REGIÃO CENTRO SUL - OP 12

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGIÃO CENTRO SUL - OP 12"

Transcrição

1 ASSESSORIA DE PLANEJAMENTO/ ÁREA DE VIGILÂNCIA SOCIOASSISTENCIAL LEITURA DOS TERRITÓRIOS DA ASSISTÊNCIA SOCIAL REGIÃO CENTRO SUL - OP Presidente: Kevin Krieger Diretora Técnica: Marta Borba Coordenadora da Área de Vigilância Socioassistencial: Simone Ritta dos Santos Equipe: Angela Voges Pinheiro Araújo Cláudio Terraciano Márcia Jacoby Tiago Jantsch Porto Alegre, maio de 2013

2 1. APRESENTAÇÃO A Equipe de Vigilância Socioassistencial vem apresentar o Caderno Leituras dos Territórios da Assistência Social de Porto Alegre das 17 Regiões do Orçamento Participativo. As informações buscam subsidiar os serviços no conhecimento dos seus territórios a partir dos dados populacionais, da cobertura da rede de serviços socioassistenciais próprios e conveniados quanto ao nível de complexidade, metas, modalidade de convênios e entidades executoras, dos dados de vulnerabilidade e da avaliação entre os serviços de convivência e fortalecimento de vínculos executados e os segmentos etários de cada. O material apresentado foi produzido a partir das avaliações sistematizadas pelas equipes dos serviços próprios e conveniados que constam no Relatório de Avaliação do CMAS/, dos Registros Mensais de Atendimentos - RMA/, das pesquisas realizadas pela UFRGS/2008, dos mapas (Geopinus/Procempa) e dos dados que constam no ObservaPoa (IBGE, Censo Demográfico 2010; Sistema de Informações de Mortalidade - SIM/SMS, 2011) e dados fornecidos pela Coordenação de Monitoramento e Avaliação - CMA e Coordenação Técnica e Administrativa de Convênios CTAC. Cabe ressaltar que a sistematização desse conjunto de informações, realizada no período de janeiro a maio/2013, levou em consideração os dados disponíveis e organizados, na FASC e na Prefeitura Municipal de Porto Alegre, de acordo com as regiões do OP. Esse esforço inicial reiterou a necessidade de construção de indicadores de vulnerabilidades específicos da política de Assistência Social, como jovens que cometem atos infracionais, exploração sexual, trabalho infantil, população em, dentre outros. Espera-se também, produzir instrumentos para a construção de informações regionais com caráter qualitativo dos territórios abrangidos pelas regiões do OP. Diante desses desafios esperamos que o material apresentado possa contribuir para as discussões das pré-conferências de Assistência Social nas regiões, bem como, ampliar nossa compreensão dos territórios. Equipe da AVS Maio de

3 3

4 2. ASPECTOS SÓCIO-TERRITORIAIS A Região Centro-Sul abrange os bairros Teresópolis, Nonoai, Cavalhada, Vila Nova, Jardim Vila Nova, Campo Novo e Camaquã. Tem uma população de habitantes (Dados do ObservaPOA/IBGE, Censo de 2010). É uma que possui poucas entidades que demandem convênio no OP para atendimento da infância e da juventude. Em ; foram aprovadas para a, na área da assistência social, 02 demandas do Orçamento Participativo para Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos de 06 a 14 anos e 11 meses e 01 demanda para Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos de 05 a 17 anos e 11 meses. Conforme o seminário do Fórum de Segurança, desta, os principais dados das vulnerabilidades apontam para as problemáticas do tráfico, com ênfase no uso de crack, as situações de exploração sexual, de trabalho infantil e de violência doméstica. O CRAS Centro Sul atende dois microterritórios com ações de cadastramento do CadÚnico e buscas ativas, além de seguir realizando o processo de transição da população indígena que foi transladada para outra Região. Apesar de todos estes serviços já existentes, a Região ainda tem a necessidade de novos núcleos de atendimento às famílias, seja através de convênios de Serviço de Atendimento Familiar - SAF ou com a implantação de mais um espaço de CRAS no seu território. Como primeira alternativa a essa situação, já foram conveniadas duplas de técnicos PAIF para cada microterritório, de maior índice de vazios de atendimento. Segundo o diagnóstico territorial, os vazios de atendimento são: Alto Erechim e Condomínio Campos do Cristal/Campo Novo, que também se caracterizam por serem áreas de risco com construções irregulares e falta de saneamento básico. Identificamos prioritariamente que na Centro Sul, além da demanda de serviços para a infância e juventude (SCFV), existe também uma grande demanda em relação às vagas para crianças de 0 a 6 anos na Educação Infantil. A rede socioassistencial de serviços próprios é formada, no nível de complexidade Básica, pelo CRAS Centro Sul, no nível de Proteção Especial de 4

5 Média Complexidade pelo CREAS Sul e Centro Sul e no nível de Proteção Especial de Alta Complexidade pelos Abrigos Residenciais Sabiá 3 e 5. O CRAS Centro Sul é Ampliado e oferece os serviços de PAIF - Serviço de Proteção e Atendimento Integral a Família - com capacidade de atendimento de famílias/ano; de SCFV Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos - de 6 a 15 anos com capacidade de atendimento de 0 crianças e adolescentes; e o SCFV de 60 anos ou mais com capacidade de atendimento de 5 idosos. O CREAS Sul e Centro-Sul oferece os serviços de Proteção e Atendimento Especializado a Famílias e Indivíduos -PAEFI; o Serviço Especializado em Abordagem Social de crianças, adolescentes e adultos e o Serviço de Proteção Social a Adolescentes em Cumprimento de Medidas Socioeducativas de Liberdade Assistida e de Prestação de Serviços à Comunidade (PEMSE), com capacidade de atendimento de 80 Medidas Socioeducativas. O Serviço de Alta Complexidade é composto pelos Abrigos Residenciais Sabiá 3 e 5, acolhendo institucionalmente crianças e adolescentes com um total de atendimento de 30 metas. A rede socioassistencial de serviços conveniados é formada, no nível de complexidade Básica, por 4 Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos/SCFV de 6 a 15 anos totalizando 260 metas; por 1 SCFV de 15 a 17 anos/trabalho Educativo totalizando 108 metas; pelos SCFV de 15 a 17anos/Projovem com capacidade de atendimento de 150 jovens e por 1 Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos/SCFV para Idosos com 75 metas. No nível de complexidade Especial de Média, a rede socioassistencial de serviços conveniados é formada por 2 Serviços de Habilitação e Reabilitação para Pessoas com Deficiência totalizando 158 metas e, no nível de complexidade Especial de Alta, por 4 serviços de Acolhimento Institucional para crianças e adolescentes, composto por 3 Casas Lares totalizando 30 metas e por 1 Abrigos Residenciais com 10 metas; e por 2 Instituições de Longa Permanência para Idosos totalizando 203 metas. Abaixo apresentamos os dados organizados da seguinte forma: dados de atendimento nos CRAS, CREAS e SAF, quadro com os serviços de básica, média e alta complexidade, dados populacionais e cobertura de serviços na. Os 5

6 dados da população estão dispostos de acordo com o gênero, faixa etária, raça/etnia, rendimentos, BPC, Bolsa Família e vulnerabilidade e risco. Depois são apresentados os dados de cobertura de serviços da assistência social e a articulação entre os dados da população e os atendimentos de cada. 3. QUADROS E TABELAS DADOS ATENDIMENTOS CRAS/CREAS Proteção Social Básica - CRAS Media mensal de famílias em acompanhamento pelo PAIF (nos CRAS) na Média mensal de atendimentos individualizados realizados nos CRAS da Proteção Social Especial de Média Complexidade - CREAS Média mensal de casos (famílias ou indivíduos) em acompanhamento pelo PAEFI (CREAS) Média mensal de atendimentos individualizados realizados no CREAS na Centro Sul Fonte: Dados Coordenação de Monitoramento e Avaliação 6

7 PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA CENTRO SUL OP 15 (Dados 2013) Serviços Conveniados - Metas Serviços Próprios - Descrição PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL DE MÉDIA COMPLEXIDADE Serviços Convenia dos Serviços Próprios ENTIDADES/INSTITUIÇÕES CRAS AMPLIADO CENTRO SUL PCD AÇÃO RUA CREAS SUL/CENTRO SUL PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL DE ALTA COMPLEXIDADE Serviços Conveniados 7 Servi ços Pró prios Oferta: Serviço de Proteção e Atendimento Integral a Famílias - PAIF Acolhimentos e acompanhamentos individuais e grupais Inclusão e atualização do Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal SCFV 6 a 14 anos e 11 meses - SCFV 15 a 17 anos e 11 meses- Trabalho Educativo SCFV 15 a 17 anos e 11 meses - Pro Jovem Adolescente SCFV - acima de 60 anos SAF - Serviço de Atendimento Familiar Acolh. Instit. CASA LAR - Cri/adol. Acolh. Instit. ABRIGO - Cri/adol. Acolh. Instit. IDOSO Acolh. Instit. ABRIGO - Cri/adol. CENTRO COMUNITÁRIO ALTO EREXIM CRECHE RENASCENÇA DA VILA AMÉRICA POBRES SERVOS DA DIVINA PROVIDÊNCIA - SÃO JOÃO CALABRIA SOCIED. BENEF. NOSSA SENHORA DA SAÚDE - TERESÓPOLIS USBEE / CASA MARISTA DA JUVENTUDE AMURT AMURTEL 150 INSTITUTO SANTA LUZIA 83 APAE - João Alfredo SCFV - 06 a 14 anos SCFV - acima de 60 anos Serviço de abordagem social de crianças e adolescentes - este serviço compõe as ações do CREAS Oferta: * Serviço de Proteção e Atendimento Especializado a Famílias e Indivíduos - PAEFI Acolhimentos e acompanhamentos individuais e grupais * Serviço de Proteção Social a Adolescentes em Cumprimento de Medida Socioeducativa de Meio Aberto - MSE: Liberdade Assistida e Prestação de Serviço à Comunidade * Serviço de Abordagem Social para crianças, adolescentes e população adulta

8 PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA CENTRO SUL OP 15 (Dados 2013) Serviços Conveniados - Metas Serviços Próprios - Descrição PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL DE MÉDIA COMPLEXIDADE Serviços Conveniados Serviços Próprios PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL DE ALTA COMPLEXIDADE Serviços Conveniados Servi ços Pró prios SCFV 6 a 14 anos e 11 meses - SCFV 15 a 17 anos e 11 m- Trabalho Educativo SCFV 15 a 17 anos e 11 m Pro Jovem Adolescente SCFV - acima de 60 anos SAF - Serviço de Atendimento Familiar Acolh. Instit. CASA LAR - Cri/adol. Acolh. Instit. ABRIGO - Cri/adol. Acolh. Instit. IDOSO Acolh. Instit. ABRIGO - Cri/adol. ENTIDADES/INSTITUIÇÕES CRAS AMPLIADO CENTRO SUL PCD AÇÃO RUA CREAS SUL/CENTRO SUL CASA LAR PÉROLAS CALABRIANAS (JOÃO PAULO II) CASA LAR PÉROLAS DO AMANHECER (JOÃO PAULO II) ASILO / SPANN ASILO / LAR DA AMIZADE ARM - SABIÁ 3 COMPARTILHADO TIA GESSI Oferta: Serviço de Proteção e Atendimento Integral a Famílias - PAIF Acolhimentos e acompanhamentos individuais e grupais ARM - SABIÁ 5 COMPARTILHADO AMPARO SANTA CRUZ CASA LAR CORAÇÃO DE JESUS (JOÃO PAULO II) CASA AMARELA (INSTITUTO RECRIAR) Inclusão e atualização do Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal SCFV - 06 a 14 anos SCFV - acima de 60 anos Serviço de abordagem social de crianças e adolescentes - este serviço compõe as ações do CREAS Oferta: * Serviço de Proteção e Atendimento Especializado a Famílias e Indivíduos - PAEFI Acolhimentos e acompanhamentos individuais e grupais * Serviço de Proteção Social a Adolescentes em Cumprimento de Medida Socioeducativa de Meio Aberto - MSE: Liberdade Assistida e Prestação de Serviço à Comunidade * Serviço de Abordagem Social para crianças, adolescentes e população adulta 10 Capacidade de atendimento, por serviço, na Dados Pro Jovem - PSB e Relatórios CMAS - Dados Convênios - CTAC/FASC

9 1- da Região Centro Sul, segundo características da população População por Gênero e Faixas Etárias População Total % da população da sobre o total da cidade População Masculina % da população masculina da sobre o total da população da População Feminina % da população feminina da sobre o total da população da 0 a 5 anos e 11 meses de idade % da população de 0 a 5 anos e 11 meses de idade da sobre o total da população da 6 a 14 anos e 11 meses de idade % da população de 6 a 14 anos e 11 meses de idade da sobre o total da população da N Nome Centro Sul , , , , ,23 Total Porto Alegre Cont. 1- da Região Centro Sul, segundo características da população População por Gênero e Faixas Etárias População Total 15 a 17 anos e 11 meses de idade % da população de 15 a 17 anos e 11 meses de idade da sobre o total da população da 18 a 21 anos e 11 meses de idade % da população de 18 a 21 anos e 11 meses de idade da sobre o total da população da 22 a 59 anos e 11 meses de idade % da população de 22 a 59 anos e 11 meses de idade da sobre o total da população da 60 anos e mais de idade % da população de 60 anos e mais de idade da sobre o total da população da N Nome Centro Sul , , , ,54 Total Porto Alegre

10 2- da Região Centro Sul, segundo características da população População por Raça / Etnia N Nome Branca % da população branca da sobre a população total da Negra (Preta mais Parda) % da população negra da sobre a população total da Amarela % da população amarela da sobre a população total da Indígena % da população indígena da sobre a população total da Sem declaração % da população sem declaração da sobre a população total da Centro Sul , , , ,20 2 0,19 3- da Região Centro Sul, segundo características da população Rendimentos por Domicílios Número de domicílios com rendimento domiciliar per capita até 1/4 salário mínimo em 2010 (Valor absoluto de domicílios indigentes)* % de domicílios com rendimento domiciliar per capita até 1/4 salário mínimo sobre o total de domicílios da 2010 (Percentual de domicílios indigentes)* Número de domicílios com rendimento domiciliar per capita de até 1/2 salário mínimo em 2010 (Valor absoluto de domicílios pobres)* % de domicílios com rendimento domiciliar per capita de até 1/2 salário mínimo sobre o total de domicílios da 2010 (Percentual de domicílios pobres)* Número de responsáveis por domicilio com rendimento até 1 salário mínimo % de responsáveis por domicilio com rendimento até 1 salário mínimo sobre o total da em 2000 Número de responsáveis por domicilio com rendimento até 2 salários mínimos % de responsáveis por domicilio com rendimento até 2 salários mínimos sobre o total da em 2000 Rendimento médio dos responsáveis por domicílio em salários mínimos N Nome Centro Sul 598 1, , , ,85 7,57 10

11 4- da Região Centro Sul, segundo características da população Dados do BPC (Benefício de Prestação Continuada) - Novembro/ N Nome 11 Valor Absoluto de BPC (PCD's - 0 a 64 anos de idade) % de BPC (PCD's) da sobre o total de BPC da Valor Absoluto de BPC (Idoso -65 anos e mais de idade) % de BPC (Idoso) da sobre o total de BPC da Total de BPC (PCD's e Idosos) Centro Sul , , da Região Centro Sul, segundo características da população Bolsa Família - Valor absoluto de famílias beneficiadas no PBF (Programa Bolsa Família) Percentual de pessoas beneficiadas no PBF sobre a população total da (média por família de 5 indivíduos) N Nome Centro Sul ,43 Fontes: CMA (Coordenação de Monitoramento e Avaliação). IBGE - Censo Demográfico ObservaPOA (Observatório da cidade de Porto Alegre). ASSEPLA - AVS (Área de Vigilância Socioassistencial

12 6- da Região Centro Sul, segundo características da cobertura do serviço Proteção Social Básica - Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos - 6 a 14 anos de idade Dados Rede Socioassistencial Conveniado - SASE - Dados Rede Socioassistencial Próprio - SASE - Dados Rede Socioassistencial Próprio e Conveniado - SASE - População de 6 a 14 anos de idade Meta Prevista Meta Executada % Executado sobre a meta prevista - % de meta prevista sobre a população de 6 a 14 anos da % de meta executada sobre a população de 6 a 14 anos da Meta Prevista Meta Executada % Executado sobre a meta prevista - % de meta prevista sobre a população de 6 a 14 anos da % de meta executada sobre a população de 6 a 14 anos da Total Meta Prevista Total Meta Executada % Executado sobre a meta prevista - % de meta prevista sobre a população de 6 a 14 anos da % de meta executada sobre a população de 6 a 14 anos da N Nome Centro Sul ,23 1,92 1, ,17 0,88 0, ,32 2,80 2,28 7- da Região Centro Sul, segundo características da cobertura do serviço Proteção Social Básica - Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos - 15 a 17 anos de idade Dados Rede Socioassistencial Conveniado - Trabalho Educativo - Dados Rede Socioassistencial Pro Jovem Adolescente - Dados Rede Socioassistencial Conveniado de Trabalho Educativo e Pro Jovem Adolescente - População de 15 a 17 anos de idade Meta Prevista Meta Executada % Executado sobre a meta prevista - % de meta prevista sobre a população de 15 a 17 anos da % de meta executada sobre a população total de 15 a 17 anos da Meta Prevista Meta Executada % Executado sobre a meta prevista - % de meta prevista sobre a população de 15 a 17 anos da % de meta executada sobre a população de 15 a 17anos da Total Meta Prevista Total Meta Executada % Executado sobre a meta prevista - % de meta prevista sobre a população de 15 a 17 anos da % de meta executada sobre a população de 15 a 17 anos da N Nome Centro Sul ,63 2,20 1, ,80 2,55 2, ,96 4,75 3,47

13 8- da Região Centro Sul, segundo características da cobertura do serviço Proteção Social Básica - Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos - 60 anos e mais de idade Dados Rede Socioassistencial Conveniado - Idoso - Dados Rede Socioassistencial Próprio - Idoso - Dados Rede Socioassistencial Próprio e Conveniado - Idoso - População de 60 anos e mias de idade N Nome Meta Prevista Meta Executada % Executado sobre a meta prevista - % de meta prevista sobre a população de 60 anos e mais de idade da % de meta executada sobre a população de 60 anos e mais de idade da Meta Prevista Meta Executada % Executado sobre a meta prevista - % de meta prevista sobre a população de 60 anos e mais de idade da % de meta executada sobre a população de 60 anos e mais de idade da Total Meta Prevista Total Meta Executada % Executado sobre a meta prevista - % de meta prevista sobre a população de 60 anos e mais de idade da % de meta executada sobre a população de 60 anos e mais de idade da Centro Sul ,67 0,47 0, ,60 0,78 0, ,50 1,24 1,15 Fontes: IBGE - Censo Demográfico. ObservaPOA (Observatório da cidade de Porto Alegre). ASSEPLA - AVS (Área de Vigilância Socioassistencial). CMA (Coordenação de Monitoramento e Avaliação). 13

14 9- da Região Centro Sul, segundo características de vulnerabilidade e risco Indivíduos abordados pelo serviço de abordagem social - rua moradia (Dados CREAS Região Sul/Centro-Sul) Rua Moradia Criança Adolescente Adulto Idoso Total Moradia N Nome % de crianças sobre o total de pessoas em Moradia % de adolescentes sobre o total de pessoas em Moradia % de adultos sobre o total de pessoas em Moradia % de idosos sobre o total de pessoas em situação de rua Moradia Total de pessoas em Moradia % de pessoas em Moradia sobre o total de pessoas em situação de rua Moradia Total Situação de Rua Moradia % de pessoas em Moradia sobre o total de pessoas em situação de rua Moradia Total pessoas em - Moradia % do total de pessoas em Moradia sobre o total pessoas em situação de rua Moradia + Centro Sul , , , , , , , da Região Centro Sul, segundo características de vulnerabilidade e risco Indivíduos abordados pelo serviço de abordagem social - rua sobrevivência (Dados CREAS Região Sul/Centro- Sul) Rua Criança Adolescente Adulto Idoso Total N Nome % de crianças sobre o total de pessoas em situação de rua % de adolescentes sobre o total de pessoas em % de adultos sobre o total de pessoas em situação de rua % de idosos sobre o total de pessoas em situação de rua Total de pessoas em % de pessoas em Moradia sobre o total de pessoas em situação de rua Total de pessoas em % de pessoas em Moradia sobre o total de pessoas em situação de rua Total de pessoas em Situação de rua - % do total de pessoas em sobre o total pessoas em situação de rua Moradia + Centro Sul , , , , , , ,77 14

15 11- da Região Centro Sul, segundo características de vulnerabilidade e risco Indivíduos abordados pelo serviço de abordagem social - rua moradia e sobrevivência (Dados CREAS Região Sul/Centro-Sul) Rua Moradia e Criança Adolescente Adulto Idoso Total Moradia e N Nome % de crianças sobre o total de pessoas em Moradia e % de adolescentes sobre o total de pessoas em situação de rua Moradia e % de adultos sobre o total de pessoas em Moradia e % de idosos sobre o total de pessoas em Moradia e Total % de sobre o total de pessoas em Moradia e Total % de sobre o total de pessoas em Moradia e Total de pessoas em Situação de rua - Moradia e Centro Sul , , , , , , da Região Centro Sul, segundo características de vulnerabilidade e risco Adolescentes em Cumprimento de medidas socioeducativas - (Dados CREAS Sul/Centro-Sul) Homicídio juvenil masculino* Morte por Homicídios Adolescentes em cumprimento de Liberdade Assistida - LA Adolescentes em cumprimento de Prestação de Serviços à Comunidade - PSC Total de adolescentes em cumprimento de Medidas socioeducativas (LA e/ou PSC) Percentual de mortes por homicídio de jovens do sexo masculino de 15 a 29 anos, sobre o total de mortes dessa faixa etária e sexo N Nome Morte por Homicídio % de mortes por homicídio sobre total de mortes Centro Sul 47,75 82,00 9,92 51, ,15 Fontes: IBGE - Censo Demográfico 2000, 2011,. ASSEPLA - AVS (Área de Vigilância Socioassistencial). Atlas do Desenvolvimento Humano da Região Metropolitana de Porto Alegre ObservaPOA (Observatório da cidade de Porto Alegre). CMA (Coordenação de Monitoramento e Avaliação). OBS.: Os valores encontrados por nos dados das medidas socioeducativas e de abordagem social estão replicados devido ao CREAS atender mais de uma do OP. 15

16 4. FONTES CONSULTADAS: Diagnóstico territorial realizado pelas equipes de CRAS e CREAS. FASC, PMPA, Observa POA, Prefeitura Municipal de Porto Alegre. Banco de Dados da Coordenação de Monitoramento e Avaliação - CMA,. FASC/PMPA. Jornal OP na cidade Caderno OP na Comunidade Quadro de entidades e metas conveniadas. CTAC/FASC/PMPA maio 2013 Relatório de Avaliação CMAS, PMPA/FASC, Porto Alegre,. 16

Conhecendo a realidade de Crianças, Adolescente e Jovens Adultos em Situação de Rua da GRANPAL

Conhecendo a realidade de Crianças, Adolescente e Jovens Adultos em Situação de Rua da GRANPAL Conhecendo a realidade de Crianças, Adolescente e Jovens Adultos em Situação de Rua da GRANPAL Evolução da População, Indicadores Sociais, Situação de Rua e Saúde Mental Adriana Furtado Lirene Finkler

Leia mais

Curso SUAS Sistema Único de Assistência Social nos CRAS e CREAS

Curso SUAS Sistema Único de Assistência Social nos CRAS e CREAS Associação Brasileira de Formação e Desenvolvimento Social - ABRAFORDES www.cursosabrafordes.com.br DICA: Tecle Ctrl+s para salvar este PDF no seu computador. Curso SUAS Sistema Único de Assistência Social

Leia mais

Leituras dos Territórios das Regiões de Assistência Social

Leituras dos Territórios das Regiões de Assistência Social Leituras dos Territórios das Regiões de Assistência Social Porto Alegre 213 Prefeitura Municipal de Porto Alegre José Fortunati Prefeito Sebastião Melo Vice-prefeito Kevin Krieger Presidente da Fundação

Leia mais

PREFEITURA DE MONTES CLAROS SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL Centro de Referência de Assistência Social PLANO ANUAL DE AÇÃO 2015

PREFEITURA DE MONTES CLAROS SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL Centro de Referência de Assistência Social PLANO ANUAL DE AÇÃO 2015 CRAS: Maracanã COORDENADOR(A): Eliana de Araújo Vieira PREFEITURA DE MONTES CLAROS PLANO ANUAL DE AÇÃO 2015 QUADRO I Atividades de fortalecimento dos vínculos familiares e comunitários: Objetivo Atividades

Leia mais

PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL MEDIA COMPLEXIDADE

PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL MEDIA COMPLEXIDADE OBJETIVO: Prestar atendimento especializado às famílias e indivíduos cujos direitos tenham sido ameaçados ou violados e/ou que já tenha ocorrido rompimento familiar ou comunitário. PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL

Leia mais

Coordenação de Proteção Social Básica

Coordenação de Proteção Social Básica - S E D S Coordenação de Proteção Social Básica Agosto 212 Coordenação Proteção Social Básica A coordenação e o controle das ações da Política Pública da Assistência Social relacionadas a proteção social

Leia mais

Vigilância Social: Estudando os instrumentais a serem utilizados pelo PAIF/PAEFI

Vigilância Social: Estudando os instrumentais a serem utilizados pelo PAIF/PAEFI Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social Vigilância Social: Estudando os instrumentais a serem utilizados pelo PAIF/PAEFI FACILITADORA: INÊS DE MOURA TENÓRIO

Leia mais

Vigilância Socioassistencial Estruturada em dois eixos: Vigilância de Riscos e Vulnerabilidades e a Vigilância de Padrões e Serviços.

Vigilância Socioassistencial Estruturada em dois eixos: Vigilância de Riscos e Vulnerabilidades e a Vigilância de Padrões e Serviços. Apresentação Vigilância Socioassistencial Estruturada em dois eixos: Vigilância de Riscos e Vulnerabilidades e a Vigilância de Padrões e Serviços. Diagnóstico Socioterritorial Os indicadores e informações

Leia mais

Subsidiar a implementação de um conjunto de ações orientadas para a prevenção e erradicação do trabalho de crianças e adolescentes no estado da

Subsidiar a implementação de um conjunto de ações orientadas para a prevenção e erradicação do trabalho de crianças e adolescentes no estado da O TRABALHO INFANTO- JUVENIL NO ESTADO DA BAHIA Destaques do relatório preparado por Inaiá Maria Moreira de Carvalho e Cláudia Monteiro Fernandes para a OIT Brasil Março de 2010 1 Objetivo Geral Subsidiar

Leia mais

AÇÕES, SERVIÇOS E BENEFICIOS SOCIOASSISTENCIAIS PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES - BAHIA

AÇÕES, SERVIÇOS E BENEFICIOS SOCIOASSISTENCIAIS PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES - BAHIA AÇÕES, SERVIÇOS E BENEFICIOS SOCIOASSISTENCIAIS PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES - BAHIA Sistema Único de Assistência Social Fundos Conselhos SUAS Planejamento Diagnóstico Rede Socioassistencial Serviços Tipificados

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DO SUAS AVANÇOS E DESAFIOS

IMPLEMENTAÇÃO DO SUAS AVANÇOS E DESAFIOS SECRETARIA DE ESTADO DO TRABALHO, EMPREGO E PROMOÇÃO SOCIAL Núcleo de Coordenação da Assistência Social IMPLEMENTAÇÃO DO SUAS AVANÇOS E DESAFIOS POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO VIII CONFERÊNCIA ESTADUAL DE

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO TRABALHO, EMPREGO E PROMOÇÃO SOCIAL

SECRETARIA DE ESTADO DO TRABALHO, EMPREGO E PROMOÇÃO SOCIAL COMISSÃO INTERGESTORA BIPARTITE CIB RESOLUÇÃO 007/2004 CIB A Comissão Intergestora Bipartite CIB, em reunião ordinária realizada no dia 23 de novembro de 2004 RESOLVE Art. 1º - Aprovar o documento CRITÉRIOS

Leia mais

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento,

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Projetos e Capacitação Quem são os usuários da Assistência

Leia mais

GUIA RA PIDO DA ESTRUTURA GERAL DO ORÇAMENTO Um novo desenho frente à publicação da Portaria MDS nº 113/2015, para os entes.

GUIA RA PIDO DA ESTRUTURA GERAL DO ORÇAMENTO Um novo desenho frente à publicação da Portaria MDS nº 113/2015, para os entes. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Secretaria Nacional de Assistência Social Fundo Nacional de Assistência Social GUIA RA PIDO DA ESTRUTURA GERAL DO ORÇAMENTO Um novo desenho frente

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA. Comissão de Defesa dos Direitos das Pessoas com Deficiência/CD Comissão de Seguridade Social e Família/

AUDIÊNCIA PÚBLICA. Comissão de Defesa dos Direitos das Pessoas com Deficiência/CD Comissão de Seguridade Social e Família/ AUDIÊNCIA PÚBLICA Comissão de Defesa dos Direitos das Pessoas com Deficiência/CD Comissão de Seguridade Social e Família/ Brasília, 13 de maio de 2015 Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome

Leia mais

A produção de indicadores na Secretaria Nacional de Assistência Social

A produção de indicadores na Secretaria Nacional de Assistência Social A produção de indicadores na Secretaria Nacional de Assistência Social Hugo Miguel Pedro Nunes Coordenador Geral dos Serviços de Vigilância Social- substituto Departamento de Gestão do SUAS Secretaria

Leia mais

Usuários Trabalhadores Entidades Quais e quantos eventos de mobilização antecederam a Conferência? Tipo de Eventos de Mobilização

Usuários Trabalhadores Entidades Quais e quantos eventos de mobilização antecederam a Conferência? Tipo de Eventos de Mobilização REGISTRO DO PROCESSO DA CONFERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL 2015 Informações Gerais da Conferência Municipal: 1. Nome do Município /UF: SURUBIM-PE 2. Identificação da Conferência: VII CONFERÊNCIA MUNICIPAL

Leia mais

7. ASSISTÊNCIA SOCIAL

7. ASSISTÊNCIA SOCIAL 7. ASSISTÊNCIA SOCIAL O Sistema Único de Assistência Social (SUAS) adota as seguintes categorias de atenção ao cidadão para as ações e serviços de assistência social (BRASIL, 2005): Proteção Social Básica

Leia mais

Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social. Recife, 04 de dezembro de 2013.

Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social. Recife, 04 de dezembro de 2013. Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Recife, 04 de dezembro de 2013. Definição Firmado entre a União, Estados, Distrito Federal e municípios; Instrumento pelo qual se materializam

Leia mais

PROTEÇÃO BÁSICA. Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos - 06 a 14 anos. RH Assistente Social Coordenador Educador Social

PROTEÇÃO BÁSICA. Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos - 06 a 14 anos. RH Assistente Social Coordenador Educador Social PROTEÇÃO BÁSICA Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos - 06 a 14 anos RH Assistente Social Coordenador Educador Social Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos - Centros de Convivência

Leia mais

Equipe Técnica. Responsável pela organização e análise das informações. Simone Ritta dos Santos - Dra. Serviço Social e Antropóloga Coordenadora Geral

Equipe Técnica. Responsável pela organização e análise das informações. Simone Ritta dos Santos - Dra. Serviço Social e Antropóloga Coordenadora Geral Equipe Técnica Responsável pela organização e análise das informações Simone Ritta dos Santos - Dra. Serviço Social e Antropóloga Coordenadora Geral Angela Voges Pinheiro Araújo - Assistente Social - Assessora

Leia mais

IBGE: HABITANTES URBANA: RURAL: AREA 350 KM² 56 comunidades 8 bairros

IBGE: HABITANTES URBANA: RURAL: AREA 350 KM² 56 comunidades 8 bairros IBGE: 2010 16.034 HABITANTES URBANA: 9.871 RURAL:6.150 AREA 350 KM² 56 comunidades 8 bairros Nº Famílias referenciadas: 540 famílias Nº Famílias acompanhadas em grupos: 190 famílias. 1 Coordenadora: 40

Leia mais

Redesenho do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI

Redesenho do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI Redesenho do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI Ministério do Desenvolvimento Social e Combate a Fome MDS Secretaria Nacional de Assistência Social SNAS HISTÓRICO DO PETI PETI Contexto histórico

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA 20/05/2015

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA 20/05/2015 COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA 20/05/2015 Perfil da Extrema Pobreza Núcleo duro da pobreza 71% de negros e negras 60% na região Nordeste 40% de crianças e adolescentes (0 a 14 anos) Eixos do Plano

Leia mais

Projeto Inclusão Social Urbana Nós do Centro. Prefeitura de São Paulo União Européia

Projeto Inclusão Social Urbana Nós do Centro. Prefeitura de São Paulo União Européia Projeto Inclusão Social Urbana Nós do Centro Prefeitura de São Paulo União Européia Histórico do Projeto Cooperação técnica bilateral da Prefeitura de São Paulo com a União Européia com duração de quatro

Leia mais

Indicadores socioeconômicos da Região Sul de Diadema. Observatório de Políticas Públicas, Econômico e Social de Diadema OPPES Agosto 2012

Indicadores socioeconômicos da Região Sul de Diadema. Observatório de Políticas Públicas, Econômico e Social de Diadema OPPES Agosto 2012 Indicadores socioeconômicos da Região Sul de Diadema Observatório de Políticas Públicas, Econômico e Social de Diadema OPPES Agosto 2012 DEMOGRAFIA População total dos bairros de Diadema e crescimento

Leia mais

SÍNTESE DO PERFIL E DAS ATRIBUIÇÕES DOS COORDENADORES DAS UNIDADES SOCIOASSISTENCIAIS. Perfil e principais atribuições do Coordenador do CREAS

SÍNTESE DO PERFIL E DAS ATRIBUIÇÕES DOS COORDENADORES DAS UNIDADES SOCIOASSISTENCIAIS. Perfil e principais atribuições do Coordenador do CREAS SÍNTESE DO PERFIL E DAS ATRIBUIÇÕES DOS COORDENADORES DAS UNIDADES SOCIOASSISTENCIAIS Perfil e principais atribuições do Coordenador do CREAS Escolaridade de nível superior de acordo com a NOB/RH/2006

Leia mais

Estado do Espírito Santo Prefeitura Municipal de Anchieta CNPJ / Secretaria Municipal de Assistência Social RELATÓRIO DE GESTÃO 2014

Estado do Espírito Santo Prefeitura Municipal de Anchieta CNPJ / Secretaria Municipal de Assistência Social RELATÓRIO DE GESTÃO 2014 RELATÓRIO DE GESTÃO 2014 AÇÕES DA SEMAS 2014 PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA CENTRO DE REFERÊNCIA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - CRAS DEMANDAS TOTAL TOTAL DE ATENDIMENTOS INDIVIDUALIZADOS - 2014 TOTAL DE FAMÍLIAS INSERIDAS

Leia mais

PAINEL IV: DESENVOLVIMENTO SOCIAL NO ÂMBITO DA SUSTENTABILIDADE

PAINEL IV: DESENVOLVIMENTO SOCIAL NO ÂMBITO DA SUSTENTABILIDADE PAINEL IV: DESENVOLVIMENTO SOCIAL NO ÂMBITO DA SUSTENTABILIDADE Mara Moraes de Carvalho Superintendente de Assistência Social Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social SJDHDS GOVERNO

Leia mais

Helena A Wada Watanabe 2012

Helena A Wada Watanabe 2012 Helena A Wada Watanabe 2012 Política * É uma atividade mediante a qual as pessoas fazem, preservam e corrigem as regras gerais sob as quais vivem. * É inseparável tanto do conflito como da cooperação (valores

Leia mais

Fortaleza. 5ª cidade em população: 2,45 milhões 9ª colocada em PIB 18ª capital em rendimento mensal total domiciliar per capita nominal (R$ 701,00)

Fortaleza. 5ª cidade em população: 2,45 milhões 9ª colocada em PIB 18ª capital em rendimento mensal total domiciliar per capita nominal (R$ 701,00) 5ª cidade em população: 2,45 milhões 9ª colocada em PIB 18ª capital em rendimento mensal total domiciliar per capita nominal (R$ 701,00) Classificação por renda domiciliar per capita Renda Domiciliar Per

Leia mais

Município: GOVERNADOR VALADARES / MG

Município: GOVERNADOR VALADARES / MG O Plano Brasil Sem Miséria O Plano Brasil Sem Miséria foi lançado com o desafio de superar a extrema pobreza no país. O público definido como prioritário foi o dos brasileiros que estavam em situação de

Leia mais

1. Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculo.

1. Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculo. NOTA TÉCNICA N. 035/2013 Brasília, 24 de outubro de 2013. ÁREA: TÍTULO: Desenvolvimento Social. Reordenamento do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculo (SCFV). REFERÊNCIA: Resolução CNAS n

Leia mais

7. CARACTERIZAÇÃO DOS SERVIÇOS OFERTADOS NESTE CREAS

7. CARACTERIZAÇÃO DOS SERVIÇOS OFERTADOS NESTE CREAS CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Coordenador: Cristiane picine os santos milles Fundação: 05 de Junho de 2010 Endereço: Rua Dom Pedro I nº 43 Bairro: Maruípe Telefone: 3235-2880/

Leia mais

TIPIFICAÇÃO NACIONAL DOS SERVIÇOS SOCIOASSISTENCIAIS RESOLUÇÃO Nº 109, DE 11 DE NOVEMBRO DE 2009

TIPIFICAÇÃO NACIONAL DOS SERVIÇOS SOCIOASSISTENCIAIS RESOLUÇÃO Nº 109, DE 11 DE NOVEMBRO DE 2009 TIPIFICAÇÃO NACIONAL DOS SERVIÇOS SOCIOASSISTENCIAIS RESOLUÇÃO Nº 109, DE 11 DE NOVEMBRO DE 2009 III - SERVIÇOS DE PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL DE ALTA COMPLEXIDADE: a) Serviço de Acolhimento Institucional,

Leia mais

O Jardim Canadá no IBGE

O Jardim Canadá no IBGE O Jardim Canadá no IBGE Apps > Mapa > Municípios Nova Lima ( código 3144805) Pirâmide Etária Famílias Fecundidade Migração Religião Nupcialidade Domicílios Educação Deficiência Trabalho Rendimento Nova

Leia mais

Redesenho do PETI. Programa de Erradicação do Trabalho Infantil

Redesenho do PETI. Programa de Erradicação do Trabalho Infantil Redesenho do PETI Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI É um programa de caráter intersetorial que,no âmbito do SUAS, compreende transferência de renda, trabalho social com famílias e oferta

Leia mais

ANEXO I ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS FMIG 2016

ANEXO I ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS FMIG 2016 ANEXO I ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS FMIG 2016 Cada projeto deve conter no máximo 20 páginas 1. APRESENTAÇÃO Faça um resumo claro e objetivo do projeto, considerando a situação do idoso, os dados

Leia mais

PACTO DE APRIMORAMENTO DA GESTÃO ESTADUAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

PACTO DE APRIMORAMENTO DA GESTÃO ESTADUAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL PACTO DE APRIMORAMENTO DA GESTÃO ESTADUAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL A Gestão proposta pelo SUAS pauta-se no Pacto Federativo onde devem ser atribuídas e detalhadas as competências e responsabilidades

Leia mais

ESTRATÉGIAS SINGULARES DE IMPLANTAÇÃO DA CADERNETA DO IDOSO NO MUNICÍPIO DE CAXIAS DO SUL - RS

ESTRATÉGIAS SINGULARES DE IMPLANTAÇÃO DA CADERNETA DO IDOSO NO MUNICÍPIO DE CAXIAS DO SUL - RS PREFEITURA MUNICIPAL DE CAXIAS DO SUL SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE ESTRATÉGIAS SINGULARES DE IMPLANTAÇÃO DA CADERNETA DO IDOSO NO MUNICÍPIO DE CAXIAS DO SUL - RS Nadia Peresin Perottoni Enfermeira Atenção

Leia mais

LOAS (Lei Orgânica da Assistência Social) com foco na POPULAÇÃO IDOSA

LOAS (Lei Orgânica da Assistência Social) com foco na POPULAÇÃO IDOSA LOAS (Lei Orgânica da Assistência Social) com foco na POPULAÇÃO IDOSA Direitos Sociais 1988: Promulgação da Constituição Federal; A Assistência Social passou a integrar o Sistema de Seguridade Social,

Leia mais

Desenvolvimento Humano em Porto Alegre

Desenvolvimento Humano em Porto Alegre Desenvolvimento Humano em Porto Alegre Evolução e Indicadores Porto Alegre, julho de 2011. CONCEITOS Desenvolvimento Humano Uma visão holística e multidimensional valorizando diversas dimensões do ser

Leia mais

Orientações Técnicas Centro de Referência de Assistência Social CRAS (2009)

Orientações Técnicas Centro de Referência de Assistência Social CRAS (2009) Orientações Técnicas Centro de Referência de Assistência Social CRAS (2009) Caderno do Cras capítulo 6 Equipe de Referência do CRAS A equipe de referência do CRAS é constituída por profissionais responsáveis

Leia mais

Plano de Regionalização dos Serviços de Proteção Social Especial de Média e Alta Complexidade

Plano de Regionalização dos Serviços de Proteção Social Especial de Média e Alta Complexidade Secretaria de Desenvolvimento Social, Criança e Juventude Plano de Regionalização dos Serviços de Proteção Social Especial de Média e Alta Complexidade Serra Talhada, 04 de agosto de 2016 Regionalização

Leia mais

Diretoria de Pesquisas - DPE Coordenação de População e Indicadores Sociais - COPIS Gerência de Indicadores Sociais - GEISO 17/12/2014

Diretoria de Pesquisas - DPE Coordenação de População e Indicadores Sociais - COPIS Gerência de Indicadores Sociais - GEISO 17/12/2014 2014 Diretoria de Pesquisas - DPE Coordenação de População e Indicadores Sociais - COPIS Gerência de Indicadores Sociais - GEISO 17/12/2014 Indicadores Sociais Construção baseada em observações geralmente

Leia mais

CANDIDATOS DA MICRORREGIÃO 7

CANDIDATOS DA MICRORREGIÃO 7 CANDIDATOS DA MICRORREGIÃO 7 Nome de urna: Chayenne Silva Número: 7005 - Coordenadora de projetos sociais na Associação Comunitária Núcleo Esperança; - Conselheira Tutelar suplente 2011-2015 -Professora

Leia mais

RI PACTO DE APRIMORAMENTO DO SUAS

RI PACTO DE APRIMORAMENTO DO SUAS Informações Gerais RELATÓRIO DE INFORMAÇÕES PARA O PLANEJAMENTO E ALCANCE DAS PRIORIDADES E METAS DO PACTO DE APRIMORAMENTO DO SUAS - GESTÃO MUNICIPAL Município: Porte SUAS: UF: Objetivo do RI: SÃO PAULO

Leia mais

CRAS. Rua São Caetano 822 Jardim Alvorada - Fone Programa de Atenção Integral á família - PAIF

CRAS. Rua São Caetano 822 Jardim Alvorada - Fone Programa de Atenção Integral á família - PAIF CRAS O Centro de Referência da Assistência Social é uma unidade publica estatal que atende em áreas específicas com maior vulnerabilidade social. Oferece serviços destinados á família, dentre eles, o Programa

Leia mais

IX CONFERÊNCIA MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE CMDCA CAMPINAS II ENCONTRO ESTADUAL DE GESTORES MUNICIPAIS DE CONVÊNIO

IX CONFERÊNCIA MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE CMDCA CAMPINAS II ENCONTRO ESTADUAL DE GESTORES MUNICIPAIS DE CONVÊNIO II ENCONTRO ESTADUAL DE GESTORES MUNICIPAIS DE CONVÊNIO FUNDO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE FIA O Estatuto da Criança e Adolescente - ECA estabelece a Política de Atendimento a Criança e Adolescente:

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DA POLÍTICA DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DA POLÍTICA DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DA POLÍTICA DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO SEPN 511- Bloco C Edifício Bittar IV 4º andar - Brasília/DF CEP:775.543

Leia mais

IV JORNADA DE ESTUDOS EM SERVIÇO SOCIAL SERVIÇO SOCIAL NO CREAS: ENTREVISTA COM A ASSISTENTE SOCIAL DO CREAS

IV JORNADA DE ESTUDOS EM SERVIÇO SOCIAL SERVIÇO SOCIAL NO CREAS: ENTREVISTA COM A ASSISTENTE SOCIAL DO CREAS ISSN 2359-1277 SERVIÇO SOCIAL NO CREAS: ENTREVISTA COM A ASSISTENTE SOCIAL DO CREAS Brenda de Oliveira Dias, brendadiasoliveira3@gmail.com Débora dos Santos Marques, dmarx670@yahoo.com.br Gabriela Machado

Leia mais

A Tipificação e o Protocolo de Gestão Integrado

A Tipificação e o Protocolo de Gestão Integrado A Tipificação e o Protocolo de Gestão Integrado Acompanhamento Familiar Construção do Meu ponto de Vista acerca do Protocolo e da Tipificação Quais as mudanças percebidas na gestão dos CRAS a partir da

Leia mais

Palavras-chave: Violência sexual, Criança e Adolescente e Serviços Socioassistenciais

Palavras-chave: Violência sexual, Criança e Adolescente e Serviços Socioassistenciais Grupo de Trabalho V Violência Sexual Infanto-Juvenil na Capela do Socorro e Parelheiros - SP Alan de Loiola Alves. Mestre em Serviço Social. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Ilma Pereira

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE IVAIPORÃ-PR PROGRAMA INTERSETORIAL DE ENFRENTAMENTO ÀS SITUAÇÕES DE VIOLÊNCIAS

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE IVAIPORÃ-PR PROGRAMA INTERSETORIAL DE ENFRENTAMENTO ÀS SITUAÇÕES DE VIOLÊNCIAS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE IVAIPORÃ-PR PROGRAMA INTERSETORIAL DE ENFRENTAMENTO ÀS SITUAÇÕES DE VIOLÊNCIAS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE IVAIPORÃ-PR Nova estratégia de gestão em redes em matéria

Leia mais

CONDIÇÕES DE VIDA DA POPULAÇÃO IDOSA NO PARANÁ

CONDIÇÕES DE VIDA DA POPULAÇÃO IDOSA NO PARANÁ CONDIÇÕES DE VIDA DA POPULAÇÃO IDOSA NO PARANÁ GRÁFICO 1 - PARTICIPAÇÃO DA POPULAÇÃO DE 60 ANOS OU MAIS DE IDADE NA POPULAÇÃO TOTAL NO BRASIL, REGIÃO SUL E PARANÁ - 1991/2000 7,30% 8,60% 7,70% 9,20% 6,80%

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DELIBERAÇÃO Nº 1.172/2016 DS/CMDCA

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DELIBERAÇÃO Nº 1.172/2016 DS/CMDCA CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DELIBERAÇÃO Nº 1.172/2016 DS/CMDCA Dispõe sobre o registro das entidades de atendimento no CMDCA-Rio. O Conselho Municipal dos Direitos da Criança

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SOCIAL LDO 2016 ANEXO III

DESENVOLVIMENTO SOCIAL LDO 2016 ANEXO III DESENVOLVIMENTO SOCIAL LDO 2016 ANEXO III Assistência Social Código: 5241 Nome do Programa Benefícios Eventuais Objetivo do Programa Fornecer benefícios previstos em Lei, em forma de benefício, para atender

Leia mais

SERVIÇOS SOCIOASSISTENCIAIS

SERVIÇOS SOCIOASSISTENCIAIS SERVIÇOS SOCIOASSISTENCIAIS I - Serviços de Proteção Social Básica: a) Serviço de Proteção e Atendimento Integral à Família PAIF; b) Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos; c) Serviço de Proteção

Leia mais

ATENÇÃO AOS REQUISITOS!!!

ATENÇÃO AOS REQUISITOS!!! ATENÇÃO AOS REQUISITOS!!! Currículo 1/303 Psicologia no Contexto Social: Trabalho I; Prática Interdisciplinar em Psicologia III (Grupos); Prática Interdisciplinar em Psicologia IV: Psicopatologia; Psicologia

Leia mais

Integração de Políticas Públicas e seus desafios

Integração de Políticas Públicas e seus desafios Integração de Políticas Públicas e seus desafios Rômulo Paes de Sousa Secretário Executivo do MDS Rio de Janeiro, 5 de agosto de 2011. MODELO PRÉ-SISTÊMICO Transição da Política Pública Baseado em programas

Leia mais

PLANO DECENAL DOS DIREITOS HUMANOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE BELÉM/PARÁ. Fevereiro/2016. Belém Pará

PLANO DECENAL DOS DIREITOS HUMANOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE BELÉM/PARÁ. Fevereiro/2016. Belém Pará PLANO DECENAL DOS DIREITOS HUMANOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE BELÉM/PARÁ Fevereiro/2016 Belém Pará CONSELHO MUNICIPAL DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE BELÉM (COMDAC) Diretoria Executiva Presidência:

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social Secretaria Nacional de Assistência Social. Índice de Gestão Descentralizada do SUAS - IGDSUAS

Ministério do Desenvolvimento Social Secretaria Nacional de Assistência Social. Índice de Gestão Descentralizada do SUAS - IGDSUAS Índice de Gestão Descentralizada do SUAS - IGDSUAS MARCO LEGAL O IGDSUAS foi instituído pela Lei n.º 12.435/2011, que altera a Lei n.º 8.742/1993 (LOAS) art. 12-A Regulamentado pelo Decreto n.º 7.636 de

Leia mais

PLANOS DE MONITORAMENTO E ACOMPANHAMENTO DO PAIR

PLANOS DE MONITORAMENTO E ACOMPANHAMENTO DO PAIR S DE MONITORAMENTO E ACOMPANHAMENTO DO PAIR DE MONITORAMENTO E ACOMPANHAMENTO DO PAIR ANÁLISE DA SITUAÇÃO NACIONAL 1. Identificar causas/ fatores de vulnerabilidade e modalidades de violência sexual contra

Leia mais

RESOLUÇÃO N 26, DE 16 DE SETEMBRO DE 2011.

RESOLUÇÃO N 26, DE 16 DE SETEMBRO DE 2011. RESOLUÇÃO N 26, DE 16 DE SETEMBRO DE 2011. Aprova os critérios para expansão 2011 do cofinanciamento federal, nos serviços de proteção social básica, apresentados pela SNAS O CONSELHO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA

Leia mais

Proteção Social às crianças diagnosticadas com microcefalia e suas famílias. PERNAMBUCO Abril de 2016

Proteção Social às crianças diagnosticadas com microcefalia e suas famílias. PERNAMBUCO Abril de 2016 Proteção Social às crianças diagnosticadas com microcefalia e suas famílias PERNAMBUCO Abril de 2016 Objetivo Identificar o papel da Assistência Social na atenção às crianças diagnosticadas com microcefalia

Leia mais

Gestão Compartilhada. do Programa Bolsa. Família

Gestão Compartilhada. do Programa Bolsa. Família Gestão Compartilhada do Programa Bolsa Família Olinda Abriga uma população de 397.268 habitantes (IBGE/2009), 3ª maior cidade de Pernambuco. Extensão territorial de 43,55 km², das quais 9,73 km² fazem

Leia mais

Orçamento e Financiamento da Assistência Social

Orçamento e Financiamento da Assistência Social Orçamento e Financiamento da Assistência Social Orçamento e Financiamento: Definições O Orçamento Público é um Planejamento que gera um compromisso de um governo em relação às políticas públicas; Ele reflete

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE OSASCO

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE OSASCO Projeto de melhoria da estrutura de equipamentos públicos e programas de saúde existentes A Cidade de Osasco constitui-se em importante polo de desenvolvimento da Região Oeste Metropolitana de São Paulo

Leia mais

CONCEITOS ADOTADOS: No Brasil, existem cerca de 45 milhões de Pessoas com Deficiência, o que representa ¼ da população geral (Censo IBGE, 2010).

CONCEITOS ADOTADOS: No Brasil, existem cerca de 45 milhões de Pessoas com Deficiência, o que representa ¼ da população geral (Censo IBGE, 2010). CONCEITOS ADOTADOS: Pessoas com Deficiência são aquelas que têm impedimentos de longo prazo de natureza física, mental, intelectual ou sensorial, os quais, em interação com diversas barreiras, obstruem

Leia mais

Programa Educação Inclusiva: direito à diversidade

Programa Educação Inclusiva: direito à diversidade MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO, DIVERSIDADE E INCLUSÃO Programa Educação Inclusiva: direito à diversidade Antônio Lidio de Mattos Zambon Coordenador Geral de Políticas

Leia mais

PRIMEIRA INFÂNCIA E DIREITO À EDUCAÇÃO

PRIMEIRA INFÂNCIA E DIREITO À EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRIMEIRA INFÂNCIA E DIREITO À EDUCAÇÃO Audiência Pública Câmara dos Deputados Brasília 2014 Extensão: 8,5 milhões km 2 População: 191,5 milhões População

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE SECRETARIA ESPECIAL DE SAÚDE INDÍGENA

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE SECRETARIA ESPECIAL DE SAÚDE INDÍGENA MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE SECRETARIA ESPECIAL DE SAÚDE INDÍGENA ORIENTAÇÕES PARA O ACOMPANHAMENTO DAS CONDICIONALIDADES DE SAÚDE DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA DE FAMÍLIAS INDÍGENAS

Leia mais

ANAIS DO II SEMINÁRIO SOBRE GÊNERO: Os 10 anos da lei Maria da Penha e os desafios das políticas públicas transversais

ANAIS DO II SEMINÁRIO SOBRE GÊNERO: Os 10 anos da lei Maria da Penha e os desafios das políticas públicas transversais DESCUMPRIMENTO DE CONDICIONALIDADES: UM OLHAR SOBRE O TERRITÓRIO DE ABRANGÊNCIA DO CRAS VILA OPERÁRIA-PARANAVAÍ/PR Gabriela Santana de Andrade- (Acadêmica) Unespar/Campus de Paranavaí gabi_santanaandrade@hotmail.com

Leia mais

PARANA PREFEITURA MUNICIPAL DE CERRO AZUL Programa de Trabalho por Órgão e Unidade Orçamentária - Anexo 06 - Administração Direta

PARANA PREFEITURA MUNICIPAL DE CERRO AZUL Programa de Trabalho por Órgão e Unidade Orçamentária - Anexo 06 - Administração Direta Página 1 Órgão: 02 - SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO Unidade Orçamentária: 01 - Chefia de Gabinete Operações Especiais 04 Administração 598.124,43 598.124,43 04.122 Administração Geral 598.124,43 598.124,43

Leia mais

Base de dados I. Questionário de levantamento de recursos institucionais/ 2009

Base de dados I. Questionário de levantamento de recursos institucionais/ 2009 Base de dados I Nº de referência da instituição Nº de registo Questionário de levantamento de recursos institucionais/ 2009 Este questionário tem como objectivo proceder à actualização do Diagnóstico Social,

Leia mais

A implantação de CAPS no estado do Paraná: situação atual e perspectivas. Coordenação Estadual de Saúde Mental Agosto 2013

A implantação de CAPS no estado do Paraná: situação atual e perspectivas. Coordenação Estadual de Saúde Mental Agosto 2013 A implantação de CAPS no estado do Paraná: situação atual e perspectivas Coordenação Estadual de Saúde Mental Agosto 2013 Situação Atual - Portaria 336/2002 - CAPS - Portaria 245/2005 incentivo implantação

Leia mais

BOLSA FAMÍLIA Tecnologia e inovação a serviço do fim da pobreza. V Seminário de Gestão de Tecnologias e Inovação em Saúde Salvador 11/10/2013

BOLSA FAMÍLIA Tecnologia e inovação a serviço do fim da pobreza. V Seminário de Gestão de Tecnologias e Inovação em Saúde Salvador 11/10/2013 BOLSA FAMÍLIA Tecnologia e inovação a serviço do fim da pobreza V Seminário de Gestão de Tecnologias e Inovação em Saúde Salvador 11/10/2013 CRESCIMENTO DA RENDA DOMICILIAR PER CAPITA POR QUINTIL (2002

Leia mais

Criança é o princípio sem fim e seu fim é o fim de todos nós

Criança é o princípio sem fim e seu fim é o fim de todos nós Criança é o princípio sem fim e seu fim é o fim de todos nós PROPOSTA DE REDE DE ATENDIMENTO EM SAÚDE MENTAL PARA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE POA COMISSÃO DE SAÚDE MENTAL JUNHO

Leia mais

RA Vila Isabel. Indicadores Rio Como Vamos

RA Vila Isabel. Indicadores Rio Como Vamos 3 RA Vila Isabel Indicadores Rio Como Vamos 1 CARACTERÍSTICAS DA POPULAÇÃO A Região Administrativa (RA) de Vila Isabel faz parte da Área de Planejamento 2. Abaixo podemos observar os gráficos referentes

Leia mais

BALANÇO DA POLÍTICA HABITACIONAL URBANA PMCMV - ENTIDADES FUNDO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL - FDS

BALANÇO DA POLÍTICA HABITACIONAL URBANA PMCMV - ENTIDADES FUNDO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL - FDS BALANÇO DA POLÍTICA HABITACIONAL URBANA PMCMV - ENTIDADES 2009-2014 FUNDO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL - FDS MINHA CASA, MINHA VIDA - ENTIDADES PMCMV ENTIDADES/ FDS Produção e aquisição de unidades habitacionais

Leia mais

Proteção Social na Cidade de São Paulo

Proteção Social na Cidade de São Paulo Proteção Social na Cidade de São Paulo Programas: São Paulo Protege Ação Família viver em comunidade Floriano Pesaro São Paulo uma cidade muito desigual Foto: Luiz Arthur Leirão Vieira (Tuca Vieira) -

Leia mais

POPULAÇÃO BRASILEIRA

POPULAÇÃO BRASILEIRA POPULAÇÃO BRASILEIRA População Brasileira 2014: atingiu o número de 204 milhões de habitantes. Formada a partir de três grandes grupos étnicos: índios, brancos e negros. A maioria da população é branca

Leia mais

A Política de Assistência Social Um novo desenho.

A Política de Assistência Social Um novo desenho. A Política de Assistência Social Um novo desenho. Profª. Eline Alcoforado Maranhão Sá Profª. Maria Aparecida Guimarães Skorupski Profª Regina Coeli Climaco Matos A Assistência Social como política de proteção

Leia mais

O SUAS e o Plano Brasil Sem Miséria 1

O SUAS e o Plano Brasil Sem Miséria 1 PLANO ESTADUAL DE CAPACITAÇÃO CONTINUADA DE RECURSOS HUMANOS PARA A ÁREA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL O SUAS e o Plano Brasil Sem Miséria 1 Estrutura do SUAS no Plano Brasil Sem Miséria Secretarias Estaduais

Leia mais

Município: OURO PRETO / MG

Município: OURO PRETO / MG Município: OURO PRETO / MG O Plano Brasil Sem Miséria O Plano Brasil Sem Miséria foi lançado em junho de 2011 com o desafio de superar a extrema pobreza no país. O público definido como prioritário foi

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL. Ações da Secretaria Nacional de

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL. Ações da Secretaria Nacional de Ações da Secretaria Nacional de Assistência Social - MDS CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1988 Art. 194 A Seguridade social compreende um conjunto integrado de ações de iniciativa dos poderes públicos e da sociedade,

Leia mais

I-Política de ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE 1) Como é definida? * Um conjunto de ações em saúde (amplas, complexas que abrangem múltiplas facetas da realida

I-Política de ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE 1) Como é definida? * Um conjunto de ações em saúde (amplas, complexas que abrangem múltiplas facetas da realida A atuação do Assistente Social na e a interface com os demais níveis de complexidade Inês Pellizzaro I-Política de ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE 1) Como é definida? * Um conjunto de ações em saúde (amplas, complexas

Leia mais

Revitalização de Salas de Aula da Sede Círculo de Amigos do Menor Patrulheiro de Praia Grande

Revitalização de Salas de Aula da Sede Círculo de Amigos do Menor Patrulheiro de Praia Grande Revitalização de Salas de Aula da Sede Círculo de Amigos do Menor Patrulheiro de Praia Grande Objetivo: Propiciar ampliação dos locais de capacitação profissional de adolescentes na entidade, para que

Leia mais

ENCONTRO REGIONAL CONGEMAS/ COGEMASES REGIÃO SUDESTE VENDA NOVA DO IMIGRANTE- ES

ENCONTRO REGIONAL CONGEMAS/ COGEMASES REGIÃO SUDESTE VENDA NOVA DO IMIGRANTE- ES ENCONTRO REGIONAL CONGEMAS/ COGEMASES REGIÃO SUDESTE VENDA NOVA DO IMIGRANTE- ES O plano decenal :diagnóstico,perspectivas e as diversidades estaduais e regional. 17/3 /2016 Aldaiza Sposati apoio: Jose

Leia mais

I Conferência Estadual de Desenvolvimento Regional

I Conferência Estadual de Desenvolvimento Regional I Conferência Estadual de Desenvolvimento Regional Setembro 2012 AS PESSOAS EM PRIMEIRO LUGAR BRASIL 4ª maior economia Alto grau de desigualdade Disparidade na Educação, Saúde e Renda Má divisão das riquezas

Leia mais

Qualificação da Gestão

Qualificação da Gestão Qualificação da Gestão O que é o SUS Instituído pela Constituição de 1988, o Sistema Único de Saúde SUS é formado pelo conjunto das ações e serviços de saúde sob gestão pública Com direção única em cada

Leia mais

Wanda Engel Outubro de 2009

Wanda Engel Outubro de 2009 O Instituto Unibanco como instrumento de responsabilidade social empresarial Wanda Engel Outubro de 2009 Um momento favorável: CENÁRIO ATUAL Avanços na estabilidade e na governabilidade democrática Crescimento

Leia mais

O Uso dos Sistema de Informação como Ferramentas de Gestão Local do SUAS. Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação SAGI 2012 Caio Nakashima

O Uso dos Sistema de Informação como Ferramentas de Gestão Local do SUAS. Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação SAGI 2012 Caio Nakashima O Uso dos Sistema de Informação como Ferramentas de Gestão Local do SUAS Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação SAGI 2012 Caio Nakashima O que é informação? Antes de definir o que é informação,

Leia mais

II Planejar, executar, monitorar e avaliar serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais;

II Planejar, executar, monitorar e avaliar serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais; PROJETO DE LEI Nº /2011. DEFINE COMPETÊNCIAS E ATRIBUIÇÕES DA SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE... E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Art. 1º À Secretaria Municipal de Assistência Social

Leia mais

Escrito por Administrator Seg, 22 de Novembro de :55 - Última atualização Seg, 22 de Novembro de :09

Escrito por Administrator Seg, 22 de Novembro de :55 - Última atualização Seg, 22 de Novembro de :09 MISSÃO O Serviço Social tem como missão dar suporte psico-social e emocional ao colaborador e sua família. Neste sentido, realiza o estudo de casos, orientando e encaminhando aos recursos sociais da comunidade,

Leia mais

Seminário Rio Metropolitano: Desafios Compartilhados - SEGURANÇA. Pedro Strozenberg Maio

Seminário Rio Metropolitano: Desafios Compartilhados - SEGURANÇA. Pedro Strozenberg Maio Seminário Rio Metropolitano: Desafios Compartilhados - SEGURANÇA Pedro Strozenberg (pedro@iser.org.br) Maio - 2015 Prevenção das Violências contra a Juventude e Mulheres Desafio Metropolitano com o exemplo

Leia mais

REGIÃO SUDESTE. GRUPO 1 ALICIAMENTO PARA TRÁFICO DE DROGAS Planejamento das Ações Intersetoriais. Políticas Envolvidas. Segurança Pública.

REGIÃO SUDESTE. GRUPO 1 ALICIAMENTO PARA TRÁFICO DE DROGAS Planejamento das Ações Intersetoriais. Políticas Envolvidas. Segurança Pública. REGIÃO SUDESTE Eixos de Atuação 1. Informação e Mobilização GRUPO 1 ALICIAMENTO PARA TRÁFICO DE DROGAS Planejamento das Ações Intersetoriais 1.1 Capacitar permanente os gestores e profissionais envolvidos

Leia mais

A Tipificação e o Protocolo de Gestão Integrada

A Tipificação e o Protocolo de Gestão Integrada A Tipificação e o Protocolo de Gestão Integrada As mudanças com a TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO INTEGRADA nos serviços de Garantia de Direitos Quais as mudanças percebidas na garantia de direitos

Leia mais

FORTALEZA DA JUVENTUDE. Case: Prevenção da violência juvenil

FORTALEZA DA JUVENTUDE. Case: Prevenção da violência juvenil FORTALEZA DA JUVENTUDE Case: Prevenção da violência juvenil FORTALEZA bairros: 119 MAPA DA CIDADE população total: 2.571.896 população JOVEM (15 A 29 ANOS) 718.623 (Fonte: IBGE, 2010) Mapa da cidade por

Leia mais

Ciclo de Debates SUS: Políticas Sociais e de Assistência à Saúde do Idoso

Ciclo de Debates SUS: Políticas Sociais e de Assistência à Saúde do Idoso Senado Federal Ciclo de Debates SUS: Políticas Sociais e de Assistência à Saúde do Idoso Brasília, 26 de maio de 2009 Professora Dra Maria Alice Toledo Professora adjunta de Geriatria e Psiquiatria da

Leia mais