSALIZAR O SANEAMENTO Marcelo

Leia mais

Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal

Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal Piracicaba, 07 de Agosto de 2013 Atuação da CAIXA Missão: Atuar na promoção da cidadania e do desenvolvimento sustentável

Leia mais

MELHORIAS SANITÁRIAS E SEUS USOS EM COMUNIDADES NO ESTADO DA BAHIA

MELHORIAS SANITÁRIAS E SEUS USOS EM COMUNIDADES NO ESTADO DA BAHIA MELHORIAS SANITÁRIAS E SEUS USOS EM COMUNIDADES NO ESTADO DA BAHIA Silvio Roberto Magalhães Orrico Jennifer Conceição Carvalho Teixeira de Matos Ricardo Silveira Bernardes Patrícia Campos Borja Cristiane

Leia mais

Angra dos Reis Barra do Piraí Barra Mansa Engenheiro Paulo de Frontim Itatiaia Mendes Miguel Pereira Parati Paty dis Alferes

Angra dos Reis Barra do Piraí Barra Mansa Engenheiro Paulo de Frontim Itatiaia Mendes Miguel Pereira Parati Paty dis Alferes Jurisdição das cidades da 7ª Região. Delegacia Cidade/Bairro* Angra dos Reis Barra do Piraí Barra Mansa Engenheiro Paulo de Frontim Itatiaia Mendes Miguel Pereira Parati Paty dis Alferes Pinheiral Pirai

Leia mais

Fundação O Boticário de Proteção à Natureza PROJETO OÁSIS

Fundação O Boticário de Proteção à Natureza PROJETO OÁSIS Fundação O Boticário de Proteção à Natureza PROJETO OÁSIS Instituição privada e sem fins lucrativos. Criada em 1990. É uma das organizações que mais financia projetos de conservação da natureza no Brasil.

Leia mais

Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013

Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013 Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013 Segurança hídrica - Declaração Ministerial do 2o Fórum Mundial da Água, 2001 Acesso físico e econômico à água em quantidade e qualidade suficiente

Leia mais

Plano de Recursos Hídricos da Bacia do Rio Paraíba do Sul - Resumo

Plano de Recursos Hídricos da Bacia do Rio Paraíba do Sul - Resumo Associação Pró-Gestão das Águas da Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba do Sul - AGEVAP Plano de Recursos Hídricos da Bacia do Rio Paraíba do Sul - Resumo Diagnóstico dos Recursos Hídricos Relatório Final

Leia mais

Perspectivas do Setor de Saneamento em relação à Cobrança

Perspectivas do Setor de Saneamento em relação à Cobrança Seminário Cobrança pelo Uso dos Recursos Hídricos Urbanos e Industriais Comitê da Bacia Hidrográfica Sorocaba e Médio Tietê Perspectivas do Setor de Saneamento em relação à Cobrança Sorocaba, 10 de setembro

Leia mais

Os desafios da gestão de recursos hídricos e as ações para redução do potencial de escassez de água

Os desafios da gestão de recursos hídricos e as ações para redução do potencial de escassez de água Os desafios da gestão de recursos hídricos e as ações para redução do potencial de escassez de água Mierzwa, José Carlos Departamento de Engenharia Hidráulica e Ambiental Escola Politécnica da Universidade

Leia mais

82,5% dos brasileiros são atendidos com abastecimento de água tratada

82,5% dos brasileiros são atendidos com abastecimento de água tratada Saneamento no Brasil Definição: Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), saneamento é o controle de todos os fatores do meio físico do homem que exercem ou podem exercer efeitos nocivos sobre o bem

Leia mais

LEGISLAÇÃO FEDERAL SOBRE POLUIÇÃO VISUAL URBANA

LEGISLAÇÃO FEDERAL SOBRE POLUIÇÃO VISUAL URBANA LEGISLAÇÃO FEDERAL SOBRE POLUIÇÃO VISUAL URBANA JOSÉ DE SENA PEREIRA JR. Consultor Legislativo da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano e Regional JANEIRO/2002

Leia mais

VI Simpósio Ítalo Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

VI Simpósio Ítalo Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental IV-004 - AVALIAÇÃO DA DEMANDA DE ÁGUA X DISPONIBILIDADE HÍDRICA DOS MANANCIAIS SUPERFICIAIS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DO NORTE DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Ricardo Augusto Pereira Rezende (1)

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANDRE

ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANDRE LEI Nº 354/2014 Dispõe sobre a Política Municipal de Saneamento Básico, cria o Conselho Municipal de Saneamento Básico e o Fundo Municipal de Saneamento de Básico, e dá outras providências. A Prefeita

Leia mais

COPPETEC. Plano de Recursos Hídricos para a Fase Inicial da Cobrança na Bacia do Rio Paraíba do Sul

COPPETEC. Plano de Recursos Hídricos para a Fase Inicial da Cobrança na Bacia do Rio Paraíba do Sul Plano de Recursos Hídricos para a Fase Inicial da Cobrança na Bacia do Rio Paraíba do Sul Diagnóstico da Situação Atual dos Recursos Hídricos PGRH-RE-010-R0 Volume 1 Fevereiro de 2002 COPPETEC F U N D

Leia mais

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Diário Oficial Estado de São Paulo Poder Executivo Seção I Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06 Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Resolução

Leia mais

Importante: As inscrições serão abertas conforme o calendário informado às Secretarias de Educação.

Importante: As inscrições serão abertas conforme o calendário informado às Secretarias de Educação. 2013 6 a Edição Objetivo A Rede Vanguarda promove todos os anos, preferencialmente no primeiro semestre de cada ano, um projeto focado na Educação, na Competição e na Responsabilidade Social. "TABUADA

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 5

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 5 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 5 Bacias Hidrográficas de Minas Gerais O desenvolvimento dos recursos hídricos não pode ser visto dentro de um sistema limitado onde a complexidade dos usos múltiplos

Leia mais

ANÁLISE DA INCIDÊNCIA DE DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA NA REGIÃO DE JACARAÍPE E NOVA ALMEIDA, SERRA, ES. DEVAIR VIAL BRZESKY

ANÁLISE DA INCIDÊNCIA DE DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA NA REGIÃO DE JACARAÍPE E NOVA ALMEIDA, SERRA, ES. DEVAIR VIAL BRZESKY ANÁLISE DA INCIDÊNCIA DE DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA NA REGIÃO DE JACARAÍPE E NOVA ALMEIDA, SERRA, ES. DEVAIR VIAL BRZESKY Importância da água para a vida: Higiene pessoal. Preparação dos alimentos.

Leia mais

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a 1. INTRODUÇÃO Muitas e intensas transformações ambientais são resultantes das relações entre o homem e o meio em que ele vive, as quais se desenvolvem num processo histórico. Como reflexos dos desequilíbrios

Leia mais

O TRATAMENTO DOS ESGOTOS DOMÉSTICOS E A ATUAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO: Ana Maria Moreira Marchesan, Promotora de Justiça.

O TRATAMENTO DOS ESGOTOS DOMÉSTICOS E A ATUAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO: Ana Maria Moreira Marchesan, Promotora de Justiça. O TRATAMENTO DOS ESGOTOS DOMÉSTICOS E A ATUAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO: Ana Maria Moreira Marchesan, Promotora de Justiça. Águas e Escassez a crise planetária A quantidade total de água na terra é de 1.386

Leia mais

tratamento e disposição final adequados dos esgotos sanitários, desde as ligações prediais até o lançamento final no meio ambiente (BRASIL, 2007).

tratamento e disposição final adequados dos esgotos sanitários, desde as ligações prediais até o lançamento final no meio ambiente (BRASIL, 2007). II-156 - AVALIAÇÃO DO ESGOTAMENTO SANITÁRIO NOS BAIRROS JARDIM NOVO ENCONTRO, MARIA GORETTI E PIRANGA EM JUAZEIRO-BA, COMO AÇÃO DO PET CONEXÕES DE SABERES - SANEAMENTO AMBIENTAL - UNIVASF Julliana Melo

Leia mais

DISPÕE SOBRE POLÍTICA DE RECUPERAÇÃO INDUSTRIAL REGIONALIZADA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

DISPÕE SOBRE POLÍTICA DE RECUPERAÇÃO INDUSTRIAL REGIONALIZADA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO LEI Nº 5636, DE 06 DE JANEIRO DE 2010. DISPÕE SOBRE POLÍTICA DE RECUPERAÇÃO INDUSTRIAL REGIONALIZADA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Faço saber que a Assembléia Legislativa

Leia mais

A IMPLEMENTAÇÃO DA OUTORGA DE USO DOS RECURSOS HIDRICOS NO ESTADO DO PARÁ

A IMPLEMENTAÇÃO DA OUTORGA DE USO DOS RECURSOS HIDRICOS NO ESTADO DO PARÁ A IMPLEMENTAÇÃO DA OUTORGA DE USO DOS RECURSOS HIDRICOS NO ESTADO DO PARÁ Verônica Jussara Costa Santos Engenheira Sanitarista, mestranda do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil (área Recursos

Leia mais

3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO

3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO 3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul Em Visconde de Rio Branco, o sistema público de abastecimento de água é operado e mantido pela

Leia mais

1/14. Polícia Civil Principais Ocorrências Vítimas Estado RJ por DPs 2010 Números Absolutos

1/14. Polícia Civil Principais Ocorrências Vítimas Estado RJ por DPs 2010 Números Absolutos 1/14 1a. DP 4a. DP 5a. DP 6a. DP 7a. DP 9a. DP 10a. DP 12a. DP 13a. DP Totais Praça Mauá Praça da República Mem de Sá Cidade Nova Santa Teresa Catete Botafogo Copacabana Ipanema Homicídio doloso (total)

Leia mais

1159 18 OFICIO DE NOTAS - SUCURSAL - BARRA DA TIJUCA RIO DE JANEIRO 1096 18 OFICIO DE NOTAS - SUCURSAL ILHA GOVERNADOR RIO DE JANEIRO 1097 22 OFICIO

1159 18 OFICIO DE NOTAS - SUCURSAL - BARRA DA TIJUCA RIO DE JANEIRO 1096 18 OFICIO DE NOTAS - SUCURSAL ILHA GOVERNADOR RIO DE JANEIRO 1097 22 OFICIO Código Serventia Nome da Serventia Município 1214 RCPN 02 DISTRITO CASIMIRO DE ABREU (BARRA S. JO 1216 02 OFICIO DE JUSTICA CASIMIRO DE ABREU 1217 RCPN 01 DISTRITO CASIMIRO DE ABREU 1221 OFICIO UNICO CONCEICAO

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Atlas de saneamento Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Guido Mantega INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente Eduardo

Leia mais

IMPACTOS DA CONFIGURAÇÃO DO SISTEMA DE REMOÇÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO CUSTO DOS SERVIÇOS: CASO DO VALE DO PARAÍBA DO SUL

IMPACTOS DA CONFIGURAÇÃO DO SISTEMA DE REMOÇÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO CUSTO DOS SERVIÇOS: CASO DO VALE DO PARAÍBA DO SUL IMPACTOS DA CONFIGURAÇÃO DO SISTEMA DE REMOÇÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO CUSTO DOS SERVIÇOS: CASO DO VALE DO PARAÍBA DO SUL Cesar das Neves U.F.R.J - Escola de Engenharia - Departamento de Engenharia

Leia mais

Modelo de gestão SISAR. Novo Hamburgo, 03 de Dezembro de 2013

Modelo de gestão SISAR. Novo Hamburgo, 03 de Dezembro de 2013 Modelo de gestão SISAR Novo Hamburgo, 03 de Dezembro de 2013 DADOS POPULACIONAIS Brasil População Total 190.755.799 hab. Ceará População Total 8.452.381 hab. População Urbana 84,35% 160.914.804 hab. População

Leia mais

Palavras-chave: água esgoto gerenciamento - resíduo poluente

Palavras-chave: água esgoto gerenciamento - resíduo poluente MEDIDAS DE SANEAMENTO BÁSICO OU RUAS CALÇADAS? Angela Maria de Oliveira Professora da E.M.E.F. Zelinda Rodolfo Pessin Márcia Finimundi Barbieri Professora da E.M.E.F. Zelinda Rodolfo Pessin Resumo Este

Leia mais

SOLUÇÕES PARA O SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA PARA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM PA

SOLUÇÕES PARA O SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA PARA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM PA SOLUÇÕES PARA O SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA PARA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM PA Jaqueline Maria Soares (1) Engenheira Sanitarista pela Universidade Federal do Pará - UFPA. Mestre em Engenharia Civil

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DE DIFERENTES MODELOS DE PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO: um estudo no Estado da Bahia

CARACTERÍSTICAS DE DIFERENTES MODELOS DE PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO: um estudo no Estado da Bahia CARACTERÍSTICAS DE DIFERENTES MODELOS DE PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO: um estudo no Estado da Bahia ALINE LINHARES LOUREIRO PATRÍCIA CAMPOS BORJA LUIZ ROBERTO

Leia mais

USUÁRIOS CADASTRADOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DOS AFLUENTES MINEIROS DOS RIOS POMBA E MURIAÉ - COMPÉ CADASTRO - MINAS GERAIS 2015

USUÁRIOS CADASTRADOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DOS AFLUENTES MINEIROS DOS RIOS POMBA E MURIAÉ - COMPÉ CADASTRO - MINAS GERAIS 2015 1 CYVAN PRODUTOS QUIMICOS 2950439000100 Juiz de Fora R$ 42,06 2 LATICINIOS EDEM INDUSTRIA E COMERCIO LTDA 3375514000110 Santa Rita de Ibitipoca R$ 131,85 3 PANGEA DESENVOLVIMENTO URBANO LTDA. 5614282000130

Leia mais

cüxyx àâüt `âç v ÑtÄ wx Tvtâû c\

cüxyx àâüt `âç v ÑtÄ wx Tvtâû c\ ATO DE SANÇÃO N.º 003/2010. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE ACAUÃ, ESTADO DO PIAUÍ, no uso de suas atribuições legais, sanciona por meio do presente, o Projeto de Lei do Executivo de N.º 002/2010, Ementa: Dispõe

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS E EFLUENTES NA INDÚSTRIA DE COSMÉTICOS

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS E EFLUENTES NA INDÚSTRIA DE COSMÉTICOS GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS E EFLUENTES NA INDÚSTRIA DE COSMÉTICOS No momento em que se decide ter uma Indústria Cosmética um dos fatores preponderantes é providenciar as diversas licenças requeridas que

Leia mais