Política de Investimentos Plano PBS Telemig

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Política de Investimentos Plano PBS Telemig"

Transcrição

1 1/16

2 Introdução Este documento formaliza os objetivos e restrições de investimento da gestão dos recursos do, através da designação dos segmentos de ativos a serem utilizados, dos ativos autorizados em cada segmento, das faixas de alocação estratégica e das características e restrições da gestão de cada segmento. A gestão de recursos do Plano deverá seguir o conceito de prudência, com cuidado, habilidade e diligência que se deve ter na aplicação dos recursos dos Participantes, além de respeitar os limites definidos nesta Política. Como princípio de governança, a Visão Prev possui um Comitê de Investimentos composto por especialistas com o objetivo de acompanhamento, análise e aprovação dos seus investimentos. Além das restrições aqui apresentadas, aplicam-se todas aquelas indicadas na Resolução 3792 do Conselho Monetário Nacional, de 24 de setembro de 2009, e posteriores atualizações. Administrador Estatutário Tecnicamente Qualificado AETQ Ademir Jose Mallmann Presidente CPF Política de Alocação dos Recursos Segmentos de Aplicação Conforme especificado na Resolução 3792, esta política de investimentos se refere à alocação dos recursos do Plano entre e em cada um dos seguintes segmentos de aplicação: Segmento de Renda Fixa Segmento de Renda Variável Segmento de Investimentos Estruturados Segmento de Investimentos no Exterior Segmento de Imóveis Segmento de Empréstimos e Financiamentos a Participantes 2/16

3 Faixas de Alocação de Recursos Segmento de Renda Fixa: 70% a 100% do patrimônio total do Plano Segmento de Renda Variável: 0% a 30% do patrimônio total do Plano Segmento de Investimentos Estruturados: 0% do patrimônio total do Plano Segmento de Investimentos no Exterior: 0% do patrimônio total do Plano Segmento de Imóveis: 0% do patrimônio total do Plano Segmento de Empréstimos e Financiamentos a Participantes: 0% a 5% do patrimônio total do Plano Objetivos da Gestão da Alocação Como se trata de um plano de benefício definido, a gestão da alocação entre os segmentos tem o objetivo de garantir o equilíbrio de longo prazo entre os ativos e as obrigações dos planos, através da superação de uma meta atuarial de rentabilidade igual à variação do INPC + 4% a. a. Considerando as condições atuais de mercado, em que as restrições oferta e de liquidez não permitem o investimento direto em papéis com o mesmo indexador da meta, este objetivo deverá ser atingido através da gestão da alocação entre os diferentes segmentos. Renda Fixa: Este segmento se caracteriza pelo empréstimo de recursos a terceiros, por meio da aplicação em Título Públicos (Governo Federal) ou Privados (Empresas), auferindo rendimentos que são pré determinados, sejam através de taxas pré fixadas ou pós fixadas. Desta forma, o objetivo deste segmento é obter uma rentabilidade compatível com a expectativa dos participantes, com um baixo nível de risco. Renda Variável: 3/16

4 A característica deste segmento é a incerteza em relação aos seus rendimentos, através principalmente da participação acionária em empresas, contudo, com uma tendência de longo prazo de apresentar maiores retornos que os demais segmentos. Desta forma, este segmento tem como objetivo proporcionar retornos mais significativos, complementando a rentabilidades dos demais segmentos através da assunção de riscos compatíveis. Empréstimos e Financiamentos a Participantes: Da mesma forma que o segmento de renda fixa, o objetivo deste segmento é obter uma rentabilidade compatível com a expectativa dos participantes, com um baixo nível de risco de crédito, uma vez que o risco de inadimplência é muito reduzido. Investimentos Estruturados: O objetivo dos investimentos neste segmento é proporcionar uma rentabilidade superior ao segmento de renda fixa tradicional e diversificação dos investimentos, considerando o cenário de baixas taxas de juros. Metodologias de Gestão da Alocação A definição estratégica de longo prazo das faixas de alocação foi feita com base no resultado de estudos de ALM Asset Liability Management de forma a direcionar os prazos dos investimentos de Renda Fixa e Estruturados. A definição tática de curto prazo da alocação de recursos nas faixas acima definidas é feita com base nas expectativas de valorização de cada segmento de ativos para os 12 meses seguintes, em cenários alternativos. A alocação ideal é definida em comitês periódicos de cada um dos gestores, com base na probabilidade de satisfação dos objetivos de rentabilidade no período de 12 meses, aliada à avaliação qualitativa do cenário de curto prazo. Política para Gestão de Cada Segmento Cenário Macro Econômico A elaboração do cenário econômico foi realizada em conjunto com a Área de Estudos Macroeconômicos do Grupo Telefônica do Brasil. Metodologias de Seleção dos Investimentos 4/16

5 Individualmente, os retornos dos ativos são projetados com base em um modelo que parte do cenário macroeconômico (global e local) e projeta os impactos desse cenário para o comportamento da curva de juros (para os diversos instrumentos) no caso da Renda Fixa, e para os diversos setores econômicos e empresas no caso da Renda Variável. Para o segmento de Investimentos Estruturados, além de uma expectativa de rentabilidade superior ao segmento de Renda Fixa, deve se levar em conta a baixa correlação do segmento com os demais ativos do Plano, possibilitando a efetiva diversificação dos investimentos. Os ativos integrantes de cada carteira são selecionados utilizando-se modelos estatísticos de forma proporcionar retornos similares aos retornos dos benchmarks, sempre respeitando os limites de BVaR (Benchmark VaR) estabelecidos. As informações utilizadas para construção dos cenários e modelos, são obtidas de fontes públicas (bases de dados e consultorias). Segmento de Renda Fixa: Benchmark INPC + 4% a.a. Nível de Risco Admitido Admite-se um nível de Benchmark VaR Anualizado máximo de 1,0% a. a. para um horizonte de 21 dias úteis e com intervalo de confiança de 95%. Limites de Alocação nas Carteiras Segmento Resolução CMN 3792 Limites (%) Política de Investimentos (% em relação ao total de recursos do plano) Máximo Mínimo Máximo Alvo Renda Fixa 100,00 70,00 100,00 87,00 Títulos públicos federais 100,00 0,00 100,00 84,50 Títulos Privados 80,00 0,00 50,00 0,00 Títulos de companhias abertas (não-financeiras) 80,00 0,00 25,00 0,00 Títulos de instituição financeira 80,00 0,00 50,00 0,00 FIDC + FIC-FIDC 20,00 0,00 5,00 2,50 5/16

6 Segmento Resolução CMN 3792 Limites (%) Política de Investimentos (% em relação ao total de recursos do plano) Máximo Mínimo Máximo Alvo Renda Fixa 100,00 70,00 100,00 98,00 Títulos públicos federais 100,00 0,00 100,00 96,74 Títulos Privados 80,00 0,00 50,00 0,00 Títulos de companhias abertas (não-financeiras) 80,00 0,00 25,00 0,00 Títulos de instituição financeira 80,00 0,00 50,00 0,00 FIDC + FIC-FIDC 20,00 0,00 5,00 0,76 Diversificação de Risco Res. CMN 3792 Visão Prev Limites de alocação por tipo de emissor Tesouro Nacional 100% 100% Instituição financeira autorizada pelo Bacen 20% 20% Instituição não financeira 20% 20% Cia aberta com registro na CVM 10% 10% FIDC OU FICFIDC 20% 20% Demais emissores 5% 0% Limites de concentração por emissor Patrimônio líquido de uma mesma Instituição Financeira 25% 25% Limites de concentração por investimento Mesma série de título ou valores imobiliários 25% 25% Mesma classe ou série de cotas de FIDC 25% 25% Formação de Preço Ótimo A estratégia de formação de preço ótimo no carregamento de posição em investimentos e nos desinvestimentos está delegada aos gestores externos, na carteira terceirizada e, na carteira, interna os títulos são prioritariamente levados a vencimento, sempre considerando o estudo de ALM realizado. Controle de Risco de Crédito - Instituições Financeiras A Diretoria de Investimentos e Planejamento da Visão Prev é responsável pelo acompanhamento do risco de crédito das instituições financeiras e atualizará periodicamente a Lista de Bancos, com os quais os gestores estarão autorizados a operar, considerando: - o porte da instituição financeira - o prazo dos títulos / papéis - nível de rating da instituição 6/16

7 O limite máximo para cada banco é definido por uma metodologia quantitativa, e será um valor em reais, considerando o montante de recursos do Plano bem como do patrimônio líquido da instituição, conforme a classificação de risco definida pelos indicadores analisados. - Instituições Não-Financeiras As aquisições de títulos emitidos por instituições não-financeiras serão analisadas caso a caso pelo Comitê de Investimentos. A área de Riscos deverá analisar cada emissão considerando aspectos como: - estrutura de capitais - liquidez - solidez financeira - rentabilidade - fluxo de caixa - capacidade de repagamento - projeções - análise do setor de atividade - histórico da companhia, reputação dos administradores - grupo econômico - perspectivas A emissão em questão deverá ter aprovação da estrutura da Vice Presidência de Investimentos, do Comitê de Investimentos da Entidade, e obter uma classificação mínima em pelo menos uma das principais agências classificadoras de risco de crédito em funcionamento no país. Segmento de Renda Variável: Benchmark 40% Índice Brasil (IBrX-100) + 45% Índice de Dividendos (IDIV) + 15% Índice Small Cap (SMLL) Nível de Risco Admitido Admite-se um nível de Benchmark VaR máximo de 5% a.a. para um horizonte de 21 dias úteis e com intervalo de confiança de 95%. 7/16

8 Limites de Alocação A alocação nas Carteiras definidas pela Resolução 3792 deve seguir os seguintes limites: Segmento Resolução CMN 3792 Limites (%) Política de Investimentos (% em relação ao total de recursos do plano) Máximo Mínimo Máximo Alvo Renda Variável 70,00 0,00 30,00 11,00 Novo mercado 70,00 0,00 30,00 4,51 Nível II 60,00 0,00 30,00 2,97 Bovespa Mais 50,00 0,00 30,00 0,00 Nível I 45,00 0,00 30,00 3,52 Outros 35,00 0,00 30,00 0,00 Fundo de índice + Cota de fundos de ações 35, SPE 20, Outros 3, Segmento Resolução CMN 3792 Limites (%) Política de Investimentos (% em relação ao total de recursos do plano) Máximo Mínimo Máximo Alvo Renda Variável 70,00 0,00 30,00 0,00 Novo mercado 70,00 0,00 30,00 0,00 Nível II 60,00 0,00 30,00 0,00 Bovespa Mais 50,00 0,00 30,00 0,00 Nível I 45,00 0,00 30,00 0,00 Outros 35,00 0,00 30,00 0,00 Fundo de índice + Cota de fundos de ações 35, SPE 20, Outros 3, Diversificação de Risco Res. CMN 3792 Visão Prev Limites de alocação por tipo de emissor Cia aberta com registro na CVM 10% 10% Demais emissores 5% 0% Limites de concentração por emissor Capital total de uma mesma companhia aberta ou SPE 25% 25% Capital votante de uma mesma companhia aberta 25% 25% Patrimônio líquido de uma mesma Instituição Financeira 25% 25% Restrições por Emissores Além das restrições de concentração por emissor, presentes na Resolução 3792: 8/16

9 Aplicações em ações de emissão de empresa ligada ao administrador só serão permitidas no caso das mesmas pertencerem aos índices de ações que compõe o benchmark. Formação de Preço Ótimo A estratégia de formação de preço ótimo no carregamento de posição em investimentos e nos desinvestimentos está delegada aos gestores externos. Outras Restrições Fica restrito um limite de 25% para aplicações em ações fora do benchmark, sendo limitado a 5% para os gestores e 20% para os fundos especialistas, cuja gestão se baseia em análises fundamentalistas com foco ainda maior no investimento de longo prazo. Segmento de Investimentos Estruturados: Não há previsão de investimentos neste Segmento para os planos de modalidade Benefício Definido, uma vez que toda a alocação está baseada em estudo de ALM Asset Liability Management. Segmento de Investimentos no Exterior: Não há previsão de investimentos neste Segmento devido às complexidades envolvidas nesta operação, bem como ao fato de ainda termos boas opções de investimentos no mercado interno. Segmento de Imóveis: Não há previsão de investimentos neste Segmento devido as complexidades envolvidas, a necessidade de administração do bem além de nessa modalidade assumir-se todos os riscos do setor imobiliário. Segmento de Empréstimos e Financiamentos: Benchmark INPC + 4,5% a.a. 9/16

10 A aplicação de recursos neste segmento é utilizada como um benefício adicional aos participantes, uma vez que é uma fonte de crédito mais barata do que é comum encontrar no mercado. Trata-se também, de um bom investimento, pois tem remuneração superior à taxa atuarial. Além disso, o risco de inadimplência é muito reduzido, uma vez que os pagamentos são efetuados via desconto em folha de pagamento ou, em último caso, abatimento da reserva acumulada pelo participante. Segmento Resolução CMN 3792 Limites (%) Política de Investimentos (% em relação ao total de recursos do plano) Máximo Mínimo Máximo Alvo Empréstimos e Financiamentos 15,00 0,00 5,00 2,00. Empréstimos 15,00 0,00 5,00 2,00. Financiamentos 15, Controle de Risco de Mercado O controle de risco de mercado é feito com base nos limites de Benchmark VaR estabelecidos nessa Política de investimento. O Benchmark VaR adotado é o modelo Paramétrico, com cálculo de volatilidade por Ewma e λ (Lambda) de 0,94, calculado com base em um período de 21 dias úteis e com intervalo de confiança de 95%. No caso de rompimento dos limites de Benchmark VaR, ficam proibidos aumentos de exposições a risco, e é convocado comitê extraordinário do gestor para decidir se a posição geradora do rompimento do limite deverá ser reduzida, eliminada ou mantida para redução em momento mais propício. Outras Políticas Política de Utilização de Instrumentos de Derivativos A utilização de operações com instrumentos disponíveis no mercado de derivativos tem como objetivo principal proteger a carteiras dos diversos segmentos de aplicação das oscilações de mercado. No caso do segmento de renda variável, a manutenção da exposição da carteira ao mercado de bolsa de 10/16

11 valores, sem necessariamente adquirir ações, por meio de compra de índices futuros relacionados ao benchmark de renda variável. A utilização de derivativos tem, portanto, o objetivo principal de proteção (hedge) da carteira, sendo vetada a alavancagem de suas posições. Considerando que a gestão de parte das Carteiras de Investimentos está terceirizada com gestores externos, selecionados conforme critérios estabelecidos nesta política, tais gestores deverão observar as seguintes condições: I - avaliação prévia dos riscos envolvidos; II - existência de sistemas de controles internos adequados às suas operações; III - registro da operação ou negociação em bolsa de valores ou de mercadorias e futuros; IV - atuação de câmaras e prestadores de serviços de compensação e de liquidação como contraparte central garantidora da operação; V - depósito de margem limitado a quinze por cento da posição em títulos da dívida pública mobiliária federal, títulos e valores mobiliários de emissão de instituição financeira autorizada a funcionar pelo Bacen e ações pertencentes ao Índice Bovespa da carteira de cada plano ou fundo de investimento; e VI - valor total dos prêmios de opções pagos limitado a cinco por cento da posição em títulos da dívida pública mobiliária federal, títulos e valores mobiliários de emissão de instituição financeira autorizada a funcionar pelo Bacen e ações pertencentes ao Índice Bovespa da carteira de cada plano ou fundo de investimento, sendo que, para verificação dos limites estabelecidos neste item e no anterior, não serão considerados os títulos recebidos como lastro em operações compromissadas. Principais instrumentos de derivativos utilizados: Contratos de DI Futuro Contratos de Índice Futuro de ações Swaps (troca de taxa) que: Especificamente com relação às operações com opções, fica estabelecido Ficam vedadas as operações de venda de opções. Os Gestores de Recursos contratados deverão adicionalmente encaminhar mensalmente um documento a respeito da realização das estratégias de gestão utilizando o mercado de derivativos, contendo os fundamentos para a realização de tais operações, indicando os resultados esperados e posteriormente os efetivos. 11/16

12 Descrição da Relação com a Patrocinadora Os limites para investimentos em ativos de emissão da Patrocinadora, ou qualquer empresa do grupo, deverão seguir os limites e procedimentos estabelecidos nesta Política de Investimentos, além de cumprir todas as determinações da legislação vigente. Descrição do processo de escolha de Instituições Financeiras, contrapartes das operações A escolha das Instituições Financeiras que serão contrapartes das operações de todos os fundos exclusivos nos quais o Plano aplica seus recursos seguirá os mesmos critérios do Controle de Risco de Crédito. Isto porque em operações compromissadas, por exemplo, o risco de crédito está associado em primeiro lugar à contraparte da operação. No caso dos fundos exclusivos com gestão terceirizada, a lista de contrapartes autorizadas será fornecida periodicamente aos gestores dos fundos, sendo observados os critérios de segurança, solidez, liquidez e performance. Descrição do processo de escolha de Corretoras No caso dos fundos exclusivos que fazem parte da carteira do Plano, a Visão Prev enquanto não concluir seu processo de seleção de corretoras, delega a escolha das corretoras aos respectivos gestores dos fundos que, entretanto, devem observar os critérios de segurança, solidez, liquidez e nível de devolução de corretagens. A escolha de corretoras com as quais a Visão Prev venha a operar, nos casos de operações com ativos pertencentes à carteira interna do Plano, é de responsabilidade da Diretoria de Investimentos e Planejamento, sendo também observados os critérios de segurança, solidez, liquidez e nível de devolução de corretagens. Descrição do processo de Terceirização de Gestão e Custódia A terceirização da Gestão dos recursos foi feita através de um processo de seleção, realizado pela Visão Prev e englobou as seguintes fases: Pré-qualificação foi utilizado o ranking da ANBIMA de administradores de recursos para selecionar os participantes do processo. 12/16

13 Envio de questionário aos gestores pré-qualificados foi enviado um questionário envolvendo questões qualitativas e quantitativas, além de propostas de taxas de administração. Critérios Qualitativos histórico da empresa e dos controladores, capacitação técnica, práticas de marcação a mercado, estrutura de suporte e de controle, entre outros. Critérios Quantitativos rentabilidade histórica, riscos incorridos, total de recursos administrados, entre outros. Análise das informações as respostas e informações enviadas pelos candidatos foram avaliadas segundo critérios técnicos, e assim receberam notas de 1 a 5. Ranking após a definição de pesos para cada quesito, chegou-se a uma nota final, pela qual os candidatos foram ordenados, levando-se também em consideração as propostas de taxas de administração. Definição os melhores colocados no ranking são escolhidos como gestores dos recursos. As quantidades mínima e máxima de gestores terceirizados são de 4 e 8, respectivamente, com percentuais mínimos e máximos de 0,5% e 25%, respectivamente, dos Recursos Garantidores do Plano excluindo-se os fundos de ações livre, denominados fundos especialistas que podem representar até 20% do segmento de renda variável do Plano. Atualmente, a Entidade conta com 6 (seis) gestores terceirizados e 2 (dois) gestores de fundos especialistas que são avaliados ao final de cada exercício onde é levado em consideração os objetivos dos segmentos, sendo que os fundos especialistas são investimentos totalmente voltados para o longo prazo. Em 2010, com a aprovação na 24ª reunião do Conselho Deliberativo, foi implementado um fundo exclusivo, denominado Mirante Index FI, com investimentos em títulos indexados à inflação, que terá a gestão própria da Entidade. A terceirização da Custódia dos recursos foi feita através de um processo de seleção semelhante ao processo de seleção de gestores, realizado pela Diretoria Executiva da Visão Prev, aonde foram abordados critérios técnicos, além da análise das propostas financeiras. Para a Entidade a atividade de administração de recursos é complementar à de Custódia e por este motivo é executada pelo mesmo agente. 13/16

14 Participação em Assembléias de Acionistas A Visão Prev irá participar em Assembléia de Acionistas nos seguintes casos: Capital Votante acima de 5% da empresa emissora Capital Total acima de 5% da empresa emissora Acima de 10% dos Recursos Garantidores do Plano Descrição das Informações sobre o Agente Custodiante A Visão Prev utiliza agente autorizado pela CVM Comissão de Valores Mobiliários para prestar serviço de custódia dos ativos financeiros presentes em sua carteira. Este agente de custódia é responsável pelo apreçamento dos ativos, utilizando para isso metodologia amplamente utilizada pelo mercado financeiro, respeitando-se as normas do Banco Central e também da CVM. Controles de Riscos Além dos riscos já mencionados a Visão Prev observa os seguintes controles de riscos: Risco de Liquidez: Os gestores de recursos devem aplicar preferencialmente em ativos com liquidez e todos os ativos são marcados a mercado, possibilitando que as posições sejam desfeitas sem impactos relevantes nos investimentos, contudo, as mesmas deverão preferencialmente ser levadas a vencimento, considerando o estudo de ALM realizado. Além disso, os gestores de recursos deverão observar as variáveis do cenário econômico que possam alterar a disponibilidade e os custos dos recursos. Risco Operacional: É utilizado sistema de controle de riscos operacionais, desenvolvido por Consultoria especializada em fundos de Pensão, que tem como metodologia o Control Self Assessment - CSA. Risco Legal: A Entidade conta com departamento jurídico próprio, responsável pelo monitoramento do risco legal de forma contínua. Risco Sistêmico: 14/16

15 No âmbito financeiro, por definição, trata-se do risco de difícil mensuração e mitigação de forma isolada por um único agente econômico. Desta forma, a Entidade realiza reuniões periódicas com seus gestores a fim de identificar eventuais cenários desfavoráveis no tocante a este risco. Princípios de Responsabilidade Socioambiental A Entidade realiza aplicações em ativos de emissão de Empresas que adotam princípios de responsabilidade socioambiental, mas não vem utilizando critérios de seleção de investimentos que identificam princípios de responsabilidade socioambiental. Contudo, nos próximos anos, observada a evolução da oferta de instrumentos em consonância com tais práticas, irá reavaliar a inclusão de tais princípios. Conflitos de Interesse e Responsabilidades Agentes envolvidos: A Entidade (Conselho Deliberativo, Conselho Fiscal, Comitê de Investimentos e Diretoria Executiva); O Administrador Estatutário Tecnicamente Qualificado; O(s) Gestor(es) de Recursos; O Custodiante; Qualquer funcionário, agente ou terceiro envolvido na prestação de serviços relacionados à gestão de recursos do Plano. Conflito de interesse: Nenhum dos agentes, acima listados, pode exercer seus poderes em beneficio próprio ou de terceiros. Não podem, também, se colocar em situações de conflito ou de potencial conflito entre seus interesses pessoais, profissionais, da Patrocinadora e deveres relacionados à gestão dos recursos do Plano. Os agentes, acima listados, devem expor qualquer associação direta, indireta ou envolvimentos que poderiam resultar qualquer percepção atual ou potencial de conflito de interesses em relação aos investimentos do Plano. 15/16

16 Descrição das Informações sobre Consultorias A seguinte consultoria presta serviços para a Visão Prev: Consultoria Atuarial TOWERS WATSON Consultoria de Risco - RiskOffice 16/16

Política de Investimentos Plano de Gestão Administrativa - PGA

Política de Investimentos Plano de Gestão Administrativa - PGA Plano de Gestão Administrativa - PGA Ano de Vigência - 2015 1/13 Introdução Este documento formaliza os objetivos e restrições de investimento da gestão dos recursos do, através da designação dos segmentos

Leia mais

Política de Investimentos Plano de Gestão Administrativa - PGA

Política de Investimentos Plano de Gestão Administrativa - PGA Plano de Gestão Administrativa - PGA 1/17 Introdução Este documento formaliza os objetivos e restrições de investimento da gestão dos recursos, especificamente do Plano de Gestão Administrativa - PGA,

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA OABPREV-PR PARA O EXERCÍCIO DE 2007/2009

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA OABPREV-PR PARA O EXERCÍCIO DE 2007/2009 POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA OABPREV-PR PARA O EXERCÍCIO DE 2007/2009 1- OBJETIVOS A Política de Investimentos dos Recursos Garantidores das Reservas Técnicas da OABPrev-PR, tem por objetivo a maximização

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS Segurança nos investimentos Gestão dos recursos financeiros Equilíbrio dos planos a escolha ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 A POLÍTICA DE INVESTIMENTOS...4 SEGMENTOS DE APLICAÇÃO...7 CONTROLE

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PREVICOKE SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA PLANO DE BENEFÍCIOS PREVICOKE 2009 Classified - Internal use ÍNDICE Finalidade da Política de Investimentos... 3 PARTE I... 3 1. Objetivos

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS CAGEPREV - FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO DE BENEFÍCIO DE CONTRIBUIÇÃO VARIÁVEL Vigência: 01/01/2013 a 31/12/2017 1. OBJETIVOS A Política de Investimentos tem

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS CAGEPREV - FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA Vigência: 01/01/2013 a 31/12/2017 1. OBJETIVOS A Politica de Investimentos tem como objetivo

Leia mais

Instituto de Previdência dos Servidores Públicos Municipais de Pelotas - PREVPEL. Política de Investimentos Exercício de 2013

Instituto de Previdência dos Servidores Públicos Municipais de Pelotas - PREVPEL. Política de Investimentos Exercício de 2013 Instituto de Previdência dos Servidores Públicos Municipais de Pelotas - PREVPEL Política de Investimentos Exercício de 2013 Política de Investimentos do RPPS do Município de Pelotas RS, aprovada pelo

Leia mais

Política Anual de Investimentos. Período : 01/2010 a 12/2010

Política Anual de Investimentos. Período : 01/2010 a 12/2010 Regime Próprio de Previdência Social de Varginha(MG) Política Anual de Investimentos Período : 01/2010 a 12/2010 Política de Investimentos do RPPS do Município de Varginha(MG), aprovada em30/12/2009. 1.

Leia mais

a) mercados de derivativos, tais como, exemplificativamente, índices de ações, índices de preços, câmbio (moedas), juros;

a) mercados de derivativos, tais como, exemplificativamente, índices de ações, índices de preços, câmbio (moedas), juros; CREDIT SUISSE HEDGINGGRIFFO 1. Públicoalvo LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o CSHG EQUITY HEDGE LEVANTE FUNDO DE INVESTIMENTO

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA OABPREV-PR PARA O EXERCÍCIO DE 2010/2012

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA OABPREV-PR PARA O EXERCÍCIO DE 2010/2012 POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA OABPREV-PR PARA O EXERCÍCIO DE 2010/2012 1- OBJETIVOS A Política de Investimentos dos Recursos Garantidores do Plano de Benefícios Previdenciários dos Advogados - PBPA e do

Leia mais

POLITICA DE INVESTIMENTOS EXERCÍCIO 2.011 SUMÁRIO

POLITICA DE INVESTIMENTOS EXERCÍCIO 2.011 SUMÁRIO SERVIÇO DE PREVIDÊNCIA MUNICIPAL Rua Monsenhor Soares nº. 65 Centro Itapetininga SP Fones (015)3271-0728 e 3271-7389(telefax) E-mail: seprem@uol.com.br POLITICA DE INVESTIMENTOS EXERCÍCIO 2.011 SUMÁRIO

Leia mais

Fundo multimercado que tem como objetivo buscar rentabilidade acima do Certificado de Depósito Interbancário - CDI.

Fundo multimercado que tem como objetivo buscar rentabilidade acima do Certificado de Depósito Interbancário - CDI. LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS 1. Público-alvo dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o CSHG VERDE FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO.

Leia mais

9) Política de Investimentos

9) Política de Investimentos 9) Política de Investimentos Política e Diretrizes de Investimentos 2010 Plano de Benefícios 1 Segmentos Macroalocação 2010 Renda Variável 60,2% 64,4% 28,7% 34,0% Imóveis 2,4% 3,0% Operações com Participantes

Leia mais

PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA

PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2015 PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA Aprovado pelo Conselho Deliberativo da Fundação Baneb de Seguridade Social Bases, no dia 28 de novembro de 2014, Ata nº 279. SUMÁRIO 1 DOS

Leia mais

RESOLUÇÃO 3.922 -------------------------

RESOLUÇÃO 3.922 ------------------------- RESOLUÇÃO 3.922 ------------------------- Dispõe sobre as aplicações dos recursos dos regimes próprios de previdência social instituídos pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios. O Banco Central

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTO - 2015

POLÍTICA DE INVESTIMENTO - 2015 POLÍTICA DE INVESTIMENTO - 2015 A presente Política de Investimento tem como objetivo principal estabelecer condições para que os recursos dos Planos de Benefícios desta Entidade sejam geridos visando

Leia mais

MSD PREV - Politica de Investimentos 2015-2019 ÍNDICE

MSD PREV - Politica de Investimentos 2015-2019 ÍNDICE POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2015-2019 Plano de Benefícios Plano de Gestão Administrativa ÍNDICE 1. A MSD PREV Sociedade de Previdência Privada... 3 2. Objetivos da Política de Investimentos... 3 3. Filosofia

Leia mais

Diretrizes para Seleção e Avaliação de Gestores e/ou Administradores, Custodiantes e Corretoras

Diretrizes para Seleção e Avaliação de Gestores e/ou Administradores, Custodiantes e Corretoras Anexo à Política de Investimento Diretrizes para Seleção e Avaliação de Gestores e/ou Administradores, Custodiantes e Corretoras 2014 a 2018 Novembro de 2013 1 ÍNDICE 1. PROCESSO DE SELEÇÃO E AVALIAÇÃO

Leia mais

LW REPORT INVESTINDO COM OS FUNDOS DE PENSÃO BRASILEIROS. As regras do jogo. 01 Abril 2013. Principais áreas de atuação:

LW REPORT INVESTINDO COM OS FUNDOS DE PENSÃO BRASILEIROS. As regras do jogo. 01 Abril 2013. Principais áreas de atuação: LW REPORT 01 Abril 2013 Principais áreas de atuação: Societário e mercado de capitais Restructuring and Finance Real Estate M&A Executive Compensation and Benefits Direito Empresarial Externo INVESTINDO

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2010 Tibagi Tibagiprev. - 1 - Índice pág. 1 Introdução 3 2 Objetivos 4 3 Diretrizes de Alocação dos Recursos 6 4 Diretrizes para Gestão dos Segmentos 8 Tibagi Tibagiprev. - 2

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDENCIA DO MUNICIPIO DE ALMIRANTE TAMANDARÉ - IPMAT

INSTITUTO DE PREVIDENCIA DO MUNICIPIO DE ALMIRANTE TAMANDARÉ - IPMAT RESOLUÇÃO Nº. 01/2009 Em cumprimento a Resolução nº. 3790/2009 de 24 de Setembro de 2009, do Conselho Monetário Nacional, o CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DO IPMAT, no uso de suas atribuições legais e de conformidade

Leia mais

R e s o l u ç ã o. B a n c o C e n t r a l d o B r a s i l

R e s o l u ç ã o. B a n c o C e n t r a l d o B r a s i l R e s o l u ç ã o 3 7 9 0 B a n c o C e n t r a l d o B r a s i l S u m á r i o SEÇÃO I: DA ALOCAÇÃO DOS RECURSOS E DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS... 1 Subseção I: Da Alocação dos Recursos... 1 Subseção

Leia mais

Política Anual de Investimentos (PAI)

Política Anual de Investimentos (PAI) Política Anual de Investimentos (PAI) 2013 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVOS... 3 2.1 OBJETIVO GERAL... 3 2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 3 VIGÊNCIA... 3 4 MODELO DE GESTÃO... 4 5 PROCESSO DE SELEÇÃO

Leia mais

1. Público-alvo. 2. Objetivos

1. Público-alvo. 2. Objetivos LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O VIDA FELIZ FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 07.660.310/0001-81 OUTUBRO/2015

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O VIDA FELIZ FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 07.660.310/0001-81 OUTUBRO/2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o Vida Feliz Fundo de Investimento em Ações. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo,

Leia mais

REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES EFETIVOS DO MUNICÍPIO DE DOIS IRMÃOS RPPSMDI

REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES EFETIVOS DO MUNICÍPIO DE DOIS IRMÃOS RPPSMDI REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES EFETIVOS DO MUNICÍPIO DE DOIS IRMÃOS RPPSMDI FUNDO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE DOIS IRMÃOS - FPSMDI POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2014 Aprovada

Leia mais

PSS - Seguridade Social

PSS - Seguridade Social POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PARA 2012 PLANO C 1. Objetivos Esta versão da Política de Investimentos, que estará em vigor durante o ano de 2012, tem como objetivo definir as diretrizes dos investimentos do

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PARA 2010

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PARA 2010 POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PARA 2010 Subordinada à Resolução CMN nº 3.792 de 24/09/09 1- INTRODUÇÃO Esta política tem como objetivo estabelecer as diretrizes a serem observadas na aplicação dos recursos

Leia mais

Política e Alternativas de Investimentos. Alessandra Cardoso Towers Watson

Política e Alternativas de Investimentos. Alessandra Cardoso Towers Watson Política e Alternativas de Investimentos Alessandra Cardoso Towers Watson Processo de gestão de recursos Governança Definir Definição dos objetivos Alocação dos recursos Estrutura de investimento Executar

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SPINELLI FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 55.075.238/0001-78 SETEMBRO/2015

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SPINELLI FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 55.075.238/0001-78 SETEMBRO/2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o Spinelli Fundo de Investimento em Ações. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo,

Leia mais

Política Anual de Investimentos Exercício de 2012

Política Anual de Investimentos Exercício de 2012 Política Anual de Investimentos Exercício de 2012 Política de Investimento -2012 1 SUMARIO 1. Introdução... 03 2. Divulgação da Política de Investimentos... 03 3. Objetivos... 03 4. Composição dos Investimentos

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PARA 2013

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PARA 2013 INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE ALMIRANTE TAMANDARÉ, pessoa jurídica de direito público interno, inscrito no CNPJ 05093137/000151 sediado à Rua Trav. Paulo Bini,27,

Leia mais

Plano Básico de Benefícios - PBB

Plano Básico de Benefícios - PBB 22/12/2014 Ativos 1 - Fundamentação da Política Plano Básico de Benefícios - PBB Política de Investimentos - Período 2015 a 2019 Alocação dos Recursos - 2015 a 2019 Renda Fixa 5.083,0 81,0% 5.529,0 84,0%

Leia mais

FUNCEF DIRETORIA DE INVESTIMENTOS

FUNCEF DIRETORIA DE INVESTIMENTOS FUNCEF DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Brasília 26/03/2015 2 Recebimento de contribuições: R$ 1.746 milhões; Pagamento de benefícios e pensões: R$ 2.086 milhões; Participantes: 137,0 mil ativos e assistidos;

Leia mais

PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA

PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2016 PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA Aprovado pelo Conselho Deliberativo da Fundação Baneb de Seguridade Social Bases, no dia 27.11.2015, Ata nº 293. SUMÁRIO 1. DOS OBJETIVOS...

Leia mais

Letras Financeiras - LF

Letras Financeiras - LF Renda Fixa Privada Letras Financeiras - LF Letra Financeira Captação de recursos de longo prazo com melhor rentabilidade O produto A Letra Financeira (LF) é um título de renda fixa emitido por instituições

Leia mais

Fundação de Previdência dos Empregados da CEB

Fundação de Previdência dos Empregados da CEB Prezado(a) participante, Seguem informações referentes à Política de Investimento para o Plano Complementar de Benefícios da FACEB, Plano de Benefícios CEBPREV e Plano Administrativo PGA para o ano de

Leia mais

Gestão Ativa Perfil Renda Fixa Renda Variável Super Conservador 100% 0% Conservador 80% 20% Moderado 65% 35% Agressivo 50% 50%

Gestão Ativa Perfil Renda Fixa Renda Variável Super Conservador 100% 0% Conservador 80% 20% Moderado 65% 35% Agressivo 50% 50% III) Plano de Benefícios de Contribuição Definida (Plano CD) 1) Administracão dos Recursos: A administração dos recursos da Fundação Previdenciária IBM é terceirizada, sendo prerrogativa do Conselho Deliberativo

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Instituto de Previdência e Assistência dos Servidores do Município de Vitória INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03/2008

Instituto de Previdência e Assistência dos Servidores do Município de Vitória INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03/2008 Instituto de Previdência e Assistência dos Servidores do Município de Vitória INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03/2008 Institui a Política de Investimento para o exercício de 2008/2009. O Presidente do Instituto

Leia mais

BICBANCO Stock Index Ações Fundo de Investimento em Títulos e Valores Mobiliários (Administrado pelo Banco Industrial e Comercial S.A.

BICBANCO Stock Index Ações Fundo de Investimento em Títulos e Valores Mobiliários (Administrado pelo Banco Industrial e Comercial S.A. BICBANCO Stock Index Ações Fundo de Investimento em Títulos e Valores Mobiliários (Administrado pelo Banco Industrial e Comercial S.A.) Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 30 de

Leia mais

Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (C.N.P.J. nº 04.890.401/0001-15) (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.

Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (C.N.P.J. nº 04.890.401/0001-15) (Administrado pelo Banco J. Safra S.A. Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 30 de setembro de 2015 e relatório dos auditores independentes Relatório dos

Leia mais

Curso Preparatório CPA20

Curso Preparatório CPA20 Página 1 de 9 Você acessou como Flávio Pereira Lemos - (Sair) Curso Preparatório CPA20 Início Ambiente ) CPA20_130111_1_1 ) Questionários ) Passo 2: Simulado Módulo II ) Revisão da tentativa 1 Iniciado

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO

1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 1. INTRODUÇÃO Atendendo à legislação pertinente aos investimentos dos Regimes Próprios de Previdência Social RPPS, em especial à Resolução n 3.922 de 25 de novembro de 2010 do Conselho Monetário Nacional

Leia mais

DOUTOR MAURÍCIO CARDOSO-RS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

DOUTOR MAURÍCIO CARDOSO-RS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS RPPS Fundo de Aposentadoria e Pensão do Servidor FAPS DOUTOR MAURÍCIO CARDOSO-RS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2014 1. FINALIDADE DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS Este documento estabelece o modelo de investimentos

Leia mais

Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido (PRE) e Adequação do Patrimônio de Referência (PR) Circular Bacen 3.477/09

Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido (PRE) e Adequação do Patrimônio de Referência (PR) Circular Bacen 3.477/09 2013 Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido (PRE) e Adequação do Patrimônio de Referência (PR) Circular Bacen 3.477/09 2 ÍNDICE: 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS...

Leia mais

Cotas de Fundos de Investimento em Ações FIA

Cotas de Fundos de Investimento em Ações FIA Renda Variável Cotas de Fundos de Investimento em Ações FIA Cotas de Fundos de Investimento em Ações - FIA Mais uma alternativa na diversificação da carteira de investimento em ações O produto O Fundo

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2016 PLANO BÁSICO

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2016 PLANO BÁSICO POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2016 PLANO BÁSICO Aprovado pelo Conselho Deliberativo da Fundação Baneb de Seguridade Social Bases, no dia 27.11.2015, Ata nº 293. SUMÁRIO 1 DOS OBJETIVOS... 3 2 DA ESCOLHA DOS

Leia mais

BICBANCO STOCK INDEX AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS

BICBANCO STOCK INDEX AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS BICBANCO STOCK INDEX AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS (Administrado pelo Banco Industrial e Comercial S.A.) DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AO EXERCÍCIO FINDO EM 30 DE SETEMBRO

Leia mais

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Política de Investimentos

Política de Investimentos Política de Investimentos 2013 SERPROS Fundo Multipatrocinado Plano Serpro I PSI Aprovada pelo Comitê de Aplicações CAP em 13/12/2012 Aprovada pelo Conselho Deliberativo CDE em 19/12/2012 ÍNDICE 1. Introdução...3

Leia mais

Política de Investimentos 2015 a 2019 Plano DE GESTÃO AdministrativA

Política de Investimentos 2015 a 2019 Plano DE GESTÃO AdministrativA Sociedade Previdenciária DuPont do Brasil Política de Investimentos 2015 a 2019 Plano DE GESTÃO AdministrativA 1 Sociedade Previdenciária DuPont do Brasil 2 Regulamento do Plano Administrativo Duprev ÍNDICE

Leia mais

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - MODERADA MIX 20

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - MODERADA MIX 20 BENCHMARK RF:80.00% ( 100.00%CDI ) + RV:20.00% ( 100.00%IBRX 100 ) Relatório Gerencial Consolidado - Período de 01/04/2015 Posição e Desempenho da Carteira - Resumo a 30/04/2015 pg. 1 Posição Sintética

Leia mais

RESUMO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS APRESENTAÇÃO FEITA PARA OS PARTICIPANTES EM 18/01/2011

RESUMO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS APRESENTAÇÃO FEITA PARA OS PARTICIPANTES EM 18/01/2011 RESUMO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS APRESENTAÇÃO FEITA PARA OS PARTICIPANTES EM 18/01/2011 LUIZ DA PENHA JAN/2011 1. POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2011 PROCESSO DE INVESTIMENTOS REGULAÇÃO E FISCALIZAÇÃO DECISÃO

Leia mais

Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI. Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI

Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI. Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Certificado de Recebíveis Imobiliários Instrumento de captação de recursos e de investimentos no mercado imobiliário O produto O Certificado

Leia mais

Prazos e Riscos de Mercado

Prazos e Riscos de Mercado Prazos e Riscos de Mercado A Pilla Corretora oferece aos seus clientes uma gama completa de produtos e serviços financeiros. Nossa equipe de profissionais está qualificada para atender e explicar tudo

Leia mais

Resolução 3792. Principais Aspectos

Resolução 3792. Principais Aspectos Resolução 3792 Principais Aspectos Diretrizes para as aplicações princípios de segurança, rentabilidade, solvência, liquidez e transparência; boa fé, lealdade e diligência; elevados padrões éticos; cumprimento

Leia mais

Simulado CPA 10 Completo

Simulado CPA 10 Completo Simulado CPA 10 Completo Question 1. O SELIC é um sistema informatizado que cuida da liquidação e custódia de: ( ) Certificado de Depósito Bancário ( ) Contratos de derivativos ( ) Ações negociadas em

Leia mais

TREINAMENTOS PARA OS CONSELHOS DELIBERATIVO E FISCAL

TREINAMENTOS PARA OS CONSELHOS DELIBERATIVO E FISCAL TREINAMENTOS PARA OS CONSELHOS DELIBERATIVO E FISCAL Out/2014 OBJETIVO Estratégia de Investimento Política de Investimentos, Perfis de Investimentos, Agentes Envolvidos na Gestão e Classes de Ativos. POLÍTICA

Leia mais

Fundo Especial de Previdência do Município de LEME - LEMEPREV

Fundo Especial de Previdência do Município de LEME - LEMEPREV Fundo Especial de Previdência do Município de LEME - LEMEPREV POLÍTICA ANUAL DE INVESTIMENTOS 2011 No presente documento encontram-se diretrizes para guiar o processo de investimentos do Fundo Especial

Leia mais

DEMONSTRATIVO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

DEMONSTRATIVO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DEMONSTRATIVO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 1. ENTE Endereço: Bairro: Prefeitura Municipal de Itanhaém / SP AVENIDA WASHINGTON LUIS - 75 CENTRO (013) 3421-1600 Fax: (013) 3421-1600 CNPJ: Complemento: CEP:

Leia mais

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - CONSERVADORA FIX

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - CONSERVADORA FIX BENCHMARK 100.00%CDI Relatório Gerencial Consolidado - Período de 01/04/2015 Posição e Desempenho da Carteira - Resumo a 30/04/2015 pg. 1 Posição Sintética dos Ativos em 30/04/2015 Financeiro % PL FUNDOS

Leia mais

Política de Investimento 2013 a 2017

Política de Investimento 2013 a 2017 Política de Investimento 2013 a 2017 FUMPRESC Fundo Multipatrocinado de Previdência Complementar Santa Catarina APROVADA EM REUNIÃO DE CONSELHO DELIBERATIVO NO DIA 19/12/2012 Ata nº 91/2012. Índice 1.

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTO OABPREV-PR: PLANO PBPA. Aprovada pelo Conselho Deliberativo em 16/12/2013

POLÍTICA DE INVESTIMENTO OABPREV-PR: PLANO PBPA. Aprovada pelo Conselho Deliberativo em 16/12/2013 POLÍTICA DE INVESTIMENTO OABPREV-PR: PLANO PBPA Aprovada pelo Conselho Deliberativo em 16/12/2013 Vigência: 2014 a 2018 ÍNDICE 1. Sobre a Política de Investimento 2 2. Sobre o Plano e os seus Benefícios

Leia mais

Política de Investimentos

Política de Investimentos ENERPREV 2015 2019 Plano CD Enerpeixe Revisão 2015 Vigência: 01/01/2015 a 31/12/2015 APROVADA NA REUNIÃO DO CONSELHO DELIBERATIVO EM 11/12/2014 ÍNDICE PARTE I... 4 1. INTRODUÇÃO... 4 1.1. EMPRESAS PATROCINADORAS...

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO PERUIBEPREV PARA O EXERCICIO DE 2008

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO PERUIBEPREV PARA O EXERCICIO DE 2008 POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO PERUIBEPREV PARA O EXERCICIO DE 2008 INTRODUÇÃO Este documento formaliza os objetivos e restrições de investimento da gestão dos recursos do PERUIBEPREV, através da designação

Leia mais

F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de

F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro Demonstrações financeiras em 31 de março de 2004 e de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2014 IPRESI SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVOS... 3 2.1 OBJETIVO GERAL... 3 2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 3 VIGÊNCIA... 4 4 MODELO DE GESTÃO... 4 5

Leia mais

Política de Gerenciamento de Riscos Financeiros Endesa Brasil

Política de Gerenciamento de Riscos Financeiros Endesa Brasil Política de Gerenciamento de Riscos Financeiros Endesa Brasil Objeto Estabelecer uma política adequada de gerenciamento de riscos financeiros, de modo a resguardar as empresas do grupo Endesa Brasil de

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

3.3.2.2. O objetivo do FRONT é proporcionar ganhos de capital de longo prazo aos seus cotistas, através de um portfolio diversificado de aplicações.

3.3.2.2. O objetivo do FRONT é proporcionar ganhos de capital de longo prazo aos seus cotistas, através de um portfolio diversificado de aplicações. 1. Públicoalvo LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o CSHG GLOBAL CURRENCIES HEDGE FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO

Leia mais

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS 1. CONTEXTO A Porto Seguro Investimentos é uma Instituição Financeira privada, constituída em 8 de abril de 1991,

Leia mais

Política Anual de Investimentos Instituto de Previdência dos Servidores Públicos Municipais de Pelotas PREVPEL (RPPS) Exercício 2014

Política Anual de Investimentos Instituto de Previdência dos Servidores Públicos Municipais de Pelotas PREVPEL (RPPS) Exercício 2014 Política Anual de Investimentos Instituto de Previdência dos Servidores Públicos Municipais de Pelotas PREVPEL (RPPS) Exercício 2014 Política de Investimentos do RPPS do Município de Pelotas / RS aprovada

Leia mais

Mensagem da Administradora

Mensagem da Administradora Mensagem da Administradora Prezados Cotistas: Submetemos à apreciação de V.S.as. a demonstração da composição e diversificação das aplicações da CSN Invest Fundo de Investimento em Ações, em 31 de dezembro

Leia mais

Política de Investimentos 2015

Política de Investimentos 2015 DIRETRIZES DE INVESTIMENTO Fundo de Previdência Social dos Servidores do Município de Além Paraíba Política de Investimentos 2015 As aplicações de recursos nos segmentos de investimento definidos nesta

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS. Av. Gabriel de Lara, 1307 Leblon Paranaguá PR Cep 83.203-550 - (041) 3425-6969 - CNPJ - 08.542.

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS. Av. Gabriel de Lara, 1307 Leblon Paranaguá PR Cep 83.203-550 - (041) 3425-6969 - CNPJ - 08.542. POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2008 ÍNDICE 1 Introdução 2 Objetivo 3 Estrutura Organizacional para Tomada de Decisões de Investimento 4 Diretrizes de Alocação dos Recursos 4.1. Segmentos de Aplicação 4.2. Objetivos

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2009 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 2 2 OBJETIVOS... 2 2.1 OBJETIVO GERAL... 2 2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 2 3 VIGÊNCIA... 3 3.1 MODELO DE GESTÃO... 3 3.2 PROCESSO

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA MAUÁ PREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA PARA O ANO DE 2010

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA MAUÁ PREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA PARA O ANO DE 2010 POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA MAUÁ PREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA PARA O ANO DE 2010 1 Finalidade da Política de Investimentos: Este documento estabelece as maneiras pelas quais os ativos dos planos

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BNP PARIBAS MASTER CRÉDITO FI RENDA FIXA CRÉDITO PRIVADO LONGO PRAZO

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BNP PARIBAS MASTER CRÉDITO FI RENDA FIXA CRÉDITO PRIVADO LONGO PRAZO LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O CNPJ/MF: Informações referentes a Setembro de 2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o BNP PARIBAS MASTER CRÉDITO FI RENDA FIXA CRÉDITO

Leia mais

Regulamento - Perfil de Investimentos

Regulamento - Perfil de Investimentos Regulamento - Perfil de Investimentos 1. Do Objeto Este documento estabelece as normas gerais aplicáveis ao Programa de Perfil de Investimentos (Multiportfólio) da CargillPrev. O programa constitui-se

Leia mais

RaizPrev Entidade de Previdência Privada. Política de Investimentos Plano de Benefícios Raiz

RaizPrev Entidade de Previdência Privada. Política de Investimentos Plano de Benefícios Raiz RaizPrev Entidade de Previdência Privada Política de Investimentos Plano de Benefícios Raiz 2012 2 1 Introdução A RaizPrev Entidade de Previdência Privada por meio desta confirma a política de investimentos

Leia mais

Banrisul Governança Corporativa Fundo de Investimento em Ações

Banrisul Governança Corporativa Fundo de Investimento em Ações Banrisul Governança Corporativa Fundo de Investimento em Ações CNPJ 10.199.937/0001-91 (Administrado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. - CNPJ 92.702.067/0001-96) Demonstrações Financeiras

Leia mais

PROSPECTO SAFRA INDICIAL Fundo de Investimento em Ações CNPJ: 01.718.950/0001-19

PROSPECTO SAFRA INDICIAL Fundo de Investimento em Ações CNPJ: 01.718.950/0001-19 PROSPECTO SAFRA INDICIAL Fundo de Investimento em Ações CNPJ: 01.718.950/0001-19 Este Prospecto foi preparado com as informações necessárias ao atendimento das disposições do código de auto-regulação da

Leia mais

Retorno dos Investimentos 1º semestre 2011

Retorno dos Investimentos 1º semestre 2011 Retorno dos Investimentos 1º semestre 2011 Cesar Soares Barbosa Diretor de Previdência É responsável também pela gestão dos recursos garantidores dos planos de benefícios administrados pela Sabesprev,

Leia mais

Política de Exercício de Direito de Voto. (Versão 4.0 - Março/2015)

Política de Exercício de Direito de Voto. (Versão 4.0 - Março/2015) Política de Exercício de Direito de Voto (Versão 4.0 - Março/2015) 1. Objeto e Aplicação 1.1. Esta Política de Exercício de Direito de Voto ( Política de Voto ), em conformidade com as disposições do Código

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTO DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE JAGUARÃO-RS PARA O EXERCÍCIO DE 2014

POLÍTICA DE INVESTIMENTO DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE JAGUARÃO-RS PARA O EXERCÍCIO DE 2014 POLÍTICA DE INVESTIMENTO DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE JAGUARÃO-RS PARA O EXERCÍCIO DE 2014 1. Apresentação A presente Política de Investimentos visa atender as Portarias

Leia mais

CNPJ 05.086.234/0001-17 PERIODICIDADE MÍNIMA PARA DIVULGAÇÃO DA CARTEIRA DO FUNDO

CNPJ 05.086.234/0001-17 PERIODICIDADE MÍNIMA PARA DIVULGAÇÃO DA CARTEIRA DO FUNDO BRB FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO EM RENDA FIXA DI LONGO PRAZO 500 FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES Competência: 19/01/2016 CNPJ 05.086.234/0001-17 PERIODICIDADE MÍNIMA

Leia mais

1. PÚBLICO-ALVO: O fundo é destinado a investidores em geral que pretendam buscar investimentos com rentabilidade superior ao CDI.

1. PÚBLICO-ALVO: O fundo é destinado a investidores em geral que pretendam buscar investimentos com rentabilidade superior ao CDI. LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BNP PARIBAS HEDGE CLASSIQUE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO LONGO PRAZO CNPJ/MF: Informações referentes a Dezembro de 2014 Esta lâmina contém um resumo das informações

Leia mais

Renda Fixa Privada Notas Promissórias NP. Notas Promissórias - NP

Renda Fixa Privada Notas Promissórias NP. Notas Promissórias - NP Renda Fixa Privada Notas Promissórias - NP Uma alternativa para o financiamento do capital de giro das empresas O produto A Nota Promissória (NP), também conhecida como nota comercial ou commercial paper,

Leia mais

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul Relatório de Gestão de Riscos Conglomerado Cruzeiro do Sul Data-Base 31/12/2010 Superintendência de Riscos Índice 1. Introdução 3 2. Perímetro 3 3. Estrutura de Gestão de Riscos 3 3.1 Risco de Crédito

Leia mais

[POLÍTICA DE INVESTIMENTOS]

[POLÍTICA DE INVESTIMENTOS] [POLÍTICA DE INVESTIMENTOS] Este documento aborda o processo de seleção e alocação de valores mobiliários da Interinvest Data de Publicação: Abril de 2012 Política de Investimentos 1. Conteúdo do Documento

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O GRADIUS HEDGE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CNPJ: Nº 10.446.951/0001-42

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O GRADIUS HEDGE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CNPJ: Nº 10.446.951/0001-42 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O GRADIUS HEDGE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CNPJ: Nº Informações referentes à Abril de 2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o

Leia mais

DIRETRIZES DE FINANÇAS FUNDAÇÃO SÃO FRANCISCO DE SEGURIDADE SOCIAL - DEZEMBRO DE 2010 -

DIRETRIZES DE FINANÇAS FUNDAÇÃO SÃO FRANCISCO DE SEGURIDADE SOCIAL - DEZEMBRO DE 2010 - DIRETRIZES DE FINANÇAS FUNDAÇÃO SÃO FRANCISCO DE SEGURIDADE SOCIAL - DEZEMBRO DE 2010 - POLÍTICA DE INVESTIMENTO 2011-2015 PARTE 1 POLÍTICA DE INVESTIMENTO DO PLANO DE BENEFÍCIOS I 2 ÍNDICE PARTE 1...

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO INVESTIDORES DE PERNAMBUCO

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO INVESTIDORES DE PERNAMBUCO ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO INVESTIDORES DE PERNAMBUCO I - Denominação e Objetivo Artigo 1º - O CLUBE DE INVESTIMENTO INVESTIDORES DE PERNAMBUCO, constituído por número limitado de membros

Leia mais

Política de Investimentos PGA. 2011 a 2015

Política de Investimentos PGA. 2011 a 2015 Política de Investimentos PGA 2011 a 2015 Fundação Saelpa de Seguridade Social Plano de Gestão Administrativa Índice 1. Introdução... 3 2. Plano de Gestão Administrativa... 3 3. Alocação de recursos e

Leia mais

Política de Investimentos 2010 a 2014. Plano Faelce BD

Política de Investimentos 2010 a 2014. Plano Faelce BD Política de Investimentos 2010 a 2014 Plano Faelce BD Índice 1. Introdução... 3 2. Princípios de governança... 3 3. Plano de benefícios... 4 4. Estrutura Organizacional... 4 5. Asset Liability Management

Leia mais

ATLÂNTICO II FUNDO DE INVESTIMENTO REFERENCIADO DI CRÉDITO PRIVADO CNPJ: 09.130.513/0001-91 ABRIL/2013

ATLÂNTICO II FUNDO DE INVESTIMENTO REFERENCIADO DI CRÉDITO PRIVADO CNPJ: 09.130.513/0001-91 ABRIL/2013 ATLÂNTICO II FUNDO DE INVESTIMENTO REFERENCIADO DI CRÉDITO PRIVADO CNPJ: 09.130.513/0001-91 ABRIL/2013 Administração, Gestão, Distribuição e Serviços de Terceiros Administrador Votorantim Asset Management

Leia mais

Política de Exercício de Direito de Voto em Assembleias Março / 2014

Política de Exercício de Direito de Voto em Assembleias Março / 2014 Política de Exercício de Direito de Voto em Assembleias Março / 2014 1. OBJETIVO O objetivo da Política de Voto (ou simplesmente Política ) é determinar as regras que deverão ser observadas pelos Fundos

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O K1 FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTOS MULTIMERCADO

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O K1 FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTOS MULTIMERCADO LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O K1 FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTOS MULTIMERCADO Informações referentes a Outubro de 2015 Esta lâmina contém um resumo das informações

Leia mais