AQUlSI<;AO E oominio 00 VOCABULARIO: ABORDAGENS PARA 0 ENSINO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AQUlSI<;AO E oominio 00 VOCABULARIO: ABORDAGENS PARA 0 ENSINO"

Transcrição

1 AQUlSI<;AO E oominio 00 VOCABULARIO: ABORDAGENS PARA 0 ENSINO Antonieta LAFACE (UnesplAssis) ABSTRACT: We present here some questioning about synonyms, imponanr for the redefinition of terms in jou11l/jlisticcontext and from this for the academic univers. Based upon the theorical principal of the definition and upon the terminological synonyms, we look for a teaching pedagogical proposition for the acquisition and domain academic vocabulary. KEY WORDS: synonym, definition, redefinition, vocabulary, terms. o tema desta exposi~o est! relacionado a uma pesquisa realizada, no ano de 1993, com universitarios, cujo objetivo foi 0 de testar um conjunto de atividades didatico-pedag6gicas, orientadas para 0 vocabu.urio tecnico-acadamico, considerando a mobilidade tematico-definicional de termos Desenvolvemos, na ocasiio, um trabalho pedag6gico, direcionado a atividades parafrasticas de textos. em momentos diferenciados de leituras, pressupondo a estreita ligacio que existe entre definicoes linguisticas, remetencia de termo a termo e, definicoesconceptuais, remetencia de termos ao contexto s6cio-cultural. Investigamos como os informantes selecionaram os termos, como expandiram e condensaram conceitos, como relacionaram conceitos 1tematica desenvolvida e, ate que ponto, conseguiram reconstituir a base informativa de cada um desses termos, nas redacoes produzidas por eles. sendo as mesmas parafrases jomalisiteas. Com resultados positivos. tem-nos sido possivel avaliar como poderiamos estar encaminhando uma proposta pedag6gica, voltada para questoes definicionais e conceptuais.de termos, envolvidos em lingua de especialidade e traduzidos para a lingua geral Para esta exposicao, estaremos colocando algumas indagacoes sobre a sinonimia terminol6gica, um dos principios metodo16gicos da pesquisa realizada; fator importante e, ao mesmo tempo, problematico para a mobilizacio de conceitos e de defnicoes. 0 que tem dificultado, em parte, a aquisi~o e 0 dom(nio de vocabuiario t6cnico-academico.

2 A lingua de especialidade, embora seja de sua natureza eliminar os sinonimos para chegar perto da univocidade da linguagem recnico-eientifica, marca-se por fatores sociol6gicos e culturais, tornando possivel a redefini~o de termos. Afmna Dubuc (1994) ser. raro aconteeer que uma analise de, pelo menos dois termos sinonimos, nao revele diferencas significativas. Ligam-se antes ao campo semintico, ja que pertencem a lingua antes de se definir em areas de especialidade. 0 conteudo semintico, nesse aspecto, tem papel relevante e cs, por ele, que urn terma, pertencente a area de especialidade, redefme-se, quando transposto para a lingua geral. Os niveis de lingua condicionam-se a marcas sociol6gicas e regionais. Dependendo do contexto s6cio-eultural do individuo, essas marcas determinam si~oes de usa dos termos de lingua de especialidade. Nesse caso, havera constante disponibilidade para distensoes conceptuais no processo.de vulg~ao cientifica, a partir do campo sem8ntico, resultando, por isso, na difusao de informa~s, estabelecida uma certa si~o de comunica~o. Isto explica 0 fato de sociedade e govemo, termos vinculados ao vocabulario da Area Politica, terem sido, de inicio, definidos pelos informantes, como sendo pessoas que se submetem a regras do govemo (sociedade) e sistema poutico culpado pelos problemas sociais (govemo). Sio, em verdade, defini~s divulgadas pelo grupo social, cabendo ao govemo resolver problemas e a sociedade dever-lhe obediencia, marca tipica do autoritarismo politico nacional, vigente durante muitos anos no pais. Com objetivo de analisarmos melhor essa si~o, procuramos trabalhar com o termo negro, associado a govemo e sociedade. Em reportagem da Folha de Sio Paulo do 01105/1995, entrevista com 0 Uder do movimento negro no Brasil. Nesse artigo, 0 enunciado "Grupo M.N.U. (Movimento Negro Unido) dejende que negro e termo poutico", termo negro aparece com uma serie de implicacoes. A leitura inicial da reportagem demonstra que a problematica do negro no contexto nacional e menos uma questio racial que hist6rico-politica, ja que pr6prio jomal aflrma que "llder do grupo acredita que a humanidade e jormoda de uma s6 r~a", justificando plenamente 0 enunciado "negro e denominafqo de cardler politico e nijoracial". Ampliando 0 espaco definicional, outras afmnacoes sobre 0 termo negro, vio surgindo, de forma a explicar para 0 leitor que: (1) "0 negro e uma tentativa frustoda de integr~ijo na sociedade dominoda pela elite branca", (2) "a ideia de rtlfd s6 aiste para uso politico das elites dominantes... ", (3) "0 conceito de r~a e Jurado porque a ideologia dos setores dominantes na sociedade se apropriou dessa classific~ijo para, a partir dat, discriminar os grupos oriundos dos primeiros ajricanos, os escravos ", (5) "negro e termo poutico porque responde ao interesse de negar 0 problema da discrimi~ijo racial". As marcas. sociais e politicas existentes mostram que 0 interc!mbio dos termos negro e r~a determina-se pelo prisma da defini~o de poutica, como "poder do

3 homem sobre 0 homem", urn dos registros em dicionario especializado. Ra~a e negro, conforme mostra 0 artigo, e uma questio de poder de domina~o, pois estabelece para o negro 0 conceito de ser "povo dominodo na sociedade e no govemo". Os termos sociedade e govemo acabam sendo defmidos como poder de exercer dominio. A adequa~io de termos nos contextos diferenciados, mesmo na lingua de especialidade, e complexa, ate porque, nos registros dicionarizados, havera sempre marcas ideo16gicas. definidas pela comunidade s6cio-cultural, sendo elas particularizadoras de areas de conhecimento.. Dubuc (1994) considera que cada item vocabular selecionado, ao implicar identifica~o das marcas de uso, devera ter ade~o aproximada a si~o de comunic~io, acrescendo-se 0 fato de que as linguas de especialidade Dio sio pura cons~o nocional, mesmo quando fazemos abstr~o das condi~s de uso de urn termo a ser normalizado A qualidade de uma lingua liga-se a propriedade de uso, havendo, por urn lade, os sioonimosdo campo semmtico, envolvidos no processo de expansio analftica e, por outro, os sioonimosdo campo nocional, contribuindo para uma escolha apropriada de termos, condicionada a si~o comunicativa. Nesse aspecto, a qucstlo da ad~o de termos, nos contextos diferenciados da lingua de especialidade, abre esp~ para a reformul~o da base semantico-definicional,em linguagem tecnica e/ou vulgarizada. ;~. Todavia, essa adequa~o de termos a contextos diversos torna-se ate mesmo polemica, ja que, de inicio, ela Dio e perfeita e, nesse caso, to<1otipo de normaliza~io do uso e problema, especialmente, quando temos de selecionar vocabulano. Tudo vai depender de como esses termos podem ler inseridos na linguagens..diversas,-seid perder de vista 0 carater cientifico de suas defini~s. Quando os informantes selecionaram os termos govemo e sociedade, para desenvolver tematica redacionais, foram orientados a perceber a necessidade de se obter adequa~o contextual, nos trabalhos produzidos. Procuramos mostrar-lhes que os principios basicos da sinonfmia garantem transferencias de termos de area de especialidade para a linguagem jomlistica, podendo ser reconduzidos para a linguagem academica. Por essa razio e que, 56 ao final dos trabalhos, os informantes chegaram a grupo de pessoas com representatividade no poder publico (sociedade) e 6rgiJ.o administrativo que orienta os neg6cios pubucos(govemo),' urna adequa~o pr6xima ao. contexto cientifico, ja que as condi~s de uso, mesmo na lingua de especiliadade, deverio ser observadas. Retomando os termos negro e ra~a (etnia), procedemos a uma consulta nos dicionarios de area deespecialidade, para uma verifica~o de como sio esses termos

4 registrados e que implica es podem existir, com rel~o AsdefmiCoes divulgadas na reportagem jornaustica e transposicaopara a linguagem acac:temica. Dos dicionarios de sociologia consultados, reportamo-nos a apenas dois, sendo urn nacional (Ferreirall977) e 0 outro, uma publicacao Mexico-Buenos Aires (Fairchild/I949), urn dicionario que, provavelmente, esteja necessitando de atualizac1o, mas que, por incrivel que parcea, e de grande uti1izacio no meio academico. Deles, apenas a publicacao Mexico-Buenos Aiies e que apresenta registro do termo negro, dado como 1. negro com alma branca, com vista com simpatia pelo bronco pela atitude servi~al e humilde, 2. negro maio, aquele que se ajusta a ideia do lugar ou da situa~ijoque deve ocupar nela, 3. negro voluntdrio, proprio dos Estodos Unidos, que, visto por sua aparencia f sica, pode passar por membro do grupo social (Fairchild, 1949); uma classificacao tipol6gica, vinculada a tracos s6cio-culturais e, ate mesmo regionais. Com relacao ao termo r~a, encontramos registro apenas em Ferreiral 1977, dado como "indivfduos de caracterlsticas semelhantes, dispostas ao redor de um valor padriio, jormando e conservando 0 seu tipo, por meio do pensamento e da sele~ijo subseqiiente". Em Fairlchid/1949, 0 termo etnia tem registro associado a r~a, "grupo unido e identijicodo por caracterlsticas, tanto de r~a como tu nacionalidade, sinonimotu r~a", Ilio constando, por isso, 0 registro do termo r~a. Consultamos ainda 0 dicionario de Ciencias PoUticas de Norberto Bobbio/1986, urn dos mais conhecidos e muito utilizado pelos estudantes de sociologia e politica. Nele, Ilio consta registro do termo negro e, em lugar do termo ra~a, aparece 0 termo etnia, vinculado a "grupo social, cuja identidode se define pela comunidade tu lingua, cultura, tradi~iio... ", Ilio havendo qualquer registro do termo r~a. Torna-se interessante observar que, nessa defmicao de etnia, 0 autor afirma que "0 criterio r~a e descartodo, pois as caracteristicas biologicas suscitam discrimi~iio, 0 que niio e cientifico". Diante dessa consulta, podemos nos questionar, de inicio, 0 que e e 0 que Ilio e considerado cientifico, para os dicionaristas de areas de especilidade e, ainda, que criterios eles estariam adotando.para definir a cientificadade de urn termo em registro em suas publicacoes, jt que 0 que encontramos nio tem sido de registro para todos os alitores consultados. E ainda, como nossos informantes poderiam estar seguros, quanto a cientificidade desses mesmos termos, com relacao a govemo e sociedode. Uma melhor observacio desses registros, leva-nos a situar serias implicacoos, jt que marcas hem delineadas de uso revelam que "negro e servi~al e humilde", que, "por sua aparencia jfsica, pode passar-se por branco". Com re1acao a r~a (etnia), revelam marcas centradas em "grupo de indivfduos com mesma identidode sociocultural, historico-lingufstica" e emia (ra~a), sendo "grupo identijicado por caraeterlsticas comuns... " Associamcse ao termo politica, na acep o "poder do homem sobre 0 homem", 0 que denota direcionamentos ideol6gicos distensos para "sociedade, grupo de pessoas com representa~iio no poder publico e para "govemo, administrodor do poder publico".

5 No campo da difusio e transmisslo dos conceitos tecnico-cientificos para 0 contexto jomalistico, verificamos que 0 proprio jomal, em determinados momentos, dependendo da necessidade de esclarecimentos, da ao leitor expli~s, dizendo que "0 conceito de rqfa humana em cilncia e Ulna/erramenta Utilpara os pesquisadores e tambem para os integrantes de coda rqfa em si e etnia tem remetlncia agrupo de individuos que pertencem a Ulnamesma cultura (mesma lingua, mesmos costumes) e que se reconmcem como tal - grupo etnico ". A transposi~aode termos da lingua de especialidade para a linguagem academica reflete a propria natureza do discurso cientifico, permitindo difusio e transmissao de urn certo saber. Segundo Bonnel (1994), 0 discurso didatico de vulgar~o cientifica Ilio constitui apenas uma tecnica, mas propae urn reflexao sobre a tecnica utilizada. Sua natureza e a de transmitir urn certo saber sobre 0 mundo, sistematizado PQr uma linguagem tecnica. Nela, 0 texto escrito deve pr0p6r-se a definir enunciados, llavendo, por isso, aproximacao com a linguagem intelectualizada. Considerando-se a questio da defini~o terminologica, devemos observar que 0 termo, em si, oao e indissociacel do.texto que 0 contem e lhe da sentido, ate porque 0 veiculo de transmisslo do saber cientifico em linguagem. academica deve garantir 0 conteudo cognitivo da mensagem especializada. Por outro lado, oao podemos substitui-iopela unidade palavra que pertence a lingua geral, cujo contomo semantico e fluido. Nesse aspecto, a questio da reformul~ao definicional de termos e da mesma forma complexa, pois mesmo sendo a unidade lexical, uma das componentes lingilisticas da lingua de especialidade, ela Ilio deve ser colocada como conven~o terminologica, oposta ao conjunto da lingua geral. 0 lexico de especialidadecoloca 0 termo como particularizante do texto cientifico, sendo determinado tambcm como parte do contexto lingilistico no qual funciona. o levantamento de enunciados de textos academicos, pudemos observar, como 0 termo negro vai sendo definido, considerando-se as implica e$ hist6rico-politico nacional. Encontramos, in Arthur Ramos "0 negro como soldado"(1985), (1)"0 negro /oi, essencialmente, urn elemento estabilizador na sociedade ", (2)"... incorporado aos regimentos, mais tarde desempenhou papel.significativo na guerra contra os Iwlandeses", (3) "... teve papel decisivo nos comeros da nossa hist6rica", (4).. aparece em quase todos os acontecimentos. nacionais e nativitas.. E, em Edison Carneiro (1985), "A reqfq.odo negro contra a escraviddo na America Portuguesa teve trls aspectos principais: a revolta organizada, a inscrirao armada e a fuga para 0 mato... ". Nestes enunciados, negro e individuo em busca de uma identidade social, busca da cidadania; naqueles, e instrumento para solidificar e consolidar a politica nacional..

6 o problema da aquisi~o e dominio do vocabulario tecnico-academico localizase, pois, na propria lingua de especialidade, ja que esta tende a univocidade da mensagem. Por outro lado, 0 vocabulario cientffico faz apelo aos nfveis de lingua, designando uma mesma realidade, ja que os fatores sociol6gicos e culturais constituem recurso precioso para a divulgacao de info~s tecnico-cientfficas. Terlamos, entio, de preyer, se os informantes, ao trabalharem com os termos governo e sociedode, estariam tambem propensos a criar condi~s de uso para novas si~s comunicativas, dentro de formas de dizer uma mesma realidade ou mesmo, ampliando 0 espa~ vocabular, com termos implicativos nessa realidade, como negro, rqfa, etnia. Por outro lado, estarlamos nos questionando como poderiam dominar vocabulario tecnico-academico, tendo como ponto de partida, as pr6prias marcas regionais, culturais, sociais e, ate mesmo politicas. Deverlamos ainda verificar se as obras lexicograficas tem, realmente dado tratamento cientffico as defini~oes terminol6gicas e com que criterios metodo16gicos estariam procedendendo a esse tratamento. Sabemos, por principio, que areas, como sociologia e ciencias politicas nao se prestam, necessariamente, a uma cientificidade absoluta. Daf as marcas de uso estarem, constantemente, interferindono criterio da cientifidade, 0 que provoca obviamante, muitos entraves para 0 ensino. Todavia, as oscila~ sinoni'micasexistentes nesses registros dicionarizados podemo, a nosso ver, contribuir para possiveis distensoes da lingua de especialidade para a lingua geral e desta para a linguagem academica. RESUMO: Apresentamos indagqfoes sobre 0 princfpio da sinon/mia, fator importante para a redejiniftlo de termos no contexto jornal{stico, transferido para 0 universo acadimico. Com base nos pressupostos teoricos da definifiio e da sinonimia terminologica, buscamos proposta pedag6gica de ensino, para aquisifiio e dominio do vocabuldrio acadlmico. PALAVRAS-eHA VE: sinonfmia, defmi~o, redefmi~o, vocabulario, termos. BOBBIO, N. et alii... DicioMrio de PoUlica, Brasilia, Gratica Editora Hamburg Ltda/1983. BONNEL. R. 0, discunos tk VIIlgtll'izafoo cientfjica. Quebec, in ALFAI94-9S. CARNEIRO, E. As rearlie' do negro. 0 negro como 'oldodo, in Antologia do Negro Brasileiro, Brasilia, Ed. Brasileira de 0ur0/198S. DUBUC, R. SinontmiIl e terminologlo. Quebec, in Coloquio de Terminologia/l994. FAIRCHID, H.P. Dicionario de ~iologia, McxicolBuenos Aires, Pondo de CullUra Economica/1949. FERREIRA, L. P. Dicionmo de Sociologia, S. Paulo, I.Bushctsky Editor/I977.

7 LAFACE, A. Aquisifilo do vocabuldrio tecnico-acadimico: dejinifilo de temws. SP, Ed. Arte & Cultura1llO prelo.

DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS

DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FLÁVIO GONÇALVES PÓVOA DE VARZIM Critérios Específicos de Avaliação DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS ANO LETIVO 2014/15 Critérios de avaliação específicos da disciplina de

Leia mais

DICIONÁRIO REGIONALISTA E ESPANHOL: UMA ANÁLISE DISCURSIVA

DICIONÁRIO REGIONALISTA E ESPANHOL: UMA ANÁLISE DISCURSIVA DICIONÁRIO REGIONALISTA E ESPANHOL: UMA ANÁLISE DISCURSIVA Branco, Natieli Luiza Trabalho de Iniciação Científica/financiamento PET/Conexões de Saberes/MEC Universidade Federal de Santa Maria/Curso de

Leia mais

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Filosofia da Educação 60 horas Metodologia Científica 60 horas Iniciação à Leitura e Produção de Textos Acadêmicos 60 horas Introdução à filosofia e

Leia mais

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO)

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) Processo Avaliativo Unidade Didática PRIMEIRA UNIDADE Competências e Habilidades Aperfeiçoar a escuta de textos orais - Reconhecer

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 ÀS

Leia mais

ENSINO DA TERMINOLOGIA DO TURISMO: BUSCA DOS TERMOS EM INGLÊS RELATIVOS A EQUIPAMENTOS USADOS EM TÉCNICAS VERTICAIS PARA ELABORAÇÃO DE GLOSSÁRIO

ENSINO DA TERMINOLOGIA DO TURISMO: BUSCA DOS TERMOS EM INGLÊS RELATIVOS A EQUIPAMENTOS USADOS EM TÉCNICAS VERTICAIS PARA ELABORAÇÃO DE GLOSSÁRIO ENSINO DA TERMINOLOGIA DO TURISMO: BUSCA DOS TERMOS EM INGLÊS RELATIVOS A EQUIPAMENTOS USADOS EM TÉCNICAS VERTICAIS PARA ELABORAÇÃO DE GLOSSÁRIO Ivanir Azevedo Delvizio Lucas Ferreira Gomes RESUMO: Este

Leia mais

A ESTRUTURA ARGUMENTAL NAS NOMINALIZAf;OES: UMA QUESTAO LEXICAL

A ESTRUTURA ARGUMENTAL NAS NOMINALIZAf;OES: UMA QUESTAO LEXICAL A ESTRUTURA ARGUMENTAL NAS NOMINALIZAf;OES: UMA QUESTAO LEXICAL Serafina Maria de Souza PONDE (Univ. Fed. da Bahia) ABSTRACT: study of the morphological process of derivation based on the idea that the

Leia mais

1 Introdução. 1.1 Apresentação do tema

1 Introdução. 1.1 Apresentação do tema 1 Introdução 1.1 Apresentação do tema Segundo Basílio (1987), as principais funções do léxico são a representação conceitual e o fornecimento de unidades básicas para a construção dos enunciados. Para

Leia mais

Conteúdo. Como ler artigos científicos... 2

Conteúdo. Como ler artigos científicos... 2 Comol era r t i gos c i ent íc os Conteúdo Como ler artigos científicos... 2 Dicas de como ler o artigo... 4 Guia de como ler um artigo:... 5 Atividade 1... 7 Etapa 1... 7 Etapa 2... 8 Etapa 3... 8 Etapa

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE HISTÓRIA NAS ESCOLAS E SUAS IMPLICAÇÕES NA VIDA SOCIAL

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE HISTÓRIA NAS ESCOLAS E SUAS IMPLICAÇÕES NA VIDA SOCIAL A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE HISTÓRIA NAS ESCOLAS E SUAS IMPLICAÇÕES NA VIDA SOCIAL Alex Silva Costa 1 Resumo O artigo procura analisar o desenvolvimento do ensino da disciplina de História na educação brasileira,

Leia mais

TERMINOLOGIA CIENTÍFICA: O QUE É E COMO SE FAZ

TERMINOLOGIA CIENTÍFICA: O QUE É E COMO SE FAZ TERMINOLOGIA CIENTÍFICA: O QUE É E COMO SE FAZ Antônio Luciano Pontes* 1. OBSERVAÇÕES PRELIMINARES Embora o interesse pela Terminologia já fosse, no passado, objeto de estudo dos primeiros semanticistas,

Leia mais

ANA MARIA DE CAMARGO (PUC/SP)

ANA MARIA DE CAMARGO (PUC/SP) ANA MARIA DE CAMARGO (PUC/SP) CHAPARRO ABSTRACT: This paper examines some textual organization aspects from the publicist's opinions. It aims at the confront between the public's and the publicist's opinion

Leia mais

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Metodologia Científica 60 horas História da Educação 60 horas Sociologia da Educação I 60 horas Filosofia

Leia mais

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010.

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Resenha OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Leticia Macedo Kaeser * leletrasufjf@gmail.com * Aluna

Leia mais

CONSTRUÇÃO TIPO ASSIM MESCLA REGISTROS

CONSTRUÇÃO TIPO ASSIM MESCLA REGISTROS CONSTRUÇÃO TIPO ASSIM MESCLA REGISTROS Fátima Christina Calicchio (PG-UEM) calicchiofc@hotmail.com Rosângela Nunes Pereira (PG UEM) rosenpereira@yahoo.com.br Introdução Este estudo está organizado em três

Leia mais

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA OS TEXTOS

Leia mais

INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS

INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS 201 3.º CICLO DO ENSINO BÁSICO (Decreto-Lei n.º 139/2012, de de julho)» INTRODUÇÃO O presente documento visa divulgar as características da prova

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS LE I (2 anos) 2015

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS LE I (2 anos) 2015 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS LE I (2 anos) 2015 Prova 06 / 2015 --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

A QUESTÃO DA TAXONOMIA NUM CORPUS COLABORATIVO PARA CONSTRUÇÃO DE UM VOCABULÁRIO NA ÁREA DE LINGUÍSTICA

A QUESTÃO DA TAXONOMIA NUM CORPUS COLABORATIVO PARA CONSTRUÇÃO DE UM VOCABULÁRIO NA ÁREA DE LINGUÍSTICA A QUESTÃO DA TAXONOMIA NUM CORPUS COLABORATIVO PARA CONSTRUÇÃO DE UM VOCABULÁRIO NA ÁREA DE LINGUÍSTICA Guilherme FROMM Universidade Federal de Uberlândia guifromm@ileel.ufu.br Resumo: pretendemos descrever

Leia mais

Novos Programas de Português para o Ensino Básico Turma C445-J Escola Secundária da Senhora da Hora. Formadora: Dra. Gabriela Castanheira

Novos Programas de Português para o Ensino Básico Turma C445-J Escola Secundária da Senhora da Hora. Formadora: Dra. Gabriela Castanheira Novos Programas de Português para o Ensino Básico Turma C445-J Escola Secundária da Senhora da Hora Formadora: Dra. Gabriela Castanheira SEQUÊNCIA DIDÁCTICA 5º ANO ROTEIRO Ana Maria da Fonseca Rocha Julho

Leia mais

Informação-Exame de Equivalência à disciplina de: INGLÊS (LE I) Prova Oral e Prova Escrita

Informação-Exame de Equivalência à disciplina de: INGLÊS (LE I) Prova Oral e Prova Escrita Informação-Exame de Equivalência à disciplina de: INGLÊS (LE I) Prova Oral e Prova Escrita 2º Ciclo do Ensino Básico Ano letivo de 2011/12 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características

Leia mais

O presente documento dá a conhecer os seguintes aspetos relativos à prova:

O presente documento dá a conhecer os seguintes aspetos relativos à prova: Informação sobre Prova de Equivalência à Frequência de Inglês Data: 10 de abril de 2013 Prova nº 21 2013 3º Ciclo do Ensino Básico Despacho Normativo n.º 24-A/2012 Agrupamento de Escolas de Vallis Longus-Valongo

Leia mais

Humberto Harvelino MARONEZE (UEUbolsista - Capes)

Humberto Harvelino MARONEZE (UEUbolsista - Capes) Humberto Harvelino MARONEZE (UEUbolsista - Capes) ABSTRACT: Through the analysis of the "Bizz", a magazine specialized in music, we can observe a north american influence~this paper shows that this influence

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR INTRODUÇÃO Raquel de Oliveira Nascimento Susana Gakyia Caliatto Universidade do Vale do Sapucaí (UNIVÁS). E-mail: raquel.libras@hotmail.com

Leia mais

TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA

TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: UNIÃO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS AUTOR(ES): STELA FERNANDES

Leia mais

Informação Prova de Equivalência à Frequência

Informação Prova de Equivalência à Frequência Básico Informação Prova de Equivalência à Frequência INGLÊS (LE I) Prova escrita e oral Prova 21 2015 do Ensino Básico 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de exame

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Médio ETEC Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Área de conhecimento: : Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. Componente Curricular: Inglês Série: 3º

Leia mais

Myriam Jeannette SEREY LEIVA (USP)

Myriam Jeannette SEREY LEIVA (USP) Myriam Jeannette SEREY LEIVA (USP) ABSTRACl': In this paper, we study false cognates which, due to their similar/same appearance, cause lexical-semantical interference. We propose a dejintion and classification

Leia mais

CAMPOS LEXICOS DOS FALARES RURAIS DE GOIÁS, MATO GROSSO, MINAS GERAIS E SÃO PAULO.

CAMPOS LEXICOS DOS FALARES RURAIS DE GOIÁS, MATO GROSSO, MINAS GERAIS E SÃO PAULO. CAMPOS LEXICOS DOS FALARES RURAIS DE GOIÁS, MATO GROSSO, MINAS GERAIS E SÃO PAULO. Gisele Martins SIQUEIRA (Mestranda FL/UFG) Gisele.msiqueira@gmail.com Maria Suelí de AGUIAR (FL/UFG) aguiarmarias@gamil.com

Leia mais

DIVULGAÇÃO DE TERMINOLOGIAS EM PORTUGÊS E POLÍTICAS LINGUÍSTICAS

DIVULGAÇÃO DE TERMINOLOGIAS EM PORTUGÊS E POLÍTICAS LINGUÍSTICAS VIII Jornada Científica REALITER Terminologia e Políticas linguísticas DIVULGAÇÃO DE TERMINOLOGIAS EM PORTUGÊS E POLÍTICAS LINGUÍSTICAS Maria da Graça Krieger (kriegermg@gmail.com) Universidade do Vale

Leia mais

:: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica

:: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica :: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica José Mauricio Santos Pinheiro em 21/04/2005 Os princípios indispensáveis à redação científica podem ser resumidos em quatro pontos fundamentais: clareza,

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80 Disciplina: Metodologia Científica SERVIÇO SOCIAL Ementa: Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia Número âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O conhecimento e suas formas.

Leia mais

METODOLOGIA E ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS

METODOLOGIA E ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS METODOLOGIA E ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS prof.a Manolita Correia Lima - PMDGI/ESPM e RAEP/ANGRAD prof. Guilherme Marback Neto - Diretor de Publicações da ANGRAD 25 de Outubro de 2015 10h30 12h30

Leia mais

Sumário. 1. Criar condições favoráveis para uma aprendizagem bem-sucedida 23. Introdução 11. Os marcos teóricos de referência 14

Sumário. 1. Criar condições favoráveis para uma aprendizagem bem-sucedida 23. Introdução 11. Os marcos teóricos de referência 14 Sumário Introdução 11 Os marcos teóricos de referência 14 Eixos didáticos convergentes 16 Anexo 1. Memória viva 19 Anexo 2. Algumas datas 22 1. Criar condições favoráveis para uma aprendizagem bem-sucedida

Leia mais

ENSINO SECUNDÁRIO CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO DE INGLÊS ANO LETIVO DE 2013/2014

ENSINO SECUNDÁRIO CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO DE INGLÊS ANO LETIVO DE 2013/2014 ENSINO SECUNDÁRIO CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO DE INGLÊS ANO LETIVO DE 2013/2014 A avaliação é feita através da observação direta e sistemática de acordo com as Metas de aprendizagem. A avaliação

Leia mais

RESENHA DE MANUAL DE MORFOLOGIA DO PORTUGUÊS, DE MARIA NAZARÉ DE CARVALHO LAROCA

RESENHA DE MANUAL DE MORFOLOGIA DO PORTUGUÊS, DE MARIA NAZARÉ DE CARVALHO LAROCA QUADROS, Emanuel Souza. Resenha de Manual de morfologia do português, de Maria Nazaré de Carvalho Laroca. ReVEL, vol. 7, n. 12, 2009. [www.revel.inf.br]. RESENHA DE MANUAL DE MORFOLOGIA DO PORTUGUÊS, DE

Leia mais

334 Valdecy de Oliveira Pontes e Alexandra Maria de Castro e Santos Araújo

334 Valdecy de Oliveira Pontes e Alexandra Maria de Castro e Santos Araújo MARTINS, André Ricardo Nunes. A polêmica construída: racismo e discurso da imprensa sobre a política de cotas para negros. Brasília: Senado Federal, 2011, 281p. O livro intitulado A polêmica construída:

Leia mais

Resumo Aula-tema 09:A miscigenação étnico-racial e sua influência na construção social do Brasil

Resumo Aula-tema 09:A miscigenação étnico-racial e sua influência na construção social do Brasil Resumo Aula-tema 09:A miscigenação étnico-racial e sua influência na construção social do Brasil Introdução No Brasil, a questão étnico-racial tem estado em pauta, nos últimos anos, em debates sobre políticas

Leia mais

REVEL NA ESCOLA: LINGUÍSTICA APLICADA A CONTEXTOS EMPRESARIAIS

REVEL NA ESCOLA: LINGUÍSTICA APLICADA A CONTEXTOS EMPRESARIAIS MÜLLER, Alexandra Feldekircher. ReVEL na Escola: Linguística Aplicada a Contextos Empresariais. ReVEL. v. 11, n. 21, 2013. [www.revel.inf.br]. REVEL NA ESCOLA: LINGUÍSTICA APLICADA A CONTEXTOS EMPRESARIAIS

Leia mais

INGLÊS LE I Código 21 abril 2015

INGLÊS LE I Código 21 abril 2015 PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS LE I Código 21 abril 2015 9º Ano de escolaridade (Decreto Lei 139/ 2012, de 05 de julho) O presente documento divulga informação relativa à prova de equivalência

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura

Leia mais

LÍNGUA INGLESA I LÍNGUA INGLESA II LÍNGUA INGLESA III LÍNGUA INGLESA IV LÍNGUA INGLESA V EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE BACHARELAD0 EM TRADUÇÃO

LÍNGUA INGLESA I LÍNGUA INGLESA II LÍNGUA INGLESA III LÍNGUA INGLESA IV LÍNGUA INGLESA V EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE BACHARELAD0 EM TRADUÇÃO EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE BACHARELAD0 EM TRADUÇÃO 1. CONTEÚDOS BÁSICOS PROFISSIONAIS LÍNGUA INGLESA I Ementa: Consolidação do estudo das estruturas simples da Língua Inglesa I em seus aspectos

Leia mais

NOVOS PARADIGMAS NOS CURSOS DE LETRAS E A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE LÍNGUA PORTUGUESA Cláudio Luiz Abreu Fonseca (UERJ / UFPA) cfonseca@ufpa.

NOVOS PARADIGMAS NOS CURSOS DE LETRAS E A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE LÍNGUA PORTUGUESA Cláudio Luiz Abreu Fonseca (UERJ / UFPA) cfonseca@ufpa. NOVOS PARADIGMAS NOS CURSOS DE LETRAS E A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE LÍNGUA PORTUGUESA Cláudio Luiz Abreu Fonseca (UERJ / UFPA) cfonseca@ufpa.br 112 CONSIDERAÇÕES INICIAIS A formação do professor de língua

Leia mais

Universidade Estadual Paulista Faculdade de Filosofia e Ciências Campus de Marília Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento

Universidade Estadual Paulista Faculdade de Filosofia e Ciências Campus de Marília Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento 1 Universidade Estadual Paulista Faculdade de Filosofia e Ciências Campus de Marília Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento Referência do texto para discussão: BRASCHER, Marisa;

Leia mais

Eixo temático: Tradução/interpretação de língua de sinais: identidades em questão

Eixo temático: Tradução/interpretação de língua de sinais: identidades em questão Modalidade: Comunicação oral/sinais Eixo temático: Tradução/interpretação de língua de sinais: identidades em questão TÍTULO: QUEM É O INTÉRPRETE DE LIBRAS: A PERSPECTIVA DO ALUNO SURDO NO CONTEXTO DO

Leia mais

PROGRAMA DO 7ª SÉRIE / 8º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL II - 2014 I UNIDADE

PROGRAMA DO 7ª SÉRIE / 8º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL II - 2014 I UNIDADE COORDENAÇÃO COLÉGIO OFICINA 1 PROGRAMA DO 7ª SÉRIE / 8º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL II - 2014 I UNIDADE DISCIPLINA CONTEÚDO COMPETÊNCIAS E HABILIDADES LÍNGUA PORTUGUESA REDAÇÃO OFICINA DE LEITURA ARTES EDUCAÇÃO

Leia mais

1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias

1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias 1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias Objetivamos, com esse trabalho, apresentar um estudo dos processos de importação lexical do português que ocorrem

Leia mais

INFORMAÇÃO- EXAME EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO 2012

INFORMAÇÃO- EXAME EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO 2012 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PINHEIRO ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA INFORMAÇÃO- EXAME EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO 2012 1. INTRODUÇÃO O presente documento visa divulgar

Leia mais

OS DOCENTES E A PRÁTICA DO ENSINO DA ESCRITA: TENSÕES ENTRE UNIVERSIDADE E ESCOLA

OS DOCENTES E A PRÁTICA DO ENSINO DA ESCRITA: TENSÕES ENTRE UNIVERSIDADE E ESCOLA OS DOCENTES E A PRÁTICA DO ENSINO DA ESCRITA: TENSÕES ENTRE UNIVERSIDADE E ESCOLA ANATULA DA SILVA AXIOTELIS (UFRJ). Resumo Este trabalho é um desdobramento do artigo Indicadores objetivos de novas práticas

Leia mais

Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário

Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário Departamento de Letras Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário Aluna: Esther Ruth Oliveira da Silva Orientadora: Profª. Bárbara Jane Wilcox Hemais Introdução O presente projeto se insere

Leia mais

cultural e identitária específica que tem sido atribuída à Comunidade Surda. Também é

cultural e identitária específica que tem sido atribuída à Comunidade Surda. Também é OS SURDOS : SUJEITOS DE UMA CULTURA PRÓPRIA NUM ESPAÇO MULTICULTURAL? Valéria Simplício 1 (Faculdade São Luís de França) RESUMO O presente trabalho procura fazer uma reflexão acerca da relação entre a

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MCH0181 HISTÓRIAS EM QUADRINHOS SOB A PERSPECTIVA DA TEORIA BAKHTINIANA

Leia mais

OS CRITÉRIOS DE CORREÇÃO para a REDAÇÃO do ENEM

OS CRITÉRIOS DE CORREÇÃO para a REDAÇÃO do ENEM Disciplina Curso Profª Série REDACÃO Ensino Médio Silvia Zanutto 3º Lembre-se: ESTUDO APROVAÇÃO SUCESSO OS CRITÉRIOS DE CORREÇÃO para a REDAÇÃO do ENEM Aluno,LEIA COM ATENÇÃO! Na redação, o ENEM avalia

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE Marcia Aparecida Alferes 1 Resumo O presente texto pretende refletir sobre a definição dos conceitos de alfabetização e letramento,

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

FERNANDO TARALLO EM TRÊS MOMENTOS

FERNANDO TARALLO EM TRÊS MOMENTOS FERNANDO TARALLO EM TRÊS MOMENTOS Antonio Carlos Santana de Souza (UEMS / PPGLETRAS UFGRS) acssuems@gmail.com Reúno aqui a resenha de três textos que foram muito importantes para a minha formação sociolinguística.

Leia mais

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 FORMAÇÃO

Leia mais

Resenha temática: do posicionamento autoral (papel de autor) à produção do gênero acadêmico

Resenha temática: do posicionamento autoral (papel de autor) à produção do gênero acadêmico Resenha temática: do posicionamento autoral (papel de autor) à produção do gênero acadêmico Eveline Mattos Tápias-Oliveira Vera Lúcia Batalha de Siqueira Renda Maria do Carmo Souza de Almeida Maria de

Leia mais

CONCEPÇÕES DE PROFESSORES EM AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: ENCONTROS E DESENCONTROS

CONCEPÇÕES DE PROFESSORES EM AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: ENCONTROS E DESENCONTROS CONCEPÇÕES DE PROFESSORES EM AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: ENCONTROS E DESENCONTROS ALMEIDA *, Laura Isabel Marques Vasconcelos de. UFMT laura.isabel@terra.com.br DARSIE **, Marta Maria Pontin. UFMT

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER ALVES, Ivanir da Costa¹ Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Iporá ¹acwania@gmail.com RESUMO A leitura é compreendida como uma ação que deve se

Leia mais

Colégio Internato dos Carvalhos

Colégio Internato dos Carvalhos Grupo Disciplinar de Línguas Românicas aøväxé wé XÇá ÇÉ fxvâçwöü É Matriz do Teste Intermédio de Português do 12.º ano Ano letivo 2014-2015 Objeto de avaliação INFORMAÇÃO-TESTE de Português 12.º ano (a

Leia mais

Historia das relações de gênero

Historia das relações de gênero STEARNS, P. N. Historia das relações de gênero. Trad. De Mirna Pinsky. Sao Paulo: Contexto, 2007. 250p. Suellen Thomaz de Aquino Martins Santana 1 Historia das relações de gênero aborda as interações entre

Leia mais

OS romnimos COMO PONTO DE PARTIDA PARA 0 ESTUDO INTERDISCIPLINAR DA REALIDADE LOCAL NO ENSINO DE PRIMEIRO GRAU

OS romnimos COMO PONTO DE PARTIDA PARA 0 ESTUDO INTERDISCIPLINAR DA REALIDADE LOCAL NO ENSINO DE PRIMEIRO GRAU OS romnimos COMO PONTO DE PARTIDA PARA 0 ESTUDO INTERDISCIPLINAR DA REALIDADE LOCAL NO ENSINO DE PRIMEIRO GRAU Maria da Penha Marinovic DORO (USP) ABSTRACT: The purpose of this paper is to present the

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO E O TRATAMENTO DOS GÊNEROS DISCURSIVOS NO ENSINO FUNDAMENTAL

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO E O TRATAMENTO DOS GÊNEROS DISCURSIVOS NO ENSINO FUNDAMENTAL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO E O TRATAMENTO DOS GÊNEROS DISCURSIVOS NO ENSINO FUNDAMENTAL Tatiane Henrique Sousa Machado 1 RESUMO: O presente estudo de dedica-se

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

DIFERENTES PRODUÇÕES ESCRITAS DE CRIANÇAS EM CLASSES DE ALFABETIZAÇÃO: ABORDAGENS SINTÉTICAS E DE BASE CONSTRUTIVISTA

DIFERENTES PRODUÇÕES ESCRITAS DE CRIANÇAS EM CLASSES DE ALFABETIZAÇÃO: ABORDAGENS SINTÉTICAS E DE BASE CONSTRUTIVISTA DIFERENTES PRODUÇÕES ESCRITAS DE CRIANÇAS EM CLASSES DE ALFABETIZAÇÃO: ABORDAGENS SINTÉTICAS E DE BASE CONSTRUTIVISTA Fernanda Cargnin Gonçalves 1 Introdução O embate entre os métodos de alfabetização

Leia mais

PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA

PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA Adriana Zanela Nunes (UFRJ) zannelli@bol.com.br, zannelli@ig.com.br zannelli@ibest.com.br

Leia mais

Terminologia P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O

Terminologia P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O Terminologia P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O U N I V E R S I D A D E D E B R A S Í L I A Conceito Conjunto dos termos especializados próprios

Leia mais

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com Reflexões sobre Empresas e Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com PRINCÍPIOS ORIENTADORES SOBRE EMPRESAS E DIREITOS HUMANOS (ONU, 2011): 1. PROTEGER 2. RESPEITAR 3. REPARAR Em junho de 2011, o

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Médio EtecPaulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos - SP Área do conhecimento: Linguagens, códigos e suas tecnologias Componente curricular: Inglês Série:

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DA LÍNGUA MATERNA. Roberta da Silva 1. João Cabral de Melo Neto, Rios sem discurso.

AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DA LÍNGUA MATERNA. Roberta da Silva 1. João Cabral de Melo Neto, Rios sem discurso. AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DA LÍNGUA MATERNA Roberta da Silva 1 Quando um rio corta, corta-se de vez o discurso-rio de água que ele fazia; cortado, a água se quebra em pedaços, em poços de água,

Leia mais

CONTOS DA MATA VISÕES DE VIDA: UM DESAFIO FRENTE À CULTURA INDÍGENA RESUMO

CONTOS DA MATA VISÕES DE VIDA: UM DESAFIO FRENTE À CULTURA INDÍGENA RESUMO CONTOS DA MATA VISÕES DE VIDA: UM DESAFIO FRENTE À CULTURA INDÍGENA RESUMO OLIVEIRA, Luiz Antonio Coordenador/Orientador ARAÚJO, Roberta Negrão de Orientadora O artigo tem como objetivo apresentar o Projeto

Leia mais

EDITAL Nº 20/2007. A comprovação da proficiência numa língua estrangeira moderna deverá ser a partir de um dos seguintes documentos:

EDITAL Nº 20/2007. A comprovação da proficiência numa língua estrangeira moderna deverá ser a partir de um dos seguintes documentos: UECE Universidade Estadual do Ceará Centro de Humanidades Curso de Mestrado Acadêmico em Lingüística Aplicada CMLA Av. Luciano Carneiro, 345 - Fátima Fortaleza Ceará CEP: 60410-690 Fone: 85 31012032 Fax:

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013. Habilitação Profissional: Técnico em Segurança do Trabalho. Qualificação: Sem Certificação Módulo: 1

Plano de Trabalho Docente 2013. Habilitação Profissional: Técnico em Segurança do Trabalho. Qualificação: Sem Certificação Módulo: 1 Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC Dr. Francisco Nogueira de Lima Código: 059 Município: Casa Branca Área Profissional: Saúde Habilitação Profissional: Técnico em Segurança do Trabalho

Leia mais

A TERMINOLOGIA EM TUTORIAIS DE REDES SOCIAIS: RESULTADOS PRELIMINARES

A TERMINOLOGIA EM TUTORIAIS DE REDES SOCIAIS: RESULTADOS PRELIMINARES Bloco 01 Tema: 7. Terminologia e estudos de linguagens técnicas e científicas: aspectos linguísticos, textuais, gramaticais e socioculturais. A TERMINOLOGIA EM TUTORIAIS DE REDES SOCIAIS: RESULTADOS PRELIMINARES

Leia mais

Inglês 1ª / 2ª Fase 2014

Inglês 1ª / 2ª Fase 2014 INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Inglês 1ª / 2ª Fase 2014 Prova 06 2014 6.º Ano de Escolaridade - 2.º Ciclo do Ensino Básico PROVA ESCRITA 50% 1. Objeto de avaliação, caraterísticas e estrutura

Leia mais

A VITALIDADE ETNOLINGUiSTICA DA COMUNIDADE ANGLO- BRASILEIRA EM SAO PAULO

A VITALIDADE ETNOLINGUiSTICA DA COMUNIDADE ANGLO- BRASILEIRA EM SAO PAULO A VITALIDADE ETNOLINGUiSTICA DA COMUNIDADE ANGLO- BRASILEIRA EM SAO PAULO Marina MACRAE (USP) ABSTRACT: The sociostructural 'capital' (Bourdieu, 1980) of the Anglo-Brazilian community in Sao Paulo Iuls

Leia mais

Visibilidade estatística da população afro-descendente da América Latina: aspectos conceituais e metodológicos

Visibilidade estatística da população afro-descendente da América Latina: aspectos conceituais e metodológicos Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) Comissão Européia Visibilidade estatística da população afro-descendente da América Latina: aspectos conceituais e metodológicos Versão preliminar

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA FORMAÇÃO CONTINUADA PARA OS PROFISSIONAIS DE LÍNGUA INGLESA

A IMPORTÂNCIA DA FORMAÇÃO CONTINUADA PARA OS PROFISSIONAIS DE LÍNGUA INGLESA 1 A IMPORTÂNCIA DA FORMAÇÃO CONTINUADA PARA OS PROFISSIONAIS DE LÍNGUA INGLESA Deyseany Nunes Lima da Cruz (FA) INTRODUÇÃO Este trabalho consiste em uma reflexão acerca do tema a importância da formação

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALCANENA ANO LETIVO 2014/2015

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALCANENA ANO LETIVO 2014/2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALCANENA ANO LETIVO 2014/2015 INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS 6º Ano Abril de 2015 Prova 06* 2015 Inglês Prova escrita (Decreto-Lei 3/2008, de 7 de janeiro)

Leia mais

SELEÇÃO EXTERNA DE DOCENTE CURSO DE LETRAS INGLÊS TRADUÇÃO E INTERPRETAÇÃO Nº 25/2015

SELEÇÃO EXTERNA DE DOCENTE CURSO DE LETRAS INGLÊS TRADUÇÃO E INTERPRETAÇÃO Nº 25/2015 SELEÇÃO- 25/2015 (nail) SELEÇÃO EXTERNA DE DOCENTE CURSO DE LETRAS INGLÊS TRADUÇÃO E INTERPRETAÇÃO Nº 25/2015 EMENTA: SELEÇÃO EXTERNA DE DOCENTE EM REGIME DE HORAS AULA, PARA A ÁREA DE TRADUÇÃO E INTERPRETAÇÃO

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE FONÉTICA E FONOLOGIA. Miguél Eugenio Almeida UEMS Unidade Universitária de Jardim. 0. Considerações iniciais

RELAÇÃO ENTRE FONÉTICA E FONOLOGIA. Miguél Eugenio Almeida UEMS Unidade Universitária de Jardim. 0. Considerações iniciais RELAÇÃO ENTRE FONÉTICA E FONOLOGIA Miguél Eugenio Almeida UEMS Unidade Universitária de Jardim 0. Considerações iniciais A Relação entre fonética e fonologia compreende uma relação de interdependência,

Leia mais

Aciência avança e a divulgação de suas pesquisas pro d u z

Aciência avança e a divulgação de suas pesquisas pro d u z A P R E S E N T A Ç Ã O ASPECTOS EPISTEMOLÓGICOS E PERSPECTIVAS CIENTÍFICAS DA TERMINOLOGIA Lídia Almeida Barros Aciência avança e a divulgação de suas pesquisas pro d u z uma documentação variada, em

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Níveis de desempenho. Perguntar e fornecer opiniões. Perguntar e responder sobre os diferentes tipos de férias

Níveis de desempenho. Perguntar e fornecer opiniões. Perguntar e responder sobre os diferentes tipos de férias Competências.Adquirir conhecimentos sobre a cultura e civilização Anglo- Americana numa perspectiva intercultural. - Aprofundar o conhecimento da realidade Portuguesa através do confronto com aspectos

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

Diversidade Cultural X Estereótipos: Discursos Ideológicos em Livros Didáticos para o ensino de Língua Inglesa

Diversidade Cultural X Estereótipos: Discursos Ideológicos em Livros Didáticos para o ensino de Língua Inglesa Diversidade Cultural X Estereótipos: Discursos Ideológicos em Livros Didáticos para o ensino de Língua Inglesa Mary Clevely Mendes Programa de Iniciação Científica UEG / CNPq Orientador (Pesquisador-líder):

Leia mais

A inclusão do surdo na escola: um jogo de fazde-conta? Adail Sobral (UCPEL)

A inclusão do surdo na escola: um jogo de fazde-conta? Adail Sobral (UCPEL) A inclusão do surdo na escola: um jogo de fazde-conta? Adail Sobral (UCPEL) Por que um jogo de faz de conta? Pretendo defender que a existência de leis, decretos etc. voltados para promover a inclusão

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PLANO DE AULA 1º sem 2011 PROFESSOR: DANIELLA BASSO BATISTA PINTO Disciplina: PORTUGUÊS NO DIREITO E LATIM JURÍDICO Etapa: (X)1ª ( ) 2ª Turmas: (X) F - (X) G - (X) H - (X) P 1. OBJETIVOS: Introdução à

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Dourados 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Letras - Inglês Obs.: Para proposta

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Médio Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Área de conhecimento: Linguagens, Códigos e Suas Tecnologias Componente Curricular: Inglês Série:

Leia mais

REGISTROS DE REPRESENTAÇÃO SEMIÓTICA E O ENSINO DAS NOÇÕES DE ÁREA E PERÍMETRO

REGISTROS DE REPRESENTAÇÃO SEMIÓTICA E O ENSINO DAS NOÇÕES DE ÁREA E PERÍMETRO REGISTROS DE REPRESENTAÇÃO SEMIÓTICA E O ENSINO DAS NOÇÕES DE ÁREA E PERÍMETRO CINTIA APARECIDA BENTO DOS SANTOS (UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL), EDDA CURI (UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL). Resumo Este artigo

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

Multiculturalismo e Direitos Humanos

Multiculturalismo e Direitos Humanos Multiculturalismo e Direitos Humanos Vera Maria Candau Articular igualdade e diferença: uma exigência do momento Multiculturalismo na realidade latino-americana A questão das políticas de ação afirmativa

Leia mais

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC ÁFRICA Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM Ricamente ilustrada por fotos e desenhos, esta obra traça um painel detalhado da vida dos habitantes da África do Oeste: sua tradição oral, detalhes

Leia mais