Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA"

Transcrição

1 Artigos Técnicos Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA Tarcísio Romero de Oliveira, Engenheiro de Vendas e Aplicações da Intellution/Aquarius Automação Industrial Ltda. Um diagnóstico real com uma solução inteligente Hoje em dia nos encontramos com um dilema de crescimento nas indústrias. Por um lado, quer se prover acesso em tempo real aos dados dos sistemas HMI/SCADA para a maioria dos colaboradores e, por outro, deve-se manter baixos os crescentes custos de suporte da infraestrutura de IT (Tecnologia da Informação). Como fazer isto de forma eficiente? Os Thin Clients (ou clientes leves, para os mais puristas de nossa língua) apresentam uma poderosa solução ao expandir o acesso aos dados de chão-de-fábrica, mantendo os custos de suporte mínimos. O que iremos ver neste artigo são algumas propostas para prover aos usuários autorizados uma visão em tempo real dos dados de fabricação, junto com a habilidade de acessar os sistemas HMI/SCADA, através de uma grande variedade de equipamentos somente executando um Web Browser Java compatível usual do mercado, como Internet Explorer ou Netscape. Nesta filosofia, a aplicação reside em uma máquina servidora sem a necessidade de um software dedicado nos clientes e, assim, os requerimentos diários de suporte de IT são mínimos, reduzindo significativamente o custo total de propriedade e manutenção das aplicações. Overview Os computadores pessoais, que hoje ocupam cada espaço das instalações industriais, trouxeram inúmeros benefícios aos negócios durante a década passada. Entretanto, apesar de alcançar os objetivos em comunicação e troca de dados, os negócios também estavam pagando por essas novas capacidades ao investir em recursos de tecnologia de informação que requeriam mudanças em hardware, software e redes. A capacidade de penetração dos PCs, laptops e numerosos outros tipos de dispositivos incrementou a necessidade de suporte a IT nas empresas, suporte este na forma de upgrades de instalação, mudança de hardware e software, necessidade de manutenção diária, etc. Essa situação era marcadamente diferente das décadas passadas, quando os departamentos de IT tinham unicamente controle total sobre computadores muito poderosos e centralizados que desempenhavam todo o processamento (os mainframes). Dessa forma, os usuários interagiam com esses computadores com um número limitado de

2 terminais burros, que tinham uma escassa ou nula capacidade de processamento e não requeriam muitos cuidados. Com foco em uma redução dos gastos gerais dos departamentos de IT, além da necessidade de tirar vantagem de dispositivos menores, econômicos e transportáveis, muitos negócios inclinaram-se para a opção dos Thin Clients. Através desse conceito de Thin Client Computing as aplicações residem em poderosos servidores, com os usuários acessando-as através de uma grande variedade de equipamentos que incluem pequenos computadores com memória limitada, laptops, pequenos dispositivos transportáveis como palmtops, computadores industriais sem disco, etc. Inclusive, os Web Browsers padrão, como o Internet Explorer, têm-se destacado hoje em dia, já que permitem ao usuário ter a interface que requerem fazendo uso de equipamentos com sistemas operacionais distintos. Soluções usuais x Thin Clients Nas soluções usuais, um cliente dedicado permite aos usuários em computadores remotos ver e gerenciar dados nos sistemas SCADA. Essa aplicação original requer que em cada computador cliente esteja sendo executado um software compatível com os SCADA e muitas vezes utilizando uma hardkey, o que limita a mobilidade para a visão do sistema (Figura 1). Com o conceito Thin Cliente/Cliente Terminal Server, não é necessário nenhum software específico no dispositivo cliente; a aplicação reside unicamente em um servidor executando o sistema operacional Windows 2000 Server com seu componente Terminal Server. O software é capaz de executar sessões distintas do SCADA Server para cada Thin Client que o acesse, e apresenta as telas através de um Web Browser padrão executado no equipamento cliente. Figura 1 Solução usual com SCADA Server e Clientes.

3 Para os usuários, a visualização e o funcionamento do Cliente e do Thin Client são praticamente idênticos. Em ambas as aplicações os usuários podem acessar e gerenciar virtualmente todos as funções de seus sistemas SCADA. De qualquer estação cliente, com os acessos de segurança permitidos, pode-se construir gráficos, adicionar tags, mudar setpoints de qualquer SCADA Server. Basta definir previamente se essas funcionalidades serão de desenvolvimento, operação ou gerenciamento. Menor custo de propriedade A solução Thin Client (Figura 2) pode ser uma ferramenta importante para aquelas companhias que estão buscando: - reduzir os custos da tecnologia da informação e acesso de dados; - melhorar a qualidade do serviço a seus clientes; - aumentar a integridade dos dados críticos de operação; - reduzir os custos e facilitar a manutenção das aplicações. Figura 2 Solução utilizando tecnologia Thin Client. Com os Thin Clients, os departamentos de IT não precisam manter aplicações de software em muitos computadores por toda a organização. Por exemplo: fazer um upgrade para uma nova versão do Cliente Terminal Server implica na instalação da aplicação somente em um servidor, no lugar de fazê-lo em cada computador cliente.

4 Adicionalmente, como o Thin Client exige menor processamento dos computadores clientes, também se reduz a necessidade de upgrade de hardware, estendendo-se assim a vida útil das máquinas velhas. Sempre que um computador puder conectar-se à rede e executar um Web Browser, este poderá ser utilizado como cliente. A possibilidade de utilizar uma grande variedade de equipamentos permite aos usuários que não tem acesso a PCs ou computadores portáteis receber o benefício de poder igualmente acessar dados de processo em tempo real (Figura 3). Por exemplo: em uma configuração tão vasta como a que existe em uma refinaria, a pessoa de operação e manutenção pode acessar os dados de suas aplicações HMI/SCADA através de dispositivos simples que podem suportar Web Browser padrão, mesmo com equipamentos operando com Windows CE. Figura 3 Estrutura Thin Client. Na planta, as companhias podem alcançar o mesmo nível de acesso em tempo real através da utilização de computadores industriais que nem sequer contém disco rígido. A solução Thin Client também deverá trazer facilidades ao pessoal de manutenção de planta e aos integradores de sistemas. Se um usuário executando essa solução necessita de suporte para seu sistema, o pessoal de manutenção e o integrador podem acessar o sistema diretamente de seus computadores e laptops, independentemente de onde se encontram geograficamente, e através de um Web Browser padrão. Como resultado disso, pode se responder rápida e efetivamente

5 a uma necessidade do usuário, evitando gastos de deslocamento. Como escolher a melhor solução remota? Um dos pontos mais fortes para garantir uma solução confiável encontra-se em sua capacidade de distribuição, sua arquitetura cliente/servidor e sua capacidade de incorporar a tecnologia industrial padrão da Microsoft em seus produtos de software. Essas características contribuíram para que a Intellution pudesse desenvolver seu sistema de acesso remoto Thin Client, com menor complexidade, facilidade de manipulação e grande confiabilidade. Arquitetura cliente/servidor distribuída A arquitetura cliente/servidor é particularmente importante quando um usuário quer agregar pontos de I/O e/ou estações a um sistema Thin Client, dado que não terá que modificar o servidor de nenhuma forma. Além do mais, essa tecnologia facilita muito o desenvolvimento remoto, pois qualquer alteração feita em um SCADA não precisa ser duplicada em outro, e muito menos no Cliente Terminal Server.

6 Figura 4 Arquitetura cliente/servidor distribuída. Em outros sistemas que utilizam soluções de acesso remoto sem a arquitetura cliente/servidor, todos os tags executados nos SCADA Server devem ser duplicados no Cliente Terminal Server por cada sessão Thin Client. Assim, se o sistema está acessando um Cliente Terminal Server com um total de tags, e está provendo dados a sete Thin Clients, o servidor deve continuamente atualizar e servir no mínimo tags (Figura 5). Dizemos no mínimo, porque também terão que ser somados os demais valores como, por exemplo, os provenientes de cálculos. A necessidade dessa duplicação cria uma fonte potencial para erros, degradação da performance do sistema e lentidão, que podem levar à inconsistência de dados através dos computadores clientes e às bases de dados dos SCADA Server. Além disso, o acréscimo de pontos de I/O ou novas estações SCADA Server a tais redes requer que os novos dados sejam agregados ao Cliente Terminal Server. Este é o motivo real pelo qual alguns fabricantes recomendam aos usuários evitar o acesso de dados remotamente, porque seus sistemas carecem da arquitetura cliente/servidor.

7 Figura 5 A ausência da arquitetura cliente/servidor e suas implicações. Suporte remoto Uma das vantagens mais significativas em um Thin Client é sua possibilidade de poder prover suporte remoto de qualquer computador na rede ou de qualquer lugar no mundo, desde que configurado para tal. Muitos clientes estão recebendo suporte remoto há anos com soluções SCADA que utilizam tecnologias como Remote Access Service (RAS). Com as soluções Thin Client não há necessidade sequer de ter o software de supervisão instalado na máquina cliente. Pode ser utilizado qualquer computador que suporte um Web Browser padrão e tenha acesso via Internet ou Intranet. Isso é ideal para os integradores de sistemas e organizações de suporte técnico que necessitam prover melhor suporte aos usuários, com melhor velocidade de resposta, maior eficiência e com menores custos de mobilidade, já que não é necessário se deslocar até o cliente para implementar as mudanças ou correções. Alguns exemplos, ou possibilidades, para aplicação estão nas plataformas de petróleo, saneamento básico e captação de água, e todas as empresas que possuem mais de uma planta ou sites remotos. Terminal Server: a tecnologia por trás dos Thin Clients Sob um certo ponto de vista, essa nova tecnologia poderia soar como um deja vu aos mainframes, onde terminais burros acessavam um

8 computador central com grande poder de processamento para realizar suas aplicações. Mas muita coisa mudou: os sistemas operacionais mais leves, vinculados a interfaces gráficas e processamento distribuído, praticamente sepultaram essa antiga arquitetura. Porém, dentro dessa nova visão, e com os softwares exigindo máquinas cada vez mais eficientes e poderosas, como atualizar o parque de máquinas em uma empresa de forma a acompanhar essa evolução? Era necessária a criação de uma solução que distribuísse aplicações e ajudasse a preservar o investimento feito em máquinas e softwares. O Terminal Server da Microsoft veio para permitir a execução de aplicações disponíveis no mercado para usuários de computadores que não suportam o ambiente Windows de 32 bits. O novo sistema usa uma solução na qual aplicações são executadas no servidor e mostradas de forma remota na estação cliente. Por ser um ambiente multiusuário, o produto atende às necessidades de empresas com aplicações totalmente centralizadas, cuja estação cliente caracteriza-se por ser um terminal. Uma empresa pode aproveitar todo o seu parque instalado de hardware e padronizar o uso de aplicações 32 bits em todos os seus usuários. É possível, por exemplo, que um PC 386 com Windows 3.x utilize o Office 2000 como se a última versão do Windows 2000 Profesional estivesse instalada em sua máquina. Esse sistema é resultado de uma parceria da Microsoft com a Citrix Systems, que forneceu a tecnologia que torna o Windows 2000 Server um servidor multiusuário. O Windows Terminal Server implementa o protocolo de comunicação RDP (Remote Desktop Protocol) entre o servidor e os terminais. Através do RDP, o Windows Terminal Server suporta estações clientes Windows 3.11, Windows 95, Windows 98, Windows NT Workstation e Terminais baseados em Windows CE. Através do MetaFrame da Citrix, um sistema Thin Client/Server para Windows 2000, é possível disponibilizar o acesso às aplicações Windows de 32 bits a desktops rodando um outro sistema operacional, como Unix, MAC, DOS e Macintosh. Além disso, para comunicações em ambiente remoto, como é o caso do uso da Internet e browser o protocolo ICA padrão no sistema MetaFrame é a solução indicada. Um conjunto de soluções para o acesso remoto de dados A solução apresentada acima é somente uma das possibilidades dentre as oferecidas para acesso remoto e gerenciamento de Sistemas SCADA. Além dos clientes tradicionais, conectados via TCP/IP e utilizando uma hardkey ou softkey existem servidores Web, que provêem aos clientes acesso de dados em tempo real do SCADA através de browsers restringindo, porém, sua manipulação. Muitas empresas estão implementando uma mescla desses clientes para poder cumprir técnica e economicamente com as necessidades de acesso e gerenciamento de dados.

9 Facilmente podemos ver as diferentes formas de acesso remoto que são oferecidas (Figura 6) e podemos decidir sobre qual utilizar levando em conta alguns aspectos próprios de cada uma: Os Clientes são a solução ideal em situações onde os usuários necessitam uma funcionalidade total deste (supervisão, operação e atuação mais local) com performance garantida que seja independente da carga de qualquer Server, e onde todos os clientes que estão sendo utilizados estão baseados em sistemas operacionais Microsoft Windows. Para o pessoal que não é de operação e não necessita de um acesso total ao sistema, porém que queira e necessite de acesso à informação de produção em tempo real, o Servidor Web é a solução indicada, permitindo-lhes somente visualização. Situações em que um companhia deseja uma funcionalidade próxima a dos Clientes usuais, porém para uma grande variedade de usuários incluindo aqueles que não estão executando sistemas operacionais Microsoft, o Thin Client é uma solução excelente. Para o Thin Client, os servidores devem ser capazes de executar os Terminal Services incluídos com o Microsoft Windows 2000 Server. Dado que todas as execuções ocorrem no servidor, este deve ter um potencial de processamento suficiente para suportar todas as sessões dos clientes que se estabeleçam. Essa capacidade do servidor dependerá das aplicações e do número de clientes existentes. Por isso, não há um número específico de sessões que possam estar sendo processadas de forma simultânea e, em geral, salvo tenhamos muitos clientes ou a aplicação seja realmente complicada, esse tema não chegará nunca a ser um ponto de discussão em uma implementação. A segurança também não foi esquecida para esse aplicativo. Além de contar com a segurança do Windows 2000 Server, todas as funcionalidades relacionadas a esse tópico devem ser observadas no sistema SCADA escolhido, já que a instância criada para a execução no Terminal Server manterá as mesmas características já existentes no sistema de supervisão. Assim, além de necessitar de um login para o Terminal Server, o usuário deverá estar habilitado em algum grupo, ou individualmente, na aplicação SCADA para que possa realizar o acesso, garantindo a confiabilidade mesmo para uma solução distribuída como esta. Conclusão Os avanços da tecnologia da informação durante a década passada transformaram virtualmente cada colaborador de uma empresa em um trabalhador informado. Como resultado, as indústrias hoje necessitam de ferramentas mais efetivas que lhes permitam cobrir sua necessidade de crescimento no gerenciamento de dados em tempo real. Essa nova solução de cliente remoto fornece às empresas as capacidades de acesso remoto e em tempo real que seus empregados

10 necessitam, ao mesmo tempo em que oferece um menor custo de propriedade, utilizando o conceito de que o Terminal Server providencia múltiplas sessões com múltiplos usuários sobre uma plataforma Microsoft Windows 2000 Server. Para cada usuário conectado, uma sessão de Thin Client roda no computador Cliente Terminal Server. Como esse é um produto realmente aberto, cada usuário tem a opção de poder escolher entre diversas plataformas incluindo Microsoft Windows 2000, NT, ME, 98 e 95. Inclusive plataformas como CE 3.0 e NT Embedded (NTE), se possuírem incluído um Web Browser também podem ser utilizadas. E mais: clientes que não sejam Microsoft, também poderão utilizar esta nova ferramenta de forma simples e segura, o que a torna um novo passo para prover aos usuários soluções realmente abertas.

Introdução. O que é Serviços de Terminal

Introdução. O que é Serviços de Terminal Introdução Microsoft Terminal Services e Citrix MetaFrame tornaram-se a indústria padrões para fornecer acesso de cliente thin para rede de área local (LAN), com base aplicações. Com o lançamento do MAS

Leia mais

OBJETIVOS DA APRESENTAÇÃO

OBJETIVOS DA APRESENTAÇÃO Institucional OBJETIVOS DA APRESENTAÇÃO Apresentar as vantagens de se trabalhar com Thin Clients Apresentar como funciona a tecnologia Server Based Computing, Virtualização de Desktop e Aplicativos EVOLUÇÃO

Leia mais

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Artigos Técnicos Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Marcelo Salvador, Diretor de Negócios da Elipse Software Ltda. Já faz algum tempo que ouvimos falar do controle e supervisão

Leia mais

Virtualização de desktop da NComputing

Virtualização de desktop da NComputing Virtualização de desktop da NComputing Resumo Todos nos acostumamos ao modelo PC, que permite que cada usuário tenha a sua própria CPU, disco rígido e memória para executar seus aplicativos. Mas os computadores

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Andrique Amorim www.andrix.com.br professor@andrix.com.br Classificação dos Sistemas Operacionais Classificação Os sistemas operacionais podem ser classificados segundo diversos parâmetros e perspectivas.

Leia mais

WINDOWS NT SERVER 4.0

WINDOWS NT SERVER 4.0 Características WINDOWS NT SERVER 4.0 O NT Server suporta redes maiores organizadas em torno de servidores e domínios. É um sistema operacional para organizações que necessitem implementar aplicações críticas,

Leia mais

Automação de Locais Distantes

Automação de Locais Distantes Automação de Locais Distantes Adaptação do texto Improving Automation at Remote Sites da GE Fanuc/ Water por Peter Sowmy e Márcia Campos, Gerentes de Contas da. Nova tecnologia reduz custos no tratamento

Leia mais

Windows NT 4.0. Centro de Computação

Windows NT 4.0. Centro de Computação Windows NT 4.0 Centro de Computação Tópicos Introdução Instalação Configuração Organização da rede Administração Usuários Servidores Domínios Segurança Tópicos È O sistema operacional Windows NT È Características:

Leia mais

Virtualização de Desktops NComputing

Virtualização de Desktops NComputing NComputing Resumo Todos já nos acostumamos ao formato do PC, que permite que cada usuário tenha sua própria CPU, seu próprio disco rígido e sua própria memória para rodar seus aplicativos. Mas os computadores

Leia mais

Infraestrutura Básica

Infraestrutura Básica Índice Introdução Características do Mastersaf Componentes do MasterSAF Servidor de Banco de Dados (obrigatório) Estações de Trabalho (obrigatório) Servidor de Arquivos (opcional) Servidor de Aplicações

Leia mais

Sistemas de Informação Processamento de Dados

Sistemas de Informação Processamento de Dados Sistemas de Informação Processamento de Dados Ferramentas e serviços de acesso remoto VNC Virtual Network Computing (ou somente VNC) é um protocolo desenhado para possibilitar interfaces gráficas remotas.

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Prof. M.Sc. Diego Fernandes Emiliano Silva diego.femiliano@gmail.com Agenda Infraestrutura de TI Infraestrutura de TI: hardware Infraestrutura de TI: software Administração dos recursos

Leia mais

Projecto de Reengenharia dos Postos de Trabalho BANIF e BCA

Projecto de Reengenharia dos Postos de Trabalho BANIF e BCA Projecto de Reengenharia dos Postos de Trabalho BANIF e BCA 19 November 2007 Objectivos para o BANIF Standardização dos postos de trabalho Focar a equipa de IT em tarefas pro-activas de gestão, minimizando

Leia mais

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS Prof. Victor Halla Conteúdo Arquitetura de Processadores: Modo Operacional; Velocidade; Cache; Barramento; Etc. Virtualização: Maquinas virtuais; Gerenciamento

Leia mais

AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL

AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL Automação e Controle AR026 SUMÁRIO I. Sistemas Supervisórios... 3 II. Automação... 4 III. Arquitetura de Redes Industriais... 5 IV. Comunicação entre Supervisório e CLP...7 V. O Protocolo

Leia mais

Introdução à Informática. Aula 04. Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados. Prof.

Introdução à Informática. Aula 04. Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados. Prof. Aula 04 Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados Sistema Operacional Um conjunto de programas que se situa entre os softwares aplicativos e o hardware:

Leia mais

Foz do Iguaçu PR Brasil luiz.baltazar@gmail.com, joao@barbosa.net.br, jorgeaikes@gmail.com

Foz do Iguaçu PR Brasil luiz.baltazar@gmail.com, joao@barbosa.net.br, jorgeaikes@gmail.com Análise de Desempenho e Viabilidade do Raspberry Pi como um Thin Client utilizando o Protocolo SPICE Luiz Alberto Alves Baltazar 1, João Paulo de Lima Barbosa 1, Jorge Aikes Junior 1 1 Curso de Ciência

Leia mais

EMULADOR 3270 VIA WEB BROWSER

EMULADOR 3270 VIA WEB BROWSER EMULADOR 3270 VIA WEB BROWSER Host On-Demand - HOD Versão 6.0 Fev/2002 Suporte Técnico: Central de Atendimento SERPRO CAS 0800-782323 Gilson.Pereira@serpro.gov.br Marcio.Nunes@serpro.gov.br O que é o serviço

Leia mais

Princípios de TI - Computadores. Sistema Operacional. CECOMP Colegiado de Engenharia da Computação. Prof. Fábio Nelson. Slide 1

Princípios de TI - Computadores. Sistema Operacional. CECOMP Colegiado de Engenharia da Computação. Prof. Fábio Nelson. Slide 1 Sistema Operacional Slide 1 Sistema Operacional Um conjunto de programas que se situa entre os softwares aplicativos e o hardware: Gerencia os recursos do computador (CPU, dispositivos periféricos). Estabelece

Leia mais

Uma visão mais detalhada do software HP LoadRunner

Uma visão mais detalhada do software HP LoadRunner Boletim técnico Uma visão mais detalhada do software HP LoadRunner Índice Um novo enfoque no teste de desempenho: a solução HP LoadRunner 3 A solução HP LoadRunner e a terminologia dos testes de desempenho

Leia mais

Licenciamento de estações de trabalho Windows para Ambientes VDI

Licenciamento de estações de trabalho Windows para Ambientes VDI Microsoft VDI e Windows VDA Perguntas Frequentes Licenciamento de estações de trabalho Windows para Ambientes VDI Como a Microsoft licencia o Windows das estações de trabalho em ambientes virtuais? A Microsoft

Leia mais

Sistemas de Lotes (2) Sistemas de Lotes (3) Layout da MP em Sistemas de Lotes. Minimizar o tempo de resposta

Sistemas de Lotes (2) Sistemas de Lotes (3) Layout da MP em Sistemas de Lotes. Minimizar o tempo de resposta 1 Mono e multiprogramação Introdução Classificação (Aula 2) Recap Sistemas Máquina Profa. Patrícia Gerenciador D. CostaLPRM/DI/UFES Provê Fornece Compartilhamento programador máquina justa recursos Operacionais

Leia mais

Workshop de Virtualização de Desktops. Braga, 12 de Junho de 2013

Workshop de Virtualização de Desktops. Braga, 12 de Junho de 2013 Workshop de Virtualização de Desktops Braga, 12 de Junho de 2013 AGENDA AGENDA 09h30 Welcome Coffee Sala contígua ao Auditório do ILCH-UMinho, no piso 0 09h50 Boas Vindas Luís Costa, Senior Account Manager,

Leia mais

Introdução. Nível do Sistema Operacional. Introdução. Um Sistema Operacional... Introdução a Sistemas Operacionais

Introdução. Nível do Sistema Operacional. Introdução. Um Sistema Operacional... Introdução a Sistemas Operacionais Introdução Nível do Sistema Operacional (Aula 14) Introdução a Sistemas Operacionais Hardware Provê os recursos básicos de computação (CPU, memória, E/S,etc.) Programas (aplicações) Definem as maneiras

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos Introdução a Sistemas Distribuídos Definição: "Um sistema distribuído é uma coleção de computadores autônomos conectados por uma rede e equipados com um sistema de software distribuído." "Um sistema distribuído

Leia mais

Curso Técnico de Nível Médio

Curso Técnico de Nível Médio Curso Técnico de Nível Médio Disciplina: Informática Básica 3. Software Prof. Ronaldo Software Formado por um conjunto de instruções (algoritmos) e suas representações para o

Leia mais

EMULAÇÃO 3270 VIA WEB BROWSER

EMULAÇÃO 3270 VIA WEB BROWSER EMULAÇÃO 3270 VIA WEB BROWSER https://acesso.serpro.gov.br Jose.gomes@serpro.gov.br Divisão de Suporte Tecnológico SERPRO - Regional Brasília 0xx61-411 9007 Emulação 3270 via Web Browser O serviço de Emulação

Leia mais

Resumo cap. 4. Tecnologia de rede e telecomunicações - Proporciona a conectividade de dados, voz e vídeo a funcionários, clientes e fornecedores

Resumo cap. 4. Tecnologia de rede e telecomunicações - Proporciona a conectividade de dados, voz e vídeo a funcionários, clientes e fornecedores Resumo cap. 4 4.1) Infra-estrutura de TI: hardware As empresas contemporâneas exigem uma ampla variedade de equipamentos computacionais, software e recusos de comunicação apenas para funcionar e resolver

Leia mais

Introdução a Computação

Introdução a Computação Sistemas Operacionais: Software Oculto Introdução a Computação Sistemas Operacionais Serve como um intermediário entre o hardware e os softwares aplicativos. Sistema Operacional Software de sistemas Kernel

Leia mais

Aula 02 Conceitos básicos elipse. INFORMÁTICA INDUSTRIAL II ENG1023 Profª. Letícia Chaves Fonseca leticia.chavesfonseca@gmail.com

Aula 02 Conceitos básicos elipse. INFORMÁTICA INDUSTRIAL II ENG1023 Profª. Letícia Chaves Fonseca leticia.chavesfonseca@gmail.com Aula 02 Conceitos básicos elipse INFORMÁTICA INDUSTRIAL II ENG1023 Profª. Letícia Chaves Fonseca leticia.chavesfonseca@gmail.com 1. Introdução O Elipse E3 trabalha totalmente orientado para a operação

Leia mais

Material 5 Administração de Recursos de HW e SW. Prof. Edson Ceroni

Material 5 Administração de Recursos de HW e SW. Prof. Edson Ceroni Material 5 Administração de Recursos de HW e SW Prof. Edson Ceroni Desafios para a Administração Centralização X Descentralização Operação interna x Outsourcing Hardware Hardware de um Computador Armazenamento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA PRÓ REITORIA DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA PRÓ REITORIA DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA PRÓ REITORIA DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS INCUBADORA DE EMPREENDIMENTOS SOLIDÁRIOS PROJETO TELECENTROS COMUNITÁRIOS APPEL MICROSOFT LINUX GOOGLE É um controlador

Leia mais

Licenciamento de sistema operacional Microsoft com sistemas NComputing

Licenciamento de sistema operacional Microsoft com sistemas NComputing Licenciamento de sistema operacional Microsoft com sistemas NComputing Índice Vários usuários em um único sistema operacional...2 1:1 Virtual Desktop Infrastructure (VDI)......4 Aprimoramentos de desktop

Leia mais

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento HOME O QUE É TOUR MÓDULOS POR QUE SOMOS DIFERENTES METODOLOGIA CLIENTES DÚVIDAS PREÇOS FALE CONOSCO Suporte Sou Cliente Onde sua empresa quer chegar? Sistemas de gestão precisam ajudar sua empresa a atingir

Leia mais

FileMaker Pro 14. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 14

FileMaker Pro 14. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 14 FileMaker Pro 14 Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 14 2007-2015 FileMaker, Inc. Todos os direitos reservados. FileMaker Inc. 5201 Patrick Henry Drive Santa Clara,

Leia mais

OptiView. Total integração Total controle Total Network SuperVision. Solução de Análise de Rede. Ninguém melhor que os. Engenheiros de Rede e a Fluke

OptiView. Total integração Total controle Total Network SuperVision. Solução de Análise de Rede. Ninguém melhor que os. Engenheiros de Rede e a Fluke Ninguém melhor que os OptiView Solução de Análise de Rede Total integração Total controle Total Network SuperVision Engenheiros de Rede e a Fluke Networks para saber o valor de uma solução integrada. Nossa

Leia mais

GISWEB - Informação Geográfica ao Alcance de Todos

GISWEB - Informação Geográfica ao Alcance de Todos GISWEB - Informação Geográfica ao Alcance de Todos Bruno Perboni Qualityware Conselheiro Laurindo 825 cj. 412 centro Curitiba PR fone: 3232-1126 bruno@qualityware.com.br Maysa Portugal de Oliveira Furquim

Leia mais

Sistema centralizado O Paradigma Cliente/Servidor

Sistema centralizado O Paradigma Cliente/Servidor centralizado O Paradigma Cliente/Servidor Computador central (mainframe) + conjunto de terminais + recursos centralizados recursos mainframe terminais 2 distribuído Relações entre entidades Grupo de computadores

Leia mais

Escola Adalgisa de Barros

Escola Adalgisa de Barros Escola Adalgisa de Barros Sistemas Operacionais Ensino Médio Técnico 1º Ano 1 Software Hardware O Sistema Operacional (SO) é um software que gerencia os recursos do computador, controla o fluxo de informações

Leia mais

Augusto Ribeiro Mendes Filho Assessoria de Comunicação da Elipse Software

Augusto Ribeiro Mendes Filho Assessoria de Comunicação da Elipse Software APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA E ESGOTO DO DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS DE PORTO ALEGRE-RS (DMAE) Apresentamos neste case a implantação do

Leia mais

Cogent DataHub v7.0. A próxima geração em soluções para troca de dados em tempo real

Cogent DataHub v7.0. A próxima geração em soluções para troca de dados em tempo real Cogent DataHub v7.0 A próxima geração em soluções para troca de dados em tempo real Cogent é reconhecida como uma líder no segmento de soluções de middleware no domínio do tempo real. E, com a introdução

Leia mais

Infra-Estrutura de TI: Hardware e Software

Infra-Estrutura de TI: Hardware e Software Capítulo 4 Infra-Estrutura de TI: Hardware e Software 4.1 2007 by Prentice Hall Infra-Estrutura de TI: Hardware Componentes da Infra-Estrutura Hardware Software Tecnologia de gerenciamento de dados Tecnologia

Leia mais

Professor: Roberto Franciscatto. Curso: Engenharia de Alimentos 01/2010 Aula 3 Sistemas Operacionais

Professor: Roberto Franciscatto. Curso: Engenharia de Alimentos 01/2010 Aula 3 Sistemas Operacionais Professor: Roberto Franciscatto Curso: Engenharia de Alimentos 01/2010 Aula 3 Sistemas Operacionais Um conjunto de programas que se situa entre os softwares aplicativos e o hardware: Gerencia os recursos

Leia mais

Introdução à Informática

Introdução à Informática Introdução à Informática Aula 6 http://www.ic.uff.br/~bianca/introinfo/ Aula 6-21/09/2007 1 Ementa Conceitos Básicos de Computação (Hardware, Software e Internet) Softwares Aplicativos Tutorial: Word Tutorial:

Leia mais

01/04/2012. Voltar. Voltar

01/04/2012. Voltar. Voltar Introdução à Informática Capítulo 3 Sistemas Operacionais: Software em Segundo Plano Objetivos Descrever as funções de um sistema operacional. Explicar os fundamentos do sistema operacional de um computador.

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 05. Prof. André Lucio

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 05. Prof. André Lucio FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 05 Prof. André Lucio Competências da aula 5 Backup. WSUS. Serviços de terminal. Hyper-v Aula 04 CONCEITOS DO SERVIÇO DE BACKUP

Leia mais

Sistemas de Supervisão e Aquisição de Dados. SCADA - Supervisory Control and Data Aquisition

Sistemas de Supervisão e Aquisição de Dados. SCADA - Supervisory Control and Data Aquisition Sistemas de Supervisão e Aquisição de Dados SCADA - Supervisory Control and Data Aquisition São sistemas que utilizam software para monitorar e supervisionar as variáveis e os dispositivos de sistemas

Leia mais

SISTEMA DE GERÊNCIA - DmView

SISTEMA DE GERÊNCIA - DmView Sistema de Gerenciamento DmView O DmView é o Sistema de Gerência desenvolvido para supervisionar e configurar os equipamentos DATACOM, disponibilizando funções para gerência de supervisão, falhas, configuração,

Leia mais

Rede GlobalWhitepaper

Rede GlobalWhitepaper Rede GlobalWhitepaper Janeiro 2015 Page 1 of 8 1. Visão Geral...3 2. Conectividade Global, qualidade do serviço e confiabilidade...4 2.1 Qualidade Excepcional...4 2.2 Resiliência e Confiança...4 3. Terminais

Leia mais

Portabilidade da Linha RM Versão 11.20.0

Portabilidade da Linha RM Versão 11.20.0 Portabilidade da Linha RM Versão 11.20.0 Conteúdo Portabilidade para Servidor de Banco de Dados... 3 Níveis de Compatibilidade entre Bancos de Dados... 5 Portabilidade para Servidor de Aplicação... 6 Portabilidade

Leia mais

Sistemas SCADAS. Apresentação dos sistemas de supervisão do mercado de automação: - Elipse E3 (fabricante Eilpse)

Sistemas SCADAS. Apresentação dos sistemas de supervisão do mercado de automação: - Elipse E3 (fabricante Eilpse) A palavra SCADA é um acrônimo para Supervisory Control And Data Acquisition. Os primeiros sistemas SCADA, basicamente telemétricos, permitiam informar periodicamente o estado corrente do processo industrial,

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Capítulo 4 Infra-Estrutura de TI: Hardware e Software 2 1 OBJETIVOS

Leia mais

BRAlarmExpert. Software para Gerenciamento de Alarmes. BENEFÍCIOS obtidos com a utilização do BRAlarmExpert:

BRAlarmExpert. Software para Gerenciamento de Alarmes. BENEFÍCIOS obtidos com a utilização do BRAlarmExpert: BRAlarmExpert Software para Gerenciamento de Alarmes A TriSolutions conta com um produto diferenciado para gerenciamento de alarmes que é totalmente flexível e amigável. O software BRAlarmExpert é uma

Leia mais

Aula 2. Objetivo: Saber qual a funcionalidade de um sistema operacional de rede.

Aula 2. Objetivo: Saber qual a funcionalidade de um sistema operacional de rede. Aula 2 Objetivo: Saber qual a funcionalidade de um sistema operacional de rede. Sistema Operacional de Rede Definição: Conjunto de módulos que ampliam as tarefas dos sistemas operacionais locais, complementando-os

Leia mais

Fonte de Consulta: Sistemas de Informação e as Decisões Gerenciais na Era da Internet James A. O Brien NOTAS DE AULA

Fonte de Consulta: Sistemas de Informação e as Decisões Gerenciais na Era da Internet James A. O Brien NOTAS DE AULA NOTAS DE AULA 1. TENDÊNCIAS EM SISTEMAS DE MICROCOMPUTADORES Existem várias categorias principais de sistemas de computadores com uma diversidade de características e capacidades. Consequentemente, os

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Cluster, Grid e computação em nuvem Slide 8 Nielsen C. Damasceno Introdução Inicialmente, os ambientes distribuídos eram formados através de um cluster. Com o avanço das tecnologias

Leia mais

Fundamentos do uso de tecnologia da informação F U P A C V R B P R O F. C H R I S T I E N L. R A C H I D

Fundamentos do uso de tecnologia da informação F U P A C V R B P R O F. C H R I S T I E N L. R A C H I D Fundamentos do uso de tecnologia da informação O USO CONSCIENTE DA TECNOLOGIA PARA O GERENCIAMENTO F U P A C V R B P R O F. C H R I S T I E N L. R A C H I D Organização 1. Vínculo Administração-Tecnologia

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Portabilidade da Linha RM Versão 11.40.0

Portabilidade da Linha RM Versão 11.40.0 Portabilidade da Linha RM Versão 11.40.0 Conteúdo Portabilidade para Servidor de Banco de Dados... 3 Níveis de Compatibilidade entre Bancos de Dados... 5 Portabilidade para Servidor de Aplicação... 6 Portabilidade

Leia mais

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel 1 4 Estrutura do Sistema Operacional 4.1 - Kernel O kernel é o núcleo do sistema operacional, sendo responsável direto por controlar tudo ao seu redor. Desde os dispositivos usuais, como unidades de disco,

Leia mais

Um cluster de servidores de email pode ser usado para servir os emails de uma empresa.

Um cluster de servidores de email pode ser usado para servir os emails de uma empresa. CLUSTERS Pode-se pegar uma certa quantidade de servidores e juntá-los para formar um cluster. O serviço então é distribuído entre esses servidores como se eles fossem uma máquina só. Um cluster de servidores

Leia mais

Informática. Informática. Valdir

Informática. Informática. Valdir Informática Informática Valdir Questão 21 A opção de alterar as configurações e aparência do Windows, inclusive a cor da área de trabalho e das janelas, instalação e configuração de hardware, software

Leia mais

Sistemas Operacionais. (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO. Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto

Sistemas Operacionais. (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO. Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Sistemas Operacionais (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Estrutura 1. Definições 2. Classificações 3. CPU 4. Memória 5. Utilitários O que se

Leia mais

Programação de Computadores

Programação de Computadores Programação de Computadores Aula 04: Sistema Operacional Material Didático do Livro: Introdução à Informática Capron,, H. L. e Johnson, J. A Pearson Education Sistemas Operacionais: Software Oculto Serve

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 9º PERÍODO. Profª Danielle Casillo

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 9º PERÍODO. Profª Danielle Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 9º PERÍODO Profª Danielle Casillo Utilizar os mesmos processos do trabalho anterior (Ladder já existente). Implementar este sistema

Leia mais

EXIN Cloud Computing Fundamentos

EXIN Cloud Computing Fundamentos Exame Simulado EXIN Cloud Computing Fundamentos Edição Maio 2013 Copyright 2013 EXIN Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser publicado, reproduzido, copiado ou armazenada

Leia mais

Introdução. Sistemas Computacionais Classificação. Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação

Introdução. Sistemas Computacionais Classificação. Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação Introdução à Computação Sistemas Computacionais Prof. a Joseana Macêdo Fechine Régis de Araújo joseana@computacao.ufcg.edu.br

Leia mais

SISTEMA DE BANCO DE DADOS. Banco e Modelagem de dados

SISTEMA DE BANCO DE DADOS. Banco e Modelagem de dados SISTEMA DE BANCO DE DADOS Banco e Modelagem de dados Sumário Conceitos/Autores chave... 3 1. Introdução... 4 2. Arquiteturas de um Sistema Gerenciador... 5 3. Componentes de um Sistema... 8 4. Vantagens

Leia mais

18/03/2010. Os computadores de hoje são dispositivos eletrônicos que, sob direção e controle de um programa, executam quatro operações básicas:

18/03/2010. Os computadores de hoje são dispositivos eletrônicos que, sob direção e controle de um programa, executam quatro operações básicas: Introdução à Computação DSC/CEEI/UFCG Sistemas de Computação O computador é uma máquina eletrônica capaz de receber informações, submetê-las a um conjunto especificado e pré-determinado de operações lógicas

Leia mais

Infra estrutura da Tecnologia da Informação

Infra estrutura da Tecnologia da Informação Infra estrutura da Tecnologia da Informação Capítulo 3 Adaptado do material de apoio ao Livro Sistemas de Informação Gerenciais, 7ª ed., de K. Laudon e J. Laudon, Prentice Hall, 2005 CEA460 Gestão da Informação

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática. Sistema Operacional Proprietário Windows Prof. Walter Travassos

FTIN Formação Técnica em Informática. Sistema Operacional Proprietário Windows Prof. Walter Travassos FTIN Formação Técnica em Informática Sistema Operacional Proprietário Windows Prof. Walter Travassos Aula 01 SISTEMA OPERACIONAL PROPRIETÁRIO WINDOWS Competências do Módulo Instalação e configuração do

Leia mais

O que são sistemas supervisórios?

O que são sistemas supervisórios? O que são sistemas supervisórios? Ana Paula Gonçalves da Silva, Marcelo Salvador ana-paula@elipse.com.br, marcelo@elipse.com.br RT 025.04 Criado: 10/09/2004 Atualizado: 20/12/2005 Palavras-chave: sistemas

Leia mais

Nível do Sistema Operacional

Nível do Sistema Operacional Nível do Sistema Operacional (Aula 14) Introdução a Sistemas Operacionais Roberta Lima Gomes - LPRM/DI/UFES Sistemas de Programação I Eng. Elétrica 2007/1 Introdução Hardware Provê os recursos básicos

Leia mais

INTERNET HOST CONNECTOR

INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR IHC: INTEGRAÇÃO TOTAL COM PRESERVAÇÃO DE INVESTIMENTOS Ao longo das últimas décadas, as organizações investiram milhões de reais em sistemas e aplicativos

Leia mais

MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER

MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER TÁSSIO JOSÉ GONÇALVES GOMES tassiogoncalvesg@gmail.com MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 TÁSSIO GONÇALVES - TASSIOGONCALVESG@GMAIL.COM 1 CONTEÚDO Arquitetura

Leia mais

Portabilidade da Linha RM Versão 11.52

Portabilidade da Linha RM Versão 11.52 Portabilidade da Linha RM Versão 11.52 25/02/2014 Sumário 1. Portabilidade para Servidor de Banco de Dados... 3 2. Níveis de Compatibilidade entre Bancos de Dados... 4 3. Portabilidade para Servidor de

Leia mais

Wireless: aplicação na automação industrial

Wireless: aplicação na automação industrial Artigos Técnicos Wireless: aplicação na automação industrial Ricardo Jacobina Silva, Diretor Técnico da Autocon Automação e Controle Ltda. Introdução Este artigo busca apresentar, essencialmente, a utilização

Leia mais

Symantec Backup Exec.cloud

Symantec Backup Exec.cloud Proteção automática, contínua e segura que faz o backup dos dados na nuvem ou usando uma abordagem híbrida, combinando backups na nuvem e no local. Data Sheet: Symantec.cloud Somente 2% das PMEs têm confiança

Leia mais

Benefícios do Windows Server 2008 R2 Hyper-V para SMB

Benefícios do Windows Server 2008 R2 Hyper-V para SMB Benefícios do Windows Server 2008 R2 Hyper-V para SMB Sumário Introdução... 3 Windows Server 2008 R2 Hyper-V... 3 Live Migration... 3 Volumes compartilhados do Cluster... 3 Modo de Compatibilidade de Processador...

Leia mais

Classificação Quanto. Sistemas de Lotes (2) Sistemas de Lotes (3)

Classificação Quanto. Sistemas de Lotes (2) Sistemas de Lotes (3) 1 Mono e multiprogramação Introdução Classificação (Aula 2) Recap Sistemas Máquina Profa. Patrícia Gerenciador D. CostaLPRM/DI/UFES Provê Fornece Compartilhamento programador máquina justa recursos Operacionais

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE III: Infraestrutura de Tecnologia da Informação Atualmente, a infraestrutura de TI é composta por cinco elementos principais: hardware, software,

Leia mais

Introdução e Aplicação de Sistemas SCADA em Engenharia

Introdução e Aplicação de Sistemas SCADA em Engenharia Introdução e Aplicação de Sistemas SCADA em Engenharia Eng. Fernando Guessi Plácido E-mail: fernandogplacido@hotmail.com Skype: fernando.guessi Roteiro O que é SCADA Benefícios de um sistema de supervisão;

Leia mais

Linux Terminal Server - Vantagens e Limitações

Linux Terminal Server - Vantagens e Limitações Linux Terminal Server Vantagens e Limitações IV Encontro de Informática Inmetro & Rbmlq 19 a 21 de Outubro de 2004. Daniel Cordeiro de Morais Neto APRESENTAÇÃO Daniel Cordeiro de Morais Neto João Pessoa

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 01. Prof. André Lucio

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 01. Prof. André Lucio FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 01 Prof. André Lucio Competências do modulo Introdução ao sistema operacional Windows Instalação e configuração do sistema

Leia mais

Guia de vendas Windows Server 2012 R2

Guia de vendas Windows Server 2012 R2 Guia de vendas Windows Server 2012 R2 Por que Windows Server 2012 R2? O que é um servidor? Mais do que um computador que gerencia programas ou sistemas de uma empresa, o papel de um servidor é fazer com

Leia mais

O Padrão de Comunicação OPC e Suas Características

O Padrão de Comunicação OPC e Suas Características O Padrão de Comunicação OPC e Suas Características Ana Clara Ratunde, Matheus Costa Santos e Yago Oliveira Cruz Resumo As diferenças que existem entre os padrões dos protocolos de comunicação sempre impediram

Leia mais

Amplie os horizontes da sua empresa com o Software Assurance e o Windows Vista.

Amplie os horizontes da sua empresa com o Software Assurance e o Windows Vista. Amplie os horizontes da sua empresa com o Software Assurance e o Windows Vista. Introdução Software Assurance Windows Vista Trazendo uma série de novas ofertas para maximizar o seu investimento, o Software

Leia mais

ESTUDO DE CASO WINDOWS VISTA

ESTUDO DE CASO WINDOWS VISTA ESTUDO DE CASO WINDOWS VISTA História Os sistemas operacionais da Microsoft para PCs desktop e portáteis e para servidores podem ser divididos em 3 famílias: MS-DOS Windows baseado em MS-DOS Windows baseado

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 3 Virtualização de Sistemas 1. Conceito Virtualização pode ser definida

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 1 OBJETIVOS 1. Qual é a capacidade de processamento e armazenagem que sua organização precisa para administrar suas informações e transações empresariais?

Leia mais

Automação do Processo de Instalação de Softwares

Automação do Processo de Instalação de Softwares Automação do Processo de Instalação de Softwares Aislan Nogueira Diogo Avelino João Rafael Azevedo Milene Moreira Companhia Siderúrgica Nacional - CSN RESUMO Este artigo tem como finalidade apresentar

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores 3º Ano Sistemas de Informação 2008 Aula 05A: Hub/Switch/Gateway Servidores e Virtualização Prof. Msc. Ricardo Slavov ricardo.slavov@aes.edu.br Roteiro Pedagógico HUB Switch Bridge

Leia mais

OPERAÇÃO REMOTA DE PLANTAS DE MINERAÇÃO E SANEAMENTO

OPERAÇÃO REMOTA DE PLANTAS DE MINERAÇÃO E SANEAMENTO OPERAÇÃO REMOTA DE PLANTAS DE MINERAÇÃO E SANEAMENTO Carlos Eduardo Gurgel Paiola (cpaiola@aquarius.com.br), Engenheiro de Controle e Automação, M.Sc., Aquarius Software; Alexandre Roberto Granito (automacao@sanasa.

Leia mais

Informe técnico: Virtualização de endpoints Symantec Endpoint Virtualization Suite Otimização dinâmica do espaço de trabalho

Informe técnico: Virtualização de endpoints Symantec Endpoint Virtualization Suite Otimização dinâmica do espaço de trabalho Informe técnico: Virtualização de endpoints Otimização dinâmica do espaço de trabalho Visão geral O é uma solução poderosa e flexível com foco na produtividade do usuário, independentemente dos equipamentos,

Leia mais

Gerenciamento unificado para milhares de ativos por toda a vida útil

Gerenciamento unificado para milhares de ativos por toda a vida útil Gerenciamento unificado milhares de ativos por toda a vida útil O Endpoint Manager da IBM, construído com tecnologia BigFix, oferece gerenciamento mais rápido e inteligente Destaques Gerencie milhares

Leia mais

Informática I. Aula 19. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1

Informática I. Aula 19. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1 Informática I Aula 19 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1 Ementa Histórico dos Computadores Noções de Hardware e Software Microprocessadores Sistemas Numéricos e Representação

Leia mais

FAT32 ou NTFS, qual o melhor?

FAT32 ou NTFS, qual o melhor? FAT32 ou NTFS, qual o melhor? Entenda quais as principais diferenças entre eles e qual a melhor escolha O que é um sistema de arquivos? O conceito mais importante sobre este assunto, sem sombra de dúvidas,

Leia mais