Ordenamento do Espaço Rural

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ordenamento do Espaço Rural"

Transcrição

1 Ordenamento do Espaço Rural Ano lectivo 2005/2006 Capítulo 4 Ordenamento do Espaço Rural 1

2 4.1 A Política Nacional de Ordenamento do Território 2

3 Ordenamento do Território Assenta no sistema de gestão territorial consagrado pelo Decreto-Lei n.º 380/99, de 22 de Setembro com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei n.º 310/2003, de 10 de Dezembro, que aprovou o Regime Jurídico dos Instrumentos de Gestão Territorial, em execução da Lei de Bases da Política do Ordenamento do Território e de Urbanismo (Lei n.º 48/98, de 11 de Agosto) 3

4 De acordo com este regime jurídico o Sistema de Gestão Territorial organiza-se, num quadro de interacção coordenada, em três âmbitos: a) O âmbito nacional (entendido como o território de Portugal Continental); b) O âmbito regional; c) O âmbito municipal. 4

5 O âmbito nacional é concretizado através dos seguintes instrumentos: a) O programa nacional da política de ordenamento do território (PNPOT); b) Os planos sectoriais com incidência territorial (PSIT); c) Os planos especiais de ordenamento do território (PEOT), compreendendo: os planos de ordenamento de áreas protegidas (POAP), os planos de ordenamento de albufeiras de águas públicas (POAAP), os planos de ordenamento da orla costeira (POOC) e os planos de ordenamento dos parques arqueológicos (POPA). 5

6 O âmbito regional é concretizado através dos planos regionais de ordenamento do território (PROT). O âmbito municipal é concretizado através dos seguintes instrumentos: a) Os planos intermunicipais de ordenamento do território (PIOT); b) Os planos municipais de ordenamento do território (PMOT), que compreendem os planos directores municipais (PDM), os planos de urbanização (PU) e os planos de pormenor (PP). 6

7 Ordenamento do Espaço Rural 7

8 4.2 PMOT - Planos Municipais de Ordenamento do Território Instrumentos de planeamento territorial, de natureza regulamentar, aprovados pelos municípios, que estabelecem o regime de uso do solo, definindo modelos de evolução da ocupação humana e da organização de redes e sistemas urbanos e, na escala adequada, parâmetros de aproveitamento do solo. 8

9 PMOT-PDM - Plano Director Municipal Plano municipal de ordenamento do território que abrange todo o território municipal e que, com base na estratégia de desenvolvimento local, estabelece a estrutura espacial, a classificação básica do solo, bem como parâmetros de ocupação, considerando a implantação dos equipamentos sociais e desenvolve a qualificação dos solos urbano e rural. Constitui uma síntese da estratégia de desenvolvimento e ordenamento local prosseguida, integrando as opções de âmbito nacional e regional com incidência na respectiva área de intervenção. O Plano Director Municipal é de elaboração obrigatória. Estão ratificados todos os PDM do continente, estando vários em processo de revisão. 9

10 10

11 PMOT-PU - Plano de Urbanização Plano municipal de ordenamento do território que define a organização espacial de parte determinada do território municipal, incluída em perímetros urbanos, podendo englobar solo rural complementar que exija uma intervenção integrada de planeamento. 11

12 PMOT-PP - Plano de Pormenor Plano municipal de ordenamento do território que desenvolve e concretiza propostas de organização espacial de qualquer área específica do território municipal definindo com detalhe a concepção da forma de ocupação e servindo de base aos projectos de execução das infraestruturas, da arquitectura dos edifícios e dos espaços exteriores, de acordo com as prioridades estabelecidas nos programas de execução constantes do plano director municipal e do plano de urbanização. 12

13 4.3 Os planos sectoriais com incidência territorial (PSIT) 13

14 4.3 Os planos sectoriais com incidência territorial (PSIT) Planos de defesa da floresta Diploma / DL 156/2004 (art. 8.º) Lei de Bases da Política Florestal - Prevê os planos de ordenamento e gestão florestal L 33/96 Regula o procedimento de elaboração, aprovação, execução e alteração dos planos regionais de ordenamento florestal DL 204/99 Regula o procedimento de elaboração, aprovação, execução e alteração dos planos de gestão florestal DL 205/99 14

15 Os planos regionais de ordenamento florestal (PROF) desenvolvem as orientações preconizadas ao nível planeamento florestal nacional e da legislação, explicitando normas concretas de silvicultura e de utilização do território apresentando um carácter operativo face às orientações fornecidas por outros níveis superiores de planeamento e de decisão. utilizadas no processo de elaboração dos planos de gestão florestal (PGF) e dos planos directores municipais (PDM). 15

16 4.4 Servidões e Restrições 16

17 Servidões e Restrições: Aeroportos e Navegação Aérea Albufeiras de Águas Públicas Classificadas Áreas Beneficiadas por Obras de Fomento Hidroagrícola Áreas Protegidas Árvores de Interesse Público Captação e Protecção das Águas Subterrâneas Edifícios Públicos e outras Construções de Interesse Público Estabelecimentos Prisionais e Tutelares de Menores Gasodutos e Oleodutos Instalações de Fabrico e Armazenagem de Produtos Explosivos Organizações e Instalações Militares Património Classificado Recursos Geológicos Regime Florestal Reserva Agrícola Nacional (RAN) Reserva Ecológica Nacional (REN) Sinalização Marítima Telecomunicações Zonas Adjacentes às Margens do Domínio Hídrico Zonas de Protecção Especial (ZPE) Zonas Especiais de Conservação (ZEC) 17

18 Áreas Protegidas São classificados como áreas protegidas os territórios que pela sua raridade, valor ecológico, paisagístico, científico ou cultural apresentam uma relevância especial que exija medidas específicas de conservação e gestão dos recursos naturais. 18

19 Regime Florestal Visa assegurar não só a criação, exploração e conservação da riqueza silvícola nacional, mas também o revestimento florestal de terrenos cuja arborização seja de utilidade pública e conveniente ou necessária para o bom regime das águas e defesa de várzeas, para a valorização de áreas ardidas e benefício do clima, ou para a fixação e conservação de solo de montanhas e de areias do litoral marítimo. 19

20 Reserva Agrícola Nacional (RAN) A Reserva Agrícola Nacional integra um conjunto de áreas que, pelas suas características morfológicas, climatéricas e sociais, maiores potencialidades apresentam para a produção de bens agrícolas. 20

21 Zonas de Protecção Especial (ZPE) São áreas de importância comunitária, onde são aplicadas as medidas necessárias para a manutenção ou restabelecimento do estado de conservação das espécies de aves selvagens mencionadas no anexo A-I do DL nº 140/99. 21

22 Zonas Especiais de Conservação (ZEC) São sítios do território nacional, de importância comunitária, susceptíveis de contribuir para a manutenção de habitats naturais ou de espécies de fauna ou flora selvagem. 22

23 4.5 - A integração do Ordenamento do Espaço Rural com as diversas figuras de ordenamento do território 23

24 O Ordenamento do espaço rural Ao nível da macro-estrutura dos grandes valores ambientais e das grandes opções de uso do território: PROTs PMOTs No Ordenamento de alguns recursos ambientais e biofísicos em particular: PEOTs No ordenamento sectorial de alguns usos do território PSOT A visão de síntese e integradora, numa perspectiva de Ordenamento Rural Integrado de um determinado Território Rural caberia aos PMOT 24

25 O Espaço rural é normalmente apenas classificado em grandes classes de uso As Servidões, em particular a RAN e REN, têm funcionado apenas como disciplinadoras do crescimento urbano e não como verdadeiras figuras de ordenamento dos recursos, como se pretendia. Não há articulação entre as políticas de ordenamento fundiário / ordenamento rural integrado com os instrumentos de ordenamento do território; 25

26 Aos PSOT, em particular os florestais, falta capacidade de uma visão integrada e de articulação com as restantes componentes do território; Um Instrumento fundamental no Ordenamento do Território, como é o cadastro, não é integrado nas políticas de Ordenamento do Território. Em suma alguma falta de articulação entre políticas e deficiente capacidade de concretização tem remetido a questão do Ordenamento Integrado do Espaço Rural para alguma menoridade. 26

Planeamento Urbano Urbanização e Cidade Planeamento e Planos JOÃO CABRAL FA/UTL

Planeamento Urbano Urbanização e Cidade Planeamento e Planos JOÃO CABRAL FA/UTL Planeamento Urbano Urbanização e Cidade Planeamento e Planos JOÃO CABRAL FA/UTL Cidade de Chaves em DOMINGUES, A. (2006), Cidade & Democracia, 30 anos de transformação urbana em Portugal, Ed. Argumentum,

Leia mais

O novo Regime da Política de Solos, de Ordenamento do Território e de Urbanismo. Abril, 2014

O novo Regime da Política de Solos, de Ordenamento do Território e de Urbanismo. Abril, 2014 O novo Regime da Política de Solos, de Ordenamento do Território e de Urbanismo Abril, 2014 Porquê uma nova Lei? 1. A atual Lei de Solos data de 1976, encontra-se obsoleta face à atual conjuntura socioeconómica

Leia mais

Avaliação Ambiental Estratégica Relatório Ambiental. PGRH-Açores 2016-2021. Anexo I

Avaliação Ambiental Estratégica Relatório Ambiental. PGRH-Açores 2016-2021. Anexo I Anexo I Diretivas Diretiva Quadro da Água (DQA) Diretiva Quadro Estratégia Marinha (DQEM) Diretiva 2000/60/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 23 de outubro de 2000, que estabelece um quadro de

Leia mais

Que desígnios ou ambições para a nossa terra?

Que desígnios ou ambições para a nossa terra? Que desígnios ou ambições para a nossa terra? BASE LOCAL Conferência RECURSOS E ECONOMIA Painel 2 Território e Recursos Tema ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO Fernando Pau-Preto fernando@paupreto.net www.paupreto.net

Leia mais

Seminário técnico Sistema Nacional de Informação ç Territorial: Presente e Futuro

Seminário técnico Sistema Nacional de Informação ç Territorial: Presente e Futuro Seminário técnico Sistema Nacional de Informação ç Territorial: Presente e Futuro Direção-Geral do Território, Lisboa, 29 de setembro de 2015 C l Si õ Carlos Simões, Divisão de Informação e Gestão Territorial

Leia mais

Avaliação Ambiental Estratégica o que investigam as nossas Universidades? André Mascarenhas

Avaliação Ambiental Estratégica o que investigam as nossas Universidades? André Mascarenhas o que investigam as nossas Universidades? André Mascarenhas MSc Engenharia do Ambiente Área de especialização Avaliação e Gestão Ambiental Faculdade de Ciências e Tecnologia - Universidade do Algarve 1

Leia mais

PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE CANTANHEDE (ALTERAÇÃO)

PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE CANTANHEDE (ALTERAÇÃO) DEPARTAMENTO DE URBANISMO Divisão de Ordenamento do Território PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE CANTANHEDE (ALTERAÇÃO) AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA RELATÓRIO JUSTIFICATIVO PARA A NÃO REALIZAÇÃO JULHO 2012

Leia mais

Enquadramento, âmbito de aplicação, antecedentes e

Enquadramento, âmbito de aplicação, antecedentes e Apresentação para o Grupo Transversal da Área Metadados do SNIG Lisboa, 16 de Maio de 2011 O Perfil MOTU Enquadramento, âmbito de aplicação, antecedentes e ponto de situação sobre o seu desenvolvimento

Leia mais

Decreto Regulamentar n. º 10/2009, de 29 de Maio

Decreto Regulamentar n. º 10/2009, de 29 de Maio Decreto Regulamentar n. º 10/2009, de 29 de Maio 1 Decreto Regulamentar n.º 10/2009, de 29 de Maio Fixa a cartografia a utilizar nos instrumentos de gestão territorial, bem como na representação de quaisquer

Leia mais

Sociedade de Estudos e Projectos, Lda.

Sociedade de Estudos e Projectos, Lda. Sociedade de Estudos e Projectos, Lda. 02 Sociedade de Estudos e Projectos, Lda. 03 A Terraforma Sociedade de Estudos e Projectos foi fundada em Lisboa, em 15 de Junho de 1989, pelo Prof. Paulo V.D. Correia.

Leia mais

Turismo de Natureza no Alto Minho:

Turismo de Natureza no Alto Minho: SEMINÁRIO FINAL VALOR GERÊS-XURÉS Turismo de Natureza: Balanço e Perspetivas 2014-2020 António Sá Melgaço, Porta de Lamas de Mouro 16 de dezembro de 2014 Turismo de Natureza no Alto Minho: Balanço 2007-2013

Leia mais

PLANOS DE ORDENAMENTO DE ÁREAS PROTEGIDAS PONTO DE SITUAÇÃO E PERSPETIVAS FUTURAS

PLANOS DE ORDENAMENTO DE ÁREAS PROTEGIDAS PONTO DE SITUAÇÃO E PERSPETIVAS FUTURAS PLANOS DE ORDENAMENTO DE ÁREAS PROTEGIDAS PONTO DE SITUAÇÃO E PERSPETIVAS FUTURAS NORTE TERRITÓRIO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL EGIONAL O NOVO NOVO RJIGT 13 de julho de 2015 o O planeamento nas áreas protegidas

Leia mais

Guião Orientador sobre a metodologia de abordagem dos transportes nos PMOT

Guião Orientador sobre a metodologia de abordagem dos transportes nos PMOT Guião Orientador sobre a metodologia de abordagem dos transportes nos PMOT Luís Jorge Bruno Soares António Perez Babo Robert Stussi Maria Rosário Partidário Bruno Lamas brunosoares@brunosoaresarquitectos.pt

Leia mais

A cartografia nos planos municipais de ordenamento do território - experiência recente

A cartografia nos planos municipais de ordenamento do território - experiência recente Workshop - Regulamentação da cartografia a utilizar nos instrumentos de gestão territorial A cartografia nos planos municipais de ordenamento do território - experiência recente Luis Rebolo ESTRUTURA DA

Leia mais

FAMALICÃO. Estratégia VISÃO 25 Território PDM

FAMALICÃO. Estratégia VISÃO 25 Território PDM Estratégia VISÃO 25 Território PDM José F. G. Mendes Fevereiro 2015 O quadro do Ordenamento do Território, Urbanismo e o Desenvolvimento Sistema de Gest ão Territorial Sistema de Gestão Territorial Nacional

Leia mais

7. Condicionantes. : Reserva Ecológica Nacional; : Reserva Agrícola Nacional; : Domínio Público Hídrico; : Património Classificado;

7. Condicionantes. : Reserva Ecológica Nacional; : Reserva Agrícola Nacional; : Domínio Público Hídrico; : Património Classificado; 7. Condicionantes De acordo com a legislação em vigor existe um conjunto de figuras legais que de algum modo, condicionam o território ou constituem servidões administrativas e outras restrições de utilidade

Leia mais

Projeto de arborização ou rearborização

Projeto de arborização ou rearborização Projeto de arborização ou rearborização ICNF/DCNF Registo n.º Data de submissão do projeto (dd/mm/aa) Índice 1 Elementos gerais 1.1 Identificação do requerente 1.2 Identificação e localização da área de

Leia mais

Zona Vulnerável a Nitratos-Tejo. Condicionalidades e Obrigações. Agricultura Presente, um Projeto com Futuro

Zona Vulnerável a Nitratos-Tejo. Condicionalidades e Obrigações. Agricultura Presente, um Projeto com Futuro Zona Vulnerável a Nitratos-Tejo Condicionalidades e Obrigações Agricultura Presente, Agricultura Presente, um Projeto com Futuro um Projecto com Futuro Santarém 28 de fevereiro de 2015 Agenda 1. Definição

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DOS RECURSOS NATURAIS Direção Regional do Ambiente

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DOS RECURSOS NATURAIS Direção Regional do Ambiente REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DOS RECURSOS NATURAIS Direção Regional do Ambiente Alteração do Plano de Ordenamento da Paisagem Protegida da Cultura da Vinha da Ilha do Pico POPPVIP Relatório

Leia mais

ordenamento do território

ordenamento do território O desenho urbano serve o território. Neste campo, o território tem sofrido influências sob a forma de como a sua ocupação é encarada: desde o urbanismo como esté#ca ao urbanismo como obra de engenharia,

Leia mais

1 093 225 Receitas Próprias

1 093 225 Receitas Próprias - Programação Plurianual do 213 Investimento por Programas e Medidas Página 1 Anos anteriores 213 214 215 Anos Seguintes TOTAL VICE PRESIDÊNCIA DO GOVERNO 41 - INOVAÇAO E QUALIDADE 1 - PROMOÇAO DA INOVAÇAO

Leia mais

Dinâmica da ocupação florestal do solo Economia e regulação. Departamento de Gestão e Produção Florestal Conceição Ferreira

Dinâmica da ocupação florestal do solo Economia e regulação. Departamento de Gestão e Produção Florestal Conceição Ferreira Dinâmica da ocupação florestal do solo Economia e regulação Departamento de Gestão e Produção Florestal Conceição Ferreira Perspetiva histórica Fixação e arborização das dunas, 1802 José de Bonifácio Andrada

Leia mais

Protegida, outras gasodutos,

Protegida, outras gasodutos, CONTEÚDO MÍNIMO OBRIGATÓRIO DOS PROJETOS DE EXECUÇÃO DAS MEDIDAS COMPENSATÓRIAS DETERMINADAS NOS TERMOS DO ARTIGO 8º DO DECRETO LEI N.º 169/2001, DE 25 DE MAIO, ALTERADO PELO DECRETO LEI N.º 155/2004,

Leia mais

Seminário técnico Sistema Nacional de Informação Territorial: Presente e Futuro. Direção-Geral do Território, Lisboa, 29 de setembro de 2015

Seminário técnico Sistema Nacional de Informação Territorial: Presente e Futuro. Direção-Geral do Território, Lisboa, 29 de setembro de 2015 Seminário técnico Sistema Nacional de Informação Territorial: Presente e Futuro Direção-Geral do Território, Lisboa, 29 de setembro de 2015 Sistema de Informação oficial, de âmbito nacional, que presta

Leia mais

JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA

JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA CÂMARA MUNICIPAL DE SINES DEPARTAMENTO DE GESTÃO TERRITORIAL DIVISÃO DE

Leia mais

o Decreto-Lei n." 140/99, de 24 de Abril, adaptado

o Decreto-Lei n. 140/99, de 24 de Abril, adaptado 3866 DIAJuO DA REPUBLICA - I SERIE-A N 109-6de Junho de 2006 REGlAo AUTONOMA DOS ACORES Assembleia Legislativa Decreto Legislativo Regional n.? 20/2006/A Plano Sectorial da Rede Natura 2000 da Regiao Aut6noma

Leia mais

Revisão do Plano Diretor de Belém. 3ª Audiência Pública Temática Tema: INFRA-ESTRUTURA, MOBILIDADE E ACESSIBILIDADE

Revisão do Plano Diretor de Belém. 3ª Audiência Pública Temática Tema: INFRA-ESTRUTURA, MOBILIDADE E ACESSIBILIDADE Prefeitura Municipal de Belém Secretaria Municipal de Coordenação Geral do Planejamento e Gestão Revisão do Plano Diretor de Belém (Lei nº 7.603/93) 3ª Audiência Pública Temática Tema: INFRA-ESTRUTURA,

Leia mais

ANEXO 12 EXTERNALIDADES. Parte I Penalidades por Externalidades Ambientais

ANEXO 12 EXTERNALIDADES. Parte I Penalidades por Externalidades Ambientais ANEXO 12 EXTERNALIDADES Parte I Penalidades por Externalidades Ambientais 1. Qualidade do Ar Estabilização da concentração de NO 2 nas infra-estruturas rodoviárias que integram o Empreendimento Subconcessionado

Leia mais

Bases para um Esquema de Ordenamento do Território à Escala do Continente

Bases para um Esquema de Ordenamento do Território à Escala do Continente Bases para um Esquema de Ordenamento do Território à Escala do Continente Desenvolvimentos mais recentes SANTOS, Ana Sofia; GASPAR, Rosário; CONDESSA, Beatriz Resumo A documentação e informação existente

Leia mais

Autoridade Nacional de Protecção Civil. Ordenamento do Território e Protecção Civil. Henrique Vicêncio Henrique.Vicencio@prociv.pt

Autoridade Nacional de Protecção Civil. Ordenamento do Território e Protecção Civil. Henrique Vicêncio Henrique.Vicencio@prociv.pt Ordenamento do Território e Protecção Civil Henrique Vicêncio Henrique.Vicencio@prociv.pt www.triplov.com ooutroladodalua.blogspot.com Paulo Alves, Instituto de Meteorologia Autoridade Nacional de

Leia mais

P l a n o d e P o r m e n o r da Á r e a d e L o c a l i z a ç ã o E m p r e s a r i a l da Be n e d i t a

P l a n o d e P o r m e n o r da Á r e a d e L o c a l i z a ç ã o E m p r e s a r i a l da Be n e d i t a Plano de Pormenor da Área de Localização Empresarial da Benedita Termos de Referência Setembro 2011 ÍNDICE 1. Nota Introdutória 4 1.1. Identificação dos Proprietários e dos Promotores 5 1.2. Enquadramento

Leia mais

Avaliação da Execução Perequacionada de Planos Municipais de Ordenamento do Território

Avaliação da Execução Perequacionada de Planos Municipais de Ordenamento do Território Avaliação da Execução Perequacionada de Planos Municipais de Ordenamento do Território José Pedro Madeira Cardeiro Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Engenharia Civil Júri Presidente: Prof.

Leia mais

Avaliação dos Riscos: Um instrumento necessário no Ordenamento do Território

Avaliação dos Riscos: Um instrumento necessário no Ordenamento do Território Avaliação dos Riscos: Um instrumento necessário no Ordenamento do Território Susana Freiria Lúcio Cunha Norberto Santos Objectivos: Demonstrar a necessidade da avaliação dos riscos no ordenamento do território

Leia mais

PO SEUR OPORTUNIDADES DE FINANCIAMENTO

PO SEUR OPORTUNIDADES DE FINANCIAMENTO HORIZONTE 2020 DESAFIOS PARA AS EMPRESAS PORTUGUESAS NO SECTOR DO AMBIENTE CASCAIS, 24 ABRIL 2015 PO SEUR OPORTUNIDADES DE FINANCIAMENTO HELENA PINHEIRO DE AZEVEDO PORTUGAL 2020 PRINCIPAIS PRIORIDADES

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS 2962 Diário da República, 1.ª série N.º 148 2 de Agosto de 2010 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Resolução do Conselho de Ministros n.º 53/2010 A aprovação do Plano Regional de Ordenamento do Território

Leia mais

Desenvolvimento do Âmbito e Alcance

Desenvolvimento do Âmbito e Alcance Revisão do PDM de Vila Real de Santo António Avaliação ação Ambiental be Estratégica: Desenvolvimento do Âmbito e Alcance Pedro Bettencourt 1, Pedro Afonso Fernandes 2 1 Geólogo, Director-Geral; 2 Economista

Leia mais

A plataforma igeo desenvolve-se em três vertentes essenciais: a) Um diretório de Web Services e dados de base de cariz georreferenciado;

A plataforma igeo desenvolve-se em três vertentes essenciais: a) Um diretório de Web Services e dados de base de cariz georreferenciado; igeo Plataforma online de informação geográfica de Portugal SEQUEIRA, Francisco M. A iniciativa igeo, disponível em http://www.igeo.pt, é uma plataforma online de informação geográfica relativa a Portugal,

Leia mais

MINUTA DECRETO Nº, DE_ DE_ DE 2010. ALBERTO GOLDMAN, Governador do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais,

MINUTA DECRETO Nº, DE_ DE_ DE 2010. ALBERTO GOLDMAN, Governador do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, MINUTA DECRETO Nº, DE_ DE_ DE 2010. Cria o Parque Estadual Restinga de Bertioga, a Área de Relevante Interesse Ecológico Itaguaré e dá providências correlatas ALBERTO GOLDMAN, Governador do Estado de São

Leia mais

Lei n.º 159/99, de 14 de Setembro. Estabelece o quadro de transferência de atribuições e competências para as autarquias locais CAPÍTULO I

Lei n.º 159/99, de 14 de Setembro. Estabelece o quadro de transferência de atribuições e competências para as autarquias locais CAPÍTULO I Lei n.º 159/99, de 14 de Setembro Estabelece o quadro de transferência de atribuições e competências para as autarquias locais A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º

Leia mais

6 Manual para a Elaboração, Revisão e Análise de Planos Municipais de Ordenamento do Território na Vertente da Protecção Civil

6 Manual para a Elaboração, Revisão e Análise de Planos Municipais de Ordenamento do Território na Vertente da Protecção Civil CADERNOS TÉCNICOS PROCIV 6 Manual para a Elaboração, Revisão e Análise de Planos Municipais de Ordenamento do Território na Vertente da Protecção Civil EDIÇÃO: AUTORIDADE NACIONAL DE PROTECÇÃO CIVIL MARÇO

Leia mais

AVALIAÇÕES AMBIENTAIS

AVALIAÇÕES AMBIENTAIS AVALIAÇÕES AMBIENTAIS Avaliação Ambiental em Áreas Contaminadas Barreiras de Contenção Mobilização de Equipe Análise da Contaminação Avaliação de Impactos em APP AVALIAÇÕES AMBIENTAIS Avaliações Ambientais

Leia mais

Informação útil sobre Angola

Informação útil sobre Angola adso Comunicação Informação útil sobre Angola Este documento e o seu conteúdo são da responsabilidade do autor. A ADSO disponibiliza-o como suporte de informação às potencialidades do mercado angolano.

Leia mais

A Tensão Entre a Gestão Territorial e a Gestão do Desenvolvimento Local: A criatividade como mediadora. O Caso de Óbidos

A Tensão Entre a Gestão Territorial e a Gestão do Desenvolvimento Local: A criatividade como mediadora. O Caso de Óbidos A Tensão Entre a Gestão Territorial e a Gestão do Desenvolvimento Local: A criatividade como mediadora. O Caso de Óbidos Tiago Galvão Martins Dissertação para Obtenção do Grau de Mestre em Urbanismo e

Leia mais

freguesia da Foz do Arelho

freguesia da Foz do Arelho rios rios: rios síntese freguesia da Foz do Arelho trabalhos preparatórios Revisão do PDM trabalhos preparat trabalhos trabalhos preparat preparat Pontos a discutir Notas prévias: posicionamento do PDM

Leia mais

Município Marinha Grande

Município Marinha Grande Município Marinha Grande PLANO PLURIANUAL DE INVESTIMENTOS PÁGINA : 1 1. FUNÇÕES GERAIS 55.741,08 49.017,16 789.803,00 789.803,00 192.292,54 39.013,46 28.860,84 5.600,00 1.160.328,08 1.1. SERVIÇOS GERAIS

Leia mais

A EDUCAÇÃO PARA O RISCO NA CIDADE DE LISBOA

A EDUCAÇÃO PARA O RISCO NA CIDADE DE LISBOA A EDUCAÇÃO PARA O RISCO NA CIDADE DE LISBOA CORONEL JOAQUIM LEITÃO DIRECÇÃO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL E SOCORRO REGIMENTO DE SAPADORES BOMBEIROS A EDUCAÇÃO PARA O RISCO NA CIDADE DE LISBOA RISCOS NA

Leia mais

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 000227 - ENGENHARIA AMBIENTAL Nivel: Superior

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 000227 - ENGENHARIA AMBIENTAL Nivel: Superior PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO Curso: 000227 - ENGENHARIA AMBIENTAL Nivel: Superior Area Profissional: 0007 - CONSTRUCAO CIVIL Area de Atuacao: 0152 - ATEND.CLIENTE/CONSTR.CIVIL

Leia mais

A PROBLEMÁTICA DAS CAPTAÇÕES DIRECTAS EM ALBUFEIRAS

A PROBLEMÁTICA DAS CAPTAÇÕES DIRECTAS EM ALBUFEIRAS A PROBLEMÁTICA DAS CAPTAÇÕES DIRECTAS EM ALBUFEIRAS O CASO DO SISTEMA ALQUEVA-PEDRÓGÃO: CONDICIONANTES PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS Ana Ilhéu Margarida Brito David Catita Departamento de Ambiente e Ordenamento

Leia mais

A REFORMA DAS POLÍTICAS PÚBLICAS TERRITORIAIS E O SEU IMPACTO NO DESENVOLVIMENTO LOCAL

A REFORMA DAS POLÍTICAS PÚBLICAS TERRITORIAIS E O SEU IMPACTO NO DESENVOLVIMENTO LOCAL A REFORMA DAS POLÍTICAS PÚBLICAS TERRITORIAIS E O SEU IMPACTO NO DESENVOLVIMENTO LOCAL PRINCIPAIS NOVIDADES DO REGIME JURÍDICO DOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO TERRITORIAL José António Lameiras 13 de Julho de

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA ANA, IEMA E IGAM Nº 553, DE 8 DE AGOSTO DE 2011

RESOLUÇÃO CONJUNTA ANA, IEMA E IGAM Nº 553, DE 8 DE AGOSTO DE 2011 RESOLUÇÃO CONJUNTA ANA, IEMA E IGAM Nº 553, DE 8 DE AGOSTO DE 2011 Dispõe sobre os procedimentos para o cadastramento, retificação ou ratificação de dados de usuários em corpos hídricos de domínio da União

Leia mais

Guia de utilizador Plataformas de Consulta SPOTIA

Guia de utilizador Plataformas de Consulta SPOTIA Guia de utilizador Plataformas de Consulta SPOTIA Este documento serve de apoio à utilização das Plataformas de Consulta do Projecto SPOTIA - Orientações de política territorial sustentável e avaliação

Leia mais

Critérios e Normas Técnicas para a Elaboração de Planos de Emergência de Protecção Civil

Critérios e Normas Técnicas para a Elaboração de Planos de Emergência de Protecção Civil Critérios e Normas Técnicas para a Elaboração de Planos de Emergência de Protecção Civil Objectivos da Protecção Civil Domínios de Actividade Planeamento de Soluções de Emergência Aumentar os níveis de

Leia mais

Plano Municipal de Emergência de Protecção Civil de Viana do Castelo

Plano Municipal de Emergência de Protecção Civil de Viana do Castelo 2011 Plano Municipal de Emergência de Protecção Civil de Viana do Castelo Índice Parte I - Enquadramento geral do plano... 6 1. Introdução... 7 2. Âmbito de aplicação... 8 3. Objectivos gerais... 9 4.

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE GRÂNDOLA

CÂMARA MUNICIPAL DE GRÂNDOLA CÂMARA MUNICIPAL DE GRÂNDOLA 1ª ALTERAÇÃO PLANO DE PORMENOR PARQUE INTERNACIONAL DE ESCULTURA DE GRÂNDOLA TERMOS DE REFERÊNCIA Maio de 2015 Termos de Referência 2/ 10 TERMOS DE REFERÊNCIA (artigo 74.º

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DA POLÍTICA DE ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO

PROGRAMA NACIONAL DA POLÍTICA DE ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL PROGRAMA NACIONAL DA POLÍTICA DE ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO PROGRAMA DE ACÇÃO Dezembro 2006 ESTRUTURA RELATÓRIO 0. INTRODUÇÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO GABINETE DA SECRETÁRIA DE ESTADO DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DAS CIDADES

MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO GABINETE DA SECRETÁRIA DE ESTADO DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DAS CIDADES MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO GABINETE DA SECRETÁRIA DE ESTADO DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DAS CIDADES Secretariado Técnico ORIENTAÇÕES ESTRATÉGICAS DA REN ÂMBITO NACIONAL Ponto

Leia mais

INSTRUMENTOS DE PLANEAMENTO, DE PROGRAMAÇÃO E DE GESTÃO

INSTRUMENTOS DE PLANEAMENTO, DE PROGRAMAÇÃO E DE GESTÃO INSTRUMENTOS DE PLANEAMENTO, DE PROGRAMAÇÃO E DE GESTÃO Áreas de reabilitação urbana, Planos de pormenor de reabilitação urbana, Programas de Acção Territorial Outros instrumentos 1. Os elementos essenciais

Leia mais

Ministério do Urbanismo e do Ambiente

Ministério do Urbanismo e do Ambiente Ministério do Urbanismo e do Ambiente Conselho de Ministros Decreto n.º 2/06 de 23 de Janeiro Com a aprovação da Lei do Ordenamento do Território e do Urbanismo criaramse as condições para a implantação

Leia mais

Decreto-Lei n.º 310/2003 de 10 de Dezembro

Decreto-Lei n.º 310/2003 de 10 de Dezembro A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo do Decreto-Lei n.º 310/2003, de 10 de Dezembro (que altera o Decreto-Lei n.º 380/99, de 22 de Setembro, com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei

Leia mais

O Princípio da hierarquia dos planos e efeitos da aprovação de um Plano Regional Num Plano Municipal (1)

O Princípio da hierarquia dos planos e efeitos da aprovação de um Plano Regional Num Plano Municipal (1) 1/9 O Princípio da hierarquia dos planos e efeitos da aprovação de um Plano Regional Num Plano Municipal (1) Susana Alcina Ribeiro Pinto Docente da Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Felgueiras

Leia mais

Gabinete de Planeamento Estratégico. Contextualização e desenvolvimento do processo de revisão do Plano Diretor Municipal de Palmela

Gabinete de Planeamento Estratégico. Contextualização e desenvolvimento do processo de revisão do Plano Diretor Municipal de Palmela Gabinete de Planeamento Estratégico Contextualização e desenvolvimento do processo de revisão do Plano Diretor Municipal de Palmela Em 2003, o Município de Palmela tomou a decisão de proceder à revisão

Leia mais

Diretiva INSPIRE CONTRIBUTOS PARA O SISTEMA DE MONITORIZAÇÃO TERRITORIAL NA REGIÃO NORTE BRAGA 26 DE NOVEMBRO DE 2015

Diretiva INSPIRE CONTRIBUTOS PARA O SISTEMA DE MONITORIZAÇÃO TERRITORIAL NA REGIÃO NORTE BRAGA 26 DE NOVEMBRO DE 2015 Diretiva INSPIRE CONTRIBUTOS PARA O SISTEMA DE MONITORIZAÇÃO TERRITORIAL NA REGIÃO NORTE BRAGA 26 DE NOVEMBRO DE 2015 As fontes As fontes SOLO URBANO SOLO RURAL R F C N PU / PP INFRAESTRUTURAIS ACOLHIMENTO

Leia mais

Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira

Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira OBJECTIVOS DO POLIS LITORAL: (RCM n.º 90/2008, de 3 de Junho) a) Proteger e requalificar a zona costeira, tendo em vista

Leia mais

Ministério do Urbanismo e Habitação

Ministério do Urbanismo e Habitação Ministério do Urbanismo e Habitação Lei n º. 3/04 de 25 de Junho O crescimento das cidades e muito em particular, o das nossas grandes cidades, após a independência, mercê, quer de factores de atracção

Leia mais

Apresentar alternativas compensatórias a estas medidas.

Apresentar alternativas compensatórias a estas medidas. SUSTENTABILIDADE DOS FUNDOS CONSTITUCIONAIS DE FINANCIAMENTO: efeito das medidas excepcionais necessárias frente à manutenção do patrimônio dos Fundos Constitucionais de Financiamento. Discutir os efeitos

Leia mais

Posição CELPA Associação da Indústria Papeleira

Posição CELPA Associação da Indústria Papeleira R. Marquês Sá da Bandeira, 74, 2º 1069-076 Lisboa, Portugal Tel. +351 217-611-510 Fax. +351 217-611-529 E-mail. celpa@celpa.pt http://www.celpa.pt Associação da Indústria Papeleira Para: CC: De: Estatuto:

Leia mais

MAPA DE PESSOAL. Gabinete de Apoio ao Presidente. Gabinete de Fiscalização Sanitária

MAPA DE PESSOAL. Gabinete de Apoio ao Presidente. Gabinete de Fiscalização Sanitária Preenchidos A preencher Preenchidos Gabinete de Apoio ao Presidente Coordenar e executar todas as atividades inerentes à assessoria, secretariados, protocolos da Presidência e assegurar a interligação

Leia mais

o MINISTERIO PUBLICO FEDERAL, pelos Pracuradores da Republica

o MINISTERIO PUBLICO FEDERAL, pelos Pracuradores da Republica %~~1~j/ ~~~ 1.26.001.000163/2009-67, 1.26.006.000044/2010-06, 1.26.006.000033/2010-18, 1.26.006.000035/2010-15, 1.26.006.000009/2010-89 e outros. o, pelos Pracuradores da Republica signatarios, no exercicio

Leia mais

TÍTULO I. 27304 Diário da República, 2.ª série N.º 132 10 de Julho de 2009. Disposições Gerais. CAPÍTULO IV Disposições finais

TÍTULO I. 27304 Diário da República, 2.ª série N.º 132 10 de Julho de 2009. Disposições Gerais. CAPÍTULO IV Disposições finais 27304 Diário da República, 2.ª série N.º 132 10 de Julho de 2009 ao funcionamento dos órgãos e serviços, podendo comportar esforço físico; Detém responsabilidade pelos equipamentos sob sua guarda e pela

Leia mais

PARTE V PROGRAMA DE TRABALHOS E GLOSSÁRIO

PARTE V PROGRAMA DE TRABALHOS E GLOSSÁRIO PARTE PROGRAMA DE TRABALHOS E GLOSSÁRIO 159 I 5. PROGRAMA DE TRABALHOS E GLOSSÁRIO 5.1. Programa de Trabalhos Cronograma de reuniões de trabalho, entrevistas e apresentações realizadas no decurso da elaboração

Leia mais

Conselho Local de Ação Social de Figueira de Castelo Rodrigo

Conselho Local de Ação Social de Figueira de Castelo Rodrigo REDE SOCIAL Conselho Local de Ação Social de Figueira de Castelo Rodrigo Regulamento Interno [9/04/2014] REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO CONCELHO DE FIGUEIRA DE CASTELO RODRIGO

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Institui o Estatuto da Metrópole, altera a Lei nº 10.257, de 10 de julho de 2001, e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Esta Lei, denominada

Leia mais

REGIME JURÍDICO DOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO TERRITORIAL

REGIME JURÍDICO DOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO TERRITORIAL REGIME JURÍDICO DOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO TERRITORIAL APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 380/99, DE 22 DE SETEMBRO ALTERADO/A PELOS SEGUINTES DIPLOMAS: - DECRETO-LEI N.º 53/2000, DE 07 DE ABRIL; - DECRETO-LEI

Leia mais

Plano Municipal de Emergência de Protecção Civil. Parte I Enquadramento Geral do Plano

Plano Municipal de Emergência de Protecção Civil. Parte I Enquadramento Geral do Plano Parte I Enquadramento Geral do Plano 13 1. Introdução O Plano Municipal de Emergência de Protecção Civil de Oliveira de Azeméis (adiante designado abreviadamente por PMEPCOA) é um documento formal que

Leia mais

Trabalho de fim de curso A Problemática do Enquadramento Paisagístico no Litoral Algarvio (1987). Universidade de Évora.

Trabalho de fim de curso A Problemática do Enquadramento Paisagístico no Litoral Algarvio (1987). Universidade de Évora. DADOS PESSOAIS Carlos Alberto Bragança dos Santos Data de nascimento: 29 de Setembro de 1954 Morada: Rua capitão José Vieira Branco, nº 16, 3º D, 8000-239 Faro Telem.: 963074944 Mail: cbraganca@ualg.pt

Leia mais

Pergunte a CPA - ICMS/SP Zona Franca de Manaus

Pergunte a CPA - ICMS/SP Zona Franca de Manaus Pergunte a CPA - ICMS/SP Zona Franca de Manaus Zona Franca de Manaus Conceito: A Zona Franca de Manaus (ZFM) é uma área de livre comércio, de importação e exportação e de incentivos fiscais especiais,

Leia mais

ÍNDICE 1. PREÂMBULO 1 2. METODOLOGIA DE ABORDAGEM 1 3. CRITÉRIOS DE LOCALIZAÇÃO 2 3.1 ÂMBITO GEOGRÁFICO 2 3.1.1 Inserção urbana 2 3.1.2 Planos Directores Municipais, Planos de Urbanização e Planos de Pormenor

Leia mais

F 5 2 90 0 100 73.762.862 F 3 2 90 0 100 11.148.628 TOTAL - FISCAL 84.911.490 TOTAL - SEGURIDADE 0 TOTAL - GERAL 84.911.490

F 5 2 90 0 100 73.762.862 F 3 2 90 0 100 11.148.628 TOTAL - FISCAL 84.911.490 TOTAL - SEGURIDADE 0 TOTAL - GERAL 84.911.490 UNIDADE : 47101 - MINISTERIO DO PLANEJAMENTO, ORCAMENTO E GESTAO ANEXO I PROGRAMA DE TRABALHO (SUPLEMENTACAO) RECURSOS DE TODAS AS FONTES - R$ 1, 00 0913 OPERACOES ESPECIAIS - PARTICIPACAO DO BRASIL EM

Leia mais

Discussão sobre os efeitos da Portaria MMA nº 445, de 17.12.2014

Discussão sobre os efeitos da Portaria MMA nº 445, de 17.12.2014 Audiência Pública Câmara dos Deputados Discussão sobre os efeitos da Portaria MMA nº 445, de 17.12.2014 Brasília, 31 de março de 2015 Lista de espécies ameaçadas Portaria MMA 445/2014 Art. 1º Reconhecer

Leia mais

ACORDO DE PARCERIA 2014-2020 PORTUGAL 2020

ACORDO DE PARCERIA 2014-2020 PORTUGAL 2020 ACORDO DE PARCERIA 2014-2020 PORTUGAL 2020 1 Portugal 2020, o Acordo de Parceria (AP) que Portugal irá submeter à Comissão Europeia estrutura as intervenções, os investimentos e as prioridades de financiamento

Leia mais

ESTRUTURA ECOLÓGICA NACIONAL

ESTRUTURA ECOLÓGICA NACIONAL Conferência Internacional ESTRUTURA ECOLÓGICA NACIONAL CONCEITOS E DELIMITAÇÃO Auditório da Torre do Tombo, 22 de Novembro de 2013 ESTRUTURA ECOLÓGICA NACIONAL Manuela Raposo Magalhães e Natália Sofia

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO E CANDIDATURAS DO NINHO DE EMPRESAS DE MARVÃO

NORMAS DE FUNCIONAMENTO E CANDIDATURAS DO NINHO DE EMPRESAS DE MARVÃO NORMAS DE FUNCIONAMENTO E CANDIDATURAS DO NINHO DE EMPRESAS DE MARVÃO 1 Município de Marvão NINHO DE EMPRESAS DE MARVÃO Considerando o acentuado decréscimo da actividade industrial, comercial, serviços

Leia mais

ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE - APP -

ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE - APP - ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE - APP - Área de Preservação Permanente - APP (definição do Código Florestal-Lei 4771/65) Área protegida nos termos dos arts. 2º e 3º desta Lei, COBERTA OU NÃO POR VEGETAÇÃO

Leia mais

Seminário de Transporte Ferroviário. Alargar Horizontes. 10º Ciclo de Seminários Transportes e Negócios

Seminário de Transporte Ferroviário. Alargar Horizontes. 10º Ciclo de Seminários Transportes e Negócios Seminário de Transporte Ferroviário Alargar Horizontes 10º Ciclo de Seminários Transportes e Negócios 1.Funcionamento do Sector 2.Portugal na Península Ibérica 3.Novo Paradigma 4.Objectivos CP Carga 5.Materialização

Leia mais

PRESIDÊNCIA. Declaração

PRESIDÊNCIA. Declaração Declaração Os órgãos de comunicação social do passado fim-de-semana falavam num memorando de informação facultado aos interessados na privatização da ANA Aeroportos de Portugal, que tiveram de entregar

Leia mais

PROPOSTA DE MECANISMO DE GESTÃO CONJUNTA DA INTERLIGAÇÃO ESPANHA-PORTUGAL

PROPOSTA DE MECANISMO DE GESTÃO CONJUNTA DA INTERLIGAÇÃO ESPANHA-PORTUGAL CMVM PROPOSTA DE MECANISMO DE GESTÃO CONJUNTA DA INTERLIGAÇÃO ESPANHA-PORTUGAL 1...Descrição geral do método e fases da sua implementação... 2 2...Mecanismo de leilões explícitos de capacidade... 2 3...Mecanismo

Leia mais

INSTITUTO DA CONSERVAÇÃO DA NATUREZA E DA BIODIVERSIDADE PARQUE NATURAL DO TEJO INTERNACIONAL

INSTITUTO DA CONSERVAÇÃO DA NATUREZA E DA BIODIVERSIDADE PARQUE NATURAL DO TEJO INTERNACIONAL INSTITUTO DA CONSERVAÇÃO DA NATUREZA E DA BIODIVERSIDADE PLANO DE ORDENAMENTO DO PARQUE NATURAL DO TEJO INTERNACIONAL TRABALHO Nº 604/97 FICHEIRO: 604DPEC00RL0.doc 3 de Julho de 2007 ÍNDICE CAPÍTULO I

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Presidente António dos Reis Duarte

FICHA TÉCNICA. Presidente António dos Reis Duarte FICHA TÉCNICA Presidente António dos Reis Duarte Editor Instituto Nacional de Estatística Direcção de Contas Nacionais, Estatísticas Económicas e dos Serviços Divisão de Estatísticas do Turismo Av. Cidade

Leia mais

Estratégia de Dinamização e de Divulgação

Estratégia de Dinamização e de Divulgação Estratégia de Dinamização e de Divulgação Plano de Ação de 2015 FEVEREIRO 2015 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. VISÃO DA BOLSA DE TERRAS... 4 3. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS - LINHAS GERAIS DA ESTRATÉGIA... 5

Leia mais

Plano Municipal de Emergência de Protecção Civil de Valongo

Plano Municipal de Emergência de Protecção Civil de Valongo 2010 Plano Municipal de Emergência de Protecção Civil de Valongo Índice Parte I - Enquadramento Geral do Plano... 7 1. Introdução... 8 2. Âmbito de aplicação... 9 3. Objectivos gerais... 10 4. Enquadramento

Leia mais

Análise da Proposta Técnica Final do PROT-AML (versão de Maio de 2010)

Análise da Proposta Técnica Final do PROT-AML (versão de Maio de 2010) 1 Análise da Proposta Técnica Final do PROT-AML (versão de Maio de 2010) Resumo da questão ambiental i Opções Fundamentais neste plano: 1) Crescimento urbano polarizado em torno dos aglomerados existentes;

Leia mais

GESTÃO DO RISCO DE INCÊNDIO FLORESTAL COM RECURSO À PASTORÍCIA

GESTÃO DO RISCO DE INCÊNDIO FLORESTAL COM RECURSO À PASTORÍCIA . GESTÃO DO RISCO DE INCÊNDIO FLORESTAL COM RECURSO À PASTORÍCIA As atividades humanas transformaram e modelaram a Serra da Estrela. O aproveitamento de madeiras e lenhas, transformaram as encostas outrora

Leia mais

Palavras-chave: Zona costeira, risco, minimização, participação

Palavras-chave: Zona costeira, risco, minimização, participação TIPIFICAÇÃO DAS SITUAÇÕES DE RISCO NA ORLA COSTEIRA NAS ILHAS DOS AÇORES Planeamento e Ordenamento nas Zonas Costeiras Ana Maria Morais BARROCO Arqt.ª Paisagista, Quaternaire Portugal; +351213513200, abarroco@quaternaire.pt

Leia mais

Curso de Formação em Licenciamento e Fiscalização Ambiental. Marconi Vieira da Silva Engenheiro Ambiental Hybsen Silva Pinheiro Engenheiro Agrônomo

Curso de Formação em Licenciamento e Fiscalização Ambiental. Marconi Vieira da Silva Engenheiro Ambiental Hybsen Silva Pinheiro Engenheiro Agrônomo Curso de Formação em Licenciamento e Fiscalização Ambiental Marconi Vieira da Silva Engenheiro Ambiental Hybsen Silva Pinheiro Engenheiro Agrônomo LICENCIAMENTO AMBIENTAL Licenciamento Ambiental Procedimento

Leia mais

CAPÍTULO 7 EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO

CAPÍTULO 7 EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO CAPÍTULO 7 EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO ÍNDICE DE TEXTO VII. EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO...219 217 218 VII. EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO O presente capítulo tem como

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO PLANO DE GOVERNO DO SR. RAIMUNDO TELES PONTES DO MUNICÍPIO DE GOVERNADOR LUIZ ROCHA PARA A LEGISLATURA DE 2013.

ESTADO DO MARANHÃO PLANO DE GOVERNO DO SR. RAIMUNDO TELES PONTES DO MUNICÍPIO DE GOVERNADOR LUIZ ROCHA PARA A LEGISLATURA DE 2013. ESTADO DO MARANHÃO PLANO DE GOVERNO DO SR. RAIMUNDO TELES PONTES DO MUNICÍPIO DE GOVERNADOR LUIZ ROCHA PARA A LEGISLATURA DE 2013. 1 - PODER LEGISLATIVO 1.1 - CÂMARA MUNICIPAL 1.1.1 - Manutenção e funcionamento

Leia mais

TÍTULO DE LA COMUNICACIÓN: URBAN REHABILITATION - THE ISSUE FOR ÁREA TEMÁTICA: LOCAL DEVELOPMENT END URBAN COMPETITIVENESS

TÍTULO DE LA COMUNICACIÓN: URBAN REHABILITATION - THE ISSUE FOR ÁREA TEMÁTICA: LOCAL DEVELOPMENT END URBAN COMPETITIVENESS TÍTULO DE LA COMUNICACIÓN: URBAN REHABILITATION - THE ISSUE FOR CITY COMPETITIVENESS AUTOR 1: ANA LÍDIA VIRTUDES Email: virtudes@ubi.pt AUTOR 2: - Email: - DEPARTAMENTO: ENGENHARIA CIVIL E ARQUITECTURA

Leia mais

AGENDA 21 LOCAL UM DESAFIO DE TODOS RESUMO

AGENDA 21 LOCAL UM DESAFIO DE TODOS RESUMO AGENDA 21 LOCAL UM DESAFIO DE TODOS RESUMO http://www.tterra.pt/publicacoes/guia_agenda_21.html 1. ENQUADRAMENTO A Agenda 21 Local mais não é do que um Sistema de Sustentabilidade Local (SSL) constituindo

Leia mais

Decreto-Lei n.º 142/2008, de 24 de Julho, rectificado pela Declaração de Rectificação n.º 53-A/2008, de 22 de Setembro (DR 22 Setembro).

Decreto-Lei n.º 142/2008, de 24 de Julho, rectificado pela Declaração de Rectificação n.º 53-A/2008, de 22 de Setembro (DR 22 Setembro). 1/34 Decreto-Lei n.º 142/2008, de 24 de Julho, Estabelece o regime jurídico da conservação da natureza e da biodiversidade e revoga os Decretos-Leis n.os 264/79, de 1 de Agosto, e 19/93, de 23 de Janeiro

Leia mais

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos. POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida.

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos. POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida. SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos POLÍCIA RESERVA LEGAL Palestrante: Letícia Horta Vilas Boas POLÍCIA RESERVA LEGAL RESERVA LEGAL é a área localizada no interior de uma propriedade

Leia mais