Comunicar. Jornal. Governo investe milhões para modernizar o sector Agrícola. Cabo Verde. Administração P ública. Projecto de sustentabilidade

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Comunicar. Jornal. Governo investe milhões para modernizar o sector Agrícola. Cabo Verde. Administração P ública. Projecto de sustentabilidade"

Transcrição

1 Jornal Comunicar Administração P ública Governo de Cabo Verde Edição Gratuita Mensal nº19 Outubro de 2010 Governo investe milhões para modernizar o sector Agrícola José Maria Veiga Pronto dentro de 20 meses Casa do Direito. A tua CASA! Mediação traz maior celeridade na solução de conflitos Cabo Verde Exemplo de Sistema de Segurança Social em África Projecto de sustentabilidade Cadeia da Praia Cabo Verde O teu problema tem solução. Há uma resposta.

2 Flash Ilha de São Vicente já conta com Parque Eólico O lançamento da primeira pedra do Parque Eólico de São Vicente foi feito a 30 de Setembro último. Uma obra enquadrada num projecto amplo de transformação do sector energético e cujo objectivo é, a partir de 2011, introduzir no sistema cerca de 25% de electricidade a partir do vento e do sol, contribuindo para a auto-suficiência do país em matéria de energia. Trata-se de um projecto de capital importância para a ilha de São Vicente em geral, inserido numa visão global de resolução a médio e longo prazo do enorme desafio que é o sector energético em Cabo Verde, tal é a dependência do país em relação aos combustíveis fósseis para a geração de energia. Mais três parques serão lançados em Santiago, Sal e Boavista. Nova estrada Variante/São Miguel terá primeiro túnel de Santiago As obras de reabilitação e asfaltagem da estrada que liga o centro da Variante em São Domingos, a Pedra Badejo (Concelho de Santa Cruz) e Calheta de São Miguel foram lançadas a 17 de Outubro último, pelo Governo. Trata-se de uma obra de grande importância para o desenvolvimento dos três concelhos abrangidos e que contará com um túnel de acesso que irá localizar-se no monte Rotxa Lama. Será uma das mais modernas estradas do país. Contempla um pavimento revestido com betão betuminoso, alargamento, correcção e protecção de taludes, asfaltagem e sinalização vertical e horizontal e conta com uma extensão de 31 kms. Jovens em Cabo Verde vão contar com Cartão Jovem a partir de Janeiro de 2011 O Governo aprovou no dia 07 de Outubro último, o Projecto de Decreto-Lei que cria o Cartão Jovem e regula as condições da sua atribuição e emissão. O referido Cartão, que estará operacional a partir de 2011, vem trazer importantes ganhos para os jovens cabo-verdianos e grande impacto na sua condição de vida, pois visa dar facilidades e descontos em viagens aéreas e marítimas, no acesso à cultura, à formação, ao desporto, às actividades de lazer e de ocupação dos tempos livres. Todos os jovens residentes que tenham idade compreendida entre os 14 e os 30 anos, que se inscreverem isoladamente ou sob proposta de uma associação a que legalmente pertençam no período das inscrições, poderão ter o Cartão Jovem, mediante o pagamento de uma taxa. Parque Solar do Sal inaugurado, Parque Eólico previsto para Fevereiro O dia 1º Outubro ficará marcado como um dia histórico para a ilha do Sal e para Cabo Verde. Segundo o Primeiro Ministro, o dia em que foi inaugurado o primeiro parque Solar Foto voltaico do País, marca uma nova virada em matéria energética para o arquipélago. São mais de 20 mil toneladas de combustível ao ano que deixarão de ser importadas por Cabo Verde, significando uma poupança de mais de 12 milhões de euros por ano. Só com a conclusão deste parque e o parque solar da Praia, a ser inaugurado em Novembro próximo, 4% da energia produzida no país será proveniente do sol, permitindo poupar recursos importantes e reduzir a dependência de combustíveis fósseis. No primeiro trimestre do ano que vem o Governo deverá inaugurar o parque Eólico da ilha do Sal cujas obras serão concluídas em Fevereiro de Estádio Nacional é realização de sonho de desportistas cabo-verdianos A construção do Estádio Nacional, que deverá estar pronto dentro de 20 meses, é a realização de mais um sonho dos caboverdianos. Lançada a primeira pedra para a sua construção, no passado dia 21 de Outubro, e orçado em um milhão e 300 contos, será edificado com base no padrão FIFA, o que significa que terá todas as condições para receber jogos oficiais de alto nível e contemplará, ainda, piso de tartâme para atletismo com oito corredores, podendo assim albergar outras modalidades olímpicas. Terá capacidade para receber 10 mil espectadores nesta primeira fase, podendo no futuro, ser ampliada a sua capacidade para até 15 mil assentos e ocupar uma área de 94 mil 180 metros quadrados. Para além do piso de relva sintética e da pista de atletismo, a infra-estrutura inclui iluminação artificial com pelo menos quatro torres, sistema de rádiodifusão e condições para transmissões de actividades por televisão, bem como de painel electrónico e som ambiente. Uma grande obra que irá dignificar o desporto e mais uma prova do enorme investimento na juventude cabo-verdiana, por parte deste Executivo. Inaugurado Novo Banco: É fundamental no combate à pobreza Inaugurado o primeiro Banco Social de Cabo Verde, o Primeiro-Ministro, José Maria Neves, manifestou a sua confiança no projecto que considerou um instrumento importante no combate à pobreza. Esta nova instituição financeira fica situada na Achada Santo António, na Praia e deverá iniciar as suas actividades em um mês. Com esse novo Banco, vocacionado para financiar segmentos da população, micro e pequenas empresas, ONG, para estabelecer parcerias com associações de micro crédito e de desenvolvimento comunitário, queremos atingir os mais desfavorecidos, criar novas oportunidades de densificação do tecido empresarial, disse o chefe do Governo. Para além do apoio aos pequenos e médios negócios, o Novo Banco dará um importante contributo ao acesso a créditos para habitação social e também para financiar os estudos daqueles com menos recursos.

3 Trabalho, Familia Solidariedade Social Cabo Verde: exemplo de Sistema de Segurança Social em África O Sistema de Segurança Social de Cabo Verde foi destacado como um exemplo em África pela Organização Internacional do Trabalho, OIT, em Junho último e agora, também, no 2º Colóquio Africano Sobre o Trabalho Decente, que decorreu em Camarões de 6 a 8 de Outubro. O reconhecimento é, sobretudo, devido às reformas do Sistema, a estruturação dos dois Regimes (Contributivo e Não Contributivo), às altas taxas de cobertura da população activa (formal e informal), à extensão da cobertura, pela integração dos trabalhadores do serviço doméstico e dos trabalhadores por conta própria e pela vontade política manifestada. Actualmente 36.6% da população beneficia de um dos Regimes de Segurança Social. É um caso de sucesso em África, visto que a média da cobertura no continente fica pelos 10%. Para o Director Executivo do Bureau Internacional do Trabalho (BIT), Assane Diop, responsável pela Protecção Social daquele organismo internacional, Cabo Verde provou que é possível os países africanos irem muito mais além. E o BIT estabeleceu como meta ultrapassar, pelo menos, os 15% da cobertura no continente. Trabalho Decente As políticas económicas e sociais adoptadas têm dado resultado: Cabo Verde saiu da lista dos países menos avançados, ganhou credibilidade internacional e é um dos poucos a atingir os Objectivos do Milénio no prazo estipulado. Isso reflecte um crescimento com inclusão social. O Programa de Trabalho Decente prevê acções relevantes nos domínios do emprego, diálogo social, protecção social e aplicação de normas internacionais. Cabo Verde elegeu como prioridades para o seu próprio programa a promoção de empregos decentes para jovens e mulheres, a extensão da cobertura social para grupos vulneráveis e promoção da igualdade e equidade de género. Os desafios - Incluir os migrantes da Costa Ocidental Africana - Implementação das recomendações sobre saúde e segurança nos locais de trabalho - Revisão do Seguro Obrigatório de Acidentes de Trabalho, SOAT - Concluir o Estudo para definição do salário mínimo - Reforço das capacidades de intervenção dos sindicatos Os ganhos - Diálogo Social O Conselho de Concertação Social, espaço de debate entre empregadores, trabalhadores e poder público, funciona. Exemplos: o Acordo de Concertação Estratégica (2006/2011) abrange áreas da actividade económica, saúde e higiene no trabalho, crescimento com inclusão e competitividade, Administração Pública, formação profissional, etc.; o novo Código Laboral foi aprovado após consenso tripartido e que resolveu a questão das férias dos marítimos, os contratos a prazo, as convenções colectivas de trabalho, a publicação dos estatutos. - Segurança Social Um Sistema de Segurança Social estruturado com dois Regimes: o contributivo (INPS) e o não-contributivo (as pensões sociais CNPS); integração dos funcionários públicos da Administração Central e Local no INPS; novos diplomas do sector foram aprovados (inscrição obrigatória no INPS dos funcionários do serviço doméstico, inscrição obrigatória dos trabalhadores por conta própria, a lei da Pensão Social actualizada), permitindo assim o alargamento da cobertura; criação do Fundo Mutualista para assistência médica, medicamentosa e nos funerais dos beneficiários da Pensão Social; aumentos sucessivos do valor da Pensão Social (actualmente o valor é 5.000$00/mês. Em 2001 o valor era 1.300$00) o que representa um esforço de mais de 1 milhão de contos no Orçamento Geral do Estado em 2010; 23 mil pessoas beneficiam da Pensão Social, que abrange também as crianças deficientes. - Formação Profissional Todas as medidas activas de emprego adoptadas pelo Instituto do Emprego e Formação Profissional e pela Direcção-Geral de Emprego, a implementação das Unidades Formativas nas Escolas Secundárias, o aumento e a diversificação da oferta formativa, a melhoria da rede física dos Centros de Formação, o forte investimento no sector que passou de 100 mil contos (2006) para 1.2 milhões de contos (2010).

4 Entrevista Entrevista ao Ministro do Ambiente, Desenvolvimento Rural e Recursos Marinhos Governo investe milhões para a modernização do sector agrícola Várias obras estão já a ser desenvolvidas dentro do pacote para a agricultura, nomeadamente a construção de mais 16 barragens para as ilhas onde a urografia física das mesmas permite, possibilitando uma área irrigada de mais de 1000 hectares e o enquadramento de maior número de famílias possível. Em conversa com o Comunicar: Administração Pública, o Ministro do Ambiente, Desenvolvimento Rural e Recursos Marinhos, José Maria Veiga, fala do sector que pretende dar um forte contributo na redução da pobreza e na melhoria a nível de segurança alimentar em Cabo Verde. O MADRRM lançou recentemente mais três barragens para a ilha de Santiago e o Primeiro Ministro já anunciou mais 14 barragens para todo o Cabo Verde. Como está este processo e que ganhos poderão trazer ao País e aos beneficiários directos? O Governo fez e está a fazer uma aposta muito grande em termos de águas superficiais, em especial na construção de Barragens. A Barragem de Poilão tem sido um exemplo a seguir no que diz respeito a modernização da agricultura. Neste momento, foi lançado um estudo com o Banco Africano de Desenvolvimento (BAD) para a construção de mais dez barragens. Esse estudo poderá ser concluído até Julho de 2011 e a partir daí, iremos fazer a engenharia financeira e lançar os concursos de forma a beneficiar, com barragens, todas as ilhas onde a urografia física permite, nomeadamente S. Antão, S. Nicolau, Boa Vista, Maio e Santiago. Por outro lado, no quadro dos projectos de valorização das bacias hidrográficas de Flamengos e Principal (na ilha de Santiago) que foram financiados com os fundos do Banco Árabe para o Desenvolvimento Económico da África (BADEA), foram contempladas mais duas barragens que não estavam antes previstas. Neste âmbito o Governo teve que renegociar com o financiador e a resposta foi positiva. O próprio BADEA lançou um concurso e seleccionou a empresa que vai fazer os estudos das barragens que vão integrar as duas bacias. Com a linha de crédito de Portugal foram, agora, lançadas as primeiras pedras para a construção de mais três barragens (Saquinho, Faveta e Salineiro), que dentro de aproximadamente 24 meses estarão concluídas. Ainda dentro dessa mesma linha de crédito estamos a aproveitar o financiamento para mais uma barragem e possibilidade do lançamento do concurso dentro de algum tempo (dois a três meses) para a sua construção. Assim, incluindo a barragem de Poilão, teremos um total de 17 barragens em Cabo Verde. Com essas barragens, estamos a prever um aumento da área irrigada em mais de 1000 hectares e, com isso, vamos fazer um trabalho que permita o enquadramento de um maior número possível de famílias. Nesse sentido, pretendemos aumentar a produção/produtividade introduzindo tecnologias novas e modernas de produção agrícola, apostando fortemente na formação/capacitação dos agricultores, na pós-colheita, na conservação e transformação dos produtos. Assim estaríamos a dar um contributo forte na redução da pobreza e fazer com que tenhamos um grande nível de segurança alimentar no País. Depois da China, que financiou a construção da barragem do Poilão, Portugal parece estar a despontar como mais um parceiro importante de Cabo Verde na modernização da agricultura com essa linha de crédito para construção dessas últimas barragens. Que perspectivas há ainda para essa parceria nesse sector? Convidámos para estar presente no lançamento das primeiras pedras para a construção das barragens de Faveta e Salineiro, o Ministro da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas de Portugal, Professor Dr. António Serrano. Aproveitando a sua vinda, a Direcção Geral de Agricultura, Sivicultura e Pecuária (DGASP) e o Instituto Nacional de Gestão dos Recursos Hídrico (INGRH) assinaram, com a empresa EDIA de Portugal, um protocolo que vai reforçar a parceria entre os dois países no sector agrícola. Esse protocolo cobre sobretudo as áreas de formação e assistência técnica, estudos de barragens, capacitação no sistema de irrigação, estudos hidrológicos, turismo e aquacultura. Estamos a criar uma janela de oportunidades extremamente diversificada que visa, também, o aproveitamento da experiência da EDIA em relação à gestão de barragens, nomeadamente com o Lago de Alqueva (maior lago artificial existente na Europa com cerca de 110 mil hectares de terreno). Pela primeira vez na história de Cabo Verde um Governo dá prioridade ao sector agrícola, apresentando um projecto para a transformação do sector. Que mais, para além das barragens estão na base deste projecto? Antes de mais, devo dizer que estamos simplesmente a dar continuidade a materialização de uma visão e de uma estratégia do Governo de Cabo Verde desde O Plano Estratégico do Desenvolvimento Agrícola (PEDA) foi aprovado em 2005 regionalizado em Assim, as ilhas como Santiago, Santo Antão, Fogo e S. Nicolau passaram a ter seus próprios planos de acção de desenvolvimento agrícola (PADA). As ilhas como Brava, Maio e Boavista vão também ter os seus respectivos planos regionais. Aprovámos, também, recentemente um outro instrumento que é o

5 Ambiente, do Desenvolvimento Rural e dos Recursos Marinhos Plano Nacional de Investimento Agrícola (PNIA) que fixa os principais eixos de intervenção estratégica e o nível de investimento a ser feito para os próximos anos. Tanto o PEDA como o PNIA dão uma atenção particular à mobilização de água nomeadamente à construção de reservatórios, instalação de sistemas de bombagem de água, sistema de rega gota a gota e à hidroponia. Também dá uma atenção especial, à correcção torrencial, a introdução de novas variedades de cultura, a investigação e luta contra as pragas, a capacitação dos agricultores, aos serviços de extenção rural, ao desenvolvimento da pecuária, às pescas, à luta contra a desertificação, à segurança alimentar. Tudo isso ligado às outras acções que têm a ver com a produção forrageira (pastagem dos animais) e com o circuito comercial, ou seja, a integração dos agricultores, criadores e empreendedores em geral na cadeia de valores ligadas ao mercado. Portanto, para além das barragens, estamos a desenvolver todos esses sectores, debruçando fortemente sobre a valorização das bacias hidrográficas e os circuitos comerciais, enquanto modelo do desenvolvimento rural em Cabo Verde. Só em bacias hidrográficas o país está a investir mais de cinco milhões e 360 mil contos. São 14 bacias que foram projectadas e em execução que estão a transformar completamente o mundo rural cabo-verdiano. Em matéria de crédito e incentivos o Governo está também a dar passos importantes, como o Novo Banco que também responderá às necessidades dos agricultores, certo? O que faltava no mercado era exactamente o que o Governo acabou de criar. Um novo Banco que permite o acesso a créditos às famílias e aos pequenos empreendedores nas áreas de agricultura, pescas e outros sectores artesanais. As pessoas que tinham dificuldades de acesso ao crédito, agora podem ser apoiadas com a sociedade mútua de garantia que vai permitir avalizar esses créditos. Neste momento, as oportunidades que estão a nascer e crescer no sector agrícola fazem emergir grandes investimentos de pessoas que querem dar um rumo diferente às suas vidas e que antes não o faziam por falta de fundos. Mas é de se realçar que à volta das bacias temos sempre um fundo de micro-crédito que tem permitido as famílias desenvoler suas actividades de rega gota a gota, de pecuária, de comércio e de transformação dos produtos agrícolas. Várias institituições operam nessa área e esses créditos podem ser articulados de forma a permitir acesso a pequenos equipamentos para a execução dos empreendimentos que se pretende, mas sobretudo para modernizar o mercado. Para se ter uma ideia do que já foi feito, desde 2001 até agora no sector, o que destacaria e quanto já foi investido até o momento? São vários os ganhos de 2001 a esta parte. Destacaria um grande ganho que tem a ver com a mudança de atitude em relação ao sector agrícola. Actualmente, todos vêm que a agricultura é um sector de oportunidades, que Cabo Verde tem condições para desenvolver essa área, o que vai permitir dar um passo extremamente forte no crescimento económico do País, na redução da pobreza, na segurança alimentar, mas também no que tange à comercialização e acumulação de riqueza. Concretamente, nesse sector, destacaria a mobilização de água, com a construção da barragem de Poilão, valorização de bacias hidrográficas, a introdução de variedades mais resistentes ao nosso clima (exemplo: mandioca de alta qualidade que é vendida a um preço que todos tem acesso). A questão da reflorestação é outro aspecto importante, através da introdução de árvores fruteiras, pois recorde-se que Cabo Verde já tinha atingido um nível onde a erosão era considerada quase irreversível. Cobrir Cabo Verde de verde é uma grande obra. Destaco estes aspectos, de entre outros, como a ideia de empreendedorismo, o investimento e tornar a agricultura um sector emergente da economia cabo-verdiana. Em termos de Valores, os chefes de Estado da África, na cimeira de Maputo realizada em 2003, acordaram afectar 10% do orçamento anual de investimentos dos seus respectivos países à agricultura. Em Cabo Verde, já ultrapassamos esses valores. Num orçamento anual de 32 milhões de contos em 2010, os investimentos do MADRRM estão acima dos mil contos. Um importante parceiro do seu Ministério foi o MCC com o primeiro pacote do MCA. Na expectativa de Cabo Verde ser seleccionado para o segundo pacote, ao sector agrícola continuará a ser dado uma especial atenção? A Administração americana apostou em Cabo Verde, baseando-se em três critérios, nomeadamente um país que investe no seu povo, que governa com justiça e que tem liberdades económicas. O segundo pacote vai permitir dar um salto maior a partir da experiência existente e a desenvolver cada vez mais. Ainda não se fez a discussão final relativamente ao segundo pacote, mas acredito que seria uma pena não aproveitarmos a experiência do 1º pacote, onde a agricultura foi tida como um eixo fundamental. Isso, tendo em conta também que tudo o que estava previsto foi executado a 100%, além de o Governo ter entrado também com os seus fundos. Esperamos que os projectos que vão ser executados no quadro do MCA, tenham uma ligação com outros grandes projectos/programas que estão a ser desenvolvidos aqui em Cabo Verde (mesmo não sendo financiados pelos USA) e que permitam uma capitalização da experiência anterior e a reorganização do mercado agrícola deste arquipélago voltado para o turismo externo e interno. Um ponto alto do seu Ministério, presume-se que seja o Centro Póscolheita no Porto Novo que promete, finalmente, acabar com o embargo aos produtos agrícolas de Santo Antão. A inauguração foi feita recentemente. A partir desta inauguração vamos ter um período de gestão experimental, pois trata-se de um projecto-piloto que não conhecíamos. Com o funcionamento pleno do Centro Pós-Colheita, presume-se também a ligação marítima cuja vocação é levar os produtos de S. Antão certificados, inspeccionados e embalados para o mercado onde há mais de 80% de possibilidades abertas, nomeadamente nas ilhas da Boa Vista e Sal. Mas há que criar condições para esses mercados, por isso dentro de alguns meses com a gestão experimental, estaremos em condições de dar um grande salto. Pela primeira vez, os agricultores da ilha de S. Antão vão ver se livres da questão de não poderem exportar os seus produtos e isso vai modificar completamente a vida dos empreendedores no sector agrícola daquela ilha, permitindo, ainda, a integração dessas pessoas na cadeia de valores ligada ao turismo. Por falar nisso, o combate aos mil pés continua a ser um grande desafio. O que está a ser feito em matéria de investigação e combate às pragas? O facto de termos tido a oportunidade de introduzirmos o apoio dos EUA, através do MCA, foi um grande ganho. Recebemos uma delegação da Nairobi (Quénia), onde também existe essa praga, que veio recolher amostra para fazer estudos e saber a origem da mesma, através do ADN da praga dos mil pés. A partir daí poder-se-á descobrir o predador natural que consequentemente poderá destruir a mesma praga. Essa é uma questão que estamos a seguir e temos investigadores que estão a trabalhar nisso. Estamos a contar também com a parceria da Polónia e da França nessa matéria. O sector da pesca é também um sector que tem registado importantes investimentos. O que destacaria, assim como na pecuária? - No sector da pecuária destacaria um grande trabalho que está a ser feito relativamente à melhoria de raças, que vai desde a importação, à introdução da inseminação artificial aqui no País, da produção forrageira (pasto para animais) e da transformação dos produtos da pecuária. Vamos tentar mobilizar mais recursos para, à semelhança do que fizemos com as bacias hidrográficas e barragens, desenvolvermos ainda mais este sector. Em relação às pescas, estamos a trabalhar num projecto estratégico para o desenvolvimento da aquacultura que conta com as parcerias da FAO e do Brasil. Por outro lado, estamos a apoiar as comunidades piscatórias com uma rede de frio (máquinas de produção de gelo, embarcações e malas de frio), para além de trabalharmos na modernização da frota pesqueira cabo-verdiana para que os empregadores possam ter embarcações à altura. Transformamos agora o Fundo de Desenvolvimento das Pescas (FDP) numa instituição para bancária, no sentido de financiar o sector e que vai trabalhar com o Novo Banco para que possa haver parcerias a desenvolver no futuro. Temos, igualmente, outro projecto a ser executado com o Banco Mundial no montante de 8 milhões de dólares, que prevê embarcações, estaleiros, arrastadoras, fiscalização marítima, capacitação dos pescadores e agentes ligados à pesca. Outro projecto a ser executado com a Cooperação espanhola, no valor de um milhão de euros, tem a ver com o apoio à pesca artesanal. O Cais de pesca da Palmeira (ilha do Sal) já se encontra na sua fase final e em Santiago vai se construir, também, um estaleiro de reparação de embarcações (uma preocupação antiga dos pescadores desta ilha). Em Santo Antão, estamos a apoiar a grande iniciativa da Câmara do Paúl na construção do Cais do Penedo. A mesma Câmara construiu o arrastador da janela que também contou com o apoio da MADRM.

6 Projecto de sustentabilidade da Cadeia da Praia diminuir os custos e apostar na reinserção dos reclusos O projecto visa criar as condições infra-estruturais e agropecuárias, que permitam uma exploração adequada e o aumento da produção e comporta as vertentes de engenharia, da agricultura, pecuária, avicultura, suinicultura e caprinicultura. mecânica, sapataria e artesanato, que irão contribuir para a formação dos reclusos e, consequentemente, prepará-los para a reinserção social futura, através da aquisição de conhecimentos nas referidas áreas. No âmbito deste projecto, foi construído um reservatório que acolherá a água vinda do furo de João Varela que, por sua vez, será conduzida às instalações da Cadeia Central da Praia (CCP) o que irá fazer diminuir consideravelmente os custos com o consumo de água. No domínio da agricultura, foi instalado o sistema de rega gota a gota numa área de 5 mil e 509 metros quadrados. Aliado a esta componente, está prevista a formação e capacitação dos reclusos na área das novas tecnologias de agricultura. A recuperação dos aviários e pocilgas e a construção de um curral são outras acções a serem materializadas, tudo isso para garantir a auto-sustentabilidade do maior estabelecimento prisional do País, com impacto na redução dos custos relacionados com a alimentação dos reclusos. Por outro lado, e ainda dentro deste grande projecto, foi instalado o Centro de Formação Profissional que conta com duas oficinas de capacitação nas áreas de serralharia, carpintaria, marcenaria, É neste centro que vêm sendo recuperados, pelos reclusos, centenas de mobiliários escolares, fruto de uma parceria levada a cabo pelos ministérios da Justiça e da Educação. Ainda no âmbito desta parceria, os reclusos pintaram algumas escolas da cidade da Praia e em São Vicente. De visita àquele espaço, o Ministro da Educação e Desporto, Octávio Tavares, enalteceu a importância do projecto para a ocupação dos reclusos e sua preparação para a reinserção dos mesmos na sociedade, após o cumprimento da pena. O programa de reinserção social dos reclusos vem contemplando várias formações destinadas não apenas aos reclusos, mas igualmente a reclusas e os menores internos do Centro Sócioeducativo Orlando Pantera (CSEOP). No caso das reclusas, foi instalado recentemente o centro multiuso da CCP para formações nas áreas de corte e costura, cabeleireiro e manicura. Já para os internos do CSEOP, estes foram alvos de uma formação em iniciação à Informática. A sustentabilidade da Cadeia Central da Praia é um projecto ambicioso do Ministério da Justiça que tem no cerne a reinserção social dos reclusos

7 Actividades dos Reclusos FOTO-REPORTAGEM Reclusos da Cadeia de São Vicente participando na construção da Estufa Estufa da Cadeia de São Vicente em funcionamento Director Geral dos Serviços Penitenciarios e o Ministro da Educação visitam o reservatório da Cadeia Central da Praia Recluso recupera mobilários de uma escola Ministros da Justiça e da Educação inauguram o Centro Multiusos da Cadeia da Praia Reclusos recebem formação no âmbito do programa de formação Ministra da Juventude entrega certificado de formação a um dos reclusos

8 Mediação traz maior celeridade na solução de conflitos A mediação meio alternativo de resolução extra-judicial de conflitos já é uma realidade. Vem funcionando, presentemente, na Casa do Direito da Praia, mas o Ministério da Justiça prepara-se para alargar o serviço a todas as casas do Direito. Maior celeridade na obtenção de soluções para os conflitos e descongestionamento dos tribunais relativamente ao número de processos são alguns dos ganhos deste projecto, inserido na reforma global da Justiça cabo-verdiana. A coordenadora da Unidade de Implementação de Projectos do Ministério da Justiça, Filomena Amador, garante que estão reunidas todas as condições para o arranque efectivo da mediação em todas as casas do Direito, depois da experiência na casa do Direito da Praia. Em inícios de Outubro do corrente ano, os mediadores, saídos da segunda fase da formação em mediação de conflitos, deslocaram-se a Portugal onde frequentaram um estágio no Gabinete para a Resolução Alternativa de Litígios e após o seu regresso iniciarão o serviço de mediação em todas as ilhas onde existem as Casas do Direito. Ganhos e vantagens Um dos grandes ganhos da mediação prende-se com a celeridade e rapidez na obtenção de respostas aos conflitos que opõem as partes envolvidas, uma vez que são as mesmas a participam activamente na construção de um acordo satisfatório para ambas. Por outro lado, a medição traz menor desgaste emocional para as partes envolvidas no conflito, dá garantias de que o cumprimento do acordo terá maior eficácia uma vez que as partes participam directamente na construção de uma solução equilibrada e satisfatória e promove a cidadania activa, assim como estimula as próprias partes a terem uma participação directa e activa na resolução dos conflitos. O sigilo, a rapidez e a economia de custos são outras vantagens da mediação. Lançamento da primeira pedra: 21 de Outubro de 2010 Ficha Técnica Propriedade: GMJPCM Coordenação Geral, Concepção e Realização: Gabinete de Comunicação e Imagem do Governo Fotografias: Margarito Melo Colaboradores: Pontos focais de comunicação do Governo Impressão:INCV Tiragem:5000 Exemplares

MINISTÉRIO DO TRABALHO, FORMAÇÃO PROFISSIONAL E SOLIDARIEDADE SOCIAL

MINISTÉRIO DO TRABALHO, FORMAÇÃO PROFISSIONAL E SOLIDARIEDADE SOCIAL MINISTÉRIO DO TRABALHO, FORMAÇÃO PROFISSIONAL E SOLIDARIEDADE SOCIAL PROGRAMA NACIONAL DE LUTA CONTRA A POBREZA (PNLP) PROGRAMA DE LUTA CONTRA A POBREZA NO MEIO RURAL(PLPR) C.P. 236, Praia, Tel.: 238/61-36-50,

Leia mais

Emprego e Formação Profissional

Emprego e Formação Profissional (%) Emprego e Formação Profissional Panorama: Maio 2010 Emprego: taxa de desemprego a 13,1% em 2010 O Instituto Nacional de Estatística, INE, apresentou os resultados da primeira fase do Inquérito ao Emprego

Leia mais

Energia e Desenvolvimento A situação de Cabo Verde: Evolução, Ganhos e Perspectivas

Energia e Desenvolvimento A situação de Cabo Verde: Evolução, Ganhos e Perspectivas Energia e Desenvolvimento A situação de Cabo Verde: Evolução, Ganhos e Perspectivas Indicadores Socioeconómicos Rendimento per capita de 2010 foi de US$3.215, sendo que em 1975 era de US$190 Taxa de alfabetização:

Leia mais

Designação Projecto Integrado de Desenvolvimento Sociocomunitário em Cabo Verde (PIDS CV)

Designação Projecto Integrado de Desenvolvimento Sociocomunitário em Cabo Verde (PIDS CV) Ficha de Projecto Dezembro/2006 Designação Projecto Integrado de Desenvolvimento Sociocomunitário em Cabo Verde (PIDS CV) Subprojecto 2.1 Desenvolvimento Sociocomunitário em Cabo Verde Ilha de Santiago

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Comunicar PAPA. Jornal. Bento XVI recebe José Maria Neves no Vaticano. Administração Pública. www.governo.cv

Comunicar PAPA. Jornal. Bento XVI recebe José Maria Neves no Vaticano. Administração Pública. www.governo.cv Jornal Comunicar Administração Pública Governo de Cabo Verde Edição Gratuita Mensal nº18 Setembro de 2010 Edição Especial www.governo.cv www.governo.cv PAPA Bento XVI recebe José Maria Neves no Vaticano

Leia mais

Flash Comunidades. Este Boletim apresentará, de forma resumida, algumas acções implementadas ou em curso

Flash Comunidades. Este Boletim apresentará, de forma resumida, algumas acções implementadas ou em curso Flash Comunidades Este Boletim apresentará, de forma resumida, algumas acções implementadas ou em curso 1 CABO VERDE Nação Global O Ministério das Comunidades (MDC) vem implementando medidas que permitem

Leia mais

O Governo a apostar nos Cabo-verdianos. Incentivos Fiscais. Principais Beneficiários: Empresas /Juventude

O Governo a apostar nos Cabo-verdianos. Incentivos Fiscais. Principais Beneficiários: Empresas /Juventude O Governo a apostar nos Cabo-verdianos Incentivos Fiscais Principais Beneficiários: Empresas /Juventude Ganhos do Orçamento Geral do Estado 2010 Incentivos Fiscais A Política de Investimento para 2010

Leia mais

1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural

1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural MEDIDA 3.1 Diversificação da Economia e Criação de Emprego 1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural 2. Enquadramento Regulamentar Artigo

Leia mais

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30 de julho de 2014 Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 Informações gerais O Acordo de Parceria abrange cinco fundos: Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional

Leia mais

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves. Fundos Comunitários geridos pela Comissão Europeia M. Patrão Neves Fundos comunitários: no passado Dependemos, de forma vital, dos fundos comunitários, sobretudo porque somos um dos países da coesão (e

Leia mais

Debate Quinzenal Economia Intervenção do Primeiro-Ministro José Sócrates

Debate Quinzenal Economia Intervenção do Primeiro-Ministro José Sócrates Debate Quinzenal Economia Intervenção do Primeiro-Ministro José Sócrates 11.02.2009 1. A execução da Iniciativa para o Investimento e o Emprego A resposta do Governo à crise económica segue uma linha de

Leia mais

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO PREÂMBULO O projecto Estarreja COMpartilha surge da necessidade que se tem verificado, na sociedade actual, da falta de actividades e práticas de cidadania. Traduz-se numa relação solidária para com o

Leia mais

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural Guião de Programa de Rádio e Televisão Tema: Redução de Emissões de Desmatamento e Degradação Florestal (REDD+) Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante

Leia mais

Trajectória de Actividades do Instituto das Comunidades

Trajectória de Actividades do Instituto das Comunidades INTRODUÇÃO O IC, criado pela Resolução do Conselho de Ministros nº 64/2001, de 3 de Setembro, é um serviço personalizado do Estado, encarregue de promover e executar a política governamental relacionada

Leia mais

Intervenção do Secretário Regional da Presidência Apresentação do projecto Incube = Incubadora de Empresas + Júnior Empresa.

Intervenção do Secretário Regional da Presidência Apresentação do projecto Incube = Incubadora de Empresas + Júnior Empresa. Intervenção do Secretário Regional da Presidência Apresentação do projecto Incube = Incubadora de Empresas + Júnior Empresa. 17 de Março de 2011, Salão Nobre da Reitoria da Universidade dos Açores Magnífico

Leia mais

Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020

Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020 Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020 Seminário Turismo Sustentável no Espaço Rural: Experiências de Sucesso em Portugal e na Europa Castro Verde - 06 de Março 2013 Joaquim

Leia mais

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem;

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem; SIPIE SISTEMA DE INCENTIVOS A PEQUENAS INICIATIVAS EMPRESARIAIS FICHA DE MEDIDA Apoia projectos com investimento mínimo elegível de 15.000 e a um máximo elegível de 150.000, que visem a criação ou desenvolvimento

Leia mais

É esta imensidão de oceano, que mais tarde ou mais cedo teremos de aproveitar de um modo sustentável.

É esta imensidão de oceano, que mais tarde ou mais cedo teremos de aproveitar de um modo sustentável. Pescas Senhor Presidente da Assembleia Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente do Governo Senhoras e Senhores Membros do Governo É inevitável olhar as ilhas na sua descontinuidade e imaginá-las

Leia mais

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA EDP PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA O Grupo EDP Energias de Portugal centra as suas actividades na produção, distribuição e comercialização de energia eléctrica,

Leia mais

A Reforma Institucional em curso do Sector da Água e do Saneamento em Cabo Verde

A Reforma Institucional em curso do Sector da Água e do Saneamento em Cabo Verde A Reforma Institucional em curso do Sector da Água e do Saneamento em Cabo Verde Por: António Pedro B. BORGES Coordenador da Comissão de Reforma do Sector da Água e Saneamento MAHOT - Praia, Cabo Verde

Leia mais

Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1)

Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1) Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1) Permitam que em nome do Governo de Angola e de Sua Excelência Presidente

Leia mais

PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS

PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS Enquadramento Protocolo de Quioto Cimeira de Joanesburgo Directiva Renováveis Estratégia Nacional de Desenvolvimento Sustentável Programa E4 Nova Resolução do Conselho de Ministros INTERREG Programas Regionais

Leia mais

1ª CONFERÊNCIA IBÉRICA DE EMPREENDEDORISMO

1ª CONFERÊNCIA IBÉRICA DE EMPREENDEDORISMO 1ª CONFERÊNCIA IBÉRICA DE EMPREENDEDORISMO Painel: Empreendedorismo Social - 27 e 28 de Outubro de 2011 Práticas Inovadoras de Responsabilidade Social e Empreendedorismo Cascais, 27 de Outubro de 2011

Leia mais

6º Fórum Mundial da Água

6º Fórum Mundial da Água 6º Fórum Mundial da Água A gestão integrada de recursos hídricos e de águas residuais em São Tomé e Príncipe como suporte da segurança alimentar, energética e ambiental Eng.ª Lígia Barros Directora Geral

Leia mais

Cidadãos do Amanhã Empreendedorismo Jovem. Seminário EUROACE «Cooperação e desenvolvimento rural. Experiências e perspectivas para 2014-2020»

Cidadãos do Amanhã Empreendedorismo Jovem. Seminário EUROACE «Cooperação e desenvolvimento rural. Experiências e perspectivas para 2014-2020» Seminário EUROACE «Cooperação e desenvolvimento rural. Experiências e perspectivas para 2014-2020» 29.Abril.2014 Idanha-a-Nova DUECEIRA GAL/ELOZ. Entre serra da LOusã e Zêzere Histórico > projecto cooperação

Leia mais

Plano de Atividades 2014. www.andonicanela.com

Plano de Atividades 2014. www.andonicanela.com Plano de Atividades 2014 (Revisão) www.andonicanela.com PROGRAMA DE ACTIVIDADES 2014 REVISTO INTRODUÇÃO e VERTENTE ESTRATÉGICA A LPN como a mais antiga e mais consistente organização não governamental

Leia mais

Sistemas de Protecção Social: experiência de Portugal

Sistemas de Protecção Social: experiência de Portugal Sistemas de Protecção Social: experiência de Portugal José Luís Albuquerque Subdirector-Geral do Gabinete de Estratégia e Planeamento (GEP) do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social (MTSS) VIII

Leia mais

Dinamização das Zonas Rurais

Dinamização das Zonas Rurais Dinamização das Zonas Rurais Dinamização das Zonas Rurais A Abordagem LEADER A Europa investe nas Zonas Rurais As zonas rurais caracterizam-se por condições naturais e estruturais que, na maioria dos

Leia mais

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação 1 Incentivos financeiros à internacionalização Em 2010 os incentivos financeiros à internacionalização, não considerando

Leia mais

Gabinete do Governador e dos Conselhos

Gabinete do Governador e dos Conselhos Discurso do Governador do Banco de Cabo Verde, Carlos Burgo, no acto de inauguração da nova agência do Banco Africano de Investimento no Plateau, Cidade da Praia, 5 de Fevereiro de 2010. 1 Exmo. Sr. Presidente

Leia mais

www.tese.org.pt www.facebook.com/tese.ongd www.linkedin.com/in/teseongd

www.tese.org.pt www.facebook.com/tese.ongd www.linkedin.com/in/teseongd www.tese.org.pt www.facebook.com/tese.ongd www.linkedin.com/in/teseongd Energias Renováveis e o Desenvolvimento Social 1. Apresentação da Instituição 2. Projectos da Área das Energias Renováveis e Impactes

Leia mais

1. (PT) - Diário Económico, 07/12/2012, Portuguesa Gesto Energy ganha planeamento energético de Angola 1

1. (PT) - Diário Económico, 07/12/2012, Portuguesa Gesto Energy ganha planeamento energético de Angola 1 Tema de Pesquisa: Internacional 07 de Dezembro de 2012 Revista de Imprensa 07-12-2012 1. (PT) - Diário Económico, 07/12/2012, Portuguesa Gesto Energy ganha planeamento energético de Angola 1 2. (PT) -

Leia mais

Decreto-Lei n.º 56/2006, de 15 de Março

Decreto-Lei n.º 56/2006, de 15 de Março Decreto-Lei n.º 56/2006, de 15 de Março EXPLORAÇÃO DE JOGOS SOCIAIS (DISTRIBUIÇÃO DOS RESULTADOS LÍQUIDOS) (LOTARIAS - TOTOBOLA TOTOLOTO TOTOGOLO LOTO 2 JOKER - EUROMILHÕES) A afectação das receitas dos

Leia mais

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às Câmara Municipal da Departamento de Educação e Desenvolvimento Sociocultural Divisão de Intervenção Social Plano Municipal contra a Violência Rede Integrada de Intervenção para a Violência na Outubro de

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011

GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011 GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011 Versão Preliminar Este relatório tem por objectivo da conta do que de mais relevante foi realizado no cumprimento

Leia mais

para um novo ano lectivo

para um novo ano lectivo Ano Lectivo 2008/09 20 medidas de política para um novo ano lectivo Este documento apresenta algumas medidas para 2008/09: Apoios para as famílias e para os alunos Modernização das escolas Plano Tecnológico

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO 2006-2011

PLANO ESTRATÉGICO 2006-2011 PLANO ESTRATÉGICO 2006-2011 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Versão 0/Junho 2006 INDICE 1. Introdução 2. Visão, missão, valores 3. A estrutura do plano 4. Programa 1 6. Programa 2 Reforço da administração da justiça

Leia mais

III. DESENVOLVIMENTO DA PROGRAMAÇÃO FINANCEIRA DO INVESTIMENTO

III. DESENVOLVIMENTO DA PROGRAMAÇÃO FINANCEIRA DO INVESTIMENTO PIDDAR 2009 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 111 III. DESENVOLVIMENTO DA PROGRAMAÇÃO FINANCEIRA DO INVESTIMENTO PIDDAR 2010 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 113 Quadro I Programação do Investimento por Programas

Leia mais

Protecção Social em Moçambique

Protecção Social em Moçambique Republica de Moçambique Missão de Estudo Brasil - África de Cooperação e Promoção da Protecção Social Protecção Social em Moçambique Brasília, 25 de Agosto de 2008 Protecção Social em Moçambique Protecção

Leia mais

1º CONTRIBUTO DA UGT O EMPREGO DOS JOVENS INICIATIVA OPORTUNIDADE PARA A JUVENTUDE

1º CONTRIBUTO DA UGT O EMPREGO DOS JOVENS INICIATIVA OPORTUNIDADE PARA A JUVENTUDE 1º CONTRIBUTO DA UGT O EMPREGO DOS JOVENS INICIATIVA OPORTUNIDADE PARA A JUVENTUDE I. Enquadramento A UGT regista o lançamento da Iniciativa Oportunidade para a Juventude em Dezembro de 2011 e, no âmbito

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2009

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2009 GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2009 1. Análise do Plano Plurianual de Investimentos (PPI) O plano plurianual de investimentos para 2009 tem subjacente um planeamento financeiro que perspectiva a execução dos

Leia mais

Audiência Parlamentar Internacional em Moçambique Maputo, 19 de Setembro de 2009 1. ELECTRIFICAÇÃO RURAL EM MOÇAMBIQUE Moçambique é rico em recursos energéticos, como é o caso da energia hidroeléctrica,

Leia mais

Comemorações do 35º Aniversário do Banco de Cabo Verde. Conferência internacional sobre A mobilização de oportunidades no pós-crise

Comemorações do 35º Aniversário do Banco de Cabo Verde. Conferência internacional sobre A mobilização de oportunidades no pós-crise Comemorações do 35º Aniversário do Banco de Cabo Verde Conferência internacional sobre A mobilização de oportunidades no pós-crise Senhora Ministra das Finanças, Senhores Representantes Diplomáticos, Senhores

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO VOLUNTARIOS SOCIAIS DO CONCELHO DE ALBERGARIA-A-VELHA - PROGRAMA ALBERGARIA SOLIDÁRIA NOTA JUSTIFICATIVA No âmbito de uma política social que se vem orientando para potenciar

Leia mais

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 1 2 O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 3 A origem do Fundo Social Europeu O Fundo Social Europeu foi criado em 1957 pelo Tratado de Roma,

Leia mais

CONFERÊNCIA DOS MINISTROS DO TRABALHO E SEGURANÇA SOCIAL E DOS ASSUNTOS SOCIAIS DA CPLP

CONFERÊNCIA DOS MINISTROS DO TRABALHO E SEGURANÇA SOCIAL E DOS ASSUNTOS SOCIAIS DA CPLP CONFERÊNCIA DOS MINISTROS DO TRABALHO E SEGURANÇA SOCIAL E DOS ASSUNTOS SOCIAIS DA CPLP INTERVENÇÃO DO SENHOR EMBAIXADOR DOMINGOS DIAS PEREIRA MASCARENHAS, CHEFE DA DELEGAÇÃO, SOBRE O TEMA CENTRAL OS DESAFIOS

Leia mais

Projeto de Voluntariado para a Cooperação: MUITO MAIS MUNDO. Plano de acção para o Município de Santa Cruz, Santiago, Cabo Verde.

Projeto de Voluntariado para a Cooperação: MUITO MAIS MUNDO. Plano de acção para o Município de Santa Cruz, Santiago, Cabo Verde. Projeto de Voluntariado para a Cooperação: MUITO MAIS MUNDO Plano de acção para o Município de Santa Cruz, Santiago, Cabo Verde Versão concisa Coordenadores: Dr. José Mendes Alves, Câmara Municipal de

Leia mais

COMBATE AO TRABALHO INFANTIL Nota de Imprensa

COMBATE AO TRABALHO INFANTIL Nota de Imprensa COMBATE AO TRABALHO INFANTIL Nota de Imprensa No próximo dia 12 de Junho, comemora-se o Dia Mundial de Combate ao Trabalho Infantil. O PETI e o Escritório da OIT Organização Internacional do Trabalho em

Leia mais

Portugal 2020. Pedro Gomes Nunes. Director Executivo. Lisboa, Fevereiro 2014. www.risa.pt

Portugal 2020. Pedro Gomes Nunes. Director Executivo. Lisboa, Fevereiro 2014. www.risa.pt Pedro Gomes Nunes Director Executivo Lisboa, Fevereiro 2014 RISA - Apresentação ÁREAS DE NEGÓCIO Estudos e Projectos + 20 anos de experiência + 1.500 candidaturas a Fundos Comunitários aprovadas. + 1,6

Leia mais

Critérios de selecção

Critérios de selecção Emissor: GRATER Entrada em vigor: 01-06-2009 Associação de Desenvolvimento Regional Abordagem LEADER Critérios de selecção Os projectos serão pontuados através de fórmulas ponderadas e terão de atingir

Leia mais

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 Adão Augusto, Consultor 12-02-2015 1. Contextualização. Os projectos sociais fazem parte de um sistema complexo de relações que envolvem

Leia mais

EFIÊNCIA DOS RECURSOS E ESTRATÉGIA ENERGIA E CLIMA

EFIÊNCIA DOS RECURSOS E ESTRATÉGIA ENERGIA E CLIMA INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite para participar neste debate e felicitar os organizadores pela importância desta iniciativa. Na minha apresentação irei falar brevemente da

Leia mais

Apresentado por: Miquelina Menezes Maputo, 17 de Novembro de 2011

Apresentado por: Miquelina Menezes Maputo, 17 de Novembro de 2011 Energia Para Moçambique Análise do potencial do país no âmbito da geração de energias renováveis e revisão dos projectos de energia solar, eólica, hídrica, biomassa e biodiesel Apresentado por: Miquelina

Leia mais

REGULAMENTO PROJECTO EMPREGO JOVEM E COESÃO SOCIAL

REGULAMENTO PROJECTO EMPREGO JOVEM E COESÃO SOCIAL REGULAMENTO PROJECTO EMPREGO JOVEM E COESÃO SOCIAL Página 1 de 7 CAPITULO I Enquadramento O Projecto Emprego Jovem e Coesão Social enquadra-se no Programa Regional para a Coesão Social e o Emprego Jovem,

Leia mais

DOS SISTEMAS MUNICIPAIS PARA A CRIAÇÃO DE UMA EMPRESA INTERMUNICIPAL DE ÁGUA E SANEAMENTO NA ILHA DE SANTIAGO

DOS SISTEMAS MUNICIPAIS PARA A CRIAÇÃO DE UMA EMPRESA INTERMUNICIPAL DE ÁGUA E SANEAMENTO NA ILHA DE SANTIAGO CÂMARA MUNICIPAL DA PRAIA DOS SISTEMAS MUNICIPAIS PARA A CRIAÇÃO DE UMA EMPRESA INTERMUNICIPAL DE ÁGUA E SANEAMENTO NA ILHA DE SANTIAGO - A reforma em curso e as necessidades em investimentos imediatos

Leia mais

Integrado do Vale do Minho. Av. Miguel Dantas, n.º 69. 4930-678 Valença. Tel.: +351 251 825 811/2. Fax: +351 251 825 620. adriminho@mail.telepac.

Integrado do Vale do Minho. Av. Miguel Dantas, n.º 69. 4930-678 Valença. Tel.: +351 251 825 811/2. Fax: +351 251 825 620. adriminho@mail.telepac. Eixo 3 do PRODER Dinamização das zonas Rurais Englobam no eixo 3 do PRODER Abordagem Leader as seguintes Medidas e Acções Medida 3.1 Diversificação da Economia e Criação de Emprego 3.1.1 Diversificação

Leia mais

INICIATIVA PARA O INVESTIMENTO E EMPREGO

INICIATIVA PARA O INVESTIMENTO E EMPREGO FISCAL N.º 1/2009 JAN/FEV 2009 INICIATIVA PARA O INVESTIMENTO E EMPREGO Nuno Sampayo Ribeiro No Conselho de Ministros de 13 de Dezembro de 2008 foi aprovado um reforço do investimento público. O qual será

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

Senhor Presidente. Senhoras e Senhores Deputados. Senhoras e Senhores Membros do Governo

Senhor Presidente. Senhoras e Senhores Deputados. Senhoras e Senhores Membros do Governo Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhoras e Senhores Membros do Governo O actual momento de crise internacional que o mundo atravessa e que, obviamente, afecta a nossa Região, coloca às

Leia mais

Estiveram presentes 98 técnicas em representação de 66 Instituições.

Estiveram presentes 98 técnicas em representação de 66 Instituições. 1. No dia 4 de Dezembro, a União Distrital de Santarém em parceria com Segurança Social, levou a efeito o ultimo dos 5 encontros realizados em várias zonas do distrito, sobre o tema "Encontros de Partilha",

Leia mais

A sustentabilidade da economia requer em grande medida, a criação duma. capacidade própria de produção e fornecimento de bens e equipamentos,

A sustentabilidade da economia requer em grande medida, a criação duma. capacidade própria de produção e fornecimento de bens e equipamentos, REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE -------- MINISTÉRIO DA ENERGIA GABINETE DO MINISTRO INTERVENÇÃO DE S.EXA SALVADOR NAMBURETE, MINISTRO DA ENERGIA, POR OCASIÃO DA INAUGURAÇÃO DA FÁBRICA DE CONTADORES DA ELECTRO-SUL

Leia mais

Visão e Estrategia Guiné-Bissau 2025 - Dominio das Infra-estruturas. Macau, 5 de Junho de 2015

Visão e Estrategia Guiné-Bissau 2025 - Dominio das Infra-estruturas. Macau, 5 de Junho de 2015 REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU Encontro Ministerial «Desafios para Cooperação entre China e os Paises de Lingua Portuguesa no dominio das Infra-estruturas: Alternativas de Financiamento» Visão e Estrategia

Leia mais

VISITA DA REDE DE PARLAMENTARES PARA A POPULAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO ÀS ILHAS DO FOGO E DA BRAVA DE 02 A 07 DE AGOSTO/2015 PROGRAMA DE VISITA

VISITA DA REDE DE PARLAMENTARES PARA A POPULAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO ÀS ILHAS DO FOGO E DA BRAVA DE 02 A 07 DE AGOSTO/2015 PROGRAMA DE VISITA VISITA DA REDE DE PARLAMENTARES PARA A POPULAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO ÀS ILHAS DO FOGO E DA BRAVA DE 02 A 07 DE AGOSTO/2015 PROGRAMA DE VISITA ENQUADRAMENTO A Rede de Parlamentares para a População e o

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira Inclusão Financeira Inclusão Financeira Ao longo da última década, Angola tem dado importantes passos na construção dos pilares que hoje sustentam o caminho do desenvolvimento económico, melhoria das

Leia mais

Apoio à Empregabilidade e Inclusão dos Jovens

Apoio à Empregabilidade e Inclusão dos Jovens Apoio à Empregabilidade e Inclusão dos Jovens O novo domínio de atuação Luís Madureira Pires Aprovação e objetivos do Programa 2013-16 O Programa Cidadania Ativa é um dos 8 programas em vigor em Portugal

Leia mais

I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Cascais, 23 de junho de 2015. Declaração de Cascais

I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Cascais, 23 de junho de 2015. Declaração de Cascais I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Cascais, 23 de junho de 2015 Declaração de Cascais Os Ministros responsáveis pela Energia da Comunidade dos Países de Língua

Leia mais

Diálogo 5 + 5. Quinta Conferência Ministerial. sobre a "Migração no Mediterrâneo Ocidental" Algeciras, 12 e 13 de Dezembro de 2006

Diálogo 5 + 5. Quinta Conferência Ministerial. sobre a Migração no Mediterrâneo Ocidental Algeciras, 12 e 13 de Dezembro de 2006 Diálogo 5 + 5 Quinta Conferência Ministerial sobre a "Migração no Mediterrâneo Ocidental" Algeciras, 12 e 13 de Dezembro de 2006 Conclusões da Presidência Nos dias 12 e 13 de Dezembro de 2006 teve lugar

Leia mais

Auto-emprego Juvenil e o Papel das Cooperativas Modernas Maputo, 02 de Agosto de 2012

Auto-emprego Juvenil e o Papel das Cooperativas Modernas Maputo, 02 de Agosto de 2012 Auto-emprego Juvenil e o Papel das Cooperativas Modernas Maputo, 02 de Agosto de 2012 Por Ocasião do Lançamento do Projecto Oficinas de Trabalho e Aprendizagem promovido pela O nosso bem estar e a qualidade

Leia mais

40 Anos de Internacionalização A Experiência de uma Empresa de Engenharia

40 Anos de Internacionalização A Experiência de uma Empresa de Engenharia A Experiência de uma Empresa de Engenharia Victor Carneiro Presidente da Comissão Executiva da COBA www.coba.pt Fundada em 1962, a COBA, S.A0 é hoje uma das maiores empresas de Consultores de Engenharia

Leia mais

MODERNIZAÇÃO E CAPACITAÇÃO DAS EMPRESAS

MODERNIZAÇÃO E CAPACITAÇÃO DAS EMPRESAS MODERNIZAÇÃO E CAPACITAÇÃO DAS EMPRESAS Destina-se a apoiar. nas explorações agrícolas para a produção primária de produtos agrícolas - Componente 1. na transformação e/ou comercialização de produtos agrícolas

Leia mais

ESPOSENDE PACTO DE AUTARCAS

ESPOSENDE PACTO DE AUTARCAS ESPOSENDE PACTO DE AUTARCAS Novembro de 2010 CÂMARA MUNICIPAL DE ESPOSENDE ESPOSENDE AMBIENTE, EEM OBJECTIVOS DE COMBATE ÀS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS Até ao ano de 2020, Aumentar em 20% a eficiência energética

Leia mais

POCI Aviso n.º3/si/2015 Programa Operacional Fatores de Competitividade INOVAÇÃO PRODUTIVA ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS BENEFICIÁRIOS

POCI Aviso n.º3/si/2015 Programa Operacional Fatores de Competitividade INOVAÇÃO PRODUTIVA ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS BENEFICIÁRIOS ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS POCI Aviso n.º3/si/2015 Programa Operacional Fatores de Competitividade INOVAÇÃO PRODUTIVA O objetivo específico deste concurso consiste em conceder apoios financeiros a projetos

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem vive no Brasil Rural.

Leia mais

GPA Cabo Verde 2013. SHORTLIST - Categoria Energias Renováveis e Eficiência Energética PRÉMIO VENCEDOR. Educação Ambiental - Eficiência Energética

GPA Cabo Verde 2013. SHORTLIST - Categoria Energias Renováveis e Eficiência Energética PRÉMIO VENCEDOR. Educação Ambiental - Eficiência Energética GPA Cabo Verde 2013 SHORTLIST - Categoria Energias Renováveis e Eficiência Energética Menção Honrosa Cabeólica S.A. Escola de Negócios e Tecnologias de Cabo Verde Energia Eólica Educação Ambiental - Eficiência

Leia mais

Através de projectos estruturantes, 1. construir as referências da modernidade dos países e das regiões, 2. criar redes sólidas de suporte ao

Através de projectos estruturantes, 1. construir as referências da modernidade dos países e das regiões, 2. criar redes sólidas de suporte ao Desenvolvimento Através de projectos estruturantes, 1. construir as referências da modernidade dos países e das regiões, 2. criar redes sólidas de suporte ao desenvolvimento económico, 3. mobilizar os

Leia mais

Plano de Actividades do CEA para 2006

Plano de Actividades do CEA para 2006 Plano de Actividades do CEA para 2006 A Direcção do CEA propõe-se preparar as condições para atingir diferentes objectivos e procurar apoios para a sua realização. 1. Objectivos Prioritários 1.1 Redesenhar

Leia mais

I EMJ 8 de Junho de 2013 Recomendações finais Participantes nos grupos de trabalho que produziram as recomendações:

I EMJ 8 de Junho de 2013 Recomendações finais Participantes nos grupos de trabalho que produziram as recomendações: Nr Área Recomendação Valido Abstenh o-me C/6 E/7 F/7 Voluntariado Aproveitar espaços sem utilização para fazer jardins, espaços para convívio e locais de desporto para a população. Promover a limpeza dos

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Social

Programa de Desenvolvimento Social Programa de Desenvolvimento Social Introdução A Portucel Moçambique assumiu um compromisso com o governo moçambicano de investir 40 milhões de dólares norte-americanos para a melhoria das condições de

Leia mais

Case study. Gente com Ideias UMA EQUIPA COM RESPONSABILIDADE SOCIAL

Case study. Gente com Ideias UMA EQUIPA COM RESPONSABILIDADE SOCIAL Case study 2009 Gente com Ideias UMA EQUIPA COM RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESA A Caixa Seguros e Saúde é a holding do Grupo Caixa Geral de Depósitos e Gente com Ideias é o programa de Responsabilidade

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem

Leia mais

O Brasil Melhorou. 36 milhões. de brasileiros saíram da pobreza em 10 anos. 42 milhões. de brasileiros ascenderam de classe.

O Brasil Melhorou. 36 milhões. de brasileiros saíram da pobreza em 10 anos. 42 milhões. de brasileiros ascenderam de classe. O Brasil Melhorou 36 milhões de brasileiros saíram da pobreza em 10 anos 42 milhões de brasileiros ascenderam de classe Fonte: SAE/PR O Brasil Melhorou O salário mínimo teve um aumento real de 70% Em 2003,

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO O Programa Nacional de Microcrédito, criado pela Resolução do Conselho de Ministros Nº 16/2010, pretende ser uma medida de estímulo à criação de emprego e ao empreendedorismo entre

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA PARECER SOBRE O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA (Proposta de Regulamento sobre o Estatuto da AE e Proposta de Directiva que completa o estatuto da AE no que se refere ao papel dos

Leia mais

GRUPO PARLAMENTAR. É neste contexto mundial e europeu, que se deve abordar, localmente, a problemática da Luta Contra as Dependências.

GRUPO PARLAMENTAR. É neste contexto mundial e europeu, que se deve abordar, localmente, a problemática da Luta Contra as Dependências. O assunto que hoje trago a este Parlamento Luta Contra as Toxicodependências - não é de fácil abordagem, mas é de interesse relevante para a Região. No mundo em que vivemos existem problemas de ordem vária

Leia mais

Empreendimentos Turísticos Como Instalar ou Reconverter Novo Regime Jurídico

Empreendimentos Turísticos Como Instalar ou Reconverter Novo Regime Jurídico Empreendimentos Turísticos Como Instalar ou Reconverter Novo Regime Jurídico, Turismo de Portugal, I.P. Rua Ivone Silva, Lote 6, 1050-124 Lisboa Tel. 211 140 200 Fax. 211 140 830 apoioaoempresario@turismodeportugal.pt

Leia mais

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL 1 São muitas e variadas as soluções e medidas de apoio à competitividade empresarial. Na intervenção de abertura o Presidente da

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Benefícios Fiscais. Incentivos em regime contratual

Benefícios Fiscais. Incentivos em regime contratual Benefícios Fiscais O Estatuto dos Benefícios Fiscais consagra um conjunto de medidas de isenção e redução da carga fiscal para diversos tipos de projectos e investimentos. Os incentivos e benefícios fiscais

Leia mais

Solidariedade. Inovação. Oportunidade. Cultura. A s s o c i a ç õ e s F u n d a ç õ e s. E m p r e s a s C o o p e rativa s. Inclusão Social e Emprego

Solidariedade. Inovação. Oportunidade. Cultura. A s s o c i a ç õ e s F u n d a ç õ e s. E m p r e s a s C o o p e rativa s. Inclusão Social e Emprego Solidariedade A s s o c i a ç õ e s F u n d a ç õ e s P a r c e r i a Oportunidade Cultura E m p r e s a s C o o p e rativa s Empreendedorismo PORTUGAL Inclusão Social e Emprego Inovação A c o r d o I

Leia mais

Quadro jurídico no sistema educativo português

Quadro jurídico no sistema educativo português I Simpósio Luso-Alemão sobre a Qualificação Profissional em Portugal - Oportunidades e Desafios Isilda Costa Fernandes SANA Lisboa Hotel, Av. Fontes Pereira de Melo 8, Lisboa 24 de novembro 2014 Contexto

Leia mais

RECONHECIDA PELO GOVERNO DE CABO-VERDE, CONFORME O BOLETIM OFICIAL N.º 40 I SERIE, DE 23 DE NOVEMBRO DE 2001

RECONHECIDA PELO GOVERNO DE CABO-VERDE, CONFORME O BOLETIM OFICIAL N.º 40 I SERIE, DE 23 DE NOVEMBRO DE 2001 PROJECTO FORUM INTERNACIONAL JUVENTUDE (FIJ)- UMA FORMA DA CIDADANIA ENCURTAR A DISTÂNCIA, FORTALECER A CIDADANIA ILHA DO SAL, REPÚBLICA DE CABO-VERDE DE 11 A 16 DE MAIO DE 2009 ACM-BREVE HISTORIAL A Associação

Leia mais

São mais de 80 os serviços que garantem o correcto acondicionamento e encaminhamento do papel/cartão para os respectivos pontos de recolha.

São mais de 80 os serviços que garantem o correcto acondicionamento e encaminhamento do papel/cartão para os respectivos pontos de recolha. A Câmara Municipal procura ser um exemplo de bom desempenho ambiental. A gestão ambiental da autarquia promove, através de um conjunto de projectos, a reciclagem junto dos munícipes e dos seus trabalhadores.

Leia mais

UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, Ethiopia P.O. Box 3243 Téléphone: 251115511092 Fax: 251115510154 Site Internet: www.africa-union.org

UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, Ethiopia P.O. Box 3243 Téléphone: 251115511092 Fax: 251115510154 Site Internet: www.africa-union.org WG11036 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, Ethiopia P.O. Box 3243 Téléphone: 251115511092 Fax: 251115510154 Site Internet: www.africa-union.org ANÚNCIO E CONVITE PARA APRESENTAÇÃO

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

Leia mais

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm Anexo C: Súmula das principais iniciativas desenvolvidas na Europa na área da Sociedade de Informação e da mobilização do acesso à Internet em banda larga Para informação adicional sobre os diversos países

Leia mais

SIPPE-RAM Sistemas de Incentivos a Pequenos Projectos Empresariais da Região Autónoma da Madeira

SIPPE-RAM Sistemas de Incentivos a Pequenos Projectos Empresariais da Região Autónoma da Madeira SIPPE-RAM Sistemas de Incentivos a Pequenos Projectos Empresariais da Região Autónoma da Madeira O presente documento pretende fazer um resumo do Decreto Legislativo Regional n.º 21/2/M de 21 de Agosto

Leia mais

Soluções CA para a Agricultura, Agro-Indústria Floresta e Mar

Soluções CA para a Agricultura, Agro-Indústria Floresta e Mar Soluções CA para a Agricultura, Agro-Indústria Floresta e Mar Quem somos O Grupo Crédito Agrícola é um Grupo Financeiro de âmbito nacional, integrado por um vasto número de bancos locais Caixas Agrícolas

Leia mais