Sistema de detecção e alarme de incêndio

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistema de detecção e alarme de incêndio"

Transcrição

1 Sistema de detecção e alarme de incêndio Composição do Sistema, Avaliações Laboratoriais, Normas, Legislação, Projetos e Comissionamento Ivan Faccinetto Böttger Proteção Ativa A proteção ativa pode ser entendida como aquela que, em face da ocorrência do incêndio, o sistema instalado na edificação responde aos estímulos provocados pelo fogo de forma manual ou automática, como por exemplo: extintores de incêndio; sistema de hidrantes e magotinhos; sistema de chuveiros automáticos; sistema de alarme de incêndio; sistema de detecção de fumaça; sistema de sinalização de emergência; sistema de comunicação de emergência; sistema de iluminação de emergência; sistema de exaustão de fumaça. 1

2 Princípio de Incêndio Sendo o fogo detectado em sua fase inicial, mais fácil será controlá-lo, minimizando seus efeitos, além disso, serão maiores as chances dos ocupantes da edificação escaparem sem sofrer qualquer tipo de injúria. Uma vez que o fogo é identificado, as seguintes ações são normalmente tomadas: alertar o controle central da edificação; fazer as primeiras tentativa de extinção do foco do incêndio; alertar usuários para o abandono da edificação; informar o Corpo de Bombeiros. Objetivo do Sistema de Detecção. O sistema de detecção e alarme de incêndio é utilizado com o intuito de vencer, o mais rápido possível estas ações, propiciando a possibilidade de tomarse uma atitude imediata de controle do fogo e de evacuação da edificação, quando essa for necessária. 2

3 Componentes do sistema 3

4 Configuração básica (mais usada) COMPONENTES DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO 4

5 Central Equipamento de controle e indicação A central é o equipamento destinado a processar os sinais provenientes dos circuitos de alarme e converte-los em indicação adequada. Também comanda e controla os demais componentes do sistema. É usada para supervisionar automaticamente o correto funcionamento do sistema e dar um aviso sonoro e/ou visual de falhas específicas identificando e ativando um sinal de alarme de incêndio. Pode também indicar a localização do incêndio, memorizando qualquer informação recebida. Pode ser configurada também, para transmitir o sinal de alarme de incêndio, por exemplo, para os bombeiros ou a uma instalação de extinção automática Central Equipamento de controle e indicação Basicamente uma central de controle e alarme de incêndio é divida em quatro partes: módulo de entrada: supervisionam a fiação dos detectores, acionadores manuais e as linhas de detecção contra o rompimento dos fios que os alimentam com a tensão e corrente exatas para o seu funcionamento. Recebem, em caso de alarme, essa informação e retransmitem para o sistema lógico da central, além de manter o estado de alarme na linha até a re-inicialização manual; módulo de lógica: a lógica da central converte as informações de alarme de incêndio em comandos pré-estabelecidos para atuar sobre os módulos de saída. Esta lógica é estabelecida e acordada entre o cliente, o projetista do sistema, o projetista de central e o pessoal capacitado que posteriormente utilizará o sistema; módulo de saída: Os módulos de saída atuam sobre os avisadores audiovisuais e comandam, em sistemas automáticos, o disparo dos agentes de extinção e equipamentos secundários como sistemas de ar condicionado, fechamento de portas, sistema de exaustão de fumaça, entre outros. Em sistemas com combate, as linhas de comando são supervisionadas contra o rompimento de fio, para os avisadores destas áreas específicas e também para os comandos de disparo; módulos de alimentação: A alimentação de um sistema de alarme de incêndio é sempre dupla. Normalmente se utiliza como alimentação primária a rede de energia 110/220Vac e um banco de baterias de 24Vcc como alimentação em caso de falta de energia AC. Esta bateria deve estar sempre com sua capacidade nominal completa para manter o sistema em funcionamento por um tempo definido estabelecido entre o cliente e o projetista. 5

6 Central Equipamento de controle e indicação A Central deve ser capaz de indicar de forma inequívoca as seguintes condições funcionais: condição normal: quando a central está energizada por uma fonte de alimentação e nenhuma outra condição funcional esteja indicada; condição de alarme de incêndio: quando um alarme de incêndio está indicado; condição de sinal de supervisão: quando um sinal de supervisão está indicado; condição de aviso de falha: quando algum componente interligado a central apresenta algum problema de comunicação; condição de desabilitação: quando alguma função da central está desabilitada; condição de teste: quando a central está executando testes em seus componentes e sistema. Central Equipamento de controle e indicação Podem ser: Endereçáveis:Os componentes do sistema (acionadores manuais, avisadores) recebem um número, chamado de endereço. Todos os componentes do sistema ficam constantemente monitorando o barramento e quando lêem os seus endereços presentes no mesmo, se ativam, estabelecendo uma comunicação com a central Convencionais:A definição de central convencional vem da maneira como os componentes ou circuitos são interligadas com a central. No tipo convencional, existe um fio, ou conjunto de fios, ligando cada zona até a central 6

7 Painel Repetidor São equipamentos que mostram remotamente, informações identificadas pela central. Os modelos mais simples mostram através de LEDS a zona que foi ativada e em outros casos possuem uma planta do local, com o led acendendo no ponto respectivo. Outros modelos informam em forma de texto em um display, vários dados com o nome da zona alarmada e também o tipo de problema identificado, existe um fio, ou conjunto de fios, ligando cada zona até a central Acionadores Manuais Componente do sistema que possibilita a iniciação manual de um alarme de incêndio. Os acionadores manuais devem conter, no mínimo, dois leds de indicação. A indicação do alarme recebido deve estar na cor vermelha e, quando possível, estar piscando. A indicação verde piscando ou com iluminação constante indica o funcionamento normal do dispositivo e sua interligação com uma central convencional. Segundo a ISO (INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION, 2005) são definidos dois tipos de acionadores: 7

8 Acionadores Manuais Tipo A: operação direta (ação única) nesse tipo, a alteração para a situação de alarme é feita simplesmente quando o elemento frangível é quebrado ou deslocado; Tipo B: operação indireta (ação dupla) nesse tipo, além da quebra ou do deslocamento do elemento frangível, será necessária a outra operação como o acionamento de um botão. Avisadores Audiovisuais Os avisadores sonoros e/ou visuais como dispositivos que tem a função de alertar as pessoas que se afastem da área afetada em caso de situação de alarme de incêndio. Devem ter características de audibilidade ou visibilidade compatíveis com o ambiente em que estão instalados, de forma a serem ouvidos ou vistos em qualquer ponto do ambiente em que se encontram nas condições normais de trabalho desse ambiente. As funções básicas dos avisadores são: Informar o pessoal responsável de uma área para que se possam tomar as medidas necessárias para segurança em um princípio de incêndio; Avisar as pessoas dentro das áreas afetadas pelo incêndio para evacuação; Indicar as saídas de emergências que devem ser usadas para o abandono da área; Controlar o fluxo de saída do pessoal para evitar tumulto, não obstruindo o caminho para a entrada da brigada de incêndio ou dos bombeiros; 8

9 Avisadores Audiovisuais Os avisadores visuais devem: a) Ser pulsantes, com freqüência entre 1 Hz e 6 Hz (NBR 17240) ou entre 1 Hz e 5 Hz (NBR 9050); b) Ter intensidade luminosa mínima de 15 cd e máxima de 300 cd. c) Ter aparência intermitente; d) Ter luz em xenônio de efeito estroboscópico ou equivalente; e) Ter a intensidade mínima de 75 candelas; Os avisadores sonoros devem: a) Ter intensidade e freqüência entre 500 Hz e Hz; b) Freqüência variável alternadamente entre som grave e agudo, se o ambiente tiver muitos obstáculos sonoros (colunas ou vigas); c) Intermitência de 1 a 3 vezes por segundo; d) Intensidade de no mínimo 15 dba superior ao ruído médio do local ou 5 dba acima do ruído máximo do local. Avisadores Audiovisuais Podem ser caracterizados como: a) gongos; b) avisadores eletrônicos; c) avisador visual tipo flash; d) Avisador audiovisual; 9

10 Detectores Automáticos Detector de fumaça; Detector de temperatura; Detetor de chama Características Detector iônico; Detector ótico; Detector combinado; CFTV Detector pontual Detector sucção Detector Linear Detectores de Fumaça Esse componente do sistema tem como objetivo atuar na presença dos gases gerados pela combustão. Seu princípio de funcionamento é simples e é baseado na reflexão da luz emitida de uma fonte luminosa interna do detector que incide sobre as partículas de fumaça em suspensão no ar. A luz refletida é captada por uma foto-célula que gera um sinal elétrico proporcional a sua intensidade. (1)fonte de luz; (2)lente; (3)fotodetector; (4)Sinal (ddp); (5)partículas de fumaça; (6)estrutura de absorpção da luz. 10

11 Detectores de Fumaça Detector de Temperatura Os detectores de temperatura são destinados a atuar quando a temperatura de um ambiente ultrapassar um valor pré determinado. Existem dois tipos de detectores de temperatura: detectores térmicos (de temperatura fixa), que entram em alarme quando o ar atinge uma determinada temperatura, em um tempo pré-determinado, que define a classificação do detector; detectores termovelocimétricos, que entram em alarme quando a variação da temperatura, em um intervalo de tempo prédeterminado, é maior que os valores do ajuste e/ou quando a temperatura máxima do ar é ultrapassada num intervalo de tempo pré-determinado. 11

12 Detector Iônico Nos detectores de câmara de ionização, os átomos do ar são ionizados por uma fonte de partículas alfa. Colocam-se duas placas com diferentes potenciais, consequentemente os ions positivos (gerados previamente devido a interação com as partículas alfa) deslocam se para a placa com o menor potencial, enquanto os eletrons livres se deslocam para a outra placa, sendo que a corrente gerada é proporcional à quantidade de átomos ionizados. Quando a fumaça entra no detector, as partículas interagem com os ions produzidos, dando origem a partículas sem carga, o que resulta na abertura do circuito, baixando a corrente entre as placas do detector. (1)elétrons; (2) fonte de partículas alfa; (3) câmara de amostragem; (4) corrente elétrica; (5) partículas de fumaça. Detector de Chama Detectores de chama detectam o fogo pela visão direta da chama e são limitados pela distância e pelo ângulo da visão. Em sistemas sem lentes óticas, no ângulo de 45º, a sensibilidade diminui para a metade da sensibilidade do ângulo de 90º (em relação à superfície plana do receptor). Com lentes apropriadas, os ângulos de visão podem ser alterados. 12

13 Detector de Chama Detector de Chama 50% 75% parede paralela ao eixo de visão do detector Detector Dx0, o D x 0,5 D x 0,75 1cm Área com sensibilidade reduzida 15,40cm 45 o 100% 1,33cm 50% 2cm 62,5% 75% 1,67cm 2,41cm VISTA SUPERIOR 13

14 Detectores de Amostragem Os detectores de amostragem te um princípio de funcionamento simples, mas sua sensibilidade é bem maior e é usado em ambientes onde se exige um monitoramento mais preciso. O ar é tragado, por um aspirador de alta eficiência, para dentro da sub-central através da rede de tubos de amostras. Dentro dessa sub-central, a amostra de ar passa pela câmara de detecção a laser através de um filtro de ar de dois estágios. Detectores de Amostragem 14

15 Detectores Lineares Estes sistemas são baseados na emissão e detecção de um feixe luminoso colimado, emitido ao longo de um amplo espaço aberto, normalmente em grandes corredores ou zonas com vãos muito altos. Em caso se de fumaça dentro desses espaços, o feixe emitido chega atenuado ao fotodetector. ENSAIOS LABORATORIAIS 15

16 Ensaios laboratoriais a) Operação normal b) Uniformidade c) Estabilidade d) Direcionalidade e) Sobretensão e subtensão f) Sobrecorrente e subcorrente g) Transientes e interferências h) Sobrecarga i) Durabilidade j) Isolamento e rigidez dielétrica k) Inversão de polaridade l) Velocidade do ar m) Redução da luz emitida n) Luz ambiente o) Temperatura p) Vibração q) Choque r) Impacto s) Umidade t) Corrosão u) Poeira v) Pintura w) Classificação a incêndios simulados. Ensaios laboratoriais Verificar o desempenho dos detectores levando em conta as condições específicas do ambiente como: Instalações elétricas, aterramento, luminosidade, rigidez elétrica, etc. 16

17 Ensaios laboratoriais Verificar o desempenho do detector sujeito a impactos acidentais Ensaios laboratoriais Analisar deterioração do detectores submetidos a ambientes agressivos, poeira e umidade 17

18 Ensaios laboratoriais Permitir que o projetista do sistema conheça o desempenho de cada componente para que, no projeto de instalação, sejam usados detectores com melhores características para cada ambiente. Ensaios laboratoriais Verificar a necessidade de tropicalização de componentes importados 18

19 SALA DE SIMULAÇÃO DE INCÊNDIO 9 metros Tomadas p/ detectores Ar condicionado EXAUSTOR Barreira Ótica Mirex MIC Luminária 16 BASES DE DETECTORES Luz óptica TERMOPAR Recipiente de Combustível TERMOPAR 6 metros Tomadas p/ detectores TERMOPAR TOMADAS LATERAL Luminária Dimensões da sala - comprimento 9 metros, largura 6 metros e altura 4 metros Definição da sensibilidade de detectores no sistema de coordenadas (T;m;y) m Absorção ótica da luz Db/m Classe C (60 C ; 2dB/m ; 6) T Variação de temperatura Classe B (30 C ; 1dB/m; 3) Classe A (15 C ; 0,5dB/m ; 1,5) y Y = adimensional (corrente iônica) 19

20 Características principais de cada tipo de fogo TF Tipo de Fogo Desenvolvimen to do calor Características Principais Movimentação ascendente do ar Fumaça TF1 Madeira Alto Alta sim TF2 TF3 Madeira (sem chama) Algodão (sem chama) Desprezível Fraca sim Desprezível Muito fraca sim TF4 Poliuretano Alto Alta sim TF5 Papel Médio Média sim TF6 PVC (sem chama) Desprezível Fraca sim TF7 N-heptana Alto Alta sim Espectro do Aerossol Predominantemente invisível Predominantemente invisível Predominantemente invisível Parcialmente invisível Parcialmente invisível Parcialmente invisível Predominantemente invisível Porção visível Escura Clara, alta difusão da luz Clara, alta difusão da luz Muito escura Cinza Muito escura Muito escura TF8 Álcool Alto alta não nenhum nenhuma Ensaios laboratoriais TF2 - Queima pedaços de madeira TF3 - Queima com algodão 20

21 Ensaios laboratoriais Classe C : 2dB/m Classe B : 1dB/m Classe A : 0,5dB/m Dados coletados 21

22 Ensaios laboratoriais Verificar desempenho dos componentes do sistema de detecção e alarme de incêndio, comparando com as informações técnicas fornecidas pelo fabricante, analisando alarmes falsos, composição de defeitos, análise de desvios e possíveis falhas ; REQUISITOS DE PROJETO 22

23 Dimensionamento O dimensionamento de um sistema de alarme de incêndio deve considerar os seguintes itens: detectar o foco de incêndio o mais rápido possível; alertar todos os ocupantes da edificação; localizar facilmente a área do foco de incêndio para facilitar o combate o mais rápido possível; fácil visualização e configuração da Central de Alarmes; evacuar de forma rápida e eficiente todas as pessoas da edificação; minimizar a ocorrência de alarmes falsos no sistema; garantir a disponibilidade do sistema por, pelo menos, 95% do ano; fácil manutenção corretiva; rápida reposição de componentes do sistema (menos de 24 horas no local); baixo custo dos materiais de reposição; completa documentação do sistema; vida útil elevada do sistema; acompanhamento periódico do fabricante; garantir a responsabilidade técnica do sistema pelo fabricante. Análise de Risco a análise dos riscos específicos nos locais supervisionados no interior da edificação e dos riscos oriundos da própria edificação (localização, altura, escadas, acessos e espaço livre para movimentação dos bombeiros, condições de tráfego e das ruas de acesso); tempo disponível para evacuação e intervenção em caso de incêndio, nos vários pontos das áreas consideradas, especialmente nos locais mais perigosos da edificação, em função da possibilidade do crescimento do incêndio; definição do nível de segurança a ser mantido nas áreas e locais de passagem obrigatórias dos ocupantes para garantir a segurança no abandono e para as equipes de intervenção; 23

24 Análise de Risco definição das necessidades e exigências relativas ao funcionamento do sistema no decorrer do incêndio para cada parte: alarmes e sinalização, para que se possa garantir a perda mínima de bens; definição dos tempos mínimos de funcionamento de cada subsistema para garantir a segurança no abandono e para as equipes de intervenção; definição dos componentes dos subsistemas e suas especificações incluindo a fiação dos acionadores manuais, avisadores e da central; Análise de Risco garantia do funcionamento e do nível aceitável de falhas, podendo ser expressos em porcentagem de disponibilidade do total dos componentes instalados no decorrer de um ano. Essa garantia inclui, também, falhas na fiação. O nível aceitável de falhas deve ser definido tanto para o período correspondente ao tempo de garantia assim como para o tempo fora da garantia. A norma nacional fornece valores básicos para falhas, mas o usuário deve exigir os valores do fabricante e do instalador de acordo com o seu estudo de risco; garantias assumidas pelo projetista e instalador para o funcionamento das diferentes partes do sistema em caso de alarme de incêndio; 24

25 Análise de Risco o sistema funcionará no estado em que se encontra no princípio do incêndio, degradando-se, inevitavelmente: isto implica que o projeto deve prever estas situações e o lay-out da rede ou do sistema deve manter o funcionamento da detecção, dos alarmes e das sinalizações em todos os locais não diretamente atingidos pelo fogo no tempo estimado pela análise dos riscos para garantir a segurança da vida humana; as garantias são baseadas na elaboração consciente do projeto do sistema de segurança, nos componentes, nas aprovações nacionais e internacionais, assim como na qualidade da execução da instalação. na supervisão do sistema também deve ser levada em conta, a interação entre homem/sistema. No caso de incêndio, informações detalhadas da edificação devem ser passadas a um maior número de pessoas no menor tempo possível (e também para os bombeiros que nem sempre conhecem o local em detalhes). Esta informação deve ser mantida ativa o tempo mais prolongado possível para facilitar a utilização da comunicação visual por meio do quadros sinóticos em conjunto com a comunicação sonora; o operador não pode ficar estressado além da sua capacidade emocional em caso de emergência. A seleção do pessoal para essa atividade é tão importante como o treinamento, assim como a sofisticação das informações do sistema. Decreto São Paulo 2011 As edificações são classificadas conforme sua ocupação, sua altura e áreas de risco quanto à carga de incêndio. O Corpo de Bombeiros Militares do Estado de São Paulo elaborou Instruções Técnicas que tem como objetivo regulamentar as medidas de segurança contra incêndio nas edificações e áreas de risco. 25

26 IT 19 Sistema de Detecção e Alarme de incêndio 5.21 Em edifícios residenciais com altura até 30 metros, o sistema de alarme pode ser substituído pelo sistema de interfone, desde que cada apartamento possua um ramal ligado à central que deve ficar em portaria com vigilância humana de 24 horas, e tenha fonte autônoma com duração mínima de 60 minutos NBRs - Normas Brasileiras 26

27 NBR ISO - Normas Brasileiras NBRs - Normas Brasileiras (cancelada) 27

28 NORMA ABNT NBR 17240/2010 Detectores Pontuais de Fumaça 28

29 Detectores Pontuais de Fumaça Detectores Pontuais de Fumaça 29

30 Detectores Pontuais de Fumaça Detectores Pontuais de Fumaça 30

31 Detectores Pontuais de Fumaça Detectores Pontuais de Fumaça 31

32 Detectores Pontuais de Temperatura Detectores Pontuais de Temperatura 32

33 Acionadores Manuais (NBR 17240) A distância máxima a ser percorrida: não pode ser superior a 30m; Nas edificações com mais de um pavimento, cada pavimento da edificação deve possuir pelo menos um acionador manual; Os mezaninos só estarão dispensados desta exigência se a distância percorrida por uma pessoa, do ponto mais desfavorável do mezanino até o acionador manual mais próximo, for inferior a 30 m. Acionadores Manuais (NBR 9050) Mecanismos e dispositivos de emergência devem conter informações táteis e visuais, representadas através de símbolos; As informações visuais devem seguir premissas de textura, dimensionamento e contraste de cor dos textos e das figuras para que sejam perceptíveis por pessoas com baixa visão; As informações visuais podem estar associadas aos caracteres em relevo.ou em Braile (as informações em Braile não dispensam a sinalização visual com caracteres ou figuras em relevo). Na NBR Acionadores manuais : entre 0,90 m e 1,35 m do piso acabado; NBR 9050 Acionadores manuais: entre 0,60m e 1,00m do piso acabado. Para que pessoas em cadeiras de rodas possam ter acesso ao acionador manual. 1,35 0,90 33

34 Avisadores (NBR 17240) Apresentar funcionamento continuo por pelo menos 60 minutos, em caso de alarme Os avisadores sonoros e/ou visuais devem ser instalados a uma altura entre 2,20 m a 3,50 m; Os avisadores visuais devem ser pulsantes, com freqüência entre 1 Hz e 6 Hz; Intensidade luminosa mínima de 15 cd e máxima de 300 cd. Avisadores (NBR 9050) instalação de avisadores visuais a uma altura superior a 2,20m acima do piso, ou 0,15m inferior em relação ao teto mais baixo; Intensidade luminosa mínima de 75 cd; Os avisadores visuais devem ser pulsantes, com freqüência entre 1 Hz e 5 Hz; luz em xenônio de efeito estroboscópico ou equivalente. 34

35 Comparação dos símbolos gráficos usados em projetos de sistema de alarme de incêndio entre a NBR (ABNT, 2010) e a NBR Proteção contra incêndio Símbolos gráficos para projeto (ABNT, 1998b) 35

36 Comparação dos símbolos gráficos usados em projetos de sistema de alarme de incêndio entre a NBR (ABNT, 2010) e a NBR Proteção contra incêndio Símbolos gráficos para projeto (ABNT, 1998b) PROJETOS 36

37 Projetos O projeto de sistemas de detecção e alarme de incêndio deve conter todos os elementos necessários ao seu completo funcionamento, de forma a garantir a detecção de um princípio de incêndio, no menor tempo possível. Requisitos Desenho indicando a localização de todos os equipamentos do sistema considerando características ambientais reais Especificação dos equipamentos Trajeto dos condutores elétricos Diagrama multifilar 37

38 Requisitos Lista completa de equipamentos Cálculo de fontes de alimentação e baterias Quadro resumo da instalação Manuais de operação, manutenção preventiva e corretiva do sistema Garantias Projetos 38

39 Projetos Em caso de curto circuito, devido a todo o sistema estar instalado somente entre 2 isoladores do lado da central e apenas uma linha, todo o sistema ficará desativado Isolador Central Isolador Controlador Sinalização dos componentes do sistema de detecção e alarme de incêndio Código Símbolo Significado Forma e cor Aplicação 20 Alarme sonoro Indicação do local de instalação do alarme de incêndio 21 Acionador manual Ponto de acionamento de alarme de incêndio Símbolo: quadrado Deve vir sempre acompanhado de uma 21 Comando manual de da bomba de incêndio Fundo: vermelha Pictograma: fotoluminescente mensagem escrita, designando o equipamento acionado por aquele ponto Indicação da posição 22 Telefone ou interfone de emergência do interfone para comunicação de situações de emergência a uma central Fonte: NBR (ABNT, 204b, p.11) 39

40 Conforme a IT 20 (São Paulo, 2011) Em complementação a essa sinalização, deve ser aplicado, na entrada principal da edificação, uma placa indicando todos os sistemas de proteção contra incêndio instalados na edificação. 40

41 COMISSIONAMENTO DO SISTEMA Desempenho 41

42 Comissionamento A questão não é: Qual a probabilidade do detector atuar? a questão é Qual a probabilidade do detector atuar quando o incêndio atingir 1kw, 5kw, 10kw, 50kw,...nkw? Comissionamento 42

43 Confiabilidade Confiabilidade 43

44 Comissionamento Verificar se sistema de detecção e alarme de incêndio, após sua instalação, está de acordo com as necessidades ambientais, requisitos operacionais e normas vigentes Comissionamento 88 44

45 Comissionamento Extratificação da fumaça: fenômeno que impede que os gases gerados na combustão alcancem os detectores A fumaça não sobe no ar quente. Quando a temperatura entre ambiente e da fumaça é equilibrada, forma-se o plume em uma distancia considerável abaixo do teto. Detectores automáticos Comissionamento Luminárias Colchão de ar quente impenetrável para a fumaça 90 45

46 Comissionamento Sistema de ar-condicionado: Instalação de detectores próximos a saída de ar. Comissionamento Sistema de ar-condicionado 46

47 Comissionamento Distância a percorrer esta dentro da norma??? 93 Bauer W Comissionamento O sistema de fiação de detecção deve ser instalado para detectar e transmitir um alarme até a central antes de ser queimado pelo calor do incêndio. Como os detectores automáticos estão hoje na maioria de material plástico, a fiação da detecção deve suportar o calor que suporta um detector

48 Comissionamento: 95 Comissionamento: 48

49 Comissionamento: 49

Sumário. Detectores Automáticos. Iluminação de Emergência. Prof. Ivan Bottger

Sumário. Detectores Automáticos. Iluminação de Emergência. Prof. Ivan Bottger Sumário Detectores Automáticos Iluminação de Emergência Sumário Análise de riscos Resistência / Reação Atuação Detecção Extinção Retirada dos ocupantes Detectores Automáticos NBR 17240:2011 - Execução

Leia mais

SISTEMAS PREDIAIS II. Segurança contra Incêndio - Detecção e Alarme

SISTEMAS PREDIAIS II. Segurança contra Incêndio - Detecção e Alarme PCC-2466 SISTEMAS PREDIAIS II Segurança contra Incêndio - Detecção e Alarme Sistema de Detecção e Alarme de Incêndio Definição da Norma NBR 9441/98 Sistema constituído pelo conjunto de elementos planejadamente

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS NORMA TÉCNICA 17/2013 SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 REFERÊNCIAS NORMATIVAS E BIBLIOGRÁFICAS

Leia mais

NORMA TÉCNICA Nº. 19/2012 SISTEMAS DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO

NORMA TÉCNICA Nº. 19/2012 SISTEMAS DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO NORMA TÉCNICA Nº. 19/2012 SISTEMAS DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO NORMA TÉCNICA N. 19/2012 SISTEMAS DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO CBMGO CBMGO - CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS SUMÁRIO

Leia mais

Manual de instalação e operação

Manual de instalação e operação Manual de instalação e operação Central de alarme de incêndio endereçável INC 2000 Central de alarme de incêndio INC 2000 Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Engesul.

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-013 Folha: 1 / 09 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO S.A. IPT CENTRO TECNOLÓGICO DO AMBIENTE CONSTRUÍDO - CETAC

Leia mais

PALESTRA NOVA NBR 17240 DE ALARME DE INCÊNDIO

PALESTRA NOVA NBR 17240 DE ALARME DE INCÊNDIO PALESTRA NOVA NBR 17240 DE ALARME DE INCÊNDIO O que mudou em relação à antiga NBR? Por que o empresário e o síndico tem que estar atentos a essa nova NBR? Quais os riscos que os tomadores de decisão estão

Leia mais

DETECTORES AUTOMÁTICOS DE FUMAÇA ENSAIO DE SENSIBILIDADE

DETECTORES AUTOMÁTICOS DE FUMAÇA ENSAIO DE SENSIBILIDADE ENQUALAB-2008 Congresso da Qualidade em Metrologia Rede Metrológica do Estado de São Paulo REMESP 09 a 12 de junho de 2008, São Paulo, Brasil DETECTORES AUTOMÁTICOS DE FUMAÇA ENSAIO DE SENSIBILIDADE Alex

Leia mais

CHANDER FIRE DO BRASIL. equipamentos de segurança

CHANDER FIRE DO BRASIL. equipamentos de segurança CHANDER FIRE DO BRASIL equipamentos de segurança www.chanderfiredobrasil.com.br SISTEMA ENDEREÇÁVEL CENTRAL ENDEREÇÁVEL DE 250 ENDEREÇOS Especificações Técnicas: - Alimentação primária: 110V ou 220V AC

Leia mais

CENTRAL DE ALARME DE INCÊNDIO MULTIPLEX Série AIM48 (Final)

CENTRAL DE ALARME DE INCÊNDIO MULTIPLEX Série AIM48 (Final) 1 - INTRODUÇÃO: CENTRAL DE ALARME DE INCÊNDIO MULTIPLEX Série AIM48 (Final) Trata-se de uma sistema de alarme de incêndio para utilização onde há somente acionadores manuais e sirenes convencionais, não

Leia mais

CHANDER FIRE DO BRASIL. Equipamentos de Segurança

CHANDER FIRE DO BRASIL. Equipamentos de Segurança CHANDER FIRE DO BRASIL Equipamentos de Segurança SISTEMA ENDEREÇÁVEL: Central Endereçável Especificações Técnicas: - CENTRAL ENDEREÇÁVEL DE 250 ENDEREÇOS - Alimentação primária: 110V ou 220V AC - 60Hz

Leia mais

FORMULÁRIO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO PROJETO TÉCNICO

FORMULÁRIO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO PROJETO TÉCNICO ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA E DA DEFESA SOCIAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS DAT/1 SEÇÃO DE ANÁLISE DE PROJETOS FORMULÁRIO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Sensor / Detector de Chama Convencional Tipo Ultravioleta Código: AFC9104. O detector de chama AFC9104 é um equipamento que deve ser instalado no teto ou na parede das edificações e tem como função enviar

Leia mais

A SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS NAS EDIFICAÇÕES

A SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS NAS EDIFICAÇÕES A SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS NAS EDIFICAÇÕES 1 OBJETIVOS DO PROJETO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO A proteção da vida humana A proteção do patrimônio A continuidade do processo produtivo 2 O CÍRCULO DE PROTEÇÃO

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Controle de Perdas e Meios de Fuga Módulo Único

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Controle de Perdas e Meios de Fuga Módulo Único Curso Técnico Segurança do Trabalho Controle de Perdas e Meios de Fuga Módulo Único Meios de Fuga As rotas de fuga devem atender, entre outras, às seguintes condições básicas: Número de saídas O número

Leia mais

NBR5410 SOB O PONTO DE VISTA DA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO. Ivan Faccinetto Bottger www.firesafetybrasil.com

NBR5410 SOB O PONTO DE VISTA DA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO. Ivan Faccinetto Bottger www.firesafetybrasil.com NBR5410 SOB O PONTO DE VISTA DA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO Ivan Faccinetto Bottger www.firesafetybrasil.com PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DA NBR5410 As instalações elétricas devem ser concebidas e construídas

Leia mais

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 13434 DA ABNT

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 13434 DA ABNT ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA JUNTO A DGST REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 13434 DA ABNT ANÁLISE E VISTORIA DOS SISTEMAS DE SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA Objetivo

Leia mais

ANEXO I PROJETO EXECUTIVO. Ref: Intimação CONTRU processo nº 2004.0165.823-2 www.prefeitura.sp.gov.br/processos

ANEXO I PROJETO EXECUTIVO. Ref: Intimação CONTRU processo nº 2004.0165.823-2 www.prefeitura.sp.gov.br/processos ANEXO I PROJETO EXECUTIVO Ref: Intimação CONTRU processo nº 2004.0165.823-2 www.prefeitura.sp.gov.br/processos Ass: Escopo para Contratação de Empresa Qualificada. Tipo da contratação: Obra de Engenharia.

Leia mais

Instrução Técnica nº 15/2011 - Controle de fumaça Parte 5 Controle de fumaça mecânico em edificações horizontais... 367

Instrução Técnica nº 15/2011 - Controle de fumaça Parte 5 Controle de fumaça mecânico em edificações horizontais... 367 Instrução Técnica nº 15/2011 - Controle de fumaça Parte 5 Controle de fumaça mecânico em edificações horizontais... 367 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO

Leia mais

SENSOR DE GÁS SEM FIO STK 846 SENSOR DE VAZAMENTO DE GÁS SEM FIO STK

SENSOR DE GÁS SEM FIO STK 846 SENSOR DE VAZAMENTO DE GÁS SEM FIO STK SENSOR DE VAZAMENTO DE GÁS SEM FIO STK 846 www.samtek.com.br Agradecemos a sua preferência por nossos produtos. Nossos produtos possuem vários certificados nacionais e internacionais sendo projetados de

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Mini Sirene Eletrônica Audiovisual Um Toque Iluminação a LED - Para Pequenas e Médias Áreas - Código: AFMSF A sirene audiovisual de alarme código AFMSF é um equipamento que deve ser instalado no teto ou

Leia mais

Termo de Garantia. Extinção da Garantia

Termo de Garantia. Extinção da Garantia OBS IMPORTANTE: Você esta adquirindo um produto de segurança. Verifique com o Engenheiro responsável da obra, se ele atende as necessidades para o local onde será Instalado, pois todo o equipamento de

Leia mais

CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DE MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM PEQUENOS ESTABELECIMENTOS

CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DE MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM PEQUENOS ESTABELECIMENTOS CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO PARÁ CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DE MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM PEQUENOS ESTABELECIMENTOS Belém 2014 / Versão 1.0 1

Leia mais

Manual de Instalação

Manual de Instalação Central de Detecção e Alarme Contra Incêndio V260 Imagem Central V260 36 Laços Manual de Instalação Leia atentamente o manual antes do manuseio do equipamento ÍNDICE 1 COMANDOS E SINALIZAÇÕES DA CENTRAL

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO

NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO ANEXO XVI AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica estabelece critérios para proteção contra incêndio

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 04/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 04/2011 Instrução Técnica nº 04/2011 - Símbolos gráficos para projeto de segurança contra incêndio 149 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Detector / Sensor de Fumaça Autônomo Rede AC e Bateria - Com Saída Rele NA/NF - Código: AFDFAR. O detector de Fumaça código AFDFAR é um equipamento que deve ser instalado no teto ou na parede das edificações

Leia mais

Central de Detecção de Incêndio 4 Zonas Manual de Instalação

Central de Detecção de Incêndio 4 Zonas Manual de Instalação Central de Detecção de Incêndio 4 Zonas Manual de Instalação Características Quatro zonas com capacidade de teste/isolamento. Dois circuitos de alarme com possibilidade de isolamento. Fonte de alimentação

Leia mais

Manual do usuário. Central de alarme de incêndio Slim

Manual do usuário. Central de alarme de incêndio Slim Manual do usuário Central de alarme de incêndio Slim Central de alarme de incêndio Slim Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Engesul. Este manual é válido apenas para

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Sensor / Detector de Fumaça Óptico Endereçável 04 Níveis de Detecção Com Módulo Isolador - Código: AFS130IS. (Uso Conjunto às Centrais de Alarme da Série IRIS). O detector de fumaça código AFS130IS é um

Leia mais

2.2 A Administração do Condomínio dá ênfase às medidas preventivas, assim entendidas as seguintes:

2.2 A Administração do Condomínio dá ênfase às medidas preventivas, assim entendidas as seguintes: Fl. 01 de 06 1 Objetivo A presente Regulamentação Especial visa normalizar os procedimentos para o pessoal incumbido de prevenir ou combater um princípio de incêndio e de atuar em situações de emergência,

Leia mais

ILUMINAÇÃO DE SEGURANÇA

ILUMINAÇÃO DE SEGURANÇA ILUMINAÇÃO DE CIRCULAÇÃO OU DE EVACUAÇÃO Tem como objectivo permitir a evacuação das pessoas em segurança, garantindo ao longo dos caminhos de evacuação condições de visão e de evacuação adequadas e possibilitar

Leia mais

Símbolos Gráficos Para Projeto de Segurança Contra Incêndio

Símbolos Gráficos Para Projeto de Segurança Contra Incêndio Outubro 2011 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 004 Símbolos Gráficos Para Projeto de Segurança Contra Incêndio CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 01 Norma de Procedimento Técnico 17 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo

Leia mais

2Y Indústria Eletrônica Ltda.

2Y Indústria Eletrônica Ltda. SISTEMAS DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO Orientações para Projetos e Instalações Conteúdo Sistemas de detecção e alarme de incêndio...3 Projeto do Sistema...3 Primeiro estágio: Definição...3 Segundo estágio:

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC) SINALIZAÇÃO PARA ABANDONO DE LOCAL

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC) SINALIZAÇÃO PARA ABANDONO DE LOCAL ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC)

Leia mais

KBR - A Solução Definitiva. KBR Eletrônica Ltda.

KBR - A Solução Definitiva. KBR Eletrônica Ltda. KBR Eletrônica Ltda. KBR - A Solução Definitiva Iluminação de emergência Alarme de incêndio Luminária fluorescente para acendimento em tensão contínua (VCC) Inversor para lâmpada fluorescente Reator eletrônico

Leia mais

MANUAL TÉCNICO DA CENTRAL E DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO

MANUAL TÉCNICO DA CENTRAL E DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO MANUAL TÉCNICO DA CENTRAL E DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO A EQUIPEL assegura ao proprietário deste aparelho garantia de 01 ano contra qualquer defeito de peça ou de fabricação desde que,

Leia mais

CURSO OPERACIONAL TOPOLOGIA SISTEMA SIGMA 485-E

CURSO OPERACIONAL TOPOLOGIA SISTEMA SIGMA 485-E SIGMA Sistema Integrado de Combate a Incêndio CURSO OPERACIONAL TOPOLOGIA SISTEMA SIGMA 485-E CABO BLINDADO (SHIELD) 4 VIAS 2X2,50 MM + 2X0,75 MM IHM Possibilidade de até 95 loops. LOOP LOOP LOOP CABO

Leia mais

MANUAL DO PRODUTO MANUAL DO PRODUTO MODELO DFOL

MANUAL DO PRODUTO MANUAL DO PRODUTO MODELO DFOL DETECTOR DE FUMAÇA ÓTICO LINEAR MODELO DFOL PARA MÉDIOS E GRANDES SISTEMAS IDEAL PARA GALPÕES ALCANCE DE 20 A 100 METROS ÁREA DE COBERTURA MÁXIMA 14x100M² ECONOMIA NA INSTALAÇÃO EM GRANDES ÁREAS ONDE SE

Leia mais

IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO

IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências Normativas 4 Definições 5 Generalidades gerais 6- Procedimentos 7 Certificação e validade/garantia INSTRUÇÃO

Leia mais

Instalações Prediais. Manutenção

Instalações Prediais. Manutenção Instalações Prediais Manutenção Legislação Leis nº 10.199/86 e 8382/76 Certificado de manutenção dos sistemas de segurança contra incêndio Lei nº 13.214, de 22 de novembro de 2001. Obrigatoriedade de instalação

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE PELOTAS S.A.F.- DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E PATRIMÔNIO 1/5 ANEXO I

Estado do Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE PELOTAS S.A.F.- DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E PATRIMÔNIO 1/5 ANEXO I S.A.F.- DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E PATRIMÔNIO 1/5 ANEXO I MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO CENTRAIS DE ALARMES O presente memorial tem por objetivo descrever as instalações do sistema de proteção

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 012/DAT/CBMSC) SISTEMA DE ALARME E DETECÇÃO DE INCÊNDIO

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 012/DAT/CBMSC) SISTEMA DE ALARME E DETECÇÃO DE INCÊNDIO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 012/DAT/CBMSC)

Leia mais

PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA DE CAÇADOR - SC MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA DE CAÇADOR - SC MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA DE CAÇADOR - SC MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PROJETO: SDAI Modelo: 3.000 m2 SETEMBRO 2011 SUMARIO 1. GENERALIDADES... 03 2. DOCUMENTOS APLICAVEIS... 05 3.

Leia mais

Recomendações de Segurança do Trabalho

Recomendações de Segurança do Trabalho Recomendações de Segurança do Trabalho Localização e Sinalização dos Extintores Recomendações de Segurança do Trabalho Localização e Sinalização dos Extintores: Apresentação As recomendações aqui descritas

Leia mais

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 10898 DA ABNT

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 10898 DA ABNT ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ILUMINAÇÃO DE EMERGÊNCIA JUNTO A DGST REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 10898 DA ABNT ANÁLISE E VISTORIA DOS SISTEMAS DE ILUMINAÇÃO DE EMERGÊNCIA Objetivo

Leia mais

Tecnologias de Prevenção e Combate a Incêndios João Gama Godoy

Tecnologias de Prevenção e Combate a Incêndios João Gama Godoy Tecnologias de Prevenção e Combate a Incêndios João Gama Godoy Técnico de Segurança do Trabalho Senac - 2010 É proibida a reprodução do conteúdo desta apresentação em qualquer meio de comunicação, eletrônico

Leia mais

Aplicações: Em sistemas de prevenção de incêndio. Dispositivo destinado a transmitir sinais sonoros e sinais visuais.

Aplicações: Em sistemas de prevenção de incêndio. Dispositivo destinado a transmitir sinais sonoros e sinais visuais. SIRENE Aplicações: Dispositivo destinado a transmitir sinais sonoros e sinais visuais. SIRENE AUDIOVISUAL modelo: SRL-01 SIRENE AUDIOVISUAL modelo:srp-01 / SRV-01 Acionadores: Acionado automáticamente

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº.

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. 35/2011 Túnel rodoviário SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências

Leia mais

SISTEMA GLOBAL DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO. firesafetybrasil@gmail.com

SISTEMA GLOBAL DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO. firesafetybrasil@gmail.com SISTEMA GLOBAL DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO firesafetybrasil@gmail.com RELAÇÃO ENTRE OS FATORES CONDICIONANTES DE RISCO E AS DISTINTAS CATEGORIAS DE RISCO RELAÇÃO DE INTERDEPENDÊNCIA ENTRE AS CINCO CATEGORIAS

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS. Sistemas de Alarme de Incêndio Wireless SISTEMAS DE SEGURANÇA

CATÁLOGO DE PRODUTOS. Sistemas de Alarme de Incêndio Wireless SISTEMAS DE SEGURANÇA CATÁLOGO DE PRODUTOS Sistemas de Alarme de Incêndio Wireless SISTEMAS DE SEGURANÇA 2 Deltafire Ltda. R. Pinheiro Machado, 3271 Caxias do Sul, RS Tel. 54 3204-4000 CEP 95020-172 www.deltafire.com.br Central

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL

ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL Resolução nº 002 de 09 de maio de 2011. O Comandante Geral do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Maranhão, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

Detetores Analógicos

Detetores Analógicos Detetores Analógicos Certificado de qualidade Nº. 010 ISO 9001 Integridade do sistema confirmada Continuamente para operação segura Pré-alarme e verificação de níveis de alarme ajuda a reduzir falsos alarmes

Leia mais

SENSOR DE FUMAÇA SEM FIO STK 916 SENSOR DE FUMAÇA SEM FIO STK

SENSOR DE FUMAÇA SEM FIO STK 916 SENSOR DE FUMAÇA SEM FIO STK SENSOR DE FUMAÇA SEM FIO STK 916 www.samtek.com.br Agradecemos a sua preferência por nossos produtos. Nossos produtos possuem vários certificados nacionais e internacionais sendo projetados de modo a oferecer

Leia mais

ESTADO DO AMAPÁ CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS PORTARIA Nº 011 /05/CAT-CBMAP

ESTADO DO AMAPÁ CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS PORTARIA Nº 011 /05/CAT-CBMAP ESTADO DO AMAPÁ CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS PORTARIA Nº 011 /05/CAT-CBMAP Aprova a Norma Técnica nº 010/2005-CBMAP, sobre atividades eventuais no Estado do Amapá,

Leia mais

UNIDADE 5. Sistema de iluminação de emergência

UNIDADE 5. Sistema de iluminação de emergência UNIDADE 5 Sistema de alarme e detecção Sistema de iluminação de emergência SISTEMA DE ALARME Normas: NBR 9441/98 Execução de Sistemas de Detecção e Alarme de Incêndio IN12CBM/SC- SistemadeAlarmeeDetecçãodeIncêndio

Leia mais

PLANO DE FUGA EM OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS E EMERGÊNCIAS EM ESCOLAS

PLANO DE FUGA EM OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS E EMERGÊNCIAS EM ESCOLAS PLANO DE FUGA EM OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS E EMERGÊNCIAS EM ESCOLAS PLANO DE EMERGÊNCIA CONTRA INCÊNDIO de acordo com o projeto de norma nº 24:203.002-004 da ABNT ( setembro 2000 ) 1 Objetivo 1.1 Estabelecer

Leia mais

Memorial Descritivo CHUVEIROS AUTOMÁTICOS

Memorial Descritivo CHUVEIROS AUTOMÁTICOS 1/8 GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO AMAPÁ DIVISÃO DE SERVIÇOS TÉCNICOS SEÇÃO DE ANÁLISE DE PROJETOS 1. Normas de referência: NBR 10.897-ABNT 1.1. Outras normas: 2. Nome

Leia mais

Nobreak. 160 e 300 kva. senoidal on-line trifásico PERFIL PROTEÇÕES

Nobreak. 160 e 300 kva. senoidal on-line trifásico PERFIL PROTEÇÕES Nobreak senoidal on-line trifásico dupla convers o 60 a 300 kva 60 kva de 80 a 120 kva 160 e 300 kva PERFIL Os nobreaks on-line de dupla conversão da linha Gran Triphases foram desenvolvidos com o que

Leia mais

PT-700. Manual de Instruções

PT-700. Manual de Instruções PT-700 Manual de Instruções Parabéns!!! Você acaba de adquirir um produto para a sua segurança e conforto com a ótima qualidade Protection. O Alarme para Piscina Protection, PT-700, foi desenvolvido para

Leia mais

GRUPO NOVO BRASIL LINHA DE PRODUTOS 01/2002-REV.00

GRUPO NOVO BRASIL LINHA DE PRODUTOS 01/2002-REV.00 UNID ABRIGOS PARA HIDRANTES E MANGUEIRAS DE INCENDIO Medidas Padrão: Caixa de embutir com moldura removível: 50 x 70 x 25 (cm); Predial / Industrial 75 x 45 x 17 (cm);. Predial / Industrial Caixa externa

Leia mais

Manual do instalador Box Input Rev. 0.01.000. Figura 01 Apresentação do Box Input.

Manual do instalador Box Input Rev. 0.01.000. Figura 01 Apresentação do Box Input. Pág. 1/10 Apresentação Equipamento para detecção de acionamentos e monitoração de sensores. Comunicação com outros dispositivos por rede CAN. Possui seis entradas digitais optoacopladas com indicação de

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 18 SISTEMAS DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS

NORMA TÉCNICA N o 18 SISTEMAS DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS ANEXO XVIII AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 18 SISTEMAS DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica visa a adequar o texto da norma NBR 10897, que dispõe sobre

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO CENTRAL MC 4D

MANUAL DO USUÁRIO CENTRAL MC 4D 12 Manual do Usuário Intrusos podem entrar em zonas sem proteção, ou ter sofisticação para isolar um sensor ou desconectar dispositivos de aviso de alarme; Central, detectores, sensores só funcionam quando

Leia mais

NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO - PROPOSTA

NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO - PROPOSTA ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO

Leia mais

IT - 32 SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS

IT - 32 SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS IT - 32 SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS SUMÁRIO ANEXO 1 Objetivo - Figuras, separações e afastamentos entre equipamentos e edificações. 2 Aplicação 3 Referências normativas e bibliográficas 4 Definições 5 Procedimentos

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Acionador Manual de Alarme de Incêndio Convencional Á Prova de Tempo (IP67) Resetável Código: AFMCPEIP67. O acionador manual de alarme de incêndio AFMCPEIP67 é um equipamento que deve ser instalado na

Leia mais

SENSOR STK 817 SENSOR DE VAZAMENTO DE GÁS STK 817. www.samtek.com.br SAMTEK

SENSOR STK 817 SENSOR DE VAZAMENTO DE GÁS STK 817. www.samtek.com.br SAMTEK SENSOR DE VAZAMENTO DE GÁS STK 817 www.samtek.com.br Agradecemos a sua preferência por nossos produtos. Nossos produtos possuem vários certificados nacionais e internacionais sendo projetados de modo a

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC) PLANO DE EMERGÊNCIA

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC) PLANO DE EMERGÊNCIA ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC)

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL 1 OBJETIVO: Padronizar os diversos tipos de sistemas de bomba de incêndio das edificações, seus requisitos técnicos, componentes, esquemas elétricos-hidráulicos e memória de cálculo, de acordo com os parâmetros

Leia mais

MANUAL TÉCNICO DA CENTRAL FÊNIX-20L

MANUAL TÉCNICO DA CENTRAL FÊNIX-20L MANUAL TÉCNICO SUMÁRIO CARACTERÍSTICAS GERAIS... 3 PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS... 3 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS... 3 PAINEL... 4 FUNÇÕES DO PAINEL... 4 FUNÇÕES INTERNAS PLACA DE CONTROLE... 6 FUNÇÕES INTERNAS

Leia mais

Código Símbolo Significado Forma e cor Aplicação. Cuidado, risco de incêndio. Cuidado, risco de explosão. Cuidado, risco de corrosão

Código Símbolo Significado Forma e cor Aplicação. Cuidado, risco de incêndio. Cuidado, risco de explosão. Cuidado, risco de corrosão I - Símbolos da sinalização básica ANEXO B SIMBOLOGIA PARA A SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA Os símbolos adotados por esta norma para sinalização de emergência são apresentados a seguir, acompanhados de exemplos

Leia mais

SENSOR INFRAVERMELHO ATIVO DUPLO FEIXE

SENSOR INFRAVERMELHO ATIVO DUPLO FEIXE SENSOR INFRAVERMELHO ATIVO DUPLO FEIXE duoiva-3010 MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO LEIA TODO O CONTEÚDO DESTE MANUAL ANTES DE INICIAR A INSTALAÇÃO Esta página foi intencionalmente deixada em branco. INTRODUÇÃO

Leia mais

SISTEMA DE MONITORAMENTO DIGITAL

SISTEMA DE MONITORAMENTO DIGITAL SISTEMA DE MONITORAMENTO DIGITAL Módulos para automação Características gerais - Processamento independente - Possui alerta sonoro e luminoso de falta de conexão - Não precisa ser configurado (Plug and

Leia mais

1 INSPEÇÃO DA INSTALAÇÃO ELÉTRICA CONFORME A NBR 5410

1 INSPEÇÃO DA INSTALAÇÃO ELÉTRICA CONFORME A NBR 5410 1 INSPEÇÃO DA INSTALAÇÃO ELÉTRICA CONFORME A NBR 5410 A segurança sempre está em pauta em nossas vidas e com a eletricidade não deve ser diferente. Durante a utilização normal das instalações elétricas

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria INMETRO/DIMEL/Nº 007, de 11 de janeiro de 2007.

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Central de Iluminação de Emergência 12 V(cc), 20 A, com Capacidade de 240 W. Código AFB240 A central de iluminação de emergência é alimentada pela rede elétrica predial (110 ou 220 volts) e também possui

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VII.I.01/2007-05-31

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VII.I.01/2007-05-31 NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VII.I.01/2007-05-31 RESUMO Indicar os critérios gerais que caracterizam os sinais de segurança aplicáveis em SCIE. Listar os sinais específicos

Leia mais

Módulo 2 - Sistemas básicos de proteção passiva contra incêndio

Módulo 2 - Sistemas básicos de proteção passiva contra incêndio Módulo 2 - Sistemas básicos de proteção passiva contra incêndio Apresentação do módulo Os sistemas de proteção contra incêndio e pânico são classificados em duas categorias distintas: proteção passiva

Leia mais

REDE CABEADA CFTV MANUAL DO USUÁRIO

REDE CABEADA CFTV MANUAL DO USUÁRIO REDE CABEADA CFTV MANUAL DO USUÁRIO Sumário Página 4: Quadro completo Disjuntores Transformador isolador Protetor elétrico Fonte primária VT CFTV Funcionalidades Baterias Página 6: Ponto de distribuição

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 27 CONSIDERANDO:

RESOLUÇÃO N.º 27 CONSIDERANDO: PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE COMISSÃO CONSULTIVA PARA PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO RESOLUÇÃO N.º 27 Interpreta a aplicação dos artigos 103 e 104 da Lei Complementar 420/98 A Comissão Consultiva Para

Leia mais

NPT 015 CONTROLE DE FUMAÇA PARTE 8 18 ASPECTOS DE SEGURANÇA DO PROJETO DE SISTEMA DE CONTROLE DE FUMAÇA

NPT 015 CONTROLE DE FUMAÇA PARTE 8 18 ASPECTOS DE SEGURANÇA DO PROJETO DE SISTEMA DE CONTROLE DE FUMAÇA Janeiro 2012 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 015 Controle de fumaça Parte 8 Aspectos de segurança CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 02 Norma de Procedimento Técnico 6 páginas SUMÁRIO 18 Aspectos de segurança

Leia mais

Instrução Técnica nº 43/2011 - Adaptação às normas de segurança contra incêndio edificações existentes 779

Instrução Técnica nº 43/2011 - Adaptação às normas de segurança contra incêndio edificações existentes 779 Instrução Técnica nº 43/2011 - Adaptação às normas de segurança contra incêndio edificações existentes 779 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS NORMA TÉCNICA 20/2010 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR CHUVEIROS AUTOMÁTICOS SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 REFERÊNCIAS

Leia mais

Sistemas de Proteção contra Incêndio em Sites de Telecom

Sistemas de Proteção contra Incêndio em Sites de Telecom Sistemas de Proteção contra Incêndio em Sites de Telecom Este tutorial apresenta a descrição de conceitos de Sistemas de Proteção contra Incêndio em Sites de Telecom. (Versão revista do tutorial original

Leia mais

LINHA VOLT/X-POWER. Catalogo Produto 600 700 1200 1400VA. Engetron Engenharia Eletrônica Ind. e Com. Ltda

LINHA VOLT/X-POWER. Catalogo Produto 600 700 1200 1400VA. Engetron Engenharia Eletrônica Ind. e Com. Ltda Catalogo Produto LINHA VOLT/X-POWER 600 700 1200 1400VA Engetron Engenharia Eletrônica Ind. e Com. Ltda Atendimento ao consumidor: (31) 3359-5800 Web: www.engetron.com.br As informações contidas neste

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15 ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15 CONTROLE DE FUMAÇA PARTE 2 CONCEITOS, DEFINIÇÕES E COMPONENTES DO SISTEMA

Leia mais

BADISCO PROFISSIONAL PT-1000 EQUIPAMENTO DE TESTE DE LINHA

BADISCO PROFISSIONAL PT-1000 EQUIPAMENTO DE TESTE DE LINHA BADISCO PROFISSIONAL PT-1000 EQUIPAMENTO DE TESTE DE LINHA DISCAGEM POR PULSO E TOM INDICAÇÃO DE POLARIDADE DE LINHA MEMORIZA ÚTIMO NÚMERO DISCADO MONITORAÇÃO EM ALTA IMPEDÂNCIA PROTEÇÃO CONTRA REDIOINTERFERÊNCIA

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 017/DAT/CBMSC) SISTEMA DE ÁGUA NEBULIZADA (MULSIFYRE)

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 017/DAT/CBMSC) SISTEMA DE ÁGUA NEBULIZADA (MULSIFYRE) ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 017/DAT/CBMSC)

Leia mais

Manual do instalador Box Output AC Rev. 0.01.000. Figura 01 Apresentação do Box Output AC.

Manual do instalador Box Output AC Rev. 0.01.000. Figura 01 Apresentação do Box Output AC. Pág. 1/10 Apresentação Equipamento para acionamento de cargas em corrente alternada 110/220V. Comunicação com outros dispositivos por rede CAN. 6 entradas digitais para acionamento local ou remoto. 6 entradas/saídas

Leia mais

Building Technologies

Building Technologies Building Technologies Detecção de Incêndio Catálogo de Produtos BC80 Índice Página 1. Central de Detecção e Alarme de Incêndio Série BC8001... 4 BC8001/e Central de Detecção e Alarme de Incêndio BC8001

Leia mais

REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA PROJETO PREVENTIVO CONTRA INCÊNDIO

REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA PROJETO PREVENTIVO CONTRA INCÊNDIO REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO PREVENTIVO CONTRA INCÊNDIO Responsabilidade e Compromisso com o Meio Ambiente 2 110766_MEMPCI_REFORMA_SALA_MOTORISTAS_R00 MEMORIAL DESCRITIVO

Leia mais

ILUMINADOR A LED PARA SEMÁFORO DE PEDESTRE COM CONTADOR REGRESSIVO. Sumário

ILUMINADOR A LED PARA SEMÁFORO DE PEDESTRE COM CONTADOR REGRESSIVO. Sumário Código: Un pç ILUMINADOR A LED PARA SEMÁFORO DE PEDESTRE COM CONTADOR REGRESSIVO 1 Objetivo 2 Referências Normativas 3 Definições 4 Requisitos Gerais 5 Requisitos Específicos 6 Funcionamento 7 Características

Leia mais

Memorial de Projeto. Banco de Brasília - BRB Ag. Hospital Regional de Paranoá Novas Instalações. Prevenção e Combate à Incêndio

Memorial de Projeto. Banco de Brasília - BRB Ag. Hospital Regional de Paranoá Novas Instalações. Prevenção e Combate à Incêndio Pág. 1 Memorial de Projeto Prevenção e Combate à Incêndio Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB Ag. Hospital Regional de Paranoá Novas Instalações Código do Projeto: 1089/11 Pág. 2 Índice

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO

MEMORIAL DESCRITIVO DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO MEMORIAL DESCRITIVO DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO DX Connexion Página 1 1 DEFINIÇÕES Esse documento tem por objetivo estabelecer as especificações técnicas, condições, padrões e critérios

Leia mais

9SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 18/2015

9SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 18/2015 Instrução Técnica nº 18/2011 - Iluminação de emergência 449 9SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 18/2015

Leia mais

Projeto de revisão NBR 13434 Parte 2 Sinalização de segurança contra incêndio e pânico Parte 2: Símbolos e suas formas, dimensões e cores.

Projeto de revisão NBR 13434 Parte 2 Sinalização de segurança contra incêndio e pânico Parte 2: Símbolos e suas formas, dimensões e cores. ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas OUT:2001 Projeto de revisão NBR 13434 Parte 2 Sinalização de segurança contra incêndio e pânico Parte 2: Símbolos e suas formas, dimensões e cores. Sede: Rio

Leia mais

NORMA TÉCNICA NO. 15/2012 Controle de Fumaça Parte 5 - CBMGO - GOIÂNIA/GO CBMGO - CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS

NORMA TÉCNICA NO. 15/2012 Controle de Fumaça Parte 5 - CBMGO - GOIÂNIA/GO CBMGO - CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS NORMA TÉCNICA N o. 15/2012 CONTROLE DE FUMAÇA PARTE 5 CONTROLE DE FUMAÇA MECÂNICO EM EDIFICAÇÕES HORIZONTAIS, ÁREAS ISOLADAS EM UM PAVIMENTO OU EDIFICAÇÕES QUE POSSUAM SEUS PAVIMENTOS ISOLADOS CBMGO -

Leia mais