UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENFERMAGEM DE RIBEIRÃO PRETO DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM GERAL E ESPECIALIZADA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENFERMAGEM DE RIBEIRÃO PRETO DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM GERAL E ESPECIALIZADA"

Transcrição

1 1 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENFERMAGEM DE RIBEIRÃO PRETO DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM GERAL E ESPECIALIZADA ERG 0343 Cuidado Integral em Saúde III ERG 0234 Integralidade do Cuidado em Saúde III Roteiro Unidade: Necessidade de conforto, sono, repouso e movimentação do paciente hospitalizado. Procedimento: Banho no leito Objetivos: realizar higiene corporal no paciente acamado, realizar a inspeção da pele e mucosas. Materiais: Roupa de cama (2 lençóis, 1 fronha para cada travesseiro, 1 lençol móvel), camisola/pijama/fralda descartável se necessário, toalha de banho, compressas ou luvas de banho, sabonete individual em barra ou líquido, hidratante para a pele, suprimento para higiene pessoal (desodorante/xampu/creme dental/escova de dente/pente/aparelho de barbear), bacia, jarra, luvas de procedimentos e outros EPIs se necessário, comadre/papagaio, hamper, biombos, saco plástico para acondicionar as luvas contaminadas até que sejam desprezadas adequadamente no lixo. Descrição do Procedimento: 1. Higienizar as mãos; 2. Explicar o procedimento ao paciente e investigar seu nível de capacidade funcional e sua necessidade de ajuda; 3. Identificar se há restrições/limitações na atividade física do paciente; 4. Reunir os materiais e encher a jarra com água morna; 5. Desocupar a mesa de cabeceira e colocar o material sobre a mesma; 6. Posicionar uma cadeira e o hamper aos pés da cama do cliente; 1

2 2 7. Dispor sobre o encosto da cadeira as roupas que serão utilizadas, conforme a técnica da arrumação completa de cama; 8. Evitar corrente de ar, fechando janelas e portas; 9. Oferecer ao paciente a comadre ou papagaio; 10. Se possível, elevar a cama do paciente em uma posição mais alta; 11. Abaixar ou retirar a grade lateral mais próxima e auxiliar o cliente a posicionarse próximo ao lado da cama onde irá estar. Manter o paciente em decúbito dorsal; 12. Proporcionar privacidade ao paciente com biombos e manter sempre um lençol em cima do paciente; 13. Calçar as luvas de procedimento; 14. Desprender a roupa de cama; 15. Despejar a água morna da jarra em uma compressa sobre a bacia; 16. Limpar os olhos do paciente no sentido do canto interno para o externo, alternando as diferentes partes da compressa para cada olho; 17. Enxaguar, ensaboar a compressa, e lavar a face, o pescoço e os ouvidos. Umedecer nova compressa com água da jarra e passar na pele para retirar o sabão do rosto, pescoço e orelhas do paciente. Com uma toalha secá-los;* 18. Remover a roupa do paciente e mantê-lo coberto. Quando um membro apresenta lesão ou o cliente recebe infusão venosa, remover a camisola começando pelo braço que não apresenta problemas. Não desconectar o equipo; 19. Colocar uma toalha sob o braço; 20. Umedecer nova compressa, ensaboá-la e lavar o braço mais afastado do cliente (lado oposto de quem está realizando o procedimento) utilizando movimentos longos e firmes no sentido do punho à axila (área distal para proximal). Enxaguar e secar; 21. Realizar a limpeza do outro braço seguindo a mesma técnica; desprezar a compressa usada no hamper; 22. Pegar outra compressa; 23. Posicionar a bacia sob as mãos do paciente, lavá-las e enxaguá-las despejando a água da jarra; enxugar as mãos; 24. Colocar uma toalha sobre o tórax e abdome do cliente afastando o lençol até o púbis; 2

3 3 25. Umedecer a compressa, ensaboá-la, erguer a toalha com uma das mãos e com a outra lavar o tórax e abdome do cliente utilizando movimentos circulares. Atenção especial para as dobras de pele sob as mamas da paciente. Limpar área umbilical e quaisquer dobras abdominais e rugas; enxaguar; 26. Enxugar a região lavada, observando as condições da pele do cliente, e comunicar o enfermeiro se houver presença de lesão ou dermatite associada à umidade; 27. Cobrir com o lençol o tórax e abdome do cliente e retirar a toalha; 28. Retirar o restante da roupa do cliente, mantendo-o protegido com o lençol; 29. Colocar uma toalha sob a perna; 30. Umedecer nova compressa, ensaboá-la e lavar a perna do cliente (que está mais distante de quem está realizando o procedimento) do tornozelo ao joelho e do joelho à virilha utilizando movimentos longos e firmes no sentido distal para proximal, apoiando com a outra mão a perna na região das panturrilhas. Enxaguar e, com a toalha, secá-las; 31. Higienizar a outra perna seguindo a mesma técnica; 32. Aproximar a bacia dos pés do cliente e colocar um dos pés na bacia de cada vez; 34. Lavar, enxaguar e secar os pés, com especial atenção à região interdigital; observar as condições de integridade da pele; 35. Retirar a bacia dos pés da cama e desprezar a água no vaso sanitário no banheiro. 36. Trocar as luvas de procedimento; 37. Virar o cliente para o decúbito lateral, colocar a toalha sob suas costas e nádegas. Manter as grades da cama elevadas ou solicitar auxílio de outra pessoa para mantê-lo nesta posição e prevenir queda; 38. Umedecer nova compressa, ensaboá-la e lavar as costas, nádegas e cóccix do cliente, utilizando movimentos longos e firmes. Observar as condições de integridade de pele na área sacral e outras proeminências ósseas da região dorsal, comunicando o enfermeiro qualquer anormalidade; 39. Enxaguar e enxugar a região lavada; 40. Realizar a higiene da região perianal; 41. Trocar as luvas de procedimento e retornar o paciente ao decúbito dorsal; 42. Fazer a higiene íntima do cliente, conforme a técnica; 3

4 4 43. Trocar as luvas de procedimento; 44. Colocar o paciente em decúbito lateral; 45. Hidratar a pele do paciente na região dorsal, fazendo massagem com movimentos circulares ou longitudinais, sem fricção; 46. Trocar as roupas da cama do cliente, conforme a técnica de arrumação de cama. Aplicar creme barreira nas regiões perineal e sacral, se houver indicação e colocar fralda descartável (se necessário) ou calcinha/cueca; 47. Aplicar o hidratante nos membros superiores e inferiores; 47. Vestir o paciente com camisola ou pijama; 48. Aplicar o desodorante nas axilas; 49. Pentear os cabelos do cliente (a lavagem dos cabelos pode ser feita antes ou após a higiene do corpo). Inspecionar as regiões de proeminências ósseas para avaliar a integridade do couro cabeludo; 50. Limpar, cortar ou aparar as unhas, se necessário; 51. Recolher todo material utilizado para encaminhar ao local adequado (incluindo o saco de roupa suja do hamper) e deixar a unidade do paciente em ordem; 52. Retirar as luvas; 53. Higienizar as mãos; 54. Registrar no prontuário do cliente, o procedimento realizado e as condições de integridade da pele ou qualquer outra anormalidade que foi observada durante o procedimento e comunicar ao docente e enfermeiro. Realizar as intervenções necessárias para tratamento de lesões de pele conforme o protocolo institucional. *Observações: - A partir deste momento, uma compressa será utilizada para ensaboar e outra para enxaguar, procedendo o enxague ou troca por outra limpa sempre que necessário. - A água da bacia deverá ser desprezada sempre que estiver cheia ou quando necessário. Anotação de enfermagem Exemplo 1: 14/08/2014 9:00h Realizado higiene corporal no leito e aplicado hidratante, 4

5 5 paciente comunicativo e colaborativo. Pele e mucosas íntegras. Reposicionado o paciente ao término do banho para decúbito lateral D. Nome/COREN. Exemplo 2: 14/08/2014 9:00h Realizado higiene corporal no leito e aplicado hidratante, paciente comunicativo e colaborativo. Identificada presença de úlcera por pressão estágio II na região do calcâneo D. Paciente reposicionado para decúbito lateral Esquerdo e elevados os pés com travesseiro. Outras regiões de proeminências ósseas apresentam a pele íntegra. Comunicado o enfermeiro X sobre a presença da UP. Nome/COREN. Bibliografia consultada: POTTER, P.A.; PERRY, A.G. Fundamentos de Enfermagem. Rio de Janeiro: Elsevier, 7º. Ed, TAYLOR, C.; LILLIS, C.; LeMONE, P. Fundamentos de Enfermagem. A arte e a ciência do cuidado de enfermagem. Artmed, 7º ed, Opiniões de especialistas da área de Fundamentos de Enfermagem. Elaboração: Área de Conhecimento de Fundamentos de Enfermagem. Revisão: Profª Drª Maria Helena Larcher Caliri e Enfª s Rosicler Xelegati de Pádua e Luciana Castelar Tsuda. 5

Procedimento Operacional Padrão (POP) Assistência de Enfermagem Título. Higiene Corporal

Procedimento Operacional Padrão (POP) Assistência de Enfermagem Título. Higiene Corporal Procedimento Operacional Padrão (POP) POP NEPEN/DE/HU Assistência de Enfermagem Título Higiene Corporal Versão: 01 Próxima revisão: 2017 Elaborado por: Mariana Carneiro de Oliveira/ Lícia Brito Shiroma

Leia mais

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP Página: 1/5 SUMÁRIO 1. OBJETIVO: Promover higiene e conforto do paciente acamado. Manter a integridade cutânea. 2. APLICAÇÃO: Aos pacientes internados e acamados. 3. RESPONSABILIDADE: Enfermeiros, Técnicos

Leia mais

HIGIENE ÍNTIMA FEMININA (TÉCNICA DE LAVAGEM EXTERNA DA REGIÃO GENITAL)

HIGIENE ÍNTIMA FEMININA (TÉCNICA DE LAVAGEM EXTERNA DA REGIÃO GENITAL) Anexo e-tec Brasil Enfermagem HIGIENE ÍNTIMA FEMININA (TÉCNICA DE LAVAGEM EXTERNA DA REGIÃO GENITAL) Material necessário 1 balde 1 jarra Pascal Montsma Pacote de gazes Comadre Toalha de banho Sabão líquido

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO 1. Titulo: TROCA DE BOLSA DE COLOSTOMIA / ILEOSTOMIA / UROSTOMIA 2. Definição: É um procedimento utilizado para minimizar o risco de infecção após o procedimento cirúrgico. 3. Objetivos: Manter a higienização

Leia mais

Roteiro. Procedimento: Verificação do peso corporal em balança plataforma mecânica.

Roteiro. Procedimento: Verificação do peso corporal em balança plataforma mecânica. UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENFERMAGEM DE RIBEIRÃO PRETO DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM GERAL E ESPECIALIZADA DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM 2017 Roteiro Unidade: Avaliação clínica do estado

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO CLEMENTINO FRAGA FILHO DIVISÃO DE ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO CLEMENTINO FRAGA FILHO DIVISÃO DE ENFERMAGEM 1de 5 1. Definição: O cateterismo vesical de alívio consiste na introdução de um cateter estéril (cateter de Folley ou sonda Levine) na bexiga, através da uretra, com técnica asséptica. 2. Objetivo: Drenar

Leia mais

Universidade de São Paulo Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto Departamento de Enfermagem Geral e Especializada

Universidade de São Paulo Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto Departamento de Enfermagem Geral e Especializada Universidade de São Paulo Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto Departamento de Enfermagem Geral e Especializada Disciplina ERG 0234 Integralidade do Cuidado em Saúde III 1- Enema ou lavagem intestinal

Leia mais

Pode ser aplicada a partes do corpo ou continuamente a todo o corpo.

Pode ser aplicada a partes do corpo ou continuamente a todo o corpo. MASSAGEM RELAXANTE Universidade do Sul de Santa Catarina Curso de Cosmetologia e Estética Unidade de Aprendizagem: Técnicas de Massagem Terapêutica Prof.ª Daniella Koch de Carvalho MASSAGEM RELAXANTE A

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO 1. Titulo: MONITORIZAÇÃO CARDÍACA 2. Definição: Consiste em manter a visualização contínua da atividade elétrica (ritmo e frequência) do coração, através de um monitor cardíaco. 3. Objetivos: Visualizar

Leia mais

Saiba porque a higiene pessoal contribui para a sua saúde e para que você se sinta confortável na busca pelo emprego e no ambiente de trabalho.

Saiba porque a higiene pessoal contribui para a sua saúde e para que você se sinta confortável na busca pelo emprego e no ambiente de trabalho. Saiba porque a higiene pessoal contribui para a sua saúde e para que você se sinta confortável na busca pelo emprego e no ambiente de trabalho. Os cuidados com a higiene pessoal demonstram que a pessoa

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Nº: 11/2014 Data de emissão: Jan/2014 Setor Tipo TAREFA Executante Resultados esperados PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Revisão: 01 Data revisão: 18/02/2014 Centros de Saúde Procedimentos de Enfermagem

Leia mais

A campanha Mude de Lado e Evite a Pressão, realizada em 19 de novembro, conta com o apoio da Associação Brasileira de Estomaterapia Estomias, Feridas

A campanha Mude de Lado e Evite a Pressão, realizada em 19 de novembro, conta com o apoio da Associação Brasileira de Estomaterapia Estomias, Feridas A campanha Mude de Lado e Evite a Pressão, realizada em 19 de novembro, conta com o apoio da Associação Brasileira de Estomaterapia Estomias, Feridas e Incontinências (SOBEST). Tem por objetivo conscientizar

Leia mais

Assistência de Enfermagem no processo de morte. Semiologia e Semiotécnica aplicada a II Prof Giselle

Assistência de Enfermagem no processo de morte. Semiologia e Semiotécnica aplicada a II Prof Giselle Assistência de Enfermagem no processo de morte Semiologia e Semiotécnica aplicada a II Prof Giselle A Enfermagem é uma arte; e para realizá-la como arte, requer uma devoção tão exclusiva, um preparo tão

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO 1. Titulo: RETIRADA DE PONTOS DE SUTURA 2. Definição: Consiste na remoção de pontos de sutura, que são utilizados para fixar um dispositivo ou aproximar as bordas de uma lesão, com o intuito de facilitar

Leia mais

ORIENTAÇÕES DE ENFERMAGEM PARA ALTA HOSPITALAR

ORIENTAÇÕES DE ENFERMAGEM PARA ALTA HOSPITALAR ORIENTAÇÕES DE ENFERMAGEM PARA ALTA HOSPITALAR Nome do usuário Responsável pela orientação: Enfermeiro(a): Carimbo com COREN/SC HC ( ) HRO ( ) HNSS ( ) Data da orientação: Dados Internacionais de Catalogação

Leia mais

CONCEITO Consiste na coleta de uma amostra de urina com técnica asséptica em um coletor de plástico estéril.

CONCEITO Consiste na coleta de uma amostra de urina com técnica asséptica em um coletor de plástico estéril. Revisão: 00 PÁG: 1 CONCEITO Consiste na coleta de uma amostra de urina com técnica asséptica em um coletor de plástico estéril. FINALIDADE Detectar e identificar a presença de microorganismos patogênicos

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão (POP) Assistência de Enfermagem Título. Preparo e Administração de Medicação por Via Retal

Procedimento Operacional Padrão (POP) Assistência de Enfermagem Título. Preparo e Administração de Medicação por Via Retal Elaborado por: Lícia Mara Brito Shiroma Procedimento Operacional Padrão (POP) Assistência de Enfermagem Título Preparo e Administração de Medicação por Via Retal POP NEPEN/DE/HU Versão: 01 Próxima revisão:

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENFERMAGEM DE RIBEIRÃO PRETO ENFERMAGEM GERAL E ESPECIALIZADA CRONOGRAMA DA DISCIPLINA

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENFERMAGEM DE RIBEIRÃO PRETO ENFERMAGEM GERAL E ESPECIALIZADA CRONOGRAMA DA DISCIPLINA CURSO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENFERMAGEM DE RIBEIRÃO PRETO ENFERMAGEM GERAL E ESPECIALIZADA CRONOGRAMA DA DISCIPLINA - 2016 BACHARELADO EM ENFERMAGEM (X) BACHARELADO E LICENCIATURA EM ENFERMAGEM

Leia mais

Como fazer uma drenagem linfática em você mesma sem sair de casa

Como fazer uma drenagem linfática em você mesma sem sair de casa Como fazer uma drenagem linfática em você mesma sem sair de casa Dica: Para que a massagem seja eficaz tudo vai depender da pressão dos dedos e dos movimentos feitos de forma correta. Primeiro vamos falar

Leia mais

2. Contra indicações relativas: Pacientes hemodinamicamente instáveis e cirurgias urológicas.

2. Contra indicações relativas: Pacientes hemodinamicamente instáveis e cirurgias urológicas. Revisão: 10/07/2013 PÁG: 1 CONCEITO Prática de higiene destinada a identificar pacientes em risco de desenvolver infecção da genitália, do trato urinário ou do trato reprodutivo e assegurar conforto físico.

Leia mais

1. INTRODUÇÃO: CONTEXTO HISTÓRICO. Ignaz Semmelweis

1. INTRODUÇÃO: CONTEXTO HISTÓRICO. Ignaz Semmelweis HIGIENE DAS MÃOS 1. INTRODUÇÃO A higienização das mãos é reconhecida mundialmente como a medida mais simples, de baixo custo e com maior impacto para prevenir as infecções relacionadas à assistência à

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO 1. Titulo: REALIZAÇÃO DE ELETROCARDIOGRAMA (ECG) 2. Definição: Consiste no registro gráfico, impresso em papel milimetrado, que mostra a atividade elétrica do músculo cardíaco através de eletrodos dispostos

Leia mais

1 OBJETIVO: Preparo de cólon para procedimento diagnóstico e cirúrgico.

1 OBJETIVO: Preparo de cólon para procedimento diagnóstico e cirúrgico. 1 de 5 SUMÁRIO 1 OBJETIVO: Preparo de cólon para procedimento diagnóstico e cirúrgico. 2 APLICAÇÃO: Aos pacientes internados e de pronto atendimento com colostomias em alça ou bocas separadas com prescrição

Leia mais

Posições Cirúrgicas. Professor: Eunaldo Dias

Posições Cirúrgicas. Professor: Eunaldo Dias Posições Cirúrgicas Professor: Eunaldo Dias Posições do paciente para cirurgia ou posições cirúrgicas são aquelas em que o paciente é colocado após procedimento anestésico, para ser submetido a intervenção

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2017 Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2017 Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2017 Ensino Técnico Plano de Curso nº 168 Aprovado pela portaria Cetec nº 125 de 03/10/2012. ETEC Sylvio de Mattos Carvalho. Código: 103 Município: Matão Eixo Tecnológico: Ambiente

Leia mais

A. MÉTODOS PARA APLICAÇÃO DE MATERIAL DESINFETANTE

A. MÉTODOS PARA APLICAÇÃO DE MATERIAL DESINFETANTE Agência Nacional de Vigilância Sanitária Portos, Aeroportos e Fronteiras Anexo XI PLANO DE LIMPEZA E DESINFECÇÃO EMBARCAÇÕES MÉTODO I A. MÉTODOS PARA APLICAÇÃO DE MATERIAL DESINFETANTE Técnica de Desinfecção

Leia mais

RECOMENDAÇÕES PARA O ATENDIMENTO DE PACIENTES COM SUSPEITA CLINICA DE PNEUMONIA ASIÁTICA / SRAG SÍNDROME RESPIRATÓRIA AGUDA GRAVE

RECOMENDAÇÕES PARA O ATENDIMENTO DE PACIENTES COM SUSPEITA CLINICA DE PNEUMONIA ASIÁTICA / SRAG SÍNDROME RESPIRATÓRIA AGUDA GRAVE RECOMENDAÇÕES PARA O ATENDIMENTO DE PACIENTES COM SUSPEITA CLINICA DE PNEUMONIA ASIÁTICA / SRAG SÍNDROME RESPIRATÓRIA AGUDA GRAVE A. Chegada do paciente no HUCFF: O fluxo de entrada dos pacientes referenciados

Leia mais

POP - PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO. Processo de Controle de Pragas / Dedetização

POP - PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO. Processo de Controle de Pragas / Dedetização 1 de 6 OBJETIVO Formalizar as atividades relacionadas ao processo de Controle de Pragas / Dedetização, conforme abaixo: 1. PROCEDIMENTO PARA RECEBIMENTO DOS PRODUTOS Receber e conferir os produtos com

Leia mais

Introdução. O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e. humano.

Introdução. O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e. humano. Introdução O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e constituem necessidades básicas do ser humano. Movimentação do paciente Para que o paciente se sinta confortável

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP CAT Nº 032/2010

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP CAT Nº 032/2010 PARECER COREN-SP CAT Nº 032/2010 Assunto: Lavagem Intestinal 1. Do fato Solicitado parecer por enfermeira sobre a competência dos membros da equipe de enfermagem para realização da lavagem intestinal e

Leia mais

TÉCNICAS DE CURATIVOS

TÉCNICAS DE CURATIVOS TÉCNICAS DE CURATIVOS Tipos de Curativos: O Tipo de curativo a ser realizado varia de acordo com: a Natureza Localização Tamanho da ferida. Tipos de Curativos: Em alguns casos é necessária uma compressão,

Leia mais

Massagem Shantala Método de massagem para o bebé

Massagem Shantala Método de massagem para o bebé Massagem Shantala Método de massagem para o bebé Preparativos Para a massagem você vai precisar de: - um produto emoliente (como óleo), de uso exclusivo infantil e dermatologicamente testado pode ser óleo

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENFERMAGEM DE RIBEIRÃO PRETO DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM GERAL E ESPECIALIZADA

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENFERMAGEM DE RIBEIRÃO PRETO DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM GERAL E ESPECIALIZADA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENFERMAGEM DE RIBEIRÃO PRETO DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM GERAL E ESPECIALIZADA DISCIPLINA ERG 0343 ü Carga horária: 120 horas ü Créditos aula: 08 créditos ü Número de

Leia mais

Recomendações Para Gestantes e Recém-natos

Recomendações Para Gestantes e Recém-natos Recomendações Para Gestantes e Recém-natos Amamentar é um ato de amor e carinho Protege o bebê contra infecções, tanto por ser rico em fatores de defesa, como por não necessitar de bicos artificiais que

Leia mais

Você sabe lavar as mãos? Introdução. Materiais Necessários

Você sabe lavar as mãos? Introdução. Materiais Necessários Intro 01 Introdução Será que quando você lava as mãos você consegue realmente eliminar os microorganismos presentes na pele? Veja a seguir como você pode conferir isso. Cadastrada por Raquel Silva Material

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE LIMPEZA:

PROCEDIMENTOS DE LIMPEZA: CLÍNICAS: 1. Recolher o lixo todos os turnos 2. Teto (1x por semana) 3. Paredes (1x por semana) - Com água e sabão utilizando esponja ou pano - Limpar pia e bancadas com água e sabão e depois hipoclorito

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO DE ENFERMAGEM POP CDC Nº041 DATA: 28/07/2014. Revisão: 00 PÁG: 1

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO DE ENFERMAGEM POP CDC Nº041 DATA: 28/07/2014. Revisão: 00 PÁG: 1 Revisão: 00 PÁG: 1 CONCEITO Consiste na coleta de secreção através de swab para exames diagnósticos e/ou para pacientes com suspeita de colonização por germes multirresistentes. FINALIDADE Obter secreção

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO 1. Título: INSTALAÇÃO E CUIDADOS COM A TELEMETRIA 2. Definição: Consiste na monitorização eletrocardiográfica contínua por meio da telemetria. 3. Objetivo: É a monitorização eletrocardiográfica, através

Leia mais

EDITAL DE LICITAÇÃO PREGÃO PRESENCIAL Nº 17/2014

EDITAL DE LICITAÇÃO PREGÃO PRESENCIAL Nº 17/2014 87.590.998/0001-00 Página 1 de 6 Tipo de Julgamento: Menor Preço por Sub. Qtde. Unid. Descrição Marca/Modelo Valor Valor Total 1 167,00 CX ÁGUA SANITÁRIA 1 LITRO CX C/ 12 UNID 2 103,00 CX ALCOOL 90,8%

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança. Habilitação Profissional: Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

Roteiro. Unidade: Promoção e manutenção das necessidades básicas de saúde e avaliação da capacidade de autocuidado.

Roteiro. Unidade: Promoção e manutenção das necessidades básicas de saúde e avaliação da capacidade de autocuidado. UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENFERMAGEM DE RIBEIRÃO PRETO DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM GERAL E ESPECIALIZADA DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM 2017 Roteiro Unidade: Promoção e manutenção das necessidades

Leia mais

TREINAMENTO AUXILIARES DE TRANSPORTE CEPEP-ISGH 2014

TREINAMENTO AUXILIARES DE TRANSPORTE CEPEP-ISGH 2014 TREINAMENTO AUXILIARES DE TRANSPORTE CEPEP-ISGH 2014 INTRODUÇÃO A transferência e a mobilização de pacientes deve ser realizada cuidadosamente por um profissional que tenha o conhecimento das áreas corporais

Leia mais

Orientações domiciliares para paciente com. Nutrição Enteral

Orientações domiciliares para paciente com. Nutrição Enteral Orientações domiciliares para paciente com Nutrição Enteral Comissão de Suporte Nutricional Serviço de Nutrologia Serviço de Nutrição e Dietética Serviço de Enfermagem Programa de Apoio à Família do Seped

Leia mais

Controle de Qualidade de Alimentos 1º Módulo

Controle de Qualidade de Alimentos 1º Módulo VIVIAN PUPO DE OLIVEIRA MACHADO Nutricionista (Unoeste) Especialista em Saúde Coletiva (UEL) Especialista em Educação Inclusiva (Facol) Mestranda em Agronomia/Produção Vegetal (Unoeste) Controle de Qualidade

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO 1. Título: ACESSO VENOSO PERIFÉRICO 2. Definição: Consiste na punção de uma veia periférica para administração de soluções parenterais. 3. Objetivos: Proporcionar uma via de acesso pérvio para administração

Leia mais

Medidas de precaução

Medidas de precaução Medidas de precaução INFLUENZA A (H1N1) GGTES - Gerência-Geral de Tecnologia em Serviços de Saúde Medidas de Precaução Precauções Padrão Precauções Baseadas na Transmissão: contato gotículas aerossóis

Leia mais

PIE Data: 01/10/2010 Revisão:

PIE Data: 01/10/2010 Revisão: UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO Diretoria de Enfermagem Plano De Intervenções De Enfermagem BANHO DIARIO E CUIDADOS AO CLIENTE INTERNADO 1-Conceito: É a higienização corporal diária do cliente

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Nº: 16/2014 Data de emissão: Jan/2014 Setor Tipo TAREFA Executante Resultados esperados Recursos necessários Periodicidade PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Revisão: 01 Data revisão: 18/02/2014 Centro de

Leia mais

POP 1: PARA DESCONGELAMENTO DE CARNE

POP 1: PARA DESCONGELAMENTO DE CARNE Revisão 00 POP 1: PARA DESCONGELAMENTO DE CARNE RETIRAR A CARNE DO CONGELADOR COM ANTECEDÊNCIA ; COLOCAR EM UM RECIPIENTE ; DEIXAR DENTRO DA GELADEIRA POR NO MÁXIMO 72 HS. >RESPONSÁVEL: Manipulador. >

Leia mais

Ética, Biossegurança e Cinemática do Trauma

Ética, Biossegurança e Cinemática do Trauma Ética, Biossegurança e Cinemática do Trauma Respeitar o modo e a qualidade de vida do traumatizado. Respeitar a privacidade e a dignidade do paciente, evitando sua exposição desnecessária. Biossegurança

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO DE LENTES DE CONTATO HIDROFÍLICAS (GELATINOSAS) DESCARTÁVEIS OU DE TROCA ANUAL

MANUAL DO USUÁRIO DE LENTES DE CONTATO HIDROFÍLICAS (GELATINOSAS) DESCARTÁVEIS OU DE TROCA ANUAL MANUAL DO USUÁRIO DE LENTES DE CONTATO HIDROFÍLICAS (GELATINOSAS) DESCARTÁVEIS OU DE TROCA ANUAL As lentes gelatinosas descartáveis ou de troca anual são fabricadas em grande diversidade de tipos. Em função

Leia mais

FINALIDADE Realizar avaliação física do sistema cardiovascular e fornecer dados para determinar o estado de saúde de paciente.

FINALIDADE Realizar avaliação física do sistema cardiovascular e fornecer dados para determinar o estado de saúde de paciente. Revisão: 06/02/2014 PÁG: 1 CONCEITO É a força exercida sobre as paredes de uma artéria pelo sangue que pulsa sob a pressão do coração. O pico de pressão máxima ocorre no momento da ejeção, denominada de

Leia mais

EDITAL DE LICITAÇÃO PREGÃO PRESENCIAL PARA REGISTRO DE PREÇO Nº 9/2015

EDITAL DE LICITAÇÃO PREGÃO PRESENCIAL PARA REGISTRO DE PREÇO Nº 9/2015 Página 1 de 6 Tipo de Julgamento: Menor Preço por Sub. Qtde. Unid. Descrição Marca/Modelo Valor Valor Total 1 140,00 CX ÁGUA SANITÁRIA 1 LITRO CX C/ 12 UNID 2 91,00 CX ALCOOL ETILICO 92.8% CAIXA C/12UN

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO 1. Titulo LIMPEZA MANUAL DE ARTIGOS MÉDICOS HOSPITALARES 2. Definição: Remoção de sujidades orgânicas e inorgânicas, redução da carga microbiana presente nos produtos para saúde, utilizando água, detergentes,

Leia mais

Solução anti-séptica

Solução anti-séptica PROTOCOLO DE DEMONSTRAÇÃO E TREINO PROTOCOLO: ADMINISTRAÇÃO DE TERAPÊUTICA POR: VIA ENDOVENOSA (EV) OBJECTIVO Que os alunos observem e manipulem o material indicado na realização de uma injecção endovenosa,

Leia mais

CONCEITO Consiste na coleta de urina excretada durante o período de 24 horas em um recipiente de plástico, limpo e com tampa.

CONCEITO Consiste na coleta de urina excretada durante o período de 24 horas em um recipiente de plástico, limpo e com tampa. Revisão: 00 PÁG: 1 CONCEITO Consiste na coleta de urina excretada durante o período de 24 horas em um recipiente de plástico, limpo e com tampa. FINALIDADE Obter material a fim de avaliar e diagnosticar

Leia mais

LABORATÓRIO DE PRÁTICAS EM ENFERMAGEM SUGESTÕES DE MATERIAIS PARA AULAS PRÁTICAS

LABORATÓRIO DE PRÁTICAS EM ENFERMAGEM SUGESTÕES DE MATERIAIS PARA AULAS PRÁTICAS LABORATÓRIO DE PRÁTICAS EM ENFERMAGEM SUGESTÕES DE MATERIAIS PARA AULAS PRÁTICAS Conteúdo Higiene e Conforto Bacia inox Biombo Camisola Compressa Cuba rim Fronha Hamper Jarra de inox Lençol de baixo Lençol

Leia mais

ROTEIRO DE VISITA PARA UNIDADES HOSPITALARES. Instruções para a utilização do roteiro de visita para unidades hospitalares

ROTEIRO DE VISITA PARA UNIDADES HOSPITALARES. Instruções para a utilização do roteiro de visita para unidades hospitalares 1 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENFERMAGEM DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM EM SAÚDE COLETIVA Disciplina 070205 Enfermagem e Biossegurança ROTEIRO DE VISITA PARA UNIDADES HOSPITALARES Instruções para a

Leia mais

Evitar o uso de bebidas alcoólicas nas 48 horas que antecedem a cirurgia. Não utilizar qualquer medicação sem orientação médica.

Evitar o uso de bebidas alcoólicas nas 48 horas que antecedem a cirurgia. Não utilizar qualquer medicação sem orientação médica. Abdominoplastia Não utilizar qualquer medicação sem orientação médica. Não tomar na semana anterior a cirurgia qualquer medicação que contenha ácido acetil salicílico (AAS, Bufferin, Aspirina), Ginseng,

Leia mais

CHECKLIST ETAPAS DO EXAME FÍSICO, RECOLHA DE VESTÍGIOS E FOTODOCUMENTAÇÃO

CHECKLIST ETAPAS DO EXAME FÍSICO, RECOLHA DE VESTÍGIOS E FOTODOCUMENTAÇÃO CHECKLIST ETAPAS DO EXAME FÍSICO, RECOLHA DE VESTÍGIOS E FOTODOCUMENTAÇÃO NOTA: Os passos e procedimentos indicados são meramente de orientação e não obrigatórios, devendo ser adaptados ao caso concreto.

Leia mais

HIGIENE E CUIDADOS GERAIS

HIGIENE E CUIDADOS GERAIS HIGIENE E CUIDADOS GERAIS Muitas atividades rotineiras de enfermagem manutenção de acesso venoso, troca de fralda, retirada de compressa, posicionamento da criança na cama, etc, apresentam potencial para

Leia mais

POSICIONAMENTO CIRÚRGICO

POSICIONAMENTO CIRÚRGICO POSICIONAMENTO CIRÚRGICO O posicionamento cirúrgico é uma arte, uma ciência e também um fator chave no desempenho do procedimento seguro e eficiente, por meio da aplicação de conhecimentos relacionados

Leia mais

ASPECTOS BÁSICOS DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NO ATENDIMENTO DA NECESSIDADE DO CUIDADO COM O REVESTIMENTO CUTÂNEO-MUCOSO EM PACIENTE HOSPITALIZADO

ASPECTOS BÁSICOS DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NO ATENDIMENTO DA NECESSIDADE DO CUIDADO COM O REVESTIMENTO CUTÂNEO-MUCOSO EM PACIENTE HOSPITALIZADO ASPECTOS BÁSICOS DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NO ATENDIMENTO DA NECESSIDADE DO CUIDADO COM O REVESTIMENTO CUTÂNEO-MUCOSO EM PACIENTE HOSPITALIZADO Wanda de Aguiar Horta * HORTA, W.A. - Aspectos básicos

Leia mais

TAl CHI CHUAN -SQN 104/105

TAl CHI CHUAN -SQN 104/105 1 -CRISTO REDENTOR (abraço universal) 2- SAUDAÇÃO ORIENTAL (respeito e humildade) 3 -MEDITAÇÃO TAl CHI CHUAN -SQN 104/105 PARTE I - ALONGAMENTO 4 -ROT AÇÃO DO TRONCO 1. Abrir mãos alternadas (acompanhar

Leia mais

Você já vivenciou a experiências de não poder tomar banho, por falta de água? Você já precisou tomar banho no leito hospitalar?

Você já vivenciou a experiências de não poder tomar banho, por falta de água? Você já precisou tomar banho no leito hospitalar? Você já vivenciou a experiências de não poder tomar banho, por falta de água? Você já precisou tomar banho no leito hospitalar? Temos a solução Foi desenvolvido em 1989 pela No Rinse Lab. em Ohio, USA.

Leia mais

Setor: Todos os setores Responsável pela prescrição do POP Médico, Enfermeiro Responsável pela execução do POP Auxiliar ou Técnico em Enfermagem

Setor: Todos os setores Responsável pela prescrição do POP Médico, Enfermeiro Responsável pela execução do POP Auxiliar ou Técnico em Enfermagem PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO POP N 22 Título: Verificação da Pressão Arterial em Área de Aplicação: Obstetrícia Adultos Setor: Todos os setores Responsável pela prescrição do POP Médico, Enfermeiro

Leia mais

Etec Monsenhor Antonio Magliano. Plano de Trabalho Docente Habilitação Profissional Técnica de Nível Médio de Técnico em Enfermagem

Etec Monsenhor Antonio Magliano. Plano de Trabalho Docente Habilitação Profissional Técnica de Nível Médio de Técnico em Enfermagem Etec Monsenhor Antonio Magliano Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETE MONSENHOR ANTONIO MAGLIANO Código: 088 Município: GARÇA- SP Eixo Tecnológico: SAÚDE Habilitação Profissional Técnica de

Leia mais

Processo Seletivo Técnico de Enfermagem INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DA PROVA (LEIA ATENTAMENTE!)

Processo Seletivo Técnico de Enfermagem INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DA PROVA (LEIA ATENTAMENTE!) Processo Seletivo Técnico de Enfermagem Nome: Nota: 1. A prova é individual sem consulta. INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DA PROVA (LEIA ATENTAMENTE!) 2. O candidato deverá preencher o gabarito com caneta azul

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCO DE QUEDA

GERENCIAMENTO DE RISCO DE QUEDA 1 de 5 PROTOCOLO Data de Emissão: Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autores 1.00 Proposta inicial MGO,ESS,MRM,PAD,GAA,FCA,AMR,RRM 1 Objetivo Implantar um processo de assistência

Leia mais

Limpeza Diária de Escritórios

Limpeza Diária de Escritórios Limpeza Diária de Escritórios Cartões de procedimento Se você tiver perguntas, comentários ou precisar encomendar novamente este conjunto de cartões, ligue para -800-558-2332. Início Verifique se o seu

Leia mais

Clareamento corporal ( Total V: 238,14 )

Clareamento corporal ( Total V: 238,14 ) Clareamento corporal ( Total V: 238,14 ) V: 37,54 V: 39,27 V: 60,12 V: 34,11 V: 34,11 V:33,00 1-Aloe Liquid Soap (cód 38) 2-Forever Aloe Scrub (cod 60) 3-Forever Marine Mask (cod 234) 4-Aloe Vera Gelly

Leia mais

TREINAMENTO TEÓRICO CURSO: PRIMEIROS SOCORROS - BÁSICO (40 HORAS)

TREINAMENTO TEÓRICO CURSO: PRIMEIROS SOCORROS - BÁSICO (40 HORAS) UNIDADE: 13 CONTUSÃO TREINAMENTO TEÓRICO CURSO: PRIMEIROS SOCORROS - BÁSICO (40 HORAS) MODALIDADE: ONLINE 13.01 CONTUSÃO A contusão é uma lesão sem o rompimento da pele, tratando-se de uma forte compressão

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Centros de Saúde Assistencial

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Centros de Saúde Assistencial Nº: 45/2014 Data de emissão: Julho/2014 Setor Tipo TAREFA Executante Resultados esperados Recursos necessários PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Centros de Saúde Assistencial Curativo de ferida crônica Revisão:

Leia mais

COMO FAZER ESCOVA PROGRESSIVA. Para obter um bom resultado usar um secador de 2100 watts e prancha de 230 graus.

COMO FAZER ESCOVA PROGRESSIVA. Para obter um bom resultado usar um secador de 2100 watts e prancha de 230 graus. ESCOVA PROGRESSIVA COMO FAZER ESCOVA PROGRESSIVA Para obter um bom resultado usar um secador de 2100 watts e prancha de 230 graus. Passo 1 - Os cabelos devem ser lavados 2 vezes normalmente com shampoo

Leia mais

11/03/2011. Elaboração de Alimentos. Ministério da Agricultura

11/03/2011. Elaboração de Alimentos. Ministério da Agricultura Regulamentação Boas Práticas de Fabricação Ministério da Agricultura Portaria Nº 368 4 de Setembro de 1997 Regulamento técnico sobre as condições higiênico-sanitárias e de boas práticas de elaboração para

Leia mais

Precauções básicas e equipamento de proteção individual

Precauções básicas e equipamento de proteção individual Precauções básicas e equipamento de proteção individual Vacinação 1 Normas de higiene Todos os profissionais devem manter uma boa higiene pessoal. As unhas devem ser mantidas curtas e limpas. Não se devem

Leia mais

Semiotécnica- Prof: Renato de Oliveira Capitulo 2 Sinais vitais,banho no leito,arrumação de leito SINAIS VITAIS

Semiotécnica- Prof: Renato de Oliveira Capitulo 2 Sinais vitais,banho no leito,arrumação de leito SINAIS VITAIS Semiotécnica- Prof: Renato de Oliveira Capitulo 2 Sinais vitais,banho no leito,arrumação de leito SINAIS VITAIS Sinais vitais são aqueles que evidenciam o funcionamento e as alterações da função corporal.

Leia mais

Instruções para usar os Filmes de Treinamento para as sessões de instrução sobre infecções relacionadas à assistência à saúde e higienização das mãos

Instruções para usar os Filmes de Treinamento para as sessões de instrução sobre infecções relacionadas à assistência à saúde e higienização das mãos Instruções para usar os Filmes de Treinamento para as sessões de instrução sobre infecções relacionadas à assistência à saúde e higienização das mãos para profissionais de saúde e observadores CENÁRIOS

Leia mais

Transferências, Mobilidade e Posicionamentos

Transferências, Mobilidade e Posicionamentos Transferências, Mobilidade e Posicionamentos UC: Envelhecimento Patológico e Intervenção Geriátrica Docente: Marília Rua Discentes: Adriana Ramos (80502) Inês Alves (80465) João Sanches (80490) Pedro Teixeira

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Nº: 18/2014 Data de emissão: Março/2014 Setor Tipo TAREFA Executante Resultados esperados Recursos necessários Periodicidade PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Revisão: 01 Data revisão: Centros de Saúde Assistencial

Leia mais

ESTOMATERAPIA- CUIDADOS AOS PORTADORES DE LESÕES DE PELE

ESTOMATERAPIA- CUIDADOS AOS PORTADORES DE LESÕES DE PELE Revisão: 23/03/2014 PÁG: 1 CONCEITO Consiste na implementação de cuidados de enfermagem sistematizados à pacientes, internados; em consultas ambulatoriais; e/ou em atendimento pelo Plantão geral, que necessitem

Leia mais

1 NORMAS DE CONDUTA. Apresentação. Comportamento Ético. Comportamento Profissional. O que não devemos fazer

1 NORMAS DE CONDUTA. Apresentação. Comportamento Ético. Comportamento Profissional. O que não devemos fazer 1 MISSÃO: Fornecer condições de atendimento em ambiente limpo, seguro, agradável e confortável, agregando valor aos processos técnicos e assistenciais, na busca pela satisfação do cliente. 2 3 1 NORMAS

Leia mais

PROTOCOLO DE ROTINAS EM ENFERMAGEM SCIH

PROTOCOLO DE ROTINAS EM ENFERMAGEM SCIH 1. Definição Manejo do Paciente Transferido de outro serviço de saúde 1.1 Procedimento que sistematiza o manejo dos pacientes provenientes de outros serviços de saúde suspeitos ou confirmados de estarem

Leia mais

Exame físico: Considerações iniciais

Exame físico: Considerações iniciais Semiologia e Semiotécnia em Enfermagem I Aula 2 Introdução ao Exame Físico Prof. Ricardo Mattos Bibliografia de referência: ANDRIS, DA, Cap. 2 POSSO, MBS, Cap. 1 UNIG, 2009.1 Exame físico: Considerações

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. Restrição de pacientes *

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. Restrição de pacientes * 1 CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO São Paulo, março de 2009. Restrição de pacientes * A restrição de pacientes refere-se a qualquer dispositivo ou ação que interfere na habilidade do cliente

Leia mais

Curso Higienização Hospitalar

Curso Higienização Hospitalar Associação Brasileira de Formação e Desenvolvimento Social - ABRAFORDES www.cursosabrafordes.com.br DICA: Tecle Ctrl+s para salvar este PDF no seu computador. Curso Higienização Hospitalar Lição 01: Definições

Leia mais

Intervenção: Cuidar da higiene 1 do lactente

Intervenção: Cuidar da higiene 1 do lactente Intervenção: Cuidar da higiene 1 do lactente (consiste em lavar e secar o corpo ou partes do corpo do lactente, trocar de roupa e cuidar dos cabelos e unhas) Objectivos: Promover conforto do lactente,

Leia mais

TRANSPOSIÇÃO E POSICIONAMENTO DO PACIENTE NA MESA CIRÚRGICA

TRANSPOSIÇÃO E POSICIONAMENTO DO PACIENTE NA MESA CIRÚRGICA 1 de 7 PROTOCOLO Data de Emissão: Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autores 1.00 Proposta inicial MDS, DAL,IPAM,MMS 1 Objetivo Promover o acesso ao sítio cirúrgico de forma

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PADRONIZADOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PADRONIZADOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PADRONIZADOS NOME DO PROCEDIMENTO Ref.: POP-001/09-0 Revisão: 00 Emissão: Setembro Qtde. Pág.: 14 INTRODUÇÃO 1) Dispõe sobre o Regulamento Técnico

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso nº 168 aprovado pela portaria Cetec nº 125 de 03/10/2012 Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO HOSPITAL DE CLÍNICAS COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO HOSPITAL DE CLÍNICAS COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR RECOMENDAÇÕES PARA LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS, SUPERFÍCIES E MATERIAIS HOSPITALARES Umidificador Água e sabão + Termodesinfecção 24h Enxaguar abundantemente Bandejas Diariamente

Leia mais

Esterilização de Materiais Hospitalares Ltda. Fone/fax:

Esterilização de Materiais Hospitalares Ltda. Fone/fax: BANCO CENTRAL DO BRASIL Srª Pregoeira Larissa Pereira Pelaquim Licitação na modalidade Pregão nº 49/2015 A empresa ESTERILAV Esterilização de Materiais Hospitalares Ltda., inscrita no CNPJ sob o n.º 00.814.860/0001-69,

Leia mais

NISTATINA + ÓXIDO DE ZINCO

NISTATINA + ÓXIDO DE ZINCO NISTATINA + ÓXIDO DE ZINCO Brainfarma Indústria Química e Farmacêutica S.A. Pomada 100.000UI/g + 200mg/g I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO NISTATINA + ÓXIDO DE ZINCO Medicamento genérico Lei nº 9.787, de

Leia mais

COMO LIMPAR VIDROS E ESPELHOS SEM DEIXAR MANCHAS

COMO LIMPAR VIDROS E ESPELHOS SEM DEIXAR MANCHAS LIMPADOR DE VIDROS COMO LIMPAR VIDROS E ESPELHOS SEM DEIXAR MANCHAS O velho truque caseiro de usar para limpar os vidros pode até surtir algum efeito nas primeiras vezes, mas segundo especialistas, com

Leia mais

Profissional que realiza: Técnico de Enfermagem e Auxiliar de Enfermagem. Material utilizado: detergente enzimático, detergente neutro e álcool á 70%.

Profissional que realiza: Técnico de Enfermagem e Auxiliar de Enfermagem. Material utilizado: detergente enzimático, detergente neutro e álcool á 70%. Divisão de Enfermagem CME Página 1 de 5 Freqüência que é realizado: Diariamente Profissional que realiza: Técnico de Enfermagem e Auxiliar de Enfermagem. Material utilizado: detergente enzimático, detergente

Leia mais

PREVENÇÃO DE INFECCÇÃO ASSOCIADA A CATETER VENOSO CENTRAL / CVC. Data Versão/Revisões Descrição Autor

PREVENÇÃO DE INFECCÇÃO ASSOCIADA A CATETER VENOSO CENTRAL / CVC. Data Versão/Revisões Descrição Autor 1 de 9 Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta inicial FP, MTS, SRPT 1 Objetivo: Prevenir infecção de corrente sanguínea associada a cateter venoso central ()

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO 1. Titulo: INSTALAÇÃO DE HOLTER EM TELEMETRIA 2. Definição: É o registro eletrocardiográfico contínuo durante um período de 24 horas, realizado dentro do ambiente Hospitalar. 3. Objetivos: Identificar

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL MANOEL GUEDES Escola Técnica Dr. Gualter Nunes Habilitação Profissional de Técnico em Enfermagem. Procedimentos Básicos

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL MANOEL GUEDES Escola Técnica Dr. Gualter Nunes Habilitação Profissional de Técnico em Enfermagem. Procedimentos Básicos Prontuário É um conjunto de documentos que: identificam o paciente, registram a evolução da doença, o tratamento prescrito e executado as observações e ações dos profissionais envolvidos os exames realizados,

Leia mais

Contaminação Radioativa

Contaminação Radioativa Contaminação Radioativa Martha Aurélia Aldred agosto 2004 IRRADIAÇÃO / CONTAMINAÇÃO! Irradiação a radiação emitida pela fonte interage à distância com o tecido, transferindo energia que se quantifica como

Leia mais

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS PARA O SERVIÇO DE LIMPEZA ABORDAGEM TÉCNICA E PRÁTICA

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS PARA O SERVIÇO DE LIMPEZA ABORDAGEM TÉCNICA E PRÁTICA FERNANDA MARIA DE BRITO CUNHA FLÁVIO AUGUSTO BERNARDES DA SILVA MARCO ANTONIO CORREA ALFREDO RENATA DE CAMPOS RICCI MANUAL DE BOAS PRÁTICAS PARA O SERVIÇO DE LIMPEZA ABORDAGEM TÉCNICA E PRÁTICA UNIVERSIDADE

Leia mais