Tutorial de Voz sobre IP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tutorial de Voz sobre IP"

Transcrição

1 Tutorial de Voz sobre IP VIII Seminário de Capacitação Interna Cesar Marcondes GT-VOIP/RNP Capacitação Interna RNP GT-VOIP

2 Tópicos Introdução sobre VOIP (atraso, jitter, perda) Cenários básicos (PC-PC, PC-Gateway, Gateway-Gateway, Gateway-Servidor- Gateway) Codificadores de áudio (G.711/GSM/G.723.1, relacionamento com a qualidade - MOS) Sinalização H.323 (GK, GW, H.245) e Sinalização SIP Segurança e VOIP Interfaces FXS / FXO / E&M / E1 (descrição técnica) Plano de discagem (Proposta de Plano de Discagem RNP2, peering com Internet2) Monitoramento de ligações (RADIUS - VSA, GK Accounting) IVR (Interactive Voice Response) Sistema de Planejamento de QoS para VoIP com uso Medições Ativas (descrição do ambiente - Openam e Caller, resumo das ligações por semana/dia) Comparativo entre Gateways VOIP (Cisco 2600, Alcatel, Planet, LineJack e Voip Blaster) Próximos Passos Capacitação Interna RNP GT-VOIP 2

3 Introdução Telefonia na Internet se refere à serviços de comunicação como voz, fax, ou aplicações de mensagens de voz, que são transportadas via Internet ao invés da Rede Telefônica Pública. Os passos básicos envolvidos em originar uma chamada telefônica na Internet são conversão do sinal de voz analógico para formato digital, compressão deste sinal em pacotes IP transmitidos sobre a Internet; e revertendo o processo na extremidade receptora. Capacitação Interna RNP GT-VOIP 3

4 Por que migrar para VoIP? (Perspectiva do Usuário) compressão variável segurança através de criptografia identificação de quem chama chamadas internacionais pagando taxas locais fácil integração com vídeo, whiteboard (Perspectiva da Operadora) supressão de silêncio resulta em menor tráfego facilidades compartilhadas (mais simples que CTI) vantagens operacionais comutação mais barata fax enviado como dado Capacitação Interna RNP GT-VOIP 4

5 Por que não usamos VoIP hoje em dia? Qualidade do Som Imprevisível Menor Confiabilidade Os dispositivos VoIP não são baratos (telefones IP, Gateways, etc) Base instalada mundial de 1 bilhão de linhas telefônicas Infra-estrutura de cobrança inexistente Desafios Técnicos a serem superados Questões Relacionadas a Regulamentação Capacitação Interna RNP GT-VOIP 5

6 Desafios Técnicos Mudança do Paradigma da Rede Baseada em Circuitos para Rede Baseada em Pacotes Atraso Fim-a-Fim Variável Codificação e compressão Perda de Pacotes Cancelamento de Eco / Supressão de Silêncio Arquitetura de Sinalização Capacitação Interna RNP GT-VOIP 6

7 Atraso Fim-a-Fim Problema do Atraso Fim-a-Fim Atraso de Bufferização e Codificação Este atraso é mais significativo, quando estivermos lidando com taxas de bits muito baixas. Atraso de Serialização e Propagação (10ms/1000km) Bufferização para Compensação de Jitter acaba aumentando o atraso fim-a-fim = 40 a 60 ms Obs.: Não devemos exceder (ITU-T) 150 ms em atraso fim-a-fim para prevenir colisão na conversa (ligações via satélite) Capacitação Interna RNP GT-VOIP 7

8 Variação do Atraso (Jitter) Linha do Tempo <<OLA COMO VOCE VAI? Propagação + Jitter <<OLA CO MO VOCE VAI? >> Capacitação Interna RNP GT-VOIP 8

9 Problema da Serialização O atraso de serialização pode causar aos pacotes de voz uma espera maior do que necessário: Serialization delay = (1500 bytes) x (8 bits / byte) = 187,5 ms ( bits / segundo) Solução: Fragmentação na Camada de Rede / Camada de Enlace (Multilink PPP) Capacitação Interna RNP GT-VOIP 9

10 Perda de Pacotes Causado por Congestionamentos ou Atrasos Dependendo do codificador, a perda é mais ou menos significativa Podemos usar mecanismos de Forward Error Correction (FEC) Redundância Outras alternativas de recuperação são baseadas na exploração do pacote anterior Capacitação Interna RNP GT-VOIP 10

11 Cenários de Telefonia IP Rede Internet Cenário 1 : PC para PC Necessário um PC com placa de som e microfone Software de IP Telephony : Cuseeme, Netmeeting... Opcionalmente pode ser usado para outros propósitos, como vídeo-conferência Capacitação Interna RNP GT-VOIP 11

12 Cenários de Telefonia IP imac Rede Internet Rede Telefonica * 8 # GATEWAY Cenário 2 : PC para Telefone É necessário um gateway que conecte a rede Internet com a rede de telefonia convencional O usuário precisa conhecer previamente o endereço IP deste gateway. Capacitação Interna RNP GT-VOIP 12

13 Cenários de Telefonia IP * 8 # Rede Telefonica Rede Internet Rede Telefonica * 8 # Gateway Gateway Cenário 3 : Telefone para Telefone Existe a necessidade de mais gateways para conectar a rede Internet à diferentes redes telefônicas provendo uma forma de bypass Todo gateway tem que conhecer todos os prefixos telefônicos e endereços IP dos gateway que acessam estes prefixos Capacitação Interna RNP GT-VOIP 13

14 * 8 # Cenários de Telefonia IP Servidor 1979 XXXXXX = IP do Gateway XXXXXX = IP do Gateway 2 * 8 # Rede Telefonica Rede Internet Rede Telefonica Gateway 1 Gateway 2 Cenário 4 : Telefone para Telefone ou PC para Telefone passando por Servidor O servidor tem como objetivo fornecer a resolução do prefixo e redirecionar a ligação para o gateway correto Capacitação Interna RNP GT-VOIP 14

15 Codificadores de Áudio ITU-T G.711 Taxa de Transmissão: 64 kbps (8bits/125µs) Codificação do Tipo: Pulse Code Modulation 8000 amostras/seg quantizadas em 256 níveis (8 bits) Níveis de quantização têm espaçamento logaritmo Baixo Atraso de Processamento Capacitação Interna RNP GT-VOIP 15 ITU G.729A Taxa de Transmissão: 8 kbps (80bits/10ms) Codificação do Tipo: ACELP (Algebraic-Code- Excited Linear-Prediction) Entrada PCM linear 16, construção de banco de coeficientes para filtragem Atraso de Codificação: 10ms (quadro), 5 ms (lookahead), 10 ms (processamento) = 25ms Utilizado com sucesso na rede VOIP AARNet

16 Codificadores de Áudio ITU-T G Taxa de Transmissão: 5,3 kbps (158bits/30ms) 6,3 kbps (189bits/30ms) Tipos de Codificação: ACELP para 5,3 kbps e ML-MLQ para 6,3 kbps Algoritmo parecido com o G.729, entretanto com maior janela de observação (180 amost.). Atraso de Codificação: 30 ms (quadro), 7,5 ms (lookahead), 30 ms (processamento) = 67,5 ms Capacitação Interna RNP GT-VOIP 16 Supressão de Silêncio e Ruído de Conforto O Anexo B do G.729 e Anexo A do G descrevem o detector de atividade de voz (VAD), e o gerador de ruído de conforto para a compressão de silêncio; Entretanto, o VAD pode apresentar alguns problemas indesejáveis como falhas no começo das palavras devido ao threshold para detectar a atividade da voz.

17 Medindo a Qualidade Avaliações Subjetivas Mean Opinion Score Valor de 0 a 5 representando a qualidade do áudio 0 inaceitável até 5 excelente Avaliações Objetivas ITU-T G.113 Valores de 0-100, onde 0 representa a pior qualidade e 100 a melhor. Usa tabela de valores subjetivos previamente medidos para analisar a qualidade; ITU-T G.114 e-model Combina diversos parâmetros de performance em um modelo computacional complexo Capacitação Interna RNP GT-VOIP 17

18 Relacionamento com a Qualidade (MOS) Capacitação Interna RNP GT-VOIP 18

19 Relacionamento com a Qualidade (MOS) One-Way Delay ITU G > % Packet Loss ITU G.113 G729A (VAD) , , ITU G.113 G.723 (VAD) Capacitação Interna RNP GT-VOIP 19

20 H Abordagem ITU-T de Telefonia IP Gatekeeper: Gerencia o registro, status e Gateway H.323/PSTN: tradução dos admissão de usuários formatos de transmissão e (RAS) procedimentos de comunicação entre H.323 e Rede Telefônica (PSTN) Rede de Telefonia Convencional Rede Local Gatekeeper Terminal H.323: ponto final da comunicação multimídia Terminal H.323 Central Telefônica (PBX) Terminal H.323 Terminal H.323 Servidor de Conferência : suporte a conferências entre três ou mais pontos terminais MCU Capacitação Interna RNP GT-VOIP 20 Gateway PSTN/H.323 Herança da Rede Telefônica Endereçamento de números telefônicos Encapsulamento das mensagens de sinalização ISDN Maior tempo de padronização Maior quantidade de produtos Padrão usado pelo Internet2 VOIP Working Group

21 H Abordagem ITU-T de Telefonia IP Sinalização H.323 Protocolo RAS - Requisições de Registro / Admissão / Status Acontecem sempre dos terminais H.323 para o Gatekeeper Requisições de abertura de chamadas Sinalização de Estabelecimento de Chamada (Q.931/H.225) e Controle de Mídia (H.245) Existem 2 modos de operação entre terminais H Modo Direct Routed 2 Modo Gatekeeper Routed Capacitação Interna RNP GT-VOIP 21

22 Modo Direct vs GK-Routed 1 Modo Direct Routed Quando o Gatekeeper fizer a admissão da chamada, ele provê ao terminal H.323, o endereço IP do terminal procurado. RAS Gatekeeper RAS Gatekeeper RAS A sinalização de estabelecimento de chamada prossegue diretamente entre os terminais H.323 Terminal H.323 Sinalização Q.931 H.245 RTP / RTCP Terminal H.323 Capacitação Interna RNP GT-VOIP 22

23 Modo Direct vs GK-Routed 2 Modo Gatekeeper Routed Gatekeeper RAS Gatekeeper Neste modo de atuação, o Gatekeeper intermedia a sinalização de estabelecimento de chamada (Q.931) e de negociação da mídia (H.245), como se ele fosse o terminal chamador. RAS Terminal H.323 Q.931 H.245 Q.931 H.245 RTP / RTCP H.245 Q.931 RAS Terminal H.323 Capacitação Interna RNP GT-VOIP 23

24 SIP - Abordagem IETF de Telefonia IP O SIP utiliza algumas características da Internet, como: URLs (para endereçamento); Comunicação entre domínios administrativos através de DNS Herança do protocolo HTTP (requisições e respostas no formato texto); MIME-types podendo enviar qualquer conteúdo no corpo das mensagens SIP (como fotos, vídeo, páginas web) Capacitação Interna RNP GT-VOIP 24

25 SIP Session Initiation Protocol Servidor Redirect: envia uma Cliente SIP: ponto final mensagem da para os clientes contendo o novo endereço SIP comunicação multimídia procurado Servidor SIP Redirect Location Service SIP Client 12 Servidor SIP Proxy Exemplo de Mensagem SIP (12) : SIP/ OK Servidor Proxy: realiza a From : Cesar Marcondes sinalização como se fosse o To : Vitor originador da chamada Via : SIP/2.0/UDP proxysip.voip.nce.ufrj.br Call-ID : CSeq : 8324 INVITE 11 Servidor SIP Proxy SIP Client Data Data Servidor SIP Proxy Data Data Capacitação Interna RNP GT-VOIP 25

26 Aspectos de Segurança Possível Solução: Uso de Gatekeeper com Função de Proxy de Sinalização H.225/H.245 e RTP/RTCP Somente o GK tem as portas liberadas no Firewall Network Address Translation (NAT) Capacitação Interna RNP GT-VOIP 26

27 Segurança no Gateway Gatekeeper Internet Usar Modo Gatekeeper Routed Rotear a sinalização H.225 / porta 1720 Aplicar filtragem no Gateway Liberar UDP todos Bloquear TCP 1720 de todos menos do Gatekeeper Gateway H.323 / PSTN PBX Capacitação Interna RNP GT-VOIP 27

28 Interoperando com a Telefonia Convencional Interfaces FXS FXO E&M E1 Entrar em contato com os responsáveis da área de telefonia da instituição, para verificar quais são as interfaces disponíveis no PBX e qual sinalização é usada Capacitação Interna RNP GT-VOIP 28

29 Interface FXS Foreign Exchange Station Uma interface FXS (ou Foreign Exchange Station) conecta diretamente um telefone, um aparelho de fax ou dispositivo similar que tenha ring, voltagem, e tom de discagem. Isto faz com que o Gateway permita emular uma linha telefônica para este telefone. A interface usa o conector RJ-11. Capacitação Interna RNP GT-VOIP 29

30 Interface FXO Foreign Exchange Office A interface FXO (Foreign Exchange Office) é um conector RJ-11 que permite uma conexão analógica com o PBX ou linha telefônica. O FXO é plugado diretamente no extremidade de uma linha do PBX para que ele pense que a interface FXO é um telefone. Entretanto, a interface FXO não permite plugar um telefone convencional, pois ela não provê tom de discagem. A configuração padrão de sinalização entre PBX e esta linha é loop-start. Podendo ser modificado outro valor como ground-start, para evitar problemas como o glare. Capacitação Interna RNP GT-VOIP 30

31 Tronco Analógico E&M Os troncos analógicos permitem conectar sistemas de telefonia, como ligações entre PBXs e ligação com a operadora. A forma mais comum de tronco analógico é a interface E&M (receive e transmit) RJ11. A sinalização E&M define um lado como circuito do tronco e outro lado como unidade de sinalização para cada conexão. Essa sinalização é similar aos DCE, (Data Circuit-Termination Equipment) e DTE (Data Terminal Equipment). Normalmente, o PBX fica com o lado tronco, e a operadora (ou o gateway VoIP) é fica com o lado unidade de sinalização. A sinalização E&M é usada para suportar tie-line ou sinalização entre switches telefonicos. Sendo que esta sinalização pode ser de 5 tipos diferentes, configurável nos Gateways. Capacitação Interna RNP GT-VOIP 31

32 Tronco Digital E1 Módulos de Tronco Digital E1 são usados para permitir que as instituições enviem a sua telefonia digital em 30 canais simultâneos E1 pela rede. Estes módulos permitem receber a informação de taxa constante E1 e convertê-la em formato compactado usando VoIP. Para fazer isso, entretanto, precisamos de alguns recursos especiais (no caso do Cisco 2600) : Ter um tronco E1 disponível no PBX. Instalar o IOS 12.1(2)T ou maior - 48 MB é o minimo para 1 ou 2 E1s. Suportar o pacote IP Plus - 16 MB de memória Flash. Instalar uma placa E1 de alta-densidade (NM-HDV-1E1-30). Instalar pelo menos 1 PVDM-12. Sendo possível instalar no máximo 5 PVDM-12 nos slots da placa E1 de alta-densidade. Cada PVDM-12 é composto de DSP para compressão de áudio. Se usarmos codecs de alta complexidade, cada PVDM processa até 6 ligações simultâneas por PVDM-12. Se usarmos codecs de média complexidade, ele processo até 12 ligações simultâneas por PVDM-12. Capacitação Interna RNP GT-VOIP 32

33 Plano de Discagem Um plano de discagem ou plano de numeração descreve os aspectos de endereçamento e roteamento na rede de telefonia O plano identifica números telefônicos que estão associados a regiões e a maneira como é feito o roteamento, através de prefixos, por exemplo. A proposta preliminar do Plano de Discagem GT- VOIP será baseada em H.323. Capacitação Interna RNP GT-VOIP 33

34 Cenário Discagem entre Ramais Virtuais Capacitação Interna RNP GT-VOIP 34

35 Cenário Peering H.323 entre Instituições Capacitação Interna RNP GT-VOIP 35

36 Cenário Bypass de Ramais Virtuais para Reais Capacitação Interna RNP GT-VOIP 36

37 Cenário Bypass entre Ramais Reais Capacitação Interna RNP GT-VOIP 37

38 Cenário Extensão do VoIP para fora da Instituição Capacitação Interna RNP GT-VOIP 38

39 Peering com Internet2 Capacitação Interna RNP GT-VOIP 39

40 Monitorando as ligações Objetivo: Monitorar com maior nível de detalhes, as ligações que usem a telefonia convencional Proposta: Usando servidor RADIUS (FreeRadius) RADIUS protocolo de autenticação Usa mensagens UDP (porta 1812/1813) Pode usar mensagens específicas dos fabricantes (Vendor-Specific Attributes VSAs) Gateways Cisco e Alcatel, implementam RADIUS cliente Em caso de falha, pode usar servidores redundantes Capacitação Interna RNP GT-VOIP 40

41 Funcionamento do Monitoramento Contabiliza o start do segmento VoIP (Call-leg) = VoIP / answer Inicia uma chamada para Contabiliza o stop #3354 do segmento VoIP (Call-leg) Servidor RADIUS Call-leg = Telephony / originate Finaliza a chamada Contabiliza o start do Contabiliza segmento de o stop Telefonia do segmento (Call-leg) de Telefonia (Call-leg) Ramal #3354 Computador Netmeeting Finaliza a chamada Roteador Cisco 2600 Capacitação Interna RNP GT-VOIP 41 Inicia a chamada no lado da telefonia (#3354) Central Telefonica NCE/CCMN

42 Análise dos Registros das Chamadas Start Resumida (VOIP) Stop Resumida (VOIP) Called-Station-Id = Acct-Status-Type = Start h323-conf-id=4a879fa1 AFB41E B 17373FDC h323-call-origin=answer h323-call-type=voip Called-Station-Id = Acct-Status-Type = Stop h323-conf-id=4a879fa1 AFB41E B 17373FDC h323-call-origin=answer h323-call-type=voip h323-connect-time=16:58: BRDT Mon Nov h323-disconnecttime=16:59: BRDT Mon Nov h323-disconnect-cause=10 h323-remoteaddress= Capacitação Interna RNP GT-VOIP 42

43 Interactive Voice Response Possível solução para prover acesso a rede VoIP nas instituições Conceito: Servindo como ponte entre as pessoas e bancos de dados ou serviços, IVRs conectam os usuários usando telefones com a informação que eles precisam. A operação normalmente leva em conta a aplicação de DTMF por parte do usuário. Idéia: Bem-vindo ao sistema de Voz sobre IP da UFRJ, por favor entre com seu código de acesso e senha Após o usuário ter entrado corretamente com código de acesso e senha, dá um segundo tom de discagem O usuário neste instante pode fazer uma ligação usando o Plano de Numeração H.323 da rede VOIP da RNP Capacitação Interna RNP GT-VOIP 43

44 Sistema de Planejamento de QoS para VoIP O objetivo deste sistema é prover uma infra-estrutura de planejamento para o uso futuro de ligações de voz sobre IP com qualidade na RNP2. Princípio é realizar ligações simuladas, entre pontos que se conectarão com VoIP e mapear a qualidade de serviço que será sentida pelos usuários. Foi desenvolvido um ambiente experimental de geração e recepção de tráfego de telefonia IP, coletando e armazenando os dados do comportamento dos fluxos multimídia enviados via protocolo RTCP e medidas instantâneas. Capacitação Interna RNP GT-VOIP 44

45 Sistema de Planejamento de QoS para VoIP Participação nos Testes dos PoPs: SC, PR, DF, MG, CE, AM e NOC-RJ; Ligações realizadas com diferentes codificadores de áudio (G.711, GSM, G.723.1); Gravação do arquivo de áudio no trecho mais congestionado; Integração com medidas MRTG (RNP) Capacitação Interna RNP GT-VOIP 45

46 Medidas Coletadas Medidas Instantâneas Traceroute e MRTG Medidas Médias (Feedback RTCP) Capacitação Interna RNP GT-VOIP 46

47 Resultados Obtidos Link Projetos -> GT-VOIP RNP2 -> Medidas VOIP RNP2 Capacitação Interna RNP GT-VOIP 47

48 Comparativo entre Gateways (VoIP) Roteador Cisco 2600 com interfaces de Voz 2 portas ethernet de 10 Mbps 2 links seriais (até 2 Mbps) Placas de telefonia VIC (2 FXO e 2 FXS) Funcionalidades (depende do IOS) Roteamento RIP/OSPF e multicast; Serviços integrados (RSVP) e diferenciados; IVR (Interactive Voice Response); Programação de Tons de Discagem; DTMF Relay; Soluções H.323/SIP/MGCP (+ memória); Pode atuar como Gatekeeper (perde interfaces); Monitoramento de Voz com RADIUS/Syslog; Planos de Discagem Flexíveis (expr. regulares); Possibilidade de Fragmentação no Enlace; Solução de NAT; 11 codecs de áudio; Listas de Acesso; Placas de Alta Densidade E1. Cisco 2600 Capacitação Interna RNP GT-VOIP 48

49 Comparativo entre Gateways (VoIP) Switch Ethernet Alcatel OmniAccess 512 com Interfaces FXS/FXO Switch Layer 3 12 portas ethernet 10/100 Placas de Telefonia (4 FXO e 2 FXS) Link serial (até 2 Mbps) Funcionalidades (dependente do software instalado) Gerenciamento de VLANs, inclusive provendo o roteamento entre elas; Serviço de Autenticação permitindo associar usuário a VLAN correspondente; Roteamento RIP, OSPF, Multicast; Autenticação RADIUS; Criação de VPNs; Solução Baseada somente em H.323, com possibilidade de interação com GK. Fax Relay / Modem Relay / DTMF Relay; Planos de Discagem Flexíveis (expr. regulares); Qualidade de Serviço (Serviços Integrados e Diferenciados); Codificadores G.711, G.723.1, G.729A, Fax T.38. Placas de Alta Densidade E1. Capacitação Interna RNP GT-VOIP 49

50 Comparativo entre Gateways (VoIP) Planet VIP Gateway (Internet Telephony Gateway 2/4/8-port) Funcionalidades (dependente do software instalado) é possível realizar upgrade de firmware Configuração baseada em Web, Plano de Discagem Simples DTMF Relay Segundo Tom de Discagem A interface FXO é loopstart Codificadores G.711,G kbps, G kbps e G.729 AB Faixa de portas RTP configurável Não tem modelo com placas de alta densidade E1, mas pode conectar 8 portas E&M Não tem mais nenhuma função dentro da rede, é apenas um Gateway H.323/PSTN Suporta somente H.323. Capacitação Interna RNP GT-VOIP 50

51 Comparativo entre Gateways (VoIP) Quicknet Linejack Creative VoIP Blaster Preço: U$ Hardware para Cancelamento de Eco Áudio Full-Duplex Codificadores de Áudio baseados em Hardware reduz Atraso e Carga da CPU Atua em conjunto com computador PC Em conjunto com software OpenH323, como PSTN Gateway, provê uma interface FXO de telefonia IP Não precisa de configuração de IRQ No máximo 16 placas no mesmo computador Preço: U$ Possui processador DSP Atua em conjunto com computador PC nas portas USB Precisa de drivers do site Fobbid para atuar Em conjunto com software OpenH323, como OpenPhone (ou Ohphone, no caso Linux), provê uma interface FXS de telefonia IP Capacitação Interna RNP GT-VOIP 51

52 Próximos Passos Realizar medições com backbone RNP2 operando com QoS para tráfego VOIP Realizar chamadas simultâneas a um único POP Testes com interfaces E1 Definição final do plano de discagem Aquisição de gateways para piloto GT-VOIP Implantação inicial do serviço do piloto Capacitação Interna RNP GT-VOIP 52

53 Obrigado Cesar A. C. Marcondes GT-VOIP/RNP NCE/UFRJ Maiores informações Acesse nosso website: Capacitação Interna RNP GT-VOIP 53

Serviço fone@rnp: descrição da arquitetura

Serviço fone@rnp: descrição da arquitetura Serviço fone@rnp: descrição da arquitetura Maio de 2005 Esse documento descreve a arquitetura do serviço fone@rnp. RNP/REF/0343a Versão Final Sumário 1. Arquitetura... 3 1.1. Plano de numeração... 5 1.1.1.

Leia mais

GT-VOIP. Especificação de Compra de Gateways VoIP. Fevereiro de 2003

GT-VOIP. Especificação de Compra de Gateways VoIP. Fevereiro de 2003 GT-VOIP Especificação de Compra de Gateways VoIP Fevereiro de 2003 Este relatório apresenta a especificação de cenários e do hardware necessário para a implantação do piloto VOIP na Rede Nacional de Pesquisa.

Leia mais

Contribuição acadêmica

Contribuição acadêmica Contribuição acadêmica Origem deste trabalho em cadeiras do curso de mestrado na COPPE/UFRJ; Continuidade da contribuição acadêmica através do laboratório RAVEL: desenvolvimento de sw para apoio; intercâmbio

Leia mais

O protocolo H.323 UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br

O protocolo H.323 UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br UNIP rffelix70@yahoo.com.br Este protocolo foi projetado com o intuito de servir redes multimídia locais com suporte a voz, vídeo e dados em redes de comutação em pacotes sem garantias de Qualidade de

Leia mais

GT-VOIP: Balanço de Atividades

GT-VOIP: Balanço de Atividades GT-VOIP: Balanço de Atividades Paulo Aguiar GT-VOIP/RNP 19/05/2003 4o. WRNP GT-VOIP 1 Objetivos do GT-VOIP Piloto VOIP Implantar um piloto de telefonia sobre IP no backbone da RNP Premissas Aquisição de

Leia mais

Aplicações Multimídia Distribuídas. Aplicações Multimídia Distribuídas. Introdução. Introdução. Videoconferência. deborams@telecom.uff.br H.

Aplicações Multimídia Distribuídas. Aplicações Multimídia Distribuídas. Introdução. Introdução. Videoconferência. deborams@telecom.uff.br H. Departamento de Engenharia de Telecomunicações - UFF Aplicações Multimídia Distribuídas Aplicações Multimídia Distribuídas Videoconferência Padrão H.323 - ITU Padrão - IETF Profa. Débora Christina Muchaluat

Leia mais

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP)

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Telefonia Tradicional PBX Telefonia Pública PBX Rede telefônica tradicional usa canais TDM (Time Division Multiplexing) para transporte da voz Uma conexão de

Leia mais

Protocolos Sinalização

Protocolos Sinalização Tecnologia em Redes de Computadores Fundamentos de VoIP Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com São protocolos utilizados para estabelecer chamadas e conferências através de redes via IP; Os

Leia mais

SIP Session Initiation Protocol

SIP Session Initiation Protocol SIP Session Initiation Protocol Pedro Silveira Pisa Redes de Computadores II 2008.2 Professores: Luís Henrique Maciel Kosmalski Costa Otto Carlos Muniz Bandeira Duarte Outubro de 2008 Índice Introdução

Leia mais

VoIP. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

VoIP. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha As principais tecnologias de Voz sobre Rede de dados: Voz sobre Frame Relay Voz sobre ATM Voz sobre IP VoIP sobre MPLS VoIP consiste no uso das redes de dados

Leia mais

GT-VOIP Relatório I.9: Avaliação do Ambiente Sphericall da Marconi. Setembro de 2002

GT-VOIP Relatório I.9: Avaliação do Ambiente Sphericall da Marconi. Setembro de 2002 GT-VOIP Relatório I.9: Avaliação do Ambiente Sphericall da Marconi Setembro de 2002 Objetivo deste estudo é realizar testes de análise de performance, funcionalidade, confiabilidade e sinalização com o

Leia mais

Introdução ao protocolo SIP*

Introdução ao protocolo SIP* Introdução ao protocolo SIP* 1. SIP (Session Initiation Protocol) Pode se dizer que SIP trata se de um protocolo de controle referente à camada de aplicações do Modelo de Referência OSI (Open System Interconnection),

Leia mais

Proposta de Numeração VoIP Nacional

Proposta de Numeração VoIP Nacional GT-VOIP Relatório I.5: Proposta de Numeração VoIP Nacional Janeiro de 2003 Este relatório apresenta o plano de numeração preliminar definido com base na experiência em montar e gerenciar o ambiente VOIP

Leia mais

HTVix HA 211. Entrada de alimentação 12VDC / 500mA (Positivo no centro)

HTVix HA 211. Entrada de alimentação 12VDC / 500mA (Positivo no centro) 1 HTVix HA 211 1. Interfaces Entrada de alimentação 12VDC / 500mA (Positivo no centro) Conector RJ11 para conexão de aparelho telefônico analógico ou o adaptador para telefone e rede de telefonia convencional

Leia mais

Arquitetura de Monitoração de Chamadas Telefônicas IP

Arquitetura de Monitoração de Chamadas Telefônicas IP Arquitetura de Monitoração de Chamadas Telefônicas IP NCE - UFRJ Leandro C. G. Lustosa Paulo Henrique de A. Rodrigues Fabio David Douglas G. Quinellato Importância de Estatísticas de Qualidade Monitoramento

Leia mais

Introdução à voz sobre IP e Asterisk

Introdução à voz sobre IP e Asterisk Introdução à voz sobre IP e Asterisk José Alexandre Ferreira jaf@saude.al.gov.br Coordenador Setorial de Gestão da Informática CSGI Secretaria do Estado da Saúde SES/AL (82) 3315.1101 / 1128 / 4122 Sumário

Leia mais

4 Transmissão de Voz em Pacotes nas Redes Celulares

4 Transmissão de Voz em Pacotes nas Redes Celulares 4 Transmissão de Voz em Pacotes nas Redes Celulares Nos últimos anos, aplicações baseadas em voz sobre IP (VoIP) têm sido cada vez mais difundidas. O VoIP tradicional é uma aplicação de tempo real em modo

Leia mais

CONFIGURAÇÃO DO ATA ZINWELL ATA ZT-1000

CONFIGURAÇÃO DO ATA ZINWELL ATA ZT-1000 CONFIGURAÇÃO DO ATA ZINWELL ATA ZT-1000 Características Protocolos Interface de Rede Características das Chamadas Codecs Instalação Física Configuração Acessando o ATA pela primeira vez Modificações a

Leia mais

Introdução ao VoIP Codecs

Introdução ao VoIP Codecs Introdução ao VoIP Codecs Carlos Gustavo A. da Rocha Introdução ao VoIP Relembrando Telefonia analógica usa frequências captadas como voz humana na faixa de 0 a 4000Khz Para digitalizar a voz é necessário

Leia mais

ncia de Redes NGN - NEXT GENERATION NETWORK Hugo Santana Lima hugosl@nec.com.br Porque Telefonia IP?

ncia de Redes NGN - NEXT GENERATION NETWORK Hugo Santana Lima hugosl@nec.com.br Porque Telefonia IP? Convergência ncia de Redes NGN - NEXT GENERATION NETWORK Hugo Santana Lima hugosl@nec.com.br Porque Telefonia IP? O negócio Presença universal do IP Maturação da tecnologia Passagem para a rede de dados

Leia mais

Um Pouco de História

Um Pouco de História Telefonia IP Um Pouco de História Uma Breve Introdução às Telecomunicações Telefonia Tradicional Conversão analógica-digital nas centrais (PCM G.711) Voz trafega em um circuito digital dedicado de 64 kbps

Leia mais

Ambiente Atual (GT-VoIP)

Ambiente Atual (GT-VoIP) Ambiente Atual (GT-VoIP) Operação baseada em H.323 Cada instituição possui um GK para implantação de plano de numeração local DGK centralizado armazena os prefixos E.164 de cada uma das instituições GT-VOIP

Leia mais

Serviço fone@rnp: descrição geral

Serviço fone@rnp: descrição geral Serviço fone@rnp: descrição geral Este documento descreve o serviço de Voz sobre IP da Rede Nacional de Ensino e Pesquisa. RNP/REF/0347 Versão Final Sumário 1. Apresentação... 3 2. Definições... 3 3. Benefícios

Leia mais

H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed

H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed quality of service Resumo para a disciplina de Processamento Digital de

Leia mais

F n u d n a d ment n os o Vo V I o P Introdução

F n u d n a d ment n os o Vo V I o P Introdução Tecnologia em Redes de Computadores Fundamentos de VoIP Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com Introdução VoIP (Voice over Internet Protocol) A tecnologia VoIP vem sendo largamente utilizada

Leia mais

QOS SOBRE REDES DE PACOTES UTILIZANDO H.323

QOS SOBRE REDES DE PACOTES UTILIZANDO H.323 QOS SOBRE REDES DE PACOTES UTILIZANDO H.323 Aluno: Ricardo dos Santos Alves de Souza Professor: Otto Carlos Muniz Bandeira Duarte Abril de 2004 DEL 1 ÍNDICE Resumo... 3 1 Introdução... 4 1.1 Redes de Pacotes...

Leia mais

Serviços Prestados Infovia Brasília

Serviços Prestados Infovia Brasília Serviços Prestados Infovia Brasília Vanildo Pereira de Figueiredo Brasília, outubro de 2009 Agenda I. INFOVIA Serviços de Voz Softphone e Asterisk INFOVIA MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO INFOVIA MINISTÉRIO

Leia mais

WRNP 2009. Proxies e Gateways. Núcleo de Computação Eletrônica/UFRJ

WRNP 2009. Proxies e Gateways. Núcleo de Computação Eletrônica/UFRJ WRNP 2009 Proxies e Gateways Núcleo de Computação Eletrônica/UFRJ Tópicos Proxy Troca de tráfego com outras redes Princípios do Proxy do serviço fone@rnp Configuração para operação com o Proxy Conexões

Leia mais

Tecnologias Atuais de Redes

Tecnologias Atuais de Redes Tecnologias Atuais de Redes Aula 5 VoIP Tecnologias Atuais de Redes - VoIP 1 Conteúdo Conceitos e Terminologias Estrutura Softswitch Funcionamento Cenários Simplificados de Comunicação em VoIP Telefonia

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 3: VoIP INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 As telecomunicações vêm passando por uma grande revolução, resultante do

Leia mais

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é uma tecnologia de transmissão de dados que (A) opera no nível 3 do modelo OSI. (B) tem velocidade

Leia mais

Como explorar os recursos do Asterisk Epaminondas Lage

Como explorar os recursos do Asterisk Epaminondas Lage Como explorar os recursos do Asterisk Epaminondas Lage Apresentação Epaminondas de Souza Lage Epaminondas de Souza Lage popo@planetarium.com.br Formado em Engenharia Elétrica com ênfase em Sistemas Industriais

Leia mais

Rede GlobalWhitepaper

Rede GlobalWhitepaper Rede GlobalWhitepaper Janeiro 2015 Page 1 of 8 1. Visão Geral...3 2. Conectividade Global, qualidade do serviço e confiabilidade...4 2.1 Qualidade Excepcional...4 2.2 Resiliência e Confiança...4 3. Terminais

Leia mais

A recomendação H.323 define um arcabouço (guarda-chuva) para a estruturação dos diversos

A recomendação H.323 define um arcabouço (guarda-chuva) para a estruturação dos diversos Videoconferência: H.323 versus SIP Este tutorial apresenta uma avaliação técnica e as tendências que envolvem os serviços providos pela pilha de protocolos do padrão H.323, especificados pelo ITU-T, e

Leia mais

REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM

REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM Roteiro Introdução a Redes Convergentes. Camadas de uma rede convergente. Desafios na implementação de redes convergentes. Introdução a Redes Convergentes.

Leia mais

Serviço fone@ms Projeto Piloto MS - RNP

Serviço fone@ms Projeto Piloto MS - RNP IV Workshop VoIP Serviço fone@ms Projeto Piloto MS - RNP Alex Galhano Robertson Recife, 29 de maio de 2009 Agenda Serviços Digitais para Saúde O serviço fone@ms Visão Geral Premissas Treinamento A rede

Leia mais

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP.

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP. Exercícios: Redes WAN Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é

Leia mais

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches Disciplina: Dispositivos de Rede II Professor: Jéferson Mendonça de Limas 4º Semestre Aula 03 Regras de Segmentação e Switches 2014/1 19/08/14 1 2de 38 Domínio de Colisão Os domínios de colisão são os

Leia mais

Arquitetura de Monitoração de Chamadas Telefônicas IP

Arquitetura de Monitoração de Chamadas Telefônicas IP Arquitetura de Monitoração de Chamadas Telefônicas IP Defesa de Dissertação de Mestrado do IM/NCE Universidade Federal do Rio de Janeiro Mestrando: Leandro Caetano Gonçalves Lustosa Orientador: Prof. Paulo

Leia mais

Guia do usuário Placa VoIP

Guia do usuário Placa VoIP Guia do usuário Placa VoIP Versão 02/07 Caro usuário, Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. A Placa VoIP é um acessório que poderá ser utilizado em todas as

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

200.1045.00-4 REV 020

200.1045.00-4 REV 020 Manual do Usuário VoIP XT-50 200.1045.00-4 REV 020 Sumário 1. Introdução...3 1.1. Hardware...3 1.2. Software...4 2. Configurador WEB...4 2.1. Login...4 2.2. Informações do Sistema...5 2.3. Agenda...5 2.4.

Leia mais

GT-VOIP Avançado. Paulo Aguiar Tel. (0xx21) 2598-3165 e-mail: aguiar@nce.ufrj.br Núcleo de Computação Eletrônica da UFRJ

GT-VOIP Avançado. Paulo Aguiar Tel. (0xx21) 2598-3165 e-mail: aguiar@nce.ufrj.br Núcleo de Computação Eletrônica da UFRJ GT-VOIP Avançado Paulo Aguiar Tel. (0xx21) 2598-3165 e-mail: aguiar@nce.ufrj.br Núcleo de Computação Eletrônica da UFRJ GT-VoIP (maio/02-maio/04) Capacitar instituições para disseminação de VoIP Implantar

Leia mais

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES Página 1 CONHECIMENTO ESPECÍFICO 01. Suponha um usuário acessando a Internet por meio de um enlace de 256K bps. O tempo mínimo necessário para transferir um arquivo de 1M byte é da ordem de A) 4 segundos.

Leia mais

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN V3PN Voice, Video and Integrated Data IP V3PN Voice, Video and Integrated Data Palestrante André Gustavo Lomônaco Diretor de Tecnologia da IPPLUS Tecnologia Mestre em Engenharia Elétrica Certificado Cisco

Leia mais

Sistema M75S. Sistema de comunicação convergente

Sistema M75S. Sistema de comunicação convergente Sistema M75S Sistema de comunicação convergente O sistema M75S fabricado pela MONYTEL foi desenvolvido como uma solução convergente para sistemas de telecomunicações. Com ele, sua empresa tem controle

Leia mais

Protocolos Multimídia. Alunos: Roberto Schemid Rafael Mansano

Protocolos Multimídia. Alunos: Roberto Schemid Rafael Mansano Alunos: Roberto Schemid Rafael Mansano Exemplos de Aplicações Multimídia Mídia Armazenada: conteúdo gravado e armazenado play/pause/rewind/forward Streaming : vê o conteúdo enquanto baixa o arquivo evita

Leia mais

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis "#$%%% Percentual da população com telefone celular

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis #$%%% Percentual da população com telefone celular Sumário Sistemas de Comunicação Wireless! #$%%% & Visão Geral de Redes Móveis Introdução Percentual da população com telefone celular Brasil 19% 34% 2001 2005 Fonte: Global Mobile, Goldman Sachs, DiamondCluster

Leia mais

Multimédia, Qualidade de Serviço (QoS): O que são?

Multimédia, Qualidade de Serviço (QoS): O que são? Multimédia, Qualidade de Serviço (QoS): O que são? Aplicações Multimédia: áudio e vídeo pela rede ( meios contínuos ) QoS a rede oferece às aplicações o nível de desempenho necessário para funcionarem.

Leia mais

Manual de Instalação IREC100 1.5

Manual de Instalação IREC100 1.5 Manual de Instalação IREC100 1.5 Este documento consiste em 16 páginas. Elaborado por: Innova Tecnologia de Soluções. Liberado em Julho de 2009. Impresso no Brasil. Sujeito a alterações técnicas. A reprodução

Leia mais

Videoconferência: H.323 versus SIP

Videoconferência: H.323 versus SIP Videoconferência: H.323 versus SIP Este tutorial apresenta uma avaliação técnica e as tendências que envolvem os serviços providos pela pilha de protocolos do padrão H.323, especificados pelo ITU-T, e

Leia mais

Modelo de Camadas OSI

Modelo de Camadas OSI Modelo de Camadas OSI 1 Histórico Antes da década de 80 -> Surgimento das primeiras rede de dados e problemas de incompatibilidade de comunicação. Década de 80, ISO, juntamente com representantes de diversos

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

3 Qualidade de serviço na Internet

3 Qualidade de serviço na Internet 3 Qualidade de serviço na Internet 25 3 Qualidade de serviço na Internet Além do aumento do tráfego gerado nos ambientes corporativos e na Internet, está havendo uma mudança nas características das aplicações

Leia mais

Redes de Computadores Aula 3

Redes de Computadores Aula 3 Redes de Computadores Aula 3 Aula passada Comutação: circuito x pacotes Retardos e perdas Aula de hoje Protocolo em camadas Aplicações C/S x P2P Web Estruturando a Rede Como organizar os serviços de uma

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

Unidade 2.1 Modelos de Referência. Bibliografia da disciplina. Modelo OSI. Modelo OSI. Padrões 18/10/2009

Unidade 2.1 Modelos de Referência. Bibliografia da disciplina. Modelo OSI. Modelo OSI. Padrões 18/10/2009 Faculdade INED Unidade 2.1 Modelos de Referência Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Fundamentos de Redes Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 2 Bibliografia da disciplina Bibliografia

Leia mais

CARTA CONVITE 010/2014 ANEXO II - TERMO DE REFERÊNCIA

CARTA CONVITE 010/2014 ANEXO II - TERMO DE REFERÊNCIA CARTA CONVITE 010/2014 ANEXO II - TERMO DE REFERÊNCIA 1. Implantação de Sistema de Call Center 1.1. O software para o Call Center deverá ser instalado em servidor com sistema operacional Windows (preferencialmente

Leia mais

Diretoria de Operações RNP

Diretoria de Operações RNP Alexandre Grojsgold Diretoria de Operações RNP I Workshop POP-RS julho/2005 O que é VoIP? Conversas telefônicas feitas sobre a Internet, sem passar pela rede de telefonia convencional em oposição a...

Leia mais

ERRATA. 3. Item 7.9.2.2 e 7.9.2.2.1 do ANEXO I - Minuta do Termo de Referência;

ERRATA. 3. Item 7.9.2.2 e 7.9.2.2.1 do ANEXO I - Minuta do Termo de Referência; ERRATA Este documento tem por objetivo retificar: 1. Item 4.1.1 do ANEXO I - Minuta do Termo de Referência; 2. Item 7.9.2.1 do ANEXO I - Minuta do Termo de Referência; 3. Item 7.9.2.2 e 7.9.2.2.1 do ANEXO

Leia mais

Pedido de Esclarecimento 01 PE 12/2011

Pedido de Esclarecimento 01 PE 12/2011 Pedido de Esclarecimento 01 PE 12/2011 Questionamento 1 : 20.1.1.2 - Sistema de telefonia IP ITEM 04 - Deve ser capaz de se integrar e gerenciar os gateways para localidade remota tipo 1, 2 e 3 e a central

Leia mais

Unidade 2.1 Modelos de Referência

Unidade 2.1 Modelos de Referência Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 2.1 Modelos de Referência 2 Bibliografia da disciplina

Leia mais

2 Q-20102010. Prof. Roberto Jacobe (roberto.jacobe@gmail.com)

2 Q-20102010. Prof. Roberto Jacobe (roberto.jacobe@gmail.com) INF-207 Sistemas Computacionais para Processamento Multimídia Sistemas Multimídia Aula 04 Redes Multimídia 2 Q-20102010 Prof. Roberto Jacobe (roberto.jacobe@gmail.com) Prof. Marcelo Z. do Nascimento (marcelo.ufabc@gmail.com)

Leia mais

Intelbras GKM 2210T. 1. Instalação

Intelbras GKM 2210T. 1. Instalação 1 Intelbras GKM 2210T 1. Instalação 1º Conecte a fonte de alimentação na entrada PWR, o LED Power acenderá; 2º Conecte a porta WAN do GKM 2210 T ao seu acesso à internet (porta ethernet do modem). O LED

Leia mais

Arquitecturas Multimédia

Arquitecturas Multimédia Arquitecturas Multimédia FEUP/DEEC/RBL 2002/03 José Ruela Arquitecturas para Comunicações Multimédia Arquitectura Multimédia IETF» Session Initiation Protocol (SIP)» Session Announcement Protocol (SAP)»

Leia mais

O Paradigma da Alta Disponibilidade e da Alta Confiabilidade do SIP

O Paradigma da Alta Disponibilidade e da Alta Confiabilidade do SIP O Paradigma da Alta Disponibilidade e da Alta Confiabilidade do SIP Visão Geral As redes convergentes trilharam um longo caminho desde a década de 1990. Novas aplicações, como as mensagens instantâneas,

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REDES E SEGURANÇA DE SISTEMAS TELEFONIA IP E VOIP RESUMO

INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REDES E SEGURANÇA DE SISTEMAS TELEFONIA IP E VOIP RESUMO INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REDES E SEGURANÇA DE SISTEMAS TELEFONIA IP E VOIP RESUMO Artigo Científico Curso de Pós-Graduação em Redes e Segurança de Sistemas Instituto

Leia mais

Telefonia IP na UFSC Experiências e Perspectivas

Telefonia IP na UFSC Experiências e Perspectivas Telefonia IP na UFSC Experiências e Perspectivas BoF VoIP Experiências de Perspectivas RNP, Rio de Janeiro, 22 Agosto 2011 Edison Melo SeTIC/UFSC PoP-SC/RNP edison.melo@ufsc.br 1 Histórico Serviço VoIP4All

Leia mais

Autenticação modo Roteador. Após finalizar a configuração, seu computador obterá o IP e a página de configuração do ATA poderá ser acessada.

Autenticação modo Roteador. Após finalizar a configuração, seu computador obterá o IP e a página de configuração do ATA poderá ser acessada. 2. Conecte a porta WAN do GKM 2210 T ao seu acesso à internet (porta ethernet do modem). O LED WAN acenderá; 3. Conecte a porta LAN à placa de rede do PC. O LED LAN acenderá; 4. Conecte o(s) telefone(s)

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações. Seção: Tutoriais Banda larga e VOIP Telefonia IP Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações. Autor: Huber Bernal Filho Engenheiro de Teleco (MAUÁ 79),

Leia mais

Manual do Radioserver

Manual do Radioserver Manual do Radioserver Versão 1.0.0 Alex Farias (Supervisão) Luiz Galano (Comercial) Vinícius Cosomano (Suporte) Tel: (011) 9393-4536 (011) 2729-0120 (011) 2729-0120 Email: alex@smartptt.com.br suporte@smartptt.com.br

Leia mais

CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES

CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES O sistema digital de radiocomunicação será constituído pelo Sítio Central, Centro de Despacho (COPOM) e Sítios de Repetição interligados

Leia mais

Estado de Santa Catarina Prefeitura de São Cristóvão do Sul

Estado de Santa Catarina Prefeitura de São Cristóvão do Sul 1 ANEXO VII QUADRO DE QUANTITATIVOS E ESPECIFICAÇÕES DOS ITENS Item Produto Quantidade 1 Aparelhos IP, com 2 canais Sip, visor e teclas avançadas, 2 70 portas LAN 10/100 2 Servidor com HD 500G 4 GB memória

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações. Telefonia IP Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações. (Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 19/05/2003). Huber Bernal Filho

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III 1 REDE DE COMPUTADORES III 1. Introdução MODELO OSI ISO (International Organization for Standardization) foi uma das primeiras organizações a definir formalmente

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Switch na Camada 2: Comutação www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução A conexão entre duas portas de entrada e saída, bem como a transferência de

Leia mais

LINKSYS SPA3102 E PAP2T

LINKSYS SPA3102 E PAP2T CONFIGURANDO TELEFONE PONTO A PONTO COM LINKSYS SPA3102 E PAP2T CONFIGURANDO SPA3102 e PAP2T Conteúdo: 1 Apresentação pag 3 2 Estudo de caso pag 4 3 Conexão dos ATAs pag 6 4 Configurando pag 8 5 SPA 3102

Leia mais

Manual básico de configuração. ATA (Adaptador de Terminal Analógico) Modelo Linksys PAP2T

Manual básico de configuração. ATA (Adaptador de Terminal Analógico) Modelo Linksys PAP2T Manual básico de configuração ATA (Adaptador de Terminal Analógico) Modelo Linksys PAP2T Índice 1 Objetivo deste documento... 3 2 Entendendo o que é um ATA... 3 3 Quando utilizar o ATA... 4 4 Requisitos

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - MODELO DE REFERÊNCIA TCP (RM TCP) 1. INTRODUÇÃO O modelo de referência TCP, foi muito usado pela rede ARPANET, e atualmente usado pela sua sucessora, a Internet Mundial. A ARPANET é de grande

Leia mais

QoS em roteadores Cisco

QoS em roteadores Cisco QoS em roteadores Cisco Alberto S. Matties 1, André Moraes 2 1 Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Rua Gonçalves Chaves 602 96.015-000 Pelotas RS Brasil 2 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula Complementar - EQUIPAMENTOS DE REDE 1. Repetidor (Regenerador do sinal transmitido) É mais usado nas topologias estrela e barramento. Permite aumentar a extensão do cabo e atua na camada física

Leia mais

SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO

SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO FACSENAC SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO Projeto Lógico de Rede Versão: 1.2 Data: 25/11/2011 Identificador do documento: Documento de Visão V. 1.7 Histórico de revisões Versão Data Autor Descrição 1.0 10/10/2011

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais

Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento

Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 53 Roteiro (1 / 2) O Que São Protocolos? O TCP/IP Protocolos de Aplicação Protocolos de Transporte Protocolos

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Design de Rede Local Design Hierárquico Este design envolve a divisão da rede em camadas discretas. Cada camada fornece funções específicas que definem sua função dentro da rede

Leia mais

TCP é um protocolo de TRANSMISSÃO, responsável pela confiabilidade da entrega da informação.

TCP é um protocolo de TRANSMISSÃO, responsável pela confiabilidade da entrega da informação. Protocolo TCP/IP PROTOCOLO é um padrão que especifica o formato de dados e as regras a serem seguidas para uma comunicação a língua comum a ser utilizada na comunicação. TCP é um protocolo de TRANSMISSÃO,

Leia mais

Redes de computadores e a Internet. Capitulo 4. Capítulo. A camada de rede

Redes de computadores e a Internet. Capitulo 4. Capítulo. A camada de rede Redes de computadores e a Internet 4 Capitulo 4 Capítulo A camada de rede A camada de rede Objetivos do capítulo: Entender os princípios dos serviços da camada de rede: Roteamento (seleção de caminho)

Leia mais

LINKSYS SPA3102 E PAP2T

LINKSYS SPA3102 E PAP2T CONFIGURANDO TELEFONE PONTO A PONTO COM LINKSYS SPA3102 E PAP2T Infottecnica Telecom & infor www.infottecnica.com.br Pirapora MG Tel. 38 8404-4430 1 CONFIGURANDO SPA3102 e PAP2T Conteúdo: 1 Apresentação

Leia mais

Redes de Computadores. 1 Questões de múltipla escolha. TE090 - Prof. Pedroso. 17 de junho de 2015

Redes de Computadores. 1 Questões de múltipla escolha. TE090 - Prof. Pedroso. 17 de junho de 2015 TE090 - Prof. Pedroso 17 de junho de 2015 1 Questões de múltipla escolha Exercício 1: Suponha que um roteador foi configurado para descobrir rotas utilizando o protocolo RIP (Routing Information Protocol),

Leia mais

Professor: Gládston Duarte

Professor: Gládston Duarte Professor: Gládston Duarte INFRAESTRUTURA FÍSICA DE REDES DE COMPUTADORES Computador Instalação e configuração de Sistemas Operacionais Windows e Linux Arquiteturas físicas e lógicas de redes de computadores

Leia mais

IFB INSTITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA TECNOLOGIA VOIP. Nome: Nilson Barros Oliveira Sergio Lopes Turma: Técnico de informática 3 Módulo

IFB INSTITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA TECNOLOGIA VOIP. Nome: Nilson Barros Oliveira Sergio Lopes Turma: Técnico de informática 3 Módulo IFB INSTITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA TECNOLOGIA VOIP Nome: Nilson Barros Oliveira Sergio Lopes Turma: Técnico de informática 3 Módulo Brasília, 09 de Maio de 2012 Tecnologia Voip VoIP (Voice over Internet

Leia mais

Comunicação interligando vidas

Comunicação interligando vidas Comunicação interligando vidas APRESENTAÇÃO E PROPOSTA COMERCIAL 1. INTRODUÇÃO O presente documento contém o projeto técnico comercial para prestação dos serviços de locação, suporte, consultorias da área

Leia mais

CGW-PX1 Gateway SIP GSM

CGW-PX1 Gateway SIP GSM Interface de conexão SIP entre PABX e rede Celular Interconecte seu PABX ou Switch SIP com a rede celular GSM O gateway CGW-PX1 é um dispositivo que interconecta seu PABX ou switch de voz com as redes

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Departamento de Informática UFPE Redes de Computadores Nível de Redes - Exemplos jamel@cin.ufpe.br Nível de Rede na Internet - Datagramas IP Não orientado a conexão, roteamento melhor esforço Não confiável,

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS DE ACESSO REMOTO (TELNET E TERMINAL SERVICES) Professor Carlos Muniz

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS DE ACESSO REMOTO (TELNET E TERMINAL SERVICES) Professor Carlos Muniz ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS DE ACESSO REMOTO (TELNET E O que é roteamento e acesso remoto? Roteamento Um roteador é um dispositivo que gerencia o fluxo de dados entre segmentos da rede,

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Redes Convergentes II Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

RECURSOS DA TELEFONIA VOIP APLICADAS NAS INSTALAÇÕES DO CRSPE/INPE - MCT

RECURSOS DA TELEFONIA VOIP APLICADAS NAS INSTALAÇÕES DO CRSPE/INPE - MCT MINISTERIO DA CIENCIA E TECNOLOGIA INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS CENTRO REGIONAL SUL DE PESQUISAS ESPACIAIS INPE/CRSPE UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA UFSM RECURSOS DA TELEFONIA VOIP APLICADAS

Leia mais