Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos."

Transcrição

1 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos VERSÃO 1 Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova (Versão 1 ou Versão 2). A ausência dessa indicação implica a classificação com zero pontos das respostas aos itens do Grupo I. zero pontos. Para cada item, apresente apenas uma resposta. Se apresentar mais do que uma resposta a um Para responder aos itens de escolha múltipla, escreva, na folha de respostas: o número do item; Prova 712.V1/2.ª F. Página 1/ 14

2 Página em branco - Prova 712.V1/2.ª F. Página 2/ 14

3 GRUPO I Na resposta a cada um dos itens deste grupo, selecione a única opção correta. o número do item; 1. (A) custo de oportunidade. (B) custo marginal. (C) (D) 2. (A) (B) (C) (D) 3. Os Quadros 1 e 2 apresentam os valores relativos ao Valor Acrescentado Bruto por sectores de atividade económica e ao emprego por sectores de atividade económica de um dado país, em 2002 e em Quadro 1 Valor Acrescentado Bruto (em % do total) Sector primário 7 2 Sector secundário Sector terciário Quadro 2 População empregada (em % do total) Sector primário 10 5 Sector secundário Sector terciário país, o fenómeno (A) da industrialização. (B) do desemprego. (C) da terciarização. (D) do desinvestimento. Prova 712.V1/2.ª F. Página 3/ 14

4 4. (A) a um salário justo. (B) (C) a um consumo elevado. (D) à qualidade do emprego e da formação. 5. Acréscimo da produção (número de bolas) Produtividade marginal do trabalho Número de trabalhadores (A) (B) (C) (D) Prova 712.V1/2.ª F. Página 4/ 14

5 6. e Quadro 3 Evolução do Índice de Preços no Consumidor (IPC) (A) em 2011, foi 20,0%. (B) em 2011, foi 15,0%. (C) em 2012, foi 12,0%. (D) em 2012, foi 10,0%. 7. (A) de concorrência monopolística. (B) monopolista. (C) oligopolista. (D) de concorrência perfeita. 8. Quadro 4 Repartição do rendimento no país (em euros) Juros Lucros Rendas Salários Família A Família B do fator (A) capital no total dos rendimentos do país foi 7,2%. (B) (C) (D) capital da família B no total dos rendimentos do país foi 5,1%. Prova 712.V1/2.ª F. Página 5/ 14

6 9. (A) (B) (C) ao mercado primário. (D) ao mercado secundário. 10. (A) (B) (C) (D) 11. Suponha que uma economia formada apenas por dois produtores, A e B, apresentou, em 2012, a situação evidenciada no Quadro 5. Quadro 5 Produtor Produção (milhares de unidades monetárias) Valor Acrescentado Bruto (milhares de unidades monetárias) A B economia foi (A) 400 milhares de unidades monetárias. (B) 150 milhares de unidades monetárias. (C) 250 milhares de unidades monetárias. (D) 550 milhares de unidades monetárias. 12. O investimento corresponde, em parte, à aplicação das poupanças das Famílias, das Administrações (A) a ampliação dos escritórios realizada pelas Sociedades não Financeiras. (B) (C) a compra de um veículo automóvel utilitário realizada pelas Famílias. (D) Prova 712.V1/2.ª F. Página 6/ 14

7 13. (A) (B) na Balança de capital portuguesa. (C) na Balança de rendimentos portuguesa. (D) na Balança corrente portuguesa. 14. (A) agrícolas. (B) relativamente mais caras. (C) nacional. (D) 15. (A) (B) (C) despesas de capital e correntes, respetivamente. (D) despesas correntes e de capital, respetivamente. 16. (A) (B) (C) (D) implementar políticas estruturais de curto prazo. Prova 712.V1/2.ª F. Página 7/ 14

8 17. Num processo de integração económica entre dois ou mais países, a implementação da livre circulação de mercadorias, de serviços, de capitais e de pessoas traduz-se na criação de (A) (B) um mercado comum. (C) uma união aduaneira. (D) um sistema de preferências aduaneiras. 18. encontravam (A) Portugal, Alemanha e Dinamarca. (B) Finlândia, Irlanda e Áustria. (C) (D) Prova 712.V1/2.ª F. Página 8/ 14

9 GRUPO II A adesão de Portugal ao euro provocou alterações na economia portuguesa, o que conduziu a uma Quadro de Referência Estratégico Nacional, , in comportamento do endividamento das Famílias portuguesas. Taxa de variação média anual do IPC e taxa de juro nos empréstimos ao consumo a particulares (1) Em percentagem ,1 3,6 Taxa de variação do IPC (em %) 17,5 9,7 Taxa de juro nos empréstimos ao consumo a particulares Banco de Portugal, Estatísticas Online e Relatório Anual 1996 e 2004, in (adaptado) (consultado em outubro de 2012) (1) A taxa de juro corresponde à média das taxas de juro mensais praticadas em cada um dos anos. Quadro 6 Rendimento disponível dos particulares e Consumo privado, em termos nominais (taxa de variação anual, em %) ,2 4,0 6,3 4,4 Banco de Portugal, Relatório Anual 1996 e 2004, in Quadro 7 Endividamento das Famílias ,0 103,0 Banco de Portugal, Relatório Anual 2002, in 1. o do endividamento das Famílias; a relação entre o comportamento da taxa de juro e o do endividamento das Famílias. Prova 712.V1/2.ª F. Página 9/ 14

10 Em percentagem do rendimento 2. país B, em Repartição pessoal do rendimento no país A e no país B Em percentagem da população País A País B 3. Nas economias industriais modernas, a concorrência entre as empresas leva-as, geralmente, a efetuar elevados investimentos em investigação e desenvolvimento. Por exemplo, nas indústrias Introdução à Economia, 2003 (adaptado) atividade económica. 4. Usando uma cana de pesca em vez de pescar à mão, o tempo gasto torna-se mais produtivo, muitas pessoas. Samuelson e Nordhaus, Economia Prova 712.V1/2.ª F. Página 10/ 14

11 GRUPO III Os documentos a seguir apresentados referem-se à economia portuguesa, em 2010 e em Balanças que a compõem. Quadro 8 Quadro 9 Produto Interno Bruto, ótica da Despesa, em termos nominais Peso (em % do total) Taxa de variação anual (em %) PIB 100,0 2,5 1,0 66,0 3,8 0,4 21,6 0,4 Investimento 0,6 serviços serviços 31,0 13,4 13,3 38,2 10,4 2,1 Principais exportações portuguesas de bens, em termos nominais Taxa de variação anual (em %) Total 16,0 15,1 24,8 Químicos 17,1 Pastas celulósicas e papel 40,7 4,8 Vestuário 3,0 Máquinas e aparelhos 6,3 11,6 Veículos e outro material de transporte 22,2 23,4 Quadro 10 Principais exportações portuguesas de serviços, em termos nominais Saldo da Balança de bens e serviços (em % do PIB) Taxa de variação anual (em %) ,9% 4,5% Total 7,7 Transportes 13,0 Turismo 10,0 7,2 Outros serviços fornecidos por empresas Serviços ligados à construção 1,7 8, ,7% 3,2% Balança de bens e serviços 10,5% 7,7% Balança de bens Balança de serviços Banco de Portugal, Relatório Anual 2011, in 1. serviços, em 2011, face a 2010, considerando: Prova 712.V1/2.ª F. Página 11/ 14

12 2. Quadro (em milhões de euros) Investimento Procura interna do PIB desse país registou uma taxa de variação negativa de 10% face a Apresente a(s) fórmula(s) usada(s) e todos os cálculos que efetuar. 3. sempre efeitos ao nível económico e social, nomeadamente, em termos de promoção da pessoal dos rendimentos. Paulo Trigo Pereira et al., Economia e Finanças Públicas, 2010 (adaptado) e social. FIM Prova 712.V1/2.ª F. Página 12/ 14

13 Página em branco - Prova 712.V1/2.ª F. Página 13/ 14

14 COTAÇÕES GRUPO I 1. a (18 5 pontos) pontos GRUPO II pontos pontos pontos pontos 60 pontos GRUPO III pontos pontos pontos 50 pontos TOTAL pontos Prova 712.V1/2.ª F. Página 14/ 14

15 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase Entrelinha 1,5, sem figuras nem imagens, texto alinhado à esquerda Critérios de Classificação 11 Páginas 2013 COTAÇÕES GRUPO I 1. a (18 5 pontos) pontos 90 pontos GRUPO II pontos pontos pontos pontos 60 pontos GRUPO III pontos pontos pontos 50 pontos TOTAL pontos Prova 712/2.ª F. Página C/1/ 11

16 CriTériOS gerais de CLASSifiCAÇãO itens de SELEÇãO itens de CONSTrUÇãO Prova 712/2.ª F. Página C/2/ 11

17 3 2 1 Prova 712/2.ª F. Página C/3/ 11

18 CriTériOS ESPECÍfiCOS de CLASSifiCAÇãO GRUPO I VErSãO (A)... 5 pontos (B)... 5 pontos (C)... 5 pontos (B)... 5 pontos (d)... 5 pontos (d)... 5 pontos (A)... 5 pontos (B)... 5 pontos (A)... 5 pontos (d)... 5 pontos (C)... 5 pontos (A)... 5 pontos (A)... 5 pontos (C)... 5 pontos (C)... 5 pontos (B)... 5 pontos (B)... 5 pontos (B)... 5 pontos Prova 712/2.ª F. Página C/4/ 11

19 GRUPO II pontos Prova 712/2.ª F. Página C/5/ 11

20 pontos Prova 712/2.ª F. Página C/6/ 11

21 pontos Prova 712/2.ª F. Página C/7/ 11

22 pontos Nota Prova 712/2.ª F. Página C/8/ 11

23 GRUPO III pontos Na resposta, é explicitada a evolução do comércio externo português de bens e serviços, em 2011, face a 2010, sendo referidos, de forma correta 1, os seguintes aspetos, ou outros considerados relevantes: em 2011, face a 2010, no conjunto das componentes do PIB, as exportações de bens e serviços continuaram a ser a componente mais dinâmica, registando uma taxa de variação nominal de 13,3%, em 2011; em 2011, a taxa de variação das exportações de bens foi ligeiramente inferior à registada em 2010, tendo passado de 16,0%, em 2010, para 15,1%, em 2011; em 2011, a taxa de variação das exportações de serviços foi superior à registada em 2010, tendo passado de 7,7%, em 2010, para 9,0%, em 2011; em 2011, face a 2010, para o menor crescimento das exportações de bens contribuíram as rubricas «pastas celulósicas e papel» e «combustíveis minerais», que registaram, neste período, uma redução significativa das suas taxas de variação; a taxa de variação da rubrica «pastas celulósicas e papel» passou de 40,7%, em 2010, para 4,8%, em 2011; a taxa de variação da rubrica «combustíveis minerais» passou de 59,5%, em 2010, para 24,8%, em 2011; em 2011, face a 2010, para o maior crescimento das exportações de serviços contribuíram as rubricas «outros serviços fornecidos por empresas» e «serviços ligados à construção», que registaram, neste período, um aumento das taxas de variação; a taxa de variação da rubrica «outros serviços fornecidos por empresas» passou de 1,7%, em 2010, para 8,7%, em 2011; a taxa de variação da rubrica «serviços ligados à construção» passou de 1,9%, em 2010, para 13,9%, em Considera-se que os aspetos em causa são referidos de forma correta quando: está completo em termos de conteúdo relevante para o item; se articula, de forma coerente, com os dados fornecidos nos documentos apresentados no enunciado do item; evidencia uma utilização adequada da terminologia económica. Descritores do nível de desempenho Descritores do nível de desempenho no domínio da comunicação escrita em língua portuguesa Níveis* Na resposta, são contemplados, de forma correta, os cinco aspetos acima referidos Na resposta, são contemplados, de forma menos correta, os cinco aspetos acima referidos. Na resposta, são contemplados, de forma correta, apenas quatro dos aspetos acima referidos Níveis 4 Na resposta, são contemplados, de forma menos correta, apenas quatro dos aspetos acima referidos. Na resposta, são contemplados, de forma correta, apenas três dos aspetos acima referidos Na resposta, são contemplados, de forma menos correta, apenas três dos aspetos acima referidos. Na resposta, são contemplados, de forma correta, apenas dois dos aspetos acima referidos Na resposta, são contemplados, de forma menos correta, apenas dois dos aspetos acima referidos Na resposta, é contemplado, de forma correta, apenas um dos aspetos acima referidos * Prova 712/2.ª F. Página C/9/ 11

24 pontos Prova 712/2.ª F. Página C/10/ 11

25 pontos Prova 712/2.ª F. Página C/11/ 11

26 Exame Nacional de 2013 (2. a Fase) Exame Nacional do Ensino Secundário Prova Escrita de Economia A 10. o e 11. o Anos de Escolaridade Prova 712/2. a Fase, 2013 GRUPO I Versão 1 Versão 2 1. (A) (B) 2. (B) (A) 3. (C) (D) 4. (B) (C) 5. (D) (D) 6. (D) (C) 7. (A) (B) 8. (B) (A) 9. (A) (B) 10. (D) (D) 11. (C) (C) 12. (A) (B) 13. (A) (A) 14. (B) (C) 15. (C) (D) 16. (C) (B) 17. (B) (A) 18. (B) (B) GRUPO II 1. Em 1995, a taxa de variação do IPC (taxa de inflação) era 4,1% e, em 2002, era 3,6%, o que revela uma descida da taxa de inflação (desinflação os preços em média continuam a subir só que a uma taxa inferior), cumprindo o critério de convergência nominal no que respeita à taxa de inflação, que não pode ser superior em 1,5% à média das três taxas mais baixas da Zona Euro. Em 1995, a taxa de juro nominal era 17,5% e, em 2002, desceu para 9,7%, cumprindo o critério de convergência nominal no que respeita à taxa de juro nominal média de longo prazo, que não pode ser superior em 3% à média das três taxas mais baixas da Zona Euro. Em 1995, o Rendimento disponível dos particulares cresceu 5,2% e, em 2002, cresceu 4,0%, o que evidencia uma pequena desaceleração (continuou a crescer só que a uma taxa inferior). O consumo privado também cresceu em 1995 (6,3%) e em 2002 (4,4%), evidenciando também uma desaceleração. Porém, é de salientar que as taxas de crescimento do Rendimento disponível dos particulares nos anos considerados, foram sempre inferiores às taxas de crescimento do consumo privado, o que, entre outros fatores, explica a acentuada aceleração do endividamento das Famílias em % do Rendimento disponível dos particulares, que, em 1995, foi 38,0% e, em 2002, atingiu 103,0% do Rendimento disponível dos particulares. Outro fator que pode explicar a já referida aceleração do endividamento das Famílias é a descida da taxa de juro nominal nos empréstimos ao consumo dos particulares de 17,5%, em 1995, para 9,7%, em 2002, o que torna o recurso ao crédito menos oneroso. De facto, como é referido no texto «a adesão de Portugal ao euro provocou transformações na economia portuguesa» como o estabelecimento de critérios de convergência nominais, entre os quais os mencionados (estabilidade dos preços e taxas de juro nominais que a sustentem) e gerou um aumento da confiança pela existência de uma moeda única, o que contribuiu para a melhoria das expectativas dos agentes económicos, que se traduziu no «recurso crescente ao endividamento». 2. O gráfico 3 representa a repartição pessoal dos rendimentos (repartição dos rendimentos na ótica dos indivíduos/famílias) em dois países o A e o B, através das curvas de Lorenz (que ilustram a situação de desigualdade na distribuição pessoal dos rendimentos, relacionando a percentagem acumulada da população com a percentagem acumulada do rendimento correspondente). A diagonal que divide o quadrado corresponde à linha da igualdade absoluta, ou seja, a uma concentração dos rendimentos nula, em que a 10% da população corresponde 10% dos rendimentos, a 20% da população corresponde 20% dos rendimentos, e assim sucessivamente, sendo os rendimentos distribuídos de uma forma equitativa. Texto

27 Em 2012, o país A é o que apresenta uma menor desigualdade na repartição dos rendimentos porque a curva de Lorenz que lhe corresponde se encontra mais próxima da linha da igualdade absoluta. Por exemplo, no país A, a 10% da população corresponde cerca de 5% dos rendimentos, a 20% da população cerca de 12%, a 30% da população 20% dos rendimentos e a 90% da população 80% dos rendimentos. Neste país, os 10% da população com rendimentos mais elevados receberam 20% dos rendimentos nesse ano. Em contrapartida, no país B, também em 2012, existem maiores assimetrias na repartição dos rendimentos porque a curva de Lorenz que lhe corresponde se encontra mais afastada da linha da igualdade absoluta. Desta forma, a 10% da população corresponde cerca de 4% dos rendimentos, a 20% da população cerca de 8%, a 30% da população 10% dos rendimentos e a 90% da população 60% dos rendimentos. Os 10% da população com rendimentos mais elevados alcançaram 40% dos rendimentos nesse ano. Assim, a 30% da população no país A corresponde 20% dos rendimentos enquanto no país B corresponde menor percentagem dos rendimentos apenas 10%; do mesmo modo, a 90% da população do país A corresponde 80% dos rendimentos e no país B apenas 60% dos rendimentos. Os 10% da população com rendimentos mais elevados alcançaram no país A 20% dos rendimentos enquanto no país B auferiram 40%. Quer pela análise dos valores relativos aos dois países, quer pelo facto de a curva de Lorenz relativa ao país B se encontrar mais distante da linha da igualdade absoluta do que a do país A, podemos concluir que existe maior desigualdade na repartição dos rendimentos no país B do que no país A. 3. O texto refere-se à importância do investimento em investigação e desenvolvimento (I&D) para as economias. Por um lado, «a concorrência entre as empresas leva-as, geralmente, a efetuar investimentos em investigação e desenvolvimento» como refere o texto, uma vez que esses investimentos originam inovações tecnológicas que possibilitam colocar nos mercados «novos e melhores produtos» e maiores quantidades a menores preços, porque os aumentos de produtividade originam uma redução dos custos médios de produção, isto é, «métodos de produção mais baratos», tornando as empresas mais competitivas e com maior participação nos mercados. Finalmente, «os lucros obtidos irão ser aplicados em novos processos de investigação e desenvolvimento» porque serão reinvestidos em I&D, conduzindo a novas investigações, a um maior conhecimento e a inovações tecnológicas que constituem uma maior riqueza para a sociedade, uma melhoria do nível de vida das populações e a condições favoráveis ao desenvolvimento. 4. O texto diz respeito à utilização de diferentes instrumentos de trabalho (fator de produção capital) na atividade das pescas e os seus resultados. Dois fatores de produção além do fator capital poderão ser, entre outros, o fator trabalho e os recursos naturais. GRUPO III 1. Em 2011, as exportações de bens e serviços cresceram em termos nominais 13,3%, constituindo a componente do PIB que apresentou a maior taxa de crescimento. O facto de esta componente apresentar um peso no PIB de 31% (em 2010) fez que o PIB não sofresse uma maior quebra em 2011, atendendo às variações das outras componentes. No que se refere às exportações de bens em termos nominais, a taxa de crescimento em 2011 foi inferior à de 2010, apresentando no entanto o valor de 15,1% em Para esta descida da taxa de crescimento contribuíram as acentuadas desacelerações dos «Combustíveis minerais» e das «Pastas celulósicas e papel», que passaram, respetivamente, de 59,5% e 40,7%, em 2010, para 24,8% e 4,8%, em No que respeita às exportações de serviços em termos nominais verificamos que houve uma aceleração de 2010 para 2011, uma vez que a taxa de variação anual em 2010 era 7,7% e, em 2011, cresceu para 9,0%. As componentes que apresentaram maior dinamismo foram «Outros serviços fornecidos por empresas» e «Serviços ligados à construção», que passaram, respetivamente, de 1,7% e -1,9%, em 2010, para 8,7% e 13,9%, em Finalmente, podemos constatar a descida do défice (saldo negativo) da Balança de bens e serviços em % do PIB de -6,7% para -3,2%, de 2010 para Esta descida deveu-se à descida do défice da Balança de bens (de -10,5%, em 2010, para -7,7%, em 2011, em percentagem do PIB) e à subida do superavit (saldo positivo) da Balança de serviços de 2010 para 2011, que passou de 3,9% para 4,5 % do PIB. 2. PIB em 2011 (em milhões de euros): Procura Interna + Exportações de bens e serviços (Procura Externa) = Procura Global = PIB = Procura Global Importações de bens e serviços = = milhões de euros PIB em 2012 (em milhões de euros): 90% 100% = -10% PIB em % PIB em % % PIB em % Texto

28 PIB em 2012 = % /100% = milhões de euros (ou PIB em 2012 = ,90 = milhões de euros). PIB em 2012 = (-10) = milhões de euros. 3. O Orçamento do Estado é um documento elaborado pelo Governo, que será discutido e aprovado pela Assembleia da República, onde se encontram previstas as despesas e as receitas do Estado para um ano. Nele são estabelecidas as origens das receitas públicas e os destinos dos gastos do Estado, ou seja, das despesas públicas. Deste modo, como é referido no texto, «As despesas e receitas do Orçamento do Estado traduzem sempre escolhas e produzem efeitos a nível económico e social», constituindo o Orçamento do Estado um importante instrumento de política económica e social porque estabelece as opções do Estado no que respeita à promoção da estabilidade, equidade e eficiência da economia. Se «o Estado aumentar a tributação sobre o rendimento das Famílias», por exemplo, «tal irá gerar efeitos sobre a atividade económica e alterar a repartição pessoal dos rendimentos», ou seja, a utilização do instrumento da política fiscal que é o imposto direto IRS (Imposto sobre o Rendimento de Pessoas Singulares), mantendo-se tudo o resto constante, originará um menor Rendimento disponível dos particulares e possivelmente uma diminuição do consumo privado e das vendas das empresas, que poderão entrar em situação de dificuldades ou até de falência, originando o aumento do desemprego, o que poderá pôr em causa a estabilidade económica e a equidade. Tudo depende da situação em que estas opções forem feitas. Numa situação de recessão económica em que o PIB decresce, estas medidas terão efeitos negativos sobre a estabilidade económica e equidade pelo que foi referido acima. Numa situação de expansão económica, os efeitos serão diferentes. Texto

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Prova Escrita de Economia A

Prova Escrita de Economia A EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/Época Especial 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos.

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 11.º ou 12.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 11 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 12 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova (Versão 1 ou Versão 2).

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova (Versão 1 ou Versão 2). EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova (Versão 1 ou Versão 2).

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova (Versão 1 ou Versão 2). EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 11 Páginas Sem figuras nem imagens, Entrelinha

Leia mais

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Economia A 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 712/1.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 12 Páginas Sem figuras nem imagens, Entrelinha

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/2.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/2.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 11 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 11.º/12.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 12 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Prova Escrita de Economia A

Prova Escrita de Economia A EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Economia A 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 19/2012, de 5 de julho Prova 712/1.ª Fase Critérios de Classificação 1 Páginas 2015 Prova

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Economia A 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 10.º/11.º ou 11.º/12.º Anos de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto Programas novos e Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) PROVA712/C/11 Págs. Duração

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 11.º/12.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Economia A 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 712/1.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 2

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 2 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 10.º/11.º ou 11.º/12.º Anos de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto Programas novos e Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) PROVA 712/13 Págs. Duração

Leia mais

PLANIFICAÇÕES ATIVIDADES E ESTRATÉGIAS. Diálogo orientado;

PLANIFICAÇÕES ATIVIDADES E ESTRATÉGIAS. Diálogo orientado; PLANIFICAÇÕES SECUNDÁRIO PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE ECONOMIA A 10º ANO DE ESCOLARIDADE CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS METAS/OBJETIVOS OPERACIONALIZAÇÃO (DESCRITORES) ATIVIDADES E ESTRATÉGIAS MATERIAIS CURRICULARES

Leia mais

Espanha continuou a ser o país com maior peso nas transações comerciais de bens com o exterior (23,5% nas exportações e de 32,5% nas importações).

Espanha continuou a ser o país com maior peso nas transações comerciais de bens com o exterior (23,5% nas exportações e de 32,5% nas importações). Estatísticas do Comércio Internacional 214 7 de julho de 215 Resultados preliminares do Comércio Internacional em 214: em termos nominais, as exportações aumentaram 1,8% e as importações aumentaram 3,2%

Leia mais

Prova Escrita de Economia A

Prova Escrita de Economia A Exame Final Nacional do Ensino Secundário Prova Escrita de Economia A 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 19/01, de 5 de julho Prova 71/.ª Fase Critérios de Classificação 1 Páginas 014 Prova 71/.ª

Leia mais

Prova Escrita de Economia A

Prova Escrita de Economia A EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/Época Especial 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos.

Leia mais

Prova Escrita de Economia A

Prova Escrita de Economia A EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Economia A 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 712/Época Especial 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos.

Leia mais

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA 2º Semestre 2004/2005 1º CADERNO DE EXERCÍCIOS Introdução 1. INTRODUÇÃO 1. * A macroeconomia lida com: a) A Economia

Leia mais

EXAME PARA CONTABILISTA CERTIFICADO DELIBERAÇÃO Nº 001/CTEC/2013 - NOVEMBRO-DEZEMBRO DE 2013 PROVA DE ECONOMIA GERAL

EXAME PARA CONTABILISTA CERTIFICADO DELIBERAÇÃO Nº 001/CTEC/2013 - NOVEMBRO-DEZEMBRO DE 2013 PROVA DE ECONOMIA GERAL DELIBERAÇÃO Nº 001/CTEC/2013 - NOVEMBRO-DEZEMBRO DE 2013 PROVA DE I - Ao receber o Enunciado da Prova escreva seu nome e número do documento de identificação. II - Ao entregar a Prova, depois de resolvida,

Leia mais

Planificação Anual. Escola Secundária de Pombal - (400634) Referência ANO LECTIVO - 2010/ 2011 COMPETÊNCIAS GERAIS

Planificação Anual. Escola Secundária de Pombal - (400634) Referência ANO LECTIVO - 2010/ 2011 COMPETÊNCIAS GERAIS Planificação Anual Escola Secundária de Pombal - (400634) Referência Direcção Regional de Educação do Centro Equipa de Apoio às Escolas - Leiria ANO LECTIVO - 2010/ 2011 ÁREA DISCIPLINAR DE ECONOMIA E

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 11.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) Curso Científico-Humanístico de Ciências Socioeconómicas PROVA 712/12 Págs. Duração da prova: 120

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Programa de Economia A do Ensino Secundário ENSINO SECUNDÁRIO ECONOMIA A 10º ANO TEMAS/DOMÍNIOS

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 2

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 2 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 10.º/11.º ou 11.º/12.º Anos de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto Programas novos e Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) PROVA 712/12 Págs. Duração

Leia mais

GRUPO DE ECONOMIA E CONTABILIDADE. Cursos Profissionais. Ano Lectivo 2014/2015 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E PLANIFICAÇÃO ANUAL ECONOMIA

GRUPO DE ECONOMIA E CONTABILIDADE. Cursos Profissionais. Ano Lectivo 2014/2015 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E PLANIFICAÇÃO ANUAL ECONOMIA GRUPO DE ECONOMIA E CONTABILIDADE Cursos Profissionais Ano Lectivo 2014/2015 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E PLANIFICAÇÃO ANUAL ECONOMIA (2º ano de formação) Página 1 de 6 Competências Gerais Usar os conceitos

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011 Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 População a Milhares Hab. INE 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.636 10.643 2º Trimestre

Leia mais

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Economia A 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais

A Carteira de Indicadores inclui indicadores de input, de output e de enquadramento macroeconómico.

A Carteira de Indicadores inclui indicadores de input, de output e de enquadramento macroeconómico. Síntese APRESENTAÇÃO O Relatório da Competitividade é elaborado anualmente, com o objectivo de monitorizar a evolução de um conjunto de indicadores ( Carteira de Indicadores ) em Portugal e a sua comparação

Leia mais

Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União Europeia (+0.2 pontos) quer na Área Euro (+0.7 pontos).

Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União Europeia (+0.2 pontos) quer na Área Euro (+0.7 pontos). Mai-04 Mai-05 Mai-06 Mai-07 Mai-08 Mai-09 Mai-10 Mai-11 Mai-12 Análise de Conjuntura Junho 2014 Indicador de Sentimento Económico Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União

Leia mais

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos Economia e Mercado Aula 4 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Oscilações dos níveis de produção e emprego Oferta e demanda agregadas Intervenção do Estado na economia Decisão de investir Impacto da

Leia mais

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009)

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) Conferência de Imprensa em 14 de Abril de 2009 DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) No contexto da maior crise económica mundial

Leia mais

Circuito Económico e Contabilidade Nacional

Circuito Económico e Contabilidade Nacional Circuito Económico e Contabilidade Nacional Visão das actividades económicas em termos de circuito. Relacionamento dos agentes pelas operações: - relacionamento em termos de equilíbrio ou, - desequilíbrio.

Leia mais

01 _ Enquadramento macroeconómico

01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico O agravamento da crise do crédito hipotecário subprime transformou-se numa crise generalizada de confiança com repercursões nos mercados

Leia mais

Banco de Portugal divulga estatísticas das contas financeiras das administrações públicas e da dívida pública

Banco de Portugal divulga estatísticas das contas financeiras das administrações públicas e da dívida pública N.º 7 Abril 2015 Banco de Portugal divulga estatísticas das contas financeiras das administrações públicas e da dívida pública Na edição de abril de 2015 do Boletim Estatístico são divulgadas as contas

Leia mais

Faculdade de Direito da Universidade de Macau Ano Lectivo 2011-2012

Faculdade de Direito da Universidade de Macau Ano Lectivo 2011-2012 Parte I Introdução 1 Economia: conceito, objecto e método 2 Organização da actividade económica 3 Breve história da economia e dos sistemas económicos Parte II Microeconomia 4 O comportamento dos consumidores

Leia mais

Angola Breve Caracterização. Julho 2007

Angola Breve Caracterização. Julho 2007 Breve Caracterização Julho 2007 I. Actividade e Preços. Após o final da guerra civil em 2002, e num contexto de relativa estabilidade política, tornou-se numa das economias de mais elevado crescimento

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 I. BALANÇA DE PAGAMENTOS A estatística da Balança de Pagamentos regista as transacções económicas ocorridas, durante

Leia mais

2 DISCIPLINA: Economia M6 Ano :11º C DATA: 10/07/2013 Cursos Profissionais: Técnico de Restauração Variante de Restaurante - Bar

2 DISCIPLINA: Economia M6 Ano :11º C DATA: 10/07/2013 Cursos Profissionais: Técnico de Restauração Variante de Restaurante - Bar 2 DISCIPLINA: Economia M6 Ano :11º C DATA: 10/07/2013 Cursos Profissionais: Técnico de Restauração Variante de Restaurante - Bar Nome: N.º: Classificação: Ass.Professor: GRUPO I Este grupo é constituído

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE AMORA

ESCOLA SECUNDÁRIA DE AMORA ESCOLA SECUNDÁRIA DE AMORA PLANIFICAÇÃO ANUAL 2013/2014 ECONOMIA A (10º ANO) Página 1 de 10 Finalidades da disciplina de Economia A, no conjunto dos dois anos da sua leccionação: Perspectivar a Economia

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 10.º/11.º ou 11.º/12.º Anos de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto Programas novos e Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) PROVA 712/13 Págs. Duração

Leia mais

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro.

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro. Abr-04 Abr-05 Abr-06 Abr-07 Abr-08 Abr-09 Abr-10 Abr-11 Abr-12 Análise de Conjuntura Maio 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos

Leia mais

Relatório de evolução da atividade seguradora

Relatório de evolução da atividade seguradora Relatório de evolução da atividade seguradora 1.º Semestre 214 I. Produção e custos com sinistros 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

Tendo em atenção os seguintes dados referentes a Portugal:

Tendo em atenção os seguintes dados referentes a Portugal: Exercício - II.1 Tendo em atenção os seguintes dados referentes a Portugal: (valores em milhões de contos) PIB 1986 a preços correntes 4418,8 PIB 1987 a preços de 1986 4608,1 PIB 1987 a preços correntes

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal fevereiro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

Prova escrita de conhecimentos específicos de Economia

Prova escrita de conhecimentos específicos de Economia Provas Especialmente Adequadas Destinadas a Avaliar a Capacidade para a Frequência dos Cursos Superiores do Instituto Politécnico de Leiria dos Maiores de 23 Anos - 2013 Prova escrita de conhecimentos

Leia mais

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 As projeções para a economia portuguesa em 2015-2017 apontam para uma recuperação gradual da atividade ao longo do horizonte de projeção. Após um crescimento

Leia mais

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 PORTUGAL Economic Outlook Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 Portugal: Adaptação a um novo ambiente económico global A economia portuguesa enfrenta o impacto de um ambiente externo difícil,

Leia mais

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 Abrandamento da atividade económica mundial ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1.1. Evolução da conjuntura internacional A atividade económica mundial manteve o abrandamento

Leia mais

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos).

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos). Nov-02 Nov-03 Nov-04 Nov-05 Nov-06 Nov-07 Nov-08 Nov-09 Nov-10 Nov-12 Análise de Conjuntura Dezembro 2012 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

Em termos nominais, as exportações aumentaram 8,2% e as importações aumentaram 7,4%

Em termos nominais, as exportações aumentaram 8,2% e as importações aumentaram 7,4% Estatísticas do Comércio Internacional Abril 215 9 de junho de 215 Em termos nominais, as exportações aumentaram 8,2% e as importações aumentaram 7,4% As exportações de bens aumentaram 8,2% e as importações

Leia mais

Economia dos EUA e Comparação com os períodos de 1990-1991 e 2000-2001

Economia dos EUA e Comparação com os períodos de 1990-1991 e 2000-2001 Economia dos EUA e Comparação com os períodos de - e - Clara Synek* O actual período de abrandamento da economia dos EUA, iniciado em e previsto acentuar-se no decurso dos anos /9, resulta fundamentalmente

Leia mais

Prova Escrita de Economia A

Prova Escrita de Economia A EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Economia A.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 9/202, de 5 de julho Prova 72/2.ª Fase Braille Critérios de Classificação 2 Páginas 205 Prova

Leia mais

School of Economics and Management

School of Economics and Management School of Economics and Management TECHNICAL UNIVERSITY OF LISBON Department of Economics Carlos Pestana Barros & Nicolas Peypoch Pedro Leão Consequências A Comparative Analysis de desequilíbrios of Productivity

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC FORTALEZA, Agosto de 2013 SUMÁRIO 1. Fundamentos da Análise de Conjuntura. 2. Tipos

Leia mais

O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia e desceu 0.6 pontos na Área Euro.

O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia e desceu 0.6 pontos na Área Euro. Julho 2012 Jun-02 Jun-03 Jun-04 Jun-05 Jun-06 Jun-07 Jun-08 Jun-09 Jun-10 Jun-11 Jun-12 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia

Leia mais

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia Prof.: Antonio Carlos Assumpção Contabilidade Nacional Balanço de Pagamentos Sistema Monetário 26- Considere a seguinte equação: Y = C + I + G

Leia mais

Condicionantes do Desenvolvimento Sustentável numa União Monetária

Condicionantes do Desenvolvimento Sustentável numa União Monetária Condicionantes do Desenvolvimento Sustentável numa União Monetária Carlos da Silva Costa Governador XXIV Encontro de Lisboa entre os Bancos Centrais dos Países de Língua Portuguesa Banco de Portugal, 6

Leia mais

Prova Escrita de Geografia A

Prova Escrita de Geografia A Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/004, de 6 de Março Prova Escrita de Geografia A 0.º e.º Anos de Escolaridade Prova 79/.ª Fase 0 Páginas Duração da Prova: 0 minutos. Tolerância: 30

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS I. INTRODUÇÃO O Governo apresentou ao Conselho Económico e Social o Projecto de Grandes Opções do Plano 2008 (GOP 2008) para que este Órgão, de acordo com

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 2011

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 2011 Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 211 Banco de Portugal divulga Contas Nacionais Financeiras para 21 O Banco de Portugal divulga hoje no Boletim Estatístico e no BPstat Estatísticas

Leia mais

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria Análise de Conjuntura Abril 2012 Indicador de Sentimento Económico Após uma melhoria em Janeiro e Fevereiro, o indicador de sentimento

Leia mais

O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS

O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS A economia mundial, em 2011, ficou marcada pela crise da dívida soberana de países da zona euro, pela desalavancagem do setor bancário devido a maiores exigências

Leia mais

UNIJUI Universidade Regional do Noroeste do Estado do RS ECONOMIA II PROFESSOR AGENOR CASTOLDI APONTAMENTOS DE MACROECONOMIA

UNIJUI Universidade Regional do Noroeste do Estado do RS ECONOMIA II PROFESSOR AGENOR CASTOLDI APONTAMENTOS DE MACROECONOMIA UNIJUI Universidade Regional do Noroeste do Estado do RS ECONOMIA II PROFESSOR AGENOR CASTOLDI APONTAMENTOS DE MACROECONOMIA MATERIAL DE AUXILIO PARA AULAS DE ECONOMIA II CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANO

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal janeiro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

Indicadores da Semana

Indicadores da Semana Indicadores da Semana O saldo total das operações de crédito do Sistema Financeiro Nacional atingiu 54,5% do PIB, com aproximadamente 53% do total do saldo destinado a atividades econômicas. A carteira

Leia mais

COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS

COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS REFORMAS FISCAIS A CIP lamenta que a dificuldade em reduzir sustentadamente a despesa pública tenha impedido que o Orçamento do Estado

Leia mais

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 11 Novembro Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

Balanço de Pagamentos

Balanço de Pagamentos Alicia Ruiz Olalde Balanço de Pagamentos No balanço de pagamentos, são registradas todas as transações econômicas que o país realiza com o resto do mundo, num determinado período de tempo. O Balanço de

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro

Leia mais

Perspectiva de um Emitente Soberano República de Portugal

Perspectiva de um Emitente Soberano República de Portugal Perspectiva de um Emitente Soberano República de Portugal 31 de Janeiro de 2011 Alberto Soares IDENTIDADE FUNDAMENTAL DA MACROECONOMIA ECONOMIA ABERTA Poupança Interna + Poupança Externa Captada = Investimento

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Mudanças recentes na situação socioeconómica portuguesa A evolução recente da economia portuguesa têm-se caracterizado por um

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES. Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa

PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES. Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa MESTRADO EM ECONOMIA PORTUGUESA E INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES UNIDADES CURRICULARES OBRIGATÓRIAS Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa 1. Identificação

Leia mais

O processo de criação de moeda. 1. Conceitos básicos 31

O processo de criação de moeda. 1. Conceitos básicos 31 Índice LISTA DE SÍMBOLOS 17 PREFÁCIO 23 INTRODUÇÃO 25 Capítulo 1 O processo de criação de moeda 1. Conceitos básicos 31 1.1. Moeda e outros activos de uma economia 31 1.2. Sector monetário de uma economia

Leia mais

Produto Interno Bruto 100.0 0.3 1.2 1.5 0.3 0.8 1.0

Produto Interno Bruto 100.0 0.3 1.2 1.5 0.3 0.8 1.0 Textos de Política e Situação Económica Verão 26 PERSPECTIVAS PARA A ECONOMIA PORTUGUESA: 26-27 1. INTRODUÇÃO Neste artigo apresenta-se o cenário macroeconómico para a economia portuguesa projectado pelo

Leia mais

NOME: NÚMERO: GRUPO I (8 valores)

NOME: NÚMERO: GRUPO I (8 valores) Universidade do Minho Curso de Comunicação Social Disciplina de Economia 8 de Junho de 2004 PROVA DE AVALIAÇÃO NOME: NÚMERO: Observações obrigatórias - antes de começar a responder, siga as seguintes instruções:

Leia mais

2. CONTABILIDADE NACIONAL

2. CONTABILIDADE NACIONAL 2. CONTABILIDADE NACIONAL 2.1. MEDIÇÃO DO PRODUTO 1. Uma boa contabilidade transforma dados em informação. Estudamos contabilidade nacional por duas razões. Em primeiro lugar, porque fornece a estrutura

Leia mais

Em termos nominais, as exportações aumentaram 2,1% e as importações diminuíram 3,5%

Em termos nominais, as exportações aumentaram 2,1% e as importações diminuíram 3,5% Estatísticas do Comércio Internacional Fevereiro 2015 09 de abril de 2015 Em termos nominais, as exportações aumentaram 2,1% e as importações diminuíram 3,5% As exportações de bens aumentaram 2,1% e as

Leia mais

2) Identifique na lista abaixo que transação ou atividade não seria computada nos cálculos das contas nacionais e do PIB:

2) Identifique na lista abaixo que transação ou atividade não seria computada nos cálculos das contas nacionais e do PIB: Cap 2 1) Considere que numa economia em determinado ano ocorreu uma severa epidemia, que ocasionou um aumento na demanda de serviços médico-hospitalares e por medicamentos. Considerando todo o resto constante,

Leia mais

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa Diagnóstico do Sistema de Investigação e Inovação: Desafios, forças e fraquezas rumo a 2020 FCT - A articulação das estratégias regionais e nacional - Estratégia de Especialização Inteligente para a Região

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 9 setembro 211 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e do Emprego G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais

Leia mais

Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9 pontos na UE e +0.5 pontos na Área Euro 1.

Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9 pontos na UE e +0.5 pontos na Área Euro 1. Jan-04 Jan-05 Jan-06 Jan-07 Jan-08 Jan-09 Jan-10 Jan-11 Jan-12 Análise de Conjuntura Fevereiro 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9

Leia mais

Provas de Acesso ao Ensino Superior Para Maiores de 23 Anos Candidatura de 2010. Tempo para realização da prova: 2 horas Tolerância: 30 minutos

Provas de Acesso ao Ensino Superior Para Maiores de 23 Anos Candidatura de 2010. Tempo para realização da prova: 2 horas Tolerância: 30 minutos Provas de Acesso ao Ensino Superior Para Maiores de 3 Anos Candidatura de 010 Exame de Economia Tempo para realização da prova: horas Tolerância: 30 minutos Material admitido: O examinando apenas pode

Leia mais

Análise de Conjuntura

Análise de Conjuntura Análise de Conjuntura Novembro 2006 Associação Industrial Portuguesa Confederação Empresarial Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico de Outubro de 2006 apresenta uma melhoria

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais