TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SERGIPE DIRETORIA DE PESSOAS GERÊNCIA DE ALOCAÇÃO E AVALIAÇÃO DE PESSOAL MANUAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SERGIPE DIRETORIA DE PESSOAS GERÊNCIA DE ALOCAÇÃO E AVALIAÇÃO DE PESSOAL MANUAL"

Transcrição

1 TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SERGIPE DIRETORIA DE PESSOAS GERÊNCIA DE ALOCAÇÃO E AVALIAÇÃO DE PESSOAL MANUAL DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO 006 2

2 2 APRESENTAÇÃO Este manual é uma ferramenta de consulta para as partes envolvidas no Programa de Avaliação de Desempenho para efeito de Estágio Probatório e Avaliação Periódica, tendo como objetivo informar em que consiste o processo, como também facilitar o entendimento do mesmo. Explica as informações básicas sobre instrumentos e procedimentos do Programa, com o intuito de facilitar o entendimento do processo de avaliação.

3 3 SUMÁRIO 1. EXIGÊNCIA LEGAL 1.1 Estágio Probatório Situações de suspensão AVALIAÇÃO ESPECIAL DE DESEMPENHO 2.1 Definição Objetivo Fatores e subfatores Aplicação INSTRUMENTO AVALIATIVO Como Avaliar COMISSÃO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO RESPONSABILIDADES DO AVALIADO E DO AVALIADOR INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DOS FORMULÁRIOS AVALIAÇÃO PERIÓDICA DE DESEMPENHO Definição Fatores e subfatores Aplicação Aplicação Como Avaliar CONSIDERAÇÕES PARA OS AVALIADORES... 12

4 4 1. EXIGÊNCIA LEGAL 1.1. ESTÁGIO PROBATÓRIO: É o período de avaliação do desempenho do servidor admitido por concurso público, com o intuito de constatar a sua aptidão para o cargo concursado. Compreende o período de 36 meses, contados a partir da data de exercício. Fundamenta-se na Emenda Constitucional nº 19, publicada no DOU em 05/06/98 e na Lei Estadual nº 2148 de 21 de dezembro de 1977, Estatuto dos Funcionários Públicos do Estado de Sergipe SITUAÇÕES EM QUE A CONTAGEM DO PERÍODO DE ESTÁGIO PROBATÓRIO SERÁ SUSPENSA: Licença por motivo de doença em pessoa da família; Licença pora acompanhamento do cônjuge; Afastamento para participação em curso de formação decorrente de aprovação em concurso Público; Nos demais casos previstos em lei e devidamente analisados pela Diretoria de Processos Administrativos. 2. AVALIAÇÃO ESPECIAL DE DESEMPENHO 2.1. DEFINIÇÃO: Consiste no processo de acompanhamento dos servidores que ingressarem por concurso público, referente ao período de 3 (três) anos de efetivo exercício, para fins de aquisição de estabilidade sendo regulamentada pela Resolução Administrativa nº 0000/06 de 00/06/2006 deste TJSE. Os servidores efetivos que ingressaram no Poder Judiciário antes de , vigência da Emenda Constitucional nº 19/98, e que já completaram 02 (dois) anos de efetivo serviço público em , ainda que prestado em outro Poder, serão considerados estáveis, não havendo necessidade da Avaliação Especial de Desempenho, em respeito ao direito adquirido. Os servidores efetivos que ingressaram no Poder Judiciário antes de e que não completaram 02 (dois) anos de efetivo serviço público em , ainda que prestado em outro Poder, serão considerados estáveis.

5 5 A avaliação de desempenho do servidor em estágio probatório é da responsabilidade da chefia imediata e nos casos de afastamentos, impedimentos legais ou regulamentares deste, pela autoridade imediatamente superior. Compete à Diretoria de Pessoas - DIRPE, através da Gerência de Alocação e Avaliação de Pessoal - GEAAPE, implantar, desenvolver, acompanhar, coordenar e atualizar todo o programa de Avaliação de Desempenho do TJ/SE, estando disponível, sempre quando for solicitado pelas partes (avaliador e avaliado), para elucidar dúvidas relacionadas ao processo e intermediar questões relacionais OBJETIVO : O processo de Avaliação Especial de Desempenho tem como objetivo atender às exigências da lei, aferir os resultados desenvolvidos, identificar as potencialidades, estimular a capacitação profissional e o aproveitamento do potencial dos servidores; tendo como principal pressuposto a integração institucional do novo servidor FATORES E SUBFATORES QUE SERÃO AVALIADOS: I ASSIDUIDADE/PONTUALIDADE Considerando a freqüência ao local de trabalho e a pontualidade na observância dos horários estabelecidos para o cumprimento de suas atribuições; a) FREQUÊNCIA; b) CUMPRIMENTO DO HORÁRIO; c) PERMANÊNCIA NO LOCAL DE TRABALHO. Obs.: Quando da implantação do ponto eletrônico, a assiduidade/pontualidade serão acompanhados conforme relatório específico. II DISCIPLINA Considerando a capacidade para observar e cumprir normas e regulamentos; a) RESPEITO AOS NÍVEIS HIERÁRQUICOS Acata com presteza as ordens de sua chefia imediata e observa os níveis hierárquicos nas relações funcionais; b) CUMPRIMENTO DE NORMAS: Cumpre as normas, instruções e/ou regulamentos;

6 c) INTEGRAÇÃO ORGANIZACIONAL Atende às unidades do TJSE com eficiência e cortesia, de modo a favorecer o andamento dos serviços; 6 d) COOPERAÇÃO Mostra disposição para colaborar com os colegas e chefia na execução dos trabalhos. III DEDICAÇÃO AO SERVIÇO Considerando a atuação demonstrada no cumprimento de suas atribuições, a capacidade de se antecipar aos fatos e empreender alternativas inovadoras para a solução de problemas de trabalho; a) TOMADA DE DECISÃO: Apresenta bom senso e responsabilidade nas decisões tomadas na ausência de instruções detalhadas ou em situações fora do comum; b) INTERESSE: Mostra-se empenhado em executar suas atribuições, buscando aprender e contribuir com o serviço de sua unidade; c) COMPROMETIMENTO COM TAREFAS E PRAZOS: Centra seus esforços na execução do trabalho que lhe é confiado, notadamente o atendimento ao público em geral, comportando-se com urbanidade, cortesia e respeito, utilizando adequadamente seu horário de trabalho e buscando informações que possam enriquecer seu trabalho; d) SENSO DE PRIORIDADE: Mostra capacidade para distinguir as tarefas, priorizando aquelas de maior urgência; e) INICIATIVA: Mostra capacidade para prever e solucionar problemas, dando soluções. IV EFICIÊNCIA Considerando a qualidade do trabalho, a presteza, a cooperação dispensada às atividades de equipe e o empenho demonstrado em desempenhar as atividades inerentes à sua área de atuação, nelas participar e se envolver; a) CONHECIMENTO DO TRABALHO: Domina os métodos e técnicas necessárias para a execução das tarefas; b) RENDIMENTO: Produz volume de trabalho proporcional a sua complexidade e aos recursos disponíveis; c) QUALIDADE: Desenvolve as tarefas até sua conclusão, com a menor margem de erros possível; d) ORGANIZAÇÃO: Ordena o material e as ações de trabalho de forma a facilitar a execução das tarefas e atender às necessidades de serviço; e) COMUNICAÇÃO: Expressa-se de forma clara e oportuna, buscando entender e ser entendido pelo interlocutor.

7 7 V IDONEIDADE MORAL Considerando a atuação demonstrada no cumprimento de suas atribuições na guarda de valores, documentos e informações e na conservação de equipamentos e materiais. a) ZELO POR MATERIAIS E EQUIPAMENTOS: É cuidadoso com materiais de trabalho, demonstrando preocupação com a sua manutenção e bom uso e empenhando-se em sua economia e conservação; b) ZELO POR INFORMAÇÕES: É cuidadoso com informações sigilosas obtidas em sua unidade de trabalho APLICAÇÃO: O Programa de Avaliação Especial de Desempenho do TJSE é um processo contínuo, sistemático e periódico de avaliação, e os resultados apresentados pelo servidor devem ser auferidos em três períodos distintos do seu exercício: no 12º, 24º e 30º meses. Para efeito de aprovação no estágio probatório, o servidor deverá obter nota final mínima equivalente a 70% (setenta por cento) da pontuação máxima admitida. Como no exemplo: 19(subfatores) x 4(pontuação) = 76 (pontuação máxima), sendo 53,2 a pontuação mínima exigida. ACOMPANHAMENTO DO DESEMPENHO: A Chefia Imediata estará acompanhando e orientando, com atenção e interesse, o desempenho do servidor. Faz-se necessária a contínua abertura para o diálogo, inclusive com a programação de reuniões rápidas e objetivas. AVALIAÇÃO DO RESULTADO DO DESEMPENHO : Ocorrerá, ao final de cada período avaliativo, ciência pelo avaliado. Deverá ser encaminhado, através do avaliador, à DIRPE/ GEAAPE os resultados da avaliação efetuada, devendo uma via ser entregue ao servidor avaliado. 3. INSTRUMENTO AVALIATIVO

8 A Avaliação Especial de Desempenho será aferida através de formulário específico que formaliza a síntese do processo de avaliação de desempenho do novo servidor COMO AVALIAR: O formulário de avaliação deve ser preenchido ao final de cada período avaliativo conforme instruções abaixo: Atribuir nota de 1 a 4 a cada subfator de avaliação; A pontuação total de cada Fator Avaliativo será obtida pela soma dos subfatores. Registrar comentários sobre o desempenho do avaliando, caso a nota do servidor avaliado seja 1 ou 2; Assinar e datar o formulário de avaliação; Solicitar assinatura do servidor avaliado. A chefia imediata da unidade de serviço deverá encaminhar à DIRPE/GEAAPE, até o 10º dia do término do período avaliativo (12º, 24º e 30º meses), o Formulário de Avaliação Especial de Desempenho 4. COMISSÃO DE AVALIAÇÃO ESPECIAL DE DESEMPENHO O artigo 6º da Emenda Constitucional nº 19, de 4 de junho de 1998, estabelece, como condição para a aquisição da estabilidade, a realização de avaliação especial de desempenho por uma comissão instituída para essa finalidade. A COMISSÃO DE AVALIAÇÃO ESPECIAL DE DESEMPENHO emitirá parecer final após a finalização de todas as etapas da avaliação de desempenho de cada servidor em estágio probatório. De posse dos elementos informativos, a Comissão de Avaliação emitirá parecer escrito sobre a conveniência ou não da confirmação do servidor no serviço público. O parecer da Comissão poderá confirmar o servidor no cargo ou solicitar a exoneração à Presidência se for constatada a sua inaptidão para o cargo. O parecer conclusivo da Comissão será encaminhado à Presidência do TJSE, quando então poderão ser adotados os seguintes procedimentos: Sendo o parecer favorável à confirmação do servidor no cargo, o Presidente do Tribunal, concordando, determinará a lavratura de ato declaratório de estabilidade, após o término do período do estágio probatório;

9 Sendo o parecer desfavorável à permanência do servidor no cargo, deverão, os autos, serem encaminhados ao Presidente do Tribunal de Justiça para apreciação. Havendo confirmação do parecer, o Presidente determinará que seja notificado o 9 servidor, advertindo-o dos prazos para a interposição dos recursos elencados no Estatuto dos Servidores Públicos Civis do Estado de Sergipe; Findo o prazo de recurso sem qualquer manifestação do servidor ou confirmada a decisão do Presidente em última instância, deverá o servidor ser exonerado, constando do Ato a motivação de não aprovação no estágio probatório. 5. RESPONSABILIDADES DAS PRINCIPAIS PARTES ENVOLVIDAS NO PROCESSO: AVALIADOR AVALIADO Conhecer o Programa de Avaliação de Desempenho do TJSE do Estagio Probatório Acompanhar o desempenho do servidor, realizando reuniões periódicas. Atribuir notas ao desempenho do servidor ao final de cada período de avaliação. Comentar, no Formulário de Avaliação do Estágio Probatório, sobre o desempenho do servidor caso a nota do servidor avaliado seja 1 ou 2. Tomar as providências necessárias à melhoria do desempenho do servidor, em tempo de reverter-se em real benefício do avaliando. Participar das reuniões programadas pela chefia imediata. Desempenhar suas funções satisfatoriamente. Ter ciência do conteúdo da sua avaliação. Comprometer-se com a melhoria do seu desempenho. Requisitar a DIRPE/GEAAPE para dirimir dúvidas ou intermediar questões relacionais Assinar o Formulário de Avaliação do Estágio Probatório 6. INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DOS FORMULÁRIOS: Deverão ser preenchidos todos os campos existentes referentes à identificação do servidor e do avaliador, devendo ser observadas as descrições abaixo:

10 CAMPO DESCRIÇÃO CARGO/FUNÇÃO DO Cargo para o qual o servidor foi nomeado quando de SERVIDOR seu ingresso no TJSE e função que exerce atualmente PERÍODO DE AVALIAÇÃO Indicar o período avaliativo (1º, 2º ou 3º). Especificar o início e término do período avaliado AVALIADOR Nome completo do chefe do setor responsável pela avaliação o qual o servidor avaliado exerceu suas atividades por mais tempo no período avaliativo. FATORES DE AVALIAÇÃO/ Conceito que será utilizado para cada fator DESCRIÇÃO CONCEITUAL PONTOS Nota atribuída ao servidor em cada subfator tendo em vista o seu desempenho e considerando a escala de pontuação. SÍNTESE DA AVALIAÇÃO/ Somatório de todos os Subtotais e resultado da avaliação de desempenho JUSTIFICATIVA Comentários sobre a avaliação e o desempenho do servidor caso a nota do servidor avaliado seja 1 ou AVALIAÇÃO PERÍODICA DE DESEMPENHO 7.1 DEFINIÇÃO: É o processo de avaliação anual dos servidores efetivos, já estáveis, que servirá para aferição de critérios para lotação, remoção, promoção e demais direitos assegurados aos servidores efetivos, bem como para a aplicação de políticas de gestão de pessoas; salvo para aplicação de penalidades. A Avaliação Periódica de Desempenho do servidor é de responsabilidade da chefia imediata e, nos casos de afastamentos, impedimentos legais ou regulamentares deste, pela autoridade imediatamente superior. Compete à Diretoria de Pessoas - DIRPE, através da Gerência de Alocação e Avaliação de Pessoal - GEAAPE, implantar, desenvolver, acompanhar, coordenar e atualizar todo o programa de Avaliação de Desempenho do TJ/SE, estando disponível, sempre quando for solicitado pelas partes (avaliador e avaliado), para elucidar dúvidas relacionadas ao processo e intermediar questões relacionais FATORES E SUBFATORES QUE SERÃO AVALIADOS: Os fatores a serem considerados na Avaliação Periódica de Desempenho serão semelhantes aos fatores levados em consideração na Avaliação Especial de Desempenho,

11 sendo: DISCIPLINA, IDONEIDADE MORAL, DEDICAÇÃO AO SERVIÇO e EFICIÊNCIA, conforme conceitos já apresentados neste Manual. Também são contempladas questões complementares relacionadas aos treinamentos necessários ao desenvolvimento do servidor, bem como aspectos relacionados à falta de adaptação deste no cargo exercido. Tais dados permitirão a elaboração de um programa anual de treinamento, objetivando proporcionar uma melhor performance no desenvolvimento do quadro funcional APLICAÇÃO: O Programa de Avaliação Periódica de Desempenho é um processo contínuo, sistemático e periódico, que acontecerá anualmente. A avaliação ocorrerá via intranet, através do Portal do Servidor, onde o gestor avaliará seu subordinado imediato, buscando dar um feedback a respeito do desempenho deste. À medida que o formulário for respondido, o sistema, automaticamente, emitirá a pontuação referente à avaliação, bem como enviará para o servidor avaliado, buscando informá-lo da disponibilização do resultado, que se encontrará no Portal do Servidor. Após o recebimento deste , quando o avaliado acessar o Portal do Servidor, será emitida resposta automática pelo sistema, indicando que este teve ciência de sua avaliação. Vale ressaltar que o acesso ao formulário de Avaliação Periódica de Desempenho, seja pelo avaliador ou pelo avaliado, se dará através da mesma senha utilizada no Portal do Servidor Acesso Restrito. ACOMPANHAMENTO DO DESEMPENHO: A Chefia Imediata estará acompanhando e orientando, com atenção e interesse, o desempenho do servidor. Faz-se necessária a contínua abertura do gestor para o diálogo, inclusive com a programação de reuniões rápidas e objetivas COMO AVALIAR: O formulário de avaliação deve ser preenchido, no período avaliativo, conforme instruções abaixo: Atribuir conceito para cada subfator de avaliação; Justificar o conceito registrado caso este NÃO seja considerado bom ou ótimo ; O sistema calculará, automaticamente, a média final a ser atribuída ao servidor; Gravar avaliação.

12 12 8. CONSIDERAÇÕES PARA OS AVALIADORES Mais do que nunca, os funcionários querem saber como apresenta o seu desempenho no trabalho. O único que pode fornecer essa informação é você, o chefe imediato. Pergunte aos seus avaliados como vão as coisas, se têm alguma dúvida ou se estão precisando de ajuda em suas tarefas. Dê feedback sobre o desempenho deles. Agradeça pelo bom trabalho. Não é necessário esperar até a avaliação de desempenho anual para proporcionar feedback. Procure avaliar de forma imparcial, tendo o cuidado de não cometer as seguintes atitudes: O avaliador gosta do indivíduo a ser avaliado e suas opiniões são distorcidas no momento de julgar seu desempenho. Sua opinião é sempre boa. O avaliador não gosta de avaliar sua equipe com desempenhos extremados, excelente ou péssimo, assim sua avaliação tende ao centro. Ao contrário do item anterior, o avaliador acredita que todos os membros de sua equipe têm ótimo ou péssimo desempenho. A avaliação da equipe é distorcida por puro preconceito por parte do avaliador em relação à pessoa avaliada. O avaliador não observa as ações do avaliado durante todo o período avaliativo, somente as ações mais recentes. O avaliador se deixa influenciar por uma única qualidade fortemente presente no conjunto de características do avaliado. O avaliador se deixa influenciar positiva ou negativamente por valores ou atitudes que o avaliado possui fora do ambiente de trabalho no momento de registrar o desempenho. DÚVIDAS E INFORMAÇÕES: DIRETORIA DE PESSOAS/GERÊNCIA DE ALOCAÇÃO E AVALIAÇÃO DE PESSOAL: /3208/3372/3371 ou pelo

MANUAL DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS SERVIDORES EM ESTÁGIO PROBATÓRIO

MANUAL DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS SERVIDORES EM ESTÁGIO PROBATÓRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SERGIPE DIRETORIA DE GESTÃO DE PESSOAS DIVISÃO DE ALOCAÇÃO E AVALIAÇÃO MANUAL DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS SERVIDORES EM ESTÁGIO PROBATÓRIO APRESENTAÇÃO Este manual é

Leia mais

Estado do Rio de Janeiro Prefeitura Municipal de Barra Mansa Gabinete do Prefeito

Estado do Rio de Janeiro Prefeitura Municipal de Barra Mansa Gabinete do Prefeito DECRETO Nº 6567, DE 20 DE JULHO DE 2011 Ementa: Regulamenta a Lei Municipal n.º 3.147/2000 alterada pela Lei n.º 3.413/2003 e revoga o Decreto n.º 3.651/2001. atribuições de seu cargo, O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS MANUAL DE PROCEDIMENTOS RELATIVOS AO ESTÁGIO PROBATÓRIO

Leia mais

DISPÕE SOBRE A AVALIAÇÃO DE ESTÁGIO PROBATÓRIO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

DISPÕE SOBRE A AVALIAÇÃO DE ESTÁGIO PROBATÓRIO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI Nº 2001/2006 DISPÕE SOBRE A AVALIAÇÃO DE ESTÁGIO PROBATÓRIO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. IRANI CHIES, Prefeito Municipal de Carlos Barbosa, Estado do Rio Grande do Sul, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 031, DE 06 DE AGOSTO DE 2010 O PRESIDENTE

Leia mais

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE 1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE GABINETE DO SECRETÁRIO GA PUBLICADA NO DOE DE 12-1-213 SEÇÃO I PÁG 46-5 RESOLUÇÃO SMA Nº 97, DE 1 DE OUTUBRO DE 213 O SECRETÁRIO DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE,

Leia mais

Formulário de Avaliação de Desempenho

Formulário de Avaliação de Desempenho Formulário de Avaliação de Desempenho Objetivos da Avaliação de Desempenho: A avaliação de desempenho será um processo anual e sistemático que, enquanto processo de aferição individual do mérito do funcionário

Leia mais

NORMA DE ESTÁGIO PROBATÓRIO PARA SERVIDOR DOCENTE DA UNIFEI

NORMA DE ESTÁGIO PROBATÓRIO PARA SERVIDOR DOCENTE DA UNIFEI 1 NORMA DE ESTÁGIO PROBATÓRIO PARA SERVIDOR DOCENTE DA UNIFEI UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Normatiza o Estágio Probatório de Docentes no âmbito da Universidade Federal de Itajubá. O CONSELHO DE ENSINO,

Leia mais

PORTARIA PGR/MPU Nº 577 DE 16 DE NOVEMBRO DE 2010

PORTARIA PGR/MPU Nº 577 DE 16 DE NOVEMBRO DE 2010 PORTARIA PGR/MPU Nº 577 DE 16 DE NOVEMBRO DE 2010 Regulamenta o processo de Gestão do Desempenho no Estágio Probatório dos servidores ocupantes de cargos de provimento efetivo no âmbito do Ministério Público

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 001/2014

RESOLUÇÃO Nº 001/2014 RESOLUÇÃO Nº 001/2014 Forma a Comissão de Avaliação de Estágio Probatório e de Desempenho de Servidores da Câmara Municipal de Itiquira-MT e dá outras providências. A MESA DIRETORA DA CÂMARA MUNICIPAL

Leia mais

Decreto N 1.945 de 13 de dezembro de 2005

Decreto N 1.945 de 13 de dezembro de 2005 Decreto N 1.945 de 13 de dezembro de 2005 Dispõe sobre o cumprimento do estágio probatório de servidor público civil ocupante de cargo de provimento efetivo da administração direta, das autarquias e das

Leia mais

RESOLUÇÃO SEPLAG N.º 16, DE 22 DE MARÇO DE 2004.

RESOLUÇÃO SEPLAG N.º 16, DE 22 DE MARÇO DE 2004. RESOLUÇÃO SEPLAG N.º, DE DE MARÇO DE 00. * Publicada no Minas Gerais, em de março de 00. Define a metodologia e os procedimentos da Avaliação Especial de Desempenho do servidor público civil em estágio

Leia mais

Ficha de Avaliação Periódica para Estágio Probatório

Ficha de Avaliação Periódica para Estágio Probatório 1 Ficha de Avaliação Periódica para Estágio Probatório Avaliação I Período de / / a / / Cargo / Emprego: Nº de Matrícula: Nome do Servidor: Secretaria / Setor: Nome do(s) avaliador (es): Avaliador(es)

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº 199 / 2011

PORTARIA NORMATIVA Nº 199 / 2011 Publicada no DOE de 02/04/2011 PORTARIA NORMATIVA Nº 199 / 2011 A PRESIDENTE da Fundação Centro de Atendimento Socioeducativo ao Adolescente - Fundação CASA-SP, no uso de sua competência, e Considerando

Leia mais

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL COD: NOR 312 APROVAÇÃO: Resolução DIREX Nº 009/2012 de 30/01/2012 NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO 1/17 ÍNDICE

Leia mais

MINUTA RESOLUÇÃO Nº... /2014, DE.. DE... DE 2014.

MINUTA RESOLUÇÃO Nº... /2014, DE.. DE... DE 2014. MINUTA RESOLUÇÃO Nº... /2014, DE.. DE... DE 2014. Regulamenta a avaliação de desempenho funcional dos Servidores Técnico-Administrativos da Fundação Universidade Regional de Blumenau - FURB prevista na

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA DE GESTÃO E RECURSOS HUMANOS - SEGER MANUAL DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO INDIVIDUAL

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA DE GESTÃO E RECURSOS HUMANOS - SEGER MANUAL DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO INDIVIDUAL GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA DE GESTÃO E RECURSOS HUMANOS - SEGER MANUAL DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO INDIVIDUAL 2013 PARTE I 1. OBJETIVOS DO MANUAL Este manual tem como propósito orientar

Leia mais

PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS E COMPUTACIONAIS AVALIAÇÃO ESPECIAL DE DESEMPENHO DE SERVIDOR EM ESTÁGIO PROBATÓRIO DO QUADRO CIVIL

PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS E COMPUTACIONAIS AVALIAÇÃO ESPECIAL DE DESEMPENHO DE SERVIDOR EM ESTÁGIO PROBATÓRIO DO QUADRO CIVIL PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS E COMPUTACIONAIS AVALIAÇÃO ESPECIAL DE DESEMPENHO DE SERVIDOR EM ESTÁGIO PROBATÓRIO DO QUADRO CIVIL 1 CONCEITO A Emenda Constitucional nº 19/98 estabelece que o servidor nomeado

Leia mais

Auto-Avaliação Formulário de Avaliação de desempenho individual

Auto-Avaliação Formulário de Avaliação de desempenho individual Auto-Avaliação Formulário de Avaliação de desempenho individual Matrícula do Avaliado: Nome do Avaliado: Lotação: Cargo Avaliação refere-se a qual ano? Data de realização: Probatório: ( ) Sim ( ) Não Caso

Leia mais

DECRETO Nº 1.745, DE 12 DE AGOSTO DE 2009.

DECRETO Nº 1.745, DE 12 DE AGOSTO DE 2009. DECRETO Nº 1.745, DE 12 DE AGOSTO DE 2009. Dispõe sobre os critérios de avaliação de desempenho do servidor público municipal efetivo e estável, para fins das promoções horizontais e verticais, bem como

Leia mais

ESTÁGIO PROBATÓRIO DE SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS

ESTÁGIO PROBATÓRIO DE SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS COORDENAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO DE PESSOAL NÚCLEO DE AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO FUNCIONAL ESTÁGIO PROBATÓRIO DE SERVIDORES

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS Art. 1 o. O Núcleo de Inovação e Transferência de Tecnologia - NITTEC é um Órgão Executivo

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS. INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 001 de 02 de fevereiro de 2012

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS. INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 001 de 02 de fevereiro de 2012 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 001 de 02 de fevereiro de 2012 EMENTA: Estabelece critérios e procedimentos, no âmbito

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO NÚCLEO DE AVALIAÇÃO COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO DE PESSOAL

MANUAL DE ORIENTAÇÃO NÚCLEO DE AVALIAÇÃO COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO DE PESSOAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAL ESTÁGIO PROBATÓRIO MANUAL DE ORIENTAÇÃO NÚCLEO

Leia mais

INSTRUÇÃO Nº 005/2015

INSTRUÇÃO Nº 005/2015 INSTRUÇÃO Nº 005/2015 Orienta os servidores da Administração Publica Direta, Entidades e Autarquias do Poder Executivo Estadual, quanto aos prazos e procedimentos a serem observados no segundo Processo

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL RESOLUÇÃO CUNI Nº 073, DE 8 DE DEZEMBRO DE 2010. Estabelece normas e critérios para avaliação do estágio probatório dos integrantes da Carreira do Magistério Superior da Universidade

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÂO DEL REI Secretaria Municipal de ADMINISTRAÇÃO Departamento de Recursos Humanos

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÂO DEL REI Secretaria Municipal de ADMINISTRAÇÃO Departamento de Recursos Humanos PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÂO DEL REI Secretaria Municipal de ADMINISTRAÇÃO Departamento de Recursos Humanos COMITÊ GERAL DE AVALIAÇÃO FUNCIONAL DE DESEMPENHO DO ESTÁGIO PROBATÓRIO Assegurado pelo Decreto

Leia mais

Governo do Estado de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento Unidade de Apoio a Projetos Especiais. durante o Estágio Probatório.

Governo do Estado de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento Unidade de Apoio a Projetos Especiais. durante o Estágio Probatório. Governo do Estado de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento Unidade de Apoio a Projetos Especiais REGULAMENTO 001, DE 10 DE OUTUBRO DE 2013. Regula o Monitoramento da Inserção e das Atividades

Leia mais

ESTÁGIO PROBATÓRIO DEFINIÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES

ESTÁGIO PROBATÓRIO DEFINIÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES ESTÁGIO PROBATÓRIO DEFINIÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES DEFINIÇÃO Período de avaliação do servidor recém-nomeado para cargo efetivo, correspondente

Leia mais

INSTITUI O SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS SERVIDORES ESTATUTÁRIOS DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

INSTITUI O SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS SERVIDORES ESTATUTÁRIOS DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI N INSTITUI O SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS SERVIDORES ESTATUTÁRIOS DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. JOÃO PAULO TAVARES PAPA, Prefeito Municipal de Santos, faço saber

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 011/2013 DE 19 DE AGOSTO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 011/2013 DE 19 DE AGOSTO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 011/2013 DE 19 DE AGOSTO DE 2013 Ementa: Dispõe sobre o programa de avaliação dos servidores em estágio probatório, conforme especifica. A Presidenta da Autarquia do Ensino Superior de Garanhuns

Leia mais

Roteiro para Aplicação da Avaliação de Desempenho dos Servidores da Administração Direta da Prefeitura de Rio Claro/SP

Roteiro para Aplicação da Avaliação de Desempenho dos Servidores da Administração Direta da Prefeitura de Rio Claro/SP Roteiro para Aplicação da Avaliação de Desempenho dos Servidores da Administração Direta da Prefeitura de Rio Claro/SP 01 - APRESENTAÇÃO: Este roteiro tem por objetivo nortear a aplicação do Sistema de

Leia mais

Serviço Público Federal Conselho Regional de Corretores de Imóveis Estado de São Paulo

Serviço Público Federal Conselho Regional de Corretores de Imóveis Estado de São Paulo PORTARIA Nº 3.563/2008 Institui o Normativo de Pessoal que define e regulamenta o processo de avaliação de desempenho do empregado do CRECI/SP em contrato de experiência. O Presidente do da 2a. Região,

Leia mais

DECRETO N.º 377/2013.

DECRETO N.º 377/2013. DECRETO 377/2013. Regulamenta a Lei Municipal n.º 3.120/2001 que dispõe sobre o Sistema de Avaliação do servidor em estágio probatório e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE URUGUAIANA, no uso

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I. Da Finalidade

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I. Da Finalidade REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I Da Finalidade Art. 1ª Fica instituído o Regimento Interno da da Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF, em conformidade com o Decreto nº. 6.029 de 1º de fevereiro

Leia mais

RH EM AÇÃO INFORMATIVO Nº 01

RH EM AÇÃO INFORMATIVO Nº 01 RH EM AÇÃO INFORMATIVO Nº 01 A Superintendência de Administração de Recursos Humanos/SEDUC, em consonância com a política de gestão e valorização de pessoas, desenvolvida pela Secretaria de Estado da Educação,

Leia mais

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1.1. Diretoria Executiva (DEX) À Diretora Executiva, além de planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar as atividades da Fundação, bem como cumprir e fazer cumprir

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM GESTÃO EDUCACIONAL

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM GESTÃO EDUCACIONAL CENTRO UNIVERSITÁRIO PAULISTANO UniPaulistana Departamento de Pedagogia MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM GESTÃO EDUCACIONAL PEDAGOGIA GESTÃO EDUCACIONAL São Paulo 2008 R. Madre Cabrini, 38 Vila Mariana

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO MINUTA DE RESOLUÇÃO ADMINISTRATIVA

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO MINUTA DE RESOLUÇÃO ADMINISTRATIVA MINUTA DE RESOLUÇÃO ADMINISTRATIVA Regulamenta o teletrabalho no âmbito do Tribunal Superior do Trabalho e dá outras providências. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO TST, no uso de suas atribuições

Leia mais

MANUAL DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS SERVIDORES TÉCNICO- ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO UFES 2015 SUMÁRIO

MANUAL DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS SERVIDORES TÉCNICO- ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO UFES 2015 SUMÁRIO MANUAL DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS SERVIDORES TÉCNICO- ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO UFES 2015 SUMÁRIO 1. Apresentação O Programa de Avaliação de Desempenho constitui um processo pedagógico, coletivo

Leia mais

Tutorial da Avaliação de Desempenho do Servidor no Estágio Probatório

Tutorial da Avaliação de Desempenho do Servidor no Estágio Probatório SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE DESENVOLVIMENTO E GESTÃO DE PESSOAL Tutorial da Avaliação de Desempenho do Servidor no Estágio Probatório Belém/ Pará. Junho, 2013.

Leia mais

D E C R E T O Nº 6.393 de 24 de fevereiro de 2011

D E C R E T O Nº 6.393 de 24 de fevereiro de 2011 1 Proc. Nº 7.030/89 D E C R E T O Nº 6.393 de 24 de fevereiro de 2011 Regulamenta a avaliação de desempenho para fins do estágio probatório, previsto na Lei Complementar nº 582, de 19 de dezembro de 2008,

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul EDITAL Nº 031/2015 PROCESSO CLASSIFICATÓRIO DE AFASTAMENTO DE SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DA UNIDADE ORGANIZACIONAL CAMPUS BENTO GONÇALVES DO IFRS O Diretor-Geral da Unidade Organizacional

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça Superior Tribunal de Justiça INFORMAÇÕES SOBRE A GESTÃO DE DESEMPENHO SERVIDORES CEDIDOS OU EM EXERCÍCIO PROVISÓRIO SECRETARIA DE GESTÃO DE PESSOAS COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS SEÇÃO DE

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº XXX, DE XXX DE XXXXX DE 2015. O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA (CNJ), no uso de suas atribuições legais e regimentais,

RESOLUÇÃO Nº XXX, DE XXX DE XXXXX DE 2015. O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA (CNJ), no uso de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO Nº XXX, DE XXX DE XXXXX DE 2015 Regulamenta o teletrabalho no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA (CNJ), no uso de suas atribuições

Leia mais

Sistema de Controle de Solicitação de Desenvolvimento

Sistema de Controle de Solicitação de Desenvolvimento Sistema de Controle de Solicitação de Desenvolvimento Introdução O presente documento descreverá de forma objetiva as principais operações para abertura e consulta de uma solicitação ao Setor de Desenvolvimento

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO FACULDADE DE INFORMÁTICA CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Aprovado na 22ª reunião do Conselho de Unidade (CONSUN) da Faculdade de Informática realizada dia 30 de

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO EM ESTÁGIO PROBATÓRIO SERVIDOR DOCENTE

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO EM ESTÁGIO PROBATÓRIO SERVIDOR DOCENTE AVALIACÃO DE DESEMPENHO NO ESTÁGIO PROBATÓRIO SERVIDOR DOCENTE FASE FINAL 1. Conforme disposto no parágrafo único do Art. 23 da Lei 12.772/12 e nos artigos 14, 15 e 16 da Resolução nº 002/00-COPLAD, o

Leia mais

MANUAL AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO FUNCIONAL DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS DA UNEB

MANUAL AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO FUNCIONAL DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS DA UNEB 2 UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS PGDP MANUAL AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO FUNCIONAL DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS DA UNEB 3 4 UNIVERSIDADE DO ESTADO

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA VOLUNTARIADO. Regulamento do Voluntariado

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA VOLUNTARIADO. Regulamento do Voluntariado REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO Índice 1. Enquadramento... 3 2. Definição... 3 3. Princípios... 4 4. Objetivos... 4 5. Direitos... 4 6. Deveres... 5 7. Inscrição... 7 8. Candidatura...

Leia mais

Fatores e Indicadores de Desempenho ADP

Fatores e Indicadores de Desempenho ADP Fatores e Indicadores de Desempenho ADP RESPONSABILIDADE / COMPROMETIMENTO COM A INSTITUIÇÃO - Assumir o compromisso na realização das atribuições - Atuar com disposição para mudanças - Buscar qualidade

Leia mais

REGULAMENTO DA OUVIDORIA

REGULAMENTO DA OUVIDORIA CETESC - CENTRO DE ENSINO E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA REGULAMENTO DA OUVIDORIA Campinas/SP SUMÁRIO CAPÍTULO I Da Natureza, Objetivos e Finalidade 1 CAPÍTULO II Da Vinculação Administrativa 2 CAPÍTULO

Leia mais

ESTÁGIO PROBATÓRIO. Universidade Federal Fluminense

ESTÁGIO PROBATÓRIO. Universidade Federal Fluminense ESTÁGIO PROBATÓRIO Lei nº 12.772 de 28 de Dezembro de 2012 Dispõe sobre a estruturação do Plano de Carreiras e Cargos do Magistério Federal; - sobre a Carreira do Magistério Superior, de que trata a Lei

Leia mais

Profª. Drª. Maria Ivonete Barbosa Tamboril Vice-Presidente

Profª. Drª. Maria Ivonete Barbosa Tamboril Vice-Presidente Resolução nº 065/CONSAD, de 18 de julho de 2.008 Substitui a Resolução 053/CONSAD, que trata da regulamentação do Estágio Probatório do servidor da Unir. A Vice Presidente do Conselho de Administração

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 032, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2010. Estabelece normas e procedimentos para lotação, movimentação e remanejamento interno de

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 032, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2010. Estabelece normas e procedimentos para lotação, movimentação e remanejamento interno de INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 032, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2010. Estabelece normas e procedimentos para lotação, movimentação e remanejamento interno de servidores da Agência de Fiscalização do Distrito Federal

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO DOS SERVIDORES DO QUADRO TÉCNICO/ADMINISTRATIVO ORIENTAÇÕES GERAIS

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO DOS SERVIDORES DO QUADRO TÉCNICO/ADMINISTRATIVO ORIENTAÇÕES GERAIS PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO DOS SERVIDORES DO QUADRO TÉCNICO/ADMINISTRATIVO ORIENTAÇÕES GERAIS A Universidade Federal do Amapá UNIFAP em cumprimento às diretrizes do Plano de Carreira dos

Leia mais

ESTÁGIO PROBATÓRIO. Quadro do Magistério QM GDAE

ESTÁGIO PROBATÓRIO. Quadro do Magistério QM GDAE ESTÁGIO PROBATÓRIO Quadro do Magistério QM GDAE Decreto nº 52.344 de 09/11/2007 - Dispõe sobre o Estágio Probatório dos integrantes do Quadro do Magistério da Secretaria da Educação. Lembramos que: 1.

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Conselho Permanente de Reconhecimento de Saberes e Competências (CPRSC)

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Conselho Permanente de Reconhecimento de Saberes e Competências (CPRSC) Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Conselho Permanente de Reconhecimento de Saberes e Competências (CPRSC) EDITAL 01, de 29 de maio de 2014 Processo Seletivo de Avaliadores

Leia mais

3. Definições: Procedimento (POP) Unidade Organizacional (UO) Código: POP-STGARQ-001. Revisão: 03. Páginas 06. Data 19/04/2010

3. Definições: Procedimento (POP) Unidade Organizacional (UO) Código: POP-STGARQ-001. Revisão: 03. Páginas 06. Data 19/04/2010 : 1. Objetivo: Padronizar os procedimentos relacionados aos pedidos de arquivamento e desarquivamento dos autos processuais findos oriundos das Unidades Organizacionais (UO s) do TJ/AM Área-Fim. 2. Campo

Leia mais

b) supervisionar o cumprimento desta política pelas entidades integrantes do Sistema Sicoob;

b) supervisionar o cumprimento desta política pelas entidades integrantes do Sistema Sicoob; 1. Esta Política institucional de gestão de pessoas: Política institucional de gestão de pessoas a) é elaborada por proposta da área de Gestão de Pessoas da Confederação Nacional das Cooperativas do Sicoob

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO(A) SERVIDOR(A) AVALIADO(A) IDENTIFICAÇÃO DA CHEFIA IMEDIATA

IDENTIFICAÇÃO DO(A) SERVIDOR(A) AVALIADO(A) IDENTIFICAÇÃO DA CHEFIA IMEDIATA Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas Diretoria de Desenvolvimento de Pessoas Divisão de Acompanhamento Funcional e Formação Permanente Setor de Acompanhamento

Leia mais

UFMG / PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO / SETOR DE BOLSAS PMG PROGRAMA DE MONITORIA DE GRADUAÇÃO DIRETRIZES GERAIS

UFMG / PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO / SETOR DE BOLSAS PMG PROGRAMA DE MONITORIA DE GRADUAÇÃO DIRETRIZES GERAIS UFMG / PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO / SETOR DE BOLSAS PMG PROGRAMA DE MONITORIA DE GRADUAÇÃO DIRETRIZES GERAIS 2015 1) DOS OBJETIVOS O Programa de Monitoria de Graduação visa dar suporte às atividades acadêmicas

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM CAPÍTULO I Natureza, Finalidade, Sede e Foro Art. 1º - A Comissão Nacional de Residência em Enfermagem - CONARENF, criada pela Portaria

Leia mais

ANEXO I Relatório de Avaliação de Desempenho Individual - RADI (Funcional)

ANEXO I Relatório de Avaliação de Desempenho Individual - RADI (Funcional) ANEXO I Relatório de Avaliação de Desempenho Individual - RADI (Funcional) 1 Senhor (a) Avaliador (a), a) Para Autoavaliação: utilizar a coluna "A" do campo ; b) Para Avaliação da Equipe de Trabalho: utilizar

Leia mais

ATO PGJ N. 06, DE 28 DE JANEIRO DE 2014

ATO PGJ N. 06, DE 28 DE JANEIRO DE 2014 Edição 1133 Publicação:04/02/2014 - Revogou expressamente os Atos-PGJ n. 14/1999 e 07/2003, art. 14. ATO PGJ N. 06, DE 28 DE JANEIRO DE 2014 Regulamenta o estágio probatório dos servidores do Ministério

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 018 DE 25 DE JANEIRO DE 2012.

RESOLUÇÃO Nº 018 DE 25 DE JANEIRO DE 2012. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CONSELHO SUPERIOR Avenida Professor Mário Werneck, nº. 2590,

Leia mais

PROCEDIMENTO GERENCIAL

PROCEDIMENTO GERENCIAL PÁGINA: 1/10 1. OBJETIVO Descrever o procedimento para a execução de auditorias internas a intervalos planejados para determinar se o sistema de gestão da qualidade é eficaz e está em conformidade com:

Leia mais

PESQUISA DE SATISFAÇÃO SOBRE O SERVIÇO DE SUPORTE TÉCNICO DE TI

PESQUISA DE SATISFAÇÃO SOBRE O SERVIÇO DE SUPORTE TÉCNICO DE TI PESQUISA DE SATISFAÇÃO SOBRE O SERVIÇO DE SUPORTE TÉCNICO DE TI APRESENTAÇÃO Este documento fornece um resumo do relatório da pesquisa de satisfação que foi realizada no Tribunal de Justiça de Pernambuco

Leia mais

Licenciatura em Biologia

Licenciatura em Biologia Licenciatura em Biologia Regulamento de Estágio Profissionalizante Para dar cumprimento ao estipulado no Despacho n.º 22 420/2001 da Reitoria da Universidade de Aveiro, publicado no Diário da República

Leia mais

CONVÊNIO Nº 015/2009

CONVÊNIO Nº 015/2009 ESTADO DE SERGIPE PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SERGIPE CONVÊNIO Nº 015/2009 CONVÊNIO QUE ENTRE SI CELEBRAM O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SERGIPE E A CAIXA ECONÔMICA FEDERAL. O

Leia mais

Manual de Orientação sobre bolsas de estudo de graduação e ESMESC

Manual de Orientação sobre bolsas de estudo de graduação e ESMESC Manual de Orientação sobre bolsas de estudo de graduação e ESMESC 01) APRESENTAÇÃO 02) BOLSA DE ESTUDO - O QUE É? 03) ADMINISTRAÇÃO DO BENEFÍCIO 04) REQUISITOS PARA INSCRIÇÃO 05) CRITÉRIOS DE SELEÇÃO E

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS 1 Política de segurança da informação 1.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COGEM, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção de políticas

Leia mais

CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Exemplo de Atribuições: Condições de Trabalho: Requisitos para preenchimento do cargo: b.1) -

CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Exemplo de Atribuições: Condições de Trabalho: Requisitos para preenchimento do cargo: b.1) - CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Participar do processo de planejamento e elaboração da proposta pedagógica da escola; orientar a aprendizagem dos alunos; organizar as atividades inerentes ao processo

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO RIO GRANDE DO NORTE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE BOLSA DE INICIAÇÃO AO TRABALHO. Das Definições e Finalidades

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO RIO GRANDE DO NORTE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE BOLSA DE INICIAÇÃO AO TRABALHO. Das Definições e Finalidades CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO RIO GRANDE DO NORTE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE BOLSA DE INICIAÇÃO AO TRABALHO Das Definições e Finalidades Art. 1º. O Programa de Bolsa de Trabalho do Centro Federal

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 7, DE 6 DE FEVEREIRO DE 2015.

RESOLUÇÃO Nº 7, DE 6 DE FEVEREIRO DE 2015. RESOLUÇÃO Nº 7, DE 6 DE FEVEREIRO DE 2015. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, no uso de suas atribuições legais, considerando a Resolução nº

Leia mais

RESOLVE: TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

RESOLVE: TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Dispõe sobre os procedimentos internos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ, referentes ao Estágio Probatório, nos termos do Art. 41 4.º da Constituição da República Federativa do Brasil.

Leia mais

Edital Nº 18/2015 Processo Seletivo Interno para Remoção de Servidores Técnicos Administrativos

Edital Nº 18/2015 Processo Seletivo Interno para Remoção de Servidores Técnicos Administrativos O Reitor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro, nomeado pelo Decreto de 06 de maio de 2014, publicado no Diário Oficial da União em 07 de maio de 2014, visando atender

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 70, DE 23 DE SETEMBRO DE 2008

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 70, DE 23 DE SETEMBRO DE 2008 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 70, DE 23 DE SETEMBRO DE 2008 Regulamenta o Programa de Gestão de Desempenho do STF - PROGED e dá outras providências. O DIRETOR-GERAL DA SECRETARIA DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL,

Leia mais

Identificação do Órgão/Unidade:Tribunal Superior Eleitoral/STI/COINF/SEPD Service Desk

Identificação do Órgão/Unidade:Tribunal Superior Eleitoral/STI/COINF/SEPD Service Desk Identificação do Órgão/Unidade:Tribunal Superior Eleitoral/STI/COINF/SEPD Service Desk E-mail para contato: supervisao@tse.gov.br Nome trabalho/projeto: Suporte em TI baseado em sistema de gestão da qualidade

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FORMAÇÃO PARA CAPACITAÇÃO DE CAPITAL HUMANO EM LÍNGUA INGLESA DO PORTO DIGITAL

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FORMAÇÃO PARA CAPACITAÇÃO DE CAPITAL HUMANO EM LÍNGUA INGLESA DO PORTO DIGITAL REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FORMAÇÃO PARA CAPACITAÇÃO DE CAPITAL HUMANO EM LÍNGUA INGLESA DO PORTO DIGITAL 1. APRESENTAÇÃO Este regulamento apresenta as regras e os critérios estabelecidos pelo Núcleo de

Leia mais

Resolução nº. 4 de 13 de julho de 2005, da Câmara de Educação Superior do CNE publicada no Diário Oficial de 19 de julho de 2005, artigo 7º:

Resolução nº. 4 de 13 de julho de 2005, da Câmara de Educação Superior do CNE publicada no Diário Oficial de 19 de julho de 2005, artigo 7º: ESTÁGIO SUPERVISIONADO I E II 1 - Resolução: Resolução nº. 4 de 13 de julho de 2005, da Câmara de Educação Superior do CNE publicada no Diário Oficial de 19 de julho de 2005, artigo 7º: O Estágio Curricular

Leia mais

AGUARDANDO APROVAÇÃO DO COUNI

AGUARDANDO APROVAÇÃO DO COUNI Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO DE GRADUAÇÃO E EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DA UTFPR RESOLUÇÃO

Leia mais

PORTARIA Nº 98, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010

PORTARIA Nº 98, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010 MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SUPERINTENDÊNCIA DO DESENVOLVIMENTO DO NORDESTE PORTARIA Nº 98, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010 O SUPERINTENDENTE DA SUPERINTENDÊNCIA DO DESENVOLVIMENTO DO NORDESTE - SUDENE,

Leia mais

PODERJUD1CIÂRIO TRIBUNAL DEJUSTIÇA DO ESTADO DE PERNAMBUCO SECRETARIA DE GESTÃO DE PESSOAS TERMO DE REFERÊNCIA

PODERJUD1CIÂRIO TRIBUNAL DEJUSTIÇA DO ESTADO DE PERNAMBUCO SECRETARIA DE GESTÃO DE PESSOAS TERMO DE REFERÊNCIA PODERJUD1CIÂRIO TRIBUNAL DEJUSTIÇA DO ESTADO DE PERNAMBUCO TERMO DE REFERÊNCIA l. DO OBJETO CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA EM CLIMA ORGANIZACIONAL PARA ATUAR EM TODAS AS UNIDADES DO PODER JUDICIÁRIO

Leia mais

EDITAL PARA CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL POR EXPERIÊNCIA DE ADMINISTRADORES ÊNFASE RECURSOS HUMANOS

EDITAL PARA CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL POR EXPERIÊNCIA DE ADMINISTRADORES ÊNFASE RECURSOS HUMANOS EDITAL PARA CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL POR EXPERIÊNCIA DE ADMINISTRADORES ÊNFASE RECURSOS HUMANOS O Conselho Federal de Administração torna público que estarão abertas, no período de XX de XXXX de 2013

Leia mais

SIADAP Sistema Integrado de Gestão e Avaliação do Desempenho na Administração Pública

SIADAP Sistema Integrado de Gestão e Avaliação do Desempenho na Administração Pública SIADAP Sistema Integrado de Gestão e Avaliação do Desempenho na Administração Pública (Lei n.º 66-B/2007, de 28 de dezembro, com as alterações introduzidas pela Lei n.º 66-B/2012, de 31 de dezembro) 1

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 016/2012

ATO NORMATIVO Nº 016/2012 ATO NORMATIVO Nº 016/2012 Dispõe sobre o horário de expediente e a jornada de trabalho dos servidores, no âmbito do Ministério Público do Estado da Bahia, e dá outras providências. O PROCURADOR-GERAL DE

Leia mais

REGULAMENTO 1º CONCURSO INOVAÇÃO NO TCE-PE

REGULAMENTO 1º CONCURSO INOVAÇÃO NO TCE-PE 1 REGULAMENTO 1º CONCURSO INOVAÇÃO NO TCE-PE A Escola de Contas Públicas Professor Barreto Guimarães (ECPBG) torna público o regulamento do 1º Concurso Inovação no TCE-PE, que será regido de acordo com

Leia mais

UNIÍTALO FISIOTERAPIA MANUAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

UNIÍTALO FISIOTERAPIA MANUAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Prezado aluno (a), As disciplinas Práticas Clínicas Supervisionadas (PCS), também conhecidas como estágios supervisionados, irão permitir que você integre todo o conhecimento adquirido ao longo do curso,

Leia mais

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NA SEGUNDA FASE DO CURSO DE FORMAÇÃO PARA CERTIFICAÇÃO DE CAPITAL HUMANO EM LÍNGUA INGLESA

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NA SEGUNDA FASE DO CURSO DE FORMAÇÃO PARA CERTIFICAÇÃO DE CAPITAL HUMANO EM LÍNGUA INGLESA REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NA SEGUNDA FASE DO CURSO DE FORMAÇÃO PARA CERTIFICAÇÃO DE CAPITAL HUMANO EM LÍNGUA INGLESA 1. APRESENTAÇÃO Este regulamento apresenta as regras e os critérios estabelecidos

Leia mais

Comissão do Jovem Advogado

Comissão do Jovem Advogado REGULAMENTO DO PROGRAMA MEU PRIMEIRO ESTÁGIO Estabelece normas para acompanhamento das atividades do programa meu primeiro estágio, da Comissão da Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional Acre OAB/AC.

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA DIRETORIA DE GESTÃO DE PESSOAS EDITAL Nº 002/2014

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA DIRETORIA DE GESTÃO DE PESSOAS EDITAL Nº 002/2014 EDITAL Nº 002/2014 PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÕES PROGRAMA DE APERFEIÇOAMENTO DE SERVIDORES CURSO NA MODALIDADE À DISTÂNCIA EXPEDIÇÃO DE ALVARÁS DE SOLTURA TURMA 2 A Diretoria de Gestão de Pessoas do Tribunal

Leia mais

Regulamento Interno. de Estágios

Regulamento Interno. de Estágios Regulamento Interno de Estágios Índice Apresentação... 3 Capítulo 1 Caracterização e objetivo do estágio... 3 Capítulo 2 - Oferta de vagas de estágio... 4 Capítulo 3 - Duração do estágio... 5 Capítulo

Leia mais

Manual do Voluntário da ABRH-PR

Manual do Voluntário da ABRH-PR Manual do Voluntário da ABRH-PR Elaborado por: Arlete Zagonel Galperin Laísa Weber Prust Curitiba, abril de 2014. 1 O que é ser voluntário na ABRH O voluntário ABRH é um profissional que acredita que o

Leia mais

Instruções. Formulário de Gerenciamento de Estágio Probatório

Instruções. Formulário de Gerenciamento de Estágio Probatório Instruções Formulário de Gerenciamento de Estágio Probatório 1. O instrumento de gerenciamento do estágio probatório está dividido em Dimensões (constituídas por Fatores) e Comportamentos, de acordo com

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR

FACULDADE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR FACULDADE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR CAPÍTULO I DO ESTÁGIO CURRICULAR Art. 1º O presente Regimento trata do Estágio Curricular dos cursos de graduação da Faculdade

Leia mais

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427 7.1 Introdução O processo de monitoramento e avaliação constitui um instrumento para assegurar a interação entre o planejamento e a execução, possibilitando a correção de desvios e a retroalimentação permanente

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 467, DE 19 DE SETEMBRO DE 2014

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 467, DE 19 DE SETEMBRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 467, DE 19 DE SETEMBRO DE 2014 O PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS

Leia mais

PORTARIA Nº 130, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2012

PORTARIA Nº 130, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2012 PORTARIA Nº 130, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2012 Disciplina o controle de acesso de usuários e sistemas clientes ao Sistema Integrado de Planejamento e Orçamento SIOP. A SECRETÁRIA DE ORÇAMENTO FEDERAL, no uso

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 032, DE 06 DE AGOSTO DE 2010 O PRESIDENTE DO CONSELHO SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E

Leia mais