SOARES, Magda. Letramento: um tema em três gêneros. 3. ed. Belo Horizonte, Autêntica, 2009.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SOARES, Magda. Letramento: um tema em três gêneros. 3. ed. Belo Horizonte, Autêntica, 2009."

Transcrição

1 SOARES, Magda. Letramento: um tema em três gêneros. 3. ed. Belo Horizonte, Autêntica, º texto: produzido para leitorprofessor com o objetivo de esclarecer o significado de letramento.

2 Letramento em verbete: o que é letramento? Palavras do mesmo campo semântico: analfabetismo, analfabeto, alfabetizar, alfabetização, alfabetizado, letrado iletrado Dicionário Aurélio: Analfabeto: é o que vive no estado ou condição de quem não sabe ler e escrever.

3 Letrado: versado em letras, erudito. Iletrado: aquele que não tem conhecimentos literários. Letramento versão para o português da palavra inglesa literacy. Primeiro uso no livro No mundo da escrita de Mary Kato. A palavra surgiu, porque apareceu um fato novo para o qual precisávamos de um nome (outro ex. globalização).

4 Literacy estado ou condição que assume aquele que aprende a ler e escrever. (consequências sociais, culturais, políticas, econômicas, etc) Tornar-se letrado é tornar-se cognitivamente diferente. O letrado fala de forma diferente do iletrado.

5 Alfabetismo estado ou qualidade de alfabetizado não é palavra corrente, mas analfabetismo estado ou condição de analfabeto é termo familiar e de universal compreensão. Temos a palavra negativa analfabeto, mas não temos a positiva alfabeto. Alfabetizado: aquele que aprendeu a ler e a escrever, não aquele que adquiriu o estado ou a condição de quem se apropriou da leitura e da escrita, incorporando as práticas sociais que as demandam.

6 Letramento/alfabetização um indivíduo pode não saber ler e escrever, isto é, ser analfabeto, mas ser, de certa forma, letrado. Analfabeto letrado: dita cartas para que um alfabetizado as escreva, pede para que alguém leia avisos, criança que folheia livros, finge lê-los, brinca de escrever, ouve histórias que lhe são lidas. Diferentes tipos de letramento: ler a analisar textos de jornal nas páginas

7 Nova realidade social é preciso saber fazer uso do ler e do escrever, saber responder às exigências de leitura e de escrita que a sociedade continuamente faz daí o surgimento de letramento. O ideal seria alfabetizar letrando ensinar a ler e a escrever no contexto das prática sociais da leitura e da escrita, de modo que o indivíduo se tornasse, aos mesmo tempo, alfabetizado e letrado.

8 Mudança na maneira de considerar o significado do acesso à leitura e à escrita em nosso país Censo para verificar nº de analfabetos e alfabetizados antes escrever o próprio nome hoje saber ler e escrever um bilhete simples verificação da capacidade de usar a leitura e a escrita para uma prática social. Países desenvolvidos nível de letramento pessoas que não incorporaram os usos da escrita não se trata de analfabetismo.

9 1) Por que aparecem palavras novas na língua? Resp. Para designar fenômenos novos, novas ideias, novos fatos ou o surgimento de novos objetos.

10 2) Qual é a origem da palavra letramento? Resp. É a palavra inglesa literacy que significa a condição se ser letrado.

11 3) Qual é a diferença entre letramento e alfabetização? Resp. A alfabetização é a ação de alfabetizar, isto é, levar o outro a adquirir a tecnologia (codificar em língua escrita e decodificar a língua escrita p. 39) do ler e do escrever (p. 31, 47), enquanto que o letramento é o processo de inserção em prática sociais de leitura e escrita (p. 21), é ainda o estado ou a condição que adquire um grupo social ou indivíduo como consequência de ter-se apropriado da escrita, de fazer uso frequente e competente da leitura e da escrita. (p. 18, 36).

12 4) Qual é o significado da palavra analfabetismo? Resp. É um estado, uma condição, o modo de proceder daquele que é analfabeto, literalmente privado do alfabeto. (p. 30)

13 5) Quais são os dois significados possíveis para a expressão pessoa letrada? Resp. Primeiramente, é uma pessoa erudita, versada em letras (letras significando literatura, línguas), e, em segundo lugar, é o indivíduo que usa socialmente a leitura e a escrita, ou seja, responde adequadamente às demandas sociais de leitura e de escrita. (p. 40).

14 6) Segundo Mary Kato, qual é a relação entre letramento e língua falada culta? Resp. A língua falada culta é consequência do letramento, sendo função da escola desenvolver no aluno o domínio da linguagem falada institucionalmente aceita. (p. 32) O letrado fala de forma diferente do iletrado e do analfabeto (p. 37).

15 7) O Censo mudou seus critérios para verificar o número de analfabetos e de alfabetizados: antes indivíduo capaz de escrever o próprio nome, agora saber ler e escrever um bilhete simples (p. 21). O que essa mudança revela? Resp. Revela que antes se verificava a habilidade de domínio do alfabeto e agora verifica-se a capacidade de uso da escrita em uma prática social, portanto, verifica-se o letramento.

16 8) Um indivíduo pode ser analfabeto e ter algum grau de letramento? Resp. Um indivíduo pode não saber ler e escrever, sendo, por isso, marginalizado social e economicamente, mas participar de práticas letradas: ouvir a leitura de um jornal feita por um alfabetizado, ditar cartas para que um alfabetizado as escreva, a criança que folheia e finge que lê livros. (p. 24)

17 10) Pode-se pensar em níveis de letramento? Dê exemplos Resp. Sim. Há diferentes níveis de letramento, dependendo das necessidades, das demandas do indivíduos e de seu meio, do contexto social e cultural. Exemplos: a pessoa pode ser capaz de ler um bilhete e não ser capaz de ler um romance: a pessoa pode ser capaz de escrever um bilhete e não ser capaz de escrever um artigo científico.

18 11) Segundo o juiz eleitoral de Itapetininga, quais são as práticas letradas necessárias a candidatos a cargos políticos? Você concorda com ele? Resp. Ler e interpretar um texto e escrever sobre ele. Leitura de textos legais e documentos oficiais (p. 50, 52).

19 12) Segundo Magda Soares, quais são as condições necessárias para que ocorra o letramento? Resp. Escolarização real e efetiva da população. Disponibilidade de material de leitura. (p. 58)

20 CORRÊA, M.L.G. Letramento e heterogeneidade da escrita no ensino de Português. In: SIGNORINI, I. (Org.) Investigando a relação oral/escrito e as teorias do letramento. Campinas (SP) : Mercado de Letras, p

21 Objetivo do autor: provocar uma mudança na maneira de entender a relação entre o oral e o escrito na produção de textos. (p. 136) Tese: defesa da heterogeneidade da escrita. Alfabetismo: codificador e decodificador dos sinais exigidos pela tecnologia da escrita alfabética. (p. 137)

22 Letramento: dois sentidos: sentido estrito: a condição do indivíduo que exerce, direta ou indiretamente, práticas de leitura e escrita. (p. 137) sentido amplo: caráter escritural de certas práticas (permanência na tempo e mobilidade no espaço p. 139 ), presente mesmo em comunidades classificadas como de oralidade primária. (p. 137)

23 Assunção indesejada: anterioridade da alfabetização em relação ao letramento. (p. 139, 140) Crítica a Magda Soares Atenuação: analfabeto tem acesso indireto ao letramento (p. 139), sendo uma questão de grau Posição do autor: a condição de letrado dá-se em um momento anterior à alfabetização.

24 Heterogeneidade da escrita: aproximação entre práticas sociais do campo do oral/falado e as do campo do letrado/escrito por meio da expressão relação oral/escrito. (p. 142) - o material de análise é o produto do trânsito entre práticas sociais orais/faladas e letradas/escritas (p. 142)

25 Da heterogeneidade na escrita à heterogeneidade da escrita Duas formas de tratamento da relação oral/escrito: O esquecimento linguístico-pedagógico da heterogeneidade da escrita: existem fatores sociais que determinariam do exterior a presença do oral no escrito. Por exemplo: justificativa da heterogeneidade da produção escrita dos alunos - procedência social, geográfica, cultural ou étnica, ou do grau de escolaridade. O esquecimento propriamente linguístico da heterogeneidade da escrita: a pureza é projetada como característica ideal da escrita. A relação oral/escrito é vista como interferência do oral no escrito.

26 Três modos de reconhecimento da heterogeneidade da escrita 1) Reconhecimento da heterogeneidade da escrita em aspectos da representação gráfica representação escrita alfabética: entre a representação gráfica (fonética) dos sons e a convenção ortográfica (etimologia) escrevente no processo da escrita: oscila entre a representação dos sons na sua variedade e a convenção ortográfica(p )

27 2) Reconhecimento da heterogeneidade da escrita pela heterogeneidade da língua escrita como modo de enunciação traz a heterogeneidade linguística: a coexistência de dois estados da língua, entre duas sincronias, registro de várias histórias de escrita (p )

28 3) Reconhecimento da heterogeneidade da escrita pela circulação dialógica do escrevente O escrevente lida com o que imagina ser: a representação termo a termo da fala pela escrita o código escrito institucionalizado a relação apropriada com a exterioridade que constitui seu texto: outros textos, a própria língua, outros registros, o leitor, a língua (p )

29 Trabalhando com a heterogeneidade da escrita A) a heterogeneidade da escrita vista em sua relação com a dimensão gráfica do texto A violência é uma forma negativa de expressar frustrações, traumas, revoltas contra a sociedade e o sistema capitalista, ou seja, uma maneira de canalizar, todos os nossos impulsos. (unidade de comunicação) Eles produzem um tipo de som barulhento e rebelde que levam as pessoas a se manifestarem, das mais variadas e violentas formas possíveis. E, o mais interessante de tudo isso é que... (características prosódicas da fala)

30 B)A heterogeneidade da escrita vista em sua relação com a dimensão gramatical (morfossintática e semântica) Muitos artistas que se sentem mobilizados tentam combater a violência, mas criticam com grande violência. Isto incita os jovens a serem mais violentes ainda. O que não resolve o problema. (fragmentação da sintaxe como efeito de reconstrução do fluxo da fala unidade de comunicação) Crianças assassinadas são páginas de jornal que a concreta sociedade vira diariamente, sem nenhum sinal de comoção ou indignação. (representação do código escrito institucionalizado hipercorreção escrita culta)

31 Considerações finais Por que não partir da identificação da heterogeneidade da escrita para orientar a produção do texto escrito? Por que não encarar os vários modos de relação entre o oral e o escrito como recursos linguísticos úteis para o processo de produção do texto, talvez os mais fundamentais de todos? Por que, finalmente, negar a heterogeneidade da escrita quando ela insiste em se mostrar presente?

SOARES, Magda. Letramento: um tema em três gêneros. 3. ed. Belo Horizonte, Autêntica, 2009.

SOARES, Magda. Letramento: um tema em três gêneros. 3. ed. Belo Horizonte, Autêntica, 2009. SOARES, Magda. Letramento: um tema em três gêneros. 3. ed. Belo Horizonte, Autêntica, 2009. 1º TEXTO: PRODUZIDO PARA LEITOR- PROFESSOR COM O OBJETIVO DE ESCLARECER O SIGNIFICADO DE LETRAMENTO. Letramento

Leia mais

O ENSINO-APRENDIZAGEM DA LÍNGUA

O ENSINO-APRENDIZAGEM DA LÍNGUA O ENSINO-APRENDIZAGEM DA LÍNGUA LEILANE C. DA SILVA ALVES 1 PATRÍCIA B. RADAELLI DE OLIVEIRA 2 INTRODUÇÃO: Este artigo é o resultado de uma pesquisa realizada no 5º período do curso de pedagogia, que teve

Leia mais

Gilmara Teixeira Costa Professora da Educação Básica- Barra de São Miguel/PB )

Gilmara Teixeira Costa Professora da Educação Básica- Barra de São Miguel/PB ) GT 4 LINGUAGENS, LETRAMENTO E ALFABETIZAÇÃO. Gilmara Teixeira Costa (gilmara-teixeira-01@hotmail.com/ Professora da Educação Básica- Barra de São Miguel/PB ) Juliana Maria Soares dos Santos (PPGFP UEPB)¹

Leia mais

CABE A ESCOLA TANTO A APRENDIZAGEM DAS HABILIDADES BÁSICAS DE LEITURA E ESCRITA (Alfabetização), QUANTO O DESENVOLVIMENTO, PARA ALÉM DESSA HABILIDADE

CABE A ESCOLA TANTO A APRENDIZAGEM DAS HABILIDADES BÁSICAS DE LEITURA E ESCRITA (Alfabetização), QUANTO O DESENVOLVIMENTO, PARA ALÉM DESSA HABILIDADE CABE A ESCOLA TANTO A APRENDIZAGEM DAS HABILIDADES BÁSICAS DE LEITURA E ESCRITA (Alfabetização), QUANTO O DESENVOLVIMENTO, PARA ALÉM DESSA HABILIDADE BÁSICA, DAS HABILIDADES, DOS CONHECIMENTOS E DAS ATITUDES

Leia mais

Conceptualizando Alfabetização e Letramento

Conceptualizando Alfabetização e Letramento Curso: Alfabetização e letramento na educação bilíngue SINPRO-SP, fev a abr/2012 Conceptualizando Alfabetização e Letramento Selma de Assis Moura O que é alfabetizar? (segundo o dicionário) Ensinar a Ler.

Leia mais

A LINGUAGEM ORAL E ESCRITA NA PRÉ-ESCOLA NUM CONTEXTO DE LETRAMENTO

A LINGUAGEM ORAL E ESCRITA NA PRÉ-ESCOLA NUM CONTEXTO DE LETRAMENTO A LINGUAGEM ORAL E ESCRITA NA PRÉ-ESCOLA NUM CONTEXTO DE LETRAMENTO Antônia Aparecida Lima Lopes 1 Na verdade, o domínio sobre os signos linguísticos escritos, mesmo pela criança que se alfabetiza, pressupõe

Leia mais

Concepção de letramento

Concepção de letramento Concepção de letramento A contribuição de Comenius, com o objetivo de expandir a instrução pública para as massas populares, inaugurou o caminho da produção do método do ensino eficiente da leitura para

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO

PÓS-GRADUAÇÃO ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO PÓS-GRADUAÇÃO ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Instituição Certificadora: FALC Amparo Legal: Resolução CNE CES 1 2001 Resolução CNE CES 1 2007 Carga Horária: 460h Período de Duração: 12 meses (01 ano) Objetivos:

Leia mais

Um jogo de palavras e ideias: construindo os sentidos do texto

Um jogo de palavras e ideias: construindo os sentidos do texto Um jogo de palavras e ideias: construindo os sentidos do texto Andreia Passos Ferreira 1 Fátima Cristina Barbolo Alonso Maria Augusta da Silva Rigueti Maria Lucia Munaro Lima Resumo O propósito deste projeto

Leia mais

HIPÓTESES DE ESCRITA Certezas Provisórias. Dúvidas Temporárias

HIPÓTESES DE ESCRITA Certezas Provisórias. Dúvidas Temporárias HIPÓTESES DE ESCRITA Certezas Provisórias Todas as crianças passam por níveis de hipóteses conceituais de escrita até atingirem a alfabetização: Uns alunos são mais rápidos que outros para se alfabetizarem;

Leia mais

METODOLOGIA DA ALF L A F BE B TI T ZA Z ÇÃ Ç O

METODOLOGIA DA ALF L A F BE B TI T ZA Z ÇÃ Ç O METODOLOGIA DA ALFABETIZAÇÃO Prof. Tiago S. de Oliveira Faculdade Polis das Artes psicoptiago@gmail.com www.faculdadepolis.com.br www.professortiago.jimdo.com www.greatlive.jimdo.com Como você foi alfabetizado?

Leia mais

PRÁTICA DE ESCRITA NO ENSINO FUNDAMENTAL I E FORMAÇÃO DO PROFESSOR: DA TEORIA À PRÁTICA PEDAGÓGICA

PRÁTICA DE ESCRITA NO ENSINO FUNDAMENTAL I E FORMAÇÃO DO PROFESSOR: DA TEORIA À PRÁTICA PEDAGÓGICA PRÁTICA DE ESCRITA NO ENSINO FUNDAMENTAL I E FORMAÇÃO DO PROFESSOR: DA TEORIA À PRÁTICA PEDAGÓGICA Resumo Tatiana Dias Ferreira (PPGFP/ UEPB) thatdf@hotmail.com Nos dias atuais, no meio educacional, muito

Leia mais

PORQUE E COMO O PROFESSOR (NÃO) CONSEGUE ALFABETIZAR LETRANDO SEU ALUNO?

PORQUE E COMO O PROFESSOR (NÃO) CONSEGUE ALFABETIZAR LETRANDO SEU ALUNO? PORQUE E COMO O PROFESSOR (NÃO) CONSEGUE ALFABETIZAR LETRANDO SEU ALUNO? MATA, Luana Graduada em Pedagogia/UEPB. luanadesenhodedeus@hotmail.com SILVA, Teresa Cristina. Graduada em Pedagogia/UEPB cristinasilvacg@hotmail.com

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: DOIS CONCEITOS, UM PROCESSO

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: DOIS CONCEITOS, UM PROCESSO ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: DOIS CONCEITOS, UM PROCESSO Ana Claudia Siqueira dos Santos Élida Pessoa Maria José Garangau Pereira Rozilene Nascimento Lima Silva RESUMO Este artigo tem como principal objetivo

Leia mais

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA Edilva Bandeira 1 Maria Celinei de Sousa Hernandes 2 RESUMO As atividades de leitura e escrita devem ser desenvolvidas com textos completos

Leia mais

Instrumento. COSTA, Sérgio Roberto. Dicionário de Gêneros Textuais. Belo Horizonte: Autêntica, Mariângela Maia de Oliveira *

Instrumento. COSTA, Sérgio Roberto. Dicionário de Gêneros Textuais. Belo Horizonte: Autêntica, Mariângela Maia de Oliveira * Resenha Instrumento COSTA, Sérgio Roberto. Dicionário de Gêneros Textuais. Belo Horizonte: Autêntica, 2008. Mariângela Maia de Oliveira * Tomando por base os novos conceitos subjacentes ao processo de

Leia mais

O que nós gestores temos com isto?

O que nós gestores temos com isto? O que nós gestores temos com isto? PRESSUPOSTO DE GARANTIA DE DIREITOS HUMANOS Art. 1º Fica instituído o Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa, pelo qual o Ministério da Educação (MEC) e as

Leia mais

Índice. 1. O Alfabetizador Ao Desenhar, A Criança Escreve?...5

Índice. 1. O Alfabetizador Ao Desenhar, A Criança Escreve?...5 GRUPO 5.4 MÓDULO 2 Índice 1. O Alfabetizador...3 1.1. Contribuições ao Educador-Alfabetizador... 4 1.2. Ações do professor alfabetizador... 4 2. Ao Desenhar, A Criança Escreve?...5 2 1. O ALFABETIZADOR

Leia mais

A ALFABETIZAÇÃO DA PESSOA SURDA: DESAFIOS E POSSIBILIDADES. Caderno de Educação Especial

A ALFABETIZAÇÃO DA PESSOA SURDA: DESAFIOS E POSSIBILIDADES. Caderno de Educação Especial A ALFABETIZAÇÃO DA PESSOA SURDA: DESAFIOS E POSSIBILIDADES Caderno de Educação Especial O que devemos considerar no processo de Alfabetização? Criança Ouvinte Criança Surda Faz uso das propriedades fonológicas

Leia mais

VMSIMULADOS. ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO 1

VMSIMULADOS. ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO    1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO 01. Segundo Magda Soares, o processo de alfabetização exige do profissional grande especificidade e também uma preparação que o leve a compreender várias facetas como as áreas:

Leia mais

Oralidade e Aquisição da Linguagem Escrita

Oralidade e Aquisição da Linguagem Escrita Grupo Temático 02: Pesquisas e Práticas Pedagógicas Oralidade e Aquisição da Linguagem Escrita Malu Alves de Souza 1 UNIFEG - (Centro Universitário da Fundação Educacional Guaxupé) RESUMO A literatura

Leia mais

LISTAGEM DOS COMPONENTES CURRICULARES COMPLEMENTARES (ELETIVOS)

LISTAGEM DOS COMPONENTES CURRICULARES COMPLEMENTARES (ELETIVOS) LISTAGEM DOS COMPONENTES CURRICULARES COMPLEMENTARES (ELETIVOS) Componente Curricular Complementar Total Teórica Prática EAD 1 Pré-requisitos 1. Alfabetização e Letramento BA000492 2. Análise de Livros

Leia mais

LETRAMENTO E DESENVOLVIMENTO: A IMPORTÂNCIA DA ALFABETIZAÇÃO PARA A FORMAÇÃO DO SUJEITO

LETRAMENTO E DESENVOLVIMENTO: A IMPORTÂNCIA DA ALFABETIZAÇÃO PARA A FORMAÇÃO DO SUJEITO LETRAMENTO E DESENVOLVIMENTO: A IMPORTÂNCIA DA ALFABETIZAÇÃO PARA A FORMAÇÃO DO SUJEITO Rafaela Dayne Ribeiro Lucena (UEPB/PPGLI/CAPES) Rafela-dayne-bb@hotmail.com RESUMO Na contemporaneidade, o letramento

Leia mais

aula LEITURA: Um pouco de história: o ensino de leitura - ontem e hoje UM CONCEITO POLISSÊMICO

aula LEITURA: Um pouco de história: o ensino de leitura - ontem e hoje UM CONCEITO POLISSÊMICO Um pouco de história: o ensino de leitura - ontem e hoje LEITURA: UM CONCEITO POLISSÊMICO 14 aula META Apresentar concepções de leitura; discutir as condições de legibilidade dos textos; mostrar a distinção

Leia mais

Linguagem & Ensino, Vol. 9, No. 1, 2006 ( ) Resenha

Linguagem & Ensino, Vol. 9, No. 1, 2006 ( ) Resenha Linguagem & Ensino, Vol. 9, No. 1, 2006 (243-246) Resenha CORRÊA, MANOEL LUIZ GONÇALVES. O modo heterogêneo de constituição da escrita. São Paulo: Martins Fontes, 2004. 309 p. Resenhado por Rute I. S.

Leia mais

6LEM064 GRAMÁTICA DA LÍNGUA ESPANHOLA I Estudo de aspectos fonético-fonológicos e ortográficos e das estruturas morfossintáticas da língua espanhola.

6LEM064 GRAMÁTICA DA LÍNGUA ESPANHOLA I Estudo de aspectos fonético-fonológicos e ortográficos e das estruturas morfossintáticas da língua espanhola. HABILITAÇÃO: LICENCIATURA EM LÍNGUA ESPANHOLA 1ª Série 6LEM064 GRAMÁTICA DA LÍNGUA ESPANHOLA I Estudo de aspectos fonético-fonológicos e ortográficos e das estruturas morfossintáticas da língua espanhola.

Leia mais

Ano Letivo: 2014 / 2015 Ano de Escolaridade: 1º

Ano Letivo: 2014 / 2015 Ano de Escolaridade: 1º 1.º CEB Agrupamento de Escolas Ano Letivo: 2014 / 2015 Ano de Escolaridade: 1º Saber escutar para reproduzir pequenas mensagens e Compreensão do oral Leitura Escrita para cumprir ordens e pedidos Prestar

Leia mais

Departamento Curricular de Línguas

Departamento Curricular de Línguas Escola Básica Integrada c/ji Fialho de Almeida- Cuba Departamento Curricular de Línguas Ano Lectivo de 2007/2008 Critérios de avaliação Em reunião de Departamento Curricular de Línguas e de acordo com

Leia mais

L ngua Portuguesa INTRODUÇÃO

L ngua Portuguesa INTRODUÇÃO Programação 1º- ao5º-ano INTRODUÇÃO Ser leitor-escritor competente nos dias de hoje é uma das condições básicas para uma participação social efetiva. Assim, cabe à escola rever seus currículos e estar

Leia mais

ORALIDADE E ESCRITA: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA NA EJA A ORALIDADE E A ESCRITA NA PERSPECTIVA DO LETRAMENTO

ORALIDADE E ESCRITA: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA NA EJA A ORALIDADE E A ESCRITA NA PERSPECTIVA DO LETRAMENTO ORALIDADE E ESCRITA: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA NA EJA Aline Rodrigues da Costa - FaE/UFMG 1 Daiane Marques Silva FaE/UFMG 2 Prof ª Drª Francisca Izabel Pereira Maciel FaE/UFMG 3 A ORALIDADE E A ESCRITA NA

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS PRÁTICAS DE LETRAMENTO NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM

A IMPORTÂNCIA DAS PRÁTICAS DE LETRAMENTO NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 6 DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE PEDAGOGIA A IMPORTÂNCIA DAS PRÁTICAS DE LETRAMENTO NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM GLAUCIELE GONÇALVES ROBERTO GUARABIRA PB 2012 7 GLAUCIELE GONÇALVES ROBERTO

Leia mais

Competências essenciais para a conquista da cidadania

Competências essenciais para a conquista da cidadania Competências essenciais para a conquista da cidadania Os trechos acima citados são das novas DCN 1, e foram também tomados como diretrizes para a escrita deste texto. Eles resumem as raízes históricas

Leia mais

MÍDIAS NA ESCOLA. Continuando nossos estudos... Agosto

MÍDIAS NA ESCOLA. Continuando nossos estudos... Agosto MÍDIAS NA ESCOLA Continuando nossos estudos... Agosto - 2015 PARA RECORDAR! LEITURA: UM ENFOQUE ALÉM DO TEXTO QUAL O GÊNERO? QUAL O SUPORTE? QUEM ESCREVEU? QUANDO ESCREVEU? PARA QUEM ESCREVEU? PARA QUE

Leia mais

COMO MELHORAR O ENSINO DO PORTUGUÊS NA ESCOLA Vicente Martins

COMO MELHORAR O ENSINO DO PORTUGUÊS NA ESCOLA Vicente Martins COMO MELHORAR O ENSINO DO PORTUGUÊS NA ESCOLA Vicente Martins vicente.martins@uol.com.br No presente artigo, oferecemos uma proposta de quatro oficinas ou encontros pedagógicos para a melhoria do Ensino

Leia mais

Um Mundo de Letras. Nível de Ensino/Faixa Etária: Formação de Professores. Áreas Conexas: Português (Alfabetização) Consultor: Angelita Machado

Um Mundo de Letras. Nível de Ensino/Faixa Etária: Formação de Professores. Áreas Conexas: Português (Alfabetização) Consultor: Angelita Machado Um Mundo de Letras Nível de Ensino/Faixa Etária: Formação de Professores Áreas Conexas: Português (Alfabetização) Consultor: Angelita Machado RESUMO Este vídeo apresenta 5 episódios: Um mundo imerso em

Leia mais

Conteúdo e Didática de Alfabetização

Conteúdo e Didática de Alfabetização Conteúdo e Didática de Alfabetização Professora autora: sônia Maria Coelho Faculdade de Ciências e Tecnologia, Departamento de Educação UNESP/Presidente Prudente Professoras assistentes: Onaide Schwartz

Leia mais

LETRAMENTO. Denice Bortolin Rose Carla Sesti IMED

LETRAMENTO. Denice Bortolin Rose Carla Sesti IMED 103 LETRAMENTO Denice Bortolin Rose Carla Sesti IMED Resumo Este artigo tem como finalidade refletir sobre os fatores correlacionados entre a fase da adolescência e o conceito de letramento. O estudo ocorreu,

Leia mais

Índice. Grupo Módulo 4

Índice. Grupo Módulo 4 GRUPO 5.4 MÓDULO 4 Índice 1. Níveis Conceituais Linguísticos...3 2. Nível 1 Pré-Silábico...3 3. Nível 2 Intermediário I...4 4. Nível 3 Silábico...5 5. Nível 4 Intermediário II ou Silábico-Alfabético...5

Leia mais

DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS Secretaria Geral de Cursos PROGRAMA DE DISCIPLINA

DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS Secretaria Geral de Cursos PROGRAMA DE DISCIPLINA DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS Secretaria Geral de Cursos PROGRAMA DE DISCIPLINA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CÓDIGO: EDU316 DISCIPLINA: ALFABETIZAÇÃO CARGA HORÁRIA: 75h EMENTA: O processo de alfabetização

Leia mais

EXPERIÊNCIA COMO ORIENTADORA DO PACTO NACIONAL PELA IDADE CERTA EM CATALÃO-GO.

EXPERIÊNCIA COMO ORIENTADORA DO PACTO NACIONAL PELA IDADE CERTA EM CATALÃO-GO. EXPERIÊNCIA COMO ORIENTADORA DO PACTO NACIONAL PELA IDADE CERTA EM CATALÃO-GO. SILVA, Gislene de Sousa Oliveira 1 Universidade Federal de Goiás Regional Catalão-GO. FIRMINO, Janaina Karla Pereira da S.

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos AS DIMENSÕES DO LETRAMENTO Giselly Duarte Ferreira (UERJ) giselly.duartee@gmail.com.br RESUMO O objetivo deste trabalho é refletir sobre a complexidade do processo de letramento. Diante disso, acreditamos

Leia mais

A ORALIDADE NA CONSTRUÇÃO DA ESCRITA

A ORALIDADE NA CONSTRUÇÃO DA ESCRITA A ORALIDADE NA CONSTRUÇÃO DA ESCRITA Daiane de Abreu Ribeiro Jeane Silva Freire Jucilene Aparecida Ribeiro da Silva Procópio Daiane de Abreu Ribeiro Faculdade Sumaré Ex-aluna de Pós-Graduação Jeane Silva

Leia mais

AS BARREIRAS ENCONTRADAS POR ALUNOS DA EJA PELA FALTA DE ALCANCE À LEITURA E À ESCRITA: EXPERIÊNCIAS DO PIBID

AS BARREIRAS ENCONTRADAS POR ALUNOS DA EJA PELA FALTA DE ALCANCE À LEITURA E À ESCRITA: EXPERIÊNCIAS DO PIBID AS BARREIRAS ENCONTRADAS POR ALUNOS DA EJA PELA FALTA DE ALCANCE À LEITURA E À ESCRITA: EXPERIÊNCIAS DO PIBID SILVA, Alzira Maria Lima da. Graduanda Pedagogia - UEPB/Campus I alziralima37@hotmail.com VELEZ,

Leia mais

FRACASSO ESCOLAR NA ALFABETIZAÇÃO/LETRAMENTO

FRACASSO ESCOLAR NA ALFABETIZAÇÃO/LETRAMENTO FRACASSO ESCOLAR NA ALFABETIZAÇÃO/LETRAMENTO Autor: Rosimeire Farinelli Aluna do Programa de Pós-Graduação stricto sensu em Educação Nível de mestrado - Universidade Estadual do Mato Grosso do Sul (UEMS/Paranaíba

Leia mais

Diferentes abordagens de alfabetização

Diferentes abordagens de alfabetização ALFABETIZAÇÃO Diferentes abordagens de alfabetização MODELO 1 (MÉTODO FONÉTICO OU DIRETO) Identificar oralmente os fonemas da língua (sons). Corresponder o fonema ao grafema: mostrar a letra e a pronuncia

Leia mais

COMO ENSINAR CRIANÇAS A ESCREVER. O que pensam as professoras alfabetizadoras?

COMO ENSINAR CRIANÇAS A ESCREVER. O que pensam as professoras alfabetizadoras? COMO ENSINAR CRIANÇAS A ESCREVER. O que pensam as professoras alfabetizadoras? Daniela Mendes danimva@gmail.com Denise Ana A. dos Santos Oliveira denise.aaso1@gmail.com RESUMO Este artigo apresenta o resultado

Leia mais

A REFORMA ORTOGRÁFICA DA

A REFORMA ORTOGRÁFICA DA CURSO A REFORMA ORTOGRÁFICA DA LÍNGUA PORTUGUESA E A ESCRITA ESCOLAR São José do Rio Preto 2012 CIECC CENTRO INTEGRADO DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E CULTURA Espaço de Linguagens Assistente de Linguagens: Profª.

Leia mais

Ana Teberosky: ''Debater e opinar estimulam a leitura e a escrita''

Ana Teberosky: ''Debater e opinar estimulam a leitura e a escrita'' Alfabetização inicial Ana Teberosky: ''Debater e opinar estimulam a leitura e a escrita'' Para a educadora argentina, nas sociedades em que se valoriza a interação entre as pessoas e a cultura escrita,

Leia mais

CURSO O JOGO COMO ESPAÇO DE ALFABETIZAÇÃO CORPORAL II FORMAÇÃO INTERNACIONAL EM EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR. Prof. Fabio D Angelo Novembro 2017

CURSO O JOGO COMO ESPAÇO DE ALFABETIZAÇÃO CORPORAL II FORMAÇÃO INTERNACIONAL EM EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR. Prof. Fabio D Angelo Novembro 2017 II FORMAÇÃO INTERNACIONAL EM EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR MÓDULO 4 EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR NO ENSINO FUNDAMENTAL CURSO O JOGO COMO ESPAÇO DE ALFABETIZAÇÃO CORPORAL Prof. Fabio D Angelo Novembro 2017 O JOGO

Leia mais

COMPETÊNCIAS ENVOLVIDAS NO APRENDIZADO DA LEITURA

COMPETÊNCIAS ENVOLVIDAS NO APRENDIZADO DA LEITURA COMPETÊNCIAS ENVOLVIDAS NO APRENDIZADO DA LEITURA E DA ESCRITA PELA CRIANÇA No tema anterior, Aquisição da linguagem oral e da linguagem escrita pela criança, enfatizamos a idéia de que a criança ao chegar

Leia mais

A PRÁTICA DA LEITURA E DA ESCRITA ATRAVÉS DE GÊNEROS TEXTUAIS Andreia Rezende Garcia Reis* 1

A PRÁTICA DA LEITURA E DA ESCRITA ATRAVÉS DE GÊNEROS TEXTUAIS Andreia Rezende Garcia Reis* 1 A PRÁTICA DA LEITURA E DA ESCRITA ATRAVÉS DE GÊNEROS TEXTUAIS Andreia Rezende Garcia Reis* 1 Resumo: Este texto é um relato de experiência referente à prática de leitura e escrita de textos nas aulas de

Leia mais

Inaf contempla duas dimensões do Alfabetismo:

Inaf contempla duas dimensões do Alfabetismo: 02 de outubro de 2014 O que é o Inaf? Indicador de Alfabetismo Funcional: parceria com a ONG Ação Educativa, permite estimar os níveis de alfabetismo da população entre 15 e 64 anos e compreender seus

Leia mais

SALAS DE APOIO À APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA DE 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL: CONTRIBUIÇÕES PARA O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO

SALAS DE APOIO À APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA DE 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL: CONTRIBUIÇÕES PARA O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA SALAS DE APOIO À APRENDIZAGEM DE LÍNGUA

Leia mais

LINGUAGEM Estudos e Pesquisas, Catalão, vol

LINGUAGEM Estudos e Pesquisas, Catalão, vol AS IMPLICAÇÕES DAS PESQUISAS COM A ORALIDADE PARA O ENSINO DE LINGUA MATERNA E O RECONHECIMENTO DA LEITURA, DO LETRAMENTO, DA ORALIDADE E DA ESCRITA COM PRÁTICAS SOCIAIS Aline do Nascimento DUARTE * Marcuschi

Leia mais

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DR. ISIDORO DE SOUSA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ESPANHOL. Domínios

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DR. ISIDORO DE SOUSA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ESPANHOL. Domínios Ano letivo 2012/2013 3º- ciclo 1 2 3 Domínios Afetivo Cognitivo Tem uma atitude negativa em relação à aprendizagem; Mostra-se desatento: não abre o livro, não copia apontamentos; Não faz, habitualmente,

Leia mais

TÍTULO: UTILIZAÇÃO CRIATIVA DA LITERATURA INFANTIL NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM

TÍTULO: UTILIZAÇÃO CRIATIVA DA LITERATURA INFANTIL NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM TÍTULO: UTILIZAÇÃO CRIATIVA DA LITERATURA INFANTIL NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE BELO HORIZONTE

Leia mais

MODELOS DIDÁTICOS: UMA PROPOSTA PARA ALFABETIZAR LETRANDO

MODELOS DIDÁTICOS: UMA PROPOSTA PARA ALFABETIZAR LETRANDO MODELOS DIDÁTICOS: UMA PROPOSTA PARA ALFABETIZAR LETRANDO Autor (1):Juscinária Tavares da Silva Universidade Estadual de Roraima, juscinariatsa@hotmail.com Co-autor (1): Larissa Almeida da Silva Universidade

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E SUA COMPLEXIDADE

ALFABETIZAÇÃO E SUA COMPLEXIDADE ALFABETIZAÇÃO E SUA COMPLEXIDADE Erivana Rodrigues MARTINS 1 [e-mail: erivanamartins@gmail.com] Ângela Maria Rodrigues de FIGUEIREDO 2 [e-mail: angelaf.uea@gmail.com] Universidade do Estado do Amazonas

Leia mais

Alfabetização e Letramento

Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento Heloise Martins Essa imagem ilustra bem o conceito de letramento. É abrir as portas e janelas do mundo por meio da leitura, da oralidade e ser capaz de se relacionar bem nas

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO: CONCEPÇÕES E MÉTODOS

ALFABETIZAÇÃO: CONCEPÇÕES E MÉTODOS 1 ALFABETIZAÇÃO: CONCEPÇÕES E MÉTODOS Pollyanna Cristina Costa Nascimento 1 Eixo Temático 02: Educação, Sociedade e Práticas Educativas Resumo Este artigo busca refletir acerca do desenvolvimento lógico

Leia mais

LIVROS DIDÁTICOS DE ALFABETIZAÇÃO: FORMAS E POSSIBILIDADES DE USO

LIVROS DIDÁTICOS DE ALFABETIZAÇÃO: FORMAS E POSSIBILIDADES DE USO LIVROS DIDÁTICOS DE ALFABETIZAÇÃO: FORMAS E POSSIBILIDADES DE USO Definição Podemos definir o livro didático como um material impresso, intencionalmente produzido para ser utilizado em um processo de ensino

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Competências de Interpretação CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3.º Ciclo do Ensino Básico 7º Ano Departamento de Línguas Disciplina: Inglês Domínios Objeto de avaliação Domínios/ Metas de aprendizagem Instrumentos

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS-PORTUGUÊS - IRATI (Currículo iniciado em 2015)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS-PORTUGUÊS - IRATI (Currículo iniciado em 2015) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS-PORTUGUÊS - IRATI (Currículo iniciado em 2015) ANÁLISE DO DISCURSO 68 h/a 1753/I Vertentes da Análise do Discurso. Discurso e efeito de sentido. Condições de

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos 237

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos 237 Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos 237 LETRAMENTO: UM TEMA ENTRE VÁRIOS AUTORES 56 Álvaro Vinícius de Moraes Barbosa Duarte (UFPE) viniciuscac@ig.com.br 1. Introdução Ao se escolher

Leia mais

O GÊNERO FÁBULA E VALORES HUMANOS

O GÊNERO FÁBULA E VALORES HUMANOS O GÊNERO FÁBULA E VALORES HUMANOS INTRODUÇÃO Este plano foi criado para trabalhar com uma turma de 2º ano do Ensino Fundamental, com alunos que possuem em torno de 7 a 8 anos de idade, para que se aprofundem

Leia mais

ALFABETIZAR LETRANDO: CONCEPÇÕES E REFLEXÕES TEÓRICAS

ALFABETIZAR LETRANDO: CONCEPÇÕES E REFLEXÕES TEÓRICAS Resumo ALFABETIZAR LETRANDO: CONCEPÇÕES E REFLEXÕES TEÓRICAS Elaine Teotonio da Silva Butture 1 - PUCPR Eixo Alfabetização, leitura e escrita Agência Financiadora: CAPES O presente trabalho trata de questões

Leia mais

SALA DE APOIO À APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA O 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL: ESPAÇO PARA SE ALFABETIZAR LETRANDO

SALA DE APOIO À APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA O 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL: ESPAÇO PARA SE ALFABETIZAR LETRANDO SALA DE APOIO À APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA O 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL: ESPAÇO PARA SE ALFABETIZAR LETRANDO Área temática: Educação. Sandra do Rocio Ferreira Leal (coordenadora da ação de

Leia mais

UMA REFLEXÃO SOBRE OS CONCEITOS: LETRAMENTO, ALFABETIZAÇÃO E ESCOLARIZAÇÃO

UMA REFLEXÃO SOBRE OS CONCEITOS: LETRAMENTO, ALFABETIZAÇÃO E ESCOLARIZAÇÃO UMA REFLEXÃO SOBRE OS CONCEITOS: LETRAMENTO, ALFABETIZAÇÃO E ESCOLARIZAÇÃO Celina Ramos Arruda Macedo 1 Introdução A reflexão realizada neste artigo sobre os conceitos letramento, alfabetização e escolarização,

Leia mais

Analfabeto funcional é o sujeito incapaz de interpretar o que lê e de usar a leitura e escrita em atividades cotidianas (UNESCO).

Analfabeto funcional é o sujeito incapaz de interpretar o que lê e de usar a leitura e escrita em atividades cotidianas (UNESCO). Segundo o Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística (IBOPE) Somente 26% dos brasileiros acima de 15 anos apresentam plenas habilidades de leitura e escrita; 74% dos brasileiros entre 15 e 64

Leia mais

Palavras-chave: Alfabetização Matemática. Letramento Matemático. Formação inicial de professores.

Palavras-chave: Alfabetização Matemática. Letramento Matemático. Formação inicial de professores. A ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA NA PERSPECTIVA DE FUTUROS PROFESSORES Resumo Jéssica da Costa Ricordi 1 - UFPR Neila Tonin Agranionih 2 UFPR O artigo objetiva apresentar e analisar concepções de acadêmicos

Leia mais

CONTEÚDO ESPECÍFICO DA PROVA DA ÁREA DE LETRAS GERAL PORTARIA Nº 258, DE 2 DE JUNHO DE 2014

CONTEÚDO ESPECÍFICO DA PROVA DA ÁREA DE LETRAS GERAL PORTARIA Nº 258, DE 2 DE JUNHO DE 2014 CONTEÚDO ESPECÍFICO DA PROVA DA ÁREA DE LETRAS GERAL PORTARIA Nº 258, DE 2 DE JUNHO DE 2014 O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), no uso de suas

Leia mais

HIPÓTESES DE ESCRITA: ATIVIDADES QUE DÃO CERTO E POTENCIALIZAM O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS NA ALFABETIZAÇÃO.

HIPÓTESES DE ESCRITA: ATIVIDADES QUE DÃO CERTO E POTENCIALIZAM O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS NA ALFABETIZAÇÃO. HIPÓTESES DE ESCRITA: ATIVIDADES QUE DÃO CERTO E POTENCIALIZAM O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS NA ALFABETIZAÇÃO. RESUMO Magnólia Angelí Santos de Almeida 1 O presente trabalho discorre sobre os resultados de

Leia mais

Produção Textual Parte 2

Produção Textual Parte 2 Produção Textual Parte 2 A Linguagem: Uma Forma de Interação Com base nas pesquisas desenvolvidas pelo filósofo russo Mikhail Bakhtin (1895-1975), a linguagem passa a ser concebida como um constante processo

Leia mais

Marcas da oralidade nas produções textuais dos alunos do ensino médio da escola c.e humberto de campos na cidade de humberto de campos ma

Marcas da oralidade nas produções textuais dos alunos do ensino médio da escola c.e humberto de campos na cidade de humberto de campos ma Marcas da oralidade nas produções textuais dos alunos do ensino médio da escola c.e humberto de campos na cidade de humberto de campos ma POR SÂNIA TEREZA COSTA, VANDINALVA COELHO CAMPOS, MARIZE BARROS

Leia mais

L ngua Portuguesa INTRODUÇÃO

L ngua Portuguesa INTRODUÇÃO Programação 1º- ao5º-ano INTRODUÇÃO Ser leitor-escritor competente nos dias de hoje é uma das condições básicas para uma participação social efetiva. Assim, cabe à escola rever seus currículos e estar

Leia mais

PRÁTICAS DE LETRAMENTO DE ALUNOS COM SURDEZ NA PERSPECTIVA BILÍNGUE EM ESPAÇOS DE AEE MINICURSO

PRÁTICAS DE LETRAMENTO DE ALUNOS COM SURDEZ NA PERSPECTIVA BILÍNGUE EM ESPAÇOS DE AEE MINICURSO PRÁTICAS DE LETRAMENTO DE ALUNOS COM SURDEZ NA PERSPECTIVA BILÍNGUE EM ESPAÇOS DE AEE MINICURSO Francisca Maria Cerqueira da Silva 1 Eixo Temático: Práticas pedagógicas com alunos público-alvo da Educação

Leia mais

Apresentação do método sintético

Apresentação do método sintético Maria Cristina Pereira Cotta e Angela Maria Rodrigues Marques Galvão O tempo passa e, em Educação, continuam as dúvidas quanto à escolha do método ideal para alfabetizar. Para acertar nessa escolha, a

Leia mais

Professora: Adriana Maria de Sousa Espinhara Santa Cruz EMEF Brisa Nunes Braz Monteiro - PB

Professora: Adriana Maria de Sousa Espinhara Santa Cruz EMEF Brisa Nunes Braz Monteiro - PB PROJETO VIVENDO A IMAGINAÇÃO Professora: Adriana Maria de Sousa Espinhara Santa Cruz EMEF Brisa Nunes Braz Monteiro - PB MONTEIRO Localizada no Cariri Ocidental Paraibano; Área 986,370 km² População 30.844

Leia mais

ORALIDADE E LETRAMENTO: AS REPRESENTAÇÕES ESCRITAS DAS VOGAIS PRETÔNICAS MEDIAIS DA FALA.

ORALIDADE E LETRAMENTO: AS REPRESENTAÇÕES ESCRITAS DAS VOGAIS PRETÔNICAS MEDIAIS DA FALA. ORALIDADE E LETRAMENTO: AS REPRESENTAÇÕES ESCRITAS DAS VOGAIS PRETÔNICAS MEDIAIS DA FALA. Marília Costa REIS 1 RESUMO Vinculado à linha de pesquisa "Oralidade e Letramento", este trabalho busca investigar

Leia mais

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA OBJETIVOS: 6º ano Usar a Língua Portuguesa como língua materna, para integrar e organizar o mundo e a própria identidade com visão empreendedora e como pensador capaz de

Leia mais

ETAPAS DE DESENVOLVIMENTO DA ESCRITA: RESPOSTAS A UMA EXPERIÊNCIA

ETAPAS DE DESENVOLVIMENTO DA ESCRITA: RESPOSTAS A UMA EXPERIÊNCIA ETAPAS DE DESENVOLVIMENTO DA ESCRITA: RESPOSTAS A UMA EXPERIÊNCIA Liliane Rodrigues dos Santos RESUMO Este estudo tem como objetivo investigar o processo de apropriação da linguagem escrita de crianças

Leia mais

Escolas de Educação Básica, na Modalidade Educação Especial Parecer 07/14

Escolas de Educação Básica, na Modalidade Educação Especial Parecer 07/14 Escolas de Educação Básica, na Modalidade Educação Especial Parecer 07/14 Anexo 5 Semana Pedagógica 1º semestre - 2016 Anexo 5 Trabalhando com textos na Alfabetização (Marlene Carvalho, 2005) Muitas professoras

Leia mais

A DECODIFICAÇÃO DA LEITURA E O PROCESSO DE COMPREENSÃO DO TEXTO

A DECODIFICAÇÃO DA LEITURA E O PROCESSO DE COMPREENSÃO DO TEXTO A DECODIFICAÇÃO DA LEITURA E O PROCESSO DE COMPREENSÃO DO TEXTO Maria de Fátima de Souza Aquino Universidade Estadual da Paraíba fatimaaquinouepb@yahoo.com.br RESUMO A leitura é uma atividade complexa

Leia mais

Técnico Integrado em Controle Ambiental SÉRIE:

Técnico Integrado em Controle Ambiental SÉRIE: PLANO DA DISCIPLINA COMPONENTE CURRICULAR: Língua Portuguesa e Literatura Brasileira CURSO: Técnico Integrado em Controle Ambiental SÉRIE: 1º Ano CARGA HORÁRIA: 100 h.r. EMENTA Estudos de Fonética e Fonologia

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: AS CONCEPÇÕES DOS ACADÊMICOS DE LICENCIATURA DA UFMS/CAMPUS DO PANTANAL

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: AS CONCEPÇÕES DOS ACADÊMICOS DE LICENCIATURA DA UFMS/CAMPUS DO PANTANAL ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: AS CONCEPÇÕES DOS ACADÊMICOS DE LICENCIATURA DA UFMS/CAMPUS DO PANTANAL Bruno Marini Bruneri Resumo: Pretendemos discutir neste texto as concepções de alfabetização e letramento

Leia mais

2 Com base nas considerações sobre a alfabetização no ciclo, nas perspectivas teóricas atuais de alfabetização e na construção de saberes e fabricação

2 Com base nas considerações sobre a alfabetização no ciclo, nas perspectivas teóricas atuais de alfabetização e na construção de saberes e fabricação PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NO 1º CICLO: DESAFIOS DO ALFABETIZAR LETRANDO CRUZ, Magna do Carmo Silva UFPE magna_csc@yahoo.com.br GT: Alfabetização, Leitura e Escrita / n.10 Agência Financiadora: Sem

Leia mais

DIÁRIO DE LEITURA: UM ARTEFATO PARA ALFABETIZAR LETRANDO

DIÁRIO DE LEITURA: UM ARTEFATO PARA ALFABETIZAR LETRANDO DIÁRIO DE LEITURA: UM ARTEFATO PARA ALFABETIZAR LETRANDO AUTORA: PAULA SABRINA BARBOSA DE ALBUQUERQUE. Graduanda em Pedagogia (UEPB) paulasabrina.ba@hotmail.com CO-AUTORAS: KÁTIA CRISTINA DE CASTRO PASSOS.

Leia mais

Atividades de ortografia com as letras lh e li

Atividades de ortografia com as letras lh e li Atividades de ortografia com as letras lh e li Atividades de português, Atividades de ortografia com Lh e Li, atividades ensino fundamental, atividades para imprimir, atividades educativas, tarefas de

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: UMA VISÃO MONITORADA

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: UMA VISÃO MONITORADA 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: UMA VISÃO MONITORADA Almirene Maria Vital da Silva SANT ANNA Dalva Pereira Barreto de ARAÚJO Maria Rosane Passos dos SANTOS Universidade Estadual de Feira de Santana UEFS

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE OS DOCENTES DO ENSINO SUPERIOR COMO AGENTES DE LETRAMENTO Por: Luiz Antonio Costa Tarcitano Orientadora Profª. Fabiane Muniz

Leia mais

LETRAMENTO E SUA IMPORTÂNCIA NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR E DO ALUNO 1

LETRAMENTO E SUA IMPORTÂNCIA NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR E DO ALUNO 1 258 LETRAMENTO E SUA IMPORTÂNCIA NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR E DO ALUNO 1 Thaís Lopes SOARES GT3 Formação de Professores Resumo: Este trabalho tem como tema Letramento e sua importância na formação do professor

Leia mais

Plano de ensino: CONTEÚDO, METODOLOGIA E PRÁTICA DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEÚDO, METODOLOGIA E PRÁTICA DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA

Plano de ensino: CONTEÚDO, METODOLOGIA E PRÁTICA DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEÚDO, METODOLOGIA E PRÁTICA DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA Plano de ensino: CONTEÚDO, METODOLOGIA E PRÁTICA DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA Título Contextualização Ementa Objetivos gerais CONTEÚDO, METODOLOGIA E PRÁTICA DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA A língua portuguesa,

Leia mais

MATRIZ DE REFERÊNCIA LÍNGUA PORTUGUESA SADEAM 3º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

MATRIZ DE REFERÊNCIA LÍNGUA PORTUGUESA SADEAM 3º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL MATRIZ DE REFERÊNCIA LÍNGUA PORTUGUESA SADEAM 3º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DOMÍNIOS COMPETÊNCIAS DESCRITORES D01 Distinguir letras de outros sinais gráficos. Reconhecer as convenções da escrita. D02 Reconhecer

Leia mais

Letras Língua Inglesa

Letras Língua Inglesa Letras Língua Inglesa 1 semestre Núcleo de estudos interdisciplinares I 45h Ementa: Estuda os procedimentos envolvidos na realização de uma pesquisa cientifica. Desenvolve habilidade de produção de fichamento,

Leia mais

Métodos de Alfabetização

Métodos de Alfabetização Aulas 12 e 13/04 Métodos de Alfabetização Conceito de método Os métodos tradicionais de alfabetização Métodos de marcha sintética Métodos de marcha analítica Método Global Métodos mistos ou analítico-sintéticos

Leia mais

PLANO DE CURSO Disciplina: LÍNGUA PORTUGUESA Série: 3º ano Ensino Fundamental

PLANO DE CURSO Disciplina: LÍNGUA PORTUGUESA Série: 3º ano Ensino Fundamental PLANO DE CURSO Disciplina: LÍNGUA PORTUGUESA Série: 3º ano Ensino Fundamental UNIDADE I: GÊNEROS LITERÁRIOS Poesias Trabalhar conceitos, estruturas e produções do gênero. Biografia Entrevista Texto informativo

Leia mais

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO Provas 2º Bimestre 2012 LÍNGUA PORTUGUESA DESCRITORES DESCRITORES DO 2º BIMESTRE

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Faculdade de Educação. Mayara Freitas Tricárico. Plano de aula

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Faculdade de Educação. Mayara Freitas Tricárico. Plano de aula UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Faculdade de Educação Mayara Freitas Tricárico Plano de aula São Paulo 2012 Mayara Freitas Tricárico Plano de aula apresentado para a Disciplina Metodologia do ensino de português:

Leia mais

LETRAMENTO: A CONSTRUÇÃO DE HABILIDADES MATEMÁTICAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

LETRAMENTO: A CONSTRUÇÃO DE HABILIDADES MATEMÁTICAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS LETRAMENTO: A CONSTRUÇÃO DE HABILIDADES MATEMÁTICAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Maria Rejane Correia Ramos 1 Natanailza Martins Alves 2, 1 FFPG/Departamento de Matemática, takaicorreia@hotmail.com

Leia mais

LER E ESCREVER SÃO COISAS DE CRIANÇAS?

LER E ESCREVER SÃO COISAS DE CRIANÇAS? LER E ESCREVER SÃO COISAS DE CRIANÇAS? II Encontro Orientadores de Estudo PNAIC A criança no ciclo de alfabetização Mônica Correia Baptista monicacb.ufmg@gmail.com Professora Departamento de Administração

Leia mais