Eduardo Luiz de Medeiros. Simon de Montfort e a figura do Vassalo Perfeito na obra Historia Albigeoise, de Pierre des Vaux de Cernay

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Eduardo Luiz de Medeiros. Simon de Montfort e a figura do Vassalo Perfeito na obra Historia Albigeoise, de Pierre des Vaux de Cernay"

Transcrição

1 Eduardo Luiz de Medeiros Simon de Montfort e a figura do Vassalo Perfeito na obra Historia Albigeoise, de Pierre des Vaux de Cernay CURITIBA 2006

2 2 Eduardo Luiz de Medeiros Simon de Montfort e a figura do Vassalo Perfeito na obra Historia Albigeoise, de Pierre des Vaux de Cernay Relatório de docência apresentado à disciplina de Prática de Ensino e Estágio Supervisionado em História no Ensino Médio do Curso de Bacharelado e Licenciatura em História do Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes da Universidade Federal do Paraná. Professora orientadora: Dr. Fátima Regina Fernandes CURITIBA 2006

3 3 Para Meiry.

4 4 Agradecimentos Agradeço primeiramente a Deus pela sabedoria concedida, a minha esposa Meiry, sem a qual o desânimo e o cansaço teriam me vencido, a professora orientadora Fátima Regina Fernandes pela confiança e aposta neste projeto, onde visualizava um resultado que nem mesmo eu possuía da conclusão do trabalho; e aos amigos Daniel e Andrea pelo apoio e auxílio nos momentos difíceis. A todos aqueles que contribuíram direta ou indiretamente, para este trabalho, meu muito obrigado.

5 Feliz é o homem que acha a sabedoria, e o homem que adquire o conhecimento; porque melhor é o lucro que ela dá do que a prata, e melhor é a sua renda que o ouro mais fino. Provérbios 3:13 e 14 5

6 6 Sumário 1-INTRODUÇÃO O ARGUMENTO LEGITIMADOR AS PRIMEIRAS HERESIAS AS HERESIAS MEDIEVAIS AS ORDENS MONÁSTICAS O CATARISMO IDEOLOGIA FORJADA OU VERDADE CONSTATADA? OS PERSONAGENS FILIPE AUGUSTO LOTARIO DEI CONTI DI SEGNI SIMON DE MONTFORT SIMON DE MONTFORT E PEDRO DE ARAGÃO, VASSALOS DE ROMA A FIGURA DE SIMON DE MONTFORT NA HISTOIRE ALBIGEOISE O VASSALO PERFEITO CARACTERÍSTICAS FÍSICAS CARACTERÍSTICAS CRISTÃS CARACTERÍSTICAS NOBRES CONCLUSÕES PARCIAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXOS... 52

7 7 1-Introdução O estudo do fenômeno conhecido como Cruzadas, é uma tarefa muitas vezes difusa, devido a toda a mística que envolve o tema, vide a recente produção literária que aborda o assunto 1 e a filmografia hollywodiana, que tem valorizado os épicos históricos 2, debruçando-se sobre os conflitos medievais entre cristãos e muçulmanos, séculos antes dos entraves contemporâneos, mostrando que o assunto ainda gera interesse e fascínio entre o público leigo. Ao observarmos este fenômeno, a partir do momento em que ocorre dentro dos domínios da Cristandade, como no episódio ao qual me proponho investigar, qual seja, a Cruzada albigense, percebe-se a singularidade e complexibilidade em buscar apreender elementos que esclareçam ou ao menos auxiliem na clarificação das motivações e personagens envolvidos num conflito desta magnitude. Para tanto, a análise da Cruzada será realizada através da trajetória do líder cruzado, o conde Simon de Montfort, na medida em que, através de sua singularidade, é possível verificar elementos que transpassem a própria Cruzada. Entre estes elementos é possível citar, por exemplo, o desenvolvimento de dois projetos expansionistas antagônicos entre a região norte do território conhecido hoje como França, e o reino de Aragão, na Península Ibérica. Para iniciar esta discussão, proponho a análise de alguns elementos pertinentes ao contexto relativo ao tema proposto, seguido de um olhar mais aproximado da fonte documental intitulada Histoire Albigeoise, escrita pelo monge cisterciense Pierre des Vaux de Cernay. Desenvolvida no formato de crônica, entre 1213 e 1218, é o documento considerado pela historiografia contemporânea como a matriz da visão oficial do conflito 3. Pierre era o sobrinho de Guy, abade do mosteiro de Vaux de Cernay, no sudoeste de Paris, fundado por Simon de Neauphle em 1118 ou A Histoire Albigeoise é uma fonte escrita por um clérigo em formato de crônica como uma elegia a um vassalo real. Entender estes elementos, ou seja: as razões para a escrita da obra e para a exaltação da figura de um personagem que estava à sombra do rei tendo como pano de fundo a Cruzada albigense e o contexto europeu do século XIII, serão 1 - Por exemplo, o best seller de Dan Brown, O Código da Vinci, que faz menção inclusive aos cátaros e aos cavaleiros templários, numa obra ficcional que mescla elementos históricos e um enredo polêmico. 2 - O filme de Ridley Scoot, Cruzada de MACEDO, José Rivair. Heresias, cruzada e inquisição na França Medieval. Porto Alegre: EDIPUCRS, p PIERRE DES VAUX DE CERNAY. Histoire Albigeoise. Traduction par Pascal Guebin et Henri Maisonneuve. Paris: Libraire J. Vrin, p. IX. Deste ponto em diante, a obra será indicada como PVC.

8 8 os alvos deste trabalho. Para tanto, será necessário deslocar o foco da Cruzada e dos hereges apenas, e analisar figuras como o papa Inocêncio III, o rei Felipe Augusto e o rei Pedro II, o católico, numa intrincada rede de ações políticas e projetos antagônicos que auxiliaram na formação da geografia política da Europa. A realização de uma leitura que busque uma visão da obra do monge Pierre des Vaux de Cernay que não contemple apenas a Cruzada albigense ou as doutrinas dos hereges, é a contribuição do presente trabalho para a historiografia. A elevação de Simon de Montfort a um papel central dentro da crônica eclesiástica de Pierre nos levou a conectá-la à formação da proposta de unificação do reino francês, tão díspare em seu território, como a Cruzada e a heresia mostraram ser. A necessidade de um modelo de vassalidade, fé católica, fidelidade ao rei e coragem, faz da Historia Albigeoise uma obra em certa medida de cunho didático, tanto para os habitantes do norte, quanto para os habitantes do Languedoc, que em termos culturais e sociais estavam muito mais associados ao reino de Aragão, que aos domínios de Filipe Augusto. De acordo com a pesquisa realizada, dividimos o presente trabalho em três capítulos principais, os quais vão tratar respectivamente dos seguintes elementos: O argumento legitimador, qual seja a heresia cátara; os personagens, onde discutimos a respeito dos papéis de Filipe Augusto e Inocêncio III no conflito e a existência de um projeto da monarquia francesa apoiado pela Igreja Romana que visava expandir os territórios do norte buscando uma saída para o mar Mediterrâneo; e uma análise da figura de Simon de Montfort. Esta análise acontece em quatro pontos específicos, quais sejam: a descrição de sua participação na Cruzada albigense, suas características físicas, cristãs, nobres e como estas características, na obra de Pierre, corroboram para nossa hipótese de criação de um Vassalo Perfeito que serviria de exemplo tanto para a os servos de um pretenso reino francês unificado, como para a Igreja. Para o primeiro ponto, o desenvolvimento das heresias no contexto europeu dos séculos XII e XIII, optamos por dois trabalhos principais: Heresias Medievais de Nachman Falbel e Reforma na Idade Média, de Brenda Bolton. Na primeira obra, Falbel traça uma síntese das principais heresias que obtiveram repercussão frente à cristandade durante período medieval, como por exemplo, os cátaros, valdenses, beguinos e pseudo-apóstolos. O autor também apresenta clérigos saídos das ordens monásticas que questionavam dogmas da doutrina cristã, como por exemplo, Pedro de Bruys, que negava a santa missa, o

9 9 batismo de crianças, a cruz enquanto símbolo tradicional do cristianismo 5. Além de atentar apenas para a própria descrição dos acontecimentos, é importante perceber como o autor entende os conceitos aos quais nos propomos utilizar em nossa pesquisa. A principal contribuição de Falbel está em sua explicação para o conceito de heresia: A palavra heresia (do grego hairesis, hairen, que significa escolher) acompanhou a vida da Igreja desde os inícios e, para os escritores eclesiásticos o termo designava uma doutrina contrária aos princípios da fé oficialmente declarada. 6 O autor distingue as heresias ocorridas entre os séculos XII e XIII daquelas ocorridas no início do cristianismo como religião oficial no Ocidente, dizendo que estas possuíam um caráter filosófico e teológico, onde os dogmas cristãos eram submetidos ao crivo racional, enquanto as heresias da Idade Média possuíam enquanto características, [...] um cunho popular assentado sobre uma nova visão ética da instituição eclesiástica e do cristianismo como religião vigente na sociedade ocidental. 7 Quando retratar o conceito heresia, estarei me referindo à visão do autor de que as heresias medievais mobilizavam tanto clérigos quanto camponeses e até senhores, num contexto propício para mudanças, sejam elas intelectuais, econômicas ou sociais. Esta percepção está de acordo com a historiografia 8 mais recente sobre o tema. Para o fortalecimento da heresia albigense no sul da França, é necessário analisar o contexto que norteia o Ocidente nos séculos XII e XIII, que diferem, por exemplo, das apreensões percebidas na virada do ano mil 9, bem como nos séculos XIV e XV 10. Na 5 - FALBEL, N. Heresias Medievais. São Paulo: Perspectiva, p FALBEL, N. Op.cit. p FALBEL, N. Op. cit. P As heresias estão catalogadas desde o fim do século II, a lista estereotipada alongou-se e a Idade Média conheceu-a por intermédio de Santo Agostinho (De heresibus, começo do século V: 88 heresias) e do resumo de Isidoro de Sevilha (Etimologias, século VII: 70 heresias).zerner, Monique Heresia. In. LE GOFF, Jaques e SCHMITT, Jean Claude (Org.) Dicionário Temático do Ocidente Medieval. São Paulo: EDUSC, 2002, pp Para maiores informações sobre os séculos X e XI, BLOCH, Marc. A Sociedade Feudal. Lisboa: Edições 70, Desde el tiempo em que el misticismo lírico y dulcemente doloroso de Bernardo de Claraval, había introducido en el siglo XII la fuga de la emocíon florida por la Passíon de Cristo, habíase ido llenando el espíritu, em medida siempre creciente, de uma rendida compassíon por los dolores del Salvador; había llegado a estar totalmente penetrado, saturado de Cristo y la cruz. HUIZINGA, J. El outono de la Edad Media. Madrid: Revista de Ocidente,1930.pp. 66.

10 10 tentativa de buscar hipóteses para a peculiaridade do recorte escolhido, foi analisado o segundo autor proposto para nortear esta pesquisa teoricamente: Brenda Bolton e sua obra, Reforma na Idade Média. A idéia de um período ímpar de mudança no Ocidente neste recorte temporal não surge com Brenda Bolton, aliás, é muito mais antigo 11. Marc Bloch em seu Ocidente Medieval mostra suas ressalvas na utilização do termo Renaissence, 12 numa analogia direta ao movimento italiano do século XV. É neste sentido que consideramos o termo adotado por Bolton, Reformatio, mais adequado em nossa opinião enquanto conceito balizado. Segundo a autora: [...] foi tão grande este fermento espiritual e alterou-se de tal modo a concepção dos homens quanto à vida cristã e sua finalidade no mundo, que alguns historiadores da espiritualidade medieval consideram que esta representa uma mudança tão fundamentalmente profunda e duradoura como a Reforma do século XVI. 13 A base para a Reformatio estaria na profunda crise da cristandade ocidental, onde a mudança no pensamento cristão resultou na mutação da espiritualidade, que por sua vez gerou outras crises que influenciaram todo o conjunto da vida religiosa que libertaram uma efervescência considerável de idéias 14. Esta efervescência une-se ao que Jaques Verger chama de contexto favorável 15. Este breve panorama constitui-se na base do surgimento do catarismo 16, na medida em que, [...] o movimento herético foi um dos aspectos do renascimento religioso da época e, em parte, um subproduto das mudanças culturais, sociais e econômicas dos 11 - Em um livro clássico publicado em 1927, o medievalista americano Charles H. Haskins lançou, para designar este grande movimento de impulso, a expressão de Renascimento do século XII. VERGER, J. Cultura, Ensino e Sociedade no Ocidente nos séculos XII e XIII. Edusc, 2001.pp O aparecimento dos grandes poemas épicos, na França do século XI, pode conceber-se como um dos sintomas precursores que anunciavam o poderoso desenvolvimento cultural do período seguinte. Chamamlhe muitas vezes de Renascença do século XII. Esta fórmula poderá empregar-se se se fixarem as devidas reservas sobre uma expressão que, interpretada à letra, evocaria uma simples ressurreição, em vez de uma mudança: com a condição, no entanto, de não relacionarmos com uma significação cronológica demasiado precisa. BLOCH, Marc. A Sociedade Feudal. Lisboa: Edições 70, BOLTON, Brenda. A Reforma na Idade Média. Século XII. Lisboa, Edições 70, 1983, pp. 13 e BOLTON, Brenda. Op. cit. pp O autor trata de quatro pontos para a existência deste contexto favorável: crescimento demográfico e econômico em geral, desenvolvimento agrícola que sustentou o desenvolvimento urbano, o retorno da economia monetária. Estes fatores favoráveis para a existência de uma intelectualidade medieval, segundo a denominação de LEGOFF, os intelectuais da Idade Média. VERGER, J. Op. cit. pp Cathares, cathari, Kathari, catari, em alemão Ketzer (herético). Também cazari ou gazari. FALBEL, N. Op. cit. pp. 108.

11 11 séculos XI e XII. 17 Para Brenda Bolton, as reações da Igreja a este contexto de mudança são tão importantes quanto às conseqüências representadas pela eclosão das heresias. Neste ponto, a figura do papa Inocêncio III é central. Segundo a autora, [...] ele não só estabeleceu a distinção ou distinctio, entre heréticos irredutíveis e aqueles que eram meramente desobedientes, como também assinalou a suprema insensatez que era excluirse da Igreja tanto os últimos como os primeiros. Com grande perspicácia, habilidade e energia, Inocêncio conseguiu incorporar estes grupos desobedientes na hierarquia da Igreja. 18 O segundo tópico qual seja, Os personagens trata basicamente de duas figuras: Inocêncio III e Filipe Augusto. Foram escolhidos, pois de acordo com minha hipótese de trabalho, a descrição de Simon de Montfort por Pierre, contém em seu âmago, o ideal de dois universos distintos, porém complementares: o guerreiro exemplar e o cristão fiel. Este era o modelo que ambos, Filipe e Lotário, buscavam para si. O papel da Sé Católica no conflito está personificado na pessoa do papa Inocêncio III que assumiu o trono de Pedro entre Considerado pela historiografia católica como um dos maiores papas da Idade Média, foi hábil em unificar o poder de Roma, desgastado após um século de conflitos internos entre monarcas e os nobres de Roma 19. A região do Midi francês, centro da heresia cátara, requereu a atenção do papa devido à simpatia dos nobres locais ao credo herético. Porém, Lotário dei Conti de Segni preferiu a diplomacia onde ela fosse aceita, enviando diversos legados à região, com a missão de devolver os hereges à verdadeira fé. Entre os mais ilustres pregadores enviados por Inocêncio III, encontra-se Domingos de Gusmão, futuro São Domingos. O período de conversações termina com o assassinato do legado papal Pedro de Castelnau, supostamente 17 - FALBEL, N. Op.cit. pp BOLTON, B. Op. cit. pp. 116 e Lotário queria certificar-se que os próximos 100 anos seriam menos turbulentos que os precedentes. Os anos 1100 não tinham sido uma época feliz para os delegados de Cristo. Antes de Inocêncio, onze dos dezesseis pontífices do século XII viram os papas mantidos à força longe de Roma por amotinados, republicanos ou agentes de reinos distantes. A comuna romana, liderada Por Arnold de Brescia na metade do século, foi um episódio particularmente vívido em um pesadelo recorrente. Em 1145, o papa Lúcio II morreu por conta de ferimentos sofridos em uma batalha pelo controle do Capitólio; trinta anos antes, um fraco e velho Gelásio II foi posto sentado em uma mula e forçado a suportar as zombarias de seus inimigos. Antipapistas eram freqüentemente eleitos pelos clãs romanos rivais e por homens da Igreja que serviam ao imperador germânico, que representavam a única ameaça maior à idependência do papado.

12 12 a mando do conde de Tolouse Raimundo VI, em 14 de Janeiro de , dando início à Cruzada albigense, legitimada pela carta papal endereçada à nobreza do norte da França. 21 Para a análise de Inocêncio em meu trabalho utilizei o clássico francês. Innocent III la croisade des albigeois., de Achille Luchaire, escrito em Filipe Augusto é descrito pela historiografia apenas pela sua disputa com os reis plantagenetas, os quais derrotou em É importante salientar que o projeto expansionista de Filipe possuía outra frente de suma importância para o reino francês: uma saída para o Mediterrâneo. A dificuldade para alcançar este objetivo estava no território do Languedoc que se interpunha a Filipe. Os grandes feudos da região como Béziers, Carcassome e Toulouse eram regidos por vassalos do rei de Aragão, Pedro II. Filipe encontrou na Cruzada, a oportunidade de estabelecer sua hegemonia sobre a região, através da criação de laços de matrimônio entre as nobres locais com senhores do norte, destruindo desta forma a unidade dos feudos, que fortaleciam a região. Conforme as cidades eram conquistadas pelos cruzados, estes casamentos foram estabelecidos. Após as guerras cátaras, a antiga identidade do sul praticamente desapareceu, sendo toda a região do Midi sujeitada à Paris, concretizando assim, o projeto de Filipe Augusto. O projeto expansionista do rei francês está descrito na obra de Stephen O Shea, intitulada, A heresia perfeita: A vida e a morte revolucionária dos cátaros na Idade Média, uma das referências para o desenvolvimento de meu trabalho. O terceiro capítulo é uma análise da figura do líder cruzado Simon de Montfort, numa tentativa de verificar se a hipótese da criação da figura de um Vassalo Perfeito seria pertinente ao contexto descrito por Pierre des Vaux de Cernay. Para tanto, consideramos como ponto de partida, o pressuposto de que para criar um modelo, devem ser adotados parâmetros existentes no contexto ao qual o escritor está inserido. Na introdução crítica da fonte, os autores da tradução revelam um fator de suma importância para este raciocínio, qual seja, a leitura dos escritos de Bernardo de Claraval por Pierre des Vaux de Cernay PVC. Op. cit. Cap. 55 p. 25. A près ce bref prèliminaire sur les predicateurs de la parole de Dieu, venor-en avec l`aide du Siegneur, au martyre de cet homme venerable, de ce vigoureux champion, frére Pierre de Castelnau PVC. Op. cit. Cap.56 p.25 Innocent évêque, serviteur dês serviteurs de Dieu, à nos fils bien-aimés lês nobles hommens, comte set barons et à tous lês habitnats dês provinces de Narbonne, Embrum, Aix et béne diction apostolique. 22 La Bibliothèque comprenait aussi des oeuvres relativement contemporaires de Saint Anselme, Yves de Chartres, Hugues de Saint Victor, Pierre Lombard. En bonne place figuraient évidemment lês traités, commentaries et sermons de Saint Bernard. PVC Op. cit. pp. X.

13 13 Nas obras completas de São Bernardo, foi encontrada uma apologia a uma casta de guerreiros superiores aos cavaleiros comuns, na medida em que os Templários possuíam, para Bernardo, o melhor de dois mundos: eram guerreiros temporais e espirituais. 23 Partindo do cruzamento de minha fonte primária com a obra de Bernardo de Claraval, encontrei três categorias qualitativas ao entorno da descrição de Simon: aspectos físicos, nobres e cristãos. As características físicas descritas apontam para um ideal de beleza, que em meu estudo está em conformidade com o conteúdo literário da Provença do século XII, onde a descrição do herói desprovido de falhas físicas era um sinal da Providência Divina favorável. Outro fator para a descrição física detalhada de Simon por Pierre está de acordo com a narrativa bíblica de heróis guerreiros como Absalão, Davi ou Sansão, todos retratados como homens perfeitos. Quanto às características nobres de Simon, Pierre retrata inúmeras situações onde a coragem do cavaleiro é provada, além de sua compaixão e senso de justiça. Este léxico moral estava inserido no imaginário de cavalaria, que incluía ainda o caráter do amor cortês. Esta característica estava descrita em Simon, na medida em que sua esposa, a condessa Alice de Montgomercy, é uma figura sempre presente nas conquistas do marido. Simon é descrito como esposo fiel, enquanto seus adversários, como por exemplo, o conde de Toulouse, é retratado como pervertido e poligâmico. Nas características religiosas, percebem-se todas as qualidades de um cristão fiel, como fé, fidelidade à Igreja e seus líderes e respeito inexorável pela ortodoxia católica. Toda descrição destas características converge para corroborar com minha hipótese da criação de um vassalo Perfeito, que servisse como um exempla tanto para a monarquia francesa em formação, como para a Igreja que precisava fortalecer seu vínculo com o século, na medida em que o papado buscava aumentar sua hegemonia no século através da Teocracia Papal. Para que estes pontos fossem aprofundados em meu trabalho, algumas obras foram de suma importância e merecem menção. Para uma melhor compreensão do conflito armado intitulado Cruzada albigense, duas obras foram fundamentais: A heresia Perfeita A vida e a morte revolucionária dos cátaros na Idade Média, de Stephen O shea, e Atlas de los Cátaros, organizado por Jesus Mestre Campi. Em a heresia Perfeita, O shea 23 De los caballeros de Jesus Cristo, pues combaten solamente por los interesses de su Señor, sin temor de incurrir en algún pecado por la muerte de sus enemigos ni en peligros ninguno por la suya propia, porque la muerte que se da o recibe por amor de Jesus Cristo, muy lejos de ser criminal, es digna de mucha gloria. CLARAVAL, Bernardo de. Obras Completas, Tomo II. Madrid: Biblioteca de los autores cristianos, pp. 857

14 14 descreve todos os nuances pertinentes à Cruzada, auxiliando na compreensão do contexto mais amplo sobre os eventos do Languedoc. A existência de dois projetos expansionistas dirigidos por Filipe Augusto de França de um lado, e Pedro II de Aragão de outro, está de acordo com a obra de O shea. A segunda obra foi de grande valia para ambientar a pesquisa aos espaços territoriais envolvidos, como, por exemplo, verificar qual o território pertencente ao norte francês, qual a delimitação do Midi francês e a região de Aragão. Outros textos de relevância no amadurecimento de conceitos pertinentes à pesquisa merecem menção. A obra de José Rivair Macedo, Heresia, Cruzada e Inquisição na França Medieval, única obra encontrada sobre o tema na historiografia brasileira, auxiliou na percepção da construção da memória histórica sobre a heresia cátara. Na compreensão do conceito e dos preceitos de cavalaria de Pierre, foram utilizadas duas obras. O verbete cavalaria de Jean Flori, no já citado Dicionário Temático da Idade Média contraposto com o clássico sobre o tema de Leon Gautier, La chevalerie. Ambos foram importantes no sentido de compreender a noção de cavalaria no universo no qual o cronista Pierre estava inserido, para então, transpô-lo aos seus escritos. Foi necessário também buscar textos que auxiliassem na compreensão das relações vassálicas entre senhor e vassalo, bastante presente na Crônica albigense. Para tanto, Sociedade Feudal de Marc Bloch e Senhorio e Feudalidade na Idade Média foram as obras escolhidas para suprir este vácuo. Por fim, a fonte utilizada em nossa pesquisa é a Historia Albigeoise, de Pierre des vaux-de-cernay. Foi traduzida para o francês por Pascal Guébin e Henri Maisonneuve em 1951 do original contido na Patrologia Latina: História Albigensium et Sacribelli in eos anno 1209 suspect Duce et Príncipe Simone de Monforti, crônica de Petri monachi coenobii Valium Cernaii. Utilizamos esta tradução por ser a mais conhecida pela historiografia relacionada ao tema. O título original nos fornece uma pista de nossa proposta de trabalho, ao incluir o nome de Simon de Monfort, suprimida pela versão francesa. A fonte possui 621 capítulos divididos em três partes principais que possuem subdivisões internas. A primeira parte intitulada Os hereges, está contida entre os capítulos 5 e 19, trata das práticas consideradas heréticas e suas doutrinas, com ênfase na proteção dos senhores do sul francês aos hereges. A segunda parte, Os pregadores, contempla os capítulos 20 até 54. Mostra o envio de missionários até a região em conflito por parte do papa Inocêncio III e a ineficácia na conversão dos hereges. A terceira e última parte do documento, As Cruzadas é também a mais extensa: 557 capítulos subdivididos em 12 partes. Tem como objetivo descrever a Cruzada albigense em todos os seus pormenores, além de exaltar a figura do cavaleiro Simon de Monfort ao mesmo tempo em que deprecia

15 15 o conde de Toulouse, personificação do verdadeiro perigo da heresia para a Igreja: uma nobreza que apoiasse os hereges e desse suporte a ela, diminuindo o poder eclesiástico nas áreas de sua influência, neste caso, o Midi Francês. 2 O argumento legitimador O primeiro objeto norteador de nossa pesquisa foi o elemento desencadeador da Cruzada albigense, qual seja, o catarismo. Em nossa hipótese, esta heresia representa o argumento legitimador de um projeto que suplanta o fenômeno ocorrido no Midi francês no início do século XIII. Apresentaremos argumentos que apontem para a gênese do processo de unificação do território francês, na figura do rei Filipe Augusto, contando com o apoio do papado, através de Inocêncio III. Uma discussão acerca dos cátaros, porém, parece incompleta, caso não esteja relacionada ao contexto mais amplo do período juntamente com as demais heresias medievais. 2.1 As primeiras heresias As heresias acompanham a história da Igreja Cristã desde sua gênese. Segundo Monique Zerner, o problema da heresia nasce com o cristianismo 24. O período para a construção do corpo canônico do Novo Testamento foi de mais de um século. Este corpo foi constituído de maneira complexa, através de polêmica e discussões entre os líderes da chamada igreja primitiva. O resultado deste projeto foi a exclusão daqueles que discordaram da ortodoxia recém formada, a quem foi atribuído o título de herege 25. O próprio apóstolo Paulo, durante a primeira metade da década de 60 da Era Cristã, cita em duas ocasiões o termo em suas epístolas ZERNER, Monique Heresia. In. LE GOFF, Jaques e SCHMITT, Jean Claude (Org.) Dicionário Temático do Ocidente Medieval. São Paulo: EDUSC, 2002, pp Do grego hairesis, hairen, que significa escolher, representava para os escritores eclesiásticos uma doutrina contrária aos princípios da fé oficialmente declarada. 26 1COR 11:19 dei gar kai aireseiv en umin einai ina [kai] oi dokimoi faneroi genwntai en umin. Porque até mesmo importa que haja hereges entre vós, para que também os aprovados se tornem conhecidos em vosso meio. 1Co 11:19 TIT 3:10 airetikon anqrwpon meta mian kai deuteran nouqesian paraitou.evita que o homem faccioso, depois de admoestá-lo primeira e segunda vez. Tito 3:10.

16 16 Os primeiros estudos ou descrições acerca das heresias dos primeiros séculos da cristandade encontram-se nos escritos de Santo Agostinho e de Isidoro de Sevilha. 27 O caráter destas heresias era filosófico doutrinário, ou seja, as discussões envolviam as doutrinas da ortodoxia, como por exemplo, a natureza divina e humana de Cristo, sendo esta uma especulação racional em torno dos princípios ou dogmas cristãos As Heresias Medievais O período compreendido entre os séculos XII e XIII recebe a nomenclatura de séculos heréticos por Nachman Falbel 29. A intensificação dos movimentos heréticos neste período leva-nos a buscar no contexto europeu, argumentos que justifiquem tal fenômeno. Segundo Falbel: Na verdade, podemos ver na crítica herética, ou melhor dito, em parte desta crítica, uma tentativa de apontar os erros e os desvios da instituição eclesiástica, da sua intervenção no poder secular à custa de sua missão espiritual; enfim, uma tentativa de alertar a sociedade cristã de que os seus representantes desvirtuaram a verdadeira imagem da religião funda por Cristo 30 Este desvio moral, segundo Henri Daniel Rops 31, do corpo eclesiástico justifica-se quando verificamos as profundas transformações ocorridas no interior da sociedade medieval, no período imediatamente anterior ao abordado, que merece uma breve menção neste trabalho. A Europa apresentou nos séculos XII e XIII, aquilo que os manuais didáticos comumente chamam de As grandes mudanças. 32 Estas mudanças atingiram todos os níveis da sociedade medieval 33 através do crescimento demográfico que segundo Le Goff, 27 De herisibus, do começo do século V e Etimologias, século VI. Nos dois trabalhos foram catalogadas cerca de 160 heresias, entre elas os gnósticos, montanistas e os maniqueos. 28 FALBEL, Nachmam. Op. cit. pp O autor restringe este termo aos limites da atuação da Igreja Ocidental. 30 FALBEL, N. Op. cit, pp ROPS-DANIEL, A Igreja das Cruzadas e das Catedrais. São Paulo: Quadrante, pp SCMIDT, Mário, Nova História Crítica. São Paulo: Nova Geração, pp Vários factores han incidido em ello: las guerras internas,la de los señores feudales, prácticamente han terminado: los condados, los ducados, han sido ya estabelecidos. Ahora solo guerrearán reyes contra reyes; se trata de guerras localizadas que causan estragos em sítios concretos, pero de lãs que pediam al margem la mayor parte de los tyerritórios. Todo ello há permitido el incremento demográfico: se habían

17 17 duplicou entre o final do século X e o início do XIV. 34 Outro fator que demonstra este progresso medieval foi à intensificação da cunhagem de moedas durante o século XIII: E, por fim, o renascimento monetário do século XIII deslumbrou os historiadores, principalmente, com o regresso à cunhagem de moedas de ouro. 35 Estas mudanças comportam ainda outros elementos tais como o renascimento urbano, o desenvolvimento de técnicas agrícolas e o conseqüente aumento da produção com a formação de excedentes desta produção que voltou a estimular o comércio. É claro que estes eventos são muito mais complexos que o simples esquema aqui apresentado, porém é possível apresentar um panorama geral que nos instigue a buscar algumas motivações para este contexto favorável. Neste sentido, os especialistas divergem em suas posições. Maurice Lombard busca sua explicação no contato entre o Ocidente e o mundo muçulmano, que gerou a necessidade de produzir matérias-primas para atender cidades como Córdova, Damasco e Bagdá. Para Lynn White, por outro lado, este desenvolvimento se deve aos progressos técnicos desenvolvidos pelos próprios europeus. Independente do motor deste processo econômico, o ponto que nos interessa neste trabalho, é o impacto que este fenômeno causou no seio da cristandade e em seu corpo eclesiástico, que até meados do século XII, estava representado pelas ordens monásticas, que experimentaram grande desenvolvimento, em especial, a ordem de cluniasense As Ordens Monásticas A organização da ordem de Cluny proporcionou uma rápida proliferação de abadias filhas da casa-mãe. Desta ordem saíram papas conhecidos como Papas Reformadores pela historiografia cristã, entre eles o próprio Gregório VII, que havia sido abade de Cluny. Segundo Tathyana Zimmermann: hecho avances com la natalidad y la esperanza de vida sobrepassa el limite de los 30 años. El bosque há sido artigado, se cultivam nuevas tierras y la ganaderería se incrementa. Hay uma expansíon Del médio rural, pero tambíen de lãs villas y de los burgos, com uma incipiente industria, la têxtil, que experimenta um mayor intercâmbio comercial; los templários, los hospitalários han organizado la banca. Occitãnia aporta a todo ello el hecho cultural: trovadores y cortess de amor serían signos renovadores. CAMPI, J. Mestre. Atlas de los Cátaros. Barcelona: Ediciones Península, pp LE GOFF, Jaques.O Ocidente Medieval.Lisboa: Editorial Estampa, pp LE GOFF, J. Op.cit. pp Algumas ordens monásticas estabeleceram-se nesta época e conheceram grande crescimento, sendo que a que mais enriqueceu foi a ordem de Cluny. FERNANDES, Tathyana Zimmermann. Ordem de Cister: Arte e Pensamento. Curitiba,2004. pp. 01. Trabalho Monográfico apresentado no departamento de História da UFPR.

18 18 Não tardou para que Cluny espalhasse abadias filhas pelo restante da Europa, os mosteiros cluniacenses proliferaram. Sua organização fez com que prosperassem. As abadias cluniacenses tornaram-se grandes senhorios monásticos, seus camponeses cultivavam as terras, abriam bosques e matagais, drenavam pântanos e produziam o vinho. Essas abadias eram centros de povoamento, centros produtivos nos quais o excedente era comercializado. Enriqueceram e tornaram-se poderosos. 37 Este enriquecimento levou a uma valorização da liturgia e ornamentação dos mosteiros e na práxis divergente do discurso de grande parte dos monges que levavam vidas de opulência e ociosidade, bastante distante dos princípios expostos pela Regra de São Bento, regra-base para praticamente todas as ordens regulares. 38 Citamos Cluny por ser a abadia com maior e mais rápida ascensão no período, mas é possível ainda citar outras que se enquadrem neste processo como Brogne e Gorze. Este elemento de ordem econômica é o primeiro a ser analisado ao buscar o cerne das heresias do século XII, mas existe ainda outro ponto mais difícil de ser apreendido por seu caráter estar incutido na consciência da sociedade medieval. Brenda Bolton chama este fenômeno de Crise religiosa do Século XII. 39 O contexto de efervescência em vários aspectos pelos quais passou a sociedade medieval em fins do século XI impactaram, inevitavelmente, o corpo eclesiástico que precisou atualizar, mesmo que a contragosto, 40 seu discurso, na medida em que a própria concepção de ser cristão modifica-se para um sentimento cada vez mais individual. Segundo Bolton: Os cristãos se tornaram coletivamente cada vez mais conscientes do mundo que os rodeava e procuravam racionalizá-lo. Também do ponto de vista individual se verificava uma nova tomada de consciência do próprio homem, relacionada com a condenação que Cristo fizera do pecado no coração e que conduziu a um despertar da importância da consciência FERNANDES, Tathyana Zimmermann, Op. cit. pp Regra de São Bento. Capítulo BOLTON, Brenda. A Reforma da Idade Média. Lisboa: Edições 70, pp Embora o objetivo da Igreja fosse manter a sua finalidade e função, necessitava de ser capaz de ajustar as suas crenças e instituições de forma a ir ao encontro das exigências que lhes faziam. BOLTON, B. Op. cit. pp BOLTON, B. Op. cit. pp. 20.

19 19 Esta mudança na consciência do homem medieval é analisada por Brenda Bolton em sua Reforma da Idade Média, onde sugere seis reações desencadeadas por esta crise, dentre as quais, duas nos interessam mais de perto pela relação com nossa temática: O monasticismo, ou vita angelica e as heresias. A primeira delas, o monasticismo, foi uma reação interna às deformações dos princípios da Igreja Primitiva, retomados pela Regra de São Bento durante as Reformas Gregorianas, que grosso modo, poderia ser resumido como a vida em comunidade e a pobreza voluntária. Das vozes que se levantaram para enfatizar esta postura em detrimento da ostentação e opulência que havia se infiltrado por entre as abadias, está Bernardo de Claraval que deixou diversos escritos conclamando seus congêneres a um retorno às origens do Cristianismo. Bernardo foi o representante por excelência da Ordem de Cister e também o abade de Claraval até sua morte em O diferencial desta ordem estava na idéia que norteava os pensadores, que era a de um retorno genuíno ao monacato beneditino. Cister tornara-se desta forma, uma oposição dogmática a Cluny, resultando em discussões acaloradas entre os líderes de ambas as Ordens. 42 A outra reação à crise religiosa do século XII, segundo a descrição de Brenda Bolton, analisada neste trabalho, são as chamadas heresias medievais. Uma variante da vita apostólica 43, que segundo a autora, foi uma tentativa de um novo estilo de vida baseado num retorno ao cristianismo primitivo com um apelo especial para a vida comunitária voltada à pobreza voluntária. Este impulso a uma mudança de atitude levara homens e mulheres a exporem sua fé de maneira itinerante nas comunidades, como pregadores, digamos, informais que estavam fora dos quadros da ortodoxia regular. Esta postura de certa forma popular 44 facilitou a fuga do discurso e a criação de distorções do cristianismo, que levaram a Igreja a combatê-los. Um sinal desta mudança pode ser verificado a partir da análise das primeiras heresias medievais, a maioria delas iniciada por homens que atraíam seguidores que formavam o corpo da heresia. Homens como Pedro de Bruys, o monge Henrique de Lausanne e Arnaldo de Bréscia entre outros, foram os gestores deste fenômeno. 45 Nachmam Falbel, estudioso das heresias, apresenta as especificidades de cada 42 Bernardo de Claraval, 43 BOLTON, B. op. Cit. pp De fato, convém insistir na oposição decisiva entre a heresia oriental [...] e a heresia ocidental, essencialmente popular que conquista elementos pouco instruídos ou iletrados. HEERS, Jaques. História Medieval. São Paulo: Edusp pp FALBEL, N. Op. cit. pp. 27.

20 20 doutrina, mas o detalhe fundamental em sua obra Heresias Medievais, é o de buscar semelhanças entre cada fenômeno, tentando estabelecer um padrão que demonstre a tese de Falbel, que segundo nossa observação é a seguinte: Na verdade, podemos ver na crítica herética, ou melhor dito, em parte desta crítica, uma tentativa de apontar os erros e os desvios da instituição eclesiástica, da sua intervenção no poder secular à custa de sua missão espiritual, enfim, uma tentativa de alertar a sociedade cristã da que os seus representantes desvirtuaram a verdadeira imagem da religião cristã. 46 Os pontos em comum destacados por diversos autores 47 em geral apontam para a concepção da Igreja não como um conjunto de construções e posses do clero, mas como a unitate congregatorium fidelum, que significava que o que mais importava era o conjunto dos crentes no Evangelho, sendo todo o restante desprezado, inclusive à hierarquia católica instituída. Outro ponto de distanciamento com a Igreja tradicional estaria baseado na idéia de Eclésia spiritualis, ou seja, o cristianismo deveria estar pautado apenas pela fé do crente nos Evangelho. Com esta atitude, o corpo doutrinal eclesiástico seria, nesta concepção, supérfluo, não restando espaço para os sacramentos como o Batismo de crianças, a Eucaristia, a Missa e para os símbolos da Cristandade como, por exemplo, a Cruz. Não é difícil imaginar a razão pela qual estes grupos deveriam ser combatidos ou ao menos, dissuadidos a retornar à verdadeira fé cristã. O caráter anticlerical de diversos destes movimentos, gerava uma ameaça à autoridade da Igreja, que neste momento buscava fortalecer seus laços com o poder temporal. Em grande medida, os movimentos heréticos do século XII apresentavam uma dimensão bastante limitada seja geograficamente, como também temporalmente, porém uma destas heresias perdurou por mais de dois séculos e reuniu o maior número de adeptos durante a Baixa Idade Média: os Cátaros ou albigenses FALBEL, N. Op. cit. pp Brenda Bolton, Nachmam Falbel, Jesus Mestre Campi, Monique Zerner, Emilio Mitre e Cristina Granda, para citar alguns. 48 Cátaros aparece pela primeira vez nos sermões contra os cátaros do monge Eckbert Von Schonau, pronunciados em 1163 em seguida à descoberta em Colônia de uma dúzia de homens e mulheres heréticos vindos de Flandres: Eles são chamados de Cátaros na Germânia, piphles em Flandres, texerant, de tecelão, na Gália, e para descrever ele recopia algumas passagens de Santo Agostinho tiradas de sua descrição dos maniqueos. A palavra vem do grego, onde significa puro ou perfeito, e havia servido para qualificar os novacianos e os montanistas do século IV.Em torno de 1220, Alain de Lille conta que cátaro estava na origem de Ketzerei,o termo que designa heresia em alemão e que surge nesse momento, a menos que o nome proceda da Kater, gato figura de Lúcifer. Acrescentemos o nome de bulgarus ou bolgarus, em francês bougre, bogre, bougrel, que aparece somente por volta de 1200 e se estenderá durante os anos de

21 O Catarismo Uma sucinta definição para o catarismo é dada por Anne Brenon: Es uma forma arcaizante Del cristianismo, que interpreta los preceptos evangélicos con una visíon dualista 49. Grande parte da bibliografia relaciona esta heresia a seitas dualistas orientais, em especial os maniqueos 50. Este dualismo representa a antiga crença na existência de dois deuses criadores: um Bom, responsável pelo mundo espiritual e um deus Mal, representado por Lúcifer, responsável pelo mundo material. Neste sentido, os cátaros criam que a vida terrena seria um sofrimento que só terminaria com o fim da raça humana, razão pela qual seriam contrários ao matrimônio e as relações sexuais. Apresentariam também, uma dieta diferenciada da qual a carne não faria parte. A hierarquia cátara estava dividida em duas categorias distintas: os crentes da qual fariam parte os seguidores da seita, e os Perfeitos, líderes da heresia. Abominavam a hierarquia católica, bem como os dogmas sacramentais como o batismo de crianças, eucaristia e a própria missa. 51 Do ponto de vista interno, possuíam a prática do consolamentum, espécie de iniciação espiritual aos perfeitos e a ordenação destes. Aos crentes, restava participar da penitência e da quebra do pão, equivalente cátaro à Eucaristia católica, que simbolizava uma comunhão entre os membros, pois não acreditavam na transubstanciação do pão em carne, comum ao rito católico. Pierre des vaux de Cernay descreve, na primeira parte de sua Crônica, a estrutura da heresia, descrição esta compreensivamente pejorativa, na medida em que o objetivo da a todos aqueles que a Inquisição persegue ao norte do Loire com a quase imediata conotação de Sodomia. ZERNER, M. Op. cit. pp CAMPI, J. Mestre. Op. cit. pp De su origen y doctrina trataremos em el capítulo de lãs herejias. Basta decir aqui que ensenaban um dualismo de caráter gnóstico. LLORCA,B. e VILLOSLADA, R. Historia de la Iglesia Católica. Madrid: La Editorial Católica pp Albigenses. Adeptos de uma série de seitas dualistas que floresceram na Europa Ocidental nos séculos XII e XIII. ELWELL, Walter. Enciclopédia Histórica Teológica da igreja Cristã. São Paulo: Sociedade Religiosa Edições Vida Nova. pp FALBEL, N. Op cit. pp.41.

22 22 narrativa é o de legitimar um evento da magnitude de uma Cruzada. É possível perceber alguns pontos chave na descrição de Pierre que apontem para o principal motivo para a abrupta mudança no tratamento dado pela Igreja no Languedoc francês. Lês seigneurs du languedoc à peu tous protégeaient et recevaient lês heretiques, ils leur témoignaient um amour excessif et lês defendaient contre Dieu et contre l Eglise 52 Este ponto é fundamental para entender o contexto de Cruzada que ocorre a partir de Grande parte dos movimentos heréticos do medievo permaneceu restrita aos laboratore 53 O catarismo, porém, influenciou a nobreza local que possuía vantagens ao abandonar a fé católica, pois deixavam de entregar os tributos requisitados pelo corpo eclesiástico. Outra razão, mais subjetiva para esta simpatia da nobreza pela doutrina albigense, estaria numa espécie de identidade da região do sul, abrangendo o reino de Aragão, o sul da França e da Itália, principalmente. Isto pode ser visualizado através da fuga dos hereges para o sul da Itália após a Cruzada e pelo auxílio do rei Pedro II de Aragão em resposta ao pedido do conde de Toulouse, Raimundo VI. Estes dois elementos: a simpatia à heresia e o sentimento de pertencimento de pertencimento ao sul da França não interessavam nem para a Igreja, nem tampouco ao reino francês em processo de unificação através da pessoa de Filipe Augusto Ideologia Forjada ou Verdade Constatada? Esta breve apresentação da estrutura da heresia vai de encontro com a produção historiográfica tradicional sobre o tema. Porém, a relação direta entre o dualismo dos primeiros séculos, pode apresentar algumas discrepâncias que tem levado pesquisadores a 52 PVC,Op. cit. pp Para maiores informações a respeito do conceito de ordem trifuncional, ver DUBY, Georges - As três ordens ou o imaginário do feudalismo. Lisboa: Estampa, Hijo de Luis VII y de Adela de Champaña. Se considera a Felipe como el rey que puso la primera piedra de lo que llegaría a ser lo grandereino de Francia. Era prudente, ordenado y um excelente administrador. A pesar de lãs contínuas peticiones de Inocêncio III para que encabezara la cruzada, siempre se nego a ello. Lo cierto es que sus preocupaciones esenciales se centraban en consolidar el pequeno que recebió, luchando com êxito contra ingleses y germânicos, singularmente em Bouvines (1214): la Victoria le permitio ampliar su território com Normandia, Maine, Anjou y Turena. las de Simon de Montfort lê dejaran la via libre para que, ya transpassado, el Languedoc se incorporava tambíen a Francia. Él, que no monió ni uno solo dedo a favor de la cruzada, recebió a Montfort (1216) y le recordo que el território conquistado lê pertencenía... Murió de enfermidad em Nantes. CAMPI, J. Mestre. Op. cit. pp 49.

23 obra. 58 Outro ponto importante com relação à imagem histórica dos cátaros está no famoso 23 questionarem a imagem pré-concebida dos albigenses 55, especialmente Monique Zerner em seu verbete no Dicionário Temático do Ocidente Medieval. Esta dúvida com relação ao caráter do catarismo apresenta-se devido à falta de documentos vindos dos hereges. A quase totalidade das fontes relativas ao tema pertence à Igreja, ao mesmo tempo árbitro e litigante, ela mesma arrebatada pelo movimento geral da história. 56 Esta quase exclusividade na descrição da heresia pelos vencedores do conflito parece bastante conveniente 57, para fins legitimadores. Nosso cronista Pierre utiliza este método em sua concílio herético de Saint-Felix, ocorrido em 1167 sob a presidência do bispo cátaro de Constantinopla, o patriarca Nicetas. Neste concílio, se estabeleceu a divisão em bispados da Igreja cátara no Languedoc, confirmando Albi, que já contava com um, expandindo para mais três cidades da região o bispado: Toulouse, Carcassome e Agen. Este concílio seria a prova do pressuposto poder da heresia no sul da França. 59 Novos estudos porém, têm buscado analisar a real influência da heresia, seja através do levantamento do número de hereges, e até pelo questionamento da existência do próprio concílio de Saint-Felix. Mais uma vez, Monique Zerner aponta que a primeira citação de tal reunião aparece num escrito sobre a história dos Duques de Narbonne no século XVII 60. O número de hereges também é questionado pela autora 61. A razão para tais hipóteses estaria no fracasso da Igreja ao tentar influenciar e exercer o domínio espiritual na Aquitânia firmando assim, seu poder na região. Para justificar sua impotência evangelística que culminaria com o levante armado, os cronistas teriam oferecido aos hereges atributos que eles mesmos não possuíam. 55 Monique Zerner 56 ZERNER, M, Op. cit. pp Que crédito deve se atribuir ao esquema forjado pelos inquisidores? Estabelecer uma filiação que remonte às origens era uma necessidade lógica que datava do cristianismo primitivo. ZERNER, M. Op. cit.pp Qu on sache tout dábourd que lês herétiques croyaient en, léxistence de deux créateurs: l un invisible, qu ils a appelaient le dieu bon, l autre visible, qu ils appelaient le dieu mauvais. PVC. Op. cit pp Constiuyó uma demonstración que existia del catarismo em el Languedoc. CAMPI, J. Op.cit.pp ZERNER, M. Op. cit pp Os cátaros não eram numerosos (Rayner Sacconi contabiliza 4000, principalmente na Itália) ZERNER, M. Op. cit.519.

24 24 Seja como for, o catarismo não teve tempo hábil para se firmar enquanto um novo dualismo, pois foi sufocado pela Igreja, no projeto idealizado pelo papa Inocêncio III, outro personagem importante no processo cruzadístico, ao qual estamos buscando apresentar os principais elementos. Inocêncio detinha a autoritas, ou o poder espiritual, mas era outro personagem que detinha a potestas, ou a força beligerante que garantiria ao papa o sucesso de seus objetivos. Este personagem era Filipe II, ou Filipe Augusto, rei francês. Inocêncio e Filipe são fundamentais para entender o processo de criação do vassalo perfeito, portanto seria interessante analisarmos brevemente estes homens. 3 Os Personagens A figura de Simon de Montfort apresentada por Pierre dês Vaux de Cernay, em nossa opinião, contém o âmago, o ideal dos dois universos, o guerreiro exemplar e o cristão fiel. Este era o modelo que ambos, Lotário e Filipe, buscavam para si. 3.1 Filipe Augusto Stephen O shea descreve da seguinte maneira o monarca: Filipe Augusto ( ): Rei da França. Conseguiu reduzir gradualmente a presença continental plantageneta dos Reis Ricardo (Coração de Leão) e João (sem Terra), a um pequeno território da Aquitânia. Os barões de Filipe foram os principais líderes da Cruzada albigense. 62 A bibliografia sobre o monarca enfatiza que foi o principal da dinastia dos capetos. 63 José Rivair Macedo, traça um interessante panorama monarquia da Francia entre 1099, período da deflagração da Primeira Cruzada, e 1208, data do início da Cruzada albigense. No primeiro, o rei Filipe I não possuía expressão alguma tanto temporal, como perante a Igreja. No segundo, Filipe Augusto inicia a ampliação do território em duas 62 O SHEA Stephen. A heresia perfeita: A vida e a morte revolucionária dos cátaros na Idade Média. Rio de Janeiro: Record,2005. pp Uma figura decisiva na expansão do poder real foi Filipe Augusto ( ), que combateu o rei inglês o mesmo João da Magna Carta, que tinha mais território na França que o próprio Filipe. Filipe triplicou o tamanho de seu reino, tornando-se mais forte que qualquer senhor francês. PERRY, Marvin. Civilização Ocidental: uma história concisa. São Paulo: Martins Fontes, pp. 170.

25 25 frentes principais: nas disputas com os plantagenetas e na anexação do sul do território francês em virtude da Cruzada albigense. 64 Filipe Augusto e Inocêncio III mantinham uma relação de certa forma tensa, na medida em que ambos desejavam a hegemonia do poder. Inocêncio, o homem mais hábil a usar a tiara de pontifícia em dois séculos, 65 buscava exercer em toda a sua plenitude a teocracia papal. Neste sentido, é possível entender a posição do monarca em não tomar parte diretamente na Cruzada proposta pelo papa. Segundo O Shea, Inocêncio enviou cartas a Filipe em 1204, 1205 e 1207 concedendo o controle do Languedoc ao monarca caso comandasse a Cruzada. 66 Esta informação a respeito das cartas enviadas por Inocêncio a Filipe estão de acordo com a análise detalhada de Pascal Guébin e Henri Maisonneuve. 67 A demora em atender ao papa e o envio de barões ao invés de sua presença pessoal no conflito, demonstram um duelo entre o poder deste dois homens. Segundo O Shea: O fato de a expedição punitiva ter levado tanto tempo para se organizar demonstrava a relutância dos governantes leigos, em especial Filipe Augusto, em ceder o mínimo terreno no traiçoeiro campo da soberania. 68 Pierre des Vaux de Cernay, comenta a respeito da solicitação de Inocêncio a Filipe Augusto, porém a insistência do pontífice é sublimada de sua narrativa. Isto pode ser explicado pela posição pró-cruzada de Pierre e pela obra ter sido dedicada a Inocêncio. 64 MACEDO, Op. cit. pp O SHEA Stephen, Op. cit. pp O SHEA, Stephen. Op. cit. pp Dés 1204, il (Inocêncio) expose au roi la theórie des deux glaives, l ínvites à intervir dans lê Midi contre lês héretiques et lui accorde l indulgence de Terre Sainte. 28 Mai 1204: Il invite expressément sés légats Arnauld, Raoul et Pierre à intervenir dans lê même sens auprés du roi: 31 Mai Em 1205, il insiste encore: 16 Janvier, 7 Février, avec un même insuccès. En 1207, après l éxcommunication de Raymond VI, Inoocent III multiplie sés instances : 17 Novembre, la letre du pape fut remise au roi par l evêque de Paris : or à ce moment, lê roi d Angleterre créait de l agitation dans l ouest de la Francew. Philippe-Auguste répondit par une fin de non-recevoir. Delisle. Em 1208, après la mort de Pierre de Castelnau, nouvelle instance auprès du roi. Il dépêche auprès dês róis de France et d Angleterre lês abbés cicterciens de Perseigne et du Pin em vue d une trève de deux ans. comme em 1177 le lêgat Pierre de Pavie était intervenu avec succés auprès de Louis VII et d Henri II. Même refus du roi et pour lês Croisade dês Albigeois autorisa sés vassaux à partir. Mais cette autorisation n avait aucunumnet valeur d une délegation. PVC. Op. cit. pp O SHEA, Stephen. Op. cit. pp. 114.

26 26 Não era interessante apontar para esta aparente falta de poder sobre o monarca por parte do papa. Le roi répondit au messanger du siegneur pape quíl avait sur lês flancs deux grands lions dangereux: Othon, soi-disant emperor, et Jean, roi d Angleterre qui de parte t d autre s efforçaiment à qui mieux mieux de troubler le royaume de France, et pour cette rason il refusait de quitter le nord de la France ou d envoyer son fils: il jugeait suffisant pour l instant d autoriser sés vassauxà partir dans la Province de Narbonne pour y combattre ceux qui troublaient la paix et la foi. 69 Luchaire: As repetidas cartas do Pontífice a Filipe Augusto são confirmadas por Achille Il lui avait déjà ecrit trois fois, le 28 mai 1204, le 16 janvier et 7 février 1205, avec une insistance de plus em plus vive. 70 Apenas em 1215, quando Filipe Augusto consegue se desvencilhar de seus inimigos plantagenetas é que toma parte no conflito de maneira mais decisiva enviando seu filho, príncipe Luis até o Midi francês. É importante salientar que Filipe Augusto possuía um projeto para obter uma saída para o Mediterrâneo, projeto este que se via impossibilitado através dos fracos laços entre os senhores do sul e o monarca. A territorialidade pretendida por Filipe, acaba entrando em conflito com outro projeto semelhante: o de Pedro II de Aragão, que tinha o intuito de formar um grande território sulista que englobaria a área de Aragão até Gênova. 71 O projeto de Filipe venceu, em grande parte devido ao apoio da Igreja, na medida em que Inocêncio III não atendeu as exigências de Pedro II, e também devido à vitória na Batalha de Muret, em 1213, onde o rei aragonês faleceu em combate, desbaratando a coalizão formada no Languedoc. As intrincadas relações matrimoniais estabelecidas após o início da Cruzada, fortaleceu a influência do norte da França em toda a região do Midi francês. Ao término do que ficou conhecido como Guerras Cátaras, o território da França abrangia todo o Languedoc e o projeto de Filipe Augusto, embora depois de sua morte, havia se concretizado, na medida em que a França contava agora com uma saída para o Mediterrâneo. 69 PVC. Op. cit. pp LUCHAIRE, Achille. Innocent III la croisade dês albigeois. Paris: Libraire Hachette, pp Vide anexos.

27 27 Para encerrar este breve comentário a respeito deste monarca, utilizo as palavras de George Duby, ao comentar os acontecimentos famosos de 27 de julho de 1214: 72 Na tarde do combate, Filipe tornou-se de facto o Augusto, o verdadeiro César, desdenhando ostentar as insígnias imperiais encontradas nos despojos da vitória, mas no entanto, seguro de presidir, agora apenas com o papa, ao destino da cristandade Lotario dei Conti di Segni Lotario dei Conti, conde de Segni foi eleito papa em Descrito pela historiografia católica como um dos grandes papas da Idade Média, apesar de haver invocado a Cruzada albigense e a mal fadada Quarta Cruzada, que culminou com o saque de Constantinopla pelos venezianos. 74 Para entender a notoriedade que Inocêncio adquiriu enquanto Inocêncio III, é necessário observar sua trajetória em relação ao contexto no qual estava inserido. Segundo O shea: Lotário queria certificar-se que os próximos 100 anos seriam menos turbulentos que os precedentes. Os anos 1100 não tinham sido uma época feliz para os delegados de Cristo. Antes de Inocêncio, onze dos dezesseis pontífices do século XII viram os papas mantidos à força longe de Roma por amotinados, republicanos ou agentes de reinos distantes. A comuna romana, liderada Por Arnold de Brescia na metade do século, foi um episódio particularmente vívido em um pesadelo recorrente. Em 1145, o papa Lúcio II morreu por conta de ferimentos sofridos em uma batalha pelo controle do Capitólio; trinta anos antes, um fraco e velho Gelásio II foi posto sentado em uma mula e forçado a suportar as zombarias de seus inimigos. Antipapistas eram freqüentemente eleitos pelos clãs romanos rivais e por homens da Igreja que serviam ao imperador germânico, que representavam a única ameaça maior à idependência do papado. 75 As disputas entre o papado e o império atingiram seu ápice com o reinado do imperador Henrique VI, o filho de Barba-roxa com seu projeto de ampliação do império. Seu avanço pela Europa central e península itálica foi interrompido pela morte de Henrique na Sicília. O filho do falecido imperador foi tutoriado pelo próprio Lotário. Além das 72 Para maiores informações sobre a Batalha de Bouvines, ver DUBY, George. O Domingo de Bouvines.São Paulo: Paz e Terra, DUBY, Georges. As três ordens ou o imaginário do feudalismo. Lisboa: Estampa, pp Para maiores informações sobre este episódio, ver RUNCIMAN, S. A História das Cruzadas. Vol. 2. Rio de Janeiro: Imago, O SHEA, Op. cit. pp. 51.

28 28 disputas externas entre os poderes temporais e eclesiásticos, havia disputas internas entre as famílias aristocratas de Roma que envolviam o processo de ascensão ao papado. Lotário teve de suplantar as famílias dos Frangipani, Colonna, Annibaldi e os Caetani, todos com cardeais ou barões entre seus membros. Foi por volta de 1150 que, através do casamento entre o pai de Lotario e a herdeira da família Scotti, que a família de Lotário, os Segni, conseguiu a proeminência desejada. Vejamos como Inocêncio III é retratado pela historiografia tradicional: Durante o pontificado de Inocêncio IIII ( ), a teocracia papal atingiu seu apogeu. Mais que qualquer outro papa antes dele, Inocêncio fez do papado o centro da vida política européia; na tradição de Gregório VII, ele afirmou pela força a teoria da monarquia pontifical. Como chefe da Igreja, Vigário de Cristo e sucessor de São Pedro, Inocêncio reivindicou a autoridade de intervir nos assuntos internos dos governantes seculares, quando estes ameaçavam a boa ordem da cristandade. Segundo ele, o papa menor do que Deus, mas maior que os homens (...) julga a todos sem ser julgado por ninguém 76. Claro está que esta declaração deve ser avaliada de maneira mais pormenorizada, pois, embora influente, Inocêncio III não possuía poderes ilimitados perante o círculo de poder secular, na medida em que estes, resistiam a Roma interferindo em suas decisões. Não é preciso ir muito longe para averiguar este detalhe: os três principais personagens seculares pertinentes à Cruzada albigense, Filipe Augusto, Raymond VI e Pedro II de Aragão, apresentaram em diferentes momentos do conflito, posição de discordância com o sumo pontífice. Nachman Falbel, corrobora com esta visão a respeito de Inocêncio III, inserindo um novo conceito neste assunto: O uso do poder temporal para perseguir, julgar e exterminar a heresia apoiava-se na teoria das duas espadas do papa Gelasius, que afirmava que Deus havia dado o poder temporal e espiritual ao papa que, por sua vez, entregara o poder temporal aos reis, monarcas e príncipes para proteger a fé, como bons súditos que lhe deviam obediência. Em última instância, a heresia que visava atacar a cátedra de São Pedro, o papa, era perigosa não só do ponto de vista religioso dogmático, mas também sob o aspecto da unidade política do mundo cristão. Inocêncio III, que considerava o papa acima dos reis e do poder temporal, com o direito de julgá-los, tentou estabelecer o imperium mundi, sob a hegemonia da Santa Sé, vendo, portanto, no combate à heresia a eliminação daquela tendência desagregadora que levava a criar comunidades isoladas, sem contato com o resto da cristandade, provocando conflitos PERRY, Marvin, Op. cit. pp FALBEL, N. Op, cit. pp. 43.

29 29 No tocante à heresia Cátara, Inocêncio III empreendeu o combate em três frentes distintas: o reforço do lexo jurídico punitivo em relação à Cruzada e a adaptação do decreto papal Ad abolendam de Lucio III 78 ; o lançamento da Cruzada no Midi ; e a preferência à tolerância em toda a parte onde as novas formas de religiosidade até então rejeitadas podiam ser integradas 81. Desta forma, é possível perceber porque os franciscanos foram admitidos sob a égide da estrutura cristã e Pedro Valdo foi perseguido como herege. A questão parece estar mais relacionada à obediência que à própria estrutura dogmática. Segundo Zerner, esta estratégia foi possível devido ao poder que a Igreja adquiriu no período anterior, ao mesmo tempo em que o desafio herético não foi relevado, porém sufocado. Lotário foi exaltado pela historiografia, talvez pela falta de brilho de seus antecessores, tendo em vista que Gregório VIII esteve no cargo por apenas dois meses. No geral, os pontífices anteriores a Inocêncio III não conseguiram administrar as tensões e mudanças no contexto social e político que surgiu durante o século XII. Num ambiente prolífico em pregadores como Bernardo e Domingos de Gusmão, fruto do contexto de renovação tanto econômica como espiritual da Europa, Inocêncio soube como aproveitar este movimento, regulamentando no seio da Igreja aqueles pregadores que obedecessem aos desígnios eclesiásticos, como Francisco de Assis, através da confirmação da primeira regra franciscana em Outra iniciativa neste mesmo sentido foi a confirmação dos Humiliati de Milão como ordem religiosa em Ele et éveques garantissent líndulgence accordée accordée par Dieu et son Vicaire pour la rémission de leurs péches et qu uune pareille entreprise suffise à tenir lieu de satisfaction pour les faultes, celles du moins dont une réelle contribution de coer et une sincère confession de bouche seront offertes au Dieu de Vérité. PVC. Op. Cit. pp C est seulement avec son pontificat que paraît s ouvrir une phase nouvelle dans histoire de la poursuite et de la punition des dissidents. Il est le premier pape qui ait invoqué frequemment le bras séculier et imaginé cette chose inouie, une croisade intérieure, la guerre faite à un peuple chrétien parce qu il avait cessé d être catholique. LUCHAIRE, Achille. Innocent III la croisade dês albigeois. Paris: Libraire Hachette, pp Sous le haut commandement des éveques lês cruisés mènent la guerre sainte au pays des Albigeois. Dans la bulle de 1208, Innocent III invite tous les seigneurs de France à la curée des héretiques En avant, chevaliers du Christ! En avant, courageuses recrues de l armée chrétienne Qu un zéle piex vous enflamme pour venger une si grande offense faite à voitre Dieu! Et de leur concéder à la fois des indulgenses et les terres exposées C était tentant. On peul s etonner que le nombre des croisés n ait pás étéplus considerable : c est que Philippe-Auguste avait quelque raison de freiner leur enthousiasme; il autorisa néamoins quelqueuns de sés vassaux à prendre la croix. PVC. Op cit. pp. XVIII. 81 La tache était laborieuse que plusieurs séires de légats pontificaux si usèrent sans succès. Coup sur coup apparurent dans le Midi, em 1198, lês moines Renier et Gui; em 1200, un cardinal, Jean de Siant-Paul; en 1203, Pierre de Castelanu et Raol; en 1204, adjoint à ces derniers, Arnaut-Amarlric, l abbé de Citeux, une puissance de l Église. LUCHAIRE, Achille. Op. cit. pp

30 30 modificou o conteúdo do decreto papal escrito por Lúcio III em 1184, Ad abolendam 82. Inocêncio III restringiu a abrangência do decreto apenas aos grupos que pregassem preceitos contrários à ortodoxia oficial. Os adeptos à via apostólica, desde que se dispusessem a estar subordinados ao papado, através das propositas 83, foram aceitos no seio da Igreja Católica. Como dissemos no início do capítulo, Inocêncio III e Filipe Augusto, parecem ser duas faces da mesma moeda, no sentido que possuíam objetivos similares de agregarem respectivamente, a cristandade e o território francês, mas para tanto precisavam um do outro. Ambos precisavam de um exemplo para mostrar aos demais, tanto do norte quanto do sul francês a síntese entre o verdadeiro cristão e cavaleiro, segundo seus objetivos. Na narrativa de Pierre des Vaux de Cernay, não temos dúvida que este personagem ganha vida na pele de Simon de Montfort. 4 Simon de Montfort Tendo analisado previamente os perfis dos dois homens proeminentes e líderes do movimento cruzadístico no Midi Francês, podemos passar a analisar a figura peculiar do pequeno senhor de terras próximas à Paris, que durante o conflito, passa de um nível secundário, à liderança e posse de praticamente todo o Languedoc francês. Como foi dito anteriormente, o objetivo primeiro ao analisarmos a Histoire Aibigeoise, era encontrar um estudo aprofundado da heresia cátara na região do Midi francês. No entanto, encontramos, uma apologia épica à figura do conde de Montfort, fato que nos levou a reestruturar o trabalho e mudar o foco de nossa observação para as relações de senhorio e vassalidade constantes neste contexto. Simon de Montfort começou a chamar nossa atenção através de dois trechos escritos por Pierre: 82 Este decreto pode ser considerado como a primeira tentativa real de definir uma atitude oficial relativamente a dissidentes manifestos. Grupos inteiros de heréticos, entre eles os Cátaros foram indiscriminadamente excomungados. Além destes, o decreto excomungava também os Valdenses e os Humiliati, que queriam apenas viver as suas vidas de acordo com o conceito de via apostólica, comunicando aos outros a sua experiência deste modo de vida cristão. Estes argumentos foram retirados de BOLTON, Brenda. Op. cit. pp Estas propositas eram curtas declarações que indicavam a disposição destes grupos de se devotar a vidas de piedade cristã. Na forma como lidou com estas proposita, Inocêncio III mostrou que estava preparado para enfrentar estes movimentos de protesto como nenhum outro papa o fizera até então. Procurou cobrir o fosso existente entre os grupos e a Igreja hierárquica, contanto que se pudesse considerar que a fé ortodoxa se mantinha intacta e que a autoridade hierárquica era basicamente reconhecida. BOLTON, Brenda. Op. cit. pp. 116.

31 31 Arrivée dês Croisés.L an 1209 de l Incarnation, dans la douzième année du pontificat du siegneur pape Innocent, sous le règne de Philippe, roi de France, aux environs de la fête de saint Jean Baptiste, tous lês croisés qui s étaient mis em marche dans lês diverses parties de la France du nord se concentrènt à Lyin, ancienne capitale de la Gaule, selon um plan uniforme et réglé d avance. Parmi eux on remarquait l archevêque de Sens, lês évêques d Autun, de Clermont, de Nevers, le duc de Bourgogne, le comte de Nevers, le comte de Saint Pol, le comte de Montfort, le comte de Bar-sur-Seine, Guichard de Beaujeu, Guillaume dês Roches, sénéchal d Anjou, Gaucher de Joigny et beaucoup d autres seigneurs nobles et puissants don til serait trop long Donner lês noms. 84 Comme l occasion nous y invite et que la logique de notre plan le demande, intercalons ici ce que nous savons personnellement sur le noble comte de Montfort. Mettons em premier lieu son ilustre origine, son inébranlable courage et as connaissance approfondie du maniement des armes. De plus, si nous passons à l aspect physique, sa stature ètait haute, sa chevelure remarquable, son visage élégant, son aspect agréable, ses épaules saillantes, ses bras musclés, son torse gracieux, tous ses membres agiles et souples, son allure vive et alerte : il ne prêtait à la critique, si peu que ce fut, même aux yex d un ennemi ou d un jaloux. 85 O primeiro trecho retrata a primeira aparição de Montfort na narrativa de Pierre, envolto em modesto lugar entre os duques da Borgonha e do conde de Nevers. O segundo sintetiza a perfeição do agora eleito líder dos cruzados seja na beleza física, na nobreza de caráter, fidelidade cristã ou coragem na batalha. Para entender a transição do conde, que passa de pequeno senhor feudal a mandatário legal de praticamente de todo o Languedoc, é necessário analisar o contexto no qual Simon esteve inserido. O shea define Simon da seguinte maneira: Campeão da causa católica no sul. Depois de demonstrar patente bravura em batalhas, foi nomeado visconde de Béziers e Carcassome em Anos de generalato brilhante e brutal fizeram-no senhor de todo o Languedoc. 86 Simon nasceu em 1165 numa propriedade próxima à Paris. Seu clã era ilustre, embora não tivesse muitos bens, na medida em que possuía como herança, o condado de Leicester na Bretanha. Com a rivalidade entre os plantagenetas e os reis franceses, a realeza anglo-saxônica não estava propensa a reconhecer o direito de nobres tão próximos à Paris. 84 PVC. Op. cit. pp.39. Grifo meu. 85 PVC. Op. cit. pp O SHEA, Op. cit.p p. 13.

32 32 Esta pode ter sido uma das razões que o levaram a participar, em 1202 da Quarta Cruzada promulgada por Inocêncio III para reconquistar Jerusalém após a vitória de Saladino, após a Cruzada real de Frederico Barba Roxa e Ricardo Coração de Leão. 87 A expedição nunca chegou até a Palestina, pois acabou se transformando numa campanha mercenária em que a força cruzada foi utilizada pelos venezianos para saquear as cidades de Zara e Constantinopla. Esta Cruzada exemplifica muito bem o espírito do empreendimento que há muito já não tinha como objetivo real libertar a Terra Santa das mãos dos muçulmanos. Dois personagens pertinentes ao contexto da Cruzada albigense participaram da Quarta Cruzada: Simon de Montfort e o cronista Pierre des Vaux de Cernay 88 como secretário de seu tio, o abade Guy des Vaux de Cernay. O episódio foi narrado por Pierre em nossa fonte de pesquisa: En ce temps-lá, le noble comte de Montfort et l abbé des Vaux de Cernay, Guy, le futur évêque de Carcassome, dont nous avons souvent parlé, s em allaient avec des barons français pour une expedition d ooutre-mer. 89 Pierre mostra a nobreza de Simon e Guy ao se recusarem a tomar parte no saque à cidade cristã de Zara: Toulefois, le comte de Montfort et l abbé des Vaux de Cernay ne suivirent point la multitude pour faire le mal: ils refusèrent de participer au siège el allèrent camper loin la ville. 90 Os laços de amizade entre o abade Guy e o Simon de Montfort surgem neste episódio, onde Pierre narra que, o abade foi ameaçado pelos venezianos ao ler uma bula de Inocêncio III para que os cruzados parassem com o saque à cidade de Zara, sob pena de perderem a indulgência de cruzado e serem excomungados. Foi Simon quem salvou o abade da morte iminente: 87 RUNCIMAN, Steve. Op. cit. 88 Na introdução da edição crítica da Histoire, Paul Guébin, fornece sua hipótese de que o cronista Pierre tenha participado da expedição à Zara e Constantinopla. Nous formulons une hipothèse. Ce jeune moine, neveu dún abbé cistercien, estime du pape et de sés supérieurs, charge de la predication contre lês héretiques, devenu éveque de Carcassonne,le quartier general de Simon de Montfort; ce jeune moine, que fut déjà en 1202 à Venise et à Zara le compagnon, nous pourrions dire le secrétaire de son oncle, et ce letre s est initié aux Affaires politiques et au stile de la Chancellerie pontificale. PVC. Op. cit. XIII e XIV. 89 PVC. Op. cit.pp PVC. Op. cit. pp. 48.

33 33 Les vénétiens voulurent lês tuer, mais le noble comte de Montfort surgit entr eux et, tenant tête aux vénétiens, il s opposa au meurte de l abbé. 91 Podemos relativizar a austeridade sobremodo excessiva de Simon de Montfort, que não condiz com suas ações na região do Languedoc, onde sua destreza militar não permitia espaços para o noble comte, que tinha de esmagar revoltas, por vezes com requintes de crueldade como no episódio dos cegos de Bram. Neste episódio, após vencer e conquistar a pequena cidade de Bram, Simon cegou os líderes e os enviou à cidade de Cabaret, próxima cidade a ser cercada pelos cruzados, como forma de intimidação aos adversários. 92 Caso analisemos o contexto econômico que envolvia as expedições cruzadísticas, é pouco provável que um nobre pouco importante do norte 93 como era a situação do conde, tivesse condições de arcar com uma onerosa viagem para o Oriente, não tomar parte da divisão dos saques e retornar sem despojos para a França. Infelizmente, não encontramos nenhum texto que sustentasse a hipótese de que a participação de Simon à Quarta Cruzada pareça mais uma espécie de curriculum do nobre para embasar sua liderança diante dos cruzados. Toda bibliografia que foi encontrada a respeito, mostra que o conde retornou à França sob muitos prejuízos oriundos da expedição. 94 Isto se deva talvez, em virtude da narrativa de Pierre ser a grande fonte de consulta a respeito do conde, onde o texto é apenas reproduzido por aqueles que consultam ao texto. Voltando ao contexto da Cruzada albigense, como indicado anteriormente, Simon era um senhor de importância secundária entre os barões de Filipe Augusto. Sua escolha enquanto líder da expedição é um importante fator a ser analisado. Um ponto que nos chamou muito a atenção, foi a eleição tardia de um líder secular, tendo em vista que o viscondado de Béziers havia sido capitulado pelos cruzados e o cerco à Carcassome já estava em andamento. Até este momento, a Cruzada era liderada pelo legado de Inocêncio III: Arnold Amaury. 95 Pierre narra o episódio da escolha do líder da cruzada como uma escolha de certa maneira divina: 91 PVC. Op. cit. pp O SHEA. Op, cit. pp.127 e O SHEA Op, cit pp [...] ele voltou para casa em 1205, sua honra salva, mas a carteira vazia O SHEA, Op. cit.pp Les clercs sont nombreux. Au premier chef, Arnaud-Amaury. Le venérable abbé de Citeaux est un esprit lucide, mais il est aussi cruel et hypocrite. Chef suprême de la Croisade, c est lui qui confere d autorité à Simon de Montfort la vicomté de Béziers et Caracassome. PVC Op. cit. pp. XVI.

34 34 Tout ceci réglé, lês principaux seigneurs se consultèrent pour savoir à qui attributer lá vicomté. La suzeraineté fut offerte d abord au comte de Nevers, puis au duc de Bourgogne, mais ils refusèrent. Alors de toute lármée on designe pour proceder à l election du nouveau vicomte, deux éveque, quatre chevaliers et l Abbè de Citeax, légat du Siege Apostolique: tous s engaggèrent formellement à choisir celui quis estimeraient le plus utile à Dieu et au siècle. Ces sept persomages, avec l aide des sept dons du Saint-Esprit qui jette sur toute la terre un regard de miséricorde, élirent un homme de foi catholique, de moeurs honnêtes et d une grande bravoure militaire : Simon, comte de Montfort. 96 Dois pontos são necessários para entender esta afirmação de Pierre: a recusa dos principais barões de Filipe Augusto envolvidos na Cruzada, o duque da Borgonha e o conde de Nevers, aparentemente os líderes naturais a serem escolhidos, em virtude de suas posições e importância. O outro ponto a ser considerado, é o momento em que esta escolha foi realizada, após a conquista de Béziers e durante o cerco à Carcassome, ao invés do líder ter sido escolhido no início da expedição, durante o ajuntamento de Este é o cenário que devemos analisar para entender a escolha de Simon de Montfort para assumir a liderança dos cruzados. Com toda certeza, podemos encontrar propósitos muito menos espirituais que a direção divina proposta pelo cronista Pierre. Se nos voltarmos para os condados da Borgonha e de Nevers, depois anexado ao condado de Flandres, perceberemos a importância econômica e política de ambos à monarquia francesa desde o século IX. Filipe Augusto por sua vez, está buscando centralizar seu poder e unificar o território francês sob seu domínio. Conceder o viscondado de Béziers e Carcassome a um dos dois barões, seria uma escolha até certo ponto perigosa para o regente Filipe, na medida em que, na prática, os condes possuíram mais terras que o próprio Filipe Augusto. Neste sentido, seria mais interessante para os propósitos aglutinadores do monarca, conceder o viscondado do sul francês para um senhor de importância secundária como era o caso de Simon, que seria mantido facilmente sob o controle de Paris. Este território foi concedido à Montfort após a morte de Raymond Roger Trencavel, senhor destas terras. De toda a bibliografia analisada, apenas O shea corrobora com esta hipótese: O sucessor em questão era Simon de Montfort. A ele tinham sido entregues as terras dos Trencavel pelo agradecido Arnold. Aos mais proeminentes barões da Cruzada tinham sido oferecidas, primeiramente, as maiores propriedades, mas todos rejeitaram o prêmio tentador, por conta de um princípio feudal e, sem dúvida, por medo da reação de seu vigilante monarca, em Paris. Mas Simon possuía tão poucas terras no norte que seu ganho inesperado não ameaçaria 96 PVC. Op. cit. 45. (Grifo meu)

35 35 ninguém no reino da França, e sua habilidade como guerreiro tinha ficado abundantemente comprovado. 97 No tocante ao lado eclesiástico da liderança cruzada, a presença de um líder secular pode apontar para certo receio por parte do poder régio em permitir mais conquistas sem reclamar pela autoridade sobre as terras capituladas. Não se pode deixar de verificar que, uma vez mais, a relação entre Simon e o Abade Guy podem ter auxiliado na escolha por parte do legado Arnold, que segundo Paul Guébin, buscava conselhos com o Abade cisterciense. 98 O ato heróico de Simon anterior à sua escolha enquanto líder secular da expedição pode estar narrado também de maneira a legitimar sua escolha, através de um diferencial dentre os demais cavaleiros do norte. A coragem era um dos requisitos para identificar a nobreza de um cavaleiro. A escolha de Simon segundo as regras feudais para liderança, serão trabalhadas mais adiante. 99 De posse legal de grande parte do Languedoc, tendo em vista que o último grande feudo restante era o de Toulouse, Simon passa a adotar uma política de conquista, onde o propósito inicial de combater os hereges fica em segundo plano. Simon avança para territórios mais ao sul, territórios estes que obedeciam ao suseranato do rei de Aragão, Pedro o católico 100. É por esta razão que Inocêncio III, em 1213 decreta o final da cruzada. Creio ser importante explicar as relações entre o rei Pedro e Simon de Montfort para entendermos os eventos que culminaram com a morte de Pedro na famosa batalha de Muret em Simon de Montfort e Pedro de Aragão, vassalos de Roma. 97 O SHEA, Op. cit. pp Dès 1206, il est légat, charge de la predication contre lês heértiques qu il confie bientôt à Guy des Vaux de Cernay. PVC. Op. cit. pp. XVI. 99 Dans ce combat, il arriva qu un de nos chevaliers, la cruisse brisée, resta dans le fosse : personne n osait aller l en retirer, à cause des jets de pierres incessants, mais un homme courageux, le comte de Montfort, sautta dans le fosse, accompagné d un Seul éculyer et saúva le blessé au péril de as propre vie. PVC. Op. cit. pp Simon de Montfort avec as politique de conquête, tendait à detruire l oeuvre d expansion de la monarchie aragonnaisse depuis unsiécle et à la rejeter lês Pyrénées. PVC. Op. cit. p p. XXIX.

36 36 Uma pequena explicação a respeito do rei aragonês Pedro II, pode nos auxiliar na compreensão das complexas relações de vassalagem que estavam envolvidas no contexto de um conflito da magnitude de uma cruzada em território cristão. Pedro é descrito pela historiografia como um católico impecável, combatente exemplar e um senhor de cultura sobremaneira, tendo em vista que participou de debates entre cátaros e católicos no período que precedeu a deflagração da cruzada, concílios e audiências com o papa Inocêncio III. O rei aragonês era suserano de Carcassome, Toulouse e Montpelier. Pedro foi um dos quatro reis católicos que liderou a cruzada de Reconquista cristã na Península Ibérica e foi o grande vencedor da Batalha de Las Navas de Tolosa, ganhando grande respeito diante de Roma. 101 Simon de Montfort inclusive, quando assumiu o viscondado de Béziers e Carcassome, tornou-se vassalo do Rei Pedro 102, enviando cavaleiros sob seu comando para participarem da Batalha de Las Navas de Tolosa. 103 Porém, durante os dois anos em que o rei aragonês esteve envolvido com os muçulmanos, Simon passou a ampliar seu domínio sob cidades tutoradas por Pedro. Em 1211 e 1212, Simon conquistou cidades sob a tutela direta de Pedro II, levando o monarca recorrer a Roma, tendo em vista que era vassalo direto de Inocêncio III. É preciso analisar mais de perto o que eram estas relações entre vassalo e senhor para que possamos indagar porque Pedro aceitou Simon sob seu suseranato e este mais tarde rompeu com esta relação para poder investir contra Toulouse. 104 Segundo Marc Bloch, as obrigações do vassalo resumiam-se, nos textos antigos, a servir e proteger seu senhor. O dever primordial era o auxílio à guerra. 105 Esta foi a razão de Simon ter enviado 50 cavaleiros para Las Navas de Tolosa. Ainda segundo Bloch, o período de obrigação militar do vassalo era pré-determinado em 40 dias. Esta é outra razão 101 As notícias que chegavam de Las Navas de Tolosa fizeram tocar os sinos por todo o continente. Para Inocêncio, ali estava finalmente uma cruzada que alcançara um triunfo sem ambigüidade nem mácula. Nada de saque como em Constantinopla, nada de holocausto como em Béziers. O SHEA Op. cit. pp O rei Pedro de Aragão tentou impedir que a guerra engolisse todo o resto do Languedoc. Em janeiro de 1211, fez uma generosa proposta à igreja: Pedro reconheceria Simon de Montfort como seu vassalo, concedendo, desse modo, um selo de aprovação ao novo visconde reconhecido pela nobreza de ambos os lados dos Pirineus. O SHEA. Op. cit. pp Simon de Montfort, sendo visconde de Carcassome, tinha enviado cinqüenta cavaleiros para unir forças com seu suserano aragonês. 104 Todos estes eventos encontram-se narradas em O SHEA. 105 BLOCH, Marc. A Sociedade Feudal. Lisboa: Edições 70, pp

37 37 importante para entender porque as conquistas Simon eram intermitentes. O período que um cruzado deveria combater para receber as indulgências era o mesmo período de 40 dias. Como a distância do Languedoc era relativamente próxima do norte francês, haviam levas de cruzados que passavam 40 dias em combate e retornavam a seus lares. Por esta razão o exército cruzado sofria de uma intermitência bastante elevada e freqüente. Por isso as conquistas eram bastante espaçadas entre uma e outra cidade importante. Para Pedro, que era um rei defensor da ortodoxia cristã e segundo O shea : um santo secular, um paladino intocável da Igreja, 106 Simon não empreendia mais combate contra os hereges, mas sim havia iniciado uma campanha de conquista por todo o Languedoc 107. Para que Toulouse, não fosse atacada, Pedro propôs a Roma que o conde de Toulouse, Raymond VI, fosse substituído por seu filho Raymond VII, que seria educado na corte de Aragão, portanto dentro da ortodoxia católica. Reivindicou também que seus vassalos ao norte dos Pirineus não fossem atacados, pois historicamente as cidades de Foix, Commingnes e Couserans, não apresentaram concentração de cátaros ou perfeitos. O conde de Toulouse sendo cunhado seu, era protegido do rei Aragonês. 108 Inocêncio III decidiu por Simon ao não acatar as solicitações de Pedro. Estes eventos políticos culminaram na famosa batalha de Muret, que resultou na morte do rei Pedro em Esta atitude de Inocêncio corrobora com o projeto em conjunto com Filipe Augusto, na medida em que Pedro, pretendia unificar a região do Languedoc num grande reino Aragonês, que se apresenta contra os propósitos nortistas de unificação francesa sob a égide de Paris. Este sistema de interferência nortista foi mais sutil a medida que as cidades eram conquistadas. Quando Béziers e Carcassome foram capituladas, os nobres locais estavam proibidos de adquirir casamentos com mulheres locais. As mulheres com dotes vultosos eram enviadas ao norte para casarem com nobres aliados de Filipe Augusto. Este método sistemático de romper com as tradições feudais e romperem com a estrutura dos feudos introduzindo membros exteriores a um sistema próprio ao Languedoc. Este 106 O SHEA Op. cit. pp A natureza cambiante do conflito fez a cruzada se desviar de seu propósito inicial. Enquanto Simon usava seus talentos para tomar pela espada um reino para si próprio, menos fogueira eram acessas. O SHEA. Op. cit. pp Du roy d Aragon. Demande humblement à votre sainteté et la prie instamment en faveur du comte de Toulouse qui désiré rentrer au sein de notre mère léglise de lui accorder avec clémence et miséricorde la restituition de sés possessions et autres biens qu il a perdus : pour lês excèss qu il (Simon de Montfort) a commis, il s engage à Donner personnellement telle satisfaction que l Eglise jugera adéquate et à réparer lês dommagesn et injures causes à diverses églises et à divers preláts selon ce que la clemencé de notre sainte mère l Eglise décidera de lui enjoidre. PVC. Op. cit. pp. 146.Grifo meu.

38 38 método foi com certeza mais destruidor que a própria cruzada e mais eficaz, no sentido em que a autoridade de Simon não fora aceita pelos occitanos. Após a morte do conde de Montfort, seu filho Amaury de Montfort não conseguiu manter as possessões de pai. Apenas com a Cruzada real de Luiz VIII em 1215 é que as resistências cedem e começa a ser delineado a territorialidade da França pretendida pelo projeto entre a monarquia e o papado. Nos escritos de Pierre, Pedro é descrito como um rei que possuía apenas aparência de um fiel cristão, que realizava encontros secretos para incitar a rebelião dos occitanos. Segundo Pierre: Le roi à accepter notre comte comme vassal : bien plus, à ce qu un dit le roi ordonna secrètement aux siegneurs qui résistaient encore à la Sainte Eglise et à notre comte dans la vicomté de Béziers et de Carcassome de ne pás se rallier au comte : lui-même promit de lês soutenir dans leur lutte contre le comte. 109 Para justificar as ações de Montfort era necessário denegrir a imagem de Pedro, que era apontado por Pierre como simpatizante dos hereges. Mas mesmo ele não acusa diretamente ao monarca aragonês, devido à sua importância à cristandade. Nesta medida, ele dedica 119 capítulos à intervenção do rei Pedro II entre o Concílio de Lavaur e a batalha de Muret. Com a derrota de Pedro mesmo em maioridade numérica, Pierre atribui à contribuição divina sobre Simon de Montfort: Donné à Muret, le lendemain de la glorieuse victorie, c est-à-dire le vedredi avant l octave de la Nativité de la Bienheureuse Virge Marie, l au du Siegneur A figura de Simon de Montfort na Histoire Albigeoise o Vassalo Perfeito Passaremos a discutir a criação da figura heróica do vassalo Perfeito por Pierre des Vaux de Cernay em sua Histoire Albigeoise. Partimos do pressuposto de que para criar um modelo, devem ser adotados parâmetros existentes no contexto ao qual o escritor está inserido. Pesquisando a biografia de Pierre encontrada na introdução crítica de Paul Guébin a Histoire, encontramos um fator que nos chamou bastante a atenção: 109 PVC. Op. cit. pp PVC. Op. cit. pp. 185.

39 39 La Bibliothèque comprenait aussi des oeuvres relativement contemporaires de Saint Anselme, Yves de Chartres, Hugues de Saint Victor, Pierre Lombard. En bonne place figuraient évidemment lês traités, commentaries et sermons de Saint Bernard. 111 Buscamos nas obras completas de São Bernardo algo que pudesse embasar nossa hipótese de que a criação do vassalo Perfeito pudesse encontrar algum respaldo em Bernardo. No segundo tomo da obra, encontra-se um tratado sobre a nova milícia que defenderia a Terra Santa, aqueles conhecidos como cavaleiros Templários, uma casta de monges guerreiros, que segundo Bernardo, possuíam a excelência entre os demais cavaleiros por que [...] se dan a um tiempo mismo dos combates com un valor invencible: contra la carne y la sangre y contra los espíritos de malícia que están esparcidos en el aire. 112 Bernardo distingue claramente a milícia considerada celeste e a secular. A milícia secular é descrita como sem propósito, perdida em meio aos adereços de suas vestimentas e a de seus cavalos: Mas decidine, valientes del siglo : qué ilusión espantosa es ésta y qué insoportable furor combatir com tantas fatigas y gastos sin outro salário que el de la muerte o Del crimen? Cubris los caballos de bellas gualdrapas de seda, aforráis las corazas com ricas tellas que cuegan de ellas, pintais las picas, los escudos y las sillas, lleváis las bridas de los caballos y las espuelas cubiertas de oro, de plata y de pedreria, y com toda la pompa brillante os precipitais en la muerte com un furos vergononzonzo y com uma estupidez que no tiene el menor miramiento. 113 Neste sentido, é possível perceber um dos fatores pelo qual os atributos de Simon de Montfort são apenas físicos e de caráter. Em nenhum momento encontramos a descrição das vestimentas do cavaleiro, o que fica em evidência é o caráter cristão, a sabedoria e a humildade do conde, suas conquistas não apontam para o perfil desenhado pelo monge cisterciense. Os inimigos de Montfort, no entanto, possuem características apontadas por Bernardo, como por exemplo, o próprio rei Pedro de Aragão, indicado como orgulhoso, razão pela qual foi abatido na batalha de Muret: C est dans cêtte mêlée que sucomba le roi d Aragon et beaucoup d Aragonnais avec lui : son grands orgueil l avait poussé à se mettre dans cette deuxiéme ligne, alors que lês róis ont 111 PVC Op. cit pp. X. Grifo meu. 112 CLARAVAL, Bernardo de. Obras Completas, Tomo II. Madrid: Biblioteca de los autores cristianos, pp CLARAVAL, Bernardo de. Op. cit. pp. 856.

40 40 l habitude de se mettre toujours dans la derniére : de plus, il avait changé d armadure e revêtu celle d un Archer. 114 O outro inimigo de Simon, transformado em uma espécie de alter ego do conde por Pierre, o conde de Toulouse Raimond VI, descrito como: infiel por ser simpático aos hereges, grande pecador, homicida, traidor e malvado. 115 Voltando aos escritos de Bernardo, o abade de Claraval, em seu elogio à nova milícia atribui a verdadeira virtude na luta pela causa de Cristo: De los caballeros de Jesus Cristo, pues combaten solamente por los interesses de su Señor, sin temor de incurrir en algún pecado por la muerte de sus enemigos ni en peligros ninguno por la suya propia, porque la muerte que se da o recibe por amor de Jesus Cristo, muy lejos de ser criminal, es digna de mucha gloria. 116 Neste sentido, nossa hipótese transita em torno da construção da imagem do conde por Pierre a partir destes pressupostos. Na Histoire Albigeiose, dividimos as características descritas em três categorias, a saber: físicas, cristãs e nobres. Como estas características permeiam toda obra de Pierre des vaux de Cernay, escolhemos alguns trechos que embasam nossa divisão. 4.3 Características Físicas Após a eleição do de Montfort, que é chamado pelo escritor também como nosso conde, conde de Cristo e campeão de Cristo, Simon é descrito através de sua forma física conforme o trecho a seguir: De plus, si mous passons à l aspect physique, sa stature était haute, sa chevelure remarquable, son visage élégant, son aspect agréable, ses épaules saillantes, ses bras musclés, son torse gracieux, tous ses membres agiles et souples, son allure vive et alerte. 117 Steven O shea fala a respeito desta visão dos cronistas católicos: 114 PVC. Op. cit. pp PVC. Op. cit. pp CLARAVAL, Bernardo de. Op. cit. pp PVC Op. cit. p. 46.

41 41 Cronistas católicos da época, encantados, descreveram seus modos cativantes e sua aparência distinta. Um dos cronistas demora-se amavelmente na descrição de um aristocrata alto e de boa aparência, com uma cabeleira farta e uma musculatura bem talhada. 118 Podemos atribuir esta descrição de Pierre a duas razões fundamentais: a primeira vem do conteúdo literário da Provença do século XII, pois era comum que no provençal, os heróis fossem descritos enquanto seres humanos desprovidos de falhas físicas, enquanto sinal da Providência Divina favorável. A semelhança com heróis bíblicos do Antigo Testamento, bastante comum nos escritos eclesiásticos pode apontar para outra fonte de consulta do monge cisterciense. Dois guerreiros natos dos tempos bíblicos são celebrados por sua beleza: Absalão 119, filho de Davi e Sansão, o libertador de Israel perante os filisteus, ambos inclusive possuindo longos cabelos. Outra razão para a descrição detalhada do físico de Simon poderia se originar da leitura do padrão de cavaleiro proposto por Bernardo, na medida em que a indumentária, que não é citada por Pierre, apenas corrompe o cavaleiro. Neste sentido, uma descrição física não deixa explícito como Simon se apresentava diante de seus pares. A perfeição física é mostrada como uma dádiva divina e tinha um caráter pedagógico diante de uma sociedade de grande maioria pobres e dependentes, onde a beleza física era privilégio de poucos membros da aristocracia e uma imagem que se impregnava no imaginário da sociedade menos favorecida. 4.4 Características Cristãs Quanto às qualidades cristãs de Simon de Montfort, Pierre ressalta as seguintes: Il convenait, dis-je de commettre à la défense de l Eglise en péril, un homme dont la protection et la compétence pussent garantir la securité des chétiens innocents et enpêcher lês herétiques orguelleux et temeraires d esperer l impunité de loeurs détestables erreurs O SHEA, S. Op. cit. P Não havia, porém em todo o Israel homem tão celebrado por sua beleza como Absalão; da planta do pé ao alto da cabeça, não havia nele defeito algum Quando cortava o cabelo (e isto se fazia no fim de cada ano, porquanto muito lhe pesava), seu peso era de duzentos siclos, segundo o peso real. Livro de 2 Samuel, 14:25 e PVC Op. cit. pp. 49.

42 42 Esta afirmação a respeito da missão de Simon enquanto guardião da fé cristã e da Igreja contra os hereges, também se encontra nos escritos de Bernardo 121. Porém, esta incumbência dos cavaleiros de proteção do patrimônio tanto humano como físico da Igreja é bastante notório na historiografia que trata a respeito da sociedade cavalheiresca. 122 Na sociedade medieval, a guerra no interior da Cristandade era abertamente combatida, na medida em que segundo o Concílio de Narbonne em 1054, ficou instituído que Aquele que derrama o sangue de um cristão derrama o sangue de Cristo. 123 Por outro lado, com a instituição do conceito de cruzada por Urbano II em 1095 durante o Concílio de Clermont, aqueles que combatessem infiéis, pagãos ou hereges seriam galardoados com as palmas do martírio. Esta codificação criada para refrear a violência destes personagens no seio da cristandade e direcioná-las para um inimigo comum da Igreja. Os cavaleiros cruzados poderiam ser ornados como milites Christi, ou cavaleiros de Cristo, o que os elevavam à categoria de mártires caso sucumbissem na batalha. Na prática, porém apenas os mais proeminentes chegavam a ficarem conhecidos através dos escritos dos cronistas medievais. Um ponto importante para entendermos a belicidade dos escritos eclesiásticos pode ser encontrado na própria Bíblia, fonte dos escritores, na medida em que a História do Antigo Testamento narra a História de um povo guerreiro em busca da Terra Prometida, enquanto no Novo Testamento, é possível encontrar analogias ao próprio Cristo enquanto o cavaleiro perfeito. 124 No tocante ao notre comte, Simon de Montfort, Pierre não apenas exaltou todas as qualidades de um cristão, como descrito acima, como também atribuiu milagres ao 121 Un Cristiano se gloria en la muerte de un pagano porque Jesuscristo es glorificado en ella y la liberalidad Del Rey de los reyes se hace manifestar en la muerte de un soldado Cristiano porque se le lleva de la tierra para remunerarle. CLARAVAL, Bernardo de. Op. cit. pp A essa divisão em dois estados, laico e eclesiástico, superpões-se, a partir do século X, uma divisão funcional representando as três ordens que subsistirão até o fim da Idade Média. [...] Existe portanto, realmente, um ordo militium, uma ordem de guerreiros. Aos olhos da Igreja, sua importância cresce na proporção que dela necessita.[...] A Igreja trata de promulgar regras para eles, um código deontológico impregnado de valores cristãos. FLORI, Jean Cavalaria. In. LE GOFF, Jaques e SCHMITT, Jean Claude (Org.) Dicionário Temático do Ocidente Medieval. São Paulo: EDUSC, 2002, pp FLORI, Jean, Op. cit. p Vi o céu aberto e eis um cavalo branco. O seu cavaleiro se chama Fiel e Verdadeiro e julga e peleja com justiça. Seus olhos são como chama de fogo; na sua cabeça, há muitos diademas; tem um nome escrito que ninguém conhece senão Ele mesmo, e seguiam no os exércitos que há no céu, montando cavalos brancos, com vestiduras de linho finíssimo, branco e puro. Apocalipse 19:11-14.

43 43 cavaleiro, transformando-o em um santo enquanto vivo. Neste episódio, Pierre narra que dois hereges foram capturados pelo conde. Um deles abjura de sua fé e retorna ao seio da Igreja Romana. A partir daí uma grande discussão se levanta sobre a assembléia a respeito da veracidade das declarações do herege. Simon então se levanta e manda que ambos sejam queimados na fogueira e profetizou que, caso a conversão do herege tenha sido genuína, nada aconteceria com ele e foi o que aconteceu. Pierre exalta a sabedoria sobrenatural de Simon. 125 Outro episódio notório da exaltação católica do conde pelo cronista, acontece pouco antes do início da Batalha de Muret em O conde participa de uma missa com os demais cavaleiros, não são descritos outros combatentes. Durante a cerimônia, o conde é chamado devido à eminência do início do combate, porém irredutível, ordena ao legado que continuasse com a missa até o fim. Vejamos algumas frases do conde neste episódio: Aussitôt le comte três chrétien courut s agenouiller devan l êveque et les mains jointes el lui dit : A Dieu et à vous, j offre aujourd hui mon corp set mon ame Oh Dévoeion d un grand chef! 126 Para esta batalha em especial, era necessário que a preparação espiritual do conde fosse muito bem descrita, devido à vitória de Montfort contra as forças mais numerosas da coalizão organizada por Pedro de Aragão. Simon utilizou uma estratégia superior durante a batalha e desbaratou as forças superiores numericamente, porém desorganizadas de Pedro. Após a morte de Pedro durante a Batalha, Pierre exalta a vitória sobrenatural do conde, o campeão de Cristo. Em suma, estas características apontadas por Pierre ao nosso ver tinham o objetivo de moldar o exemplo de um cavaleiro ideal, segundo a visão de Bernardo a respeito da cavalaria. Na medida em que o projeto dos Templários mostrou-se um fracasso 127, era necessário modificar o modelo de cavalaria que servisse à Igreja, neste sentido Simon foi adotado, mesmo não correspondendo plenamente aos interesses de Inocêncio III. O conflito com Pedro de Aragão ocorreu devido a incursão dos Cruzados em terras onde a presença cátara não era notória nem apontada pela Igreja. Isto aponta para as relações tensas e tênues entre a igreja e este grupo laico. Tênue na medida em que, segundo Flori, a cavalaria surgiu antes da ideologia cristã sobre a cavalaria. Os cavaleiros nasceram antes 125 PVC Op. cit. cap pp PVC Op. cit FLORI, Jean Op. cit. 326.

44 44 da cavalaria. 128 Outro fator que influencia para este vínculo inconsistente entre Igreja e cavalaria está relacionado com a origem nobre deste grupo, ou seja, além da existência de um código cristão a ser assimilado pelo grupo, existe outro código, laico e profano anterior a este que influenciam a ordem dos cavaleiros. 4.5 Características Nobres Simon é representado pela narrativa de Pierre, como o mais corajoso dos cavaleiros cruzados, nobre e justo. Estas são características que estavam inseridas no codex laico a respeito dos cavaleiros. Segundo Marc Bloch: Na sua pureza, no entanto, este ideal não fora desprovido de vida. Sobrepunham-se as regras de conduta primeiramente evidenciadas pela espontaneidade das consciências de classe: código de fidelidade dos vassalos, especialmente, código de classe das pessoas nobres e corteses. A estas morais mundanas, o novo decálogo pediu emprestado os princípios mais aceitáveis por parte de um pensamento religioso: liberalidade, busca de glória, o los ; desprezo do repouso, do sofrimento e da morte aquele diz o poeta alemão Thomasin, quem só quer viver descansadamente não quer fazer o ofício de cavaleiro 129 Mas o que este código continha? Nas obras da bibliografia dos livros nos quais tivemos acesso, para buscar elementos sobre a ordem dos cavaleiros, não encontramos. De todas as obras analisadas, um nome aparece constante em praticamente todas: Leon Gautier. Descobrimos que o autor é um dos clássicos sobre o tema, publicado pela primeira vez em Consta na bibliografia de praticamente todos aqueles que escreveram a respeito da ordem. Existem edições mais recentes de Le chevalerie, mas encontramos nas obras raras da Biblioteca Pública do Paraná uma edição de Nesta obra, o autor analisa os dez preceitos básicos com os quais o cavaleiro deveria conviver e respeitar. Ele chama estas regras de decálogo e código de cavalaria. 130 A obediência à Igreja e a seus 128 FLORI, Jean Op. cit BLOCH, Marc. Op. cit. p Os dez preceitos são: I. Tu croiras à tout ce qu enseigne léglise et observas tous sés commandements. II. Tu protégeras l Eglise. III. Tu auras le respect de toutes lês faiblesses et tu ten constinueras le défensur. IV. Tu aimeras le pays ou tu es né. V. Tu ne reculeras pas devant l ennemi. VI. Tu feras aux Infidéles une guerre sans trêve et sans merci. VII. Tu t acquitteras exactement des tes devoirs féodaux, s il, s ils ne sont pas contraíres àla loi de Dieu VIII. Tu ne mentiras point et serás fìdele à la parole donnée.

45 45 preceitos está impregnada no código citado por Gautier, mas alguns estão voltados a atos de bravura e coragem, como por exemplo, o quinto preceito onde ordena ao cavaleiro que jamais retroceda diante de um inimigo. Simon é descrito como um bravo guerreiro que, independente da situação contrária enfrentava os inimigos. Como descreve O Shea parafraseando Pierre: A ação em Bourg tinha sido uma vitória tática bem executada, na qual um nobre pouco importante do norte distinguiu-se por sua bravura. Um cavaleiro, sangrando na coxa, sozinho, deitou-se no fundo do fosso, desamparado e exposto. Um cruzado lançou-se de volta à linha de fogo e escorregou pelo declive para resgatá-lo. Escorou o homem até o alto e arrastou-o a um abrigo, enquanto choviam projéteis que faziam espirrar lama ao redor de ambos. 131 Gautier comenta que este preceito fala sobre a coragem que tinha como objeto provar a bravura de um cavaleiro. 132 Temos a impressão que o monge Pierre conhecia o código, na medida em que praticamente todos os preceitos estão personificados na figura de Simon. O sétimo preceito, por exemplo, fala sobre os laços de fidelidade vassálica do cavaleiro em relação ao seu senhor. Neste sentido, justificamos o título deste trabalho, pois Simon é retratado como o Vassalo Perfeito, seja em relação a Filipe Augusto, à Inocêncio III e até mesmo à Pedro II de Aragão, quando responde ao pedido de reforços durante a batalha de las Navas de Tolosa. O último ponto desta personalidade laica de Simon está em sua fidelidade com relação à Alice de Montmorency, sua esposa. É importante salientar que o século XIII as canções de gesta estão disseminadas pela Europa cristã. Estas canções narram modelos de cavaleiros e exaltam a modalidade do amor cortês, onde o comportamento do homem não é o retrato fiel da realidade, mas sim de como ele deveria comportar-se. Numa época em que os costumes estavam refinando-se, essas histórias serviam como "civilizadoras" dos homens. A "selvageria" começava a dar lugar à "civilidade". Uma característica destas canções era exaltar a união do casal devido o amor apenas, não mostrando as relações de IX. Tu serás liberal et feras larguesse à tous. X. Tu serás, partout et toujours, le champion du Droit et du Bien contre l Injustice et le Mal. GAUTIER, Léon. La Chevalerie. Paris: Arthaud, pp O SHEA. Op. cit. pp Il a pour object la bravoure du Chevalier. Il est à peine utile de signaler le courage au nombre des vertus que le code de la Chevalurie leur impossait. GAUTIER. Op. cit. pp. 46.

46 46 interesse que norteavam os laços matrimoniais. 133 Esses romances tinham como alvo os homens, especificamente cavaleiros, que deveriam admirar, então, as atitudes dos personagens e, finalmente, imitá-las. A organização social medieval dependia profundamente de relações de suserania e vassalagem e era exatamente essa relação fiel que é mostrada nos romances. No tocante ao conde Simon e sua esposa, Pierre retrata esta relação ideal, onde não se verifica a relação de Simon com outra mulher que não Alice. Por outro lado, o conde Raymond VI é retratado como um liberal possuindo seis esposas. Segundo O shea: Outra das características de Simon era sua conspícua monogamia, que o afastava de muito de seus pares. Sua mulher, Alice de Montmorency, manteve-se companheira vitalícia de Simon, e o casal teve seis filhos. Alice partilhava seus sucessos nos campos de batalha e seu vertiginoso ímpeto por notoriedade. Em geral, ela poderia ser encontrada ao lado de Simon, mesmo no mais sombrio dos campos de guerra. Alice, prima-irmã de Bouchard de Marly, que fora capturado, chegou no Languedoc em março de 1210 entre a liderança de uma tropa de reforços enviados para seu marido, que agora era o novo visconde. 134 Alice é descrita de como uma mulher ativa nas decisões de Simon, algo incomum para os padrões culturais do século XIII. Este elemento nos chamou a atenção e encontramos uma hipótese para esta exaltação da esposa do conde de Montfort. Na região do midi francês, a mulher tinha uma importância superior em relação ao seu papel na região norte. As Perfeitas cátaras que apresentavam grande notoriedade entre a população occitana, são exemplos da importância da mulher no Midi francês. 135 Esta descrição tinha como objetivo de mostrar Simon como um herói que se adequasse aos moldes tanto eclesiásticos como aos padrões laicos da sociedade 133 DUBY, G. Idade Média, idade dos homens. Do amor e outros ensaios. São Paulo, Companhia das Letras, "A propósito do amor chamado cortês. 134 O SHEA, Op. cit. p Entretanto, se no sul da França esse renascimento da mulher estimula um verdadeiro culto na poesia dos trovadores, no Norte a mulher não logra a mesma independência: nas canções de gesta, escritas para celebrar o espírito heróico e guerreiro da sociedade aristocrática do Norte, ela desempenha um papel acessório, de mero refrigério dos heróis cansados e dos prazeres do senhor; estes só pensam nelas quando se sentem cansados de matar 9. É nesta altura que se diversificam pela índole os dois movimentos literários: o do Norte, épico, guerreiro, fazendo da luta o seu tema capital, e o do Sul, sentimental, cortês, elegante, refinado, transformando a mulher no santuário de sua inspiração. Ao contrário do do Norte, o caráter meridional é visceralmente individualista. Aí deixara forte influência a civilização romana, e nas sobrevivências do direito romano podemos encontrar algumas das causas determinantes da fisionomia espiritual do sul da França

47 47 cavalheiresca. Mais ainda, Simon é mostrado como um herói que retém as características do norte e do sul francês. Pierre também incutiu em sua crônica albigense, o estilo literário de ambas regiões, o do norte épico e guerreiro e o do sul sentimental e cortês. 5 Conclusões Parciais Ao término de nossa pesquisa, alguns pontos puderam se tornar mais consistentes durante estes dois anos de pesquisas. O primeiro e mais importante, foi a manutenção de nossa hipótese inicial, na qual pudemos verificar que Simon de Montfort foi elevado pelo cronista cisterciense Pierre des vaux de Cernay à categoria de Vassalo Perfeito. Esta hipótese visava encontrar subsídios que apontassem para a realização de um projeto idealizado pela pretensa monarquia francesa que transcendesse à própria Cruzada albigense. Nossa hipótese foi se consolidando na medida em que analisamos as relações entre os envolvidos, em especial Pedro II de Aragão e Filipe Augusto de França, pois se verificou que ambos possuíam um projeto expansionista que visava a conquista das regiões mediterrâneas. O apoio da Igreja ao norte foi notório para a vitória deste projeto, na medida em que a recusa de Inocêncio III às solicitações de Pedro II, legítimas segundo o lexo vassálico, foram decisivas para a eclosão da batalha de Muret, em As diferenças culturais entre norte e sul francês também se sustentaram ao longo do trabalho. Pudemos perceber que, na verdade não existiam relações entre estas regiões, na medida em que era apenas Roma que as ligava antes das guerras cátaras. Foi apenas através das conquistas das cidades pelos cruzados, que uma intrincada rede de matrimônios entre nobres do norte e mulheres da aristocracia sulista, que a hegemonia da Occitânia foi quebrada e a cultura do norte começou a ser incutida na mentalidade do Midi. Percebemos também que a heresia cátara foi apenas o argumento legitimador da Cruzada, tornando-se secundária após a deflagração do conflito. O objetivo maior era a conquista dos territórios. Neste sentido, entendemos que a obra de Pierre des vaux de Cernay mostra-se como uma crônica com sentido unificador, no qual Simon de Montfort seria o personagem que possuía as características ideais de ambas as regiões: a coragem e a bravura do norte e a ternura e sentimentalismo do sul. Além disto, Simon possuía todas as qualidades cristãs necessárias a um cavaleiro. Verificamos que Pierre baseou sua descrição destas qualidades cristãs nos escritos de Bernardo de Claraval, mais especificamente no tocante aos cavaleiros Templários. Como este projeto fracassou, suas qualidades foram transcritas para

48 48 outra categoria de combatentes, os cavaleiros laicos, que aos poucos foram recebendo preceitos cristãos e assumindo a proteção da Igreja. A obra de Pierre parece ter ao nosso ver, o caráter didático de mostrar um novo perfil que deveria ser seguido por este novo reino surgido sob a égide de uma propensa ameaça à cristandade, resultado de um projeto expansionista, servindo a ambos: Igreja e Monarquia. Este elo entre as duas instituições mostrou-se mais estreito após estes eventos. Para concluir este trabalho, gostaria de transcrever as últimas palavras daquele que foi meu companheiro de jornada através do Midi Francês por estes dois anos de pesquisa, que de certa forma sintetiza os anseios buscados ao longo deste trabalho: L na 1218 de l Encarnation, le vingt-deux des Calendes de Décembre, Louis, fils de i ilustre Roi de France, avec le consentement de son père, se croisa pour la gloire de Dieu et la ruine de l hérésie dans le région de Toulouse. A son exemple, pouses par l emulation, beacoup de Français du nord, nobles et puissantas se croisèrent de même PVC. Op. cit. p O último capítulo da Histoire Albigeoise.

49 49 Referências Bibliográficas 6.1 Fonte Primária - PIERRE DES VAUX DE CERNAY. Histoire Albigeoise. Traduction par Pascal Guebin et Henri Maisonneuve. Paris :Libraire J. Vrin, Fonte Secundária - CLARAVAL, Bernardo de. Obras Completas, Tomo II. Madrid: Biblioteca de los autores cristianos, Bibliografia

50 50 - MACEDO, José Rivair. Heresias, cruzada e inquisição na França Medieval. Porto Alegre: EDIPUCRS, FALBEL, Nachman. Heresias Medievais. São Paulo: Perspectiva, BOLTON, Brenda. A Reforma na Idade Média: século XIII. Lisboa: Edições 70, KNOWLES, D; OBOLENSKY, D. Nova História da Igreja: A Idade Média. Petrópolis: Editora Vozes, MITRE, E; GRANDA, C. Las grandes heresias de la Europa Cristiana ( ). Madrid:Istmo, CAMPI, Jesús Mestre. Atlas de los Cátaros. Barcelona: Ediciones Península, LUCHAIRE, Achille. Innocent III la croisade dês albigeois. Paris: Libraire Hachette, HEERS, Jaques. História Medieval. São Paulo: Edusp, BOULENGER, A. Historia de la Iglesia. Barcelona: Editorial Litúrgica Española, VILLOSLADA, Ricardo Garcia. Historia de la Iglesia Católica. Madrid: Editorial Católica, FOURQUIN, Guy. Senhorio e Feudalidade na Idade Média. Lisboa: Ediões 70, BLOCH, Marc. A Sociedade Feudal. Lisboa: Edições 70, HOGETT, Gerald A. J. Historia Social e Econômica da Idade Média. Rio de Janeiro: Zahar, LE GOFF, Jaques. O Maravilhoso e o Quotidiano no Ocidente Medieval. Lisboa: Edições 7, 1983.

51 51 - DUBY, Georges. Idade Média, Idade dos Homens. São Paulo: Companhia das Letras, As três ordens ou o imaginário do feudalismo. Lisboa: Estampa, O Domingo de Bouvines.São Paulo: Paz e Terra, A Europa na Idade Média. São Paulo: Companhia das Letras, RUNCIMAN, S. A História das Cruzadas. Volume 2.Rio de Janeiro: Imago, O SHEA Stephen. A heresia perfeita: A vida e a morte revolucionária dos cátaros na Idade Média. Rio de Janeiro: Record, ZERNER, Monique Heresia. In. LE GOFF, Jaques e SCHMITT, Jean Claude (Org.) Dicionário Temático do Ocidente Medieval. São Paulo: EDUSC, FLORI, Jean Cavalaria. In. LE GOFF, Jaques e SCHMITT, Jean Claude (Org.) Dicionário Temático do Ocidente Medieval. São Paulo: EDUSC, GAUTIER, Léon. La Chevalerie. Paris: Arthaud, PERRY, Marvin. Civilização Ocidental: uma história concisa. São Paulo: Martins Fontes, pp HUIZINGA, J. El outono de la Edad Media. Madrid: Revista de Ocidente, FERNANDES, Tathyana Zimmermann. Ordem de Cister: Arte e Pensamento. Curitiba,2004. Trabalho Monográfico apresentado no departamento de História da UFPR. - ELWELL, Walter. Enciclopédia Histórico Teológica da igreja Cristã.São Paulo: Sociedade Religiosa Edições Vida Nova. - VERGER, J. Cultura, Ensino e Sociedade no Ocidente nos séculos XII e XIII. Edusc, 2001.

52 52 -PIERRARD, Pierre. História da Igreja. São Paulo: Edições Paulinas, HERVE, M. Manual de herejias. Madri: Rialp, LE ROY LADURIE, Emanuel. Montaillou: cátaros e católicos numa aldeia francesa Lisboa: Edições 70, BARRACLOUGH, Geoffrey. Os papas na Idade Média. Lisboa: Verbo, BERLIOZ, Jaques. Monges e Religiosos na Idade Média. Lisboa: Terramar, Anexos

53 53 Figura 1 Oshea, Op. cit pp Figura 2 O shea, Op. cit pp. 165.

SIMON DE MONTFORT E A FIGURA DO VASSALO PERFEITO NA OBRA HISTOIRE ALBIGEIOSE DE PIERRE DES VAUX DE CERNAY

SIMON DE MONTFORT E A FIGURA DO VASSALO PERFEITO NA OBRA HISTOIRE ALBIGEIOSE DE PIERRE DES VAUX DE CERNAY SIMON DE MONTFORT E A FIGURA DO VASSALO PERFEITO NA OBRA HISTOIRE ALBIGEIOSE DE PIERRE DES VAUX DE CERNAY Palavras-chave: Cruzada, vassalagem, projeto unificador francês. Autor: Eduardo Luiz de Medeiros

Leia mais

A IGREJA MEDIEVAL. História 1 Aula 13 Prof. Thiago

A IGREJA MEDIEVAL. História 1 Aula 13 Prof. Thiago A IGREJA MEDIEVAL História 1 Aula 13 Prof. Thiago A IGREJA MEDIEVAL Instituição centralizada, poderosa, hierárquica, supranacional e autoritária Única instituição coesa com o fim do Império Romano Controle

Leia mais

1. A multiplicidade de poderes

1. A multiplicidade de poderes 1. A multiplicidade de poderes Europa dividida - senhorios (terras de um senhor) - poder sobre a terra e os homens - propriedade (lati)fundiária - por vezes, descontinuada - aldeias, bosques, igrejas -

Leia mais

2º bimestre 1ª série 12 - Era Medieval Formação e consolidação da Igreja Caps. 3.2, 3.3 e 7. Roberson de Oliveira Roberson de Oliveira

2º bimestre 1ª série 12 - Era Medieval Formação e consolidação da Igreja Caps. 3.2, 3.3 e 7. Roberson de Oliveira Roberson de Oliveira 2º bimestre 1ª série 12 - Era Medieval Formação e consolidação da Igreja Caps. 3.2, 3.3 e 7 Roberson de Oliveira Roberson de Oliveira 1 Igreja na Era Medieval Importância: 1. Único poder universal. 2.

Leia mais

O que foram as Cruzadas? Prof. Tácius Fernandes

O que foram as Cruzadas? Prof. Tácius Fernandes O que foram as Cruzadas? Prof. Tácius Fernandes Compreendendo as Cruzadas a partir de imagens Mapa da Primeira Cruzada Pintura sobre a sétima Cruzada. Data: século 13. Autor desconhecido. Imagem retirada

Leia mais

Prof. Alexandre Cardoso. História 5A. Bizantinos e Francos.

Prof. Alexandre Cardoso. História 5A. Bizantinos e Francos. Prof. Alexandre Cardoso História 5A Aula 14 Bizantinos e Francos. Crescente Fértil ORIENTE O IMPÉRIO BIZANTINO O IMPÉRIO BIZANTINO: Império Romano do Oriente. Constantinopla capital. Antiga Bizâncio, hoje

Leia mais

Capacete de um chefe saxão

Capacete de um chefe saxão Capacete de um chefe saxão Fivela de ouro (séc. VI, Museu Britânico, A Europa no início do século VI Londres, Inglaterra). 2 Fim do Império Romano do Ocidente Guerras civis. Descrédito do Imperador. Fixação

Leia mais

Igreja medieval Cruzadas Renascimento: Comercial e Urbano

Igreja medieval Cruzadas Renascimento: Comercial e Urbano Baixa Idade Média Igreja medieval Cruzadas Renascimento: Comercial e Urbano Cristianismo Surge com a crucificação de Cristo. Se difunde pela necessidade do povo em acreditar em algo além da vida terrena.

Leia mais

RENASCIMENTO CULTURAL

RENASCIMENTO CULTURAL RENASCIMENTO CULTURAL O termo renascimento, ou renascença, faz referência a um movimento intelectual e artístico ocorrido na Europa, entre os séculos XV e XVI, durante a transição da Idade Média para a

Leia mais

A IGREJA MEDIEVAL. Profª. Maria Auxiliadora

A IGREJA MEDIEVAL. Profª. Maria Auxiliadora A IGREJA MEDIEVAL Profª. Maria Auxiliadora Organização Interna da Igreja Católica Clero Secular (Alto Clero) Papa, bispos, padres (ocupavam-se das coisas terrenas bens materiais) Clero Regular (Baixo Clero)

Leia mais

FÍSICA FILOSOFIA. Resumex JáEntendi 1. A FILOSOFIA NA IDADE MÉDIA. Características Fundamentais da Idade Média

FÍSICA FILOSOFIA. Resumex JáEntendi 1. A FILOSOFIA NA IDADE MÉDIA. Características Fundamentais da Idade Média FILOSOFIA FÍSICA Resumex JáEntendi 1. A FILOSOFIA NA IDADE MÉDIA O período histórico comumente chamado de Idade Média inicia- se no século V e termina no século XV. Portanto, ele representa mil anos de

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012 PROVA FINAL DE HISTÓRIA

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012 PROVA FINAL DE HISTÓRIA COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012 PROVA FINAL DE HISTÓRIA Aluno(a): Nº Ano: 1º Turma: Data: Nota: Professor(a): Élida Valor da Prova: 65 pontos Orientações gerais: 1) Número de questões

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Terras de Bouro

Agrupamento de Escolas de Terras de Bouro Perfil de aprendizagem de História 3.º CICLO DO ENSINO BÁSICO Das sociedades recolectoras às primeiras civilizações Das sociedades recolectoras às primeiras sociedades produtoras 1. Conhecer o processo

Leia mais

Trabalho de Regulação 1 bimestre

Trabalho de Regulação 1 bimestre Nome: Ano: 7 ano Disciplina: História Professor: Eder Nº: Trabalho de Regulação 1 bimestre 1 - Complete abaixo a Linha do Tempo da Roma Antiga e responda a seguir com suas palavras o que foi a Crise do

Leia mais

Idade Média (século V ao XV)

Idade Média (século V ao XV) Idade Média (século V ao XV) Alta Idade Média (séculos V ao X): formação e consolidação do feudalismo Baixa Idade Média (séculos XI ao XV): apogeu e crise do sistema feudal. 1 Povos Romanos e germanos,

Leia mais

História 5A - Aula 15: O Renascimento Comercial e Urbano

História 5A - Aula 15: O Renascimento Comercial e Urbano História 5A - Aula 15: O Renascimento Comercial e Urbano A partir do ano 1000 Europa período de relativa tranquilidade. Produção ocidental era baixa (ameaça de fome). Revolução agrícola série de inovações

Leia mais

H14 - A FORMAÇÃO DO FEUDALISMO

H14 - A FORMAÇÃO DO FEUDALISMO H14 - A FORMAÇÃO DO FEUDALISMO Desagregação do Império Romano do Ocidente Povos germânicos habitavam da região além do Rio Reno até o sul da Escandinávia hábitos seminômades viviam do pastoreio e agricultura

Leia mais

Disciplina: HISTÓRIA Professor (a):rodrigo CUNHA Ano: 7º Turmas: 7.1 e 7.2

Disciplina: HISTÓRIA Professor (a):rodrigo CUNHA Ano: 7º Turmas: 7.1 e 7.2 COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 1ª Etapa 2013 Disciplina: HISTÓRIA Professor (a):rodrigo CUNHA Ano: 7º Turmas: 7.1 e 7.2 Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de

Leia mais

INSTITUTO GEREMARIO DANTAS COMPONENTE CURRICULAR: HISTÓRIA EXERCÍCIOS DE RECUPERAÇÃO PARCIAL

INSTITUTO GEREMARIO DANTAS COMPONENTE CURRICULAR: HISTÓRIA EXERCÍCIOS DE RECUPERAÇÃO PARCIAL INSTITUTO GEREMARIO DANTAS Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Fone: (21) 21087900 Rio de Janeiro RJ www.igd.com.br Aluno(a): 3º Ano: C31 Nº Professor: Roberto Nascimento COMPONENTE CURRICULAR:

Leia mais

IDADE MÉDIA ALTA IDADE MÉDIA (SÉC. V X) 1 CARACTERÍSTICAS GERAIS:

IDADE MÉDIA ALTA IDADE MÉDIA (SÉC. V X) 1 CARACTERÍSTICAS GERAIS: 1 CARACTERÍSTICAS GERAIS: Formação e apogeu do Feudalismo. Período de constantes invasões e deslocamentos populacionais. Síntese de elementos do antigo Império Romano + povos bárbaros + cristianismo. 2

Leia mais

Roteiro de Estudos para o 3º Bimestre 1 os anos Roberson ago/10. Nome: Nº: Turma:

Roteiro de Estudos para o 3º Bimestre 1 os anos Roberson ago/10. Nome: Nº: Turma: História Roteiro de Estudos para o 3º Bimestre 1 os anos Roberson ago/10 Nome: Nº: Turma: 1. Conteúdos a serem abordados no 3º bimestre: História Geral 1. Unificação e expansão islâmica (Cap. 15). 2. Reinos

Leia mais

Universidade Federal Fluminense Instituto de Ciências Humanas e Filosofia Departamento de História História Medieval

Universidade Federal Fluminense Instituto de Ciências Humanas e Filosofia Departamento de História História Medieval Universidade Federal Fluminense Instituto de Ciências Humanas e Filosofia Departamento de História História Medieval Professora: Vânia Leite Fróes Horário: 3as e 5as das 09:00 às 11:00 horas Período: Primeiro

Leia mais

REFORMA PROTESTANTE E REFORMA CATÓLICA VISÃO PANORÂMICA

REFORMA PROTESTANTE E REFORMA CATÓLICA VISÃO PANORÂMICA REFORMA PROTESTANTE E REFORMA CATÓLICA VISÃO PANORÂMICA Martinho Lutero ( 1483-1546 ) 1505 Entra para ordem dos Agostinianos 1507 Ordenado Sacerdote 1513 Professor na Universidade de Wittenberg Constante

Leia mais

Lição 5 ATOS 1. Atos destinado a Teófilo período 63 d.c apóstolo Pedro apóstolo Paulo Atos do Espírito Santo que Jesus operou por meio da igreja

Lição 5 ATOS 1. Atos destinado a Teófilo período 63 d.c apóstolo Pedro apóstolo Paulo Atos do Espírito Santo que Jesus operou por meio da igreja Lição 5 ATOS 1. Atos O livro de Atos foi o segundo escrito por Lucas, também destinado a Teófilo. Acredita-se que originalmente não tivesse título, sendo inserido Atos ou Atos dos Apóstolos nos manuscritos

Leia mais

evangelho de Jesus Cristo revelado na carta aos Romanos

evangelho de Jesus Cristo revelado na carta aos Romanos O Tema do trimestre: Maravilhosa graça O evangelho de Jesus Cristo revelado na carta aos Romanos O Estudo da epístola de Paulo aos Romanos, um dos livros mais analisados na história da Igreja (Agostinho,

Leia mais

Igreja de Hagia Sophia

Igreja de Hagia Sophia Igreja de Hagia Sophia Constantino (em 312) teve uma revelação através de um sonho onde durante uma batalha teria visto uma cruz luminosa no céu. Depois disto, a batalha teria sido vencida. Assim, adotou

Leia mais

06. REFORMAS RELIGIOSAS

06. REFORMAS RELIGIOSAS 06. REFORMAS RELIGIOSAS O clero e a Igreja Católica Igreja Católica instituição mais poderosa na Baixa Idade Média (séc. XI ao XV) única autoridade espiritual líder religioso único maior poder do que os

Leia mais

Sumário detalhado 1. A Reforma: uma introdução O cristianismo no final da Idade Média O humanismo e a Reforma...54

Sumário detalhado 1. A Reforma: uma introdução O cristianismo no final da Idade Média O humanismo e a Reforma...54 Sumário Sumário detalhado...4 Prefácio à quarta edição... 11 Como usar este livro... 14 1. A Reforma: uma introdução... 17 2. O cristianismo no final da Idade Média... 41 3. O humanismo e a Reforma...

Leia mais

Idade Média (século V ao XV)

Idade Média (século V ao XV) Idade Média (século V ao XV) Alta Idade Média (séculos V ao X): formação e consolidação do feudalismo Baixa Idade Média (séculos XI ao XV): apogeu e crise do sistema feudal. 1 Povos Romanos e germanos,

Leia mais

Baixa Idade Média 1 CARACTERÍSTICAS GERAIS:

Baixa Idade Média 1 CARACTERÍSTICAS GERAIS: Baixa Idade Média 1 CARACTERÍSTICAS GERAIS: Decadência do feudalismo. Estruturação do modo de produção capitalista. Transformações básicas: auto-suficiência para economia de mercado; novo grupo social:

Leia mais

REFORMA PROTESTANTE. 1- CONTEXTO HISTÓRICO: 1.1- Início do século XVI no Norte da Europa.

REFORMA PROTESTANTE. 1- CONTEXTO HISTÓRICO: 1.1- Início do século XVI no Norte da Europa. REFORMA PROTESTANTE 1- CONTEXTO HISTÓRICO: 1.1- Início do século XVI no Norte da Europa. 1.2- Processo final de formação das monarquias nacionais absolutistas. 1.3- Grandes navegações: transformações econômicas,

Leia mais

1 (1,0) Podemos aplicar o termo Idade Média a toda a humanidade? Justifique.

1 (1,0) Podemos aplicar o termo Idade Média a toda a humanidade? Justifique. 1º EM História Rafael Av. Trimestral 27/05/15 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 1. Verifique, no cabeçalho desta prova, se seu nome, número e turma estão corretos. 2. Esta prova

Leia mais

Fatores religiosos: Corrupção do clero religioso : Venda de relíquias sagradas; venda de indulgencias; lotes celestiais; Ignorância do clero a maior

Fatores religiosos: Corrupção do clero religioso : Venda de relíquias sagradas; venda de indulgencias; lotes celestiais; Ignorância do clero a maior Fatores religiosos: Corrupção do clero religioso : Venda de relíquias sagradas; venda de indulgencias; lotes celestiais; Ignorância do clero a maior parte dos sacerdotes desconhecia a própria doutrina

Leia mais

H I S T Ó R I A P L A N I F I C A Ç Ã O A M É D I O P R A Z O. DISCIPLINA: História ANO: 7 TURMAS: B, C e D ANO LECTIVO: 2011/

H I S T Ó R I A P L A N I F I C A Ç Ã O A M É D I O P R A Z O. DISCIPLINA: História ANO: 7 TURMAS: B, C e D ANO LECTIVO: 2011/ DISCIPLINA: História ANO: 7 TURMAS: B, C e D ANO LECTIVO: 2011/2012 P L A N I F I C A Ç Ã O A M É D I O P R A Z O H I S T Ó R I A - 1 - TEMA A Das Sociedades Recolectoras Às Primeiras Civilizações SUBTEMA

Leia mais

Curso de Graduação em História

Curso de Graduação em História UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE Instituto de Ciências Humanas e Filosofia Departamento de História Curso de Graduação em História Professor: Rodrigo Bentes Monteiro Disciplina: História Moderna Tipo: Disciplina

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 049-PROEC/UNICENTRO, DE 27 DE MARÇO DE 2014. Altera o anexo I E II da Resolução nº035- PROEC/UNICENTRO, de 06 de maio de 2013 e aprova o Relatório Final. O PRÓ-REITOR DE EXTENSÃO E CULTURA

Leia mais

Princípios para uma Catequese Renovada. Eu vim para que tenham a vida Jo 10,10

Princípios para uma Catequese Renovada. Eu vim para que tenham a vida Jo 10,10 Princípios para uma Catequese Renovada Eu vim para que tenham a vida Jo 10,10 Por que Renovada? Podemos renovar o que ainda não existe? Como renovar? Introdução A renovação atual da catequese nasceu para

Leia mais

REFORMA E CONTRARREFORMA

REFORMA E CONTRARREFORMA REFORMA E CONTRARREFORMA CONHECER E COMPREENDER A REFORMA PROTESTANTE Porque houve uma Reforma religiosa na Europa? Venda de indulgências Luxo da Igreja Corrupção Falta de vocação de membros do Clero Afastamento

Leia mais

SANTO AGOSTINHO E O CRISTIANISMO

SANTO AGOSTINHO E O CRISTIANISMO SANTO AGOSTINHO SANTO AGOSTINHO E O CRISTIANISMO Aos 28 anos, Agostinho partir para Roma. Estava cansando da vida de professor em Cartago e acreditava que em Roma encontraria alunos mais capazes. Em Milão,

Leia mais

Prof. Alexandre Goicochea História

Prof. Alexandre Goicochea História FRANCO Merovíngia Carolíngio ISLÂMICO Maomé Xiitas (alcorão) e Sunitas (suna e alcorão) BIZÂNTINO Justiniano Igreja Santa Sofia Iconoclastia Monoticismo (Jesus Cristo só espírito) Corpus Juris Civilis

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR SOLANO ABREU ABRANTES. PERÍODO LECTIVO 1. Tratamento de informação / Utilização de Fontes. AULAS PREVISTAS

ESCOLA SECUNDÁRIA DR SOLANO ABREU ABRANTES. PERÍODO LECTIVO 1. Tratamento de informação / Utilização de Fontes. AULAS PREVISTAS ESCOLA SECUNDÁRIA DR SOLANO ABREU ABRANTES 3º CICLO DISCIPLINA HISTÓRIA TURMAS A/B/C ANO: 7º ANO 2010/2011 COMPETÊNCIAS 1. Tratamento de informação / Utilização de Fontes. A. Das Sociedades Recolectoras

Leia mais

FILOSOFIA CRISTÃ. Jesus Cristo Pantocrator, Uma das mais antigas imagens de Jesus (séc. VI-VII). Monastério Sta. Catarina, Monte Sinai.

FILOSOFIA CRISTÃ. Jesus Cristo Pantocrator, Uma das mais antigas imagens de Jesus (séc. VI-VII). Monastério Sta. Catarina, Monte Sinai. Jesus Cristo Pantocrator, Uma das mais antigas imagens de Jesus (séc. VI-VII). Monastério Sta. Catarina, Monte Sinai. FILOSOFIA CRISTÃ Unidade 01. Capítulo 04: pg. 53-54 Convite a Filosofia Unidade 08.

Leia mais

Conceito de Feudalismo: Sistema político, econômico e social que vigorou na Idade Média.

Conceito de Feudalismo: Sistema político, econômico e social que vigorou na Idade Média. Conceito de Feudalismo: Sistema político, econômico e social que vigorou na Idade Média. 1.Decadência do Império Romano fragmentação do poder político. Ruralização da Sociedade; Enfraquecimento comercial;

Leia mais

HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL

HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 5.º ANO SEGUNDO CICLO DO ENSINO BÁSICO ANA FILIPA MESQUITA CLÁUDIA VILAS BOAS HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL DOMÍNIO A DOMÍNIO B A PENÍNSULA IBÉRICA: LOCALIZAÇÃO E QUADRO NATURAL A PENÍNSULA IBÉRICA:

Leia mais

Acesso ao Jesus da História

Acesso ao Jesus da História 2 O Acesso ao Jesus da História Acesso ao Jesus da História A preocupação central da cristologia é o acesso ao Jesus da história. Se as cristologias do NT não são biografias, que acesso temos, então, ao

Leia mais

ABSOLUTISMO REGIME AUTORITÁRIO

ABSOLUTISMO REGIME AUTORITÁRIO O Absolutismo ABSOLUTISMO REGIME AUTORITÁRIO Regime político em que o poder está concentrado nas mãos do Rei. Rei: chefe militar, economia, chefe administrativo, controle da Igreja, poder político -> Poder

Leia mais

Conceitos Domínios a trabalhar Experiências de aprendizagem Sugestões de recursos Avaliação Aulas

Conceitos Domínios a trabalhar Experiências de aprendizagem Sugestões de recursos Avaliação Aulas 7º ANO - PCA 1º PERÍODO 2012-2013 TEMA A Das sociedades recoletoras às primeiras civilizações A1 As sociedades recoletoras e as primeiras sociedades produtoras As primeiras conquistas do Homem Os grandes

Leia mais

Evangelhos e atos. Observações

Evangelhos e atos. Observações NOVO TESTAMENTO Muitas vezes e de diversos modos outrora falou Deus aos nossos pais pelos profetas. Ultimamente nos falou por seu Filho (Hebreus 1,1-2) EVANGELHOS E ATOS Evangelhos e atos Os melhores recursos

Leia mais

Alta idade média (Séculos v AO X)

Alta idade média (Séculos v AO X) Alta idade média (Séculos v AO X) Baixa Idade Média (SÉCULOS XI AO XV) CARACTERÍSTICAS GERAIS OS POVOS BÁRBAROS O FEUDALISMO O IMPÉRIO CAROLÍNGEO ou REINO CRISTÃO DOS FRANCO O IMPÉRIO BIZANTINO: O IMPÉRIO

Leia mais

Estratificação, Classes Sociais e Trabalho. Sociologia Profa. Maria Thereza Rímoli

Estratificação, Classes Sociais e Trabalho. Sociologia Profa. Maria Thereza Rímoli Estratificação, Classes Sociais e Trabalho Sociologia Profa. Maria Thereza Rímoli Estratificação social, classes sociais e trabalho Objetivos da aula: O que é estratificação? O que é classes sociais? Conceitos

Leia mais

IDADE MÉDIA BAIXA IDADE MÉDIA (SÉC. XI XV)

IDADE MÉDIA BAIXA IDADE MÉDIA (SÉC. XI XV) 1 CARACTERÍSTICAS GERAIS: Decadência do feudalismo. Estruturação do modo de produção capitalista. Transformações básicas: auto-suficiência para economia de mercado; novo grupo social: burguesia; formação

Leia mais

Centro de Estudos SOMA. Teste de História 8º Ano

Centro de Estudos SOMA. Teste de História 8º Ano Teste de História 8º Ano Grupo I 1. Lê o documento e observa a figura. O mau exemplo do clero é reponsável pela morte espiritual dos crentes. Os padres afastaram-se de Deus e a sua vida decorre no meio

Leia mais

Participa na selecção de informação adequada aos temas em estudo; Interpreta documentos com mensagens diversificadas;

Participa na selecção de informação adequada aos temas em estudo; Interpreta documentos com mensagens diversificadas; COLÉGIO TERESIANO HISTÓRIA - 7.º ANO DE ESCOLARIDADE ANO LECTIVO 2007/2008 COMPETÊNCIAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS 1. Tratamento de informação/utilização de Fontes Participa na selecção de informação adequada

Leia mais

Queriam uma religião mais simples, mais próxima dos ensinamentos de Jesus.

Queriam uma religião mais simples, mais próxima dos ensinamentos de Jesus. Como estudamos anteriormente, no final de Idade Média e início da Idade Moderna, muitas pessoas estavam insatisfeitas com os abusos da Igreja. Queriam uma religião mais simples, mais próxima dos ensinamentos

Leia mais

Acesso ao Jesus da História ROSSI & KLINGBEIL

Acesso ao Jesus da História ROSSI & KLINGBEIL Acesso ao Jesus da História 2 O Acesso ao Jesus da História A preocupação central da cristologia é o acesso ao Jesus da história. Se as cristologias do NT não são biografias, que acesso temos, então, ao

Leia mais

REFORMAS RELIGIOSAS SÉC XVI.

REFORMAS RELIGIOSAS SÉC XVI. REFORMAS RELIGIOSAS SÉC XVI INTRODUÇÃO CONTEXTO: Transição feudo-capitalista. Crise do poder clerical na Europa Ocidental. Crise do pensamento teocêntrico europeu. DEFINIÇÃO Quebra do monopólio católico

Leia mais

PLANIFICAÇÃO - 10º ANO - HISTÓRIA A Ano Letivo 2015-2016

PLANIFICAÇÃO - 10º ANO - HISTÓRIA A Ano Letivo 2015-2016 Período Módulo Conteúdos Competências Específicas Conceitos/Noções Situações de aprendizagem Avaliação Tempos 1º 0 Estudar/ Aprender História A História: tempos e espaços - Discernir as caraterísticas

Leia mais

FILOSOFIA - 2 o ANO MÓDULO 08 A REAÇÃO DE ROMA: O CONCÍLIO DE TRENTO

FILOSOFIA - 2 o ANO MÓDULO 08 A REAÇÃO DE ROMA: O CONCÍLIO DE TRENTO FILOSOFIA - 2 o ANO MÓDULO 08 A REAÇÃO DE ROMA: O CONCÍLIO DE TRENTO Como pode cair no enem A Reforma protestante e a Contrarreforma envolveram aspectos ligados à doutrina da religião cristã e à forma

Leia mais

Metas/Objetivos Descritores de Desempenho/Conteúdos Estratégias/Metodologias Avaliação

Metas/Objetivos Descritores de Desempenho/Conteúdos Estratégias/Metodologias Avaliação Domínio Religião e experiência religiosa Cultura cristã e visão cristã da vida Ética e moral cristã DEPARTAMENTO DE PASTORAL DISCIPLINA: EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA CATÓLICA PLANIFICAÇÃO DE 5º ANO Calendarização:

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PROF. PAULA NOGUEIRA - OLHÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAS E HUMANAS PROGRAMA CURRICULAR HISTÓRIA 7º ANO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PROF. PAULA NOGUEIRA - OLHÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAS E HUMANAS PROGRAMA CURRICULAR HISTÓRIA 7º ANO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PROF. PAULA NOGUEIRA - OLHÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAS E HUMANAS PROGRAMA CURRICULAR HISTÓRIA 7º ANO DOMÍNIOS DE CONTEÚDO DOMÍNIO / TEMA A Das Sociedades Recolectoras às Primeiras

Leia mais

CATECISMO DA IGREJA CATÓLICA COMPÊNDIO

CATECISMO DA IGREJA CATÓLICA COMPÊNDIO CATECISMO DA IGREJA CATÓLICA COMPÊNDIO CATECISMO DA IGREJA CATÓLICA COMPÊNDIO Copyright 2005 - Libreria Editrice Vaticana «Motu Proprio» Introdução PRIMEIRA PARTE - A PROFISSÃO DA FÉ Primeira Secção: «Eu

Leia mais

8.º Ano Expansão e mudança nos séculos XV e XVI O expansionismo europeu Renascimento, Reforma e Contrarreforma

8.º Ano Expansão e mudança nos séculos XV e XVI O expansionismo europeu Renascimento, Reforma e Contrarreforma Escola Secundária Dr. José Afonso Informação-Prova de Equivalência à Frequência História Prova 19 2016 3.º Ciclo do Ensino Básico O presente documento divulga informação relativa à prova de equivalência

Leia mais

Colégio Ser! Sorocaba História 7ºs anos Profª Marilia Coltri. Adaptado de Alex Federle do Nascimento

Colégio Ser! Sorocaba História 7ºs anos Profª Marilia Coltri. Adaptado de Alex Federle do Nascimento Colégio Ser! Sorocaba História 7ºs anos Profª Marilia Coltri Adaptado de Alex Federle do Nascimento Império Bizantino O Império Bizantino foi o Império Romano do Oriente durante a Antiguidade Tardia e

Leia mais

Ano Lectivo 2014/ ºCiclo 7 ºAno. 7.º Ano 1º Período. Domínios / subdomínios Ojetivos Gerais / Metas Competências Específicas Avaliação

Ano Lectivo 2014/ ºCiclo 7 ºAno. 7.º Ano 1º Período. Domínios / subdomínios Ojetivos Gerais / Metas Competências Específicas Avaliação ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DR. VIEIRA DE CARVALHO Planificação HISTÓRIA Ano Lectivo 2014/2015 3 ºCiclo 7 ºAno 7.º Ano 1º Período Domínios / subdomínios Ojetivos Gerais / Metas Competências Específicas

Leia mais

Condições Gerais. Políticas: Crise do Feudalismo Crescimento da Burguesia Rei não aceita interferência da Igreja Supranacionalismo Papal

Condições Gerais. Políticas: Crise do Feudalismo Crescimento da Burguesia Rei não aceita interferência da Igreja Supranacionalismo Papal Condições Gerais Políticas: Crise do Feudalismo Crescimento da Burguesia Rei não aceita interferência da Igreja Supranacionalismo Papal Econômicas: Nobreza interessada nas Terras da Igreja Burguesia contra

Leia mais

Conceitos Domínios a trabalhar Experiências de aprendizagem Sugestões de recursos Hominização

Conceitos Domínios a trabalhar Experiências de aprendizagem Sugestões de recursos Hominização 7º ANO 1º PERÍODO 2012-2013 TEMA A Das sociedades recoletoras às primeiras civilizações A1 As sociedades recoletoras e as primeiras sociedades produtoras As primeiras conquistas do Homem Os grandes caçadores

Leia mais

Prof. Cristiano Pissolato. Formação dos Estados nacionais. França

Prof. Cristiano Pissolato. Formação dos Estados nacionais. França Prof. Cristiano Pissolato Formação dos Estados nacionais França Ducado da Normandia sob controle Plantageneta (ING). Ducado da Bretanha administrada pela dinastia Plantageneta (ING) a partir de 1116 porque

Leia mais

Econômicas Religiosas Morais Políticas

Econômicas Religiosas Morais Políticas Prof. Thiago Causas da Reforma Econômicas Interesse da nobreza feudal nas terras da Igreja Descontentamento da Burguesia com tributos eclesiásticos Igreja condenava o lucro e a usura Religiosas Novas interpretações

Leia mais

O Sacramento da Ordem - V Seg, 29 de Dezembro de :26 - Pe. Henrique Soares da Costa

O Sacramento da Ordem - V Seg, 29 de Dezembro de :26 - Pe. Henrique Soares da Costa Pe. Henrique Soares da Costa No artigo passado vimos em que sentido o sacramento da Ordem confere um modo especial de participar do único sacerdócio de Cristo. Veremos, agora como é celebrado este sacramento,

Leia mais

Planejamento das Aulas de História º ano (Prof. Leandro)

Planejamento das Aulas de História º ano (Prof. Leandro) Planejamento das Aulas de História 2016-6º ano (Prof. Leandro) Fevereiro Aula programada (Por que estudamos História?) Páginas Tarefa 1 Lembrar o passado: memória e história 10 e 11 Mapa Mental 3 O tempo

Leia mais

!" #$! %&% '( CAUSAS: ! "# $ % & ' $ (% & ) * + *, -$. / ++.) */ 0.) 0 0 0*

! #$! %&% '( CAUSAS: ! # $ % & ' $ (% & ) * + *, -$. / ++.) */ 0.) 0 0 0* º º !" #$! %&% '( CAUSAS:! "# $ % & ' $ (% & ) * + *, -$. / ++.) */ 0.) 0 0 0* -/ - !"#$%&'(#)*' $%+&,)* $-./0*1+2 23)4 15 $$ '6 & ) * + *, -$. / ++.) */ Séc. XIV e XV John Wyclif (Inglaterra) Jan Hus

Leia mais

1- ASSUNTO: Curso de liturgia na Paróquia Santo Antônio

1- ASSUNTO: Curso de liturgia na Paróquia Santo Antônio 1- ASSUNTO: Curso de liturgia na Paróquia Santo Antônio 2- TEMA: Liturgia 3- OBJETIVO GERAL Assessorar as 12 comunidades pertencentes à Paróquia Santo Antônio, motivando-as a celebrar com fé o Mistério

Leia mais

Renascimento, Reformas, Grandes Navegações, Mercantilismo e Colonialismo

Renascimento, Reformas, Grandes Navegações, Mercantilismo e Colonialismo Renascimento, Reformas, Grandes Navegações, Mercantilismo e Colonialismo Renascimento e Reformas 1. As imagens abaixo ilustram alguns procedimentos utilizados por um novo modo de conhecer e explicar a

Leia mais

A Ilíada Homero Odisseia Homero Os Lusíadas Luís Vaz de Camões O Uraguai Basílio da Gama Mensagem Fernando Pessoa

A Ilíada Homero Odisseia Homero Os Lusíadas Luís Vaz de Camões O Uraguai Basílio da Gama Mensagem Fernando Pessoa GÊNEROS LITERÁRIOS ÉPICO (OU NARRATIVO) Longa narrativa literária de caráter heroico, grandioso e de interesse nacional e social. Atmosfera maravilhosa de acontecimentos heroicos passados que reúnem mitos,

Leia mais

UMA HISTÓRIA DA IDADE MÉDIA ATRAVÉS DO CORPO

UMA HISTÓRIA DA IDADE MÉDIA ATRAVÉS DO CORPO DOI: http://dx.doi.org/10.5007/2175-7976.2012v19n27p350 UMA HISTÓRIA DA IDADE MÉDIA ATRAVÉS DO CORPO A HISTORY OF THE MIDDLE AGES THROUGH THE BODY Bruno Silva de Souza* LE GOFF, Jacques; TRUONG, Nicolas.

Leia mais

MONARQUIA FRANCESA SÉC. XV-XVIII AUGE DO ABSOLUTISMO E ANTECEDENTES DA REVOLUÇÃO FRANCESA.

MONARQUIA FRANCESA SÉC. XV-XVIII AUGE DO ABSOLUTISMO E ANTECEDENTES DA REVOLUÇÃO FRANCESA. MONARQUIA FRANCESA SÉC. XV-XVIII AUGE DO ABSOLUTISMO E ANTECEDENTES DA REVOLUÇÃO FRANCESA SÉC. XVI: OS VALOIS NO PODER Guerras de religião: católicos X protestantes; Obstáculo para a centralização; Absolutistas

Leia mais

843 Tratado de Verdum divisão do Império entre os netos de Carlos Magno.

843 Tratado de Verdum divisão do Império entre os netos de Carlos Magno. História 8A - Aula 22 As Monarquias Feudais 843 Tratado de Verdum divisão do Império entre os netos de Carlos Magno. -Séculos IX e X sociedade francesa se feudalizou. -Poder real enfraqueceu. -Condes,

Leia mais

IGREJA E CULTO. Por que me importar? Presb. José Cordeiro Neto» Presb. Lúcio Mafra Teixeira

IGREJA E CULTO. Por que me importar? Presb. José Cordeiro Neto» Presb. Lúcio Mafra Teixeira AULA-5 Os Sem-Igreja Igreja(parte 2): O desinteresse pela igreja e o momento atual da fé evangélica no contexto da pós modernidade e do secularismo IGREJA E CULTO Por que me importar? Presb. José Cordeiro

Leia mais

latim se baseava na possibilidade de manter a comunicação entre povos que falavam línguas distintas. Por outro lado, os analfabetos, que constituíam

latim se baseava na possibilidade de manter a comunicação entre povos que falavam línguas distintas. Por outro lado, os analfabetos, que constituíam Sumário Introdução... 7 A Bíblia traduzida... 11 A distância que separa os primeiros leitores dos modernos... 15 Confirmação arqueológica... 19 A exegese e a interpretação da Bíblia... 25 Onde está a vontade

Leia mais

Curso TURMA: 2101 e 2102 DATA: Teste: Prova: Trabalho: Formativo: Média:

Curso TURMA: 2101 e 2102 DATA: Teste: Prova: Trabalho: Formativo: Média: EXERCÍCIOS ON LINE 3º BIMESTRE DISCIPLINA: Filosofia PROFESSOR(A): Julio Guedes Curso TURMA: 2101 e 2102 DATA: Teste: Prova: Trabalho: Formativo: Média: NOME: Nº.: Exercício On Line (1) A filosofia atingiu

Leia mais

Curso de História. Prof. Fabio Pablo. efabiopablo.wordpress.com

Curso de História. Prof. Fabio Pablo. efabiopablo.wordpress.com efabiopablo.wordpress.com Conteúdo O humanismo e o Renascimento Cultural Marco Polo. Multimídia A arte renascentista e o mecenato A Revolução Científica #Conceito O Renascimento foi um movimento artístico,

Leia mais

O ESTADO MODERNO SÃO AS GRANDES NAÇÕES EUROPÉIAS ( países da Europa hoje )

O ESTADO MODERNO SÃO AS GRANDES NAÇÕES EUROPÉIAS ( países da Europa hoje ) FRANÇA O ESTADO MODERNO SÃO AS GRANDES NAÇÕES EUROPÉIAS ( países da Europa hoje ) Durante toda a Idade Média os países europeus de hoje, não existiam. Eles começaram a se formar no final da Idade Média

Leia mais

Crescimento populacional; Inovações tecnológicas, particularmente, na agricultura; Produção para o mercado; Desenvolvimento das feiras; Generalização

Crescimento populacional; Inovações tecnológicas, particularmente, na agricultura; Produção para o mercado; Desenvolvimento das feiras; Generalização Crescimento populacional; Inovações tecnológicas, particularmente, na agricultura; Produção para o mercado; Desenvolvimento das feiras; Generalização do uso de moeda; Desenvolvimento da indústria artesanal;

Leia mais

FILOSOFIA MEDIEVAL: ESCOLÁSTICA 3ªSÉRIE DO ENSINO MÉDIO DRUMMOND 2017 PROF. DOUGLAS PHILIP

FILOSOFIA MEDIEVAL: ESCOLÁSTICA 3ªSÉRIE DO ENSINO MÉDIO DRUMMOND 2017 PROF. DOUGLAS PHILIP 3ªSÉRIE DO ENSINO MÉDIO DRUMMOND 2017 PROF. DOUGLAS PHILIP Por Filosofia Escolástica entende-se a filosofia dominante no período compreendido entre os séculos IX e XIV XV, ensinada comumente nas escolas,

Leia mais

Forma de organização econômica e tutorial rural na qual o trabalhador arrenda uma porção de terreno sob condição de reservar parte de sua produção como pagamento ao proprietário. O colono é denominado

Leia mais

BAIXA IDADE MÉDIA. Professora: Schirley Pimentel FATORES: GRANDE FOME; PESTE NEGRA; GUERRAS MEDIEVAIS; REVOLTAS CAMPONESAS;

BAIXA IDADE MÉDIA. Professora: Schirley Pimentel FATORES: GRANDE FOME; PESTE NEGRA; GUERRAS MEDIEVAIS; REVOLTAS CAMPONESAS; Professora: Schirley Pimentel FATORES: GRANDE FOME; PESTE NEGRA; GUERRAS MEDIEVAIS; REVOLTAS CAMPONESAS; FATORES: O esgotamento das terras As cruzadas (mercadores que abasteciam os viajantes com suas

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. JOÃO V ESCOLA SECUNDÁRIA c/ 2º e 3º CICLOS D. JOÃO V

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. JOÃO V ESCOLA SECUNDÁRIA c/ 2º e 3º CICLOS D. JOÃO V GRUPO DISCIPLINAR DE HISTÓRIA HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL Informação aos Pais / Encarregados de Educação Programação do 5º ano Turma 1 1. Aulas previstas (Tempos letivos) 2. Conteúdos a leccionar

Leia mais

FEUDALISMO P R O F E S S O R R O D R I G O AL C A N T A R A G AS P A R

FEUDALISMO P R O F E S S O R R O D R I G O AL C A N T A R A G AS P A R FEUDALISMO P R O F E S S O R R O D R I G O AL C A N T A R A G AS P A R FEUDALISMO Este curso têm por objetivo trazer noções básicos sobre o Feudalismo. De forma que para maiores detalhes e aprofundamento

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Religiosa EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO ENSINO A DISTÂNCIA (EAD) DE TEOLOGIA Visão global do fenômeno religioso, sua importância e implicações na formação do ser humano e da sociedade, através

Leia mais

PROGRAMA DO CURSO DE DOUTRINA INTRODUTÓRIO

PROGRAMA DO CURSO DE DOUTRINA INTRODUTÓRIO LIVRO DE PREPARO: Sinal Verde André Luiz/Chico Xavier Aula 1 Integração: Promover o acolhimento e a integração dos alunos Apresentar do Programa Aula 2 O que é o Centro Espírita Apresentar o Centro Espírita

Leia mais

Idade Média Século V - XV

Idade Média Século V - XV Séc V Séc XI Séc XV Idade Média Século V - XV IDADE MÉDIA Século V XV Alta Idade Média Séc. V XI (formação e apogeu feudalismo) Baixa Idade Média Séc. XI XV (desagregação do feudalismo) Principais passagens

Leia mais

As epístolas de Paulo (1)

As epístolas de Paulo (1) FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Livro I Cristianismo e Espiritismo Módulo II O Cristianismo Roteiro 14 As epístolas de Paulo (1) Objetivos Assinalar características

Leia mais

Sugestões de avaliação. História 7 o ano Unidade 4

Sugestões de avaliação. História 7 o ano Unidade 4 Sugestões de avaliação História 7 o ano Unidade 4 5 Nome: Data: Unidade 4 1. Complete as sentenças. a) O foi um movimento cultural que surgiu entre as elites das ricas cidades, no século XIV, e se estendeu,

Leia mais

MATRIZ PROVA EXTRAORDINÁRIA DE AVALIAÇÃO HISTÓRIA Maio de º Ano 3.º Ciclo do Ensino Básico

MATRIZ PROVA EXTRAORDINÁRIA DE AVALIAÇÃO HISTÓRIA Maio de º Ano 3.º Ciclo do Ensino Básico MATRIZ PROVA EXTRAORDINÁRIA DE AVALIAÇÃO HISTÓRIA Maio de 2016 Prova de 2016 7.º Ano 3.º Ciclo do Ensino Básico 1. Introdução O presente documento visa divulgar as caraterísticas da prova extraordinária

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO.. Manual sobre a História da Filosofia Medieval:

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO.. Manual sobre a História da Filosofia Medieval: 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Departamento de Filosofia. Site: www.fil.ufes.br. Manual sobre a História da Filosofia Medieval: www.unisi.it/ricerca/prog/fil-med-online/index.htm PROGRMA DA DISCIPLINA

Leia mais

Às filhas da Terra. Ela conhece as lágrimas penosas E recebe a oração da alma insegura, Inundando de amor e de ternura As feridas cruéis e dolorosas.

Às filhas da Terra. Ela conhece as lágrimas penosas E recebe a oração da alma insegura, Inundando de amor e de ternura As feridas cruéis e dolorosas. Maria: mãe! Às filhas da Terra Do seu trono de luzes e de rosas, A Rainha dos Anjos, meiga e pura Estende os braços para a desventura, Que campeia nas sendas espinhosas. Ela conhece as lágrimas penosas

Leia mais

Itinerários e catequese Itinerário de conversão e de crescimento

Itinerários e catequese Itinerário de conversão e de crescimento Itinerários e catequese Itinerário de conversão e de crescimento Imersão progressiva na onda do Espírito, acompanhada por testemunhas feita de escuta, encontros e experiências no coração do REINO/COMUNIDADE

Leia mais

DICAS DO PROFESSOR. História 6º Ano

DICAS DO PROFESSOR. História 6º Ano DICAS DO PROFESSOR História 6º Ano ROMA ANTIGA fases: séculos: IIIdC JC I ac VI ac VIIIaC IMPÉRIO REPÚBLICA MONARQUIA Auge da civilização romana; Pão e circo e Pax Romana; Cristianismo; Bárbaros; Crise.

Leia mais

História do Direito (d)

História do Direito (d) História do Direito (d) LOPES, José Reinaldo de Lima. O Direito na História. 3ª edição. São Paulo: Atlas, 2008. GILISSEN, J. Introdução Histórica ao Direito. Lisboa: Calouste Gulbenkian, 1988. Formação

Leia mais

OS BÁRBAROS A IDADE MÉDIA

OS BÁRBAROS A IDADE MÉDIA OS BÁRBAROS A IDADE MÉDIA Antecedentes: Crise do Império Romano: Crise do escravismo; Declínio da produção e crises econômicas; Altos custos do Estado; Instabilidade política e militar; Ampliação do latifúndio;

Leia mais