QOS SOBRE REDES DE PACOTES UTILIZANDO H.323

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "QOS SOBRE REDES DE PACOTES UTILIZANDO H.323"

Transcrição

1 QOS SOBRE REDES DE PACOTES UTILIZANDO H.323 Aluno: Ricardo dos Santos Alves de Souza Professor: Otto Carlos Muniz Bandeira Duarte Abril de 2004 DEL 1

2 ÍNDICE Resumo Introdução Redes de Pacotes Qualidade de Serviço Padrão H Necessidade de QoS Problemas encontrados em Redes IP Aplicações Características do H Parâmetros de medida de QoS Formas de se garantir QoS Arquitetura do H Características do Terminal H Características do Gatekeeper H Protocolos definidos pelo Padrão Conclusão Referências Questões

3 RESUMO A popularização da Internet e as novas necessidades dos usuários têm determinado que as redes de pacotes, principalmente as redes IP, passem a suportar tráfego de dados que não foram originalmente planejados. Para que estas mudanças sejam possíveis, diversos estudos nas áreas de redes, compactação de dados e comunicação estão sendo realizados pelo mundo afora. Um dos frutos desse empenho é a elaboração do padrão H.323, que faz parte de uma família de padrões recomendados pelo International Telecommunication Union Standardization Sector (ITU) para especificação de sistemas de comunicação estruturados sobre redes de pacotes e com foco em aplicações multimídia. 3

4 1 INTRODUÇÃO O documento que se segue tem por objetivo apresentar o padrão de comunicação de dados sobre redes de pacotes nomeado H.323. A principal característica do padrão é possibilitar que aplicações multimídia, de um ou vários fabricantes, funcionem satisfatoriamente e possam interagir levando em conta as dificuldades de se submeter aplicações do gênero em redes comutadas por pacotes. 1.1 REDES DE PACOTES A utilização de redes de comutação de pacotes explodiu com o advento da Internet. A principal característica que explica a escolha desse tipo de rede para implementação da rede mundial de computadores é o melhor aproveitamento dos recursos da rede para os tipos de aplicação utilizados com maior freqüência até hoje na Internet: troca de mensagens, arquivos e acesso a páginas textuais. As aplicações citadas, assim como muitas outras, geram um tráfego de rede em rajadas, onde o meio passa boa parte do tempo ocioso e o tempo de entrega não é em tempo real. As redes de pacotes partem dessas características para trabalhar com recursos físicos não dedicados e, assim, melhorar o compartilhamento dos recursos da rede aumentando a eficiência na sua utilização. Nos últimos anos, no entanto, a popularização da Internet e o enorme crescimento de sua infra-estrutura determinaram a utilização das redes de pacotes como meio de integrar diferentes modos de comunicação. 1.2 QUALIDADE DE SERVIÇO Podemos analisar qualidade de serviço em aplicações multimídia com dois focos distintos. Primeiramente podemos observar as expectativas do usuário em relação à aplicação em uso. Dessa forma levamos em conta atributos como tempo de resposta à interação, fidelidade de som e imagem e continuidade, entre outros. Por outro lado, podemos observar as necessidades de rede impostas pelas aplicações para que funcionem e atendam às expectativas do usuário. Com esse foco, são observados atributos como atraso na entrega dos dados e perdas de informação. 4

5 Podemos dizer então quer garantir Qualidade de Serviço é garantir que o conjunto mínimo de atributos indispensáveis para o funcionamento de uma aplicação seja atendido. 1.3 PADRÃO H.323 O padrão H.323 faz parte de uma família de padrões recomendados pelo International Telecommunication Union Standardization Sector (ITU-T) para especificação de sistemas de comunicação estruturados sobre redes de pacotes e com foco em aplicações multimídia. O padrão estabelece a utilização de uma série de outros padrões e protocolos que em conjunto possibilitam que redes de pacotes suportem aplicações com alta demanda por banda e que necessitem de qualidade de serviço para serem viáveis. Dentre os diferentes tipos de protocolos especificados pelo H.323 destacam-se os protocolos que visam obter compressão de dados e outros que visam garantir entrega de pacotes com o menor tempo de atraso. Além de possibilitar garantias de qualidade de serviço em redes de pacotes, o padrão permite que aplicações de diferentes fabricantes e tecnologias interajam de forma transparente. 2 NECESSIDADE DE QOS Como foi visto, a tecnologia de comutação de pacotes, na qual se baseiam as redes IP, possui algumas características que são decorrentes de sua arquitetura, e que não são encontradas no modelo de comutação de circuitos utilizado pelas redes telefônicas. Para que aplicações de mídia contínua em tempo real possam trafegar por redes IP é necessário identificar e contornar as limitações que a rede impõe para o funcionamento dessas aplicações. 2.1 PROBLEMAS ENCONTRADOS EM REDES IP Atualmente as redes IP utilizadas na Internet oferecem um serviço de entrega de pacotes chamado de "melhor esforço", que não oferece garantias de desempenho para as aplicações que dela se utilizam. Problemas como perda de pacotes em trânsito e atraso não são tão sentidos pelas aplicações tradicionais, que na maioria exigem mais confiabilidade, sendo esta garantida através do uso do protocolo de transporte como, por exemplo, o TCP. 5

6 Ao contrário do tráfego exigido pelas tradicionais aplicações da Internet, o tráfego demandado pela comunicação de voz, vídeo e outras aplicações multimídia exige da rede uma maior capacidade de recursos disponíveis para atendimento aos terminais, visto que os dados transmitidos são contínuos, extensos e precisam atingir seu destino em curto espaço de tempo para que sejam compreendidos. Para esse tipo de utilização as redes de comutação de circuitos têm se mostrado bastante eficientes pela forma como a arquitetura trabalha com dedicação dos recursos entre os terminais enquanto durar a comunicação. Redes IP não prevêem dedicação de recursos entre terminais e por isso fica mais complicado garantir Qualidade de Serviço a custos aceitáveis para dar suporte às novas necessidades. Mais precisamente, a grande dificuldade tem sido fazer com que uma rede projetada para trabalhar com tráfego descontínuo passe agora a trabalhar com tráfego contínuo. 2.2 APLICAÇÕES Com o avanço da tecnologia, popularização dos computadores e globalização, algumas aplicações antes só vistas em filmes passaram a ser de desejo de muitos. Dentre estas destacam-se as aplicações multimídia como videoconferência, telemedicina, transmissão interativa de TV e telefonia IP. O grau de exigência da rede dessas aplicações mais avançadas depende diretamente do tipo da aplicação. Como exemplo, podemos citar as aplicações de vídeo interativas onde o tempo máximo para o atraso fim-a-fim e a perda de pacotes são fundamentais. Já aplicações de vídeo não interativas toleram uma pequena taxa de perda de pacotes e alguma variação de atraso fim-a-fim. Dentre as aplicações multimídia citadas, as que têm se tornado mais comum e exigem maiores cuidados são as que trabalham com comunicação de voz. Neste tipo de comunicação é essencial que os dados alcancem seu destino em curto espaço, sejam apresentados ordenadamente e sem falhas, sob o risco de não serem compreendidos caso algum desses atributos não seja respeitado. 3 CARACTERÍSTICAS DO H PARÂMETROS DE MEDIDA DE QOS 6

7 A qualidade do serviço (QoS) exigida pelas aplicações pode ser medida através dos chamados parâmetros de QoS. Os mais comumente analisados são: retardo fim-a-fim, taxa de perda de pacotes, variação do retardo fim-a-fim ( jitter ) e vazão. O retardo fim-a-fim contabiliza o atraso total sofrido por um pacote até atingir seu destino final a rede. Este parâmetro de medida leva em conta o tempo que os pacotes esperam em filas de roteamento, o tempo de propagação no meio físico e o tempo gasto com processamento nos terminais da rede. A taxa de perda de pacotes é a razão entre o número de pacotes recebidos e o número de pacotes enviados em um certo intervalo de tempo. Este parâmetro pode indicar que a taxa de transmissão de um terminal está incompatível com a capacidade da rede. O jitter ou variação do retardo fim-a-fim mostra as variações no tempo de entrega de um pacote em um determinado tempo. Essa variação tem relação direta com a demanda de uso da rede. Por último, a vazão é o parâmetro que indica a taxa de transmissão efetiva dos dados em bits. Pode-se dizer que a vazão é a banda de rede ocupada por uma aplicação. 3.2 FORMAS DE SE GARANTIR QOS Para se procurar garantir QoS os terminais de comunicação e os pontos intermediários de roteamento precisam trabalhar de forma a atender a demanda respeitando os limites máximos dos parâmetros citados para cada aplicação. Para isso, o primeiro passo é medir em tempo real os parâmetros de QoS e, com essa informação, montar um controle ativo para ajustar o trabalho dos aplicativos nos terminais a fim de reduzir os valores mensurados. A principal medida para melhorar a eficiência do transporte de dados na rede é procurar diminuir a quantidade de dados transmitidos. Uma das formas de se conseguir isso é comprimir os dados da melhor maneira possível. A redução no tamanho dos dados reduz a necessidade de banda e permite que mesmo com uma vazão menor toda a informação necessária seja transmitida. Transmitindo menos dados reduz-se a demanda por recursos de rede e o tempo de espera em filas de roteamento, assim o retardo fim-a-fim também diminui. No entanto, o uso de algoritmos sofisticados de compressão de dados traz a necessidade de se ter terminais com grande poder de processamento a fim de suportar a compressão em tempo real. 7

8 Outra medida necessária para se garantir QoS é o emprego de buffers de dados nos terminais. Os buffers são preenchidos tanto na transmissão quanto na recepção. Na transmissão os dados armazenados nos buffers podem ser enviados caso ocorram picos de processamento que atrasem a compressão dos dados a serem transmitidos. Na recepção, os buffers são empregados da mesma forma, ou seja, são descarregados caso ocorram atrasos na descompressão. O efeito compensador dos buffers contribui para a redução do jitter, estabilizando o retardo. Outra forma de diminuir o efeito de jitter é trabalhar com protocolos de roteamento que entregam pacotes com base em seu tempo de atraso em relação aos outros pacotes. A medida de tempo utilizada para definir que pacotes estão adiantados ou atrasados é calculado como uma média entre o maior e o menor atraso de entrega ponto-a-ponto. Pacotes adiantados devem permanecer na fila até atingirem o tempo estabelecido, já pacotes atrasados em relação a este tempo devem ser repassados o mais rápido possível. Por fim, a melhora na taxa de perda de pacotes é um aspecto mais complicado no funcionamento das aplicações que necessitam de QoS. Para se garantir entrega de pacotes é preciso utilizar protocolos de transporte confiáveis como o TCP, que não foi desenvolvido dando prioridade a tempo de entrega. Para manter a taxa de perda de pacotes em valores aceitáveis ao funcionamento das aplicações a saída é mesclar a utilização de protocolos confiáveis com protocolos não confiáveis. É importante ressaltar que a taxa de perda de pacotes é um importante indicador para ajustar a vazão da transmissão em uma comunicação com QoS visto que os terminais envolvidos podem não ter o mesmo poder de processamento. 4 ARQUITETURA DO H.323 A especificação do padrão H.323 prevê a existência de quatro tipos de componentes com funções distintas em uma comunicação multimídia: Terminais, Gateways, Gatekeepers e Multipoint Control Units (MCUs). Desses componentes os principais são os Terminais e os Gatekeepers, que serão vistos com mais detalhes. A figura 1 traz um exemplo de interligação entre os componentes do padrão H.323 e redes com outros padrões. O Gateway é um componente opcional na comunicação. Sua função é interligar terminais implementados com outros tipos de padrão, como o H

9 Vale ressaltar nesse ponto que o padrão H.323 foi desenvolvido para ser independente de plataforma operacional, plataforma de rede e fornecedor de equipamentos. Melhor dizendo, implementações do padrão devem trabalhar sobre qualquer tecnologia de rede de pacote utilizada e interoperar com equipamentos de diferentes fabricantes de componente e software. Figura 1 Arquitetura H.323 e outros padrões (Fonte As MCUs são formadas por uma unidade de controle Multiponto (MC) e uma ou várias unidades de processamento Multiponto (MP). Podem aparecer integradas aos terminais de comunicação. As MCs controlam a negociação e escolha do fluxo de dados (vazão), protocolos de compressão e comunicação a serem empregados pelos aplicativos participantes de uma comunicação. Já as MPs cuidam do processamento dos dados utilizados na comunicação. MPs independentes ajudam a aliviar a carga de processamento nos terminais. 4.1 CARACTERÍSTICAS DO TERMINAL H.323 comunicação. São representados pelos computadores ligados à rede, de onde partem os dados da 9

10 Todos os terminais no padrão H.323 devem suportar transmissão e recepção de voz. O suporte a vídeo e outros tipos dados é opcional. Os terminais podem integrar mais de uma funcionalidade, como no caso de atuarem como MCUs e Gatekeepers. O terminal H.323 é o componente que implementa a maior parte dos protocolos especificados visto que pode atuar em todas as camadas de rede. 4.2 CARACTERÍSTICAS DO GATEKEEPER H.323 O Gatekeeper é o principal componente especificado pelo padrão. Atua como ponto central e gerente para todas as chamadas dentro de sua zona, ou seja, dentro de um conjunto restrito de terminais, gateways e MCUs. Vale dizer que uma zona deve incluir pelo menos um terminal e pode incluir outros segmentos de rede conectados por intermédio de roteadores e gateways. O gatekeeper atua como um controlador central de chamadas, capaz de registrar todos os participantes de uma conferência, determinar largura de banda e traduzir endereços. Este componente pode aparecer integrado a outros componentes como o Terminal e o Gateway. 4.3 PROTOCOLOS DEFINIDOS PELO PADRÃO A especificação H.323 é uma especificação guarda-chuva, pois faz referência a diversos protocolos específicos, com diferentes finalidades, espalhados pelas quatro últimas camadas OSI. Dentre as atribuições dos protocolos referenciados estão codificação de voz, codificação de vídeo, sinalização, configuração de chamadas e transporte de dados. Assumindo que o principal objetivo do padrão é criar meios para melhorar a eficiência do uso da rede e conseguir QoS, podemos citar como protocolos mais importantes os responsáveis pela compressão de dados (áudio, vídeo e outros dados) e os protocolos de transporte. A figura 2 traz uma visão geral dos protocolos incluídos no padrão H.323. Um dos protocolos mais importantes do padrão é o G mais conhecido como Pulse Code Modulation (PCM) - cuja função é codificar e decodificar voz. Este protocolo é implementado por diversas aplicações na área de telecomunicações e deve ser suportado por todas as aplicações 10

11 H.323. O PCM codifica a voz utilizando símbolos de 8 bits a uma taxa de amostragem de 8000 vezes/s. É capaz de fornecer voz descompactada a uma taxa que varia entre 56 e 64 kpbs. Outro protocolo com a mesma finalidade e muito implementado pelas aplicações H.323 é o G.723.1, que utiliza predição para conseguir taxas de compressão em uma faixa entre 10 a 12 mais eficientes que o PCM. Figura 2 - Protocolos especificados pelo H.323 (Fonte: Da família dos protocolos de negociação de chamadas e controle temos o H.245, extremamente importante visto que, em uma mesma comunicação, podem trabalhar juntas aplicações com diferentes níveis de suporte a protocolos e com poderes de processamento diversos. Este protocolo é responsável por determinar quais serão os protolocos de compactação utilizados em uma conferência, quais as taxas máximas de transmissão suportadas, quais os critérios de conexão, entre outros pontos negociáveis. 11

12 As negociações estabelecidas pelo H.245 são de responsabilidade do Gatekeeper quando este está presente em uma zona de comunicação. Para possibilitar a troca de informações entre os terminais e este último componente é necessário a implementação do protocolo H.225. Esta categoria de comunicação forma um canal chamado de RAS (Registration/Admission/Status) por onde passam as informações utilizadas nas negociações. A troca de dados entre os componentes do padrão é feita com base no protocolo RTP (Real- Time Transport Protocol), uma variação do tradicional UDP. Para controlar a troca de dados, existe troca de informações de controle que é feita por um protocolo com garantia de entrega chamado RTCP (Real-Time Transport Control Protocol). Para permitir a comunicação de voz entre as redes de computador e as redes de telefonia, o padrão H.323 sugere o protocolo Q.931. O papel deste protocolo é fornecer condições para que exista negociação de características específicas das redes de telefonia, tais como geração de tons e controle de conexão dedicada. Após o estabelecimento da comunicação, o gerenciamento deste protocolo é feito entre o Gateway e o Terminal diretamente. O Gatekeeper atua somente na negociação de abertura de canal de comunicação. A figura a seguir mostra a interligação entre um terminal H.323 e um telefone comum. Figura 3 - Interligação entre diferentes tipos de redes (Fonte: 12

13 5 CONCLUSÃO A recomendação H.323, especificada pela ITU-T, estabelece padrões de comunicação multimídia para sistemas de telefonia audiovisuais sobre redes onde não exista garantia de qualidade de serviço. As primeiras especificações do padrão foram lançadas em 1996 ainda sem grande sucesso no controle de QoS. No entanto, a evolução da especificação continua e hoje o foco está voltado para consistência de QoS e aplicações multicast. O padrão H.323 não tem como fornecer por si só garantia de QoS. Sua especificação visa reunir meios para permitir o funcionamento de aplicações multimídia trabalhando o controle das chamadas e do fluxo de dados, algoritmos de compressão e sinalização. A preocupação com abrangência, interoperabilidade e flexibilidade acabou tornando o H.323 um padrão muito complexo e de difícil implementação. Na prática, as aplicações que fazem uso implementam um subconjunto menor de especificações e que atendam apenas às necessidades indispensáveis. Figura 4 - Interação SIP x H.323 (Fonte Grandes grupos de estudo pelo mundo têm procurado soluções mais simples ao H.323. Uma delas é o SIP (Session Initiation Protocol), criado pela Universidade de Columbia e IETF. O SIP é 13

14 especificado em módulo único e trabalha com um protocolo baseado em informação textual, assim como HTTP. Mesmo sendo mais simples, o SIP suporta interoperabilidade com as aplicações de Internet atuais. Comparativamente, o SIP é um padrão bem mais simples e leve do que o H.323, porém, suas características limitam a capacidade de interoperar entre diferentes fabricantes, além de não suportar algumas funcionalidades existentes no H.323 como, por exemplo, as conferências audiovisuais. Enfim, pode-se dizer que o H.323 é uma especificação extremamente abrangente, interoperável e completa, mas que tem como preço elevada rigidez e complexa implementação. A figura 4 mostra uma representação de interligação entre sistemas SIP e H

15 6 REFERÊNCIAS Leopoldino Machado, Graciela e Martins Rosa, Cristina, H.323: Um padrão para sistemas de comunicação multimídia baseado em pacotes, Web: Rede Nacional de Pesquisa, O que é qualidade de serviço (QoS). Web: Adelmo Jerônimo Silva e M. A R. Dantas, Arquitetura Híbridas de QoS em Redes I. Web: Luiz A. da Fonseca, José e A. Stanton, Michael, Estudo experimental de videoconferência pessoal em inter-redes IP com QoS. Web: International Telecommunication Union, Packet-based multimedia communications systems. Web: CISCO Systems, Implementing QoS Solutions for H.323 Video Conferencing Over IP, Web: Packetizer, H.323, Web: Tanenbaum, Andrew, Redes de Computadores, Ed. Campus, 2003, 4ª Edição. 15

16 7 QUESTÕES 1. Como podemos definir Qualidade de Serviço (QoS)? R: Analisando do ponto de vista das aplicações, QoS é o atendimento de um conjunto mínimo de requisitos necessários para que o objetivo final do serviço prestado pela aplicação seja completamente compreendido e atenda às expectativas do usuário. Do ponto de vista da utilização da rede, QoS é o conjunto de requisitos que a rede precisa oferecer às aplicações para que estas trabalhem de forma aceitável. 2. Por que encontramos dificuldade de oferecer QoS na Internet hoje? R: A base estrutural da Internet hoje são as redes IP. Este tipo de rede é baseada em pacotes e foi projetada para trabalhar com aplicações que empregam tráfego descontínuo de dados e sob a filosofia do melhor esforço na entrega dos pacotes. Dessa forma, as redes IP não têm como fornecer às aplicações meios de garantir que a entrega dos pacotes seja feita sob o seguinte conjunto de necessidades: entrega em curto espaço de tempo, mantendo uma ordenação determinada, sem grandes variações de tempo e disponibilizando largura de banda extensa. 3. O que o padrão estabelece para tentar permitir QoS em redes IP? R: O H.323 especifica o uso de técnicas de compressão de áudio e vídeo a fim de diminuir a necessidade de banda para trafegar as informações. Especifica também o emprego de buffers com o objetivo de compensar a variação nos tempos de entrega de pacotes e para permitir a ordenação da informação recebida. Por último, especifica o uso mesclado de protocolos confiáveis e nãoconfiáveis com a finalidade de reduzir o tempo de entrega dos pacotes e melhorar a qualidade e confiabilidade da comunicação. 4. Quais são os principais atributos do padrão H.323? R: O padrão especifica de forma abrangente e completa todo o conjunto de soluções (protocolos, técnicas de compressão,...) necessários para sua implementação. Sua filosofia de 16

17 criação privilegiou aspectos como independência de tecnologia de rede de pacotes, interoperabilidade entre equipamentos e aplicações de diferentes fabricantes e tecnologias de rede, independência de plataforma de utilização, flexibilidade na criação das aplicações e suporte a operação multicast. 5. Quais são os problemas relacionados a utilização de H.323? R: Devido à sua filosofia de criação e por ser extremamente completo e abrangente, o padrão acabou se tornando complexo e de difícil implementação, portanto, caro de ser empregado. Somado a complexidade, o H.323 é também muito rígido o que acaba dificultando a compatibilidade com aplicações mais antigas e, provavelmente, com as futuras. 17

H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed

H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed quality of service Resumo para a disciplina de Processamento Digital de

Leia mais

Protocolos Sinalização

Protocolos Sinalização Tecnologia em Redes de Computadores Fundamentos de VoIP Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com São protocolos utilizados para estabelecer chamadas e conferências através de redes via IP; Os

Leia mais

O protocolo H.323 UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br

O protocolo H.323 UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br UNIP rffelix70@yahoo.com.br Este protocolo foi projetado com o intuito de servir redes multimídia locais com suporte a voz, vídeo e dados em redes de comutação em pacotes sem garantias de Qualidade de

Leia mais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 3: VoIP INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 As telecomunicações vêm passando por uma grande revolução, resultante do

Leia mais

Aplicações Multimídia Distribuídas. Aplicações Multimídia Distribuídas. Introdução. Introdução. Videoconferência. deborams@telecom.uff.br H.

Aplicações Multimídia Distribuídas. Aplicações Multimídia Distribuídas. Introdução. Introdução. Videoconferência. deborams@telecom.uff.br H. Departamento de Engenharia de Telecomunicações - UFF Aplicações Multimídia Distribuídas Aplicações Multimídia Distribuídas Videoconferência Padrão H.323 - ITU Padrão - IETF Profa. Débora Christina Muchaluat

Leia mais

F n u d n a d ment n os o Vo V I o P Introdução

F n u d n a d ment n os o Vo V I o P Introdução Tecnologia em Redes de Computadores Fundamentos de VoIP Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com Introdução VoIP (Voice over Internet Protocol) A tecnologia VoIP vem sendo largamente utilizada

Leia mais

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP)

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Telefonia Tradicional PBX Telefonia Pública PBX Rede telefônica tradicional usa canais TDM (Time Division Multiplexing) para transporte da voz Uma conexão de

Leia mais

3 Qualidade de serviço na Internet

3 Qualidade de serviço na Internet 3 Qualidade de serviço na Internet 25 3 Qualidade de serviço na Internet Além do aumento do tráfego gerado nos ambientes corporativos e na Internet, está havendo uma mudança nas características das aplicações

Leia mais

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay Márcio Leandro Moraes Rodrigues Frame Relay Introdução O frame relay é uma tecnologia de chaveamento baseada em pacotes que foi desenvolvida visando exclusivamente a velocidade. Embora não confiável, principalmente

Leia mais

Protocolos Multimídia. Alunos: Roberto Schemid Rafael Mansano

Protocolos Multimídia. Alunos: Roberto Schemid Rafael Mansano Alunos: Roberto Schemid Rafael Mansano Exemplos de Aplicações Multimídia Mídia Armazenada: conteúdo gravado e armazenado play/pause/rewind/forward Streaming : vê o conteúdo enquanto baixa o arquivo evita

Leia mais

VoIP. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

VoIP. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha As principais tecnologias de Voz sobre Rede de dados: Voz sobre Frame Relay Voz sobre ATM Voz sobre IP VoIP sobre MPLS VoIP consiste no uso das redes de dados

Leia mais

Capítulo 5. A camada de rede

Capítulo 5. A camada de rede Capítulo 5 A camada de rede slide slide 1 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Computer Networks, Fifth Edition by Andrew Tanenbaum and David Wetherall, Pearson Education-Prentice

Leia mais

A recomendação H.323 define um arcabouço (guarda-chuva) para a estruturação dos diversos

A recomendação H.323 define um arcabouço (guarda-chuva) para a estruturação dos diversos Videoconferência: H.323 versus SIP Este tutorial apresenta uma avaliação técnica e as tendências que envolvem os serviços providos pela pilha de protocolos do padrão H.323, especificados pelo ITU-T, e

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações. Telefonia IP Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações. (Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 19/05/2003). Huber Bernal Filho

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III 1 REDE DE COMPUTADORES III 1. Introdução MODELO OSI ISO (International Organization for Standardization) foi uma das primeiras organizações a definir formalmente

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

SIP Session Initiation Protocol

SIP Session Initiation Protocol SIP Session Initiation Protocol Pedro Silveira Pisa Redes de Computadores II 2008.2 Professores: Luís Henrique Maciel Kosmalski Costa Otto Carlos Muniz Bandeira Duarte Outubro de 2008 Índice Introdução

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDES DE COMPUTADORES II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br Surgiu final década de 1980 Tecnologia de comutação em infraestrutura redes RDSI-FL(B-ISDN) Recomendação I.121 da ITU-T(1988)

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching

MPLS MultiProtocol Label Switching MPLS MultiProtocol Label Switching Cenário Atual As novas aplicações que necessitam de recurso da rede são cada vez mais comuns Transmissão de TV na Internet Videoconferências Jogos on-line A popularização

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações. Seção: Tutoriais Banda larga e VOIP Telefonia IP Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações. Autor: Huber Bernal Filho Engenheiro de Teleco (MAUÁ 79),

Leia mais

Faculdade Lourenço Filho Curso de Redes de Computadores. TRABALHO DE TELEFONIA IP Serviços Diferenciados - QoS

Faculdade Lourenço Filho Curso de Redes de Computadores. TRABALHO DE TELEFONIA IP Serviços Diferenciados - QoS Faculdade Lourenço Filho Curso de Redes de Computadores TRABALHO DE TELEFONIA IP Serviços Diferenciados - QoS Equipe: Afonso Sousa, Jhonatan Cavalcante, Israel Bezerra, Wendel Marinho Professor: Fabio

Leia mais

Arquiteturas de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos

Arquiteturas de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos Arquiteturas de Rede 1 Sumário Introdução; Modelo de Referência OSI; Modelo de Referência TCP/IP; Bibliografia. 2/30 Introdução Já percebemos que as Redes de Computadores são bastante complexas. Elas possuem

Leia mais

Introdução ao protocolo SIP*

Introdução ao protocolo SIP* Introdução ao protocolo SIP* 1. SIP (Session Initiation Protocol) Pode se dizer que SIP trata se de um protocolo de controle referente à camada de aplicações do Modelo de Referência OSI (Open System Interconnection),

Leia mais

Arquiteturas de Redes Prof. Ricardo J. Pinheiro

Arquiteturas de Redes Prof. Ricardo J. Pinheiro Fundamentos de Redes de Computadores Arquiteturas de Redes Prof. Ricardo J. Pinheiro Resumo Arquiteturas de Redes Organizações de padronização Modelos de referência Modelo OSI Arquitetura IEEE 802 Arquitetura

Leia mais

Introdução ao VoIP Codecs

Introdução ao VoIP Codecs Introdução ao VoIP Codecs Carlos Gustavo A. da Rocha Introdução ao VoIP Relembrando Telefonia analógica usa frequências captadas como voz humana na faixa de 0 a 4000Khz Para digitalizar a voz é necessário

Leia mais

MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP

MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP A internet é conhecida como uma rede pública de comunicação de dados com o controle totalmente descentralizado, utiliza para isso um conjunto de protocolos TCP e IP,

Leia mais

CAMADA DE REDE. UD 2 Aula 3 Professor João Carneiro Arquitetura de Redes 1º e 2º Semestres UNIPLAN

CAMADA DE REDE. UD 2 Aula 3 Professor João Carneiro Arquitetura de Redes 1º e 2º Semestres UNIPLAN CAMADA DE REDE UD 2 Aula 3 Professor João Carneiro Arquitetura de Redes 1º e 2º Semestres UNIPLAN Modelo de Referência Híbrido Adoção didática de um modelo de referência híbrido Modelo OSI modificado Protocolos

Leia mais

Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço.

Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço. O que se deve considerar no planejamento de uma rede multi-serviço? Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço. Jorge Moreira de Souza Doutor em Informática

Leia mais

Introdução à voz sobre IP e Asterisk

Introdução à voz sobre IP e Asterisk Introdução à voz sobre IP e Asterisk José Alexandre Ferreira jaf@saude.al.gov.br Coordenador Setorial de Gestão da Informática CSGI Secretaria do Estado da Saúde SES/AL (82) 3315.1101 / 1128 / 4122 Sumário

Leia mais

Capítulo 4 - Roteamento e Roteadores

Capítulo 4 - Roteamento e Roteadores Capítulo 4 - Roteamento e Roteadores 4.1 - Roteamento Roteamento é a escolha do módulo do nó de origem ao nó de destino por onde as mensagens devem transitar. Na comutação de circuito, nas mensagens ou

Leia mais

Vídeo Sob Demanda. Elaine Calvet Mestrado Redes Telecom, UFF Disciplina: Sistemas Multimídia Prof.ª Debora

Vídeo Sob Demanda. Elaine Calvet Mestrado Redes Telecom, UFF Disciplina: Sistemas Multimídia Prof.ª Debora Vídeo Sob Demanda Elaine Calvet Mestrado Redes Telecom, UFF Disciplina: Sistemas Multimídia Prof.ª Debora Agenda Introdução Definição do Serviço VoD Desafios do Serviço Tecnologia Necessária Estudo de

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

Streaming na pratica Shoutcast Flumotion

Streaming na pratica Shoutcast Flumotion Streaming na pratica Shoutcast Flumotion Felipe Santos dos Santos 1 1 Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas(FATEC) Rua Gonçalves Chaves, 602 Centro CEP: 96.015-560 Pelotas RS Brasil Curso Superior de Tecnologia

Leia mais

Capítulo 9. Telefonia por Rede de Pacotes (Voz Sobre IP)

Capítulo 9. Telefonia por Rede de Pacotes (Voz Sobre IP) Capítulo 9 Telefonia por Rede de Pacotes (Voz Sobre IP) 9.1 Introdução A rede de computadores foi utilizada nos seus primórdios do seu funcionamento, principalmente, para transmitir e receber mensagens

Leia mais

:: Telefonia pela Internet

:: Telefonia pela Internet :: Telefonia pela Internet http://www.projetoderedes.com.br/artigos/artigo_telefonia_pela_internet.php José Mauricio Santos Pinheiro em 13/03/2005 O uso da internet para comunicações de voz vem crescendo

Leia mais

Um Pouco de História

Um Pouco de História Telefonia IP Um Pouco de História Uma Breve Introdução às Telecomunicações Telefonia Tradicional Conversão analógica-digital nas centrais (PCM G.711) Voz trafega em um circuito digital dedicado de 64 kbps

Leia mais

Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática

Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores 1. Conceitos básicos, Classificação e Topologias de Redes Prof. Ronaldo

Leia mais

Contribuição acadêmica

Contribuição acadêmica Contribuição acadêmica Origem deste trabalho em cadeiras do curso de mestrado na COPPE/UFRJ; Continuidade da contribuição acadêmica através do laboratório RAVEL: desenvolvimento de sw para apoio; intercâmbio

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - MODELO DE REFERÊNCIA TCP (RM TCP) 1. INTRODUÇÃO O modelo de referência TCP, foi muito usado pela rede ARPANET, e atualmente usado pela sua sucessora, a Internet Mundial. A ARPANET é de grande

Leia mais

rr-09-r.01 Introdução UC: Redes de Computadores Docente: Prof. André Moraes

rr-09-r.01 Introdução UC: Redes de Computadores Docente: Prof. André Moraes Introdução UC: Redes de Computadores Docente: Prof. André Moraes Créditos I Créditos II Bibliografia Básica Título Autor Edição Local Editora Ano Redes de computadores TANENBAUM, Andrew S. Rio de Janeiro

Leia mais

Redes WAN. Prof. Walter Cunha

Redes WAN. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

Videoconferência: H.323 versus SIP

Videoconferência: H.323 versus SIP Videoconferência: H.323 versus SIP Este tutorial apresenta uma avaliação técnica e as tendências que envolvem os serviços providos pela pilha de protocolos do padrão H.323, especificados pelo ITU-T, e

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Motivação Realidade Atual Ampla adoção das diversas tecnologias de redes de computadores Evolução das tecnologias de comunicação Redução dos

Leia mais

Tecnologias Atuais de Redes

Tecnologias Atuais de Redes Tecnologias Atuais de Redes Aula 5 VoIP Tecnologias Atuais de Redes - VoIP 1 Conteúdo Conceitos e Terminologias Estrutura Softswitch Funcionamento Cenários Simplificados de Comunicação em VoIP Telefonia

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. O que é IP O objetivo deste tutorial é fazer com que você conheça os conceitos básicos sobre IP, sendo abordados tópicos como endereço IP, rede IP, roteador e TCP/IP. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Ementa Introdução a Redes de

Leia mais

GT-VOIP Relatório I.9: Avaliação do Ambiente Sphericall da Marconi. Setembro de 2002

GT-VOIP Relatório I.9: Avaliação do Ambiente Sphericall da Marconi. Setembro de 2002 GT-VOIP Relatório I.9: Avaliação do Ambiente Sphericall da Marconi Setembro de 2002 Objetivo deste estudo é realizar testes de análise de performance, funcionalidade, confiabilidade e sinalização com o

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE REDES 2 [COMUTAÇÕES / TAXONOMIA]

CONCEITOS BÁSICOS DE REDES 2 [COMUTAÇÕES / TAXONOMIA] CONCEITOS BÁSICOS DE REDES 2 [COMUTAÇÕES / TAXONOMIA] UC: Redes Docente: Prof. André Moraes Curso técnico em Informática Instituto Federal de Santa Catarina Créditos I Instituto Federal de Santa Catarina

Leia mais

Tecnologia de Redes de Computadores - aula 1

Tecnologia de Redes de Computadores - aula 1 Tecnologia de Redes de Computadores - aula 1 Prof. Celso Rabelo Centro Universitário da Cidade 1 Objetivo Programa Bibliografia 2 Conceitos Um pouco de história Comutação de Pactoes Comutação de pacote

Leia mais

Redes de computadores. Redes para Internet

Redes de computadores. Redes para Internet Redes de computadores Redes para Internet Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais Executando aplicações distribuídas Enlaces de comunicação fibra, cobre, rádio, satélite

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E ANALISTA (EXCETO PARA O CARGO 4 e 8) GABARITO 1. (CESPE/2013/MPU/Conhecimentos Básicos para os cargos 34 e 35) Com a cloud computing,

Leia mais

Unidade 2.1 Modelos de Referência

Unidade 2.1 Modelos de Referência Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 2.1 Modelos de Referência 2 Bibliografia da disciplina

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Ementa Introdução a Redes de

Leia mais

Camadas de Transporte, Sessão & Apresentação. Função. Camadas REDES x TRANSPORTE. Redes de Computadores Prof. Leandro C. Pykosz

Camadas de Transporte, Sessão & Apresentação. Função. Camadas REDES x TRANSPORTE. Redes de Computadores Prof. Leandro C. Pykosz Camadas de Transporte, Sessão & Apresentação Redes de Computadores Prof. Leandro C. Pykosz Função A camada de Transporte fica entre as camadas de nível de aplicação (camadas 5 a 7) e as de nível físico

Leia mais

Unidade 2.1 Modelos de Referência. Bibliografia da disciplina. Modelo OSI. Modelo OSI. Padrões 18/10/2009

Unidade 2.1 Modelos de Referência. Bibliografia da disciplina. Modelo OSI. Modelo OSI. Padrões 18/10/2009 Faculdade INED Unidade 2.1 Modelos de Referência Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Fundamentos de Redes Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 2 Bibliografia da disciplina Bibliografia

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTÁTISTICA GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO DISCIPLINA: COMUNICAÇÃO DE DADOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTÁTISTICA GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO DISCIPLINA: COMUNICAÇÃO DE DADOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTÁTISTICA GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO DISCIPLINA: COMUNICAÇÃO DE DADOS PROFESSOR: CARLOS BECKER WESTPHALL Terceiro Trabalho

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais

Revisão de Literatura

Revisão de Literatura Revisão de Literatura VoIP é um conjunto de tecnologias que usa a Internet ou as redes IP privadas para a comunicação de Voz, substituindo ou complementando os sistemas de telefonia convencionais. A telefonia

Leia mais

Arquitetura de Monitoração de Chamadas Telefônicas IP

Arquitetura de Monitoração de Chamadas Telefônicas IP Arquitetura de Monitoração de Chamadas Telefônicas IP NCE - UFRJ Leandro C. G. Lustosa Paulo Henrique de A. Rodrigues Fabio David Douglas G. Quinellato Importância de Estatísticas de Qualidade Monitoramento

Leia mais

Qualidade de serviço. Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de

Qualidade de serviço. Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de Qualidade de serviço Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de Vazão Atraso Variação do atraso Erros Outros Qualidade de

Leia mais

Francisco Tesifom Munhoz X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS

Francisco Tesifom Munhoz X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS Redes remotas Prof.Francisco Munhoz X.25 Linha de serviços de comunicação de dados, baseada em plataforma de rede, que atende necessidades de baixo ou médio volume de tráfego.

Leia mais

Evolução na Comunicação de

Evolução na Comunicação de Evolução na Comunicação de Dados Invenção do telégrafo em 1838 Código Morse. 1º Telégrafo Código Morse Evolução na Comunicação de Dados A evolução da comunicação através de sinais elétricos deu origem

Leia mais

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches Disciplina: Dispositivos de Rede II Professor: Jéferson Mendonça de Limas 4º Semestre Aula 03 Regras de Segmentação e Switches 2014/1 19/08/14 1 2de 38 Domínio de Colisão Os domínios de colisão são os

Leia mais

1 INTRODUÇÃO Internet Engineering Task Force (IETF) Mobile IP

1 INTRODUÇÃO Internet Engineering Task Force (IETF) Mobile IP 1 INTRODUÇÃO Devido ao crescimento da Internet, tanto do ponto de vista do número de usuários como o de serviços oferecidos, e o rápido progresso da tecnologia de comunicação sem fio (wireless), tem se

Leia mais

Gerenciamento de redes

Gerenciamento de redes Gerenciamento de redes Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de QoS (Qualidade de serviço) slide 1 Qualidade de serviços: aplicações de multimídia: áudio e vídeo de rede ( mídia contínua ) QoS rede oferece

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Agenda Motivação Objetivos Histórico Família de protocolos TCP/IP Modelo de Interconexão Arquitetura em camadas Arquitetura TCP/IP Encapsulamento

Leia mais

1 Introduc ao 1.1 Hist orico

1 Introduc ao 1.1 Hist orico 1 Introdução 1.1 Histórico Nos últimos 100 anos, o setor de telecomunicações vem passando por diversas transformações. Até os anos 80, cada novo serviço demandava a instalação de uma nova rede. Foi assim

Leia mais

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos MÓDULO 7 Modelo OSI A maioria das redes são organizadas como pilhas ou níveis de camadas, umas sobre as outras, sendo feito com o intuito de reduzir a complexidade do projeto da rede. O objetivo de cada

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 5-1. A CAMADA DE TRANSPORTE Parte 1 Responsável pela movimentação de dados, de forma eficiente e confiável, entre processos em execução nos equipamentos conectados a uma rede de computadores, independentemente

Leia mais

Comutação de pacotes. Não há um estabelecimento de um caminho dedicado. Não há reserva de recursos. Compartilhamento de enlaces ou partes de enlaces

Comutação de pacotes. Não há um estabelecimento de um caminho dedicado. Não há reserva de recursos. Compartilhamento de enlaces ou partes de enlaces Não há um estabelecimento de um caminho dedicado Compartilhamento de enlaces ou partes de enlaces Não há reserva de recursos Não guarda informação de estado Informações a serem enviadas são quebradas em

Leia mais

Multimédia, Qualidade de Serviço (QoS): O que são?

Multimédia, Qualidade de Serviço (QoS): O que são? Multimédia, Qualidade de Serviço (QoS): O que são? Aplicações Multimédia: áudio e vídeo pela rede ( meios contínuos ) QoS a rede oferece às aplicações o nível de desempenho necessário para funcionarem.

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br O que é a Internet? Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais Executando aplicações Enlaces de comunicação: fibra, cobre, rádio,

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula Complementar - EQUIPAMENTOS DE REDE 1. Repetidor (Regenerador do sinal transmitido) É mais usado nas topologias estrela e barramento. Permite aumentar a extensão do cabo e atua na camada física

Leia mais

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN V3PN Voice, Video and Integrated Data IP V3PN Voice, Video and Integrated Data Palestrante André Gustavo Lomônaco Diretor de Tecnologia da IPPLUS Tecnologia Mestre em Engenharia Elétrica Certificado Cisco

Leia mais

AULA Redes de Computadores e a Internet

AULA Redes de Computadores e a Internet UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Faculdade de Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Disciplina: INF64 (Introdução à Ciência da Computação) Prof: Anilton Joaquim da Silva / Ezequiel

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 1 Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br - O que é a Internet? - Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais - Executando aplicações

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Rafael Freitas Reale Aluno: Data / / Prova Final de Redes Teoria Base 1) Qual o tipo de ligação e a topologia respectivamente

Leia mais

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento IP 1 História e Futuro do TCP/IP O modelo de referência TCP/IP foi desenvolvido pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD). O DoD exigia

Leia mais

A Camada de Rede. A Camada de Rede

A Camada de Rede. A Camada de Rede Revisão Parte 5 2011 Modelo de Referência TCP/IP Camada de Aplicação Camada de Transporte Camada de Rede Camada de Enlace de Dados Camada de Física Funções Principais 1. Prestar serviços à Camada de Transporte.

Leia mais

Redes Mul)mídia. Tópicos. Streaming de Áudio e Vídeo. Aplicações de Rede Mul:mídia Introdução Classes de Aplicações Mul:mídia

Redes Mul)mídia. Tópicos. Streaming de Áudio e Vídeo. Aplicações de Rede Mul:mídia Introdução Classes de Aplicações Mul:mídia Redes Mul)mídia Streaming de Áudio e Vídeo Mário Meireles Teixeira Departamento de Informá:ca UFMA 2012 Tópicos Aplicações de Rede Mul:mídia Introdução Classes de Aplicações Mul:mídia Áudio e Vídeo de

Leia mais

Informática I. Aula 22. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1

Informática I. Aula 22. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1 Informática I Aula 22 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1 Critério de Correção do Trabalho 1 Organização: 2,0 O trabalho está bem organizado e tem uma coerência lógica. Termos

Leia mais

ncia de Redes NGN - NEXT GENERATION NETWORK Hugo Santana Lima hugosl@nec.com.br Porque Telefonia IP?

ncia de Redes NGN - NEXT GENERATION NETWORK Hugo Santana Lima hugosl@nec.com.br Porque Telefonia IP? Convergência ncia de Redes NGN - NEXT GENERATION NETWORK Hugo Santana Lima hugosl@nec.com.br Porque Telefonia IP? O negócio Presença universal do IP Maturação da tecnologia Passagem para a rede de dados

Leia mais

Serviço fone@rnp: descrição da arquitetura

Serviço fone@rnp: descrição da arquitetura Serviço fone@rnp: descrição da arquitetura Maio de 2005 Esse documento descreve a arquitetura do serviço fone@rnp. RNP/REF/0343a Versão Final Sumário 1. Arquitetura... 3 1.1. Plano de numeração... 5 1.1.1.

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Design de Rede Local Design Hierárquico Este design envolve a divisão da rede em camadas discretas. Cada camada fornece funções específicas que definem sua função dentro da rede

Leia mais

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet:

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet: Comunicação em uma rede Ethernet A comunicação em uma rede local comutada ocorre de três formas: unicast, broadcast e multicast: -Unicast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um host e endereçado

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Redes Convergentes II Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

2 Avaliação de desempenho de uma rede de telecomunicações

2 Avaliação de desempenho de uma rede de telecomunicações 2 Avaliação de desempenho de uma rede de telecomunicações Ao longo do presente capítulo são introduzidos os principais elementos qualitativos e quantitativos capazes de permitir a avaliação do desempenho

Leia mais

Redes de Computadores e a Internet

Redes de Computadores e a Internet Redes de Computadores e a Internet Magnos Martinello Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM 2010 Introdução Redes

Leia mais

Protocolos Hierárquicos

Protocolos Hierárquicos Protocolos Hierárquicos O que é a Internet? Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais Executando aplicações distribuídas Enlaces de comunicação fibra, cobre, rádio,

Leia mais

Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.)

Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.) Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.) Tópicos Gerencia de Rede Motivação da Gerência Desafios Principais Organismos Padronizadores Modelo Amplamente Adotado As Gerências

Leia mais

O modelo ISO/OSI (Tanenbaum,, 1.4.1)

O modelo ISO/OSI (Tanenbaum,, 1.4.1) Cenário das redes no final da década de 70 e início da década de 80: Grande aumento na quantidade e no tamanho das redes Redes criadas através de implementações diferentes de hardware e de software Incompatibilidade

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. VPN: Redes Privadas Virtuais O objetivo deste tutorial é apresentar os tipos básicos de Redes Privadas Virtuais (VPN's) esclarecendo os significados variados que tem sido atribuído a este termo. Eduardo

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

Arquitecturas Multimédia

Arquitecturas Multimédia Arquitecturas Multimédia FEUP/DEEC/RBL 2002/03 José Ruela Arquitecturas para Comunicações Multimédia Arquitectura Multimédia IETF» Session Initiation Protocol (SIP)» Session Announcement Protocol (SAP)»

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDES DE COMPUTADORES II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br Formato de Frame FR Frame Relay Circuitos Virtuais É um circuito de dados virtual bidirecional configurado entre 2 portas

Leia mais

Interligação de Redes

Interligação de Redes REDES II HETEROGENEO E CONVERGENTE Interligação de Redes rffelix70@yahoo.com.br Conceito Redes de ComputadoresII Interligação de Redes Quando estações de origem e destino encontram-se em redes diferentes,

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Arquiteturas de Redes

REDES DE COMPUTADORES. Arquiteturas de Redes REDES DE COMPUTADORES Arquiteturas de Redes Agenda Necessidade de Padronização Protocolos e Padrões Órgãos de Padronização Conceitos de Arquitetura em Camadas Arquitetura de Redes OSI TCP/IP Necessidade

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais