REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA (PGA)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA (PGA)"

Transcrição

1 1/10 TÍTULO CLASSIFICAÇÃO: REFERENCIAL NORMATIVO ASSUNTO ELABORADOR APROVAÇÃO Política de Investimentos Plano de Gestão Administrativa (PGA) Documento Executivo Resolução CMN nº 3792/2009 Estabelece as normas e orientações referentes à gestão dos recursos necessários à cobertura das despesas administrativas decorrentes da gestão dos Planos de Benefícios. Gerência de Investimentos - GEINV Revisão 00: Aprovado na 394ª reunião do Conselho Deliberativo, 18/12/2009

2 2/10 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO DIRETRIZES GERAIS CENÁRIO MACROECONÔMICO O CLASSIFICAÇÃO DE RISCO SEGMENTOS DE APLICAÇÃO E META DE RENTABILIDADE INVESTIMENTOS VEDADOSTítulo da Dívida Agrária - TDA; DERIVATIVOS CONTROLE E AVALIAÇÃO DE RISCO PRECIFICAÇÃO DE ATIVOS RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL SELEÇÃO E AVALIAÇÃO DE GESTORES E FUNDOS DE INVESTIMENTO AGENTE CUSTODIANTE E CONTROLADOR CORRETORAS DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS AUDITORIA DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DIVULGAÇÃO VIGÊNCIA...8 ANEXO 1: Limites e alçadas para aplicação dos recursos...9

3 3/10 1. INTRODUÇÃO A REGIUS - Sociedade Civil de Previdência Privada estabelece neste documento as normas e orientações referentes à gestão dos recursos necessários à cobertura das despesas administrativas decorrentes da gestão dos Planos de Benefícios. 2. DIRETRIZES GERAIS 2.1. A gestão dos recursos do Plano de Gestão Administrativa deverá considerar as orientações e restrições contidas nesta Política de Investimento e se pautará em conformidade as melhores práticas de governança corporativa e buscará o melhor resultado, compatibilizando sempre os objetivos de retorno dos investimentos e o risco assumido No processo de tomada de decisões de investimentos, os gestores deverão avaliar o impacto do investimento na carteira do Plano de Gestão Administrativa e no alcance dos objetivos estabelecidos As disponibilidades de recursos serão aplicadas em ativos de renda fixa, preferencialmente em ativos que tenham mercado secundários, previamente qualificados e analisados. Os ativos de renda fixa serão aqueles previstos na Resolução Conselho Monetário Nacional nº 3792 e não vetados expressamente por esta Política de Investimentos Os limites para movimentações dos recursos correspondentes às reservas técnicas do Plano de Gestão Administrativa estão estabelecidos nos anexos 1 e 2 que fazem parte deste documento O Administrador Estatutário Tecnicamente Qualificado (AETQ), responsável pela gestão, alocação, supervisão e acompanhamento dos investimentos dos recursos dos planos de benefícios administrados pela REGIUS, é o ocupante do cargo de Diretor Financeiro da Entidade. 3. CENÁRIO MACROECONÔMICO Cenário macroeconômico considerado para o período 2010 a 2014: TAXAS ANUAIS - CENÁRIO BASE PIB CDI IPCA IGP-M ,80% 10,47% 4,29% 4,34% ,50% 9,47% 4,50% 4,60% ,40% 8,78% 4,50% 4,70% ,40% 8,78% 4,50% 4,70% ,40% 8,78% 4,50% 4,70% Fonte: Relatório FOCUS Novembro/2009 < 4. O O Fundo Administrativo é formado a partir das sobras do custeio administrativo e da rentabilidade das aplicações de seus recursos. Nos termos da Resolução CGPC 29/02009, conceitua-se o referido Fundo como uma reserva para cobertura das despesas administrativas a serem realizadas pela EFPC na administração dos seus planos de benefícios, na forma de seus regulamentos. O Regulamento do Plano de Benefícios CV 03 define que o Fundo Administrativo é destinado a constituir os recursos necessários à cobertura das despesas administrativas decorrentes da gestão do Plano, sendo composto pelas contribuições mensais vertidas pelos participantes ativos, optantes e os autopatrocinados, assistidos e assistidos em Regime Especial, além das contribuições das patrocinadoras, conforme percentual atuarial mente calculado.

4 4/10 No mesmo padrão, o Regulamento do Plano de Benefícios BD 01 estabelece que o custeio administrativo seja rateado entre participantes, assistidos e patrocinadores, conforme plano de custeio fixado anualmente pelo Conselho Deliberativo. Esta Política de Investimentos utilizou o trabalho de ALM desenvolvido pela Luz Engenharia. O trabalho efetuado procurou desenvolver um estudo para dimensionar a suficiência do patrimônio do Fundo Administrativo da REGIUS BENCHMARK O Plano de Gestão Administrativa utilizara o CDI com benchmark para suas aplicações em Renda Fixa. 5. CLASSIFICAÇÃO DE RISCO Para as aquisições dos ativos de Renda Fixa, será utilizado o rating de, pelo menos, uma agência internacional classificadora de riscos, ou, pelo menos, duas agências nacionais classificadoras de riscos. Observada a metodologia de cada agência classificadora de risco, o rating mínimo aceitável serão aqueles considerados Grau de Investimento. Os recursos do Plano de Gestão Administrativa serão aplicados em ativos de Renda Fixa, a meta de rentabilidade é 10,47% conforme cenário macroeconômico. 6. SEGMENTOS DE APLICAÇÃO E META DE RENTABILIDADE Os recursos do Plano de Gestão Administrativa (PGA) serão aplicados em ativos de Renda Fixa, a meta de rentabilidade é o CDI conforme cenário macroeconômico Limites de Alocação Esta seção define quais os segmentos de aplicação as faixas máximas de aplicação, e os critérios de diversificação. Excetuando-se os ativos expressamente vetados no item seguinte desta Política de Investimentos e aqueles que não atendam os critérios de rating. Segmento Macro Alocação Objetivo Carteira Micro Alocação Objetivo Limite Inferior Limite Superior Renda Fixa 100,0% Títulos Públicos Federais 30,00% 0% 30,00% Títulos Privados 70,00% 0% 70,00% 7. INVESTIMENTOS VEDADOSTÍTULO DA DÍVIDA AGRÁRIA - TDA; a. Títulos Públicos Estaduais; b. Títulos Públicos Municipais; c. Fundos da Dívida Externa; d. Fundo Previdenciário; e. Fundos lastreados em crédito de carbono; f. Letra de Crédito Agrícola LCA; g. Certificado de Direito Creditório do Agronegócio CDCA; h. Cédula do Produtor Rural CPR; i. CCB e CCCB; j. NCE e CCE.

5 5/10 8. DERIVATIVOS Serão permitidas operações com derivativo somente como hedge de proteção, conforme definido na Resolução Conselho Monetário Nacional CONTROLE E AVALIAÇÃO DE RISCO 9.1. Princípios A gestão de risco consistirá na identificação, avaliação, mensuração, análise, monitoramento e controle dos riscos de crédito, de liquidez, de mercado, operacional, legal e sistêmico nas aplicações dos recursos, segregando as funções administrativas e de custódia da gestão de risco. A estratégia e os níveis de risco aceitáveis serão definidos pela Diretoria Executiva em documentos específicos. Os sistemas e os dados utilizados na gestão de risco serão compatíveis com a estrutura da instituição. Os profissionais responsáveis pela gestão devem possuir qualificação necessária na área de risco. Periodicamente serão aplicados testes de estresse nos ativos negociáveis e passivos exigíveis para avaliar as condições de risco da Instituição Risco de Crédito É o risco associado à probabilidade de que o emissor de um ativo não cumpra com sua obrigação. Note que não é necessário que o emissor de um ativo fique inadimplente para que uma carteira sofra com o risco de crédito. Apenas o aumento da percepção de default de um emitente gera uma queda no preço do ativo. O risco de crédito das carteiras pode ser administrado por meio de limites impostos em duas instâncias: a. Limites para emissores individuais classificados por exposição máxima para cada carteira isolada; b. Limites globais para cada categoria de risco de crédito. Os limites de exposição de risco de crédito devem ser aprovados e revisados periodicamente, sempre obedecendo aos limites da Resolução CMN nº 3.792/2009. A metodologia de avaliação de risco de crédito a ser utilizada baseia-se tanto na análise quantitativa quanto na análise qualitativa. Serão utilizadas como parâmetros de seleção de risco de crédito, as classificações de rating divulgadas pelas agências de rating nacionais e internacionais mais conceituadas: a. Além da consideração do rating deverão ser observados os seguintes critérios: b. Somente serão considerados ativos classificados com grau de investimento, conforme indicação desta política; c. Deverão ser realizadas análises de fluxo de caixa das operações e/ou empresa para validação da capacidade de pagamento; d. Os ratings das operações deverão ser atualizados, no mínimo, anualmente; e. Deverão ser realizadas análises das garantias oferecidas Risco de Liquidez O risco de liquidez de ativo ou de mercado surge quando uma transação não pode ser conduzida a preços vigentes de mercado, em função de o volume negociado ser diferente do volume normalmente transacionado, e, varia de acordo com os tipos de ativos, mercados em que são negociados, e ao longo do tempo em função das condições de mercado. O risco de liquidez relaciona-se com o descasamento de fluxos financeiros de ativos e passivos e seus reflexos sobre a capacidade financeira da instituição em obter ativos e honrar suas obrigações.

6 6/10 O gerenciamento do risco de liquidez será preocupação constante da REGIUS e, como prudência, poderá ensejar a alteração do percentual de seus recursos totais em ativos de liquidez imediata. Visando mitigar esse risco utilizaremos a análise do fluxo de caixa e da ALM (Asset Liability Management). Com a adoção dessa política, espera-se eliminar a possibilidade de que haja qualquer dificuldade em honrar seus compromissos previdenciais no curto e médio prazo Risco de Mercado É o risco de perdas em decorrência de oscilações de variáveis econômicas e financeiras, como taxa de juros, taxa de câmbio, preço das ações e de commodities. O risco de mercado manifesta-se quando o valor de uma carteira oscila em função de variações ocorridas nos preços dos títulos e valores mobiliários. O provedor de serviços para análise de riscos do mercado financeiro é o custodiante. Os serviços contemplam: a. Cálculo do valor de mercado dos títulos; b. Cálculo de risco de mercado para o patrimônio total e para as carteiras e títulos separadamente; c. Cálculo de posições em derivativos Risco do Segmento de renda fixa Para o segmento de renda fixa, a REGIUS utiliza o valor em risco como metodologia para a mensuração do risco de mercado. Os parâmetros são: a. Nível de confiança: 95%; b. Horizonte de tempo: 21 dias; c. Limite de 2,5%; d. Periodicidade para cálculo do mensal Risco Operacional Entende-se como risco operacional o risco de perda advindo dos processos internos falhos ou inadequados, pessoas e sistemas ou de eventos externos. A Administração do risco operacional considerará: a. Matriz de Risco; b. Inspeção de Compliance; c. Planos de Contingência Risco Legal O acompanhamento da legislação aplicável às entidades fechadas de previdência complementar é realizado pela REGIUS constantemente e visa avaliar a conformidade legal de todas as carteiras de investimentos. O controle do risco Legal dá-se pelo: a. Acompanhamento da legislação aplicável às entidades fechadas de previdência complementar b. Parecer jurídico com vista a avaliar a conformidade legal de todas as carteiras de investimentos Risco Sistêmico É o risco ocasionado pelo não cumprimento de suas obrigações de uma instituição com outra empresa, que por esse motivo, não tem recursos suficientes para honrar seus compromissos com uma terceira e assim sucessivamente que em função desses não-pagamentos ocasiona uma crise no sistema financeiro. O controle do risco Sistêmico ocorre através do acompanhamento do mercado financeiro.

7 7/ Gestão de Risco São atribuições Do Comitê de Risco, no âmbito da gestão dos investimentos do Plano de Gestão Administrativa: a. Monitorar os limites de concentração de ativos segundo a legislação, a Política de Investimentos e as decisões do Comitê Financeiro; b. Apresentar ao Comitê Financeiro estudos técnicos acerca do Risco de Crédito das instituições nas quais são mantidas ou sugeridas as aplicações, a fim da criação do portfólio de instituições aprovadas e seus respectivos limites de aplicação; c. Desenvolver simulações de fronteira eficiente e VaR (Value at Risk); d. Avaliar os riscos de crédito e liquidez de qualquer tipo de investimento recomendado pela Gerência de Investimentos e pela Gerência de Participações, com emissão de pareceres de risco; e. Monitorar a carteira dos fundos abertos a fim de identificar ativos não aprovados por esta Política ou pelo Comitê Financeiro; f. Atender outras demandas de estudos técnicos sobre riscos de crédito e de liquidez da Gerência de Investimentos, da Gerência de Participações, da Diretoria Financeira e do Comitê Financeiro; g. Reportar imediatamente à Diretoria de Financeira qualquer não-conformidade identificada no portfólio de aplicações do Plano de Gestão Administrativa, com relação à desenquadramentos ou inconformidades com a Política de Investimentos; e h. Acompanhar os regulamentos dos fundos de investimentos e informar ao Comitê Financeiro sobre eventuais desenquadramentos. 10. PRECIFICAÇÃO DE ATIVOS Serão utilizados para precificação dos ativos do Plano de Gestão Administrativa os parâmetros os parâmetros estabelecidos na Resolução CGPC n 04, de 30/01/ RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL A REGIUS, preferencialmente, investirá em projetos/empresas que primem pelo respeito e observância das melhores práticas do ponto de vista da responsabilidade socioambiental, ou seja, empresas/projetos que tenham o compromisso permanente de adotar um comportamento ético e contribuir para o desenvolvimento econômico, melhorando, simultaneamente, a qualidade de vida de seus empregados e de suas famílias, da comunidade local e da sociedade como todo. 12. SELEÇÃO E AVALIAÇÃO DE GESTORES E FUNDOS DE INVESTIMENTO Os ativos do Plano de Gestão Administrativa terão gestão predominantemente pela REGIUS, caso haja interesse por contratar empresa de gestão de investimento a GEINV fará a escolha através do Procedimento Operacional específico, aprovado pelo Diretor Financeiro da Entidade. Os fundos não exclusivos serão avaliados vis a vis outras instituições. Apenas serão considerados os fundos não exclusivos que atenderem às determinações da Resolução CMN nº 3.792/ AGENTE CUSTODIANTE E CONTROLADOR A REGIUS opera com os serviços de custódia qualificada e controladoria dos ativos de investimentos de empresa devidamente credenciada pela CVM. O agente custodiante/controlador é o responsável pelos seguintes serviços:

8 8/10 a. Serviços de custódia qualificada, que compreende a liquidação financeira dos ativos, sua guarda (entendendo-se como controle, conciliação e movimentação dos ativos), bem como a administração e informação de rendimentos associados a esses ativos; e, b. Serviços de controladoria de ativos, que compreendem o cálculo de cotas de fundos e carteiras, por planos de benefícios; c. Elaboração de arquivos contábeis automatizados para integração contábil; d. Controladoria de ativos de fundos de investimento exclusivos, emissão de relatórios para órgãos reguladores e fiscalizadores, quando aplicável. 14. CORRETORAS DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS O processo de seleção e avaliação de corretoras é regulado com base em regras estabelecidas em Procedimento Operacional especifico aprovado pelo Diretor Financeiro. 15. AUDITORIA DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS A Entidade contrata os serviços de auditoria independente em conformidade com a legislação vigente, atentando para as regras e prazos de permanência e de substituição do prestador desse serviço. A seleção de auditor independente da REGIUS, conforme disposição estatutária cabe ao Conselho Deliberativo. 16. DIVULGAÇÃO A divulgação aos participantes e assistidos dos Planos de Benefícios do conteúdo deste documento e do resultado dos investimentos a ele associados deve obedecer à forma e aos prazos estabelecidos pela legislação em vigor. Mensalmente será divulgado aos participantes, Relatório Resumido dos Investimentos (RRI). 17. VIGÊNCIA Esta política entra em vigor a partir de 1º de janeiro de 2010, com a aprovação pelo Conselho Deliberativo, sendo que as condições e restrições nela estabelecidas são válidas exclusivamente para as novas operações.

9 9/10 ANEXO 1: LIMITES E ALÇADAS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS Considerando-se que a aplicação dos Recursos Garantidores subordina-se às necessidades e conveniências ditadas pelos compromissos atuariais dos respectivos planos, a movimentação de recursos, assim entendida os resgates e reaplicações, subordinam-se a que sejam demonstradas, em estudo técnico preliminar, a conveniência e oportunidade da medida. A REGIUS, visando sistematizar e dar maior transparência ao processo de Investimento/Desinvestimento possui nove Procedimentos Operacionais: PO-GEINV-001 COMPRA E VENDA DE TÍTULOS PÚBLICOS; PO-GEINV-002 COMPRA E VENDA DE TÍTULOS PRIVADOS; PO-GEINV-003 EMISSÃO DE PROPOSTA DE INVESTIMENTO; PO-GEINV-004 ELABORAÇÃO DE PARECER TÉCNICO; PO-GEINV-005 AVALIAÇÃO, SELEÇÃO E CREDENCIAMENTO DE CORRETORAS DE VALORES; PO-GEINV-006 CRITÉRIOS PARA SUBSCRIÇÃO DE AÇÕES; PO-GEINV-007 PARTICIPAÇÃO EM ASSEMBLÉIAS E REUNIÕES: PO-GEINV-008 CONTROLE DOS PARECERES DOS AUDITORES INDEPENDENTES; PO-GEINV-009 CREDENCIAMENTO, SELEÇÃO E AVALIAÇÃO DE GESTORES. Ressalte-se ainda que as propostas de investimento/desinvestimento obedecem ao seguinte fluxo: 1.GEINV/GEPAR 2.COMIN 2.DIFIN 3.PRESI 4.DIREX 5.CONDE 1. GEINV Elabora Parecer Técnico Investimento - GEPAR Elabora Parecer Técnico Desinvestimento. 2. COMIN Aprecia Parecer Tecnico, remete Parecer para instâncias superiores. 3. DIFIN Analisa Parecer. Aprova o Investimento/Deseinvestimento dentro de sua alçada. Ultrapassado o limite Alçada remete o Parecer DIREX 4. DIREX Analisa Parecer. Aprova o Investimento/Deseinvestimento dentro de sua alçada. Ultrapassado o limite Alçada remete o Parecer CONDE 5. CONDE aprova/rejeita parecer As alçadas são definidas para cada um dos segmentos (Renda Fixa, Renda Variável, Investimento Estruturado, Imóveis e Empréstimos) para operações realizadas no mesmo dia, incluindo aplicação e resgate, ou seja, a alçada será verificada na SOMA dessas operações. Nas operações de desinvestimento, será observado o mesmo nível de alçada estabelecido para as operações de investimento, conforme disposto neste anexo. Observa-se que o Manual de Alçadas e Competência se tornou um anexo da Política de Investimentos. A REGIUS entende que decisões de Investimento/Desinvestimento devem ser tomadas por um amplo colegiado, assim procurando dar uma maior transparência e segurança nas compra/venda de ativos, de maneira geral, foi reduzido a alçada da Diretoria Financeira. 1. Delegação de Alçadas em Situações Especiais 1.1 Nos impedimentos dos titulares das alçadas, quaisquer que sejam os motivos, as matérias serão decididas por seus respectivos substitutos, ou pelos titulares das alçadas imediatamente superiores, quando for o caso. 2. Excepcionalidades 2.1. As alçadas poderão ser excedidas, somente em caso de urgência ou em situações que caracterizem risco à integridade de pessoas ou iminente prejuízo aos patrimônios dos Planos de Benefícios e do Plano de Gestão Administrativa, desde que devidamente justificadas A extrapolação dos limites de alçadas previstos no item precedente deverá ser aprovada ad referendum da Diretoria Executiva e do Conselho Deliberativo As decisões tomadas na forma do item anterior serão relatadas com todos os fatos que as recomendaram, à autoridade originalmente competente ou superior, no prazo de 02 (dois) dias úteis, para a formalização da homologação da ação administrativa e/ou determinação de outras medidas cabíveis.

10 10/10 3. Segmento: Renda Fixa Títulos Públicos Federais Títulos Privados Grau de Investimento ALÇADA DIÁRIA COMPETÊNCIA POR SEGMENTO (% RGPB) Conselho Deliberativo Igual ou superior a 5% Diretoria Executiva De 2,01% até 4,99% Diretoria Financeira Até 2% ALÇADA DIÁRIA COMPETÊNCIA POR SEGMENTO (% RGPB) Conselho Deliberativo Igual ou superior a 5% Diretoria Executiva De 4,01% até 4,99% Diretoria Financeira Até 4% Movimentação de Pequena Monta** COMPETÊNCIA Gerência Investimentos ** Para necessidades de cobertura de saldo junto às contas correntes e/ou de resgate/aplicações emergenciais. de ALÇADA DIÁRIA POR SEGMENTO (% RGPB) R$ ,00 / dia

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS Segurança nos investimentos Gestão dos recursos financeiros Equilíbrio dos planos a escolha ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 A POLÍTICA DE INVESTIMENTOS...4 SEGMENTOS DE APLICAÇÃO...7 CONTROLE

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS CAGEPREV - FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO DE BENEFÍCIO DE CONTRIBUIÇÃO VARIÁVEL Vigência: 01/01/2013 a 31/12/2017 1. OBJETIVOS A Política de Investimentos tem

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA OABPREV-PR PARA O EXERCÍCIO DE 2007/2009

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA OABPREV-PR PARA O EXERCÍCIO DE 2007/2009 POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA OABPREV-PR PARA O EXERCÍCIO DE 2007/2009 1- OBJETIVOS A Política de Investimentos dos Recursos Garantidores das Reservas Técnicas da OABPrev-PR, tem por objetivo a maximização

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS CAGEPREV - FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA Vigência: 01/01/2013 a 31/12/2017 1. OBJETIVOS A Politica de Investimentos tem como objetivo

Leia mais

POLITICA DE INVESTIMENTOS EXERCÍCIO 2.011 SUMÁRIO

POLITICA DE INVESTIMENTOS EXERCÍCIO 2.011 SUMÁRIO SERVIÇO DE PREVIDÊNCIA MUNICIPAL Rua Monsenhor Soares nº. 65 Centro Itapetininga SP Fones (015)3271-0728 e 3271-7389(telefax) E-mail: seprem@uol.com.br POLITICA DE INVESTIMENTOS EXERCÍCIO 2.011 SUMÁRIO

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTO - 2015

POLÍTICA DE INVESTIMENTO - 2015 POLÍTICA DE INVESTIMENTO - 2015 A presente Política de Investimento tem como objetivo principal estabelecer condições para que os recursos dos Planos de Benefícios desta Entidade sejam geridos visando

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA 2012 A presente Política de Investimentos do Plano de Gestão Administrativa - PGA, da Caixa dos Empregados da Usiminas, foi aprovada pelo

Leia mais

PSS - Seguridade Social

PSS - Seguridade Social POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PARA 2012 PLANO C 1. Objetivos Esta versão da Política de Investimentos, que estará em vigor durante o ano de 2012, tem como objetivo definir as diretrizes dos investimentos do

Leia mais

Política de Investimentos Plano de Gestão Administrativa - PGA

Política de Investimentos Plano de Gestão Administrativa - PGA Plano de Gestão Administrativa - PGA Ano de Vigência - 2015 1/13 Introdução Este documento formaliza os objetivos e restrições de investimento da gestão dos recursos do, através da designação dos segmentos

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2009 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 2 2 OBJETIVOS... 2 2.1 OBJETIVO GERAL... 2 2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 2 3 VIGÊNCIA... 3 3.1 MODELO DE GESTÃO... 3 3.2 PROCESSO

Leia mais

Fundação de Previdência dos Empregados da CEB

Fundação de Previdência dos Empregados da CEB Prezado(a) participante, Seguem informações referentes à Política de Investimento para o Plano Complementar de Benefícios da FACEB, Plano de Benefícios CEBPREV e Plano Administrativo PGA para o ano de

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA

REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA INSTITUTO GEIPREV DE SEGURIDADE SOCIAL REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA Regulamento aprovado pelo Conselho Deliberativo do GEIPREV na 123ª reunião realizada em 27/11/2009. 1 SUMÁRIO

Leia mais

Política de Investimento 2013 a 2017

Política de Investimento 2013 a 2017 Política de Investimento 2013 a 2017 FUMPRESC Fundo Multipatrocinado de Previdência Complementar Santa Catarina APROVADA EM REUNIÃO DE CONSELHO DELIBERATIVO NO DIA 19/12/2012 Ata nº 91/2012. Índice 1.

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PREVICOKE SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA PLANO DE BENEFÍCIOS PREVICOKE 2009 Classified - Internal use ÍNDICE Finalidade da Política de Investimentos... 3 PARTE I... 3 1. Objetivos

Leia mais

Descrição da Estrutura de Gerenciamento 2015. - Risco de Mercado -

Descrição da Estrutura de Gerenciamento 2015. - Risco de Mercado - Descrição da Estrutura de Gerenciamento 2015 - Risco de Mercado - Sumário: 1. Introdução:... 3 2. Objetivo:... 3 3. Diretrizes de Gestão:... 3 4. Atribuições e Responsabilidades:... 4 Conselho de Administração:...

Leia mais

Política de Investimentos 2015 a 2019 Plano DE GESTÃO AdministrativA

Política de Investimentos 2015 a 2019 Plano DE GESTÃO AdministrativA Sociedade Previdenciária DuPont do Brasil Política de Investimentos 2015 a 2019 Plano DE GESTÃO AdministrativA 1 Sociedade Previdenciária DuPont do Brasil 2 Regulamento do Plano Administrativo Duprev ÍNDICE

Leia mais

Política de Investimentos Plano PBS Telemig

Política de Investimentos Plano PBS Telemig 1/16 Introdução Este documento formaliza os objetivos e restrições de investimento da gestão dos recursos do, através da designação dos segmentos de ativos a serem utilizados, dos ativos autorizados em

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTO DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE JAGUARÃO-RS PARA O EXERCÍCIO DE 2014

POLÍTICA DE INVESTIMENTO DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE JAGUARÃO-RS PARA O EXERCÍCIO DE 2014 POLÍTICA DE INVESTIMENTO DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE JAGUARÃO-RS PARA O EXERCÍCIO DE 2014 1. Apresentação A presente Política de Investimentos visa atender as Portarias

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III Basiléia

GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III Basiléia GERENCIAMENTO DE RISCOS Pilar III Basiléia 3º Trimestre 2015 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO

Leia mais

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS 1. CONTEXTO A Porto Seguro Investimentos é uma Instituição Financeira privada, constituída em 8 de abril de 1991,

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO PERUIBEPREV PARA O EXERCICIO DE 2008

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO PERUIBEPREV PARA O EXERCICIO DE 2008 POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO PERUIBEPREV PARA O EXERCICIO DE 2008 INTRODUÇÃO Este documento formaliza os objetivos e restrições de investimento da gestão dos recursos do PERUIBEPREV, através da designação

Leia mais

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA

PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2015 PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA Aprovado pelo Conselho Deliberativo da Fundação Baneb de Seguridade Social Bases, no dia 28 de novembro de 2014, Ata nº 279. SUMÁRIO 1 DOS

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Pilar 3

Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Gerenciamento de Riscos Pilar 3 2º Trimestre de 2014 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO DE LIQUIDEZ

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PARA 2013

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PARA 2013 INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE ALMIRANTE TAMANDARÉ, pessoa jurídica de direito público interno, inscrito no CNPJ 05093137/000151 sediado à Rua Trav. Paulo Bini,27,

Leia mais

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA POLÍTICA DE INVESTIMENTO PLANO CD-02

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA POLÍTICA DE INVESTIMENTO PLANO CD-02 1/13 TÍTULO CLASSIFICAÇÃO: REFERENCIAL NORMATIVO ASSUNTO ELABORADOR Política de Investimentos - Plano CD-02 Documento Executivo Resolução CMN nº 3792/2009 Estabelece normas e orientações para a gestão

Leia mais

Instituto de Previdência dos Servidores Públicos Municipais de Pelotas - PREVPEL. Política de Investimentos Exercício de 2013

Instituto de Previdência dos Servidores Públicos Municipais de Pelotas - PREVPEL. Política de Investimentos Exercício de 2013 Instituto de Previdência dos Servidores Públicos Municipais de Pelotas - PREVPEL Política de Investimentos Exercício de 2013 Política de Investimentos do RPPS do Município de Pelotas RS, aprovada pelo

Leia mais

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO A política de Risco de Mercado do Scotiabank Brasil ( Scotiabank ) é baseada na política do grupo de Risk Management Global do Scotiabank

Leia mais

REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES EFETIVOS DO MUNICÍPIO DE DOIS IRMÃOS RPPSMDI

REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES EFETIVOS DO MUNICÍPIO DE DOIS IRMÃOS RPPSMDI REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES EFETIVOS DO MUNICÍPIO DE DOIS IRMÃOS RPPSMDI FUNDO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE DOIS IRMÃOS - FPSMDI POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2014 Aprovada

Leia mais

PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA

PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2016 PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA Aprovado pelo Conselho Deliberativo da Fundação Baneb de Seguridade Social Bases, no dia 27.11.2015, Ata nº 293. SUMÁRIO 1. DOS OBJETIVOS...

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ

MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ Fundos de Investimento constituídos sob a forma de condomínio aberto Publicação 31/03/2015 - versão 003 Responsável: Compliance e Riscos Gestoras PETRA 0 ÍNDICE

Leia mais

Fundo Especial de Previdência do Município de LEME - LEMEPREV

Fundo Especial de Previdência do Município de LEME - LEMEPREV Fundo Especial de Previdência do Município de LEME - LEMEPREV POLÍTICA ANUAL DE INVESTIMENTOS 2011 No presente documento encontram-se diretrizes para guiar o processo de investimentos do Fundo Especial

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2014 IPRESI SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVOS... 3 2.1 OBJETIVO GERAL... 3 2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 3 VIGÊNCIA... 4 4 MODELO DE GESTÃO... 4 5

Leia mais

Política Anual de Investimentos. Período : 01/2010 a 12/2010

Política Anual de Investimentos. Período : 01/2010 a 12/2010 Regime Próprio de Previdência Social de Varginha(MG) Política Anual de Investimentos Período : 01/2010 a 12/2010 Política de Investimentos do RPPS do Município de Varginha(MG), aprovada em30/12/2009. 1.

Leia mais

Política Anual de Investimentos (PAI)

Política Anual de Investimentos (PAI) Política Anual de Investimentos (PAI) 2013 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVOS... 3 2.1 OBJETIVO GERAL... 3 2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 3 VIGÊNCIA... 3 4 MODELO DE GESTÃO... 4 5 PROCESSO DE SELEÇÃO

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Conselho de Administração Diretoria Geral Gerenciamento de Capital Diretoria de Controladoria, Operações, Jurídico, Ouvidoria e Cobrança Diretoria de Tesouraria, Produtos e Novos Negócios Operações Bancárias

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA MAUÁ PREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA PARA O ANO DE 2010

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA MAUÁ PREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA PARA O ANO DE 2010 POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA MAUÁ PREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA PARA O ANO DE 2010 1 Finalidade da Política de Investimentos: Este documento estabelece as maneiras pelas quais os ativos dos planos

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ Introdução O Gerenciamento do Risco de Liquidez no Grupo Didier Levy, considerando as empresas BEXS Banco de Câmbio S/A e BEXS Corretora de Câmbio S/A está

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO O Scotiabank Brasil (SBB), em atendimento à Resolução CMN 3.464 e alinhado a política global do grupo, implementou estrutura de Gerenciamento

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2010 Tibagi Tibagiprev. - 1 - Índice pág. 1 Introdução 3 2 Objetivos 4 3 Diretrizes de Alocação dos Recursos 6 4 Diretrizes para Gestão dos Segmentos 8 Tibagi Tibagiprev. - 2

Leia mais

[POLÍTICA DE INVESTIMENTOS]

[POLÍTICA DE INVESTIMENTOS] [POLÍTICA DE INVESTIMENTOS] Este documento aborda o processo de seleção e alocação de valores mobiliários da Interinvest Data de Publicação: Abril de 2012 Política de Investimentos 1. Conteúdo do Documento

Leia mais

Relatório da estrutura de gerenciamento de riscos do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob)

Relatório da estrutura de gerenciamento de riscos do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) 1/7 Relatório da estrutura de gerenciamento de riscos do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Módulo I Apresentação 1. Com a finalidade de promover a harmonização, a integração e a racionalização

Leia mais

Relatório de Gestão de Riscos 2014

Relatório de Gestão de Riscos 2014 Relatório de Gestão de Riscos 2014 2/16 Sumário 1. Introdução... 3 2. Perfil da Instituição... 3 3. Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 4 3.1 Gestão de Risco de Mercado... 5 3.1.1 Instrumentos de monitoramento

Leia mais

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul Relatório de Gestão de Riscos Conglomerado Cruzeiro do Sul Data-Base 31/12/2010 Superintendência de Riscos Índice 1. Introdução 3 2. Perímetro 3 3. Estrutura de Gestão de Riscos 3 3.1 Risco de Crédito

Leia mais

RESOLUÇÃO 3.922 -------------------------

RESOLUÇÃO 3.922 ------------------------- RESOLUÇÃO 3.922 ------------------------- Dispõe sobre as aplicações dos recursos dos regimes próprios de previdência social instituídos pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios. O Banco Central

Leia mais

Instituto de Previdência e Assistência dos Servidores do Município de Vitória INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03/2008

Instituto de Previdência e Assistência dos Servidores do Município de Vitória INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03/2008 Instituto de Previdência e Assistência dos Servidores do Município de Vitória INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03/2008 Institui a Política de Investimento para o exercício de 2008/2009. O Presidente do Instituto

Leia mais

Contextualizando os Investimentos em 2012. O Olhar do órgão Fiscalizador

Contextualizando os Investimentos em 2012. O Olhar do órgão Fiscalizador Contextualizando os Investimentos em 2012 O Olhar do órgão Fiscalizador Brasília Maio/2012 1 Agenda A PREVIC e Dados do setor Impacto de Mudanças nas Taxas de Juros Alteração Res. CGPC 18 Guia PREVIC de

Leia mais

a) mercados de derivativos, tais como, exemplificativamente, índices de ações, índices de preços, câmbio (moedas), juros;

a) mercados de derivativos, tais como, exemplificativamente, índices de ações, índices de preços, câmbio (moedas), juros; CREDIT SUISSE HEDGINGGRIFFO 1. Públicoalvo LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o CSHG EQUITY HEDGE LEVANTE FUNDO DE INVESTIMENTO

Leia mais

Risk & Permanent Control

Risk & Permanent Control Estrutura Organizacional Risco de Crédito Introdução Este documento apresenta a estrutura organizacional da área de Risco de Crédito do conglomerado CRÉDIT AGRICOLE Brasil e estabelece as suas principais

Leia mais

Gerenciamento do Risco de Crédito

Gerenciamento do Risco de Crédito Gerenciamento do Risco de Crédito Documento TESTE INTRODUÇÃO O Conselho Monetário Nacional (CMN), por intermédio da Resolução no. 3.721 do Banco Central do Brasil (BACEN), determinou às instituições financeiras

Leia mais

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA (PGA)

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA (PGA) 1/23 TÍTULO CLASSIFICAÇÃO: REFERENCIAL NORMATIVO ASSUNTO ELABORADOR Política de Investimentos Plano de Gestão Administrativa (PGA) Documento Executivo Resolução CMN nº. 3792/2009 Estabelece as normas e

Leia mais

Política de Investimentos

Política de Investimentos Política de Investimentos 2013 SERPROS Fundo Multipatrocinado Plano Serpro I PSI Aprovada pelo Comitê de Aplicações CAP em 13/12/2012 Aprovada pelo Conselho Deliberativo CDE em 19/12/2012 ÍNDICE 1. Introdução...3

Leia mais

Política de Investimentos 2014 a 2018

Política de Investimentos 2014 a 2018 Política de Investimentos 2014 a 2018 Fundação de Previdência dos Servidores do Instituto de Resseguros do Brasil PREVIRB Plano de Gestão Administrativa 1 Introdução A presente política de investimento

Leia mais

DOUTOR MAURÍCIO CARDOSO-RS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

DOUTOR MAURÍCIO CARDOSO-RS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS RPPS Fundo de Aposentadoria e Pensão do Servidor FAPS DOUTOR MAURÍCIO CARDOSO-RS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2014 1. FINALIDADE DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS Este documento estabelece o modelo de investimentos

Leia mais

R e s o l u ç ã o. B a n c o C e n t r a l d o B r a s i l

R e s o l u ç ã o. B a n c o C e n t r a l d o B r a s i l R e s o l u ç ã o 3 7 9 0 B a n c o C e n t r a l d o B r a s i l S u m á r i o SEÇÃO I: DA ALOCAÇÃO DOS RECURSOS E DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS... 1 Subseção I: Da Alocação dos Recursos... 1 Subseção

Leia mais

Política de Investimento. 2014 a 2018. SERPROS - Fundo Multipatrocinado Plano de Gestão Administrativa PGA

Política de Investimento. 2014 a 2018. SERPROS - Fundo Multipatrocinado Plano de Gestão Administrativa PGA Política de Investimento 2014 a 2018 SERPROS - Fundo Multipatrocinado Plano de Gestão Administrativa PGA Aprovada pelo Comitê de Aplicações CAP 13/2013 em 21/11/2013 Aprovada pelo Conselho Deliberativo

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDENCIA DO MUNICIPIO DE ALMIRANTE TAMANDARÉ - IPMAT

INSTITUTO DE PREVIDENCIA DO MUNICIPIO DE ALMIRANTE TAMANDARÉ - IPMAT RESOLUÇÃO Nº. 01/2009 Em cumprimento a Resolução nº. 3790/2009 de 24 de Setembro de 2009, do Conselho Monetário Nacional, o CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DO IPMAT, no uso de suas atribuições legais e de conformidade

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO A Um Investimentos S/A CTVM, conforme definição da Resolução nº 3.721/09, demonstra através deste relatório a sua estrutura do gerenciamento de risco de crédito.

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA CORPORATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA CORPORATIVA Sumário: 01. OBJETIVO:... 2 02. CONCEITUAÇÃO / DEFINIÇÃO:... 2 03. ABRANGÊNCIA / ÁREAS ENVOLVIDAS:... 2 04. RESPONSABILIDADES:... 2 04.01. Responsáveis pela execução das atribuições desta política... 2

Leia mais

Política de Investimentos Plano de Gestão Administrativa - PGA

Política de Investimentos Plano de Gestão Administrativa - PGA Plano de Gestão Administrativa - PGA 1/17 Introdução Este documento formaliza os objetivos e restrições de investimento da gestão dos recursos, especificamente do Plano de Gestão Administrativa - PGA,

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 531, DE 6 DE FEVEREIRO DE 2013

INSTRUÇÃO CVM Nº 531, DE 6 DE FEVEREIRO DE 2013 Altera dispositivos da Instrução CVM nº 356, de 17 de dezembro de 2001 e da Instrução CVM nº 400, de 29 de dezembro de 2003. O PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - CVM torna público que o Colegiado,

Leia mais

PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA

PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2015-2019 ÍNDICE ANALÍTICO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. O PLANO... 3 3. ÍNDICE DE REFERÊNCIA... 4 4. METAS DE RENTABILIDADE... 4 5. PRINCÍPIOS DE

Leia mais

F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de

F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro Demonstrações financeiras em 31 de março de 2004 e de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O GRADIUS HEDGE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CNPJ: Nº 10.446.951/0001-42

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O GRADIUS HEDGE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CNPJ: Nº 10.446.951/0001-42 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O GRADIUS HEDGE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CNPJ: Nº Informações referentes à Abril de 2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o

Leia mais

Gestão Ativa Perfil Renda Fixa Renda Variável Super Conservador 100% 0% Conservador 80% 20% Moderado 65% 35% Agressivo 50% 50%

Gestão Ativa Perfil Renda Fixa Renda Variável Super Conservador 100% 0% Conservador 80% 20% Moderado 65% 35% Agressivo 50% 50% III) Plano de Benefícios de Contribuição Definida (Plano CD) 1) Administracão dos Recursos: A administração dos recursos da Fundação Previdenciária IBM é terceirizada, sendo prerrogativa do Conselho Deliberativo

Leia mais

Banco Mercedes-Benz RISCO DE MERCADO E LIQUIDEZ Base: Janeiro 2014

Banco Mercedes-Benz RISCO DE MERCADO E LIQUIDEZ Base: Janeiro 2014 Banco Mercedes-Benz RISCO DE MERCADO E LIQUIDEZ Base: Janeiro 2014 INTRODUÇÃO O Banco Mercedes-Benz do Brasil considera a gestão de riscos como um dos pilares de sustentação de seus objetivos estratégicos.

Leia mais

PREVI - ERICSSON Sociedade de Previdência Privada. Política de Investimentos 2011/2015

PREVI - ERICSSON Sociedade de Previdência Privada. Política de Investimentos 2011/2015 PREVI - ERICSSON Sociedade de Previdência Privada Política de Investimentos 2011/2015 Plano de Aposentadoria Suplementar Plano de Aposentadoria Básico Plano de Gestão Administrativa (PGA) Política de Investimentos

Leia mais

Política de Investimentos

Política de Investimentos ENERPREV 2015 2019 Plano CD Enerpeixe Revisão 2015 Vigência: 01/01/2015 a 31/12/2015 APROVADA NA REUNIÃO DO CONSELHO DELIBERATIVO EM 11/12/2014 ÍNDICE PARTE I... 4 1. INTRODUÇÃO... 4 1.1. EMPRESAS PATROCINADORAS...

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PARA 2010

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PARA 2010 POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PARA 2010 Subordinada à Resolução CMN nº 3.792 de 24/09/09 1- INTRODUÇÃO Esta política tem como objetivo estabelecer as diretrizes a serem observadas na aplicação dos recursos

Leia mais

Política de Gerenciamento de Riscos Financeiros Endesa Brasil

Política de Gerenciamento de Riscos Financeiros Endesa Brasil Política de Gerenciamento de Riscos Financeiros Endesa Brasil Objeto Estabelecer uma política adequada de gerenciamento de riscos financeiros, de modo a resguardar as empresas do grupo Endesa Brasil de

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ. 1 Objetivo. 2 Diretrizes. 2.1 Princípios para Gerenciamento do Risco de Liquidez

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ. 1 Objetivo. 2 Diretrizes. 2.1 Princípios para Gerenciamento do Risco de Liquidez ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ 1 Objetivo Apresentar o modelo de gerenciamento de Risco de Liquidez no Banco Safra e os princípios, as diretrizes e instrumentos de gestão em que este modelo

Leia mais

BANRISUL ÍNDICE FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ/MF nº 02.131.725/0001-44

BANRISUL ÍNDICE FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ/MF nº 02.131.725/0001-44 BANRISUL ÍNDICE FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ/MF nº 02.131.725/0001-44 PROSPECTO AVISOS IMPORTANTES I. A CONCESSÃO DE REGISTRO PARA A VENDA DAS COTAS DESTE FUNDO NÃO IMPLICA, POR PARTE DA COMISSÃO

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO

1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 1. INTRODUÇÃO Atendendo à legislação pertinente aos investimentos dos Regimes Próprios de Previdência Social RPPS, em especial à Resolução n 3.922 de 25 de novembro de 2010 do Conselho Monetário Nacional

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA OABPREV-PR PARA O EXERCÍCIO DE 2010/2012

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA OABPREV-PR PARA O EXERCÍCIO DE 2010/2012 POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA OABPREV-PR PARA O EXERCÍCIO DE 2010/2012 1- OBJETIVOS A Política de Investimentos dos Recursos Garantidores do Plano de Benefícios Previdenciários dos Advogados - PBPA e do

Leia mais

Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido (PRE) e Adequação do Patrimônio de Referência (PR) Circular Bacen 3.477/09

Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido (PRE) e Adequação do Patrimônio de Referência (PR) Circular Bacen 3.477/09 2013 Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido (PRE) e Adequação do Patrimônio de Referência (PR) Circular Bacen 3.477/09 2 ÍNDICE: 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS...

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DE LIQUIDEZ

MANUAL DE GESTÃO DE LIQUIDEZ Av. Santos Dumont, 2122 - Sala 407 - Aldeota Fortaleza CE - 60.150-161 +55 85 3047.2601 4005.9161 www.rendaassset.com.br MANUAL DE GESTÃO DE LIQUIDEZ Fortaleza CE - Atualizado em 22 de Janeiro de 2013

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

Política de Investimento. 2015 a 2019

Política de Investimento. 2015 a 2019 Política de Investimento 2015 a 2019 Fundação Celpe de Seguridade Social - CELPOS Plano PGA Página 1 Índice 1 Introdução... 3 2 Diretrizes Gerais... 3 3 Plano de Benefícios... 4 4 Alocação de recursos

Leia mais

Política de Investimentos. 2011 a 2015. CELPOS Fundação Celpe de Seguridade Social Plano de Gestão Administrativa (PGA)

Política de Investimentos. 2011 a 2015. CELPOS Fundação Celpe de Seguridade Social Plano de Gestão Administrativa (PGA) Política de Investimentos 2011 a 2015 CELPOS Fundação Celpe de Seguridade Social Plano de Gestão Administrativa (PGA) Índice 1. Introdução... 3 2. Plano de benefícios... 3 3. Alocação de recursos e os

Leia mais

1 - FINALIDADE DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

1 - FINALIDADE DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2014 1 - FINALIDADE DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 1.1. A Sociedade de Previdência Privada A Sociedade de Previdência Privada (Entidade), pessoa jurídica de direito privado, sem

Leia mais

RESUMO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS APRESENTAÇÃO FEITA PARA OS PARTICIPANTES EM 18/01/2011

RESUMO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS APRESENTAÇÃO FEITA PARA OS PARTICIPANTES EM 18/01/2011 RESUMO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS APRESENTAÇÃO FEITA PARA OS PARTICIPANTES EM 18/01/2011 LUIZ DA PENHA JAN/2011 1. POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2011 PROCESSO DE INVESTIMENTOS REGULAÇÃO E FISCALIZAÇÃO DECISÃO

Leia mais

Política de Investimentos PGA. 2011 a 2015

Política de Investimentos PGA. 2011 a 2015 Política de Investimentos PGA 2011 a 2015 Fundação Saelpa de Seguridade Social Plano de Gestão Administrativa Índice 1. Introdução... 3 2. Plano de Gestão Administrativa... 3 3. Alocação de recursos e

Leia mais

Políticas de Gerenciamento de Risco de Mercado

Políticas de Gerenciamento de Risco de Mercado Cooperativa de Crédito Mutuo dos Praças e Oficiais da Policia Militar do Estado de São Paulo Cooperacs - SP Políticas de Gerenciamento de Risco de Mercado Aprovados pela Diretoria Executiva em 02/08/2010

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE SANTOS

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE SANTOS INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE SANTOS O Presidente do Instituto de Previdência Social dos Servidores Públicos Municipais de Santos IPREV SANTOS, no uso de suas atribuições

Leia mais

Investimentos das Entidades Fechadas de Previdência Complementar. 29 de novembro de 2011

Investimentos das Entidades Fechadas de Previdência Complementar. 29 de novembro de 2011 Investimentos das Entidades Fechadas de Previdência Complementar 29 de novembro de 2011 1 1. Legislação Aplicada; SUMÁRIO 2. Melhores Práticas; 3. Casos observados. 2 LEGISLAÇÃO APLICADA AOS INVESTIMENTOS

Leia mais

Cotas de Fundos de Investimento em Ações FIA

Cotas de Fundos de Investimento em Ações FIA Renda Variável Cotas de Fundos de Investimento em Ações FIA Cotas de Fundos de Investimento em Ações - FIA Mais uma alternativa na diversificação da carteira de investimento em ações O produto O Fundo

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO BD 2016 A 2020 PREVIBAYER SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO BD 2016 A 2020 PREVIBAYER SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO BD 2016 A 2020 PREVIBAYER SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO BD ÍNDICE CAPÍTULO PÁGINA Introdução.... 3 Governança Corporativa.... 3 Diretrizes

Leia mais

CAIXA FI INSTITUCIONAL AÇÕES BDR NIVEL I

CAIXA FI INSTITUCIONAL AÇÕES BDR NIVEL I CAIXA FI INSTITUCIONAL AÇÕES BDR NIVEL I 1 Por que investir em fundo de AÇÕES BDR NIVEL I? Viabiliza o acesso das instituições reguladas pela Resolução CMN 3792/09 a investimentos no exterior; Estrutura

Leia mais

Política de Investimento. Plano de Benefício Definido (BD) 2015 a 2019

Política de Investimento. Plano de Benefício Definido (BD) 2015 a 2019 Política de Investimento Plano de Benefício Definido (BD) 2015 a 2019 Aprovado pelo Conselho Deliberativo Ata nº 70 de 15/12/2014 Sumário 1. Introdução... 3 2. Sobre os benefícios... 4 3. Informações cadastrais...

Leia mais

MSD PREV - Politica de Investimentos 2015-2019 ÍNDICE

MSD PREV - Politica de Investimentos 2015-2019 ÍNDICE POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2015-2019 Plano de Benefícios Plano de Gestão Administrativa ÍNDICE 1. A MSD PREV Sociedade de Previdência Privada... 3 2. Objetivos da Política de Investimentos... 3 3. Filosofia

Leia mais

Por dentro da Política de Investimentos IPERGS Porto Alegre (RS) Fev/2015

Por dentro da Política de Investimentos IPERGS Porto Alegre (RS) Fev/2015 Por dentro da Política de Investimentos IPERGS Porto Alegre (RS) Fev/2015 Política de Investimento Os RPPS possuem obrigação legal de elaborar anualmente sua política de investimentos; Essa política deve

Leia mais

Lâmina de informações essenciais sobre o Fundo SUMITOMO MITSUI FIC DE FIM BTG PACTUAL HIGH YIELD CNPJ: 07.442.466/0001-96

Lâmina de informações essenciais sobre o Fundo SUMITOMO MITSUI FIC DE FIM BTG PACTUAL HIGH YIELD CNPJ: 07.442.466/0001-96 Lâmina de informações essenciais sobre o Fundo SUMITOMO MITSUI FIC DE FIM BTG PACTUAL HIGH YIELD Informações referentes a setembro de 2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre

Leia mais

a) Prova da inscrição no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica; b) Certidão negativa de débitos junto à Seguridade social; 1

a) Prova da inscrição no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica; b) Certidão negativa de débitos junto à Seguridade social; 1 Regulamento para Cadastramento de Instituições Financeiras e similares, sociedade corretoras e Distribuidoras, Gestoras e Administradoras de Títulos e Valores Mobiliários junto à ORGANIZAÇÃO MUNICIPAL

Leia mais

Fundo multimercado que tem como objetivo buscar rentabilidade acima do Certificado de Depósito Interbancário - CDI.

Fundo multimercado que tem como objetivo buscar rentabilidade acima do Certificado de Depósito Interbancário - CDI. LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS 1. Público-alvo dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o CSHG VERDE FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO.

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito Diretoria Executiva / Dir. Risco de Credito Área de Crédito e Risco Área Comercial Área de Tecnologia da Informação Compliance Officer Elementos de Apoio:

Leia mais

DEMONSTRATIVO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

DEMONSTRATIVO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DEMONSTRATIVO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 1. ENTE Endereço: Bairro: Prefeitura Municipal de Itanhaém / SP AVENIDA WASHINGTON LUIS - 75 CENTRO (013) 3421-1600 Fax: (013) 3421-1600 CNPJ: Complemento: CEP:

Leia mais

BANRISUL PATRIMONIAL FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA DE LONGO PRAZO CNPJ/MF nº 04.828.795/0001-81

BANRISUL PATRIMONIAL FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA DE LONGO PRAZO CNPJ/MF nº 04.828.795/0001-81 BANRISUL PATRIMONIAL FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA DE LONGO PRAZO CNPJ/MF nº 04.828.795/0001-81 PROSPECTO AVISOS IMPORTANTES I. A CONCESSÃO DE REGISTRO PARA A VENDA DAS COTAS DESTE FUNDO NÃO IMPLICA,

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.477. I - bancos múltiplos, bancos comerciais, bancos de investimento, bancos de câmbio e caixas econômicas;

CIRCULAR Nº 3.477. I - bancos múltiplos, bancos comerciais, bancos de investimento, bancos de câmbio e caixas econômicas; CIRCULAR Nº 3.477 Dispõe sobre a divulgação de informações referentes à gestão de riscos, ao Patrimônio de Referência Exigido (PRE), de que trata a Resolução nº 3.490, de 29 de agosto de 2007, e à adequação

Leia mais