PROPAGAÇÃO VEGETATIVA DE ABACATEIRO (Persea sp.), POR ESTAQUIA(1)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROPAGAÇÃO VEGETATIVA DE ABACATEIRO (Persea sp.), POR ESTAQUIA(1)"

Transcrição

1 PROPAGAÇÃO VEGETATIVA DE ABACATEIRO (Persea sp.), POR ESTAQUIA(1) Samar Velho da Silveira(2) Paulo Vítor Dutra de Souza(3) Otto Carlos KoIler(4) (1) Estudo financiado pela FINEP. (2) Eng. Agr., aluno do Programa de Pós graduação em Agronomia da UFRGS Mestrado em Fitotecnia, Área de Concentração Horticultura, opção Fruticultura. Bolsista Capes. (3) Eng. Agr., Dr. Prof. Adjunto, Departamento de Horticultura e Silvicultura, Faculdade de Agronomia, UFRGS. AV. Bento Gonçalves 7712, Caixa Postal 776, Porto Alegre RS/BRASIL. (4) Eng. Agr., Dr. Prof. Aposentado, Departamento de Horticultura e Silvicultura, Faculdade de Agronomia da UFRGS, Pesquisador do CNPq. INTRODUÇÃO A segregação genética dos porta enxertos obtidos por sementes, não assegura que importantes características em abacateiros, como a resistência à gomose (Phytophtora cinnamomi), sejam transmitidas de geração à geração (KADMAN e BEM YA'ACOV,1965, citados por BIASI e KOLLER, 1993; KOLLER, 1984). A propagação vegetativa representa uma alternativa para este problema, visto que há estudos que determinam o potencial de determinadas cultivares em serem multiplicadas desta forma(ernst e HOLTZHAUSEN 1978; HAMDY et al. 1984; MOHAMMED) e SORHAINDO 1984; MOLL e WOOD 1980). O objetivo deste trabalho foi verificar o efeito do estiolamento de estacas no processo de estaquia em cultivares de abacateiro (Ouro Verde e Baronesa). MATERIAL E MÉTODOS Utilizou se neste experimento, 2 variedades de abacateiro (Persea sp.): Ouro Verde e Baronesa. Inicialmente, podou se a parte aérea das mudas de aproximadamente 5 meses de idade, visando forçar uma brotação vigorosa. Metade destas mudas foram levadas a uma câmara escura (coberta com polietileno preto) para forçar o estiolamento de suas brotações. O restante das mudas foi mantida em casa de vegetação para sua brotação normal. Um mês após a colocação das mudas na câmara de estiolamento, obteve se brotações estioladas. Estas mudas foram retiradas da câmara e colocadas sob uma tela de sombrite (50%), para propiciar o reverdecimento dos ramos e o amadurecimento fisiológico de suas folhas. No entanto, a base destes ramos foi protegida contra o reverdecimento, através da proteção dos mesmos com canos de PVC, preenchidos com casca de arroz carbonizada, à fim de manter um segmento da base, de aproximadamente 10 cm, estiolado.

2 Após dois meses do início das brotações, foram coletados os ramos estiolados e não estiolados, dos quais confeccionaram se estacas de 20 cm de comprimento, oriundas do ápice dos ramos, contendo 4 folhas. A base das estacas foi mergulhada por 10 segundos em solução de 2000 ppm de ácido indoibutírico (AIB), imediatamente antes de serem colocadas no leito de enraizamento. Num primeiro momento, as estacas foram mantidas em vasos plásticos pretos de 500 ml de volume (1 estaca por vaso). Após 2 meses, estas foram repicadas à sacos de polietileno preto de 5 litros de volume. O substrato utilizado foi casca de arroz carbonizada. Este experimento foi realizado em câmara de nebulização com temperatura controlada (20 30ºC) e umidade relativa em torno de 80 90%. Os fatores testados foram: cultivar e estiolamento. A combinação destes originou os seguintes tratamentos: 1) Cultivar Baronesa X C/Estiolamento; 2) Cultivar Baronesa X S/Estiolamento; 3) Cultivar Ouro Verde X C/Estiolamento; 4) Cultivar Ouro Verde X S/Estiolamento; O delineamento experimental adotado foi o de blocos casualizados, com 6 estacas parcela e quatro repetições. No momento da repicagem aos sacos de polietileno, avaliou se a percentagem de sobrevivência, percentagem de brotação, percentagem de enraizamento e número de raízes por estaca. Dois meses após a repicagem, voltou se a realizar as mesmas avaliações efetuadas anteriormente, somando se a estas o peso seco de raízes. RESULTADOS E DISCUSSÃO Os dados da Tabela 1 indicam uma interação significativa entre os níveis dos fatores cultivar e estiolamento, para as variáveis: percentagem de sobrevivência; percentagem de brotação e percentagem de enraizamento. Não houve interação significativa para o número de raízes por estaca. Dessa forma, verifica se que dentro da cultivar Ouro Verde a prática do estiolamento, proporcionou maior percentagem de sobrevivência, brotação e enraizamento de estacas, concordando com outros resultados de pesquisa (BASSUK e MAYARD, 1987; ERNST e HOLTZHAUSEN 1978; MOHAMMED e SORHAINDO 1984; MOLL e WOOD 1980) que demonstram ser o estiolamento uma prática importante na regeneração de raízes em estacas, não de abacateiro, mas também de estacas de outras espécies de difícil enraizamento. Para a cultivar Baronesa, no entanto, ocorreu o inverso, indicando, portanto, que o estiolamento não é uma prática recomendada para todas as cultivares de abacateiro. Se por um lado, a prática do estiolamento maximizou a percentagem de enraizamento da cultivar Ouro Verde (62,5%), é preciso salientar que até o momento da repicagem a cultivar Baronesa não apresentou nenhuma estaca enraizada, identificando, portanto, uma clara diferença entre cultivares na capacidade de enraizamento de estacas. A cultivar Ouro Verde apresentou, em

3 média, 1 raiz por estaca na primeira fase de avaliação, enquanto a cv. Baronesa não emitiu nenhuma raiz. A resposta para esta diferença deve se, provavelmente, ao fato da cultivar Ouro Verde ser um híbrido entre as raças guatemalense e antilhana e a cultivar Baronesa pertencer a raça antilhana, já que ao que tudo indica, existem diferenças no enraizamento de estacas de abacateiro, conforme a raça a que pertence a cultivar. Nesse sentido, REUVENI e RAVIVI (1978) e KOLLER (1984) afirmam que clones mexicanos apresentam maior facilidade para enraizar, os guatemalenses e os híbridos são intermediários e os antilhanos são de mais difícil enraizamento. Dois meses após a repicagem verificou se, à semelhança do ocorrido na fase anterior a esta, uma interação significativa entre os fatores cultivar e estiolamento para % de sobrevivência, % brotação e % de enraizamento de estacas (Tabela 2). O estiolamento induziu a um incremento nestes parâmetros de avaliação para a cv. Ouro Verde, enquanto que foi prejudicial para a cv. Baronesa. A cv. Ouro Verde apresentou maior facilidade para enraizar que a cv. Baronesa. Nesta segunda fase de avaliação houve um incremento no número de raízes por estaca, permitindo, assim, haver efeito de interação entre os níveis dos fatores cultivar e estiolamento para esta variável (Tabela 2). Além disso, a cultivar Baronesa passou a apresentar estacas enraizadas (12,5% de enraizamento), ainda que em baixa percentagem. A diferença entre o número de raízes por estacas antes e após a repicagem podem ser atribuídos à diferença de volume dos recipientes, o que incide numa diferença nas condições físicas do substrato, principalmente aeração e drenagem. Diferença que foi favorável ao recipiente de maior volume. Não se descarta, entretanto, um efeito do tempo de cultivo, que também pode ter interagido. Em concordância com os resultados anteriores (Tabela 2), também encontrou se uma interação significativa para o peso seco de raízes (Figura 1). O estiolamento favoreceu um maior peso seco de raízes da cv. Ouro Verde, Na cv. Baronesa, o estiolamento foi prejudicial sobre o peso seco, havendo ausência de raízes neste tratamento, contra 0,29 g de peso seco de raízes nas estacas não estioladas. CONCLUSÃO Nas condições do presente experimento pode se concluir que: A estaquia pode ser uma alternativa para a propagação do abacateiro; porém é dependente de cultivar. O estiolamento é uma técnica recomendável para favorecer o enraizamento de estacas em certas cultivares de abacateiro, como Ouro Verde.

4

5

Anais do Seminário de Bolsistas de Pós-Graduação da Embrapa Amazônia Ocidental

Anais do Seminário de Bolsistas de Pós-Graduação da Embrapa Amazônia Ocidental Anais do Seminário de Bolsistas de Pós-Graduação da Embrapa Amazônia Ocidental Anais do Seminário de Bolsistas de Pós-Graduação da Embrapa Amazônia Ocidental Propagação Vegetativa de Piper hispidum Sw.

Leia mais

Franca, Mariana Almeida Micropropagação de cana-de-açúcar cultivar RB Mariana Almeida Franca. Curitiba: f. il.

Franca, Mariana Almeida Micropropagação de cana-de-açúcar cultivar RB Mariana Almeida Franca. Curitiba: f. il. F814 Franca, Mariana Almeida Micropropagação de cana-de-açúcar cultivar RB966928. Mariana Almeida Franca. Curitiba: 2016. 64 f. il. Orientador: João Carlos Bespalhok Filho Dissertação (Mestrado) Universidade

Leia mais

AÇÃO DA DESINFESTAÇÃO DE SUBSTRATOS COMERCIAIS SOBRE A EMERGÊNCIA E DESENVOLVIMENTO DE PORTA-ENXERTOS CÍTRICOS INTRODUÇÃO

AÇÃO DA DESINFESTAÇÃO DE SUBSTRATOS COMERCIAIS SOBRE A EMERGÊNCIA E DESENVOLVIMENTO DE PORTA-ENXERTOS CÍTRICOS INTRODUÇÃO 1 AÇÃO DA DESINFESTAÇÃO DE SUBSTRATOS COMERCIAIS SOBRE A EMERGÊNCIA E DESENVOLVIMENTO DE PORTA-ENXERTOS CÍTRICOS SANDRA RIETH 1, WAGNER SOARES², MARINA BACK 3, GIL VICENTE LOUROSA 3, PAULO VITOR DUTRA

Leia mais

ENRAIZAMENTO DE ESTACAS SEMI-LENHOSAS DE CEREJEIRA-DO-RIO- GRANDE (EUGENIA INVOLUCRATA DC.) TRATADAS COM ANTIOXIDANTE, FLOROGLUCINOL E AIB

ENRAIZAMENTO DE ESTACAS SEMI-LENHOSAS DE CEREJEIRA-DO-RIO- GRANDE (EUGENIA INVOLUCRATA DC.) TRATADAS COM ANTIOXIDANTE, FLOROGLUCINOL E AIB ENRAIZAMENTO DE ESTACAS SEMI-LENHOSAS DE CEREJEIRA-DO-RIO- GRANDE (EUGENIA INVOLUCRATA DC.) TRATADAS COM ANTIOXIDANTE, FLOROGLUCINOL E AIB Rafaelle da Silva Soares 1 ; Leonardo Cury da Silva 2 ; Paulo

Leia mais

SOBREVIVÊNCIA DE ESTACAS DE ESPÉCIES ARBÓREAS EM SUBSTRATOS COM DIFERENTES DOSES DE AIB PLANTADAS EM TUBETE

SOBREVIVÊNCIA DE ESTACAS DE ESPÉCIES ARBÓREAS EM SUBSTRATOS COM DIFERENTES DOSES DE AIB PLANTADAS EM TUBETE 5ª Jornada Científica e Tecnológica e 2º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 06 a 09 de novembro de 2013, Inconfidentes/MG SOBREVIVÊNCIA DE ESTACAS DE ESPÉCIES ARBÓREAS EM SUBSTRATOS COM DIFERENTES

Leia mais

ENXERTIA HERBÁCEA EM MYRTACEAE NATIVAS DO RIO GRANDE DO SUL

ENXERTIA HERBÁCEA EM MYRTACEAE NATIVAS DO RIO GRANDE DO SUL ENXERTIA HERBÁCEA EM MYRTACEAE NATIVAS DO RIO GRANDE DO SUL Daiane Silva Lattuada 1 ; Paulo Vitor Dutra de Souza 2 ; Mateus Pereira Gonzatto 1 ; Sérgio Francisco Schwarz 2 1 Eng. Agrônomo, mestrando no

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS DE VIDEIRA

PRODUÇÃO DE MUDAS DE VIDEIRA Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz ESALQ/USP HISTÓRIA DA PRODUÇÃO DE MUDAS DE VIDEIRA PRODUÇÃO DE MUDAS DE VIDEIRA - Método de estaquia - Europa: filoxera (praga do

Leia mais

ESTUDOS SOBRE A GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE GOIABEIRA-SERRANA

ESTUDOS SOBRE A GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE GOIABEIRA-SERRANA ESTUDOS SOBRE A GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE GOIABEIRA-SERRANA Nair Dahmer¹, Divanilde Guerra²; Ingrid Bergman Inchausti De Barros³; Lucia Brandão Franke 4 ; Paulo Vitor Dutra de Souza 3 ; Sergio Francisco

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DE MUDAS DE COFFEA ARABICA PRODUZIDAS EM DIFERENTES RECIPIENTES

TÍTULO: AVALIAÇÃO DE MUDAS DE COFFEA ARABICA PRODUZIDAS EM DIFERENTES RECIPIENTES TÍTULO: AVALIAÇÃO DE MUDAS DE COFFEA ARABICA PRODUZIDAS EM DIFERENTES RECIPIENTES CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: CIÊNCIAS AGRÁRIAS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DO PLANALTO

Leia mais

PRODUÇÃO HIDROPÔNICA DE MUDAS DE TOMATE EM SUBSTRATOS À BASE DE RESÍDUOS ORGÂNICOS

PRODUÇÃO HIDROPÔNICA DE MUDAS DE TOMATE EM SUBSTRATOS À BASE DE RESÍDUOS ORGÂNICOS PRODUÇÃO HIDROPÔNICA DE MUDAS DE TOMATE EM SUBSTRATOS À BASE DE RESÍDUOS ORGÂNICOS Fred Carvalho Bezerra 1 ; Tiago da Costa Silva²; Fernando Vasconcellos Meyer Ferreira²; Daniel Barbosa Araújo 3 1 Eng.

Leia mais

PROPAGAÇÃO. Plantas Medicinais

PROPAGAÇÃO. Plantas Medicinais PROPAGAÇÃO Ação de multiplicar ou dar continuidade a uma forma de vida, permitindo o cultivo e a preservação de espécies importância estabelecimento dos cultivos e hortos garantia da identidade das espécies

Leia mais

EFEITO DOS DIFERENTES TIPOS DE SUBSTRATO NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE LACTUCA SATIVA RESUMO

EFEITO DOS DIFERENTES TIPOS DE SUBSTRATO NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE LACTUCA SATIVA RESUMO Mostra Nacional de Iniciação Científica e Tecnológica Interdisciplinar II MICTI Camboriú, SC, 17, 18 e 19 de outubro de 2007. EFEITO DOS DIFERENTES TIPOS DE SUBSTRATO NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE LACTUCA SATIVA

Leia mais

Comunicado 133 Técnico ISSN Dezembro, 2005 Pelotas, RS

Comunicado 133 Técnico ISSN Dezembro, 2005 Pelotas, RS Comunicado 33 Técnico ISSN 506-985 Dezembro, 2005 Pelotas, RS Enraizamento de estacas de mirtilo provenientes de ramos lenhosos. Ângela Diniz Campos, Luis Eduardo Corrêa Antunes; Alexandre Couto Rodrigues2;

Leia mais

TOLERÂNCIA DE CULTIVARES DE MAMONEIRA À TOXICIDADE DE ALUMÍNIO EM SOLUÇÃO NUTRITIVA.

TOLERÂNCIA DE CULTIVARES DE MAMONEIRA À TOXICIDADE DE ALUMÍNIO EM SOLUÇÃO NUTRITIVA. TOLERÂNCIA DE CULTIVARES DE MAMONEIRA À TOXICIDADE DE ALUMÍNIO EM SOLUÇÃO NUTRITIVA Adriana Rodrigues Passos 1, Simone Alves Silva 1, Fernando Irajá Félix de Carvalho 2, Irineu Hartwig 2, Maraísa Crestani

Leia mais

ENXERTIA DE PLANTAS FRUTÍFERAS

ENXERTIA DE PLANTAS FRUTÍFERAS ENXERTIA DE PLANTAS FRUTÍFERAS Prof. Angelo P. Jacomino Fruticultura - LPV 0448 2017 1 - Introdução Multiplicação Sexuada X Assexuada SEXUADA: - Facilidade; - Baixo custo. ASSEXUADA: - Características

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE MUDAS DE TOMATE EM SUBSTRATO CONTENDO TORTA DE MAMONA

DESENVOLVIMENTO DE MUDAS DE TOMATE EM SUBSTRATO CONTENDO TORTA DE MAMONA DESENVOLVIMENTO DE MUDAS DE TOMATE EM SUBSTRATO CONTENDO TORTA DE MAMONA Rafael Garcia Gouzalez 1 Luiz Antônio Augusto Gomes 2 Antônio Carlos Fraga 3 Pedro Castro Neto 4 RESUMO Com o objetivo de avaliar

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL. Analise Estatística

RELATÓRIO PARCIAL. Analise Estatística RELATÓRIO PARCIAL Analise Estatística ASSUNTO: Experimento Gel Estagiário: Elbert Viana Ferreira Junior Supervisor : Fausto Hissashi Takizawa Projeto Mutum Data: 09/2008 1 - APRESENTAÇÃO: Neste documento

Leia mais

20º Seminário de Iniciação Científica e 4º Seminário de Pós-graduação da Embrapa Amazônia Oriental ANAIS. 21 a 23 de setembro

20º Seminário de Iniciação Científica e 4º Seminário de Pós-graduação da Embrapa Amazônia Oriental ANAIS. 21 a 23 de setembro 20º Seminário de Iniciação Científica e 4º Seminário de Pós-graduação ANAIS 21 a 23 de setembro 2016 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária

Leia mais

Universidade Federal do Ceará Campus Cariri 3 o Encontro Universitário da UFC no Cariri Juazeiro do Norte-CE, 26 a 28 de Outubro de 2011

Universidade Federal do Ceará Campus Cariri 3 o Encontro Universitário da UFC no Cariri Juazeiro do Norte-CE, 26 a 28 de Outubro de 2011 TESTE DE GERMINAÇÃO PARA AVALIAR A QUALIDADE DA SEMENTE DO MILHO PIPOCA Laianny Morais Maia¹, Silvério de Paiva Freitas Júnior², Mikaelle Cavalcante de Brito¹, Cícero Secifram da Silva¹, Edilza Maria Felipe

Leia mais

BIOCARVÃO COMO COMPLEMENTO NO SUBSTRATO PARA A PRODUÇÃO DE MUDAS DE TOMATE CEREJA

BIOCARVÃO COMO COMPLEMENTO NO SUBSTRATO PARA A PRODUÇÃO DE MUDAS DE TOMATE CEREJA BIOCARVÃO COMO COMPLEMENTO NO SUBSTRATO PARA A PRODUÇÃO DE MUDAS DE TOMATE CEREJA Lucas Gomes de Souza 1, Francisco Lopes Evangelista 2, Gabriel José Lima da Silveira 3, Susana Churka Blum 4 Resumo: O

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS DE CAFEEIRO EM TUBETES UTILIZANDO SUBSTRATOS CONSTITUÍDOS POR CASCA DE ARROZ CARBONIZADA E CASCA DE CAFÉ COMPOSTADA

PRODUÇÃO DE MUDAS DE CAFEEIRO EM TUBETES UTILIZANDO SUBSTRATOS CONSTITUÍDOS POR CASCA DE ARROZ CARBONIZADA E CASCA DE CAFÉ COMPOSTADA PRODUÇÃO DE MUDAS DE CAFEEIRO EM TUBETES UTILIZANDO SUBSTRATOS CONSTITUÍDOS POR CASCA DE ARROZ CARBONIZADA E CASCA DE CAFÉ COMPOSTADA CARVALHO, MYCHELLE 1 ; VALLONE, HAROLDO SILVA 2 ; DIAS, FÁBIO PEREIRA

Leia mais

Vamos utilizar o exemplo da angiosperma da família Poaceae (o capim).

Vamos utilizar o exemplo da angiosperma da família Poaceae (o capim). Reprodução REPRODUÇÃO ASSEXUADA Vamos utilizar o exemplo da angiosperma da família Poaceae (o capim). Essa planta se dissemina com muita rapidez, e isso é devido ao seu tipo de reprodução. A reprodução

Leia mais

EFEITO DOS NÍVEIS DE SALINIDADE DA ÁGUA DE IRRIGAÇÃO NA PRODUÇÃO DO FEIJOEIRO COMUM*

EFEITO DOS NÍVEIS DE SALINIDADE DA ÁGUA DE IRRIGAÇÃO NA PRODUÇÃO DO FEIJOEIRO COMUM* EFEITO DOS NÍVEIS DE SALINIDADE DA ÁGUA DE IRRIGAÇÃO NA PRODUÇÃO DO FEIJOEIRO COMUM* SILVEIRA, A.L. 1 ; SANTANA, M.J. ; BARRETO, A.C. ; VIEIRA, T.A. 3 * Projeto com apoio da FAPEMIG. 1 Estudante Agronomia

Leia mais

SUBSTRATOS COMERCIAIS NO DESENVOLVIMENTO DE PLANTAS DE CALCEOLÁRIA

SUBSTRATOS COMERCIAIS NO DESENVOLVIMENTO DE PLANTAS DE CALCEOLÁRIA SUBSTRATOS COMERCIAIS NO DESENVOLVIMENTO DE PLANTAS DE CALCEOLÁRIA GRZEÇA, G.T. 1 ; WINHELMANN M. C. 1 ; PAOLAZZI J. 1 ; PARIS, P 1. TEDESCO, M 1. SCHAFER G 2. RESUMO: A calceolária é uma planta ornamental

Leia mais

Produção de mudas de hortelã (Mentha arvensis L.) em função de tipos e idade de estacas

Produção de mudas de hortelã (Mentha arvensis L.) em função de tipos e idade de estacas Produção de mudas de hortelã (Mentha arvensis L.) em função de tipos e idade de estacas Magda Araújo Brito 1 ; Valéria Gomes Momenté²; Ildon Rodrigues do Nascimento 3 1 Aluna do Curso de Engenharia de

Leia mais

PROPAGAÇÃO DE ESTACAS DE AMOREIRA UTILIZANDO DIFERENTES CONCENTRAÇÕES DE ÁCIDO INDOLBUTÍRICO (AIB)

PROPAGAÇÃO DE ESTACAS DE AMOREIRA UTILIZANDO DIFERENTES CONCENTRAÇÕES DE ÁCIDO INDOLBUTÍRICO (AIB) ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PROPAGAÇÃO DE ESTACAS DE AMOREIRA UTILIZANDO DIFERENTES CONCENTRAÇÕES DE ÁCIDO INDOLBUTÍRICO

Leia mais

MÉTODOS DE ENXERTIA PARA A GRAVIOLEIRA EM RIO BRANCO-ACRE

MÉTODOS DE ENXERTIA PARA A GRAVIOLEIRA EM RIO BRANCO-ACRE ISSN 0104-9038 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Centro de Pesquisa Agroflorestal do Acre Ministério da Agricultura e do Abastecimento BR-364, km 14 (Rio Branco/Porto Velho), Caixa Postal 392,

Leia mais

A qualidade de mudas clonais de Eucalyptus urophylla x E. grandis impacta o aproveitamento final de mudas, a sobrevivência e o crescimento inicial

A qualidade de mudas clonais de Eucalyptus urophylla x E. grandis impacta o aproveitamento final de mudas, a sobrevivência e o crescimento inicial Anais da 50ª Reunião Técnico-Científica do Programa Cooperativo sobre Silvicultura e Manejo - Dias 12 e 13 de novembro de 2014 33 A qualidade de mudas clonais de Eucalyptus urophylla x E. grandis impacta

Leia mais

BV581 - Fisiologia Vegetal Básica - Desenvolvimento. Aula 12b: Propagação Vegetativa

BV581 - Fisiologia Vegetal Básica - Desenvolvimento. Aula 12b: Propagação Vegetativa BV581 - Fisiologia Vegetal Básica - Desenvolvimento Prof. Marcelo C. Dornelas Aula 12b: Propagação Vegetativa A propagação vegetativa como um processo de manutenção da diversidade Ao contrário da reprodução

Leia mais

EFEITO DA TORTA DE MAMONA SOBRE O CRESCIMENTO DA MAMONEIRA BRS 149 NORDESTINA.

EFEITO DA TORTA DE MAMONA SOBRE O CRESCIMENTO DA MAMONEIRA BRS 149 NORDESTINA. EFEITO DA TORTA DE MAMONA SOBRE O CRESCIMENTO DA MAMONEIRA BRS 149 NORDESTINA Joab Josemar Vitor Ribeiro do Nascimento 1, Maria José Vieira Tavares 2, Liv Soares Severino 3, Valdinei Sofiatti 3 1UFCG,

Leia mais

EXTRATO DE TIRIRICA NO ENRAIZAMENTO DE ESTACAS DE AZALÉIA COLETADAS NO INVERNO RESUMO

EXTRATO DE TIRIRICA NO ENRAIZAMENTO DE ESTACAS DE AZALÉIA COLETADAS NO INVERNO RESUMO 6ª Jornada Científica e Tecnológica e 3º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 04 e 05 de novembro de 2014, Pouso Alegre/MG EXTRATO DE TIRIRICA NO ENRAIZAMENTO DE ESTACAS DE AZALÉIA COLETADAS NO INVERNO

Leia mais

Efeitos da adubação nitrogenada de liberação lenta sobre a qualidade de mudas de café

Efeitos da adubação nitrogenada de liberação lenta sobre a qualidade de mudas de café Efeitos da adubação nitrogenada de liberação lenta sobre a qualidade de mudas de café Gabriel Avelar LAGE 1 ; Sheila Isabel do Carmo PINTO²; Iul Brinner Expedito de SOUZA³; Marcus Vinicius SANTOS 3 ; Guilherme

Leia mais

Analista da Embrapa Mandioca e Fruticultura, Caixa Postal 007, , Cruz das Almas, BA. 2

Analista da Embrapa Mandioca e Fruticultura, Caixa Postal 007, , Cruz das Almas, BA.   2 ANÁLISE COMPORTAMENTAL DE UM ACESSO DE MANDIOCA (Manihot esculenta Crantz) EM RELAÇÃO A DOIS TIPOS DE MEIO DE CULTURA E DOSES DE UM FERTILIZANTE SOLÚVEL COMERCIAL Karen Cristina Fialho dos Santos 1, Antônio

Leia mais

Issáo Ishimura Eng. Agr., Dr., PqC da Unidade de Pesquisa e Desenvolvimento em Agricultura Ecológica /APTA

Issáo Ishimura Eng. Agr., Dr., PqC da Unidade de Pesquisa e Desenvolvimento em Agricultura Ecológica /APTA PRODUÇÃO DE MUDAS DE LOURO E SEU PLANTIO Issáo Ishimura Eng. Agr., Dr., PqC da Unidade de Pesquisa e Desenvolvimento em Agricultura Ecológica /APTA issao@apta.sp.gov.br Sebastião Wilson Tivelli Eng. Agr.,PhD.,

Leia mais

ESTABELECIMENTO IN VITRO

ESTABELECIMENTO IN VITRO ESTABELECIMENTO IN VITRO DE CANA-DE-AÇÚCAR. Paulo Sérgio Gomes da Rocha 1 ; Antonio Sergio do Amaral 1 ; Amito José Teixeira 1, Mayara Luana Coser Zonin 2 ; Sergio Delmar dos Anjos 3. INTRODUÇÃO O estabelecimento

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA DEPARTAMENTO DE FITOTECNIA E ZOOTECNIA FRUTICULTURA. Prof. Daniel M. Tapia T. Eng.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA DEPARTAMENTO DE FITOTECNIA E ZOOTECNIA FRUTICULTURA. Prof. Daniel M. Tapia T. Eng. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA DEPARTAMENTO DE FITOTECNIA E ZOOTECNIA FRUTICULTURA Prof. Daniel M. Tapia T. Eng. Agrônomo MSc PROPAGAÇÃO Sexual ou gâmica Vegetativa ou assexuada REPRODUÇÃO

Leia mais

Manejo de cafeeiro em áreas infestadas pelos nematoides-das-galhas com uso de cultivar resistente

Manejo de cafeeiro em áreas infestadas pelos nematoides-das-galhas com uso de cultivar resistente Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 10., 2013, Belo Horizonte 1 Manejo de cafeeiro em áreas infestadas pelos nematoides-das-galhas com uso de cultivar resistente Beatriz de Pauli (1), Sônia

Leia mais

CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DO BAGAÇO DE CANA-DE-AÇÚCAR PARA USO COMO SUBSTRATO PARA PLANTAS

CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DO BAGAÇO DE CANA-DE-AÇÚCAR PARA USO COMO SUBSTRATO PARA PLANTAS XX Congresso Brasileiro de Fruticultura 54th Annual Meeting of the Interamerican Society for Tropical Horticulture 12 a 17 de Outubro de 2008 - Centro de Convenções Vitória/ES CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DO

Leia mais

ROTEIRO DE AULAS PRÁTICAS DA DISCIPLINA FISIOLOGIA VEGETAL PROFª CYNTHIA CAVALCANTI DE ALBUQUERQUE

ROTEIRO DE AULAS PRÁTICAS DA DISCIPLINA FISIOLOGIA VEGETAL PROFª CYNTHIA CAVALCANTI DE ALBUQUERQUE GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE Secretaria do Estado da Educação, da Cultura e dos Desportos - SECD UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE - UERN FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS

Leia mais

Utilização de diferentes proporções de casca de café carbonizadas para a produção de mudas de tomate (Solanum lycopersicum)

Utilização de diferentes proporções de casca de café carbonizadas para a produção de mudas de tomate (Solanum lycopersicum) VIII Semana de Ciência e Tecnologia IFMG-Campus Bambuí VIII Jornada Científica Utilização de diferentes proporções de casca de café carbonizadas para a produção de mudas de tomate (Solanum lycopersicum)

Leia mais

MUDAS DE JATOBÁ-DO-CERRADO EM DIFERENTES AMBIENTES E SUBSTRATOS COM DOSES DE COMPOSTO ORGÂNICO COMERCIAL

MUDAS DE JATOBÁ-DO-CERRADO EM DIFERENTES AMBIENTES E SUBSTRATOS COM DOSES DE COMPOSTO ORGÂNICO COMERCIAL MUDAS DE JATOBÁ-DO-CERRADO EM DIFERENTES AMBIENTES E SUBSTRATOS COM DOSES DE COMPOSTO ORGÂNICO COMERCIAL Evandro Michel Valero Nardelli 1, Edílson Costa 2 1 Estudante do curso de agronomia, Bolsista PIBIC,

Leia mais

BROTAÇÃO DE VARIEDADES DE CANA-DE-AÇÚCAR NAS CONDIÇÕES DE CERRADO DO BRASIL-CENTRAL

BROTAÇÃO DE VARIEDADES DE CANA-DE-AÇÚCAR NAS CONDIÇÕES DE CERRADO DO BRASIL-CENTRAL BROTAÇÃO DE VARIEDADES DE CANA-DE-AÇÚCAR NAS CONDIÇÕES DE CERRADO DO BRASIL-CENTRAL Adeliano Cargnin 1, João Augusto Müller 1, Fernando Daminelli Araújo Mello 1, Cláudia Martellet Fogaça 1 ( 1 Embrapa

Leia mais

MICROPROPAGAÇÃO E ACLIMATAÇÃO DE PLÂNTULAS DE MORANGUEIRO. Palavras chaves: Micropropagação. Isolamento de meristema. Explante. Mudas sadias.

MICROPROPAGAÇÃO E ACLIMATAÇÃO DE PLÂNTULAS DE MORANGUEIRO. Palavras chaves: Micropropagação. Isolamento de meristema. Explante. Mudas sadias. MICROPROPAGAÇÃO E ACLIMATAÇÃO DE PLÂNTULAS DE MORANGUEIRO Tamires Oviedo 1, Fabiana Raquel Mühl 2, Neuri Antonio Feldmann 3, Anderson Rhoden 3 Palavras chaves: Micropropagação. Isolamento de meristema.

Leia mais

CLONAGEM DO ABACATEIRO VARIEDADE DUKE 7 (PERSEA AMERICANA MILL.) POR ALPORQUIA INTRODUÇÃO

CLONAGEM DO ABACATEIRO VARIEDADE DUKE 7 (PERSEA AMERICANA MILL.) POR ALPORQUIA INTRODUÇÃO CLONAGEM DO ABACATEIRO VARIEDADE DUKE 7 (PERSEA AMERICANA MILL.) POR ALPORQUIA Inez Vilar de Morais Oliveira 1, Ítalo Herbert Lucena Cavalcante 2, Danilo Franco 3, Antonio Baldo Geraldo Martins 4, Paulo

Leia mais

EFEITO DO TEOR DE UMIDADE DAS SEMENTES DURANTE O ARMAZENAMENTO NA GERMINAÇÃO DE MILHO CRIOULO

EFEITO DO TEOR DE UMIDADE DAS SEMENTES DURANTE O ARMAZENAMENTO NA GERMINAÇÃO DE MILHO CRIOULO EFEITO DO TEOR DE UMIDADE DAS SEMENTES DURANTE O ARMAZENAMENTO NA GERMINAÇÃO DE MILHO CRIOULO Daniela GOETEN 1, Joacir do NASCIMENTO 2, Oscar Emilio Ludtke HARTHMANN 3 1 Acadêmica do curso de Agronomia

Leia mais

PRODUTIVIDADE DE SOJA EM RESPOSTA AO ARRANJO ESPACIAL DE PLANTAS E À ADUBAÇÃO NITROGENADA ASSOCIADA A FERTILIZAÇÃO FOLIAR

PRODUTIVIDADE DE SOJA EM RESPOSTA AO ARRANJO ESPACIAL DE PLANTAS E À ADUBAÇÃO NITROGENADA ASSOCIADA A FERTILIZAÇÃO FOLIAR 28 Resumos da XXXIII Reunião de Pesquisa de Soja da Região Central do Brasil - Londrina, PR, agosto de 203 5 PRODUTIVIDADE DE SOJA EM RESPOSTA AO ARRANJO ESPACIAL DE PLANTAS E À ADUBAÇÃO NITROGENADA ASSOCIADA

Leia mais

Causas de GL IVE TMG PGER IVE TMG PGER

Causas de GL IVE TMG PGER IVE TMG PGER Efeito Alelopático do Óleo Essencial de Citronela (Cymbopogon winterianus) Sobre a Germinação de Sementes de Picão-Preto e de Milho em Diferentes Épocas de Aplicação. MARIA LITA PADINHA CORREA 1, ANA PAULA

Leia mais

Efeitos de diferentes substratos na produção de mudas de alface

Efeitos de diferentes substratos na produção de mudas de alface Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Centro de Pesquisa Agroflorestal de Rond8nia Ministério da Agricultura e do Abastecimento N 14, dez./98, p. 1-5 Efeitos de diferentes substratos na produção

Leia mais

Classificação de Frutos de Melão Amarelo Goldex Cultivado em Diferentes Coberturas do Solo e Lâminas de Irrigação no Período Chuvoso.

Classificação de Frutos de Melão Amarelo Goldex Cultivado em Diferentes Coberturas do Solo e Lâminas de Irrigação no Período Chuvoso. Classificação de Frutos de Melão Amarelo Goldex Cultivado em Diferentes Coberturas do Solo e Lâminas de Irrigação no Período Chuvoso. Maria José Tôrres Câmara 1 ; Maria Zuleide de Negreiros 1 ; José Francismar

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS FLORESTAIS. José Amarildo da Fonseca

PRODUÇÃO DE MUDAS FLORESTAIS. José Amarildo da Fonseca PRODUÇÃO DE MUDAS FLORESTAIS José Amarildo da Fonseca jafonsec@esalq.usp.br Objetivos Quantidade Custo Qualidade Prazo Histórico Histórico Histórico Produção de Mudas Florestais Objetivo (demanda) Tipos

Leia mais

PROPAGAÇÃO DE SEMENTES DE TAMARINDO EM FUNÇÃO DE DIFERENTES AMBIENTES E SUBSTRATO NA INTERFACE CERRADO-PANTANAL SUL-MATOGROSSENSE

PROPAGAÇÃO DE SEMENTES DE TAMARINDO EM FUNÇÃO DE DIFERENTES AMBIENTES E SUBSTRATO NA INTERFACE CERRADO-PANTANAL SUL-MATOGROSSENSE PROPAGAÇÃO DE SEMENTES DE TAMARINDO EM FUNÇÃO DE DIFERENTES AMBIENTES E SUBSTRATO NA INTERFACE CERRADO-PANTANAL SUL-MATOGROSSENSE Antonio Flávio Arruda Ferreira 1 ; Edilson Costa 2 1 Estudante do Curso

Leia mais

MÉTODOS DE PROPAGAÇÃO E GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE. Jatropha curcas L.

MÉTODOS DE PROPAGAÇÃO E GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE. Jatropha curcas L. MÉTODOS DE PROPAGAÇÃO E GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE Jatropha curcas L. Maria Regina G. Ungaro, Centro de Grãos e Fibras, IAC, ungaro@iac.sp.gov.br Amadeu Regitano Neto, Centro de Grãos e Fibras, IAC, regitano@iac.sp.gov.br

Leia mais

26 a 29 de novembro de 2013 Campus de Palmas

26 a 29 de novembro de 2013 Campus de Palmas PRODUÇÃO DE MUDAS DE FAVA DE BOLOTA (PARKIA PENDULA), IPÊ AMARELO (TABEBUIA CHRYSOTRICHA) E IPÊ BRANCO (TABEBUIA RÓSEO-ALBA) PARA FINS DE ARBORIZAÇÃO DE ÁREAS VERDES URBANA Soraia Morgana de Oliveira Silva

Leia mais

IPEF, n.37, p.69-72, dez.1987

IPEF, n.37, p.69-72, dez.1987 IPEF, n.37, p.69-72, dez.1987 EFICIÊNCIA DA REPICAGEM NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE LOURO (Cordia trichotoma VELL.) E GONÇALO-ALVES (Astronium fraxinifolium SCHOTT) RENATO MORAES DE JESUS E MARCOS DE SOUZA MENANDRO

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS DE IXORA VIA ESTAQUIA

PRODUÇÃO DE MUDAS DE IXORA VIA ESTAQUIA ISSN 0000-0000 Vol. 01 Número - 001 INFORME GOIANO Junho 2016 CIRCULAR DE PESQUISA APLICADA PRODUÇÃO DE MUDAS DE IXORA VIA ESTAQUIA Expediente: Autores: Editor-chefe: Aurélio Rúbio Neto Supervisora editorial:

Leia mais

Área temática: _2_ GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE PINHÃO MANSO (Jatropha curcas L.) SOB DIFERENTES SUBSTRATOS E TEMPERATURAS.

Área temática: _2_ GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE PINHÃO MANSO (Jatropha curcas L.) SOB DIFERENTES SUBSTRATOS E TEMPERATURAS. Área temática: _2_ GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE PINHÃO MANSO (Jatropha curcas L.) SOB DIFERENTES SUBSTRATOS E TEMPERATURAS. Mateus Cassol Tagliani 1, Katia Christina Zuffellato-Ribas 2 RESUMO: Biodiesel é

Leia mais

MUDAS DE CAFÉ EM SACOLINHAS DE TNT(AGROPOTE) SOBRE FUNDO TELADO. Matiello, Almeida, Aguiar, Josino e Araujo.

MUDAS DE CAFÉ EM SACOLINHAS DE TNT(AGROPOTE) SOBRE FUNDO TELADO. Matiello, Almeida, Aguiar, Josino e Araujo. MUDAS DE CAFÉ EM SACOLINHAS DE TNT(AGROPOTE) SOBRE FUNDO TELADO Matiello, Almeida, Aguiar, Josino e Araujo. Justificativas Nos projetos de cafeicultura empresarial, vem sendo introduzido o uso de mudas

Leia mais

Avaliação da altura do Cedro Australiano (Toona ciliata var. australis) após diferentes níveis de adubação de plantio

Avaliação da altura do Cedro Australiano (Toona ciliata var. australis) após diferentes níveis de adubação de plantio Avaliação da altura do Cedro Australiano (Toona ciliata var. australis) após diferentes níveis de adubação de plantio Josimar Rodrigues OLIVEIRA 1** ; Josiane Rodrigues OLIVEIRA²; Urbano Teixeira Guimarães

Leia mais

Análise de resíduos e transformação de dados em variáveis de tomateiro

Análise de resíduos e transformação de dados em variáveis de tomateiro Análise de resíduos e transformação de dados em variáveis de tomateiro Diogo Vanderlei Schwertner 1 Rélia Rodrigues Brunes 1 Fernando Machado Haesbaert 1 Daniel Santos 1 Denison Esequiel Schabarum 1 Alessandro

Leia mais

AVALIAÇÃO DE ESTACAS DE DRACENA EM DIFERENTES AMBIENTES COM E SEM HORMÔNIO AIB

AVALIAÇÃO DE ESTACAS DE DRACENA EM DIFERENTES AMBIENTES COM E SEM HORMÔNIO AIB AVALIAÇÃO DE ESTACAS DE DRACENA EM DIFERENTES AMBIENTES COM E SEM HORMÔNIO AIB Bruno F. VIEIRA 1 ; Felipe LONARDONI 2 ; Marcell T. M. da SILVA 3 ; José M. F. CAMILO 4 ; Ariana V. SILVA 5 ; Juliano F. RANGEL

Leia mais

Produção antecipada de mudas de videira Rubi (Vitis vinifera) através de enxertia verde 1

Produção antecipada de mudas de videira Rubi (Vitis vinifera) através de enxertia verde 1 Ciência Rural, Santa Maria, Produção v.34, antecipada n.4, p.1059-1064, de mudas jul-ago, de videira 2004 Rubi (Vitis vinifera) através de enxertia verde. ISSN 0103-8478 1059 Produção antecipada de mudas

Leia mais

PROPAGAÇÃO VEGETATIVA

PROPAGAÇÃO VEGETATIVA PROPAGAÇÃO VEGETATIVA Propagação vegetativa em espécies florestais: Enxertia Estaquia Microestaquia Enxertia União de partes de uma planta em outra, de forma que as duas partes de plantas diferentes passem

Leia mais

EFEITO DO TAMANHO DO VASO E DA ÉPOCA DE CORTE DE PLANTAS DE TRIGO NO ESTUDO DA AÇÃO DOS NUTRIENTES N, P e K ( 1 )

EFEITO DO TAMANHO DO VASO E DA ÉPOCA DE CORTE DE PLANTAS DE TRIGO NO ESTUDO DA AÇÃO DOS NUTRIENTES N, P e K ( 1 ) EFEITO DO TAMANHO DO VASO E DA ÉPOCA DE CORTE DE PLANTAS DE TRIGO NO ESTUDO DA AÇÃO DOS NUTRIENTES N, P e K ( 1 ) HERMANO GARGANTINI e EDMIR SOARES (-), Seção de Fertilidade do Solo, Instituto Agronômico

Leia mais

QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MAMONA ACONDICIONADAS EM DIFERENTES EMBALAGENS E ARMAZENADAS SOB CONDIÇÕES CLIMÁTICAS DE CAMPINA GRANDE-PB

QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MAMONA ACONDICIONADAS EM DIFERENTES EMBALAGENS E ARMAZENADAS SOB CONDIÇÕES CLIMÁTICAS DE CAMPINA GRANDE-PB QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MAMONA ACONDICIONADAS EM DIFERENTES EMBALAGENS E ARMAZENADAS SOB CONDIÇÕES CLIMÁTICAS DE CAMPINA GRANDE-PB Sandra Maria de Figueiredo 1, Fernanda Fernandes de Melo

Leia mais

Densidade de brotos e de cachos em cultivares de uvas sem sementes no Submédio do Vale do São Francisco

Densidade de brotos e de cachos em cultivares de uvas sem sementes no Submédio do Vale do São Francisco 171 Densidade de brotos e de cachos em cultivares de uvas sem sementes... Densidade de brotos e de cachos em cultivares de uvas sem sementes no Submédio do Vale do São Francisco Density of shoots and bunches

Leia mais

Termos para indexação: Passiflora spp., propagação, produção de mudas, estaquia, hormônio.

Termos para indexação: Passiflora spp., propagação, produção de mudas, estaquia, hormônio. ENRAIZAMENTO DE ESPÉCIES SILVESTRES DE MARACUJÁ UTILIZANDO CINCO DOSES DE REGULADOR DE CRESCIMENTO AIB (ácido indolbutírico). Carolina de Faria Vaz 1 ; Marcelo Fideles Braga 1 ; Nilton Tadeu Vilela Junqueira

Leia mais

Composição centesimal de azeitonas e perfil de ácidos graxos de azeite de oliva de quatro cultivares de oliveira

Composição centesimal de azeitonas e perfil de ácidos graxos de azeite de oliva de quatro cultivares de oliveira Seminário de Iniciação Cientifica e Tecnológica, 8., 2011, Belo Horizonte Composição centesimal de azeitonas e perfil de ácidos graxos de azeite de oliva de quatro cultivares de oliveira Tatielle Custódio

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Influência de Diferentes Épocas de Corte e Densidade de Plantas no Desempenho Agronômico de Duas Cultivares de Sorgo

Leia mais

AVALIAÇÃO PRODUTIVA DE LINHAGENS DE FEIJÃO-VAGEM EM CULTURA TUTORADA EM IPAMERI. Bolsista PBIC/UEG, graduanda do curso de Agronomia, UnU Ipameri-UEG.

AVALIAÇÃO PRODUTIVA DE LINHAGENS DE FEIJÃO-VAGEM EM CULTURA TUTORADA EM IPAMERI. Bolsista PBIC/UEG, graduanda do curso de Agronomia, UnU Ipameri-UEG. AVALIAÇÃO PRODUTIVA DE LINHAGENS DE FEIJÃO-VAGEM EM CULTURA TUTORADA EM IPAMERI FERNANDA DE CÁSSIA SILVA 1, NEI PEIXOTO 2, MARIA MARTA ANTÔNIA DA SILVA 3, DIANA CRISTINA DA SILVA 3. 1 Bolsista PBIC/UEG,

Leia mais

Restos Vegetais da Mangueira e Sua Importância como Fonte de Inóculo em Diferentes Sistemas de Manejo

Restos Vegetais da Mangueira e Sua Importância como Fonte de Inóculo em Diferentes Sistemas de Manejo 114 Restos Vegetais da Mangueira e sua Importância como Fonte de Inóculo em Restos Vegetais da Mangueira e Sua Importância como Fonte de Inóculo em Diferentes Sistemas de Manejo Mango Debris and Their

Leia mais

Arthur Pereira da Silva 1, Edílson Costa 2

Arthur Pereira da Silva 1, Edílson Costa 2 ALTURA DE PLÂNTULAS E NÚMERO DE PARES DE FOLHAS DE MUDAS DE CAFEEIRO Arthur Pereira da Silva 1, Edílson Costa 2 1 Estudante do curso de agronomia, Bolsista PET, Universidade Estadual de Mato Grosso do

Leia mais

DIFERENTES SUBSTRATOS, AMBIENTE E PRESENÇA DA GEMA APICAL NO ENRAIZAMENTO DE ESTACAS DE FIGUEIRA

DIFERENTES SUBSTRATOS, AMBIENTE E PRESENÇA DA GEMA APICAL NO ENRAIZAMENTO DE ESTACAS DE FIGUEIRA DIFERENTES SUBSTRATOS, AMBIENTE E PRESENÇA DA GEMA APICAL NO ENRAIZAMENTO DE ESTACAS DE FIGUEIRA DIFFERENTS SUBSTRATES, ENVIRONMENT AND THE PRESENCE OF APICAL BUD FOR ROOTING OF CUTTINGS FROM FIG TREE

Leia mais

EFEITO DA TEMPERATURA E DO FOTOPERÍODO NA GERMINAÇÃO in vitro DE CONÍDIOS DE Aspergillus niger, AGENTE ETIOLÓGICO DO MOFO PRETO DA CEBOLA

EFEITO DA TEMPERATURA E DO FOTOPERÍODO NA GERMINAÇÃO in vitro DE CONÍDIOS DE Aspergillus niger, AGENTE ETIOLÓGICO DO MOFO PRETO DA CEBOLA EFEITO DA TEMPERATURA E DO FOTOPERÍODO NA GERMINAÇÃO in vitro DE CONÍDIOS DE Aspergillus niger, AGENTE ETIOLÓGICO DO MOFO PRETO DA CEBOLA Autores: Jéssica Tainara IGNACZUK 1, Leandro Luiz MARCUZZO 2 Identificação

Leia mais

Cap 3 Introdução à Experimentação

Cap 3 Introdução à Experimentação 3.5. Exercícios 3.1. Um experimento deve conter no mínimo o(s) seguinte(s) princípio(s) básico(s) da experimentação: a) repetição b) casualização c) controle local d) repetição e controle local e) repetição

Leia mais

INFLUÊNCIA DO MEIO DE CULTURA E DE UM FERTILIZANTE SOLÚVEL NA MICROPROPAGAÇÃO DA MANDIOCA (Manihot esculenta Crantz)

INFLUÊNCIA DO MEIO DE CULTURA E DE UM FERTILIZANTE SOLÚVEL NA MICROPROPAGAÇÃO DA MANDIOCA (Manihot esculenta Crantz) INFLUÊNCIA DO MEIO DE CULTURA E DE UM FERTILIZANTE SOLÚVEL NA MICROPROPAGAÇÃO DA MANDIOCA (Manihot esculenta Crantz) Mariane de Jesus da Silva de Carvalho 1, Antônio da Silva Souza 2, Mariana Conceição

Leia mais

EFEITO DA BENZILAMINOPURINA (BAP) NA MICROPROPAGAÇÃO DA VARIEDADE CURIMENZINHA (BGM 611) DE MANDIOCA (Manihot esculenta Crantz)

EFEITO DA BENZILAMINOPURINA (BAP) NA MICROPROPAGAÇÃO DA VARIEDADE CURIMENZINHA (BGM 611) DE MANDIOCA (Manihot esculenta Crantz) EFEITO DA BENZILAMINOPURINA (BAP) NA MICROPROPAGAÇÃO DA VARIEDADE CURIMENZINHA (BGM 611) DE MANDIOCA (Manihot esculenta Crantz) Mariane de Jesus da Silva de Carvalho 1, Antônio da Silva Souza 2, Karen

Leia mais

CARACTERÍSTICAS QUÍMICAS DO BAGAÇO DE CANA-DE-AÇÚCAR PARA USO COMO SUBSTRATO PARA PLANTAS

CARACTERÍSTICAS QUÍMICAS DO BAGAÇO DE CANA-DE-AÇÚCAR PARA USO COMO SUBSTRATO PARA PLANTAS XX Congresso Brasileiro de Fruticultura 54th Annual Meeting of the Interamerican Society for Tropical Horticulture 12 a 17 de Outubro de 2008 - Centro de Convenções Vitória/ES CARACTERÍSTICAS QUÍMICAS

Leia mais

INFORMAÇÕES GERAIS DO TRABALHO. Título do Trabalho: Doses de adubos para produção de mudas de tomate (Solanum lycopersicum)

INFORMAÇÕES GERAIS DO TRABALHO. Título do Trabalho: Doses de adubos para produção de mudas de tomate (Solanum lycopersicum) INFORMAÇÕES GERAIS DO TRABALHO Título do Trabalho: Doses de adubos para produção de mudas de tomate (Solanum lycopersicum) Autor (es): Jakeline Aparecida Greiver Ribeiro Ferreira, Laurenia Oliveria Pessoni,

Leia mais

Enraizamento de cladódios jovens de Hylocereus undatus H. coletados de plantas produzidas a partir de sementes

Enraizamento de cladódios jovens de Hylocereus undatus H. coletados de plantas produzidas a partir de sementes Enraizamento de cladódios jovens de Hylocereus undatus H. coletados de plantas produzidas a partir de sementes 1 Carlos Antônio SILVA, 2 Leide Gonçalves COTA, 1 Wildes de Jesus Fonseca, 1 Bergson França

Leia mais

UNIFORMIZANDO A GERMINAÇÃO NA CULTURA DO CRAMBE (Crambe. abyssinica)

UNIFORMIZANDO A GERMINAÇÃO NA CULTURA DO CRAMBE (Crambe. abyssinica) UNIFORMIZANDO A GERMINAÇÃO NA CULTURA DO CRAMBE ( abyssinica) A busca por novas fontes alternativas de combustíveis tem despertado o interesse de agricultores para o cultivo de plantas com características

Leia mais

CARACTERÍSTICAS AGRONÔMICAS DE CULTIVARES DE ARROZ IRRIGADO E DE SEQUEIRO RECOMENDADAS PARA O MATO GROSSO DO SUL

CARACTERÍSTICAS AGRONÔMICAS DE CULTIVARES DE ARROZ IRRIGADO E DE SEQUEIRO RECOMENDADAS PARA O MATO GROSSO DO SUL Nº. 7, set./94, p.1-5 CARACTERÍSTICAS AGRONÔMICAS DE CULTIVARES DE ARROZ IRRIGADO E DE SEQUEIRO RECOMENDADAS PARA O MATO GROSSO DO SUL João Carlos Heckler¹ Carlos Ricardo Fietz² Reinaldo Bazoni³ 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE AGRONOMIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FITOTECNIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE AGRONOMIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FITOTECNIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE AGRONOMIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FITOTECNIA PROPAGAÇÃO DO ABACATEIRO (Persea sp.) POR ESTAQUIA E MERGULHIA Bibiana Della Pasqua Ferreira Bióloga

Leia mais

INFLUÊNCIA DA APLICAÇÃO DE HORMONAS NO ENRAIZAMENTO DE ESTACAS DE ORNAMENTAIS

INFLUÊNCIA DA APLICAÇÃO DE HORMONAS NO ENRAIZAMENTO DE ESTACAS DE ORNAMENTAIS INFLUÊNCIA DA APLICAÇÃO DE HORMONAS NO ENRAIZAMENTO DE ESTACAS DE ORNAMENTAIS M. Regato; V. Carvalho Escola Superior Agrária de Beja Rua Pedro Soares Apartado 158 7801-902-Beja Telefone: 284 314300 e-mail:

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO CRESCIMENTO DE MUDAS DE MAMONA DAS VARIEDADES BRS 149 NORDESTINA E BRS 188 PARAGUAÇU EM FUNÇÃO DO VOLUME DO RECIPIENTE

DETERMINAÇÃO DO CRESCIMENTO DE MUDAS DE MAMONA DAS VARIEDADES BRS 149 NORDESTINA E BRS 188 PARAGUAÇU EM FUNÇÃO DO VOLUME DO RECIPIENTE DETERMINAÇÃO DO CRESCIMENTO DE MUDAS DE MAMONA DAS VARIEDADES BRS 149 NORDESTINA E BRS 188 PARAGUAÇU EM FUNÇÃO DO VOLUME DO RECIPIENTE Djair Felix da Silva 1, Roseane Cristina Prédes Trindade 2, Mauro

Leia mais

Ciência Rural ISSN: Universidade Federal de Santa Maria Brasil

Ciência Rural ISSN: Universidade Federal de Santa Maria Brasil Ciência Rural ISSN: 13-8478 cienciarural@mail.ufsm.br Universidade Federal de Santa Maria Brasil Biasi, Luiz Antônio; Costa, Giampalolo Propagação vegetativa de Lippia alba Ciência Rural, vol. 33, núm.

Leia mais

Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2010)

Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2010) Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2010) 5771-5775 AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS DE ARROZ IRRIGADO NO USO DE NITROGÊNIO CARVALHO, Glaucilene Duarte 1 ; DE CAMPOS, Alfredo Borges 2 & FAGERIA,

Leia mais

Eng. Agr. Ederson A. Civardi. Bonito MS 2014

Eng. Agr. Ederson A. Civardi. Bonito MS 2014 Eng. Agr. Ederson A. Civardi Bonito MS 2014 Sumário 1 - Introdução 2 - Importância Soja 3 - Importância Mofo Branco 4 - Ciclo da doença 5 - Métodos de controle 6 - Alguns resultados de experimentos 7 -

Leia mais

MUDAS EM SACOLINHAS DE TNT(AGROPOTE) SÃO BOA OPÇÃO PARA GRANDES PLANTIOS DE CAFÉ. Matiello, Almeida, Aguiar, Josino e Araujo

MUDAS EM SACOLINHAS DE TNT(AGROPOTE) SÃO BOA OPÇÃO PARA GRANDES PLANTIOS DE CAFÉ. Matiello, Almeida, Aguiar, Josino e Araujo MUDAS EM SACOLINHAS DE TNT(AGROPOTE) SÃO BOA OPÇÃO PARA GRANDES PLANTIOS DE CAFÉ Matiello, Almeida, Aguiar, Josino e Araujo Justificativas As mudas de café, em sua grande maioria,vem sendo formadas em

Leia mais

CEP: Acadêmico do Curso de Agronomia, Unochapecó, Av. Senador Atílio Fontana, 591 E, Caixa Postal: 1141,

CEP: Acadêmico do Curso de Agronomia, Unochapecó, Av. Senador Atílio Fontana, 591 E, Caixa Postal: 1141, INFLUÊNCIA DE DIFERENTES FITOHORMÔNIOS (AIA, AIB E AUXINA NATURAL) SOBRE O ENRAIZAMENTO DE MINIESTACAS DE EUCALIPTO (Eucalyptus benthamii Maiden & Cambage) Camilla Weber Langhinotti 2, Cristiano Reschke

Leia mais

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO CULTIVO DO TOMATEIRO IRRIGADO *

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO CULTIVO DO TOMATEIRO IRRIGADO * VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO CULTIVO DO TOMATEIRO IRRIGADO * VIEIRA, T.A. 1 ; SANTANA, M.J. 2 ; BARRETO, A.C. 2 * Projeto financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (FAPEMIG).

Leia mais

INDUÇÃO DE RAÍZES EM ESTACAS DO ALGODOEIRO ARBÓREO EM CONDIÇÕES EX VITRO

INDUÇÃO DE RAÍZES EM ESTACAS DO ALGODOEIRO ARBÓREO EM CONDIÇÕES EX VITRO INDUÇÃO DE RAÍZES EM ESTACAS DO ALGODOEIRO ARBÓREO EM CONDIÇÕES EX VITRO Julita Maria Frota Chagas Carvalho (Embrapa Algodão / julita@cnpa.embrapa.br), Francisco Pereira de Andrade (Embrapa Algodão), Cristiane

Leia mais

USO DE DIFERENTES SUBSTRATOS E FREQUÊNCIA DE IRRIGAÇÃO NO CULTIVO DE TOMATE CEREJA EM SISTEMA HIDROPÔNICO

USO DE DIFERENTES SUBSTRATOS E FREQUÊNCIA DE IRRIGAÇÃO NO CULTIVO DE TOMATE CEREJA EM SISTEMA HIDROPÔNICO USO DE DIFERENTES SUBSTRATOS E FREQUÊNCIA DE IRRIGAÇÃO NO CULTIVO DE TOMATE CEREJA EM SISTEMA HIDROPÔNICO Rodrigo de Rezende Borges Rosa 1 ; Delvio Sandri 2 1 Eng. Agrícola, Discente do Mestrando Engenharia

Leia mais

ESTUDO DE DIFERENTES MÉTODOS NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE EUCALIPTO (Eucalyptus benthamii Maiden & Cambage) VIA PROPAGAÇÃO ASSEXUAL POR ESTAQUIA

ESTUDO DE DIFERENTES MÉTODOS NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE EUCALIPTO (Eucalyptus benthamii Maiden & Cambage) VIA PROPAGAÇÃO ASSEXUAL POR ESTAQUIA ESTUDO DE DIFERENTES MÉTODOS NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE EUCALIPTO (Eucalyptus benthamii Maiden & Cambage) VIA PROPAGAÇÃO ASSEXUAL POR ESTAQUIA Matheus Collet Tambosi 2, Cristiano Reschke Lajús 1, Ernandes

Leia mais

MUDAS E VIVEIROS. Aula 02 Mudas e viveiros

MUDAS E VIVEIROS. Aula 02 Mudas e viveiros MUDAS E VIVEIROS 1 1. DEFINIÇÃO: MUDA - estrutura vegetal de qualquer espécie ou cultivar, proveniente de reprodução sexuada ou assexuada convenientemente produzida e que tenha finalidade específica de

Leia mais

Revista Caatinga ISSN: X Universidade Federal Rural do Semi-Árido Brasil

Revista Caatinga ISSN: X Universidade Federal Rural do Semi-Árido Brasil Revista Caatinga ISSN: 1-316X caatinga@ufersa.edu.br Universidade Federal Rural do Semi-Árido Brasil Ribeiro do Vale, Márcio; Chalfun, Nilton Nagib Jorge; Mendonça, Vander; Spuri de Miranda, Clecius; Vilela

Leia mais

Desenvolvimento e Produção de Sementes de Feijão Adzuki em Função da Adubação Química

Desenvolvimento e Produção de Sementes de Feijão Adzuki em Função da Adubação Química Desenvolvimento e Produção de Sementes de Feijão Adzuki em Função da Adubação Química Flívia Fernandes de Jesus 1, Fabrícia C. Adriano 2, Fabrício de C. Peixoto 3, Adilson Pelá 4, Nei Peixoto 5 1. Bolsista

Leia mais

315 - CONTROLE DE CANCRO CÍTRICO EM POMAR DE LARANJEIRA MONTE PARNASO EM TRANSIÇÃO AO SISTEMA ORGÂNICO DE CULTIVO 1

315 - CONTROLE DE CANCRO CÍTRICO EM POMAR DE LARANJEIRA MONTE PARNASO EM TRANSIÇÃO AO SISTEMA ORGÂNICO DE CULTIVO 1 Manejo de Agroecosistemas Sustentaveis Monferrer 315 - CONTROLE DE CANCRO CÍTRICO EM POMAR DE LARANJEIRA MONTE PARNASO EM TRANSIÇÃO AO SISTEMA ORGÂNICO DE CULTIVO 1 Nestor Valtir Panzenhagen 2 ; Ivar Antonio

Leia mais

EFEITO DE BIOESTIMULANTES SOBRE A CONCENTRAÇÃO FOLIAR DE NUTRIENTES EM MUDAS DE VIDEIRA THOMPSON SEEDLESS

EFEITO DE BIOESTIMULANTES SOBRE A CONCENTRAÇÃO FOLIAR DE NUTRIENTES EM MUDAS DE VIDEIRA THOMPSON SEEDLESS EFEITO DE BIOESTIMULANTES SOBRE A CONCENTRAÇÃO FOLIAR DE NUTRIENTES EM MUDAS DE VIDEIRA THOMPSON SEEDLESS LAYANA ALVES DO NASCIMENTO 1, JULIANNA MATOS DA SILVA 1, SAMARA FERREIRA DA SILVA 1, LUIZ FRANCINÉLIO

Leia mais

Planejamento de instalação de experimentos no campo

Planejamento de instalação de experimentos no campo Planejamento de instalação de experimentos no campo Antonio Williams Moita Embrapa Hortaliças Goiânia, 28 de novembro de 2012 Experimentação Agrícola Histórico John Bennet Lawes - após prolongadas experimentações

Leia mais

Palavras-chave: Oryza sativa, melhoramento de arroz, número ótimo de ambientes.

Palavras-chave: Oryza sativa, melhoramento de arroz, número ótimo de ambientes. NÚMERO ÓTIMO DE ANOS AGRÍCOLAS PARA AVALIAÇÃO DA PRODUTIVIDADE DE ARROZ IRRIGADO NO ESTADO DE MINAS GERAIS Antônio Carlos da Silva Júnior 1 ; Plínio César Soares 2 ; Iara Gonçalves dos Santos 3 ; Francyse

Leia mais