ANOS ao serviço da mediação de seguros. Jornal dos Seguros n.º 601/Ano XII Edição de 21/01/2013 Página

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1976 2013 37 ANOS ao serviço da mediação de seguros. Jornal dos Seguros n.º 601/Ano XII Edição de 21/01/2013 Página"

Transcrição

1 REGULADOR ALERTA PARA RISCOS DE SOLVÊNCIA E LIQUIDEZ DAS SEGURADORAS O Instituto de Seguros de Portugal, presidido por José Almaça, alerta o setor para risco de rendibilidade e de solvabilidade das seguradoras devido aos resgates. O setor segurador tem mais de 70% da sua carteira de ativos, obrigações e ações, alocada à atividade financeira, e mais de 20% investida em dívida pública. Um perfil de investimento que leva o regulador a alertar para os riscos de rendibilidade e de solvabilidade das seguradoras. Na sua primeira edição do Risk Outlook, ontem divulgado, o Instituto de Seguros de Portugal (ISP) observa ainda que o elevado montante de resgates com que o setor tem sido confrontado é também potenciador de risco de liquidez, podendo mesmo forçar as seguradoras a alterar a sua estratégia de investimento. De acordo com o regulador, o atual momento de quebra de produção aliado ao aumento de resgates, poderá levar algumas empresas a ter de aumentar a "disponibilidade de ativos facilmente convertíveis em numerário", afetando "necessariamente a rendibilidade global da carteira". As seguradoras entram em 2013 confrontadas com vários desafios. Por um lado, os riscos inerentes à situação económica do país - desemprego, diminuição do rendimento disponível, corte de benefícios fiscais associados a PPR - afetam o potencial de crescimento do setor. O regulador nota ainda que o atual momento de taxas de juro historicamente baixas pode colocar em causa a sustentabilidade de produtos com taxa de juro garantida. Isto porque "poderá levar à queda dos retornos médios obtidos para níveis inferiores aos das taxas mínimas garantidas" o que, em larga escala, "pode ter reflexos na solvência dos operadores", nota o ISP. Apesar dos riscos identificados, o ISP nota que "a taxa de cobertura da margem de solvência permanece claramente acima dos 100%, estimando-se que tenha atingido, em termos globais, os 255% no terceiro trimestre de 2012". Também aqui as seguradoras preparam-se para enfrentar alterações, através de regras mais exigentes, nomeadamente ao nível ao das regras de avaliação dos ativos e passivos, do cálculo dos requisitos de capital, do sistema de governação e do reporte e divulgação pública de informação. Diário Económico 15/01/2013 CRISE FAZ CAIR SEGUROS DE ACIDENTES DE TRABALHO Prémios. Por causa do aumento do desemprego, a produção de seguros de trabalho está entre as que mais caíram - uma descida de 10,6% no ano passado. Seguro automóvel perdeu 5,4% O agravamento do desemprego e o desaparecimento de inúmeras empresas estão a deixar sem rede os seguros de acidentes de trabalho. Em 2012, o montante de prémios deste seguro caiu para 555,9 milhões de euros, uma quebra de 10,6% no espaço de apenas um ano, segundo os dados divulgados pelo Instituto de Seguros de Portugal (ISP). Só as quatro principais seguradoras no ramo de acidentes de trabalho, que representam mais de metade do mercado - Fidelidade, Açoreana, Tranquilidade e Axa-, registaram, no conjunto, uma quebra de 11% face a "A redução da massa salarial segurável conduz necessariamente a uma diminuição do negócio. Adicionalmente, registou-se uma forte competitividade entre as companhias de seguros a atuar no mercado português, que levou a uma política de preços muito mais agressiva. O ISP continuará a dar especial atenção a essa matéria este ano", afirmou José Almaça, presidente do ISP em declarações ao DN / Dinheiro Vivo. Os seguro de acidentes de trabalho garantem a eventual responsabilidade da entidade empregadora por acidentes ocorridos com os trabalhadores, no desempenho da atividade profissional. Além disso, também cobrem o denominado risco de trajeto, ou seja, os acidentes ocorridos no percurso de e para o local de trabalho. O cenário é ainda mais negro se forem contabilizados os períodos de 2009 a a quebra dos prémios atinge 18%. "Há cada vez menos pessoas empregadas e naturalmente os seguros de acidentes de trabalho, que são obrigatórios, têm vindo a registar uma forte descida", explica. Os números não deixam margem para dúvidas. Diariamente há mais 289 pessoas sem trabalho. No final do ano passado, de acordo com o Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP), estavam registados desempregados, mais 17,4% do que há um ano. A confirmarem-se as projeções de agravamento do desemprego para 2013, a queda nos prémios de seguros de acidentes de trabalho deverá aumentar ainda mais. Produção de seguros cai 5,3% O volume de produção de seguro direto em Portugal-incluindo todas as atividades do Ramo Vida e Não Vida-ascendeu a 11 mil milhões de euros. Um valor que se traduz num decréscimo de 5,3% face ao valor verificado em "Efetuando uma análise por ramos, conclui-se que a evolução negativa que se registou no mercado segurador deveu-se essencialmente à quebra verificada no ramo Vida (6,9%), apesar da produção dos ramos Não Vida também ter registado uma variação negativa (2,2%) ", adianta o ISP no relatório anual. Nos seguros Vida foram sobretudo os PPR, penalizados em termos fiscais, que levaram a uma queda mais acentuada da produção; os ramos que mais contribuíram para a -

2 quebra verificada na produção de Não Vida foram os acidentes de trabalho e automóvel, que representam mais de 53% da carteira em análise. OUTROS RAMOS VIDA - Os planos poupança reforma foram uma das principais razões para a queda da produção de 12,4% dos seguros de vida. Segundo o ISP, a redução do peso dos PPR, que em 2012 representaram 10,6% da produção do ramo Vida (17% em 2011), deve-se ao decréscimo da produção em 10%, fruto da redução dos incentivos fiscais. AUTOMÓVEL - Os prémios de seguros do ramo automóvel ascenderam a milhões de euros no ano passado, um valor que corresponde a uma queda de 5,4% face à produção verificada em A descida de vendas de automóveis novos e também de usados é a principal justificação para a redução deste sector, penalizando o ramo Não Vida. DOENÇA - Os seguros de doença contrariaram a tendência verificada no conjunto do setor e registaram uma subida. Segundo o ISP, no ano passado a produção destes seguros totalizou 552,8 milhões de euros. Um valor que corresponde a uma subida de 3,1% quando comparado com os 536,2 milhões de euros de prémios do ano anterior. MARÍTIMO E TRANSPORTES - O aumento das exportações das empresas portuguesas pode ser uma das justificações para se ter verificado um aumento dos seguros neste ramo de atividade. Os dados do ISP mostram que, em 2012, os prémios de seguros no ramo marítimo e de transportes ascendeu a 27,1 milhões de euros, o que corresponde a um aumento de 18% face a PERGUNTAS A... JOSÉ ALMAÇA / Presidente do ISP Desaceleração da economia penaliza seguros O que justifica a descida na atividade seguradora? A desaceleração da atividade económica conduz à menor colocação de novos riscos e redução da massa segurável. A diminuição do rendimento disponível das famílias, o aumento da pressão da banca na captação de poupanças, a eliminação/limitação dos benefícios fiscais e o aumento da taxa de desemprego justificarão, em grande parte, as variações negativas observadas. Nos seguros automóveis qual a principal razão para a queda? O setor não está desligado da evolução económica, pelo que a evolução do negócio das seguradoras no ramo automóvel reflete também essa realidade. A quebra nos acidentes de trabalho é relevante? De facto, em 2012 o ramo de acidentes de trabalho registou uma quebra superior a 10%, valor que ganha relevância tendo em conta o peso que este ramo tem na produção total (14%). Diário de Noticias 21/01/2013 Seguros VOLUME DE PRÉMIOS DAS COMPANHIAS CAIU 5,3% NO ANO PASSA- DO O volume dos prémios de seguros totalizou 11 mil milhões de euros no ano passado, o que representa uma quebra de 5,3% face ao valor verificado no período homólogo revelam os dados divulgados sexta-feira pelo Instituto de Seguros de Portugal (ISP). O ramo Vida foi o principal responsável pela quebra no volume de prémios de seguros, com uma descida de produção de 6,9% face ao mesmo período de 2011, para cerca de sete mil milhões de euros. Diário Económico 21/01/2013 Seguros SONAE GANHA 12 MILHÕES NA VENDA DA COOPER GAY A MDS, "holding" de corretagem de seguros da Sonae, encaixou 20,3 milhões de euros com a venda de 16,6% da britânica Cooper Gay Swett & Crawford, maior "broker" independente do mundo. A corretora reduziu a sua posição para 9,72%, numa operação que gerou uma mais-valia contabilística de 12 milhões. Como passa a ter menos de 10% da empresa britânica, vai haver uma alteração na forma de contabilização da posição, o que gerará um ganho adicional de 3,5 milhões. Jornal de Negócios 17/01/2013 Seguros EMPRESA SEGUROS E RISCOS, MDS CRIA PARCERIA A Seguros e Risco, MDS, empresa nacional de consultoria, iniciou atividade em Angola. De acordo com José Manuel Dias da Fonseca, presidente do Grupo MDS, a empresa vai «empregar, numa primeira fase, dez trabalhadores, na sua maioria angolanos. Para tal, foi assinado um acordo com um parceiro nacional que não tem ligação à área dos seguros, mas tem participações noutras empresas angolanas. Queremos ser uma referência, como somos em Portugal.» Contrata- -

3 da foi Jacqueline Legrand, antiga gestora de contas na IBM e Managing Director na Frank Crystal, em Nova Iorque, para responsável do grupo MDS. Em Portugal a MDS conta com 100 mil clientes (empresas) e 170 trabalhadores. Executive Digest 05/01/2013 SEGURO NÃO COBRE DANOS EM CARROS A maioria dos carros que sofreram estragos na sequência da queda de árvores, no último sábado, não está coberta por um seguro que proteja as viaturas dos chamados danos resultantes dos fenómenos da natureza. "Por lei é apenas obrigatório o chamado seguro contra terceiros, em que a seguradora assume os custos num acidente em que o responsável é o seu assegurado", referiu fonte da Associação Portuguesa de Seguradoras. Os restantes seguros para veículos são voluntários, nomeadamente os que protegem face a danos causados por fenómenos da natureza, como queda de árvores. Diferente é a situação das casas, em que o seguro de multirrisco cobre estes danos. Também nos prejuízos provocados em cerca de um milhão de residências devido aos cortes no fornecimento de energia elétrica, a EDP não possui qualquer responsabilidade, garantiu ao CM, Jorge Morgado, secretário geral da associação de defesa do consumidor - Deco. "A situação resulta de um fator externo à EDP", disse. Correio da Manhã 21/01/2013 SEGURADORAS DO BANIF VÃO AJUDAR À CAPITALIZAÇÃO DO BAN- CO O Banif realiza hoje a assembleia geral que ditará a intervenção do Estado através da aplicação de 1,1 mil milhões de euros. Atuais acionistas garantem 100 milhões, parte dos quais através das seguradoras O Banif vai juntar hoje os acionistas privados para aprovar o plano de recapitalização que prevê que o Estado se mantenha dominante na instituição até Até Junho deste ano, para além dos 150 milhões garantidos pelos atuais acionistas, parte substancial virá das seguradoras, diretamente ou por via da aplicação dos fundos dos clientes. Depois, além da participação do BES (50 milhões), o banco terá de ir ao setor privado buscar mais 300 milhões de euros um processo difícil e que arrancou há largos meses. A reunião que se realizará, hoje, pelas 11h, no Funchal, vai formalizar a entrada do Estado no capital do Banif, operação anunciada no último dia de 2012, quando foi anunciado que o banco seria intervencionado ao abrigo de um programa de saneamento, de onde resultou a injeção de fundos públicos de 1,1 mil milhões de euros (18 vezes superior ao seu valor de mercado), dos quais 700 milhões investidos diretamente. O Estado assegura, assim, posições dominantes no capital do Banif, que oscilam entre os atuais 99,2% e 60,6%, patamar que só será atingido se os privados injetarem os 450 milhões de euros acordados com o Ministério das Finanças, em articulação com o Banco de Portugal. Depois de o Estado ter entrado no Banif, possibilitando cumprir, nos prazos definidos, o rácio de capital exigido pelas autoridades, de 10% (o Core Tier 1 estava em 6,7%), os privados terão agora de injetar fundos de 450 milhões. Para respeitar o acordado com a tutela, os atuais acionistas, onde se incluem as herdeiras de Horácio Roque, já depositaram 100 milhões de euros, de modo a assegurar o acompanhamento do aumento de capital naquele valor. Mas, segundo apurou o PÚBLICO, entre 50 e 75 milhões de euros (dos 100 milhões confirmados) vão ser garantidos pela atividade seguradora do grupo Banif. O fundador do Banif, Horácio Roque, deixou em herança, à viúva Paula Caetano, o controlo da Soil, SGPS, holding que detém 52,31% da Rentipar Seguros, SGPS, que, por seu turno, domina 100% da Companhia de Seguros Açoreana (que possui 29,19% da Banif Açor Pensões). No entanto, no Verão do ano passado, Paula Caetano acabou por sair, no quadro das partilhas, da área seguradora, tendo as filhas de Horácio Roque ficado com os ativos. E será por esta via que será garantida parte do aumento de capital do banco. Nas negociações com as autoridades, o BES aceitou também tomar firme 50 milhões de euros, o que significa que se não conseguir, no aumento de capital, colocar as ações junto de outros investidores, ficará com elas em carteira. Nos próximos meses, o desafio da equipa de gestão liderada por Jorge Tomé, presidente executivo, e por Luís Amado, presidente não executivo, é encontrar novos investidores que tenham interesse em entrar no Banif para poder, mais tarde, ficar com a posição do Estado. Mas esta é uma tarefa que até agora se revelou frustrada. Desde meados de 2012 que a administração procura novos investidores sem sucesso, o que, aliás, inviabilizou a concretização do aumento de capital que deveria ter ocorrido antes do fecho do último exercício. Intervenção direta A injeção de fundos públicos no Banif, que tem uma quota de mercado de cerca de 4%, concretiza-se por duas vias: diretamente, investindo 700 milhões de euros no capital, e através de um empréstimo de 400 milhões de euros através da emissão de ações convertíveis em capital (coco bonds) pelo que pagará um juro de 9,5% (mais 1% do que o BCP e o BPI), que passará para 9,75% e depois para 10%. Embora a entrada do Estado no Banif seja, na prática, uma "nacionalização", ainda que transitória, pois fica dominante durante cinco anos (por um período até superior àquele em que se manteve no BPN), o termo não é utilizado por várias razões: a operação não foi objeto de diploma; evita-se o uso dos termos nacionalização e estatização para minorar o ónus negativo que uma decisão desta natureza tem sempre. -

4 Desta vez, ao contrário do que aconteceu no BPN, a intervenção estatal decorre ao abrigo de um contrato (plano de negócios, reembolsos, prazos de saída) que prevê o pagamento ao Estado, até 2017, de juros e de dividendos no valor de quase 340 milhões de euros [ler PÚBLICO de 7/1/2013]. Deste bolo, 42 milhões dizem respeito a juros do empréstimo de 400 milhões e que terão de ser pagos até ao final de 2014, sendo que 25 milhões vão ser liquidados este ano. Desde meados de 2012 que a administração procura novos investidores sem sucesso. Privados têm de aplicar 450 milhões de euros Público 16/01/2013 CAIXA VENDE SEGUROS SEM NEGÓCIO DE POUPANÇA DOS BALCÕES O grupo Caixa Geral de Depósitos vai criar uma sociedade autónoma onde será concentrada esta atividade do ramo Vida, que não deverá integrar o bolo a alienar da Caixa Seguros. É o primeiro grande passo para o arranque do processo de venda dos seguros da Caixa Geral de Depósitos (CGD): o grupo vai criar uma sociedade autónoma, para onde será transferido o negócio de produtos de poupança da atividade seguradora, atualmente vendidos aos balcões do banco, soube o Diário Económico. O principal objetivo deverá ser a alienação da Caixa Seguros - holding que concentra o negócio segurador do grupo Caixa - sem esta parte do negócio. O pedido da autorização desta operação seguiu já na semana passada para o Instituto de Seguros de Portugal. A decisão de separar esta parte da atividade implica deixar fora do bolo a ser vendido uma parte muito relevante do negócio segurador do grupo. Isto porque o ramo Vida - área que traz mais negócio que o Não Vida -, tem como canal privilegiado de distribuição a rede de agências do banco, à semelhança do que acontece em mais grupos portugueses. Neste ramo está a oferta de poupança (que inclui PPR, produtos de capitalização, entre outros) e os produtos risco (como os seguros Vida). Esta segunda parcela do ramo Vida, os produtos de poupança não vendidos nos balcões bancários, e o negócio Não Vida (incluindo seguros automóvel e acidentes de trabalho) deverão constituir o bolo a vender. Esta separação do negócio da Caixa Seguros que é conseguido aos balcões da CGD tem outra vantagem, que é a de segregar um negócio que esteve sempre ligado ao banco. É com a CGD que é estabelecida a relação dos clientes que contratam produtos de poupança dos seguros vendidos aos balcões do banco. Outros grupos já têm este negócio separado há algum tempo, o que atualmente não acontecia no grupo CGD. A intenção de não vender parte importante do ramo Vida não é confirmada oficialmente, mas o Diário Económico sabe que esta autonomização facilita a mais que provável decisão de vender as companhias sem esta atividade. A nova sociedade permanecerá por agora na esfera da Caixa Seguros, mas de forma autónoma. Contactada, a CGD não quis fazer qualquer comentário. Após a venda acordada no ano passado do negócio de saúde do grupo, também a alienação dos seguros estava já prevista. Esta é uma vontade da gestão, que quer concentrar a atividade da Caixa na atividade bancária. Mas, mais do que isso, é uma meta prevista no acordo assinado com a troika, no âmbito da ajuda financeira concedida a Portugal. Na Caixa Seguros estão a Fidelidade Seguros - que resultou de uma fusão recente da Fidelidade Mundial e da Império Bonança, companhias onde está o grosso do negócio segurador - e ainda empresas como a Multicare, a OK Teleseguros, entre outras. É da Fidelidade Seguros que será retirado negócio, o que passa para a nova sociedade. Na última semana, o presidente executivo da CGD falou sobre a venda dos seguros. Questionado à margem de uma conferência, José de Matos referiu que o grupo "está a preparar todos os trabalhos necessários para que essa operação (de venda) seja feita em condições que não destruam capital do grupo. Ou seja, em condições que nos sejam vantajosas". Diário Económico 21/01/2013 CAIXA DEVERÁ TER PREJUÍZOS EM 2013 CGD - José de Matos revelou ontem que o banco público não está disponível para vender a área seguradora a qualquer preço "Continuamos com uma rendibilidade negativa e continuamos a ser afetados pela situação económica. Por isso, tivemos e vamos continuar a ter em 2013 resultados líquidos negativos", afirmou o presidente da Caixa Geral de Depósitos (CGD), na apresentação dos prémios da revista Exame "As 1000 maiores PME". José de Matos afirmou que o banco está hoje numa situação de "liquidez melhor do que há um ano". Sobre o apoio às empresas, disse que "há uma virtude particular de ser PME, que normalmente são empresas criadoras de emprego e isso é um ponto importante. Mas nós apoiamos todas as empresas desde que sejam bons riscos e os projetos sejam fiáveis". Questionado sobre como está a venda dos seguros, José de Matos explicou que a Caixa não está disposta a vender a área seguradora a qualquer preço. "Estamos a preparar todos os trabalhos necessários para que essa operação seja feita em condições que não destrua capital do grupo, ou seja, em condições que lhe sejam vantajosas". Sobre a possibilidade de regresso aos mercados, o presidente da Caixa reconheceu uma melhoria da perceção do risco relativamente a Portugal, mas mantém-se prudente. "Nunca podemos ter demasiada confiança nos mercados. São demasiadamente voláteis. Mas de um ponto de vista genérico têm sido positivos relativamente ao risco de Portugal." -

5 Interrogado sobre se o plano de recapitalização do Banif tinha um efeito positivo no mercado bancário, José de Matos não quis pronunciar-se, adiantando apenas que "todas as medidas que clarifiquem a situação do setor financeiro mais estável e mais robusta obviamente que favorecem o sistema financeiro português". Diário de Noticias 18/01/2013 COMO LIDAR COM ACIDENTES E DOENÇAS Os empregadores estão compelidos a respeitar o direito dos trabalhadores à informação, consulta, formação e reparação de eventuais danos. O direito fundamental dos trabalhadores a condições seguras de trabalho tem vindo a ganhar protagonismo, exigindo-se, cada vez mais, o cumprimento, por parte dos empregadores, das respetivas obrigações legais e convencionais por forma a assegurar a qualidade do ambiente de trabalho e garantir a redução de condições potenciadoras de sinistralidade e/ou de doenças. Neste âmbito, entre outras obrigações, os empregadores encontram-se compelidos a respeitar o direito dos trabalhadores à informação, consulta, formação e reparação de eventuais danos. Porém, no que concerne à matéria dos acidentes de trabalho e doenças profissionais, os empregadores não são os únicos que se encontram sujeitos ao cumprimento de deveres, também os trabalhadores devem diligenciar pela existência de condições seguras de trabalho, nomeadamente, cumprindo todas as prescrições legais, setoriais e organizacionais em termos de saúde e segurança no trabalho. Adicionalmente, os trabalhadores deverão cooperar para a melhoria do ambiente e condições de trabalho através de representantes eleitos para o efeito. Atenta tal responsabilidade e necessidade de interação entre as diferentes partes, as questões relativas à prevenção e reparação de acidentes de trabalho e doenças profissionais foi objeto de regulação específica, encontrando-se atualmente regulamentada no Código do Trabalho (aprovado pela Lei n. 07/2009, de 12 de Fevereiro) e em legislação complementar (Lei n. 102/2009, de 10 de Setembro e Lei n. 98/2009, de 4 de Setembro). De acordo com a referida legislação, considera-se existir um acidente de trabalho sempre que o sinistro se verifique no local e no tempo de trabalho e produza (direta ou indiretamente) lesão corporal, perturbação funcional ou doença de que resulte redução na capacidade de trabalho, redução de ganho ou a morte. Para melhor concretização do conceito de acidente de trabalho, a Lei elenca situações específicas que podem, ainda, ser qualificadas de acidente de trabalho, nomeadamente, ocorrências danosas verificadas: (i) no trajeto de ida para o local de trabalho ou de regresso deste; (ii) na procura de emprego durante o crédito de horas para tal concedido por Lei aos trabalhadores com processo de cessação do contrato de trabalho em curso; (iii) no local de trabalho e fora deste, quando no exercício do direito de reunião ou de atividade de representante dos trabalhadores; (iv) na execução de serviços espontaneamente prestados e de que possa resultar proveito económico para o empregador; e (v) fora do local ou tempo de trabalho, quando verificado na execução de serviços determinados pelo empregador ou por ele consentidos. A ligação entre o acidente, a lesão e a redução ou exclusão da capacidade de trabalho é imprescindível para constituição do direito de reparação do dano, existindo a presunção legal de que a lesão constatada é consequência do acidente de trabalho e competindo ao empregador a prova em contrário. Dos diplomas legais em referência e com vista à reparação do dano, importa salientar sobretudo a obrigatoriedade legal de o empregador transferir, mediante a celebração de contrato de seguro, a sua responsabilidade para entidades legalmente autorizadas a realizar o correspondente seguro de acidentes de trabalho. Neste âmbito, realce-se que as companhias seguradoras apenas são responsáveis até ao limite da retribuição declarada para efeito do prémio de seguro que não poderá ser inferior à retribuição mínima mensal garantida - RMMG (atualmente de 485,00 para Portugal Continental). Caso a retribuição comunicada à seguradora seja inferior à real, o empregador será responsabilizado pela diferença entre a retribuição declarada e a real relativa às indemnizações e pensões devidas, bem como pelas despesas efetuadas com a hospitalização e assistência clínica, na respetiva proporção. Destaque-se, a este propósito, que para o cálculo das indemnizações e pensões devidas em caso de acidente de trabalho, o conceito de retribuição é mais amplo do que aquele previsto no Código do Trabalho integrando, inclusivamente, o subsídio de alimentação. Com efeito, tem sido perfilhado pelos Tribunais que até "o fornecimento de refeição por parte de uma entidade patronal (nos termos constantes do seu Manual de Acolhimento e Normas de Regulamento de Serviço) constitui retribuição, nos termos do disposto no artigo 26., nº 3 da Lei nº 100/97, de 13 de Setembro" Logo, revela-se imprescindível que, em qualquer caso, o empregador determine o valor das refeições fornecidas e comunique o mesmo à seguradora, a fim de evitar futura responsabilidade. Note-se, ainda, que as normas legais relativas aos acidentes de trabalho aplicam-se, com as devidas adaptações, também às doenças profissionais. Para que exista direito a reparação em caso de doença profissional, torna-se fulcral a verificação cumulativa dos seguintes requisitos: (i) estar o trabalhador afetado por doença profissional; e (ii) ter estado o trabalhador exposto ao respetivo risco pela natureza da indústria, atividade ou condições, ambiente e técnicas do trabalho -

6 habitual. Embora as doenças profissionais constem de lista organizada (publicada em Diário da República), a Lei prevê a possibilidade da respetiva proteção mesmo que a doença esteja excluída da referida lista se existir prova de que a doença sofrida resultou necessária e diretamente da atividade exercida e não de normal desgaste do organismo. Finalmente, atente-se que contrariamente ao que sucede com os acidentes de trabalho, a proteção na eventualidade de doenças profissionais integra-se no âmbito do regime geral de segurança social, devendo o trabalhador estar inscrito e a situação contributiva regularizada. TOME NOTA 1. Cada vez mais, exige-se o cumprimento, por parte dos empregadores e trabalhadores, das respetivas obrigações legais e convencionais para redução de condições potenciadoras de sinistralidade e/ou de doenças; 2. No cálculo das indemnizações e pensões devidas em caso de acidente de trabalho, o conceito de retribuição é bastante amplo integrando, inclusivamente, o subsídio de alimentação; 3. Caso a retribuição comunicada à seguradora seja inferior à real, o empregador será responsabilizado pela diferença entre a retribuição declarada e a real; 4. As doenças profissionais constam de lista organizada, publicada em "Diário da República" e a sua proteção integra-se no regime geral de Segurança Social. Jornal de Negócios 17/01/2013 Acordo de parceria com o Teatro Micaelense COMPANHIA DE SEGUROS AÇOREANA PATROCINA MEHLIANA DE BRAD MEHLDAU Esta semana foi assinado o protocolo que formaliza o patrocínio da Companhia de Seguros Açoreana ao Teatro Micaelense, para a realização do espetáculo Mehliana, o novo projeto de Brad Mehldau. Numa altura marcada por inevitáveis restrições orçamentais, a Companhia de Seguros Açoreana viabiliza, assim, a realização de um espetáculo que junta um dos mais talentosos e aclamados pianistas de jazz contemporâneos com o baterista/percussionista Mark Guiliana. Este patrocínio reforça a relação de apoio que a Companhia de Seguros Açoreana mantém com o Teatro Micaelense e que se tem manifestado em diversas ocasiões, nomeadamente, e em parceria com o Banif, no apoio dado à programação geral, em 2005, e nos patrocínios oficiais dos concertos de Adriana Calcanhotto, em 2008, Amália Hoje, em 2010, e Amor Electro, em Em Mehliana, Brad Mehldau, munido do Fender Rhodes e de uma variedade de sintetizadores vintage, explora caminhos que o levam ao drum n`bass e ao espírito do funk e da música de dança do princípio dos anos 70. A harmonia e a melodia de Mehldau, envolvidas pelo virtuosismo rítmico de Guiliana, são um triunfo. Mehliana é dois dos mais interessantes instrumentistas mundiais, humanizando a música eletrónica, através da habilidade musical e da improvisação. Um espetáculo a não perder, a 26 de Março, no Teatro Micaelense. Correio dos Açores 19/01/2013 ENCOSTA ABAIXO, MAS PREVENIDO Antes de uma viagem à neve, analise os seguros de que é titular e as coberturas que precisa de contratar. No Inverno, há quem não dispense uma viagem à neve para experimentar vários desportos. O pior é quando, fruto da pouca experiência do esquiador ou de outra pessoa, ocorre uma queda, da qual resultam ferimentos. Se o acidente ocorrer no estrangeiro, a dúvida surge de imediato: como pagar as despesas inerentes? Neste artigo, a Dinheiro & Direitos indica as várias opções para se proteger e à sua família numa viagem à neve fora de Portugal. Se a solução passar por um seguro de viagem com extensão para desportos de Inverno, a Dinheiro & Direitos diz-lhe quais os produtos existentes e os mais adequados. Nem sempre é preciso seguro Se o destino da viagem é um país europeu, trate com antecedência do cartão europeu de seguro de doença. Este permite aceder aos serviços de saúde do país de destino em condições idênticas às dos cidadãos nacionais. Pode ser usado em todos os países da União Europeia, bem como no Liechtenstein, Noruega, Islândia e Suíça. Andorra, um destino bastante procurado pelos portugueses para a prática de desportos na neve, não aderiu a este cartão, pelo que não o poderá usar lá. Se comprar a viagem através de uma agência ou operador turístico, à partida, não precisa de se preocupar com o seguro. A grande maioria dos pacotes já o inclui. Caso lhe proponham a contratação de uma versão superior, analise as coberturas e o capital do seguro de base e pondere se vale a pena pagar mais por um produto mais abrangente. Para tal, siga-se pelo que é aconselhado no quadro comparativo. Quando não há uma agência de viagens envolvida, analise as coberturas que já possui através de outros produtos ou serviços antes de contratar o seguro. Se possuir automóvel, pode recorrer ao seguro de assistência em viagem para pagar as despesas médicas na sequência de acidente e transporte ou repatriamento de feridos, entre outras, mesmo que não -

7 tenha viajado com o carro. Analise as coberturas e os capitais, para saber o que está abrangido. Leve consigo o número de telefone para acionar o seguro e solicitar os serviços de assistência em caso de necessidade. Caso tenha comprado casa com recurso ao crédito, os riscos de morte e invalidez estão cobertos até ao limite da dívida: a seguradora entrega a indemnização ao banco e a casa fica paga. Se, mesmo assim, contratar outro seguro com aquelas coberturas, os capitais acumulam. Quem tem seguro de saúde também pode usá-lo para cobrir as despesas de tratamento na sequência de acidente no estrangeiro, desde que a estada seja inferior a 60 dias. Avise a seguradora antes de partir. Terá de pagar as despesas do seu bolso e, quando regressar, pedir o reembolso mediante a apresentação dos comprovativos. Família protegida por 100 euros Há situações em que a Dinheiro & Direitos recomenda a contratação de um produto que abranja, pelo menos, as coberturas de morte e invalidez permanente e despesas de tratamento. E o caso de um consumidor que não tenha automóvel ou, a ter, o seguro está em nome de alguém que não participa na viagem ou que não possua qualquer tipo de assistência. No quadro, encontra as propostas selecionadas pela revista da Deco, sendo que apenas o seguro da Açoreana é específico para cobrir acidentes pessoais durante a prática de desportos de Inverno. Através da cobertura de morte e invalidez, a seguradora paga uma indemnização quando aqueles riscos ocorrem na sequência de um acidente. E recomendado um capital mínimo de 50 mil euros. Nas despesas de tratamento estão incluídas não só as necessárias para tratar as lesões sofridas, como as relacionadas com o regresso a Portugal em transporte adequado. E aconselhado um capital de, pelo menos, euros. A cobertura de responsabilidade civil é interessante para os consumidores menos experientes, desde que não estejam protegidos por outro seguro. Paga os danos corporais ou materiais provocados a terceiros durante a viagem ao estrangeiro, incluindo durante a prática de esqui ou snowboard. Se tiver cartão de crédito, é provável que já inclua esta cobertura, mas, regra geral, os desportos de Inverno estão excluídos. Verifique. A Dinheiro & Direitos fez um teste prático junto de cinco seguradoras (Açoreana, Allianz, Fidelidade Mundial, Ocidental e Zurich), para saber se é fácil contratar este seguro. Com base no seu cenário, a Dinheiro & Direitos pediu as condições e prémios de um seguro para a prática de esqui. A revista da Deco não teve dificuldade em obter os dados, embora, por ser pouco procurado, com exceção da Fidelidade Mundial, os funcionários que atenderam os técnicos da Deco tiveram de informar-se previamente. Os prémios apresentados foram idênticos ou semelhantes aos fornecidos pelas seguradoras. Só a Açoreana pediu 12 a 15% mais. O ESTUDO Foram comparados 12 produtos Foram contactadas 25 seguradoras para saber se comercializam algum seguro que cubra acidentes ocorridos durante a prática de desportos de Inverno. Oito companhias apresentaram soluções. Na maioria dos casos, trata-se de uma extensão do seguro de viagem, que abrange os desportos na neve. Só a Açoreana tem um seguro de acidentes pessoais específico para esta atividade. A Dinheiro & Direitos também perguntou a algumas estâncias de esqui se a contratação do seguro é obrigatória e se os forfaits (passes que permitem aceder às estâncias) incluem alguma cobertura de acidentes. A resposta foi negativa. Quanto a seguros, só são obrigatórios para as estâncias os que cobrem a responsabilidade destas em acidentes nas suas instalações, incluindo os ocorridos nos meios mecânicos. Diário Económico 18/01/2013 UNITEDHEALTH SOBE RECEITAS O UnitedHealth Group, maior grupo de seguros de saúde dos EUA, anunciou ontem que manteve os custos do quarto trimestre controlados e aumentou as receitas em mais de 11%. A empresa manteve ainda as previsões para o crescimento das receitas em, pelo menos, 11% este ano, e afirmou que os lucros deverão ascender a perto de 4%. Oje 18/01/2013 José Pedro Inácio confirma tendência de crescimento da venda direta de seguros "EM PERÍODOS DE CRISE OPTAR POR SEGUROS LOW-COST FAZ MAIS SENTIDO" - ENTREVISTA A JOSÉ PEDRO INÁCIO Cinco anos depois do início da atividade, a Logo, seguradora direta do grupo Espírito Santo, beneficia da procura crescente de seguros nos canais diretos, tradicionalmente conotados com simplificação e preços baixos. Um fenómeno que deverá ter continuidade em 2013, antevê José Pedro Inácio. O diretor-geral da Logo reconhece, no entanto, um "downgrade" nos planos contratados e procura agora fidelizar clientes através da venda cruzada Vida Económica - Cinco anos depois do início da operação, o balanço corresponde às expetativas ou a conjuntura de crise veio alterar as vossas perspetivas? José Pedro Inácio- O crescimento corresponde às expetativas. Chegar aos 100 mil clientes, ter uma carteira bastante interessante, ter 20% de quota de mercado [entre os operadores diretos] e ter lançado outros produtos corresponde intei- -

8 ramente às nossas expetativas e em alguns vetores até estamos acima delas. Nunca pensámos ser a segunda marca em recordação publicitária e hoje somos. Mas quando preparámos o modelo de negócio para a Logo antevíamos um determinado crescimento do PIB e um crescimento do setor de seguros que agora não se concretiza. O negócio, como um todo, está a reduzir e as condições macroeconómicas são muito diferentes, o que torna tudo mais difícil. Mesmo quando pensamos em prémios médios, é natural que nesta conjuntura de crise as pessoas procurem menos seguros com coberturas de danos próprios e optem mais por seguros contra terceiros. Este não era o contexto esperado, por isso há que ajustar o nosso desempenho a estes fatores. VE - Fizeram esse ajustamento para o momento atual ou a longo prazo? JPI - Neste momento, não é possível pensar que o cenário macroeconómico vai mudar no curto prazo. Fizemos ajustes no planeamento de novos produtos, cujo lançamento não foi tão rápido como tínhamos pensado inicialmente. E fizemos ajustes na própria oferta de seguro automóvel, mudando um pouco as coberturas disponíveis e os planos de fracionamento. Até mesmo o crescimento passou a ter menos importância que a otimização da operação. VE - A redução do poder de compra dos portugueses pode canalizar mais clientes para os operadores diretos, que estão conotados com preços mais baixos? JPI - Existe ainda uma grande inércia na mudança das pessoas. Mas neste período de crise, em que as pessoas procuram poupança, obviamente que os operadores "low-cost", como a Logo, fazem todo o sentido. Hoje, qualquer português que tenha o seu seguro a renovar ou que vai comprar um carro tende a procurar uma solução barata para o seu seguro. Também começa a ser cada vez mais claro que esta poupança não significa ter um produto com menos qualidade. Apenas estamos a falar de uma solução diferente na forma de servir o cliente. VE - Há perspetivas de crescimento para este ano? JPI - Nós acreditamos que os últimos lançamentos, e sobretudo as novas ofertas em saúde, vão permitir crescer em Agora estamos a apostar numa solução tripla de poupança, em que o cliente que esteja connosco nos três seguros automóvel, casa e saúde consegue uma poupança maior. VE - Estão a começar 2013 com essa aposta na venda cruzada. É uma boa estratégia de fidelização? JPI - Sim. Os clientes estão cada vez mais criteriosos. Hoje em dia mudam mais facilmente do que antes, assim que encontram uma oferta melhor. O preço é sempre o fator mais importante, mas também a qualidade de serviço, a rapidez e a simplicidade dos processos. Não será só o preço a fazer a diferença. VE - Que relação terão este ano os portugueses com o seguro de saúde? JPI - Há uma discussão grande na sociedade portuguesa sobre o papel do Serviço Nacional de Saúde (SNS) e o seu estado atual. As pessoas questionam-se sobre o que vai acontecer às taxas moderadoras e muitas pessoas estão a pensar se faz sentido ter um seguro de saúde, não só por causa das consultas, mas também pelas urgências, pela estomatologia ou pela oftalmologia. E eu acredito que o seguro de saúde será uma das prioridades dos portugueses em Porque as pessoas pensam no estado do SNS, em todas as mudanças que este está a atravessar, e querem garantir a sua proteção para não estarem muito tempo à espera de atendimento numa urgência e para irem a um dentista sabendo claramente quanto vão pagar. Por isso lançámos o seguro de saúde estruturado em módulos, para que a pessoa possa escolher as coberturas que lhe interessam para cada pessoa do agregado familiar. E a recetividade tem estado claramente acima das nossas necessidades, confirmando-nos que havia uma necessidade latente para um seguro de saúde com estas características. VE - O seguro da casa está a sofrer muito o impacto da crise? JPI - Aqui, a questão para muitas pessoas tem a ver com este ser ou não o momento certo para adquirir um seguro de casa. Porque quem tem um seguro de casa até valoriza a poupança conseguida com a nossa solução, mas quem não tem um seguro de casa nem sempre o valoriza suficiente para assumir um custo adicional neste momento. E há muitas pessoas sem seguro para o recheio das suas casas. Tal como há muitas pessoas que desconhecem que o seguro de incêndio é obrigatório para os apartamentos. VE - No seguro automóvel, há mais procura dos planos mais baratos? JPI - Claro que sim. Aqui nota-se muito o reflexo do contexto económico e a maior pressão sobre o prémio médio, assim como mais pedidos de fracionamento do prémio. VE - Confirma-se uma quebra na subscrição de coberturas de danos próprios? JPI - Sim. O fenómeno é claro: há uma passagem de coberturas de danos próprios para coberturas de responsabilidade civil (RC) e mesmo quem tinha seguro de RC com algumas coberturas facultativas, está a deixar de as ter para ficar só com a cobertura obrigatória. VE - É boa altura para lançar novos produtos? JPI - A Logo só lançará novos produtos se houver uma necessidade para satisfazer e nós pudermos acrescentar valor ao cliente. Não descartamos essa hipótese. Estamos sempre a estudar o mercado. Quota de mercado pode subir Com uma quota de mercado de 22% entre as operadoras diretas, a Logo detém atualmente uma quota de 1,3% no mercado geral de seguro automóvel e 2013 pode vir a confirmar a tendência crescente deste peso. "Acreditamos que o negócio das diretas vai continuar a crescer e o mercado de seguro automóvel a decrescer, por isso, sim, é possível -

9 aumentar a nossa quota de mercado", adianta José Pedro Inácio à Vida Económica. O responsável da Logo lembra que em 2008, aquando do início da operação, o negócio direto já tinha 10 anos de história em Portugal e a sua taxa de penetração era de 3%. Passados 5 anos, a penetração rondará atualmente os 6%, ou seja, em 5 anos este mercado ganhou tanto como havia ganho nos 10 anos anteriores. "Isto quer dizer que as diretas têm vindo a crescer acima do mercado e acreditamos que nos próximos anos isso vai continuar a acontecer. Não é por acaso que na vizinha Espanha a penetração chegou aos 15 a 20%", compara José Pedro Inácio. E poderá Portugal também chegar a essas taxas de penetração? "Vamos lá chegar, só não se sabe quando. Estas são questões geracionais. O tipo de serviço que se pretende vai mudando de geração para geração. E as novas gerações sentem-se mais atraídas por este tipo de oferta", salienta o diretor-geral da Logo. Vida Económica 18/01/2013 EMPREENDEDORES QUALIFICAM-SE PARA ATUAR NO SETOR SEGU- RADOR A ANJE dá início, no próximo dia 29 de janeiro, ao curso de Agentes, Corretores de Seguros e Mediadores de Resseguros". Promovida em parceria com a Formadapt, uma entidade homologada pelo Instituto de Seguros de Portugal, esta formação qualifica profissionais e empreendedores para a atuação num setor com crescente procura no mercado: o segurador. Vida Económica 18/01/2013 Fundos de pensões VALOR AUMENTA 9% EM 2012 O valor dos fundos de pensões geridos por seguradoras e sociedades gestoras subiu 8,7% no final do ano passado, face a 2011, atingindo 14,4 milhões de euros, de acordo com dados divulgados ontem pelo Instituto de Seguros de Portugal, presidido por José Figueiredo Almaça. Correio da Manhã 17/01/2013 Reforma RENTABILIDADE DOS PPR DO ESTADO RECUA PARA 8,17% Nos últimos, 12 meses (até 9 de Janeiro), a rentabilidade dos Certificados de Reforma situou-se nos 8,17%, segundo o folheto informativo mensal do Instituto de Gestão de Fundos de Capitalização da Segurança Social. Trata-se de uma descida face aos 9,05% registados no mês anterior. Os ganhos do PPR do Estado nos últimos 12 meses deveram-se sobretudo ao retorno do investimento em ações que valorizou 20,58%. Seguiu-se a dívida estrangeira com uma rentabilidade de 10%. Diário Económico 17/01/2013 ENSA ANUNCIA FUNDO DE PENSÕES ABERTO A ENSA, Seguros de Angola anunciou o lançamento no mercado do Fundo de Pensões Aberto Vida Tranquila. Este novo fundo estabelece dois tipos de contribuições destinadas a entidades particulares e coletivas, assegurando a constituição de uma poupança ou complemento de rendimento a médio e a longo prazo. Simultaneamente, assegura uma poupança de valor para financiar despesas com a educação dos filhos no futuro, entre outros benefícios. O aparecimento deste novo produto no mercado segurador integra-se no âmbito da política comercial da ENSA, visando assegurar o crescimento e o desenvolvimento da área de seguros. Manuel Gonçalves, presidente do Conselho de Administração da seguradora, esclareceu que o mesmo se destina à realização de dois planos de pensões, o "futuro garantido" e a "reforma tranquila", com uma capitalização progressiva das poupanças. Por seu lado, o secretário de Estado do Trabalho e Segurança Social, Sebastião Luquinda, referiu que o Fundo de Pensões Aberto Vida Tranquila é uma oportunidade indispensável para os cidadãos prepararem a velhice, sobretudo os jovens. O mesmo responsável recordou que o Ministério do Trabalho, Administração Pública e Segurança Social tutela o segundo patamar da proteção social, mas acrescentou ser no terceiro patamar que as pessoas conseguem a proteção social complementar. Executive Digest 05/01/

10 COSEC MAIS PERTO DOS CLIENTES A empresa fez um refresh à sua plataforma online de gestão de apólices de seguro de créditos, melhorando-a do ponto de vista da usabilidade e contemplando-a com novos recursos de comunicação Com os índices de relacionamento com o cliente através do canal online perto dos 99%, a Cosec procura desde sempre manter a sua plataforma o mais atualizada possível em termos tecnológicos e de funcionalidades. Mas a inovação que lhe deu origem em 1999, já na altura bastante à frente da praticada pelos seus concorrentes, e as atualizações entretanto feitas não permaneceram incólumes ao passar dos anos, tendo deixado de corresponder às expetativas do universo de utilizadores, cada vez mais exigente. Renovar a tecnologia e a imagem da plataforma, assim como incrementar e otimizar os serviços disponibilizados através da construção de um sistema fiável, uniformizado, intuitivo, de fácil navegação e com um design mais moderno e apelativo, tornou-se um objetivo estratégico para a equipa de gestão e tecnologia da Cosec. Foi a pensar nos seus clientes que a Cosec colocou online, no final do ano passado, a nova COSEC net - Plataforma Online de Gestão de Apólices de Seguro de Créditos, a ferramenta através da qual a Cosec se relaciona com os seus clientes em todo o processo de operacionalização de seguros de crédito. «As funcionalidades essenciais estavam todas lá, mas deixaram de estar acessíveis da melhor forma; era necessário simplificar», justifica Berta Dias da Cunha, administradora da Cosec. De acordo com esta responsável, o processamento dos pedidos é idêntico ao que já se fazia no passado, ou seja, contempla-se todo o ciclo de vida das apólices de seguro de créditos. A diferença é que em vez de ter de se passar por cinco ecrãs para terminar o registo de cada cliente, basta preencher um único ecrã para dar por concluído o processo. TODAS AS FUNCIONALIDADES EM MENOS ECRÃS A redução de ecrãs no processo de submissão de eventos deve-se, segundo Carlos Vinagre, responsável pelo projeto, ao processo de reestruturação dos ecrãs, que, ao serem «arrumados de outra forma, permitiu que se aproveitasse melhor o espaço e se aumentasse a usabilidade». Disponível desde o dia 22 de Novembro de 2012, a nova COSEC net permite uma redução de até 50% nos custos de gestão, o que justifica os elevados índices de utilização e que mais de 80% das principais operações necessárias à gestão das apólices sejam efetuadas através deste meio. Adicionalmente, a COSEC net passou também a incluir ferramentas de comunicação que permitem apoiar a utilização e manter os clientes a par da atividade geral da Cosec, nomeadamente no que concerne a eventos ou a informação específica relacionada com o seu negócio ou setor de atividade. Para o desenvolvimento do projeto, a Cosec contou com o apoio do parceiro Everis, e mobilizou uma equipa multidisciplinar de elementos da área de informática e da área comercial, e com a colaboração das restantes áreas da empresa. A plataforma tecnológica é OutSystems e por isso baseada em metodologia Agile. Carlos Vinagre justifica a opção por uma arquitetura SOA (service oriented architecture) com o facto de um dos objetivos da organização ser também a adoção de uma plataforma «o mais aberta possível». O responsável admite que a abordagem Agile permitiu que a solução fosse permanentemente testada, monitorizada e acompanhada internamente, e que fossem realizados ajustamentos e retificações durante todo o ciclo de criação da nova solução, e assim reduzir substancialmente os riscos do projeto. «Neste tipo de metodologia o utilizador final é também mais envolvido no projeto, ajudando a chegar ao projeto final», acrescenta Carlos Vinagre. INTEGRAÇÃO PACÍFICA COM A GESTÃO O projeto de desenvolvimento, desde o desenho à migração do projeto, demorou cerca de nove meses. «O roll out da aplicação foi feito por fases, optando-se primeiramente por migrar os clientes maiores, ou mais exigentes, do ponto de vista da quantidade de eventos gerados, que nos ajudaram a confirmar se a plataforma estava completamente funcional e adequada», afirma Berta Dias da Cunha. A integração com a infraestrutura tecnológica de base da Cosec foi pacífica. Carlos Vinagre explica que apenas foi necessário criar uma camada de integração que ligasse a aplicação de suporte ao negócio (ERP Gador) e a COSECnet. Na criação desta API, a Cosec contou com o apoio da Atos, que detém o Gador. No entanto, Carlos Vinagre sublinha que a tecnologia é apenas uma componente deste projeto, não podendo ser confundida com o projeto, mas sim como um recurso que suporta o projeto. «Claro que a tecnologia é importante, a segurança é importante, a otimização de sistemas é importante, mas isto é um projeto multidisciplinar que cobre todas as áreas da companhia, e como tal é um projeto de negócio, de suporte ao negócio», reafirma o responsável. Em matéria de investimento, entre licenciamento e custos internos, Berta Dias da Cunha contabiliza um custo superior a 200 mil euros e garante que o retorno é imediato e medido no incremento do nível de satisfação dos clientes. De acordo com esta responsável, o projeto no seu todo correu «muito bem», e está a gerar um feedback «muito positivo» junto dos clientes. A Jerónimo Martins destaca a imagem renovada e mais apelativa desta nova versão da COSECnet, considerando-a «bastante mais intuitiva em todas as suas funcionalidades». Por parte do cliente Repsol - Solred, a nova COSECnet representa «um grande salto qualitativo nos tempos de consulta, bem como na extração da informação em modo massivo para o PC local». Este cliente destaca ainda a arquitetura e conceção da plataforma, que diz estar «estruturada numa base mais intuitiva que a anterior e com maior aproximação às necessidades do utilizador». Jornal de Negócios 16/01/

11 Aktion Seguros A IDONEIDADE E A CONFIANÇA SÃO FUNDAMENTAIS A Aktion Seguros foi constituída em 2008 após vários projetos na mesma área onde os seus promotores estiveram envolvidos desde A Aktion Seguros neste momento dispõe de dois espaços estrategicamente selecionados de forma a garantir a proximidade aos seus clientes (Paço de Arcos e São Marcos). A Aktion Seguros é uma sociedade de mediação de seguros, e funciona dentro do enquadramento legal associado a esta área de atividade, e tem como principal função prestar um serviço de excelência aos nossos clientes. "Ao nível das nossas áreas de intervenção podemos destacar o apoio permanente quer no âmbito da procura de soluções mais competitivas em termos financeiros, bem como na área de sinistros. Diferenciamo-nos da concorrência ao nível da simplificação de processos e na celeridade da resolução dos sinistros. Para o efeito selecionámos um conjunto de seguradoras com as quais trabalhamos preferencialmente, e que nos oferecem soluções que vão de encontro às necessidades dos nossos clientes. Assumimos ao nível do mercado a nossa posição de Agentes Principais da Zurich, no entanto dispomos de outras importantes parcerias com a Lusitânia, Império Bonança, AIG e Hiscox". É objetivo genérico e fundamental prestar um serviço de excelência e criar laços de confiança com os clientes. "No entanto, a nossa visão global passa também por uma integração com a comunidade onde estamos inseridos e criar mais valias para todos os intervenientes. Com esse propósito já desenvolvemos algumas atividades, nomeadamente a participação na Feira Social de Paço de Arcos, no Festival 5 Elementos, periodicamente fazemos rastreios gratuitos nas nossas instalações, bem como temos apoiado a prática desporto e iniciativas locais". Persistência é seu principal lema, a famosa expressão "Não Desista" já salvou a humanidade tantas vezes e a história assim o reflete. "Os princípios que não abdicamos são a idoneidade e a confiança, são fundamentais para quem quer vingar na nossa atividade. Sabemos que na fase económica que atravessamos tudo tem um preço, mas para nós estes dois princípios não tem preço e não estão à venda nem por todo o dinheiro do Mundo". O espírito de equipa, o companheirismo e cumplicidade têm sido aspetos fundamentais na construção da sua equipa. Para o futuro preconizam um crescimento sustentado e a continuidade da qualidade de serviço que prestam aos seus clientes. AKTION SEGUROS PAÇO DE ARCOS Rua Manuel Pinhanços 9B/ Paço De Arcos Tel /Fax: AKTION SEGUROS SÃO MARCOS Rua Cidade de São Paulo 54 RC Ag.Cacém Tel.: Jornal de Oeiras 15/01/2013 SÓ 4% DOS PORTUGUESES TÊM FÉ NOS POLÍTICOS E 85% VÃO COR- TAR GASTOS ESTE ANO Estudo da Zurich mostra que os portugueses estão conscientes da necessidade de poupar, mas daí a conseguirem vai um longo caminho A confiança dos portugueses na classe política bate por esta altura recordes negativos, estando atualmente a níveis que só se encontram em Itália. Culpa de uma crise que os responsáveis se mostram cada vez mais incompetentes para resolver - das incertezas e da falta de garantias do discurso político, tanto no respeitante a medidas, como no que toca ao futuro da proteção social, dos salários e das pensões. Tudo isto, conjugado com a incapacidade dos portugueses de poupar algum dinheiro, já que viver no país é cada vez mais caro, destrói a confiança e está a fazer explodir o pessimismo em Portugal. São já 70% os portugueses que dizem estar "muito preocupados" com a crise, o valor mais alto entre Suíça, Itália, Alemanha, Áustria, Rússia e Espanha, outros dos países abordados pela Zurich no estudo "Como estamos a lidar com a crise económica?", com o objetivo de obter informações sobre como a população dos países inquiridos está a lidar com a crise económica e quais são os bens que consideram supérfluos. A estes 70% juntam-se mais 12% preocupados com o futuro do seu posto de trabalho. O estudo passou pela realização de 4067 entrevistas entre 24 de Outubro e 14 de Novembro. Em Portugal foram feitas 500 entrevistas telefónicas a maiores de 15 anos, de norte a sul do país. Com a confiança de apenas 4% dos inquiridos, a classe política portuguesa sai deste estudo com um valente chumbo dado pelos portugueses, só com equivalência na dada aos dirigentes italianos, em que apenas 3% dos inquiridos afirmam ter alguma esperança. Até em Espanha, onde o desemprego já atinge os 23%, os políticos saem melhor na fotografia, ainda que apenas ligeiramente, conseguindo o voto de confiança de 7% dos espanhóis. A incapacidade de poupar e de precaver o futuro é outra das razões para o crescente pessimismo nacional. "Este estudo confirma que os portugueses estão preocupados com o futuro e estão mais despertos para a necessidade de poupar. Por outro lado, é preocupante verificar que um terço dos portugueses não tem condições de poupar. No entanto, e tendo em conta a situação do Estado social, os portugueses devem tomar essa opção como prioritária e, na medida das suas possi- -

12 bilidades, poupar mensalmente a quantia que lhes é possível", sublinha Artur Lucas, diretor de Desenvolvimento de Soluções da Zurich em Portugal. A análise dos dados recolhidos pela Zurich mostra que, se por um lado 80% dos portugueses consideram importante poupar para a reforma, um total de 36% confessam não ter orçamento familiar que permita fazê-lo. 85% VÃO CORTAR NOS GASTOS Questionados sobre eventuais cortes no orçamento familiar no caso de uma diminuição nos ganhos, apenas 15% dos portugueses avançaram que não planeiam reduzir despesas, havendo assim 85% que o irão fazer. Entre as áreas na primeira linha dos cortes estão as férias e o turismo (63% dizem que vão cortar), as atividades de lazer, como concertos ou cinema (62%) e o vestuário e a restauração (ambos pouco abaixo dos 50%). Sinal dos tempos e da crescente preocupação com o futuro dos portugueses está a equiparação dos seguros à categoria de quase necessidade básica, surgindo junto à educação, à renda da casa, à alimentação e às bebidas para casa como últimos patamares em que os inquiridos estão dispostos a cortar. Nos países considerados, os portugueses são mesmo aqueles que menos vontade têm de cortar nos seguros (3%), com o valor mais próximo a surgir em Itália (7%). "Face à atual conjuntura económica, 21% dos portugueses confessam que aumentou a sua necessidade de ter boas coberturas nos seguros, mas admitem não ter disponibilidade para o concretizar." Com estes resultados em mão, salientou Artur Lucas ao i (ver ao lado), as seguradoras poderão tentar reequacionar a sua oferta para que, mesmo ficando um pouco menos abrangentes, possam oferecer algum tipo de garantia aos portugueses, pois estes "sentem-se cada vez mais inseguros e não querem abdicar da proteção". Expectativas e receios Crise económica 12% dos portugueses têm medo de ficar sem emprego Só 8% dos portugueses acreditam que o país vai resolver os problemas num futuro próximo Há 3% de portugueses "nada preocupados" com a crise económica no país Necessidade de um seguro Só 3% dos portugueses estão dispostos a gastar mais num seguro Já 13% dos inquiridos defendem que cabe ao governo ajudar os portugueses a contratar seguros 36% dos portugueses confessam não ter orçamento que lhe permita fazer poupanças-reforma Artur Lucas / Diretor de desenvolvimento de soluções da Zurich "96% DOS PORTUGUESES NÃO ACREDITAM NO DISCURSO POLÍTICO" O estudo mostra que houve um agravamento do pessimismo português em meses. Que razões estarão por detrás desse salto? É sinal de que os portugueses estão cada vez mais conscientes das dificuldades que têm que enfrentar e reflete também o facto de não saberem ainda qual o real impacto que o Orçamento do Estado vai ter nos seus rendimentos. Certo por agora é que vai haver uma redução de garantias ao nível da saúde, da segurança e das reformas, e tudo isto vai contribuindo para que estejamos pessimistas. Há também uma crescente perceção da necessidade de se poupar... É preciso poupar porque não se sabe como vai ser o amanhã. Os discursos políticos não inspiram confiança e as pessoas estão a viver muito preocupadas, Portugal aparece como o mais pessimista do total de sete países estudados, e mostra também que só 4% dos portugueses acreditam no que ouvem aos políticos. Isto quer dizer que há 96% de portugueses que não acreditam nos políticos. Na Suíça este valor é de 28%. Como conjugar a quebra dos rendimentos com a vontade de ter seguros? São 80% os portugueses que dizem que querem poupar mas apenas um terço diz ter essa possibilidade dada a falta de orçamento disponível. Contudo, em 11 hipóteses sobre onde iriam cortar em 2013, os portugueses põem os seguros no quarto lugar, sendo assim uma das categorias em que menos vão procurar reduzir. As pessoas sentem-se inseguras e não querem abdicar da proteção. São factos importantes, já que com estes dados em mão as seguradoras poderão tentar encontrar novas soluções, mais adequadas aos portugueses, mesmo que ofereçam apenas o essencial da proteção. Portugueses a dormir mal por culpa da crise chegam a 70% Num mês, o total de portugueses que dormia mal à conta da crise saltou de 50% para 70%, diz Zurich»Os resultados do estudo da Zurich agora divulgado "acentuam a tendência do recente inquérito [...] que concluía que metade dos portugueses dormia mal a pensar na crise financeira. Através deste novo estudo conclui-se que esta tendência aumentou, no período de um mês, de 50% para 70%", salienta a empresa no tratamento dos dados compilados. Em Espanha, com um desemprego já de 23%, a crise era apontada por 63% como a grande razão das noites mal dormidas no estudo divulgado em Novembro. A descrença dos portugueses na classe política também ficou evidente aquando da divulgação dos resultados do estudo "What keeps you awake at night", em que apenas 3% dos inquiridos deram aos políticos um lugar de destaque na pergunta sobre quem é responsável pela segurança e pela estabilidade das suas vidas. As relações familiares e de amizades foram na altura apontadas como as grandes garantias daquelas duas necessidades. "Em geral constata-se que a vida privada desempenha um papel significativo, como fonte de segurança, mas também como motivo de noites em branco. -

13 Tal revela a importância que cada um atribui à vida pessoal, não descurando para o bem-estar geral uma saúde financeira estável", apontou a Zurich em comunicado na altura. Além da crise financeira, 47% dos portugueses atribuíram às preocupações com a família/filhos a razão de não terem sonos descansados. Os problemas com os parceiros, segundo grande motivo de preocupação em Espanha, eram apontados por apenas 5% dos portugueses como preocupação de tirar o sono. A doença e a perda de um ente querido eram os maiores riscos que os portugueses identificavam então na sua vida, dando o terceiro lugar ao receio de cair no desemprego, logo seguido pela pobreza. Quanto a garantias, o estudo da Zurich mostrou que, se pudessem escolher, os portugueses dariam prioridade a uma saúde estável entre os seus entes queridos, dando o segundo lugar à estabilidade financeira. Ainda assim, 17% garantiram que, a escolher, desejariam sobretudo ter um "sono descansado". I 15/01/2013 Última hora DIAP CONSTITUI JOSÉ MARIA RICCIARDI ARGUIDO APÓS QUEIXA DA CMVM Presidente do BES foi ontem ouvido no DIAP como testemunha das transações efetuadas em O presidente do Banco Espírito Santo Investimento (BESI), José Maria Ricciardi, foi constituído arguido pelo Ministério Público, há cerca de três semanas, após ter prestado declarações no Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP). A revelação foi avançada ontem à noite pelo Público e confirmada pelo Económico. Em causa está a compra e venda de ações da EDP que envolveu o banco e a seguradora BES Vida, há cinco anos. De acordo com a informação recolhida pelo Económico, o DIAP terá tomado esta decisão na sequência de uma queixa da CMVM em Dezembro de 2012 e que implica também outros administradores do BES e quadros superiores, que serão também arguidos, para evitar a prescrição deste processo. As operações do BES Vida e do próprio BES terão decorrido nos dias 23 e 24 de Janeiro de 2008, ao mesmo tempo em que o BESI assessorava a operação de dispersão da capital da EDP Renováveis. Também ontem, o presidente-executivo do BES foi ouvido no DIAP de Lisboa. Ricardo Salgado foi inquirido na qualidade de testemunha, segundo fonte oficial do BES, citado pela Lusa, que remeteu mais explicações para o comunicado enviado ao Público. Até ao fecho desta edição, fonte oficial do BES não esteve contactável. "O DIAP solicitou informações a quadros superiores do BES e do BESI [Banco Espírito Santo Investimento], no âmbito de uma investigação iniciada pela CMVM relativamente a transações de ações da EDP, efetuadas em 2008, entre o BES e a BES Vida", refere o comunicado. A 19 de Dezembro, Ricardo Salgado foi ouvido, por iniciativa própria, no Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP), no âmbito da Operação Monte Branco, tornada pública em Junho de Neste caso, o DCIAP investigou um circuito financeiro entre gestores de fortunas, na Suíça, e clientes portugueses. Ricardo Salgado foi ontem ouvido no âmbito de uma investigação iniciada pela CMVM que envolve transações de ações da EDP na qualidade de testemunha. Diário Económico 15/01/

Relatório de evolução da atividade seguradora

Relatório de evolução da atividade seguradora Relatório de evolução da atividade seguradora 1.º Semestre 214 I. Produção e custos com sinistros 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros Danos d. Automóvel II PROVISÕES TÉCNICAS E ATIVOS REPRESENTATIVOS

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

Instituto de Seguros de Portugal Relatório de Regulação e Supervisão da Conduta de Mercado 2013

Instituto de Seguros de Portugal Relatório de Regulação e Supervisão da Conduta de Mercado 2013 Instituto de Seguros de Portugal Relatório de Regulação e Supervisão da Conduta de Mercado 2013 19 de novembro de 2014 Índice Relatório de Regulação e Supervisão da Conduta de Mercado 1 Atividade regulatória

Leia mais

S. R. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

S. R. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS RELATÓRIO SOBRE REGIME DE CAPITALIZAÇÃO PÚBLICA PARA O REFORÇO DA ESTABILIDADE FINANCEIRA E DA DISPONIBILIZAÇÃO DE LIQUIDEZ NOS MERCADOS FINANCEIROS (REPORTADO A 25 DE MAIO DE 2012) O presente Relatório

Leia mais

3. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões

3. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões Figura 5 Evolução de empréstimos, depósitos e taxas de juro do setor bancário 3% 2% 1% % -1% -2% -3% -4% -5% -6% -7% -8% Emprés mos concedidos pelo setor bancário (variação anual) dez-1 dez-11 dez-12 dez-13

Leia mais

www.pwc.pt/tax FCT e FGCT Aspetos contabilísticos Carla Massa Aspetos fiscais Rodrigo Rabeca

www.pwc.pt/tax FCT e FGCT Aspetos contabilísticos Carla Massa Aspetos fiscais Rodrigo Rabeca www.pwc.pt/tax Aspetos contabilísticos Carla Massa Aspetos fiscais Rodrigo Rabeca Enquadramento da Lei nº. 70/2013 no âmbito da IAS 19 / NCRF 28 Remunerações no âmbito da IAS 19 / NCRF 28 Benefícios aos

Leia mais

Sessão de Divulgação - ALBUFEIRA

Sessão de Divulgação - ALBUFEIRA Sessão de Divulgação - ALBUFEIRA Entidade: Centro de Emprego de Loulé Tema: Apoios à de Empresas e Criação do Próprio Emprego IEFP,I.P. 1. O Plano de Negócios 2. Apoios à Criação do Próprio Emprego ou

Leia mais

Privado. Mas o consumidor também pode

Privado. Mas o consumidor também pode Guia Financeiro Investidor Privado Este artigo foi redigido ao abrigo do novo acordo ortográfico. SEGUROS DE VIDA Crédito e família protegidos Se vai contratar o seguro por causa do empréstimo da casa,

Leia mais

A banca paga metade da taxa de IRC, as remunerações representam apenas 30% do VAB, e faltam 530 milhões contos Pág. 1

A banca paga metade da taxa de IRC, as remunerações representam apenas 30% do VAB, e faltam 530 milhões contos Pág. 1 A banca paga metade da taxa de IRC, as remunerações representam apenas 30% do VAB, e faltam 530 milhões contos Pág. 1 A BANCA PAGA METADE DA TAXA DE IRC, AS REMUNERAÇÕES DOS TRABALHADORES REPRESENTAM APENAS

Leia mais

Regulamento do Seguro Escolar

Regulamento do Seguro Escolar Regulamento do Seguro Escolar O presente documento constitui o Regulamento do Seguro Escolar a estabelecer no Colégio de S. Pedro e tem por base a legislação em vigor, nomeadamente, a Portaria n.º413/99,

Leia mais

3.2 Companhias de seguros

3.2 Companhias de seguros Desenvolvimento de produtos e serviços Tendo em conta o elevado grau de concorrência dos serviços bancários, os bancos têm vindo a prestar uma vasta gama de produtos e serviços financeiros, por um lado

Leia mais

Quais as principais diferenças entre um seguro de vida individual e um seguro de vida de grupo?

Quais as principais diferenças entre um seguro de vida individual e um seguro de vida de grupo? SEGURO VIDA Que tipo de seguros são explorados no ramo vida? A actividade do ramo Vida consiste na exploração dos seguintes seguros e operações: Seguro de Vida, Seguro de Nupcialidade /Natalidade, Seguro

Leia mais

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES Crescimento de volume de negócios: + 5.1% a valores e taxas

Leia mais

Os seguros na crise financeira

Os seguros na crise financeira Os seguros na crise financeira Intervenção do Presidente do ISP, Professor Doutor José Figueiredo Almaça, na Conferência Os seguros em Portugal, organizada pelo Jornal de Negócios Lisboa, 13 maio 2014

Leia mais

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Deliberação n.º 5/XII 1.ª

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Deliberação n.º 5/XII 1.ª PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar Projeto de Deliberação n.º 5/XII 1.ª Auditoria a realizar pelo Tribunal de Contas ao processo de nacionalização do BPN-Banco Português de Negócios e ao processo

Leia mais

O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS

O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS A economia mundial, em 2011, ficou marcada pela crise da dívida soberana de países da zona euro, pela desalavancagem do setor bancário devido a maiores exigências

Leia mais

CAPÍTULO I. 'LVSRVLo}HVJHUDLV 2EMHFWLYRV. 2UJDQL]Do}HVSURPRWRUDV

CAPÍTULO I. 'LVSRVLo}HVJHUDLV 2EMHFWLYRV. 2UJDQL]Do}HVSURPRWRUDV 'HFUHWR/HLQž GHGH6HWHPEUR O voluntariado é uma actividade inerente ao exercício de cidadania que se traduz numa relação solidária para com o próximo, participando, de forma livre e organizada, na solução

Leia mais

Transferência parcial para a Segurança Social das responsabilidades. dos fundos de pensões das instituições de crédito

Transferência parcial para a Segurança Social das responsabilidades. dos fundos de pensões das instituições de crédito Transferência parcial para a Segurança Social das responsabilidades dos fundos de pensões das instituições de crédito Audição parlamentar de 11 de janeiro de 2012 Muito bom dia, senhores Presidentes e

Leia mais

OS PLANOS POUPANÇA-REFORMA

OS PLANOS POUPANÇA-REFORMA 7 OS PLANOS POUPANÇA-REFORMA 7 OS PLANOS POUPANÇA-REFORMA As alterações no sistema de Segurança Social, bem como a importância da manutenção do nível de vida após a idade de aposentação, têm reforçado

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Instituto Português de Corporate Governance Auditório Victoria 27 de novembro 2013 Ana de Sá Leal economista Abordagem 1. Responsabilidade Social 2. Dimensão 3. Criar Valor 4. Outro

Leia mais

CONCURSO DE IDEIAS VEM REGULAMENTO

CONCURSO DE IDEIAS VEM REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS VEM REGULAMENTO PARTE I ENQUADRAMENTO GERAL Artigo 1.º Âmbito das iniciativas de apoio a empreendedores emigrantes O Alto Comissariado para as Migrações, I.P. (doravante ACM, I.P.) propõe

Leia mais

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda.

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. RELATÓRIO DE GESTÃO Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. 2012 ÍNDICE DESTAQUES... 3 MENSAGEM DO GERENTE... 4 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO... 5 Economia internacional... 5 Economia Nacional... 5

Leia mais

4. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões

4. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões 4. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões O número total de empresas de seguros a operar no mercado nacional manteve-se estável em 212, sem alterações significativas à sua estrutura. Neste

Leia mais

Conjuntura da Construção n.º 77 O SETOR CONTINUA EM CRISE MAS EMPRESÁRIOS ACREDITAM NA RECUPERAÇÃO

Conjuntura da Construção n.º 77 O SETOR CONTINUA EM CRISE MAS EMPRESÁRIOS ACREDITAM NA RECUPERAÇÃO FEPICOP - FEDERAÇÃO PORTUGUESA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO E OBRAS PÚBLICAS Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais

Leia mais

( DR N.º 229 30 Setembro 1999 30 Setembro 1999 )

( DR N.º 229 30 Setembro 1999 30 Setembro 1999 ) LEGISLAÇÃO Decreto-Lei n.º 389/99, de 30 de Setembro, Regulamenta a Lei n.º 71/98, de 3 de Novembro, que estabeleceu as bases do enquadramento jurídico do voluntariado (JusNet 223/1999) ( DR N.º 229 30

Leia mais

Ficha Técnica. Colecção Guia de Seguros e Fundos de Pensões. Título Fundos de Pensões. Edição Instituto de Seguros de Portugal

Ficha Técnica. Colecção Guia de Seguros e Fundos de Pensões. Título Fundos de Pensões. Edição Instituto de Seguros de Portugal Ficha Técnica Colecção Guia de Seguros e Fundos de Pensões Título Fundos de Pensões Edição Instituto de Seguros de Portugal Coordenação editorial Direcção de Comunicação e Relações com os Consumidores

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS LEVE PPR - 2.ª SÉRIE - G763500

CONDIÇÕES GERAIS LEVE PPR - 2.ª SÉRIE - G763500 LEVE PPR - 2.ª SÉRIE - G763500 ARTIGO PRELIMINAR Entre a Fidelidade - Companhia de Seguros, S.A., adiante designada por Segurador, e o Tomador do Seguro identificado nas Condições Particulares, estabelece-se

Leia mais

newsletter Nº 87 ABRIL / 2014

newsletter Nº 87 ABRIL / 2014 newsletter Nº 87 ABRIL / 2014 Assuntos em Destaque Resumo Fiscal/Legal Março de 2014 2 Fundos de Compensação e de Garantia do Trabalho 3 Revisores e Auditores 7 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL Assembleia da República

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. Designação: VICTORIA PPR Acções

Leia mais

PROGRAMA DE PREVIDÊNCIA UVERGS PREVI

PROGRAMA DE PREVIDÊNCIA UVERGS PREVI PROGRAMA DE PREVIDÊNCIA UVERGS PREVI UVERGS PREVI A União dos Vereadores do Estado do Rio Grande do Sul visa sempre cuidar do futuro de seus associados Por conta disso, está lançando um Programa de Benefícios

Leia mais

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades.

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades. A Protteja Seguros surge da vontade de contribuir para o crescimento do mercado segurador nacional, através da inovação, da melhoria da qualidade de serviço e de uma política de crescimento sustentável.

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 27/2012 de 7 de Março de 2012

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 27/2012 de 7 de Março de 2012 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 27/2012 de 7 de Março de 2012 Considerando a persistente instabilidade dos mercados financeiros nacionais e internacionais e as dificuldades

Leia mais

PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004

PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004 PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004 Empresa de Seguros Entidades comercializadoras Autoridades de Supervisão

Leia mais

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA --- EMBARGO DE DIVULGAÇÃO ATÉ ÀS 21:00 HORAS DE 01.01.13 --- Palácio de Belém, 1 de janeiro de 2013 --- EMBARGO DE DIVULGAÇÃO ATÉ ÀS 21:00

Leia mais

Atividade Seguradora - Prémios de Seguro Direto 2011

Atividade Seguradora - Prémios de Seguro Direto 2011 Atividade Seguradora - Prémios de Seguro Direto 2011 16 janeiro 2012 No ano de 2011 o volume da produção de seguro direto em Portugal atingiu os 11,6 mil milhões de euros, dos quais cerca de 92,3% diz

Leia mais

2 1,2 1,3 2,5 2 3,2 3 0,5-4,2 1,8 1,3% 1,9 0,9 0,8 2,2 1,7 3,1 2,9 0,4-4,1 1,8 1,16%

2 1,2 1,3 2,5 2 3,2 3 0,5-4,2 1,8 1,3% 1,9 0,9 0,8 2,2 1,7 3,1 2,9 0,4-4,1 1,8 1,16% A SITUAÇÃO ACTUAL É MAIS GRAVE DO QUE EM 1977/78 E EM 1983/84 POR PORTUGAL PERTENCER À ZONA EURO E NESTA DOMINAR UMA POLITICA NEOLIBERAL DE SUBMISSÃO AOS MERCADOS. Um erro grave é confundir a situação

Leia mais

Fundo de Garantia Automóvel

Fundo de Garantia Automóvel Mestrado em Engenharia Automóvel / Pós-Laboral Legislação e Conflito Fundo de Garantia Automóvel Docente: Maria João Escudeiro Mauro Sousa 2140842 Tiago Fialho 2140843 15 de Junho 2015 Índice I Introdução...3

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º X/2015 Capital de Risco, Empreendedorismo Social e Investimento Especializado (Revoga o regulamento da CMVM n.

Regulamento da CMVM n.º X/2015 Capital de Risco, Empreendedorismo Social e Investimento Especializado (Revoga o regulamento da CMVM n. Regulamento da CMVM n.º X/2015 Capital de Risco, Empreendedorismo Social e Investimento Especializado (Revoga o regulamento da CMVM n.º 1/2008) [Preâmbulo] Assim, ao abrigo do disposto no n.º 2 do artigo

Leia mais

18 de novembro de 2014

18 de novembro de 2014 Intervenção inicial do Presidente do Instituto de Seguros de Portugal José Figueiredo Almaça na Comissão Parlamentar de Inquérito à gestão do BES e do Grupo Espírito Santo 18 de novembro de 2014 1. Ponto

Leia mais

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Resultados para Portugal Outubro de 2015

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Resultados para Portugal Outubro de 2015 INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Resultados para Portugal Outubro de 2015 I. Apreciação Geral De acordo com os resultados obtidos no inquérito realizado em outubro aos cinco grupos bancários

Leia mais

Intervenção do Governador Carlos da Silva Costa sobre a decisão de aplicação de uma medida de resolução ao Banco Espírito Santo, S.A.

Intervenção do Governador Carlos da Silva Costa sobre a decisão de aplicação de uma medida de resolução ao Banco Espírito Santo, S.A. 1 de 5 04-08-2014 8:34 www.bportugal.pt O Banco e o Eurosistema > Intervenções públicas Intervenção do Governador Carlos da Silva Costa sobre a decisão de aplicação de uma medida de resolução ao Banco

Leia mais

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço Política de Produto e Serviço Publicado em julho 2012 1 Fundada em 1876, a Caixa Geral de Depósitos (CGD) é o maior grupo financeiro nacional, atuando em diferentes áreas, designadamente na banca comercial,

Leia mais

Apoiar Business Angels é apoiar o empreendedorismo Segunda, 17 Março 2014 12:03

Apoiar Business Angels é apoiar o empreendedorismo Segunda, 17 Março 2014 12:03 Os Business Angels são, geralmente, os primeiros investidores que o empreendedor conhece e, por isso, o seu papel é crucial nas primeiras etapas da empresa. Este é um negócio de alto risco, já que muitas

Leia mais

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Nota de Imprensa Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Presidente mundial do Banco Santander apresenta em São Paulo o Plano Estratégico 2008-2010 para o A integração

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO MADEIRA 14-20

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO MADEIRA 14-20 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL DA 2014-2020 (MADEIRA 14-20) EIXO PRIORITÁRIO 3 Reforçar a Competitividade das Empresas PRIORIDADE DE INVESTIMENTO (PI) 3.b Desenvolvimento

Leia mais

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS 1 Questão: Considere uma economia na qual os indivíduos vivem por dois períodos. A população é constante e igual a N. Nessa economia

Leia mais

Projeto de Lei n.º 818/XII/4ª

Projeto de Lei n.º 818/XII/4ª Projeto de Lei n.º 818/XII/4ª Determina a obrigatoriedade de as instituições de crédito disponibilizarem uma conta de depósito à ordem padronizada, designada de conta base, e proíbe a cobrança de comissões,

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 145 30 de julho de 2014 4027. Portaria n.º 151/2014

Diário da República, 1.ª série N.º 145 30 de julho de 2014 4027. Portaria n.º 151/2014 Diário da República, 1.ª série N.º 145 30 de julho de 2014 4027 Portaria n.º 151/2014 de 30 de julho O Governo tem vindo a desenvolver uma estratégia nacional de combate ao desemprego jovem assente numa

Leia mais

Seguro Escolar (Portaria n.º 413/99, de 8 de Junho)

Seguro Escolar (Portaria n.º 413/99, de 8 de Junho) Seguro Escolar (Portaria n.º 413/99, de 8 de Junho) O Seguro Escolar constitui um sistema de protecção destinado a garantir a cobertura dos danos resultantes do acidente escolar. É uma modalidade de apoio

Leia mais

Seguros e Pensões em Portugal: Situação atual e perspetivas futuras

Seguros e Pensões em Portugal: Situação atual e perspetivas futuras Seguros e Pensões em Portugal: Situação atual e perspetivas futuras José Figueiredo Almaça Instituto de Seguros de Portugal 21 de fevereiro de 2014 ÍNDICE 1. Principais indicadores do mercado segurador

Leia mais

EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL

EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL Ana Rita Ramos 1 Cristina Silva 2 1 Departamento de Análise de Riscos e Solvência do ISP 2 Departamento de Estatística e Controlo de Informação do ISP As opiniões

Leia mais

Perguntas frequentes sobre o Seguro Acidentes de Trabalho

Perguntas frequentes sobre o Seguro Acidentes de Trabalho Perguntas frequentes sobre o Seguro Acidentes de Trabalho O que é um acidente de trabalho? Por acidente de trabalho, entende-se o acidente: a) Que se verifique no local de trabalho ou no local onde é prestado

Leia mais

Versão Pública. DECISÃO DE NÃO-OPOSIÇÃO Processo Ccent. Nº 48/ 2005 AXA/SEGURO DIRECTO GERE 1 I. INTRODUÇÃO

Versão Pública. DECISÃO DE NÃO-OPOSIÇÃO Processo Ccent. Nº 48/ 2005 AXA/SEGURO DIRECTO GERE 1 I. INTRODUÇÃO DECISÃO DE NÃO-OPOSIÇÃO Processo Ccent. Nº 48/ 2005 AXA/SEGURO DIRECTO GERE 1 I. INTRODUÇÃO 1. Em 8 de Agosto de 2005, foi notificada à Autoridade da Concorrência, nos termos dos artigos 9.º e 31.º da

Leia mais

1. (PT) - Jornal de Notícias, 22/05/2014, Portugal eleito para comité efetivo da OMS 1

1. (PT) - Jornal de Notícias, 22/05/2014, Portugal eleito para comité efetivo da OMS 1 22-05-2014 Revista de Imprensa 22-05-2014 1. (PT) - Jornal de Notícias, 22/05/2014, Portugal eleito para comité efetivo da OMS 1 2. (PT) - i, 22/05/2014, Portugal desafia OMS a regular melhor inovação

Leia mais

Dos documentos que se seguem quais os necessários para abrir uma conta num banco?

Dos documentos que se seguem quais os necessários para abrir uma conta num banco? Quais as principais funções de um banco? A Captar depósitos e gerir a poupança dos seus clientes. B Conceder empréstimos a empresas, particulares e ao Estado. C Disponibilizar meios e formas de pagamento

Leia mais

traçam 'plano de ataque'

traçam 'plano de ataque' Seguradoras contra a crise traçam 'plano de ataque' Com os rendimentos das famílias cada vez mais reduzidos, as seguradoras têm-se empenhado em oferecer pacotes mais atractivos aos clientes, que vão desde

Leia mais

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL. 6546-(418) Diário da República, 1.ª série N.º 252 31 de dezembro de 2014

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL. 6546-(418) Diário da República, 1.ª série N.º 252 31 de dezembro de 2014 6546-(418) Diário da República, 1.ª série N.º 252 31 de dezembro de 2014 n.º 4 do artigo 98.º ou de o respetivo montante ser levado em conta na liquidação final do imposto, os prazos de reclamação e de

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

Ccent. 17/2012 BES / BES-VIDA. Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência

Ccent. 17/2012 BES / BES-VIDA. Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência Ccent. 17/2012 BES / BES-VIDA Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência [alínea b) do n.º 1 do artigo 35.º da Lei n.º 18/2003, de 11 de Junho] 3/05/2012 DECISÃO DE NÃO OPOSIÇÃO DA AUTORIDADE

Leia mais

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 2 RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 ASPECTOS MAIS RELEVANTES: SIGNIFICATIVO CRESCIMENTO DA ACTIVIDADE DESIGNADAMENTE A CAPTAÇÃO DE RECURSOS

Leia mais

2. Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras

2. Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras 1. Identificação da entidade EXERCÍCIO DE 2011 INTRODUÇÃO PLC - Corretores de Seguros, S.A é uma sociedade anonima. A Empresa foi constituida em 1999, tem sede na Av. Infante Santo nº 48 2º Esq. em Lisboa,

Leia mais

OS FUNDOS DE INVESTIMENTO

OS FUNDOS DE INVESTIMENTO OS FUNDOS DE INVESTIMENTO CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários OUTUBRO 2012 1 Os Fundos de Investimento O que é um Fundo de investimento? Um fundo de investimento é um instrumento financeiro

Leia mais

Perguntas Frequentes sobre Voluntariado

Perguntas Frequentes sobre Voluntariado Perguntas Frequentes sobre Voluntariado Juntos podemos fazer da solidariedade um compromisso Índice 1. O que é o Voluntariado? 3 2. Que organizações podem ser promotoras do Voluntariado? 3 3. O que é ser

Leia mais

PRÉVOIR PPR NOVA VERSÃO INFORMAÇÕES PRÉ-CONTRATUAIS ANEXO À PROPOSTA PRÉVOIR PPR

PRÉVOIR PPR NOVA VERSÃO INFORMAÇÕES PRÉ-CONTRATUAIS ANEXO À PROPOSTA PRÉVOIR PPR Este documento apresenta-se como um resumo das Condições Gerais e Especiais do seguro Prévoir PPR e não dispensa a consulta integral das mesmas. SEGURADOR FINALIDADE SEGMENTO-ALVO CONDIÇÕES DE SUBSCRIÇÃO

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. TODOS OS INVESTIMENTOS TÊM RISCO

Leia mais

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 Abrandamento da atividade económica mundial ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1.1. Evolução da conjuntura internacional A atividade económica mundial manteve o abrandamento

Leia mais

WORKSHOP :EMPREENDEDORISMO E CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO

WORKSHOP :EMPREENDEDORISMO E CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO WORKSHOP :EMPREENDEDORISMO E CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO Entidade: Centro de Emprego de Loulé Tema: Apoios à Criação do Próprio Emprego e de Empresas 1. O Plano de Negócios 2. Apoios à Criação do Próprio

Leia mais

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação 1 Incentivos financeiros à internacionalização Em 2010 os incentivos financeiros à internacionalização, não considerando

Leia mais

Resposta à consulta sobre o Projeto de Proposta de Lei de transposição do regime Solvência II

Resposta à consulta sobre o Projeto de Proposta de Lei de transposição do regime Solvência II Resposta à consulta sobre o Projeto de Proposta de Lei de transposição do regime Solvência II O Gabinete de S.E. a Ministra de Estado e das Finanças consultou em 13 de março de 2015 a Comissão do Mercado

Leia mais

Luso-Atlântica, o Parceiro que se preocupa com a Sua Saúde e a da Sua Família. Boletim Informativo Nº 1 Junho 2015 SEGURO de SAÚDE

Luso-Atlântica, o Parceiro que se preocupa com a Sua Saúde e a da Sua Família. Boletim Informativo Nº 1 Junho 2015 SEGURO de SAÚDE Luso-Atlântica, o Parceiro que se preocupa com a Sua Saúde e a da Sua Família O Seguro de Saúde adquiriu ao longo dos tempos uma importância crescente no apoio aos cuidados de Saúde da Comunidade Farmacêutica,

Leia mais

JORNAL OFICIAL I SÉRIE NÚMERO 60 QUARTA-FEIRA, 21 DE MAIO DE 2014

JORNAL OFICIAL I SÉRIE NÚMERO 60 QUARTA-FEIRA, 21 DE MAIO DE 2014 I SÉRIE NÚMERO 60 QUARTA-FEIRA, 21 DE MAIO DE 2014 ÍNDICE: PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução n.º 89/2014: Cria um prémio destinado à integração de ativos no setor primário, designado por AGRICULTURA +.

Leia mais

POUPANÇA. Simplifica. PPR Capital Garantido. Crie o futuro hoje.

POUPANÇA. Simplifica. PPR Capital Garantido. Crie o futuro hoje. POUPANÇA PPR Capital Garantido Crie o futuro hoje. Simplifica Já pensou como vai ser quando se reformar? E se começar já a poupar? Assegure agora o seu futuro! No ActivoBank com o PPR Capital Garantido,

Leia mais

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A.

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A. POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A. Nos termos e para os efeitos do disposto no artigo 2.º, n.º 1, da Lei n.º 28/2009, de 19

Leia mais

Banco de Portugal divulga estatísticas das contas financeiras das administrações públicas e da dívida pública

Banco de Portugal divulga estatísticas das contas financeiras das administrações públicas e da dívida pública N.º 7 Abril 2015 Banco de Portugal divulga estatísticas das contas financeiras das administrações públicas e da dívida pública Na edição de abril de 2015 do Boletim Estatístico são divulgadas as contas

Leia mais

BES AS APOIO FINANCEIRO BES AS FINANCEIR ÕES ÀS EMPRESAS FINANCEIR ÕES UÇ SOL

BES AS APOIO FINANCEIRO BES AS FINANCEIR ÕES ÀS EMPRESAS FINANCEIR ÕES UÇ SOL 38 PME Líder SOLUÇÕES FINANCEIRAS BES Helen King/CORBIS APOIO FINANCEIRO ÀS EMPRESAS O BES disponibiliza uma vasta oferta de produtos financeiros e serviços, posicionando-se como o verdadeiro parceiro

Leia mais

FUNDOS DE CAPITAL DE RISCO REVITALIZAR EMPRESAS BENEFICIÁRIAS E OPERAÇÕES ELEGÍVEIS EMPRESAS BENEFICIÁRIAS

FUNDOS DE CAPITAL DE RISCO REVITALIZAR EMPRESAS BENEFICIÁRIAS E OPERAÇÕES ELEGÍVEIS EMPRESAS BENEFICIÁRIAS FUNDOS DE CAPITAL DE RISCO REVITALIZAR EMPRESAS BENEFICIÁRIAS E OPERAÇÕES ELEGÍVEIS EMPRESAS BENEFICIÁRIAS 1. São entidades beneficiárias (empresas destinatárias), as sociedades comerciais, de qualquer

Leia mais

Seminário. Orçamento do Estado 2016. 3 de Dezembro de 2015. Auditório da AESE. Discurso de abertura

Seminário. Orçamento do Estado 2016. 3 de Dezembro de 2015. Auditório da AESE. Discurso de abertura Seminário Orçamento do Estado 2016 3 de Dezembro de 2015 Auditório da AESE Discurso de abertura 1. Gostaria de dar as boas vindas a todos os presentes e de agradecer à AESE, na pessoa do seu Presidente,

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO Período findo em 31 de Dezembro de 2014

RELATÓRIO DE GESTÃO Período findo em 31 de Dezembro de 2014 RELATÓRIO DE GESTÃO Período findo em 31 de Dezembro de 2014 INTRODUÇÃO A sociedade SEGURSENA-MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA (doravante designada por sociedade) Registada na Conservatória do Registo Comercial

Leia mais

INFORMAÇÕES FINANCEIRAS SINTETIZADAS BALANÇO SINTETIZADO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 Activos intangíveis 355.229

INFORMAÇÕES FINANCEIRAS SINTETIZADAS BALANÇO SINTETIZADO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 Activos intangíveis 355.229 Relatório do Auditor Independent sobre informações financeiras resumidas Para: Acionistas da Companhia Ônix SEGUROS SA Relatório sobre as informações financeiras resumidas Informações financeiras resumo

Leia mais

Boletim Económico Angola

Boletim Económico Angola Boletim Económico Angola 1. Conjuntura: estabilidade macro económica reforçada 3º Trimestre de 2013 A informação disponível para caracterizar o desempenho da economia de Angola no 3º trimestre de 2013

Leia mais

sobre Instrumentos Financeiros

sobre Instrumentos Financeiros A Informação que deve ser Prestada pelos Intermediários Financeiros sobre Instrumentos Financeiros CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários OUTUBRO 2012 1 A Informação que deve ser prestada pelos

Leia mais

As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas

As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas 30 11 2012 As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas Teodora Cardoso 1ª Conferência da Central de Balanços Porto, 13 Dezembro 2010 O Banco de Portugal e as Estatísticas O Banco de

Leia mais

ORGANISMOS DE INVESTIMENTO COLETIVO

ORGANISMOS DE INVESTIMENTO COLETIVO 1 ORGANISMOS DE INVESTIMENTO COLETIVO Regulamento n.º [ ] / 2014 Preâmbulo Inserido no contexto da reforma legislativa em curso no Direito dos valores mobiliários cabo-verdiano, o presente regulamento

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO REGULAMENTO DO APOIO TÉCNICO À CRIAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DE PROJETOS

PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO REGULAMENTO DO APOIO TÉCNICO À CRIAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DE PROJETOS PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO REGULAMENTO DO APOIO TÉCNICO À CRIAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DE PROJETOS Portaria n.º 985/2009, de 4 de setembro, alterada pela Portaria n.º

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS

RESULTADOS CONSOLIDADOS 2012 RESULTADOS CONSOLIDADOS Lisboa, 8 de Fevereiro de 2013 A presente informação anual não foi sujeita a auditoria. Processo de Recapitalização A 31 de Dezembro de 2012 foi anunciada a aprovação por parte

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

SIALM SISTEMA DE INCENTIVOS DE APOIO LOCAL A MICROEMPRESAS 1 SIALM SISTEMA DE INCENTIVOS DE APOIO LOCAL A MICROEMPRESAS

SIALM SISTEMA DE INCENTIVOS DE APOIO LOCAL A MICROEMPRESAS 1 SIALM SISTEMA DE INCENTIVOS DE APOIO LOCAL A MICROEMPRESAS 1 SIALM 2 OBJETIVO COMPLEMENTARIDADE O SIALM Sistema de Incentivos de Apoio Local a Microempresas foi criado pela Portaria n.º 68, de 15 de fevereiro, e enquadra-se no Programa Valorizar, estabelecido

Leia mais

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 FISCAL E FINANÇAS LOCAIS NEWSLETTER RVR 2 Maio de 2007 ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 Sandra Cristina Pinto spinto@rvr.pt O Decreto Lei nº 238/2006 e a Lei nº 53-A/2006, publicados

Leia mais

Apólice SEGURO ENSINO da ZURICH ESCOLA ALEMÃ DE LISBOA

Apólice SEGURO ENSINO da ZURICH ESCOLA ALEMÃ DE LISBOA Apólice SEGURO ENSINO da ZURICH ESCOLA ALEMÃ DE LISBOA Perguntas frequentes sobre sinistros na Escola: 1. Qual a discriminação das coberturas financeiras para o seguro de Acidentes Pessoais em termos de

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

6 INTERMEDIÁRIOS FINANCEIROS

6 INTERMEDIÁRIOS FINANCEIROS 6. INTERMEDIÁRIOS FINANCEIROS 6. Intermediários Financeiros O QUE SÃO INTERMEDIÁRIOS FINANCEIROS? Intermediários financeiros são as empresas prestadoras dos serviços que permitem aos investidores actuar

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 NATURTEJO EMPRESA DE TURISMO - EIM MARÇO, CASTELO BRANCO 2013 Nos termos legais e estatutários, vimos submeter a apreciação da assembleia Geral o Relatório de Gestão, as contas,

Leia mais

Eurovida Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros

Eurovida Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros Data início de comercialização: 2007/05 por tempo indeterminado Empresa de Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros Popular, com sede social na - 1099-090

Leia mais

Comissão para a Reforma do IRC - 2013. Uma Reforma orientada para a Competitividade, o Crescimento e o Emprego

Comissão para a Reforma do IRC - 2013. Uma Reforma orientada para a Competitividade, o Crescimento e o Emprego Uma Reforma orientada para a Competitividade, o Crescimento e o Emprego Principais medidas da Reforma 2 I. Redução da taxa do IRC - A redução das taxas de IRC é fundamental para a atração de investimento

Leia mais

Informações Fundamentais Destinadas aos Investidores (IFI)

Informações Fundamentais Destinadas aos Investidores (IFI) Informações Fundamentais Destinadas aos Investidores (IFI) O presente documento fornece as informações fundamentais destinadas aos investidores sobre este Fundo. Não é material promocional. Estas informações

Leia mais