XII JORNADAS CIENTÍFICO-PEDAGÓGICAS, de Setembro Lema: REPENSAR ISCED NA PERSPECTIVA DA EXCELÊNCIA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "XII JORNADAS CIENTÍFICO-PEDAGÓGICAS, de Setembro Lema: REPENSAR ISCED NA PERSPECTIVA DA EXCELÊNCIA"

Transcrição

1 11-12 de Setembro 2014 Lema: REPENSAR ISCED NA PERSPECTIVA DA EXCELÊNCIA LUANDA,

2 I. ENQUADRAMENTO: No âmbito da sua programação anual, o ISCED de Luanda realizou as suas XII Jornadas Científico-Pedagógicas (JCP), nos dias 11 e 12 de Setembro de 2014, sob o lema: Repensar o ISCED na perspectiva da excelência, com o propósito de debater as mais diversas ideias relacionadas com a actual conjuntura, marcada pela competição institucional, ao mesmo tempo que se procuram traçar outros rumos, consoante os novos desafios do País e do mundo. Os trabalhos decorreram no Auditório dessa instituição, situada na Cidade do Kilamba, Avenida Imperial Santana, Quarteirão A, em Luanda. O Acto de abertura foi presidido pelo Senhor Director Geral, Professor Doutor Daniel Mingas, ladeado pelos Directoresgerais Adjuntos e a Secretária Geral, respectivamente, Profª. Doutora Aurora Ferreira (Área Científica e Pós-Graduação), Prof. Doutor Manuel Muanza (Área Académica) e Mestre Maria da Conceição Domingos; e ainda pelo Prof. Doutor Zacarias Alexandre Ombe, Director da Delegação da Universidade Pedagógica (UP), na cidade da Beira, Moçambique. Este evento congregou cerca de duzentas pessoas e contou com a presença de vários convidados das diversas instituições de ensino, com realce para os representantes do MES, INIDE e a Decana da Faculdade de Letras da Universidade de Agostinho Neto, Profª. Doutora Amélia Mingas. Para além da Conferência Magistral, os trabalhos foram organizados em duas conferências, quatro painéis e uma mesa-redonda. Realizou-se ainda, à margem dessas jornadas, uma pré-conferência, subordinada ao tema: PDI um passo para a avaliação institucional, na qual intervieram como oradores os Professores Alberto Nguleve, do Departamento de Ciências da Educação do ISCED de Luanda, e Zacarias Alexandre Ombe, da Universidade Pedagógica de Moçambique, assim como a apresentação de uma publicação resultante de um trabalho de dissertação da 1ª. Edição do Mestrado em Ensino de História, sob o título: A Conferência de Berlim. Uma visão contemporânea dos problemas de interpretação, de autoria da Profª. Sónia Cristina dos Santos Silva, da Universidade Katyavala Buíla. Regista-se ainda que dois temas dos doze resumos selecionados não foram apresentados, devido a ausência dos respectivos prelectores. 2

3 II. CONFERÊNCIA MAGISTRAL: O Professor Doutor Zacarias Ombe proferiu a Conferência Magistral, intitulada Os desafios da construção de uma universidade nacional da educação e do desenvolvimento, que visou sobretudo a partilha das experiências decorrentes da transformação do Instituto Superior Pedagógico para a actual UPM. Nessa comunicação, destacam-se os seguintes pontos: o processo de alargamento do ES em Moçambique, em geral, e o modelo de gestão da UP, em particular; o papel de um plano estratégico para a criação de uma universidade direccionada ao ensino, pesquisa e divulgação; a visão da UP em transformar-se numa instituição de referência internacional; e o reconhecimento da UP pela sua capacidade de auscultação e resposta às necessidades locais e de emprego. III. PONTOS DESTACADOS NAS CONFERÊNCIAS E PAINÉIS: Avaliação institucional como um dos elementos básicos para a qualidade de ensino e, consequentemente, o alcance da excelência; A relação entre o processo de avaliação e as políticas públicas no domínio de ensino; O papel supervisionador do Estado no processo de avaliação institucional; Educação como direito que deve ser salvaguardado, tal como os outros direitos fundamentais consignados na lei; O contributo do ISCED de Luanda na actual reforma educativa, na qual avulta o modelo da monodocência ; Adequação dos cursos ministrados no ISCED de Luanda à actual conjuntura política e social do País; Agregação pedagógica dos professores do Ensino Primário, como uma das premissas fundamentais para a melhoria do ensino nesse nível, no caso de professores sem essa qualificação; O Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI), uma das ferramentas essenciais para o alcance da excelência no ensino superior; A existência de diferentes concepções de PDI, segundo diferentes perspectivas, por um lado, e a premência de se definirem os pressupostos fundamentais para a implementação desse importante instrumento no ISCED de Luanda; 3

4 Percurso histórico do ISCED de Luanda, cuja valorização passa pela preservação e divulgação do saber acumulado; Formação eficiente e a qualificação profissional contínua de docentes; Trabalho metodológico e a melhoria da qualidade de ensino; Reflexão sobre a importância do paradigma: ensino, pesquisa e extensão, no ISCED de Luanda; Pressupostos teóricos, breve cronologia e a relevância das jornadas científicopedagógicas; Questionamento sobre a aplicação das conclusões/decisões das Jornadas Científico-pedagógicas. Necessidade de tornar matéria de estudo o material resultante das JCP. IV. CONCLUSÕES: 1. A excelência pressupõe elevar a qualidade dos formandos, dar dignidade e as condições de funcionamento da instituição, pelo que a componente material e financeira é fundamental; 2. Repensar o ISCED de Luanda na perspectiva da excelência passa por reformas curriculares, gestão eficiente e pela definição de estratégias e de planos de acção, bem como o alargamento da visão social da instituição; 3. A avaliação (interna/externa) deve contribuir para a formulação clara dos objectivos da instituição, o que permite, consequentemente, o melhoramento do ensino, isto é, dar resposta às necessidades da sociedade. Ela não deve servir para penalizar, mas sim para diagnosticar; 4. É hora de se olhar a avaliação como instrumento do melhoramento do ensino e aprendizagem, partindo do pressuposto de que as avaliações regulares permitem melhorar o ensino e a aprendizagem; 5. O planeamento da actividade científica, docente e não docente numa instituição de ensino superior constitui um elemento indispensável para a sua sobrevivência; 6. O trabalho metodológico, visando melhorar a qualidade de ensino e a participação dos docentes, deve ser planificado e avaliado, para alcançar a excelência do processo de ensino. 7. As JCP do ISCED de Luanda, sendo um espaço de debate e questionamento dos diferentes aspectos da vida científico-pedagógica, administrativa e financeira da 4

5 nossa instituição, devem ser um momento de prestação de contas das diferentes linhas de pesquisa; 8. A relevância das JCP para a sociedade pode ser aferida a partir do grau de implementação das medidas aí tomadas, que se reflectirão na qualidade dos quadros formados, que actuam em diversas áreas sociais, com realce para a docência. 9. Os planos curriculares, que deveriam ser revistos, apenas têm vindo a sofrer algumas alterações pontuais, a nível dos Departamentos de Ensino e Investigação, para serem adequados ao actual contexto de ensino; 10. A investigação aplicada deve ser a base de formação dos nossos discentes, ao longo da sua formação, principalmente, em fim de curso (TFC e prática docente), não dependendo apenas da consulta bibliográfica. V. RECOMENDAÇÕES: 1. Que o ISCED de Luanda procure concretizar as orientações (leis) sobre a educação em Angola, destacando-se, a Lei 13/2001 (Lei de Bases do Sistema de Educação), através de projectos exequíveis, em prol da comunidade; 2. Que se procure dar resposta à questão do ensino especial, a nível superior, com a criação de cursos para o efeito; 3. Que se reflicta profundamente sobre a inclusão de cursos de agregação pedagógica para dar resposta ao problema dos professores sem preparação pedagógica; 4. Que se estabeleça um diálogo com as instituições de direito, nomeadamente, o Ministério da Educação, para a inserção dos quadros formados no ISCED de Luanda; 5. Que O ISCED crie mecanismos para a divulgação dos melhores trabalhos de fim de curso, revendo-se os regulamentos; 6. Que o ISCED de Luanda repense a modalidade de actuação face à Reforma Educativa em Angola, propondo acções concretas para o seu melhoramento; 7. Que seja urgente a elaboração de um Plano de Desenvolvimento Institucional do ISCED de Luanda; 8. Que se procure formar docentes capazes para resolver os problemas sociais, articulando a acção da instituição com a comunidade, respondendo a uma das premissas do ensino superior: a extensão; 5

6 9. Que a pesquisa no ensino superior, como germe da evolução social, seja sempre feita segundo as linhas de pesquisa relacionadas com o objecto social da instituição; 10. Que os temas das JCP se articulem sempre com os projectos de pesquisa concluídos ou em curso, dentro ou fora da instituição, coincidindo com respectivos ciclos de pesquisa, a curto, médio ou longo prazo; 11. Que se adoptem novos modelos das JCP, procurando um maior envolvimento dos estudantes, organizados em grupos de pesquisa, sob a orientação de professores regentes, como forma de iniciação à pesquisa; 12. Que as futuras JCP sejam organizadas pelo Centro de Investigação Multidisciplinar Eduardo Kambua, em articulação com a área científica; 13. Que as monografias ou dissertações sejam enquadradas nas linhas de pesquisa, sob a orientação de professores regentes; 14. Que se apliquem na prática as decisões tomadas em fóruns ou eventos científicos, a começar pela obrigatoriedade da publicação do material resultante das jornadas científicas; 15. Que se alarguem fundamentalmente as áreas do saber por meio da profissionalização dos formandos, além da vertente pedagógica; 16. Que a Direcção da Instituição encontre formas de recompensar os orientadores dos TFC no turno diurno e penalizar aqueles que não cumpram com esse papel. LUANDA, 12 DE SETEMBRO DE

-ISCED- Centralidade de Kilamba Avenida Imperial Santana, Quarteirão A N o de Contribuinte /00-0 L U A N D A

-ISCED- Centralidade de Kilamba Avenida Imperial Santana, Quarteirão A N o de Contribuinte /00-0 L U A N D A INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO -ISCED- Centralidade de Kilamba Avenida Imperial Santana, Quarteirão A N o de Contribuinte 0.028.291/00-0 L U A N D A DIRECÇÃO DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA E PÓS

Leia mais

XIV JORNADAS CIENTÍFICO-PEDAGÓGICAS. DATA: 6 e 7 de Outubro 2016

XIV JORNADAS CIENTÍFICO-PEDAGÓGICAS. DATA: 6 e 7 de Outubro 2016 INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO ISCED DIRECÇÃO-GERAL ADJUNTA PARA A INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA E PÓS-GRADUAÇÃO XIV JORNADAS CIENTÍFICO-PEDAGÓGICAS LEMA: A AVALIAÇÃO E A FUNÇÃO SOCIAL DOS CURSOS

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ANEXO II AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE RELATÓRIO DE AUTO AVALIAÇÃO. Identificação do avaliado

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ANEXO II AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE RELATÓRIO DE AUTO AVALIAÇÃO. Identificação do avaliado ANEXO II AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE RELATÓRIO DE AUTO AVALIAÇÃO Identificação do avaliado Nome Categoria profissional actual Anos de serviço no ensino superior Anos de serviço na Unidade

Leia mais

Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Apoio à Qualidade (GAQ)

Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Apoio à Qualidade (GAQ) Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Apoio à Qualidade (GAQ) 1 Índice I Disposições Legais... 3 Artigo 1º - Objecto e âmbito de aplicação... 3 II Modelo Organizacional... 3 Artigo 2º - Definição

Leia mais

Auto-Regulação e Melhoria das Escolas. Auto-avaliação - uma PRIORIDADE. Auto-avaliação do Agrupamento de Escolas de Gil Vicente

Auto-Regulação e Melhoria das Escolas. Auto-avaliação - uma PRIORIDADE. Auto-avaliação do Agrupamento de Escolas de Gil Vicente Agrupamento de Escolas de Auto-Regulação e Melhoria das Escolas Auto-avaliação - uma PRIORIDADE Equipa de Avaliação Interna 2009/2010 1 Agrupamento de Escolas de Enquadramento legal Justificação Novo Paradigma

Leia mais

REGULAMENTO DO GABINETE DE GESTÃO DA QUALIDADE DA ESCOLA SUPERIOR DE DANÇA

REGULAMENTO DO GABINETE DE GESTÃO DA QUALIDADE DA ESCOLA SUPERIOR DE DANÇA REGULAMENTO DO GABINETE DE GESTÃO DA QUALIDADE DA ESCOLA SUPERIOR DE DANÇA A integração no espaço europeu de ensino superior das instituições académicas portuguesas trouxe consigo a necessidade de adoptar

Leia mais

RELATÓRIO GERAL ANO ACADÉMICO 2012

RELATÓRIO GERAL ANO ACADÉMICO 2012 RELATÓRIO GERAL ANO ACADÉMICO 2012 ISCED, 2012 Ficha Técnica Título Relatório Geral Ano Académico 2012 Autoria Instituto Superior de Ciências da Educação ISCED/Luanda Coordenação Geral: Daniel Mingas Edição

Leia mais

Avaliação de Desempenho Docente

Avaliação de Desempenho Docente Dicas para a elaboração de um Portefólio Avaliação de Desempenho Docente O PORTEFÓLIO deve conter um registo das reflexões e das práticas e deve estar devidamente documentado. 13-04-2008 1 Deve conter:

Leia mais

Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa

Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa I. INTRODUÇÃO A orientação para a qualidade deve constituir um pressuposto fundamental na actividade das entidades formadoras, traduzida na

Leia mais

BALANÇO DO ANO LECTIVO

BALANÇO DO ANO LECTIVO BALANÇO DO ANO LECTIVO 2015 www.isptec.co.ao Introdução No termo de mais um ano académico, torna-se imprescindível apresentar o Balanço do Ano Académico 2015, sempre no âmbito do cumprimento dos princípios

Leia mais

II Conferência do Turismo e Hotelaria O Turismo em Portugal após 2009 [Oportunidades e Desafios]

II Conferência do Turismo e Hotelaria O Turismo em Portugal após 2009 [Oportunidades e Desafios] II Conferência do Turismo e Hotelaria O Turismo em Portugal após 2009 [Oportunidades e Desafios] Painel: Como é que os destinos turísticos se estão a preparar? O caso do Destino Douro Porto, 18 de Junho

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR E DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR E DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR E DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Discurso de abertura de sua excelência, ministra do ensino superior e da ciência e tecnologia, profª doutora maria cândida pereira

Leia mais

O CEPOG é um órgão BOLETIM INFORMATIVO DO CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO TEMAS DO BOLETIM. Boletim Informativo Mensal / N 4. com as funções de supervisionar

O CEPOG é um órgão BOLETIM INFORMATIVO DO CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO TEMAS DO BOLETIM. Boletim Informativo Mensal / N 4. com as funções de supervisionar BOLETIM INFORMATIVO DO CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO TEMAS DO BOLETIM O CEPOG é um órgão que visa monitorar os cursos de pósgraduação da Universidade Pedagógica com as funções de supervisionar e propor as alterações

Leia mais

CONFERÊNCIA SOBRE EDUCAÇÃO PARA TODOS Lema: Inclusão, Equidade e Qualidade

CONFERÊNCIA SOBRE EDUCAÇÃO PARA TODOS Lema: Inclusão, Equidade e Qualidade CENTRO DE ESTUDOS DE POLÍTICAS EDUCATIVAS Vila Olímpica, Edifício 22, Bloco 4, Bairro do Zimpeto, Cidade de Maputo. CONFERÊNCIA SOBRE EDUCAÇÃO PARA TODOS Lema: Inclusão, Equidade e Qualidade DATA: 09 E

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO ESCOLA DE MUSICA

REGULAMENTO INTERNO ESCOLA DE MUSICA REGULAMENTO INTERNO DA ESCOLA DE MUSICA Artigo 1º Objecto A Associação Cultural Musimax é uma Escola do Ensino Artístico Especializado em Música, e tem como principal objecto o ensino da música. Artigo

Leia mais

CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO/ESPECIALIZAÇÃO DO ISCE DE FELGUEIRAS

CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO/ESPECIALIZAÇÃO DO ISCE DE FELGUEIRAS - CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO/ESPECIALIZAÇÃO DO ISCE DE FELGUEIRAS REGULAMENTO PROJETO E SEMINÁRIOS DE INVESTIGAÇÃO O Conselho Técnico-Científico do ISCE Douro, na sua reunião de 6 de maio de 2015, deliberou,

Leia mais

Avaliação e Promoção da Qualidade ISCE

Avaliação e Promoção da Qualidade ISCE Avaliação e Promoção da Qualidade ISCE _ ENQUADRAMENTO GERAL _ Gabinete de Avaliação e Promoção da Qualidade Instituto Superior de Ciências Educativas 2015, Outubro Avaliação e Promoção da Qualidade ISCE

Leia mais

DELEGAÇÃO DA BEIRA ÁREA DA PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO CONFERÊNCIA SOBRE EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO- PPE UP- BEIRA 2016

DELEGAÇÃO DA BEIRA ÁREA DA PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO CONFERÊNCIA SOBRE EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO- PPE UP- BEIRA 2016 DELEGAÇÃO DA BEIRA ÁREA DA PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO CONFERÊNCIA SOBRE EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO- PPE UP- BEIRA 2016 TERMOS DE REFERÊNCIA 1. INTRODUÇÃO A área da Pós-Graduação, Pesquisa

Leia mais

promovam a reflexão sobre temáticas fundamentais relacionadas com a aprendizagem da Matemática.

promovam a reflexão sobre temáticas fundamentais relacionadas com a aprendizagem da Matemática. Áreas prioritárias no apoio ao sistema educativo 1º ciclo área da Matemática Perspectivas sobre o trabalho a ser desenvolvido na área da Matemática Proposta Enquadramento A visão de que o ensino da Matemática,

Leia mais

NCE/14/00876 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/14/00876 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/14/00876 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade Do Minho A.1.a.

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Quadriénio 2009/2013 ÍNDICE PREÂMBULO...3 Artigo 1º OBJECTO E ÂMBITO...4 Artigo 2º -COMPOSIÇÃO...4 Artigo 3º -QUADRO DE COMPETÊNCIAS...4 Artigo

Leia mais

A autoavaliação é o processo em que a escola é capaz de olhar criticamente para si mesma com a finalidade de melhorar o seu desempenho.

A autoavaliação é o processo em que a escola é capaz de olhar criticamente para si mesma com a finalidade de melhorar o seu desempenho. A autoavaliação é o processo em que a escola é capaz de olhar criticamente para si mesma com a finalidade de melhorar o seu desempenho. Finalidades Identificar pontos fortes e fracos e oportunidades de

Leia mais

PLANO DE INTERVENÇÃO

PLANO DE INTERVENÇÃO DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES EQUIPA INTERDISCIPLINAR PLANO DE INTERVENÇÃO ANOS LECTIVOS 2009/2010 e 2010/2011 ÍNDICE Nota Introdutória.. 3 Parte I - Caracterização..4 1.1 Caracterização do Ambiente Interno.4

Leia mais

CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA

CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA PLANO DE MELHORIA 2014 / 2016 ÍNDICE Introdução 3 Resultados da Avaliação Externa 4 Ações a contemplar no Plano de Melhoria 5 Conclusão 7 2 Introdução

Leia mais

AUDITORIA DA A3ES AO SISTEMA INTERNO DE GARANTIA DA QUALIDADE DO IST

AUDITORIA DA A3ES AO SISTEMA INTERNO DE GARANTIA DA QUALIDADE DO IST AUDITORIA DA A3ES AO SISTEMA INTERNO DE GARANTIA DA QUALIDADE DO IST 1 Marta Pile Área de Estudos e Planeamento Cecília Moreira Área para Qualidade e Auditoria Interna Workshop sobre Qualidade no Ensino

Leia mais

UMA APOSTA NA GARANTIA DA QUALIDADE: A AVALIAÇÃO DAS UNIDADES CURRICULARES NO IST

UMA APOSTA NA GARANTIA DA QUALIDADE: A AVALIAÇÃO DAS UNIDADES CURRICULARES NO IST UMA APOSTA NA GARANTIA DA QUALIDADE: A AVALIAÇÃO DAS UNIDADES CURRICULARES NO IST Carla Patrocinio, Núcleo de Estatística e Prospectiva Marta Pile, Gabinete de Estudos e Planeamento 1 Sumário Novo Regime

Leia mais

IVº Simpósio sobre Estudos Curriculares Reformas e Inovações Curriculares em Moçambique Maputo, 19 de Agosto de 2016 Campus de Lhanguene

IVº Simpósio sobre Estudos Curriculares Reformas e Inovações Curriculares em Moçambique Maputo, 19 de Agosto de 2016 Campus de Lhanguene 1 ESCOLA DOUTORAL EDUCAÇÃO/ CURRÍCULO Av. de Moçambique, km 1.6, Campus de Lhanguene, Maputo IVº Simpósio sobre Estudos Curriculares Reformas e Inovações Curriculares em Moçambique Maputo, 19 de Agosto

Leia mais

PADRÕES de DESEMPENHO DOCENTE

PADRÕES de DESEMPENHO DOCENTE ESCOLA SECUNDÁRIA DO RESTELO 402679 PADRÕES de DESEMPENHO DOCENTE 2010-2011 Desp.n.º 16034-2010, ME (20 Out.) VERTENTE PROFISSIONAL, SOCIAL E ÉTICA Compromisso com a construção e o uso do conhecimento

Leia mais

Dimensão 1 DIDÁTICO-PEDAGÓGICA. 1.1 Gestão Acadêmica 1.2 Projeto do Curso 1.3 Atividades acadêmicas articuladas ao ensino de graduação

Dimensão 1 DIDÁTICO-PEDAGÓGICA. 1.1 Gestão Acadêmica 1.2 Projeto do Curso 1.3 Atividades acadêmicas articuladas ao ensino de graduação Dimensão 1 DIDÁTICO-PEDAGÓGICA CATEGORIAS DE ANÁLISE 1.1 Gestão Acadêmica 1.2 Projeto do Curso 1.3 Atividades acadêmicas articuladas ao ensino de graduação 1.1 GESTÃO ACADÊMICA 1.1.1 Responsabilidade Social

Leia mais

Biblioteca de Escola Secundária/3ºC de Vendas Novas. Plano de acção Nota introdutória

Biblioteca de Escola Secundária/3ºC de Vendas Novas. Plano de acção Nota introdutória Biblioteca de Escola Secundária/3ºC de Vendas Novas Plano de acção 2009-2013 Nota introdutória O plano de acção é um documento orientador onde se conceptualizam e descrevem as metas a atingir num período

Leia mais

O Sistema de Gestão da Qualidade da Universidade do Porto. José António Sarsfield Cabral

O Sistema de Gestão da Qualidade da Universidade do Porto. José António Sarsfield Cabral O Sistema de Gestão da Qualidade da Universidade do Porto José António Sarsfield Cabral 14.03.2008 1 Estrutura da apresentação A Universidade do Porto Introdução Contexto Dificuldades na Gestão da Qualidade

Leia mais

PERCURSOS E PERSPECTIVAS DA FORMAÇÃO CONTÍNUA EM PORTUGAL

PERCURSOS E PERSPECTIVAS DA FORMAÇÃO CONTÍNUA EM PORTUGAL PERCURSOS E PERSPECTIVAS DA FORMAÇÃO CONTÍNUA EM PORTUGAL 1. Uma primeira nota que gostaria de deixar, nesta breve intervenção destinada a despoletar o debate em torno da problemática do Painel, tem a

Leia mais

Texto referência para a audiência pública sobre as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Relações Internacionais

Texto referência para a audiência pública sobre as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Relações Internacionais CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Texto referência para a audiência pública sobre as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Relações Internacionais Comissão da Câmara de Educação Superior

Leia mais

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE REGULAMENTO DA CARREIRA DOCENTE Capítulo I Dos Princípios Gerais Artigo (Âmbito e Constituição do Corpo Docente). O presente Regulamento aplica-se a todos os docentes

Leia mais

EduSer nº2 Setembro Portfólio: um Instrumento de Avaliação Co-construído. Resumo. Palavras-chave. Keywords. 1. Introdução

EduSer nº2 Setembro Portfólio: um Instrumento de Avaliação Co-construído. Resumo. Palavras-chave. Keywords. 1. Introdução Portfólio: um Instrumento de Avaliação Co-construído Cristina Mesquita-Pires cmmgp@ipb.pt Escola Superior de Educação Instituto Politécnico de Bragança Maria Isabel Fontes Resumo Conselho de docentes de

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DE PROFESSORES DO

O DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DE PROFESSORES DO O DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DE PROFESSORES DO ENSINO SUPERIOR NA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA JOANA MARQUES jmarques@unl.pt jmarques@ie.ul.pt DA FORMAÇÃO PEDAGÓGICA AO DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DE

Leia mais

PROGRAMA BIP/ZIP LISBOA 2016 PARCERIAS LOCAIS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E PONTUAÇÃO DAS CANDIDATURAS

PROGRAMA BIP/ZIP LISBOA 2016 PARCERIAS LOCAIS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E PONTUAÇÃO DAS CANDIDATURAS PROGRAMA BIP/ZIP LISBOA 2016 PARCERIAS LOCAIS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E PONTUAÇÃO DAS CANDIDATURAS PARTICIPAÇÃO A este nível será avaliada a participação das populações dos BIP/ZIP no desenho, no desenvolvimento

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. Documento de Apoio: Desagregação das medidas e das tipologias de atividades

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. Documento de Apoio: Desagregação das medidas e das tipologias de atividades Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento Documento de Apoio: Desagregação das medidas e das tipologias de atividades Desagregação das medidas e das tipologias de atividades ESTRATÉGIA NACIONAL

Leia mais

CEVALOR. AEP Seminário. 02 de Abril de 2008 CEVALOR. Breves reflexões sobre a GRH

CEVALOR. AEP Seminário. 02 de Abril de 2008 CEVALOR. Breves reflexões sobre a GRH AEP Seminário 02 de Abril de 2008 Breves reflexões sobre a GRH - Programas de desenvolvimento dos recursos humanos não estão interligados com a estratégia - Recursos Humanos geridos como centros de custo

Leia mais

SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO

SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO DECRETO-LEI Nº190/1991 DE 17 MAIO DECRETO-LEI Nº300/1997 DE 31 OUTUBRO / PORTARIA Nº 63 / 2001 DE 30 DE JANEIRO A escola e seus actores Agrupamento de Escolas de

Leia mais

CONFERÊNCIA: FORMAÇÃO INICIAL E CONTÍNUA NA ÁREA DA EDUCAÇÃO ESPECIAL FACE AOS DESAFIOS DO ALARGAMENTO DA ESCOLARIDADE OBRIGATÓRIA INCLUSIVA

CONFERÊNCIA: FORMAÇÃO INICIAL E CONTÍNUA NA ÁREA DA EDUCAÇÃO ESPECIAL FACE AOS DESAFIOS DO ALARGAMENTO DA ESCOLARIDADE OBRIGATÓRIA INCLUSIVA CONFERÊNCIA: FORMAÇÃO INICIAL E CONTÍNUA NA ÁREA DA EDUCAÇÃO ESPECIAL FACE AOS DESAFIOS DO ALARGAMENTO DA ESCOLARIDADE OBRIGATÓRIA INCLUSIVA COMO FORMAR PARA A ESCOLA DO SÉCULO XXI? Célia Sousa celia.sousa@ipleiria.pt

Leia mais

Tema do Painel: Um novo paradigma de desenvolvimento profissional: Valorização de percursos e competências. Tema da Comunicação:

Tema do Painel: Um novo paradigma de desenvolvimento profissional: Valorização de percursos e competências. Tema da Comunicação: Tema do Painel: Um novo paradigma de desenvolvimento profissional: Valorização de percursos e competências Tema da Comunicação: O envolvimento das organizações e dos enfermeiros no desenvolvimento e reconhecimento

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Comunicação Organizacional sobre

Leia mais

Universidade Agostinho Neto JORNADAS AGOSTINHO NETO SETEMBRO 2015 PROGRAMA-GERAL

Universidade Agostinho Neto JORNADAS AGOSTINHO NETO SETEMBRO 2015 PROGRAMA-GERAL Universidade Agostinho Neto JORNADAS AGOSTINHO NETO SETEMBRO 2015 PROGRAMA-GERAL Dias: De 16 a 20 de Setembro de 2015 Actividade: Acampamento em Caxicane em homenagem ao Dr. Agostinho Neto com diversas

Leia mais

República de Moçambique Ministério da Educação e Cultura INSTITUTO NACIONAL DO DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

República de Moçambique Ministério da Educação e Cultura INSTITUTO NACIONAL DO DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO República de Moçambique Ministério da Educação e Cultura INSTITUTO NACIONAL DO DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO Síntese Final do I Fórum Nacional de Consulta sobre a Transformação Curricular do Ensino Secundário

Leia mais

Workshop PIBID SALVADOR. Data:

Workshop PIBID SALVADOR. Data: Workshop PIBID SALVADOR Data: 07.12.2016 Justificativa A intenção inicial do Workshop é favorecer o diálogo entre rede de municipal ensino e universidades, considerando a efetiva troca de experiências

Leia mais

Considerações Finais

Considerações Finais 153 Considerações Finais 154 Teresa Vasconcelos 1 Ficou claro, ao longo deste excelente dia de reflexão, que a educação dos 0 aos 3 anos é uma responsabilidade social alargada que deve combinar esforços

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO PROGRAMA DE CURSOS DE MESTRADO EDITAL

REPÚBLICA DE ANGOLA INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO PROGRAMA DE CURSOS DE MESTRADO EDITAL REPÚBLICA DE ANGOLA INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO \\ PROGRAMA DE CURSOS DE MESTRADO EDITAL O Programa de Cursos de Mestrado do ISCED de Luanda informa aos interessados que estarão abertas

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ORGANIZAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR Ano Lectivo 2012/2013

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ORGANIZAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR Ano Lectivo 2012/2013 Programa da Unidade Curricular ORGANIZAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR Ano Lectivo 2012/2013 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (2º Ciclo) 2. Curso MESTRADO EM ENSINO DE ARTES VISUAIS NO 3.º CICLO

Leia mais

XXIII REUNIÃO ORDINÁRIA DE PONTOS FOCAIS DE COOPERAÇÃO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA - CPLP

XXIII REUNIÃO ORDINÁRIA DE PONTOS FOCAIS DE COOPERAÇÃO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA - CPLP XXIII REUNIÃO ORDINÁRIA DE PONTOS FOCAIS DE COOPERAÇÃO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA - CPLP Luanda, 18 e 19 de Julho de 2011 Nota do Coordenador da Reunião de Pontos Focais ao 145º Comité

Leia mais

1.7. Número de unidades curriculares em que participou no segundo semestre de 2006/2007:

1.7. Número de unidades curriculares em que participou no segundo semestre de 2006/2007: INQUÉRITO AOS DOCENTES SOBRE CONDIÇÕES E ACTIVIDADES DE ENSINO/APRENDIZAGEM ANO LECTIVO 2006/2007-2º SEMESTRE 1.1. Categoria e Vínculo Doutorado Convidado Tempo Integral Doutorado Convidado Tempo Parcial

Leia mais

Bem-vindo(a)s Encarregados de Educação 12 e 13 de outubro 2015

Bem-vindo(a)s Encarregados de Educação 12 e 13 de outubro 2015 Bem-vindo(a)s Encarregados de Educação 12 e 13 de outubro 2015 Agenda Preparação do trabalho a realizar no ano letivo 2015/2016 Regulamento Interno disponível no portal do agrupamento www.esvalongo.org

Leia mais

EESTÁGIO PROFISSIONAL

EESTÁGIO PROFISSIONAL CAPÍTULO I Artigo 1.º Regime aplicável 1. O presente regulamento refere-se aos procedimentos de regulação do Estágio do 1.º ano do ramo de Design, da licenciatura do Curso de Arte e Design da Escola Superior

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Muralhas do Minho, Valença PLANO ESTRATÉGICO PARA O ANO LETIVO

Agrupamento de Escolas de Muralhas do Minho, Valença PLANO ESTRATÉGICO PARA O ANO LETIVO Agrupamento de Escolas de Muralhas do Minho, Valença PLANO ESTRATÉGICO PARA O ANO LETIVO 2014-2015 1. Enquadramento. O Plano Estratégico apresentado para o ano letivo 2014-2015 e elaborado nos termos do

Leia mais

Doutoramento em Economia

Doutoramento em Economia Doutoramento em Economia 2010/2011 O Programa O Programa de Doutoramento em Economia tem como objectivo central proporcionar formação que permita o acesso a actividades profissionais de elevada exigência

Leia mais

Plano de Acção do Departamento do 1.º Ciclo 2010 / 2011

Plano de Acção do Departamento do 1.º Ciclo 2010 / 2011 Plano Agrupamento Plano de Acção do Departamento do 1.º Ciclo 2010 / 2011 Prioridades Objectivos Estratégias ACÇÕES METAS AVALIAÇÃO P.1. Obj. 1 E.1 Ao 3.º dia de ausência do aluno, efectuar contacto telefónico,

Leia mais

Programa Operacional Regional do Norte ON.2

Programa Operacional Regional do Norte ON.2 Programa Operacional Regional do Norte 2007-2013 ON.2 Eixo Prioritário 2 Valorização Económica de Recursos Específicos Aviso XXX/ X /2009 Turismo Escolas de Hotelaria e Turismo Modelo da Memória Descritiva

Leia mais

Avaliação Externa das Escolas PLANO DE MELHORIA

Avaliação Externa das Escolas PLANO DE MELHORIA Avaliação Externa das Escolas 2012-2013 PLANO DE MELHORIA A elaboração deste plano de melhoria assenta no pressuposto de que o Agrupamento Vertical de Escolas de Azeitão é capaz de repensar estratégias

Leia mais

Despacho. Assim, nos termos do n.º 1 do artigo 18º do Despacho n.º 5328/2011, de 28 de Março, determino o seguinte:

Despacho. Assim, nos termos do n.º 1 do artigo 18º do Despacho n.º 5328/2011, de 28 de Março, determino o seguinte: Despacho O Despacho n.º 5328/2011, de 28 Março, estabeleceu as regras e os princípios orientadores a observar na organização das escolas e na elaboração do horário semanal de trabalho do pessoal docente

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA Vanessa Martins Hidd Santos NOVAFAPI INTRODUÇÃO A avaliação institucional constitui objeto de preocupação e análise na NOVAFAPI, desde sua fundação quando

Leia mais

BREVE CURRICULUM VITAE DO DOCENTE

BREVE CURRICULUM VITAE DO DOCENTE BREVE CURRICULUM VITAE DO DOCENTE Nome completo: Rosalina Zamora Jorge Nacionalidade: Moçambicana Endereço profissional: Faculdade de Educação, Universidade Eduardo Mondlane.Av. Julius Nyerere nr. 3453,

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE OURIQUE

AGRUPAMENTO VERTICAL DE OURIQUE AGRUPAMENTO VERTICAL DE OURIQUE Relatório de Reflexão Critica do Plano Anual de Atividades Ano Letivo 2011/2012 1ºPeríodo Índice Índice 2 Introdução 3 Grau execução e de satisfação 4 Participação dos agentes

Leia mais

PROPOSTA DE MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE A UNYLEYA - EDUCAÇÃO EFORMAÇÃO A DISTÂNCIA, SA E O INSTITUTO NACIONAL DE ADMINISTRAÇÃO, I.P.

PROPOSTA DE MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE A UNYLEYA - EDUCAÇÃO EFORMAÇÃO A DISTÂNCIA, SA E O INSTITUTO NACIONAL DE ADMINISTRAÇÃO, I.P. , ~.> ~.) I INSTITUTO NACIONAL -l.l.í!sj DE ADMINISTRAÇÃO. I-p. PROPOSTA DE MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE A UNYLEYA - EDUCAÇÃO EFORMAÇÃO A DISTÂNCIA, SA E O INSTITUTO NACIONAL DE ADMINISTRAÇÃO, I.P.

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Aradas Trabalho Desenvolvido Equipa de Avaliação Interna

Agrupamento de Escolas de Aradas Trabalho Desenvolvido Equipa de Avaliação Interna AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ARADAS Agrupamento de Escolas de Aradas Trabalho Desenvolvido Equipa de Avaliação Interna 2006-2013 Equipa de Avaliação Interna Página 1 [ES C R E V E R O E N D E R E Ç O D A

Leia mais

Regulamento da Prova de Aptidão Profissional (PAP)

Regulamento da Prova de Aptidão Profissional (PAP) ESCOLA SECUNDÁRIA D. MANUEL I 7800-478 BEJA Regulamento da Prova de Aptidão Profissional (PAP) CURSOS PROFISSIONAIS Artigo 1.º Enquadramento Legal O Decreto-Lei nº 74/2004, de 26 de Março, rectificado

Leia mais

Rede Social CLAS Fornos de Algodres C.L.A.S. CONSELH0 LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICIPIO DE FORNOS DE ALGODRES

Rede Social CLAS Fornos de Algodres C.L.A.S. CONSELH0 LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICIPIO DE FORNOS DE ALGODRES C.L.A.S. CONSELH0 LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICIPIO DE FORNOS DE ALGODRES ABRIL DE 2009 NOTA INTRODUTÓRIA No documento aqui apresentado estão identificados os projectos e intervenções a realizar no Município

Leia mais

ENCONTRO SOBRE O RECURSOS ZOOGENÉTICOS AFRICANOS DE DE ABRIL DE 2013, ABIDJAN, CÔTE D IVOIRE

ENCONTRO SOBRE O RECURSOS ZOOGENÉTICOS AFRICANOS DE DE ABRIL DE 2013, ABIDJAN, CÔTE D IVOIRE ENCONTRO SOBRE O RECURSOS ZOOGENÉTICOS AFRICANOS DE 14 15 DE ABRIL DE 2013, ABIDJAN, CÔTE D IVOIRE Por : Manuel MAIDI Abolia, Chefe do Departamento de Produção, Tecnologia e Industria Animal do ISV 1 -

Leia mais

O CEPOG é um órgão. 2-Possibilidades de Bolsa de estudo no Brasil;

O CEPOG é um órgão. 2-Possibilidades de Bolsa de estudo no Brasil; BOLETIM INFORMATIVO DO CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO O CEPOG é um órgão que visa monitorar os cursos de pósgraduação da Universidade Pedagógica com as funções de supervisionar e propor as alterações ao currículo

Leia mais

A Sociologia na Faculdade de Letras da Universidade do Porto

A Sociologia na Faculdade de Letras da Universidade do Porto A Sociologia na Faculdade de Letras da Universidade do Porto Isabel Dias 1 (Presidente do Departamento de Sociologia da Faculdade de Letras da Universidade do Porto) Excelentíssimos e Excelentíssimas,

Leia mais

SESSÃO DE APRESENTAÇÃO Cursos Técnicos Superiores Profissionais TeSP

SESSÃO DE APRESENTAÇÃO Cursos Técnicos Superiores Profissionais TeSP Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 SESSÃO DE APRESENTAÇÃO Cursos Técnicos Superiores Profissionais TeSP Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo

Leia mais

ATUAÇÃO DA CPA. Roteiro. Avaliação do ensino superior. Avaliação do Ensino Superior. Autoavaliação na UFMS

ATUAÇÃO DA CPA. Roteiro. Avaliação do ensino superior. Avaliação do Ensino Superior. Autoavaliação na UFMS ATUAÇÃO DA CPA Avaliação do ensino superior Roteiro Avaliação do Ensino Superior Legislação SINAES Autoavaliação Institucional Dimensões Autoavaliação na UFMS Instrumentos AVALIAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR

Leia mais

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE INTERVENÇÃO. Avaliação Interna da EPDRR

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE INTERVENÇÃO. Avaliação Interna da EPDRR Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE INTERVENÇÃO Avaliação Interna da EPDRR Ano Letivo 2015/2016 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 COMISSÃO DE TRABALHO 4 METODOLOGIA DE TRABALHO ADOTADA 4 DOMÍNIOS

Leia mais

Equipa Coordenadora da Autoavaliação da Escola

Equipa Coordenadora da Autoavaliação da Escola Biénio 2009-2011 Equipa Coordenadora da Autoavaliação da Escola OBJETIVO É objetivo deste documento servir de Sinopse do trabalho desenvolvido pela equipa de Autoavaliação da Escola no decurso do biénio

Leia mais

ENSINO MÉDIO INOVADOR: AS EXPERIÊNCIAS NA COMPREENSÃO DA BIOLOGIA

ENSINO MÉDIO INOVADOR: AS EXPERIÊNCIAS NA COMPREENSÃO DA BIOLOGIA ENSINO MÉDIO INOVADOR: AS EXPERIÊNCIAS NA COMPREENSÃO DA BIOLOGIA Adiene Silva Araújo Universidade de Pernambuco - UPE adienearaujo@hotmail.com 1- Introdução A Biologia como ciência, ao longo da história

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Alhandra, Sobralinho e S. João dos Montes

Agrupamento de Escolas de Alhandra, Sobralinho e S. João dos Montes Missão do Agrupamento de Escolas de Alhandra, Sobralinho e S. João dos Montes Assegurar a prestação de um serviço público de qualidade na educação, partindo do reconhecimento das condições objectivas do

Leia mais

NOVOS HÁBITOS SUSTENTÁVEIS SEMINÁRIO MINISTÉRIO DO AMBIENTE

NOVOS HÁBITOS SUSTENTÁVEIS SEMINÁRIO MINISTÉRIO DO AMBIENTE NOVOS HÁBITOS SUSTENTÁVEIS SEMINÁRIO MINISTÉRIO DO AMBIENTE Luanda 3 de Fevereiro de 2014 2 Novos Hábitos Sustentáveis Quem deve PARTICIPAR? Adquirir Competências. Partilhar Experiências. Decisores, Directores

Leia mais

PAINEL: Modelos de inovação nas TIC. UKB Joaquim Sequeira

PAINEL: Modelos de inovação nas TIC. UKB Joaquim Sequeira PAINEL: Modelos de inovação nas TIC UKB Joaquim Sequeira Inovação nas TIC As TIC imaginam-se como um universo de 2 conjuntos, representados pelas tradicionais Tecnologias de Comunicação, constituídas principalmente

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Direcção de Recursos Humanos

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Direcção de Recursos Humanos INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÂO DE COIMBRA Aprovação do Conselho Pedagógico 28/10/2015 Aprovação do Conselho Técnico-Científico 16/12/2015 Ficha de

Leia mais

Autonomia e Gestão Novos Desafios

Autonomia e Gestão Novos Desafios Autonomia e Gestão Novos Desafios Francisco Oliveira Reforço da participação das famílias e comunidades na direcção estratégica da Escola Reforçar a liderança das Escolas Reforço da autonomia das Escolas

Leia mais

Paula Cristina Pereira de Azevedo Pamplona Ramos, casada, nascida a , na freguesia de Nossa Senhora da Conceição, Angra do Heroísmo.

Paula Cristina Pereira de Azevedo Pamplona Ramos, casada, nascida a , na freguesia de Nossa Senhora da Conceição, Angra do Heroísmo. NOTA BIOGRÁFICA. 1 - Dados Pessoais Paula Cristina Pereira de Azevedo Pamplona Ramos, casada, nascida a 23-08- 1967, na freguesia de Nossa Senhora da Conceição, Angra do 2 - Habilitações Literárias Ensino

Leia mais

Unidade 1 Sobre o Trabalho de conclusão de curso

Unidade 1 Sobre o Trabalho de conclusão de curso Unidade 1 Sobre o Trabalho de conclusão de curso O Trabalho de Conclusão de Curso TCC é um requisito obrigatório para a conclusão do curso, realizada no final do Curso de Licenciatura em Pedagogia da Universidade

Leia mais

NORMAS DE PARTICIPAÇÃO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DAS ESCOLAS Despacho n.º 436-A 2017

NORMAS DE PARTICIPAÇÃO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DAS ESCOLAS Despacho n.º 436-A 2017 NORMAS DE PARTICIPAÇÃO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DAS ESCOLAS 2017 Despacho n.º 436-A 2017 PREÂMBULO O Orçamento Participativo constitui um instrumento que tem vindo a ser adotado por um conjunto crescente

Leia mais

Transporte Ferroviário em Angola: Situação Actual e Perspectiva de Desenvolvimento

Transporte Ferroviário em Angola: Situação Actual e Perspectiva de Desenvolvimento Transporte Ferroviário em Angola: Situação Actual e Perspectiva de Desenvolvimento Estratégia da Formação de Quadros, Factor Fundamental para o Desenvolvimento Sustentado do Transporte Ferroviário, no

Leia mais

CURRICULUM VITAE RAUL CARLOS VASQUES ARAÚJO

CURRICULUM VITAE RAUL CARLOS VASQUES ARAÚJO CURRICULUM VITAE RAUL CARLOS VASQUES ARAÚJO Março 2011 I - IDENTIFICAÇÃO Nome - RAUL CARLOS VASQUES ARAÚJO Estado civil - Casado Naturalidade - Luanda Nacionalidade - Angolana Data de nascimento - 21 de

Leia mais

Apresentação de Resultados CAF

Apresentação de Resultados CAF Apresentação de Resultados CAF Sumário Introdução Ponto de situação do projeto Fases do Projeto Resultados CAF Modelo CAF Resultados da(s) Grelha(s) de Autoavaliação Resultados dos questionários Plano

Leia mais

APPASSI. Associação Portuguesa para o Serviço Social Internacional (Instituição particular de solidariedade social) PLANO DE A C CÃO PARA 2O17

APPASSI. Associação Portuguesa para o Serviço Social Internacional (Instituição particular de solidariedade social) PLANO DE A C CÃO PARA 2O17 Associação Portuguesa para o Serviço Social Internacional (Instituição particular de solidariedade social) PLANO DE A C CÃO PARA 2O17 ÍNDICE Introdução Enquadramento 1 Estrutura e Organização Interna 2

Leia mais

Palavras-Chave: Prática Formativa. Desenvolvimento Profissional. Pibid.

Palavras-Chave: Prática Formativa. Desenvolvimento Profissional. Pibid. O SUBPROJETO DO CURSO DE PEDAGOGIA NO PIBID/ CAPES/UFAC COMO PRÁTICA FORMATIVA E SUAS REPERCUSSÕES NO DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOCENTE: APROXIMAÇÕES INICIAIS Lúcia de Fátima Melo Universidade Federal

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ÁGUEDA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ÁGUEDA 2014 Plano de melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ÁGUEDA O Plano de Melhoria do Agrupamento de Escolas de Águeda surge na sequência do relatório da Avaliação Externa das Escolas realizada pela equipa de

Leia mais

Regulamento do Trabalho Final dos Mestrados da Faculdade de Economia e Gestão da Universidade Católica Portuguesa Capítulo 1 Disposições Gerais

Regulamento do Trabalho Final dos Mestrados da Faculdade de Economia e Gestão da Universidade Católica Portuguesa Capítulo 1 Disposições Gerais Regulamento do Trabalho Final dos Mestrados da Faculdade de Economia e Gestão da Universidade Católica Portuguesa Capítulo 1 Disposições Gerais Artigo 1º Enquadramento, âmbito de aplicação e objectivo

Leia mais

Europass-Curriculum Vitae

Europass-Curriculum Vitae Europass-Curriculum Vitae Informação pessoal Apelido(s) / Nome(s) próprio(s) Morada Correio(s) electrónico(s) Maria Neves Rua do Passal, Nº 46, 1º D, 9500-096 Ponta Delgada Telemóvel 936602762 / 926592751

Leia mais

Educar para a Cidadania Contributo da Geografia Escolar

Educar para a Cidadania Contributo da Geografia Escolar Iª JORNADAS IGOT DOS PROFESSORES DE GEOGRAFIA Educar para a Cidadania Contributo da Geografia Escolar Maria Helena Esteves 7 de Setembro de 2013 Apresentação O que é a Educação para a Cidadania Educação

Leia mais

Inscrição e Alargamento do Prazo

Inscrição e Alargamento do Prazo 3, 4 e 5 de fevereiro 2017 Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa Inscrição e Alargamento do Prazo Desde a sua criação legal em 1983 (DL n.º 310/83, de 1 de julho), o Ensino Artístico Especializado tem vindo

Leia mais

Susana Margarida Moreira de Macedo

Susana Margarida Moreira de Macedo - A informação introduzida nas fichas individuais é da inteira responsabilidade do autor - Susana Margarida Moreira de Macedo Técnico Superior de 1ª classe Habilitações Académicas Formação Pré-Graduada

Leia mais

RELATÓRIO DO PLANO DE FORMAÇÃO

RELATÓRIO DO PLANO DE FORMAÇÃO RELATÓRIO DO PLANO DE FORMAÇÃO Ano letivo 2014/2015 ÍNDICE Introdução---------------------------------------------------------3 Ações realizadas--------------------------------------------------4 Grau

Leia mais

CURRICULUM VITAE RAUL CARLOS VASQUES ARAÚJO

CURRICULUM VITAE RAUL CARLOS VASQUES ARAÚJO CURRICULUM VITAE RAUL CARLOS VASQUES ARAÚJO Novembro de 2016 I - IDENTIFICAÇÃO Nome - RAUL CARLOS VASQUES ARAÚJO Estado civil - Casado Naturalidade - Luanda Nacionalidade - Angolana Data de nascimento

Leia mais

CURRICULUM VITAE [ IDENTIFICAÇÃO [ HABILITAÇÕES ACADÉMICAS [ ACTIVIDADE DOCENTE. Nome: CARLOS MANUEL DE CAMPOS MAGALHÃES COSTA

CURRICULUM VITAE [ IDENTIFICAÇÃO [ HABILITAÇÕES ACADÉMICAS [ ACTIVIDADE DOCENTE. Nome: CARLOS MANUEL DE CAMPOS MAGALHÃES COSTA CURRICULUM VITAE [ IDENTIFICAÇÃO Nome: CARLOS MANUEL DE CAMPOS MAGALHÃES COSTA [ HABILITAÇÕES ACADÉMICAS Licenciatura em Ciências Farmacêuticas (Opção de Análises Químico-Biológicas) pela Faculdade de

Leia mais

REGULAMENTO DE LABORATÓRIOS DO ISPAJ

REGULAMENTO DE LABORATÓRIOS DO ISPAJ REGULAMENTO DE LABORATÓRIOS DO ISPAJ Versão aprovada em CD de 08 de Junho de 2015 Documento Regulamento de Laboratórios do ISPAJ Data 08/06/2015 Conselho de Direcção 08/06/2015 Data entrega Assembleia

Leia mais

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE ANOS DA CRIAÇÃO DO CIUEM 3ª FASE DO DESENVOLVIMENTO DO CIUEM 2009 2013 TICs PARA TODOS NO ENSINO, INOVAÇÃO E INVESTIGAÇÃO Tecnologias de Informação e Comunicação A expansão

Leia mais

Protocolo de Colaboração

Protocolo de Colaboração Protocolo de Colaboração Entre os Centros de Formação de Associação de Escolas do distrito de Coimbra e a Universidade de Coimbra Os Centros de Formação de Associação de Escolas do distrito de Coimbra,

Leia mais