Relatório de performance do Disc-OS 2.0 e Ubuntu server 8.10

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório de performance do Disc-OS 2.0 e Ubuntu server 8.10"

Transcrição

1 Relatório de performance do Disc-OS 2.0 e Ubuntu server 8.10

2 Sumário 1.Resumo Objetivo Introdução Testes ) Descrição do cenário de teste: Resultados ) Teste A: Uma placa PXE no servidor ) Servidor Disc-OS ) Servidor CITS ) Teste B: Duas placas PXE no mesmo servidor ) Servidor Disc-OS ) Servidor CITS...7 6) Conclusão:...7

3 1. Resumo O presente relatório apresenta uma pré-avaliação dos sistemas Disc-OS 2.0 e Ubuntu server 8.10, como gateway de voz e um resultado com a performance de cada distribuição 2. Objetivo Ter uma análise inicial de um cenário com duas placas de 4E1 em um servidor IPBX, verificando as características de cada distribuição e o que levam a ter diferenças de performance. 3. Introdução Os testes foram realizados em um cenário pré-estabelecido ( ver figura.1), com os mesmos equipamentos de hardware e igualando as configurações de software entre as distribuições afim de facilitar a verificação das diferenças de performance entre as distribuições. No teste A foi utilizado no servidor IPBX uma placa de 4 troncos E1 e no teste B foram utilizadas duas placas de 4 troncos E1 no servidor IPBX, ou seja, 8 troncos E1. Nos testes ocupamos todos canais E1 e canais SIP, sendo que para cada canal E1 teremos 1 ramal SIP atendendo e mais 2 ramais conversando entre si (1 canal E1 x 3 ramais SIP). No teste A foi gerado 120E1 x 360 SIP com o codec G711 e G729 e no teste B o dobro, 240E1 x 720 SIP, utilizando os mesmos codecs. O critério utilizado para avaliar a performance das distribuições, foi a qualidade de áudio em carga máxima de chamadas. Porém indicamos realizar mais testes para verificar o comportamento do Asterisk, kernel e serviços afim de levantar os possíveis problemas e limitações. Nas duas distribuições, tanto no Disc-OS 2.0(kernel ) quanto no Ubuntu server(kernel ) sofreram pouca carga de processamento quando submetidos ao teste A (120E1x360SIP). No teste B (240E1 x 720SIP), houve uma melhor performance na versão do Ubuntu. O kernel Ubuntu oferece uma boa qualidade áudio nas chamadas mesmo tendo um nível de consumo processamento de 80% médio, sendo que nos primeiros testes com kernel e utilizando 2 placas no mesmo servidor era impossível estabelecer todas as chamadas E1. O problema está no tratamento da requisições dos componentes de hardware, sendo que já sabemos que a placa de rede é o componente crítico em alto fluxo de chamadas mas no kernel do Ubuntu Server oferece um melhora no suporte ao tratamento das requisições assim garantido que todas as chamadas fossem estabelecidas. Os dois sistemas separam as IRQ's entre os núcleos do processador. Só que o kernel controla as requisições de cada IRQ, ou seja, ele consegue dividir para dois ou mais núcleos as requisições geradas, por exemplo no caso da PXE o kernel pode chegar a dividir 500 requisições entre dois núcleos se houver necessidade, melhorando a performance do processador. No caso da placa de rede aparentemente o kernel usa a função function c interrupts para distribuir as requisições para os quatro núcleos. Isto pode ser uma das explicações que garanta a qualidade de áudio em níveis tão baixos de IDLE, mas tendo que verificar também qual a influência dos drivers e que tipo de melhora o kernel oferece na questão de suporte a rede. Sabe-se que no kernel do Ubuntu server tem um maior suporte para processadores multinúcleos, está diferença está na quantidade de instruções o kernel mais novo possui, assim obtendo o máximo de performance que o processadores Quad Core podem oferecer. Abaixo está postado o resumo das diferenças e características de cada sistema:

4 Software Distribuição Linux Kernel Servidor cits Ubuntu server 8.10 Kernel x32 bits Disc-OS 2.0 CentOS 5.2 Kernel SNMP Instalado e Habilitado Não instalado Debug/Log libpri Não Habilitado Habilitado Portas RTP Sem limite Limite acima de 400 portas Logs/warning/debug Todos habilitados Quase todos habilitados Modulos do asterisk carregados Versão libpri Todos Quase todos + Speex e ILBC Versão Asterisk Versão DAHDI Versão DAHDI-Tool Hardware Processador core 2 quad q6600(2.4ghz) core 2 quad q6600(2.4ghz) Memoria 2 GB/667MHZ 2 GB/667MHZ HD 320GB 250GB Placa Mãe GigaByte Gigabyte Chipset Intel G31 Intel 946 Placa de rede Realtek Realtek TABELA 1 4. Testes O teste A é realizado no seguinte cenário: 4.1) Descrição do cenário de teste: Figura 1 O cenário é constituído pela máquina 1 que gera ligações SIP com áudio, por 2 servidores E1, por um servidor IP PBX (servidor em teste) e pela máquina 2 para atender as ligações SIP e enviar pacotes de áudio. A máquina 1 inicializa a comunicação SIP com os servidores E1 auxiliares, eles fazem conversão de SIP/TDM e encaminham as chamadas pelos links E1 para o servidor IP PBX. O servidor PBX IP faz o roteamento das chamadas e repassa pela rede até a máquina 2 que atende as chamadas. Após realizada a troca de sinalização SIP, as maquinas (1 e 2) iniciarão o tráfego de pacotes de áudio com o codec G711 e G729 passando pelo servidor em teste.

5 Os arquivos de áudio foram gerados para simularem um cenário real, ou seja, contém um arquivo com o áudio sem eco que é transmitido pela maquina 2 e um arquivo com áudio com eco que é transmitido pela maquina 1. O teste B é realizado da mesma forma que descrito no teste A, porém é instalado 2 placas de 4 E1 no servidor IP PBX e tabém é necessário ter duas maquinas para gerar sipp, 2 maquinas para atender o sipp e um servidor E1 a mais, conforme a figura 2. Figura 2 5. Resultados 5.1) Teste A: Uma placa PXE no servidor ) SERVIDOR DISC-OS / CentOS 5 / Disc-OS 2.0 / DAHDI 2.1: 120 canais E1 atendida por 120 G G G729 atendida 60 G711/Sem CE 8,86 6,28 1,39 79, ,76 0 4,07 4, , ,88 1 2,44 2, , ,8 PXE 2 6,92 5, , ,18 12,55 5,44 47, ,49 Placa de Rede 120 canais E1 atendida por 120 G G711/ Sem CE 3,47 6,67 1,45 85, ,74 0 1,63 3, , ,41 1 1,42 3, , ,95 PXE 2 2,97 4, , ,84 16,1 5,72 59, ,77 Placa de Rede 120 canais E1 atendida por 120 G G729 atendida por 120 G711/Sem CE 14,81 6,53 1,29 73, ,82 0 8,11 5, , ,31 1 5,28 4, , ,75 PXE 2 13,75 6, , ,64 9,77 5,2 41, ,76 Placa de Rede

6 TABELA ) SERVIDOR CITS / Ubuntu Server 8.10 / DAHDI 2.1: 120 canais E1 atendida por 120 G G G729 atendida 60 G711/Sem CE 8,05 8, ,56 1, , ,6 2 7,31 8, ,16 2, TABELA 3 5.2) Teste B: Duas placas PXE no mesmo servidor ) SERVIDOR DISC-OS / CentOS 5 / Disc-OS 2.0 / DAHDI 2.1: 240E1 atendida 240G SIP/G729 atendida 150SIP/G711 13,62 11,85 2,49 64, ,7 0 9,11 13, ,1 1028,34 1 4,85 6, , ,51 PXE 1 e ,06 14, , ,16 13,33 10,32 29, ,45 Placa de rede TABELA ) SERVIDOR CITS / Ubuntu server / DAHDI-2.1: 240E1 atendida 240SIP/G SIP/G729 atendida 250 SIP/G711 %user %sys %irq 0.57 %idle intr/s , E1 atendida 240SIP/G SIP/G729 atendida 100SIP/G711 %user %sys %irq 0.62 %idle intr/s , , ,3 3, E1 atendida 240SIP/G SIP/G729 atendida 200SIP/G , , , ,2 TABELA 5

7 6) Conclusão: Servidor CITS Servidor Disc-OS 2.0 Kernel mais novo Kernel Drivers atualizados Disc-os completo Possui melhor gerenciamento Irq/Proc (cal) Bilhetagem Habilitado Ubuntu server 8.10 CentOS 5.2 SNMP Menor números de módulos Log full habilitado (*) Limite de abertura de porta RTP acima de 400 portas Diferenças 1) Entre o kernel e o kernel pequenas cargas não existem 2) Entre kernel e o kernel p/ grandes cargas tem devido a distribuição de irq pelo kernel e processamento 3) Todos testes em ISDN - Drivers placa de rede? - Logs? - Kernel pode ter melhor suporte ao trafego UDP/TCP De acordo com o objetivo proposto, concluímos que as duas distribuições garantem integridade das chamadas quando utilizado 2 placas PXE servidor, mas com uma melhor performance para o kernel do Ubuntu server, que conseguiu estabelecer 240E1 x 740 SIP com transcodificação. O que falta é apenas homologar com os critérios internos e com a nossa necessidade. O que levam a ter diferenças de performance, acredito que seja a maneira que o Kernel trabalha com as requisições das placas e dispositivos do sistema, pelo fato de o kernel mais novo oferecer mais performance para processadores multicore.

Resumo. Objetivo. Introdução

Resumo. Objetivo. Introdução Relatório sobre bechmark com computadores da NOVA. Resumo O presente relatório apresenta informações necessárias sobre aplicação de algumas técnicas para otimização e avaliação da performance do microcomputador

Leia mais

Asterisk. na prática. Alexandre Keller. Novatec

Asterisk. na prática. Alexandre Keller. Novatec Asterisk na prática Alexandre Keller Novatec Sumário Agradecimentos... 13 Sobre o autor... 14 Prefácio... 15 Capítulo 1 Introdução ao VoIP e ao Asterisk... 17 1.1 VoIP (Voice over IP Voz sobre IP)...17

Leia mais

M a n u a l d e I n s t a l a ç ã o d o

M a n u a l d e I n s t a l a ç ã o d o M a n u a l d e I n s t a l a ç ã o d o Q C a l l * C e n t e r WWW.QUALITOR.COM.BR / WWW.CONSTAT.COM.BR PÁGINA 1 Todos os direitos reservados a Constat. Uso autorizado mediante licenciamento Qualitor

Leia mais

Pedido de Esclarecimento 01 PE 12/2011

Pedido de Esclarecimento 01 PE 12/2011 Pedido de Esclarecimento 01 PE 12/2011 Questionamento 1 : 20.1.1.2 - Sistema de telefonia IP ITEM 04 - Deve ser capaz de se integrar e gerenciar os gateways para localidade remota tipo 1, 2 e 3 e a central

Leia mais

2ª Edição Alexandre Keller

2ª Edição Alexandre Keller Asterisk na prática 2ª Edição Alexandre Keller Novatec Copyright 2011 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta obra,

Leia mais

Autenticação modo Roteador. Após finalizar a configuração, seu computador obterá o IP e a página de configuração do ATA poderá ser acessada.

Autenticação modo Roteador. Após finalizar a configuração, seu computador obterá o IP e a página de configuração do ATA poderá ser acessada. 2. Conecte a porta WAN do GKM 2210 T ao seu acesso à internet (porta ethernet do modem). O LED WAN acenderá; 3. Conecte a porta LAN à placa de rede do PC. O LED LAN acenderá; 4. Conecte o(s) telefone(s)

Leia mais

INFINITY TARIFADOR ALTIS. Mais que um Tarifador, é a evolução na gestão em telecomunicações.

INFINITY TARIFADOR ALTIS. Mais que um Tarifador, é a evolução na gestão em telecomunicações. TARIFADOR ALTIS INFINITY Mais que um Tarifador, é a evolução na gestão em telecomunicações. O Tarifador Altis Infinity foi desenvolvido para atender empresas de qualquer porte, podendo controlar uma ou

Leia mais

Manual de Instalação PIMSConnector em Linux

Manual de Instalação PIMSConnector em Linux Manual de Instalação PIMSConnector em Linux Julho/2015 Sumário 1. Contexto de negócio (Introdução)... 3 2. Pré-requisitos instalação/implantação/utilização... 4 3. JBOSS... 6 3.1. Instalação... 6 3.2.

Leia mais

Manual de Instalação PIMSConnector em Windows

Manual de Instalação PIMSConnector em Windows Manual de Instalação PIMSConnector em Windows Julho/2015 Sumário 1. Contexto de negócio (Introdução)... 3 2. Pré-requisitos instalação/implantação/utilização... 4 3. JBOSS... 6 3.1. Instalação... 6 3.2.

Leia mais

Qando falamos em VOIP

Qando falamos em VOIP Disc-OS, o SoftPABX tropicalizado Asterisk à moda brasileira CAPA Voltada para o mercado brasileiro, a distribuição Disc-OS veio para diminuir a linha de aprendizagem e facilitar a instalação do Asterisk

Leia mais

USO DO ASTERISK COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO NO ENSINO PRÁTICO DE TELEFONIA

USO DO ASTERISK COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO NO ENSINO PRÁTICO DE TELEFONIA USO DO ASTERISK COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO NO ENSINO PRÁTICO DE TELEFONIA Caio Fernandes Gabi cfgabi@hotmail.com Intituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba IFPB Av. 1º de Maio, nº. 720,

Leia mais

ENTRADA E SAÍDA DE DADOS

ENTRADA E SAÍDA DE DADOS ENTRADA E SAÍDA DE DADOS Os dispositivos de um computador compartilham uma única via de comunicação BARRAMENTO. BARRAMENTO Elétrica/Mecânica + Protocolo. GERENCIAMENTO DE E/S O controle da troca de dados

Leia mais

MANUAL CFTV DIGITAL - LINHA LIGHT 16 CANAIS 120 FPS / VID 120-LI CONFIGURAÇÃO DO COMPUTADOR 16 Canais - 120 FPS Processador Dual Core 2.0GHZ ou superior; Placa Mãe Intel ou Gigabyte com chipset Intel;

Leia mais

Estado de Santa Catarina Prefeitura de São Cristóvão do Sul

Estado de Santa Catarina Prefeitura de São Cristóvão do Sul 1 ANEXO VII QUADRO DE QUANTITATIVOS E ESPECIFICAÇÕES DOS ITENS Item Produto Quantidade 1 Aparelhos IP, com 2 canais Sip, visor e teclas avançadas, 2 70 portas LAN 10/100 2 Servidor com HD 500G 4 GB memória

Leia mais

SFD 2010. Carla Souza Otacílio Lacerda

SFD 2010. Carla Souza Otacílio Lacerda SFD 2010 Carla Souza Otacílio Lacerda Virtualização "Em computação, é uma forma de esconder as características físicas de uma plataforma computacional dos utilizadores, mostrando outro hardware virtual,

Leia mais

PREGÃO PRESENCIAL Nº 27/15. ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

PREGÃO PRESENCIAL Nº 27/15. ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA PREGÃO PRESENCIAL Nº 27/15. ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA Constitui objeto da presente licitação o registro de preços para implantação de sistema de telefonia digital (PABX) baseado em servidor IP, com fornecimento

Leia mais

Manual de Instalação SNEP 1.3.12 Asterisk 1.4.44

Manual de Instalação SNEP 1.3.12 Asterisk 1.4.44 Manual de Instalação SNEP 1.3.12 Asterisk 1.4.44 2015 Autoria: Flávio Henrique Somensi Colaboradores: Jean Carlos Coelho, Kauê Santos, Urik Barbosa da Silva, Eduardo Sotero por OpenS Tecnologia LTDA. Rua

Leia mais

Think Idea S/A. Documento Visão. Versão 1.0

Think Idea S/A. Documento Visão. Versão 1.0 Think Idea S/A Documento Visão Versão 1.0 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor(es) 02/12/2013 1.0 Documento Inicial Projeto Integrador Bruno Rodrigues, Edy Laus, Igor Pereira, Marcelo Gonçalves

Leia mais

CGW-PX1 Gateway SIP GSM

CGW-PX1 Gateway SIP GSM Interface de conexão SIP entre PABX e rede Celular Interconecte seu PABX ou Switch SIP com a rede celular GSM O gateway CGW-PX1 é um dispositivo que interconecta seu PABX ou switch de voz com as redes

Leia mais

Plataforma Sentinela

Plataforma Sentinela Plataforma Sentinela A plataforma completa para segurança corporativa A plataforma Sentinela é a mais completa plataforma para monitoramento e interceptação em tempo real, gravação e bilhetagem de chamadas

Leia mais

VirtuOS vrs. 4.00 para usuários da vrs. 3.01a R.10

VirtuOS vrs. 4.00 para usuários da vrs. 3.01a R.10 VirtuOS vrs. 4.00 para usuários da vrs. 3.01a R.10 Este documento resume as principais diferenças entre a vrs. 4.00 em relação à vrs. 3.01a R.10 do Sistema VirtuOS e se destina aos usuários que dela estão

Leia mais

Dimensionamento para ambiente virtualizado com VMWare vsphere

Dimensionamento para ambiente virtualizado com VMWare vsphere Dimensionamento para ambiente virtualizado com VMWare vsphere Fev / 2015 1. Apresentação O presente documento tem como objetivo apresentar os testes realizados em laboratório para o correto dimensionamento

Leia mais

Senha Admin. Nessa tela, você poderá trocar a senha do administrador para obter acesso ao NSControl. Inicialização

Senha Admin. Nessa tela, você poderá trocar a senha do administrador para obter acesso ao NSControl. Inicialização Manual do Nscontrol Principal Senha Admin Nessa tela, você poderá trocar a senha do administrador para obter acesso ao NSControl. Inicialização Aqui, você poderá selecionar quais programas você quer que

Leia mais

Asterisk 1.6 com MD3200 em ubuntu Server 8.10

Asterisk 1.6 com MD3200 em ubuntu Server 8.10 Asterisk 1.6 com MD3200 em ubuntu Server 8.10 Paulo Marcos Trentin Devido à falta de documentação em português a respeito, são necessários artigos para explicar para iniciantes, modos de fazer instalações

Leia mais

Asterisk. Introdução. Filipe Raulino filipe.raulino@ifrn.edu.br

Asterisk. Introdução. Filipe Raulino filipe.raulino@ifrn.edu.br Asterisk Introdução!!!! Filipe Raulino filipe.raulino@ifrn.edu.br O que é Asterisk? O Asterisk é um software de PABX que usa o conceito de software! livre. Ele é licenciado através de uma licença do tipo

Leia mais

Como explorar os recursos do Asterisk Epaminondas Lage

Como explorar os recursos do Asterisk Epaminondas Lage Como explorar os recursos do Asterisk Epaminondas Lage Apresentação Epaminondas de Souza Lage Epaminondas de Souza Lage popo@planetarium.com.br Formado em Engenharia Elétrica com ênfase em Sistemas Industriais

Leia mais

Asterisk introdução. Carlos Gustavo A. da Rocha. Implantação de Serviços de VoIP

Asterisk introdução. Carlos Gustavo A. da Rocha. Implantação de Serviços de VoIP introdução Carlos Gustavo A. da Rocha Asterisk (the future of telephony) Uma das principais soluções para a implementação de PABX em software e gateways VoIP OpenSource Linux, solaris, FreeBSD, OpenBSD

Leia mais

H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed

H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed quality of service Resumo para a disciplina de Processamento Digital de

Leia mais

PASSO A PASSO - INSTALAÇÃO

PASSO A PASSO - INSTALAÇÃO Digi Voice DigiVoice Tecnologia em Eletrônica DigiVoice Meucci PBX IP PASSO A PASSO - INSTALAÇÃO Versão: 1.0 Copyright 2007 DigiVoice Tecnologia em Eletrônica I DigiVoice Meucci Conteúdo Parte I Introdução

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 9-1. O KERNEL DO LINUX Nos sistemas GNU/Linux, todas as distribuições baseadas nos sistemas GNU/Linux existentes são compatíveis, graças ao uso de um kernel único desenvolvido por uma equipe de

Leia mais

Introdução à voz sobre IP e Asterisk

Introdução à voz sobre IP e Asterisk Introdução à voz sobre IP e Asterisk José Alexandre Ferreira jaf@saude.al.gov.br Coordenador Setorial de Gestão da Informática CSGI Secretaria do Estado da Saúde SES/AL (82) 3315.1101 / 1128 / 4122 Sumário

Leia mais

Inicialização rápida da instalação SUSE Linux Enterprise Server 11

Inicialização rápida da instalação SUSE Linux Enterprise Server 11 Inicialização rápida da instalação SUSE Linux Enterprise Server 11 NOVELL CARTÃO DE INICIALIZAÇÃO RÁPIDA Use os seguintes procedimentos para instalar uma nova versão do SUSE Linux Enterprise 11. Este documento

Leia mais

Software de Tarifação para centrais PABX e ambiente Windows

Software de Tarifação para centrais PABX e ambiente Windows Software de Tarifação para centrais PABX e ambiente Windows Um tarifador fácil de usar e poderoso. Com o tarifador STI Windows Atenas você poderá controlar os gastos com telefone, reduzir custos e otimizar

Leia mais

VIRTUALIZAÇÃO CONVENCIONAL

VIRTUALIZAÇÃO CONVENCIONAL VIRTUALIZAÇÃO CONVENCIONAL Sera usado o VirtualBox 5.0.8 a versão mais atual e estável da aplicação, para virtualização de um sistema Linux sobre a plataforma Windows. Para esse modelo pratico de virtualização

Leia mais

Abra o software de programação. Clique na opção VOIP, depois opção configuração conforme as imagens:

Abra o software de programação. Clique na opção VOIP, depois opção configuração conforme as imagens: Caro cliente, atendendo a sua solicitação de auxílio no processo de configuração da placa VoIP na central Impacta, segue um passo-a-passo para ajudar a visualização. Abra o software de programação. Clique

Leia mais

UM PBX GENUINAMENTE BRASILEIRO MANUAL DE INSTALAÇÃO COM IMAGEM ISO

UM PBX GENUINAMENTE BRASILEIRO MANUAL DE INSTALAÇÃO COM IMAGEM ISO UM PBX GENUINAMENTE BRASILEIRO MANUAL DE INSTALAÇÃO COM IMAGEM ISO Criado por: Flavio Henrique Somensi flavio@opens.com.br Revisão: qui, 25 de abril de 2013 www.sneplivre.com.br Índice 1. Instalação...4

Leia mais

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto Introdução a Informática Prof.: Roberto Franciscatto 2.1 CONCEITO DE BIT O computador só pode identificar a informação através de sua elementar e restrita capacidade de distinguir entre dois estados: 0

Leia mais

Comparativo de desempenho do Pervasive PSQL v11

Comparativo de desempenho do Pervasive PSQL v11 Comparativo de desempenho do Pervasive PSQL v11 Um artigo Pervasive PSQL Setembro de 2010 Conteúdo Resumo executivo... 3 O impacto das novas arquiteturas de hardware nos aplicativos... 3 O projeto do Pervasive

Leia mais

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Este artigo demonstra como configurar uma rede virtual para ser usada em testes e estudos. Será usado o VirtualBox

Leia mais

Gerência de Memória RAM em Computadores com Mais de 4GB O sistema Windows x86 (32bits) não tem capacidade de reconhecer, fisicamente, mais que 3,X GB de RAM, a não ser que seja ativado, manualmente, o

Leia mais

Uma poderosa ferramenta de monitoramento. Madson Santos - madson@pop-pi.rnp.br Técnico de Operação e Manutenção do PoP-PI/RNP

Uma poderosa ferramenta de monitoramento. Madson Santos - madson@pop-pi.rnp.br Técnico de Operação e Manutenção do PoP-PI/RNP Uma poderosa ferramenta de monitoramento Madson Santos - madson@pop-pi.rnp.br Técnico de Operação e Manutenção do PoP-PI/RNP Abril de 2008 O que é? Características Requisitos Componentes Visual O que é?

Leia mais

Apresentação Comercial

Apresentação Comercial Apresentação Comercial quem somos? Portfolio Gateways Gravador A. Telefone IP Unified Sentinela Fidelizador MGS-1E MAT-41E Linha MGA 01 porta E1 30 canais digitais R2 ou ISDN Sinalização SIP G.711 e G.729

Leia mais

Manual de instalação Priority HIPATH 1100 versão 7.0

Manual de instalação Priority HIPATH 1100 versão 7.0 Manual de instalação Priority HIPATH 1100 versão 7.0 2014 Innova Soluções Tecnológicas Este documento contém 28 páginas. Elaborado por: Innova Tecnologia de Soluções. Liberado em Novembro de 2014. Impresso

Leia mais

CARTA CONVITE 010/2014 ANEXO II - TERMO DE REFERÊNCIA

CARTA CONVITE 010/2014 ANEXO II - TERMO DE REFERÊNCIA CARTA CONVITE 010/2014 ANEXO II - TERMO DE REFERÊNCIA 1. Implantação de Sistema de Call Center 1.1. O software para o Call Center deverá ser instalado em servidor com sistema operacional Windows (preferencialmente

Leia mais

Inicialização rápida da instalação SUSE Linux Enterprise Server 11 SP1

Inicialização rápida da instalação SUSE Linux Enterprise Server 11 SP1 Inicialização rápida da instalação SUSE Linux Enterprise Server 11 SP1 Inicialização rápida da instalação SUSE Linux Enterprise Server 11 SP1 CARTÃO DE INICIALIZAÇÃO RÁPIDA NOVELL Use os seguintes procedimentos

Leia mais

Manual do Usuário SNEWS.TV

Manual do Usuário SNEWS.TV Manual do Usuário SNEWS.TV INTRODUÇÃO O IN-PLUS é uma solução profissional de captura de áudio e vídeo SD, HD e 4k através de uma ou mais fontes de entradas SDI, HDMI, COMPOSITE ou COMPONENTE. Cada entrada

Leia mais

AP401 / AP402 / AP404 AP411 / AP412 / AP414 AP408 / AP418 APE401 / APE402 / APE404 APE411 / APE412 / APE414

AP401 / AP402 / AP404 AP411 / AP412 / AP414 AP408 / AP418 APE401 / APE402 / APE404 APE411 / APE412 / APE414 AP401 / AP402 / AP404 AP411 / AP412 / AP414 AP408 / AP418 APE401 / APE402 / APE404 APE411 / APE412 / APE414 Setembro 2011, Rev. 3 Copyright Aligera Equipamentos Digitais, Porto Alegre - RS, Brasil. Todos

Leia mais

GT-VOIP Relatório I.9: Avaliação do Ambiente Sphericall da Marconi. Setembro de 2002

GT-VOIP Relatório I.9: Avaliação do Ambiente Sphericall da Marconi. Setembro de 2002 GT-VOIP Relatório I.9: Avaliação do Ambiente Sphericall da Marconi Setembro de 2002 Objetivo deste estudo é realizar testes de análise de performance, funcionalidade, confiabilidade e sinalização com o

Leia mais

Ideal para roteamento de chamadas entre filial x matriz Cancelamento de eco. Ideal para operadoras VoIP que trabalham com venda de CDR personalizável

Ideal para roteamento de chamadas entre filial x matriz Cancelamento de eco. Ideal para operadoras VoIP que trabalham com venda de CDR personalizável USER MEDIA GATEWAY E1 AND VOIP Principais Características Aplicações Típicas Transcoding nos 30 canais Ideal para roteamento de chamadas entre filial x matriz Cancelamento de eco por rede IP. Suporte SNMP

Leia mais

NetPBX Billing System

NetPBX Billing System 2007 NetPBX Billing System Descrição O NetPBX Billing System é uma ferramenta que foi desenvolvida como solução para pequenos e médios Provedores de Telefonia VoIP (ITSP). Através dele é possível administrar

Leia mais

Manual de Instalação IREC100 1.5

Manual de Instalação IREC100 1.5 Manual de Instalação IREC100 1.5 Este documento consiste em 16 páginas. Elaborado por: Innova Tecnologia de Soluções. Liberado em Julho de 2009. Impresso no Brasil. Sujeito a alterações técnicas. A reprodução

Leia mais

INSTALAÇÃO DO SUSE LINUX ENT. DESKTOP 10

INSTALAÇÃO DO SUSE LINUX ENT. DESKTOP 10 Duração: 02:45 min INSTALAÇÃO DO SUSE LINUX ENT. DESKTOP 10 1. Inicializar o Virtual PC 2007 e criar uma máquina virtual. a. Salvar em C:\Laboratorio b. O nome da máquina virtual será: Linux_Suse_Seunome.vmc

Leia mais

Serviços de Comunicações RELATÓRIO LABORATORIAL IMPLEMENTAÇÃO DE SOLUÇÃO IP PBX

Serviços de Comunicações RELATÓRIO LABORATORIAL IMPLEMENTAÇÃO DE SOLUÇÃO IP PBX Serviços de Comunicações RELATÓRIO LABORATORIAL IMPLEMENTAÇÃO DE SOLUÇÃO IP PBX 19 de Dezembro de 2014 Carlos Leocádio - ee09313@fe.up.pt Tiago Ferreira - ee10085@fe.up.pt Departamento de Engenharia Electrotécnica

Leia mais

Introdução à Informática

Introdução à Informática Introdução à Informática Aula 6 http://www.ic.uff.br/~bianca/introinfo/ Aula 6-21/09/2007 1 Ementa Conceitos Básicos de Computação (Hardware, Software e Internet) Softwares Aplicativos Tutorial: Word Tutorial:

Leia mais

Redes de Computadores II INF-3A

Redes de Computadores II INF-3A Redes de Computadores II INF-3A 1 ROTEAMENTO 2 Papel do roteador em uma rede de computadores O Roteador é o responsável por encontrar um caminho entre a rede onde está o computador que enviou os dados

Leia mais

Manual de instalação. Manual de instalação. Liberdade. Liberdade. Versão 1.0.0-31/10/2002. Versão 1.0.0-31/10/2002

Manual de instalação. Manual de instalação. Liberdade. Liberdade. Versão 1.0.0-31/10/2002. Versão 1.0.0-31/10/2002 Liberdade Manual de instalação Liberdade Manual de instalação Versão 1.0.0-31/10/2002 Versão 1.0.0-31/10/2002 Praça dos Açorianos, s/n - CEP 90010-340 Porto Alegre, RS (051) 3210-3100 http:\\www.procergs.com.br

Leia mais

2º PERÍODO TECNOLOGIA EM SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO RELATÓRIO ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES

2º PERÍODO TECNOLOGIA EM SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO RELATÓRIO ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC 2º PERÍODO TECNOLOGIA EM SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO GOIÂNIA 2015 PROJETO INTEGRADOR RELATÓRIO ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES GRUPO: ALLAN BERG CARLOS SILVA JUAN CARLOS

Leia mais

Soluções de Acessibilidade. VLibras - Desktop. Manual de Instalação da Ferramenta. Linux R. Núcleo de Pesquisa e Extensão / LAViD

Soluções de Acessibilidade. VLibras - Desktop. Manual de Instalação da Ferramenta. Linux R. Núcleo de Pesquisa e Extensão / LAViD Soluções de Acessibilidade VLibras - Desktop Manual de Instalação da Ferramenta Linux R Núcleo de Pesquisa e Extensão / LAViD 2015 INTRODUÇÃO Objetivo Este manual contém introdução e informações necessárias

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Administração de Servidores de Rede AULA 03. Prof. Gabriel Silva

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Administração de Servidores de Rede AULA 03. Prof. Gabriel Silva FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Administração de Servidores de Rede AULA 03 Prof. Gabriel Silva Temas da Aula de Hoje: Servidores Linux. Conceitos Básicos do Linux. Instalando Servidor Linux.

Leia mais

Instalando a placa de rede

Instalando a placa de rede Instalando a placa de rede A instalação dos drivers e a configuração de uma placa de rede no Windows 98 independe do tipo de cabo utilizado. Este tipo de instalação não é muito diferente da instalação

Leia mais

UM PBX GENUINAMENTE BRASILEIRO

UM PBX GENUINAMENTE BRASILEIRO UM PBX GENUINAMENTE BRASILEIRO MANUAL DE INSTALAÇÃO COM IMAGEM ISO Revisão: Seg, 21 de Março de 2011 www.sneplivre.com.br Índice 1. Instalação...4 1.1. Pré Requisitos...4 1.2. Na Prática...4 1.2.1. Download...4

Leia mais

CGW-P Gateway ISDN GSM

CGW-P Gateway ISDN GSM Interface de conexão TDM entre PABX e rede Celular Interconecte seu PABX ou Switch TDM com a rede celular GSM O gateway CGW-P é um dispositivo que interconecta seu PABX ou switch de voz com as redes celulares

Leia mais

CoIPe Telefonia com Tecnologia

CoIPe Telefonia com Tecnologia CoIPe Telefonia com Tecnologia A proposta Oferecer sistema de telefonia digital com tecnologia que possibilita inúmeras maneiras de comunicação por voz e dados, integrações, recursos e abertura para customizações.

Leia mais

Intelbras GKM 2210T. 1. Instalação

Intelbras GKM 2210T. 1. Instalação 1 Intelbras GKM 2210T 1. Instalação 1º Conecte a fonte de alimentação na entrada PWR, o LED Power acenderá; 2º Conecte a porta WAN do GKM 2210 T ao seu acesso à internet (porta ethernet do modem). O LED

Leia mais

Guia Rápido Instalação CB3000 TDMoE Elastix

Guia Rápido Instalação CB3000 TDMoE Elastix Guia Rápido Instalação CB3000 TDMoE Elastix Sumário Recomendações... 3 Preparando o Servidor PABX-IP Elastix... 3 Módulo DAHDI... 3 Módulo LIBPRI... 3 Módulo OpenR2... 4 Configuração do CB3000 TDMoE como

Leia mais

Manual de Instalação SNEP 3 Asterisk 13

Manual de Instalação SNEP 3 Asterisk 13 Manual de Instalação SNEP 3 Asterisk 13 2015 Autoria: Flávio Henrique Somensi Baseado na versão 3.0-betha-rc2 por OpenS Tecnologia LTDA. Rua dos Cisnes, 541 Pedra Branca CEP 88137-300 - Palhoça - SC www.opens.com.br

Leia mais

Arquitetura da Plataforma All-in-one da GenNex

Arquitetura da Plataforma All-in-one da GenNex Arquitetura da Plataforma All-in-one da GenNex 1. Descrição Geral A plataforma all-in-one desenvolvida pela GenNex Telecom não é baseada em Asterisk, mas sim, fruto de um projeto próprio onde todos os

Leia mais

Introdução ao protocolo SIP*

Introdução ao protocolo SIP* Introdução ao protocolo SIP* 1. SIP (Session Initiation Protocol) Pode se dizer que SIP trata se de um protocolo de controle referente à camada de aplicações do Modelo de Referência OSI (Open System Interconnection),

Leia mais

Instalando o Debian em modo texto

Instalando o Debian em modo texto Instalando o Debian em modo texto Por ser composto por um número absurdamente grande de pacotes, baixar os CDs de instalação do Debian é uma tarefa ingrata. Você pode ver uma lista dos mirrors disponíveis

Leia mais

Comunicação interligando vidas

Comunicação interligando vidas Comunicação interligando vidas APRESENTAÇÃO E PROPOSTA COMERCIAL 1. INTRODUÇÃO O presente documento contém o projeto técnico comercial para prestação dos serviços de locação, suporte, consultorias da área

Leia mais

História. Sistema Operacional

História. Sistema Operacional História Linux é o termo geralmente usado para designar qualquer sistema operacional que utilize o núcleo Linux. Foi desenvolvido pelo Finlandês Linus Torvalds, inspirado no sistema Minix. O seu código

Leia mais

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos Partição Parte de um disco físico que funciona como se fosse um disco fisicamente separado. Depois de criar uma partição, você deve formatá-la e atribuir-lhe uma letra de unidade antes de armazenar dados

Leia mais

Requisitos técnicos dos produtos Thema

Requisitos técnicos dos produtos Thema Requisitos técnicos dos produtos Thema 1 Sumário 2 Apresentação...3 3 Servidor de banco de dados Oracle...4 4 Servidor de aplicação Linux...4 5 Servidor de terminal service para acessos...4 6 Servidor

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Switch na Camada 2: Comutação www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução A conexão entre duas portas de entrada e saída, bem como a transferência de

Leia mais

Soluções de Acessibilidade. VLibras - Desktop. Manual de Instalação da Ferramenta. Microsoft Windows R. Núcleo de Pesquisa e Extensão / LAViD

Soluções de Acessibilidade. VLibras - Desktop. Manual de Instalação da Ferramenta. Microsoft Windows R. Núcleo de Pesquisa e Extensão / LAViD Soluções de Acessibilidade VLibras - Desktop Manual de Instalação da Ferramenta Microsoft Windows R Núcleo de Pesquisa e Extensão / LAViD 2015 INTRODUÇÃO Objetivo Este manual contém introdução e informações

Leia mais

MODELOS XDS TRDS RDS

MODELOS XDS TRDS RDS MODELOS XDS RDS TRDS FLEXIBILIDADE Modelo Slots Troncos IP Ramais IP XDS 14 160 300 Portas TDM Portas IP Portas Total 160TIP + 300RIP 0 460 460 1 E1 + 312RA 342 0 342 2 E1 + 288RA 348 0 348 3 E1 + 264RA

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS e OPERACIONAIS. BioGer Server e BioGer Client

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS e OPERACIONAIS. BioGer Server e BioGer Client ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS e OPERACIONAIS BioGer Server e BioGer Client ÍNDICE A) OBJETIVO...3 B) MODELOS...3 C) CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS...5 D) CARACTERÍSTICAS OPERACIONAIS...5 D.1) Características Operacionais

Leia mais

NECESSIDADES TÉCNICAS - INTERCONEXÃO TELEFÔNICA!

NECESSIDADES TÉCNICAS - INTERCONEXÃO TELEFÔNICA! NECESSIDADES TÉCNICAS - INTERCONEXÃO TELEFÔNICA TUTORIAL NECESSIDADES TÉCNICAS - INTERCONEXÃO TELEFÔNICA NECESSIDADES TÉCNICAS - INTERCONEXÃO TELEFÔNICA AVISO LEGAL: As informações contidas neste documento

Leia mais

Infraestrutura Básica

Infraestrutura Básica Índice Introdução Características do Mastersaf Componentes do MasterSAF Servidor de Banco de Dados (obrigatório) Estações de Trabalho (obrigatório) Servidor de Arquivos (opcional) Servidor de Aplicações

Leia mais

Guia do usuário Placa VoIP

Guia do usuário Placa VoIP Guia do usuário Placa VoIP Versão 02/07 Caro usuário, Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. A Placa VoIP é um acessório que poderá ser utilizado em todas as

Leia mais

LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS. PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO

LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS. PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO O Linux se refere aos itens de hardware como dispositivos (devices), e os referencia como arquivos. Os arquivos de

Leia mais

Central de Telefonia IP

Central de Telefonia IP Tecnologia Gerando Resultado Central de Telefonia IP A comunicação do Futuro www.boxgreen.com.br Tela de Login Toda Administração da Central pode ser feita através de um navegador web. Sua administração

Leia mais

Organização do Curso. Instalação e Configuração. Módulo II. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores

Organização do Curso. Instalação e Configuração. Módulo II. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores 1 Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Prof.: Nelson Monnerat Instalação e Configuração 1 Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Módulo

Leia mais

O protocolo H.323 UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br

O protocolo H.323 UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br UNIP rffelix70@yahoo.com.br Este protocolo foi projetado com o intuito de servir redes multimídia locais com suporte a voz, vídeo e dados em redes de comutação em pacotes sem garantias de Qualidade de

Leia mais

Índice. Mamut Gravador Telefônico Digital MGC Manual de Instalação Procedimento de Instalação do Gravador Digital Mamut. V 1.0

Índice. Mamut Gravador Telefônico Digital MGC Manual de Instalação Procedimento de Instalação do Gravador Digital Mamut. V 1.0 Procedimento de Instalação do Gravador Digital Mamut. V 1.0 Índice 1- Preparação da CPU para o funcionamento do Gravador Digital Mamut 1.1 - Preparação da CPU 1.2 - Instalação do Firebird 2 - Instalação

Leia mais

Governo do Estado do Acre Secretaria de Estado de Planejamento Diretoria de Tecnologia da Informação e Comunicação DTIC

Governo do Estado do Acre Secretaria de Estado de Planejamento Diretoria de Tecnologia da Informação e Comunicação DTIC Especificações de Referência Central Telefônica Código do Objeto TOIP00008 Descrição do Objeto Central Telefônica Data da Especificação de Referência Outubro de 2013 Validade da Especificação de Referência

Leia mais

Fidelize sua operadora e tenha reduções imediatas

Fidelize sua operadora e tenha reduções imediatas Gateway E1-SIP µtech Gateway E1-SIP: a evolução ao seu alcance O conhecido dispositivo para interconexão de redes IP com a rede de telefonia comutada evoluiu. Além de proporcionar a integração de redes

Leia mais

SOFTWARE LIVRE. Distribuições Live CD. Kernel. Distribuição Linux

SOFTWARE LIVRE. Distribuições Live CD. Kernel. Distribuição Linux SOFTWARE LIVRE A liberdade de executar o programa, para qualquer propósito. A liberdade de estudar como o programa funciona, e adaptá-lo para as suas necessidades. Acesso ao código-fonte é um pré-requisito

Leia mais

Tecnologia PCI express. Introdução. Tecnologia PCI Express

Tecnologia PCI express. Introdução. Tecnologia PCI Express Tecnologia PCI express Introdução O desenvolvimento de computadores cada vez mais rápidos e eficientes é uma necessidade constante. No que se refere ao segmento de computadores pessoais, essa necessidade

Leia mais

Inicialização rápida da instalação SUSE Linux Enterprise Desktop 11

Inicialização rápida da instalação SUSE Linux Enterprise Desktop 11 Inicialização rápida da instalação SUSE Linux Enterprise Desktop 11 NOVELL CARTÃO DE INICIALIZAÇÃO RÁPIDA Use os seguintes procedimentos para instalar uma nova versão do SUSE Linux Enterprise Desktop 11.

Leia mais

SISTEMA GT Sistema de Gravação Telefônica

SISTEMA GT Sistema de Gravação Telefônica SISTEMA GT Sistema de Gravação Telefônica Art & Soft Ltda. Av. N. Sra. do Carmo, 1650/48 30330-000 Belo Horizonte MG http://www.artsoft.com.br/ Tel: (31) 3286-1184 Fax: (31) 3286-3227 Apresentação do Sistema

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ARQUITETURA DE COMPUTADORES

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ARQUITETURA DE COMPUTADORES FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ARQUITETURA DE COMPUTADORES PROFESSOR: Kelly Alves Martins de Lima Arquitetura de Computadores DISCENTES: Helton Klinthon Douglas Silva

Leia mais

REDES DE COMUNICAÇÕES MÓVEIS 2º Trabalho de Laboratório. DESEMPENHO E LIMITAÇÕES DE REDES SEM FIOS IEEE802.11 1- Introdução

REDES DE COMUNICAÇÕES MÓVEIS 2º Trabalho de Laboratório. DESEMPENHO E LIMITAÇÕES DE REDES SEM FIOS IEEE802.11 1- Introdução Mestrado em Engª de Redes de Comunicações REDES DE COMUNICAÇÕES MÓVEIS 2º Trabalho de Laboratório 3º ano, 1º semestre, 2010/11 Segunda-Feira, 16:30h Alunos Nome Número João Salada 57849 Marco Alves 57846

Leia mais

Este tutorial está publicado originalmente em http://www.baboo.com.br/conteudo/modelos/?a=40917&z=327

Este tutorial está publicado originalmente em http://www.baboo.com.br/conteudo/modelos/?a=40917&z=327 Todos os meses mais de 5,1 milhões de internautas visitam o Fórum do BABOO. Lá todas as suas dúvidas e problemas de informática são solucionados gratuitamente pela nossa comunidade. Participe você também:

Leia mais

Manual de Instalação Linux Comunicações - Servidor. Centro de Computação Científica e Software Livre - C3SL

Manual de Instalação Linux Comunicações - Servidor. Centro de Computação Científica e Software Livre - C3SL Manual de Instalação Linux Comunicações - Servidor Centro de Computação Científica e Software Livre - C3SL Sumário 1 Instalando o Linux Comunicações para Telecentros (servidor) 2 1.1 Experimentar o Linux

Leia mais

Virtual Box. Guia. Instalação E Utilização. Criado por Wancleber Vieira wancleber.vieira@ibest.com.br

Virtual Box. Guia. Instalação E Utilização. Criado por Wancleber Vieira wancleber.vieira@ibest.com.br Virtual Box Guia De Instalação E Utilização 1 Sumário Instalação do Linux Ubuntu através de um gerenciador de Máquinas Virtuais 1.1 Introdução, 3 1.2 Instalação do Virtual Box, 3 1.3 Configuração do Virtual

Leia mais

Asterisk, usando R2/MFC. DigiVoice Tecnologia em Eletrônica Ltda.

Asterisk, usando R2/MFC. DigiVoice Tecnologia em Eletrônica Ltda. Asterisk, usando R2/MFC DigiVoice Tecnologia em Eletrônica Ltda. Por que R2/MFC? Não é uma opção, mas a sinalização predominante para troncos digitais E1 nas centrais telefônicas no Brasil. É uma evolução

Leia mais

Processo de Instalação Limpa do Windows 8.1 em Computadores Philco

Processo de Instalação Limpa do Windows 8.1 em Computadores Philco Processo de Instalação Limpa do Windows 8.1 em Computadores Philco O processo de Instalação Limpa irá remover todos os programas e arquivos de dados do seu computador, substituindo eles com uma instalação

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

Universidade Federal de Goiás. Alexandre Ferreira de Melo CERCOMP / UFG

Universidade Federal de Goiás. Alexandre Ferreira de Melo CERCOMP / UFG Universidade Federal de Goiás Ubuntu Desktop Alexandre Ferreira de Melo CERCOMP / UFG Conpeex / 2010 Agenda Introdução Conceitos Categorias de Software História do Linux Arquitetura do Linux Ubuntu Projeto

Leia mais